HESFA/UFRJ Hospital Escola São Francisco de Assis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HESFA/UFRJ Hospital Escola São Francisco de Assis"

Transcrição

1

2 Apresentação A Carta de Serviços ao Cidadão é um instrumento que tem como finalidade estreitar as relações da instituição com o cidadão, garantindo aos usuários a expressão de seus sentimentos, acesso de modo claro e objetivo aos seus direitos enquanto cidadão. O (HESFA) tem o compromisso com a qualidade da assistência prestada e com a formação de profissionais para a Atenção Primária em Saúde. Equipe de Elaboração da Carta Prof a. Ana Maria Vergueiro Borralho Diretora de Serviços de Saúde / Direção Médica / HESFA Izabel Cristina dos Santos Chefe de Gabinete DG / HESFA Prof a. Maria Catarina Salvador da Motta Diretora Geral do HESFA Izabel Cristina dos Santos Chefe de Gabinete DG / HESFA Prof a. Maria Catarina Salvador da Motta Diretora Geral do HESFA 2

3 Mensagem da Direção Geral A Direção Geral do HESFA/UFRJ saúda os clientes e seus familiares que aqui buscam respostas para a manutenção e recuperação da saúde. O HESFA se orgulha em acolher a população oferecendo serviços de qualidade e contribuindo para a melhoria da saúde de nossos cidadãos. Consideramos o cliente como parte de nossa instituição, pois é ele quem demanda acolhimento, eficiência e segurança do serviço de saúde recebido. Nesse sentido, oferecemos esta carta que apresenta o HESFA com os serviços que prestamos. O HESFA está passando atualmente por um período de muitas obras para oferecer melhores condições de atendimento à população, bem como condições adequadas de trabalho aos nossos funcionários, professores e estudantes. Os professores e estudantes que aqui se formam levam para sua vida profissional a certeza de que aprenderam a cuidar de pessoas e não somente de doentes. Com o objetivo de mantermos um diálogo de troca de conhecimentos com a população, convidamos a todos para serem parceiros na construção desta Carta de Serviços ao Cidadão trazendo as suas contribuições. Atenciosamente, Maria Catarina Salvador da Motta Diretora Geral do HESFA/UFRJ Fale conosco: / Fones: /

4 Sumário Página 1 Introdução A Missão do HESFA A Visão do HESFA Valores do HESFA Compromissos do HESFA/UFRJ no Atendimento ao Cidadão Organogramas do HESFA Direção Geral Ouvidoria Coordenação de Inovação em Tecnologia da Informação em Saúde Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Divisão de Serviço de Saúde Unidade de Cuidados Básicos Direção Médica Unidade de Reabilitação Unidade da Terceira Idade Centro de Testagem Anônima Serviço de Ambulatório Especializado Unidade de Atenção aos Problemas Relacionados a Álcool e Outras Drogas Unidade de Práticas Complementares (UNIPAC) Divisão de Apoio Técnico (DAT) Unidade de Assistência Farmacêutica Unidade de Imagens e Traçados Gráficos Unidade de Nutrição e Dietética Unidade de Análises Clínicas Unidade de Esterilização Unidade de Documentação e Estatística Divisão de Atividades Gerenciais

5 Setor de Patrimônio Setor de Arquitetura e Engenharia Setor de Licitações e Compras Setor de Almoxarifado Setor de Serviços Gerais Divisão de Finanças Setor Financeiro Setor de Faturamento Divisão de Recursos Humanos Setor de Administração de Pessoal Setor de Desenvolvimento de Pessoas Divisão de Desenvolvimento Acadêmico e Científico Coordenação de Cursos e Eventos Coordenação de Estágios / Treinamento Coordenação de Pesquisa Coordenação de Extensão Coordenação de Acervo Bibliográfico Programas PSF...18 Bibliografia Anexos Introdução 5

6 A história do HESFA se confunde com um período importante da história do Brasil. Sua construção data de 1876 quando, na presença da Princesa Isabel, foi colocada a pedra fundamental para a futura hospedaria de mendigos, objetivo para o qual o prédio foi construído. Em 1896, a hospedaria de mendigos passou a se chamar Asilo São Francisco de Assis. Em 1922, contando com o apoio da Fundação Rockfeller/EUA, o prédio foi adaptado e o Asilo recebeu o nome de. Atualmente o HESFA desenvolve a maior parte de suas atividades assistenciais no nível de atenção primária e secundária em saúde. Trabalha com equipe multidisciplinar, se integrando no âmbito municipal na rede do Sistema Único de Saúde. O HESFA, dando continuidade aos propósitos para os quais foi criado, segue proporcionando assistência diferenciada e individualizada à sua clientela. Inserido na Área Programática 1.0(AP.1), tem seu atendimento exclusivamente voltado para o Sistema Único de Saúde. O HESFA, por meio desta Carta de Serviços ao cidadão, vem afirmar o compromisso histórico de prestar assistência multiprofissional integrada, com eficiência e qualidade à sociedade. Neste documento, serão disponibilizadas aos usuários, informações para acesso à assistência e ao ensino oferecidos na Instituição, de forma clara e com transparência. 1. A Missão do HESFA Promover a assistência, o ensino e a pesquisa com qualidade e de forma humanizada, de acordo com as demandas peculiares da Atenção Primária e Secundária de Saúde em consonância com as diretrizes do Sistema Único de Saúde, bem como oferecer serviços de cuidados paliativos e educação para todos os pacientes e familiares no âmbito da instituição e no domicílio dentro de uma perspectiva acadêmica, adotando modelo de gestão participativa. 2. A Visão do HESFA 6

7 O HESFA almeja, até 2020, ser Centro de Referência no Ensino da Atenção Primária e no Cuidado Continuado em Saúde, sendo reconhecido como formador de profissionais na Atenção Primária, dentro dos princípios do Sistema Único de Saúde. 3. Valores do HESFA Nossos valores buscam o ensino com ética, responsabilidade, e respeito, para uma formação íntegra, embora saibamos da importância da educação e valores morais e éticos assimilados desde a infância. Para a formação profissional, julgamos que a integralidade, a multidisciplinaridade são ingredientes essenciais para a Atenção em Saúde e, principalmente para profissionais que desempenharão importantes papéis dentro da Estratégia de Saúde da Família. Temos como premissa o cuidado humanizado e inclusivo, interagindo entre pacientes e seus familiares e/ou responsáveis, no contexto da Atenção Primária em Saúde. 5. Compromissos do HESFA / UFRJ no Atendimento ao Cidadão O corpo funcional do HESFA executará suas atribuições e competências, com base nos valores da Instituição, sem qualquer tipo de preconceito, favorecendo o acesso do cidadão aos serviços disponibilizados. O funcionário se apresentará dizendo seu nome e função a qualquer cidadão, e também o tratará pelo nome, mantendo sua individualidade. O atendimento aos cidadãos será feito de maneira cortês, acolhedora, individualizada, clara e objetiva, respeitando a confidencialidade, a imparcialidade e o código de ética do servidor público federal. O atendimento preferencial ocorrerá conforme legislação vigente e no HESFA será respeitada a classificação de risco à saúde. O HESFA/UFRJ se compromete a aprimorar e manter atualizada sua página na internet, bem como a identificação e sinalização dos setores da Unidade. Serão feitas as adaptações e sinalizações necessárias na Unidade para que seja facilitado o acesso de todos os cidadãos, inclusive os portadores de necessidades especiais. 7

8 Todo ambiente de trabalho deverá seguir os padrões e boas práticas ditadas pelas normas técnicas. O HESFA está situado na Av. Presidente Vargas, 2863 Cidade Nova (entrada principal) / Rua Afonso Cavalcante, 20 (fundos) Centro - Rio de Janeiro CEP: , a 50 metros da estação do metrô Cidade Nova e com ampla rede de linhas de ônibus municipais e intermunicipais, entre as estações da Leopoldina e Central do Brasil e ainda, a 10 minutos da Rodoviária Novo Rio. O HESFA disponibiliza os críticas reclamações / sugestões - localizadas nas portarias, áreas assistenciais e Ouvidoria. As caixas são abertas às 6ªs. feiras. Serviço de Ouvidoria do HESFA Ouvidora: Emiliana Menezes dos Santos Subst. Eventual: Maria Claudia dos Santos Lemos Valéria Matheus Teixeira Fones: / Fax: institucional: Atendimento: segunda a sexta feira Horário: 8:00 às 17:00h. Site do HESFA: Fale conosco: O usuário do HESFA tem ainda a seu dispor a Ouvidoria Geral da UFRJ. Ouvidora-Geral da UFRJ: Profa Cristina Ayoub Riche Institucional: Fone: Assessoria: Nilza Maria Mendonça Direção Geral do HESFA 8

9 O Diretor Geral do HESFA desenvolve todas as atribuições segundo as competências a ele conferidas através de portaria publicada no Diário Oficial da União, deliberando, autorizando, assinando e executando a Conformidade da Gestão da Unidade. O Vice-Diretor tem as mesmas atribuições do Diretor Geral, uma vez que o substitui em suas ausências. Direção Geral: Diretora Profa. Maria Catarina Salvador da Motta COREN: Vice-Diretor Prof. Roberto José Leal COREN: Chefia de Gabinete Izabel Cristina dos Santos SIAPE: Gabinete DG: Localizado junto à Direção Geral (Mesanino) Horário de Funcionamento: 08:00 às 17:00h Contatos com o Gabinete da Direção Geral do HESFA - poderão ser feitos por meio dos telefones: / / ou através do - Secretaria do Gabinete DG Localizado junto à Direção Geral (1º piso) Horários de Funcionamento: 07:00 às 17:00h Contatos com a Secretaria do Gabinete da DG do HESFA - poderão ser feitos por meio dos telefones: / ou através do OBS: A Comissão de Ética (CE) do HESFA está em fase de estruturação, contudo, temos participação efetiva (assento e voto) no Conselho Distrital de Saúde da AP- 1.0 (CODS AP1) e sediamos as reuniões do Conselho Ouvidoria A Ouvidoria é um instrumento ao qual todo cidadão tem o direito de utilizar, através de críticas e/ou sugestões ao atendimento ou serviços prestados, cabendo ao Ouvidor buscar as respostas necessárias ao usuário, contribuindo efetivamente para a melhoria na qualidade do serviço prestado pela Unidade. Os registros poderão ser feitos de modo direto, por telefone, ou na caixa de sugestões e críticas. Ouvidora: Emiliana Menezes dos Santos Subst. Eventual: Maria Claudia dos Santos Lemos 9

10 Valéria Matheus Teixeira Funcionamento: 2ª a 6ª feira, de 08:00 às 17:00h Fones: / Fax: Coordenação de Inovação e Tecnologia da Informação em Saúde (CITIS) Responsável pela gerência de projetos e programas de inovação, tanto de Educação em Saúde, quanto de informações diversas, utilizando os recursos tecnológicos que contemplem o Ensino, a Extensão e a Assistência. Coordenador: Marcio Barbosa França Responsável Técnico: Marcio Barbosa França Contatos com a CITIS Fone / Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Desenvolve junto à Direção um trabalho, de acordo com a Lei nº 9431, de 06 de Janeiro de 1997, visando minimizar riscos de contaminação e/ou propagação de patógenos no ambiente hospitalar, de acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Coordenadora: Márcia Soares Substituta eventual Danielle Amaral de Freitas Funcionamento: 2ª,4ª,6ª feiras 07:00 às 18:00h 3ª e 5ª feiras 07: às 13:00h Contatos com a CCIH Fone Divisão de Serviço de Saúde Responsável pelas atividades assistenciais, incluindo a oferta, a qualidade e o modelo de prestação de serviços e a gestão de recursos humanos. É uma estrutura complexa, cujas atividades precisam ser desenvolvidas e articuladas como uma rede de hospitais da UFRJ e Rede Pública de Saúde. O acolhimento, a interdisciplinaridade, a integralidade e a resolutividade são os pilares dessa Divisão. Diretora da DSS: Profª Ana Maria Vergueiro Borralho Contatos com a DSS Fone

11 Unidade de Cuidados Básicos (UCB) A Clientela é constituída de crianças, adolescentes, mulheres e homens nas diferentes etapas do ciclo de vida. O modelo de serviços está voltado para o auto-cuidado, através de programas específicos e ações educativas individualizadas e coletivas. As Especialidades Clínicas da UCB são: - Clínica Médica 2ª a 6ª feira, de 13:00 às 17:00h Dr. André Feingold CRM: CRMRJ Pediatria 2ª feira, de 08:00 às 12:00h / 3ª e 5ª feira, de 08:00 às 17:00h. Dr. Edson Esporcatte CRM: CRM Gineco-Obstetrícia 3ª feira de 08:00 às 12:00h e 4ª feira de 13:00 às 17:00h Drª. Roberta Aguiar Negri Ferreira CRMRJ Cardiologia 2ª,3ª,4ª e 6ª 08:00 às 12:00h e 5ª feira de 08:00 às 17:00h Dr. Cândido Ignácio Ferreira Fontes CRM: CRM Contatos com a UCB Fone e Direção Médica O Diretor Médico detém a Responsabilidade Técnica do Hospital junto ao CREMERJ e Órgãos de Vigilância Sanitária. Responsável Técnico: Drª Ana Maria Vergueiro Borralho CRM: Contatos com a DM Fone Unidade de Reabilitação (UR) Realiza atendimento ambulatorial a portadores de deficiência física, de seqüelas provenientes de patologias traumáticas, neurológicas, ortopédicas, disfunções posturais e demais quadros associados à reabilitação funcional. Atende adultos e crianças com paralisia cerebral e déficit de desenvolvimento cognitivo e motor. Coordenadora: Maria Bernadete Figueiredo Tavares CRF:

12 Funcionamento: 2ª à 6ª feira, de 08:00 às 17:00h Contatos com a UR Fone Unidade da Terceira Idade (UnTI) Promove a atenção integral à Saúde do Idoso através de um trabalho multiprofissional e interdisciplinar, favorecendo adaptação às mudanças, visando assegurar as possibilidades de reintegração à família e inclusão social. Localizada próximo à Capela São Francisco de Assis. Coordenadora: Vanda Seabra Pereira Pinto Funcionamento: 2ª a 6ª feira, 08:00 às 17:00h Contatos com a UnTI Fone Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) É um Centro de referência para o Estado do Rio de Janeiro na capacitação em aconselhamento de DST/HIV/AIDS. O CTA realiza exames sorológicos para HIV e Sífilis, com aconselhamento pré e pós teste, onde a avaliação e a redução de riscos ocorre a partir do acolhimento e da relação dialógica entre o usuário e o profissional. Coordenadora: Sandra Regina Barros Telles Rodrigues CRESS ªR Funcionamento: 2ª a 6ª feira de 08:00 às 17:00h Contatos com o CTA Fone / Serviço de Ambulatório Especial (SAE) É o serviço ambulatorial especializado no atendimento e acompanhamento de adultos e crianças portadores de HIV/AIDS, fornecendo a medicação para o tratamento. Atua com equipe interdisciplinar composta de médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas e técnicos de enfermagem. Coordenadora: Drª. Louise Bastos Schilkowsky CRM: CRM Funcionamento: 2ª a 6ª feira, de 08:00 às 17:00h Médicos: Drª. Ana Beatriz de Matos Marinho Sampaio CRM: CRMRJ Dr. Marcelo Ribeiro Schirmer CRM: CRMRJ Dr. Márcio de Figueiredo Fernandes CRMCR

13 Contatos com o SAE Fone / Unidade de Atenção aos Problemas Relacionados ao Álcool e Outras Drogas (UNIPRAD) Tem como objetivo atuar no campo de álcool, drogas e outros transtornos do impulso que tanto afligem à sociedade. Tem uma proposta transdisciplinar para prevenção e tratamento de adultos, adolescentes, crianças e familiares /responsáveis. Coordenadora: Aline de Fátima Muniz da Silva Médicos: Prof. José Mauro Brás de Lima CRM: Drª. Lara Mazur Lipman CRMERJ: / Residente Funcionamento: 2ª a 6ª feira, de 08: às 17:00h Contatos com a UNIPRAD Fone Unidade de Práticas Complementares (UNIPAC) Atende os pacientes do SUS, integrando as técnicas da Medicina Ocidental com a Medicina Tradicional Oriental, Complementar ou Alternativa, conforme estratégias definidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Coordenadora: Eliene Maria Santana Reis Crefito F Funcionamento: 2ª a 6ª feira, de 08:00 às 17:00 h Contatos com a UNIPAC Fone Divisão de Apoio Técnico (DAT) É responsável pelas atividades de assistência nutricional, de esterilização, documentação e estatística, Laboratório de Análises Clínicas, Técnicas de Imagens e Traçados Gráficos e Serviço de Farmácia. Diretor da DAT: Prof. Roberto José Leal COREN: Contatos com a DAT Unidade de Assistência Farmacêutica É responsável pela qualidade, armazenamento, distribuição, controle e manipulação de medicamentos e produtos afins utilizados no HESFA. Responsável Técnico: Marilene de Castro Barbosa CRF: CRF-RJ

14 Funcionamento da Farmácia: 07:00 às 17:00h Contatos com a Farmácia Fone Unidade de Imagens e Traçados Gráficos É responsável pelos procedimentos diagnósticos, realização, processamento e interpretação das imagens obtidas por radiografia, endoscopias, em traçados gráficos aplicados em papel ou filme especial. Contatos Fone Unidade de Nutrição e Dietética É responsável pela assistência nutricional aos clientes assistidos no ambulatório. Prescreve alimentação adequada às necessidades fisiopatológicas da clientela, em harmonia com os princípios da Ciência e da Nutrição. Contatos Fone Unidade de Análises Clínicas É responsável pela análise laboratorial dos líquidos biológicos da clientela assistida no HESFA ou oriundas de outras instituições ligadas ao SUS. Coordenador: Marco Antonio Barbas Bessa CRBio 60868/02 Contatos Fone Unidade de Esterilização É responsável pela lavagem, preparo, esterilização e distribuição de material para uso em procedimentos. Coordenadora: Emiliana Menezes dos Santos SIAPE: Contatos com a UE Fone Unidade de Documentação e Estatística É responsável pela abertura, guarda e manutenção de prontuários, documentos, estatística com a sistematização e consolidação das informações geradas pelas unidades assistenciais. Contatos com o Arquivo Divisão de Atividades Gerenciais 14

15 É responsável pelas atividades relacionadas à administração em geral da Instituição, abrangendo as áreas de conservação, guarda e segurança do patrimônio, licitações e compras. Diretor: Maurício Schirmer SIAPE: Contatos Fone Setor de Patrimônio É responsável pelo registro e controle de bens móveis do hospital Contatos Fone Setor de Arquitetura e Engenharia Tem por finalidade o direcionamento das ações de preservação e restauração do conjunto edificado do HESFA. Este setor trabalha em conjunto com a Divisão de Preservação de Imóveis Tombados (DIPRIT) / Escritório Técnico Universitário (ETU). Coordenadora: Dalva de Castro Moreira da Silva CREA 49553/D Contatos Fone Setor de Licitações e Compras É responsável por todas as aquisições do HESFA. Coordenador: Rodrigo Figueiredo da Gama SIAPE: Contatos Fone Setor de Almoxarifado Tem por finalidade o armazenamento, estoque e distribuição de todos os insumos utilizados no HESFA. Contatos Fone Setor de Serviços Gerais É responsável pela manutenção e conservação predial, vigilância, portarias, transporte e mensageiros. 15

16 Coordenador: Joeler Vargas SIAPE: Contatos Fone Divisão de Finanças É responsável por todo controle orçamentário e financeiro do HESFA. Diretor: Sérgio Luiz Pereira Contato Fone Setor Financeiro É responsável por toda contabilidade e pagamentos do hospital Coordenadora: Elizabeth de Oliveira Pereira SIAPE: Contato Setor de Faturamento Responsável pela estatística de toda produção do hospital, alimentando o Sistema de Regulação. Contato Divisão de Recursos Humanos Tem por responsabilidade estabelecer a política de Recursos Humanos da Instituição, em conformidade com os princípios e diretrizes da PR4/ UFRJ. Diretora: Nair Flor de Oliveira Pires SIAPE: Contatos com a DRH Fone Setor de Administração de Pessoal Tem como responsabilidade orientar, coordenar e acompanhar as ações administrativas que visam a adequação funcional dos servidores às prerrogativas e limitações legais. Manter o controle sobre o trâmite das documentações / processos na UFRJ. Coordenadora: Maria Cristina da Rocha Vidinho SIAPE:

17 Contato com SAP Fone Setor de Desenvolvimento de Pessoas Realiza levantamento das necessidades de treinamento/capacitação dos servidores do hospital, visando a organização de cursos e eventos. Propor convênios com Instituições de ensino visando aprimoramento do servidor e para campo de estágio para formação profissional. Coordenador: Eudes dos Santos SIAPE: Contato com SDP Fone Divisão de Desenvolvimento Acadêmico e Científico (DDAC) Desenvolve atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão, sob a coordenação de Professores-doutores, com a participação efetiva dos servidores Técnicoadministrativos do HESFA. Sua proposta é disponibilizar a Instituição como campo de prática para o Ensino de Graduação e Pós-Graduação, criando acordos de cooperação mútua com outras instituições dentro e fora da UFRJ, gerando conhecimento através de linhas de Pesquisa e da Assistência. Diretora da DDAC: Profª Ligia de Oliveira Viana Contato com DDAC Fone / / Coordenação de Cursos e Eventos Propõe e organiza os Cursos e Eventos realizados no HESFA. Coordenadora: Profª Lúcia Botto Polido Coordenação de Estágios / Treinamentos Coordena Estágios de Graduação, Pós-Graduação e Residência Multiprofissional e Residência de Saúde da Mulher. Coordenadora: Profª. Ann Mary Machado Tinnoco Feitosa Coordenação de Pesquisa 17

18 Responsável pela Avaliação e Aprovação das Pesquisas realizadas no HESFA. Coordenadora: Profª. Ligia Oliveira Viana Coordenação de Extensão Responsável pela avaliação e aprovação dos Projetos de Extensão realizados no HESFA Coordenação de Acervo Bibliográfico No momento está desativada. Aguardamos condições adequadas porque já iniciamos o restauro do HESFA Programas em Funcionamento no HESFA Todas as unidades assistenciais e de ensino no HESFA têm programas pertinentes, já descritos nas atividades relacionadas anteriormente. Em destaque, temos o Programa de Saúde da Família, em convênio com a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro (SMSDC-RJ). O PSF é constituído de 03 equipes, com a gerência da Profa. Elisabete Pimenta Araújo Paz, da Escola de Enfermagem Anna Nery. 18

19 Bibliografia: 1. Brasil Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Gestâo. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA; Prêmio Nacional de Gestão Pública PQGF. Carta de Serviços ao Cidadão; Brasília ; MP, SEGES, Versão 2/ p 2. Brasil. Controladoria Geral da União (CGU) Acesso à Informação Púbica: Uma Introdução à Lei de 18 de novembro de Brasília:CGU, Carta dos Direitos do Usuário da Saúde MS Site : / ouvidoriageral.ufrj.br 19

20 20 HESFA/UFRJ

21 Direção Geral Vice Direção Ouvidoria Comissão de Ética CCIH Coordenação de Inovação e Tecnologia da Informação em Unid. de Reabilitação Divisão de Serviço de Saúde Unid. de Cuidados Básicos de Saúde Unid. da Terceira Idade Serviço Ambulatorial Inicializado Unid. Aten. Prob. Álcool Outras Drogas Unid. de Práticas Complementares Centro de Testagem e Aconselhamento Unid. de Assistência Farmacêutica Unid. de Nutrição e Dietética Divisão de Apoio Técnico Unid. de Análises Clínicas Divisão de Desenvolvimento Acadêmico - Científico Setor. de Serviços Gerais Setor de Licitações e Compras Divisão de Atividades Gerenciais Manutenção Unid. Imagem e Traçados Gráficos Setor de e Arquitetura e Engenharia Setor de Almoxarifado Setor de Patrimônio Vigilância Unidade de esterilização Unidade de documentação / Estatística Unid. Estágios / Treinamentos Unid. de Projetos e Pesquisas Unid. de Cursos e Eventos CEP Transportes Unid. de Acervo Bibliográfico Limpeza

HESFA/UFRJ Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis

HESFA/UFRJ Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis 2 HESFA/UFRJ Apresentação A Carta de Serviços ao Cidadão é um instrumento que tem como finalidade estreitar as relações da instituição com o cidadão, garantindo aos usuários a expressão de seus sentimentos,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA RELATÓRIO DE 2011 Em 2011, o Vila Fátima deu continuidade aos seus programas de ensino-serviço. Esta unidade acadêmica descentralizada é uma projeção da Universidade ao seu meio, e, como tal, oferece um

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira

FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO. Profª Omara Machado Araujo de Oliveira FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO Profª Omara Machado Araujo de Oliveira Nutricionista (UFF) Mestre em Saúde Coletiva (UFF) Pós-Graduada em Nutrição Clínica ( UFF) ATRIBUIÇÕES LEGAIS E ESPECÍFICAS DO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações Circular S/SUBPAV/SAP n.º 10/2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Pagamento de gratificações Rio de Janeiro, 15 de abril de 2011. CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR PROGRAMA Nº- 125 GESTÃO PELA QUALIDADE - I Código Descrição SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVOS: Implantar um novo modelo de gestão pela qualidade que dinamiza a capacidade de gestão, agilize

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Unidade Integrada de Saúde Mental U I S M 1 ENDEREÇO: MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA UNIDADE INTEGRADA DE SAÚDE MENTAL

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO P O R T A R I A N. º 5 0 8 D E 1 5 D E J U L H O D E 2 0 1 1. O Reitor do Instituto Federal do Paraná, no uso da competência que lhe confere o Decreto de 13 de junho de 2011, da Presidência da República,

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA APRESENTAÇÃO A CARTA DE SERVIÇOS atende a uma indicação do Programa Nacional de Gestão Pública, aderido pela Prefeitura do Município de Porto Velho, cujo programa é coordenado pela Secretaria Municipal

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ]

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A SAÚDE [ ] CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA SAÚDE COLETIVA - ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE PROMOÇÃO A SAÚDE [ ] ASSISTÊNCIA A

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS APROVADO PELO CONSELHO DIRETOR EM SESSÃO DE 15/12/2011 TÍTULO I DA POLÍTICA, DOS OBJETIVOS

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO BENEDITO, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal, aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO BENEDITO, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal, aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI ORDINÁRIA Nº 929/2015, DE 09 DE FEVEREIRO DE 2015 Altera a Lei Municipal nº 922/2014 e seu anexo e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE SÃO BENEDITO, no uso de suas atribuições legais, faz

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Instituto Couto Maia

Instituto Couto Maia Instituto Couto Maia Hospital Couto Maia 1853: ato de criação do Hospital de Isolamento de Monte Serrat Objetivo: assistir pacientes com febre amarela desembarcados de navios mercantes Construção de 160

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS

Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Minuta REGIMENTO DO ARQUIVO CENTRAL DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1.º O ARQUIVO CENTRAL (ACE) é órgão de natureza complementar da Fundação Universidade

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA

NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária NOTA TÉCNICA Nº 055/2013 GRECS/GGTES/ANVISA Esclarecimentos sobre artigos da RDC Anvisa nº 29/2011 e sua aplicabilidade nas instituições conhecidas como Comunidades

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 Define diretriz para a política de atenção integral aos portadores da doença de Alzheimer no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

Secretarias, competências e horários de funcionamento. Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão

Secretarias, competências e horários de funcionamento. Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão Secretarias, competências e horários de funcionamento Secretaria de Administração, Planejamento e Gestão (Horário de funcionamento: das 07:00 as 13:00 horas) I - recebimento e processamento de reclamações,

Leia mais

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo Conhecendo o Grupo 18 COLÉGIOS - PR / SC / RJ / SP/ RS 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HUSF FUNCLAR FUNDAÇÃO CLARA DE ASSIS UNIFAG UNIDADE DE PESQUISA

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais