SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA"

Transcrição

1 SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Capivari de Baixo, 2013

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SESU INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Capivari de Baixo, 2013

3 SUMÁRIO 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES: FACULDADE CAPIVARI DADOS SOCIOECONÔMICOS DA REGIÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO: ENGENHARIA MECÂNICA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO DADOS DO COORDENADOR E DA EQUIPE DO NDE ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA Políticas Institucionais no âmbito do Curso As políticas de ensino para a graduação Trabalho de Conclusão de Curso As políticas de iniciação científica no curso de Engenharia 23 Mecânica Políticas de extensão no curso de Engenharia Mecânica Políticas de gestão aplicadas ao Curso Objetivos do Curso Geral Específicos Perfil do Egresso Metodologia e Prática Interdisciplinar Considerações sobre o Estágio Curricular Supervisionado Atividades Complementares: Estrutura e funcionamento Diretrizes para o Trabalho de Conclusão de Curso Mecanismos de Apoio ao Discente Orientações para a utilização dos resultados da avaliação Tecnologias de Informação utilizada no curso Procedimentos de Avaliação do Ensino e Aprendizagem Estrutura e Conteúdo Curricular CORPO DOCENTE ATUAÇÃO, FUNCIONAMENTO E COMPOSIÇÃO DO NDE ATUAÇÃO E EXPERIÊNCIA DO COORDENADOR DE CURSO INFORMAÇÕES DO CORPO DOCENTE DO CURSO O COLEGIADO DO CURSO: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A PRODUÇÃO CIENTÍFICA, TÉCNICA, ARTISTICA E CULTURAL INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS GABINETES DE TRABALHO E ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA ESTRUTURA DA SALA DOS PROFESSORES

4 4.3 ESTRUTURA DAS SALAS DE AULA ACESSO AOS EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA LABORATÓRIOS DIDÁTICOS CONSIDERAÇÕES FINAIS APÊNDICES

5

6 6 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES: FACULDADE CAPIVARI A Missão da FUCAP é Desenvolver, por meio da educação superior de excelência, o potencial realizador das pessoas, contribuindo para a formação de cidadãos sadios habilitados para a profissão, para a vida e integrados à comunidade. No âmbito da FUCAP, as prerrogativas que arrolam sua missão inserem-na em um contexto participativo no sentido de proporcionar melhorias significativas ao entorno por meio de suas ações educacionais e estão destacadas em seu Planejamento Estratégico. Nesta vertente, o homem é o foco de interesse já que a qualidade de vida depende do desenvolvimento da sociedade na qual ele se insere a partir de ações específicas das organizações do conhecimento. Desse modo, as ações institucionais promulgam o desenvolvimento do sul catarinense, consolidando a razão de ser da Instituição e materializando seus compromissos institucionais com a sociedade a partir do ensino, o qual implica na libertação que constitui a base para o desenvolvimento sustentável. Em essência, a FUCAP corrobora sua missão a partir da promoção do Ensino para o desenvolvimento da comunidade, assumindo seu compromisso de ser o centro de referencia na região sul de Santa Catarina, a qual se fundamenta em aspectos de desenvolvimento humano e idealizadora de diversos segmentos industriais. Isso se confirma no momento em que a comunidade percebe a formação de profissionais Responsáveis, Dedicados e de Confiança, direcionando o discurso institucional para um processo ativo da busca pelo perfil do egresso, materializando, no profissional, competências empreendedoras e ações proativas de atendimento à comunidade do entorno. A partir destes fundamentos, considerando o perfil e os objetivos ensejados para o Perfil do Egresso de seus cursos, fica clara a contribuição da Instituição no sentido da oferta de subsídios que delimitam a alteração da estrutura produtiva e que evidenciam a modernização da economia regional a partir das premissas vinculadas ao contexto do empreendedorismo e das inovações tecnológicas.

7 7 Em um cenário no qual a educação superior necessitava de novos métodos e de uma ideologia de vanguarda, e em meio à abertura proporcionada pela LDB de 1996 para o fomento de instituições educacionais, surge em Capivari de Baixo, após diversas experiências no contexto acadêmico-profissional, um conjunto de empreendedores visionários que entendiam à educação superior, pelos esforços da livre iniciativa, como um mecanismo de inclusão social e, sobretudo, de desenvolvimento regional. A partir das iniciativas do Prof. Expedito Michels, ex-coordenador de curso de uma Universidade no sul catarinense, o grupo de empreendedores passou a usufruir da liberdade proporcionada pelas políticas públicas para a educação, considerando o ensino da graduação como ferramenta de construção social em uma região carente pela democratização do acesso e que tinha na educação superior um instrumento elitista e conservador. Aproveitando a oportunidade proporcionada pela LDB e, posteriormente, pelo Plano Nacional da Educação, surge em 2001 a Faculdade Capivari (FUCAP), idealizada sob um modelo dinâmico e credenciada pela Portaria Nº 2.505, de 21 de novembro de As ações institucionais, inicialmente, estavam vinculadas à oferta de cursos de Licenciatura e formação de professores por intermédio da educação a distância, em parceria com a Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, constituindo uma experiência fundamental para a formação dos gestores institucionais responsáveis pela condução da Instituição. No mesmo ano a FUCAP tem o seu primeiro Plano de Desenvolvimento Institucional aprovado, documento no qual são explicitadas suas ações prioritárias para o desenvolvimento da educação no contexto regional. Em conjunto com esse documento, a Instituição também passa a operacionalizar o seu primeiro Planejamento Estratégico, de característica arrojada e coerente com os ensejos de seus idealizadores. Com o documento em vigor, o Prof. Expedito Michels encabeçou o desenvolvimento dos dois primeiros cursos de graduação da FUCAP, que foram autorizados, respectivamente, pela Portaria n o e pela Portaria N o 2.507, promulgadas quase que concomitantemente à autorização da Instituição, em 21 de novembro de A justificativa para a oferta de ambos os cursos, estava relacionada

8 8 a um alto potencial empreendedor da região, pouco explorado pela instituição que, até então, se posicionada no contexto regional. No ano de 2002, aproveitando o aprendizado constituído com o desenvolvimento de seus dois primeiros cursos de graduação, a FUCAP, por meio das ações proativas da equipe de empreendedores encabeçados pelo Prof. Expedito Michels, assume o compromisso de desenvolver a região da AMUREL, sobretudo no sentido de proporcionar uma formação que valorize os aspectos sociais, econômicos e culturais da região. Por meio deste pressuposto, surge o curso superior de tecnologia em Hotelaria, autorizado pela Portaria N o 3.561, de 13/12/2002. Em sua estrutura curricular, o curso apresentava um direcionamento relevante ao fomento de ações que promoveriam o desenvolvimento da região na qual a FUCAP está inserida, sobretudo por meio da capacitação profissional para atender a capacidade hoteleira da região, formando mão-de-obra para a atuação técnica e estratégica neste ambiente. Neste mesmo período, absorvendo as experiências em nível de graduação, a Instituição passa a atuar em um contexto dinâmico no âmbito da especialização de modo a contribuir com a formação continuada de profissionais das organizações localizadas na região, assumindo também o compromisso de constituir um laço de parceria com as empresas e com todo o conglomerado empresarial da região da AMUREL. Isso fez com que a Instituição ganhasse escopo, especialmente em função das ações consonantes ao seu planejamento, firmando uma parceria com a comunidade regional e partir de uma formação responsável e de qualidade. Ao atuar neste cenário, desde sua concepção, a FUCAP assume o compromisso de observar as questões políticas e regulatórias para a educação superior, já que, em seus objetivos institucionais, a Instituição sempre preconizou o desenvolvimento de uma educação superior de qualidade, envolvendo o corpo institucional de funcionários em um processo de qualificação constante. Isso fez com que os princípios norteadores da Instituição, evidenciados pelos seus valores, pudessem ser incutidos nos acadêmicos e orientassem a formação empreendedora de profissionais aptos ao enfrentamento de desafios proporcionado pelas organizações no contexto regional, estadual e, inclusive, nacional.

9 9 Em seu percurso, sempre observando a formação empreendedora, a FUCAP passa a lograr êxito em suas ações educacionais em função da qualidade preconizada na formação de seus estudantes e pela observância dos pressupostos da avaliação institucional, da gestão e do desenvolvimento da comunidade regional. Isso se confirma no ano de 2005, quando, por meio da avaliação institucional, a FUCAP obtém o reconhecimento de seus dois primeiros cursos de graduação em função do pleno desenvolvimento das atividades com base nos aspectos de qualidade evidenciados. Por intermédio, respectivamente, das Portarias N o e N o 3.761, de 24 de outubro de 2005, os cursos de Administração e Ciências Contábeis são reconhecidos depois de formarem quase 400 profissionais, colaborando para o desenvolvimento econômico, social e estratégico da região. Em 2007, acompanhando o pensamento vanguardista da Instituição, o curso superior de tecnologia em Hotelaria também é reconhecido pela Portaria N o 365, de 22 de maio de 2007, permitindo que as atividades continuem dentro da perspectiva de qualidade da FUCAP. Em mais uma iniciativa empreendedora, em 2011, a FUCAP passa pela sua revisão de Planejamento Estratégico e de seu Plano de Desenvolvimento Institucional, instituindo ações estratégicas e objetivos para um interregno temporal de dez anos, buscando ações inovadoras e a consolidação de uma Instituição de referência em educação superior. Isso se confirmou em função dos dados do ENADE, que emanaram da avaliação do curso de Administração, retratando e preocupação da FUCAP com uma formação responsável. O IDD cinco (5), resultante do ENADE 2009, torna-se o mote para o desenvolvimento de uma revisão geral de seus projetos pedagógicos, encabeçada pelos respectivos coordenadores de curso, com a intenção de absorver as lições das melhores práticas aplicadas à gestão dos cursos de graduação. As ações arrojadas continuam e, como fruto de um pensamento vanguardista, em 2012 a Família Michels assume o comando das quotas sociais da Faculdade Capivari e, detendo 100% do capital, passa a desenvolver ações que vão culminar na alteração do escopo de atividade da Instituição. A autorização do curso de Pedagogia, por intermédio da Portaria N o 34, de 19 de abril de 2012, sem a prerrogativa da visita de avaliação in loco, é o sinal de que muitos outros projetos inovadores estão

10 10 por vir, resguardando a essência inovadora de uma Instituição que forma profissionais Responsáveis, Dedicados e de Confiança. Em maio de 2013 a FUCAP passa a oferecer mais um curso para a comunidade da região, com a publicação da portaria do MEC Nº 180 de 08 de maio de 2013, que autoriza o funcionamento do Curso de Engenharia de Produção, e o início das aulas em agosto de 2013, a FUCAP passa a figurar cada vez mais consolidada no cenário educacional da Educação Superior. 1.1 DADOS SOCIOECONÔMICOS DA REGIÃO A Faculdade Capivari, doravante denominada de FUCAP, se posiciona em um contexto regional competitivo, orientada por diversos segmentos da economia regional e caracterizada por uma colonização açoriana que direciona o desenvolvimento social no contexto do entorno. Localizada no município de Capivari de Baixo, distante cerca de 140 km do município de Florianópolis, capital do estado de Santa Catarina, a Instituição encontra-se em posicionada em um ambiente estratégico e fundamental para o desenvolvimento sustentável da região, já que se localiza as margens da Rodovia BR 101. Com base nos dados do IBGE (2010), o Município de Capivari de Baixo tem uma população aproximada de mil habitantes que estão distribuídos em uma área de 53,1 Km 2, tendo como principal atividade econômica a produção de energia por meio do carvão, já que abriga o maior complexo termoelétrico da América Latina. A Usina Termoelétrica Jorge Lacerda, além de sistematizar uma das principais riquezas minerais da região, ainda proporciona mais de 5 mil empregos diretos e consolida a vocação regional para a indústria, o comércio e os serviços. Capivari de Baixo, emancipada no dia 20 de março de 1992, ainda compõe o escopo da Associação de Municípios da Região da Laguna AMUREL -, contribuindo, em conjunto com as demais cidades, para o desenvolvimento técnico, estratégico e, principalmente, social de uma região conhecida pelo alto potencial empreendedor e pela capacidade produtiva das indústrias que compõem, de modo sistêmico, o conglomerado empresarial do sul catarinense. É amparada neste pilar, que a FUCAP se

11 11 constitui como uma Instituição responsável por atender a demanda educacional na região, fomentando o desenvolvimento da educação superior de qualidade, atestada pelos indicadores promulgados pelos órgãos reguladores da educação brasileira, alinhada com os pressupostos políticos e estruturais que são explicitados no Plano Nacional da Educação. Ao se localizar em um ponto estratégico da região da AMUREL, a FUCAP passa a atender uma área de abrangência de quase 500 mil habitantes, contribuindo para a consolidação de um produto interno bruto de considerável colaboração aos valores estaduais, chegando perto dos R$ , 00. Com dados da AMUREL (2012), percebe-se que, apenas em Capivari de Baixo, os dados do PIB chegam próximos aos R$ 380 milhões, fomentando a atividade de 15% da população economicamente ativa da região. Os dados do Quadro 01 resumem a contribuição de Capivari de Baixo ao entorno regional, permitindo que a FUCAP se posicione em um cenário de colaboração estratégica, ofertando educação superior de qualidade e atrelada às políticas educacionais brasileiras, considerando, inclusive, os dados que emanam do Plano Nacional da Educação. DADOS DO MUNICÍPIO DE CAPIVARI DE BAIXO Microrregião Microrregião do Vale do Tubarão Secretaria Regional Tubarão Área Km 2 Data de Criação 30/03/1992 Data de Instalação 01/01/1993 Data de Comemoração 30/03 Lei de Criação Lei No 8.556, de 20 de março de 1992 Município de Origem Tubarão População Eleitores IDH 0,767 PIB R$ ,507,00 Especificamente no munícipio de Capivari de Baixo, encontram-se colaborações pertinentes ao cenário educacional já que o município conta com quatro escolas

12 12 estaduais e cinco municipais. A FUCAP, por meio de seu posicionamento em um cenário altamente propício ao desenvolvimento, usufrui da capacidade de absorver os quase 80 mil egressos do ensino médio da região, além de estar a disposição dos mais de 150 habitantes aptos a cursar a educação superior na região e que compõem a força produtiva de trabalho que, de acordo com Garcia (2011), constituem o novo públicoalvo da educação superior brasileira. Na observância destes propósitos, a Instituição agrega valor relevante aos métodos de Ensino voltados à região sul do Estado, por meio de sua política interna, baseada no desenvolvimento e acompanhamento de novas tecnologias, na formação de egressos empreendedores e de profissionais dedicados, responsáveis e de confiança, oferecendo à região competências essenciais desenvolvidas pelos seus programas de graduação. A FUCAP mantém, ainda, coerência com os modelos educacionais da região, oportunizando aos egressos do Ensino Médio educação de qualidade, com base nas características regionais e nos indicadores que determinam a eficiência da educação superior em Santa Catarina. Em consonância com o Plano Nacional de Educação, a Sociedade Educacional de Capivari de Baixo SECAB e a FUCAP desenvolvem suas políticas de ensino que atendem a demanda educacional prevista na Região Sul do Estado de Santa Catarina. Por meio das prerrogativas deste processo, a instituição, desde o ano 2001, desenvolve uma política de expansão institucional que permite a diminuição da desigualdade social e o desenvolvimento do conhecimento para geração de riqueza para o Estado. 1.2 CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO: ENGENHARIA MECÂNICA Além das discussões acerca do futuro ambiente profissional na Engenharia Mecânica, este projeto vai ao encontro da formação de engenheiros em número suficiente para atender as crescentes demandas e necessidades verificadas junto aos projetos de desenvolvimento propostos para a região e para o país nos próximos anos. A economia regional, outrora baseada exclusivamente nas atividades industriais, comerciais e empreendedoras da região, está nos dias de hoje, predisposta ao desenvolvimento por meio dos investimentos em infraestrutura que estão ocorrendo.

13 13 Orientada pela crise de produção e mercado regional, pela tendência de novas destinações econômicas das terras da região da AMUREL e pelas alterações climáticas globais, constituindo-se num grande desafio a serem superados, os municípios da região crescem impulsionados por diferentes vetores econômicos, que incluem o turismo, o comércio, a indústria e até mesmo pelo fortalecimento dos centros de ensino superior. O que leva paralelamente ao crescimento das atividades industriais de forma geral, requerendo profissionais qualificados nas áreas de projeto e fabricação mecânica, química, eletroeletrônica e de infraestrutura civil necessária à produção e o escoamento da produção industrial, voltada a todos os segmentos produtivos da região. Respeitando-se o forte apelo pelo desenvolvimento sustentável, em uma região com vocação eclética que vai do agronegócio ao turismo, as temáticas que ora se apresentam com maior relevo são motivadas pelas questões ambientais, energia e infraestrutura, pensadas com vistas no crescimento organizado da região. Além de novos projetos de engenharia, em fase de implantação, como é o caso do Aeroporto Regional, dos parques tecnológicos da região sul do Estado de Santa Catarina e das obras em infraestrutura modal, sobretudo da BR 101 (trecho sul) e do porto de Imbituba, somam-se outros ligados ao PAC (Plano de Aceleração do Crescimento do Governo Federal). Ademais, neste momento, novas rodovias estão sendo construídas e reformadas, com destaque para a BR 101, onde deve ser citada a obra da Ponte Anita Garibaldi, aumentando-se o comércio e o turismo na região. Sem dúvida, a implantação dessas melhorias se tornará um marco regional, e justificaria por si a oferta de novos cursos de engenharia na região. O complexo integrado de melhorias no porto, o aeroporto e a possibilidade do desenvolvimento ferroviário e dos parques tecnológicos, além dos indícios e perspectiva de produção de petróleo na zona do pré-sal em nível nacional, o que solicita a produção de tecnologia, introduzem novos problemas na área de influência da FUCAP, os quais demandarão profissionais de alto-nível em diversas áreas das engenharia, a par da solução de problemas tecnológicos, de produção econômica, ambientais e relativos à ocupação do espaço.

14 14 As engenharias inserem-se assim no contexto das ciências que integram conhecimentos para propor soluções a estas transformações, no sentido do desenvolvimento social e crescimento econômico sustentável. O MEC defende a qualificação dos cursos de graduação e isso reflete na elaboração ou melhoria de Projetos Pedagógicos de Cursos que possam, através de sua estrutura e matriz de conhecimento, atender às várias demandas da sociedade. Assim, esse Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Mecânica atende plenamente aos requisitos e necessidades requeridas pelo mercado na formação pedagógica e profissional do egresso em Engenharia Mecânica.

15 15 2 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO A FUCAP, comprometida com o fomento de uma educação superior de qualidade e sempre amparada em sua missão, se posiciona para o desenvolvimento de seus programas de graduação devidamente alinhados e aderentes ao pressuposto da democratização do acesso, amplamente explorada nos documentos oficiais que regem a educação superior no Brasil. Nesse contexto, a Instituição desenvolve uma proposta pedagógica que proporcione o desenvolvimento sustentável da região de AMUREL, convergindo para o cumprimento de seus objetivos institucionais e à uma contribuição significativa ao entorno. O Curso de Engenharia Mecânica que de acordo com o Censo da Educação Superior é o programa de graduação que vem crescendo em demanda no contexto do ensino presencial, será concebido para se tornar um diferencial competitivo da Instituição, já que atende necessidades latentes da região da AMUREL e, sobretudo, do conglomerado industrial da região sul do estado de Santa Catarina. No percurso de desenvolvimento, de acordo com as informações disponíveis nos órgãos reguladores da educação superior brasileira, o curso de Engenharia Mecânica da FUCAP buscará êxito em suas ações no momento em que os gestores institucionais vão assumir a preocupação de manter a qualidade do curso a partir da observância de critérios definidos para a avaliação institucional e que estão concretizados nos demais cursos da instituição. A partir de uma integração entre a gestão institucional da FUCAP, os Coordenadores de Curso, os Colegiados e, desde 2010, os Núcleos Docentes Estruturantes, busca-se o desenvolvimento de diferenciais competitivos que permitam a formação de egressos empreendedores e dispostos a promover mudanças em seu ambiente de atuação.

16 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Para melhor compreensão do escopo de funcionamento, as informações complementares que seguem retratam a estrutura operacional do curso de graduação em Engenharia Mecânica da Faculdade Capivari. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Mantida Faculdade Capivari FUCAP Endereço de Funcionamento do Curso Av. Nações Unidas N o 500 Bairro Santo André Capivari de Baixo/SC Vagas Autorizadas Matutino: 40 vagas Noturno: 40 vagas Turno de Funcionamento Matutino / Noturno Carga Horária Total 3998 Tempo mínimo de integralização 10 semestres Tempo máximo de integralização 20 semestres Modalidade Presencial Para o gerenciamento deste escopo, considerando a missão da FUCAP e seus objetivos apresentados no Plano de Desenvolvimento Institucional, a Mantenedora, por meio de seu Presidente, institui uma equipe de coordenação e de gestão, por intermédio do Núcleo Docente Estruturante, que atua, em conjunto com a CPA-FUCAP, no desenvolvimento de ações para a consolidação do programa de graduação em tela. Dentre os requisitos propostos pela SECAB, entidade mantenedora da FUCAP, o Coordenador do curso de Engenharia Mecânica passa a assumir a função de acompanhar as demandas institucionais, sociais e da comunidade, para que o processo de construção e desenvolvimento do perfil do egresso esteja alinhado de modo direto com os direcionamentos estratégicos da Instituição. 2.2 DADOS DO COORDENADOR E DA EQUIPE DO NDE As orientações gerenciais que direcionam a atividade da FUCAP estão diretamente vinculadas às diretrizes do Plano de Desenvolvimento Institucional, especialmente em função da contribuição com o planejamento estratégico da

17 17 Instituição. A função de coordenador de curso e da equipe do NDE deve estar diretamente alinhada com os pressupostos da mantenedora, orientando a formação profissional dos egressos e a consolidação do Projeto do Curso de Engenharia Mecânica da Faculdade Capivari. O coordenador de curso não atuará somente como gestor de recursos, mas também como gestor de potencialidades e oportunidades internas e externas. Portanto, ele é o primeiro a favorecer e implementar mudanças que aumentem a qualidade do aprendizado contínuo pelo fortalecimento da crítica e da criatividade de todas as pessoas envolvidas no processo, ou seja, alunos, docentes, corpo administrativo, corpo financeiro, entre outros. Cabe a ele, também, incentivar a produção de conhecimentos, neste cenário global de intensas mudanças, por meio da iniciação científica, e animar a comunidade acadêmica, para implementar ações solidárias que concretizem valores de responsabilidade social, justiça e ética. Espera-se dele, também, o desenvolvimento de várias atividades capazes de articular todos os setores e fortalecer a coalizão do trabalho em conjunto, para incrementar a qualidade, legitimidade e competitividade do curso, tornando-o um centro de eficiência, eficácia e efetividade rumo à busca da excelência. As informações do Coordenador seguem descritas a seguir. DADOS DO COORDENADOR DO CURSO Nome Titulação Regime de Trabalho Experiência Profissional e no Magistério Franco Wronski Comeli Doutorando em Engenharia Mecânica Mestrado em Ciência e Engenharia de Materiais Graduação em Engenharia Mecânica Graduação em Tecnologia em Eletromecânica Integral Mais de 20 anos na área profissional e acadêmica São atribuições do coordenador de curso: Cumprir e fazer cumprir as decisões, bem como as resoluções e normas emanadas dos órgãos superiores;

18 18 Presidir o Colegiado de Curso; Coordenar as atividades dos professores que integram o curso, dirimindo as dúvidas e questões que surgirem, assegurando a sua articulação interna; Encaminhar aos órgãos deliberativos proposta de alteração do currículo pleno do curso; Organizar o elenco das disciplinas, o horário de aulas em cada período letivo, observado o currículo pleno; Supervisionar o cumprimento da integralização curricular e a execução dos conteúdos programáticos; Analisar e homologar o aproveitamento de estudos e a adaptação de disciplinas; Articular a contratação de professores; Atendimento ao aluno, professores e comunidade; Rotinas administrativas de gestão da documentação e informação acadêmica; Exercer o poder disciplinar no âmbito do curso. Para o pleno desenvolvimento do curso de Engenharia Mecânica, a Faculdade Capivari contará com a contribuição do Colegiado de Curso, que é responsável pela validação das decisões estratégicas aplicadas ao curso, e do Núcleo Docente Estruturante que, de acordo com regulamentação própria, assume o compromisso de desenvolver o curso de graduação em uma perspectiva operacional, social e complementar. O NDE é um órgão consultivo que contribui com o desenvolvimento do curso, acompanhando a implementação do Projeto Pedagógico e delineando ações que consolidem os objetivos do curso. Além dessas atribuições, o NDE também recebe orientações da CPA que, de acordo com os resultados da avaliação, contribui com as atividades funcionais do Núcleo. A estrutura do NDE é apresentada a seguir, considerando o tempo de permanência de cada docente no curso, a titulação e o regime de trabalho de cada membro.

19 19 DADOS DO NDE DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DA FUCAP Nome Titulação R.T Samira Becker Volpato Mestre Integral Raphael Guardini Miyake Mestre Integral Ana Paula Matias Mestre Integral Rodolfo Lucas Bortoluzzi Mestre Integral Franco Wronski Comeli Mestre Integral O NDE do curso de Engenharia Mecânica ainda aceitará a contribuição de membros convidados, o que é descrito em regulamento próprio, e de professores que são membros do Colegiado do curso, tendo em vista o desenvolvimento técnico, metodológico e operacional. Nesse sentido, com base nas contribuições do Colegiado e da CPA, que desenvolve e acompanha a avaliação, e do NDE, responsável pelas atividades operacionais do curso, o Projeto do Curso é desenvolvido na perspectiva elencada pelo instrumento de avaliação de cursos, considerando a Organização Didático-Pedagógica, o Corpo Docente e a Estrutura Física da FUCAP. 2.3 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA O Curso de Engenharia Mecânica da Faculdade Capivari, observando as diretrizes institucionais da mantenedora, será um instrumento de disseminação de conhecimento no contexto regional quando se posiciona sob a orientação de conceitos como os de democratização do acesso e orientação da oferta, com base diretrizes da avaliação institucional. É nesse contexto que as ações de gestão do curso devem estar alinhadas com o Plano de Desenvolvimento Institucional da FUCAP, e assim fomentar uma integração entre as diversas instâncias institucionais, vislumbrando o desenvolvimento de uma educação superior de excelência. A Organização Didático-Pedagógica, considerando as orientações do instrumento de avaliação de curso, preconiza a aderência entre o Projeto Pedagógico do Curso com as diretrizes e políticas institucionais, previstas no Plano de Desenvolvimento Institucional e no Projeto Pedagógico Institucional. As atividades de ensino e aprendizagem delineadas para o curso devem promover o desenvolvimento de

20 20 práticas inovadores que associem as intenções da comunidade acadêmica com os objetivos institucionais, contribuindo para um programa curricular de referência na região. Ao considerar as questões vinculadas à organização didático-pedagógica do curso de Engenharia Mecânica, a FUCAP enseja o desenvolvimento de um curso de graduação considerado referência na região sul do estado de Santa Catarina. Nesse sentido, apresentam-se a seguir os critérios que elucidam a respectiva dimensão como um diferencial competitivo do curso em projeção, determinando a constituição de referenciais estratégicos para a consolidação do programa de graduação. De acordo com a dinâmica institucional, importa ressaltar que, de modo frequente, os critérios de desenvolvimento da dimensão serão analisados pela CPA, fornecendo subsídios para a atividade do Coordenador de Curso Políticas Institucionais no âmbito do Curso Sempre observando as diretrizes institucionais da Faculdade Capivari, o curso de Engenharia Mecânica, por meio das ações da Coordenação de Curso, buscará o desenvolvimento de métodos de ensino e aprendizagem que estejam alinhados com o PDI da Instituição e, sobretudo, com as políticas institucionais delineadas no Projeto Pedagógico Institucional. Em coerência com os referenciais mínimos de qualidade para a área, a FUCAP também promoverá o desenvolvimento de métodos inovadores de acompanhamento do Projeto Pedagógico do curso, considerando as contribuições da avaliação e da gestão institucional, utilizando o Núcleo Docente Estruturante como base para o fomento de reflexões do impacto do curso na sociedade. Por esta relevância, a FUCAP, considerando a estrutura de todos os seus cursos, entende que é fundamental observar o desenvolvimento de ações que visam a consolidação das políticas de ensino, iniciação científica, extensão e gestão ao longo dos cursos de graduação. Desse modo, com a intenção de consolidar este aspecto, a Instituição, por meio de seus gestores e dos órgãos de apoio, promoverá, constantemente, fóruns, debates e reuniões que tem a intenção de acompanhar a

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (revisado em maio/2014) Capivari de Baixo/SC, 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Capivari de Baixo, 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUACÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS: BACHARELADO NA MODALIDADE PRESENCIAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUACÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS: BACHARELADO NA MODALIDADE PRESENCIAL SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO - SECAB FACULDADE CAPIVARI - FUCAP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUACÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS: BACHARELADO NA MODALIDADE PRESENCIAL Capivari de Baixo, 2012 2

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC)

Florianópolis, 2012. Expedito Michels. Mestrado Profissional em Administração Universitária (PPGAU/UFSC) O PAPEL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E A CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ADMINISTRAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO Florianópolis, 2012 Expedito Michels Mestrado Profissional

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO SECAB FACULDADE CAPIVARI FUCAP

SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO SECAB FACULDADE CAPIVARI FUCAP SOCIEDADE EDUCACIONAL CAPIVARI DE BAIXO SECAB FACULDADE CAPIVARI FUCAP PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FUCAP 2015-2019 REVISADO EM NOVEMBRO DE 2014 Capivari de Baixo, 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III

MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III SIC 38/10* Belo Horizonte, 3 de dezembro de 2010. MEC. INEP. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO. REVISÃO - III O MEC publicou a Portaria nº 1326, de 18/11/2010 (ver íntegra do texto abaixo). É preciso ser mágico

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Seus cursos estão perfeitamente alinhados aos princípios institucionais constantes em seu PDI, que considera:

Seus cursos estão perfeitamente alinhados aos princípios institucionais constantes em seu PDI, que considera: A Faculdade de Economia e Finanças do Rio de Janeiro FEFRJ/ SUESC estabelece que sua visão de futuro determine os vetores de crescimento e de sua atuação. Neste sentido, o curso de Engenharia de Produção

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro de Estudos de Administração e Marketing CEAM UF: SP Ltda ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretaria

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Curso de Bacharelado em Odontologia RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012/01 CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Discentes: Desempenho Docente e Projeto Pedagógico

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC - Educação a Distância: princípios e orientações. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos

UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF. Elisângela Cristina dos Santos UMA PROPOSTA DISCENTE DE AVALIAÇÃO SOBRE A FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NA UFJF Elisângela Cristina dos Santos Rua Aladim Silva, 128 Bairro: Retiro, Juiz de Fora / MG - CEP: 36072-560 annaeorei@yahoo.com.br

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

POLICIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

POLICIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 1 PROJETO CPA POLICIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 2 DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Com o propósito de integrar alunos, professores e a administração, cada turma elege um

Leia mais

XXII Seminário de Educação da Medicina Veterinária

XXII Seminário de Educação da Medicina Veterinária XXII Seminário de Educação da Medicina Veterinária Competência, Habilidade e Atitude na capacidade de gestão de qualidade do curso Dr. Lázaro Manoel de Camargo Coordenador do Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais