FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS"

Transcrição

1 FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS COMO SE ENQUADRA A FUNÇÃO FINANCEIRA NA EMPRESA? A função financeira abrange as tarefas relacionadas com a gestão dos recursos financeiros, nomeadamente, a obtenção eficiente de fundos e a sua utilização mais conveniente. A função financeira enquadra-se na empresa da seguinte forma: ATIVIDADE (1) OPERACIONAL (2) (3) FUNÇÃO FINANCEIRA (4) MERCADO FINANCEIRO DA EMPRESA (5) 1. Angariação de fundos no mercado financeiro 2. Aplicação dos fundos na atividade 3. Gestão dos fundos gerados pela atividade, ou seja, decisão entre: Reinvestimento de fundos na atividade Remuneração/Reembolso/Distribuição de fundos pelos investidores QUAIS OS OBJETIVOS FUNDAMENTAIS DA FUNÇÃO FINANCEIRA? A política de financiamento deve assegurar à empresa uma correta e eficiente combinação de fundosnecessária à gestão do investimento e à gestão do ativo circulante. Os objetivos fundamentais são: Respeitar o equilíbrio de financiamento dos capitais próprios (30% do ativo é um valor aceitável) de modo a transmitir confiança aos potenciais investidores externos ao negócio (stakeholders) Assegurar uma estrutura financeira saudável, sem demasiados encargos financeiros (ex. juros de empréstimos) Verificar o equilíbrio entre os prazos de financiamento e a durabilidade do investimento e, sempre que possível: Financiar o imobilizado, essencialmente terreno, edifícios, equipamentos e viaturas com capitais de médio e longo prazo (ex. locação) Financiar necessidades de capital circulante como créditos a clientes, com capitais de curto prazo (ex. contas caucionadas) PARA QUE SERVE A AUTONOMIA FINANCEIRA? O rácio de autonomia financeira permite avaliar o grau de compromisso dos sócios com o negócio, pois resulta na percentagem do ativo que é financiado com capitais próprios e quanto menor for, menor é o envolvimento monetário dos sócios com a empresa, sendo normalmente utilizado por entidades externas como um indicador de confiança no negócio. 1

2 COMO SE DEVE PROCURAR AS FONTES DE FINANCIAMENTO? Ao procurar fontes de financiamento viáveis para os seus ativos, os empresários devem: Ponderar todas possibilidades disponíveis (investidores, sócios, empréstimos, leasing, etc.) Ponderar os respetivos custos efetivos (a taxa de juro nominal e todas as comissões e encargos adicionais) bem como a flexibilidade de gestão que a empresa manterá E Escolher a forma e as condições mais favoráveis de obter os fundos que satisfaçam os objetivos da empresa no momento O QUE É O FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO? É a decisão sobre a origem dos fundos aplicados ou a aplicar em imobilizado, nomeadamente equipamentos, máquinas e edifícios, entre outros. QUE TIPOS DE FINANCIAMENTO DO INVESTIMENTO EXISTEM? Financiamento interno (autofinanciamento) Financiamento externo: Financiamento feito pelos sócios: O capital social inicial O aumento de capital social As prestações suplementares Os suprimentos Financiamento de terceiros: Os empréstimos a médio e longo prazo Capital de Risco Business Angels (Anjos Protectores do Negócio) Franchising Garantia Mútua Titularização de Créditos (Securitization) O leasing Lease Back (Contrato de Locação Financeira) Subsídios O QUE É O FINANCIAMENTO INTERNO OU AUTOFINANCIAMENTO? O financiamento interno ou autofinanciamento correspondem aos fundos financeiros libertados pela atividade da empresa e que ficam disponíveis para financiar a realização de investimentos. É esta componente que vai constituir a poupança das empresas, representando então a sua chamada capacidade de financiamento. Esta situação é classificada como de autofinanciamento ou financiamento interno. QUAL A FUNÇÃO DO CAPITAL SOCIAL INICIAL? Desempenha uma função importante como elemento de garantia na negociação de financiamento alheio. Representa o risco que os proprietários assumem na empresa e é um princípio salutar financiar, pelo menos, as imobilizações permanentes com este capital. 2

3 QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS PARA A EMPRESA SE NÃO TIVER UM NÍVEL ADEQUADO DE CAPITAL SOCIAL? Um nível adequado de capital social é de importância fundamental para a estabilidade económico-financeira e independência da empresa e a sua insuficiência pode: Ocasionar o domínio da empresa por capital alheio Ocasionar dificuldades financeiras que prejudicarão a estratégia da empresa QUAL A PRINCIPAL FUNÇÃO DO AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL? Reforçar o potencial económico e financeiro e a segurança da empresa dando uma maior garantia aos seus credores. O AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL ESTÁ SUJEITO ÀS MESMAS FORMALIDADES DA CONSTITUIÇÃO DO CAPITAL INICIAL? Sim, as empresas têm que obedecer aos preceitos estatutários e às disposições legais sobre o aumento do capital social, quando reconheçam que o capital inicial é insuficiente. COMO SE PODE FAZER O AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL? Os aumentos do capital que se traduzem numa alteração do potencial económica e financeira da empresa podem fazer-se por: Entradas de dinheiro novo ou de outros valores provenientes de entregas adicionais dos sócios antigos ou da admissão de novos sócios Transformação de dívidas em capital mediante entrada de credores como novos sócios O QUE SÃO PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES DE CAPITAL? São uma modalidade de financiamento efetuada pelos sócios, apenas possível nas empresas em que estatutariamente estejam contempladas. Os montantes envolvidos não vencem quaisquer juros e possuem todas as características do capital, apenas dispensando as formalidades respetivas de escritura e registo. O QUE SÃO OS SUPRIMENTOS? São uma forma de financiamento, vulgar nas sociedades por quotas, que consiste em empréstimos feitos à sociedade pelos sócios, com ou sem juro. Os suprimentos dos sócios normalmente mais tarde transformam-se em capital. AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PODEM COLOCAR RESERVAS AOS SUPRIMENTOS NO FINANCIAMENTO ÀS EMPRESAS? Sim, podem: Colocar reservas ao financiamento a empresas com pequenos capitais sociais e grandes suprimentos, porque a qualquer momento, os sócios podem retirar os suprimentos e as consequências recaírem sobre os financiadores externos Inserir cláusulas que impedem o reembolso dos suprimentos sem prévia autorização destas instituições, ficando assim numa situação de privilégio no reembolso dos seus créditos relativamente aos sócios 3

4 QUAL A IMPORTÂNCIA DOS EMPRÉSTIMOS BANCÁRIOS A MÉDIO E LONGO PRAZO? Os empréstimos bancários a mais de um ano têm uma importância estratégica para o financiamento do investimento, pela sua caraterística de estabilidade e permanência, preferencialmente por período idêntico à vida útil do equipamento ou bem a adquirir. COMO SE JUSTIFICA UM PEDIDO DE EMPRÉSTIMO? Normalmente é justificado por um estudo de viabilidade constituído por um programa de aquisição de equipamentos, cuja duração de amortização se aproxima do empréstimo. Dependendo da negociação com a instituição financiadora e de acordo com a natureza e fim a que se destina, poderá ser considerado um período de carência, que representa o tempo que medeia a concessão do empréstimo e o momento de início do seu reembolso. NO QUE CONSISTE O CAPITAL DE RISCO? É quando as sociedades ou fundos de capital de risco estão vocacionadas para financiar e compartilhar o risco do investimento geralmente de empresas que revelem as seguintes características: - Posse de ideias, know-how ou tecnologias excecionais, que lhe permitirão conquistar uma carteira de clientes de elevado potencial, bem como uma forte expetativa de retorno do investimento; - Disponibilidade de partilhar o controlo da empresa com terceiros; - Estar numa fase de IPO, i.e., pretende entrar futuramente na Bolsa de Valores. Assim, as empresas interessadas poderão permitir participações no seu capital social, por parte das sociedades ou fundos de capital de risco, assegurando desta forma os fundos necessários ao negócio e garantindo um parceiro de capital que irá partilhar o risco. O QUE É O BUSINESS ANGELS? São entidades que cedem capital a empresas emergentes cuja dimensão ainda é muito pequena para atraírem capital de risco. Por outro lado, tendem a assumir um papel de grande colaboração com o empresário contribuindo com a sua experiência anterior, em troca de uma participação minoritária no capital social. Tratam-se geralmente de ex-empresários, amigos e familiares que já tiveram ou ainda possuem negócios e dispõem de capital disponível para investir em pequenos projetos com forte probabilidade de sucesso e de crescimento. O QUE É O FRANCHISING? Trata-se de um modelo de desenvolvimento de negócios baseado em parcerias, através do qual uma empresa com uma marca e formato de negócio já testado (franchisador) concede a outra empresa ou ao empresário (franchisado) o direito de utilizar a sua marca, explorar os seus produtos, serviços e modelo de gestão, mediante o pagamento de uma contrapartida financeira. 4

5 QUAIS AS VANTAGENS DO FRANCHISING? Representa uma poupança no investimento quer à franchisadora, que para expandir o negócio não necessita de investimentos adicionais em Imobilizado, quer para o franchisado, que não despende de verbas avultadas no arranque inicial com campanhas de lançamento e publicidade, com serviços de assessoria de gestão e com a pesquisa de mercado de fornecedores e produtos. NO QUE CONSISTE UMA GARANTIA MÚTUA? Trata-se de um caso particular de financiamento, segundo o qual uma sociedade presta o aval para os empréstimos bancários de uma empresa, permitindo-lhe obter crédito a um menor custo. QUAIS OS BENEFICIÁRIOS MAIS ADEQUADOS DE UMA GARANTIA MÚTUA? Este produto está especialmente vocacionado para as Micro e Pequenas e Médias Empresas (PME S), com vista a promover a melhoria das condições de financiamento bancário. QUAIS AS ENTIDADES QUE PRESTAM AS GARANTIAS MÚTUAS? As garantias podem ser prestadas por SGM Sociedades de Garantia Mútua, facilitando assim a obtenção de crédito em condições de preço e de prazo mais vantajosas, podendo libertar as empresas e seus sócios da constituição de garantias reais ou pessoais. NO QUE CONSISTE A TITULARIZAÇÃO DE CRÉDITOS? Consiste na agregação de créditos com vista à sua alienação para a esfera da propriedade de uma entidade adquirente (SPV Special Purpose Vehicle), a qual procede à emissão de valores mobiliários de dívida colocados junto de investidores institucionais para financiar a aquisição dos créditos. O QUE É O LEASING? Deriva do verbo to lease cuja tradução é arrendar ou alugar e, trata-se de uma modalidade de financiamento a médio prazo de investimento produtivo em imóveis e equipamentos (veículos, máquinas industriais, etc.). COMO SE FORMALIZA A OPERAÇÃO DE LEASING? Através de um contrato, pelo qual uma das partes (locador) se obriga, mediante pagamento, a conceder à outra (locatário) a utilização de um equipamento, adquirido por indicação desta e que o pode comprar, total ou parcialmente, num prazo estipulado mediante o pagamento de um preço determinado. COMO FUNCIONA A OPERAÇÃO DE LEASING? O locatário: Utiliza durante o período do contrato, equipamentos que são propriedade da empresa locadora e a quem paga uma renda mensal. Regra geral, o contrato é feito por um período que corresponde à vida económica do equipamento Pode optar no final do contrato, pela compra do bem, pagando ao locador o Valor Residual (por norma, entre 2 a 6% do custo total do equipamento) 5

6 COMO É CALCULADA A RENDA DE LEASING? É calculada de forma a cobrir o juro do mercado de capitais para os meios financeiros utilizados, a depreciação das máquinas, o seguro, as despesas administrativas e a margem de lucro da empresa locadora. O LEASING SÓ É UTILIZADO PARA FINANCIAR EQUIPAMENTO? Não, a locação é hoje utilizada não só para as máquinas e equipamentos, mas também para instalações. PODE-SE UTILIZAR O LEASING PARA RENOVAR A FROTA DE VEÍCULOS DA EMPRESA? Sim, o facto de a locação poder financiar até 100% do custo do equipamento tem permitido a muitas empresas utilizarem esta modalidade na renovação e expansão da frota. QUE INCONVENIENTE ESTÁ ASSOCIADO AO FINANCIAMENTO POR LEASING? O inconveniente reside no seu custo elevado. No entanto, é preciso entrar em linha de conta na comparação com maiores dificuldades na obtenção de capitais e com riscos de rescisão dos outros contratos de financiamento, antes dos prazos. O QUE É O LEASE BACK? É a venda de bens de equipamento ou imóveis, seguida de locação financeira desses mesmos bens ou imóveis. UM EXEMPLO DE LEASE BACK? Uma empresa transportadora vende um seu camião a uma sociedade financeira, e simultaneamente, readquire essa mesma viatura através de um contrato de locação financeira (lease-back), i.e., o bem nem sequer sai da empresa, mas por este mecanismo de mercado conseguiu um financiamento correspondente ao valor da venda. O QUE SÃO SUBSIDIOS? São verbas na maior parte dos casos comunitárias que servem para financiar a criação, expansão e modernização de negócios, investimentos em novos equipamentos, tecnologias e criação de postos de trabalho. QUAIS AS ENTIDADES QUE CONCEDEM OS SUBSDIOS? São concedidos pelas entidades estatais. QUE TIPOS DE FINANCIAMENTO DO ACTIVO CIRCULANTE EXISTEM? Crédito de fornecedores Os empréstimos a curto prazo O desconto de letras, de livranças e de aceites bancários Factoring 6

7 O QUE É O CRÉDITO DE FORNECEDORES? Representa o pagamento a prazo de determinadas obrigações contraídas pela empresa. Apesar de habitualmente se considerar como um crédito não onerado, na realidade o seu custo, são os descontos de pronto pagamento de que não beneficia e que devem ser comparados com o custo do recurso ao mercado monetário. O QUE SÃO OS EMPRÉSTIMOS A CURTO PRAZO? São a forma de concessão de crédito em que o banco autoriza que a empresa cliente faça levantamentos da sua conta até um determinado limite máximo, independentemente de ter em saldo os valores correspondentes. QUAL A VANTAGEM DOS EMPRÉSTIMOS A CURTO PRAZO? É uma forma simples e direta de concessão de crédito, sendo das mais utilizadas para a obtenção de fundos, já que estes ficam imediatamente à disposição dos beneficiários assim que chegam a acordo quanto às condições. Por exemplo: Descoberto bancário: Utilização de fundos para além do saldo em depósito, concedidos pela instituição bancária, ao qual estão associados o débito de encargos financeiros Conta corrente: Utilização em movimentos, quer a débito quer a crédito de importâncias até um determinado limite, concedidos através de autorização contratual celebrada com instituição bancária QUAL O INCONVENIENTE DOS EMPRÉSTIMOS A CURTO PRAZO? Regra geral os empréstimos bancários a curto prazo apresentam encargos bastante elevados. O QUE SÃO LETRAS E LIVRANÇAS? São títulos comerciais, sendo que: A letra é um documento pelo qual uma pessoa (sacador) dá a outra (sacado ou aceitante) ordem para que lhe pague a si ou a terceira pessoa (tomador) uma certa quantia, em determinada data e local A livrança é um documento pelo qual a pessoa que a assina (subscritor) se compromete pagar a um credor (beneficiário) uma certa quantia em determinada data e local O QUE É O ACEITE BANCÁRIO? É uma letra a prazo não superior a 120 dias, em que o aceitante é sempre um estabelecimento bancário. PORQUE SÃO AS LETRAS E AS LIVRANÇAS OS INSTRUMENTOS DE CRÉDITO MAIS USADOS? Porque possibilitam a transmissão por endosso, desempenhando assim uma função semelhante à moeda. 7

8 O QUE É O DESCONTO DE UM TÍTULO COMERCIAL? É a operação pela qual o banco antecipa à empresa cliente, portadora de um título comercial, o valor nele inscrito, deduzido de uma importância calculada a uma taxa determinada e proporcional ao tempo que falta para o seu vencimento. COMO FUNCIONA O DESCONTO DE UM TÍTULO COMERCIAL? O banco, ao descontar o título, não compra o crédito que o cliente tem direito a receber mais tarde, nem assume o risco do incumprimento, é a empresa que apresenta o papel a desconto fica responsável perante o banco pelo seu pagamento no vencimento. NA OPERAÇÃO DE DESCONTO, ONDE RESIDE A IMPORTÂNCIA DO FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO? Assegura a mobilização do crédito e permite às empresas disporem imediatamente, com um custo razoável, de quantias que só algum tempo depois teriam direito a receber dos seus devedores. QUAL A VANTAGEM DESTE TIPO DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS? As empresas podem utilizar os fundos obtidos para atender atempadamente às suas obrigações. E PARA O BANCO, QUAL A VANTAGEM? Para o banco, o desconto é uma operação lucrativa, líquida e segura. Ao analisar a proposta de desconto, o banco pondera sempre: A seriedade dos intervenientes As responsabilidades que os intervenientes têm no banco e o saldo médio das suas contas de depósito O montante, prazo e setor de atividade dos intervenientes O QUE É O FACTORING? É uma modalidade de financiamento a curto prazo, em que uma empresa de factoring adquire, mediante contrato, os créditos (representados por faturas) resultantes das vendas a prazo que as empresas detêm sobre os seus clientes (os devedores) e procede ao seu pagamento de imediato. QUAL A VANTAGEM DESTE TIPO DE FINANCIAMENTO PARA AS EMPRESAS? Contrariamente ao que acontece no desconto, com esta modalidade a empresa vende os créditos à empresa de factoring, que suporta os prejuízos resultantes da falta de cumprimento por parte dos devedores. QUAL O RISCO PARA AS EMPRESAS DE FACTORING? Verifica-se apenas no campo financeiro, já que as devoluções, os abatimentos por deficiência de qualidade, etc., são de conta e risco do cedente do crédito. AS EMPRESAS DE FACTORING PODEM FIXAR LIMITES DE CRÉDITO? Para assumir os riscos da operação, condicionam a liberdade dos seus clientes na concessão de crédito fixando limites (plafonds) para cada comprador, tais como: Adianta uma percentagem do valor das faturas emitidas e a responsabilidade pelas dívidas incobráveis pode ser repartida entre ele e o cliente 8

9 Cobra encargos que compreendem: Um juro calculado sobre a importância adiantada e pelo tempo que falta para o vencimento da fatura Uma percentagem sobre o valor da fatura para cobrir as despesas administrativas e a remuneração ESTE TIPO DE FINANCIAMENTO, QUE OUTROS BENEFÍCIOS PODE TRAZER ÀS EMPRESAS? Evita despesas com serviços próprios de créditos e cobranças e de emissão e controlo de títulos comerciais e evita, também, despesas e problemas como os maus pagadores, etc. QUE OUTROS SERVIÇOS OFERECEM AS EMPRESAS DE FACTORING? Oferecem outros serviços contabilísticos e administrativos, podendo conseguir-se economias de escala, que dificilmente seriam possíveis nas pequenas e médias empresas nas atividades de: Faturação Registo de vendas No entanto, a comissão da empresa de factoring varia com a natureza dos serviços que presta às suas empresas clientes. OS JUROS SÃO CUSTOS DEDUTÍVEIS PARA EFEITOS FISCAIS? São custos ou perdas os encargos de natureza financeira os juros de capitais alheios, descontos, gastos com operações de crédito, cobrança de dívidas, entre outros. QUAL É A MODALIDADE DE FINANCIAMENTO MAIS DISPENDIOSA? Excluindo o custo do capital próprio que varia de empresa para empresa, regra geral a modalidade de financiamento mais onerosa é o descoberto autorizado, por tratar-se de uma concessão de fundos sem qualquer garantia para a instituição bancária. NÃO QUERO TRABALHAR COM BANCOS. COSTUMO PAGAR AS MINHAS VIATURAS COM CHEQUES DURANTE UM ANO. É CORRETO? Do ponto de vista económico não é o mais adequado e se não houver vantagem (ou possibilidade) do pronto pagamento, o ideal é que o prazo dos pagamentos coincida com a vida útil esperada para a viatura. Por outro lado, essa operação implica permanentes tensões ao nível da tesouraria, frequentemente colmatadas através do recurso a outras fontes de financiamento mais dispendiosas. 9

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

Fontes de Financiamento. Fontes de Financiamento

Fontes de Financiamento. Fontes de Financiamento Publicação Nº 4-29 Setembro 2010 Fontes de Financiamento PONTOS DE INTERESSE: Fontes de Financiamento Capital Alheio Capitais Próprios Copyright DecisionMaster 2001-2010 As Fontes de Financiamento designam

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus. Conta Nova Vida

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus. Conta Nova Vida PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Ordenado

Leia mais

Introdução às Finanças

Introdução às Finanças Introdução às Finanças Aula Teórica 3 Esta informação é restrita ou confidencial, não podendo ser duplicada, publicada ou fornecida total ou parcialmente a terceiros sem o prévio consentimento dos autores.

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA AÇÕES TARGET 2045 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO - Documento de divulgação -

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO - Documento de divulgação - Anexo III Termos e condições da Linha de Crédito PME CRESCIMENTO I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: Preferencialmente Pequenas e Médias Empresas (PME), tal como definido na Recomendação

Leia mais

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues

Matemática Financeira. Flávio Rodrrigues Matemática Financeira Flávio Rodrrigues Desconto de Títulos de Crédito Conceito: O Desconto é a diferença entre o valor futuro de um título (duplicata, nota promissória, letra de câmbio, cheque pré- datado

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

Comissões Euros (Mín/Máx) Em %

Comissões Euros (Mín/Máx) Em % 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação /Conexo Produtos de Taxa indexada / Produtos de Taxa Fixa / Crédito Não residentes / Crédito Deficientes / Crédito Terreno iniciais 1. Iniciais

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício. 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS Encargos financeiros

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para aquisição, construção e obras para habitação própria, secundária ou arrendamento, crédito sinal, transferências; multisoluções com a

Leia mais

Realizado por: Joana Fernandes nº 9 10º S

Realizado por: Joana Fernandes nº 9 10º S Realizado por: Joana Fernandes nº 9 10º S Índice Introdução..3 O que é um banco e a importância da actividade bancária no desenvolvimento de outras actividades. 4 Operações de credito 5 Tipos de contas

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 2 APLICAÇÕES

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 6/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídas as aplicações decorrentes das actividades consagradas no RJCAM, nomeadamente a actividade creditícia

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

ANEXO IV - OPERAÇÕES DE CRÉDITO, GARANTIAS BANCÁRIAS E DECLARAÇÕES DE CAPACIDADE FINANCEIRA. (Entrada em vigor: 01/11/2009)

ANEXO IV - OPERAÇÕES DE CRÉDITO, GARANTIAS BANCÁRIAS E DECLARAÇÕES DE CAPACIDADE FINANCEIRA. (Entrada em vigor: 01/11/2009) DE CAPACIDADE FINANCEIRA CONT. R.A. CONT. R. A. COMISSÕES COM ESTUDO E MONTAGEM 1. OPERAÇÕES DE CRÉDITO A PARTICULARES 1.1. CRÉDITO À HABITAÇÃO (compra, construção ou obras) / INVESTIMENTO EM IMOBILIÁRIO

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

Norma de Pagamentos. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projetos aprovados ao abrigo dos seguintes Subsistemas do SIDER:

Norma de Pagamentos. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projetos aprovados ao abrigo dos seguintes Subsistemas do SIDER: Norma de Pagamentos Nos termos do previsto nos Contratos de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores (SIDER):

Leia mais

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040

Fidelity Poupança FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las FUNDO AUTÓNOMO FIDELITY POUPANÇA TARGET 2040 ALERTA GRÁFICO Entidade Gestora: T-Vida, Companhia de Seguros,

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

TTULO. Seminário sobre Financiamento

TTULO. Seminário sobre Financiamento TTULO 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Definição Descrição dos movimentos Modalidades do Factoring Perfil do Cliente de Factoring Segmentação por tipo de actividade O FACTORING Exemplo de Algumas condições

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO AUTOMÓVEL Índice Finalidade do crédito automóvel Modalidades de crédito automóvel Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidade de reembolso

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Linha de Crédito PME INVESTE V

Linha de Crédito PME INVESTE V Linha de Crédito PME INVESTE V MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OUTRAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia MútuaM Enquadramento No quadro dos apoios que têm vindo a ser concedidos às PME s portuguesas

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Comissões Euros (Mín/Máx) Em %

Comissões Euros (Mín/Máx) Em % 10.1. Linhas de crédito e contas correntes Contas Correntes, IVA on TIME, Linha Millennium Garantia, Contas Dinâmicas/Superdinâmicas e Descobertos Contratados (as contas correntes incluem as Contas Correntes

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90 EMISSOR : Ministério das Finanças DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I PÁGINAS DO DR : 1808 a 1810 Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril

Leia mais

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.3

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.3 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações contratadas ao abrigo das de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incumprimentos não regularizados junto

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Valença

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Valença VALENÇAFINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Valença Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar

Leia mais

Anexo à Instrução nº 16/96

Anexo à Instrução nº 16/96 Anexo à Instrução nº 16/96 SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA SITUAÇÃO ANALÍTICA CONTAS COM SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06. Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (IASB) PRONUNCIAMENTO Índice Item OBJETIVO

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração

NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração NBC TSP 29 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração Objetivo 1 O objetivo desta Norma é estabelecer princípios para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por Desconto Simples Títulos de Crédito Os títulos de crédito são instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) e são usados para formalizar dívidas que serão pagas no futuro, em prazo previamente

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7

Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Município de ALMADA Normas e condições de acesso Página 1 de 7 Programa FINICIA Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de ALMADA Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objetivo) Pretende-se

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009.

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009. c) Prestação ou receção de serviços; d) Locações; e) Transferências de pesquisa e desenvolvimento; f) Transferências segundo acordos de licenças; g) Transferências segundo acordos financeiros (incluindo

Leia mais

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR. Diário da República, 1.ª série N.º 155 13 de agosto de 2013 4819

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR. Diário da República, 1.ª série N.º 155 13 de agosto de 2013 4819 Diário da República, 1.ª série N.º 155 13 de agosto de 2013 4819 da aplicação de eventuais sanções a que haja lugar nos termos da lei. Artigo 9.º Dotação orçamental 1 Cabe ao Estado, através da Direção

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE Auditório SIBS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS, CONCESSÕES EMPRESARIAIS E PROJECTOS DE INFRA- ESTRUTURAS 27 de Outubro DIOGO XAVIER DA CUNHA ÍNDICE Enquadramento Lei n.º 15/2011 Âmbito

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Caixa Econômica Federal

Caixa Econômica Federal Turma Exercícios 01) Em relação ao Sistema Financeiro Nacional, analise as afirmativas a seguir: I - Compete ao Conselho Monetário Nacional Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio do balanço de

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Project Finance João Tiago Silveira II Curso Pós-Graduado em Corporate Finance Centro de Investigação de Direito Privado 17 de dezembro 2015

Project Finance João Tiago Silveira II Curso Pós-Graduado em Corporate Finance Centro de Investigação de Direito Privado 17 de dezembro 2015 Project Finance João Tiago Silveira II Curso Pós-Graduado em Corporate Finance Centro de Investigação de Direito Privado 17 de dezembro 2015 Sumário 1. Noção de project finance 2. Distinção de Parceria

Leia mais

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO

5ky MATEMÁTICA FINANCEIRA - Prof. Edison Küster CONTEÚDO RESUMIDO 1 CONTEÚDO RESUMIDO Elaboração e Apresentação Professor: Edison Küster MST. KÜSTER, Edison; Fabiane Christina Küster; Projetos Empresariais - Elaboração e Análise de Viabilidade - Editora Juruá, Curitiba

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. O(A) Mutuante e a Mutuária são doravante designados em conjunto por Partes.

CONTRATO DE MÚTUO. O(A) Mutuante e a Mutuária são doravante designados em conjunto por Partes. CONTRATO DE MÚTUO Entre: [[ ], residente na [ ], [ ], contribuinte fiscal número [ ]/[ ], sociedade [ ], com sede em [ ], [ ], pessoa coletiva número[ ], com o capital social de [ ], neste ato devidamente

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7

ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 ABERTURA DE CONTA (EMPRESAS) PÁG. 1/7 IDENTIFICAÇÃO (Denominação Social) (Denominação Abreviada) Residente Sim Não ( da Sede) (Localidade) (Código Postal) (País) (1º Telefone Empresa) (2º Telefone Empresa)

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.2

Alargamento de Prazo das Linhas de Crédito PME Investe - Documento de divulgação - V.2 1. Beneficiários: As empresas que tenham operações enquadradas ou já contratadas ao abrigo das Linhas de Crédito PME Investe e que à data de contratação do alargamento do prazo não tenham incidentes não

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 17 de Junho 2016

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 17 de Junho 2016 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Millennium

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.436. II - capítulo 16, seção 4, subseções 2 e 4; e. Art. 2 Esta circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº 3.436. II - capítulo 16, seção 4, subseções 2 e 4; e. Art. 2 Esta circular entra em vigor na data de sua publicação. Página 1 de 1 CIRCULAR Nº 3.436 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 6 de fevereiro de 2009,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV FUNDAMENTOS DA. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Discutir e conhecer conceitos de matemática financeira para tomada de decisão na área financeira. Estudaremos cálculo e análise

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO OCPC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária Índice Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesa

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável.

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável. Norma de Pagamentos 1. Âmbito Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Empreende Jovem Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo. O

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 Com a publicação do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO NINHO DE EMPRESAS Índice: Preâmbulo I Definições II Localização, Instalações e Serviços Artigo 1º: Localização pág. 2 Artigo 2º: Instalações pág. 3 Artigo 3º: Serviços pág. 4

Leia mais

Professor : André Luiz Oliveira Santos. (continuação) Itapetininga SP

Professor : André Luiz Oliveira Santos. (continuação) Itapetininga SP Professor : André Luiz Oliveira Santos (continuação) Itapetininga SP 2015 2 5. GARANTIAS DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Baseiam-se na confiança, isto é, se o devedor não pagar, uma terceira pessoa (que

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA PORQUÊ A GARANTIA MÚTUA? Face a dificuldades no sistema financeiro convencional em resolver o problema da falha nos mercados de crédito, que não fazem chegar financiamento

Leia mais

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro.

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro. INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA - PPR POSTAL PPR PLUS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE SEGUROS DE VIDA S.A. Sede Social: Rua Castilho, 52, 1250-071 Lisboa N.I.P.C.

Leia mais

Instrumentos financeiros de curto prazo

Instrumentos financeiros de curto prazo Instrumentos financeiros de curto prazo Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 2ºANO 1ºSEM 2015/16 PROGRAMA 1. Introdução ao cálculo financeiro 2. Instrumentos financeiros

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA. O valor do dinheiro ao longo do tempo

ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA. O valor do dinheiro ao longo do tempo ANTÓNIO MANUEL SARMENTO BATISTA MÁTICA ANCEIRA O valor do dinheiro ao longo do tempo ÍNDICE NOTA DE APRESENTAÇÃO... 21 I - Introdução... 25 II Capitalização simples... 29 2.1 Introdução... 31 2.2 Fórmula

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais