Guia de Introdução. ao Comércio Exterior. Informações importantes para ajudar sua empresa na hora de importar ou exportar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de Introdução. ao Comércio Exterior. Informações importantes para ajudar sua empresa na hora de importar ou exportar"

Transcrição

1 Guia de Introdução ao Comércio Exterior Informações importantes para ajudar sua empresa na hora de importar ou exportar

2

3 índice INTRODUÇÃO COURIER x FORMAL ÓRGÃOS INTERVENIENTES DESPACHANTE ADUANEIRO HABILITAÇÃO - RADAR Habilitação de Representante CÂMBIO INCOTERMS CLASSIFICAÇÃO FISCAL DOCUMENTAÇÃO Proforma Invoice Commercial Invoice Packing List Conhecimento Aéreo AWB MAWB e HAWB IMPORTADOR Licença de Importação Declaração de Importação Declaração Simplificada de Importação Tributação Declaração de TrÂnsito Aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais FLUXOGRAMA IMPORTADOR EXPORTADOR Declaração Simplificada de Exportação Registro de Exportação Declaração de Despacho Exportação Certificados Certificado de Origem SGP (Form A) Certificado de Origem Mercosul Certificados Fito e Zoosanitário Exportação Temporária FLUXOGRAMA EXPORTADOR REFERÊNCIAS... 31

4 Com o objetivo de manter nossos clientes ambientados ao meio do comércio exterior, esta cartilha foi elaborada com textos básicos de introdução às operações aduaneiras e dados que auxiliarão em dúvidas cotidianas. As informações estão relacionadas em sequência e incluem desde o credenciamento para iniciar operações em comércio exterior, termos internacionais de comércio (INCOTERMS), informações pertinentes a câmbio, classificação tarifária de produtos até os procedimentos específicos da importação e exportação. Use esta cartilha para tirar dúvidas e se habituar aos processos de importação e exportação. E para mais orientações, conte com a assistência especializada TNT. Estamos sempre prontos para atender sua empresa. introdução

5 Guia de Introdução ao Comércio Exterior COURIER x FORMAL ÓRGÃOS INTERVENIENTES Os procedimentos destacados neste manual referem-se à importação e exportação de remessas formais. As Remessas Expressas, ou Couriers seguem outra normativa e outros procedimentos aduaneiros. Abaixo, estão relacionadas as principais características das Remessas Expressas. A Instrução Normativa (IN) RFB nº de 01 de outubro de 2010 (que recentemente revogou a IN RFB 560/2005), regulamenta as operações de remessas expressas. Esta IN estabelece os parâmetros, condições e limitações desta modalidade. A principal caracterização da Remessa Expressa é a amostragem. Mercadorias importadas ou exportadas através de Remessa Expressa devem sempre obedecer este critério. Além da restrição para amostras, é limitada também a valoração dos envios da seguinte maneira: Importações US$ 3.000,00 (três mil dólares dos Estados Unidos da América) ou o equivalente em outra moeda. Exportações US$ 5.000,00 (cinco mil dólares dos Estados Unidos da América) ou o equivalente em outra moeda. Qualquer remessa que se enquadre nessas características deverá atender aos procedimentos específicos de Importação ou Exportação FORMAL. Abaixo, você encontrará alguns exemplos que descaracterizam uma Remessa Expressa: Remessas destinadas a comércio (revenda); Grandes quantidades, descaracterizando amostragem; Remessas para linha de produção/entrada em estoque; Materiais controlados (bebidas alcoólicas, tabaco, materiais usados, etc.). A seguir, você encontrará, brevemente relacionados, os órgãos intervenientes nas operações de comércio exterior e suas respectivas áreas de competência. Cada um desses órgãos utiliza diferentes parâmetros para análise e acompanhamento de trâmites aduaneiros, utilizando como meio de envio e recebimento de informações o Sistema Integrado de Comércio Exterior SISCOMEX. Receita Federal Brasileira (RFB) faz cumprir as legislações aplicáveis, monitorando os trâmites aduaneiros e cambiais e promovendo a arrecadação dos tributos cabíveis. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) assegura a competitividade comercial do país. Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) órgão competente à formulação de propostas para estruturação das políticas de comércio exterior e normas para as respectivas implantações. Em sua estrutura estão: - Departamento de Negociações Internacionais (DEINT); - Departamento de Defesa Comercial (DECOM); - Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior (DEPLA); - Departamento de Operações de Comércio Exterior (DECEX) (a este cabem as análises de licenciamentos de importação). Ministério da Saúde regulamenta e controla o licenciamento de entrada e saída de mercadorias relacionadas à saúde humana. Ministério da Agricultura regulamenta e controla o licenciamento de entrada e saída de mercadorias de origem animal e vegetal. Banco Central (BACEN) assegura a estabilidade da moeda e do sistema financeiro nacional.

6 Guia de Introdução ao Comércio Exterior DESPACHANTE ADUANEIRO Todos os processos que serão vistos a seguir, em algum momento passam pelas mãos do Despachante Aduaneiro, profissional que representa os importadores e exportadores perante os órgãos intervenientes aos procedimentos alfandegários e que tem licença para operar os registros via SISCOMEX. Este profissional é responsável por assessorar o cliente na emissão de documentos aduaneiros e no acompanhamento de suas liberações, garantindo que existam imprevistos nas remessas. E quando esses imprevistos (alguns inevitáveis) se mostrarem, é função do Despachante Aduaneiro - fisicamente presente nos portos e aeroportos - resolver quaisquer situações junto à fiscalização. Por envolver tais riscos e muitas vezes trabalhar com remessas de alta valoração, representando o cliente até mesmo no recolhimento de tributos federais e estaduais, é uma profissão que requer alta qualificação e responsabilidade. Para apoiar o Despachante Aduaneiro também temos os Ajudantes, que têm como função auxiliar na rotina alfandegária e no acompanhamento e fechamento dos processos, de ponta a ponta, garantindo a satisfação do cliente. HABILITAÇÃO - RADAR A Habilitação SISCOMEX para operações em Comércio Exterior, também conhecida como RADAR, consiste na análise prévia da Pessoa Física ou Jurídica, por parte da Receita Federal Brasileira (RFB), para credenciamento e fornecimento de senha, permitindo operar os sistemas web através de Certificação Digital. O pleito de habilitação deve ser feito em unidade da RFB pelo próprio importador ou seu representante. Existem duas principais modalidades de credenciamento: Ordinária para pessoa jurídica com operações mais regulares; Simplificada para pessoa física e jurídica com operações menos regulares, com limitação de valores para operações em Comércio Exterior. A Receita Federal Brasileira fará a análise de toda a documentação pertinente e histórica do interessado para concessão da senha. A partir da obtenção do credenciamento, o usuário poderá efetuar operações de credenciamento de seus representantes e declarar suas remessas de importação e exportação. A legislação que trata da habilitação de importadores e exportadores está disciplinada pela Instrução Normativa RFB nº 650, de 12 de maio de 2006, e pelo Ato Declaratório Executivo Coana nº 3, de 1º de junho de Habilitação de Representante Habilitado para operar no SISCOMEX, o importador/exportador deverá credenciar seus representantes através de seu perfil web, utilizando a senha do Radar, seguindo as opções demonstradas abaixo: Opções: Aduana e comércio exterior > SISCOMEX > Acessos aos sistemas web > Cadastro de Representante Legal O representante entrará com a senha do Radar para credenciar o despachante com o perfil adequado à realização das operações desejadas. CÂMBIO Câmbio é a compra ou venda de moedas estrangeiras. No Brasil, devido à legislação vigente, uma das moedas da transação sempre será a nacional. Exportador O exportador traz moeda estrangeira, que é convertida em moeda nacional, para que esta seja crédito de sua venda. Importador o importador compra moeda estrangeira, utilizando a nacional, para efetuar o pagamento a seu vendedor. A contratação e liquidação do câmbio é feita através de agências credenciadas pelo BACEN. As informações relativas ao contrato são transmitidas através do Sisbacen.

7 Guia de introdução ao ComérCio exterior INCOTERMS GruPo incoterms descrição os termos Internacionais de comércio (International commercial terms Incoterms) têm como função formalizar o acordo entre as duas partes de uma transação internacional, defi nindo as obrigações e direitos de cada uma. O INCOTERM sigla de três dígitos defi nirá, por exemplo, quem será responsável pelo frete, até que ponto o transporte é de responsabilidade do exportador, quem é responsável pela contratação do seguro, entre outras formalizações. uma versão mais recente, publicada pela câmara Internacional de comércio (Icc), (organização de caráter privado, sediada em paris - frança), entrou em vigor em 1º de janeiro de 2011, (Incoterms 2010). essa versão revoga as anteriores. se, nas negociações em andamento ou futuras, comprador e vendedor quiserem utilizar termos da versão 2000, poderão fazê-lo. Basta que as destaquem nos documentos instrutivos do contrato. A Revisão 2010 introduziu, entre outras, as modifi cações abaixo: o número de Incoterms foi reduzido de 13 para 11; os termos daf (delivered at frontier), des (delivered ex-ship), deq (delivered ex-quay) e ddu (delivered duty unpaid) foram eliminados; os termos dat (delivered at terminal) e dap (delivered at place) foram introduzidos. os Incoterms são agrupados em quatro categorias, dispostas em ordem crescente da obrigação do vendedor. abaixo, segue o quadro referente ao Incoterms 2010: GruPo incoterms descrição c de cost ou carriage (transporte principal pago pelo exportador) d de delivery (chegada - máxima obrigação para o exportador) CLASSIFICAÇÃO FISCAL A classifi cação fi scal utilizada no Brasil e no Mercosul é a Nomenclatura Comum mercosul (ncm). A função da classifi cação fi scal é unifi car a linguagem aduaneira para uma classifi cação internacional de mercadorias. Essa classifi cação, composta de oito dígitos, regulamentará a necessidade de tratamentos alfandegários especiais e o recolhimento de tributos cabíveis à mercadoria em questão. a ncm é composta por: capítulo; posição; subposição de 1 nível (ples); subposição de 2 nível (composta); item e subitem. exemplo Máquina abridora de fi bra de lã ncm cfr - cost and freight cif - cost, Insurance and freight cpt - carriage paid to cip - carriage and Insurance paid to dat - delivered t terminal dap - delivered at place ddp - delivered duty paid o vendedor contrata o transporte, sem assumir riscos por perdas ou danos às mercadorias ou custos adicionais decorrentes de eventos ocorridos após o embarque e despacho. o vendedor se responsabiliza por todos os custos e riscos para colocar a mercadoria no local de destino. e de ex (partida - mínima obrigação para o exportador) exw - ex Works mercadoria entregue ao comprador no estabelecimento do vendedor. Capítulo 84 reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos, e suas partes; f de free (trans- porte principal pago pelo exportador) fca - free carrier fas - free alongside ship fob - free on Board mercadoria entregue a um transportador internacional indicado pelo comprador. Posição 8445 máquinas para preparação de matérias têxteis; máquinas para fi ação, dobagem ou torração de matérias têxteis e outras máquinas e aparelhos para fabricação de fi os têxteis; máquinas de bobinar incluídas as bobinadeiras de

8 Guia de Introdução ao Comércio Exterior trama ou de dobar matérias têxteis e máquinas para preparação de fios têxteis, para sua utilização nas máquinas das posições 8446 ou 8447; Subposição de 1 nível (ples) máquinas para preparação de matérias têxteis; Subposição de 2 nível (composta) outras máquinas para preparação de matérias têxteis; Item máquinas para preparação de outras matérias têxteis; Subitem máquinas abridoras de fibras de lã Subitem DOCUMENTAÇÃO Item Subposição de 2 nível (composta) Subposição de 1 nível (ples) Posição Capítulo das mercadorias que pretende importar e, quando necessário, submeta pedido de licenciamento de importação prévio ao embarque no país. Dela resultará, posteriormente, a Commercial Invoice. Commercial Invoice Documento principal da negociação entre vendedor/comprador. O Commercial Invoice é o contrato entre as duas partes, formalizando toda a negociação, condições e dados da mercadoria, portanto, o documento mais importante na instrução das declarações de Importação e Exportação de mercadorias. Os itens principais e mandatários deste documento são: Numeração reiniciada a cada ano; Nome e endereço do importador e exportador; Modalidade de pagamento; INCOTERM negociado; Modalidade de transporte; Local de embarque e desembarque; Nome da empresa de transporte; Descrições das mercadorias; Classificação fiscal das mercadorias; Peso bruto e líquido; Tipo de embalagem e número de volumes; Valores unitários e totais dos itens; Condições do pagamento (se houver); Valor total do documento. Packing List Abaixo, estão relacionados os principais documentos utilizados na importação e exportação e os descritivos de cada um deles. Proforma Invoice É a fatura emitida pelo vendedor, a pedido do comprador, para formalizar a negociação entre ambos, antes que esta seja concretizada. Na importação, por exemplo, a fatura Proforma é utilizada para que o importador consulte os tratamentos administrativos O Packing List é o documento destinado a facilitar a fiscalização aduaneira no que diz respeito ao romaneio de carga. Consiste em uma relação das mercadorias embarcadas e sua disposição (embalagem). O documento deve conter: Número; Nome e endereço de importador e exportador; Data de emissão; Descrição da mercadoria, quantidade, unidade, peso bruto e líquido;

9 Guia de Introdução ao Comércio Exterior Local de embarque e desembarque; Nome da transportadora e data de embarque; Número e identificação dos volumes, tipo de embalagem, peso individual (bruto e líquido) e dimensões. Conhecimento Aéreo Quando contratado, o transporte aéreo será documentado por meio do Conhecimento Aéreo de Carga ou Air Way Bill. Visto que se trata do contrato de transporte aéreo, este é o documento mais importante no transporte da carga. AWB O Air Way Bill (AWB) representa uma carga embarcada diretamente. É conhecido como Short Form (formulário curto), conhecimento aéreo que seguirá fisicamente a remessa. MAWB e HAWB Master Air Way Bill (MAWB) e House Air Way Bill (HAWB), conhecidos como Long Form, (formulário longo), ou modelo IATA, representam cargas consolidadas, ou seja, cargas fracionadas ou de diferentes exportadores em um mesmo voo. O MAWB pode consolidar vários HAWBs. IMportador

10 Guia de Introdução ao Comércio Exterior Licença de Importação Como regra geral, as importações brasileiras estão dispensadas de licenciamento, cabendo aos importadores apenas o registro da Declaração de Importação (DI) na chegada das mercadorias para desembaraço aduaneiro via SISCOMEX. Contudo, algumas mercadorias estão sujeitas a controles especiais de órgãos intervenientes, observados anteriormente. Esse controle é vinculado à classificação fiscal destas mercadorias. O NCM indicará ao importador se existe a necessidade de prévia licença para ingresso da mercadoria no país. Por isso, é de suma importância que os importadores tenham total conhecimento das mercadorias que desejam importar e suas respectivas classificações, precavendo-se de possíveis entraves aduaneiros. O licenciamento prévio de importação, quando necessário, é vinculado via SISCOMEX e submetido à análise do órgão competente. A licença consiste em informações referentes à mercadoria e à operação e apresenta-se em cinco fichas: Das informações básicas (importador, país de procedência e unidades RFB); Do fornecedor; Da mercadoria; Da negociação; Das informações complementares (tela para informações adicionais). Declaração de Importação A Declaração de Importação (DI) é a submissão das informações da importação via SISCOMEX para análise da Receita Federal. Nela são apresentados os dados referentes às partes negociantes (consignatário e exportador), fabricante dos itens (quando diferente do exportador), mercadorias importadas, razão da importação, entre outras informações de interesse da fiscalização aduaneira. A Declaração de Importação será submetida, via SISCOMEX, por um Despachante Aduaneiro devidamente cadastrado na habilitação (RADAR) do importador (com o perfil de representante e com validade em vigor). Depois de submetido à análise, o registro da Declaração de Importação passa por parametrização automática da RFB e pode ser enquadrado nos seguintes canais: Canal Verde mercadoria desembaraçada automaticamente. Canal Amarelo necessária conferência documental para desembaraço das mercadorias. Os documentos instrutivos da DI devem ser apresentados ao auditor fiscal, no intuito de liberação do processo via SISCOMEX. Canal Vermelho necessária conferência documental e física das mercadorias. Os documentos instrutivos da DI devem ser apresentados ao auditor fiscal para que seja agendada conferência física dos itens, no intuito de liberação do processo via SISCOMEX. Canal Cinza necessária conferência documental, física e de valoração aduaneira. Após o desembaraço da mercadoria via SISCOMEX, o importador (salvo os isentos de tal obrigação por dispensa prevista na legislação estadual) deverá providenciar a Nota Fiscal de entrada para admissão e transporte das mercadorias em território nacional. Declaração Simplificada de Importação Enquadrando-se nas restrições apresentadas pela Receita Federal, Instrução Normativa RFB n 611 de 18 de janeiro de 2006, as mercadorias podem ser submetidas à Declaração Simplificada de Importação, que é limitada às remessas de valor igual ou inferior a US$ 3.000,00 com ou sem cobertura cambial, dentro das regras apresentadas na referida IN. A declaração será submetida à análise via SISCOMEX, ou por via física, com apenas dois canais diferenciados de parametrização, seguindo o padrão descrito para a declaração de importação: Canal Verde desembaraçado automaticamente. Canal Vermelho necessária conferência documental e física das mercadorias. Os documentos instrutivos da DI devem ser apresentados ao auditor fiscal para que seja agendada conferência física dos itens, no intuito de liberação do processo via SISCOMEX.

11 Guia de Introdução ao Comércio Exterior Tributação O pagamento dos impostos federais, devidos à importação das mercadorias, se dará no ato do registro da Declaração de Importação, mediante informação de conta corrente bancária em agência habilitada, de banco integrante da rede credenciada pela RFB para arrecadação dos tributos. À importação, caberão, de acordo com as alíquotas estabelecidas para a classificação fiscal da mercadoria (NCM), os impostos federais: II (Imposto de Importação); IPI (Imposto sobre Produto Industrializado); PIS/Cofins (Contribuições à RFB). E imposto estadual: ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços). À Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (INFRAERO) será devido o valor referente ao armazenamento das mercadorias, de acordo com o tarifário vigente. Declaração de Trânsito Aduaneiro O Regime de Trânsito Aduaneiro é o que permite o transporte de mercadorias, sob controle aduaneiro, de um ponto a outro do território nacional, com suspensão dos tributos. A Declaração de Trânsito Aduaneiro (DTA) é o registro via SISCOMEX, pleiteando autorização fiscal para movimentar mercadorias nacionalizadas entre áreas de alfândega. O registro é feito no perfil do importador no SISCOMEX (RADAR), mediante CNPJ do transportador beneficiário devidamente cadastrado para tal. A DTA, ou remoção de carga, pode ser feita para: Zonas Primárias recintos alfandegados de portos e aeroportos destinados à armazenagem e movimentação de mercadorias procedentes ou destinadas ao exterior. O conceito de recintos alfandegados consiste em armazéns, pátios e terminais de carga destinados à movimentação e ao depósito de mercadorias sob fiscalização alfandegária. Zonas Secundárias recintos alfandegados no restante do território aduaneiro, representados pelos entrepostos, depósitos, terminais também utilizados para armazenamento de mercadorias procedentes ou destinadas ao exterior, para movimentação ou permanência sob controle aduaneiro. Nestas, se enquadram as Estações Aduaneiras Interiores (EADIs), armazéns alfandegados de zonas secundárias, que comportam operações aduaneiras de importação e exportação. Regimes Aduaneiros Especiais No regime comum de importação de mercadorias ocorre, via de regra, o pagamento de tributos e a sequência de trâmites aduaneiros observados anteriormente. Entretanto, devido à dinâmica do comércio exterior e das necessidades específicas, em especial da indústria, para atender a algumas peculiaridades, foram criados mecanismos que permitem a entrada ou a saída de mercadorias do território aduaneiro, com facilitações dos trâmites alfandegários de desembaraço, ou mesmo com suspensão/ isenção de tributos. Por se enquadrarem à regra geral dos regimes comuns de importação, esses mecanismos são denominados Regimes Aduaneiros Especiais. Dentre eles, podemos citar como principais exemplos: Trânsito Aduaneiro; Admissão Temporária; Drawback; Entreposto Aduaneiro; RECOF (Entreposto Industrial sob Controle Informatizado), entre outros.

12 Guia de Introdução ao Comércio Exterior Coleta da remessa na origem Remessa inserida nos Sistemas TNT Recebimento das informações pela TNT Brasil Remessa valorada acima de US$ 3.000,00? Equipe TNT entrará em contato verificando a necessidade do cliente (Courier/Formal) Cliente opta pelo envio formal? Importação Courier. (plificada) Pré-alerta para HUB central TNT. fluxograma importador Baseado em pré-alerta recebido do Brasil, as remessas serão separadas para processamento de carga formal Remessas processadas como carga e documentação necessária para importação formal providenciada para embarque Remessas manifestadas e embarcadas ao Brasil. Com visibilidade de toda a documentação necessária para a preparação do processo de desembaraço, o TNT CBS contatará o cliente para a obtenção das instruções de desembaraço Instruções Recebidas? Instruções serão novamente solicitadas ao cliente Mercadoria necessita de licenciamento prévio de importação? Licença de importação elaborada (consultar TNT CBS para viabilidade dependendo do órgão de anuência). Embarque da mercadoria deve ser autorizado pelo importador Cliente contatado para efetuar o pagamento de impostos e taxas Pagamento efetuado? Processo calculado e numerário com relação dos valores totais para liberação da remessa solicitada ao cliente Licença de importação deferida? Aguardar deferimento para autorizar embarque Remessa porta a porta? package CANAL VERDE Remessa liberada. Remessas à disposição do cliente Carga chega ao Brasil. Nota fiscal solicitada ao cliente Nota fiscal recebida? Carga retirada junto à Infraero Entrega no destino final CANAL AMARELO Solicitada conferência documental. Declaração de importação registrada. Documentação preparada para conferência Auditor fiscal designado e inspeção efetuada Documentos extras/ informações adicionais solicitados? Cliente informado sobre solicitações adicionais CANAL VERMELHO Solicitada conferência documental e física. Documentação providenciada? CANAL CINZA Solicitada conferência documental, física e de valoração aduaneira. Comprovação de valoração aduaneira solicitada ao cliente Comprovação de valoração fornecida?

13 Declaração Simplificada de Exportação Visando plificar as operações de exportação, incentivando-as aos produtores nacionais, foi estabelecida a Declaração Simplificada de Exportação (DSE). A Declaração Simplificada é regulamentada pela Instrução Normativa RFB n 611/2006 e limitada às remessas de valor igual ou inferior a US$ ,00 com ou sem cobertura cambial. Na DSE são fornecidos, para análise da alfândega nacional, os dados de identificação do exportador e do importador e os dados gerais das mercadorias exportadas. Após presença no armazém de exportação, a DSE aguarda parametrização automática do sistema para verificação dos canais: Canal Verde desembaraçado automaticamente. Canal Vermelho necessária conferência documental e física da remessa. Alguns materiais possuem exigências específicas, vinculadas às suas classificações fiscais e podem ser enquadrados na modalidade plificada. Registro de Exportação É o conjunto das informações que caracterizam a negociação do exportador, de natureza comercial, financeira, cambial e fiscal. O Registro de Exportação (RE) apresenta de forma completa, para análise aduaneira, todos os aspectos das mercadorias exportadas e da transação comercial entre exportador e importador. O RE deve ser validado através da Declaração de Despacho de Exportação. Declaração de Despacho de Exportação A Declaração de Despacho de Exportação (DDE) consiste no procedimento aduaneiro de submissão da mercadoria ao desembaraço fiscal, baseado nas informações contidas no Registro de Exportação (RE). exportador Depois da Declaração registrada, é necessário que a mercadoria tenha sua confirmação de presença física em armazém alfandegado para que a documentação do processo, instrutiva à DDE seja recepcionada por auditor fiscal da RFB, via SISCOMEX. Após recepcionada, a DDE será automaticamente parametrizada, de acordo com os seguintes canais:

14 Guia de Introdução ao Comércio Exterior Canal Verde mercadoria desembaraçada automaticamente para embarque. Canal Laranja necessária conferência documental para desembaraço das mercadorias. Os documentos instrutivos da DDE devem ser apresentados ao auditor fiscal, no intuito de liberação do processo via SISCOMEX e posterior embarque. Canal Vermelho necessária conferência documental e física das mercadorias. Os documentos instrutivos da DDE devem ser apresentados ao auditor fiscal, para que seja agendada conferência física dos itens, no intuito de liberação do processo via SISCOMEX e posterior embarque. Certificados Certificado de Origem SGP (Form A) O Certificado de Origem do Sistema Geral de Preferências (SGP), também conhecido como Form A (nome do formulário de elaboração do certificado), é emitido por agências do Banco do Brasil. O certificado é requisitado em alguns países que importam produtos brasileiros para concessão de reduções tarifárias, consequentes de acordos comerciais, por países industrializados a países em desenvolvimento. Certificado de Origem Mercosul Emitido por federações, confederações ou centros da indústria, comércio ou agricultura. Também utilizado para benefícios tarifários consequentes de acordos comerciais internacionais. Certificado Fito e Zoosanitário Certificados necessários para exportações de origens vegetais e animais. Obtidos nos órgãos de anuência para exportação. Exportação Temporária Exportadores que necessitam efetuar o envio de mercadorias em caráter temporário, seja para reparos, feiras de exibição ou mesmo troca, devem seguir o processo administrativo específico de Exportação Temporária. O processo consiste na apresentação das instruções e razões de exportação para análise prévia da alfândega, pleiteando liberação e determinação de prazo (prorrogável) para o retorno das mercadorias. Após análise, conferência e deferimento do pedido de exportação temporária, as mercadorias passarão pelos trâmites normais de Registro de Exportação ou Declaração Simplificada de Exportação. O exportador terá o registro processual para posterior vinculação à Declaração de Importação de retorno dos materiais, evitando, desta forma, complicações alfandegárias e tributações indevidas.

15 Guia de introdução ao ComérCio exterior Solicitação de coleta da remessa Exportação com cobertura cambial / fins comerciais? Cliente opta pelo envio formal? (DSE/RE-DDE) Exportação Courier (plificada) Documentação encaminhada ao departamento de exportações formais TNT Documentos analisados apresentam pendências? Cliente contatado para resolução Documentos/ Informações recebidos de forma completa? fluxograma exportador Carga recebida pela Infraero Volumes armazenados e carga inserida nos sistemas Infraero Documentação encaminhada ao responsável na Infraero para confirmação da presença de carga via Siscomex Processos analisados pela Receita Federal com diferenciações entre DSE e RE/DDE Confirmação de presença de carga atualizada pela Infraero via Siscomex DSE RE/DDE De acordo com horário estipulado pela Receita Federal a remessa será parametrizada Remessa liberada para embarque A documentação dos processos deve ser encaminhada para o auditor fiscal para a recepção do processo via Siscomex Após a recepção, o processo será parametrizado automaticamente Remessa liberada para embarque Processo elaborado via Siscomex para análise da Receita Federal. Carga encaminhada fisicamente para o aeroporto de VCP/GRU Canais de Parametrização CANAL VERDE Remessa liberada Canais de Parametrização CANAL VERDE Remessa liberada CANAL VERMELHO Solicitada conferência física Auditor fiscal designado e conferência efetuada CANAL LARANJA Solicitada conferência documental Documentos apresentados à Receita Federal para conferência documental dos processos Auditor fiscal designado e conferência efetuada Documentos apresentados à Receita Federal para conferência física dos itens Documentos/ informações adicionais solicitados? CANAL VERMELHO Solicitada conferência física Documentos apresentados à Receita Federal para conferência física dos itens Documentos/ informações adicionais solicitados? Todas as solicitações foram atendidas pelo exportador? Exportador contatado para resolução Todas as solicitações foram atendidas pelo exportador? Exportador contatado para resolução

16 Sites Governamentais A TNT elaborou este manual para ajudar sua empresa a conhecer mais sobre os termos de comércio exterior e apoiar suas operações internacionais. Nossos profissionais também estão disponíveis para oferecer soluções flexíveis para que sua empresa obtenha os melhores resultados nas ações de importação e/ou exportação. Conte com a TNT para o sucesso de seus negócios internacionais e consulte nosso manual sempre que precisar. As instruções deste manual são baseadas na legislação vigente quando da elaboração de seu conteúdo. É necessário sempre pesquisar a vigência das legislações aqui citadas identificando possíveis complementos ou revogações. REFERÊNCIAS utilizadas na Internet para elaboração do projeto: Receita Federal Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Siscomex Brazil Trade Net Banco Central Exporta SP Instruções Normativas e Decretos de Lei Da Habilitação Siscomex (Radar) Instrução Normativa RFB n 650, de 12 de maio de Do Despacho de Exportação Instrução Normativa RFB nº 28, de 27 de abril de Do Despacho de Importação Instrução Normativa RFB nº 680, de 2 de outubro de Das Remessas Expressas Instrução Normativa RFB nº 1.073, de 01 de agosto de Da Declaração Simplificada Instrução Normativa RFB nº 611, de 18 de janeiro de Do Trânsito Aduaneiro Instrução Normativa RFB n 248, de 25 de novembro de Do Regulamento Aduaneiro Decreto n 6.759, de 5 de fevereiro de 2009

17 O nome TNT e seu logo são marcas registradas da TNT Holding B.V. 03/2011

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues

DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO (RECEITA FEDERAL DO BRASIL) Prof. Moacir Rodrigues DESPACHO ADUANEIRO Procedimento Fiscal por intermédio do qual o exportador desembaraça a mercadoria para o exterior (Faro, 2007). É

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo

IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo IMPORTAÇÕES Definição e Tratamento Administrativo CURSO: Administração DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas,

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas 22/08/2013 Conceitos e aplicações básicas Palestrantes: Álvaro Cerqueira dos Anjos - Diretor Técnico responsável por toda a área operacional e de treinamento da CUSTOM; José Izidro Riba - Despachante Aduaneiro

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS...

Índice. 2 HABILITAÇÃO SISCOMEX... 7 2.1 - Habilitação de Responsável Legal e Certificado Digital... 7 2.2 - HABILITAÇÃO NO SISTEMA COMEXLABS... Índice 1 - DEFINIÇÕES... 3 1.1 Documentação no Comércio Exterior... 3 1.1.1 Fatura Comercial (Commercial Invoice):... 3 1.1.2 Lista de Embalagens (Packing List):... 3 1.1.3 - Certificado de Origem (C.O.):...

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística

Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Daniel Canteras Pansarella Especialista em Importação e Logística Graduado em Administração de Empresas com habilitação em Comércio Exterior pela Universidade Paulista em 2000. Concluiu os cursos de pós-graduação

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Regime de Tributação Simplificada Importações por Remessas Postais RFB/SUARI/COANA/COFIA/DIDES Buenos Aires, 08 de novembro de 2011 Tópicos: 1. Panorama Atual do

Leia mais

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO 1 DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO Introdução D. Maria de Lourdes tem uma indústria de brindes que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente pela criatividade com que desenvolve seus produtos.

Leia mais

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário.

IMPORTAÇÃO 05/08/2015. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Despacho Aduaneiro Tratamento Tributário. Conceituação Formas de Importação Tratamento Administrativo (Siscomex) Tratamento Tributário Conceituação Comercial Recebimento da mercadoria pelo comprador ou seu representante, no exterior, de acordo

Leia mais

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

ADUANA FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ADUANA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL APRESENTAÇÃO: DANIEL BEZERRA DOS SANTOS AUDITOR FISCAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL FRAUDE EM IMPORTAÇÃO 1 OBJETIVO Abordar, de forma sucinta, as atividades

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Despacho Aduaneiro Desembaraço Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1 Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX - Módulo Importação) INTEGRAÇÃO DOS ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

O Processo de Importação e Suas Etapas

O Processo de Importação e Suas Etapas O Processo de Importação e Suas Etapas CURSO: Administração / DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004.

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

A tríade do Comércio Internacional. Macro Ambiente de Negócio Internacional. Distribution Chain. Supply Chain. Manufatura

A tríade do Comércio Internacional. Macro Ambiente de Negócio Internacional. Distribution Chain. Supply Chain. Manufatura A tríade do Comércio Internacional Macro Ambiente de Negócio Internacional Distribution Chain Exportação Supply Chain Importação Manufatura Materials Requirement Planning II Supply Chain Visão holística

Leia mais

Roteiro Básico para Importação com SISCOMEX

Roteiro Básico para Importação com SISCOMEX Roteiro Básico para Importação com SISCOMEX 1. ATIVIDADES NAS OPERAÇÕES DE IMPORTAÇÃO 2. REGISTRO DO IMPORTADOR 3. CONTATO COM O EXPORTADOR 4. LI LICENCIAMENTO DAS IMPORTAÇÕES 4. 1 Dispensa de Licenciamento

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas

Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa Secretaria da... e Respostas. O que é uma Remessa Expressa? Como ocorre a tributação nas Remessas 1 de 7 13/07/2015 12:00 Menu Dúvidas - Perguntas e Respostas - Remessa Expressa por Subsecretaria de Aduana e Relações Internacionais publicado 22/05/2015 16h36, última modificação 18/06/2015 15h00 Remessas

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

CHECK LIST DO IMPORTADOR. Passo a passo para começar do zero

CHECK LIST DO IMPORTADOR. Passo a passo para começar do zero CHECK LIST DO IMPORTADOR Passo a passo para começar do zero ÍNDICE 1) Preparando a empresa 2) Pesquisando fornecedores 3) Calculando os custos 4) Fazendo o pedido 5) Controlando a produção 6) Embarcando

Leia mais

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 I Ciclo de Debates da Administração da PROAD Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 (*) Administrador, Chefe da Divisão de Importação da UFABC, desde 2010. Graduado em Administração

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução na Importação A Declaração de Importação (D.I.) será instruída com os seguintes

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo III www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 EXECUÇÃO DO PROCESSO DE EXPORTAÇÃO... 04 1.1 Credenciamento Junto ao SISCOMEX... 04 1.1.1 Usuários do SISCOMEX...

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior.

DESPACHOS ADUANEIROS. Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. DESPACHOS ADUANEIROS Suprindo a necessidade cada vez mais exigente e dinâmica do Comercio Exterior. EMPRESA Nosso objetivo é personalizar o atendimento para cada empresa, dando-as exclusividade com células

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior.

Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE SÃO PAULO Despachante Aduaneiro - Seu parceiro nas atividades de Comércio Exterior. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE SÃO PAULO MISSÃO EMPRESARIAL DO PORTO

Leia mais

IMPORTAÇÃO SIMPLIFICADA. Passo a passo para começar

IMPORTAÇÃO SIMPLIFICADA. Passo a passo para começar IMPORTAÇÃO SIMPLIFICADA Passo a passo para começar ÍNDICE 1) Introdução 2) Produtos 3) Impostos 4) Transporte 5) Documentos 6) Câmbio 7) DSI 3 8 13 16 20 23 25 Introdução Produtos Impostos Transporte Documentos

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3.

1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3. 1.1. Como criar um Ato Concessório Suspensão Integrado...01 1.2. Como alterar um Ato Concessório já enviado para análise...10 1.3. Como excluir um Ato Concessório...12 1.4. Como prorrogar um Ato Concessório...14

Leia mais

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado Definição do Regime Regime Aduaneiro Especial de Entreposto t Industrial sob Controle Informatizado Esse regime permite à empresa importar com suspensão dos impostos federais e adquirir no mercado nacional,

Leia mais

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI

PROCESSO DE EXPORTAÇÃO DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA. Planejamento. Pesquisa de Mercado. Cadastramento REI PROCESSO DE FLUXOGRAMA DE Planejamento Pesquisa de Mercado Cadastramento REI 1 Cadastramento do REI O registro é feito automaticamente no sistema, quando da primeira importação e exportação (Portaria SECEX

Leia mais

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015

Carlos Biavaschi Degrazia. São Paulo, SP, 14 de julho de 2015 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. O

14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. O ÍNDICE 1. Como proceder para realizar uma importação? 2. Para importar um produto, sempre há necessidade de licenciamento? 3. Como verificar se determinada importação requer ou não licenciamento? 4. Existe

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

Guia de importação formal. Para clientes.

Guia de importação formal. Para clientes. Guia de importação formal. Para clientes. Um cliente nos EUA recebe um pedido de envio para o Brasil não A remessa deve ser enviada como courier? sim O remetente preenche o AWB e a fatura comercial O remetente

Leia mais

Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob

Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Quem Somos Somos uma empresa especializada em Linha Azul (Despacho Aduaneiro Expresso) Atuamos também no RECOF (Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado) A AIV Auditoria Aduaneira

Leia mais

Sistemática de Comércio Exterior

Sistemática de Comércio Exterior Sistemática de Comércio Exterior Comércio Exterior 6 ADN 1 Prof. Charles Chelala Informações Básicas Exportar: para quê? Amplia as chances de melhores resultados para a empresa Aumenta a produtividade

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO

Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO DRAWBACK INTEGRADO Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX DRAWBACK INTEGRADO Entendendo os procedimentos do Drawback, um estímulo a mais para exportar.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro.

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. 52 5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. Este Capítulo abordará a análise dos dados efetuados em 150 processos aduaneiros de importação

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS 1 LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB

SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB MÓDULO COMERCIAL 1 REGISTRO DE EXPORTAÇÃO 2 INCLUSÃO DE REGISTRO DE EXPORTAÇÃO Pressionando-se o botão de Operações, o sistema abrirá o menu de funcionalidades permitidas para o

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é Importação via Correio? PERGUNTAS E RESPOSTAS A importação via Correios é o serviço que lhe permite comprar/adquirir produtos de qualquer parte do mundo por meio da Internet, de catálogos ou

Leia mais

IMPORTAÇÃO: Regulamentação e casos especiais

IMPORTAÇÃO: Regulamentação e casos especiais IMPORTAÇÃO: Regulamentação e casos especiais Bruno Meurer de Souza Março de 2008 Conceito de importação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um produto ou serviço oriundo do

Leia mais