OS GENÊROS DISCURSIVOS NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS GENÊROS DISCURSIVOS NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA"

Transcrição

1 OS GENÊROS DISCURSIVOS NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Resumo CARDOSO, Maria Angélica SOCIESC/IST/SC Área Temática: Formação de Professores. Agência Financiadora: Não contou com financiamento. Este artigo trata da retomada ao estudo aplicado por mim em Revisito a dinâmica das atividades realizadas e descritas na pesquisa de minha dissertação, titulada Letramento e Gêneros Textuais: Intervenção Pedagógica com o Suporte Embalagem de Produtos Alimentícios, realizada com alunos da 3ª série do ensino fundamental e, a partir do aprofundamento na concepção dialógica da linguagem de Bakhtin, com ênfase nas noções de gêneros do discurso, enunciado e texto, analiso uma aplicação didática, com alunos de ensino superior, mais especificamente, da Engenharia Mecânica. Defendo a hipótese de que deve haver a inserção e o estudo de gêneros não-escolares nas aulas de língua e de linguagem porque são recursos pedagógicos, discursivos e tecnológicos que, se usados por professores em suas aulas, propiciarão maior interação e dialogicidade, conseqüentemente, maior interesse e participação dos alunos, além de desenvolver competência discursiva ou capacidade de interação verbal (destes alunos) em sala de aula. Nesse trabalho, analiso uma proposta de ensino-aprendizagem de leitura, a partir de gêneros do discurso usados nas atividades discursivas realizadas pelos Engenheiros Mecânicos. A pesquisa se justifica pela busca de respostas para problemas que envolvem a minha prática de professora de Comunicação e Expressão, no Ensino Superior. A aplicação envolveu oito aulas, de 48 minutos, durante o mês de maio de Foram elaboradas atividades de leitura de gêneros discursivos e, a partir deles, atividades de escrita de textos acadêmicos, a fim de promover práticas de uso social da língua, numa perspectiva de letramento. Chego a conclusão (não terminada) de que é possível mudar a prática pedagógica pelo estudo, aprofundamento e reflexão da aplicação didática de gêneros não-escolares, na formação de professores. Palavras-chave: Gêneros discursivos; Discursividade; Textos; Enunciados. Introdução Nas aulas de diferentes disciplinas, no processo de alfabetização e letramento escolar, os professores do ensino fundamental e, também, do ensino superior, devem considerar a relação existente entre as atividades de língua e linguagem que são produzidas na escola e o uso social de uma grande diversidade delas, materializadas em textos - enunciados, que circulam nas comunidades em que se inserem os aprendizes.

2 10009 Para BAKHTIN (1999, p. 90), todas as esferas da atividade humana, utilizam a língua para elaborar seus enunciados de acordo com as suas necessidades. Assim, enunciado diz respeito à unidade real da comunicação verbal. Ele concebe a língua como um produto sócio-histórico, como forma de interação social realizada por meio de enunciações. Desta forma, o princípio é o de que a linguagem é ação e não um mero instrumento de comunicação. Na alfabetização e no letramento a partir do uso de gêneros discursivos não-escolares, pedagogos da linguagem e professores de língua podem vislumbrar a possibilidade de reorganizarem o trabalho escolar com base no uso de diversificados textos/ enunciados. Eles são encontrados em diversificados suportes, produzidos no contexto de uso comunicativo e enunciativo. A partir desse entendimento, surgem novas perspectivas de um trabalho docente mais coerente e significativo que, se realizado de forma interdisciplinar, leva os aprendizes a compreenderem melhor os aspectos enunciativos da linguagem e sua função social. Neste trabalho, pretendo evidenciar a importância dos estudos do Círculo de Bakhtim para o estudo e a inserção de gêneros discursivos não-escolares 1 que circulam na esfera do cotidiano dos aprendizes como proposta central para a atividade pedagógica de linguagem que, a partir do estudo realizado nas séries iniciais do ensino fundamental, proporcionou base para uma proposta didática aplicada ao Ensino Superior. A tarefa para este estudo é a de buscar novas maneiras e novos modos de ver as atividades textuais - enunciativas dando ênfase e sentido sócio-histórico ao trabalho do professor, não apenas do Ensino Fundamental, mas também da Educação Superior. Assim, o objetivo desse trabalho é a elaboração de uma proposta de ensinoaprendizagem de leitura, a partir de textos de gêneros usados nas atividades discursivas dos Engenheiros Mecânicos, pela retomada do estudo aplicado com estudantes do ensino fundamental, revendo-a numa perspectiva bakhtiniana e aplicando-a com acadêmicos do ensino superior. Penso que o uso de gêneros não-escolares (que estão no contexto dos aprendizes), proporciona maior motivação, a criatividade e criticidade dos aprendizes. Quero mostrar que o trabalho com textos/ enunciados na escola, associado à concepção de gêneros discursivos, numa análise bakhtiniana, pode contribuir para que professores, não apenas do ensino fundamental mas, também, da educação superior, possam desenvolver nos aprendizes a 1 Textos não-escolares aqui se referem aos textos e enunciados que, mesmo que circulem no ambiente sóciocultural dos alunos e professores.

3 10010 competência discursiva ou capacidade de interação verbal. Além disso, pretendo levar ao entendimento de que conceitos como os de língua e linguagem podem e devem ser trabalhados estreitamente ligados a conceitos como os de sociedade, de esferas de atividades discursivas, de instituições sociais e de cidadania. Destaco, neste estudo, pressupostos bakhtinianos, usados na Proposta Curricular de Santa Catarina (1998, 2005), além de trabalhos do autor e do Círculo de Leningrado, vistos sob a perspectiva do Letramento. Ensinar e aprender com gêneros textuais/ discursivos Ao chegarem à escola, os aprendizes têm construído saberes os quais devem ser valorizados como parte do processo de alfabetização e letramento porque, crianças, jovens e adultos em situação de escolarização lêem a partir do seu contato com textos/ enunciados encontrados diariamente em revistas, propagandas, outdoors, correspondências e outros. Tais textos/ enunciados fazem parte de atividades da vida humana e são capazes de orientar quanto a atitudes, escolhas e preferências, adquirindo valor no espaço social, influenciando na educação formal e impondo a necessidade de atualização constante dos professores rumo a uma sociedade tecnológica e globalizada. Para BAKHTIN /VOLOCHINOV, (1981, p. 9) o enunciado concreto (e não a abstração lingüística) nasce, vive e morre no processo da interação social entre os participantes da enunciação. Sua forma e significado são determinados basicamente pela forma e caráter desta interação. A leitura em diversificados gêneros discursivos é realizada no dia-a-dia dos aprendizes, uma vez que, de diferentes classes sociais, eles têm acesso a uma infinidade de textos/ enunciados orais e escritos, vêem televisão, lêem e escrevem textos em computadores, lêem frase nos ônibus, camisetas e outdoors, recebem folhetos, encartes e outras formas de propagandas em sua própria casa. Isto auxilia no acesso ao código e ajuda-o a compreenderem-no melhor, sendo esta uma função inicialmente desempenhada pela escola. Então, cabe ao professor, além de alfabetizar, realizar o letramento de seus alunos, isto é, habilitá-los à descoberta, ao uso e à aprendizagem, exercendo amplamente a condição que decorre do fato de terem se apropriado da leitura e da escrita existentes em diversos ambientes sociais. Para SOARES (2003, p. 15) letramento é imersão das crianças na cultura escrita, participação em experiências variadas com a leitura e a escrita, conhecimento e interação com diferentes tipos e gêneros de material escrito e [...].

4 10011 Ao abordar o uso social da leitura e da escrita, o professor possibilitará refletir sobre situações em que todos atribuam sentidos ao conhecimento do sistema da língua escrita. É papel da escola, propiciar que os aprendizes/ acadêmicos se apropriem dos diferentes enunciados e que desenvolvam diferentes capacidades de leitura e escrita em práticas de letramento das variadas esferas ideológicas. A linguagem está sempre atrelada ao caráter ideológico do signo que permite-lhe uma materialidade objetiva, seja como som, como massa física, como cor, como movimento do corpo ou como outra coisa qualquer (BAKHTIN/VOLOCHINOV, 1999, p. 33). Segundo Bakhtin, tudo que é ideológico possui um significado e remete a algo situado fora de si mesmo. Em outros termos, tudo que é ideológico é um signo. Sem signos não existe ideologia (BAKHTIN/ VOLOCHINOV, 1999, p. 31). O signo é parte do domínio do ideológico uma vez que reflete a realidade. Ao refleti-la, entretanto, o signo vai também assumir diferenças ligadas aos aspectos ideológicos, uma vez que os signos serão avaliados (horizonte axiológico) nas instâncias sociais em que estiverem inseridos. A linguagem é, essencialmente, interação entre indivíduos, com todas as implicações sociais atreladas a ela. A palavra está sempre carregada de um conteúdo ou de um sentido ideológico ou vivencial (BAKHTIN/ VOLOCHINOV, 1999, p. 95). Para os autores (1999, p.123), a interação verbal constitui assim a realidade fundamental da língua. É importante que, na formação de professores, as atividades de linguagem estejam inseridas nas atividades diárias. Compreender, analisar e produzir textos/ enunciados é uma competência que pode ser desenvolvida na escola, desde que seja proporcionada uma crescente oferta e situações de aprendizagem da língua, com os gêneros contidos no cotidiano dos aprendizes, sejam eles verbais ou não-verbais. O papel do professor, não é apenas expor os alunos ao contato com uma diversidade textual, mas a fazê-los entender e experienciar as suas formas de organização e uso, bem como seus propósitos, de modo a permitir, gradativamente, o domínio de suas diferentes formas de utilização, em diferentes esferas ideológicas e atividades. Essa prática pedagógica, além de enriquecer os conhecimentos, oportuniza uma interação dialógica, possibilitando o desenvolvimento de uma competência discursiva (critica e criativa), de ampliar a capacidade de produzir ou de interpretar textos/ enunciados. No mundo da leitura e escrita, não se pode determinar critérios que limite o aluno apenas em codificar ou decodificar signos, o uso de gêneros discursivos vem abrir espaços

5 10012 para que os sujeitos, além de poderem se relacionar com diferentes autores e formas comunicativas, percebam suas manifestações. Penso que esta abordagem poderá dar conta do aspecto metalingüístico que se vê nos gêneros discursivos não-escolares, ou seja, nos textos/ enunciados porque eles dizem respeito a uma composição e estilo muito diferenciado do tradicionalmente usado na escola. É preciso olhá-los como uma atividade social que é elaborada por seus respectivos segmentos sociais bem organizados e, que são produzidos por comunidades discursivas específicas que dominam o discurso de sua esfera e produzem textos/ enunciados necessários aos propósitos a que se destinam. E, dessa forma, olhá-los na visão de BAKHTIN e VOLOCHINOV: qualquer enunciado considerado isoladamente e, claro, individual, mas cada esfera de utilização da língua elabora seus tipos relativamente estáveis de enunciados, sendo assim que denominamos gêneros de discurso (1999, p. 279). Usar gêneros discursivos não-escolares é, a meu ver, trabalhar nesta proposta com textos/ enunciados que encontram-se no cotidiano de letramento dos acadêmicos. Assim, a forma de trabalhar com a língua passa a ser uma atividade social e crítica, exercendo uma atividade de linguagem cidadã. A linguagem é orientada socialmente, buscando adaptar-se ao contexto imediato do ato da fala, articulando a língua com o social propiciando que os alunos se apropriem dos diferentes gêneros do discurso e desenvolvam capacidades de leitura e escrita em práticas de letramentos das mais variadas esferas sociais. Para desenvolver tal metodologia, nesta perspectiva, a Proposta Curricular de Santa Catarina (1998, p. 38) propõe ser preciso propiciar um ambiente alfabetizador rico de materiais escritos que deverão ser manuseados constantemente pela criança, trabalhar uma série de atividades contextualizadas e significativas. Através destas atividades num processo de diferenciação das funções da escrita, no contexto em que cada texto foi escrito, nos seus significados, na estrutura textual, nos diversos formatos, tamanhos e cores das letras que compõem o texto, a criança irá se apropriando e elaborando as convenções da língua padrão (Grifo meu). Desta forma, ela preocupa-se e chama atenção para as formas de textos/ enunciados usados na sociedade, abrindo possibilidades para o seu estudo, discussão e produção de variedades deles que se usam, a partir de necessidades sociais. Referindo-se a essas variedades textuais, Furlanetto (2002, p. 96) diz que:

6 10013 [...] lá encontramos desde rezas, passando por embalagens, etiquetas, rótulos, até romances, biografias, novelas. Aliás, a escola pode trabalhar proveitosamente com textos curtos como embalagens e etiquetas, até mesmo para mostrar sua evolução. Por trás desses pequenos textos há redatores especializados que pesquisam em nome da empresa a que servem. Os alunos podem perfeitamente estudá-los em vários níveis (deslocando-se para áreas diversas, dependendo do produto), criá-los e recriálos, numa atividade que será tanto mais positiva quanto mais encaixada em projetos com sentido para a comunidade (escolar ou mais ampla). No estudo do gênero, tais textos/ enunciados podem ser trabalhados na discussão de questões gramaticais e ortográficas, mas, acima de tudo, propõe trabalhar, segundo Furlanetto (2002), momentos de discursividade, em que os aprendizes poderão vivenciar papéis de quem, no momento da atividade, pode pensar sobre o que dizer, para quem dizer, por que dizer, em que situação se diz. Revisitando a atividade pedagógica com embalagens de produtos alimentícios Foram 11 (onze) questões de um questionário que fez parte de uma transposição didática, aplicada aos alunos de 3ª série do ensino fundamental, desenvolvidas em forma de duas aulas expositivas e dialogadas, no 2º semestre de 2005, com o uso das embalagens de produtos alimentícios trazidas pelos alunos. Desse trabalho, faço nesse momento, uma síntese dos resultados: a) A primeira leitura realizada por esses alunos, conforme as respostas dadas à pesquisa refletem o primeiro olhar sobre a atividade humana, ou seja, a utilidade do objeto de consumo, pelo consumidor. Aqui os suportes embalagens, são vistos como portadores de produtos alimentícios. Neste momento, a leitura não é critica, mas consumista. O papel social do produtor prevalece. É uma leitura perceptual, sobretudo semiótica, em que busca construir meios e modos de educação leitora, ao mesmo tempo gerar estratégias de leituras, com vistas à exploração de faculdades, como: sentir, perceber e avaliar, enfim, de interpretar o mundo que nos cerca, logo, podendo atuar politicamente. b) O nome da marca do produto, os nomes das empresas ou do produto se destacam pelos elementos enunciativos: cores, tamanho das letras e imagem visual e psicológica. Eles evocam a linguagem técnica das marcas e produtos alimentícios e dá origem à discussões sobre os sujeitos que estão por detrás das embalagens e faz lembrar as relações dialógicas em BAKHTIN (1999). O autor diz que

7 10014 as relações dialógicas são extralingüísticas, situam-se no campo do discurso, o que não exclui a língua enquanto fenômeno integral concreto. No entanto, são irredutíveis às relações lógicas ou às concreto-semânticas, que para se tornarem dialógicas devem /.../ tornar-se discurso, o que significa converter-se em posições de diferentes sujeitos e ganhar autor, criador de dado enunciado cuja posição ele expressa (p.203). Os endereços (localização) das empresas que fabricam os produtos, suas histórias, seu contexto, os produtos vendidos, os significados e sentidos que existem nos enunciados e textos das embalagens proporcionam leituras que levam os aprendizes a pensarem criticamente sobre seus papéis sociais e dos elementos envolvidos no processo de linguagem. São leituras de enunciados: ícones, desenhos, cores e outros elementos. c) Na visão bakhtiniana, o texto como enunciado - só existe em situações de interação entre sujeitos e, através delas, promoverão a individualidade de cada texto. Algumas respostas dadas a pesquisa evidenciam que os textos: precisam ter palavras, coisas escritas, porém, ao trabalhar com textos não-escolares, a maioria dos aprendizes percebe, nesse caso das embalagens, mais do que apenas um suporte de alimentos, mas um suporte de textos/ enunciados, e que estes enunciados concretos trazem diferentes discursos, com sentidos e significados diversos. As embalagens contêm enunciados bem elaborados e com elementos extraverbais que influenciam nas decisões e avaliações dos consumidores na hora da compra. Os elementos icônicos/ imagéticos das embalagens parecem provocar uma dupla orientação dialógica determinada tanto pelo gênero como pelos enunciados a ele pertinentes. A riqueza e a variedade dos gêneros do discurso são infinitas, pois a variedade virtual da atividade humana é inesgotável, e cada esfera dessa atividade comporta um repertório de gêneros do discurso que vai diferenciando-se e ampliando-se à medida que a própria esfera se desenvolve e fica mais complexa. Cumpre salientar de um modo especial a heterogeneidade dos gêneros do discurso (orais e escritos) (BAKHTIN, 1999, p. 279). Por trás de cada texto está o sistema da linguagem. E, cada texto (como enunciado) é algo individual, único e singular, e nisso reside todo o seu sentido, significado e intenção em prol da qual ele foi criado, (BAKHTIN, 1999). Por isso, o lugar social dos sujeitos determina o tipo de leitura que eles realizam e, que são transmitidas pelos textos/ enunciados das embalagens. A escola não faz uso de gêneros discursivos não-escolares, assim, neles os

8 10015 textos/ enunciados não são reconhecidos. Não se reconhecem suas formas, seus estilos e seus discursos. A atividade com gêneros não-escolares aplicada ao Ensino Superior Ao trabalhar com a disciplina de Comunicação e Expressão, no 1º semestre letivo do ano de 2008, do Curso de Engenharia Mecânica, do Instituto Superior Tupy, de Joinville/ SC, elaborei uma proposta de ensino-aprendizagem de leitura, a partir de textos do gênero do discurso usado nas atividades discursivas realizadas pelos Engenheiros Mecânicos. A pesquisa, com caráter de pesquisa-ação e se justifica pela busca de respostas para problemas que envolvem a minha prática de professora de Comunicação e Expressão, do Ensino Superior. A aplicação envolveu oito aulas de 48 minutos durante o mês de maio, onde foram elaboradas atividades de leitura de gêneros discursivos não-escolares usados pelos Engenheiros Mecânicos. Petitjean (1998, p. 21) aponta o caminho da elaboração didática, por julgar que, mais do que fazer a transposição do conhecimento científico para o conhecimento escolar, é necessário convocar um pluralidade de conhecimentos de referência que precisa ser selecionada, integrada, operacionalizada e solidarizada. Esse conceito se aproxima dos fundamentos teóricos bakhtinianos e, por esse motivo, nessa proposta, a análise terá esse enfoque. A partir dessa atividade, desenvolvi atividades de escrita de textos acadêmicos, a fim de promover práticas de uso social da língua, numa perspectiva de letramento. A dinâmica, realizada em equipes de alunos acadêmicos do 3º período, tem a seguinte seqüência didática: a) Responder as questões abaixo e colocá-las num quadro, para análise: quais os gêneros discursivos mais usados na sua área do conhecimento? quais os objetivos ou propósitos desses gêneros? quem os escreveu/ elaborou e para quem foram escritos/ elaborados? b) Descrever e analisar os dados do quadro relacionando-os à teoria dos gêneros discursivos. c) Apresentar, em power point, um dos gêneros do discurso posto no quadro, usado na Engenharia Mecânica. Os gêneros discursivos usados pelos Engenheiros Mecânicos

9 10016 De acordo com Bakhtin, as atividades humanas, por mais variadas que sejam, estão sempre relacionadas com o uso da língua. A riqueza e a variedade dos gêneros do discurso são infinitas, pois a variedade virtual da atividade humana é inesgotável, e cada esfera dessa atividade comporta um repertório de gêneros do discurso que vai diferenciando-se e ampliando-se à medida que a própria esfera se desenvolve e fica mais complexa. Cumpre salientar de um modo especial a heterogeneidade dos gêneros do discurso (orais e escritos) (BAKHTIN, 1999, p. 279). A língua concretiza nossos enunciados, sejam eles orais ou escritos, concretos e únicos, que emanam dos integrantes de uma ou outra esfera da atividade humana. TEXTOS/ENUNCIADOS USADOS NA ÁREA OBJETIVOS DESTINATÁRIOS/EMISSORES Manual de programação e operação de máquina CNC Define etapas de preparação de máquina estabelecendo as funções especificas de programação. Destinatários: funcionários do departamento de processo. Emissores: técnicos da empresa fabricante da máquina. Processo de fabricação do produto Padronizar os processos de fabricação de cada peça. De define a máquina a ser utilizada, bem como, ferramentas e dispositivos necessários para confecção do produto. Destinatários: todos os funcionários da produção. Emissores: funcionários do departamento de processo. Desenho mecânicos de padronização (manual de projetos) Padronizar as formas de dimensionar, colocar tolerâncias, simbologias de solda, dobras de chapa e acabamentos superficiais de um desenho. Destinatários: todos os projetistas da empresa; Emissores: Comitê da diretoria da empresa. Software de Sistema integrado de gestão empresarial Integrar os setores da empresa, para levantamento de dados como quantidade de peças a serem fabricadas, estoque, custos, finanças entre outros. Destinatários: todos os funcionários que possuem acesso aos computadores da empresa; Emissores: todos os funcionários são responsáveis pelo levantamento de dados de seu setor. E.T. - Especificação Técnica Definir parâmetros de funcionamento dos sistemas e equipamentos das embarcações a serem comprados Destinatários: Departamento de suprimentos, PCP ( Planejamento e Controle de Produção) e Controle de Qualidade. Emissores: Departamento de Engenharia. L.M. - Lista de Materiais Especifica materiais e elementos de maquinas a serem comprados. Destinatários: Departamento de suprimentos, PCP ( Planejamento e Controle de Produção) e Controle de Qualidade. Emissores: Departamento de Engenharia. Ilustração 1 Exemplo de quadro com gêneros discursivos usados por Engenheiros Mecânicos. Fonte: Acadêmicos de Engenharia Mecânica/ 2008 O enunciado reflete as condições específicas e as finalidades de cada esfera, não só pelo conteúdo temático e estilo verbal, mas também, pela construção composicional. O discursivo do outro nos textos enunciado Na atividade se relaciona ao texto discursivo que propus. O objetivo é trazer o discurso do outro para a escrita do texto acadêmico. Nela os acadêmicos devem associar a

10 10017 sua fala com a fala dos autores, usando a teoria dos gêneros do discurso. É para Bakhtin (1988, 1999) a noção de dialogismo como princípio fundador da linguagem. Para ele, toda linguagem é dialógica, ou seja, todo enunciado é sempre um enunciado de alguém para alguém. Assim, o que falamos é apenas o conteúdo do discurso, o tema de nossas palavras. O discurso de outrem é mais do que o tema do discurso, ele pode entrar no discurso e na sua constituição sintática como uma unidade integral da construção. A dialogicidade é expressa não apenas pela presença de marcas alheias em toda a estrutura do discurso, mas também pelo fato de o enunciador do discurso visar a um interlocutor, seja em diálogos ou em monólogos. Para Bakhtin (1999, p. 144), [...] o discurso no discurso, a enunciação na enunciação, mas [...] ao mesmo tempo, um discurso sobre o discurso, uma enunciação sobre a enunciação. A ilustração 2 é exemplo de dialogicidade, elaborado por uma das equipes que realizou a atividade: Os gêneros usados por Engenheiros Mecânicos Através do levantamento pode-se perceber o quanto são comuns os gêneros textuais, já que eles pertencem a uma sociedade (coletivo) em que contribuem pára ordenar e estabilizar as atividades comunicativas no dia-a-dia. Os exemplos citados nas tabelas se encaixam perfeitamente na idéia de textos - enunciados. Todos têm finalidade de: definir, padronizar, listar ou integrar determinados itens que estão ligados, mas ao mesmo tempo dispersos numa grande gama de informações. Têm-se também alguns casos de suportes, que por definição: é um lócus físico ou virtual com formato específico que serve de base ou ambiente de fixação do gênero materializado como texto, um bom exemplo é o Software de Sistema Integrado de Gestão Empresarial. Ele é um suporte virtual convencional e com várias informações (gêneros em forma de textos) e, que através dele, as informações, se tornam fáceis e acessíveis. Ou, ainda, podemos ter suportes físicos convencionais e os melhores exemplos seriam os manuais, que trazem diversos tipos de gêneros como desenhos, tabelas, textos e símbolos que padronizam um determinado setor facilitando a comunicação entre os formadores do mesmo. Referencia bibliográfica SILVA, M. R. V. da. A Relevância do Ensino De Gêneros Textuais para a Formação do Profissional de Psicologia. Disponível em: Acesso em: 03/ 05/ Acadêmicos: Joacir Martins, Rodrigo Carlos Melo, Rafael Limas Disciplina: Comunicação e Expressão EGM Ilustração 2 Exemplo de texto discursivo Fonte: Acadêmicos de Engenharia Mecânica/ 2008 Bakhtin define o plurilingüismo como o discurso de outrem na linguagem de outrem, que serve para refratar a expressão das intenções do autor. Para ele, a palavra desse discurso é uma palavra bivocal especial. Ela serve simultaneamente a dois locutores e exprime ao mesmo tempo duas intenções diferentes [...] dois sentidos, duas expressões. [...] O discurso bivocal é sempre internamente dialogizado (1999, p. 127). Os sujeitos podem ser passivos

11 10018 aos propósitos dos outros e da comunidade discursiva que os produziram; eles não fazem leituras tentando desvelar os sentidos sociais e políticos dos enunciados. O plurilingüismo nos gêneros usados por Engenheiros Mecânicos Para Bakhtin, não é somente pelo estilo, ou seja, pela seleção operada nos recursos da língua - recursos lexicais, fraseológicos e gramaticais (Bakhtin, 1988, p. 280), que se verifica a flexibilidade, as formas criativas e a refração dos sentidos dos enunciados do gênero, mas pelas formas do plurilingüismo nos enunciados. Assim, a forma composicional ( estabilidade) do gênero e as formas arquitetônicas (formas estéticas), determinam também a escolha das formas de uso do plurilingüismo (Bakhtin, 1988). A hibridização, não somente de vozes, entonações e estilos, mas também de gêneros e o fenômeno dos gêneros intercalados ou enquadrados. A construção híbrida, hibridização ou hibridismo é definida pelo autor como o enunciado que, segundo índices gramaticais (sintáticos) e composicionais, pertence a um único falante, mas onde, na realidade, estão confundidos dois enunciados, dois modos de falar, dois estilos, duas linguagens, duas perspectivas semânticas e axiológicas. Repetimos que entre esses enunciados, estilos, linguagens, perspectivas, não há nenhuma fronteira formal, composicional e sintática: a divisão das vozes e das linguagens ocorre nos limites de um único conjunto sintático9, freqüentemente nos limites de uma proposição simples, freqüentemente também um mesmo discurso pertence simultaneamente às duas línguas, às duas perspectivas que se cruzam numa construção híbrida, e, por conseguinte, têm dois sentidos divergentes, dois tons (BAKHTIN, 1988, p. 110). A mensagem segundo a natureza dos enunciados e as marcas expressivas (ícones e imagens), manifesta-se numa combinação de signos verbais e não-verbais necessários aos propósitos comunicativos e eles representam a comunidade discursiva interessada, que tomam o enunciado verbal e não-verbal como signo de linguagem visual, para orientar, convencer, persuadir. Diversas vozes e perspectivas axiológicas se dão na intercalação ou enquadramento de gêneros (por exemplo, embalagem, informações de uso, ícones de marca) em outros (por exemplo, o romance), qualificado por Bakhtin (1988, p. 124) como uma das formas mais importantes e substanciais de introdução e organização do plurilingüismo no romance. A aula dialogada, vista como um gênero discursivo intercala outros gêneros, que hibridiza vozes e linguagens sociais. Como nos trabalhos realizados pelos acadêmicos do

12 10019 Curso de Engenharia Mecânica que apresentaram seus gêneros em power point (ilustração 3). Embalagens Pedro Rocha Thiago Westrup EGM313 História Grandes Navegações Jarros de Barro, Caixotes e Barris Napoleão, François Appert Processamento de alimentos Dupont Celofane, era dos plásticos Crash Nova York Michael Kullen, supermercado O produto Ênfase em Logística Agrupar produtos Manuseio eficiente Proteção Contra Avaria Rastreamento Ênfase em Marketing Embalagem com ênfase no Marketing. Design de embalagem. Embalagem no Brasil Considerações na criação das embalagens. Ilustração 3 Apresentação em power point, de gêneros discursivos usados na Engenharia Mecânica Fonte: Acadêmicos de Engenharia Mecânica. Os alunos escolheram um dos gêneros apresentados no quadro que elaboraram anteriormente. Neles observam-se marcas de diferentes discursos e gêneros (intercalados) usados na linguagem específica desta comunidade, enfatizando a atividade humana produzida por eles; caracterizando o plurilingüísmo. Trabalhar com acadêmicos do Ensino Superior, mais especificamente, do Curso de Engenharia Mecânica significa estabelecer uma interação verbal e ela tem seu caráter dialógico. Disso resulta uma abordagem histórica e viva da língua e o tratamento social das enunciações. A língua, desta forma vista, é como um fenômeno social, histórico e ideológico, por conseqüência, a comunicação verbal não poderá jamais ser compreendida e explicada fora desse vínculo com a situação concreta (BAKHTIN, 1988, 124). Os indivíduos não recebem a língua pronta para ser usada; eles penetram na corrente da comunicação verbal, ou melhor, somente quando mergulham nessa corrente é que sua consciência desperta e começa a operar. É apenas no processo de aquisição de uma língua estrangeira que a consciência já constituída graças à língua materna se confronta com uma língua toda pronta, que só lhe resta assimilar. Os sujeitos não adquirem sua língua materna, é nela e por meio dela que ocorre o primeiro despertar da consciência (BAKHTIN,1988, 108).

13 10020 Há um processo semiótico, especificamente nas embalagens usadas no exemplo dado. Os diversos enunciados nelas existentes produzem efeitos de sentido que correspondem ao seu nível de realidade, ao seu valor, ou seja, depende do horizonte axiológico do sujeito que produz o texto e do sujeito que realiza leituras, conforme o horizonte que nasce em uma determinada esfera social, que é determinante. Não se trata apenas do sentido que se pode atribuir às palavras, mas o que, de fato, elas encerram: o posicionamento deste ou daquele sujeito em um evento, em um determinado momento histórico e social. Nessa mesma perspectiva de análise, a imagem é entendida como uma obra, no sentido que Bakhtin atribui ao termo: A obra, assim como a réplica do diálogo, visa a resposta do outro (dos outros), uma compreensão responsiva ativa. As obras de construção complexa e as obras especializadas pertencentes aos vários gêneros das ciências e das artes, apesar de tudo o que as distingue da réplica do diálogo, são, por sua natureza, unidades de comunicação verbal: são identicamente delimitadas pela alternância dos sujeitos falantes (BAKHTIN, 1993, p. 298). A imagem pressupõe enunciados, ou seja, elementos textuais de interação discursiva. Ela é, então, construída num processo de interação mais ou menos explicitado, que pode apresentar maiores ou menores graus de intervenção direta na materialidade da produção textual. Considerações finais Este trabalho focalizou a descrição e análise da operacionalização de uma atividade pedagógica desenvolvida na disciplina de Comunicação e Expressão, com de gêneros nãoescolares usados por Engenheiros Mecânicos. Os resultados evidenciam que seu uso didático e pedagógico proporciona melhoria de qualidade na prática docente. O planejamento dessa atividade pretende que os alunos desenvolvam suas capacidades de ação, discursivas, lingüístico-discursivas em linguagem entendido, não só para comunicação, mas acima de tudo, como interação social, isto é, que os alunos se apropriam do gênero, desenvolvendo as capacidades implicadas na leitura de textos/ enunciados.

14 10021 Os gêneros discursivos encontrados são verbais e não-verbais, que se dirigem a usuários que possuem propósitos definidos e claros. Por este motivo eles centram seus recursos na interação centrada na imagem. Esta, por sua vez, cria mensagens na mente, que interpreta o estímulo do texto que quanto mais icônicos ou coloridos sejam os elementos com que são elaborados os textos, mais haverá intercalação ou enquadramento de gêneros - processo de produção de significados. Tais gêneros, usados como recursos pedagógicos discursivos na academia e na sua função de desenvolver capacidades discursivas, podem ajudar no letramento dos aprendizes. Ao estudar também, o discurso bivocal, dos seus propósitos enunciativos, os sentidos e significados dos textos, ícones, figuras, metáforas e outras linguagens, a escola estará desvendando perspectivas semânticas e axiológicas, contribuindo com seu papel social. Concluo que este recurso comunicativo não se traduz em prática de linguagem de sala de aula e também como recurso pedagógico. Contêm enunciados - textos, que precisam ser estudados e entendidos pelos professores, com os seus diferentes sentidos e significados, antes de serem trabalhados com os aprendizes. A escola pode utilizar-se deste recurso comunicativo e pedagógico para contribuir com a formação do cidadão. REFERÊNCIAS BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, BAKHTIN, M. M. O discurso no romance. In Questões de literatura e de estética. São Paulo: EduneSP/Hucitec, 1988, p Bakhtin, M./Volochínov, V. N. (1929). Marxismo e Filosofia da Linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. SP: Hucitec, FURLANETTO, Maria Marta. Produzindo textos: gêneros ou tipos? Perspectiva, Florianópolis, v.20, n.01, p , jan./jun PETITJEAN, A. A transposição didática em francês. Trad. Ana Paula Guedes [para fins didáticos]. Pratiques, n , jun SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio: disciplinas curriculares. Florianópolis: COGEN, SIMÕES, Darcilia, DUTRA Vânia. A iconicidade, a leitura e o projeto do texto. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 7, n. 2, p , jul./dez

15 10022 SOARES, Magda. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Trabalho apresentado no GT Alfabetização, Leitura e Escrita, durante a 26ª. Reunião Anual da ANPEd, realizada em Poços de Caldas, de 5 a 8 de outubro de 2003.

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E O TRATAMENTO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Tatiane Henrique Sousa Machado 1 RESUMO: O presente estudo de dedica-se

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA GT 13 - DIÁLOGOS ABERTOS SOBRE A EDUCAÇÃO BÁSICA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO DESENVOLVIDO NA PUCGOIÁS/GOIÂNIA Daniella

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos (RE)DISCUTINDO AS ATIVIDADES DE LEITURA EM LIVROS DIDÁTICOS DE LINGUA PORTUGUESA SOB O VIÉS DO LETRAMENTO CRÍTICO Rosenil Gonçalina dos Reis e Silva (UFMT) rosenilreis@gmail.com Simone de Jesus Padilha

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO

LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL PLANO DE TRANSIÇÃO ENTRE O PLANO DE ESTUDOS EM VIGOR ATÉ AO ANO LETIVO 2014/2015 E O NOVO PLANO Artigo 1º (Âmbito) O presente plano regula o processo de transição

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais