REDUÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDUÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES SANITÁRIAS"

Transcrição

1 REDUÇÃO DE CONSUMO DE ÁGUA EM INSTALAÇÕES SANITÁRIAS 1. Introdução Água, um recurso natural finito Depois de utilizar a água de forma indiscriminada durante anos e anos, a humanidade chegou à conclusão que este recurso natural, se não for consumido de forma racional, um dia acabará. A partir da conscientização global da necessidade de uso racional dos recursos naturais e da proteção contra a degradação ambiental, os países - através de iniciativas governamentais e não governamentais e privadas - têm promovido programas e ações visando combater o desperdício, e incentivando padrões tecnológicos de produção de baixo impacto sobre o meio ambiente. Com o objetivo de demonstrar seu engajamento na luta contra o desperdício, o Ministério do Meio Ambiente do Brasil lançou, em 1999, a Agenda Ambiental na Administração Pública A3P. A A3P consiste em uma estratégia de construção de uma nova cultura institucional para inserção de critérios socioambientais na administração pública. A administração pública, por ser grande consumidora e usuária de recursos naturais, tem papel estratégico na promoção e indicação de novos padrões de produção e de consumo e deve ser exemplo na redução de impactos socioambientais negativos. A partir da criação da Agenda, o setor público passou a ser incentivado a buscar soluções tecnológicas que minimizassem o desperdício. O trabalho apresentado a seguir é uma demonstração do Setor Público fazendo a sua parte. 2. Memorial Descritivo Obra de reforma dos banheiros coletivos e privativos

2 do edifício sede do ÓRGÃO PÚBLICO (estudo de caso) 2.1. Esclarecimento A fim de se evitar a identificação do trabalho aqui apresentado, o nome do órgão público proprietário do edifício, bem como o seu endereço serão omitidos do corpo do documento. Estas informações e outras necessárias à comprovação do conteúdo aqui apresentado estão anexadas neste documento, conforme orientação do Anexo II Regulamento para apresentação de trabalhos do concurso O Objeto dos Serviços Por se tratar de um edifício com mais de 30 anos de construção, a obra consistiu na reforma (demolição e reconstrução) dos banheiros coletivos e privativos do prédio incluindo obras civis, instalações elétricas, hidráulicas e outros serviços correlatos. Escopo dos serviços:. segregação dos esgotos primários e secundários do edifício;. fornecimento e instalação de sistema de esgoto sanitário a vácuo; e. fornecimento e instalação de mictórios a seco. A obra foi iniciada em fevereiro de 2010 e concluída em maio de Toda obra foi executada com o prédio ocupado (fluxo aproximado de usuários/dia) e por este motivo foi dividida em quatro fases. Cada fase contemplou cerca de 25% dos banheiros do edifício (aproximadamente 14 banheiros coletivos e mais 22 privativos, com 84 vasos sanitários e 39 mictórios a seco). Também na primeira fase da obra foi fornecida e instalada a central sanitária de vácuo. Em agosto de 2010 foi inaugurada a primeira fase da obra com a liberação do primeiro conjunto de banheiros reformado e a entrada em funcionamento da central sanitária de vácuo. Iniciou-se, então, a segunda fase com a interdição e reforma de outros 25% dos banheiros do edifício, seguida da terceira fase e por último da quarta

3 fase, concluída em maio de No total, foram fornecidos e instalados 1 (uma) central sanitária de vácuo, 334 (trezentos e trinta e quatro) conjuntos de vasos sanitários para esgoto a vácuo e 156 (cento e cinquenta e seis) mictórios a seco, além da execução da obra civil de reforma dos banheiros e de áreas adjacentes. Os serviços de segregação dos esgotos primários e secundários do prédio também foram executados e o edifício encontra-se hoje preparado para o reuso de águas servidas (esgoto secundário), bastando a instalação de uma central de tratamento de água. O fornecimento e a instalação de central de tratamento de água não faziam parte do escopo do contrato. Foto 1: Central Vácuo Vista frontal; conjunto 01 de bombas; total 02 conjuntos (principal / reserva)

4 Foto 2: Central Vácuo 02 conjuntos de bombas; capacidade da central para até 450 sanitários; área da casa de máquinas = 12 m² Foto 3: Central Vácuo Vista conjunto 02 de bombas

