CTE Elegibilidades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CTE Elegibilidades 2014 2020"

Transcrição

1 CTE Elegibilidades Nota: O Comité de Acompanhamento de cada Programa poderá definir normas de elegibilidade adicionais próprias atenção aos termos da convocatória

2 Sessão de esclarecimentos sobre Controlo de 1º nível de PO CTE Maio de 2016

3 Sumário Enquadramento da CTE A Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C) na CTE Funções da AD&C em POCTE Circuito do Controlo de 1º nível Responsabilidades dos Controladores Externos Enquadramento legal Seleção do Controlador: Contratação do Controlador Reconhecimento do Controlador Confirmação do Controlador (junto do POCTE)

4 Enquadramento da CTE A Cooperação Territorial Europeia (CTE) constitui o 2º Objetivo da Política de Coesão Económica e Social da União Europeia e integra o Acordo de Parceria. Este Objetivo concretiza-se através da execução de Programas Operacionais, financiados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), com a participação de diferentes Estados Membros (EM).

5 A AD&C na CTE Cada EM designa o organismo ou a individualidade responsável pela verificação das despesas dos beneficiários do seu território (responsáveis pelo controlo). A AD&C, I.P. assumiu esta responsabilidade, a título de Autoridade Nacional (AN), tendo optado por uma modalidade de controlo descentralizado com recurso a controladores externos previamente reconhecidos para o efeito. Com esse objetivo foi celebrado, em 11 de março de 2016, um Protocolo de Colaboração entre a Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC) e a Agência, I.P.

6 Interregional Transnacional Funções da AD&C em POCTE Programas Operacionais Autoridade Nacional Reconhecimento Controlador Autoridade Certificação Entidade Pagadora Espaço Atlântico SUDOE VB Espanha Espanha ENI CBC MED Itália Itália MED Espanha Espanha INTERREG EUROPE Bélgica Bélgica URBACT III D.G. Território França França

7 1º Reconhecimento do ROC Circuito do Controlo de 1º nível Beneficiário Controlador de 1º nível(roc) 2º Verificação despesas 3º Validação despesas AD&C AD&C

8 Responsabilidades dos Controladores Responsáveis pela verificação da legalidade, regularidade e elegibilidade das despesas declaradas pelos beneficiários participantes nas operações

9 Enquadramento legal Legislação Comunitária Legislação Nacional Outra documentação relevante no âmbito dos POCTE

10 Legislação Comunitária (Geral) Regulamento (UE) nº 1303/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, que estabelece as Disposições Comuns ao FEDER, FSE, FC, FEADER e FEAMP Regulamento (UE) nº 1301/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, que estabelece as Disposições Específicas relativas ao tipo de atividades que podem ser financiadas pelo FEDER e define os objetivos dessas atividades Regulamento (UE) nº 1299/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, que estabelece as Disposições Específicas aplicadas ao apoio prestado pelo FEDER ao objetivo CTE

11 Legislação Comunitária (Delegados) Regulamento Delegado (UE) nº 481/2014, da Comissão, de 4 de março, relativo à Elegibilidade das despesas para os Programas de Cooperação, que completa o Regulamento (UE) nº 1299/2013, no que diz respeito às regras específicas em matéria de elegibilidade da despesa para os programas de cooperação Regulamento Delegado (UE) nº 480/2014, da Comissão, de 3 de março, que completa o Regulamento (UE) nº 1303/2013, no que diz respeito às disposições gerais relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas Regulamento Delegado (UE) nº 240/2014, da Comissão, de 7 de janeiro, relativo ao código de conduta europeu sobre parcerias no âmbito dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI)

12 Legislação Comunitária (Específica) Regulamento (UE) nº 651/2014, da Comissão, de 16 de junho, que declara certas categorias de auxílio compatíveis com o mercado interno, em aplicação dos artigos 107º e 108º do Tratado (AUXÍLIOS DE ESTADO) Regulamento (UE) nº 1407/2013, da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107º e 108º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia aos Auxílios de Minimis

13 Legislação Nacional O Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei nº 18/2008, de 29 de janeiro e republicado pelo Decreto-Lei nº 278/2009, de 2 de outubro Acordo de Parceria , aprovado pela Decisão da Comissão nº C(2014) 5513, de 30 de julho Decreto-Lei nº 137/2014, de 12 de setembro, que define o Modelo de Governação dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) Decreto-Lei nº 159/2014, de 27 de outubro, que estabelece as Regras Gerais de aplicação dos Programas Operacionais e dos programas de desenvolvimento rural financiados pelos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) Decreto-Lei nº 66-B/2012, de 31 de dezembro, que estabelece a legislação nacional relativa a subsídios e abonos na administração pública

14 Outra documentação relevante Norma Técnica 1 da OROC para Programas no âmbito da Cooperação Territorial Europeia Manual de Procedimentos para a CTE elaborado pela AD&C (à data em fase de elaboração) Manuais / Guias dos respetivos Programas de CTE Decisão de aprovação do respetivo Programa Formulário da candidatura aprovada e documentos anexos Acordo de concessão (assinado entre a Autoridade de Gestão e o beneficiário principal) e o Acordo de colaboração (assinado entre o beneficiário principal e os outros beneficiários) Termos de referência das convocatórias

15 Guia de leitura disponível Guia de Leitura Regulamento (UE) nº 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, em articulação com os Regulamentos Delegados e de Execução aplicáveis no período de programação ao FEDER e ao FUNDO DE COESÃO islacao/guias/vf_nov20_mapeamento.pdf

16 Seleção do Controlador Consultar a Lista de Controladores Externos disponibilizada pela AD&C de Projetos CTE; Ou na OROC. Efetuar uma consulta a pelo menos três Revisores Oficiais de Contas (de acordo com as orientações da CE);

17 Contratação do Controlador De acordo com o CCP Especificações Técnicas para o Controlador.

18 Contratação do Controlador De acordo com o CCP Questionário para reconhecimento do controlador disponibilizado pela AD&C

19 Contratação do Controlador APÓS A SELEÇÃO DA MELHOR PROPOSTA MINUTA DO CONTRATO (preenchida e remetida à AD&C para validação);

20 Contratação do Controlador APÓS A SELEÇÃO DA MELHOR PROPOSTA: Cópia da cédula Profissional do Controlador. Nome: Revisor Oficial de Contas Número: 99999

21 Contratação do Controlador REMETER CÓPIAS DOS DOCUMENTOS ASSINADOS À AD&C

22 Reconhecimento do Controlador POCTE

23 Site da AD&C DÚVIDAS? Coordenadora do Núcleo de Cooperação Territorial em Portugal Raquel Rocha Técnicos responsáveis pelo acompanhamento dos PO CTE em Portugal Celina Pasadas (PO Espaço Atlântico) Isabel Gonçalves (PO SUDOE VB) Maio de 2016 Olivério Graça (PO MED, PO INTERREG EUROPE e URBACT II)

24

25 Sumário Considerações Gerais Verificação despesas Condições de admissibilidade do pedido Consistência do pedido Regularidade e legalidade da despesa Categorias de despesa (Pessoal, Administrativas, Alojamento, Serviços, Equipamento, Outras) Despesas não elegíveis Declaração do controlador

26 Considerações Gerais Relacionadas com as ações aprovadas Necessárias para a prossecução dos objetivos Cumprimento dos critérios de eficiência, economia e eficácia Efetuada e paga dentro do período de execução Verificação (em termos de realização, pagamento e contabilização) Cumprimento dos critérios/regulamentação relativos à transparência, publicidade, livre concorrência, contratação pública 1

27 Sim Não N/A VERIFICAÇÃO DAS DESPESAS CONDIÇÕES DE ADMISSIBILIDADE DO PEDIDO. Formulário devidamente preenchido e assinado pelo beneficiário Observações. Relatório de execução Observações. Documentos de despesa e sua quitação com aposição de carimbo no original da fatura Observações. Documentos comprovativos das ações Observações 2

28 Sim Não N/A VERIFICAÇÃO DAS DESPESAS CONSISTÊNCIA DO PEDIDO. Verificação formal do preenchimento do formulário e consistência com pedidos anteriores Observações. Verificações de consistência da repartição da despesa, por categorias e por atividades, com o plano financeiro do contrato de concessão Observações Consistência dos quadros do formulário com a lista de documentos de despesa Observações. Consistência do relatório de execução com as despesas apresentadas Observações 3

29 Sim Não N/A VERIFICAÇÃO DAS DESPESAS REGULARIDADE E LEGALIDADE DA DESPESA. Despesas devidamente suportadas por documentos válidos em termos contabilísticos e fiscais Observações. Existência de sistema contabilístico separado ou código contabilístico que suporta a transparência da Pista de Auditoria Observações. O registo na contabilidade é coerente com a categoria de despesa apresentada no pedido Observações. Despesas incorridas e pagas no período de elegibilidade da operação Observações 4

30 Sim Não N/A VERIFICAÇÃO DAS DESPESAS REGULARIDADE E LEGALIDADE DA DESPESA. Despesas elegíveis face à descrição da operação e ao contrato de concessão Observações. Despesas elegíveis face às regras comunitárias e nacionais Observações. Despesas elegíveis face ao cumprimento das regras de contratação pública Observações. Coerência do montante imputado com a elegibilidade do IVA Observações. Taxa de câmbio mensal contabilística da Comissão em vigor (de acordo com a data de referência fixada pelo Programa) Observações. Identificação de receitas a deduzir na despesa elegível Observações 5

31 Base Custos com Pessoal Determinação dos diferentes elementos a considerar Regra de cálculo (base horária) Base de cálculo (custos brutos) Modalidades: Tempo inteiro/parcial (fixo/flexível) À hora (registo do tempo de trabalho) 6

32 Condições Custos com Pessoal Vencimentos (associados a atividades que a entidade não realizaria sem a operação) Decisão de afetação (Funcionários Públicos) Contrato de emprego / trabalho Descrição das responsabilidades específicas no âmbito do projeto Itens definidos por Lei Impostos laborais, Segurança Social, Outros Obrigatórios e não recuperáveis 7

33 Contabilização Custos com Pessoal Base de custo real Peças: Contrato + recibo de vencimento + comprovativo de pagamento Custos Simplificados (Decisão do PO) Taxa Fixa 20% dos custos diretos do projeto (exceto custos com pessoal) Utilização de 1720 horas anuais 8

34 Sim Não N/A Custos de Pessoal Declaração Controlador Custos Simplificados (assinalar ponto 10.1) Base de custo real (assinalar pontos 10.1 a 10.6) Declaração com identificação da equipa; vinculo; afetação às operações Apresentação da metodologia de imputação e itens considerados Folha de horas assinada pelo responsável com indicação das atividades desenvolvidas para a operação Cálculo do montante de subsídios e abonos coerente com a % de imputação mensal Coerência com as declarações de afetação de pessoal e vínculos contratuais Suficiência dos comprovativos de pagamento, incluindo Finanças, C.G.A e Segurança Social Observações 9

35 Arrendamento de escritórios Seguros e Impostos (imóveis e equipamento) Serviços (eletricidade, água, aquecimento) Material Escritório, Contabilidade Geral Arquivos Manutenção, Limpeza, Reparações e Segurança Sistemas informáticos Comunicações (Telefone, Internet, correios, cartões visita) Despesas Bancárias abertura e gestão contas (se obrigatório PO) Encargos transações financeiras internacionais (no âmbito projeto) Despesas com Instalações e Administrativas Custos Simplificados Automaticamente no formulário Taxa Fixa até 15% (dos custos do pessoal direto) 10

36 Sim Não N/A Despesas com Instalações e Administrativas Declaração Controlador. Conformidade da documentação de acordo com o definido no Regulamento Delegado UE 481/2014 e no Programa Observações 11

37 Deslocação e Alojamento Refeições Alojamento Vistos Ajudas custo diárias Deslocação Bilhetes Seguros (viagem e veículos) Combustíveis, Km, Portagem Duplicação de despesa Despesas de deslocação e alojamento de peritos e oradores devem ser inseridas na rubrica de Estacionamento 12 Peritos e Serviços Externos

38 Sim Não N/A Custos de Deslocação e Alojamento Declaração Controlador. Efetuadas diretamente pelo beneficiário ou pelo seu pessoal afeto à operação. Suficiência dos comprovativos (convocatória da reunião, agenda e lista de presenças ou documento similar). Não sobreposição de ajudas de custo com subsídio de refeição. As viagens fora da zona elegível do PO foram previamente autorizadas Observações 13

39 Peritos e Serviços Externos Formação Promoção, Comunicação, Publicidade Traduções Participação Eventos (inscrição) Gestão Financeira Controlador externo Estudos / Inquéritos Direitos Propriedade Intelectual Sistemas TI e Web Garantias bancárias / similar (Desenvolvimento / Alterações Atualizações) Organização / Realização (eventos, reuniões: arrendamento, restauração, interpretação) Consultoria jurídica, notarial, técnica,financeira, contabilística Deslocação e alojamento peritos externos. Oradores Elegíveis se no âmbito do projeto e obrigatórias 14

40 Sim Não N/A Peritos e Serviços Externos Declaração Controlador. Processos de contratação pública devidamente verificados e externos à parceria. Eventuais despesas de deslocação/alojamento dos peritos externos ou prestadores de serviços contempladas no contrato ou documento similar. Condições (financeiras e físicas) estabelecidas no contrato cumpridas. Método justo e equitativo no apuramento da taxa de imputação (quando não imputada a totalidade da despesa). Estudos e Relatórios cumprem as normas de publicidade aplicáveis 15

41 Sim Não N/A Peritos e Serviços Externos Declaração Controlador. Elementos de Promoção e Difusão cumprem as normas de publicidade aplicáveis. Elementos de Promoção e Difusão sob a forma de brindes não são superiores a 50. Declaração do beneficiário justificativa da necessidade e mais-valia da infraestrutura para a operação (prevista em candidatura). Suficiência de comprovativos relativos à realização de eventos/reuniões (convocatória da reunião, agenda e lista de presenças ou documento similar) Observações 16

42 Equipamento Equipamento Escritório Hardware e Software Mobiliário e acessórios Equipamento de Laboratório Máquinas e instrumentos Ferramentas ou dispositivos Regras Não ter sido cofinanciado por nenhum outro fundo FEEI Preço < novo e definido por perito Tem as características técnicas necessárias ao projeto e observa as normas e regras aplicáveis Veículos (ver condições PO) Outros (necessários) Aquisição Aluguer Arrendamento Amortização Formas sob condições 17

43 Sim Não N/A Equipamento Declaração Controlador. Prevista em candidatura. Processos de contratação pública devidamente verificados e externos à parceria. Condições (financeiras e físicas) estabelecidas no contrato cumpridas. Conformidade da data de aquisição com o desenvolvimento das atividades. Método justo e equitativo no apuramento da taxa de imputação quando a sua utilização não é exclusiva à operação. Declaração justificativa da necessidade e continuidade de utilização no âmbito da operação até à conclusão da respetiva vida útil, se imputada a 100%. Confirmação do registo em inventário. Aquisição em segunda mão cumpre as condições estabelecidas no nº 2 do artigo 7º do Regulamento Delegado UE nº 481/2014 Observações 18

44 Sim Não N/A Outras Declaração Controlador. Despesas Comuns: acordo escrito entre beneficiários, identificação da repartição e do tipo de despesa, cumprimento das regras de contratação publica, cumprimento das regras de publicidade, fatura, evidência do pagamento, entrega do produto. Aquisição de Terrenos: declaração de perito independente qualificado ou organismo oficial, não excedendo 10% do total da despesa elegível para a operação. Contribuições em espécie: foram observados os procedimentos em conformidade com as regras aplicáveis (Regulamento UE 1303/2013 e Manual da CTE) 19

45 Sim Não N/A Outras Declaração Controlador Custos de Preparação da Operação Custos Simplificados (assinalar pontos e ) Base de custo real (assinalar pontos a ) Metodologia de repartição entre beneficiários da operação Elegibilidade da data da despesa e compatibilidade da sua natureza com as normas constantes no respetivo Programa Contabilizados no 1º pedido de verificação de despesas Observações 20

46 Multas Sanções financeiras Não elegíveis Contencioso Flutuação da Taxa de Câmbio Juros de dívidas Terrenos > 10% do total elegível da operação Iva (exceto não recuperável) Brindes > 50 21

47 Confirmação da proposta de validação SITUAÇÃO FINANCEIRA CATEGORIAS DE DESPESAS# Despesa Programada Despesa validada em pedidos anteriores Despesa apresentada pelo beneficiário Despesa proposta para validação Tx Comp. Montante FEDER Despesa Acumulada Despesa Taxa não Execução elegível = 4 * 5 7 = = 7 / 1 9 = TOTAL # De acordo com as categorias da operação (plano financeiro do contrato de concessão) 22

48 Confirmação da proposta de validação COMENTÁRIOS E RECOMENDAÇÕES O eventual valor apresentado na coluna 9 (despesa não elegível) deverá ser justificado (Identificação do tipo de erros encontrados, medidas/recomendações propostas a implementar nos relatórios seguintes) Justificação: Caso exista despesa fora da zona da União abrangida pelo Programa, deve a mesma ser identificada e quantificada: Nº da despesa: Montante da despesa: INDICADORES PREVISTOS EM CANDIDATURA (realização e resultados) Atingiu Observações Não atingiu (justificar) 23

49 Declaração do Controlador Com base na análise efetuada, declaro a verificação da conformidade dos itens anteriormente referidos e dos a seguir enunciados:. Observado o cumprimento das regras nacionais e comunitárias aplicáveis à operação e ao beneficiário, nomeadamente as relativas às categorias de auxílio compatíveis com mercado interno (Reg. UE nº 651/2014); Regulamento de Minimis (Reg. UE 1407/2013);. Não existência de condicionantes legais impeditivas da atribuição do financiamento FEDER, nomeadamente em matéria de licenciamentos exigíveis;. Existência de pista de auditoria adequada em termos de contratos, documentos de despesa, fundamentação dos critérios de imputação e demonstração dos respetivos cálculos (incluindo um dossier da operação com indicação da localização dos documentos consultados na realização da presente verificação);. O relatório de progresso reflete a conformidade da despesa com a operação aprovada e o estado de avanço das atividades do beneficiário (execução física e indicadores de realização e de resultados); 24

50 Declaração do Controlador. Foi constatada a situação de regularidade do beneficiário em termos de obrigações fiscais (documento válido até ) e face à Segurança Social (documento válido até );. Não se registam situações de incumprimento relativamente às regras de informação e comunicação (Regulamentos: UE 1303/ anexo XII, ponto 2.2; UE 821/ capitulo 2); igualdade de oportunidades; não descriminação; conflito de interesses e proteção do ambiente;. Foram observadas as recomendações anteriormente produzidas no âmbito de auditoria /controlos à operação ou ao beneficiário;. Foi confirmada a ausência de duplicação de ajudas. COMENTÁRIOS À DECLARAÇÃO 25

51 Obrigada

52 Sessão de esclarecimentos sobre Controlo de 1º nível de PO CTE Maio de 2016

53 Sumário Enquadramento da CTE A Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C) na CTE Funções da AD&C em POCTE Circuito do Controlo de 1º nível Responsabilidades dos Controladores Externos Enquadramento legal Seleção do Controlador: Contratação do Controlador Reconhecimento do Controlador Confirmação do Controlador (junto do POCTE)

54 Enquadramento da CTE A Cooperação Territorial Europeia (CTE) constitui o 2º Objetivo da Política de Coesão Económica e Social da União Europeia e integra o Acordo de Parceria. Este Objetivo concretiza-se através da execução de Programas Operacionais, financiados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), com a participação de diferentes Estados Membros (EM).

55 A AD&C na CTE Cada EM designa o organismo ou a individualidade responsável pela verificação das despesas dos beneficiários do seu território (responsáveis pelo controlo). A AD&C, I.P. assumiu esta responsabilidade, a título de Autoridade Nacional (AN), tendo optado por uma modalidade de controlo descentralizado com recurso a controladores externos previamente reconhecidos para o efeito. Com esse objetivo foi celebrado, em 11 de março de 2016, um Protocolo de Colaboração entre a Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC) e a Agência, I.P.

56 Interregional Transnacional Funções da AD&C em POCTE Programas Operacionais Autoridade Nacional Reconhecimento Controlador Autoridade Certificação Entidade Pagadora Espaço Atlântico SUDOE VB Espanha Espanha ENI CBC MED Itália Itália MED Espanha Espanha INTERREG EUROPE Bélgica Bélgica URBACT III D.G. Território França França

57 1º Reconhecimento do ROC Circuito do Controlo de 1º nível Beneficiário Controlador de 1º nível(roc) 2º Verificação despesas 3º Validação despesas AD&C AD&C

58 Responsabilidades dos Controladores Responsáveis pela verificação da legalidade, regularidade e elegibilidade das despesas declaradas pelos beneficiários participantes nas operações

59 Enquadramento legal Legislação Comunitária Legislação Nacional Outra documentação relevante no âmbito dos POCTE

60 Legislação Comunitária (Geral) Regulamento (UE) nº 1303/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, que estabelece as Disposições Comuns ao FEDER, FSE, FC, FEADER e FEAMP Regulamento (UE) nº 1301/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, que estabelece as Disposições Específicas relativas ao tipo de atividades que podem ser financiadas pelo FEDER e define os objetivos dessas atividades Regulamento (UE) nº 1299/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, que estabelece as Disposições Específicas aplicadas ao apoio prestado pelo FEDER ao objetivo CTE

61 Legislação Comunitária (Delegados) Regulamento Delegado (UE) nº 481/2014, da Comissão, de 4 de março, relativo à Elegibilidade das despesas para os Programas de Cooperação, que completa o Regulamento (UE) nº 1299/2013, no que diz respeito às regras específicas em matéria de elegibilidade da despesa para os programas de cooperação Regulamento Delegado (UE) nº 480/2014, da Comissão, de 3 de março, que completa o Regulamento (UE) nº 1303/2013, no que diz respeito às disposições gerais relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas Regulamento Delegado (UE) nº 240/2014, da Comissão, de 7 de janeiro, relativo ao código de conduta europeu sobre parcerias no âmbito dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI)

62 Legislação Comunitária (Específica) Regulamento (UE) nº 651/2014, da Comissão, de 16 de junho, que declara certas categorias de auxílio compatíveis com o mercado interno, em aplicação dos artigos 107º e 108º do Tratado (AUXÍLIOS DE ESTADO) Regulamento (UE) nº 1407/2013, da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107º e 108º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia aos Auxílios de Minimis

63 Legislação Nacional O Código dos Contratos Públicos, aprovado pelo Decreto-Lei nº 18/2008, de 29 de janeiro e republicado pelo Decreto-Lei nº 278/2009, de 2 de outubro Acordo de Parceria , aprovado pela Decisão da Comissão nº C(2014) 5513, de 30 de julho Decreto-Lei nº 137/2014, de 12 de setembro, que define o Modelo de Governação dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) Decreto-Lei nº 159/2014, de 27 de outubro, que estabelece as Regras Gerais de aplicação dos Programas Operacionais e dos programas de desenvolvimento rural financiados pelos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) Decreto-Lei nº 66-B/2012, de 31 de dezembro, que estabelece a legislação nacional relativa a subsídios e abonos na administração pública

64 Outra documentação relevante Norma Técnica 1 da OROC para Programas no âmbito da Cooperação Territorial Europeia Manual de Procedimentos para a CTE elaborado pela AD&C (à data em fase de elaboração) Manuais / Guias dos respetivos Programas de CTE Decisão de aprovação do respetivo Programa Formulário da candidatura aprovada e documentos anexos Acordo de concessão (assinado entre a Autoridade de Gestão e o beneficiário principal) e o Acordo de colaboração (assinado entre o beneficiário principal e os outros beneficiários) Termos de referência das convocatórias

65 Guia de leitura disponível Guia de Leitura Regulamento (UE) nº 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, em articulação com os Regulamentos Delegados e de Execução aplicáveis no período de programação ao FEDER e ao FUNDO DE COESÃO islacao/guias/vf_nov20_mapeamento.pdf

66 Seleção do Controlador Consultar a Lista de Controladores Externos disponibilizada pela AD&C de Projetos CTE; Ou na OROC. Efetuar uma consulta a pelo menos três Revisores Oficiais de Contas (de acordo com as orientações da CE);

67 Contratação do Controlador De acordo com o CCP Especificações Técnicas para o Controlador.

68 Contratação do Controlador De acordo com o CCP Questionário para reconhecimento do controlador disponibilizado pela AD&C

69 Contratação do Controlador APÓS A SELEÇÃO DA MELHOR PROPOSTA MINUTA DO CONTRATO (preenchida e remetida à AD&C para validação);

70 Contratação do Controlador APÓS A SELEÇÃO DA MELHOR PROPOSTA: Cópia da cédula Profissional do Controlador. Nome: Revisor Oficial de Contas Número: 99999

71 Contratação do Controlador REMETER CÓPIAS DOS DOCUMENTOS ASSINADOS À AD&C

72 Reconhecimento do Controlador POCTE

73 Site da AD&C DÚVIDAS? Coordenadora do Núcleo de Cooperação Territorial em Portugal Raquel Rocha Técnicos responsáveis pelo acompanhamento dos PO CTE em Portugal Celina Pasadas (PO Espaço Atlântico) Isabel Gonçalves (PO SUDOE VB) Maio de 2016 Olivério Graça (PO MED, PO INTERREG EUROPE e URBACT II)

74

CTE Elegibilidades 2014 2020

CTE Elegibilidades 2014 2020 CTE Elegibilidades 2014 2020 Nota: O Comité de Acompanhamento de cada Programa poderá definir normas de elegibilidade adicionais próprias atenção aos termos da convocatória Base Programa REG. (EU) 1303/2013

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL MADEIRA-AÇORES-CANÁRIAS 2014-2020 Angra do Heroísmo, 29 janeiro 2016 ASPECTOS PRÁTICOS DA EXECUÇÃO DE PROJETOS (REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º 481/2014 ) NORMAS DE ELEGIBILIDADE

Leia mais

Programas de Cooperação Territorial Europeia Validação de despesa

Programas de Cooperação Territorial Europeia Validação de despesa Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, IP Programas de Cooperação Territorial Europeia Validação de despesa Acção de Formação Lisboa,

Leia mais

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 1. ENQUADRAMENTO 1.1. De acordo com a alínea b) do artigo 60.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006,

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 30.7.2014. que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 30.7.2014. que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2014 C(2014) 5513 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 30.7.2014 que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001 (APENAS FAZ

Leia mais

Projetos Estratégicos. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Projetos Estratégicos. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Projetos Estratégicos Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do projeto aprovado, com observância da legislação em vigor,

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.3 Custos de deslocação e de alojamento

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.3 Custos de deslocação e de alojamento Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.3 Custos de deslocação e de alojamento 2 Ficha 8.3 Custos de deslocação e de alojamento Índice 1 Custos de deslocação e de

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO:

MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: 23 MISSÃO EMPRESARIAL AO CHILE SANTIAGO DO CHILE 01 a 06 de OUTUBRO 2016 2 DESCRIÇÃO: A Missão encontra-se integrada no Projeto Conjunto da AIDA, INOV_MARKET, que tem como principais objetivos promover

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.1 Custos de pessoal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.1 Custos de pessoal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.1 Custos de pessoal 2 Ficha 8.1 Custos de pessoal Índice 1 Custos de pessoal... 5 1.1 Contexto... 5 1.2 Definição, regimes

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 13 Incentivo à promoção da Eficiência Energética II 2015 ÍNDICE ÂMBITO GERAL... 3 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual

Leia mais

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial -

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas Promoção Porto e Norte

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 1/NORTE2020/2015 1

NORMA DE GESTÃO N.º 1/NORTE2020/2015 1 NORMA DE GESTÃO N.º 1/NORTE2020/2015 1 [Operações públicas FEDER] 23.dezembro.2015 1 Não aplicável nos regimes dos Sistemas de Incentivos e em operações co-financiadas pelo FSE. CONTROLO DO DOCUMENTO Versão

Leia mais

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas:

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas: 1411 e ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto- -Lei n.º 86/90, de 16 de março e para os efeitos previstos nos artigos 46.º a 49.º da Lei n.º 54/2015, de 22 de junho, o seguinte: ANEXO

Leia mais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais

Programa Horizon 2020. Algumas Regras de Participação. Disposições Gerais Programa Horizon 2020 Fonte: Proposta de Regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece as Regras de Participação e Difusão relativas ao «Horizonte 2020 Programa-Quadro de Investigação

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 16 de agosto de 2013. Série. Número 111

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 16 de agosto de 2013. Série. Número 111 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 16 de agosto de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 73/2013 Portaria que altera a Portaria n.º 129/2011,

Leia mais

24/05/2015. Índice. Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades. Estrutura Operacional. ISQ e Portugal 2020. Oportunidades

24/05/2015. Índice. Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades. Estrutura Operacional. ISQ e Portugal 2020. Oportunidades 24/05/2015 Índice Portugal 2020 : Objectivos e Prioridades Estrutura Operacional ISQ e Portugal 2020 Oportunidades 1 ( ) Portugal 2020 é o conjunto de políticas, estratégias de desenvolvimento, domínios

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

3. Tipologia das operações As grandes áreas de intervenção no âmbito do presente AAC são as seguintes: 1 de 9

3. Tipologia das operações As grandes áreas de intervenção no âmbito do presente AAC são as seguintes: 1 de 9 Convite para Apresentação de Candidaturas Aviso Nº ACORES-56-2015-14 Eixo Prioritário 7 Transportes sustentáveis e principais redes de infraestruturas. Prioridade de Investimento 7.2 Melhoria da mobilidade

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

AVISO N.º M1420-52-2015-01

AVISO N.º M1420-52-2015-01 CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) AVISO N.º M1420-52-2015-01 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Portaria n.º 75/2015

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Deliberações CMC POVT: 15/10/2007, 19/02/2008, 6/02/2012, 8/08/2012 e 2/10/2013 RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL ENTRADA EM VIGOR EM 3/10/2013 NA REDAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO \ Este guia tem por finalidade prestar apoio aos beneficiários com o intuito de facilitar o preenchimento do formulário de Pedido de Pagamento

Leia mais

estruturais e de investimento (FEEI), entre os quais se infundo Artigo 22.º

estruturais e de investimento (FEEI), entre os quais se infundo Artigo 22.º 1449 Artigo 22.º Extinção ou modificação da operação por iniciativa do beneficiário O beneficiário pode requerer ao gestor: a) A extinção da operação, desde que proceda à restituição das importâncias recebidas;

Leia mais

VALE EMPREENDEDORISMO

VALE EMPREENDEDORISMO V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1 VALE EMPREENDEDORISMO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE EMPREENDEDORISMO) Março 2015 V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3

Leia mais

Redes Locais de Intervenção Social (RLIS)

Redes Locais de Intervenção Social (RLIS) Redes Locais de Intervenção Social (RLIS) Redes Locais de Intervenção Social (RLIS) SEGURANÇA SOCIAL Advertência As Perguntas Frequentes pretendem disponibilizar informação relevante e de caráter geral.

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE

circular ifdr Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à decisão de aprovação do projeto pela Comissão Europeia SÍNTESE N.º 02/2013 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2013/09/30 Certificação de despesas relativas a um Grande Projeto previamente à Elaborada por: Unidade de Certificação SÍNTESE A presente Circular atualiza

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid

Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid Comissão Europeia Direção-Geral do Desenvolvimento e da Cooperação - EuropeAid Guia Prático dos procedimentos aplicáveis aos Orçamentos-programa (abordagem projeto) Versão 4.0 Dezembro de 2012 ÍNDICE 1.

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 I Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 61/2010 Aprova o Regulamento de Aplicação

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável.

Norma de Pagamentos. Os incentivos a conceder revestem a forma de subsídio não reembolsável. Norma de Pagamentos 1. Âmbito Nos termos do previsto no Contrato de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Empreende Jovem Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo. O

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012 e 20/03/2012 EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL ENTRADA EM VIGOR EM 21/03/2012

Leia mais

AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR)

AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) AVISO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas

Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas Orientação Técnica n.º 1/2016 PPEC 2017-2018 Procedimentos a observar na implementação das medidas A revisão das Regras do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de energia elétrica (PPEC), aprovada

Leia mais

Norma de Pagamentos. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projetos aprovados ao abrigo dos seguintes Subsistemas do SIDER:

Norma de Pagamentos. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projetos aprovados ao abrigo dos seguintes Subsistemas do SIDER: Norma de Pagamentos Nos termos do previsto nos Contratos de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores (SIDER):

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO Despacho ne0 40/2009 O Regulamento Geral do FEDER e do Fundo de Coesiio, aprovado por delibera@o da Comissáo Ministerial de Coordenação do QREN

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial EIXO PRIORITÁRIO IV QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA URBANO MOBILIDADE TERRITORIAL Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial ML / IV / MT / 02 / 2010 Eixo Prioritário

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

Mecanismos de apoio e incentivo à Eficiência energética

Mecanismos de apoio e incentivo à Eficiência energética Mecanismos de apoio e incentivo à Eficiência energética Victor Francisco CTCV - Responsável Gestão e Promoção da Inovação [victor.francisco@ctcv.pt] Workshop Setorial da Cerâmica e do Vidro CTCV 14.12.12

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 219 9 de novembro de 2015 9461 Artigo 3.º Entrada em vigor A presente portaria entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. O Secretário de Estado do Turismo,

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Projetos Conjuntos. Guia do Beneficiário. 1.ª Fase Aviso nº 1/2013. Direção-Geral das Atividades Económicas

Projetos Conjuntos. Guia do Beneficiário. 1.ª Fase Aviso nº 1/2013. Direção-Geral das Atividades Económicas Projetos Conjuntos Guia do Beneficiário 1.ª Fase Aviso nº 1/2013 Direção-Geral das Atividades Económicas ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. CONTRATAÇÃO DE INCENTIVOS... 4 1.1 Publicação da Decisão de Concessão

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DE CINEMA, DANÇA E TEATRO 2016 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian concede, através do Programa de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA DIREÇÃO REGIONAL DE APOIO AO INVESTIMENTO E À COMPETITIVIDADE SIDER Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial -

Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Promoção Porto e Norte de Portugal - Imaterial - Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas Promoção Porto e Norte

Leia mais

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886 IAPMEI - Legislação - Legislação Nacional - Incentivos-Portaria 1102/2010 de 25 de... Page 1 of 24 Portaria nº 1102/2010 de 25 de Outubro de 2010 DR 207 - SÉRIE I Emitido Por Ministério da Economia, da

Leia mais

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016)

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) O presente acordo define os termos de manifestação de interesse das empresas na

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014

Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Aviso do Banco de Portugal n. o 10/2014 Índice Texto do Aviso Texto do Aviso Assunto: Assunto Mod. 99999910/T 01/14 Com a publicação do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de junho, que transpôs para a ordem

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 25 de março de 2015. Série. Número 51

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 25 de março de 2015. Série. Número 51 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 25 de março de 2015 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS, DOS ASSUNTOS SOCIAIS E DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 73/2015

Leia mais

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE Parte 1- Informação geral e elegibilidade dos custos Parte 2 Opção dos custos simplificados Parte

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 52 16 de março de 2015 1589 c) Prestar informação, orientação e apoio aos consumidores, no âmbito da resolução de conflitos entre estes e os operadores do setor; d) Divulgar

Leia mais

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N.

EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM CONTÍNUO N. EIXO 1 COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO REGULAMENTO ESPECÍFICO: SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EM

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL +

DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA LEADER PRORURAL + Estratégia de Desenvolvimento Local Eixos Estratégicos Qualificação e diversificação da Economia Rural através da valorização do potencial económico

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 6.0 A seleção dos projetos

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 6.0 A seleção dos projetos Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 6.0 A seleção dos projetos 2 Ficha 6.0 A seleção dos projetos Índice 1 O ciclo de instrução dos dossiers de candidatura... 5

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento

Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Folha de Apoio ao preenchimento dos documentos que constituem o Pedido de Pagamento Apoio ao preenchimento do Relatório Final de Operação (RFO) Para ajudar no preenchimento do Relatório Final de Operação

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 02/SI/2014

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 02/SI/2014 CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 02/SI/2014 INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME PROJETOS CONJUNTOS QUALIFICAÇÃO DAS PME O presente Aviso para Apresentação de Candidaturas

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Apresentação do Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (FEE) Decreto-Lei nº 50/2010, de 20 Maio O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento

Leia mais

Artigo 28.º Normas subsidiárias Artigo 29.º Normas de execução Artigo 30.º Data da entrada em vigor

Artigo 28.º Normas subsidiárias Artigo 29.º Normas de execução Artigo 30.º Data da entrada em vigor SUMÁRIO Título do Documento PROJETO de Regulamento de projetos financiados exclusivamente por fundos nacionais. Elaborado por Verificado por Data 2016.05.12 Artigo 1.º Âmbito e objeto Artigo 2.º Tipologia

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

PROGRAMA PARA A REDE RURAL NACIONAL

PROGRAMA PARA A REDE RURAL NACIONAL PROGRAMA PARA A REDE RURAL NACIONAL Área de Intervenção 4 «Facilitação do Acesso à Informação» Aviso n.º 01/AI4/2013 GUIA DE PREENCHIMENTO E SUBMISSÃO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Atenção: Antes de proceder

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS

SISTEMA DE APOIO A ÁREAS DE ACOLHIMENTO EMPRESARIAL E LOGÍSTICA DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO DO NORTE, CENTRO, ALENTEJO E ALGARVE Deliberações CMC POR: 28/03/2008, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 SISTEMA DE APOIO A ÁREAS

Leia mais

Projectos de I&DT Empresas Individuais

Projectos de I&DT Empresas Individuais 1 Projectos de I&DT Empresas Individuais Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (SI I&DT) Projectos de I&DT Empresas Dezembro de 2011 2 s Enquadramento Aviso n.º 17/SI/2011

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 07 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 2014 Perguntas e Respostas Aviso 7 - Promoção da Mobilidade Urbana Sustentável 14 ÂMBITO GERAL 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO DO INR, I.P. ÀS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS Preâmbulo Considerando a missão do INR, I.P., enquanto organismo público, de assegurar o planeamento, execução e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO EM CINEMA 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação) concede, através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento. Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento. Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Optimização da Gestão de Resíduos Sólidos Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - AMP - RS/1/2009

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC)

REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC) REGULAMENTO DO FUNDO DE APOIO À COMUNIDADE CIENTÍFICA (FACC) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto Artigo 2.º Destinatários dos apoios Artigo 3.º Responsáveis pela candidatura Artigo

Leia mais

Modelo de pedido de pagamento, incluindo as informações adicionais relativas aos instrumentos financeiros PEDIDO DE PAGAMENTO

Modelo de pedido de pagamento, incluindo as informações adicionais relativas aos instrumentos financeiros PEDIDO DE PAGAMENTO L 286/38 PT ANEXO VI Modelo de pedido de pagamento, incluindo as informações adicionais relativas aos instrumentos financeiros PEDIDO DE PAGAMENTO COMISSÃO EUROPEIA Fundo ( 1 ): (

Leia mais

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT Normas de execução financeira Financiamento de Projetos de Investigação Exploratória no âmbito do Programa

Leia mais

Capítulo 1- Agências de Viagem

Capítulo 1- Agências de Viagem Capítulo 1- Agências de Viagem 1.1- Quadro Sinótico Relativamente ao D.L. n.º 199/2012, de 24 de agosto, transcrito de seguida, os seus artigos n.º s 2, 3, 4, 5 e 6 foram omitidos neste trabalho. Neles

Leia mais

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS

Município de Oliveira do Hospital PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS PROJETO DO REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS O Município de Oliveira do Hospital entende como de interesse municipal as iniciativas empresariais que contribuem para o desenvolvimento e dinamização

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

FUNDO EUROPEU PA. Dimensão da Amostra Documental: XXXXXXXXX - Comp. Comunitária: XXXXXXXX - Comp. Nacional: XXXXXXXX

FUNDO EUROPEU PA. Dimensão da Amostra Documental: XXXXXXXXX - Comp. Comunitária: XXXXXXXX - Comp. Nacional: XXXXXXXX RELATÓRIO N.º: DATA DA VISITA: 1 - Identificação do Projeto N.º do Projeto: XXXXXXX Fase do projeto Título do projeto: XXXXXXXXXXXXX Inicial Ação onde se enquadra o projeto: Ação XXXX Execução Localização

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Objetivos Contribuir para o incremento de uma nova cultura empresarial, baseada no conhecimento e na inovação, introduzindo uma cultura de risco e vontade empreendedora, através do estímulo ao aparecimento

Leia mais

CONVENÇÃO DE SUBVENÇÃO NO ÂMBITO DO 7. PQ ANEXO VII - FORMULÁRIO D TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CERTIFICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

CONVENÇÃO DE SUBVENÇÃO NO ÂMBITO DO 7. PQ ANEXO VII - FORMULÁRIO D TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CERTIFICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONVENÇÃO DE SUBVENÇÃO NO ÂMBITO DO 7. PQ ANEXO VII - FORMULÁRIO D TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CERTIFICAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ÍNDICE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM RELATÓRIO INDEPENDENTE DAS

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:299833-2013:text:pt:html Espanha-Alicante: Serviços de consultoria geral, auditoria, gestão de projetos e estudos 2013/S

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais