Plano Estratégico Página 0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Estratégico 2012-2015 Página 0"

Transcrição

1 0 PLANO ESTRATÉGICO Uma visão de futuro Julho Página 0

2 1 Título Edição Comissão para a condução do Plano Estratégico ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Rua Conselheiro Emídio Navarro, Lisboa Portugal Tel.: Julho de 2012

3 Índice Preâmbulo Introdução O ISEL Infraestruturas físicas Docentes Alunos e Cursos Áreas Departamentais Plano Estratégico Preparação e Projeto Fase Preliminar Aprovação Desenvolvimento Fase de Divulgação Fase de Participação Definição da Visão Fase de Síntese Fase de Validação/Aprovação Fase de Difusão Preparação para a implementação Plano de Implementação Plano de Avaliação Missão e Valores Missão Valores e Princípios Eixos estratégicos Objetivos operacionais para os eixos estratégicos Sucesso escolar Qualidade dos serviços prestados Qualificação dos recursos humanos Cooperação internacional Diferenciação Desenvolvimento sustentável Investigação Atratividade Conclusões Glossário ANEXO I ANEXO II ANEXO III ANEXO IV

4 ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO Preâmbulo Dando cumprimento a uma disposição legal, o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), enquanto organismo público de ensino superior, produziu o presente documento intitulado, onde de uma forma clara descreve a sua Missão e apresenta a sua Visão de futuro, coerente com a Missão que lhe está conferida e numa adequação aos tempos que correm. Trata-se de um documento através do qual se descreve um conjunto de informações consolidadas que servirão de referência e de guia para a instituição ao longo do período sobre o qual incide o planeamento. Despertar, formar e desenvolver os limites do Engenho do Homem, de forma útil ao Mundo e à Sociedade.

5 1 - Introdução Ao comemorar 160 anos de existência, o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa apresenta-se como uma instituição de reconhecido mérito a nível nacional na área da Engenharia. Os diplomados pelo ISEL destacam-se como excelentes profissionais, demonstrando as capacidades e as competências que o actual mercado de trabalho exige. É na prossecução destes objectivos que incansavelmente muitos trabalham diariamente na instituição, procurando a excelência no cumprimento das suas actividades. A qualidade consolidada do corpo docente (em número de doutores e especialistas) e as competências dos trabalhadores não docentes nos vários serviços disponibilizados na instituição faz com que o ISEL seja referenciado por todos como uma aposta real. 4 Num cenário de incerteza quanto ao futuro, onde se vislumbram grandes alterações ao nível do ensino superior, com reestruturações, fusões e extinções, o ISEL não deixa de estar na vanguarda das boas práticas, procurando destacar-se não só a nível nacional, mas inserindose também em redes internacionais, projetando-se como uma instituição de referência.

6 2 - O ISEL O Instituto Superior de Engenharia de Lisboa é a unidade orgânica do Instituto Politécnico de Lisboa responsável pelo ensino e investigação na área das Engenharias, tendo a sua génese no extinto Instituto Industrial de Lisboa. O ISEL como unidade de criação, transmissão e difusão da ciência, da tecnologia e da cultura, prossegue objectivos como: ensino das matérias necessárias à formação científica e técnica dos seus alunos com formação de Licenciados e Mestres; organização de cursos de especialização e pós-graduação; realização de atividades de investigação e desenvolvimento; promoção de ações de ensino extracurricular e de formação profissional; prestação de serviços nas áreas científicas e tecnológicas em que a escola exerce a sua atividade. 5 Figura 1: Aspeto da entrada principal do ISEL Ao longo dos anos tem contribuído para a promoção do desenvolvimento do País através da formação de uma percentagem significativa dos seus Engenheiros. Porque os seus diversos laboratórios e centros de estudo estão dotados com tecnologia avançada, vários dos seus docentes optam pela dedicação exclusiva por sentirem que existem condições adequadas ao exercício da sua atividade académica ou de investigação e desenvolvimento, havendo projetos em curso em cooperação com instituições e empresas de grande prestígio nacional e internacional. O ISEL está juridicamente definido como pessoa colectiva de direito público,

