REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA"

Transcrição

1 REGULAÇÃO PELA TAXA DE RETORNO, CRIAÇÃO DE VALOR E GOVERNANÇA CORPORATIVA Carlos Henrique Rocha PhD em Economia Professor na Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departamento de Engenharia de Produção Pesquisador CNPq de Produtividade Resumo Este artigo critica o emprego dos modelos CAPM e WACC para estimar a taxa de retorno de uma empresa regulada. Defende-seque a taxa de retorno da empresa regulada deva ser estabelecida de outra forma.não é escopo do artigo formular um modelo de determinação da taxa de retorno de uma empresa regulada.o artigo sugere o uso da equação do EVA como referência para o monitoramento da empresa regulada. Apresenta-se um protótipo de modelo de governança corporativa para uma empresa regulada pela taxa de retorno e estabelece-se a sua função-objetivo. Palavras-chave: Regulação por taxa de rentabilidade; Criação de valor; EVA, Governança corporativa. Abstract This article criticizes the use of the CAPM and WACC models to estimate the rate of return for a regulated company. We argue that the return rate of regulated firm must be established otherwise. This article does not formulate a model to determine the rate of return for a regulated company. The article suggests the use of EVA as a reference equation for monitoring the regulated company. We present a prototype model of corporate governance for a company regulated by the rate of return and settle its objective function. Keywords: Regulation by rate of return; Creating value, EVA, Corporate Governance. Introdução Uma empresa será considerada como criadora de valor quando for capaz de oferecer aos seus proprietários uma remuneração superior ao valor de reposição de seus ativos (ADAM, 2007). No sistema de regulação pela taxa de retorno,a empresa regulada remunera seus proprietários exatamente no valor de reposição de seus ativos fixos e de giro. Portanto a empresa regulada fica impedida de criar valor para os seus proprietários. Em geral, o regulador usa os modelos CAPM (modelo de precificação de ativos de capital) e WACC (custo médio ponderado do capital), siglas em inglês, para estabelecer a rentabilidade permitida para a empresa regulada. Esses modelos foram construídos para empresas listadas nas bolsas de valores,as quais têm como princípio fundamental tomar decisões de forma a maximizar o retorno dos seus proprietários de capital. Existe uma dicotomia de desígnio entre empresas reguladas por taxa de rentabilidade e empresas listadas.como resultado disso, a taxa de retorno de uma empresa regulada não pode ser estabelecida por meio dos modelos CAPM e WACC.

2 Brigham e Houston (1999: 365) notam que os modelos CAPM e WACC são muitas vezes usados para ajudar a estimar a taxa de retorno de uma empresa de capital fechado, cujas ações não são negociadas em bolsa, mas que é geradora de valor para os seus proprietários. Ainda assim, esses autores chamam esse procedimento de puro palpite. Nada obstante, a argumentação precedente não invalida o modelo de regulação pela taxa de retorno. Cabe somente estabelecer a taxa de retorno da empresa regulada de outra forma. A taxa de retorno da empresa regulada Empresas reguladas apresentam algum poder de monopólio de forma que se pode admitir que a taxa de retorno permitida para a empresa regulada não criadora de valor seja menor do que uma empresa listada ou não-listada, porém geradora de valor. Não é bem assim! O prêmio de risco de inadimplência e o prêmio de risco de liquidez pode ser relativamente maior para uma empresa regulada não-listada, elevando a sua taxa de retorno. Contudo, não é escopo deste artigo formular um modelo de determinação da taxa de retorno de uma empresa regulada. Isso parece requerer pesquisas aprofundadas. Por ora, admite-se que a taxa de retorno da empresa regulada seja δ. Essa taxa representa a rentabilidade permitida pelo regulador. Uma forma de regulação por taxa de rentabilidade: uma proposta O Valor Econômico Adicionado ou simplesmente EVA é a ideia financeira mais notável da atualidade, registram Brigham e Houston (1999: 91). O EVA foi recentemente desenvolvido e popularizado pela empresa de consultoria Stern Stewart &Co., detentora da marca. Apesar disso, o EVA não é novo, lembram Brigham e Houston (1999: 91): a necessidade de ganhar mais do que o custo do dinheiro investido em um empreendimento é uma das ideias mais antigas no mundo empresarial. O EVA é uma maneira de se medir a verdadeira rentabilidade de uma empresa ou de uma unidade da empresa. Na convenção contábil tradicional, quando se calcula o lucro líquido na Demonstração de Resultados do Exercício,deduz-se o custo do dinheiro de terceiros, ao passo que o custo do capital próprio não é deduzido. Em termos econômicos, o lucro líquido superestima o lucro verdadeiro. O EVA corrige esta falha da contabilidade tradicional (Brigham; Houston, 1999: 91). Ou seja, a metodologia EVA é mais ampla e leva em conta o custo de todo o capital investido no negócio, seja ele de terceiros ou dos proprietários, dos acionistas. A metodologia EVA pode ser aplicada indistintamente tanto em empresas de capital aberto negociado em bolsa de valores como em empresas de capital fechado (ADAM, 2007). A equação do EVA mostra-se interessante para o sistema de regulação por taxa de rentabilidade. Ela mensura o êxito financeiro da empresa. O EVA pode ser representado assim, em termos matemáticos (BRIGHAM; EHRHARDT, 2010: p. 50): EVA = KO ( RSCI WACC ) (1)

3 Onde RSCI é o retorno sobre o capital investido (é uma medida do desempenho financeiro da empresa), WACC é a taxa de retorno da empresa calculada por meio do modelo do custo médio ponderado do capital e KOé capital operacional. O RSCI indica quanto de LOLAIR (lucro operacional líquido após imposto de renda) é gerado para cada unidade monetária investida de capital operacional(brigham; EHRHARDT, 2010; DAMODARAN, 2004). O RSCI é definido da seguinte maneira: LOLAIR RSCI = (2) KO O capital operacional KO é a soma do capital de giro operacional líquido e dos ativos permanentes operacionais líquidos. O capital de giro operacional é igual adiferença entre ativos circulantes que não rendem juros e passivos circulantes que não pagam juros. Para se calcular o RSCI, é preciso ter a Demonstração de Resultados do Exercício e o Balanço Patrimonial da empresa. As taxas RSCI e WACC são comparáveis, conforme a equação (1). Se RSCI for maior do que WACC, o indicador EVA será positivo e,nesse caso,será possível dizer que a empresa cria valor para os seus proprietários. Por outro lado, se RSCI for igual a WACC, o EVA será zero, e a empresa será considerada não geradora de valor. Posto isso, tudo o que o regulador tem de fazer é assumir que o WACC (taxa de retorno) da empresa regulada seja igual ao retorno sobre o capital investido e, por sua vez, igual a δ. Então, a forma tradicional de monitoramento da empresa regulada (valor presente dos investimentos igual ao valor presente dos fluxos de caixa livres) seriadada pela equação (3): EVA KO ( RSCI δ ) (3) t = t Em que EVA t é o valor econômico adicionado da empresa regulada no ano t, RSCI t é o retorno sobre o capital investido da empresa regulada no ano t e δ é o retorno-alvo sobre o capital investido estimado pelo regulador. Por exemplo: se a empresa regulada apresentar em qualquer período tuma rentabilidade (RSCI t ) superior à rentabilidade permitida δ, o reguladorpedirá para que os preços prestados pela empresa regulada sejam reduzidos. Portanto o equilíbrio financeiro do empreendimento regulado é feito também por meio da equação modificada do EVA, equação (3). É importante lembrar que δdeve ser obtido durante toda a vida da empresa regulada.o EVA em qualquer período t tem de ser zero. Governança corporativa Uma empresa regulada pela taxa de retorno está impedida de criar valor para seus proprietários. Apesar disso, a empresa regulada não pode abrir mão da governança corporativa. Ela tem compromissos com os usuários, empregados, proprietários, governo, fornecedores e credores. Para uma elegante exposição sobre governança corporativa ver Jensen (2001), Kaplan (1997) e Silveira (2010).

4 Uma empresa regulada não é uma empresa sob controle estatal, nem 100% chapabranca,nem de economia mista. Uma empresa regulada pela taxa de retorno tem uma função-objetivo bem definida. Ela não gera valor, mas lhe é garantida uma determinada rentabilidade destinada a remunerar os capitais investidos. O gestor da empresa regulada tem uma árdua tarefa que é a de manter a rentabilidade do negócio no nível estabelecido pelo regulador durante o horizonte temporal da regulação. Esta é a função-objetivo da empresa regulada pela taxa de retorno; o seu objetivo é nãoambíguo. Cumprindo esse ritual, pode-se dizer que a empresa regulada é um empreendimento bem-sucedido. Para que a empresa regulada seja bem sucedida atingindo seu objetivo,ela não deve usar mais capital físico do que o necessário para operar o negócio, em detrimento de mão de obra, evitando o efeito Averch-Johnson (Mata, 2010). Assim, a empresa regulada deveexecutar as seguintes ações (lista não exaustiva): a) Procurar baixar custos, beneficiando seus usuários por meio da redução de preços. b) Revelar suas demonstrações financeiras (balanços, demonstrações de resultados e mapas de origens e aplicações de fundos) para o regulador, destacando que as demonstrações financeiras devem ser revisadas por auditoria independente. c) Ser constituída na forma de sociedade de propósito específico. d) Comunicar aos empregados recém-contratados que a empresa tem prazo para encerrar suas atividades. e) Prever nas demonstrações financeiras do negócio as verbas trabalhistas rescisórias por ocasião do encerramento de suas atividades. f) Estabelecer um canal de recepção de críticas e denúncias de seus usuários, incluindo denúncias anônimas. g) Fazer aparecer nas demonstrações financeiras do negócio o valor residual com a venda de ativos físicos. h) Empregar ferramentas modernas de administração de empresas. Conclusão Este artigo argumenta que não se pode empregar os modelos CAPM e WACC para estimar a taxa de retorno de uma empresa regulada, porque ela não é capaz de adicionar valor e, portanto, não pode ser comparada com empresas listadas geradoras de valor. Existe uma dicotomia de propósitos entre estes dois tipos de empresas. A argumentação exposta neste artigo, contudo, não invalida o modelo de regulação pela taxa de retorno. Cabe somente estabelecer a taxa de retorno da empresa regulada de outra forma. O artigo propõe o uso da equação do EVA, equação modificada, no artigo equação (3), como referência para o monitoramento da empresa regulada. Não é função do artigo estabelecer a taxa de retorno para a empresa regulada, mas o agente regulador poderia usar os RSCI históricos de empresas reguladas congêneres como uma aproximação. Este procedimento deve ser mais correto do que usar os modelos CAPM e WACC para calcular a taxa de retorno da empresa regulada.

5 Finalmente, o artigo estabeleceu a função-objetivo para uma empresa regulada e apresentou um protótipo de modelo de governança corporativa aplicado à empresas reguladas pela taxa de retorno. Referênciasbibliográficas ADAM, Alexandre Handbookofassetandliability management: frommodelstooptimalreturnstrategies. 1. ed. London: John Wiley, 2007, 576 p. BRIGHAM, Eugene F.; EHRHARDT, Michael C. Administração financeira: teoria e prática. 1. ed. São Paulo: CENGAGE Learning, 2010, p. BRIGHAM, Eugene F.; HOUSTON, Joel F. Fundamentos da moderna administração financeira. 1. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999, 713 p. DAMODARAN, AswathFinanças corporativas: teoria e prática. 2. ed. Porto Alegre, Bookman, 2004, 796 p. JENSEN, Michael C. Valuemaximization, stakeholderstheory, andthecorporateobjectivfunction. JournalofApplied Corporate Finance, v. 14, n. 3, p. 8-21, KAPLAN, Steven N. Corporate governanceandcorporate performance: a comparisonofgermany, Japan, andthe U.S.JournalofApllied Corporate Finance, v. 9, n. 4, p , MATA, José Economia da empresa. 6. ed. Lisboa: Fundação CalousteGulbenkian, 2010, 644 p. SILVEIRA, Alexandre M. Governança corporativa no Brasil e no mundo. 1. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2010, 397 p.

Análise Avançada das Demonstrações Financeiras

Análise Avançada das Demonstrações Financeiras Análise Avançada das Demonstrações Financeiras Como enxergar a realidade financeira e patrimonial da empresa através das análises estática e dinâmica das demonstrações financeiras Durante décadas as empresas

Leia mais

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 1 EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO LUCRO OPERACIONAL APÓS O IMPOSTO DE RENDA CUSTO DE TODOS OS CAPITAIS EMPREGADOS NA EMPRESA (PRÓPRIO E DE TERCEIROS) EVA Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE. Ferramentas Financeiras para Tomada de Decisão

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE. Ferramentas Financeiras para Tomada de Decisão UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE Ferramentas Financeiras para Tomada de Decisão Por: Ana Paula Ribeiro da Silva Orientador: Professor: Mário Luis Trindade Rio

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

Prof. Fernando Oliveira Boechat

Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Prof. Fernando Oliveira Boechat Sumário: 1. Introdução 2. Prof. Fernando Oliveira Boechat 2 Introdução: ENTENDENDO AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS Prof. Fernando

Leia mais

Demonstrações Financeiras Externas

Demonstrações Financeiras Externas P A R T E I D e m o n s t r a ç õ e s F i n a n c e i r a s p a r a G e r e n t e s 16 C A P Í T U L O 2 Demonstrações Financeiras Externas O que o mundo sabe sobre sua empresa As demonstrações financeiras

Leia mais

DOES BNDES CREATE ECONOMIC PROFIT? ABSTRACT

DOES BNDES CREATE ECONOMIC PROFIT? ABSTRACT DOES BNDES CREATE ECONOMIC PROFIT? ABSTRACT The goal of this paper was to determine whether the BNDES, in the period between 2000 and 2011 generated economic profit for its main shareholder, the Federal

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA)

5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) 35 5. Valor Econômico Adicionado (VEA) ou Economic Value Added (EVA) O conceito Economic Value Added (EVA) foi desenvolvido pela empresa Stern Stewart & Co, e em português significa Valor Econômico Adicionado

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1 Balanço Patrimonial Aplicação dos Capitais

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO 1 INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO RAFAEL SILVA DE ANDRADE Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

COMO TRATAR A TAXA DE JUROS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

COMO TRATAR A TAXA DE JUROS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA COMO TRATAR A TAXA DE JUROS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA O que está certo? O que está errado? Como Tratar a Taxa de Juros na Formação do Preço de Venda à Vista Como Tratar a taxa de Juros na Formação

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 CONTABEIS - Campus Mossoró) 3ª série CONTABILIDADE INTRODUTORIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA DA CONTABILIDADE CONTEÚDO

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br

Princípios de Finanças. Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Princípios de Finanças Prof. José Roberto Frega, Dr. jose.frega@ufpr.br Material didático e acesso Site da disciplina http://frega.net Login: UFPRPRINCFIN 2 Prof. José Roberto Frega, Dr. Graduado em Engenharia

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteI! Como determinar a geração interna de caixa?! Como determinar a geração operacional de caixa?! Entendendo a formação de caixa de uma empresa!

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE

CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 27 CONCILIAÇÃO ENTRE A TIR E O ROI: UMA ABORDAGEM MATEMÁTICA E CONTÁBIL DO RETORNO DE INVESTIMENTO INTEGRAÇÃO ENTRE O CAIXA E O LUCRO CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves

Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves IBAPE-DF II Seminário Nacional de Engenharia de Avaliações Abril 2014 Avaliação de Intangíveis Celso José Gonçalves Engº. Civil Especialista em Finanças Executivo em Negócios Financeiros IBAPE-DF - II

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC. Renato Tognere Ferron Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Renato Tognere Ferron Relatórios Contábeis Relatórios Contábeis Obrigatórios Exigidos pela Lei das Sociedades por ações Sociedade Anônima Deverão ser publicados Ltdas.

Leia mais

COMO INTERPRETAR A RELAÇÃO VENDAS / ATIVOS ( GIRO )

COMO INTERPRETAR A RELAÇÃO VENDAS / ATIVOS ( GIRO ) COMO INTERPRETAR A RELAÇÃO Mais giro aumentando os preços de vendas. Mais giro aumentando o volume de vendas. Mais giro reduzindo a base de ativos. Os respectivos impactos no lucro. Francisco Cavalcante

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA

CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA CPF DO CANDIDATO (A): DATA: 17/11/2014. NOME DO CANDIDATO (A): PROVA ESCRITA Processo Seletivo para Curso de Especialização em Controladoria e Finanças Edital nº 04/2014 INSTRUÇÕES: A prova é individual,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria 1 OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma visão prática do ponto de vista de mercado e correta

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. FI BB Votorantim JHSF Cidade Jardim (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Em milhares de reais ATIVO 2014

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

FATOR PORTFOLIO VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO

FATOR PORTFOLIO VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR PORTFOLIO VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO Data da Competência: Mai/16 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES

Leia mais

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução

20/02/2014. Capítulo 22 Capital de Giro. Introdução Introdução A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades operacionais e financeiras Deve garantir a adequada consecução

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT )

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) 1 AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) Clóvis Luiz Padoveze * João Carlos de Oliveira ** Resumo: O presente trabalho consiste numa aplicação

Leia mais

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim RESUMO O presente trabalho, apesar de ter sido publicado em 2000 é um assunto bem rico para os dias atuais, tem por objetivo fazer uma conciliação

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A.

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. Rosangela Zimpel1 Heder Bassan2 Geovane Sornberger3 Sergio Guaraci Prado Rodrigues4

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

Contabilidade e Gestão Financeira

Contabilidade e Gestão Financeira Contabilidade e Gestão Financeira A Função Financeira MESG - Mestrado Engenharia de Serviços e Gestão FEUP 2010 Rui Padrão A Função (Financeira) Gestão Financeira: Decisões Financeiras Estruturais: 1.

Leia mais

FATOR MAX CORPORATIVO FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA LONGO PRAZO CRÉDITO PRIVADO

FATOR MAX CORPORATIVO FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA LONGO PRAZO CRÉDITO PRIVADO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR MAX CORPORATIVO FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA LONGO PRAZO CRÉDITO PRIVADO Data da Competência: Mar/16 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I BALANÇO PATRIMONIAL 2 CONCEITO É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, o Patrimônio e o Patrimônio Líquido

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira DERIVATIVOS Por Abraão Maia Ulisses Malveira REVISÃO DE DERIVATIVOS Contratos a Termo O que é? Um contrato que lhe dá o direito de receber uma quantidade X de um produto Y. Quem? Duas pessoas, um comprador

Leia mais

Taxa básica de juros e a poupança

Taxa básica de juros e a poupança UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, SECRETARIADO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 2 Taxa

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

Balanço Patrimonial - TAM

Balanço Patrimonial - TAM Balanço Patrimonial - TAM Grupo de Contas 2009 2009 2008 2008 2007 2007 Sem ajuste Com ajuste Sem ajuste Com ajuste Sem ajuste Com ajuste Ativo 3.794.414 3.794.414 3.670.788 3.670.788 4.127.250 4.127.250

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Estrutura Patrimonial Índices de Estrutura Índices de Estrutura Estrutura do Balanço Patrimonial Estrutura das Aplicações (Ativo) Estrutura das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu

Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial. UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu Impacto da BOA Gestão Financeira sobre o Resultado Empresarial UMA VISÃO PANORÂMICA 2014 Prof. José Carlos Abreu O Cenário - Pesquisa do SEBRAE - Pesquisas das grandes CONSULTORIAS nos USA e em diversos

Leia mais

Fundamentos de Contabilidade para Executivos

Fundamentos de Contabilidade para Executivos Fundamentos de Contabilidade para Executivos Um guia prático para entender os Demonstrativos Contábeis Este curso é eminentemente prático e é dirigido àqueles profissionais que não têm tempo para estudar

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL versus VALOR DE MERCADO Cálculo do patrimônio líquido pelo valor de mercado

PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL versus VALOR DE MERCADO Cálculo do patrimônio líquido pelo valor de mercado UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 37 PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL versus VALOR DE MERCADO Cálculo do patrimônio líquido pelo valor de mercado Autor: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO. João Roberto Rodrigues Bio

LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO. João Roberto Rodrigues Bio LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO Apresentação E M P R E S A S FIPECAFI Projetos Consultoria Desenvolvimento Gerencial MBA USP - Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DAS

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DAS APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DAS UNIDADES DE NEGÓCIO Com base nos resultados encerrados Com base nos resultados projetados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

FATORA. Somos especializados em soluções e planejamentos estratégicos. Deixe-nos ajudar a sua empresa, com pequenos detalhes fazemos a diferença

FATORA. Somos especializados em soluções e planejamentos estratégicos. Deixe-nos ajudar a sua empresa, com pequenos detalhes fazemos a diferença FATORA Auditoria Planejamento e Organização Financeira Somos especializados em soluções e planejamentos estratégicos Deixe-nos ajudar a sua empresa, com pequenos detalhes fazemos a diferença 1 Sumário

Leia mais

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr

Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Influência dos custos de transação no lucro de uma empresa: aplicação do modelo de caixa de Miller-Orr Dany Rogers (FAGEN/UFU) danyrogers@yahoo.com.br Pablo Rogers (FAGEN/UFU) pablorogerss@yahoo.com.br

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial Contabilidade Empresarial PROGRAMA DO CURSO Conceitos básicos de contabilidade Balanço patrimonial Demonstrativo de resultado de exercício Demonstrativo de fluxo de caixa Demonstrativo das Origens e Aplicações

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2012 - VIX LOGÍSTICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CAPITAL DE GIRO PELO MÉTODO FLEURIET DA EMPRESA LOJAS RENNER S/A NO PERÍODO DE 2010 A

COMPORTAMENTO DO CAPITAL DE GIRO PELO MÉTODO FLEURIET DA EMPRESA LOJAS RENNER S/A NO PERÍODO DE 2010 A XXVIENANGRAD COMPORTAMENTO DO CAPITAL DE GIRO PELO MÉTODO FLEURIET DA EMPRESA LOJAS RENNER S/A NO PERÍODO DE 2010 A 2014 Carlos Alberto Serra Negra Camila Pinto Assis Fernando Marinho dos Reis FOZDOIGUAÇU,2015

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUNA: ANA TEREZINHA MOREIRA MATR.: 0001013701 ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL Foco

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS 1

INDICADORES FINANCEIROS 1 42 INDICADORES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

Financiamento de Longo Prazo. Fontes Internas Lucro Retido Depreciação acumulada Fontes Externas Dívida Capital Próprio ADM 1409 GESTÃO FINANCEIRA II

Financiamento de Longo Prazo. Fontes Internas Lucro Retido Depreciação acumulada Fontes Externas Dívida Capital Próprio ADM 1409 GESTÃO FINANCEIRA II Financiamento de Longo Prazo Fontes Internas Lucro Retido Depreciação acumulada Fontes Externas Dívida Capital Próprio Financiamento com Dívida O financiamento com dívida é uma alternativa ao capital próprio

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO

CAPÍTULO 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO Bertolo Administração Financeira & Análise de Investimentos 6 CAPÍTULO 2 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, IMPOSTOS, e FLUXO DE CAIXA. CONCEITOS PARA REVISÃO No capítulo anterior determinamos que a meta mais

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

3.3.2 Discount fluxo de caixa livre (DCF: Discounted Cash Flow) 3.3.3. Valor acrescentado económico (EVA: Economic Value Added-Abordagem)

3.3.2 Discount fluxo de caixa livre (DCF: Discounted Cash Flow) 3.3.3. Valor acrescentado económico (EVA: Economic Value Added-Abordagem) Valorizar Empresas 1. Introdução 2. Porquê avaliar uma empresa? 3. Métodos de avaliação da empresa 3,1 Métodos Clássicos 3.1.1 Método de valor substancial 3.1.2 descontando lucros 3,2 Métodos Mistos 3.2.1

Leia mais

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS Professora Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Origem

Leia mais

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA

MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA MECANISMOS DE CONTROLE INTERNO NA GOVERNANÇA CORPORATIVA ADALBERTO JOSÉ CONTESSOTTO,ADILSON TREVISAN, FILIPE FRANCISCHINE, LUCIANO APARECIDO SOARES E MARCOS PAULO GONÇALVES, alunos do Curso de Administração

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia

Aula 2 - Técnicas contábeis e Demonstrações Financeiras. Prof Adelino Correia Tema: Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR Índice 1. Síntese Técnicas Contábeis e Demonstrações Financeiras 2. Simulado 3. Gabarito Aula 2 - Técnicas

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR

Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR GERÊNCIA DE SANEAMENTO BÁSICO Estudo da Revisão Tarifária Ordinária 2015 GESB/AGR Goiânia, Abril de 2015 Estudo da Revisão Tarifária Ordinária de 2015 GESB/AGR 1 Sumário 1. Introdução 4 2. Da Competência

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26. Apresentação das Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 6

Leia mais

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1

GESTÃO. 6. A Informação Financeira. 6. A Informação financeira 1 GESTÃO 6. A Informação Financeira 6. A Informação financeira 1 Conteúdo Temático 1. A organização da informação financeira: o papel da Contabilidade; Introdução aos principais mapas e conceitos 2. O Balanço

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS

FINANÇAS CORPORATIVAS FINANÇAS CORPORATIVAS Marcus Quintella, D.Sc. E-mail: marcus.quintella@fgv.br Internet: www.marcusquintella.com.br FINANÇAS CORPORATIVAS Marcus Quintella, D.Sc. Bibliografia Recomendada ROSS, S. A., WESTERFIELD,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL

Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL Carla Dodsworth Albano Um Estudo de Caso da Abertura de Capital no Brasil: O IPO da América Latina Logística ALL Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA Flávia Fernanda Gaspari SILVA 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 Luís Roberto Almeida GABRIEL FILHO 3 RESUMO: A base da tomada

Leia mais