Guia de Consulta Rápida. Oracle 10g SQL. Rubens Thiago de Oliveira. Novatec Editora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Consulta Rápida. Oracle 10g SQL. Rubens Thiago de Oliveira. Novatec Editora"

Transcrição

1 Guia de Consulta Rápida Oracle 10g SQL Rubens Thiago de Oliveira Novatec Editora

2 2 Copyright 2004 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização, por escrito, do autor e da Editora. Editor: RUBENS PRATES ISBN: Primeira edição: Julho/2004 Primeira reimpressão: Novembro/2006 NOVATEC EDITORA LTDA. Rua Luís Antônio dos Santos São Paulo SP Brasil Tel.: Fax: Site:

3 Sumário 3 Informações gerais... 4 Sobre o autor... 4 Notação sintática utilizada neste guia... 4 Comentários e sugestões... 4 Comandos SQL... 5 Cláusulas Operadores Operadores aritiméticos Operadores de concatenação Operadores de comparação Operadores lógicos Operadores de conjunto Operadores de multi conjunto Outros operadores SQL Pseudo Colunas Formatos Formatos numéricos Formatos de datas e horas Tipos de dados (Datatypes) Funções Funções numéricas Funções de caracteres Funções de valores numéricos Funções de datas Funções de conversão Funções de coleção Outras funções Funções de agrupamento Funções analíticas Funções de objeto referência Funções de modelo Índice remissivo

4 4 Informações gerais Informações gerais Sobre o autor Rubens Thiago de Oliveira, natural de Santos SP, é Bacharel em Ciências da Computação pela Universidade Santa Cecília (UNISANTA) em 1990, MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em Trabalha há quatorze anos na área de TI e exerce a função de DBA Oracle há dez anos. Participou de projetos em várias empresas reconhecidas no mercado atuando em instalações, migrações, configurações, modelagem de dados, tuning de aplicações e banco de dados. Autor dos guias de consulta rápida Oracle 8 SQL (2000) e Oracle 9i SQL (2002), também escreve matérias para o website de profissionais Oracle. Para entrar em contato com o autor envie um para ou visite sua home page em Notação sintática utilizada neste guia itens em itálico Identificam as informações que devem ser fornecidas pelo DBA ou desenvolvedor. [ ] Na sintaxe dos comandos, os itens dentro de colchetes indicam mais opções do comando. Identifica as partes de um comando que podem ser repetidas. {opção1 opção2..} Comentários e sugestões Indica que deve ser escolhida uma opção entre duas ou mais alternativas. Comentários e sugestões sobre este guia serão bastante apreciados. Podem ser enviados para o Conheça o site da Novatec Editora em:

5 Comandos SQL Comandos SQL ALTER CLUSTER Altera as características de armazenamento e paralelismo de um cluster. ALTER CLUSTER [esquema.]cluster [PCTFREE inteiro] [PCTUSED inteiro] [INITRANS inteiro] [MAXTRANS inteiro] {STORAGE (INITIAL inteiro [K M G T] NEXT inteiro [K M] MINEXTENTS inteiro MAXEXTENTS [inteiro UNLIMITED] PCTINCREASE inteiro FREELISTS inteiro FREELISTS GROUPS inteiro OPTIMAL [ inteiro [K M] NULL]] BUFFER_POOL [ KEEP RECYCLE DEFAULT]]} [SIZE inteiro [K M G T] [ALLOCATE EXTENT [([SIZE inteiro [K M G T] [DATAFILE nome_datafile ] [INSTANCE inteiro])] [DEALLOCATE UNUSED [KEEP inteiro {K M G T}] [CACHE NOCACHE] [PARALLEL inteiro NOPARALLEL]; Parâmetro SIZE ALLOCATE EXTENT SIZE DATAFILE INSTANCE DEALLOCATE UNUSED KEEP CACHE NOCACHE PARALLEL NOPARALLEL ALTER DATABASE Significado 5 Númerodechavesqueserãoarmazenadasno cluster. Especifica a reserva de uma nova extensão. Tamanho (em bytes) de uma extensão do cluster. Datafile onde será reservada a nova extensão. Cria uma nova extensão disponibilizando um grupo de listas livres (freelists). Liberaumaextensãoreservadaanteriormente. Quantidade (em bytes) a ser liberada. Quantidade de blocos que ficarão na área de buffer cache do banco de dados. Quantidade de blocos que não ficarão na área de buffer cache do banco de dados. Define o grau de paralelismo do cluster. Define que o cluster não terá execução em paralelo. Altera as principais características de um banco de dados, permite também a conversão e a realização de backups. ALTER DATABASE [banco] [MOUNT [STANDBY CLONE ] DATABASE] [OPEN [READ WRITE] [RESETLOGS NORESETLOGS] [UPGRADE DOWNGRADE] [READ ONLY] [cláusula_recover] [RENAME FILE nome_anterior TO nome_novo ] [CREATE DATAFILE [ arquivo número_arquivo] AS [ arquivo NEW]] [DATAFILE [ arquivo número_arquivo] [ONLINE OFFLINE [FOR DROP]] [RESIZE [inteiro [K M G T]] [AUTOEXTEND [OFF ON [NEXT inteiro [K M G T] [MAXSIZE [UNLIMITED inteiro [K M G T]]] [END BACKUP]

6 6 Comandos SQL [TEMPFILE [ arquivo número_arquivo] [RESIZE [inteiro [K M G T]] [AUTOEXTEND [OFF ON [NEXT inteiro [K M G T] [MAXSIZE [UNLIMITED inteiro [K M G T]]] [DROP INCLUDING DATAFILES] [ONLINE OFFLINE] [ARCHIVELOG [MANUAL] NOARCHIVELOG] [[NO] FORCE LOGGING] [RENAME FILE nome_anterior TO nome_novo ] [CLEAR [UNARCHIVED] LOGFILE {GROUP inteiro (arquivo [,arquivo]...) arquivo} [UNRECOVERABLE DATAFILE]] [ADD [STANDBY] LOGFILE [INSTANCE nome_instância'] THREAD integer] [GROUP inteiro] arquivo [,arquivo]...] [MEMBER arquivo [REUSE],... TO {GROUP inteiro (arquivo[,arquivo]...)arquivo }] [DROP [STANDBY] LOGFILE] {GROUP inteiro (arquivo [,arquivo]...) arquivo }...] [ADD [STANDY] LOGFILE MEMBER arquivo [REUSE] TO {GROUP inteiro (arquivo[,arquivo]...)arquivo }] [[ADD DROP] SUPPLEMENTAL LOG DATA ([ALL PRIMARY KEY UNIQUE FOREIGN KEY]) COLUMNS] [CREATE [LOGICAL PHYSICAL] STANDBY CONTROLFILE AS arquivo REUSE] [BACKUP CONTROLFILE TO arquivo [REUSE] [TRACE AS 'nome_arquivo' [REUSE] [RESETLOGS NORESETLOGS]] [ACTIVATE [PHYSICAL LOGICAL] STANDBY DATABASE] [SKIP STANDBY LOGFILE] [SET STANDBY DATABASE TO MAXIMIZE [PROTECTION AVAILABILITY PERFORMANCE]] [REGISTER [OR REPLACE] [PHYSICAL LOGICAL] [LOGFILE, arquivo... FOR nome_sessão_logminer] [[PREPARE COMMIT] TO SWITCHOVER TO [PHYSICAL LOGICAL] PRIMARY] [PRIMARY STANDBY] [WTIH WITHOUT] SESSION SHUTDOWN [WAIT NOWAIT]] [LOGICAL STANDBY] [CANCEL] [START LOGICAL STANDBY APPLY [IMMEDIATE][NODELAY]] [NEW PRIMARY dblink INITIAL valor_scn SKIP FAILED TRANSACTION FINISH]] [[STOP ABORT] LOGICAL STANDBY APPLY] [NOPARALLEL PARALLEL inteiro] [SET DEFAULT [BIGFILE SMALLFILE] TABLESPACE] [DEFAULT TABLESPACE tablespace] [DEFAULT TEMPORARY TABLESPACE [tablespace nome_grupo_tablespace] [RENAME GLOBAL_NAME TO banco[.domínio]] [ENABLE BLOCK CHANGE TRACKING [USING FILE 'nome_arquivo' REUSE] [DISABLE BLOCK CHANGE TRACKING]] [FLASHBACK [ON OFF]] [SET TIME_ZONE = '+/- hh:mi ' região_zona_tempo] [[ENABLE DISABLE][INSTANCE instância [PUBLIC] THREAD [inteiro]] [GUARD [ALL STANDBY NONE]]; cláusula_recover :: = RECOVER [AUTOMATIC] [FROM localização ] [STANDBY] [DATABASE] [UNTIL [CANCEL TIME data CHANGE inteiro] [USING BACKUP CONTROLFILE] [TABLESPACE tablespace] [DATAFILE datafile número_arquivo]

7 Comandos SQL 7 [STANDBY][TABLESPACE tablespace DATAFILE datafile número_arquivo] [UNTIL [CONSISTENT WITH] CONTROLFILE] [LOGFILE arquivo_log ] [TEST ALLOW inteiro CORRUPTION [NOPARALLEL PARALLEL inteiro] [CONTINUE [DEFAULT]] [CANCEL] [RECOVER MANAGED STANDBY DATABASE] [DISCONNECT [FROM SESSION] [TIMEOUT inteiro NOTIMEOUT] [NODELAY DEFAULT DELAY DELAY inteiro] [NEXT inteiro] [EXPIRE inteiro NO EXPIRE] [NOPARALLEL PARALLEL inteiro] [USING CURRENT LOGFILE] [UNTIL CHANGE inteiro] [THROUGH [THREAD inteiro] SEQUENCE inteiro [ALL ARCHIVELOG] [[ALL LAST NEXT] SWITCHOVER] [CANCEL [IMMEDIATE [ WAIT NOWAIT]] [DISCONNECT [FROM SESSION] [NOPARALLEL PARALLEL inteiro] [FINISH SKIP [STANDBY LOGFILE] [WAIT NOWAIT]]] [BEGIN END] BACKUP] Parâmetro Significado MOUNT Monta um banco de dados. STANDBY Monta um banco de dados em standby. CLONE DATABASE OPEN READ WRITE RESETLOGS NORESETLOGS Monta um banco de dados clonado. Abre um banco de dados, tornando-o disponível para uso. Deve-se montá-lo antes de abrí-lo. Não é possível abrir um banco de dados que esteja em standby. Abre o banco de dados no modo de leitura e gravação (opção default). Elimina a seqüência dos logs correntes e descarta qualquer informação do redo log. Quando esta cláusula é utilizada, a recuperação do banco de dados deverá ser realizada por meio da cláusula RECOVER. Mantém a seqüência do log corrente, permitindo o recover do banco de dados (opção default). UPGRADE DOWNGRADE Abreumbancodedadospermitindorealizar somente um upgrade ou downgrade. READ ONLY cláusula_recover AUTOMATIC FROM 'localização' STANDBY DATABASE DATABASE UNTIL CANCEL Abreobancodedadospermitindosomente a leitura. Permite realizar operações de backup com o banco de dados. Geraarestauraçãoautomáticadosarquivos de redo logs no banco de dados. Localização onde serão lidos os arquivos de logs. Recuperação do banco de dados inteiro em modo standby. Recuperação do banco de dados inteiro. Indica que a recuperação do banco de dados ocorrerá até seu cancelamento automático.

8 8 Comandos SQL UNTIL TIME UNTIL CHANGE Indica que a recuperação do banco de dados ocorrerá até uma data especificada no formato 'YYYY-MM-DD:HH24:MI:SS'. Indica que a recuperação do banco de dados ocorrerá até a alteração do número do SCN (System Change Number). USING CURRENT LOGFILE Recupera o arquivo de log em tempo real. USING BACKUP CONTROLFILE Recupera o banco de dados utilizando o arquivo de control file. TABLESPACE DATAFILE STANDBY TABLESPACE STANDBY DATAFILE Recupera o conteúdo de uma tablespace. Recupera o conteúdo de um datafile. Reconstrói uma tablespace de um banco de dados em modo standby. Reconstrói um datafile de um banco de dados em modo standby. UNTIL [CONSISTENT WITH] CONTROLFILE Reconstrói uma tablespace ou um datafile de um banco de dados em modo standby utilizando o arquivo de control file. LOGFILE Permite continuar aplicando o conteúdo do arquivo de redo log. TEST Testa o modo de recuperação. ALLOW... CORRUPTION Número de blocos corrompidos tolerados durante o processo de recuperação. NOPARALLEL Indica que a execução do banco será serial (opção default). PARALLEL Grau de paralelismo do banco de dados. CONTINUE Permite continuar o processo de recuperação, caso ele seja interrompido. A opção DEFAULT permite continuar a recuperação utilizando o mesmo arquivo de redo log. CANCEL Cancela o processo de recuperação. RECOVER MANAGED STANDBY DATABASE Recuperação automática de um banco de dados em modo standby. NODELAY DEFAULT DELAY DELAY inteiro Permite aplicar um arquivo de redo log atrasado especificando um intervalo (em minutos) de tempo em um banco de dados. A cláusula NODELAY aplica o arquivo de redo log imediatamente. NEXT inteiro EXPIRE inteiro TIMEOUT THROUGH CANCEL IMMEDIATE Indica o número do próximo arquivo de redo log deverá ser aplicado. Determina o tempo em minutos que a operação de recovery deverá terminar automaticamente. Tempo (em minutos) de espera de uma operação de recuperação. Instruiobancodedadosparaterminarorecorver. Pode ser utilizado como THROUGH..SEQUENCE, THROUGH ALL ARCHIVELOG,THROUGH..SWITCHOVER. Cancela uma operação de recuperação de um banco de dados em modo standby. Cancela imediatamente a operação de recuperação de um banco de dados.

9 Comandos SQL NOWAIT DISCONNECT FROM SESSION FINISH NOWAIT BEGIN BACKUP END BACKUP CREATE DATAFILE AS NEW AS DATAFILE ONLINE OFFLINE FOR DROP RESIZE END BACKUP TEMPFILE DROP INCLUDING DATAFILES AUTOEXTENT ON AUTOEXTENT OFF NEXT MAXSIZE UNLIMITED ARCHIVELOG MANUAL NOARCHIVELOG [NO] FORCE LOGGING 9 Cancela imediatamente a operação de recuperação de um banco de dados desprezando a resposta do processo de recover. Indica que o processo de recuperação do banco de dados em modo standby será desconectado. Desconecta a sessão que está fazendo a recuperação do banco de dados. Recuperaologfileatualdobancodedados em standby. Retornaimediatamenteocontroledobanco de dados após concluído o processo de recuperação. Indica o início da operação de backup de banco de dados. Indica o término da operação de backup de banco de dados. Cria um novo datafile vazio no lugar do datafile antigo. Cláusula utilizada para recriar datafiles. Cria um datafile com um nome gerado automaticamentepelosistemaoperacional. Permitequeonomedodatafilesejadefinido pelo usuário. Altera os parâmetros de um datafile. Coloca o datafile on-line. Coloca o datafile off-line. Elimina o datafile especificado. Altera o tamanho de um datafile. Terminaumbackupcasoobancodedados tenha sido interrompido por uma falha de sistema. Cria ou recria um arquivo temporário. Eliminaumarquivotemporáriodobancode dados. Remove o arquivo temporário incluindo o datafile. Habilita o modo de extensão automática. Desabilitaomododeextensãoautomática. Tamanho (em bytes) da próxima extensão. Tamanho máximo em disco permitido para as extensões automáticas de um datafile. Permite que uma extensão automática não possua limites de espaço em disco de um datafile ou tempfile. Habilita o modo de arquivamento ativo. O Oraclearmazenaasinformaçõesdos redo logs em arquivos separados em disco, possibilitando voltar o posicionamento do banco de dados a qualquer momento. Permite que o arquivamento dos redo logs seja controlado pelo usuário. Desabilita o modo de arquivamento subescrevendo os arquivos de redo logs, impossibilitando a volta das transações do banco de dados. Coloca o banco de dados em modo de Force Logging.

10 10 Comandos SQL RENAME FILE CLEAR LOGFILE ADD [STANDBY] LOGFILE INSTANCE THREAD GROUP arquivos DROP LOGFILE DROP LOGFILE MEMBER Renomeia datafiles, tempfiles e membros de redo logs. Inicializa um arquivo de redo log. Adiciona um ou mais grupos de redo logs. Indica o nome da instância onde será adicionado o arquivo de log. Usado para RAC (Real Application Cluster). Ativa a thread dos redo logs (Oracle Real Application Cluster). Grupos de arquivos de redo logs. Se este parâmetro for omitido, o Oracle gerará o grupo automaticamente. Especifica o(s) grupo(s) de um ou mais membro(s) de redo log files. Remove os membros de um grupo de redo log. Remove um ou mais membros de um redo log. ADD SUPPLEMENTAL LOG DATA Permite colocar dados adicionais no log do bancodedados.essainformaçãopodeser utilizada pelo utilitário LogMiner. ADD [STANDBY] LOGFILE MEMBER Adiciona novos membros aos grupos de redo logs. PRIMARY KEY COLUMNS Permite colocar dados adicionais no log do banco de dados, referente a colunas com chaves primárias. UNIQUE INDEX COLUMNS Permite colocar dados adicionais no log do banco de dados, referente a colunas com índices únicos. DROP SUPPLEMENTAL LOG DATA Impede o banco de dados de armazenar informações adicionais no log. UNARCHIVED Reinicia um arquivo de redo log não permitindo o arquivamento automático. UNRECOVERABLE DATAFILE Permite recuperar um banco de dados com um datafile irrecuperável. CREATE STANDBY CONTROLFILE Cria um arquivo de control file para ser utilizado por um banco de dados em modo standby. BACKUP CONTROLFILE TO arquivo TO TRACE RESETLOGS NORESETLOGS Efetua o backup do arquivo de control file. Cria um novo nome para o arquivo do control file que será copiado. Criaumarquivotextonodiretóriode dump do banco de dados (parâmetro definido no arquivo init.ora). Especifica que o arquivo usará a cláusula ALTER DATABASE OPEN RESETLOGS. Especifica que o arquivo usará a cláusula ALTER DATABASE OPEN NORESETLOGS. ACTIVATE STANDBY DATABASE Altera o estado de um banco de dados standby para banco de dados ativo. LOGICAL Ativa o banco de dados lógico em standby.

11 Comandos SQL 11 PHYSICAL Ativa o banco de dados físico em standby. Valor default. SET STANDBY DATABASE Habilita o banco de dados para o modo standby. MAXIMIZE PROTECTION AVAILABILITY PERFORMANCE REGISTER LOGFILE OR REPLACE Habilita a máxima proteção de um banco de dados em standby. Habilita a máxima proteção e a alta disponibilidade de um banco de dados em standby. Habilitaamáximaperformancedeumbanco de dados em standby. Registra o arquivo de log file com erro, válido somente para bancos em standby. Permite reescrever um arquivo de log file que apresentou erro, para bancos em standby. FOR nome_sessão_logminer Recupera o registro de um arquivo de log conforme o nome da sessão especificada no logminer. PREPARE TO SWITCHOVER Preparaumbancoemstandbypararealizar uma operação de switchover. COMMIT TO SWITCHOVER Realiza a gravação de uma operação de switchover. CANCEL Cancela uma operação de switchover. START LOGICAL STANDBY APPLY Cláusula que aplica os arquivos de redo logs para um banco lógico em standby. IMMEDIATE NO DELAY INITIAL Permite que o logminer leia um arquivo de redologemumbancodedadosemstandby. Ignora o tempo de espera para aplicar um arquivo de redolog. Lê os primeiros arquivos de redolog para um banco em standby. SKIP FAILED [TRANSACTION] Caso a última transação tenha falhado ele não aplica-a no banco de dados. FINISH Força o arquivo de redolog de um banco em standby arquivar as informações. SET TIME_ZONE região_zona_tempo Indica a região da zona de tempo. SET DEFAULT TABLESPACE Especificaoualteraatablespacedefaultdo banco de dados. BIGFILE SMALLFILE Para arquivos com mais de 4 gigabytes de blocos. Para arquivos com mais de 4 megabytes de blocos. DEFAULT TEMPORARY TABLESPACE Especificaoualteraatablespacetemporária do banco de dados. ENABLE DISABLE INSTANCE Cláusulaquepermitehabilitaroudesabilitar uma instância. ENABLE DISABLE THREAD Habilita/desabilitaumathreaddosarquivos deredologsemumservidorparalelo(oracle Real Application Cluster). PUBLIC HabilitaoTHREADparaqualquerinstância (Oracle Real Application Cluster).

12 12 Comandos SQL RESET COMPATIBILITY CONVERT Identifica o banco de dados como sendo de uma versão mais antiga. Recurso utilizado para migrações. Converte um banco de dados na versão 7 para a versão 10g. RENAME GLOBAL_NAME Altera o nome global do banco de dados. ENABLE DISABLE BLOCKING CHANGE TRACKING Habilita/desabilita a localização física de todas as alterações no banco de dados. FLASHBACK ON FLASHBACK OFF GUARD ALL GUARD STANDBY GUARD NONE ALTER DIMENSION Coloca o banco em modo de flashback, permitindo recuperar as informações mesmo depois de removidas do banco, sem a necessidade de recuperar o backup. Retira o banco do modo de flashback. Evita que todos os usuários que não sejam SYS realizem qualquer alteração no banco de dados. Evita que todos os usuários que não sejam SYSrealizemqualqueralteraçãoemumbanco de dados em modo standby. Permitequetodososusuáriospossamrealizar alterações no banco de dados, respeitando os privilégios de sistema e de roles. Altera os atributos de uma dimensão e os relacionamentos hierárquicos entre elas. ALTER DIMENSION [esquema.]dimensão [ADD] [LEVEL nível IS nível_tabela.nível_coluna (nível_tabela.nível_coluna,...)] [HIERARCHY hierarquia (nível_filho CHILD OF nível_pai [JOIN KEY coluna_chave_filho (colunas_chaves_filho,...) REFERENCES nível_pai)]] [ATTRIBUTE nível DETERMINES coluna_dependente (colunas_dependentes,...) [DROP[LEVEL nível [RESTRICT CASCADE] [HIERARCHY hierarquia] [ATTRIBUTE atributo LEVEL nível [COLUMN coluna,]] [COMPILE]; Parâmetro ADD DROP CASCADE RESTRICT COMPILE ALTER DISKGROUP Significado Adiciona níveis, hierarquias ou atributos numa dimensão. Remove níveis, hierarquias ou atributos numa dimensão. Remove atributos ou hierarquias em objetos que estejam referenciados. Impede a remoção de atributos ou hierarquias em objetos que estejam referenciados (opção default). Recompila uma dimensão. Altera parâmetros de um grupo de discos no banco de dados. ALTER DISKGROUP nome_grupo_discos [ADD [FAILGROUP nome_grupo_falha] DISK 'pto_montagem',... NAME nome_disco SIZE inteiro [K M G T] [FORCE NOFORCE]] [DROP [DISK nome_disco][force NOFORCE],... [DISK IN FAILGROUP nome_grupo_falha [FORCE NOFORCE],...]] [RESIZE [ALL SIZE inteiro [K M G T]

13 Comandos SQL 13 [DISK nome_disco SIZE inteiro [K M G T],...] [DISKS IN FAILGROUP nome_grupo_falha SIZE inteiro [K M G T],...]] [[nome_grupo_discos ALL] UNDROP DISKS] [REBALANCE [POWER inteiro]] [CHECK [ALL] [DISK nome_disco] [DISKS IN FAILGROUP nome_grupo_falha] [FILE nome_arquivo] [REPAIR NOREPAIR] [[ADD ALTER] TEMPLATE nome_template ATTRIBUTE([MIRROR UNPROTECTED] [FINE COARSE]) [DROP TEMPLATE nome_template]] [ADD DIRECTORY 'nome_arquivo',...] [DROP DIRECTORY 'nome_arquivo',... [FORCE NOFORCE]] [RENAME DIRECTORY 'diretório_antigo' TO 'diretório_novo'] [ADD ALIAS 'apelido' FOR 'apelido',...] [DROP ALIAS 'apelido'] [RENAME ALIAS 'apelido_antigo' TO 'apelido_novo',...] [DROP FILE 'nome_arquivo'] [ [nome_grupo_discos ALL] [MOUNT DISMOUNT [FORCE NOFORCE]]]; Parâmetro Significado nome_grupo_discos Nome do grupo de discos a ser alterado. pto_montagem Nome do ponto de montagem de uma file system. ADD Adiciona um ou mais discos num grupo. FAILGROUP Cria um grupo para armazenarem as falhas de um grupo. SIZE Indica o tamanho do disco que será adicionado ao grupo em bytes, kilobytes, megabytes, gigabytes ou terabytes. DROP DISK Remove um ou mais discos num grupo. DROP DISKS IN FAILGROUP Remove todos os discos contidos num grupo de falhas. FORCE NOFORCE Força ou não a remoção de um ou mais discos em um grupo. RESIZE ALL Realiza o ajuste de tamanho de todos os discos num grupo. RESIZE DISK Realizaoajustedetamanhodeumdiscoespecifico. RESIZE DISKS IN FAILGROUP Realiza o ajuste de tamanho de todos os discos num grupo de falhas. REBALANCE Realiza um ajuste de cargas para um disco de grupo. CHECK Verifica a consitência interna de um disco. ALL DISK Verifica todos os disco num grupo. Verifica um ou mais discos especificados num grupo. DISK IN FAILGROUP Verifica todos os discos num grupo de falhas. FILE Verificaumoumaisarquivosnumgrupodediscos. REPAIR NOREPAIR Pernite ou não tentar reparar erros durante a verificação dos discos. ADD TEMPLATE Adiciona um ou mais arquivos de template num grupo de discos. ALTER TEMPLATE Alteraumoumaisarquivosdetemplatenumgrupo de discos. nome_template Nome de um arquivo de template. ATTRIBUTE MIRROR Os arquivos onde serão aplicados e protegidos num espelhamento dos blocos de dados. ATTRIBUTE UNPROTECTED Osarquivosnãoserãoaplicadoseprotegidosnum espelhamento dos blocos de dados.

14 14 Comandos SQL FINE Arquivos de templates que serão aplicados e divididos sempre em blocos de 128 kb. COARSE Arquivos de templates que serão aplicados e divididos sempre em blocos de 1 Mb. DROP TEMPLATE Remove um arquivo de template. ADD DROP RENAME DIRECTORY Cria, remove ou altera o nome de um diretório na hierarquia. ADD DROP RENAME ALIAS Cria, remove ou altera um apelido para o gerenciamento automático de armazenamento (ASM). MOUNT Monta um grupo de discos. DISMOUNT Desmonta um grupo de discos. ALTER FUNCTION Recompila uma função no banco de dados. ALTER FUNCTION [esquema.]função [COMPILE [DEBUG]] [nome_parâmetro = valor_parâmetro] [REUSE SETTINGS]; Parâmetro COMPILE DEBUG nome_parâmetro valor_parâmetro REUSE SETTINGS ALTER INDEX Significado Recompila uma função. Recompila a função junto com o depurador de códigos "debug". Nome do parâmetro a ser compilado junto com o código PL/SQL. Para essa cláusula poderão ser especificados os parâmetros PLSQL_OPTIMIZE_LEVEL, PLSQL_CODE_TYPE, PLSQL_DEBUG, PLSQL_WARNINGS e NLS_LENGTH_SEMANTICS. Indica os valores para os parâmetros descritos. Preservaosvaloresinicializadosdafunçãodurante uma recompilação. Redefine características de armazenamento de um índice. ALTER INDEX [esquema.]índice [DEALLOCATE UNUSED [KEEP inteiro [K M G T]]] [ALLOCATE EXTENT (SIZE inteiro [K M G T] DATAFILE arquivo INSTANCE inteiro)] [SHRINK SPACE [COMPACT CASCADE]] [cláusula_paralelismo] [cláusula_atributos_físicos] [LOGGING NOLOGGING] [REBUILD] [PARTITION partição] [SUBPARTITION subpartição] [REVERSE NOREVERSE] [cláusula_paralelismo] [TABLESPACE tablespace] [PARAMETERS ('parâmetros_recriação_partição')] [ONLINE] [COMPUTE STATISTICS] [cláusula_atributos_físicos] [COMPRESS inteiro NOCOMPRESS] [LOGGING NOLOGGING] [PARAMETERS ('parâmetros_recriação_índice')] [ENABLE DISABLE] [UNUSABLE] [RENAME TO nome_novo] [COALESCE] [[MONITORING NOMONITORING] USAGE] [UPDATE BLOCK REFERENCES] [MODIFY DEFAULT ATTRIBUTES [FOR PARTITION partição]]

15 Comandos SQL 15 [cláusula_atributos_físicos] [TABLESPACE tablespace DEFAULT] [LOGGING NOLOGGING] [ADD PARTITION partição [TABLESPACE tablespace] [cláusula_paralelismo]] [MODIFY PARTITION partição [DEALLOCATE UNUSED [KEEP inteiro [K M G T]]] [ALLOCATE EXTENT (SIZE inteiro [K M G T] DATAFILE arquivo INSTANCE inteiro)] [cláusula_atributos_físicos] [LOGGING NOLOGGING] [COMPRESS inteiro NOCOMPRESS] [PARAMETERS('parâmetros_alteração_índice')] [COALESCE] [UPDATE BLOCK REFERENCES] [UNUSABLE] [RENAME [PARTITION partição_nome_atual SUBPARTITION subpartição_nome_atual]tonome_novo] [DROP PARTITION partição] [SPLIT PARTITION partição_antiga AT (lista_valores,...) INTO (PARTITION [cláusula_atributos_físicos] [TABLESPACE tablespace] [LOGGING NOLOGGING] [COMPRESS inteiro NOCOMPRESS]]) [cláusula_paralelismo] [COALESCE PARTITION [cláusula_paralelismo]] [MODIFY SUBPARTITION subpartição [UNUSABLE [DEALLOCATE UNUSED [KEEP inteiro [K M G T]]] [ALLOCATE EXTENT (SIZE inteiro [K M G T] DATAFILE arquivo INSTANCE inteiro)]]; cláusula_atributos_físicos::= (descrição da cláusula na página 92) [PCTFREE inteiro PCTUSED inteiro INITRANS inteiro MAXTRANS inteiro [STORAGE ( INITIAL inteiro [K M] NEXT inteiro [K M] MINEXTENTS inteiro MAXEXTENTS inteiro [UNLIMITED] PCTINCREASE inteiro FREELISTS inteiro FREELISTS GROUPS inteiro OPTIMAL [inteiro [K M] NULL]] BUFFER_POOL [KEEP RECYCLE DEFAULT]] cláusula_paralelismo :: = [PARALLEL inteiro NOPARALLEL] Parâmetro Significado DEALLOCATED UNUSED Libera os espaços em disco que não estão sendo utilizados pelo índice. KEEP Quantidade de espaço em disco que deverá ser mantida durante a liberação do espaço em disco. ALLOCATE EXTENT Reservaespaçoemdiscoparaumanovaextensão do índice. SIZE Tamanho (em bytes) da extensão. DATAFILE Nome do datafile na tablespace que terá a nova extensão. INSTANCE Criaumanovaextensãonainstânciaespecificada. LOGGING NOLOGGING Gravaounãoasatividadesde(inclusão/alteração) nosarquivosderedolog. Esteparâmetroéindicado para cargas, aumenta o desempenho. PARTITION Recria uma partição de um índice existente. SUBPARTITION Recria uma subpartição de um índice existente. REBUILD Recria um índice existente. REVERSE Armazena os bytes do índice na ordem reversa, eliminando o ROWID. NOREVERSE TABLESPACE Armazenaosbytesdoíndiceseminverteraordem. Nome da tablespace onde o índice, partição do índice, subpartição do índice serão recriados.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server.

Crash recovery é similar ao instance recovery, onde o primeiro referencia ambientes de instância exclusiva e o segundo ambientes parallel server. Recover no Oracle O backup e recuperação de dados em um SGBD é de grande importância para a manutenção dos dados. Dando continuidade a nossos artigos, apresentamos abaixo formas diferentes de se fazer

Leia mais

Oracle 10g ASM. Implementando o Automatic Storage Management

Oracle 10g ASM. Implementando o Automatic Storage Management Oracle 10g ASM Implementando o Automatic Storage Management Automatic Storage Management de clusters a máquinas multiprocessadas distribui o I/O entre os recursos elimina o balanceamento manual de I/O

Leia mais

Backup On-line. 1 de 6. Introdução

Backup On-line. 1 de 6. Introdução 1 de 6 Backup On-line Introdução O Backup do banco de dados nada mais é que a cópia dos arquivos necessários para recupera-los em caso de perda do mesmo no menor tempo possível. Isso pode ser devido à

Leia mais

A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle.

A instância fica alocada na memória compartilhada (shared memory) e é a combinação do System Global Area (SGA) com os processos background Oracle. ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO Instance Na instância são executados processos e espaços em memória, estes permitem ao Oracle cumprir com seu papel de manter a integridade, confidencialidade e disponibilidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS... 4 DEFINIÇÕES PRELIMINARES... 4 HISTÓRIA... 4 TAREFAS DO ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS:... 5 Instalar o SGBD... 5 Implementar

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

Novidades Oracle 11g. Rio Grande Energia - RGE

Novidades Oracle 11g. Rio Grande Energia - RGE Novidades Oracle 11g Daniel Güths Rio Grande Energia - RGE 1 Agenda Oracle Database 11g new features SQL e PL/SQL new features Performance e gerenciamento de recursos Gerenciamento de mudanças Gerenciamento

Leia mais

Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia

Guia de Referência Rápida Administração de Bancos de Dados Oracle - Abstratos Tecnologia Objetivo O objetivo deste guia é tão somente o de servir como referência, um lembrete, da sintaxe dos comandos de administração de bancos de dados Oracle mais usuais. Sendo assim ele não tem o objetivo

Leia mais

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO

www.en-sof.com.br SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO SOLUÇÕES PARA CONTINUIDADE DO NEGÓCIO 1 Soluções Oracle Voltadas à Continuidade dos Negócios Luciano Inácio de Melo Oracle Database Administrator Certified Oracle Instructor Bacharel em Ciências da Computação

Leia mais

Guia de procedimentos de backups

Guia de procedimentos de backups Guia de procedimentos de backups Sumário Sobre o guia 3... 4 Procedimentos de backup do banco de dados Oracle... 5 Backup lógico... 6 Backup físico... 7 Envio de backup... para fita 9 2 3 Sobre o guia

Leia mais

Aula 2 Arquitetura Oracle

Aula 2 Arquitetura Oracle Aula 2 Arquitetura Oracle Instancia Oracle Uma instância Oracle é composta de estruturas de memória e processos. Sua existência é temporária na memória RAM e nas CPUs. Quando você desliga a instância em

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br AULA 16 RECOVERY

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br AULA 16 RECOVERY AULA 16 RECOVERY O RMAN (Recovery Manager) é a ferramenta Oracle, parte integrante do banco de dados, que permite a execução de backups do banco de dados Oracle e, principalmente, a recuperação de dados

Leia mais

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11

UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas. Administracão de Banco de Dados. ORACLE Backup / Recovery AULA 11 UNINOVE Tec. Adm. e Des. de Sistemas Administracão de Banco de Dados ORACLE Backup / Recovery AULA 11 Prof. MsC. Eng. Marcelo Bianchi AULA 09 A ARQUITETURA DO ORACLE O conhecimento da arquitetura Oracle

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) Structured Query Language (SQL) SQL-Breve Histórico : # CREATE, ALTER e DROP; # BEGIN TRANSACTION, ROLLBACK e COMMIT; # GRANT, REVOKE e DENY; 1 Structured Query Language (SQL) Desenvolvida pelo departamento

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br. RMAN: Ambiente de backup

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br. RMAN: Ambiente de backup RMAN: Ambiente de backup Olá amigos! Após algumas séries de colunas explicando os conceitos e modos que o RMAN pode trabalhar, iremos aprender a utilizar essa ferramenta para auxiliar os serviços administrativos

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

SQL Introdução ao Oracle

SQL Introdução ao Oracle SQL Introdução ao Oracle Estagiários: Daniel Feitosa e Jaqueline J. Brito Sumário Modelo de armazenamento de dados Modelo físico Modelo lógico Utilizando o SQL Developer Consulta de Sintaxe Sumário Modelo

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD. Curso Banco de Dados. Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO POSEAD Curso Banco de Dados Resenha Crítica: Backup e Recovery Aluno: Wilker Dias Maia Brasília 2012 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 3 2- DESCRIÇÃO DO ASSUNTO... 4 2.1- Estrutura fisica

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas contato@pedrofcarvalho.com.br www.pedrofcarvlho.com.br ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA ADMINISTRANDO A INSTÂNCIA Os tres componentes (instância, Listener e opcionalmente o DataBase Control) tem seus próprios utilitários de linha de comando que podem ser usados para inicialização, ou, uma

Leia mais

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE

Banco de Dados Oracle. Faculdade Pernambucana - FAPE Faculdade Pernambucana - FAPE Visão Geral dos Componentes Principais da Arquitetura Oracle Servidor Oracle É o nome que a Oracle deu ao seu SGBD. Ele consiste de uma Instância e um Banco de Dados Oracle.

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

Conversão de ambientes

Conversão de ambientes Conversão de ambientes Single File System RAC ASM Backup + Restore + Conversão + Recovery ORIGEM DESTINO : BANCO DE DADOS ORACLE SINGLE EM FILESYSTEM NATIVO : BANCO DE DADOS ORACLE ORACLE RAC EM ASM Na

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

BACKUP E ALTA DISPONIBILIDADE

BACKUP E ALTA DISPONIBILIDADE BACKUP E ALTA DISPONIBILIDADE Dayse Soares Santos Clailson S. D. de Almeida RESUMO O artigo relata sobre a importância do backup da base de dados de um sistema, a escolha do tipo de armazenamento a ser

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

Backups no Oracle. Comparação de três módulos para backup online de bancos de dados Oracle. Máquina de clonar

Backups no Oracle. Comparação de três módulos para backup online de bancos de dados Oracle. Máquina de clonar Comparação de três módulos para backup online de bancos de dados Oracle Máquina de clonar Soluções centralizadas para cópias de segurança poupam tempo, dinheiro e espaço. Bancos de dados também podem ser

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS: UM ESTUDO NO ORACLE 10G TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ORACLE

ADMINISTRAÇÃO ORACLE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO ORACLE Prof. Marcos Alexandruk SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 ORACLE 9i SERVER: OVERVIEW 05 ARQUITETURA FÍSICA 08 ARQUITETURA LÓGICA 16 SEGMENTOS 25 TRANSAÇÕES 27 SEGMENTOS DE ROLLBACK

Leia mais

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso):

TRANSAÇÕES. Considerando que estes comandos fazem parte de uma TRANSAÇÃO (veremos como indicar isso): TRANSAÇÕES 1. Visão Geral Uma transação é uma unidade lógica de trabalho (processamento) formada por um conjunto de comandos SQL cujo objetivo é preservar a integridade e a consistência dos dados. Ao final

Leia mais

É o resultado da execução do seguinte comando.

É o resultado da execução do seguinte comando. Rotinas RRN 05194 Causa da Ativação da Mensagem É o resultado da execução do seguinte comando. CRN 05454 HANDLE-RESTORE-DATA O informe de resultados também é exibido como um informe não solicitado, se

Leia mais

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode

um mecanismo, chamado de perfil, para controlar o limite desses recursos que o usuário pode 1 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS NO SGBD ORACLE 11G JUVENAL LONGUINHO DA SILVA NETO 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo apresenta como criar, modificar e excluir usuários, privilégios, atribuições

Leia mais

ALARM REPORT ALARM TYPE = (A)... ALARM-NUMBER = 1 (1)... STATUS AT ABORTION: (3)... (4)... ERROR REASON: (6)... (7)...

ALARM REPORT ALARM TYPE = (A)... ALARM-NUMBER = 1 (1)... STATUS AT ABORTION: (3)... (4)... ERROR REASON: (6)... (7)... Informe de Alarme RRN 05835 Causa de Ativação da Mensagem Informe de alarme gerado nas seguintes condições: D algum erro ocorreu durante o Backup Contínuo de Dados o que leva a um cancelamento dessa função

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES.

Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. SEGURANÇA DE USUÁRIOS Cada banco de dados Oracle possui uma lista de usuários válidos, identificados por USERNAMES. Todos os usuários são cadastrados no Dicionário de Dados do Banco em tabelas e views

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

Tópicos Avançados de Bases de Dados Instituto Politécnico da Guarda, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, 2005/2006

Tópicos Avançados de Bases de Dados Instituto Politécnico da Guarda, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, 2005/2006 Sistema de Gestão de Base de Dados Aspectos físicos de bases de dados (exemplo Oracle) Nota importante: A matéria sobre indexação corresponde aos acetatos 32 ao 53. A matéria dos restantes acetatos não

Leia mais

Oracle 10g: SQL e PL/SQL

Oracle 10g: SQL e PL/SQL Oracle 10g: SQL e PL/SQL PL/SQL: Visão Geral Enzo Seraphim Visão Geral Vantagens de PL/SQL Suporte total à linguagem SQL Total integração com o Oracle Performance Redução da comunicação entre a aplicação

Leia mais

O Instalador da aplicação (app) SanDisk +Cloud encontra-se na unidade de memória flash USB SanDisk.

O Instalador da aplicação (app) SanDisk +Cloud encontra-se na unidade de memória flash USB SanDisk. Instalação O Instalador da aplicação (app) SanDisk +Cloud encontra-se na unidade de memória flash USB SanDisk. Certifique-se de que o computador está ligado à Internet. Em seguida, ligue a unidade de memória

Leia mais

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas

ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL. Carga horária: 32 Horas ORACLE 11 G INTRODUÇÃO AO ORACLE, SQL,PL/SQL Carga horária: 32 Horas Pré-requisito: Para que os alunos possam aproveitar este treinamento ao máximo, é importante que eles tenham participado dos treinamentos

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language)

SQL BÁSICO. Introdução. Prof. Suelane Garcia. Linguagem SQL (Structured Query Language) SQL BÁSICO Prof. Suelane Garcia Introdução 2 Linguagem SQL (Structured Query Language) Linguagem de Consulta Estruturada padrão para acesso a Banco de Dados. Usada em inúmeros Sistemas de Gerenciamento

Leia mais

Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos)

Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos) Oracle Advanced Compression x External Tables (Armazenamento de dados históricos) Agenda Sobre Rodrigo Mufalani Clico de dados Visão Geral Avanced Compression Visão Geral External Tables Performance Disponibilidade

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

Quando se seleciona os modos OS ou XML, arquivos são criados com os registros de auditoria, eles se localizam parâmetro audit_file_dest.

Quando se seleciona os modos OS ou XML, arquivos são criados com os registros de auditoria, eles se localizam parâmetro audit_file_dest. Auditoria é a habilidade do banco de dados Oracle poder gerar logs de auditoria (XML, tabelas, arquivos de SO, ) em atividades suspeitas do usuário, como por exemplo: monitorar o que um determinado usuário

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi Regras de Integridade Restrições de Integridade Integridade refere-se a precisão ou correção de dados em um banco de dados; Restrição refere-se a impor uma condição para qualquer atualização. Antes de

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Instalação RAC10g em Linux

Instalação RAC10g em Linux Instalação RAC10g em Linux Humberto Corbellini humberto.corbellini@advancedit.com.br Agenda Visão Geral Storage compartilhado Hardware utilizado Sistema operacional Configuração de rede Drivers e opções

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL

Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Oracle University Entre em contato: 0800 891 6502 Banco de Dados Oracle 10g: Introdução à Linguagem SQL Duração: 5 Dias Objetivos do Curso Esta classe se aplica aos usuários do Banco de Dados Oracle8i,

Leia mais

Dicas para uso de VLDB (very large databases)

Dicas para uso de VLDB (very large databases) Dicas para uso de VLDB (very large databases) Slide 1 Considerações e Marcas Registradas As informações contidas nesta apresentação não foram submetidas à nenhuma revisão formal e é distribuída sem nenhuma

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

Oracle Backup & Recovery 9iR1 ao 11gR2

Oracle Backup & Recovery 9iR1 ao 11gR2 Oracle Backup & Recovery 9iR1 ao 11gR2 Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br Esta obra está licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivados 3.0 Brasil. Para ver uma cópia

Leia mais

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa).

As principais estruturas são a SGA (System Global Area ou Área Global do Sistema) e a PGA (Program Global Area ou Área Global de Programa). ARQUITETURA ORACLE O conhecimento da arquitetura interna do ORACLE é de extrema importância para a compreensão das técnicas de otimização do produto. Basicamente, os seus mecanismos de execução são as

Leia mais

Oracle Database 11g: Novos Recursos para Administradores

Oracle Database 11g: Novos Recursos para Administradores Oracle Database 11g: Novos Recursos para Administradores Course O11NFA 5 Day(s) 30:00 Hours Introduction Este curso de cinco dias oferece a você a oportunidade de conhecer e fazer exercícios com os novos

Leia mais

RMAN - utilização e considerações como ferramenta de backup

RMAN - utilização e considerações como ferramenta de backup Fundação de Estudos Sociais do Paraná ISET Curso de Especialização em Administração de Banco de Dados Oracle 9i RMAN - utilização e considerações como ferramenta de backup Aluno: Milton Bastos Henriquis

Leia mais

Escrito por Sex, 14 de Outubro de 2011 23:12 - Última atualização Seg, 26 de Março de 2012 03:33

Escrito por Sex, 14 de Outubro de 2011 23:12 - Última atualização Seg, 26 de Março de 2012 03:33 Preço R$ 129.00 Compre aqui SUPER PACOTÃO 3 EM 1: 186 Vídeoaulas - 3 dvd's - 10.5 Gybabyte. 1) SQL 2) Banco de Dados (Oracle 10g, SQL Server 2005, PostgreSQL 8.2, Firebird 2.0, MySQL5.0) 3) Análise e Modelagem

Leia mais

O Instalador da aplicação (app) SanDisk +Cloud encontra-se na unidade de memória flash USB SanDisk.

O Instalador da aplicação (app) SanDisk +Cloud encontra-se na unidade de memória flash USB SanDisk. Instalação O Instalador da aplicação (app) SanDisk +Cloud encontra-se na unidade de memória flash USB SanDisk. Certifique-se de que o computador está ligado à Internet. Em seguida, ligue a unidade de memória

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 IREMAR NUNES DE LIMA 2

ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 IREMAR NUNES DE LIMA 2 ESTRATÉGIAS DE OTIMIZAÇÃO NO SGBD MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 RAMON FELIPE MOREIRA DIAS DE SOUZA 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo identifica e discute diversas estratégias que podem ser utilizadas

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

Oracle Zero Downtime Migration (com Golden Gate)

Oracle Zero Downtime Migration (com Golden Gate) Oracle Zero Downtime Migration (com Golden Gate) Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br Esta obra está licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivados 3.0 Brasil. Para

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Restauração do Exchange Server.

Restauração do Exchange Server. Restauração do Exchange Server. Considerações Iniciais Como visto anteriormente, não há maiores dificuldades na configuração de backups de um banco Exchange. Reservam-se à restauração as operações mais

Leia mais

Consulting Tecnologia & Sistemas Ltda www.consulting.com.br

Consulting Tecnologia & Sistemas Ltda www.consulting.com.br Por Edson Almeida Junior Março 2006 Ultima Atualização 11/04/2006 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 BANCO DE DADOS RELACIONAL... 4 CONCEITOS... 4 SQL - LINGUAGEM DE PESQUISA ESTRUTURADA... 5 OUTROS CONCEITOS DE

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO.

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Curso Oracle 10g Prof. MSc. Luciano Blomberg lblomberg@uol.com.br 2011/1

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior. Áreas de Trabalho (Tablespace)

Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior. Áreas de Trabalho (Tablespace) Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Áreas de Trabalho (Tablespace) Estruturado Bancode Dados Estruturas de Memória Instância

Leia mais

Real Application Cluster (RAC)

Real Application Cluster (RAC) Real Application Cluster (RAC) Anderson Haertel Rodrigues OCE RAC 10g anderson.rodrigues@advancedit.com.br AdvancedIT S/A RAC? Oracle RAC é um banco de dados em cluster. Como assim? São vários servidores

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008

CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008 CONTROLE DE CONCORRÊNCIA EM BANCO DE DADOS: Estudo de Caso Microsoft SQL Server 2008 GERALDA SILVIA DE VASCONCELOS JARDIM 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Este artigo descreve a importância do mecanismo

Leia mais

Estatística, monitoramento e diagnóstico através do catálogo do PostgreSQL

Estatística, monitoramento e diagnóstico através do catálogo do PostgreSQL Estatística, monitoramento e diagnóstico através do catálogo do PostgreSQL O trabalho Estatística, monitoramento e diagnóstico através do catálogo do PostgreSQL de Fabiano Machado Dias e Eduardo Wolak

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. MySQL 5. Juliano Niederauer Rubens Prates. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida. MySQL 5. Juliano Niederauer Rubens Prates. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida MySQL 5 Juliano Niederauer Rubens Prates Novatec Editora Copyright 2006 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL Helena Galhardas Bibliografia Raghu Ramakrishnan, Database Management Systems, Cap. 3 e 5 1 1 Sumário Restrições de Integridade (RIs) em SQL Chave

Leia mais

DataBase Refactoring em FireBird

DataBase Refactoring em FireBird DataBase Refactoring em FireBird Autor: Manoel Pimentel Medeiros É Engenheiro de Software, com mais de 15 anos na área de TI, atualmente trabalha com projetos Java pela Rhealeza(SP) e como Coach em metodologias

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Espaços de Tabelas, Arquivos de Dados e Arquivos de Controle Prof. Hugo Souza Após abordarmos os componentes lógicos, em uma síntese de dependências gradativas, vamos

Leia mais

Lendas do Oracle. Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br. TITLE Speaker

Lendas do Oracle. Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br. TITLE Speaker TITLE Speaker Lendas do Oracle Ricardo Portilho Proni ricardo@nervinformatica.com.br Esta obra está licenciada sob a licença Creative Commons Atribuição-SemDerivados 3.0 Brasil. Para ver uma cópia desta

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros

Sistemas de Ficheiros. Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros Sistemas de Ficheiros Ficheiros Diretórios Implementação de sistemas de ficheiros Exemplos de sistemas de ficheiros 1 Armazenamento de Informação de Longo Prazo 1. Deve armazenar grandes massas de dados

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Oracle Database 11g com Alta Disponibilidade Introdução... 2 Causas do Tempo Inativo... 2 Proteção contra Falha do

Leia mais

Procedimento de Configuração. Database Mirroring. SQL Server

Procedimento de Configuração. Database Mirroring. SQL Server Procedimento de Configuração Database Mirroring SQL Server 1 Sumário 1. Histórico do Documento 3 2. Introdução 4 3. Requisitos Mínimos 4 4. Modos de operação do Database Mirroring 5 5. Configurando o Database

Leia mais

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados

Carga Horária 40 horas. Requisitos Servidor Oracle 10G Ferramenta para interação com o banco de dados Oracle 10g - Workshop de Administração I Objetivos do Curso Este curso foi projetado para oferecer ao participante uma base sólida sobre tarefas administrativas fundamentais. Neste curso, você aprenderá

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50

ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50 ZIM TECHNOLOGIES DO BRASIL ARQUIVOS DE CONFIGURAÇAO ZIM 8.50 Próx Antes de Iniciar Este documento detalha os arquivos de configuração da versão Zim 8.50 para Unix/WIndows. Você também deve consultar as

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais