Insucesso Académico no IST

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Insucesso Académico no IST"

Transcrição

1 Tânia Correia Colaboradores: Dr. Hans Welling Dra. Susana Vasconcelos Dra. Belina Duarte Coordenação: Dra. Isabel Gonçalves (NAP) Dra. Marta Pile (GEP) Setembro 2003

2 Índice Pág. Introdução 3 I - O (In)Sucesso Escolar 6 II - O Insucesso Escolar no IST Causas do Insucesso Escolar O Abandono Interno/Externo Desempenho Escolar do Aluno Regular Grelha de Análise do Desempenho Escolar Inquérito aos Alunos 40 III - Medidas de Combate e Prevenção do Insucesso Escolar 43 IV - Fórum de Discussão Resultados do Fórum de Discussão 53 V - Considerações Finais 62 Bibliografia 64 ANEXO I - A pessoa do aluno ANEXO II - A realização académica, a pedagogia e a pessoa do docente ANEXO III - A dimensão institucional ANEXO IV - Inquérito ao insucesso escolar do IST (1º ano) ANEXO V - Resultados do Inquérito aos alunos 2

3 Introdução O ingresso no Ensino Superior é, para muitos jovens, o culminar de uma longa permanência no sistema educativo. As instituições universitárias assumem-se como um local de aquisição de saberes específicos, indispensáveis a uma melhor inserção no mercado de trabalho. Hoje em dia é normalmente aceite que um bom emprego implica necessariamente a obtenção de um nível académico superior. Ora, este facto implica que toda a vida (escolar) dos alunos seja dirigida para este fim. As suas expectativas, os seus projectos futuros, são equacionados tendo em conta a frequência de um curso superior. Desta forma, a entrada na universidade é encarada como um período determinante na vida dos jovens que irá condicionar toda a sua vida futura. Contudo, após esta entrada, acontece frequentemente os jovens não conseguirem obter os resultados que esperavam, o que os leva a experimentar sentimentos de desilusão e frustração que acabam, por vezes, por os impossibilitar de ultrapassar esta situação. As situações de insucesso escolar começam a atingir proporções significativas, preocupando não só os intervenientes mais directos neste insucesso, os alunos, mas também as instituições de Ensino Superior e os próprios governos. O Instituto Superior Técnico (IST) não é alheio a esta situação: apesar da taxa de reprovação no IST ser inferior à média nacional, o insucesso escolar nesta instituição passa por elevadas taxas de reprovação e de desistência e por um tempo de finalização das licenciaturas superior àquele, à partida, definido. Para fazer face a esta situação, torna-se imperativo um conhecimento cada vez maior do contexto desse insucesso, que permita a tomada de um conjunto de medidas que actuem sobretudo de um modo preventivo, evitando, na medida do possível, situações de insucesso. O estudo que se pretende desenvolver, numa cooperação entre o Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) e o Núcleo de Aconselhamento Psicológico (NAP), tem como 3

4 objectivo analisar o impacto de algumas medidas de combate ao insucesso escolar implementadas no IST, tomando como ponto de partida o estudante. Pretende-se, deste modo, reunir pela primeira vez os esforços de pesquisa de um gabinete (GEP) que tem vindo a realizar macro-estudos orientados para a totalidade da população do IST, e de um gabinete (NAP) que tem vindo a realizar intervenções clínicas e micro-estudos orientados para a população de estudantes que apresentam problemas do foro psicológico, frequentemente com impacto sobre o seu rendimento académico. A ideia é conseguir obter uma visão mais completa do insucesso académico no IST, integrando dados mais quantitativos de pesquisa com dados de natureza mais qualitativa. Assim, numa primeira fase, irá definir-se o que se entende por sucesso/insucesso escolar, de acordo com as perspectivas teóricas da Psicologia e da Sociologia. Numa segunda fase, caracterizar-se-á o insucesso escolar aplicado ao caso concreto do IST, recorrendo a todos os estudos realizados até ao momento sobre esta temática, incluindo, nomeadamente, os resultados de vários relatórios de auto-avaliação das várias licenciaturas do IST, estudos desenvolvidos pelo GAPE 1, GEP, NAP, AEIST 2, Conselho Pedagógico, entre outros, numa tentativa de identificação das principais causas do insucesso no IST e definição de indicadores. Tendo em conta o desempenho pedagógico dos alunos, esta fase deverá terminar com a construção de uma grelha que sintetize os vários graus de sucesso/insucesso escolar no IST. Numa terceira fase, efectuar-se-á a inventariação das medidas/acções desenvolvidas ao longo dos anos no IST, na área do insucesso escolar, organizando-as numa grelha que especifique: destinatários, objectivos, período de tempo em que foram implementados, responsáveis e resultados. A quarta fase do trabalho, posterior à divulgação dos resultados obtidos nas fases dois e três, consiste na elaboração de um painel de participantes "informados" que possam reunir- 1 Gabinete de Apoio ao Estudante. 4

5 se num fórum de discussão, relativamente restrito, sobre os dados entretanto recolhidos, com o objectivo de definirem, em conjunto com as coordenadoras do estudo, os critérios orientadores das próximas fases do mesmo. Conta-se desde logo com a participação, neste painel, de: - representantes do Conselho Pedagógico - representantes do Conselho Directivo - representantes do Conselho Científico - representantes da Associação de Estudantes - Coordenadores de Licenciatura - representantes do GAPE - representantes do NAP - representantes do GEP - todos os estudantes e docentes que tenham interesse e julguem poder dar um contributo válido para esta questão. Na quinta e última fase do trabalho, o GEP e o NAP propõem-se implementar o estudo nos moldes propostos no âmbito das conclusões finais do "Fórum de discussão sobre o sucesso/insucesso escolar no IST", sendo que no final desta fase de trabalho de campo seria desejável que se conseguissem desenvolver quer metodologias de análise e reflexão consensuais a aplicar a todas as medidas de combate ao insucesso escolar desenvolvidas no IST, quer propostas de medidas a desenvolver futuramente e que possam ter boas possibilidades de promover o sucesso académico. O GEP e o NAP convidam, pois, toda a escola a envolver-se activamente neste estudo, que se pretende eminentemente prático e útil para o desenvolvimento do IST, e particularmente dos seus principais clientes e beneficiários - os estudantes. 2 Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico. 5

6 I - O (In)Sucesso Escolar O sucesso académico tornou-se, na academia, um tópico de alguma relevância. Assim, ainda que cada vez um maior número de adolescentes tenham acesso a um ensino de nível superior, a taxa de sucesso desses mesmos adolescentes tende a diminuir, o que preocupa, naturalmente, não só as instituições de ensino superior, como os próprios governos (com particular destaque para os ministérios da educação) e a sociedade em geral. (Van Esbroeck, R., 1995). A escola, uma instituição com séculos de existência, abriu recentemente as suas portas a camadas da população a que o saber letrado estava vedado, passando a receber um público muito heterogéneo tanto a nível social, como cultural e económico - fenómeno de massificação da escola. É comummente aceite que todos têm direito à frequência escolar, contudo, é também verdade que a escola, ao funcionar como um filtro selectivo que "assegura simultaneamente uma socialização necessária ao funcionamento das sociedades e uma reprodução social (cf. Benavente, 1988: 23), "legitima as diferenças sociais transformando-as em diferenças escolares, que vão, por sua vez, justificar novas diferenças sociais (cf. Benavente, 1988: 23). Com o fenómeno de massificação da escola intensifica-se um outro fenómeno, o do insucesso escolar. Inicialmente perspectivado como um problema isolado, de um aluno que não consegue transitar de ano, passou a ser visto como um fenómeno social, estando nele implicados não só os intervenientes mais directos, os alunos, mas também todos os outros actores que intervêm no processo educativo: os pais, os docentes e, a um nível macro, a própria instituição e o governo ( o Estado português gasta cerca de meio milhão de contos todos os anos com alunos do Ensino Superior que raramente frequentam as aulas e se eternizam no sistema por muitos mais anos do que os que seriam necessários para a conclusão da sua licenciatura (cf. Ricardo Jorge Pinto, jornal Expresso, Novembro de 1996)). Antigamente, o insucesso era encarado como um sinal de exigência no ensino e, até 6

7 mesmo, como um sinal de qualidade do sistema educativo. Por sua vez, os casos de abandono escolar eram vistos como a única solução para as situações em que existia uma dissociação entre os alunos e a escola. Com a massificação do ensino estes problemas tenderam a agravar-se e, com a ideia de que o aluno pode (e talvez até deve) ser encarado como um cliente do sistema educativo, apareceu a noção de que era necessário fazer algo para corrigir níveis demasiado elevados de insucesso escolar. Com a percepção do problema, tem vindo a ser desenvolvida uma vasta investigação sobre a temática do insucesso escolar, da qual se destacam três correntes explicativas daquela (temática): 1. Teoria dos dotes individuais Segundo esta teoria, a explicação para o insucesso escolar dos alunos residia nos próprios alunos; a escola mantinha-se neutra, isto é, não era apontada como um dos intervenientes/factores explicativos do insucesso. A inteligência era vista como um dote natural, como algo inato e hereditário e o facto de um aluno ter um fraco aproveitamento escolar devia-se somente à sua falta de capacidade e/ou inteligência. 2. Teoria do handicap socio-cultural A partir dos anos 60, e com base na investigação desenvolvida nas áreas da Psicologia Genética, da Sociologia da Educação e da Psicosociologia, compreende-se que o insucesso escolar não pode ser atribuído somente a causas individuais dos alunos. O facto daquele fenómeno ser considerado massivo, atingindo grandes percentagens de repetências, não pode ser explicado através de características individuais dos alunos. Trata-se de um problema social, aliás, socialmente selectivo, uma vez que a sua distribuição varia de acordo com a origem social dos discentes. Estes teriam, perante a escola, diferenças a nível sócio-cultural que os poderiam colocar em desvantagem perante outros alunos e que os impossibilitariam de obter o chamado sucesso escolar. Nesta teoria, tal como na anterior, é imputada aos alunos a responsabilidade do insucesso. 7

8 3. Teoria sócio-institucional Se o insucesso escolar é um fenómeno massivo, socialmente selectivo e cumulativo, não se pode ignorar a escola na explicação daquele, tal como as teorias anteriores fizeram. Neste caso, trata-se de considerar a dimensão social e institucional do insucesso escolar. Assim sendo, o insucesso escolar é afinal um fenómeno que envolve factores de natureza política, cultural, institucional, sociopedagógica e psicopedagógica; tem a ver com as relações que a escola estabelece com os alunos que vêm de meios mais afastados dos saberes letrados, tem a ver com as dificuldades que a escola ( ) tem em se relacionar com os alunos social e culturalmente diversos (Benavente, 1988: 24). Tal como Benavente refere, a explicação do insucesso escolar deixou de incidir apenas no aluno: afastada a visão fatalista, quer da teoria dos dotes naturais, quer da do handicap sócio-cultural investe-se na transformação da própria escola, nas suas estruturas, conteúdos e práticas, procurando adaptá-la às necessidades dos diversos públicos que a frequentam (Benavente in Silva, Custódio, Mendes, Lourenço, 2001: 7-8). O insucesso escolar é um fenómeno constante em todos os níveis de ensino e instituições escolares que atinge percentagens muito elevadas. Apresenta um carácter precoce, pois tende a aparecer de uma forma mais intensa nos primeiros anos de escolaridade e é socialmente selectivo, visto o seu grau de incidência variar consoante os meios sociais de origem dos alunos. É, também, considerado como um fenómeno cumulativo, ou seja, um aluno que reprove tem uma maior probabilidade de reprovar novamente, não sendo, por isso, encarado como um acontecimento isolado na vida do aluno. Por definição, o insucesso escolar seria um impedimento ao prosseguimento dos estudos. Assim, definir insucesso escolar parece relativamente fácil, basta fazer alguns cálculos: saber qual o número de alunos inscritos num ano e quantos transitaram para o ano seguinte; quantas disciplinas foram deixadas em atraso; o número de anos, em média, que um aluno leva a completar um curso, etc.. Falar de insucesso, no Ensino Superior, é necessariamente falar de alunos que, ano após ano, não conseguem transitar para o nível 8

9 seguinte ou que, mesmo que o consigam, têm um aproveitamento baixo, deixando muitas disciplinas em atraso. Esta situação conduz a um prolongamento da sua frequência no Ensino Superior, chegando mesmo a situações extremas de abandono do curso e da escola. De acordo com alguns estudos efectuados em Portugal, sobre as temáticas do insucesso escolar e dos abandonos, é habitual discutir questões como (in Silva, Custódio, Mendes, Lourenço, 2001: 7): Os alunos sofrem um choque na transição do ensino secundário para o ensino universitário; O meio donde provêm alguns dos estudantes não os habilita a lidar da melhor forma com a instituição de acolhimento, sentindo problemas na integração social e académica; Alguns docentes não têm formação pedagógica que os habilite a lidar com situações que requerem conhecimentos específicos de pedagogia; A componente curricular de certas licenciaturas contém deficiências estruturais, está desarticulada e não permite que o aluno desenvolva as suas capacidades da forma mais eficaz. O insucesso e o abandono não têm a mesma definição, não se podendo encontrar no primeiro fenómeno a causa única e explicativa do segundo; o insucesso pode, por vezes, levar o aluno a abandonar a instituição de ensino mas não é o único factor de abandono. O abandono escolar é, actualmente, um fenómeno preocupante, tanto no que diz respeito à extensão que adquire como no que diz respeito às repercussões que tem na sociedade e nos indivíduos que a integram. Este é um fenómeno que tem vindo a crescer, nos últimos anos, devido à massificação do ensino e existem indicadores, a nível europeu, que o consideram como um problema que poderá emperrar o desenvolvimento de um país: todo o atraso em que um país incorra no desenvolvimento dos conhecimentos dos jovens, futuros agentes de produção, coloca esse país em situação muito delicada relativamente aos vizinhos e concorrentes (Ministério da Educação in Silva, Custódio, Mendes, Lourenço, 2001: 8). Logo, não se podem dissociar os aspectos económicos bem como os sociais desta 9

10 problemática. O abandono revela-se assim como um sinal de insucesso da própria sociedade. Quer quando a decisão resulta de decisões de insucesso, pela impreparação dos alunos que a escola penaliza, quer quando não se consegue motivar para a sequência de estudos mesmo aqueles a quem a escola proporciona sucesso (Ministério da Educação in Silva, Custódio, Mendes, Lourenço, 2001: 8). De referir, que a questão dos abandonos escolares, mais concretamente no IST, será analisada em maior profundidade numa fase posterior do trabalho. Segundo um estudo efectuado na Universidade de Aveiro, para uma melhor compreensão do sucesso/insucesso escolar é necessário agir de forma coerente e fundamentada sobre as condições organizacionais, curriculares e pedagógicas do funcionamento dos primeiros anos do Ensino Superior (Tavares et al. in Silva, Custódio, Mendes, Lourenço, 2001: 8). De acordo com o mesmo trabalho, a explicação destes fenómenos (sucesso/insucesso) não se poderá resumir a uma explicação causal ou linear, tomando como medida de análise apenas um dos agentes em questão: ou a análise intra-individual, atribuindo somente ao indivíduo a responsabilidade cognitiva pelos seus actos, ou a análise macrossocial e intraorganizacional que enfatiza os factores externos de tipo social, organizacional e/ou pedagógicos. Não obstante, actualmente, o termo insucesso/sucesso escolar tem vindo a ser substituído pelo termo insucesso/sucesso académico, uma vez este último ser mais abrangente na sua definição. Este abarca não só as competências académicas e cognitivas mas, também, as variáveis pessoais que se encontram envolvidas no processo de transição e adaptação à universidade (Ferreira e Neto in Santos, 2001: 20). De salientar a contribuição de Tavares e Silva (in Tavares e Silva, 2001: 150) no que concerne à definição de sucesso escolar, levando-a mais longe do que os meros resultados escolares. Segundo os mesmos, o sucesso académico é indicado pelos resultados que o estudante consegue durante o tempo da sua vida na academia e que se traduz pelas competências cognitivas e metacognitivas, comportamentais e de comunicação 10

11 desenvolvidas durante e no final da sua estada na instituição universitária. O sucesso académico não poderá, na realidade, ser medido apenas pelo rendimento escolar atingido nas diferentes disciplinas do seu plano de estudos e pelo nível mais ou menos elevado das suas classificações. Hoje, conta, sobretudo, o seu desenvolvimento integrado pessoal e social, o seu equilíbrio, o bom senso e maturidade, a sua capacidade de criatividade e de desenvolver relações humanas entre pares e superiores hierárquicos e de ajudar a resolver tensões e conflitos em ambientes de trabalho. E, continuam, acrescentando: sucesso académico integra, por um lado, de alguma forma o sucesso familiar, escolar, educativo e, por outro, possibilita e potencializa o sucesso social, profissional, cultural, axiológico, numa palavra, humano. Como referido anteriormente, o sucesso/insucesso académico não diz somente respeito às qualificações académicas; ele abarca uma multiplicidade de aspectos que envolvem variáveis pessoais, interpessoais e institucionais que afectam a adaptação e a realização académica do estudante no Ensino Superior. As dimensões psico-pedagógicas e afectivorelacionais constituem componentes influentes e responsáveis pelos níveis de êxito e sucesso nos desempenhos escolares e académicos dos estudantes universitários. Segundo Ratingan (in Santos, 2001: 17), a transição do ensino secundário para o Ensino Superior pode ser concebida como potenciadora de crises e vulnerabilidades, bem como fonte de desafios desenvolvimentais. O sucesso académico depende de uma boa adaptação ao Ensino Superior a qual resulta, por sua vez, da interacção entre factores pessoais e variáveis associadas ao campus universitário. De acordo com investigação efectuada acerca da transição ensino secundário/superior, quando os níveis de desafio provocados por esta transição são percepcionados como excessivamente elevados, acabam por gerar problemas ao nível das actividades académicas, ao nível das actividades pessoais e sociais, e relativos à identidade e ao desenvolvimento vocacional do estudante (Fischer in Santos, 2001: 19). Deste modo, a vivência destes problemas tem implicações negativas no rendimento académico dos estudantes, conduzindo, muitas vezes, a situações de abandono escolar e ao aumento dos pedidos de apoio psicossocial (Rickinson e Rutherford in Santos, 2001: 19). 11

12 O insucesso académico é encarado como um problema de má adaptação do aluno a uma nova realidade escolar: a universidade. Má adaptação essa que poderá advir de variáveis pessoais, tais como o relacionamento com a família, os níveis de autonomia pessoal, o bem-estar físico e psicológico, os níveis de auto-confiança, entre outras. Mas, igualmente, advir de uma má adaptação à própria instituição, ao curso, aos novos métodos de estudo, aos professores, etc.. Poder-se-ão, então, considerar três domínios de sucesso/insucesso: (a) o domínio académico que diz respeito ao desempenho escolar, competências de estudo, avaliação do conteúdo e método de currículo do curso; (b) o domínio social-relacional que tem a ver com a maneira de estar na universidade, a adaptação ao papel de estudante universitário, a inserção no contexto universitário, as oportunidades oferecidas no acolhimento, a satisfação com o ambiente relacional e social; e, por último, (c) o domínio bio-psicológico que se relaciona com a saúde física e psicológica, a qualidade de vida e bem-estar, ou seja, a satisfação com a vida em geral (Tavares et al., 2000: ). Assim, poderão ser consideradas quatro dimensões que, directa ou indirectamente, poderão influenciar o percurso académico dos alunos. São elas a dimensão individual (intrínseca ao aluno), a pedagógica/didáctica (docentes e currículos), a institucional (universidade) e a ambiental externa (envolvente à universidade, visto considerar-se que, por exemplo, o aluno em situação de mudança residencial em termos geográficos tem propensão para sentir mais dificuldades de integração do que os seus colegas que residem na zona da instituição de ensino). De uma forma mais sistemática, apresentam-se, abaixo, as variáveis que cada uma das dimensões abrange. 12

13 Fig. 1: Dimensões que poderão influenciar o percurso académico dos alunos Individual (intrínseca ao aluno) Percurso Escolar Desempenho escolar Dados Sócio- Económicos Dimensões Pedagógica/Didáctica (docentes e currículos) Interacção Professor- Aluno Nível de Atractividade do curso Ritmos de Trabalho Contactos Pessoais Organização Curricular Factores Psicológicos Transmissão de Conhecimentos Institucional (universidade) Equipamentos e Serviços Condições de Frequência Grau de Integração/ Participação Ambiental Externa (envolvente à universidade) Transição novo espaço de vida (culturais) Transição novo espaço de vida (geográficos) Adapt. de: Silva, Custódio, Mendes, Lourenço (2001) Abandono Universitário: Estudo de caso no IST, Lisboa, Gabinete de Estudos e Planeamento, Instituto Superior Técnico. Uma caracterização psicológica dos alunos bem e mal sucedidos academicamente Em situações de competição, a motivação fundamental para muitos estudantes é evitarem o fracasso e protegerem o seu auto-conceito da percepção de que têm pouca habilidade; o que com alguma frequência leva à adopção de estratégias de evitamento de potenciais situações de fracasso (Alderman, 1999). Porque razão o fracasso é suscitador de emoções negativas como a vergonha e a baixa auto-estima em tantos estudantes, e motivador de maior esforço noutros? Alunos diferentes dão diferentes interpretações aos seus sucessos e fracassos. Não é tão importante a situação do fracasso mas, muito mais, o significado que o aluno atribui a esse fracasso: para alguns, o fracasso é interpretado como sendo o resultado de um esforço insuficiente e, como tal, susceptível de mudança e melhor desempenho na próxima vez; para outros, é a confirmação de uma incompetência há muito suspeitada, nada que o aumento de esforço 13

14 possa resolver. Com base nesta diferenciação em termos de atribuições de significados, pode agrupar-se a maioria dos estudantes em dois tipos, o estudante orientado para o sucesso e o estudante aceitante do fracasso. Casos típicos de sucesso e insucesso 3 Um estudante orientado para o sucesso tende a atribuir os seus fracassos a factores internos instáveis (como a falta de esforço) e os seus sucessos a factores internos estáveis e instáveis (uma combinação de capacidade e esforço). Encara os desafios como uma oportunidade de demonstrar a sua habilidade intelectual geralmente com entusiasmo; crê que falhou, porque não se esforçou o suficiente ou porque não usou a melhor estratégia; o que não significa incompetência ou falta de capacidade mas, sim, ignorância ou incompreensão, algo que é mutável e solúvel através de um aumento do esforço. As emoções desagradáveis relacionadas com a falta de esforço (a culpa e o remorso) actuam como impulsionadoras de um maior esforço da próxima vez. Ao mesmo tempo, as emoções agradáveis, associadas à manutenção das expectativas de sucesso (o optimismo), influenciam positivamente futuros desempenhos, porque continua a acreditar que é possível ser bem sucedido e move-se nesse sentido, continuando a investir no trabalho escolar (despendendo mais tempo que os alunos pessimistas, os quais, mesmo com as mesmas capacidades, acabam, muitas vezes, por desinvestir do trabalho escolar). 3 Adapt. de: Covington (1992). Motives as thoughts in Making the grade. A self-worth perspective on motivation and school reform. NY: Cambridge University Press. Adapt. de: Alderman (1999). Attributional beliefs and motivation in Motivation for achievement. Possibilities for teaching and learning. NY: Lawrence Felbaurn. 14

15 Fracasso Fig. 2: Estudante orientado para o sucesso Atribuições Sentimento Desempenho Alta capacidade Culpa Procura melhorar desempenho Baixo esforço Optimismo Sucesso Alta capacidade Alto esforço Orgulho Optimismo Melhoria do desempenho Um estudante aceitante do fracasso (orientado para o fracasso), tende a atribuir os seus fracassos a factores internos estáveis (falta de capacidade) em detrimento da falta de esforço; quanto aos sucessos, caso estes ocorram, são atribuídos a factores externos instáveis que não pode controlar (como a sorte e a ajuda de outros). Vê-se numa situação catastrófica: congratula-se pouco ou nada pelos raros sucessos, porque não se sente merecedor; culpabiliza-se e envergonha-se pelos fracassos pois atribui-os à incapacidade ou à incompetência. Não acredita que possa ser bem sucedido no futuro ou controlar futuros sucessos. A mesma situação de fracasso desencadeia emoções e efeitos diferentes: os sentimentos associados a esta interpretação, podem ser a vergonha e a inferiorização, sentimentos muitas vezes paralisantes. O seu efeito, associado à crença de falta de capacidade ou incompetência é um efeito pessimista. Pior do que isto, mesmo que consiga da próxima vez um desempenho melhor, a sua interpretação continuará a ser contrária à de um estudante orientado para o sucesso, pois continua a duvidar da sua capacidade e a julgar-se um impostor, visto o sucesso não ser devido a si mas, sim, a algum factor externo instável que não pode controlar (sorte, facilidade das perguntas, benefício dos professores). Não existem, para ele, expectativas de sucesso mas uma imprevisibilidade pouco motivadora. 15

16 Fig. 3: Estudante orientado para o fracasso Atribuições Sentimento Desempenho Vergonha Fracasso Baixa capacidade Baixo desempenho Pessimismo Sucesso Baixa capacidade Sorte Pouco orgulho Pessimismo Baixo desempenho Alunos aceitantes do fracasso mantêm-se, muitas vezes até à entrada na Universidade, num limbo entre a esperança e o desespero causados pelo medo de serem descobertos como impostores. É no contexto do Ensino Superior, com todas as alterações de etapa de vida que lhe estão associadas que, muitas vezes, este medo deixa de ser controlável e causa maiores danos, podendo mesmo levar ao abandono escolar. Os sentimentos associados à interpretação do fracasso como falta de capacidade são dolorosos. Ser ignorante não é o mesmo que ser pouco inteligente; lidar com este tipo de sentimentos é frequentemente difícil. Como resultado, existem também diferentes estratégias desculpabilizantes desse fracasso, estratégias que diminuem a possibilidade do fracasso poder ser interpretado como incapacidade ou incompetência e, ainda, estratégias destinadas a evitar situações de fracasso a todo o custo. Estratégias auto-incapacitantes 4 Envolvem a criação de impedimentos para o desempenho de tarefas e de esforço que possam levar ao sucesso académico. Criam-se desculpas para o potencial fracasso que evitam a exposição da incompetência. Mesmo quando são bem sucedidos a justificar os seus fracassos aos outros, salvaguardando a sua capacidade, não estão livres de sentimentos negativos associados à falta de investimento, como a culpa e a vergonha. É um 16

17 boicote ao investimento, pois é muito pior encarar o fracasso quando se investiu para o sucesso. Assim, a auto-justificação é a prioridade e a procura do bom desempenho é, muitas vezes, sacrificada, uma vez que o estudante nunca testa as suas capacidades, continuando sempre a duvidar delas e a evitar a todo o custo confrontar-se com a real descoberta de um fracasso pessoal causado por falta de capacidade intelectual. Procrastinação "Deixar para amanhã o que se pode fazer hoje " não tem mal nenhum quando se têm razões para tal ou quando o problema beneficia de um adiamento. O problema real coloca-se quando há adiamentos sistemáticos, sem justificação, tornando-se paralisante; é frequente as razões para o adiamento dos estudos só surgirem em altura dos exames ou da entrega dos trabalhos. É o caso dos alunos que fazem tudo, em altura dos exames, excepto estudar: limpam a casa, tratam de assuntos pendentes há vários meses, etc.. Ao estudar apenas nos últimos dias, o procrastinador não pode culpar-se pelo fracasso, pois esteve demasiado ocupado e com pouco tempo para poder estudar. Se, por acaso, conseguir ser bem sucedido, transmite uma imagem extremamente capaz, porque conseguiu fazer tanto, com tão pouco esforço. Em suma, o procrastinador tem pouco a perder e muito a ganhar. Existe ainda outro tipo de procrastinador que é aquele que está realmente muito ocupado a investir no estudo mas perde demasiado tempo a fazer resumos ou a recolher material para estudar. A desculpa, neste caso, é a falta de tempo: se ao menos tivesse mais uns dias... Objectivos inatingíveis Consiste em definir objectivos tão elevados que o insucesso se torna o mais provável. É o caso dos alunos que aspiram a um 20, inscritos a 5 cadeiras por semestre enquanto trabalham em um ou dois part-times. Do ponto de vista da valorização pessoal faz todo o sentido, uma vez que o insucesso não pode ser interpretado levemente como falta de capacidade mas, sim, porque a tarefa ou o objectivo era quase inatingível. Existe uma espécie de permissão para falhar que é libertadora: por um lado, o indivíduo tem mais 4 Adapt. de: Covington (1992). Self-worth and the fear of failure in Making the grade. A self-worth perspective on motivation and school reform. NY: Cambridge University Press. 17

18 possibilidades de falhar do que de ser bem sucedido, por outro, se conseguir atingir o seu objectivo, apesar de todas as intempéries, tem sempre a admiração dos outros. Underachievers (os que não se esforçam e ficam aquém do cumprimento dos objectivos) Evitam qualquer teste à sua capacidade, recusando-se a investir. Fazem-no com um certo orgulho, denegrindo o trabalho em si ou fazendo críticas depreciativas, ridicularizando aqueles que trabalham. Recusam como rebeldia, inconformismo e defesa da individualidade mas, no fundo, esta recusa é originada por um medo de inadequação e não por qualquer convicção política ou moral. Não é que não queiram ser bem sucedidos, pelo contrário: julgam é que o sucesso só tem valor se forem atingidos padrões de perfeição. O resultado é, muitas vezes, raiva por não atingirem a perfeição e raiva contra aqueles que insistem nela (muitas vezes contra pais demasiado exigentes e pouco apoiantes). A sua batalha é travada entre o que é na realidade e aquilo que deveria ser (ou aquilo que os pais gostariam que fosse). Em termos de valorização pessoal, não se sentem incapazes quando falham, porque foi essa a sua opção, podendo, também, punir os pais demasiado exigentes e insatisfeitos, nunca atingindo os objectivos colocados por estes. A muleta académica Ansiedade Envolve a utilização de uma qualquer deficiência ou fraqueza pessoal como álibi para o insucesso, algo (de preferência) irrepreensível e vitimizante para o estudante. A ansiedade é a mais frequente por ser bastante real e conhecidos os seus efeitos perturbadores no desempenho académico. Estratégias que garantem o sucesso 5 São estratégias que procuram evitar o sofrimento causado pelo fracasso. Para os alunos que as utilizam, a valorização pessoal depende de nunca fracassarem ou de se esforçarem o máximo possível ou de estabelecerem objectivos muito baixos ou, mesmo, da utilização de 5 Adapt. de: Covington (1992). Self-worth and the fear of failure in Making the grade. A self-worth perspective on motivation and school reform. NY: Cambridge University Press 18

19 meios menos adequados. Contudo, estes alunos têm um medo profundo de não terem as capacidades que garantam o seu sucesso escolar. Overstrivers (esforçado e abnegado: esforça-se demasiado) Desejo intenso de evitar o fracasso ao ser bem sucedido através de um grande esforço e dedicação às tarefas académicas, muitas vezes, em detrimento das outras áreas de vida, tornando a procura de sucesso num ritual obsessivo. Não há exigências moderadas e perdão para estes estudantes, pois a perfeição é o seu objectivo. Do ponto de vista da valorização pessoal, o risco é elevado, pois quando falham, sofrem o pior dos fracassos, o fracasso após um grande investimento. Estes estudantes situam-se num conflito entre a esperança de sucesso (confirmado pelo seu historial académico) e o medo de não serem realmente inteligentes (porque se esforçam demasiado). É por esta razão que um fracasso isolado pode ser devastador, pois é, para eles, a confirmação do maior dos seus receios, o de serem realmente incompetentes e de não cumprirem as exigências da perfeição. Ironicamente, alguns destes estudantes, ao limite, colocam-se a si próprios numa armadilha, visto ninguém conseguir evitar o fracasso eternamente. As situações de fracasso e insucesso são inevitáveis, assim como a insatisfação é inerente ao Homem, o que o faz tentar ir cada vez mais longe, estabelecendo objectivos cada vez mais difíceis e, por vezes, ainda inatingíveis. Baixos objectivos Outra forma de garantir o sucesso consiste em criar objectivos tão baixos que se torna difícil fracassar. O sucesso é apenas definido como não perder. Em termos de valorização pessoal, há uma ilusão de respeito baseada numa vida de pouco esforço e dedicação: as pessoas medíocres estão sempre no seu melhor. Estes estudantes estabelecem, para si mesmos, um intervalo entre o desempenho mais baixo que podem atingir sem sentir desconforto e o melhor que podem esperar. É o caso do estudante que anuncia antes de fazer o exame que ficará satisfeito apenas com uma nota para passar. Existem desvantagens neste tipo de estratégia: continuação de um desempenho 19

20 inadequado, pouco esforço e desmotivação. Só fazem o mínimo que é esperado; desta maneira, o sucesso assegurado é previsível e desprovido de valor associado à satisfação de ultrapassar um verdadeiro desafio. Batota Académica Este comportamento há muito que constitui fonte de preocupação no sector académico. Há quem considere que cabular é um sinal de dificuldades a nível de adaptação e pouca tolerância à frustração; outros, que é um sinal de más políticas educativas que encorajam a fraude e a batota. Mais uma vez, a base deste comportamento está no facto do aluno considerar que só tem valor se conseguir um bom desempenho, mesmo que este não seja real, o que suscita o sentimento de imprevisibilidade em situações posteriores. O risco de ser apanhado é compensado pelo enorme medo de ficar para trás em comparação com os colegas. O alívio proporcionado pelo sucesso aparente não é, no entanto, suficiente para reduzir o desconforto ou o sentimento de culpa, pois o aluno sabe que enganou, que o seu sucesso não garante futuros bons desempenhos e que corre o risco de ser descoberto como impostor. O insucesso escolar não pode ser atribuído a uma causa única, estando envolvidas neste processo uma multiplicidade de variáveis/causas. Estas poderão ser arrumadas, para uma melhor compreensão, nas seguintes categorias: a pessoa do aluno (ver Anexo I), a realização académica, a pedagogia e a pessoa do docente (ver Anexo II) e a dimensão institucional (ver Anexo III). Na introdução à proposta de contrato de qualidade elaborada pelas Escolas da Universidade Técnica de Lisboa, no seguimento do despacho 6659/99 de 16 de Março, pretende-se que o combate ao insucesso promova o estudante a níveis de formação de grande qualidade, compatíveis com as exigências do mercado de trabalho e 20

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO Grupo Parlamentar Projecto de Lei N.º 52/IX ALTERA A LEI DE BASES DO SISTEMA EDUCATIVO O chamado processo de Bolonha não é, por essência, negativo, particularmente se for adoptado numa óptica de estímulo

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho

Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais. Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho Sucesso académico: Variáveis pessoais e respostas institucionais Leandro S. Almeida & Alexandra M. Araújo Universidade do Minho TÓPICOS: - (In)Sucesso académico: Enquadramento - (In)Sucesso académico:

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário,

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário, RECENSÃO : Revisões das Políticas Nacionais para a Educação Ensino Terciário 1 em Portugal: Relatório dos Observadores (EDU/EC (2006) 25) Catarina Cristino Pereira Licenciada em Ciências da Educação pela

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade de especialização. A educação é considerada

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Relatórios de Actividades de Coaching

Relatórios de Actividades de Coaching AVALIAÇÃO DO PROGRAMA Relatórios de Actividades de Coaching O Coaching é um processo continuado e planeado de aperfeiçoamento pessoal e profissional, baseado na aprendizagem-acção. O Coach, no âmbito de

Leia mais

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira Doutorandos em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona Docentes

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2

P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 P R O G R A M A E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 P L A N O D E I N T E R V E N Ç Ã O 2 0 1 1 / 2 0 1 2 Através do Programa Educação 2015, o Ministério da Educação lançou um desafio às escolas no sentido de cada

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Otrabalho diferenciado de aprendizagem

Otrabalho diferenciado de aprendizagem REVISTA N.º 27 09/07/07 19:52 Page 38 O Tempo de Estudo Autónomo na Aprendizagem da Língua Estrangeira: Treinar, Consolidar, Aprofundar Conhecimentos e Competências Maria Dulce Abreu* A acção educativa

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio

Universidade Aberta. Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social. Regulamento de Estágio Universidade Aberta Licenciatura em Ciências Sociais, Minor em Serviço Social Regulamento de Estágio Preâmbulo O Ensino a Distância possibilita o acesso ao prosseguimento dos estudos em condições vantajosas

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO in Azevedo, et al (2006). Relatório final da actividade do Grupo de Trabalho para Avaliação das Escolas. Lisboa: Ministério da Educação AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS E AVALIAÇÃO EXTERNA OS PONTOS DE INTERSECÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE

RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE ANEXO IV RELATÓRIO FINAL DE COORDENADOR DE GRUPO ANO LETIVO 2013/2014 I.- CARATERIZAÇÃO DO GRUPO DISCIPLINAR Coordenadora do grupo disciplinar de Francês e Espanhol: Ana Cristina Bernardes Tavares Fazem

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

O Segredo do Nosso Insucesso

O Segredo do Nosso Insucesso Escola Básica de 2º e 3º Ciclos José Maria dos Santos Pinhal Novo O Segredo do Nosso Insucesso Professor Jorge Pires ( Subcoordenador do Departamento de Línguas ) Na sequência da solicitação do presidente

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA O DESPORTIVISMO NO JOGO É SEMPRE VENCEDOR (Fair play - The winning way) INTRODUÇÃO... 2 AS INTENÇÕES DO CÓDIGO... 2 DEFINIÇÃO DE FAIR PLAY... 2 RESPONSABILIDADE PELO FAIR PLAY...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO PORTO REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto Julho de 2009 PREÂMBULO 3 CAP. I (ÂMBITO E APLICAÇÃO) 3 Art. 1º (Âmbito) 3 Art. 2º

Leia mais

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente Perspectivas e expectativas em relação à formação inicial e à profissão de educadora de Infância Ana Rita Graciano, Isabel Fialho IPSS Obra de S. José Operário, Évora Universidade de Évora Palavras-chave:

Leia mais

2010/2011 Plano Anual de Actividades

2010/2011 Plano Anual de Actividades 2010/2011 Plano Anual de Actividades Cristiana Fonseca Departamento de Educação para a Saúde 01-07-2010 2 Plano Anual de Actividades Introdução Quando em 1948 a Organização Mundial de Saúde definiu a saúde

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Escola Básica Integrada da Praia da Vitória DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Após a avaliação diagnóstica realizada para cada matéria/turma, e mediante o documento de departamento «Adaptação do Currículo

Leia mais

Transição e adaptação ao ensino superior artístico

Transição e adaptação ao ensino superior artístico s í s i f o / r e v i s t a d e c i ê n c i a s d a e d u c a ç ã o n.º 7 s e t / d e z 0 8 i s s n 1 6 4 6 4 9 9 0 Transição e adaptação ao ensino superior artístico Isabel Duarte iduarte@esd.ipl.pt Escola

Leia mais

Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência Mental: perspectiva dos empregadores

Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência Mental: perspectiva dos empregadores 1 Inserção Profissional de Pessoas com Deficiência Mental: perspectiva dos empregadores O emprego é central a qualquer sociedade, desempenhando um importante papel no comportamento humano e na própria

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES

A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES A EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NO ENSINO PRÉ-ESCOLAR O CONTRIBUTO DA FORMAÇÃO COMPLEMENTAR DE EDUCADORES PEREIRA 1,SARA;TORRES 2,ANA ymartins, 3 ISABEL P. Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa - Universidade

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Indicadores de transferência e de abandono no ensino superior português

Indicadores de transferência e de abandono no ensino superior português Indicadores de transferência e de abandono no ensino superior português Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) João Oliveira Baptista Seminário Sucesso Académico - Teatro Thalia -

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

ANEXO. Termos de referência. Avaliação global e avaliação da qualidade do sistema do ensino superior português. 1 - Introdução

ANEXO. Termos de referência. Avaliação global e avaliação da qualidade do sistema do ensino superior português. 1 - Introdução ANEXO Termos de referência Avaliação global e avaliação da qualidade do sistema do ensino superior português 1 - Introdução Será levada a cabo uma avaliação extensiva, independente e objectiva do sistema

Leia mais