Ministério da Indústria e Comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Indústria e Comércio"

Transcrição

1 Ministério da Indústria e Comércio Instituto Nacional de Pesos e Medidas - INPM Portaria INPM nº. 12, de 31 de março de 1967 O Diretor-geral do Instituto Nacional de Pesos e Medidas, no uso de suas atribuições, Resolve aprovar a norma anexa para amostragem de petróleo e derivados, contidos em tanques, para fins quantitativos, elaborada pelo Instituto Nacional de Pesos e Medidas com a colaboração do Instituto Brasileiro de Petróleo e da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Paulo Sá Diretor-geral 1

2 NORMA PARA AMOSTRAGEM DE PETRÓLEO E DERIVADOS LÍQUIDOS, PARA FINS QUANTITATIVOS 1. Objetivo 1.1 Esta norma estabelece os tipos e procedimentos usados na amostragem de petróleo e seus derivados líquidos, para fins quantitativos. 2. Campo de Aplicação 2.1 Esta norma se aplica na amostragem de petróleo e seus derivados líquidos armazenados em tanques com pressão de trabalho até 220 g/cm 2 e de seção transversal uniforme. 3. Definições Na amostragem de petróleo e seus derivados utilizam-se os tipos de amostras abaixo definidos: 3.1 Amostra de Cima É a amostra colhida a 1 metro abaixo da superfície livre de produto armazenado. 3.2 Amostra do Meio É a amostra colhida na metade da altura total do produto armazenado. 3.3 Amostra do Fundo É a amostra colhida na parte inferior do produto armazenado, a 1 metro do fundo do tanque. 3.4 Amostra Combinada É a resultante da mistura em partes iguais dos volumes das amostras colhidas em um tanque. 3.5 Amostra Composta É a resultante da mistura de amostras individuais de dois ou mais tanques proporcionais aos volumes contidos em cada um deles. 4. Procedimento 4.1 Amostra de Cima, Meio e Fundo Descer o sacador de amostra até que gargalo fique na profundidade escolhida Remover a rolha com um puxão do cordel Após a cessação das bolhas de ar, retirar o sacador de amostra. 4.2 Amostra Combinada e Composta Retirar a amostra como foi descrito nos itens a Misturar, no laboratório, em partes iguais ou proporcionais conforme o caso. 4.3 Número de Amostras 2

3 4.3.1 O número de amostras e respectivos níveis serão os indicados abaixo: Altura do produto no tanque Nº mínimo de amostras mais de 5m 3 3m a 5m 2 Níveis em que devem ser tomadas as amostras a) 1m abaixo da superfície livre do líquido; b) meio da massa líquida; c) 1m acima do fundo a) 1m abaixo da superfície livre do líquido; b) 1m acima do fundo menos de 3m 1 a) meio da massa líquida 4.4 Identificação Os recipientes de amostras devem ser identificados com rótulos ou etiquetas com as seguintes indicações: * Local onde foi colhida a amostra; * Data; * Número do tanque, nome do navio, etc.; * Tipo de Amostra; * Produto; * Rubrica do operador. 5. Equipamentos 5.1 Sacador de Amostra É constituído de um recipiente de cobre, com gargalo, lastro de chumbo e uma alça articulada. No gargalo se introduz uma rolha de cortiça atravessada por um arame que forma na parte externa superior uma pequena alça. Nesta se prende uma corrente que se liga a um cordel que serve para subir ou descer o sacador de amostra. O cordel, por sua vez, se prende à grande alça. Todo o peso do sacador de amostra repousa na rolha. (Vide fig.) Especificações: Material: Cobre ou latão Construção: o fundo é falso, constituído de uma chapa de 3mm de espessura e deverá ser isolado do corpo principal do sacador. Capacidade: 360ml a 1.000ml 6. Precauções e Recomendações 6.1 Uma amostra não pode incluir material outro além do amostrado, e não deve ser alterada por evaporação ou oxidação durante outro processo de amostragem. 6.2 O aparelho de amostragem, inclusive cordas, recipientes e outros acessórios, deve estar seco e livre de qualquer substância contaminante. 6.3 Durante a operação de amostragem o material deverá ser protegido tanto quanto possível dos efeitos do vento e condições atmosféricas. Os recipientes devem ser fechados imediatamente após a coleta da amostra. 3

4 6.4 O aparelhamento para amostragem de líquidos deve ser cheio com material a ser amostrado, e drenado em seguida, pelo menos uma vez antes de colher a amostra. O mesmo procedimento se tem com o recipiente da amostra. 6.5 Todo o equipamento metálico de amostragem, deve ser feito de material não gerador de faíscas. 6.6 Quando são necessárias amostras de vários níveis de um tanque, a ordem de amostragem deve ser de cima para baixo, de maneira a colher cada amostra antes de agitar o líquido do nível escolhido. 6.7 Tanques de teto flutuante são normalmente amostrados pelo teto, mas, em condições excepcionais podem ser amostrados do topo da plataforma. 4

5 DESENHOS ANEXOS À PORTARIA N 12, DE 31 DE MARÇO DE 1967, DO DIRETOR GERAL DO INPM 5

NORMA TÉCNICA 40/2014

NORMA TÉCNICA 40/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 40/2014 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Ministério da Indústria e Comércio

Ministério da Indústria e Comércio Ministério da Indústria e Comércio Instituto Nacional de Pesos e Medidas - INPM Portaria INPM nº. 15, de 02 de maio de 1967 O Diretor-geral do Instituto Nacional de Pesos e Medidas, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Livro de Registro do Treinamento do Inspetor. Programa de Certificação para Inspetor de Petróleo. Federação Internacional de Agências de Inspeção

Livro de Registro do Treinamento do Inspetor. Programa de Certificação para Inspetor de Petróleo. Federação Internacional de Agências de Inspeção Federação Internacional de Agências de Inspeção Programa de Certificação para Inspetor de Petróleo Livro de Registro do Treinamento do Inspetor Nome: Empregador: Local: Quinta edição (Agosto de 2010) AVISO

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO MERCOSUL/XLII SGT Nº 11/P.RES. Nº /14 FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção Mobiliário Esta imagem tem caráter apenas ilustrativo. As informações relativas às especificações devem ser obtidas nas fichas técnicas correspodentes 2000 1/5 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC.

Leia mais

Inicialmente tem-se de reunir e preparar todo o material para a realização deste projeto.

Inicialmente tem-se de reunir e preparar todo o material para a realização deste projeto. Como fazer uma coleção científica de insetos Uma ferramenta útil para estudar insetos é fazer uma coleção científica. Para recolher insetos para coleção é fundamental conhecer os seus hábitos e comportamentos,

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal

Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal Papel Reciclado Artesanal Branco com Sisal 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos

Leia mais

SOPRADOR ASPIRADOR GASOLINA 2T. Manual do Operador

SOPRADOR ASPIRADOR GASOLINA 2T. Manual do Operador SOPRADOR ASPIRADOR GASOLINA 2T Manual do Operador 360422 Agradecemos por optar por um produto de jardinagem Matsuyama. O Soprador Aspirador Matsuyama é desenhado e construído para proporcionar performance

Leia mais

TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS

TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS TÉCNICAS DE COLHEITA DE AMOSTRAS Nota vestibular. O estudo de edifícios e de instalações, visando determinar a situação existente em relação à produção de aerossóis contaminados com legionelas, deverá

Leia mais

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica;

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica; MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA)

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA) ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos)

1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos) Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Sorocaba Engenharia Ambiental Profa. Maria Lúcia Antunes 1ª Lista de exercícios de Física 2 ( Fluidos) 1) Encontre o aumento de pressão de um fluido em uma

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 15, de 10 de fevereiro de 2015 D.O.U de 11/02/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68)

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as

Leia mais

N-1807 REV. D 12 / 2011. Medição de Recalque de Fundações no Teste Hidrostático de Equipamentos. CONTEC Comissão de Normalização Técnica SC - 04

N-1807 REV. D 12 / 2011. Medição de Recalque de Fundações no Teste Hidrostático de Equipamentos. CONTEC Comissão de Normalização Técnica SC - 04 Medição de Recalque de Fundações no Teste Hidrostático de Equipamentos Procedimento Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria.

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA N 09, DE 20 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Norma Técnica N 03/2015- CBMDF - Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O COMANDANTE-GERAL

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL MODELO TN-1070

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL MODELO TN-1070 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA TRENA DIGITAL MODELO TN-1070 julho 2008 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios A investigação do subsolo constitui requisito essencial para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote 2.3 Introdução Galvanização por Imersão a Quente por Processo Contínuo Versus Galvanização

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

Compósitos Processo de fabrico por cura em Autoclave

Compósitos Processo de fabrico por cura em Autoclave UFCD 5853 25-11-2014 Compósitos Processo de fabrico por cura em Autoclave Reflexão Este modulo tem como objetivo identificar e caracterizar o processo de fabrico por cura em autoclave, executar o fabrico

Leia mais

Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir

Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir Questão 01 Três blocos A, B, e C, de massa,, estão numa superfície lisa e horizontal, desprovida de atritos. Aplica-se no bloco A uma força

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2006. 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2006 2ª Fase FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um corredor de 100 metros rasos percorre os 20 primeiros metros da corrida em 4,0 s com aceleração constante. A velocidade

Leia mais

Ficha Técnica Modelo: Colonial

Ficha Técnica Modelo: Colonial Modelo: Colonial A TELHA DE PVC TOP LINE COLONIAL da ARAFORROS é um produto de altíssima Qualidade. Além de bonita possui excelente resistência. As Telhas Top Line Araforros são produzidas a partir de

Leia mais

CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis. SEÇÃO I Das condições

CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis. SEÇÃO I Das condições CAPÍTULO XIX Instalações industriais de líquidos inflamáveis SEÇÃO I Das condições Art. 497 - Instalações industriais e recipientes estacionários somente poderão existir em Zonas Rurais ou Agrícolas, com

Leia mais

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015

Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Portaria MTPS Nº 207 DE 08/12/2015 Altera a Norma Regulamentadora nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O Ministro de Estado do Trabalho e Previdência

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R.

= F cp. mv 2. G M m G M. b) A velocidade escalar V também é dada por: V = = 4π 2 R 2 = R T 2 =. R 3. Sendo T 2 = K R 3, vem: K = G M V = R. FÍSICA Um satélite com massa m gira em torno da Terra com velocidade constante, em uma órbita circular de raio R, em relação ao centro da Terra. Represente a massa da Terra por M e a constante gravitacional

Leia mais

SER PESADO EM PRESENÇA DO CONSUMIDOR,

SER PESADO EM PRESENÇA DO CONSUMIDOR, Hoje iremos abordar vários temas ligados a Setor de Mercadorias Pré Medidas. E a primeira duvida e entender o que é um produto Pré Medido? produto pré medido e todo ou qualquer produto medido e/ou embalado

Leia mais

TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS

TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS TÉCNICAS DE ARTESANATO Tita Mascarenhas CURSO BÁSICO DE BORDADOS BORDADO À MÃO PONTOS BÁSICOS Bordado é uma forma de criar desenhos e figuras ornamentais em um tecido, utilizando para este fim diversos

Leia mais

PROJETO DE LEI. Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Reajusta os valores da Taxa de Serviços Metrológicos, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o A Taxa de Serviços Metrológicos, instituída pelo art. 11 da Lei n o

Leia mais

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber

Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem como objetivo descrever os procedimentos para o ensaio Determinação de Lipídios em Leite Fluido pelo Método de Gerber. É aplicável para leite fluido in natura ou

Leia mais

2.0 FAÇA A CONFERÊNCIA DA CAPA DE PROTEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO

2.0 FAÇA A CONFERÊNCIA DA CAPA DE PROTEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO 1.0 INTRODUÇÃO Você adquiriu uma capa de proteção para piscina, confeccionada em Laminado de PVC reforçado com tramas de Poliéster. A Sodramar não fabrica o laminado, compramos e o transformamos em Capa

Leia mais

As espumas físicas. No que respeita à solução espumífera, existem os seguintes quatro métodos de a realizar: Indução; Injecção; Pré-mistura.

As espumas físicas. No que respeita à solução espumífera, existem os seguintes quatro métodos de a realizar: Indução; Injecção; Pré-mistura. As espumas físicas Autor: Pedro Cunha Técnico de formação da Escola Nacional de Bombeiros 1. A solução espumífera Como é de conhecimento geral, para um estabelecimento de mangueiras de combate a incêndios

Leia mais

MONTAGEM DE BARRAMENTOS

MONTAGEM DE BARRAMENTOS Elaborado por Vanessa Oliveira Visto Aprovado por José Carlos Visto Revisado por Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 26/06/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008

NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA N. O 004/2008 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR APARELHOS EXTINTORES

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL TERMO DE REFERÊNCIA TR 087 PROCEDIMENTO PARA REMOÇÃO DE TANQUES SUBTERRÂNEOS DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO E ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL Este documento apresenta o procedimento a ser adotado na remoção

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

Defensas metálicas de perfis zincados

Defensas metálicas de perfis zincados MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE ZINCO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE ZINCO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

NHE-375E BOLETIM TÉCNICO. Condutivo Epóxi

NHE-375E BOLETIM TÉCNICO. Condutivo Epóxi BOLETIM TÉCNICO Revestimento Condutivo Epóxi Bicomponente Cinza Piso com Revestimento Condutivo Epóxi Cinza Claro Resina epóxi + catalisador O Revestimento Condutivo foi desenvolvido para ter uma ótima

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 145, de 30 de dezembro de 1999 O PRESIDENTE

Leia mais

NEOTECHA. Sistema de Amostragem de Tanque, para amostragem representativa sem interrupção do processo. Sistema de Amostragem de Tanque - Sapro

NEOTECHA. Sistema de Amostragem de Tanque, para amostragem representativa sem interrupção do processo. Sistema de Amostragem de Tanque - Sapro NEOTECHA Sistema de Amostragem de Tanque, para amostragem representativa sem interrupção do processo Características gerais com adaptador da seringa O sistema de amostragem garante sempre uma amostra verdadeiramente

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

Por exemplo a água salgada é uma substância ou uma mistura? A água salgada é uma mistura de duas substâncias: a água e o cloreto de sódio.

Por exemplo a água salgada é uma substância ou uma mistura? A água salgada é uma mistura de duas substâncias: a água e o cloreto de sódio. Sumário Correção do TPC. Soluto, solvente e solução. Composição qualitativa e quantitativa de soluções concentração de uma solução. saturadas. Exercícios de aplicação. Ficha de Trabalho Soluto, solvente

Leia mais

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Schlüter -KERDI-DRAIN Escoamento 8.2 Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Aplicação e funcionamento Schlüter -KERDI-DRAIN é um sistema de escoamento de águas no solo destinado

Leia mais

TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO VASO SANITÁRIO DE CIMENTO

TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO VASO SANITÁRIO DE CIMENTO 1 TECNOLOGIAS SIMPLIFICADAS DE SANEAMENTO VASO SANITÁRIO DE CIMENTO Autor: Cláudio Cardoso* Técnico em Saneamento HISTÓRICO O primeiro Vaso Sanitário de Cimento foi desenvolvido pelo Sr. José Apurinan

Leia mais

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896)

Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções. Manual de instruções. Termossifão pressurizado (EA8896) Manual de instruções Termossifão pressurizado (EA8896) Índice 1. Aviso... 3 2. Caracteristicas técnicas... 4 3. Princípios da Operação... 4 3.1. Tubos de vácuo... 4 3.2. Heat Pipe... 5 4. Instalação...

Leia mais

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY )

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY ) ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO EXPEDITO ( SPEEDY ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4 5. APARELHAGEM E MATERIAL...4

Leia mais

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014

PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 PORTARIA Nº 592, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Altera a Norma Regulamentadora n.º 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de janeiro de 2015 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 3 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

Portaria n.º 412, de 24 de outubro de 2011.

Portaria n.º 412, de 24 de outubro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 412, de 24 de outubro de 2011. O PRESIDENTE

Leia mais

ENVOLVEDORAS CS-300/7 CS-150 CS-80

ENVOLVEDORAS CS-300/7 CS-150 CS-80 Embalagens com filmes estiráveis ENVOLVEDORAS CS-300/7 CS-150 CS-80 Cyklostretch Cyklop Hi-Stretch a alternativa econômica para estabilizar e proteger cargas paletizadas. www.cyklop.com.br Máquinas CS-300/7

Leia mais

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Prato em aço inoxidável 340 x 310 mm. Saída serial para impressora matricial Urano USE-PII. Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.

Leia mais

Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. BETÕES CELULARES DOSIFICADORES. garcía fernández. Catálogo

Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. BETÕES CELULARES DOSIFICADORES. garcía fernández. Catálogo Equipamento para o fabrico de Betões celulares técnicos. garcía fernández DOSIFICADORES R BETÕES CELULARES Catálogo Cada cliente recebe o melhor e sempre o deve exigir O Betão Celular fabricado no local

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

Impressora HP LaserJet Série P2030. Guia de papel e mídia de impressão

Impressora HP LaserJet Série P2030. Guia de papel e mídia de impressão Impressora HP LaserJet Série P2030 Guia de papel e mídia de impressão Impressora HP LaserJet Série P2030 Guia de papel e mídia de impressão Copyright e licença 2008 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO

Federação de Automobilismo de São Paulo FILIADA À CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE AUTOMOBILISMO CAMPEONATO PAULISTA DE DRAG RACE 2014 REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DRAG RACE DIANTEIRA DD 1- REGULAMENTAÇÃO: Todos os veículos inscritos deverão passar por vistoria prévia. Todos os pilotos deverão ter

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.00 03082011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Antes da utilização, é muito importante que você leia atentamente o manual de instruções, estas informações ajudam a prevenir acidentes e utilizar

Leia mais

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES Prezado Cliente, A Masterfrio cumprimenta-o pela escolha feita ao comprar nosso bebedouro. Tudo foi feito para que este aparelho preste bons

Leia mais

Coleta de produtos pré-medidos para determinação do conteúdo efetivo e/ou exame formal.

Coleta de produtos pré-medidos para determinação do conteúdo efetivo e/ou exame formal. AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE MERCADORIAS PRÉ- MEDIDAS PARA REALIZAÇÃO DE EXAME QUANTITATIVO NORMA N o NIT-DIMEP-004 APROVADA EM SET/2014 N o 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

COLETA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS (Poços de Monitoramento e Piezômetros)

COLETA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS (Poços de Monitoramento e Piezômetros) Página 1 de 7 1 1. DESCRIÇÃO E CUIDADOS GERAIS: A técnica a ser adotada para a coleta de amostras depende da matriz a ser amostrada, do tipo de amostra a ser efetuada e da natureza do ensaio solicitado.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOÁS SECRETARA DA SEGURANÇA PÚBLCA CORPO DE BOMBEROS MLTAR DRETORA DE DEFESA CVL Gerência de Segurança Contra ncêndio e Pânico NORMA TÉCNCA n. 40, de 05/03/07 Sistema de Proteção Contra Descargas

Leia mais

= + + = = + = = + 0 AB

= + + = = + = = + 0 AB FÍSIC aceleração da gravidade na Terra, g 0 m/s densidade da água, a qualquer temperatura, r 000 kg/m 3 g/cm 3 velocidade da luz no vácuo 3,0 x 0 8 m/s calor específico da água @ 4 J/(ºC g) caloria @ 4

Leia mais

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE

CONFORTO EM ÁGUA QUENTE CONFORTO EM ÁGUA QUENTE 2 TERMOACUMULADORES ELÉCTRICOS Rigorosamente testado A fiabilidade dos termoacumuladores da Gorenje é garantida pelo controlo rigoroso de qualidade: % Testado sobre pressão; % Testado

Leia mais

1300 Condutividade térmica

1300 Condutividade térmica 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Otavio A.T. Dias & Elias da Silva PUC-SP Tópicos Relacionados Difusão, gradiente de temperatura, transporte de calor, calor específico,

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AR CONDICIONADO. Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES... 02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AR CONDICIONADO. Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES... 02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AR CONDICIONADO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES... 02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 03

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta aceleração da gravidade na Terra, g = 10 m/s densidade da água, a qualquer temperatura, ρ = 1000 kg/m 3 = 1 g/cm 3 velocidade da luz no vácuo = 3,0 10 8 m/s calor específico da água 4 J/( o C g) 1 caloria

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES PRODUTOS E ACESSÓRIOS. www.rehau.com. Construção Automóvel Indústria

ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES PRODUTOS E ACESSÓRIOS. www.rehau.com. Construção Automóvel Indústria ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES PRODUTOS E ACESSÓRIOS www.rehau.com Construção Automóvel Indústria ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES RADIANTES UMA GRANDE INOVAÇÃO PARA O MÁXIMO CONFORTO GAMA DE PRODUTOS

Leia mais

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura.

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura. LISTA 04 ONDAS E CALOR 1) A 10 C, 100 gotas idênticas de um líquido ocupam um volume de 1,0cm 3. A 60 C, o volume ocupado pelo líquido é de 1,01cm 3. Calcule: (Adote: calor específico da água: 1 cal/g.

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

Bicos Pulverizadores. Análise da Pulverização. Fabricação da Pulverização. Controle da Pulverização. Sistema de Lubrificação Spraying Systems

Bicos Pulverizadores. Análise da Pulverização. Fabricação da Pulverização. Controle da Pulverização. Sistema de Lubrificação Spraying Systems Bicos Pulverizadores Controle da Análise da Fabricação da Sistema de Lubrificação Spraying Systems Sistemas de Lubrificação Spray Os Sistemas de Lubrificação Spray fornecem um método altamente eficiente

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POPE: H-08 Página 1 de 9 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome:. Modelo: DM96 1.2 Número de série 31855 1.3 Número de patrimônio: N/A. 1.4 Data de aquisição: N/A. 1.4.1 Entrada no setor: 25/06/13 1.4.2

Leia mais

Termómetro de Máxima e de Mínima

Termómetro de Máxima e de Mínima Abrigo O Abrigo da estação Agro-meteorológica da Escola Secundária de Cinfães encontrase a uma altura de 1,5 metros e é construído por ripas de madeira branca, que permitem uma ventilação natural e ao

Leia mais

Perguntas. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II

Perguntas. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Perguntas Lista de Exercícios - FLUIDOS 1. A figura 1 mostra um tanque cheio de água.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal PREGÃO ELETRÔNICO 153/2009 PROCESSO 336.637 Trata-se de pedidos de esclarecimentos encaminhados pelas empresas AURUS Comercial e Distribuidora Ltda., HUFFIX do Brasil Ambientes Empresariais e TELOS S/A

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR

MANUAL DO CONSUMIDOR MANUAL DO CONSUMIDOR PROTEÇÃO PARA VOCÊ E SEU APARELHO Gravadora de Borracha para Carimbos Pré- Entintados REF:2005 (Somente em 110 volts) Indústria e Comércio de Carimbos e Brinquedos Ltda Av.: Souza

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Mixtinter Laranja HOR nº Material: 238961 16L nº Material:238961 Código Interno de Produto : 000000393778

Leia mais