ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA. CLÁUSULA RESOLUTIVA - AVERBAÇÃO. DÚVIDA - IMPUGNAÇÃO PELO TABELIÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA. CLÁUSULA RESOLUTIVA - AVERBAÇÃO. DÚVIDA - IMPUGNAÇÃO PELO TABELIÃO."

Transcrição

1 DECISÃO 1ª VRPSP DATA: 22/12/2004 FONTE: LOCALIDADE: SÃO PAULO (4º SRI) Relator: Venício Antonio de Paula Salles Legislação: Lei nº 6.015/73; art. 472 do Código Civil; Lei nº 8.906/94; art. 5º da CF e Lei nº 9.514/97. ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA. CLÁUSULA RESOLUTIVA - AVERBAÇÃO. DÚVIDA - IMPUGNAÇÃO PELO TABELIÃO. EMENTA NÃO OFICIAL: 1. O contrato de compra e venda com cláusula resolutiva expressa é contrato condicional e depende do pagamento das parcelas do preço. 2. A menção à cláusula resolutiva deve compor averbação subseqüente ao registro, com a indicação precisa dos valores e prazos da condição, mostrando-se viável para melhor revelar o direito em questão, dotando a matrícula da indispensável visibilidade e transparência. Dúvida improcedente. Íntegra: Processo nº: Vistos, etc... Cuida-se de procedimento administrativo de dúvida registral, suscitada nos termos do art. 198, da Lei de Registros Públicos, pelo Oficial do 4 Registro de Imóveis da Capital em face de Claudia Yumie Kubota Gongora. Destacou que foi apresentado para registro escritura pública de compra e venda tendo por objeto o imóvel matriculado sob o n Contudo não foi recebido por ter sido convencionada Cláusula Resolutiva Expressa, cuja validade foi negada em decisão da 1ª VRP. Juntou documentos e pugnou pelo processamento. O Ministério Público se manifestou pela procedência da dúvida. É o relatório. DECIDO: Cuida-se de DÚVIDA suscitada pela Oficiala do 4º SRI, que obstou o ingresso de escritura pública de VENDA E COMPRA com cláusula resolutiva expressa, calcada no disposto do art. 472 do Código Civil, em razão da existência de precedente neste sentido, que não reconheceu a registrabilidade de tal instrumento. Inicialmente é de se destacar a inoperância da IMPUGNAÇÃO promovida pelo Oficial do Tabelionato de Notas, conquanto não dotado de incumbência LEGAL ou autorização regulamentar que o permita, a produção de DEFESA em dúvida administrativa. As diligências que lhe foram franqueadas se limitam ao encaminhamento de seus escritos e notas, bem como a adoção de medidas ordinárias para seu implemento prático. Estas condutas foram esmiuçadas pela E. Corregedoria Geral da Justiça, junto às Normas de Serviço, com o desempenho necessário e próprio, tipificador de mero assessoramento sobre o ATO NOTARIAL a ser realizado (Normas da E.C.G.J. Cap. XIV, Seção art. 1º, letra f ). As restrições funcionais inibem que o Tabelionato ou seu Oficial produza DEFESA em nome ou representando o interessado, sob pena de desvirtuamento de suas funções e/ou de agressão ao estatuto da O.A.B. (Lei 8.906/94 art. 1. São atividades privativas de advocacia: I. a postulação em qualquer órgão do Poder Judiciário... II. as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídica). Entretanto, em que pese o descaminho, o presente procedimento de dúvida, mesmo desprovido de impugnação, exige o seu julgamento, mormente frente a manifestação ministerial.

2 Portanto, feito este saneamento procedimental, é de se observar que o título causal, acostado aos autos por sua via original, assinala, além da necessária descrição do bem e qualificação completa das partes envolvidas, o VALOR DA TRANSAÇÃO e a forma escalonada e parcelada como este deve ser quitado. A cláusula 9ª do instrumento encerra uma condição resolutiva, que se expressa pelo desfazimento da transferência em caso de inadimplência. Portanto, a ESCRITURA PÚBLICA de venda e compra encerra uma transação para pagamento futuro, que no entender do suscitante seria um negócio ou uma compra e venda condicionada. A questão colocada e discutida nos autos, foi motivada pelos efeitos da decisão proferida no processo , na qual foi reconhecido e proclamado o entendimento que o contrato de venda e compra dotado de cláusula RESOLUTIVA EXPRESSA expressaria o sentido de mero compromisso particular de compra e venda. O teor da decisão em comento merece transcrição: O suscitado alienou o imóvel descrito e caracterizado na matrícula n /13 SRI a Joaquim Mario Sequeira Mello, sendo que o registro 8, lançado no corpo do assento registral não faz referência a cláusula resolutiva expressa prevista no título causal. Sustentando que se trata de disposição que deve compor a informação registral, o suscitado, invocando o percurso procedimental previsto no art. 198, da Lei de Registros Públicos, requereu a suscitação de dúvida, que restou formulada e formalizada, posto ter entendido o Oficial Registrador, que tais disposições contratuais, não compõe conteúdo próprio e típico de DIREITO REAL, refugindo, destarte, à órbita de controle e de publicização da via registral. Em sua impugnação o suscitado sustenta o REGISTRO de tais disposições contratuais, posto que em seu entender ostentam natureza de condição, havendo expressa autorização estampada no item 29, do art. 167 da Lei de Registros Públicos. O Ministério Público, em fundamentado parecer, se posicionou neste mesmo sentido, destacando que se trata de CONTRATO DE COMPRA E VENDA CONDICIONAL, de forma que deve conquistar acesso, não só em função do trespasse imobiliário, mas também em atenção às condições contratuais, entre elas as disposições que estabelecem as formas de resolução. O título causal, acostado aos autos por sua via original, assinala, além da necessária descrição do bem e qualificação completa das partes envolvidas, o VALOR DA TRANSAÇÃO e a forma escalonada e parcelada como este deve ser quitado. A cláusula 4ª do instrumento encerra uma condição resolutiva, que se expressa pelo desfazimento da transferência em caso de inadimplência. Portanto, a ESCRITURA PÚBLICA de venda e compra encerra uma transação para pagamento futuro, que no entender do suscitante seria um negócio ou uma compra e venda condicionada. Em que pese as posições em contrário lançadas nos autos, correto foi o entendimento do REGISTRADOR. Assinale-se que os pactos bilaterais de compra e venda envolvem necessariamente contraprestações opostas que se encerram e esgotam com o justo e correto cumprimento das obrigações envolvidas. O comprador quita o preço e o vendedor outorga e transfere o domínio, obrigações que se anulam, aperfeiçoando os efeitos do contrato. Assim, compra e venda pura e simples sempre envolve o PAGAMENTO integral do valor ou do preço, como o exige o art. 481, do Código Civil. Se o preço, ao reverso, vier estampado em parcelas, a natureza do contrato se transmuda, passando a ostentar a condição de PROMESSA DE VENDA E COMPRA. Não há outra alternativa, que permita RESERVAR O DOMÍNIO ou domínio resolúvel, em face de uma COMPRA E VENDA, a não ser como ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA, que não é o caso dos autos ou do título causa em exame. Portanto, não sendo alienação fiduciária, o registrador somente poderia tomar o contrato por suas formas usuais. A leitura feita conduziu o OFICIAL a concluir que o pacto envolvia COMPRA E VENDA PURA, razão pela qual houve o registro, sem as anotações que seriam incompatíveis com esta forma contratual.

3 Equivoca-se o suscitante ao afirmar que se trata de contrato condicional, conquanto as condições suspensivas e resolutivas encerram condições acidentais e não essenciais. No caso a cláusula resolutiva, mesmo tendo sido desenhada de forma incompleta e precária (na medida em que não soluciona a questão de eventual pagamento parcial e a forma de devolução do preço pago ou se este deve ser considerado como perdas e danos ), deixa claro que o efeito pretendido seria o de estabelecer uma forma de RESERVA DE DOMÍNIO, pois o inadimplemento tornaria desfeita a veda de pleno direito. O CONTRATO DE COMPRA E VENDA CONDICIONAL, não encerra um contrato para pagamento futuro. Conforme nos ensina o prof. Silvio Venosa, em sua primorosa obra sobre o Código Civil, as cláusulas que estabelecem CONDIÇÃO, compõe elementos acidentais dos negócios jurídicos. O art. 125 do novo Estatuto Civil (art. 118 do Código superado), bem indica que as condições do contrato, podem ser suspensivas ou resolutivas. As primeiras impedindo os efeitos do pacto enquanto não implementadas as condições e as segundas, encerrando os efeitos do contrato, caso venha a ocorrer. No caso da condição resolutiva, dá-se de plano, desde logo, a aquisição do direito. A situação é inversa à condição suspensiva. O implemento da condição resolutiva resolve o direito em questão, isto é, faz cessar seus efeitos, extingue-se. Não se trata, portanto, de contrato condicional, posto que a pseuda condição estaria lastreada em disposição essencial e não acidental, como seria o caso, de um negócio imobiliário condicionado à aprovação de uma OBRA, a uma mudança do zoneamento, a uma verificação no solo, etc. O próprio preço que é a contraprestação OBRIGATÓRIA do contrato de compra e venda, não pode atuar como condição do mesmo contrato. A decisão paradigma e ora reproduzida está a merecer melhores e mais completos esclarecimentos, para aplacar as dúvidas e incertezas que o debate encerra. Com este propósito é de se sublinhar que o art. 474, do Código Civil, que prevê a CLAUSULA RESOLUTIVA EXPRESSA, não estabelece restrição, limitação ou indicação capaz de impedir a sua aplicação e inserção em todos os tipos e formas de contrato de compra e venda, quer envolvam móveis ou imóveis. A nova doutrina produzida a partir da edição do Estatuto Civil também se pronunciou neste sentido, destacando e apresentando um retrato genérico, proclamando que o emprego da cláusula resolutiva expressa, não permite qualquer consideração ou interpretação restritiva. Todas as abalizadas vozes produziram um certo consenso, no sentido de que a ausência de previsão do instituto do pacto comissório, não inviabilizou a sua adoção, sob a forma de cláusula resolutiva. Neste sentido se pronunciou o estudioso Registrador, Ademar Fioranelli, quando abordou especificamente a questão do pacto comissório, destacando que encerra uma modalidade de clausula resolutiva expressa. Não subentendida no contrato com pagamento a prestação, deve ser declarada de forma explícita e contundente, sem o que a compra e venda será pura, sem possibilidade de resolução, obedecendo-se às regras comuns no campo estritamente obrigacional (in Direito Registral IRIB SAFE pág. 489). Outrossim, é de se observar que nosso ordenamento jurídico assegura e resguarda o direito à LIBERDADE em toda sua pureza e extensão, sendo o atributo de maior tutela no sistema constitucional, cedendo lugar de primazia apenas para a garantia à VIDA. A liberdade de contratação, que é uma das formas estruturais das liberdades gerais, encontra fundamento de validade neste principio enunciado no art. 5 da norma fundamental (o ORDENAMENTO JURÍDICO pátrio, insculpido sob a forma de ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, consagrou e reverenciou o pleno PRINCÍPIO DA LIBERDADE, que afeta todos os setores e segmentos, mormente da INICIATIVA PRIVADA, conferindo liberdade total para contratar, desde que atendidos os requisitos mínimos de VALIDADE do ato ou do negócio, tal como previsto no art. 104, do CC, de forma que sendo lícito o objeto e capazes seus agentes, todo e qualquer CONTRATO pode ser validamente firmado, respeitada as formas prescritas. O ESTADO somente se imiscui em tal desiderato, nos casos em que venha a reconhecer o desequilíbrio da relação contratual, dando tutela, para os mais desprotegidos, como o são os empregados em face dos empregadores, os consumidores em face dos produtores, os idosos de uma forma geral, etc. Afora estas situações de reconhecido DESNÍVEL, a LIBERDADE de contratar é plena, e os protótipos apresentados pelo Estatuto Civil, não tem poder limitador).

4 Mesmo frente a todo este caráter permissivo, que alarga os conceitos e agiganta a aplicação das regras do direito civil, é de se considerar, de outro lado, que a essência de todo e qualquer CONTRATO, não é revelado por sua 'forma', mas por seu exato conteúdo, que consubstancia o sentido das VONTADES envolvidas. O art. 112 do atual estatuto civil e o art. 85 do codex superado, sublinham, com a autoridade de PRINCÍPIO DE DIREITO, que nos negócios jurídicos se atenderá mais à intenção nelas consubstanciada do que ao sentido literal da linguagem. Este enunciado estrutural exige a perquirição sobre a exata intenção manifestada nos contratos, que deve prevalecer sobre as formas. Assim considerando, é de se ponderar que a essência das VONTADES pode conduzir os pactos de COMPRA E VENDA a dois protótipos básicos. O contrato pode ser concluído no ATO da negociação ou vincular o seu aperfeiçoamento à observância de obrigações futuras. Tratando-se de disposições sobre o preço ou sobre pagamento, os CONTRATOS podem ser à vista, e neste caso são considerados como compra e venda pura, ou à prazo certo, e nesta hipótese serão condicionais. No caso sub examine, o objeto do estudo envolve CONTRATO CONDICIONADO a pagamento FUTURO, de forma que sendo contrato condicional, que ainda não se aperfeiçoou, pois depende do pagamento de parcelas, lícito é considerar que o PACTO não se concretizou por inteiro. Se há condição a ser implementada, não há conclusão do negócio, o que equivale a dizer que não há a compra e venda pura ou concluída. Não há lógica em se atribuir a um contrato condicional, ainda não cumprido, a produção de todos os seus efeitos peculiares e próprios. Todas as cláusulas condicionais impedem que o contrato produza plenos efeitos (no sentido do atingimento de seu resultado final), quer sejam disposições de caráter suspensivo, quer tenham índole resolutiva. Na prática temos negócios à prazo vinculados a títulos de crédito, que se dotados de efeito pro soluto, resolvem por completo a contratação, gerando uma compra e venda perfeita e acabada, remanescendo apenas um direito ao CRÉDITO representado pelos TÍTULOS. De outro lado, em se tratando de negócio à prazo vinculado a títulos de crédito dotados de efeitos pro solvendo, os efeitos do negócio ficam na dependência da conclusão do pagamento. Portanto, não nos filiamos à opinião do ilustre prof. Serpa Lopes, que afirma que o contrato dotado de cláusula resolutiva, opera efeitos integrais e imediatos, ao prelecionar que o ato sob condição resolutiva surge completo; a transcrição do mesmo não possui um caráter puramente assecuratório, mas opera com efeito constitutivo, por que assim autoriza a natureza do título, que lhe serve de fundamento. Compartilhamos do entendimento de que a cláusula resolutiva opera plenos efeitos, nos termos do art. 472, mas não o contrato em si, que depende do implemento da condição. Na compra e venda de móvel, o negócio se opera com a tradição e a resolução do contrato obriga à devolução da coisa. A situação dos contratos de compra e venda de IMÓVEIS envolve um universo diverso e efeitos mais abrangentes. Os efeitos do trespasse imobiliário atingem terceiros, pois dotados de repercussão erga omnes. Assim, os contratos condicionais não podem ser negócios concluídos, de forma que terceiros devem ser adequadamente informados a respeito desta situação jurídica inacabada ou pendente. O padrão legal para os negócios feitos a prazo é o COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA ou a PROMESSA DE COMPRA E VENDA, que pode contemplar todo e qualquer imóvel, loteado ou não loteado, terreno ou imóvel edificado (art. 167, inciso I, itens 6, 9 e 18 da Lei de Registros Públicos). De outro lado, a Lei 9.514/97, com muito esforço de abstração, criou a figura jurídica da ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA imobiliária, que permite a venda à prazo ficando o vendedor (fiduciário), com a garantia de recuperar o bem no caso de inadimplemento do comprador (fiduciante). No compromisso ou promessa de venda e compra o REGISTRO se cinge ao DIREITO decorrente

5 do contrato, que conferirá ao comprador a titularidade caso quite o valor. Neste caso o trespasse depende de um novo CONTRATO (exigência que o Direito Positivo deveria abolir). Nestes casos, eventual constrição judicial ou administrativa incide sobre os diretos decorrentes do compromisso, de forma que a conseqüente arrematação, também não pode ultrapassar esta limitação que afeta a penhora (apenas sobre direitos e não sobre o domínio). Também no caso de alienação fiduciária, a eventual penhora sobre bens ou direito do comprador, pode atingir seus direitos e não o domínio. Estas duas situações não geram maiores conflitos e se ajustam à natureza do direito de PROPRIEDADE, que não possui uma restrita natureza BILATERAL. Em se tratando de contrato de venda com cláusula resolutiva, caso este, ao reverso do que indica a sua disposição CONDICIONAL, for admitido como perfeito e acabado, produzindo efeitos integrais com trespasse do da propriedade, eventual constrição incidiria sobre a domínio, autorizando a arrematação deste, inabilitando a resolução posterior. A situação se complicaria ainda mais, se aventarmos a hipótese do comprador do imóvel clausulado, aliena-lo a terceiro que vier a perder a propriedade em razão de execução judicial ou administrativa. Nestes casos não haveria solução plausível para os direitos envolvidos, o que revela o desacerto da premissa interpretativa (transferência do domínio). Estes exercícios práticos revelam a LÓGICA da situação, que inadmite que um contrato CONDICIONAL seja considerado perfeito e acabado, determinando a transmissão do domínio, principalmente porque o sistema concebe, sem restrições, modalidades contratuais que se ajustam à VONTADE em questão, permitindo a venda à prazo, sem a conquista do domínio (promessa de venda e compra), ou com a obtenção deste (alienação fiduciária). Em conclusão, temos que o CONTRATO DE COMPRA E VENDA dotado de CLAUSULA RESOLUTIVA EXPRESSA, não permite o REGISTRO traslativo do DOMÍNIO. Contudo, respeitando-se o princípio da irrelevância das formas (art. 112, CC), o contrato pode ser registrado como contrato condicional (item 29), com a anotação expressa desta peculiaridade e precisa menção aos termos, valores e prazos da cláusula resolutiva. Assim, o registro da Escritura Pública somente pode ser feito com a menção de que se trata de compra e venda condicional e não concluída. A menção à cláusula resolutiva deve compor AVERBAÇÃO subseqüente ao registro, com a indicação precisa dos valores e prazos da condição. Mesmo não integrando o rol ou o elenco do art. 167, II, da Lei de Registros Públicos, tal averbação se mostra viável para melhor revelar o direito em questão, dotando a matrícula da indispensável visibilidade e transparência. A inserção da clausula resolutiva no corpo ou no contexto do REGISTRO do contrato, dificulta o entendimento e o controle de seus efeitos. O cancelamento da averbação da cláusula e a transmudação do negócio jurídico de 'condicional' em 'puro' e concluído, deve ser feito por nova averbação frente a comprovação da quitação. Assim, em conclusão, o contrato com resolução por inadimplemento comporta registro, com disposição apta a patentear que não se trata de pacto inteiramente consumado e aperfeiçoado, para que terceiros sejam melhor esclarecidos sobre esta limitação e para que eventuais penhoras e arrematações não operem efeitos sobre o domínio, mas sim sobre o direito decorrente. Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE A DÚVIDA, para determinar o registro do CONTRATO DE COMPRA E VENDA com cláusula RESOLUTIVA EXPRESSA, que deverá estampar que se trata de contrato CONDICIONAL e dependente do pagamento das parcelas do preço. A cláusula deverá compor averbação indicativa de todas as suas condições temporais e materiais (tempo e valores). Cumpra-se o disposto no art. 203 da LRP. P.R.I.C. São Paulo, 22 de dezembro de 2004.

6 Venício Antonio de Paula Salles Juiz de Direito Titular (D.O.E. 21/02/2005)

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL João Pedro Lamana Paiva 1 Resumo: este artigo faz uma abordagem acerca do registro do contrato de compra e venda de imóvel que contenha cláusula que condicione

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1.

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1. SUMÁRIO RESUMO... 13 PREFÁCIO... 15 INTRODUÇÃO... 19 1 CONTRATOS... 23 1.1 Noções gerais... 23 1.2 Conceito... 25 1.3 Elementos do contrato... 26 1.3.1 Elementos essenciais... 26 1.3.1.1 Agente capaz...

Leia mais

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ANEXO II - s dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS TABELA 1 (R$) Valor Final ao Usuário 1 Aprovação de testamento cerrado 139,36 43,83 183,19 1101-5 2 Ata

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 0011994-89.2012.8.26.0362 Tipo: Acórdão CSM/SP Data de Julgamento: 23/08/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação: Data não disponível Estado: São Paulo Cidade:

Leia mais

OAB XIV EXAME PROVA BRANCA. Comentário às questões de Direito Empresarial

OAB XIV EXAME PROVA BRANCA. Comentário às questões de Direito Empresarial OAB XIV EXAME PROVA BRANCA Comentário às questões de Direito Empresarial A prova, no geral, foi bem elaborada e não admite recursos. Critica-se apenas a questão 49, pela inclusão da duplicata cartularizada,

Leia mais

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A portabilidade de financiamento imobiliário (com transferência de alienação fiduciária de bem imóvel em garantia)

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO f PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÒRDÃO/DECISAOMONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Compra e venda com reserva de domínio Raquel Abdo El Assad * Através da compra e venda com reserva de domínio, não se transfere a plena propriedade da coisa ao comprador, pois ao

Leia mais

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 TABELA A ATOS DOS TABELIÃES 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 02 ATAS NOTARIAIS (pela lavratura e registro, conforme a complexidade do fato observado a ser transformado em ato jurídico

Leia mais

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta Guia de Compra Segura Apartamentosna planta de A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso a Tecnisa criou esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008.

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. Senhor(a) Oficial(a) de Registro de Imóveis: De ordem do Excelentíssimo Senhor Desembargador

Leia mais

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior.

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. Sumário: I Considerações iniciais; II Características dos contratos de incorporação imobiliária; III Elementos dos contratos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) Altera a Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997, que "Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação

Leia mais

EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013

EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013 EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013 1. INTRODUÇÃO 1.1 A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO MINAS GERAIS, por seu Presidente, DR. LUÍS CLÁUDIO DA SILVA CHAVES, para conhecimento

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 327 Registro: 2015.0000232987 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1091097-70.2014.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante CLAUDIO GUERREIRO, são apelados ALTA GRACIA

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes Contrato de Compra e Venda Outubro/2010 Prof a. Esp. Helisia Góes Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro (VENOSA). É o negócio jurídico bilateral pelo qual uma das partes (vendedora) se obriga

Leia mais

! " # $ $ % & $ $ ' (#! ) * + ),! -+!, #. + ) + / -+ /, 0

!  # $ $ % & $ $ ' (#! ) * + ),! -+!, #. + ) + / -+ /, 0 Durante dezenas de anos, os proprietários de imóveis na Barra da Tijuca (Jardim Oceânico e Tijucamar), tiveram seus imóveis devidamente registrados no 9º Ofício de Imóveis como alodiais ou seja livres

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO Seminário ABECIP 20/09/2012: dobrando a participação do crédito imobiliário no PIB Flaviano Galhardo Registrador de Imóveis 1 - FINS

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Contrato de Compra e Venda Outubro/2011 Prof a. HELISIA GÓES Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro

Leia mais

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel.

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Dentre as inúmeras espécies contratuais previstas na legislação civil, emerge uma utilizada em larga escala no dia-a-dia tanto empresarial como

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 0000006-12.2011.8.26.0587 Tipo: Acórdão CSM/SP Data de Julgamento: 24/05/2012 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:01/08/2012 Estado: São Paulo Cidade: São Sebastião

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

Que fazem entre si, de um lado a empresa..., na..., aqui representada. por..., brasileiro,

Que fazem entre si, de um lado a empresa..., na..., aqui representada. por..., brasileiro, 34) INSTRUMENTO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA Que fazem entre si, de um lado a empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob nº...., com sede na..., aqui representada por..., brasileiro, maior, casado, administrador

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL Por meio deste instrumento de contrato particular pelo qual: De um lado NOME PROPRIETÁRIO(OS), brasileiro, comerciário, solteiro, RG SSP/SP, CPF,

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A DIFERENÇA ENTRE DAÇÃO EM PAGAMENTO, PERMUTA E PAGAMENTO PARCIAL EM IMÓVEL E O DIREITO AOS HONORÁRIOS Ilmo. Sr. EDSON SHUIGUENOBU YANAGUI (26.283) Rua Capitão Macedo n 60 apto. 14 040021-020 São

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

PREPARATÓRIO BANCO DO BRASIL/ESCRITURÁRIO QUESTÕES COMENTADAS PROVA APLICADA PELA CESGRANRIO EM 18/10/2015.

PREPARATÓRIO BANCO DO BRASIL/ESCRITURÁRIO QUESTÕES COMENTADAS PROVA APLICADA PELA CESGRANRIO EM 18/10/2015. PREPARATÓRIO BANCO DO BRASIL/ESCRITURÁRIO QUESTÕES COMENTADAS PROVA APLICADA PELA CESGRANRIO EM 18/10/2015. PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT E-MAIL: marthamesserschmidt@hotmail.com CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50

PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007. Processo nº 80000.014403/2007-50 PARECER CONJUR / MCIDADES Nº 1796/2007 CONSULTA EFETUADA PELA CAIXA. ANÁLISE DE ESCRI- TURA DE ÁREA DE INTERVENÇÃO, REFERENTE A CON- TRATO DE REPASSE CELEBRADO COM O MUNICÍPIO DE (...). IMÓVEL ORIUNDO

Leia mais

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA

Precedente da Câmara. APELAÇÃO DESPROVIDA. EDUARDO SANTOS DA SILVA APELAÇÃO CÍVEL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO APRESENTADO EM JUÍZO. RECURSO DO RÉU. A transação em juízo não exige a intervenção de advogados, restando válido o acordo pactuado no presente

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA E EFEITOS DO REGISTRO PARA AQUISIÇÃO DE BEM IMÓVEL 1 O REGISTRO DE IMÓVEIS EM SEU ASPECTO AMPLO

COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA E EFEITOS DO REGISTRO PARA AQUISIÇÃO DE BEM IMÓVEL 1 O REGISTRO DE IMÓVEIS EM SEU ASPECTO AMPLO COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA E EFEITOS DO REGISTRO PARA AQUISIÇÃO DE BEM IMÓVEL Fabiano Vicente SILVA 1 Francisco José Dias GOMES 2 RESUMO: O presente artigo tem o objetivo de tratar de um tema que gera

Leia mais

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA RGI N: ESCRITURA DE COMPRA E VENDA VENDEDOR: COMPRADORA: IMÓVEL: VALOR DA VENDA E COMPRA: R$ VALOR VENAL DE REFERÊNCIA: R$ INSCRIÇÃO CADASTRAL: S A I B A M quantos esta pública escritura virem aos ----

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Edital 001/2014

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Edital 001/2014 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA Edital 001/2014 SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA RESPOSTA DA QUESTÃO PRÁTICA 01 A presente questão é dividida

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS PRIMEIRA VARA FEDERAL PORTARIA 002/08

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CIRCUNSCRIÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS PRIMEIRA VARA FEDERAL PORTARIA 002/08 PORTARIA 002/08 Os Doutores GUILHERME PINHO MACHADO, Juiz Federal da Vara Federal Cível da Subseção Judiciária de Canoas, e DANIEL LUERSEN, Juiz Federal Substituto, no uso de suas atribuições legais, e

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CHANCE ÚNICA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CHANCE ÚNICA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CHANCE ÚNICA 1 Da Oferta 1.1. A presente oferta promocional denominada CHANCE ÚNICA ( Oferta ) é instituída por mera liberalidade de empresas do grupo Camargo Corrêa Desenvolvimento

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ALEXANDRE LAZZARINI (Presidente) e THEODURETO CAMARGO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ALEXANDRE LAZZARINI (Presidente) e THEODURETO CAMARGO. fls. 187 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000273106 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 101381993.2014.8.26.0002, da Comarca de São Paulo, em que é apelante EVENMOB CONSULTORIA DE IMOVEIS

Leia mais

PLANILHA DE QUALIFICAÇÃO COMPRA E VENDA *

PLANILHA DE QUALIFICAÇÃO COMPRA E VENDA * PLANILHA DE QUALIFICAÇÃO COMPRA E VENDA * PROTOCOLO n o MATRÍCULA (S) n o S = Sim N = Não NA = Não se aplica ANÁLISE DA MATRÍCULA 1 Proceda a uma análise da matrícula e faça um resumo de todos os atospositivos

Leia mais

GUIA DO COMPRADOR. Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br. Pag 1

GUIA DO COMPRADOR. Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br. Pag 1 Pag 1 CRECI J 23 004 Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br 1 - QUAL A VANTAGEM DE SE COMPRAR UM IMÓVEL NO SEU LANÇAMENTO? 2 - O QUE SIGNIFICA COMPRAR UM IMÓVEL NA

Leia mais

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0024.05.707278-7/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 27/04/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:13/05/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Belo Horizonte

Leia mais

35 a Câmara A C O R D A O *01967384*

35 a Câmara A C O R D A O *01967384* ^ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO 3 SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO J APELAÇÃO S/ REVISÃO N 1031227-0/3 35 a Câmara Comarca de SÃO PAULO 4 0.V.CÍVEL Processo 37645/05 APTE CMW PLANEJAMENTO E CONSULTORIA

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

Guia de Compra Segura

Guia de Compra Segura Guia de Compra Segura de Apartamentos na planta A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso criamos esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do mercado

Leia mais

Os novos rumos da Hipoteca no âmbito da Incorporação Imobiliária

Os novos rumos da Hipoteca no âmbito da Incorporação Imobiliária Os novos rumos da Hipoteca no âmbito da Incorporação Imobiliária Por Roberto Santos Silveiro É inegável que a garantia hipotecária, vem, paulatinamente, perdendo força e cedendo espaço para outras garantias

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de. SÃO PAULO, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de. SÃO PAULO, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE 13^ 2 «-> - 1 - ACÓRDÃO I TRIBUNAL DE'JUSTIÇA DE. 2 Vistos, relatados e discutidos estes autos de ^ APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 283.044-4/0-00, da Comarca de, em que são apelar t es CLODOALDO HUGO DE

Leia mais

DO PROMITENTE COMPRADOR

DO PROMITENTE COMPRADOR DO PROMITENTE COMPRADOR Ver meu artigo científico http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9612 SERPA LOPES, Apud DINIZ (2011, p. 419) - Compromisso Irretratável

Leia mais

CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E VENDA DOS IMÓVEIS

CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E VENDA DOS IMÓVEIS CONDIÇÕES DE PAGAMENTO E VENDA DOS IMÓVEIS CONDIÇÕES DE PAGAMENTO O pagamento deverá ser a vista para os imóveis arrematados por qualquer valor, com pagamento no ato da arrematação. Sobre o valor do arremate,

Leia mais

i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7*

i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7* TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i nu mu mu um um um mi um mi mi *C)^Ã.nf : \RR~7* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 278 Registro: 2014.0000422637 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2051171-74.2014.8.26.0000, da Comarca de, em que é agravante MADRID INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A Secretaria de Administração do Estado X publicou edital de licitação, na modalidade concorrência, para a elaboração dos projetos básico e executivo e para a realização

Leia mais

1 de 8 23/12/2011 23:24

1 de 8 23/12/2011 23:24 1 de 8 23/12/2011 23:24 TABELA 4 (R$) ATOS DO OFICIAL DE REGISTRO DE IMÓVEIS Emolumentos Taxa de Fiscalização Judiciária Valor Final ao Usuário 1 Averbação (com todas as anotações e referências a outros

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Imóveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000422XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº XXXXXX- XX.2008.8.26.0000, da Comarca de, em que são apelantes GUILHERME (Omitido) e outras, são apelados KLASELL

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO DO PROMITENTE COMPRADOR

DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO DO PROMITENTE COMPRADOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE PALMAS CURSO DE DIREITO DIREITO CIVIL V TRABALHO DE DIREITO CIVIL DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO DO PROMITENTE COMPRADOR Alunos: Maria Aparecida P. S. Apinajé Lucas

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no MANDADO DE SEGURANÇA Nº 13.873 - DF (2008/0219759-2) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADA EMBARGADO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : INSTITUTO NOSSA SENHORA DO CARMO : PRISCILLA TRUGILLO MONELLO

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015 Estabelece normas gerais para o registro da regularização fundiária urbana. Seção I Disposições Gerais Art. 1º. O processo e os atos de registro da

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000166668 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0203107-50.2009.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante VERSAILLES INCORPORADORA SPE LTDA, são

Leia mais

Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel

Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel 28 de Outubro de 2011 ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS Alienação fiduciária de bens imóveis - surgiu com a edição da Lei 9.514, de 20 de novembro

Leia mais

DES. LUÍS AUGUSTO COELHO BRAGA (PRESIDENTE) E DES.ª ELISA CARPIM CORRÊA

DES. LUÍS AUGUSTO COELHO BRAGA (PRESIDENTE) E DES.ª ELISA CARPIM CORRÊA Agravo de instrumento. Recuperação judicial. Contrato de crédito. Hipótese em que a garantia do banco é dinheiro dos depósitos em conta corrente e aplicações financeiras na forma de penhor. Incidência

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

Guia Rápido do Cliente

Guia Rápido do Cliente Guia Rápido do Cliente Seja bem-vindo! Está chegando a hora de viver a vida em Alphaville. Para nós, é um grande prazer recebê-lo e poder compartilhar esse momento de realização com você. Nesse Guia Rápido,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO ClVEL n^ 071.433-4/5, da Comarca de SÃO PAULO, em que é apelante TROPVILLE COMERCIAL LTDA., sendo apelada EMPRESARIAL E ASSESSORIA S/C LTDA.:

Leia mais

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: PROMITENTE VENDEDOR ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

Inolvidável que o compromisso pactuado pode ser rescindido extrajudicialmente, desde que com a concordância de ambas as partes, mediante distrato.

Inolvidável que o compromisso pactuado pode ser rescindido extrajudicialmente, desde que com a concordância de ambas as partes, mediante distrato. COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS RESOLUÇÃO/ RESCISÃO / RESILIÇÃO Inolvidável que o compromisso pactuado pode ser rescindido extrajudicialmente, desde que com a concordância de ambas as partes,

Leia mais

INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO "INTERVIVOS" E DIREITOS A ELES RELATIVOS.

INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO INTERVIVOS E DIREITOS A ELES RELATIVOS. LEI Nº 1449/88 INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO "INTERVIVOS" E DIREITOS A ELES RELATIVOS. Eu, Paulo Alberto Duarte, Prefeito do Município de Lages, comunico a todos os habitantes deste Município, que

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada Fls. PROCESSO: 837554 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ITAMAR ANTÔNIO DINIZ (Diretor do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Três Pontas/MG) PROCEDÊNCIA: INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.099.480 - MG (2008/0230045-4) RECORRENTE : CONSTRUTORA E INCORPORADORA TERRANOVA LTDA ADVOGADO : JOSÉ CESAR PALACINI DOS SANTOS E OUTRO(S) RECORRIDO : OFICIAL DO CARTÓRIO DE REGISTRO

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 204.246 - MG (1999/0014944-0) RELATOR : MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA RECORRENTE : LUCIANO DINIZ IMÓVEIS LTDA ADVOGADO : LILIANE NETO BARROSO E OUTROS RECORRIDO : ROBERTO CARLOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000172403 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0021434-36.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 12 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 2 Data 14 de janeiro de 2014 Origem DELEGACIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DE SÃO PAULO DERAT. ASSUNTO:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL

ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL Pelo presente instrumento, o ESTADO DO CEARÁ, representado pela SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA DO ESTADO DO CEARÁ SEINFRA, pessoa jurídica de Direito

Leia mais