5 Foto 4: Vista banheiro masculino tipo - reformado Foto 5: Vaso sanitário a vácuo

6 Foto 6: Conjunto de mictórios a seco Foto 6: Mictório a seco

7 2.3. Critério 1 Inovação Apesar das primeiras soluções de sanitários a vácuo terem sido concebidas nos anos 50, durante muitos anos sua aplicação foi restrita a alguns setores industriais, entre eles a indústria naval. Em meados dos anos 80, com o avanço da tecnologia, a robustez e confiabilidade dos sistemas de esgoto a vácuo cresceram significativamente e sua utilização se intensificou de maneira notável no segmento da construção civil, principalmente por seu apelo ecológico de redução de consumo de água e de volume de esgoto primário proveniente dos vasos sanitários. No Brasil, as instalações de soluções de esgoto a vácuo são recentes, tendo iniciado por volta do ano A solução dos mictórios a seco também é bastante inovadora. Sua aplicação é mais recente que a dos sanitários a vácuo e significativamente mais eficiente por resultar em 100% de economia de água. A solução instalada no edifício sede do Órgão Público utiliza selo de bloqueio de odores com óleo vegetal biodegradável, que minimiza a propagação de micróbios e elimina, portanto, o uso de tabletes odorizadores e de descartáveis plásticos Critério 2 Modernização do Processo Construtivo A introdução de soluções inovadoras e tecnológicas nos processos construtivos das obras civis tem contribuído significativamente para sua modernização. No caso dos sistemas de esgoto a vácuo e mictórios a seco, pode-se citar: Flexibilidade na execução das instalações hidráulicas, pois possibilita a instalação de sanitários em áreas desprovidas de rede de água e esgoto, sem grandes intervenções. Não existe necessidade de declive, como no esgoto gravitacional, podendo, inclusive, sair com a tubulação para cima; Por funcionar em depressão (vácuo), a linha de esgoto, se rompida, não provoca vazamentos como ocorre com os sistemas tradicionais gravitacionais; Tubulações de diâmetros menores minimizando interferências com outros

8 sistemas e facilitando sua instalação. Os diâmetros menores nas tubulações de esgoto a vácuo são possíveis porque a central de vácuo faz o trabalho de deslocamento dos dejetos através da sucção, necessitando de pouca quantidade de água. Já os sistemas tradicionais, os gravitacionais, necessitam de desnível e de água como meio físico para transportar os dejetos. E um maior volume de água exige maior tubulação hidráulica; Eliminação de estações de recalqueamento de esgoto, uma vez que o trabalho é feito através da central de vácuo; Diminuição de estações de tratamento de esgoto, pois o volume de esgoto a ser tratado é menor; Nos subsolos, o caminhamento hidráulico dos sistemas de esgoto pode ser feito pelo teto por longas distâncias sem necessidade de escavações e sem a preocupação com redução do pé direito, pois não exige declividade de tubulação como nos sistemas convencionais (gravitacionais); O sistema de mictórios a seco elimina a necessidade de dispositivos, como sensores de presença, válvulas de descarga e outros, reduzindo manutenção Critério 3 Aumento do Desempenho da Construção Não há dúvidas quanto ao aumento de desempenho da construção com a opção de utilização de sistemas de esgoto a vácuo e mictórios a seco em instalações sanitárias. Ganha-se em desempenho com economia de água e segregação de esgoto, possibilitando o tratamento do secundário para reaproveitamento no primário. Certamente o maior ganho de desempenho está na economia de água obtida com o sistema e na redução de custo que esta economia proporciona para a administração do edifício (conta de água). A tabela abaixo apresenta os valores da conta de água do edifício público em fevereiro de início das obras - e nos últimos 6 meses, janeiro a junho de na medida em que as etapas foram sendo finalizadas e os banheiros liberados para uso (obs.: todos os números informados abaixo encontram-se devidamente comprovados através das faturas da

9 concessionária de água encaminhadas em separado à coordenação técnica do concurso Falcão Bauer). Mês de Consumo médio Consumo do mês Referência últimos 12 meses Valor da conta Fev m³ m³ R$ ,62 Jan m³ m³ R$ ,39 Fev m³ m³ R$ ,60 Mar m³ m³ R$ ,20 Abr m³ m³ R$ ,13 Mai m³ m³ R$ ,80 Jun m³ m³ R$ ,01 Verifica-se uma redução do consumo mensal entre fevereiro de 2010 e junho de 2011 de 71,4%, gerando uma economia mensal de R$ ,61 (cinquenta e nove mil, quatrocentos e setenta e quatro reais e sessenta e um centavos) na verba de custeio do órgão. Considerando o consumo médio de fevereiro de 2010, 6374 m³, com o consumo medido em junho de 2011, 1985 m³, a redução é da ordem de 68%. Se for analisado o consumo médio dos últimos 12 meses, a redução em junho de 2011 é de 22,6% (vinte e dois vírgula seis por cento). O consumo médio, por considerar a média aritmética das últimas 12 leituras de consumo, tende a caminhar de forma lenta para os valores de consumo mensal alcançados nos últimos meses Critério 4.1 Redução Custos Homem Hora / m² Em razão da modernização do processo construtivo dos sistemas de esgoto a vácuo e mictórios a seco, a simplificação dos serviços necessários a sua instalação gera redução do custo homem hora / m².

10 Fatores que contribuíram para a redução dos custos de homem hora / m² da obra em questão: Redução do número de interferências com as demais instalações existentes em razão da flexibilidade de caminhamento das tubulações sanitárias do sistema de esgoto a vácuo; Como as instalações de esgoto a vácuo utilizam tubulações com diâmetros menores quando comparadas com as instalações de esgoto tradicionais, o rendimento do serviço aumenta reduzindo o seu tempo de execução; Os mictórios a seco utilizam zero de água. Sendo assim, todos os serviços de instalação de pontos de alimentação de água para descargas dos mictórios foram suprimidos, bem como a instalação de registros, válvulas de descarga, sensores de presença etc., reduzindo em 100% o custo de homem hora / m² para estes serviços Critério 4.2 Redução de Custo Material O sistema de mictórios a seco traz o grande benefício de tornar desnecessário instalar rede de alimentação de água ou dispositivos de descargas. Sem dúvida alguma, trata-se da maior contribuição na redução de custos de materiais observada na obra do edifício público. Quanto ao sistema de esgoto a vácuo, houve economia de material por dispensar a necessidade de caixas de passagem e de estações elevatórias nos subsolos do edifício e por utilizar tubulações de esgoto de diâmetros menores Critério 5 Redução do Desperdício Inquestionavelmente, esta é a maior contribuição dos sistemas de esgoto a vácuo e mictórios a seco: o conceito da economia de água potável, bem finito, hoje imperativo à população mundial, que busca a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente.

11 A obra de reforma dos banheiros coletivos e privativos do edifício público, mediante a instalação de sistema de esgoto a vácuo e mictórios a seco, reduziu o consumo de água, ou melhor, o desperdício de água em cerca de 70% Critério 6 Reutilização de Materiais O reuso da água consumida pelo edifício público também foi levado em consideração quando da execução das obras de reforma dos banheiros coletivos e privativos do edifício. As instalações sanitárias dos esgotos primários (sanitários e mictórios) e secundários (lavatórios) do edifício foram segregadas (separadas), estando o edifício preparado para reutilização do esgoto secundário, bastando a instalação de uma central de tratamento de esgoto.

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012

Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA SECRETARIA DE FINANÇAS FERMOJU Relatório de Desempenho da Gestão do Fermoju Período: janeiro/2012 a dezembro/2012 1. Departamento de Gerência Executiva

Leia mais

Sistema de Captação Águas Pluviais Especial Geberit no Centro Paraolímpico Brasileiro. Categoria Métodos e Processos na Execução de Instalações

Sistema de Captação Águas Pluviais Especial Geberit no Centro Paraolímpico Brasileiro. Categoria Métodos e Processos na Execução de Instalações Sistema de Captação Águas Pluviais Especial Geberit no Centro Paraolímpico Brasileiro Categoria Métodos e Processos na Execução de Instalações No Centro Paraolímpico Brasileiro, para maximizar a Captação

Leia mais

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega DIRF 2012 (Ano base 2012) A RFB (Receita Federal do Brasil) divulgou as regras para o preenchimento e o envio da Dirf (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) 2013. A Instrução Normativa nº 1.297/2012

Leia mais

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL PARA SER INSTALADO NO EDÍFICIO DO ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL EM FORTALEZA-CE.

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA SAE NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA SAE NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA SAE NO MÊS DE SETEMBRO DE 2008 Este relatório tem como finalidade apresentar a toda a comunidade araguarina e aos clientes da SAE as principais atividades realizadas

Leia mais

XP CORPORATE MACAÉ (XPCM11) FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

XP CORPORATE MACAÉ (XPCM11) FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII XP CORPORATE MACAÉ (XPCM11) FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII Relatório Gerencial 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. OBRAS DA 2ª CUSTOMIZAÇÃO 1.1. Assembleia dos Cotistas; 1.2. Adaptações no The Corporate;

Leia mais

Vice-Presidência do Interior Depto. de Desenvolvimento e Controle Operacional do Interior

Vice-Presidência do Interior Depto. de Desenvolvimento e Controle Operacional do Interior 1. OBJETIVO O modelo de diagnóstico tem por objetivo o levantamento de dados que permitam retratar com máxima precisão a atual situação dos sistemas componentes das Unidades de Negócio e identificar seus

Leia mais

Encargos Financeiros 2016. Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law)

Encargos Financeiros 2016. Program a de Pó s - Gr adu ação La to Se ns u da FGV DIREIT O SP ( GV law) Encargos Financeiros 2016 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) Valores dos cursos de 32 horas (para ingressantes no 1º semestre de 2016): R$ 3.045,00 (três mil e quarenta e cinco

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

LICITAÇÃO PÚBLICA NA MODALIDADE CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ESTUDO PRELIMINAR DE ARQUITETURA PARA A SEDE DA CAPES EM BRASÍLIA TERMO DE REFERÊNCIA

LICITAÇÃO PÚBLICA NA MODALIDADE CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ESTUDO PRELIMINAR DE ARQUITETURA PARA A SEDE DA CAPES EM BRASÍLIA TERMO DE REFERÊNCIA LICITAÇÃO PÚBLICA NA MODALIDADE CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ESTUDO PRELIMINAR DE ARQUITETURA PARA A SEDE DA CAPES EM BRASÍLIA 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Concurso público nacional para seleção, dentre

Leia mais

Histórico. A empresa REVEST COMERCIAL QUARTZITE LTDA, tem uma produção estimada de 2.000 m 2 /mês.

Histórico. A empresa REVEST COMERCIAL QUARTZITE LTDA, tem uma produção estimada de 2.000 m 2 /mês. Banco de Boas Práticas Ambientais Estudo de Caso Reaproveitamento de Rejeitos do Beneficiamento do Quartzito Projeto Reutilização da Água, Economia de Energia e Recuperação de Finos Empresa: REVEST COMERCIAL

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS

REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA POTÁVEL: REUSO DE ÁGUA PARA MINIMIZAR O DESPERDICIO EM VASOS SANITÁRIOS (Fernanda Silva de Souza 1 ; Adriana da Silva Santos 2 ; Francisco Marto de Souza 3 ; Ellen Caroline Santos

Leia mais

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19.

Receita Imobiliária 1.327.875,69 PEUGEOT - ALUGUEL MENSAL PEUGEOT - MULTA PROPORCIONAL PETROBRAS 667.428,17. Receita Financeira 19. TRX Edifícios Corporativos XTED11 - FII Lâmina mensal Dezembro 2015 DADOS DO FUNDO DISTRIBUIÇÃO DE RENDIMENTO DATA DE INÍCIO Novembro/2012 PRAZO Indeterminado VALOR DE MERCADO R$ 58.606.650,00 VALOR PATRIMONIAL

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA :

ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA : 1- INFORMAÇÕES GERAIS : IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDIMENTO : Trata-se de um Auto Posto de Serviços e Comércio de Combustíveis para Veículos Automotores. OBS : Sem

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014

LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 LAUDO DE AVALIAÇÃO N.º / 2014 Em atendimento à solicitação da...delegou-se ao engenheiro..., CREA- MG:.../D a incumbência de proceder a avaliação dos imóveis localizados na Rua Frei Orlando nº 360 e nº

Leia mais

Material sujeito a alteração e exclusivo para uso interno da Even. Proibida a divulgação.

Material sujeito a alteração e exclusivo para uso interno da Even. Proibida a divulgação. TRANQUILIDADE PARA FAZER TUDO A PÉ INCLUSIVE PASSEAR COM O MEU FILHO LOCALIZAÇÃO Macroregião Hípica Paulista MOEMA Pte. Estaiada Shopping D&D BROOKLIN Shopping Ibirapuera Etna Rede Globo Hyatt C&C Futura

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009

RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Participantes: Antônio Othon Rolim (Sinaenco); Augusto Jucá (CNI); Carlos Alberto

Leia mais

Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis

Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis Aprenda como reduzir custos de seu posto implementando ações sustentáveis Sustentabilidade Equilíbrio Satisfação das necessidades da sociedade Garantia da sobrevivência humana No uso dos Recursos Naturais

Leia mais

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS.

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. MARCOS B. REZENDE MOTA 1 ; MARINA DASTRE MANZANARES 1 ; RAFAEL AUGUSTO LIMA SILVA 1 1 Curso de Graduação - Faculdade de Engenharia Mecânica/UNICAMP

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 434, DE 2011. Art. 1º A Lei nº 7.183, de 5 de abril de 1984, passa a vigorar com as seguintes alterações:

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 434, DE 2011. Art. 1º A Lei nº 7.183, de 5 de abril de 1984, passa a vigorar com as seguintes alterações: SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 434, DE 2011 Altera a Lei nº 7.183, de 5 de abril de 1984 para modificar a jornada de trabalho do aeronauta. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º A Lei nº 7.183,

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06166/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de janeiro, 30 de março de 2007. Referência: Processo n.º 18101.000952/2006-54. Assunto: Distribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

A embalagem cartonada em formato de garrafa. combidome

A embalagem cartonada em formato de garrafa. combidome A embalagem cartonada em formato de garrafa. Apresentamos a, a embalagem cartonada com a conveniência de uma garrafa. A está chegando às gôndolas dos supermercados. É algo totalmente diferente de tudo

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro

Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro Resumo: Durante muito tempo a diretoria de Jurídico-Financeiro realizava suas atividades

Leia mais

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) DADOS DA INSPEÇÃO Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06613/2008/RJ COGAP/SEAE/MF Em 29 de outubro de 2008. Referência: Processo n.º 18101.000588/2008-94. Assunto: Distribuição Gratuita

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Estação tratamento Efluentes Industriais Estação tratamento de água Estação tratamento Efluentes Doméstico Campanha interna Sistema de gestão de águas Fotos:

Leia mais

ESTADO MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VARZEA GRANDE NOTIFICAÇÃO DE RECEBIMENTO DE RECURSOS FEDERAIS

ESTADO MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VARZEA GRANDE NOTIFICAÇÃO DE RECEBIMENTO DE RECURSOS FEDERAIS 03.507.548/0001-10 Arrecadação: 661/13 03/01/2013 SUS-MAC-MEDIA ALTA COMPLEX. AMB. HOSP-624.004-1 Fonte de recursos: 0202 - Recurso de Convênio e Programa Saúde Total geral : Fica liquidada a importância

Leia mais

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III.

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III. 1 Introdução A busca contínua de sistemas estruturais eficientes como solução para grandes vãos tem sido um dos maiores desafios enfrentados por engenheiros estruturais. Por outro lado, sistemas estruturais

Leia mais

Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 651, de 9 de julho de 2014

Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 651, de 9 de julho de 2014 Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 651, de 9 de julho de 2014 Nota Técnica de Adequação Orçamentária e Financeira nº 24/2014 Assunto: Subsídios para a apreciação da

Leia mais

Programa de Prevenção, Cadastramento, Detecção, Medição, Monitoração e controle de Emissões Fugitivas

Programa de Prevenção, Cadastramento, Detecção, Medição, Monitoração e controle de Emissões Fugitivas Programa de Prevenção, Cadastramento, Detecção, Medição, Monitoração e controle de Emissões Fugitivas 1- Introdução Embora a emissão fugitiva de uma simples válvula, conexão flangeada ou outro componente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06841/2009/RJ COGAP/SEAE/MF Em 21 de dezembro de 2009. Referência: Processo n.º 18101.000777/2009-48. Assunto: Distribuição Gratuita

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01341.000109/2007-23 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06577/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de janeiro, 11 de outubro de 2007.. Referência: Processo n.º 18101.000561/2007-11. Assunto: Distribuição

Leia mais

DIVISOR MÍNIMO PARA CÁLCULO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

DIVISOR MÍNIMO PARA CÁLCULO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIVISOR MÍNIMO PARA CÁLCULO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RENATA BAARS Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário FEVEREIRO/2010 Renata Baars 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3

Leia mais

REGULAMENTO DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS. Prêmio Consulado da Mulher EDITAL - 2016

REGULAMENTO DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS. Prêmio Consulado da Mulher EDITAL - 2016 REGULAMENTO DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS Prêmio Consulado da Mulher EDITAL - 2016 1. APRESENTAÇÃO 1.1. O Instituto Consulado da Mulher, ação social da marca Consul, torna público que estão abertas as

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO COM RECURSOS

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MATCH DI FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO - CRÉDITO PRIVADO

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MATCH DI FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO - CRÉDITO PRIVADO DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2015 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS MATCH DI FUNDO DE INVESTIMENTO REFERENCIADO - CRÉDITO PRIVADO

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

PODER EXECUTIVO. A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

PODER EXECUTIVO. A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2014 DO MUNICÍPIO DE ITIÚBA- BAHIA A Prefeitura Municipal de Itiúba, Estado Da Bahia Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 PUBLICAÇÃO DE RESUMO DE CONTRATO JANEIRO/2014/04 Itiuba -

Leia mais

TR 400 ATENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia.

TR 400 ATENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO. A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia. ATENÇÃO A Turbo Roda se utilizada fora das condições citadas nas tabelas técnicas, perderá a garantia. A TURBO RODA BETTA é um equipamento patenteado, PATENTE n MU 736-4 qualquer violação contra os direitos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO/SP ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO/SP ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 27/2011 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de engenharia elétrica para elaboração de projeto

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Autoprodução de Energia no Horário de Ponta - Implantação de Grupos Geradores Luciano Cavalcante Introdução Águas de Niterói hoje possui um consumo de energia

Leia mais

FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA GUAMÁ

FUNDAÇÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA GUAMÁ ANEXO I ATO CONVOCATÓRIO Nº 002/2012 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: Contratação de Empresa para Recrutamento, Seleção e Contratação de Pessoal para Treinamento, Capacitação e Consultoria à Fundação de Ciência

Leia mais

Planos de Serviço Regulamento Oferta MegaVelocidade Fibra

Planos de Serviço Regulamento Oferta MegaVelocidade Fibra 1 Prestadora: Modalidade: Código da Oferta: W3 LUCAS EIRELI EPP Planos de Serviço de Provimento de Acesso à Internet 2016FIBRALRV1 1. Clientes elegíveis, vigência e área de abrangência 1.1 Estes Planos

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SALAS PROCESSO N.º 211-09.00/15-0

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SALAS PROCESSO N.º 211-09.00/15-0 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SALAS PROCESSO N.º 211-09.00/15-0 Contrato AJDG Nº 014/15 O ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, por intermédio da PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA, órgão administrativo do MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

Perguntas freqüentes FAQ

Perguntas freqüentes FAQ Perguntas freqüentes FAQ CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FSA PRODAV 01/2008 PRODUÇÃO PARA TELEVISÃO 1) Como faço para enviar meu projeto? O primeiro passo para inscrever um projeto em qualquer uma das seleções

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06242/2011/RJ COGAP/SEAE/MF Em 24 de março de 2011. Referência: Processo n.º 18101.000142/2011-65. Assunto: Distribuição Gratuita

Leia mais

Apresentação comercial. ecoparklinhares.com

Apresentação comercial. ecoparklinhares.com Apresentação comercial Ecopark Linhares O MAIS AVANÇADO CONDOMÍNIO EMPRESARIAL DO ESPÍRITO SANTO O Ecopark Linhares é um moderno complexo industrial, logístico e empresarial situado estrategicamente no

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPORÃ GABINETE DO PREFEITO Administração 2013/2016. Um Novo Tempo. Uma Cidade Para Todos.

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPORÃ GABINETE DO PREFEITO Administração 2013/2016. Um Novo Tempo. Uma Cidade Para Todos. LEI Nº 2273/2013 DISPÕE SOBRE DOAÇÃO DE IMÓVEIS DE PROPRIEDADE DO MUNICÍPIO DE ITAPORÃ- MS, PARA FINS QUE ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MS, no uso de suas atribuições legais que são conferidas por

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças 1. DO OBJETO: Governo do Estado do Rio de Janeiro Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA Outorga de permissão de uso, com encargos, de área localizada no prédio sede da, situado na Avenida

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01365 MUNICIPIO DE NOVA CANAA PAULISTA - SP E02º Sorteio do Projeto de Fiscalização

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NORTE SUL TOWER. Apresentação:

MEMORIAL DESCRITIVO NORTE SUL TOWER. Apresentação: Apresentação: A GS Construtora é uma empresa que atua no ramo da construção civil desde 1994. Empresa sólida e conceituada no mercado, certificada pela norma NBR ISO 9001 E PBQPH Nível A (Programa Brasileiro

Leia mais

SITUAÇÃO ANTERIOR E IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS A SEREM RESOLVIDOS.

SITUAÇÃO ANTERIOR E IDENTIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS A SEREM RESOLVIDOS. Experiência: CASA FAMILIAR RURAL Escola Agrotécnica Federal de Rio do Sul/SC Responsável: Professor João José Stüpp Endereço: Estrada do Redentor, 5665 Bairro: Canta Galo Rio do Sul/SC CEP: 89160-000 E

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (HANGAR TÁXI AÉREO)

TERMO DE REFERÊNCIA (HANGAR TÁXI AÉREO) CONTROLE DE REVISÕES AEROPORTO SANTOS-DUMONT GERÊNCIA COMERCIAL TERMO DE REFERÊNCIA (HANGAR TÁXI AÉREO) ELABORADO: Robson Moura Sales MATRÍCULA: 98.982-40 VALIDADO: Kátia Rodrigues Andrade MATRÍCULA: 5.863-18

Leia mais

DEPARTAMENTO TÉCNICO - ECOCÂMARA Conservação de Água e Energia Elétrica na Câmara dos Deputados

DEPARTAMENTO TÉCNICO - ECOCÂMARA Conservação de Água e Energia Elétrica na Câmara dos Deputados DEPARTAMENTO TÉCNICO - ECOCÂMARA Conservação de Água e Energia Elétrica na Câmara dos Deputados Fevereiro de 2015 Brasília-DF SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Energia Elétrica... 3 2.1. Histórico de Consumo...

Leia mais

EDITAL N.º 01 DO PROCESSO SELETIVO 2013-2 CPPS-2013-2

EDITAL N.º 01 DO PROCESSO SELETIVO 2013-2 CPPS-2013-2 EDITAL N.º 01 DO PROCESSO SELETIVO 2013-2 CPPS-2013-2 A ORDEM NAZARENA, através de sua Comissão Permanente de Processo Seletivo (CPPS) e em conformidade com a Lei n.º 9394/96 (LDB) Lei de Diretrizes e

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP

IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP Celma Paula Leite - Tecnóloga em Eletrotécnica - Graduada pela Universidade Mackenzie modalidade: Tecnologia

Leia mais

Em prédios Públicos. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA ECONOMIA DE ÁGUA Guia voltado para síndicos e administradores públicos

Em prédios Públicos. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA ECONOMIA DE ÁGUA Guia voltado para síndicos e administradores públicos MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA ECONOMIA DE ÁGUA Guia voltado para síndicos e administradores públicos A Copasa desenvolve em todo o estado de Minas Gerais uma série de ações para prover água de qualidade

Leia mais

Capítulo 1 As origens da iluminação pública no Brasil Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo 1 As origens da iluminação pública no Brasil Por Luciano Haas Rosito* 30 O Setor Elétrico / Janeiro de 2009 Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil Capítulo 1 As origens da iluminação pública no Brasil Por Luciano Haas Rosito* Fundamental para a vida moderna, a iluminação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2012 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2012, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

2121 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

2121 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Programa 2121 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Número de Ações 43 Ação Orçamentária Tipo: Operações Especiais 00IO - Inventariança do Fundo

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento estabelece as normas gerais concernentes aos trabalhos técnicos de Avaliação e Perícia de Engenharia. Art. 2º - As normas aqui estabelecidas

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil cristian sippel Diogo Angelo Stradioto Rio Grande Energia SA APS Engenharia de Energia

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

PLANOS ESPECIAIS 2008 RESULTADO 1º BIMESTRE SARP

PLANOS ESPECIAIS 2008 RESULTADO 1º BIMESTRE SARP PLANOS ESPECIAIS 2008 RESULTADO 1º BIMESTRE SARP SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MATO GROSSO SECRETARIA ADJUNTA DA RECEITA PÚBLICA - SARP INSTITUCIONAL Secretaria Adjunta da Receita Pública SECRETARIA

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTRUÇÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL

RELATÓRIO DE INSTRUÇÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL RELATÓRIO DE INSTRUÇÃO DE IMPUGNAÇÃO AO EDITAL ASSUNTO: IMPUGNAÇÃO DO EDITAL IMPUGNANTE: VOAR TÁXI AÉREO LTDA REFERENTE: OBJETO: CONCORRÊNCIA Nº 001/ADCO/SBGO/2012 CONCESSÃO DE USO DE 01 (UMA) ÁREA EXTERNA,

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº10/2016 NOME DA INSTITUIÇÃO: FCA Fiat Chrysler Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência pública

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES O Município de Não-Me-Toque comunica aos interessados que está procedendo ao CHAMAMENTO PÚBLICO no horário das 8:15 às 11:33h e das

Leia mais

COMUNICADO GEPAM nº 11/2015.

COMUNICADO GEPAM nº 11/2015. COMUNICADO GEPAM nº 11/2015. Assunto: Tabelas de licitações e para cálculo de imposto de renda e de contribuições previdenciárias. Prezado Gestor: A GEPAM, no exercício de sua função de orientação e, com

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 202, DE 07 DE JUNHO DE 2013

PORTARIA MMA Nº 202, DE 07 DE JUNHO DE 2013 PORTARIA MMA Nº 202, DE 07 DE JUNHO DE 2013 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, Decreto nº 6.101, de

Leia mais

EDITAL FAPES Nº 003/2010

EDITAL FAPES Nº 003/2010 EDITAL FAPES Nº 003/2010 Seleção de propostas a serem apresentadas pelos Programas de Pósgraduação stricto sensu do estado do Espírito Santo, visando à concessão de quotas de bolsas para formação de recursos

Leia mais

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta.

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, entidade privada sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade com sede nesta Cidade de São Paulo, à Rua Minas Gerais nº 190 - Higienópolis, inscrita no CNPJ

Leia mais

Fonte Recurso: 51 Data da Licitação: 27/02/2014 Data de Emissão: 19/02/2013 Hora da Licitação: 10h 30min Tipo de Licitação: Menor Preço Global

Fonte Recurso: 51 Data da Licitação: 27/02/2014 Data de Emissão: 19/02/2013 Hora da Licitação: 10h 30min Tipo de Licitação: Menor Preço Global MINUTA DO CONVITE Nº. 2012/0003 Natureza da Despesa: Serviço Fonte Recurso: 51 Data da Licitação: 27/02/2014 Data de Emissão: 19/02/2013 Hora da Licitação: 10h 30min Tipo de Licitação: Menor Preço Global

Leia mais

TRATAMENTO DE DEJETOS HUMANOS: USO DA SANITÁRIA COMPOSTEIRA SECA COMO ALTERNATIVA NO IFC - CAMPUS RIO DO SUL

TRATAMENTO DE DEJETOS HUMANOS: USO DA SANITÁRIA COMPOSTEIRA SECA COMO ALTERNATIVA NO IFC - CAMPUS RIO DO SUL TRATAMENTO DE DEJETOS HUMANOS: USO DA SANITÁRIA COMPOSTEIRA SECA COMO ALTERNATIVA NO IFC - CAMPUS RIO DO SUL Ana Carla KUNESKI 1, Bruno MONTIBELLER 2, Évany FERRARI 3, Iago SCHIOCHET 4, Graciane Regina

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Lendo o Manual de Diretrizes de projeto e olhando as imagens do google, me deparei com algumas duvidas iniciais.

Lendo o Manual de Diretrizes de projeto e olhando as imagens do google, me deparei com algumas duvidas iniciais. CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ARQUITETURA PROJETO DE ARQUITETURA DE ADAPTAÇÃO DO EDIFÍCIO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO USP PRIMEIRO BLOCO DE CONSULTAS CONSULTA 01 Lendo

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE PESSOAS PLANO DE SEGURO PROTEÇÃO PESSOAL ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: : 03.502.099/0001-18

CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE PESSOAS PLANO DE SEGURO PROTEÇÃO PESSOAL ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: : 03.502.099/0001-18 CONDIÇÕES PARTICULARES SEGURO DE PESSOAS PLANO DE SEGURO PROTEÇÃO PESSOAL ACE SEGURADORA S.A. CNPJ: : 03.50.099/000-8 8 Processo Susep: 0.00766-00 00-9 Apólice: 0.8 8.8.000755 8.000755.. As presentes Condições

Leia mais

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS

TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TÍTULO DO TRABALHO: TECNOLOGIA COM BAIXO CUSTO, APLICADA A REDUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO SAAE SÃO CARLOS TEMA VIII: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOME DOS AUTORES: João Carlos Lopes Valter Luis Dulci Prof. Dr.

Leia mais

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 TIPO DE Professora

Leia mais

COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ nº 50.746.577/0001-15 NIRE 35.300.177.045 Companhia Aberta

COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ nº 50.746.577/0001-15 NIRE 35.300.177.045 Companhia Aberta COSAN S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO CNPJ nº 50.746.577/0001-15 NIRE 35.300.177.045 Companhia Aberta COSAN LOGISTICA S.A. CNPJ/MF 17.346.997/0001-39 NIRE 35.300.447.581 Companhia Aberta FATO RELEVANTE A COSAN

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO RESUMO: A modernização do vagão Hopper de brita do sistema de Metrô englobou a mudança de sua estrutura

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ÁGUA IMPORTÂNCIA DO TEMA 03/02/2011 TESIS. Pobreza? Conflitos Pobreza? Pobreza? Pobreza? Aquecimento global?

CONSERVAÇÃO DE ÁGUA IMPORTÂNCIA DO TEMA 03/02/2011 TESIS. Pobreza? Conflitos Pobreza? Pobreza? Pobreza? Aquecimento global? PROGRAMAS DE CONSERVAÇÃO DE ÁGUA TESIS Tecnologia e Consultoria de Sistemas em Engenharia ltda Carla Araujo Sautchuk Aquecimento global? Aquecimento Aquecimento global? Aquecimento global? Aquecimento

Leia mais

APÊNDICE 2 AÇÕES EMERGENCIAIS 2016-2017 DIVISÃO DE LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA HOSPITALAR

APÊNDICE 2 AÇÕES EMERGENCIAIS 2016-2017 DIVISÃO DE LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA HOSPITALAR APÊNDICE 2 AÇÕES EMERGENCIAIS 2016-2017 DIVISÃO DE LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA HOSPITALAR APRESENTAÇÃO A reestruturação do HULW, objetiva a implementação de assistência e ensino de qualidade, e isso não

Leia mais