7 dotada de autonomia estatutária, científica, pedagógica, administrativa, financeira, disciplinar e patrimonial Infraestruturas físicas O campus do ISEL ocupa uma área global aproximada de seis hectares delimitada pela Rua Conselheiro Emídio Navarro, Rua Engenheiro Rodrigues de Carvalho e Rua Engenheiro Ferreira Dias, em Lisboa. Os seis hectares, encontram-se distribuídos da seguinte forma: 6 Tabela 1: Descrição da área ocupada pelo campus INFRAESTRUTURAS [m 2 ] Área Total do Campus Área Coberta Total Salas de Aula, Anfiteatros, Salas de Estudo e Biblioteca 7870 Laboratórios, Oficinas e Salas de Computadores 6792 Gabinetes, Secretariados e Salas de Reuniões 4705 Auditórios 660 Associação de Estudantes 544 Cantina e Bares 936 O campus do ISEL apresenta actualmente vários edifícios, podendo encontrar-se edificações mais antigas ao lado de construções mais recentes. Figura 2: Edificação mais antiga

8 Os edifícios mais modernos apresentam outras funcionalidades, fruto de novas tecnologias e técnicas de construção modernas e mais evoluídas. 7 Figura 3: Edificação mais recente Docentes O ISEL conta actualmente com 478 docentes. O corpo docente do ISEL integra docentes de carreira e docentes ligados ao tecido empresarial, com bom currículo académico e elevada experiência profissional como quadros superiores dos sectores público e privado, ligados à indústria e serviços, cujas actividades se encontram correlacionadas com as matérias leccionadas nos cursos. No final de 2011 mais de 30% dos docentes com vínculo laboral ao ISEL era detentor do grau de Doutor. Também é de referir que à data existiam já 19 docentes com o título de especialista, conferido pelo Instituto Politécnico de Lisboa, como resultado da prestação de provas públicas.

9 2.3 - Alunos e Cursos O ISEL conta com cerca de 6000 alunos distribuídos pelos diversos cursos de Licenciatura e de Mestrado ministrados no seu campus. De salientar que estes alunos frequentam os referidos cursos em dois regimes, nomeadamente o regime diurno e o regime pós-laboral. Cursos de Licenciatura Engenharia Civil Engenharia Electrotécnica Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Engenharia Informática e de Computadores Engenharia de Redes de Comunicação e Multimédia Engenharia Mecânica Engenharia Química e Biológica (Ramos: Engenharia do Ambiente; Engenharia Biológica; Engenharia Química) 8 Cursos de Mestrado Engenharia Civil (Especializações: Edificações; Estruturas; Hidráulica; Vias de Comunicação e Transporte) Engenharia Electrotécnica (Perfis: Energia; Automação e Electrónica Industrial) Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores (Especializações: Electrónica e Computadores; Telecomunicações e Computadores) Engenharia Informática e de Computadores Engenharia de Redes de Comunicação e Multimédia Engenharia Mecânica (Especializações: Energia, Refrigeração e Climatização; Manutenção e Produção) Engenharia de Manutenção Engenharia Química e Biológica (Especializações: Processos Químicos; Bioprocessos) Áreas Departamentais O ISEL incorpora no seu global 7 (sete) Áreas Departamentais, nomeadamente: Área Departamental de Engenharia Civil Área Departamental de Engenharia e Sistemas de Potência e Automação Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Área Departamental de Engenharia Mecânica Área Departamental de Engenharia Química Área Departamental de Matemática Área Departamental de Física

10 3 Plano Estratégico Pretende-se que este Plano Estratégico venha a potenciar todas as virtudes que ao longo dos anos foram apanágio e forma de distinção do ISEL na Sociedade, servindo como o guia ou alavanca para o sucesso da instituição nos anos vindouros. O presente documento foi compilado por uma Comissão nomeada e criada especialmente para este efeito por decisão do Presidente do ISEL. 9 Ao elaborar o foram identificadas a Missão e a Visão da instituição, os eixos estratégicos e objetivos operacionais, assim como as ações que permitam concretizar esses mesmos objetivos. Uma vez que o Plano Estratégico será uma referência para a elaboração dos Planos de Atividades anuais, orientando nesse sentido todos os órgãos da instituição na tomada de decisões, pretendeu-se envolver a instituição no seu todo para a sua construção. Por outro lado, e tendo em conta a incerteza e a dificuldade em prever o futuro, o Plano Estratégico pretende ser um instrumento dinâmico e flexível face às mudanças passíveis de ocorrer ao longo do período a que diz respeito. Assim, o Plano Estratégico deve prever processos de revisão de forma a permitir incorporar novas estratégias e novas ações. A elaboração do Plano Estratégico permitiu de uma forma clara e simples mostrar quem somos e o que queremos para a instituição. No entanto, para se alcançar esse objetivo foi necessário um processo faseado de atividades. As diferentes fases ou etapas para a construção do Plano Estratégico do ISEL para o quadriénio , cujo cronograma de trabalho se encontra no Anexo I, estão esquematizadas na Figura 4.

11 PREPARAÇÃO E PROJECTO 1 - FASE PRELIMINAR 2 - APROVAÇÃO 3 - FASE DE DIVULGAÇÃO DESENVOLVIMENTO 4 - FASE DE PARTICIPAÇÃO 5 - FASE DE SÍNTESE 6 - FASE DE VALIDAÇÃO / APROVAÇÃO 7 - FASE DE DIFUSÃO 10 PREPARAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO 8 - PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO 9 - PLANO DE AVALIAÇÃO Figura 4: Etapas de construção do. De forma a se perceber toda a dinâmica e atividades que estiveram na origem do documento relativo ao Plano Estratégico, apresenta-se nos próximos parágrafos uma descrição resumida das etapas e fases correspondentes ao trabalho desenvolvido Preparação e Projeto O principal objectivo desta etapa foi construir um projeto para a implementação do Plano Estratégico, apresentando-se como um guia para o restante trabalho a desenvolver, englobando duas fases distintas Fase Preliminar O primeiro passo consistiu na definição da equipa de trabalho, designada como Comissão para a condução do Plano Estratégico, ou simplesmente Comissão. A sua constituição encontra-se descrita no Anexo II.

12 Aprovação Uma vez delineado o Projeto de Implementação, o mesmo foi apresentado a uma equipa de peritos externos internacionalmente reconhecidos e com uma vasta experiência na área da Gestão Estratégica (ver Anexo III) que o analisaram, e sobre o qual elaboraram uma análise preliminar. Após esta análise, o documento foi retificado, de acordo com as sugestões dos peritos, sendo submetido posteriormente ao Conselho de Gestão para parecer, tendo em Dezembro de 2011 sido aprovado pela Presidência Desenvolvimento O objetivo desta etapa consistiu na elaboração do Plano Estratégico do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) para o quadriénio Fazem parte desta etapa cinco fases que se descrevem de seguida Fase de Divulgação Esta fase iniciou-se com a criação de uma área específica na página de entrada da instituição na internet (http://www.isel.pt/pinst/orgaosdegoverno/presidentedoisel/planoestrategico.html), onde foi disponibilizada toda a informação relativa ao processo de elaboração do Plano Estratégico Procurou-se que esta informação fosse constantemente atualizada durante o desenvolvimento do processo. Após a efetivação desta fase procedeu-se à divulgação a toda a comunidade do ISEL Fase de Participação Nesta fase de participação, tal como o nome indica, o objetivo foi envolver toda a comunidade académica interna, assim como algumas entidades externas (todos os interessados, adiante designados por stakeholders), fomentando a discussão, a troca de

13 ideias e promovendo o trabalho em equipa. Em todo o Instituto foram ouvidos funcionários docentes, funcionários não docentes e alunos, representando os stakeholders internos. No Anexo IV estão apresentados os principais stakeholders que foram auscultados nesta fase. Para esta auscultação foi necessário ter em conta os seus interesses, expectativas, poderes e responsabilidades Definição da Visão 12 Enquanto a forma de descrever a Missão é um exercício racional, transmitindo de uma forma clara o conjunto de atividades que a instituição pode desenvolver e onde se pode diferenciar, excluindo liminarmente tudo o que esteja fora do âmbito das suas competências, a Visão é algo que deve mostrar toda a energia e o sonho que nos motivará nos próximos anos, indicando-nos uma direção. Só com a motivação e o apoio da comunidade se conseguirão alcançar metas extraordinárias. Com base nas várias auscultações, e após discussão alargada no seio da Comissão, estabeleceu-se a seguinte proposta de texto para a Visão. O ISEL pretende afirmar-se como instituição de engenharia de referência através da formação dos seus alunos, da investigação e da cooperação com a sociedade, garantindo a diferenciação baseada na qualidade, desenvolvimento sustentável e atratividade Fase de Síntese Nesta fase procedeu-se à agregação e compilação de toda a informação recolhida na fase de participação. Foram elaborados dois tipos de análise, denominados por Análise Externa e Análise Interna. Da referida Análise Externa detectam-se as Oportunidades e as Ameaças, enquanto da Análise Interna se retiraram os Pontos Fortes e os Pontos Fracos, dando ambas as vertentes

14 de análise origem à síntese da estratégia. Para as referidas análises utilizaram-se diversos métodos, como inquéritos, entrevistas e resultados registados no sistema de qualidade implementado no ISEL. A Figura 5 ilustra a forma como os dados genericamente forma tratados. MISSÃO + VISÃO ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 13 CONCLUSÃO: - OPORTUNIDADES - AMEAÇAS CONCLUSÃO: - PONTOS FORTES - PONTOS FRACOS SÍNTESE DA ESTRATÉGIA EIXOS ESTRATÉGICOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO Figura 5: Modelo de recolha da informação. Para este trabalho recorreu-se à análise SWOT para detetar as realidades, feitos ou circunstâncias que influenciam de forma importante a instituição, podendo afetar os seus resultados. A análise SWOT (Strenghts-Pontos Fortes, Weaknesses-Debilidades, Opportunities-Oportunidades e Threats-Ameaças) é uma ferramenta de gestão largamente utilizada para o diagnóstico estratégico. A Figura 6 resume a análise efectuada.

15 PONTOS FORTES Oferta de cursos diversificados no regime pós-laboral PONTOS FRACOS (DEBILIDADES) Baixo valor de receita própria FACTORES INTERNOS À ORGANIZAÇÃO Boa localização do ISEL Ligação de alguns docentes à indústria Boa preparação dos alunos para o mercado de trabalho Corpo docente altamente qualificado (doutores e especialistas) Cursos reconhecidos por ordens profissionais Dependência excessiva do OE Comunicação e articulação internas deficientes Fraco reconhecimento das actividades de I&D Fraca divulgação institucional Carência de pessoal não docente em áreas específicas Todos os cursos acreditados pela A3ES Insuficiente qualidade de algumas infraestruturas (equipamento de laboratório e salas) Elevada qualidade da oferta formativa (cursos) Alta empregabilidade dos diplomados Historial e tradição Existência de acolhimento de alunos nacionais e estrangeiros Reduzida motivação dos Recursos Humanos Inexistência de oferta integrada para a gestão e promoção da prestação de serviços à comunidade (formação continuada e serviços) Fraca potenciação da relação com ex-alunos Integração não consolidada em redes internacionais Baixo valor de receita própria 14 FACTORES EXTERNOS À ORGANIZAÇÃO (MEIO AMBIENTE) OPORTUNIDADES Elevado interesse da indústria e outras instituições para estabelecer protocolos Interesse na vinda de alunos estrangeiros (CPLP, outros) Existência de nichos de mercado específicos para atender Criação de novas ofertas formativas (2º ciclos, pósgraduação) Crescente necessidade de formação continuada por parte de ex-alunos (e outros) Novas parcerias que surgem com a reestruturação da rede de Ensino Superior Salvaguarda na lei da estabilidade na carreira dos docentes Inexistência de oferta integrada para a gestão e promoção da prestação de serviços à comunidade AMEAÇAS Diminuição da quantidade de alunos para ingressar em Engenharia Pólos de Instituições concorrentes próximo do ISEL Redução no orçamento Concorrência de outras instituições Débil situação socioeconómica actual Congelamento das carreiras Especificidades legais do subsistema em que o ISEL está inserido (condicionam a atividade de Ensino e Investigação). Incremento da concorrência que resulta da reestruturação da rede de Ensino Superior Redução no montante dos vencimentos Figura 6: Análise SWOT. Pretendeu-se nesta fase organizar e agrupar toda a informação recolhida na fase anterior, materializando-a no tipo de estratégia. De acordo com este posicionamento foram elaborados os Eixos Estratégicos, assim como Objetivos Operacionais e respetivas Ações. Nesta fase aplicou-se a metodologia Balanced Scorecard para sistematizar e descrever os Eixos Estratégicos, os Objetivos Operacionais, Metas e Indicadores. Para todas as Ações foram definidas esferas de responsabilidade, calendário e estipulados os respetivos indicadores de monitorização da realização dessas Ações.

16 Apesar de ter previamente decorrido uma fase de participação, onde vários stakeholders foram auscultados, a fase de síntese culminou com a produção de um documento preliminar do Plano Estratégico, sujeito a consulta pública, permitindo que todos os interessados se pronunciassem sobre o seu conteúdo. Todos os contributos resultantes do processo de consulta pública foram analisados pela Comissão, sendo incorporados no Plano Estratégico as sugestões relevantes, bem como todas as ideias apresentadas com vista à melhoria do documento final Fase de Validação/Aprovação A finalidade desta fase foi efetuar uma análise coerente a toda a informação constante na versão preliminar do Plano Estratégico e detetar eventuais erros ou contradições entre os vários elementos do Plano. O documento foi então apresentado à equipa de peritos externos, que analisaram o documento e elaboraram um Relatório Final (Anexo V). Após análise do Relatório Final dos peritos externos, e tendo em conta todas as suas observações, a Comissão adaptou o Plano Estratégico, que foi então enviado ao Conselho de Gestão, que deu o seu parecer. O Plano Estratégico foi depois legitimado através da aprovação pela Presidência Fase de Difusão Uma vez aprovado o, garante-se a sua divulgação a toda a comunidade, por forma a permitir a sua incorporação nas actividades a realizar no período Preparação para a implementação O objetivo desta etapa, subsequente à difusão do Plano Estratégico será elaborar um Plano de Implementação e um Plano de Avaliação associado ao Plano Estratégico. Esta etapa engloba duas fases:

17 Plano de Implementação De forma a materializar o Plano Estratégico, elaborou-se um Plano de Implementação dos Quadros de Ação, indicando nesse Plano as esferas de responsabilidade pelas ações e o momento de execução das mesmas. O Plano de Implementação foi analisado pela equipa de peritos externos Plano de Avaliação Futuramente deverá ser concluído um Plano de Avaliação, onde se encontra definido um sistema de indicadores e as ferramentas a utilizar para permitir avaliar a eficácia/eficiência das Ações propostas. A avaliação realizar-se-á através do Balanced Scorecard da instituição suportada num sistema de indicadores, integrando o Plano Estratégico na estrutura da organização. No decorrer da avaliação utilizar-se-ão maioritariamente os recursos humanos e as competências adquiridas no Gabinete de Avaliação e Qualidade, analisando fundamentalmente os indicadores estabelecidos no Plano Estratégico e os seus desvios.

18 4 - Missão e Valores Missão Tal como se encontra descrito no Estatutos do ISEL, a instituição possui a seguinte Missão. O ISEL enquanto centro de criação, transmissão e difusão da ciência, tecnologia e cultura, tem como missão o estudo, a docência, a investigação e a prestação de serviços 17 no âmbito da Engenharia, contribuindo para a sua qualidade e inovação Valores e Princípios Para o ISEL os Valores possuem um grande significado na medida que representam algo que identifica uma cultura com mais de um século de existência. O ISEL orienta-se por princípios de transparência, de democraticidade, de participação e de ética, procurando: Assegurar a todos os membros do ISEL a sua real e efectiva participação em todos os actos, nos termos da lei e dos seus estatutos; Favorecer a livre expressão da pluralidade de ideias e opiniões; Assegurar as condições necessárias para uma atitude de permanente inovação científica e pedagógica; Garantir a liberdade e a autonomia cultural, científica e pedagógica; Outorgar o primado ao saber, à investigação e à cultura, numa perspectiva de respeito e promoção da pessoa humana e da comunidade.

19 5 - Eixos estratégicos Os eixos estratégicos foram definidos a partir da Missão anteriormente referida, ressalvando-se os três eixos estratégicos assinalados como aqueles fundamentais para o cumprimento da Missão, que é conseguida e suportada nos restantes cinco eixos, tal como apresentado na Figura Figura 7: Os oito eixos estratégicos para o ISEL (incluindo os três eixos fundamentais). Com base na informação recolhida e de acordo com os eixos estratégicos apontados para o quadriénio , será apresentada a estratégia adotada e enunciados os objectivos operacionais para cada um dos eixos, descrevendo um conjunto de acções, esferas de responsabilidade, indicadores e metas.

20 5.1 - Objetivos operacionais para os eixos estratégicos Tendo em atenção todas as condicionantes e conjeturas atuais do ensino superior em Portugal o ISEL opta por uma Estratégia Adaptativa numa tentativa de superar as debilidades, para aproveitar as oportunidades. Neste conceito, produziu-se a Tabela 2 onde se relacionam os eixos estratégicos com as debilidades e oportunidades detetadas durante a análise SWOT. 19 Tabela 2: Estratégia Adaptativa Superar as Debilidades, para aproveitar as oportunidades DEBILIDADES OPORTUNIDADES EIXO ESTRATÉGICO Reduzida motivação dos Recursos Humanos Carência de pessoal não docente em áreas específicas; Comunicação e articulação internas deficientes Reduzida motivação dos Recursos Humanos Integração não consolidada em redes internacionais Fraca divulgação institucional; Baixo valor de receita própria; Dependência excessiva do OE Fraco reconhecimento das atividades de I&D Fraca potenciação da relação com ex-alunos; Inexistência de oferta integrada para a gestão e promoção da prestação de serviços à comunidade Novas parcerias que surgem com a reestruturação da rede de Ensino Superior Elevado interesse da indústria e outras instituições para estabelecer protocolos; Novas parcerias que surgem com a reestruturação da rede de Ensino Superior Salvaguarda na lei da estabilidade na carreira dos docentes Interesse na vinda de alunos estrangeiros (CPLP e outros); Criação de novas ofertas formativas (2º ciclos, pós-graduação) Existência de nichos de mercado específicos para atender; Criação de novas ofertas formativas (2º ciclos, pós-graduação) Elevado interesse da indústria e outras instituições para estabelecer protocolos; Criação de novas ofertas formativas (2º ciclos, pós-graduação) Elevado interesse da indústria e outras instituições para estabelecer protocolos; Criação de novas ofertas formativas (2º ciclos, pós-graduação) Crescente necessidade de formação continuada por parte de ex-alunos (e outros); Criação de novas ofertas formativas (2º ciclos, pós-graduação) Sucesso Escolar Qualidade dos Serviços Prestados Qualificação dos recursos humanos Cooperação internacional Diferenciação Desenvolvimento sustentável Investigação Atratividade

21 Sucesso escolar Sumário Sendo o ensino o elemento primordial na missão do ISEL, o sucesso escolar é um dos elementos fundamentais no afirmar da excelência do ensino e no reconhecimento por todos os stakeholders do ISEL do desempenho de qualidade alcançado na sua missão. Este elemento torna-se ainda mais fundamental quando se procura implementar uma modernização do ensino, reforçar o apoio ao trabalho individual de qualidade dos discentes e de uma forma sistémica reduzir o abandono escolar Objetivos Operacionais Os Objetivos Operacionais relativos ao eixo estratégico SUCESSO ESCOLAR foram definidos pela sua relevância, tal como se apresenta na Figura 8. Figura 8: Objetivos operacionais do eixo estratégico - SUCESSO ESCOLAR.

22 A1 - Fomentar o sucesso escolar nos Cursos O fomentar o sucesso escolar passa por reconhecer que há necessidade de avaliar de uma forma sistemática os casos de insucesso nas unidades curriculares, forçando o reformular dos métodos de ensino através da implementação de estratégias de reforço da aprendizagem nas unidades curriculares que de uma forma sistemática se destacam pela pouca eficiência. A2 - Reduzir o abandono escolar 21 A redução do abandono escolar passa por criar um sistema de acompanhamento de proximidade aos discentes procurando identificar situações de insucesso sistemático, para através de um processo de realimentação apoiar a adequação das técnicas de aprendizagem no processo de ensino. A3 - Aumentar o apoio a projetos finais e TFM's O reconhecimento do potencial dos projetos finais e dos trabalhos finais de mestrado é fundamental para incrementar os laços do ISEL à comunidade envolvente, pelo que esse estímulo deve claro no funcionamento destas unidades curriculares. Simultaneamente o arrastar por demasiado tempo destas unidades curriculares acaba por criar situações de injustiça e funcionar como retenção por excesso de tempo os discentes envolvidos, incrementando como consequência o insucesso escolar e a adiando a entrada no mercado de trabalho de recursos já qualificados. A4 - Modernizar o ensino experimental A modernização do ensino experimental passa cada vez mais a nível internacional por uma aposta na adequação das aulas laboratoriais a novas abordagens que para além de minimizarem o custo de operação dos laboratórios se focam mais no incremento de competências do que na aprendizagem de tecnologias por norma de vida útil muito reduzida. Nesta linha é de referir a cada vez maior utilização de laboratórios remotos, não confundir com virtuais, por forma a permitir uma maior flexibilidade na utilização dos recursos disponíveis.

23 Ações Por forma a implementar-se o objectivo estratégico do sucesso escolar, aposta-se no conseguir taxas de sucesso que convirjam para os níveis da OCDE, o que relativamente ao domínio da engenharia estamos a falar na ordem dos 60%. Isto só se consegue se de uma forma consequente se adaptarem todas as unidades curriculares que apresentam um insucesso generalizado e sistemático. Como a proximidade entre os docentes e os discentes é desde sempre uma característica do ISEL, há que generalizar o apoio de proximidade através de tutorias, enquanto se procuram identificar os casos de insucesso sistemático. 22 O aumento do apoio a projetos finais de curso passa pela procura de apoio externo aos mesmos, não só devido à necessidade de enquadramento dos recursos necessários, mas também como forma privilegiada para estabelecer a ligação dos futuros graduados com o mercado. Este processo é claramente potenciado pela apresentação pública de muitos destes projetos com vista ao estímulo interno bem como ao estímulo das relações com o mercado. A modernização dos laboratórios sem a injeção de recursos pelas vias normais de financiamento é aquilo que vai permitir a sua sustentabilidade nos próximos anos, considerando a previsível cada vez maior escassez dos mesmos. A disponibilização de processos de aprendizagem que podem extravasar para além do limite físico dos laboratórios pode e deve ser estimulado por forma a responder a novas necessidades e aos novos públicos. Para cada um dos objetivos operacionais, relativos ao eixo estratégico da Sucesso Escolar, foram definidas um conjunto de ações que se elencam na Tabela 3.

24 Tabela 3: Ações para cada objetivo operacional do eixo estratégico - SUCESSO ESCOLAR. # Objetivo Operacional # Ações A1 Fomentar o sucesso escolar nos Cursos A1.1 Alcançar taxas de Sucesso nas UC's A1.2 Reformular UC's com insucesso generalizado e sistemático A2 Reduzir o abandono escolar A2.1 Criar Sistema de Acompanhamento de Proximidade aos alunos A2.2 Identificar Situações de Insucesso Sistemático A3 Aumentar o apoio a projetos finais e A3.1 Criar Bolsa de Apoio externo a Projetos finais e TFM's TFM's A3.2 Criar Evento para apresentação dos trabalhos de referência desenvolvidos A4 Modernizar o ensino experimental A4.1 Incentivar a realização de aulas laboratoriais com os recursos disponíveis A4.2 Promover a criação de laboratórios remotos Informação complementar sobre as ações As alterações que derivam da implementação deste eixo estratégico necessitam da articulação conjunta dos coordenadores de curso e dos responsáveis das áreas departamentais, para respectivamente promoverem as mudanças no seu curso e nas infraestruturas de apoio ao mesmo. Naturalmente que para um correto conhecimento da situação a estrutura deve disponibilizar os dados que permitam a resposta correta e atempada. Na Tabela 4 define-se a esfera de responsabilidade pela realização e coordenação de cada ação, os indicadores quantitativos que foram escolhidos para medir o desempenho relativamente a cada ação e as respetivas metas, havendo também a indicação da periodicidade do reporte de situação e progresso dos mesmos para que seja possível controlar e atuar em tempo ao longo do período de concretização deste plano.

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/25616 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ensinus-Estudos

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Período de Referência: Ano letivo 2012/2013 Novembro de 2013 Índice Geral INTRODUÇÃO...1 Capítulo I. Elaboração do Relatório de Autoavaliação...2

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE

ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE ACEF/1314/07362 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Trás-Os-Montes E Alto Douro A.1.a.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DA QUALIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DA QUALIDADE INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA 2013 REGULAMENTO DA QUALIDADE Título Regulamento da Qualidade do ISEL Edição Conselho Coordenador da Qualidade ISEL Instituto Superior

Leia mais

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário,

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário, RECENSÃO : Revisões das Políticas Nacionais para a Educação Ensino Terciário 1 em Portugal: Relatório dos Observadores (EDU/EC (2006) 25) Catarina Cristino Pereira Licenciada em Ciências da Educação pela

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO (Artigo 66-A.º do Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) INSTITUTO SUPERIOR

Leia mais

Relatório de atividades do IPAM- Aveiro

Relatório de atividades do IPAM- Aveiro Relatório de atividades do IPAM- Aveiro 2013 2014 Índice INTRODUÇÃO... 4 1. Grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual e dos respetivos objetivos... 5 Enquadramento: plano e objetivos...

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1 Aprovação do documento Função Nome Responsável: CD / Director / Presidente IPL Aprovação: Assembleia de Representantes / Conselho Geral (Acta de Reunião) Divulgação: Comunidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01767 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

DESPACHO. Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. DESPACHO N.º07/2014 Data: 2014/02/11 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Estrutura Orgânica dos Serviços da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa. Os Estatutos

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Relatório da visita. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010

Relatório da visita. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010 Relatório da visita Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010 Comissão de Avaliação do IPL: - Paulo Morais, pró-reitor do IPL, docente na ESTC,

Leia mais

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal

Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal INSCRIÇÕES ABERTAS NOS SERVIÇOS ACADÉMICOS!!! Mestrado em Conservação e Reabilitação do Edificado uma resposta à crise vivida no sector da Construção em Portugal Reabilitação Urbana e do Património Edificado

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas 2012

Relatório de Atividades e Contas 2012 ISEL Relatório de Atividades e Contas 2012 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa 30-09-2011 Lisboa, abril de 2013 Relatório de Atividades e Contas 2012 1 FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI. 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências

Leia mais

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013

GUIA DE APOIO. Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 GUIA DE APOIO Documento aprovado em sede do Conselho Diretivo Nacional da Ordem dos Engenheiros em 17 de setembro de 2013 Gabinete de Qualificação Avenida António Augusto de Aguiar, 3D 1069-030 Lisboa

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO 24-07-2012 1 ÍNDICE 1.POLÍTICADEGARANTIADAQUALIDADE...1 2.SISTEMADEGARANTIADAQUALIDADE...2 2.1. ESTRUTURA DA GESTÃO DA QUALIDADE...3 2.2. AUTOAVALIAÇÃO...5

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual

Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Projeto de Regulamento de Propriedade Intelectual Preâmbulo O Instituto Politécnico de Viana do Castelo, doravante designado IPVC, considera que a proteção e valorização dos direitos intangíveis resultado

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Manual da Qualidade SIGAQUIPAM

Manual da Qualidade SIGAQUIPAM Manual da Qualidade SIGAQUIPAM Índice Preâmbulo... 3 Estrutura do Manual da Qualidade... 5 Revisão do Manual da Qualidade IPAM... 6 1- Objetivos e princípios orientadores... 7 1.1. Missão e objetivos da

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007

Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre. Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Sistema Integrado de Gestão do Instituto Politécnico de Portalegre Joaquim Mourato Conferência Inovação no Ensino Superior - Évora 23/01/2007 Objectivos e Metodologia Sistema Integrado de Gestão Análise

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago, no Conselho Nacional de Educação 13 de Fevereiro

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Reforma do Ensino Superior

Reforma do Ensino Superior Reforma do Ensino Superior O assunto da Reforma do Ensino Superior e suas implicações na Universidade da Madeira (UMa) exige o envolvimento não só do Conselho Geral, mas também de toda a comunidade académica,

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Documento elaborado por: Teresa Paiva Diretora da UDI Índice I. INTRODUÇÃO 1 1.1.Enquadramento, Missão e Estratégia 1 1.2.Breve caracterização do ambiente interno e externo 1

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais