A CONCRETIZAÇÃO DA RESERVA LEGAL VIA DE AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA EM FACE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE PROPRIEDADE DO PODER PÚBLICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONCRETIZAÇÃO DA RESERVA LEGAL VIA DE AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA EM FACE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE PROPRIEDADE DO PODER PÚBLICO"

Transcrição

1 A CONCRETIZAÇÃO DA RESERVA LEGAL VIA DE AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROPOSTA EM FACE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE PROPRIEDADE DO PODER PÚBLICO Alexandre de Matos Guedes Promotor de Justiça do Estado de Mato Grosso É possível juridicamente, via de ação pública, se compelir instituições financeiras de propriedade do Poder Público a não realizar quaisquer empréstimos ou financiamentos a proprietários rurais que não tenham cumprido a sua obrigação legal de proceder à averbação da reserva legal florestal nas matrículas imobiliárias onde seus prédios estão inscritos. 1. Introdução É fato que a obrigação dos proprietários rurais em proceder a averbação das reservas legais florestais em seus respectivos prédios, prevista nos artigos 16 e 44 do Código Florestal vem sendo sistematicamente ignorada por esses detentores de domínio imobiliário, que não se preocupam, em sua esmagadora maioria, em cumprir o dever que lhes foi imposto pela norma citada, causando assim, senão um real, pelo menos um potencial, risco às áreas florestais que deveriam ser preservadas para a interesse da coletividade. Esta obrigação legal a ser cumprida pelos proprietários rurais cujos imóveis se enquadram nas especificações dos artigos 16 e 44 do Código Florestal não é cumprida em virtude da inexistência de sanção direta e imediata contra os faltosos, decorrente da omissão do texto legal nesse sentido. Assim sendo, pela falta de instrumentos expressos para obrigar os detentores de domínio imobiliário rural, a reserva legal permanece, na maior parte das vezes, e para todos os efeitos práticos, como letra morta. É certo que é possível a proposição de ações judiciais, principalmente pelo Ministério Público, contra os proprietários faltosos, com toda a probabilidade de êxito. Ocorre, no entanto, que essas ações, por sua própria natureza, são individuais e se deve, em cada uma delas, provar a omissão do detentor de domínio, dentro de uma instrução judicial normal. A dificuldade é que quando se encara essa questão do ponto de vista global, o que se nota é que essas ações individuais não resolvem o problema, principalmente nos Estados da Federação onde existe uma grande extensão territorial explorada por meio de agropecuária, com um imenso número de propriedades rurais (e de proprietários) a serem fiscalizados e processados, circunstâncias essas que, uma vez juntadas com um aparelho judiciário e ministerial de diminutas proporções, com comarcas de enormes extensões territoriais, principalmente as de 1ª entrância, onde o Juiz e o Promotor (quando as vagas estão providas, o que nem sempre acontece) tem de cuidar de todos os assuntos (crime, família, feitos cíveis em geral, menores, etc.) sobra muito pouca possibilidade de se tratar eficazmente do problema da reserva legal que é sistematicamente inobservada. Não há, simplesmente, tempo para se fiscalizar o efetivo cumprimento dos artigos 16 e 44 do Código Florestal. Por outro lado, mesmo que houvesse tempo e estrutura para se fazer, principalmente por parte do Ministério Público, a fiscalização do cumprimento dos dispositivos mencionados, com a proposição das medidas judiciais cabíveis contra os proprietários omissos, é certo que o grande número destes implicaria, consequentemente, em um grande número de ações individuais (por vezes até na casa das centenas) as quais, uma vez interpostas, acabariam por lotar os Fóruns e Escrivanias, onde se juntariam à vala comum de todos os processos que, por falta de estrutura e pessoal do aparelho judiciário, não teriam uma tramitação célere, e, portanto, não se chegaria a qualquer solução para a questão da reserva florestal, que estaria do mesmo tamanho de antes da propositura das ações. Mesmo a possibilidade de se firmar termos de ajustamento com os proprietários rurais faltosos se torna problemática, principalmente nos Estados mais periféricos e onde se concentram as reservas florestais a serem protegidas em virtude, como já se disse, da falta de pessoal suficiente, pelo Ministério Público, para se dedicar com a eficácia necessária para a questão, e também do fato de que nesses lugares ainda não se firmou uma cultura judicial rápida e previsível o suficiente para convencer psicologicamente os proprietários a cumprirem lei que

2 2 fere seus interesses econômicos básicos, sendo que estes preferem utilizar a lentidão judicial sistêmica em seu benefício o que nos leva às dificuldades mencionadas no parágrafos anteriores. Urge, portanto, encontrar meios de, através de ações judiciais coletivas, no caso ações civis públicas, compelir estes proprietários, ainda que por vias indiretas, a pessoalmente proceder a averbação da reserva legal prevista no Código Florestal, pois este é o único meio para que se possa dar tratamento eficiente ao problema, garantindo-se assim, a efetiva solução da questão e a obtenção dos meios necessários para a defesa de um meio ambiente equilibrado, direito de todos, segundo os termos da Constituição Federal. As observações acima elencadas são fruto de minha observação pessoal como Promotor de Justiça no Estado de Mato Grosso, no exercício de minhas antigas funções como Curador do Meio Ambiente em diversas Comarcas daquela unidade federativa, sendo que as conclusões a que se chegou para a solução do verdadeiro nó górdio que tal questão representa se encontram a seguir expostas, sendo certo que as mesmas serviram como base para Ação Civil Pública por mim e por outro Promotor de Justiça, Dr. Domingos Sávio de Barros Arruda, proposta na Comarca de Cuiabá-MT. 2.Do procedimento de instituições financeiras de propriedade do Poder Público em relação ao financiamento de proprietários rurais Como é de conhecimento público e notório, o Poder Público Federal, principalmente através do Banco do Brasil S/A e de outros instituições, como o Banco da Amazônia, por exemplo, é o agente financiador por excelência da atividade agropecuária neste país, utilizandose para tanto, dos recursos dessas referidas instituições bancárias e de recursos que pertencem diretamente á União Federal (que esses Banco administram) que para exercer tal atividade de fomento das atividades agropastoris deste país. São em suma, estes bancos que decidem quando, onde e a quem as verbas de financiamento agrícola serão emprestadas. Ocorre que essas instituições financeiras, ao conceder os financiamentos pleiteados pelos produtores agrícolas, o faz SEM ATENTAR PARA OS DEVERES IMPOSTOS PELO ordenamento jurídico pátrio AOS ADMINISTRADORES DE RECURSOS PÚBLICOS, concentrando-se apenas e tão-somente nos aspectos comerciais do empréstimo e olvidando a sua função de agente estatal, mediante a qual deveria observar o interesse público primário, cumprindo, entre outros, o seu dever de assegurar o direito dos cidadãos em usufruir de um meio ambiente ecologicamente equilibrado, garantia constitucional esculpida no artigo 225 da Carta Magna. Mais especificamente, ao conceder financiamento a agricultores sem exigir previamente a prova de que estes procedam a averbação da reserva legal florestal em suas propriedades rurais nas respectivas matrículas imobiliárias nas hipóteses exigidas por lei, esta instituições financeiras estão VOLUNTARIAMENTE DESCUMPRINDO SEUS DEVERES OBJETIVOS e deste modo prosseguem compactuando com uma situação de descumprimento do ordenamento jurídico deste país, infringindo assim, a sua obrigação, enquanto agente do Poder Público, em proceder de acordo com o princípio da legalidade, da moralidade, da finalidade e da eficiência, basilares em nosso direito. O que a realidade demonstra é o fato de essas instituições financeiras encarregadas de conceder crédito público agrícola estão sistematicamente procedendo a financiamentos e refinanciamentos a proprietários rurais que descumprem as suas obrigações legais de averbar a reserva legal ambiental, não sendo exigido dos vários tomadores de recursos para atividades agropastoris, como seria de rigor a comprovação de que os mesmos estão (ou que pretendam estar) em dia com as suas obrigações legais previstas nos artigos 16 e 44 do Código Florestal. 3. Da natureza dessas instituições financeiras de propriedade do Poder Estatal, enquanto agentes públicos Em primeiro lugar, deve-se fixar qual exatamente é a natureza dessas instituições financeiras de propriedade do Poder Público, ora em debate, das quais o Banco do Brasil é paradigma, em relação aos ditames do nosso ordenamento jurídico. O Banco do Brasil se constitui em nosso ordenamento, ineludivelmente, um agente paraestatal na modalidade de sociedade de economia mista. Neste sentido informa ODETE MEDAUAR, in Direito Administrativo Moderno, ed. Revista dos Tribunais, 1ª ed., 1996, p. 101: Dentre as

3 sociedades de economia mista, podem ser arroladas, em âmbito federal: Banco do Brasil, Petrobrás, PETROBRÁS, Rede Ferroviária Federal, (...) (Palavra em destaque constante do original trecho sublinhado nosso) A definição jurídica do que seja sociedade de economia mista e as implicações da inclusão do Réu nesta categoria encontram assento na lição de HELY LOPES MEIRELLES (atualizado por Eurico de Andrade Azevedo, Délcio Balestero Aleixo e José Emmanuel Burle Filho), in Direito Administrativo Brasileiro, Malheiros Editores, 23ª ed., 1998, que vai a seguir transcrita: As sociedades de economia mista são pessoas jurídicas de Direito Privado, com participação do Poder Público e de particulares no seu capital e na sua administração, para a realização de atividade econômica ou serviço de interesse coletivo outorgado ou delegado pelo Estado. Revestem a forma das empresas particulares, admitem lucro e regem-se pelas normas as sociedades mercantis, com as adaptações impostas pelas leis que autorizarem sua criação e funcionamento. São espécie do gênero paraestatal, porque dependem do Estado para a sua criação, e ao lado do Estado e sob seu controle desempenham atribuições de interesse público que lhes forem cometidas. Integram a administração indireta como instrumentos de descentralização de serviços (em sentido amplo: serviços, obras, atividades) que antes competiam ao Poder Público. (Palavras em destaque conforme o original) Deve-se considerar, portanto, que essas instituições financeiras se constituem em agentes que exercem atividade de interesse público, e nessa qualidade, portanto, estão sujeitas aos ditames do artigo 37 da Constituição Federal, o que vale dizer que ele está jungidos aos prefalados princípios da legalidade, moralidade, etc. A partir daí, o que se tem é que as instituições bancárias em pauta, embora sejam pessoas de direito privado, e portanto detentoras de seus próprios interesses, estão inseridas dentro da necessidade de observância do interesse público em geral, o qual deve pautar os seus procedimentos, não podendo portanto agir como uma instituição financeira normal, que só visa o seu lucro. A respeito de como o interesse público deve prevalecer sobre os interesses particulares do agente público, preleciona CELSO ANTÔNIO BANDEIRA DE MELLO, in Curso de Direito Administrativo, Malheiros Editores, 6ª ed., 1995, ps. 46/47: Interesse público ou primário é o pertinente à sociedade como um todo e só ele pode ser validamente objetivado, pois este é o interesse que a lei consagra e entrega à compita do Estado como representante do corpo social. Interesse secundário é aquele que atina tão-só ao aparelho estatal enquanto entidade personalizada e que por isso mesmo pode lhe ser referido e nele encarnar-se pelo simples fato de ser pessoa. (...) Com efeito, por exercerem função os sujeitos da Administração Pública têm que buscar o atendimento do interesse alheio, qual seja, o da coletividade, e não o interesse de seu próprio organismo, Qua tale considerado e muito menos os dos agentes estatais. (Palavra em destaque consoante o original trecho sublinhado nosso) Muito bem! A partir do momento em que se caracterizam essas instituições bancárias como uma modalidade de agente público que tem de atender ao interesse público globalmente considerado em superposição aos seus interesses particulares, É IMPERATIVO concentrar-se o aspecto do interesse público primário que motivou o ingresso da presente ação civil pública, qual seja, a defesa do meio ambiente. O artigo 225 da Constituição Federal é bastante claro ao afirmar como sendo interesse do Poder Público como um todo a defesa do ecossistema, sendo que a existência de um meio ambiente equilibrado, mais do que uma obrigação estatal, se constitui em uma garantia de cada cidadão. A partir do momento em que se determina que o Poder Público tem o dever de defender o meio ambiente e que os agentes financeiros em pauta fazem parte do Poder Público, temos, como conclusão necessária desse raciocínio, que cabe ao Banco do Brasil e aos seus congêneres defender o ecossistema, objetivo esse que deve permear o dia-a-dia de suas atividades, inclusive as QUE SE DIRIGEM A OFERTA DE RECURSOS DESTINADOS A FINANCIAMENTO OU REFINANCIAMENTOS AGRÍCOLAS. A partir do momento em que essas instituições bancárias financiam, mediante a utilização de seus recursos próprios e de recursos do Poder Público, a exploração agrícola de imóveis rurais por proprietários que não cumprem as suas obrigações legais concernentes à 3

4 4 averbação da reserva florestal (dever jurídico que será melhor esmiuçado mais adiante) fica evidente que na verdade esses Bancos estão contribuindo para a manutenção de um quadro de desrespeito à lei e para o continuado prejuízo ao meio ambiente que a falta da reserva florestal acarreta. O que se observa na prática cotidiana comercial de tais instituições financeiras é que existe a preocupação de obter, antes da concessão dos empréstimos, uma série de garantias e de documentos de ordem comercial (constituição de hipoteca do imóvel, prova de quitação do Imposto Territorial Rural, por exemplo), mas não garantia do cumprimento de obrigações legais concernentes à proteção ambiental. É de se dizer que em muitos casos, principalmente em atividades agroindustriais mais extensas, com evidente potencial poluidor, esses agentes financeiros tem até exigido o cumprimento de normas ambientais e até a realização de estudos de impacto ambiental. Entretanto, esses cuidados não se estendem aos financiamentos agrícolas comuns, que são concedidos e repactuados de forma sistemática e regular sem que se exija, ao menos, a averbação da reserva legal florestal, na medida em que se considera que esses empreendimentos comuns não possuam potencial poluidor, o que, como se sabe, não corresponde exatamente à realidade. Essa política de financiamento equivocada do Réu, em não exigir o cumprimento das normas ambientais a TODOS os candidatos a financiamento agrícola, mas apenas em determinadas situações especiais, acaba por acarretar, como vimos, um grave desserviço ao interesse público, porque acaba por cobrir de benesses estatais pessoas que comprovadamente não vem cumprindo as suas obrigações jurídicas atinentes à preservação de um meio ambiente ecologicamente equilibrado. Portanto, é obrigação dessas instituições financeiras adotar, no cotidiano de suas atividades, uma política de asseguramento do ecossistema, providenciando para que em TODAS as suas operações de financiamento agrícola e não apenas em alguns casos sejam exigidos dos tomadores do empréstimo a comprovação de que estão em dia com as suas responsabilidades ambientais. 4. Da caracterização da obrigação jurídica de averbar a reserva florestal em prédio rural Uma vez fixada a natureza e os fins dessas instituições financeiras encarregadas do fomento agrícola, no que concerne à defesa do ecossistema, deve-se a partir deste momento, caracterizar a obrigação jurídica do titular do domínio em proceder à averbação certa e definida da reserva legal florestal na matrícula predial rural que integra o seu patrimônio. A necessidade de averbação de reserva legal, como se sabe, se encontra insculpida no Código Florestal, em seus artigos 16 e 44. Embora os dispositivos acima citados não prevejam a sanção para o descumprimento da obrigação de averbar, é certo que o dever jurídico de proceder a tal ato existe e não pode ser ignorado. Na verdade, deve-se considerar ainda que a reserva florestal existe independentemente da averbação, pois a sua criação decorre diretamente da lei mencionada. Se existe a obrigação legal de proceder à averbação da reserva legal ambiental à margem da matrícula predial rural, nos imóveis especificados nos dispositivos legais em tela conclui-se, obrigatoriamente, que todos os registros imobiliários referentes a áreas rurais cujos proprietários não procederam à lavratura do referido ato registral ENCONTRAM-SE IRREGULARES PARA TODOS OS FINS JURÍDICOS. A partir do momento em que as matrículas imobiliárias em tela, cujas averbações de reserva legal florestal não foram feitas, encontram-se irregulares, é forçoso reconhecer, ainda, que a concessão de financiamentos aos seus proprietários, posterior à vigência do dispositivo legal acima mencionado, significa na verdade uma perpetuação da ilicitude contida nas matrículas em epígrafe, faltando as instituições financeiras de propriedade do Poder Público ao seu dever de velar pela legalidade e moralidade, na qualidade de agente estatal quando autoriza empréstimos nessas condições. Deve-se dizer neste momento que a obrigação de averbar a reserva florestal legal, além de decorrer diretamente da lei acima mencionada, independe de qualquer regulamentação, como demonstra a jurisprudência de nossos Tribunais, representada pelo acórdão a seguir transcrito: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MS Ano do Processo: 96 Número do Processo: Data de Julgamento: 12/03/96 Decisão: POR MAIORIA

5 Ramo do Direito: CÍVEL Ementa: APELACÃO CÍVEL. DUVIDA INVERSA. TRANSFERENCIA DE DOMINIO DE IMÓVEL RURAL. RESERVA LEGAL. INTELIGENCIA DO PARÁGRAFO 2. DO ART. 16 DA LEI N DESNECESSIDADE DE REGULAMENTACÃO. RECURSO IMPROVIDO. O conteúdo do parágrafo 2. do artigo 16 da Lei que alterou disposições do Código Florestal e que exige a previa averbação de 20% da área do imóvel rural, que se pretende transferir o domínio, e de imediata aplicabilidade, sendo de todo desnecessária qualquer regulamentação posterior, impondo-se a reserva legal de qualquer forma de vegetação natural, independentemente da atividade a ser nele explorada. A jurisprudência acima faz referência ao artigo 16 do Código Florestal, que é similar ao artigo 44 do mesmo diploma legal acima mencionado, sendo, portanto que a lição ali posta serve para qualquer das regiões de nosso país. Uma vez estabelecida a obrigação legal do proprietário de imóvel rural configurado nos ditames do artigo 44 do Código Florestal em averbar a reserva legal florestal, e no dever que as instituições financeiras em pauta em não realizar qualquer financiamento a esses detentores de domínio enquanto não regularizarem tal situação, devemos dizer que não basta, para os fins colimados pelo nosso ordenamento jurídico, uma averbação genérica da reserva legal, onde se encontre descrita de forma singela a reserva de uma parcela da superfície da propriedade em questão para fins de reserva florestal, mas não diz quais os limites e confrontações da área restringida dentro do prédio em referência. A fim de se cumprir e se fazer respeitar, sem subterfúgios, as normas acima mencionadas do Código Florestal e o próprio interesse público, se faz necessário que a averbação da reserva florestal seja realizada de forma específica e determinada, mencionando o ato notarial o tamanho da área reservada, bem como os seus limites e confrontações dentro do imóvel específico, etc. Deve-se dizer que tal especificação da área reservada no ato averbatório se presta aos mais diversos fins. Em primeiro lugar, o detalhamento da reserva florestal é necessária, a fim de que esta possa efetivamente existir no mundo material, pois, sem o detalhamento de onde ela se encontra, o próprio dono do imóvel não poderá tomar as providências necessárias para a sua demarcação e preservação, sem o que não poderá realizar um planejamento regular da exploração econômica de seu prédio. Além disso, a demarcação da reserva florestal é indispensável para que os agentes estatais possam fiscalizar, sem margem a arbítrios de qualquer espécie, a efetiva existência da área restrita. Obviamente, se área reservada não estiver devidamente demarcada e especificada, as autoridades públicas competentes ficarão impedidas de exercer o dever de fiscalização do cumprimento da lei em epígrafe, frustrando-se assim os objetivos da norma em exame. Verificase, portanto, que até mesmo uma eventual averbação de certa porção indeterminada de propriedade rural representa, tanto como a própria falta de averbação, uma verdadeira burla ao texto legal, razão pela qual não pode ser tolerado tal expediente pelas instituições bancárias em pauta quando forem aferir as exigências prévias e o próprio exame das condições de pertinência da concessão de financiamento ao candidato ao empréstimo. Ademais, a especificação da área averbada para fins de reserva florestal é exigência dos próprios princípios atinentes aos registros públicos, que só são verdadeiramente regulares e aceitáveis se forem claros e determinados, não deixando margem a dúvidas que interfiram na certeza e segurança de que devem gozar os assentos notariais. Neste sentido, temos a lição de MARIA HELENA DINIZ, in Sistemas de Registros de Imóveis, 1992, ed. Saraiva, ps. 11/12: O registro imobiliário seria o poder legal de agentes do ofício público, para efetuar todas as operações relativas a bens imóveis e a direitos a eles condizentes, promovendo atos de escrituração, assegurando aos requerentes a aquisição e exercício do direito de propriedade e a instituição de ônus reais de fruição, garantia ou de aquisição. Com isso, o assentamento dá proteção especial à propriedade imobiliária, por fornecer meios probatórios fidedignos de situação do imóvel, sob o ponto de vista da respectiva titularidade e dos ônus reais que o gravam, e por revestir-se de publicidade, que lhe é inerente, tornando os dados registrados conhecidos de terceiros. 5

6 6 O registro de imóveis seria o fiel repositório de informações, contendo todos os dados alusivos à propriedade imobiliária, por acompanhar a vida dos direitos reais sobre os bens de raiz. Sua função seria a de especificar o imóvel registrado e os demais direitos reais que sobre ele recaírem. Por isso, nesta obra., procuraremos estudar o registro como ato primordial da aquisição da propriedade imobiliária. (Trechos sublinhados nossos). Outra finalidade pela qual as instituições financeiras em pauta devem impor a averbação certa e específica da área da reserva florestal no imóvel em epígrafe vincula-se à preservação dos direitos de terceiros interessados em comprar determinado prédio rural, os quais tem o interesse de saber precisamente quais as restrições de caráter legal/administrativo que pesam sobre a propriedade, a fim de poder aquilatar o preço ou mesmo a conveniência do negócio. Portanto, fica evidente que os bancos em pauta, de propriedade do Poder Público, tem todo o dever de exigir dos candidatos a qualquer tipo de financiamento agrícola o cumprimento da obrigação de averbar a reserva legal de suas propriedades que estiverem enquadradas dentro das prescrições dos artigos 16 e 44 do Código Florestal, não podendo os proprietários dessas áreas se esquivar de tal exigência, eis que a mesma visa simplesmente à comprovação de uma obrigação expressamente prevista pelo ordenamento. 5. Da ação civil pública necessária para se combater a omissão das instituições bancárias de financiamento agrícola controladas pelo Poder Público. A partir do momento em que se admite que realmente existe o poder-dever dos agentes financeiros controlados pelo Poder Público em não conceder quaisquer empréstimos ou financiamentos a titulares de domínio rural cujas matrículas imobiliárias, onde estão inscritos seus prédios, deveriam ter por lei averbada a reserva legal, mas que simplesmente ignoram essa exigência legal, deve-se encarar o problema de como fazer esses bancos passarem a cumprir as suas obrigações juridicamente estabelecidas, pois é certo que na prática eles continuam a realizar esses atos que vão na contramão dos princípios que regulam, não apenas a sua atividade, mas a própria atividade estatal. Seria possível a realização de termos de ajustamento com os bancos e, caso estes se negassem a adotar o posicionamento que legalmente se espera deles, nos termos acima exposto, seria cabível a propositura de ação civil pública, com fulcro no artigo 1º, incisos I e IV, da Lei Nº 7.347/85, sendo que essa ação teria a pretensão de obter do Poder Judiciário o estabelecimento de uma obrigação de não-fazer, condenando-se essas instituições financeiras recalcitrantes a se abster, definitivamente, de conceder financiamentos a proprietários de imóveis rurais cujas características se enquadrem nas hipóteses previstas nos artigos 16 e 44 do Código Florestal, e que não tenham inserido nas suas matrículas imobiliárias respectivas a averbação, no registro de imóveis competente, da reserva legal florestal em termos certos e definidos quanto ao seu tamanho, limites e confrontações, devendo essa abstenção perdurar até que os referido titulares de domínio rural cumpram com as suas obrigações de proceder à averbação em pauta, que deverá ser feita de forma detalhada e definida, a fim de se cumprir o seu escopo legal. Conclusões 1. É possível juridicamente a proposição de ação civil pública onde se pretenda que as instituições bancárias, de propriedade do Poder Público, que tenham funções de exercer financiamento agrícola, se abstenham de praticar quaisquer atos de financiamento ou refinanciamento a titulares de domínio imobiliários cujas matrículas estejam, por suas próprias características, sujeitas à averbação da reserva legal, de acordo com o disposto nos artigos 16 e 44 do Código Florestal e onde não se tenha procedido às referidas averbações, obrigatórias por lei. 2. Esse dever de abstenção de fornecimento de financiamento e refinanciamentos a proprietários rurais inadimplentes com as suas obrigações ambientais se fundamenta juridicamente no princípio da prevalência do interesse público sobre o particular, sendo que esses bancos controlados pelo Poder Estatal devem agir sempre na defesa do primeiro em detrimento do último, cumprindo a sua obrigação jurídica expressa no artigo 225 da Constituição Federal, de fazer garantir uma meio ambiente ecologicamente equilibrado para todos; 3. Que essas instituições financeiras devem exigir, antes de qualquer empréstimo ou refinanciamento, não apenas a averbação da reserva legal, quando esta for obrigatória, mas também que a referida reserva seja especificada na matrícula, mencionado-se a sua área, os seus

7 limites e confrontações, etc., pois a averbação de reserva legal desacompanhada de qualquer especificação não atende aos fins colimados pelos artigos 16 e 44 do Código Florestal, eqüivalendo, para todos os efeitos práticos, na própria inexistência da averbação em pauta. 7

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011.

Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Nota Técnica n 01/2011 Ementa: Apresentação da declaração de bens e rendas. Lei 8.730/93. Lei 8.429/92. Instrução Normativa do TCU nº 65, de 20 de abril de 2011. Obrigatoriedade. 1. No dia 03.05.2011 o

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL

DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL DO CRITÉRIO DA AUTORIDADE COMPETENTE NA AVERBAÇÃO DA RESERVA LEGAL RODRIGO ANDREOTTI MUSETTI I-) INTRODUÇAO. A exploração de florestas de domínio privado (não sujeitas ao regime de utilização limitada

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014

RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA BAHIA Inquérito Civil Público Autos n.º 1.14.000.001665/2012-31 RECOMENDAÇÃO n.º 05/2014 NO ESTADO DE DIREITO GOVERNAM AS LEIS E NÃO OS HOMENS. VIGE

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 30 /2014

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 30 /2014 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 30 /2014 INQUÉRITO CIVIL Nº 003.0.27816/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, por intermédio da Promotora de Justiça que, abaixo, subscreve, com fulcro no quanto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237.

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237. PARECER Trata-se de parecer em resposta à consulta formulada pela Presidência da Câmara Municipal de sobre a constitucionalidade do instituto do acesso a cargo público. Em sua solicitação, o Presidente

Leia mais

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI REALIZADORA BONNAIRE RESIDENCIAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ sob n. 09.259.333/0001-04, com seus

Leia mais

PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007.

PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007. PORTARIA Nº 144 DE 07 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o modelo do Termo de Compromisso previsto no art. 129 da Lei no 10.431, de 20 de dezembro de 2006, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc.

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc. ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO Nº.../2008 Dispõe sobre a implantação do controle dos selos de autenticidade pelo novo Sistema de Impressão de Guia Extrajudicial Online

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT.

A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. 1 A RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA PARMALAT. Vinicius Leal Batista de Andrade 1 RESUMO A empresa seus aspectos e características, notas breves sobre o que venha ser uma empresa, sua função. Recuperação judicial,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 001/2013

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 001/2013 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 001/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS, por meio da Procuradoria Distrital dos Direitos do Cidadão e da 2ª Promotoria de Justiça de Delitos de

Leia mais

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis RIDALVO MACHADO DE ARRUDA PROCURADOR FEDERAL (PFE-INCRA/PB) ESPECIALISTA EM DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO NO DIREITO AGRÁRIO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO f PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÒRDÃO/DECISAOMONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Conceito Administração Pública é todo o aparelhamento do Estado, preordenado à realização de seus serviços, visando à satisfação das necessidades coletivas. (MEIRELLES, Hely Lopes).

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013

DELIBERAÇÃO NORMATIVA CGFPHIS Nº 016, DE 28 DE MAIO DE 2013 Deliberação Normativa nº 016, de 28 de maio de 2013. Reedita, com alterações, a Deliberação Normativa nº 014, de 11 de setembro de 2012, que aprovou a implantação do PROGRAMA CASA PAULISTA APOIO AO CRÉDITO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96)

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Fernando José Araújo Ferreira Procurador da República no Paraná Recentemente o Ministério Público Federal

Leia mais

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel Por Roberto Santos Silveiro* Com o propósito de dar maior segurança jurídica ao adquirente de imóvel, no dia 07 de novembro deste

Leia mais

PROJETO DE LEI N 4.596/09

PROJETO DE LEI N 4.596/09 1 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI N 4.596/09 (Do Sr. Capitão Assumção) Altera os artigos 3 e 41 da Lei n 9.474, de 22 de julho de 1997, que "Define mecanismos para a

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 Assunto: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIVERSOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Banco

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 1/2010 Aperfeiçoamentos no DL nº 167/67 - Emolumentos extrajudiciais e garantias reais em Cédulas de Crédito Rural-CCR e em Cédulas de Crédito Bancário-CCB Eber Zoehler Santa Helena

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG/BR Instituto de Registro Imobiliário do Brasil IRIB Associação dos Registradores Imobiliários

Leia mais

César Assis & Advogados

César Assis & Advogados BRASÍLIA, 21 DE MAIO DE 2013. EXMO SR. VEREADOR CARLOS HENRIQUE PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BAEPENDI MINAS GERAIS. SENHOR PRESIDENTE. Consulta-nos esta Casa de Leis, sobre a obrigatoriedade dos Srs.

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014.

DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. DECRETO Nº 951 DE 23 DE JULHO DE 2014. Regulamenta a Lei nº 2.054 de 12 de junho de 2014 para dispor sobre o custeio de transporte, hospedagem e alimentação do colaborador eventual e do profissional técnico

Leia mais

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 Thiago Ricci de Oliveira ricci.thiago@hotmail.com FACULDADE MARECHAL RONDON/UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR 1 DEFINIÇÃO DE PESSOA Para bem entender a

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO ACÓRDÃO ^SSS^ AC TGISTRADO(A)SOBN -- iriümpiii *00727314* Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO EX-OFICIO n 114.385-0/2-00, da Comarca de ITAPETININGA, em que é recorrente JUÍZO "EX OFFICIO",

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM Eu, 3º Sgt QPM-1, Id Func nº /1, servindo atualmente neste Departamento, venho através deste, interpor JUSTIFICATIVA

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR.

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 Brasília, 4 de abril de 2013. ÁREA: TÍTULO: Finanças/tributação VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. REFERÊNCIA: Convênio de 100% do

Leia mais

AÇAO DIRETA DE INCONSTITUCIONAL IDADE DE LEI

AÇAO DIRETA DE INCONSTITUCIONAL IDADE DE LEI PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Acórdão Vistos, relatados e discutidos estes autos de AÇAO DIRETA DE INCONSTITUCIONAL IDADE DE LEI n 060.217-0/0-00, da Comarca de SÃO PAULO,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL?

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? A matéria que pretendemos colocar em discussão neste breve estudo concerne na legalidade do condicionamento da expedição do CRLV Certificado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE SOROCABA/SP. RECOMENDAÇÃO nº 03, de 03 de novembro de 2009

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE SOROCABA/SP. RECOMENDAÇÃO nº 03, de 03 de novembro de 2009 RECOMENDAÇÃO nº 03, de 03 de novembro de 2009 A Procuradoria da República em Sorocaba/SP, através do Procedimento Preparatório nº 1.34.001.006876/2006-10, instaurado para verificar eventual lesão aos consumidores,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Licitação segundo a Lei n. 8.666/93 Leila Lima da Silva* *Acadêmica do 6º período do Curso de Direito das Faculdades Integradas Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba terça-feira,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, nº 17, em 27/1/2015. RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO NOVA FUTURA DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA,

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980

Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980 EMBRATUR - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE TURISMO DEC 84.910/80 1 Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980 Regulamenta dispositivos da Lei

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário e do Ministério Público, os arts. 6º, inciso XI, e 7 -A, ambos da

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 2.795, DE 2003 (Apenso PL nº 5.398, de 2005) Dispõe sobre a concessão de terras públicas da Bacia Amazônica para a exploração

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Recompensas para Novos Clientes COMPROU, GANHOU LINHA BRANCA

REGULAMENTO. Programa de Recompensas para Novos Clientes COMPROU, GANHOU LINHA BRANCA REGULAMENTO Programa de Recompensas para Novos Clientes COMPROU, GANHOU LINHA BRANCA HOMENAGEM JAÇANÃ ODEBRECHT REALIZAÇÕES EDU CHAVES EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO LTDA. Rua Itamonte, 2.310, Vila Medeiros

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

Empreendimento: Lacqua Residencial.

Empreendimento: Lacqua Residencial. LACQUA RESIDENCIAL QUADRO RESUMO CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA PARA ENTREGA FUTURA DE APARTAMENTO, VAGA DE GARAGEM E CESSÃO DE FRAÇÃO IDEAL DE TERRENO. Empreendimento: Lacqua Residencial. Localização:

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS URBAMAIS PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 10.571.175/0001-02, com sede na Av. Raja Gabaglia, nº 2720,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

RESOLUÇÃO/CAD N 006 DE 12 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO/CAD N 006 DE 12 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA COMPANHIA DE HABITAÇÃO DE LONDRINA RESOLUÇÃO/CAD N 006 DE 12 DE SETEMBRO DE 2014 Súmula: Regulamenta as condições para inscrição, seleção e enquadramento em Programas Habitacionais,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas RESOLUÇÃO CFC N.º 1.445/13 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelos profissionais e Organizações Contábeis, quando no exercício de suas funções, para cumprimento das obrigações previstas

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais