1 de 10 15/02/ :01. DataGramaZero - Revista de Informação - v.14 n.1 fev13 ARTIGO 03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 de 10 15/02/2013 11:01. DataGramaZero - Revista de Informação - v.14 n.1 fev13 ARTIGO 03"

Transcrição

1 1 de 10 15/02/ :01 DataGramaZero - Revista de Informação - v.14 n.1 fev13 ARTIGO 03 Redes de conhecimento sob a ótica das redes complexas Knowledge networks from the perspective of complex nets por Frank Coelho de Alcantara e Helena de Fátima Nunes Silva e Denise Fukumi Tsunoda Resumo: Este trabalho estuda as redes de conhecimento sob a visão do estudo de redes complexas, visando o entendimento da sua estrutura e robustez e o papel desempenhado pelos ativistas do conhecimento. Baseia-se em uma pesquisa bibliográfica em gestão do conhecimento e redes complexas considerando as interações entre estas áreas. Aponta as características funcionais dos hubs, como possível explicação para o sucesso dos ativistas do conhecimento na criação do conhecimento. As observações realizadas limitam-se às características dos atores em redes de conhecimento e em redes complexas relacionando funções por similaridade buscando encontrar paralelos funcionais entre estes atores em redes diferentes. A gestão do conhecimento é reconhecidamente um fator competitivo relevante no mercado. A compreensão das qualidades operacionais dos ativistas do conhecimento poderá produzir ativos e vantagens competitivas para o sucesso organizacional. O estudo tem o mérito de utilizar o estudo de redes complexas para entender o funcionamento de redes de conhecimento. Palavras Chaves: Redes complexas; Redes de conhecimento; Informação; Ativistas do conhecimento; hubs; Criação do conhecimento. Abstract: This work is a study of knowledge networks under the vision of complex networks aiming understands its structure, robustness and the role of knowledge activists, through a literature review on knowledge management and complex networks considering the possible interac-tions between these areas. It highlights the functional characteristics of hubs as a possible explanation for the success of knowledge activists in knowledge creation and management. The observations are limited to the characteristics of these actors in knowledge networks and complex networks linking similarity functions searching by functional parallels between these actors in different networks. Knowledge management is recognized as an important competitive factor in the market. Understanding the operational qualities of knowledge activists can produce active and competitive advantages to organizational success. The study has the merit of being a novel application of knowledge of complex networks to the understanding of knowledge networks. Keywords: Complex networks; Knowledge networks; Information; knowledge activists; hubs; Knowledge Creation. Introdução Provavelmente a mais antiga atividade humana seja o convívio social. Existem registros arqueológicos de grupos humanos interagindo socialmente, desenvolvendo e utilizando tecnologias, datados entre dez e quinze mil anos A.C. (Schmidt, 2000), de forma suficientemente organizada para usar ferramentas, construir templos e cidades, deixando uma clara evidência de capacidade técnica, criatividade e conhecimento. Existem ainda outros registros, com vários milhões de anos, de grupos de hominídeos vivendo juntos em uma protossociedade (Massey, 2002). Trabalhos recentes indicam que o convívio em sociedade é um fator determinante tanto para a estrutura quanto para a funcionalidade de circuitos cerebrais específicos em primatas (Sallet, Mars, 2011). Acredita-se que o convívio social, tenha sido um elemento decisivo no desenvolvimento da linguagem e que esta, por sua vez, tenha sido fundamental para o surgimento do conhecimento (Tomasello, 2008). Conhecimento, aqui entendido como a percepção e entendimento dos fatos, verdades ou informações, adquiridos com o uso da experiência prática ou do aprendizado teórico. Conhecimento como a forma tácita da in-formação que tem propósito ou utilidade (Vail, 1999). Um ponto relevante na história da análise do relacionamento social aconteceu em 1954 quando J. A. Barnes publicou um artigo, Class and Committeess in a Norwegian Island Parish, onde utilizou o termo rede, do inglês network, para definir a estrutura das interações sociais, entre membros de um ou

2 2 de 10 15/02/ :01 mais grupos (Barnes, 1954, p. 43). Em uma nota de rodapé, Barnes destacou, aqui em tradução livre, que: "Anteriormente, usara o termo teia (web) retirado do título do livro The web of Kinship de M. Fortes. Contudo, aparentemente, a maior parte das pessoas imagina teia como uma teia de aranha, com duas dimensões. Enquanto eu estava tentando criar uma imagem para um conceito multidimensional. Trata-se apenas de uma generalização da convenção pictográfica que os genealogistas têm usado por séculos em seus gráficos de pedigree." Para representar a rede social, Barnes utilizou-se de uma estrutura de pontos, chamados nós ou, na análise de redes sociais, atores. Neste mesmo modelo, estes atores foram interligados por linhas representando o relacionamento interpessoal. Um conjunto de atores e ligações define a estrutura de uma rede social. O estudo da estrutura desta rede é o estudo das interações sociais e pode definir a importância dos atores e dos seus relacionamentos. O conceito de redes sociais de Barnes pode ser facilmente estendido para incluir toda a humanidade em uma mesma rede ou intensificado a ponto de separar apenas um pequeno grupo de indivíduos e interações particulares de uma seção organizacional para estudo (Barnes, 1954). As redes sociais são responsáveis pelas trocas de informações e dados, de forma explíci-ta e muitas vezes implícita, e atuam como agentes geradores e mantenedores de conhecimento. Criado e difundindo conhecimento internamente por e para seus próprios atores. Assim sendo, uma rede de conhecimento (ou Knowledge Network em inglês) pode ser definida como sendo uma rede social formada por atores capazes da geração, difusão e manutenção de conhecimento, pela infraestrutura necessária e pelo uso de uma linguagem comum (Seufert, Enkel, 2005). Desde que Tim Berners Lee colocou a primeira página web no ar em 1990 (Berners-Lee e Fischetti, 2002), e mesmo antes disso, a humanidade está trabalhando de forma caótica na criação de uma rede universal de distribuição de informação. Com centenas de milhões de pessoas diariamente explicitando conhecimento em todos os idiomas e formas existentes e imagináveis. Não seria presunção declarar que a Internet é por si só, uma rede social que engloba todo o planeta. Ainda assim, possível intensificar os conceitos de Barnes (1954) e reduzir a internet a fragmentos menores, pequenas redes sociais. Se dividida em sub-redes, classificadas por provedores de serviço, tema, região ou em-presa, a internet atende o modelo de Erdös e Rényi quanto à divisibilidade, mas, como se pode verificar mais adiante, não quanto à aleatoriedade (Barabási, 2002). É fácil perceber que nestes últimos vinte anos, a infraestrutura tecnológica da internet foi usada para interligar os atores do conhecimento de forma virtual, permitindo relacionamentos, trocas de conhecimento e criação de confiança através de computadores, câmeras, teclados e redes de computadores e dispositivos móveis. Formando uma grande rede de conhecimento virtual e complexa. No que se refere aos ativistas do conhecimento, termo utilizado por Von Krogh; Ichijo e Nonaka (2001, p. 182), acredita-se que são os responsáveis pela capacitação para novos conhecimentos e dependem da energia e do comprometimento duradouro para a criação de conhecimento. Eles contribuem para a promoção do contexto adequado, ou seja, o espaço e os relacionamentos essenciais para a liberação dos conhecimentos tácitos dos membros da equipe. Este artigo, a partir de uma revisão bibliográfica, objetiva analisar a estrutura de redes de conhecimento sob a visão do estudo de redes complexas, no intuito de compreender a sua estrutura e robustez e o papel desempenhado pelos ativistas do conhecimento. Assim, bus-cam-se as possíveis interações da gestão do conhecimento e redes complexas considerando a produção científica destas áreas a partir dos estudos mais recentes. Aspectos históricos e teóricos Do ponto de vista do registro histórico, a possibilidade do uso das relações sociais de na prática aparece

3 3 de 10 15/02/ :01 de forma estruturada pela primeira vez na peça teatral Laços (Láncszemek), do dramaturgo húngaro Karinthy Frigyes, em 1929 (Newman, Barabasi e Watts, 2006). Usando a voz de um dos seus personagens Frigyes propõe um jogo para determinar se seria possível contatar qualquer pessoa do planeta, usando apenas cinco conhecidos de conhecidos, partindo dos seus próprios conhecidos. Esta hipótese, se verdadeira, permitiria inferir que a Terra é, na verdade, um mundo pequeno (small world) e que se pode, com pouco ou nenhum esforço contatar qualquer pessoa do planeta (Barabási, 2002). Em 1967, Stanley Milgram publicou o artigo Small-World Problem (Milgram, 1967) formulando o problema que, mais tarde seria considerado central para análise de redes sociais: Tomando-se duas pessoas quaisquer, de forma aleatória, na população norte-americana, aqui denominados de indivíduos originais A e B, qual a probabilidade de que eles se conheçam? Para conduzir o experimento o indivíduo original A, residente na costa leste, enviou 160 cartas para pessoas aleatórias que deveriam reenviar as cartas recebidas para alguém que, possivelmente conhecesse o indivíduo original B, supostamente residente na costa oeste. Para as pessoas aleatoriamente sorteadas, além do nome, foram fornecidas apenas informações genéricas sobre o indivíduo original B. Vinte e quatro das 160 cartas atingiram o destino. Dezesseis delas entregues pela mesma pessoa. Esta pessoa caracterizou o primeiro ator com características de hub em uma análise de redes sociais. Em uma rede social um hub é um ator que possui muitas ligações. O mesmo conceito de hub, com as mesmas características também pode ser encontrado na análise de redes complexas (Barabási e Bonabeau, 2003). Apesar do sucesso do experimento de Milgram (1967) não é possível atribuir a ele a po-pularização da expressão seis graus de separação. Existe a possibilidade que o experimento de Milgram tenha circulado apenas no meio científico até que uma peça teatral de John Guare, Six Degrees of Separation, de 1990, fosse encenada na Broadway (Barabási, 2002). Talvez esta peça tenha sido o principal fator para a popularização da expressão seis graus de separação (Bakhshandeh, Samadi, 2011; Barabási, 2002). Segundo a peça, estamos todos separados por no máximo seis graus, ou seis conhecidos. Para entender a abrangência da hipótese dos seis graus de separação, Pode-se considerar que cada ligação entre os pontos na rede de Barnes (1954) como um grau de separação. Se a hipótese se confirmar, dois indivíduos originais quaisquer, retirados aleatoriamente da humanidade, estariam separados por não mais que seis ligações. Infelizmente nada há no trabalho de Milgram (1967) que comprove a hipótese dos seis graus de separação. Não há sequer referência a esta possibilidade nos trabalhos por ele publicados (Csermely, 2006). Há, por outro lado, o resultado de uma experiência feita pelo próprio Milgram com os residentes dos EEUU que encontrou uma média de 5.2 graus de separação em um universo de 296 indivíduos (Travers e Milgram, 1968). Ao arredondar-se este valor e talvez seja possível entender a origem dos seis graus de separação usados por John Guarre (Barabási, 2002). Ainda nesta direção, em 2008, foram analisadas as possíveis ligações entre 240 milhões de pessoas, usuários do sistema de mensagens instantâneas da Microsoft, com a intenção de encontrar o grau de separação médio. A análise demonstrou que, no universo estudado, as pessoas estão separadas, em média, por 6,6 graus (Leskovec e Horvitz, 2008). Não é preciso muito para perceber que o número de pessoas, com as quais se tem algum tipo de relacionamento, cresceu exponencialmente em consequência de novas tecnologias de relacionamento em ambiente virtuais na Internet (McCormick, Salganik e Zheng, 2010). Este crescimento no número de relações sociais de cada indivíduo original deveria provocar uma redução na quantidade de graus de separação. De fato, em 2011 foi publicado um artigo indicando que quaisquer dois indivíduos originais, usuários da rede social virtual Twitter estão ligados por apenas 3.88 graus de separação (Bakhshandeh, Samadi, 2011). Outro estudo, realizado em 2011 indica que usuários da rede Facebook estão separados

4 4 de 10 15/02/ :01 por 4,74 graus (Lars Backstrom, 2011) Mark Granovetter aprofundou a análise estrutural observando a qualidade das ligações entre os atores da rede e não apenas a quantidade das ligações. Seu objetivo era entender como relações pessoais, em nível micro, poderiam afetar características sociais como organização política, mobilidade social, revoluções e geração de conhecimento em nível macro (Granovetter, 1973). Granovetter classifica as ligações pessoais segundo a qualidade do relacionamento em: (i) Ausentes; (ii) Fracas; (iii) Fortes. E, contrariando o senso comum, demonstra que, em algumas situações específicas, ligações interpessoais fracas são mais eficientes que ligações fortes. A informação parece propagar-se mais eficientemente nas redes sociais pelas ligações fracas do que pelas ligações fortes (Csermely, 2006). Estas ligações fracas, no inglês weak links, são definidas por Granovetter (1973) de forma qualitativa considerando os sentimentos envolvidos na relação, o tempo dedicado à relação e o valor pessoal subjetivo. E de forma quantitativa por Berlow (1999). Em ambos os casos, a existência das ligações fracas parecem ser definitivas para a estabilidade, qualidade e robustez da rede, social ou não (Barabási, 2002; Csermely, 2006). A análise estrutural da rede social tem seu mérito para as ciências sociais, urbanísticas e comportamentais e mesmo para a gestão do conhecimento (Granovetter, 2003). Entretanto, não esgota o assunto. O estudo das redes, do ponto de vista matemático, sob o qual se apoia o estudo das redes complexas, pode ser traçado das pontes de Königsberg e Leonhard Euler em 1736 (Biggs, Lloyd e Wilson, 1976) até os dias de hoje. Os primeiros passos dados por Euler foram segui-dos por Erdös e Rényi em oito artigos, publicados entre 1959 e 1968 que definiram a ciência dos grafos e produziram estudos definitivos para a determinação da estrutura das redes ran-dômicas (Réka e Barabási, 2001). A internet, e as redes que ela contém não atendem as qualidades mínimas para serem modeladas utilizando-se os conceitos das redes randômicas. A quantidade de ligações de um determinado ator não depende da sua senioridade nem as ligações estão distribuídas de forma homogênea. Duas características que deveriam ser observadas se estas redes pudessem ser modeladas de forma randômica (Barabási e Bonabeau, 2003). Por outro lado, recentemente foi possível observar que estas redes, assim como uma grande classe de outras redes, possuem propriedades comuns à distribuição de links e atores. Esta nova classe de redes são chamadas, em inglês de scale-free networks, ou redes complexas (Barabási, 2002). A característica principal deste novo tipo de classificação de redes é uma assimetria acentuada na distribuição de ligações entre os diversos atores. De forma que, poucos atores possuem muitas ligações e muitos atores possuem poucas ligações (Réka e Barabási, 2001; Barabási e Bonabeau, 2003). Os atores com muitas ligações podem ser chamados de hubs e têm as mesmas características observadas por Milgram no seu estudo original (Milgram, 1967; McCormick, Salganik e Zheng, 2010; Granovetter, 2003). Como consequência desta distribuição especial, estas redes são altamente resistentes a ataques aleatórios, aproximadamente 80% dos atores precisam ser retirados antes que a rede perca a capacidade de atingir seus objetivos (Barabási e Bonabeau, 2003). Por outro lado, estas redes scale-free são suscetíveis a ataques planejados e basta que 20% dos seus atores sejam removidos, propositalmente, para que seus objetivos sejam comprometidos (Saviotti, 2009; Barabási e Bonabeau, 2003). Duas condições são fundamentais para que este tipo de rede exista: (i) Crescimento o número de ligações deve crescer; (ii) Conexões preferenciais as novas ligações tendem a acontecer com os atores que já possuem muitas ligações (Réka e Barabási, 2001). Estas condições são frequentes em redes socioeconômicas, notadamente na Internet onde, aparentemente, quanto mais conexões um ator tem, mais conexões ele terá. Além disso, o número dos atores e conexões cresce continuamente. Esta

5 5 de 10 15/02/ :01 estrutura, observada na internet em geral e na web em particular, pode ser utilizada para descrever sistemas tão diversos quanto à estrutura de distribuição elétrica de um país, a estrutura química de uma célula ou a propagação de conhecimento em uma rede social (Réka e Barabási, 2001). Nesta nova economia, voltada à informação e ao conhecimento, a geração e compartilhamento do conhecimento são essenciais para o sucesso e sobrevivência (Drucker, 1992). McGee e Pruzak (1994) defendem o compartilhamento do conhecimento como fator indispensável à inovação (Cross, Pruzak, 2001) e, indiretamente, a importância das redes de conhecimento. Entre as correntes que definem o conhecimento pode-se destacar a corrente cognitivista que defende que o conhecimento é codificável e transmissível e a corrente construtivista que admite a existência de um conhecimento tácito, dificilmente codificável, não explícito, individual e fortemente personalizado (Von Krogh, Ichijo e Nonaka, 2001). Para Nonaka e Takeuchi o conhecimento explícito é formal, sistêmico, quantificável e facilmente disseminado. Já o conhecimento tácito é pessoal, subjetivo e de difícil disseminação (Nonaka e Takeuchi, 1997). A eficiência na geração do conhecimento depende de um contexto capacitante, estimulante e de relacionamentos positivamente adequados (Von Krogh, Ichijo e Nonaka, 2001). As redes sociais, complexas ou não, internas ou não, parecem fornecer a estrutura adequada à formação do contexto capacitante. Ao menos, fornecem os recursos necessários, digitais ou pessoais, para a criação dos relacionamentos sociais que criarão a estrutura de ligações que, por sua vez, suporta o funcionamento da rede (Saviotti, 2004). Para Saviotti (2004) duas propriedades importantes do conhecimento são a sua estrutura baseada em correlacionamentos e sua criação baseada em recuperação e interpretação. Para Loasby (2001) o conhecimento é estabelecido a partir das correlações entre conceitos e variáveis. Sendo, desta forma, possível imaginar uma representação do conhecimento, utilizando-se a teoria de redes complexas representando cada conceito ou variável por meio de um nó, ou ator, e o relacionamento entre eles por meio de ligações (Saviotti, 2009). Uma análise de como o conhecimento se desenvolve, partindo de um fenômeno local, iniciado por uma observação casual, ou pela solução de um problema específico, pode levar a criação de novas redes de conhecimento completamente independentes (Popper, 1972) e mostra que o modelo em rede pode ser útil, mas dificilmente definitivo. Uma análise, ainda que superficial, das ciências da astronomia e medicina, permite ob-servar que durante séculos estas ciências se desenvolveram de forma completamente autôno-ma, criando redes de conhecimento absolutamente desconexas. Até o surgimento da física moderna descobrindo que a mecânica quântica é tão importante para o entendimento da estrutura celular quanto para o ciclo de vida das estrelas. Criando uma ligação entre estas duas redes de conhecimento (Saviotti, 2009). Pode-se usar a internet para explicitar a relação entre as diversas redes de conhecimentos. Utilizando-se do Twitter, Hilary Mason, pesquisadora da empresa Bit.ly, criou uma rede de relacionamento entre redes de conhecimentos, utilizando os links compartilhados por 600 cientistas ao longo de dois dias do mês de agosto de 2011 e, analisando as 6000 páginas compartilhadas por eles, foi possível descobrir uma relação entre redes tão distintas quanto à física e a moda (Mason e Fischetti, 2011). A Figura 1, a seguir, apresenta o resultado do trabalho de Mason e Fischetti (2011). Figura 1 - Rede de Conhecimento.

6 6 de 10 15/02/ :01 Fonte: Mason e Fishetti (2011) Em geral, espera-se que a criação de novas ligações seja muito mais lenta que a criação de novos nós, ou atores. Estes últimos, os nós, são adicionados a partir de novas descobertas enquanto as ligações, ou links, surgem da descoberta de novas relações entre conhecimentos já existentes (Saviotti, 2009). Esta visão estruturada do conhecimento é compatível com a teoria estruturalista da ciên-cia de acordo com a qual, uma coleção de conhecimento empírico forma uma constelação de teorias elementares que são inter-relacionadas por ligações fracas (Saviotti, 2009). Concorda também com a definição do conhecimento baseado em regras, orientado para ação, in-dividual e em constante mutação de Sveiby (1997). E não destoa das características únicas do conhecimento: o conhecimento é um recurso invisível, intangível e difícil de imitar. Uma de suas características mais fundamentais, porém, é o fato de esse recurso ser altamente reutilizável, ou seja, quanto mais utilizado e difundido maior seu valor (Terra, 2000).Independente das características específicas do conhecimento tático, tanto a gestão

7 atagramazero - Revista de Ciência da Informação - Artigo 03 de 10 15/02/ :01 quanto a criação do conhecimento são fatores importantes para o sucesso das organizações. Aquelas que conseguem extrair e codificar o conhecimento tácito adquirem vantagens competitivas (Nonaka e Takeuchi, 1997; Nonaka e Nishiguchi, 2001). Em uma economia onde a única certeza é a incerteza, a última vantagem competitiva segura é o conhecimento (Nonaka, 1991). Uma rede de conhecimento organizacional constitui uma estrutura fundamental para a criação e compartilhamento do conhecimento tácito e, muitas vezes, para registro explícito deste conhecimento. A criação do conhecimento e seu compartilhamento é uma atividade natural e fundamental das redes de conhecimento (Cross, Pruzak, 2001), ou redes sociais orientadas ao conhecimento. A velocidade de criação, interligação, ou compartilhamento deste conhecimento cresce com o uso de redes sociais virtuais (Jones, 2001). A criação e uso das redes de conhecimento como fator gerador de vantagens competitivas requer uma abordagem completa do conhecimento com a integração das abordagens tácita e explícita (Seufert, Enkel, 2005). Do ponto de vista do gerente, devem-se considerar as seguintes premissas para a criação de uma rede de conhecimento corporativa: (i) Interconexão das estratégias de negócio e rede de conhecimentos através da interconexão de áreas e níveis diferentes; (ii) Interconexão dos processos de geração de conhecimento e da arquitetura estrutural da rede de conhecimento; (iii) interconexão entre a arquitetura estrutural da rede de conhecimentos e as condições facilitadoras (Seufert, Enkel, 2005). Da primeira premissa (i) infere-se a criação de uma rede de conhecimento composta de pessoas de diversos níveis e seções. Cada uma compartilhando sua visão tácita das estratégias de negócio. Da segunda (ii) infere-se a criação de um ambiente comum, virtual ou não, integrado aos processos operacionais e administrativos para o compartilhamento, de forma explícita, do conhecimento gerado. Por fim da última premissa (iii) este ambiente integrado, tanto virtual quanto real, precisam estar interconectados para facilitar o processo de geração e manutenção do conhecimento (Seufert, Enkel, 2005). As redes de sociais facilitam a criação do conhecimento tanto tácito quanto explícito, por meio das alterações criadas para a troca de recursos entre os atores da rede e a criação combi-nada de novos conhecimentos (Von Krogh, Ichijo e Nonaka, 2001). As ligações entre os atores das redes de conhecimento possuem a característica assimétrica das redes complexas (Barabási e Bonabeau, 2003; Von Krogh, Ichijo e Nonaka, 2001). A quantidade de ligações de cada ator é diretamente relacionada a fatores afetivos (positivos e negativos) (Berlow, 1999). Os mais adaptados ao relacionamento social terão mais ligações e poderão, eventualmente, atuar como ativistas do conhecimento (Von Krogh, Nonaka e Ichijo, 1997). Nesta direção, Farshchi (2011) estudou a criação de conhecimento em redes sociais no ambiente da indústria da construção destacando a interação entre os agentes. Mostrou a importância dos atores do conhecimento com maior número de ligações na eficiência da rede. Sem nunca ter se referido a eles como ativistas do conhecimento, de forma direta. Mas, atribuindo a estes atores as características funcionais que se espera de um ativista do conhecimento (Von Krogh, Ichijo e Nonaka, 2001). Considerações finais As redes complexas despontam no cenário científico como uma ferramenta para a análi-se de redes em vários ramos da ciência, inclusive a gestão do conhecimento. A internet, sendo uma rede complexa do tipo scale-free pode ser usada para modelar estruturas de conhecimento complexas e para o desenvolvimento de novos conhecimentos. E pode ser utilizada como laboratório de conhecimento explícito para indicar o funcionamento das redes sociais no compartilhamento e criação de conhecimento.

8 8 de 10 15/02/ :01 Considerando-se que as redes de conhecimento possam ser modeladas segundo a ciência das redes complexas, como as pesquisas parecem indicar, é fácil perceber a importância destes ativistas para o sucesso da rede de conhecimento. Caracterizados como hubs, os ativistas do conhecimento se tornam fundamentais para o entendimento da dinâmica da rede e críticos para a manutenção da sua robustez e obtenção de sucesso. Aqui, a análise matemática parece suportar o que socialmente já se conhecia. Um grande número de ativistas tornará a rede mais robusta, por outro lado, a perda destes atores, assimétricos por natureza, pode condenar a rede ao fracasso. Fracasso aqui entendido como a falha em gerar ou manter o conhecimento. O paralelo entre estes dois conceitos, indica que a análise de redes complexas pode ser utilizada, não só para entender o funcionamento das redes de conhecimento, mas para elaboração de políticas de manutenção e prevenção de forma a garantir seu sucesso. Aparentemente, as redes de conhecimento apresentam características de redes complexas, do tipo scale-free e como tal podem ser avaliadas. Esta possibilidade ainda não foi suficientemente explorada na literatura científica. Talvez esta lacuna possa ser creditada a escassez de pesquisas nas áreas estudadas, tanto a rede complexa quanto a gestão do conhecimento são áreas de pesquisa novas e só agora estão sendo descobertas as ligações entre elas. A exploração profunda desta ligação deve ser objetivo de pesquisas futuras. Finalmente, Barabási (2002) especula que Rényi, que tinha ligações fortes com vários escritores, entre eles o filho de Karinthy, tenha ouvido falar dos seis graus de separação e que este conhecimento tenha sido o motivo da pesquisa na matemática das redes. Também sugere que Milgram, filho de um húngaro, possa ter sido exposto às histórias de Karinthy quando menino, e advenha desta exposição sua motivação para estudar redes sociais. O próprio Barabási, também húngaro, estudou tanto a obra de Karinthy quanto Milgram, Erdös e Réniy. Aqui, sem nenhuma pretensão científica, pode estar descrita a rede de conhecimentos que deu origem ao estudo das redes sociais e, mais tarde, das redes complexas. Bibliografia BAKHSHANDEH, R. et al. Degrees of Separation in Social Networks. Proceedings, The Fourth International Symposium on Combinatorial Search. Barcelona: AAAI Publications BARABÁSI, A.; BONABEAU, E. Scale free networks. Scientific American, p , Maio BARABÁSI, A.-L. Linked: The new science of Networks. 1. ed. Cambridge: Perseus Publishing, v. 1, BARNES, J. A. Class and Committeess in a Norwegian Island Parish. Human Relations, London, v. 1, n. 1, p , Maio BERLOW, E. L. Strong effects of weak interactions in ecological communities. Nature, v. 398, n. 1, p , Março BERNERS-LEE, T.; FISCHETTI, M. Weaving the Web - The Original Design and Ultimate Destiny of the World Wide Web by its Inventor. 1. ed. San Francisco: Harper, v. 1,BIGGS, N. L.; LLOYD, E. K.; WILSON, R. J. Graph Theory Oxford: Clarendon Press, CROSS, B. et al. Knowing what we know: Supporting knowledge creation and sharing in social networks. Organizational Dynamics, v. 30, n. 2, p , CSERMELY, P. WEAK LINKS: Stabilizers of Complex Systems from Proteins to Social Networks. 1 ed. Berlim: Springer-Verlag, v. I DRUCKER, P. The Economy s Power Shift. Wall Street Journal, New York, 24 Setember

9 atagramazero - Revista de Ciência da Informação - Artigo 03 de 10 15/02/ : FARSHCHI, M. A. Social networks and knowledge creation in the built environment: a case study. Structural Survey, v. 29, n. 3, p , GRANOVETTER, M. Ignorance, Knowledge, and Outcomes in a Small World. Science Magazine, Washington,, v. 301, n. 773, p , Agosto, GRANOVETTER, M. S. The Strench of Weak Ties. American Journal of Sociology, Chicago, v. 78, p , Junho JONES, P. M. Collaborative Knowledge. Systems, Social and Internationalization Design Aspects of Human-Computer Interaction, New Jersey, NY, USA, LARS BACKSTROM, P. B. M. R. J. U. S. V. Four Degrees of Separation. Social and Information Networks, 22 Novembro LESKOVEC, J.; HORVITZ, E. Planetary-Scale Views on an Instant-Messaging Network. World Wide Web Conference Series: Proceedings of the 16th international conference. Beijing: [s.n.] p LOASBY, B. Time, knowledge and evolutionary dynamics: why connections matter. Journal of Evolutionary Economics, 4 Novembro MASON, H.; FISCHETTI, M. Physics or Fashion? What Science Lovers Link to Most. Scientific American, Disponivel em: <http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=the-links-we-love>. Acesso em: 24 Novembro MASSEY, D. S. Presidential Address: A Brief History of Human Society:The Origin and Role of Emotion in Social Life. American Sociological Review, Philadelphia, 1 Fevereiro MCCORMICK, T. H.; SALGANIK, M. J.; ZHENG, T. How Many People Do You Know?: Efficiently Estimating Personal Network Size. Journal of the American Statistical Association, Washington, 1 Março 2010.p MCGEE, J.; PRUZAK, L. Gerenciamento Estratégico da Informação. 12. ed. Rio de Janeiro, Rj, Brasil: Campus, MILGRAM, S. The Small-World Problem. Psychology Today, New York, v. 1, n. 1, p , Maio NEWMAN, M.; BARABASI, A.-L.; WATTS, D. J. The Structure and Dynamics of Networks. 1.ed.. New Jersey: Princeton University Press, v. 1NONAKA, I. The Knowledge-creating company. Harvard Business Review, Boston, p , NONAKA, I.; NISHIGUCHI, T. Knowledge Emergence: Social, Technical and Evolutionary Dimensions of Knowledge Creation. New York: Oxford University Press, NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro, Rj, Brasil: Campus, POPPER, K. R. Objective Knowledge, An Evolutionary Approach. Oxford: Oxford Press, RÉKA, A.; BARABÁSI, A.-L. Statistical Mechanics of Complex Networks. Reviews of Modern Physics, New York, NY, USA, v. 74, p , Outubro SALLET, J. et al. Social Network Size Affects Neural Circuits in Macaques. Science, v. 334, p , Novembro SAVIOTTI, P. P. Considerations about knowledge production and strategies. Journal of Institutional and Theoretical Economics, p Novembro SAVIOTTI, P. P. Knowledge Networks: Structure and Dynamics. In: Innovation Networks New Approaches in Modelling and Analyzing. Berlim, Alemanha: Springer, p

BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação

BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação BC-0506:Comunicação e Redes Semana 1: Introdução e Motivação Santo André, maio de 2011 Roteiro da Aula Apresentação da Disciplina Apresentação do professor Objetivos Ementa Avaliação Cronograma Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO RESENHA TRAVERS, J; MILGRAM, S. An experimental study of the small problem. Sociometry. Vol. 32, Issue 4 (Dec.

Leia mais

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6

Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 Redes Complexas: teoria, algoritmos e aplicações em computação Bloco #6 `` Scale Free Networks Virgílio A. F. Almeida Outubro de 2009 D d Ciê i d C ã Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA, GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FRANK COELHO DE ALCANTARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA, GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FRANK COELHO DE ALCANTARA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA, GESTÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FRANK COELHO DE ALCANTARA RECUPERAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE INFORMAÇÕES PROVENIENTES DA WEB E DE REDES

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

SWARM TEAMS: UMA PROPOSTA PARA ARQUITETURA DE AMBIENTES FOMENTADORES DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO

SWARM TEAMS: UMA PROPOSTA PARA ARQUITETURA DE AMBIENTES FOMENTADORES DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO SWARM TEAMS: UMA PROPOSTA PARA ARQUITETURA DE AMBIENTES FOMENTADORES DA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO Jorge Cataldo O lançamento, em 1995, da Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional, por Ikujiro Nonaka

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular GESTÃO DO CONHECIMENTO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e Análise Organizacional

Leia mais

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL

FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL FACEBOOK MARKETING: UMA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DOS USUÁRIOS EM RELAÇÃO AO PROCESSO COMUNICATIVO COMO MÍDIA NA REDE SOCIAL Carolina Reine de Paiva Clemente carolreine@gmail.com Claudia Bordin Rodrigues

Leia mais

ANÁLISE DO FLUXO DE INFORMAÇÃO EM REDES COMPLEXAS POR MEIO DE MODELAGEM BASEADA EM INDIVÍDUOS

ANÁLISE DO FLUXO DE INFORMAÇÃO EM REDES COMPLEXAS POR MEIO DE MODELAGEM BASEADA EM INDIVÍDUOS ANÁLISE DO FLUXO DE INFORMAÇÃO EM REDES COMPLEXAS POR MEIO DE MODELAGEM BASEADA EM INDIVÍDUOS Wanderson Willer Motta Texeira 1, Thayane Lima Botelho 2, Alisson Daniel de Macedo-Vitor 3, Erivelton Geraldo

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE

UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE ISSN 1984-9354 UM ESTUDO SOBRE COLABORAÇÃO CIENTÍFICA EM REDES DE PUBLICAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Juliana Maria de Sousa Costa (CEFET/RJ) Patrícia Mattos Teixeira (CEFET/RJ) Rafael Garcia Barbastefano

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

Grafos. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti Grafos Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti Teoria dos Grafos e Redes Sociais Veremos algumas das idéias básicas da teoria dos grafos Permite formular propriedades de redes em uma linguagem

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1

Data de recebimento: 03/10/03. Data de aceite para publicação: 26/01/04. 1 Revista Varia Scientia v. 04, n. 07, p.179-184 ARTIGOS & ENSAIOS Elizabete Koehler 1 Reginaldo Aparecido Zara 2 ALGORITMO PARA CÁLCULO DE DISTÂNCIAS MÍNIMAS EM REDES DE ESCALA LIVRE RESUMO: Muitos sistemas

Leia mais

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Thiago M. R. Dias 1, Elton

Leia mais

ANAIS OS PRINCIPAIS TRABALHOS NA TEORIA DO CONHECIMENTO TÁCITO: PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 2000-2011

ANAIS OS PRINCIPAIS TRABALHOS NA TEORIA DO CONHECIMENTO TÁCITO: PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 2000-2011 OS PRINCIPAIS TRABALHOS NA TEORIA DO CONHECIMENTO TÁCITO: PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 2000-2011 JORGE MUNIZ JR ( jorge86056@gmail.com ) UNESP - CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FLÁVIA GABRIELE MANOEL MAIA ( flavia.gmmaia@gmail.com

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

Do princípio da casa dos pombos a computação móvel!

Do princípio da casa dos pombos a computação móvel! Do princípio da casa dos pombos a computação móvel! Instituto de Matemática e Estatística - IME - USP Maio, 2012 Introdução Grafos aleatórios e Redes complexas Redes complexas Redes reais Grafos aleatórios

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Isabel Salavisa. O Sistema Nacional de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020

Isabel Salavisa. O Sistema Nacional de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 O Sistema Nacional de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 Isabel Salavisa ISCTE-IUL e DINÂMIA-CET/IUL Redes e atores-chave num sistema de inovação fragmentado Lisboa, FCT,

Leia mais

TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES. Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006

TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES. Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006 TIPOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO E MENSURAÇÃO DE CAPACITAÇÕES Mirian Hasegawa INPE 19/07/2006 Estrutura da apresentação Origens do trabalho Objetivo Definição Referencial teórico Explicação da Tipologia de identificação

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

04/10/2010. Palestra Pitágoras: Preservação, Memória Digital e Retenção do Conhecimento. Introdução do Tema. Introdução do Tema. Introdução do Tema

04/10/2010. Palestra Pitágoras: Preservação, Memória Digital e Retenção do Conhecimento. Introdução do Tema. Introdução do Tema. Introdução do Tema Oficina GED/ECM 2010 - Belo Horizonte Roteiro Preservação, Memória Digital e Retenção do Conhecimento Palestra Pitágoras: Retenção do Conhecimento Organizacional utilizando Wikis Introdução e contextualização

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Redes. Redes não aleatórias

Redes. Redes não aleatórias Redes Redes não aleatórias Quem é que te arranjou emprego? Entrevistas a dezenas de pessoas de todas as classes sociais (1969) - Foi um amigo próximo? - Não, foi apenas um conhecido Os conhecimentos superficiais

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1

Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1 Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1 Georg von Krogh, Kazuo Ichijo e Ikujiro Nonaka RESUMO Por Gilson Yukio Sato Capitulo 1 - Gestão do

Leia mais

Seis Graus de Separação. Sidney de Castro

Seis Graus de Separação. Sidney de Castro Seis Graus de Separação Sidney de Castro O Mito Urbano Existe um mito urbano que diz que a distância entre dois seres humano no planeta, é de seis pessoas. Na prática podemos afirmar que em média um pacote

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

Novas Mídias e Relações Sociais.

Novas Mídias e Relações Sociais. Novas Mídias e Relações Sociais. Eduardo Foster 1 1 Caiena Soluções em Gestão do Conhecimento, Av. 34-578, CEP 13504-110 Rio Claro, Brasil foster@caiena.net Resumo. A comunicação é uma disciplina que acompanha

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Adriano Luiz Antunes Denis Antoniazzi INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS SOBRE O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Análise de Redes Sociais

Análise de Redes Sociais UFRJ COPPE PESC Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Projeto de Pesquisa: Análise

Leia mais

Governança de TI em Instituições Federais de Ensino Superior

Governança de TI em Instituições Federais de Ensino Superior Governança de TI em Instituições Federais de Ensino Superior Aluno: Mauro André Augusto Leitão Orientador: Asterio Kiyoshi Tanaka Co-Orientadora: Renata Mendes Araujo Programa de Pós-Graduação em Informática

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO PELO USO DE PLATAFORMA DE E-LEARNING PARA ORGANIZAÇÕES GERADORAS DE CONHECIMENTO.

A GESTÃO DO CONHECIMENTO PELO USO DE PLATAFORMA DE E-LEARNING PARA ORGANIZAÇÕES GERADORAS DE CONHECIMENTO. ISSN 1984-9354 A GESTÃO DO CONHECIMENTO PELO USO DE PLATAFORMA DE E-LEARNING PARA ORGANIZAÇÕES GERADORAS DE CONHECIMENTO. Patrícia Cerveira (LATEC/UFF) Resumo O presente trabalho relata como uma plataforma

Leia mais

Padronização de Processos: BI e KDD

Padronização de Processos: BI e KDD 47 Padronização de Processos: BI e KDD Nara Martini Bigolin Departamento da Tecnologia da Informação -Universidade Federal de Santa Maria 98400-000 Frederico Westphalen RS Brazil nara.bigolin@ufsm.br Abstract:

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA DE BIG DATA PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM TEMPO REAL

TÍTULO: ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA DE BIG DATA PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM TEMPO REAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA DE BIG DATA PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM TEMPO

Leia mais

O MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO COMO FACILITADOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1

O MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO COMO FACILITADOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 O MATERIAL DIDÁTICO IMPRESSO COMO FACILITADOR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 Laíssa Rodrigues Esposti Pacheco 2 ; Cristiano Farias Coelho 3 Grupo 4.1. Tecnologias na educação a distância: Concepção e produção

Leia mais

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS PROPOSTA DE TRABALHO DE

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

Anatomia das Redes no Âmbito da Web Social

Anatomia das Redes no Âmbito da Web Social Anatomia das Redes no Âmbito da Web Social Daniel Costa de Paiva Departamento de Informática Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAINF UTFPR Ponta Grossa - PR paiva.daniel.dm@gmail.com Marcos Luiz

Leia mais

A importância da Inovação na estratégia das empresas

A importância da Inovação na estratégia das empresas 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI A importância da Inovação na estratégia das empresas Conhecimento, inovação e aprendizagem

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

APRENDIZAGEM, INTERAÇÃO E PROXIMIDADE: OS SISTEMAS DE INOVAÇÃO E A CIÊNCIA GEOGRÁFICA

APRENDIZAGEM, INTERAÇÃO E PROXIMIDADE: OS SISTEMAS DE INOVAÇÃO E A CIÊNCIA GEOGRÁFICA APRENDIZAGEM, INTERAÇÃO E PROXIMIDADE: OS SISTEMAS DE INOVAÇÃO E A CIÊNCIA GEOGRÁFICA José Geraldo Pimentel Neto 1 Rogério Antonio de Araújo Santos 2 Keilha Correia da Silveira 3 Ana Cristina de Almeida

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Introdução Hoje em dia, está claro para a indústria de TI a relevância que têm os smartphones, tablets e dispositivos inteligentes (os chamados

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES

A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES A PLATAFORMA MATHMOODLE NA EDUCAÇÃO BÁSICA USOS E APLICAÇÕES Ulisses Dias ulissesdias@limc.ufrj.br Rodrigo de Alencar Hausen hausen@limc.ufrj.br Rodrigo G. Devolder rodrigodevolder@limc.ufrj.br Luiz Carlos

Leia mais

biblioteca Design thinking: uma nova abordagem para inovação Luiz Alberto Bonini Gustavo de Boer Endo O CONCEITO Inovação

biblioteca Design thinking: uma nova abordagem para inovação Luiz Alberto Bonini Gustavo de Boer Endo O CONCEITO Inovação Steve Jobs, CEO da Apple, disse em 1995 para a BusinessWeek: É difícil desenhar produtos por focus groups¹. Muitas vezes, as pessoas não sabem o que querem até você mostrar para elas. Em outra oportunidade,

Leia mais

Ecoinovação e Gestão do Conhecimento: Como estas práticas estão relacionadas?

Ecoinovação e Gestão do Conhecimento: Como estas práticas estão relacionadas? Ecoinovação e Gestão do Conhecimento: Como estas práticas estão relacionadas? Ligia Maria Moura Madeira Thais Elaine Vick Marcelo Seido Nagano EESC/USP Contexto As empresas vêm adotando estratégias e práticas

Leia mais

Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre

Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre Tiago Nicola Veloso, Licia de Cassia Nascimento, Flávia Maria Santoro Departamento de Informática Aplicada Universidade

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ACS, Z. J.; AUDRETSCH, D. B. Innovation in large and small firms: an empirical analysis. The American Economic Review, v. 78, n. 4, p. 678-690, 1988. ANTONCIC, B.; HISRICH,

Leia mais

Física no computador. Marcio Argollo de Menezes UFF Niterói

Física no computador. Marcio Argollo de Menezes UFF Niterói Física no computador Marcio Argollo de Menezes UFF Niterói Física no computador 1) Computação e computadores: Máquina de Turing, Gödel e automata celulares. ) Mapas iterados: Dinâmica de populações e caos.

Leia mais

18/05/2009. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. Technology Roadmapping André Leme Fleury

18/05/2009. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. Technology Roadmapping André Leme Fleury Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Produção Sistemas de Informação Ambientes Virtuais para Ensino da Engenharia de Produção Prof. Dr. André Leme Fleury Apresentação

Leia mais

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010)

COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) COLABORAÇÃO E PRODUTIVIDADE CIENTÍFICA NA UFRJ: identificação de autores por tipo de vínculo (2010) 1 INTRODUÇÃO Roberto Mario Lovón Canchumani (IBCT) roblovonc@yahoo.com Jacqueline Leta (UFRJ) jleta@bioqmed.ufrj.br

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS. Turma 90

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS. Turma 90 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS Turma 90 Gerenciamento de riscos Aliado a Gerência do Conhecimento Frederico Ribeiro Nogueira Belo Horizonte, 05/07/2010 IETEC INSTITUTO

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Conceito de rede. Redes organizacionais. Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede

ÍNDICE. Apresentação. Conceito de rede. Redes organizacionais. Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede #10 ATUAÇÃO EM REDE ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Conceito de rede Redes organizacionais Redes e o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) Características da atuação em rede Sobre a FNQ Apresentação

Leia mais

Palavras-chave: Sistema neuro-fuzzy, Sistemas de avaliação, Sistemas Adaptativos.

Palavras-chave: Sistema neuro-fuzzy, Sistemas de avaliação, Sistemas Adaptativos. ANÁLISE DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NA UERJ A PARTIR DE INDICADORES CONSTRUÍDOS BASEADOS NO EXAME NACIONAL DE CURSOS: UM SISTEMA NEBULOSO DE AVALIAÇÃO Maria Luiza F. Velloso mlfv@centroin.com.br Universidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução a Engenharia de Software: histórico, evolução, aplicações e os principais tipos de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos

Leia mais

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Gestão do conhecimento e inteligência Corporativa Conceitos fundamentais Aplicações do

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PARTE DO PROCESSO

GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PARTE DO PROCESSO GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PARTE DO PROCESSO DE INOVAÇÃO Wesley Marinho Ferreira (Msc.) * ICONE - Instituto do Conhecimento para Educação Continuada e Pesquisa wesley@institutoicone.com.br Universidade

Leia mais

15 16-17 Setembro - Módulo 1 - Introdução à análise de redes sociais. Docentes:

15 16-17 Setembro - Módulo 1 - Introdução à análise de redes sociais. Docentes: VI Escola de Verão de Análise de Redes Sociais 15 16-17 Setembro - Módulo 1 - Introdução à análise de redes sociais Docentes: Marta Varanda (marta@iseg.ulisboa.pt ), Filipa Carvalho (filipadc@iseg.utl.pt

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES CDD: 658.022 A GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS BRASILEIRAS THE KNOWLEDGE MANAGEMENT IN SMALL AND MEDIUM SIZED BRAZILIAN COMPANIES Danillo Leal Belmonte 1*, Luciano Scandelari 2, Antonio

Leia mais

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA

Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Programa de Mestrado e Doutorado em Administração - PMDA Mestrado em Administração Disciplina: Internacionalização e Globalização Carga horária: 45 horas-aula Créditos: 3 I. OBJETIVOS DA DISCIPLINA A presente

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL?

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL? Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas RESUMO SUSTENTABILIDADE E CADEIAS DE SUPRIMENTOS: QUAL A CONFIGURAÇÃO ATUAL? SUSTAINABILITY AND SUPPLY CHAIN: WHICH THE CURRENT CONFIGURATION?

Leia mais

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Mariano Montoni, Cristina Cerdeiral, David Zanetti, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS

APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS APROFUNDANDO RAÍZES: PROTEÇÃO DAS INOVAÇÕES QUE GERAM VANTAGENS COMPETITIVAS Amilton Fernando Cardoso, amilthon@terra.com.br Beatriz Fernanda Alves Heitkoetter, beatrizfernalves@hotmail.com Emanuel Alexandre

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Universidade de Brasília Faculdade d de Ciência i da Informação Prof a Lillian Alvares ESPIRAL DO CONHECIMENTO: NONAKA E TAKEUCHI, 1997 Obra referencial cujos objetivos são: Construir

Leia mais

a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção?

a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção? a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção? António José Gonçalves Fernandes resumo: abstract: Keywords 9 A EFICÁCIA DO ENSINO SUPERIOR AGRÁRIO PORTUGUÊS: REALIDADE OU FICÇÃO?

Leia mais

Regina Celia Baptista Belluzzo rbelluzzo@gmail.com

Regina Celia Baptista Belluzzo rbelluzzo@gmail.com II Seminário de Gestão da Informação e do Conhecimento da Rialide-BR Regina Celia Baptista Belluzzo rbelluzzo@gmail.com 01/09/2015 Rio de Janeiro Refletir e levar à reflexão sobre a formação das pessoas

Leia mais

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534.

8 Bibliografia. ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. Bibliografia 88 8 Bibliografia ACEAUME, E. et al. On The Formal Specification of Group Membership Services. INRIA, 1995, 15 p. Relatório Técnico TR95-1534. AMBRIOLA, V.; TORTORA, G. Advances in Software

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software Maria Angela Coser (CEFETES) macoser@cefetes.br Helio Gomes de Carvalho (UTFPr) helio@cefetpr.br João Luiz Kovaleski (UTFPr) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Gestão de riscos operacionais utilizando diagramas bow-tie automatizados

Gestão de riscos operacionais utilizando diagramas bow-tie automatizados Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 Gestão de riscos operacionais utilizando diagramas bow-tie automatizados Presented by Sergio Saad Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. Gestão de riscos operacionais utilizando

Leia mais

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem

5910224 Evolução dos Conceitos da Física FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque - Origem A Origem do Pensamento Científico O ser humano levou milhões de anos para evoluir até o estado atual. Essa evolução levou ao aparecimento de capacidades artísticas, religiosas e científicas na mente humana,

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado do Ceará GESTÃO DO CONHECIMENTO ARNOUDO ALVES, MsC ETICE Empresa de Tecnologia da Informação do Estado / SEPLAG DAE Departamento de Arquitetura e Engenharia

Leia mais

Introdução a Redes Complexas

Introdução a Redes Complexas Introdução a Redes Complexas Jornadas de Atualização em Informática (JAI) CSBC 2011 Encontro 1/3 Daniel R. Figueiredo LAND PESC/COPPE/UFRJ Do que trata Redes Complexas? Entender como as coisas se conectam

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior Universidade de Brasilia - UnB Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método Prof: Edgar Reyes Junior edreyes@unb.br Ementa Conceitos, teóricos e teorías; Principais medidas de redes sociais; Exemplos de

Leia mais