POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES"

Transcrição

1 POLÍTICA DE GESTÃO DE CONFLITOS DE INTERESSES Mod. 853D/2007

2 Índice 1. Objeto Definição de Conflitos de Interesses A Gestão de Conflito de Interesses e Pessoas Relevantes Identificação dos potenciais conflitos de interesses Relação com o Código de Conduta das Entidades do Grupo nos Mercados de Instrumentos Financeiros Princípios gerais de conduta Procedimentos e medidas para a gestão dos conflitos de interesses Aprovação e revisão da Política Comunicação da Política aos clientes Da comunicação e registo de conflitos de interesses Cumprimento do dever de informação e conflito de interesses Do cumprimento da Política de Gestão de Conflitos de Interesses... 7 Anexo I: Entidades do Grupo Banco Popular em Portugal... 8 Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 2/8

3 Preâmbulo A Diretiva sobre Mercados de Instrumentos Financeiros (adiante, DMIF ) requer que os potenciais conflitos de interesses que possam surgir no âmbito da prestação de serviços de investimento e serviços auxiliares, entre as Entidades do Grupo Banco Popular Portugal (adiante, Entidades do Grupo ) e os seus clientes que, não podendo ser evitados, devem ser geridos de forma efetiva. Com esta finalidade, o presente documento reúne a política de gestão de conflitos de interesses na prestação de serviços de investimento e serviços auxiliares. 1. Objeto 1.1. A Presente Política de Gestão de Conflitos de Interesses tem por objeto prevenir e identificar situações que consubstanciem um conflito de interesses, bem como estabelecer as medidas e procedimentos que possibilitem gerir tais situações, evitando lesar os interesses dos Clientes A política de gestão de conflitos de interesses é acolhida no estatuído no artigo 8º, do Código de Conduta do Grupo Banco Popular Portugal e é aplicável às entidades que o integram, identificadas no Anexo I ao presente documento. 2. Definição de Conflitos de Interesses 2.1. Entende-se por Conflitos de Interesses : todos os antagonismos que possam emergir das relações entre: (i) o Banco e o Cliente, (ii) um colaborador do Banco e um Cliente, (iii) dois ou mais Clientes aos quais o Banco preste o mesmo serviço e (iv) uma Pessoa Relevante e um Cliente Entende-se que surge um conflito de interesses quando as Entidades do Banco Popular Portugal ou as Pessoas Relevantes: a) Possam obter um benefício financeiro ou evitar uma perda financeira em detrimento do cliente; b) Tenham um interesse no resultado de um serviço prestado ao cliente ou de uma operação efetuada por conta do cliente que colida com o interesse do cliente nesse resultado; c) Tenham incentivos financeiros ou de outro tipo para favorecer os interesses de um cliente ou grupo de clientes face aos interesses de outro (s) cliente (s); d) Desenvolvam a mesma atividade que o cliente; e) Recebam ou venham a receber de uma pessoa que não seja o cliente um incentivo relativo a um serviço prestado ao cliente, sob a forma de dinheiro, bens ou serviços, que não a comissão ou a remuneração normal desse serviço. 3. A Gestão de Conflito de Interesses e Pessoas Relevantes 3.1. A presente Política é aplicada na prestação de serviços de investimento a todos os clientes A presente política aplica-se às Entidades do Grupo Banco Popular Portugal, enunciadas no Anexo I e às suas Pessoas Relevantes, que podem estar sujeitas a potenciais conflitos de interesses, nomeadamente: a) Membros do Conselho de Administração; b) Membros da Direcção das Entidades do Grupo; c) Outros coordenadores, empregados, procuradores e agentes das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal, cujo trabalho esteja diretamente relacionado com operações e atividades nos mercados de instrumentos financeiros; d) Outras pessoas que pertençam ou prestem os seus serviços às Entidades do Grupo e que, sem terem uma função diretamente relacionada com os mercados de instrumentos financeiros, possam estar sujeitas a potenciais conflitos de interesses, por participarem em operações relativas a instrumentos financeiros; e) Os agentes vinculados e seus colaboradores, que prestem serviços por conta das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal; f) Pessoas de empresas externas, que prestem serviços às Entidades do Grupo Banco Popular Portugal ou seus agentes vinculados. Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 3/8

4 4. Identificação dos potenciais conflitos de interesses Política de Gestão de Conflitos de Interesses 4.1. Os serviços de investimento ou serviços auxiliares, prestados ou que possam vir a ser prestados pelas Entidades do Grupo, Banco Popular Portugal, suscetíveis de originar conflitos de interesses, são os seguintes: a) Gestão da carteira própria das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal; b) Gestão de carteiras por conta de outrem; c) Análise financeira; d) Aconselhamento em matéria de investimentos; e) Prestação de serviços financeiros, incluindo serviços de colocação de emissões, estratégia de investimento industrial, subscrição de valores, venda numa oferta de valores, tomada firme de emissões; f) Aconselhamento sobre fusões e aquisições; g) Qualquer outra atividade que possa provocar um conflito de interesses em consequência da estrutura e das atividades ou serviços prestados entre as Entidades do Grupo Banco Popular Portugal As situações identificadas pelas Entidades do Grupo Banco Popular Portugal, nas quais poderão surgir conflitos de interesses, são as seguintes: a) Potenciais conflitos de interesses relacionados com a prestação dos serviços de aconselhamento em matéria de investimentos e gestão de carteiras por conta de outrem: i) Política retributiva: No pressuposto de que a retribuição recebida pelas pessoas que prestam serviços de gestão de carteiras esteja baseada no desempenho das carteiras geridas, pode existir um incentivo implícito relacionado com o incremento das rendibilidades e levar a situações nas quais os gestores, no momento de prestarem o serviço, não ponderem devidamente os riscos inerentes às suas decisões de investimento, originando uma atuação contrária aos interesses de um cliente ou grupo de clientes. ii) Entre tipos de produtos: Considerando que, dos produtos relacionados com a prestação de serviços de investimento ou serviços auxiliares, existam produtos próprios das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal e produtos de terceiros, a aquisição de produtos próprios ao invés de produtos de terceiros, pode gerar maior benefício para determinada Entidade do Grupo Banco Popular Portugal, e, em última instância, para as Pessoas Relevantes, já que pode influenciar a sua remuneração variável. iii) Referido a um tipo de instrumento financeiro: No pressuposto de que existam produtos similares com diferentes comissões, poderá haver lugar a recomendação ou investimento em carteira gerida por uma Entidade do Grupo Banco Popular Portugal, por exemplo, num fundo de investimento com comissão de gestão superior a um outro fundo comparável. b) Potenciais conflitos de interesses relacionados com a afetação de operações de compra/venda de instrumentos financeiros: i) Afetação de operações no sentido em que se possa dar prioridade às operações de Entidade do Grupo Banco Popular Portugal ou a determinados clientes, para obter condições mais benéficas face a outras operações de outros clientes; ii) Afetação, à posteriori, de operações (ordens agregadas), com benefícios para a carteira própria, que possam pertencer a carteiras geridas de terceiros, ou vice-versa, isto é, afetar à posteriori operações com perdas, pertencentes à carteira própria da Entidade do Grupo Banco Popular Portugal, a carteiras de terceiros; iii) A compra ou venda de valores por conta de clientes em mercados pouco líquidos ou não transparentes, para benefício de uma Entidade do Grupo Banco Popular Portugal ou de determinados clientes, em detrimento de outros clientes; iv) Intermediação de operações por conta de clientes não profissionais ou de clientes profissionais, nos quais se leve a cabo uma afetação, à posteriori, dos melhores preços para clientes profissionais. c) Potenciais conflitos de interesses que possam surgir em conexão com o fluxo de informação e os membros da Administração / Direção das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal: i) Membros da Administração/ Direção: Podem existir membros da Direção que tenham múltiplas responsabilidades, o que pode originar situações de conflito face a interesses potencialmente divergentes das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal e dos diferentes clientes. Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 4/8

5 Existindo intercâmbio de informação entre Pessoas Relevantes, responsáveis por áreas distintas, tal comporta um risco de ocorrência de conflitos de interesses (ver adiante Áreas separadas ), com possível impacto nos interesses de um ou vários clientes. ii) Responsáveis das agências: Possibilidade de ocorrência de conflitos de interesses relacionados com o binómio gestão de carteiras de clientes versus incentivos comerciais sob a forma de bónus ou remuneração variável. iii) Barreiras físicas: Independentemente da existência de barreiras físicas ou de condições destinadas a evitar a circulação de informação entre os vários órgãos e ou entidades do Grupo Banco Popular Portugal, bem como, assegurar a confidencialidade entre as distintas áreas, podem surgir situações em que certas pessoas tenham acesso a informação sensível de diversas áreas. Neste caso, será necessário que as Entidades do Grupo identifiquem as circunstâncias em que pode existir esse intercâmbio de informação, dado que poderá funcionar em detrimento dos interesses dos clientes. d) Poderão ocorrer potenciais conflitos de interesses em relação aos vínculos familiares das Pessoas Relevantes. Entende-se por vínculo familiar o parentesco até ao segundo grau, por consanguinidade ou afinidade (ascendentes, descendentes, colaterais, irmãos e seus cônjuges) com: i) Clientes de serviços relacionados com os mercados de instrumentos financeiros, sempre que se conheça essa condição de cliente do Grupo; ii) Pessoas que exerçam cargos de administração ou de direção em sociedades clientes ou cotadas em Bolsa. e) Poderão, igualmente, surgir potenciais conflitos de interesses relativamente aos vínculos económicos das Pessoas Relevantes. Considera-se vinculação económica a titularidade direta ou indireta de uma participação superior a 5% do capital em sociedades não cotadas ou superior a 1% em sociedades cotadas, nas quais concorram as seguintes circunstâncias: i) Sejam clientes do Grupo por serviços relacionados com os mercados de instrumentos financeiros; ii) Se conheça essa condição de cliente do Grupo; e iii) A mesma dê lugar à prestação de serviços significativos. f) Para além dos potenciais conflitos de interesses mencionados acima, acrescem ainda os demais vínculos que, na opinião dum observador externo, possam comprometer a atuação imparcial da Pessoa Relevante. 5. Relação com o Código de Conduta das Entidades do Grupo nos Mercados de Instrumentos Financeiros 5.1. Com o fim de prevenir os conflitos de interesses e evitar o fluxo indevido de informação privilegiada, o Código de Conduta inclui procedimentos específicos, relacionados com a separação entre as áreas de intermediação e de gestão de carteiras por conta de outrem, para evitar os conflitos de interesses entre os vários clientes, ou nas atividades de gestão de Instituições de Investimento Coletivo e de banco depositário, para acautelar possíveis conflitos de interesses entre as sociedades gestoras e o banco depositário Para além do Código de Conduta do Grupo Banco Popular, as Sociedades Gestoras de Investimento Coletivo do Grupo Banco Popular, possuem normativo interno específico, o qual regula os procedimentos para a realização de operações, com o objetivo de evitar conflitos de interesses, bem como procedimentos de controlo interno relativos à afetação e separação de ordens agregadas. 6. Princípios gerais de conduta 6.1. As Pessoas Relevantes, bem como todos os empregados das Entidades do Grupo Banco Popular, que prestem a sua colaboração no âmbito da prestação de serviços de investimento ou serviços auxiliares, deverão assumir como princípios gerais de conduta a honestidade, a imparcialidade e o profissionalismo, no melhor interesse dos clientes, nos termos estabelecidos no Código de Conduta e na presente Política de Gestão de Conflitos de Interesses. 7. Procedimentos e medidas para a gestão dos conflitos de interesses 7.1. Os procedimentos e as medidas estabelecidas para gerir os conflitos de interesses, destinam-se a prevenir e identificar tais situações, permitindo que, na prestação de serviços de investimento, as Pessoas Relevantes possam atuar com um nível adequado de profissionalismo e independência. Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 5/8

6 Em concreto, tais medidas compreendem: Política de Gestão de Conflitos de Interesses a) A prevenção do uso inadequado de informação relativa aos clientes das Entidades do Grupo, quando a dita informação implique o risco de prejudicar os interesses de um ou vários clientes; b) Uma estrutura orgânica que separe, claramente, as diferentes atividades de intermediação financeira consubstanciada numa adequada segregação de funções por Áreas separadas Consideram-se Áreas separadas, as áreas responsáveis pelas seguintes atividades: a) Receção, transmissão e execução de ordens por conta de outrem; b) Gestão de carteiras por conta de outrem; c) Negociação de instrumentos financeiros por conta própria; d) Consultoria para investimento em instrumentos financeiros; e) Assistência e colocação em oferta pública relativa a instrumentos financeiros; f) Prospeção de investidores As medidas e procedimentos destinados a impedir o intercâmbio de informação entre Pessoas Relevantes pertencentes a diferentes Áreas separadas são as seguintes: a) O estabelecimento de barreiras entre as Áreas separadas, sejam barreiras físicas, pela separação física das áreas, sejam lógicas, nomeadamente ao nível dos sistemas informáticos credenciais de acesso a aplicações, ficheiros, bases de dados, correio electrónico, entre outros; b) Procedimentos de monitorização e controlo periódicos, com o objetivo de comprovar a eficácia das referidas barreiras As medidas e procedimentos concretos para controlar adequadamente a transmissão de informação, evitando que esta circule entre as Áreas separadas e não seja acessível a pessoas estranhas à atividade desenvolvida. Estas medidas incluem: (i) Procedimentos padrão de transmissão de informação entre Áreas separadas; (ii) Elaboração de listas com os elementos dos órgãos de estrutura que participam em operações onde, pela sua natureza, seja obtida informação privilegiada. (iii) As listas referidas na alínea anterior deverão ser facultadas ao Compliance, o qual deverá assegurar a sua permanente atualização; (iv) Possibilidade de transmissão de informação sensível ou privilegiada a pessoas alheias, unicamente em casos estritamente necessários e quando subscrevam um compromisso de confidencialidade aprovado pelo Conselho de Administração e pelo Compliance A remuneração dos Colaboradores de um órgão que preste serviços de investimento nunca poderá ser fixada por um responsável de outro órgão, com o qual exista, ou possa existir, um conflito de interesses. Neste sentido, estabeleceram-se, dentro das Entidades do Grupo Banco Popular, critérios de remuneração que garantam, razoavelmente, a objetividade e independência dos serviços que se prestam, sem que prevaleça o interesse de uma área de negócio sobre o de outra. Deste modo, os esquemas de remuneração dentro de cada área de negócio estabeleceram-se de forma a evitar conflitos de interesses entre os interesses pessoais ligados à remuneração da Pessoa Relevante em causa e os interesses do cliente A segregação de funções por órgãos distintos e os normativos internos específicos, asseguram que um mesmo Colaborador não possa estar envolvido, em simultâneo, em dois serviços ou atividades distintas, quando tal circunstância implique um conflito de interesses Do mesmo modo, também a influência de terceiros ou de qualquer entidade do Grupo Banco Popular, está devidamente salvaguardada no normativo interno, restringindo a possível influência nefasta que pudesse vir a ser exercida no âmbito das decisões adotadas pelas Pessoas Relevantes É, igualmente, garantida a gestão independente e objetiva na colocação de valores, em cuja emissão ou oferta tenham participado Entidades do Grupo Banco Popular. 8. Aprovação e revisão da Política 8.1. O presente instrumento de Política de Gestão de Conflito de Interesses foi aprovado pelo Conselho de Administração do Banco Popular Portugal, S.A., através de informação prévia emanada do Head of Compliance. A sua revisão terá periodicidade anual e incidirá, fundamentalmente, sobre (i) o conteúdo da Política e a sua adequação às exigências normativas e (ii) a Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 6/8

7 eficácia das medidas adotadas no programa de gestão dos conflitos de interesses, face às situações e ameaças que se venham a identificar. 9. Comunicação da Política aos clientes 9.1. A Política de Gestão de Conflitos de Interesses deverá ser publicitada à Clientela em geral e, em particular, aos Clientes das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal A Política de Gestão de Conflitos de Interesses do Grupo Banco Popular deverá ser publicitada no sítio e um exemplar da mesma deverá encontrar-se à disposição dos Clientes nas agências das Entidades do Grupo Banco Popular Portugal. 10. Da comunicação e registo de conflitos de interesses O Compliance, como órgão responsável pela observância da Política de Gestão de Conflitos de Interesses, deverá manter um registo atualizado dos órgãos de estrutura que prestem serviços de investimento, serviços auxiliares e de atividades de investimento no âmbito do Grupo Banco Popular, nos quais tenha ocorrido um conflito de interesses e que, como consequência desse mesmo conflito de interesses, se tenha gerado um risco e / ou prejuízo na esfera jurídica de um Cliente ou grupo de Clientes Os responsáveis dos órgãos de estrutura das várias Entidades do Grupo Banco Popular que prestem serviços ou atividades de investimento, reportam ao Head of Compliance a informação necessária para que seja efetuado o respetivo registo da incidência As Entidades do Grupo Banco Popular Portugal deverão manter um registo atualizado com as circunstâncias que possam consubstanciar ou potenciar conflitos de interesses que impliquem um risco para um ou mais Clientes, assim como dos procedimentos e medidas que deverão ser aplicados para gerir tais conflitos. O referido registo será objeto de atualização em função das possíveis ocorrências que consubstanciem um conflito de interesses que implique ou possa implicar um risco e / ou prejuízo na esfera jurídica de um Cliente ou grupo de Clientes. O Registo inclui a seguinte informação: a) Identificação do órgão de estrutura da Entidade do Grupo Banco Popular em que tenha ocorrido o incidente que consubstancie um conflito de interesses; b) A identidade das Pessoas Relevantes que estiveram expostas ao conflito de interesses; c) A data em que ocorreu o conflito de interesses, nos casos em que este já tenha ocorrido; d) Os instrumentos financeiros ou serviços objeto do conflito de interesses; e) A génese do conflito e a sua descrição detalhada; f) A descrição do processo de gestão e minimização do risco e / ou prejuízo; g) Qual a solução encontrada para a reparação da situação O Compliance incorpora no Registo as circunstâncias identificadas pelo procedimento anteriormente descrito, ou outras que possa detetar no exercício das suas funções O Registo será mantido durante um período mínimo de cinco (5) anos, devendo também guardar-se, pelo mesmo período temporal, qualquer alteração realizada nos mesmos. 11. Cumprimento do dever de informação e conflito de interesses Quando em determinadas circunstâncias se conclua que as medidas adotadas são insuficientes para evitar, com uma certeza razoável, um prejuízo para um Cliente ou grupo de Clientes, emergentes de uma situação de conflito de interesses, estes deverão ser informados, através de um suporte duradouro, da natureza do conflito e das demais circunstâncias que lhe permitam formar a sua vontade e decidir acerca do produto ou serviço de investimento a contratar com qualquer das Entidades do Grupo Banco Popular. 12. Do cumprimento da Política de Gestão de Conflitos de Interesses O cumprimento da Política de Gestão de Conflitos de Interesses é da responsabilidade de todas as Pessoas Relevantes. O Head of Compliance informará o Conselho de Administração relativamente a qualquer incumprimento ou incidência relevante que seja levada ao seu conhecimento. Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 7/8

8 12.2. As Entidades do Grupo Banco Popular divulgarão a todas as Pessoas Relevantes o presente documento. Do mesmo modo, as Pessoas Relevantes são informadas da sua obrigação de comunicar toda e qualquer situação que consubstancie um conflito de interesses Cabe ao responsável de cada um dos órgãos de estrutura associados à prestação de serviços de investimento, a identificação das circunstâncias nas quais exista a possibilidade de ocorrer um conflito de interesses suscetível de causar um prejuízo a um ou mais Clientes Esta política é efetiva e exigível a todas as Pessoas Relevantes a partir da data da sua publicação Qualquer dúvida relacionada com o conteúdo desta política interna, deverá ser esclarecida pelo órgão de Compliance. Anexo I: Entidades do Grupo Banco Popular em Portugal Banco Popular Portugal, S.A., com sede social na Rua Ramalho Ortigão, nº 51, de Lisboa; NIPC Eurovida - Companhia de Seguros de Vida, S. A., com sede social na Rua Ramalho Ortigão, nº 51, 7º, de Lisboa; NIPC Popular Seguros Companhia de Seguros, S.A., com sede social na Rua Ramalho Ortigão, nº 51, 7º, de Lisboa; NIPC Popular Gestão de Activos SGFI, com sede social na Rua Ramalho Ortigão, nº 51, 2º, de Lisboa; NIPC Mod. 853D/2007 Última Alteração: 2016/04/08 8/8

Política de Conflitos de Interesses

Política de Conflitos de Interesses Política de Conflitos de Interesses Índice Índice 2 Política de Conflitos de Interesses 3 1. Introdução... 3 2. A nossa política de conflitos de interesses... 3 3. Conflitos de interesses estudos de investimento...

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS 1/5 POLÍTICA DE TRATAMENTO DE CLIENTES E TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1 2. DEFINIÇÕES... 1 3. PRINCÍPIOS E NORMAS DE ATUAÇÃO... 2 3.1. PRINCÍPIO DA NÃO DISCRIMINAÇÃO... 2 3.2.

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA POPULAR GESTÃO DE ACTIVOS, S.A. ( PGA ) Introdução A presente Política

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Aplicação... 2 III - Regras de Conduta... 3 IV - Disposições Gerais... 6 ANEXO A - Autorização para

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ASF nº 10/2009-R de 25 de junho.

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ASF nº 10/2009-R de 25 de junho. Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ASF nº 10/2009-R de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros, S.A.U. - Sucursal em Portugal 11 fevereiro2015 Índice

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE S.A. ( BANCO POPULAR ) Introdução

POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE S.A. ( BANCO POPULAR ) Introdução POLÍTICA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO, E DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. ( BANCO POPULAR ) Introdução A presente

Leia mais

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros

Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Política do regulamento de funcionamento do Serviço de Gestão de Reclamações de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar nº 10/2009 de 25 de junho. AXA Global Direct Seguros y Reaseguros,

Leia mais

Código de Ética e de Conduta Empresarial

Código de Ética e de Conduta Empresarial O da Irmãos Parasmo S/A leva em consideração os elementos essenciais existentes nas suas relações com os seus diferentes públicos acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços,

Leia mais

Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais

Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Política de Seleção e Avaliação dos Membros dos Órgãos de Administração e Fiscalização e dos Titulares de Funções Essenciais Proposta do Conselho de Administração aprovada pela Assembleia Geral em 15 de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado

Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado Regulamento da CMVM n.º 3/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Alternativo Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) A revisão do regime legal do capital de risco,

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS 1. INTRODUÇÃO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGRAS PARA AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Em atendimento à Instrução CVM nº 497, de 03 de junho de 2011], o presente Manual dispõe sobre os procedimentos e regras

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS A quem se destina este Manual Este manual reúne o conjunto de normas e procedimentos a serem seguidos por TODOS aqueles que trabalham na S.C.C.V.M. S/A,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política

Política de Negociação de Valores Mobiliários Política de Negociação de Valores Mobiliários de Negociação de Valores Mobiliários Versão 1.0 Data de criação 01/08/2012 Data de modificação Não Aplicável Tipo de documento Índice 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 4 2. DEFINIÇÕES...

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1.

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1. Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas da MEO - Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A., com sede na Av. Fontes

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte

Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Condições gerais sobre o uso da aplicação web do fornecedor de transporte Proteção de dados É do conhecimento do contratante que, não só a informação referente à empresa particularmente informação referente

Leia mais

CONTRATO DE ADESO PRESTAÇO DE SERVIÇOS DE GESTO DE RECURSOS FINANCEIROS E ORÇAMENTAIS EM MODO PARTILHADO (GeRFiP)

CONTRATO DE ADESO PRESTAÇO DE SERVIÇOS DE GESTO DE RECURSOS FINANCEIROS E ORÇAMENTAIS EM MODO PARTILHADO (GeRFiP) CONTRATO DE ADESO PRESTAÇO DE SERVIÇOS DE GESTO DE RECURSOS FINANCEIROS E ORÇAMENTAIS EM MODO PARTILHADO (GeRFiP) Cláusula 1. Objeto 1. O presente Contrato tem por objeto a adeso aos serviços de partilha

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO

CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO CADERNO DE ENCARGOS AJUSTE DIRETO Aquisição de Serviços de Formação Microsoft SQL Server 2008 para 3 Colaboradores da Equipa do Projeto BIORC da Direção-Geral do Orçamento - DGO PARTE I CLÁUSULAS JURÍDICAS

Leia mais

POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL

POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL 1. Introdução POLÍTICA INTERNA DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DA CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL 1.1. Ao abrigo e nos termos do n.º 2 do artigo 30.º-A do Regime

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários MERCADO DE CAPITAIS 01/04/2015 CVM edita a Instrução nº 558/15, que regula a atividade de administração de carteiras de valores mobiliários A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) divulgou, em 26 de

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Gerência de Compliance e Riscos Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Regras para Investimento... 3 4.1. Investimentos Permitidos...

Leia mais

capítulo Enforcement

capítulo Enforcement capítulo 4 4.1 Considerações iniciais No quadro da atividade de enforcement, o ISP (i) dirige recomendações e determinações específicas às entidades supervisionadas visando a correção de eventuais irregularidades

Leia mais

Assim, o Instituto de Seguros de Portugal considera essencial que os seguradores cumpram os seguintes princípios e regras:

Assim, o Instituto de Seguros de Portugal considera essencial que os seguradores cumpram os seguintes princípios e regras: CIRCULAR N.º 2/2012, DE 1 DE MARÇO DEVERES LEGAIS DE DILIGÊNCIA DOS SEGURADORES RELATIVAMENTE AOS SEGUROS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO Importa reconhecer a relevância e a função económica e social dos designados

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Aviso N.º 33/SI/2015 Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projetos em Co-Promoção 30 de novembro de 2015 CONTRATO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente

REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente REGIMENTO Interno Avaliação De Desempenho Docente ÍNDICE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 3 Artigo 2.º Docentes avaliados 4 Artigo 3.º Momento em que ocorre a avaliação de desempenho

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA TAGUSGÁS - EMPRESA DE GÁS DO VALE DO TEJO, S.A. Considerando:

CÓDIGO DE CONDUTA DA TAGUSGÁS - EMPRESA DE GÁS DO VALE DO TEJO, S.A. Considerando: CÓDIGO DE CONDUTA DA TAGUSGÁS - EMPRESA DE GÁS DO VALE DO TEJO, S.A. Considerando: 1 O estatuto da Tagusgás - Empresa de Gás do Vale do Tejo, S.A. de Operador da Rede de Distribuição e de Comercializador

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL A recente crise financeira internacional em que vivemos e os seus efeitos no sector financeiro suscitaram uma profunda reflexão internacional sobre

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função do Provedor do Cliente da Médis - Companhia Portuguesa

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE REGIMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Artigo 1.º Disposições iniciais e princípios gerais 1. A avaliação do desempenho docente funciona nos termos do disposto no quadro de referência constituído

Leia mais

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRATAMENTO, AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS TOMADORES DE SEGUROS, PESSOAS SEGURAS, BENEFICIÁRIOS E OUTROS INTERESSADOS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento visa

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020

CÓDIGO DE CONDUTA. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020 Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020 CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data de aprovação Descrição 1 07/09/2015 (ratificada a 09/09/2015) 2 17/12/2015 Código de Conduta do

Leia mais

TRATAMENTO DAS RECLAMAÇÕES

TRATAMENTO DAS RECLAMAÇÕES 1/12 TRATAMENTO Nº da versão Data Motivo 07 04/09/06 Alteração do layout e dos pontos 1, 2, 3, 4 e 5 08 31/08/09 Alteração dos pontos 1 a 6 09 18/04/11 Alteração do layout e pontos 1, 2, 4, 5.1, 5.2, 5.4,

Leia mais

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho

Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho Regulamento Acredita Portugal Realize o seu Sonho REGULAMENTO DA 4ª EDIÇÃO DO CONCURSO "BES REALIZE O SEU SONHO" Capítulo I - Introdução e Objetivos 1.º(Introdução e Objetivos) O Concurso Realize o Seu

Leia mais

BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA

BRASIL PLURAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO Brasil Plural Gestão de Recursos Ltda. Setembro de 2015 I. Definição e Finalidade 1. A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais de

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Aprovada pelo Conselho de Administração em 03 de maio de 2012 1. INTRODUÇÃO Esta Política de Negociação estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho

Política de Tratamento de Clientes e Terceiros. Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho Política de Tratamento de Clientes e Terceiros Nos termos da Norma Regulamentar ISP n.º10/2009-r, de 25 de Junho 31 de Agosto de 2009 Índice INTRODUÇÃO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

Política de Gestão de Reclamações

Política de Gestão de Reclamações DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A Eurovida considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que presta aos seus Clientes, Colaboradores e Parceiros e de contribuir para a boa imagem e para

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2.

Projecto de Avaliação do Desempenho Docente. Preâmbulo. Artigo 1.º. Objecto. Básico e Secundário, adiante abreviadamente designado por ECD. Artigo 2. Projecto de Avaliação do Desempenho Docente Preâmbulo ( ) Artigo 1.º Objecto O presente diploma regulamenta o sistema de avaliação do desempenho do pessoal docente estabelecido no Estatuto da Carreira

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional

Código de Ética e Conduta Profissional Código de Ética e Conduta Profissional ÍNDICE DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 1 ARTIGO 1º. - Âmbito de Aplicação 1 ARTIGO 2º. Princípios Aplicáveis 2 ARTIGO 3º. Relação com os clientes/consumidores 3 ARTIGO

Leia mais

GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE

GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE GESTÃO DOS PROCESSOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - ELETRICIDADE Junho de 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA 2 INFORMAÇÕES GERAIS O QUE É O CÓDIGO DE ÉTICA E DE CONDUTA O Código de Ética e de Conduta (Código) é o instrumento no qual se inscrevem os valores que pautam a actuação do

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

EDITAL. Faz-se público que a Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim, por deliberação tomada em sessão PÓVOA DE VARZIM, 18 DE DEZEMBRO DE 2015.

EDITAL. Faz-se público que a Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim, por deliberação tomada em sessão PÓVOA DE VARZIM, 18 DE DEZEMBRO DE 2015. EDITAL ALTERAÇÕES AO TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS Faz-se público que a Assembleia

Leia mais

Contributos e comentários produzidos no âmbito da audição pública

Contributos e comentários produzidos no âmbito da audição pública Contributos e comentários produzidos no âmbito da audição pública A ERS submeteu a audição pública, entre os dias 7 de julho e 7 de agosto de 2014, a versão preliminar da Recomendação n.º 1/2014 sobre

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Versão Revisada em 1º de Outubro de 2015

Versão Revisada em 1º de Outubro de 2015 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO E COMPANHIAS EMISSORAS DE ATIVOS FINANCEIROS QUE CONTEMPLEM O DIREITO DE VOTO E INTEGREM AS CARTEIRAS DOS FUNDOS

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários. A PRESIDENTE

Leia mais

FAMA Investimentos Ltda. Política de Investimentos Pessoais

FAMA Investimentos Ltda. Política de Investimentos Pessoais FAMA Investimentos Ltda. Política de Investimentos Pessoais POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS, COLABORADORES, E PELA PRÓPRIA EMPRESA ( INVESTIMENTOS PESSOAIS

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA DO GRUPO CTT. Regulamento Interno 1. Artigo Primeiro. Objeto e Missão

COMISSÃO DE ÉTICA DO GRUPO CTT. Regulamento Interno 1. Artigo Primeiro. Objeto e Missão COMISSÃO DE ÉTICA DO GRUPO CTT Regulamento Interno 1 Artigo Primeiro Objeto e Missão 1. O presente Regulamento tem por objeto disciplinar a composição, o funcionamento e as competências da Comissão de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança

Leia mais

SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO AOS INVESTIDORES

SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO AOS INVESTIDORES SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO AOS INVESTIDORES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que é o Sistema de Indemnização aos Investidores (SII)? O SII é uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado)

VIX LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 32.681.371/0001-72 NIRE: 32.300.029.612 (Companhia Aberta de Capital Autorizado) POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA VIX LOGÍSTICA S.A. 1. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 1.1. O objetivo da presente Política de Negociação é esclarecer as regras que deverão ser observadas pelos

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Estrutura do Código de Ética e Conduta 1. Introdução pág. 03 2. Mensagem da Diretoria pág. 04 3. Relações no Ambiente de Trabalho pág. 05 4. Relacionamento Externo pág. 07 5.

Leia mais

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387

Guidelines. Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação. 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Guidelines Orientações relativas a determinados aspetos dos requisitos da DMIF em matéria de adequação 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Data: 25 de junho de 2012 ESMA/2012/387 Índice I. Âmbito 3 II. Definições

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860

Manual do Revisor Oficial de Contas. Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 Índice Projecto de Directriz de Revisão/Auditoria 860 PROJECTO DE DIRECTRIZ DE REVISÃO/AUDITORIA 860 Dezembro de 2008 Relatório Sobre o Sistema de Controlo Interno das Instituições de Crédito e Sociedades

Leia mais

PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA SUCURSAL EM PORTUGAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA SUCURSAL EM PORTUGAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PROVEDOR DO CLIENTE DA AGA INTERNATIONAL SA SUCURSAL EM PORTUGAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ARTIGO 1.º PROVEDORIA DO CLIENTE 1. A provedoria do Cliente visa a disponibilização de uma solução de resolução

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA Conformidade ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento Versão 2015/2 Editada em novembro de 2015 SUMÁRIO 1.

Leia mais

FUNDOS COLÉGIOS FOMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO

FUNDOS COLÉGIOS FOMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO FUNDOS COLÉGIOS FOMENTO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO O Fundo Colégios Fomento, recentemente constituído, consiste num património de administração autónoma da Fundação Maria Antónia Barreiro, sem personalidade

Leia mais

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989.

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989. 1. INTRODUÇÃO EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas e auditores independentes na elaboração e publicação das demonstrações financeiras, do relatório da administração e do parecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA A CM Capital Markets Corretora de Títulos e Valores Mobiliários LTDA, em atenção ao disposto no art.

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) 21102015 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

Condições Gerais do Caixadirecta Empresas

Condições Gerais do Caixadirecta Empresas Condições Gerais do Caixadirecta Empresas Cláusula 1ª - Objecto As presentes condições gerais regulam o Caixadirecta Empresas, sem prejuízo das disposições legais aplicáveis e daquilo que for especialmente

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PROJECTO DE CARTA-CIRCULAR SOBRE POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS No âmbito da avaliação realizada, a nível internacional, sobre os fundamentos da crise financeira iniciada no Verão

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS TITULARES DE FUNÇÕES ESSENCIAIS DO BANCO POPULAR PORTUGAL, SA Introdução A presente Política de Remuneração dos titulares de funções essenciais (abreviadamente referida como

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL Julho de 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais