REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL CAP. I Denominação e Princípios Artigo 1.º Denominação e Princípios 1. A PSIANIMAL Associação Portuguesa de Terapia do Comportamento e Bem-Estar Animal é uma associação, sem fins lucrativos, constituída a 14 de Abril de A associação rege-se pelos estatutos, pelas disposições aplicáveis do Código Civil e Legislação Complementar, bem como pelo presente Regulamento Interno (RI) e deliberações da sua Assembleia Geral. 2. A associação exerce a sua actividade com total independência e autonomia. É apartidária, liberta de qualquer tutela económica, religiosa, racial ou de outro tipo. 3. A associação pode filiar-se em Federações, Confederações ou outros organismos afins, no país ou no estrangeiro. CAP. II Admissão e Classificação dos Sócios Artigo 2.º Categorias 1. Sócios fundadores: são sócios fundadores as pessoas que aderiram à associação até à data da sua constituição, sendo considerados sócios efectivos. 2. Sócios efectivos: são sócios efectivos as pessoas que se proponham colaborar na realização dos fins da associação, obrigando-se ao pagamento de jóia inicial e de uma quota anual. O sócio efectivo é o profissional com formação avançada em áreas relacionadas com a Terapia do Comportamento Animal e Bem-Estar Animal. Esta categoria de sócio é a única que pode candidatar-se aos órgãos directivos da associação e, de igual modo, com pleno poder de votação. 3. Sócios afiliativos: são sócios afiliativos as pessoas que se proponham colaborar na realização dos fins da associação, obrigando-se ao pagamento de jóia inicial e de uma quota anual. O sócio afiliativo é um profissional que colabora na Terapia do Comportamento Animal e Bem-Estar Animal. 4. Sócios estudantes: são sócios estudantes as pessoas que se proponham colaborar na realização dos fins da associação, obrigando-se ao pagamento de jóia inicial e de uma quota anual. O sócio estudante são alunos que se encontram a fazer formação avançada (licenciatura ou mestrado) em áreas relacionadas com a Terapia do Comportamento Animal e Bem-Estar Animal. Artigo 3.º Admissão 1. Podem ser membros associados da PSIANIMAL todas as pessoas singulares que se identificarem com os objectivos constantes nos estatutos e preencherem os requisitos aqui estabelecidos. 2. A admissão de sócios é da competência da Direcção, sendo que a candidatura a sócios efectivos requer a recomendação de um sócio da mesma categoria. Esta, depois de decidir, comunicará ao sócio a sua admissão:

2 a) no caso de indeferimento, a Direcção justificará por escrito a sua decisão. b) o sócio afiliativo poderá candidatar-se a efectivo por apresentação do seu CV e suas motivações à Direcção. 3. O candidato a sócio, no caso de rejeição da sua candidatura, não poderá ser novamente proposto antes de decorrido um ano sobre esse facto, salvo se houverem cessado os motivos ponderantes da rejeição. 4. A readmissão de qualquer sócio que tenha perdido os seus direitos, só poderá ser aceite um ano após a perda dos mesmos. Artigo 4.º Direitos Específicos Os sócios, após a recepção da decisão da sua admissão, pagamento da jóia e da primeira quota, têm direito a: 1. Usufruir de todos os benefícios, nas diferentes iniciativas proporcionadas pela associação em conformidade com o estabelecido nos estatutos. 2. Apenas os sócios efectivos poderão eleger e ser eleitos para os diferentes órgãos da associação. 3. Tomar parte nas assembleias gerais. 4. Apresentar à Direcção, por escrito, reclamações, reparos e sugestões. 5. Ser devidamente informado das actividades e da situação económica da associação por relatório anual apresentado em Assembleia Geral e estando disponível para consulta 10 dias antes da mesma. 6. Recorrer para o órgão competente da lesão dos seus direitos associativos. 7. Receber um exemplar do RI, mediante a jóia a definir. 8. Ser ouvido com carácter prévio à aplicação de medidas disciplinares e recorrer das sanções que lhe forem aplicadas e das decisões que considere contrárias aos estatutos e RI. Artigo 5.º Deveres Específicos Os sócios, pelo facto da sua admissão, ficam, desde logo, obrigados: 1. Ao pagamento de uma jóia de inscrição; 2. Ao pagamento pontual de uma quota anual ou de uma quota semestral mínima, excepto os membros da direção que estão isentos do pagamento da quota anual, enquanto se mantiverem no exercicio das suas funções. 3. Os valores da jóia e quotas podem ser alterados sempre que a Assembleia Geral o delibere; 4. A comparecer às reuniões da Assembleia Geral; 5. Ao cumprimento dos estatutos e RI, respeitando e acatando as deliberações dos órgãos da associação; 6. A aceitar e exercer graciosamente, salvo a apresentação de preponderantes motivos de desculpabilidade, os cargos para que foram nomeados pela associação, desempenhando-os com zelo, dedicação e eficiência; 7. A contribuir para o bom nome da associação, acompanhando com interesse e dinamismo as suas realizações e evitando quaisquer actos que possam causar desprestígio ou dano patrimonial à mesma. Artigo 6.º Responsabilidade Disciplinar

3 Incorre em responsabilidade disciplinar o sócio que: 1. Não observar as disposições estatutárias e regulamentares ou as infringir; 2. Cause dano à associação e não se prontifique para a respectiva reparação; 3. Deixe de pagar as quotas e, advertido pela Direcção para regularizar o pagamento, o não faça no prazo de 30 dias, sem motivo por esta considerado justificado; 4. Pelas suas atitudes ou omissões aja de forma a lesar os interesses patrimoniais e princípios éticos da PSIANIMAL. Artigo 7.º Tipos de Sanções 1. São as seguintes as sanções aplicáveis aos sócios: a) Advertência; b) Suspensão do exercício dos direitos associativos; c) Exclusão da qualidade de sócio. 2. Todas estas sanções serão comunicadas por escrito mediante carta registada com aviso de recepção ao sócio faltoso. Em caso de advertência, esta, embora escrita, poderá ser precedida de advertência oral, sendo o seu processo de aplicação o seguinte: a) A aplicação da pena de advertência e da suspensão é da competência da Direcção. b) A exclusão da qualidade de sócio é da competência exclusiva da Direcção. 3. Ao sócio excluído é aplicável o disposto no artigo 181º do Código Civil. CAP. III Dos Órgãos da Associação Artigo 8.º São órgãos da associação: a) A Assembleia Geral; b) A Direcção; c) O Conselho Fiscal. Secção I Da Assembleia Geral Artigo 9.º Constituição 1. A Assembleia Geral é constituída por todos os sócios no pleno gozo dos seus direitos associativos. 2. Não poderá exercer os seus direitos de voto o sócio efectivo suspenso, ou que se encontre atrasado no pagamento de quotas. Artigo 10.º Competência 1. Sem prejuízo no disposto no artigo 170º e nos artigos 172º a 179º do Código Civil, compete à Assembleia Geral, de forma exclusiva: a) Eleger os Corpos Gerentes, constituindo-se para o efeito em Assembleia Eleitoral; b) Apreciar e aprovar o Relatório de Contas de exercício, assim como aprovar o Plano de Actividades e o Orçamento para o ano seguinte;

4 c) Rever e alterar os estatutos e RI e destituir os órgãos sociais em sessão extraordinária convocada expressamente para esse efeito, contanto que tais deliberações obtenham o voto favorável de três quartos do número dos associados presentes; d) Dar posse aos outros órgãos da associação; e) Aprovar regulamentos internos, assim como o regulamento eleitora; 2. Compete, ainda, à Assembleia Geral, ainda que não de forma exclusiva: a) Assegurar o bom funcionamento da actividade da Direcção e do Conselho Fiscal; b) Garantir o cumprimento dos estatutos e RI; c) Deliberar sobre qualquer assunto de interesse para a associação. Artigo 11.º Da forma de Convocação A convocação da Assembleia Geral será efectuada com o mínimo de 8 (oito) dias de antecedência, por meio de anúncio público e envio de por correio electrónico, devendo constar da convocação, obrigatoriamente, o dia, a hora e o local da reunião. Artigo 12.º Da forma de Convocação A Assembleia Geral reúne, ordinariamente, até ao fim de Março. A Assembleia Geral reúne extraordinariamente: a) Nos casos extraordinariamente previstos no RI; b) Sempre que o respectivo Presidente da Mesa, por si ou a solicitação dos restantes membros da Mesa da Assembleia, o entendam oportuno; c) A pedido da Direcção ou do Conselho Fiscal; d) A requerimento de um conjunto de sócios efectivos no pleno gozo dos seus direitos associativos e com as quotas regularizadas, e nunca inferior à décima parte da totalidade; e) No caso previsto no nº3 do artigo 173º do Código Civil. Artigo 13.º Quórum A Assembleia Geral só poderá funcionar validamente em primeira convocação quando estiver presente ou representada, pelo menos, metade dos sócios com direito a voto, podendo contudo realizar-se em segunda convocação, meia hora depois da hora marcada, com qualquer número de sócios presentes. Artigo 14.º Representação do sócio ausente Qualquer sócio com direito a voto poderá fazer-se representar por outro com igual direito, mediante carta endereçada ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral, até ao próprio dia da sessão. Parágrafo único - Cada sócio presente só pode representar um sócio ausente. Artigo 15.º Quórum Deliberativo

5 1 Salvo casos expressamente previstos na Lei Geral, nos Estatutos e no presente RI, as deliberações são tomadas por maioria absoluta de votos dos associados presentes. 2 Em caso de empate o Presidente da Mesa tem voto de qualidade. 3 As deliberações sobre a dissolução da Associação requerem o voto favorável de quatro quintos do número de todos os associados. Artigo 16º Composição da Mesa da Assembleia A Mesa da Assembleia é composta por três associados, um presidente e dois secretários, competindo-lhes dirigir as reuniões da assembleia e lavrar as respectivas actas. Incumbe ao Presidente da Mesa convocar as assembleias. Secção II Da Direcção Artigo 17.º Constituição A Direcção é composta por cinco associados: - um Presidente, - um Vice-Presidente, - um Tesoureiro, - primeiro secretário, - segundo secretário. Artigo 18.º Das Reuniões 1 A Direcção reunirá, ordinariamente, uma vez por trimestre, em dia a fixar pela mesma. A Direcção reunirá, extraordinariamente, sempre que necessário, por iniciativa própria ou por solicitação de quaisquer outros órgãos da associação. 2 A convocação das reuniões da Direcção poderá ser feita por qualquer método normalmente admitido. Artigo 19.º Da Competência 1 Compete à Direcção: a) Promover a realização dos fins da Associação; b) Cumprir as deliberações da Assembleia Geral; c) Admitir, excluir ou suspender sócios; d) Exercer o poder disciplinar que lhe compete; e) Representar a associação em quaisquer actos públicos; f) Representar a associação em juízo e fora dele e designar representantes para esses efeitos, quando for necessário; g) Formar Comissões Auxiliares, presididas por um membro da Direcção, destinadas a colaborar na prossecução dos fins da associação; h) Movimentar as contas correntes nos bancos, para o que bastarão de dois dos membros da Direcção; i) Requerer a convocação da Assembleia Geral;

6 j) Elaborar, no fim de cada ano, o Relatório de Contas de Exercício, que sujeitará ao parecer do Conselho Fiscal e à apreciação da Assembleia Geral; k) Assinar as actas das reuniões; l) Providenciar, nos casos urgentes, sobre quaisquer factos ou situações não previstos nos estatutos ou RI; m) Elaborar o Plano Anual de Actividades e submetê-lo à apreciação e à aprovação da Assembleia Geral, que deverá ser feita na primeira sessão de cada ano; n) Actuar no sentido de promover a vida democrática da associação, encorajando a participação activa dos associados; o) Aceitar subsídios, doações, heranças ou legados; p) Adquirir, alienar ou onerar bens móveis, valores mobiliários ou bens imóveis, estes mediante autorização prévia da Assembleia; q) Negociar e contratar nos termos da lei e depois da aprovação pela Assembleia Geral quaisquer empréstimos ou financiamentos para a prossecução do objecto e finalidade social da Associação; r) Contratar e despedir empregados e colaboradores; s) Celebrar contratos para a aquisição de bens e serviços necessários à prossecução da Associação; t) Abrir delegações ou representações da Associação nos termos do artigo primeiro; u) A forma do seu funcionamento é a estabelecida no artigo 171º do Código Civil. 2 - Compete ao Presidente da Direcção: a) Superintender na administração da associação, orientando e fiscalizando os respectivos serviços; b) Convocar e presidir às reuniões da Direcção, dirigindo os respectivos trabalhos; c) Representar a associação em juízo e fora dele; d) Assinar e rubricar os termos de abertura e encerramento de actas da Direcção; e) Dar despacho em assuntos de expediente normal e em assuntos urgentes, sujeitando estes últimos à confirmação da Direcção na primeira reunião seguinte. 3 Compete ao Vice-Presidente: Coadjuvar o Presidente no exercício das suas atribuições e substitui-lo nas suas ausências e impedimentos. 4 Compete ao Tesoureiro: a) Receber e guardar os valores da associação; b) Promover a escrituração de todos os movimentos financeiros da associação; c) Assinar as autorizações de pagamento e as guias de receitas conjuntamente com o Presidente; d) Apresentar, semestralmente, à Direcção o balancete em que se discriminarão as receitas e despesas desses seis meses anteriores; e) Superintender nos serviços de contabilidade e tesouraria. 5 Compete ao Primeiro Secretário: a) Lavrar as actas das reuniões da Direcção e superintender nos serviços de expediente; b) Preparar a agenda de trabalhos para as reuniões da Direcção, organizando os processos dos assuntos a serem tratados; c) Superintender nos serviços de secretaria. Compete ao Segundo Secretário: Coadjuvar o Primeiro Secretário no exercício das suas atribuições e substitui-lo nas suas ausências e impedimentos. Artigo 20.º

7 Extinção. Destino dos bens. Extinta a associação, o destino dos bens que integram o património social, que não estejam afectados a fim determinado e que não lhe tenham sido doados ou deixados com algum encargo, será objecto de deliberação dos associados. Secção III Do Conselho Fiscal Artigo 21.º Constituição e Reuniões 1 O Conselho Fiscal é composto por três sócios: - um Presidente, - dois vogais. 2 O Conselho Fiscal reúne-se, ordinariamente, semestralmente e, extraordinariamente, por iniciativa do seu Presidente ou por solicitação dos restantes membros ou de outro órgão da associação. Artigo 22.º Da Competência São atribuições do Conselho Fiscal, entre outras: a) Fiscalizar o cumprimento por parte da Direcção das disposições estatutárias e requerer a convocação da Assembleia Geral, quando julgo oportuno; b) Examinar as contas da Direcção e os documentos e serviços relacionados com a vida económica e financeira da associação, bem como dar parecer sobre o orçamento da Direcção ou a sua alteração; c) Auxiliar a Direcção, emitindo parecer sobre qualquer consulta desta, e assistir às suas reuniões sempre que tal seja solicitado; d) Examinar e dar parecer, no fim de cada ano, sobre o relatório de contas da Direcção, antes de ser submetido à aprovação da Assembleia Geral; e) Emitir, por escrito, no âmbito das suas competências, os pareceres que lhe forem solicitadas pelos outros órgãos; f) Dar parecer sobre todos os actos que impliquem aumentos de despesas ou diminuição de receitas; g) Solicitar à Direcção todos os elementos que considere necessários ao cumprimento das suas atribuições, bem como propor reuniões extraordinárias para discussão, com aquele órgão, de determinados assuntos cuja importância julgue serem justificadas; h) As deliberações do Conselho Fiscal são tomadas por maioria dos votos dos membros presentes, cabendo ao Presidente voto de desempate. i) Nomear, a pedido da Direcção um dos seus membros para assistir a título consultivo a reuniões da Direcção. Artigo 23.º Incompatibilidade É incompatível o desempenho de funções em mais do que um dos cargos dos diferentes órgãos da associação. CAPÍTULO IV

8 Das Secções e Grupos de Projecto Artigo 24.º Secções Por decisão da Assembleia Geral, sob proposta de sócios, poderão ser criadas secções, relativas a diferentes vertentes da área de intervenção da associação: a) Cada secção orientará a sua actividade de modo a garantir a concretização dos fins estatutários; b) Cada secção elegerá um coordenador, estabelecerá as formas internas de organização e apresentará relatórios à direcção da associação. Artigo 25.º Grupos de Projecto Por iniciativa própria ou sob proposta dos sócios, a Direcção poderá criar Grupos de Projecto, com duração limitada. CAPÍTULO V Regulamento Eleitoral Artigo 26.º Generalidades 1 As eleições para a Mesa da Assembleia Geral, a Direcção e o Conselho Fiscal serão feitas em Assembleia Geral ordinária, por listas que deverão mencionar os nomes e cargos dos candidatos efectivos, sendo obrigatória a apresentação de Programas de Acção por parte das candidaturas à eleição para a Direcção. As candidaturas serão entregues ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral até quinze de Janeiro dos anos em que houver eleições. 2 Quando as eleições não forem realizadas atempadamente, considera-se prorrogado o mandato em curso, até posse dos novos corpos gerentes. 3 Todos os membros dos órgãos sociais são eleitos por quatro anos e podem ser reeleitos. CAPÍTULO VI Disposições Diversas Artigo 27.º Extinção. 1 A PSIANIMAL só será dissolvida, para além dos casos previstos na lei, em Assembleia Geral especialmente convocada para o efeito, após votação favorável de três quartos do número total de sócios que se encontrem no pleno uso dos seus direitos. Após a dissolução ser decidida, a associação manterá existência jurídica exclusivamente para efeitos liquidatários, de acordo com o que foi determinado pela Assembleia Geral. Artigo 28.º Integração de lacunas.

9 Em tudo em que os Estatutos e o presente RI estejam omissos, inclusive na composição, competências e forma de funcionamento de qualquer órgão da associação, aplicar-se-ão os artigos 157º e 184 do Código Civil. Artigo 29.º Protecção do nome. 1 Os associados, empregados, membros dos órgãos e de outras estruturas da Associação, não poderão fazer uso público do nome PSIANIMAL, sem autorização expressa da Direcção, entendendo-se como tal: a) tomar posições públicas em nome da Associação ou de qualquer dos seus órgãos sociais; b) utilizar o nome da associação em actividades tendentes a obter benefícios pessoais a qualquer título. 2 As infracções desta natureza serão objecto de procedimento disciplinar. 3 Será considerado de especial gravidade o uso indevido do nome a associação, através dos meios de comunicação social de grande difusão.

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito da acção e fins Artigo Primeiro A Associação para o Desenvolvimento de Miragaia, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede na Rua do Clube,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE FERREL APROVADOS PELO DECRETO LEI N.º 119/ 83 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000 ALTERADOS PELO DECRETO LEI N.º 402/ 85 DE

Leia mais

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1. A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS Capítulo I Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.º 1. A.F.S.D. - Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência,

Leia mais

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Estatutos Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas (APDM) é uma Sociedade Cientifica

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Capítulo I Constituição, Âmbito, Objecto e Atribuição Artigo 1.º (Denominação e natureza) É constituída por tempo indeterminado, uma associação

Leia mais

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação e Natureza 1. A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 ESTATUTOS Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, OBJECTO, NATUREZA E SEDE Artº 1º - Denominação e Objecto Artº 2º - Âmbito e Duração Artº 3º -

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL OS AMIGOS DA LANDEIRA

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL OS AMIGOS DA LANDEIRA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL OS AMIGOS DA LANDEIRA CAPITULO I NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJETO Artigo 1º Denominação e natureza jurídica A Associação de Solidariedade Social Os Amigos da Landeira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Associação de Solidariedade Inter - Lions ESTATUTOS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação,

Leia mais

Associação Vidas Cruzadas

Associação Vidas Cruzadas Associação Vidas Cruzadas Associação de Desenvolvimento Pessoal e Comunitário Instituição Particular de Solidariedade Social ESTATUTOS Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, acção e fins Artigo 1º A

Leia mais

ESTATUTO DA ASSCODECHA

ESTATUTO DA ASSCODECHA ESTATUTO DA ASSCODECHA ASSCODECHA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO CHAMANCULO ESTATUTO DA ASSCODECHA CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTIVOS E ACTIVIDADES ARTIGO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS 2011 AMIBA ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ CAPÍTULO PRIMEIRO DESIGNAÇÃO, SEDE E AFINS Artigo primeiro: É constituída, por

Leia mais

ESTATUTOS Casa do Pessoal do Instituto Politécnico do Porto

ESTATUTOS Casa do Pessoal do Instituto Politécnico do Porto ESTATUTOS da Casa do Pessoal do Instituto Politécnico do Porto A Casa do Pessoal do IPP foi constituída por escritura pública de 15 de Dezembro de 2005, conforme publicação no Diário da República n.º 35,

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003)

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) ESTATUTOS DA TINIGUENA (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) Bissau, 30 de Agosto de 2003 Capítulo I (Denominação, Natureza, Sede, Âmbito e Objecto)

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009 Revistos conforme instruções da Procuradoria da República de Lisboa em Dezembro de 2010 ~~~~ ENTRADA EM VIGOR A 15

Leia mais

Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João. Capítulo I

Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João. Capítulo I Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João Capítulo I (Natureza, Denominação, Sede e Objecto) Artigo 1º (Denominação, natureza jurídica e sede) 1. A Associação Voluntariado Hospital S. João, adiante

Leia mais

CAPÍTULO I Definições Gerais

CAPÍTULO I Definições Gerais ESTATUTOS DA ADDICT CAPÍTULO I Definições Gerais Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação, que adopta a denominação ADDICT Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, doravante

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º 1. O Centro Social das Antas é uma associação pública de fiéis, também constituída em Instituição Particular de

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE FORMADORES E MONITORES SURDOS DE LÍNGUA GESTUAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE FORMADORES E MONITORES SURDOS DE LÍNGUA GESTUAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE FORMADORES E MONITORES SURDOS DE LÍNGUA GESTUAL 2 INDICE CAPÍTULO PRIMEIRO Designação, Duração, Sede e Fins da Associação...3 CAPÍTULO SEGUNDO Dos Associados...5 CAPÍTULO TERCEIRO

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS ARTIGO 1.º

ESTATUTOS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS ARTIGO 1.º ESTATUTOS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS ARTIGO 1.º 1. A Associação Teatro Construção, designada por ATC, é uma instituição privada dotada de personalidade jurídica com duração

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º. (Denominação)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º. (Denominação) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º (Denominação) A Associação A Casa do Caminho, adiante designada abreviadamente por Associação, é uma associação

Leia mais

Estatutos da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito da ação e fins

Estatutos da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito da ação e fins Estatutos da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial Capítulo I Da denominação, sede e âmbito da ação e fins Artigo 1 (Denominação, natureza jurídica, sede e duração) 1 A instituição adota a

Leia mais

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proponentes: André Caldas, Francisco Rodrigues dos Santos, Gonçalo Carrilho TÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º (Sede) A Associação Leões da Lapa Futebol Clube, tem sede na Rua Pereira Azurar n.º 48, na cidade da Póvoa de Varzim.

DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º (Sede) A Associação Leões da Lapa Futebol Clube, tem sede na Rua Pereira Azurar n.º 48, na cidade da Póvoa de Varzim. REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO LEÕES DA LAPA FUTEBOL CLUBE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Sede) A Associação Leões da Lapa Futebol Clube, tem sede na Rua Pereira Azurar n.º 48, na cidade da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ESTATUTOS. IPSS inscrita sob o nº 5/95 a folhas 22, no Livro das Associações de Solidariedade Social

ESTATUTOS. IPSS inscrita sob o nº 5/95 a folhas 22, no Livro das Associações de Solidariedade Social CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E FINS ARTIGO 1º A ASSOCIAÇÃO SANTO MAMEDE, adiante designada por Associação, Pessoa Coletiva de Utilidade Pública número 503 123 668, é uma Instituição

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO

Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO CAPÍTULO I Denominação, Finalidades e Sede Artigo 1.º O Clube de Golfe da Academia da Força Aérea, abreviadamente designado por CGAFA, ou por Clube,

Leia mais

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, natureza e fins Artigo 1º Da denominação e sede A União Distrital das

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS CAPÍTULO I Identificação e caraterização ARTIGO 1º 1. A Associação adota a denominação ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS. 2. Tem a

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CRIANÇAS E JOVENS DA VILA

ASSOCIAÇÃO CRIANÇAS E JOVENS DA VILA ASSOCIAÇÃO CRIANÇAS E JOVENS DA VILA ------ De acordo com o disposto no acto da Constituição da Associação supracitada, propõe à Assembleia Geral o presente documento, do qual fazem parte integrante os

Leia mais

CENTRO COMUNITÁRIO DE ESMORIZ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins

CENTRO COMUNITÁRIO DE ESMORIZ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins CENTRO COMUNITÁRIO DE ESMORIZ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I Da denominação, sede e âmbito de ação e fins Artigo 1º - O Centro Comunitário de Esmoriz, criado por iniciativa

Leia mais

CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS

CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS ESTATUTOS DO CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS CAPITULO I Da denominação, sede, âmbito de ação e fins Artigo 1.º Denominação, sede

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins. Art 1 (Natureza)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins. Art 1 (Natureza) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins Art 1 (Natureza) A Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) é uma instituição particular de solidariedade social.

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO. Artigo 1.º. (Natureza e denominação)

Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO. Artigo 1.º. (Natureza e denominação) Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1.º (Natureza e denominação) O Companheiro Associação de Fraternidade Cristã, doravante designada também por Associação, é uma instituição particular

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vidago ESTATUTOS

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vidago ESTATUTOS Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vidago Fundada em 15 de Setembro de 1967 ESTATUTOS Denominação, sede, duração Artigo 1.º Denominação É fundada na Vila de Vidago a quinze de Setembro

Leia mais

VIDA PLENA Associação de Solidariedade Social de Leiria

VIDA PLENA Associação de Solidariedade Social de Leiria VIDA PLENA Associação de Solidariedade Social de Leiria ESTATUTOS De acordo com a alteração do D.L. 119/83 de 25 de fevereiro pelo D.L. 172- A/2014 de 14 de novembro Pag 2/9 E ST AT UTOS DA V I D A PL

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

Estatutos da Casa do Juiz

Estatutos da Casa do Juiz Estatutos da Casa do Juiz (TEXTO COMPLETO DE HARMONIA COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA ASSEMBLEIA GERAL DE 27/11/2009) A Associação de Solidariedade Social «Casa do Juiz» foi constituída no dia 16 de

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I (DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E AFINS)

ESTATUTOS CAPÍTULO I (DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E AFINS) ESTATUTOS CAPÍTULO I (DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E AFINS) Art.º 1º O Grupo de Acção Comunitária, abreviadamente designado por G.A.C., é uma Instituição Privada de Solidariedade Social, constituída

Leia mais

Núcleo de Ciências da Saúde

Núcleo de Ciências da Saúde Título I Disposições Gerais Artigo 1.º Definição O Projecto adopta o nome, é desenvolvido pelo Núcleo Autónomo da Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa (AEFML) com o mesmo nome, e

Leia mais

ESTATUTOS DA AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS. CAPÍTULO I Definições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS DA AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS. CAPÍTULO I Definições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS DA AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS CAPÍTULO I Definições Gerais Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação, que adopta a denominação ADDICT - Agência para

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA UMA GESTÃO FLORESTAL RESPONSÁVEL CAPÍTULO I DESIGNAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO 1º 1. Nos termos da Lei e dos presentes

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA UMA GESTÃO FLORESTAL RESPONSÁVEL CAPÍTULO I DESIGNAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO 1º 1. Nos termos da Lei e dos presentes ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA UMA GESTÃO FLORESTAL RESPONSÁVEL CAPÍTULO I DESIGNAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO 1º 1. Nos termos da Lei e dos presentes Estatutos é criada a Associação para uma Gestão Florestal

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS CRIT CENTRO DE REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO TORREJANO CAPÍTULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins. Artigo 1º.

PROPOSTA DE ESTATUTOS CRIT CENTRO DE REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO TORREJANO CAPÍTULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins. Artigo 1º. PROPOSTA DE ESTATUTOS DO CRIT CENTRO DE REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO TORREJANO CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de ação e fins Artigo 1º. 1 A Associação CRIT - Centro de Reabilitação e Integração

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS. Desde 1964

ESTATUTOS SOCIAIS. Desde 1964 ESTATUTOS SOCIAIS Desde 1964 Transcrição dos Estatutos Sociais do Bento Gonçalves Country Club : CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins sociais e duração Art. 1º Com a denominação de Bento Gonçalves Country

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO - A.E.E.P.

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO - A.E.E.P. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO - A.E.E.P. Com as alterações aprovadas em Assembleia Geral de 8 de Julho de 2003 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, NATUREZA

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

ESTATUTOS CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º - Denominação, natureza e duração 1 A Associação designada PONTO FINAL é uma instituição associativa de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, Âmbito e Sede O Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO DE LEIRIA (APPDA-L) Capítulo primeiro DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO DE LEIRIA (APPDA-L) Capítulo primeiro DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO DE LEIRIA (APPDA-L) Capítulo primeiro DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º 1. A Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTOS. 2012 Estatutos da Associação Vila Animal

ESTATUTOS. 2012 Estatutos da Associação Vila Animal 2012 Estatutos da Associação Vila Animal Vila Animal Associação de Protecção de Animais de Viana do Castelo Loja Shopping Estação Viana 4900 Viana do Castelo CAPÍTULO I ASSOCIAÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

Estatutos da Fundação CEBI

Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da CEBI - Fundação para o Desenvolvimento Comunitário de Alverca Capítulo I (Disposições Gerais) Art.º 1º - A CEBI - Fundação Para o Desenvolvimento Comunitário de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração ESTATUTOS Artigo Primeiro Denominação, natureza jurídica, sede e duração 1. É constituída a contar da data de hoje e por tempo indeterminado uma associação privada denominada de "LusNIC Associação de Registries

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO IBEROAMERICANA DE TELESSAÚDE E TELEMEDICINA (AITT)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO IBEROAMERICANA DE TELESSAÚDE E TELEMEDICINA (AITT) Capítulo I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO IBEROAMERICANA DE TELESSAÚDE E TELEMEDICINA (AITT) Denominação, domicilio e objectivo social Artigo I Denominação e domicilio Com a denominação de Associação Iberoamericana

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP)

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP) ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP) Versão atualizada com as alterações aprovadas em Assembleia-Geral de vinte e nove de novembro de dois mil e treze. CAPÍTULO

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP (APROVADO A 24 DE NOVEMBRO DE 2007 E ALTERADO A 2 DE AGOSTO DE 2008, EM CONSELHO NACIONAL) CAPÍTULO I Disposições Preliminares Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente

Leia mais

ESTATUTOS. Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária em 23 de Abril de 2004 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, AMBITO, SEDE E FINS ARTº.

ESTATUTOS. Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária em 23 de Abril de 2004 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, AMBITO, SEDE E FINS ARTº. ESTATUTOS Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária em 23 de Abril de 2004 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, AMBITO, SEDE E FINS ARTº.1º 1. A Associação Regional dos Hoteleiros da Costa do Estoril Sintra

Leia mais

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - ESTATUTOS DO DESAFIO JOVEM (TEEN CHALLENGE) PORTUGAL - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - CAPÍTULO I - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

SECÇÃO II COMISSÃO EXECUTIVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO III CONSELHO FISCAL CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS

SECÇÃO II COMISSÃO EXECUTIVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO III CONSELHO FISCAL CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 OBJECTO E FINS Artigo 2 NATUREZA Artigo 3 ESTATUTO JURÍDICO Artigo 4 SEDE Artigo 5 FILIAÇÃO INTERNACIONAL Artigo 6 DISTINTIVOS E UNIFORME CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito, duração, objeto e princípios ARTIGO 1.º

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL (Aprovados em Assembleia-Geral de 3 de Outubro de 2015) PREÂMBULO (Declaração de Princípios) As Aldeias de Crianças S.O.S. nasceram na

Leia mais

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica

Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica Regulamento Interno da Associação dos Bolseiros de Investigação Científica A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) rege-se pelos seus estatutos, regulamento eleitoral e por um regulamento

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 1 ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 2 ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais