Epidemia informacional: A estrutura de redes e a difusão de notícias no Twitter Patrícia Gonçalves C. Rossini 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Epidemia informacional: A estrutura de redes e a difusão de notícias no Twitter Patrícia Gonçalves C. Rossini 1"

Transcrição

1 Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación Epidemia informacional: A estrutura de redes e a difusão de notícias no Twitter Patrícia Gonçalves C. Rossini 1 Resumo: A proposta do presente artigo é compreender como o Twitter, inicialmente um serviço de microblogging, se tornou uma ferramenta eficiente para divulgação de notícias e mobilização social de alcance global a partir das apropriações dos usuários e de suas características de rede. A tese a ser desenvolvida é de que a teoria de redes sem escalas de Albert e Barabási (1999, apud BARABÁSI, 2003) possa contribuir para o entendimento dos mecanismos que orientam os fluxos informacionais no Twitter a partir de sua dinâmica de redes. Acredita-se que esta abordagem ajude a compreender como os fatos circulam rapidamente no Twitter e se tornam visíveis aos participantes da rede, sobrepondo barreiras geográficas e conexões sociais. Parte-se de exemplos como a revolução popular no Egito e a morte de Osama Bin Laden para situar o fenômeno estudado no imaginário do leitor. Palavras-chave: Twitter, Redes Sociais, Mobilização, Jornalismo, Internet Abstract: This study seeks to understand how Twitter, formelly a microblogging service, became an efficient tool for publishing news and social activism with global reach in consequence of its appropriations by the users and its network characteristics. The thesis developed is that the scale-free network theory by Albert and Barabási (1999) can help the understanding of the mechanism that rules Twitter's informational flux. It is believed that this approach assists you to assimilate how facts move quickly on Twitter and become highly visible for the network users, dissolving geographical barriers and social connections. It goes from well-known examples like the popular revolution in Egypt and the death of Osama Bin Laden to place the phenomenon studied in the reader's imagination. Keywords: Twitter, social network sites, online activism, journalism, internet Introdução A revolução popular que derrubou Hosni Mubarak 2 após três décadas de ditadura no Egito, a revolta dos internautas contra irregularidades de agentes políticos ou mesmo contra o uso de pele de animais na confecção de bolsas e calçados 3 são exemplos de acontecimentos que ganharam visibilidade por meio do Twitter e tiveram efeitos offline depois da mobilização virtual. A ferramenta também é utilizada como canal de informações oficial, onde autoridades centralizam notícias sobre determinado fato para evitar a proliferação de fontes, como aconteceu no perfil do gabinete do 1 Patrícia Gonçalves C. Rossini. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora. Bolsista CAPES <acesso em 25/05/2011> 3 <acesso em 05/06/2011>

2 primeiro ministro japonês após o terremoto em 11 de março de 2011, e no da Casa Branca após a morte de Osama Bin Laden numa ação militar 4. Os exemplos citados demonstram efeitos de mobilizações populares assistidas por uma plataforma social da Internet, onde os usuários são responsáveis pela produção e difusão de conteúdos e se articulam em redes de contatos. A contribuição deste tipo de ferramenta para a publicização de fatos e notícias está relacionada à forma como sua arquitetura de rede organiza o fluxo de mensagens entre os usuários. Eventos e fatos que acontecem offline e que são retratados na mídia tradicional têm seu alcance amplificado por meio dos comentários gerados no Twitter, que rapidamente circulam entre os nós da rede, não importando a distância entre eles. Devido à mobilidade da ferramenta, muitas vezes a notícia é divulgada primeiro no Twitter e só depois aparece nos outros meios de comunicação. A proposta do presente estudo é compreender como o Twitter se tornou uma ferramenta eficiente para divulgação de notícias e mobilização social de alcance global a partir das apropriações dos usuários. A tese desenvolvida é que a teoria de redes sem escala, (ALBERT; BARABÁSI, 1999, apud BARABÁSI, 2003) regida por leis de potência, possa contribuir para o entendimento do poder informacional do Twitter. Acredita-se que esse modelo teórico possa explicar a circulacão e visibilidade dos fatos dentro da rede de usuários. A pesquisa tem início na revisão teórica acerca das redes sociais, cujas principais referências são Boyd e Ellison, Barabási, Primo e Recuero. Num segundo momento será observada a dinâmica de funcionamento do Twitter e o terceiro e último aspecto a ser exposto e considerado é a contribuição do capital social - valores percebidos socialmente - para a difusão informacional. Por meio do percurso teórico e analítico aqui descrito, objetiva-se compreender os mecanismos que regem o fluxo informacional no Twitter sob a ótica da teoria de redes sem escalas. Sites de redes sociais: o que são e como se organizam As redes sociais são ferramentas de sociabilização que surgem e se popularizam a partir da segunda geração de serviços da Internet, caracterizada pela proliferação de portais, sites. wikis e plataformas de conteúdo baseadas na colaboração do usuário. Neste ambiente predominantemente colaborativo - conhecido por Web 2.0 -, tem-se o surgimento de ferramentas de produção e distribuição de conteúdos online voltadas para 4 <acesso em 10/05/2011>

3 o uso colaborativo dos internautas. Sites como o YouTube, Flickr, Wikipédia, Twitter e MySpace são exemplos de plataformas cujo conteúdo é majoritariamente enviado por internautas. Sites de redes sociais são definidos por Boyd e Ellison 5 (2007) como serviços da web que permitem aos indivíduos construir um perfil público ou semi-público dentro de um sistema delimitado, articular uma lista de outros usuários com quem desejam compartilhar suas conexões e visualizar as conexões mantidas pelos integrantes das suas listas e pelos demais usuários dentro do sistema. Para as autoras, "o que faz das redes sociais únicas não é o fato de elas permitirem que indivíduos conheçam estranhos, mas, ao contrário, elas possibilitam que usuários articulem e tornem visíveis seus círculos sociais" (idem). Ou seja, não obstante Boyd e Ellison reconheçam que usuários possam se conectar a pessoas desconhecidas e criar novas relações por meio das redes sociais, elas afirmam que esse não é o objetivo dessas ferramentas e que esse tipo de vínculo é mais frequente entre pessoas que já têm alguma relação offline. Recuero (2009, p.24) descreve as redes como um conjunto de atores e suas conexões (interações e laços sociais), cuja análise deve ser feita pela observação das conexões entre os atores da rede. O elemento principal na rede é a interação entre os usuários (os nós), necessária para a existência e a manutenção das conexões. Em seu estudo sobre comunicação mediada por computador, Alex Primo (2008, p.56-58) propõe uma abordagem sistêmico-relacional das interações e as classifica de acordo com o relacionamento estabelecido - que pode ser mútuo ou reativo. "A interação mútua é aquela caracterizada por relações interdependentes e processos de negociação, em que cada interagente participa da construção inventiva e cooperada do relacionamento, afetando-se mutuamente" (2008, p.57). Já a interação reativa é "limitada por ações determinísticas de estímulo e resposta" (idem), sendo, portanto, unidirecional. É a partir das relações de interação que são construídos os laços sociais, "a efetiva conexão entre os atores envolvidos nas interações" (RECUERO, 2009, p.38). Esses laços podem ser relacionais, quando se baseiam na interação entre usuários, ou associativos, formados através de interações reativas e independentes da ação 5 Tradução da autora para "We define social network sites as web-based services that allow individuals to (1) construct a public or semi-public profile within a bounded system, (2) articulate a list of other users with whom they share a connection, and (3) view and traverse their list of connections and those made by others within the system. The nature and nomenclature of these connections may vary from site to site."

4 individual. Laços de associação configuram o pertencimento de um ator a determinado local ou grupo. No que se refere à valência, Recuero identifica dois tipos de laços sociais (2009, p.41): Laços fortes são aqueles que se caracterizam pela intimidade, pela proximidade e pela intencionalidade em criar e manter uma conexão entre duas pessoas. Os laços fracos, por outro lado, caracterizam-se por relações esparsas, que não traduzem proximidade e intimidade. Laços fortes constituem-se em vias mais amplas e concretas para as trocas sociais, enquanto os fracos possuem trocas mais difusas. (RECUERO, 2009, p.41) A estrutura formada pelos nós e suas conexões é objeto de estudo da teoria das redes sem escala, proposta por Albert László-Barabási e Réka Albert em 1999, e servirá como modelo teórico para a compreensão do potencial informacional do Twitter na presente pesquisa. O autor observa que as redes são dinâmicas e estão em constante mutação, e as diferencia quanto sua tipologia e pela forma como os nós se conectam uns aos outros e formam grupos (clusters). As descobertas de Albert e Barabási representam uma evolução no estudo de redes e, para melhor entendimento desta proposição teórica, é necessário conhecer os modelos que antecederam suas conclusões. A cronologia aqui explicitada é embasada na obra Linked, lançada por Barabási em 2002/2003. No entanto, as referências datam de 2009 devido ao ano da edição brasileira do livro. O modelo de redes igualitárias ou randômicas, de 1960, postula que os nós participantes possuem uma quantidade de conexões mais ou menos semelhante, bem como chances iguais de receber novos links. Tal constatação decorre da teoria dos grafos randômicos de Erdös e Rényi (1960 apud BARABÁSI, 2009, p.8-22), segundo a qual os links são distribuídos aleatoriamente entre os nós e estes tem chances iguais de receber um link. Embora alguns nós possam receber mais links que outros nesse sistema aleatório, os autores afirmam que numa grande rede praticamente todos os atores terão um número de conexões mais ou menos igual. Já as redes "de Mundo Pequeno" partem da premissa de que os agentes de uma rede estão interligados em algum nível, sendo separados por pequenas cadeias de conexões. O modelo se desenvolve a partir da teoria dos "seis níveis de separação" proposta por Milgram em 1967, segundo a qual os cidadãos dos Estados Unidos estariam separados por apenas seis relações sociais. Para Barabási, os "mundos pequenos" são uma característica genérica das redes sociais e as interações entre indivíduos não dependem da distância física entre eles. A partir dos estudos de seus

5 antecessores, Watts e Strogatz (1998, apud RECUERO, 2009, p.63-64) descobrem os padrões altamente conectados nas redes sociais, segundo os quais alguns laços são estabelecidos entre pessoas mais próximas e outros se estabelecem aleatoriamente. Ou seja, um grupo altamente conectado se liga a outro grupo por laços randômicos e, dessa forma, a distância entre indivíduos de diferentes clusters é reduzida. Neste modelo, é importante considerar a pesquisa de Granovetter (1973, apud BARABÁSI, 2009, p.38-40), que propõe uma organização das redes sociais a partir dos laços estabelecidos entre os atores. Segundo ele, os laços fracos teriam importância maior para a manutenção e para o tráfego de informações em redes sociais, já que uma interação mais pontual e superficial seria capaz de conectar vários grupos sociais, diversificando portanto as interações entre eles. Finalmente, o modelo de redes sem escalas é proposto por Barabási e Albert em 1999, a partir da constatação de que as conexões são organizadas por uma lei de potência, cujo expoente oscila entre 2 e 3. Com o uso de um software, os autores observaram que as conexões estabelecidas na Internet não são igualitarias e, a partir daí, desenvolveram os conceito de hubs e conectores (2009, p.50-52). De acordo com esse modelo, dentro da rede existe uma minoria de nós - os hubs - que possuem um número elevado de conexões em relação aos demais e são extremamente visíveis - "Hubs são especiais. Dominam a estrutura de todas as redes nas quais estão presentes, fazendo-as parecer mundos pequenos. De fato, com links para uma quantidade extraordinariamente grande de nós, os hubs criam atalhos entre dois nós quaisquer no sistema 6 " (BARABÁSI, 2009, p.58). Considerando-se que as conexões entre os nós são regidas por uma lei de potência 7, o autor explica que os grandes hubs são necessários para manter uma rede altamente conectada, uma vez que agregam uma série de nós com menos conexões e formam clusters. As leis de potência são responsáveis pela ordenação do sistema, uma ordem que surge da desordem: hubs impedem que nós com menos conexões fiquem isolados na rede, uma vez que estão sempre interconectados a estes em algum nível. A partir desta constatação, pode-se compreender a estrutura do Twitter e seu potencial 6 Tradução da autora para: "Hubs are special. they dominate the structure of all networks in which the are present, making them look like small worlds. Indeed, with links to an unusually large number of nodes, hubs create short paths between any two nodes in the system" (BARABÁSI, 2003, p.64). 7 Trata-se de uma expressão matemática cuja distribuição não tem pico: seu histograma apresenta uma curva continuamente decrescente, implicando que muitos eventos pequenos coexistam com poucos eventos de grande magnitude. "Toda lei de potência é caracterizada por um expoente único, que nos informa, por exemplo, quantas páginas muito populares da Web existem, comparativamente a páginas menos populares" (BARABÁSI, 2009, p.61). Nas redes a lei de potência descreve a distribuição do grau (quantidade de links por nó) e seu expoente também pode ser chamado de grau exponencial. A lei de potência pode ser representada por N(k) k -y (o parâmetro -y é o expoente do grau. Nas redes sem escala, esse expoente oscila entre 2 e 3. (idem, 2009, p.61)

6 para a difusão e circulação de fatos e notícias, objeto de análise desta pesquisa. Uma última característica das redes sem escalas relevante ao estudo proposto é a predisposição dos nós se conectarem preferencialmente a outros mais conectados - hubs - dentro de uma rede. Barabási desenvolve a ideia de que os nós ricos em conexões tendem a ficar cada vez mais ricos - hubs tendem a ficar cada vez maiores porque nós menos conectados preferem se associar aos que possuem mais conexões. A conexão preferencial e o crescimento são leis que governam as "verdadeiras redes" (2009, p.78-79). Como explica o autor, o crescimento desempenha papel importante no fenômeno "ricos ficam mais ricos": A expansão da rede significa que os primeiros nós dispõe de mais tempo do que os últimos para adquirir links: se um nó é o último a chegar, nenhum outro nó tem a oportunidade de se conectar a ele; se um nó é o primeiro na rede, todos os nós subsequentes têm chance de se conectar a ele. Dessa forma, o crescimento oferece uma nítida vantagem para os nós antigos, tornando-os os mais ricos em links. (2009, p.80) Figura 1 8 : exemplo de visualização das conexões em redes igualitárias e no modelo sem escalas 9 A descoberta dos hubs e das leis de potência forçam o abandono de duas assertivas das redes igualitárias: a presença de um número fixo de nós na rede e da conexão aleatória entre eles (2009,p.74-75). Como tanto os modelos de redes de "mundo pequeno" como as igualitárias se baseiam em números estáticos de nós, eles não explicam o crescimento das redes. Barabási acredita que as redes estão em constante evolução e que as conexões preferenciais levam à constatação de que "popularidade é atraente" neste ambiente interconectado (2009, p.76-78). É importante 8 Fonte: Wikipedia <http://en.wikipedia.org/wiki/scale-free_networks / Imagem sob licença Creative Commons Exemplo de redes randômicas e redes sem escalas com 32 nós e 32 links.

7 ressaltar que o modelo de Albert-Barabási de redes sem escala apresenta a formação de clusters a partir dos hubs, o que revela a existência de várias redes que seguem o modelo "de mundo pequeno" dentro da rede sem escala. Num estudo posterior, Bianconi e Barabási (2001 apud BARABÁSI, 2009) descobriram a existência do valor "aptidão", que seria responsável pela atratividade dos links - e consequente formação dos hubs. No modelo de aptidão, nós adquirem links em consonância com uma lei de potência, mas esta teria um expoente dinâmico que mede a rapidez que cada nó adquire links. Tal expoente seria diferente em cada nó e é proporcional à aptidão. De acordo com esse modelo, "a velocidade a que os nós adquirem links já não é questão de antiguidade. Independentemente de quando um nó se integrou a uma rede, um nó apto rapidamente deixará para trás todos os nós com menor aptidão" (BARABÁSI, 2009, p.89). No que se refere à tipologia, o modelo de aptidão permite duas possibilidades: o comportamento "vencedor leva tudo" e o "apto fica rico". Nas redes sociais da Internet se manifesta o comportamento "apto fica rico", que segue a lógica do "rico fica mais rico" descoberta pelo autor anteriormente, e se estabelece um ambiente de competição entre os hubs. Barabási explica que o reconhecimento da aptidão não descarta o modelo sem escala, mas acrescenta a competição a ele: "nas redes que revelam comportamento do tipo apto fica rico, a competição conduz a uma topologia sem escala" (idem, p.97). A partir desses pressupostos teóricos que norteiam o estudo de redes, o objetivo desta pesquisa é compreender e explicar a dinâmica das redes sociais. A ideia aqui desenvolvida é de que os conceitos de hubs e ligações preferenciais das redes sem escala, aliados ao modelo da aptidão, podem colaborar na compreensão de como fatos e notícias circulam de maneira tão veloz e abrangente no Twitter. Difusão informacional no Twitter: O Twitter é um site da Internet que se enquadra na categoria de mídia social - meio para interação social que utiliza técnicas de publicação altamente acessíveis - e agrega características de rede social ao formato de microblog, no qual as mensagens não podem exceder 140 caracteres. A mobilidade e a interface simplificada facilitam a participação dos usuários por diferentes plataformas de Internet, especialmente em dispositivos móveis como celulares e smartphones, e a dinâmica do Twitter permite a circulação de um assunto pelas diversas redes sociais formadas pelos usuários e a

8 indexação de temas (por meio de hashtags), que facilita o acesso à informação e agrega visibilidade. O serviço se auto-define como "rede de informações em tempo real que conecta você às últimas informações sobre o que você acha interessante" 10. A partir desta colocação, podemos entender o Twitter como uma rede em que o usuário pode elaborar uma rede de contatos (portanto, social, uma vez que conecta pessoas) a partir da escolha das fontes de informação de quem deseja receber conteúdo. Além de postarem mensagens, os usuários do Twitter podem interagir por meio das ferramentas retweet (reprodução da mensagem - o tweet - de outro usuário), reply (resposta pública), direct message (recado particular) e mention (quando o usuário menciona outro(s) em seu tweet). A postagem de mensagens e o acesso aos perfis é facilitado com o uso de dispositivos móveis (celulares, smartphones), de add-ons (aplicativos instalados na interface do navegador, por exemplo) ou de interfaces que permitem o uso do Twitter fora do navegador (programas como o TweetDeck, TwitterFeed, etc). No que se refere ao tipo de uso, o Twitter é uma rede de filiação: "as redes sociais de filiação ou associativas na Internet são aquelas derivadas das conexões estáticas entre os atores, ou seja, das interações reativas (PRIMO, 2008) que possuem um impacto na rede social" (RECUERO, 2009, p.98). Nesse caso, não há o custo para o usuário em manter as conexões - estas são "forjadas através dos mecanismos de associação ou de filiação dos sites de redes sociais" (idem, 2009, p. 97). Ou seja, a menos que o usuário do Twitter delete um de seus seguidores, aquele laço permanecerá ativo independente de haver interação social. Por essas características, tem-se com maior frequência a formação de laços fracos, pontuais, que não dependem da interação efetiva dos usuários para se manterem. Os laços fracos também são elementos importantes para a difusão de informações na rede, uma vez que se estabelecem entre pessoas que se conhecem pouco ou não se conhecem, e são o tipo de conexão que liga os nós aos hubs da rede. Ou seja, para um nó menos conectado (ou mais "pobre", conforme Barabási) se associar a um conector, não é necessário que eles tenham uma relação efetiva. Dessa forma, de acordo com o fenômeno "ricos ficam mais ricos" já explicado, tem-se um número pequeno de hubs que agregam muitas conexões e 10 Tradução da autora para: Twitter is a real-time information network that connects you to the latest information about what you find interesting". Disponível em Acesso em 05/05/2011.

9 um enorme montante de nós menos conectados que se interligam em algum grau por meio desses hubs. No entanto, como a conexão preferencial não ocorre sempre com os links mais antigos, o Twitter é uma rede cujas conexões obedecem a distribuição de aptidão: "a conexão preferencial é direcionada pelo produto da aptidão do nó e pelo número de links que ele possui" (BARABÁSI, 2009, p.88). A conexão de um novo nó com outro já não ocorre somente pelo número de nós deste, mas também pela sua aptidão. No Twitter, a partir do momento em que um usuário decide "seguir" outro - interação reativa -, ele passa a receber em sua página inicial (chamada timeline, linha do tempo) todas as atualizações deste indivíduo. Já as interações mútuas entre os usuários independem do ato de seguir: por meio de menções ou retuítes, um pode se comunicar com o outro ainda que não exista um link entre eles. Mas, se não há link, como esses dois usuários do exemplo podem se "ver" na rede? A resposta está na teoria das redes sem escala de Barabási: o número de conexões de um nó determina sua visibilidade na rede e, por esta razão, nós mais pobres em conexões buscam associar-se a estes. Assim, uns tornam-se mais visíveis do que os outros e o elevado número de conexões colabora para tornar esses hubs centrais na rede, reduzindo a distância entre os demais. É importante frisar que, no Twitter, cada nó possui duas possibilidades de conexão: os friends (amigos, aqueles que o usuário segue) e os followers (seus seguidores). O conteúdo informacional postado pelo usuário circula entre seus seguidores, enquanto este mesmo usuário recebe as atualizações de seus "amigos". Cada nó possui, portanto, um canal pessoal de informações e uma rede particular de pessoas que recebem as suas próprias informações. Por meio de ferramentas como o RT ou a menção, este usuário (chamaremos de A) pode tornar visíveis para os seus seguidores informações e nós que participam da sua rede de seguidos, possibilitando assim uma conexão entre nós que não estão diretamente conectados, mas que ao mesmo tempo se ligam a A. Por exemplo: A segue B e é seguido por C, D e E. Ao retuitar uma mensagem de B (exemplo mensagem), A permite que C, D e E tenham acesso não só à informação, mas também a B, que é a fonte. Dessa forma, é possível que C, D e E se interessem por B e optem por seguí-lo, aumentando o número de conexões desta rede. Portanto, os indivíduos que participam ativamente do Twitter colaboram para alimentar a rede de informações do site e atuam como multiplicadores da informação a partir das suas conexões com os seguidores e os seguidos:

10 O grande potencial existente no contexto das redes se refere ao fato de que a informação não se encontra mais centralizada, o seu detentor não é mais uma única pessoa, ou seja, ampliam-se as fontes de informação. Nesse sentido, o seu poder de circulação é muito maior e dinâmico e a tecnologia trabalha justamente em prol dessa disseminação. As conexões existentes através das interações estabelecidas nas redes sociais criam possibilidades para que pessoas atuem como multiplicadores e organizadores de uma dada comunidade. Esses atores específicos compartilham informações, pesquisas, dados relevantes para aquela comunidade. (RIBAS; ZIVIANI, 2008, p.3) A mobilidade é um diferencial do Twitter, que possui interfaces adaptadas para o acesso por meio de dispositivos móveis com acesso à Internet, como celulares, smartphones e tablets. É possível ainda utilizar o serviço via SMS, um serviço de mensagens via rede telefônica que não necessita de conexão à web. O acesso facilitado e móvel ao Twitter contribui para manter o interesse do "tuiteiro" em atualizar seu microblog a todo momento, incentivando, assim, a difusão de informações em tempo real que alimenta a "rede de informações" do Twitter. Um reflexo do potencial informacional do Twitter e da apropriação que os usuários fizeram dele são as mudanças na página inicial do site. Até junho de 2009, o serviço instigava os internautas com a pergunta "what are you doing now?" (O que você está fazendo agora?) - uma introdução ao formato de microblog e à ideia de atualização constante -, que foi substituída pela frase "share and discover what's happening right now, anywhere in the world" (compartilhe e descubra o que está acontecendo neste momento, em qualquer lugar do mundo). Em abril de 2011, o Twitter passou por novas alterações e passou a apresentar a frase "follow your interests" (siga seus interesses) na página inicial, que pode ser interpretada pelo usuário como uma recomendação de uso. O novo mote foi apresentado em uma campanha, entitulada "Follow your interests. Discover your world" 11. Para fins demonstrativos, é relevante citar o estudo empírico de Kwak, Lee, Park e Moon, que analisou 41,7 milhões de perfis, 106 milhões de tuítes e 1,47 bilhões de relações sociais: cerca de quarenta perfis no Twitter (pertencentes a celebridades ou meios de comunicação) possuem mais de um milhão de seguidores, mas seguem uma média de apenas 114 outros perfis. O expoente de conexões desses usuários é 5, superior ao observado normalmente em leis de potência, o que significa que eles atraem mais seguidores do que o previsto. O nível de reciprocidade entre os perfis do Twitter é baixo: 77,9% dos usuários estão conectados a outros unidirecionalmente, o que significa 11 Vïdeo de apresentação disponível em: <http://discover.twitter.com/>. Último acesso: 05/05/2010.

11 que apenas 22,1% possuem relações recíprocas (KWAK, LEE, PARK & MOON, 2010, p.3). Capital Social e difusão informacional no Twitter Como o Twitter é baseado na troca de mensagens curtas, e a página pessoal de cada usuário possui um espaço pequeno para que ele se identifique (é possível colocar foto, uma curta biografia e alterar as cores e o fundo do layout), é por meio das atualizações que o indivíduo constrói sua identidade na Internet e agrega capital social ao seu perfil. "O capital social é o conjunto de recursos coletivos associados a uma rede de atores sociais" (RECUERO; ZAGO, 2009), ou seja, é o agrupamento de valores percebidos dentro de uma rede social, a partir da apropriação que os usuários fazem desta. A partir dos tipos de capital social de Bertolini e Bravo (2001), Recuero (2009) discute quatro valores frequentemente relacionados aos sites de rede social. Nesta pesquisa, esses valores serão identificados no Twitter para compreender os tipos de capital social presentes nesta ferramenta. Os tipos de capital social que importam nas redes, segundo Recuero, são: 1) a visibilidade, que se manifesta a partir das conexões de um nó e proporciona que os indivíduos sejam mais visíveis na rede. Está ligada ao capital social relacional e funciona como ponto de partida para outros valores; 2) a reputação, "compreendida como a percepção construída de alguém pelos demais atores" (RECUERO, 2009, p.108). Trata-se de um aspecto qualitativo que se relaciona ao capital relacional e cognitivo, pois, além de ser consequência das conexões, também se refere ao tipo de informação explicitada pelo ator social; 3) popularidade, relacionada à visibilidade e referente à posição do ator dentro da rede - quanto maior o número de conexões de um nó, maior sua centralidade e influência sobre os demais. "No Twitter, a popularidade está diretamente relacionada com a quantidade de seguidores que alguém tem" (RECUERO, 2009, p.111) e é, portanto, capital social relacional; 4) autoridade, que se refere ao poder de influência de um nó dentro de sua rede e está relacionada à reputação, uma vez que depende da percepção construída do ator na rede. É capital social relacional e cognitivo. "No Twitter (...) poderia ser medida não apenas pela quantidade de citações que um determinado ator recebe, mas principalmente

12 pela sua capacidade de gerar conversações a partir daquilo que diz" (RECUERO, 2009, p.113). Se pensado da perspectiva do modelo sem escala cuja lei de potência está relacionada à aptidão do nó, o capital social seria uma representação desta aptidão, ou seja, diria respeito aos valores agregados a determinado nó cuja finalidade seria torná-lo mais atrativo (e, portanto, aumentar sua conectividade) dentro da rede social. O capital percebido nas relações interfere na forma como a informação circula, uma vez que "há uma conexão entre aquilo que alguém decide publicar na internet e a visão de como seus amigos ou sua audiência na rede perceberá tal informação" (RECUERO, 2009, p.116). Mensagens que revelam apelo ao capital relacional têm o objetivo de gerar aproximação dos nós de uma rede e se propagam inicialmente pelos laços fortes devido ao caráter pessoal do conteúdo. Neste caso, laços fracos também podem ser atingidos num segundo momento. Já o conteúdo de apelo informacional contribui para a construção do capital social cognitivo, cujo objetivo de informar suplanta a aproximação dos nós. Em geral, conteúdos que recaem sobre o capital social cognitivo têm maior difusão entre os laços fracos e possuem grande potencial de circulação por toda rede. Por serem mais numerosos, os laços fracos são mais eficientes na disseminação de informações. O reconhecimento dos valores sociais dentro de uma rede é o que possibilita a percepção da aptidão dos nós e garante a ocorrência do fenômeno "apto fica rico". No Twitter, os hubs são aqueles que geralmente possuem mais laços fracos do que fortes e tem mais seguidores do que seguidos. Os capitais sociais ligados à popularidade e à visibilidade garantem a grande atratividade desses nós na rede e, por consequência, influenciam a conexão preferencial. Por outro lado, a percepção de valores como a autoridade e a reputação, numa rede predominantemente informacional, é essencial para assegurar a credibilidade das informações que circulam entre as inúmeras redes do Twitter. Conclusão: Informação demais, interação de menos O objetivo desta pesquisa foi demonstrar que a disseminação "epidêmica" de informações no Twitter pode ser explicada a partir da teoria de redes sem escalas de Barabási, sendo considerada a aptidão como mecanismo de influência das conexões. Acredita-se que tanto os hubs como a lei de potência são suficientes para compreender

13 como se estabelecem as relações no Twitter. Embora o estudo de Kwak, Lee, Park e Moon (2010) tenha revelado a incidência de expoentes superiores aos identificados por Barabási nos grandes conectores do Twitter, a maioria das conexões entre os nós obedece a lei observada pelo autor. O Twitter é uma rede informacional na qual a grande maioria das pessoas está mais interessada em receber informações do que em produzí-las. Os hubs desta rede são os responsáveis pela divulgação de informações e os nós a eles conectados contribuem para disseminá-las entre nós mais distantes. O estudo de Kwak, Lee, Park e Moon valida esta conclusão ao revelar que milhões de usuários do Twitter estão conectados a um número pequeno de nós (em geral, perfis de famosos), os hubs desta rede, que colaboram para reduzir a distância entre os demais usuários e são mais visíveis devido ao papel centralizador que ocupam no sistema. A partir do percurso teórico proposto, conclui-se que o potencial informacional do Twitter está vinculado à tipografia sem escalas e à existência de leis de potência que regem as relações entre seus nós. A característica de amplificar o alcance dos fatos está fortemente relacionada à predominância de laços fracos, cuja incidência proporciona a circulação de conteúdos entre nós distantes na rede, uma vez que estão interconectados em algum grau devido à presença de hubs. São eles os responsáveis pelo baixo grau de separação entre as pessoas e pela baixa reciprocidade das relações que se estabelecem na ferramenta, uma vez que possuem conexões unidirecionais com seus seguidores. Embora a interação seja possível mesmo nas conexões assíncronas, elas só formam laços sociais quando ocorrem entre usuários que possuem relações mútuas, ou seja, que interagem efetivamente na rede. Referências Bibliográficas: BARABÁSI, Albert-Lázló. Linked: A nova ciência dos networks. Leopardo Editora São Paulo: BOYD, danah; ELLISON, Nicole. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Special Issue of JCMC on Social Network Sites Disponível em <http://jcmc.indiana.edu/vol13/issue1/boyd.ellison.html> Último acesso: 20/04/2011 KWAK, Haewoon; LEE, Changhyun; PARK, Hosung; MOON, Sue. What is Twitter, a Social Network or a News Media? Proceedings of the 19th International World Wide Web Conference, April 26-30, 2010, Raleigh NC (USA). Disponível em:

14 <http://an.kaist.ac.kr/~hosung/papers/2010-www-twitter.pdf> Último acesso: 01/05/2011. PRIMO, Alex. Interação Mediada por Computador. 2 a Edição. Porto Alegre: Sulina RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina RECUERO, Raquel; ZAGO, Em busca das "redes que importam": Redes Sociais e Capital Social no Twitter. Anais do XVIII Encontro da Compós: Belo Horizonte, MG, junho de Disponível em <http://www.compos.org.br/data/trabalhos_arquivo_coirkgaeuz0ws.pdf>.último acesso: 01/04/2011. RIBAS, Claudia; ZIVIANI, Paula. Redes de informação: novas relações sociais. Revista Eptic online. Vol. X, No1 Enero. - Abril Disponível em: <http://www2.eptic.com.br/arquivos/revistas/v.%20x,n.%201,2008/acludiaribas- PaulaZiviani.pdf>. ROSENBLATT, Gideon. Twitter is Not a Social Network. Disponível em: <http://www.alchemyofchange.net/twitter-is-not-a-social-network/> <acesso em: 01/06/2011>

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1 Resenha As redes sociais na internet: instrumentos de colaboração e de produção de conhecimento (Redes Sociais na Internet. Raquel Recuero. Porto Alegre: Sulina, 2009) Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do

@ A expansão da web, que. @ Presença cada vez maior do Mídias Sociais Inteligência coletiva Em 1996, a web (1.0) era predominantemente um ambiente de leitura. Só uma pequena fração do conteúdo era criada pelo usuário; Dez anos depois, duas grandes mudanças:

Leia mais

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS

STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS STUDY ABOUT INFLUENCE ON ACADEMIC PERFORMANCE OF STUDENTS USERS OF SOCIAL NETWORKS Elton Rabelo (Instituto de Ensino Superior e Pesquisa INESP, MG, Brasil) - eltonneolandia@yahoo.com.br Thiago Magela Rodrigues

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

Redes sociais. Guilherme Calil n o 05 Leonardo Pessoa n o 11 Natália Kovalski n o 21 Nícolas Morando n o 22 Renan Sangalli n o 26 Thiago Macedo n o 28

Redes sociais. Guilherme Calil n o 05 Leonardo Pessoa n o 11 Natália Kovalski n o 21 Nícolas Morando n o 22 Renan Sangalli n o 26 Thiago Macedo n o 28 Guilherme Calil n o 05 Leonardo Pessoa n o 11 Natália Kovalski n o 21 Nícolas Morando n o 22 Renan Sangalli n o 26 Thiago Macedo n o 28 Redes sociais Pesquisa estatística Professora: Rosa Zoppi FAEC Fundação

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Gestão de marcas nas redes sociais Claudia Palma

Gestão de marcas nas redes sociais Claudia Palma Gestão de marcas nas redes sociais Claudia Palma Claudia Palma claudia@agenciabrowse.com.br @claudinhapalma facebook.com/claudinhaclaudinhapalma linkedin.com/in/claudinhapalma Facebook para começar Crie

Leia mais

Social Analytics: Mensuração de Presença em Redes Sociais Claudia Palma

Social Analytics: Mensuração de Presença em Redes Sociais Claudia Palma Social Analytics: Mensuração de Presença em Redes Sociais Claudia Palma Claudia Palma! claudia@agenciabrowse.com.br! @claudinhapalma! facebook.com/claudinhaclaudinhapalma! linkedin.com/in/claudinhapalma

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS CLUBE TURISMO INTRODUÇÃO: As mídias sociais estão cada vez mais presentes no dia-a-dia das pessoas, oferecendo soluções e transformando as relações pessoais e comerciais.

Leia mais

Uso estratégico do Twitter: como usar o microblogging a favor da sua empresa. www.talk2.com.br

Uso estratégico do Twitter: como usar o microblogging a favor da sua empresa. www.talk2.com.br Uso estratégico do Twitter: como usar o microblogging a favor da sua empresa www.talk2.com.br 04 Introdução 4 05 08 10 16 Por que as pessoas seguem uma conta 5 O que você precisa ter e saber antes de criar

Leia mais

a marca A SEGUIR, VOCÊ DESCOBRE COMO FAZER PARTE DE TUDO ISSO.

a marca A SEGUIR, VOCÊ DESCOBRE COMO FAZER PARTE DE TUDO ISSO. a marca A Cabelos&cia é referência em conteúdo sobre beleza profissional há 19 anos. E agora toda sua excelência está atualizada, repaginada e muito mais acessível com o portal Cabelos&cia. Direcionado

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012

Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Relatório de comunicação digital da Rede Social Brasileira por Cidades Justas e Sustentáveis Janeiro a Julho/2012 Índice Apresentação...2 Público-alvo...2 Plataformas utilizadas: Ning...3 Twitter...4 Facebook...5

Leia mais

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PESQUISA SOBRE O PERFIL DE ALUNOS NA UTILIZAÇÃO DE UM SITE DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Wesley Humberto da Silva (Fundação Araucária), André Luis Andrade Menolli (Orientador) e-mail: wesleyhumberto11@mail.com

Leia mais

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011 1 Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais São Leopoldo RS maio 2011 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale patriciab@feevale.br Setor Educacional:

Leia mais

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes

Estudo Hábitos. Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes Estudo Hábitos 2012 Hábitos de uso e comportamento dos internautas nas mídias sociais e como as empresas podem melhorar sua atuação nas redes O estudo O Estudo Hábitos é realizado anualmente pela E.life

Leia mais

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital Apresentação Presença Digital 2012 ÍNDICE 1. GESTÃO MÍDIAS SOCIAIS... 03 2. ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES... 04 3. PERSONALIZAÇÃO... 05 4. CASES... 06 5. SOBRE A INTERMIDIA BRASIL... 13 6. CLIENTES... 14

Leia mais

Redes sociais x mídias sociais

Redes sociais x mídias sociais INTRODUÇÃO Esse workshop tem como objetivo de organizar o uso das redes sociais no Santuário Nacional e Rede Aparecida, de forma a facilitar o trabalho de monitoramento e de produção de conteúdo para as

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO realmente significa estar informado? Como filtrar a informação certa do montante de informações triviais

RESUMO EXECUTIVO realmente significa estar informado? Como filtrar a informação certa do montante de informações triviais RESUMO EXECUTIVO Muito tem se falado em era da informação, informação é poder, etc. Mas o que realmente significa estar informado? Como filtrar a informação certa do montante de informações triviais que

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

Ao mesmo tempo mudanças se deram em outras ciências através da abordagem sistêmica ou relacional, como na biologia, educação e na comunicação.

Ao mesmo tempo mudanças se deram em outras ciências através da abordagem sistêmica ou relacional, como na biologia, educação e na comunicação. Introdução Quando uma rede de computadores conecta uma rede de pessoas e organizações, é uma rede social (tradução da autora de Garton, Haythornthwaite e Wellman, 1997). O estudo de redes sociais não é

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET

9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET 9º Congresso de Pós-Graduação REDES SOCIAIS: DETERMINANDO UMA ORDEM PARCIAL DE INFORMAÇÕES RELEVANTES ATRAVÉS DE UM TWEET Autor(es) MARCOS ANTONIO DOS ANJOS Co-Autor(es) HAMILTON MACHITI DA COSTA PLÍNIO

Leia mais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Samuel da Costa Alves Basilio, Gabriel de Oliveira Machado 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET MG, Unidade

Leia mais

Redes sociais online como espaço de conscientização ambiental: uma análise de conteúdo do site O Eco 1

Redes sociais online como espaço de conscientização ambiental: uma análise de conteúdo do site O Eco 1 Redes sociais online como espaço de conscientização ambiental: uma análise de conteúdo do site O Eco 1 Ligia Couto Gomes 2 Universidade Estadual de Londrina Rodolfo Rorato Londero 3 Universidade Estadual

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais INTRODUÇÃO Em plena era 2.0 é imprescindível que as empresas estejam presentes na

Leia mais

Fluxo de Mídias Sociais Integradas

Fluxo de Mídias Sociais Integradas Fev/ 2011 FETAMCE Fluxo de Mídias Sociais Integradas Ivonísio Mosca de Carvalho Filho Panorama / Cenário Qual o cenário atual da Internet? Você sabia que o que você imagina para daqui a 10 anos provavelmente

Leia mais

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO

GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO GUIA BÁSICO DE COMUNICAÇÃO CONVERSA DE ELEVADOR Sendo um empreendedor social, você sabe como é importante ser capaz de descrever sua organização, definindo o que diferencia seu trabalho e detalhando o

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes REDES SOCIAIS Prof. Thiago Arantes - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app MOBILE APPS Aplicativo para relacionamento e marketing digital, pronto para todos os dispositivos móveis, nas plataformas ios, Android (aplicativos nativos) e mobile web, para plataformas como BlackBerry

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

Twitter. São Paulo (11) 4063 0165 Porto Alegre (51) 3092 0102 Recife (81) 4062 9373

Twitter. São Paulo (11) 4063 0165 Porto Alegre (51) 3092 0102 Recife (81) 4062 9373 Twitter Foque seus tweets no nicho de sua empresa. RELEVÂNCIA Poste fotos, links interessantes, RT de usuários Design do Avatar e do plano de fundo, fazem a diferença sim! Crie hashtags para as campanhas

Leia mais

Social Media. Criação Personalização Gerenciamento.

Social Media. Criação Personalização Gerenciamento. Criação Personalização Gerenciamento. A Cafuné Design trabalha com as principais mídias e plataformas digitais do momento: Facebook, Twiiter, Instagram, Youtube e LinkedIn. Novas ferramentas de mídia social

Leia mais

Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1

Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Índice Gerenciando Sua Reputação Online Parte 1 Índice O Que é Gerenciamento da Sua Reputação Online? Como Monitorar Sua Reputação Online O Básico Para Construir

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO DO PORTAL COMUNITÁRIO

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO DO PORTAL COMUNITÁRIO 8 CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: COMUNICAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DE DIVULGAÇÃO DO PORTAL COMUNITÁRIO MATSUKI, Edgard 1 BECKER, Maria Lúcia 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

E-books. Guia para Facebook Ads. Sebrae

E-books. Guia para Facebook Ads. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia para Facebook Ads Por que investir no facebook Ads? Tipos de anúncios Como funciona o sistema de pagamentos Criando anúncios Métricas Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE REDES SOCIAIS Prof. Gilson Yukio Sato UTFPR/DAELN/PPGEB Elaborado por Gilson Yukio Sato 1 Aviso Esta apresentação foi baseada no texto Metodologia de análise de redes sociais de

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Chamada de Participação V Competição de Avaliação - IHC 2012

Chamada de Participação V Competição de Avaliação - IHC 2012 XI Simpósio Brasileiro de Fatores Humanos em Sistemas Computacionais - 2012 5 a 9 de Novembro de 2012 Cuiabá MT www.ufmt.br/ihc12 Chamada de Participação V Competição de Avaliação - IHC 2012 O Simpósio

Leia mais

Social Media em 5 etapas

Social Media em 5 etapas Como estruturar seu sistema de Social Media em 5 etapas O que é este guia? O Guia de inicialização em social media foi criado pela G&P como uma forma de ajudar e incentivar as mais diversas empresas do

Leia mais

Comunicação: Luiz Lara Agosto/2011

Comunicação: Luiz Lara Agosto/2011 Comunicação: segmentação e foco Luiz Lara Agosto/2011 A comunicação é o exercício da identidade de marca A marca é um jeito de ser e de fazer. Tudo é importante. Tudo comunica. Há a necessidade de gerenciar

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet

Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet Capítulo 8 - Perspectivas de Estudo das Redes Sociais na Internet Um dos elementos práticos mais importantes do estudo das redes sociais na Internet atualmente são os modos de mapeamento dessas redes.

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB

19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB 19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB Autor(es) JEFFERSON DIAS DOS SANTOS Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA

Leia mais

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014

Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 Relatório de Consumo de Conteúdo Profissional 2014 A ascensão dos Revolucionários de Conteúdo: uma análise minuciosa sobre os principais usuários que consomem conteúdo no LinkedIn e como os profissionais

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND Mídias Sociais nos Negócios GorillaBrand BRAND Marketing de Relacionamento Estratégias Empresa Marca Faturamento Clientes Uso de estratégias Relacionamento Empresa x Cliente Gera Valorização da Marca Aumento

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS?

E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS? E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS? COM SOCIAL MEDIA RESEARCH VOCÊ PODE UMA NOVA METODOLOGIA QUE PARTE DO CRUZAMENTO ENTRE AS MELHORES

Leia mais

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Anadelly Fernandes Pereira ALVES 2 Universidade de Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO O artigo

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Érico Santos Rocha 1, Janaina Lemos 1, Daniel Bertoglio 1, Rafael Ávila 1, Luis Paulo Luna de Oliveira 1 1 PIPCA - Programa de

Leia mais

Criando presença com as páginas do Facebook

Criando presença com as páginas do Facebook Páginas do 1 Criando presença com as páginas do Sua Página Todos os dias, milhões de pessoas em todo o mundo acessam o para se conectar com amigos e compartilhar coisas que gostam. Este guia foi desenvolvido

Leia mais

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio?

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? O que é o Facebook? É uma rede social que permite conectar-se com amigos, familiares e conhecidos para trocar informações como fotografias, artigos, vídeos

Leia mais

Capitão Tormenta e Paco em Estações do Ano

Capitão Tormenta e Paco em Estações do Ano Guia do Professor Capitão Tormenta e Paco em Estações do Ano Introdução As estações do ano constituem-se em um fenômeno que o aluno constrói o conhecimento desde criança. No ensino médio ele deve ser trabalhado

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Fóruns em Moodle (1.6.5+)

Fóruns em Moodle (1.6.5+) (1.6.5+) Ficha Técnica Título Fóruns em Moodle Autor Athail Rangel Pulino Filho Copyright Creative Commons Edição Agosto 2007 Athail Rangel Pulino 2 Índice O que são Fóruns 4 Criando um fórum 5 Nome do

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Redes de Computadores Camada de Aplicação Teoria de Redes Complexas: Conceitos Básicos em Grafos Introdução Como as coisas estão conectadas? Redes! A network is a set of vertices or nodes provided with

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

FACEBOOK NA CAMPANHA PELO PLEBISCITO

FACEBOOK NA CAMPANHA PELO PLEBISCITO FACEBOOK NA CAMPANHA PELO PLEBISCITO 1 Sumário Importância das mídias...03 Linguagem nas mídias...04 Facebook...04 Compartilhe conteúdo...04 Comentários...04 Programação de postagens...05 Marcar pessoas...06

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Pesquisa cruzada em múltiplas fontes e formatos (mesmo imagem) a partir duma única caixa nas colecções sem paralelo.

Pesquisa cruzada em múltiplas fontes e formatos (mesmo imagem) a partir duma única caixa nas colecções sem paralelo. Ainda melhores ferramentas para procurar, encontrar, usar e partilhar informação A nova plataforma ProQuest foi criada por si. A ProQuest trabalhou com centenas de profissionais de informação e utilizadores

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

Apresentação. Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida!

Apresentação. Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida! Apresentação Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida! A Vitae Tec A Vitae Tec é uma empresa de tecnologia que tem como missão oferecer serviços e produtos adequados às necessidades do cliente - pessoa física

Leia mais

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 50 milhões de usuários IDADE MÍDIA 90 milhões de brasileiros na WEB, 70 milhões na rede social Facebook e mais de 30 milhões no Twitter ADEUS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst.

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst. Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador Introdução A web contemporânea nos revela aspectos importantes no comportamento de seus usuários: produção e compartilhamento

Leia mais

Mídias Sociais do jeito mais fácil. Guia do Usuário

Mídias Sociais do jeito mais fácil. Guia do Usuário Mídias Sociais do jeito mais fácil Guia do Usuário Índice 3. Buscas 4. Funcionalidades 5. Monitor 6. Relacionamento 7. Publicação 8. Estatísticas 9. Tutorial Cadastrando uma busca Classificando o conteúdo

Leia mais

7º PASSO CAMPANHA ELETRÔNICA

7º PASSO CAMPANHA ELETRÔNICA 7º PASSO CAMPANHA ELETRÔNICA O que é uma campanha eletrônica? EM MARKETING POLÍTICO... CAMPANHA ELETRÔNICA Refere-se ao uso das ferramentas de e-marketing e das possibilidades disponíveis na web 2.0 para

Leia mais

MARKETING DIGITAL MOSTRANDO SUA IDENTIDADE

MARKETING DIGITAL MOSTRANDO SUA IDENTIDADE MARKETING DIGITAL MOSTRANDO SUA IDENTIDADE Por que mostrar sua identidade Atualmente, são 52,5 milhões* de usuários de internet ativos no Brasil. A previsão de investimentos em anúncios online no Brasil

Leia mais

3 - Projeto de Site:

3 - Projeto de Site: 3 - Projeto de Site: O site de uma empresa é como um cartão de visita que apresenta sua área de negócios e sua identidade no mercado, ou ainda, como uma vitrine virtual em que é possível, em muitos casos,

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais