SEGURO CRÉDITO À EXPORTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO CRÉDITO À EXPORTAÇÃO"

Transcrição

1 SEGURO CRÉDITO À EXPORTAÇÃO VERSÃO 1.0 Condições Gerais CNPJ / Processo SUSEP nº / Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

2 Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

3 ÍNDICE ARTIGO PRELIMINAR...5 ARTIGO 1 DEFINIÇÕES...5 ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS...7 ARTIGO 3 RISCOS EXCLÚIDOS...8 ARTIGO 4 SUSPENSÃO DE COBERTURA POR LITÍGIO DO CRÉDITO SEGURADO...10 ARTIGO 5 VIGÊNCIA DO SEGURO ARTIGO 6 - ACEITAÇÃO DO SEGURO ARTIGO 7 ABRANGÊNCIA DA COBERTURA...12 ARTIGO 8 BASES DO SEGURO...12 ARTIGO 9 SOLICITAÇÃO DE COBERTURA E EMISSÃO DO ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO...13 ARTIGO 10 EFEITO E DURAÇÃO DO ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO...14 ARTIGO 11 MODIFICAÇÃO DO ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO...14 ARTIGO 12 REQUISITOS PARA A COBERTURA DO CRÉDITO...15 ARTIGO 13 GASTOS DE CLASSIFICAÇÃO E DE REVISÃO ANUAL DOS LIMITES DE CRÉDITO...15 ARTIGO 14 NOTIFICAÇÃO DE EXPORTAÇÕES...15 ARTIGO 15 ROTAÇÃO DO LIMITE DE CRÉDITO...16 ARTIGO 16 PRÊMIOS...16 ARTIGO 17 EFEITOS DO NÃO PAGAMENTO DO PRÊMIO...17 ARTIGO 18 AGRAVAMENTO DE RISCO...18 ARTIGO 19 PRORROGAÇÕES DE VENCIMENTO...18 ARTIGO 20 AVISO DE FALTA DE PAGAMENTO...19 ARTIGO 21 GESTÕES DE RECUPERAÇÃO DO CRÉDITO...20 ARTIGO 22 PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO...21 ARTIGO 23 PERDA INDENIZÁVEL EM CASO DE CANCELAMENTO DE CONTRATO POR COMPRADOR PÚBLICO...22 ARTIGO 24 COMPENSAÇÃO...23 Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

4 ARTIGO 25 LIMITE MÁXIMO DE INDENIZAÇÃO...23 ARTIGO 26 SUB-ROGAÇÃO E CESSÃO DO CRÉDITO...23 ARTIGO 27 DIREITOS DO BENEFICIÁRIO DO SEGURO...23 ARTIGO 28 CONFIDENCIALIDADE...24 ARTIGO 29 IMPOSTOS E GASTOS...24 ARTIGO 30 - ARBITRAGEM...24 ARTIGO 31 - CONCORRÊNCIA DE APÓLICE...24 ARTIGO 32 - OBRIGAÇÕES DO SEGURADO...24 ARTIGO 33 - PERDA DE DIREITO DO SEGURADO À INDENIZAÇÃO...25 ARTIGO 34 CLÁUSULA DE ESTIPULANTE...26 ARTIGO 35 RESCISÃO DO CONTRATO...28 ARTIGO 36 ÂMBITO GEOGRÁFICO DE COBERTURA...28 ARTIGO 37 PRESCRIÇÃO...28 ARTIGO 38 FORO...28 ARTIGO 39 - DISPOSIÇÕES GERAIS...28 SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃOCONDIÇÕES ESPECIAIS V APLICAÇÃO DE GARANTIAS COMPLEMENTARES...29 REAJUSTAMENTO DO PRÊMIO POR BÔNUS E MALUS...30 Regulamento do DEFENSOR DO SEGURADO...31 Artigo 1º Da Constituição...31 Artigo 2º Da Competência...31 Artigo 3º Das Alçadas...31 Artigo 4º Sobre o DEFENSOR DO SEGURADO MAPFRE SEGUROS...32 Artigo 5º Do Mandato...32 Artigo 6º Do Funcionamento...33 Artigo 7º Das Obrigações das Empresas...34 Artigo 8º Dos Recursos para o DEFENSOR DO SEGURADO MAPFRE SEGUROS...35 Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

5 SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS V 1.0 ARTIGO PRELIMINAR O presente seguro rege-se pela legislação aplicável aos contratos de seguro, pelas disposições legais específicas do seguro de crédito à exportação, pelas presentes Condições Gerais, Especiais, Particulares e eventuais Endossos. ARTIGO 1 DEFINIÇÕES Para efeitos desta Apólice, entende-se por: 1.1. ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO: Documento complementar à Apólice pelo qual a Seguradora fixa o limite de crédito aceito para cada devedor e estabelece as condições e as garantias de pagamento necessárias para a validade da cobertura do crédito APÓLICE: Documento através do qual se formaliza o contrato de seguro de crédito, que está integrado por estas Condições Gerais, Especiais e Particulares, pelas modificações e inclusões subscritas pelas partes durante sua vigência, assim como pelos Anexos de Classificação e demais documentos complementares que se emitam ao amparo do seguro AVISO DE FALTA DE PAGAMENTO: Comunicação a ser feita pelo Segurado à Seguradora sempre que o cliente não honrar a dívida em seu vencimento BENEFICIÁRIO: Pessoa física ou jurídica designada pelo Segurado para receber o pagamento das indenizações que tenham lugar em caso de possível sinistro COMPRADOR PÚBLICO ou ESTABELECIMENTO PÚBLICO: Comprador ou fiador solidário, respectivamente, que, gozando de uma ou outra forma de natureza pública, não podem ser declarados em falência, nem judicial, nem administrativamente; e Banco ou instituição financeira de caráter público que emita uma carta de crédito irrevogável ou que garanta as obrigações de pagamento provenientes do Contrato CONTRATO, OPERAÇÃO ou VENDA: Contrato mercantil de compra e venda por entrega definitiva de bens ou prestação de serviços, firmado entre o Segurado e o comprador que tem por objeto a exportação de bens ou serviços compreendidos na atividade segurada expressa nas Condições Particulares da Apólice e cujo pagamento é realizado a crédito CRÉDITO: Direito que assiste ao Segurado, coberto pela Apólice, de exigir e obter do devedor e/ou do fiador o pagamento do preço do fornecimento dos bens ou da prestação dos serviços objeto do contrato. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

6 1.8. CULPA GRAVE: Forma de culpa que mais se aproxima ao dolo, sendo que, apesar de a ação resultar em conseqüências sérias ou mesmo trágicas, não há intenção de prejudicar, embora o resultado tenha sido assumido DEVEDOR ou COMPRADOR: Pessoa física ou jurídica obrigada contratualmente ao pagamento do crédito DOLO: Espécie de artifício, engano ou manejo astucioso promovido por uma pessoa, com a intenção de induzir outrem à prática de um ato ilícito, em prejuízo deste e proveito próprio ou de outrem, ou seja, é um ato de má fé, fraudulento, visando prejuízo preconcebido, quer físico ou material EXPORTAÇÃO, EXPEDIÇÃO OU ENTREGA: A colocação à disposição do devedor, ou do importador, dos bens no momento e na posição acordada no contrato de compra e venda ou a apresentação das faturas, de acordo com o estabelecido no contrato de prestação de serviços, segundo os usos do comércio internacional FIADOR: Pessoa física ou jurídica que afiança ou garante o pagamento do crédito IMPORTADOR: Pessoa física ou jurídica, não residente no Brasil, a quem se dirijam ou destinam os bens ou os serviços objeto do contrato LIMITE DE CRÉDITO: Montante máximo garantido fixado pela Seguradora para cada devedor, mediante o correspondente Anexo de Classificação LIMITE MÁXIMO DE INDENIZAÇÃO: Valor máximo da indenização desta Apólice, expresso nas Condições Particulares MOEDA DA APÓLICE: Moeda a ser utilizada como referência para o crédito, recuperações, cálculo de indenizações, pagamento de prêmio, etc. Fica convencionado que a moeda da Apólice é o Dólar dos Estados Unidos, salvo disposição em contrário estabelecida nas Condições Particulares da Apólice PORCENTAGEM DE GARANTIA OU DE COBERTURA: Porcentagem fixada no Anexo de Classificação ou nas Condições Particulares para cada tipo de risco comercial e político pelo qual se distribui o risco coberto pela Apólice entre o Segurado e a Seguradora e que se aplica à perda final segurada no caso de sinistro para determinar o valor da indenização PRÊMIO: Preço do seguro, cujo montante e forma de pagamento são estabelecidos nas Condições Gerais e Particulares da Apólice, incluídos os tributos e encargos legalmente exigíveis do Segurado PROPOSTA DE SEGURO: Documento que deve ser firmado pelo segurado ou seu representante legal, que formaliza seu interesse em contratar a Apólice de seguro e que foi baseado no questionário detalhado sobre o risco a ser segurado. A Proposta e seus componentes fazem parte integrante do seguro. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

7 1.20. SEGURADO e/ou TOMADOR: Pessoa Física ou Jurídica, que contrata esta apólice com a Seguradora e a quem correspondem os direitos e o cumprimento das obrigações contratuais e legais que derivem da mesma SEGURADORA: Mapfre Seguradora de Crédito à Exportação S.A., entidade emissora desta Apólice que, mediante a cobrança de prêmio, assume a cobertura dos riscos objeto do contrato de seguros de acordo com as condições estabelecidas no mesmo SINISTRO: Acontecimento do evento ou risco cujas conseqüências econômicas prejudiciais ao Segurado sejam objeto de cobertura da Apólice. ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS A Seguradora garante ao Segurado o pagamento de uma indenização, nos termos, prazos e condições estabelecidas na Apólice, pelas perdas finais ocasionadas pela ocorrência de riscos comerciais ou políticos ou pelo desembolso de gastos. Para todos os efeitos, as coberturas poderão ser contratadas isoladamente. Abaixo discriminam-se as coberturas indenizáveis, quando contratadas: 1. RISCOS COMERCIAIS: a) Declaração do devedor, mediante sentença judicial transitada em julgado, em situação de falência, recuperação judicial ou extra-judicial, liquidação forçada ou qualquer outra situação semelhante conforme a legislação que lhe seja aplicável. b) A aprovação de um acordo judicial ou de uma transação extrajudicial autorizada por escrito pela Seguradora, que implique redução ou quitação do valor do crédito segurado. c) A impossibilidade de executar a sentença judicial transitada em julgado ou o laudo arbitral definitivo que reconheça o direito ao crédito do Segurado pela inexistência ou insuficiência de bens livres do devedor e, quando for o caso, do fiador, para quitar total ou parcialmente, o pagamento da dívida. d) O não pagamento total do crédito, transcorridos 6 (seis) meses a partir da data de recepção do Aviso de Falta de Pagamento e da documentação original comprobatória da dívida na Seguradora. e) A negativa arbitrária do devedor, ou quando for o caso, do importador a retirar a mercadoria sem causa que o justifique. f) O acordo entre o Segurado e a Seguradora pelo que consideram que o crédito é incobrável. 2. RISCOS POLÍTICOS: a) A impossibilidade de dar andamento à exportação ou à importação dos bens e/ou serviços objeto do contrato devido ao cancelamento ou a não renovação das licenças ou autorizações oficiais necessárias obtidas com antecedência Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

8 à exportação, por causas não atribuíveis ao Segurado, ou pela aplicação de disposições legais ditadas posteriormente à celebração do contrato, tanto no país do Segurado, do devedor ou, quando for o caso, do importador, como em terceiros países especificados nas Condições Particulares da Apólice. b) O cancelamento unilateral do contrato pelo comprador público sem causa legal nem contratual que o justifique. c) O transcurso de 6 (seis) meses desde que o Segurado notifique a Seguradora o cancelamento do contrato por não cumprimento das obrigações contraídas tanto pelo comprador público como pelo estabelecimento público fiador da operação, sempre que o não cumprimento impossibilite o andamento da exportação nos termos estabelecidos no contrato. d) O não pagamento total ou parcial do crédito pelo comprador público transcorridos 6 (seis) meses a partir da data de recepção do Aviso de Falta de Pagamento e da documentação original comprobatória da dívida na Seguradora. e) A impossibilidade de executar a sentença judicial transitada em julgado ou o laudo arbitral definitivo que reconheça o direito de crédito do Segurado frente ao comprador público. f) A omissão ou o atraso na transferência das somas devidas como conseqüência de medidas, expressas ou tácitas, adotadas pelas autoridades do país devedor, sempre que o devedor tenha depositado em uma entidade financeira ou em uma instituição autorizada a contrapartida em moeda local do valor do crédito e tenha ordenado irrevogavelmente sua transferência ao Segurado na moeda da apólice. g) A insolvência do devedor como conseqüência direta de uma crise econômica ou de balança de pagamentos de gravidade excepcional ou de desvalorização de excepcional quantia que originem uma situação generalizada de insolvência no país do devedor. Estarão garantidos ainda, de forma complementar às coberturas descritas nos itens 1 e 2 acima, os gastos incorridos pelo Segurado que sejam considerados necessários para reduzir ou evitar as perdas causadas ou que possam causar, pela ocorrência de qualquer um dos riscos comerciais ou políticos cobertos pela Apólice, sempre que tais gastos tenham sido aceitos por escrito pela Seguradora. ARTIGO 3 RISCOS EXCLÚIDOS Estão expressamente excluídos da cobertura desta Apólice: 1. Os riscos não contemplados expressamente no ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

9 2. Os créditos provenientes de operações com sucursais, agências ou filiais do Segurado, com seus sócios, acionistas ou participantes, com seus familiares até o segundo grau inclusive e com quaisquer outros devedores com os quais o Segurado tenha vínculo econômico ou jurídico de sociedade, direto ou indireto, que supere as abrangências das operações mercantis de compra e venda ou de prestação de serviços, salvo com aprovação por escrito da Seguradora, antecedida por proposta de cobertura enviada pelo Segurado, na qual indique de forma clara a vinculação existente. 3. Os créditos vencidos e não pagos que não sejam admitidos no passivo ou na massa falida do devedor, nos procedimentos de falência, suspensão de pagamentos, liquidação forçada ou outros semelhantes, conforme a legislação aplicável. 4. Os créditos cujo prazo de pagamento seja superior ao máximo estabelecido pela Seguradora no Anexo de Classificação ou, na ausência deste, nas Condições Particulares da Apólice. 5. Os juros, comissões, gastos de protestos, negociação ou devolução de bens, quebras bancárias, multas ou penalidades contratuais, execução de garantias ou fianças pelo devedor, gastos com cobrança judicial ou extrajudicial que não tenham sido aprovados prévia e expressamente pela Seguradora. 6. Os créditos provenientes de operações alheias à atividade segurada expressa nas Condições Particulares da Apólice. 7. Os créditos provenientes de operações de comércio ilícito e/ou de exportação e/ou importação proibida. 8. As perdas do Segurado com relação aos bens ou serviços objeto do contrato pelo acontecimento de riscos seguráveis por outra modalidade de seguro contra danos. 9. A falta de pagamento de créditos titulados em moeda estrangeira cuja conversão não estiver admitida pelo Banco Central do Brasil na data da exportação e expressamente autorizada pela Seguradora nas Condições Particulares da Apólice. 10. As perdas ocasionadas em conseqüência de ações ou omissões atribuíveis a transportadoras, corretores, representantes, subcontratistas, agências de vistoria e outras pessoas físicas ou jurídicas que interfiram no desenvolvimento ou na gestão do contrato por designação ou sob instruções do Segurado, sempre que tais perdas se traduzam na liberação legal ou contratual do devedor, total ou parcial, da obrigação de pagar do crédito. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

10 11. As perdas originadas por modificações, flutuações ou desvalorizações cambiais, salvo aquelas causadas por acontecimento de riscos políticos descritos na alínea g, parágrafo 2 do ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS. 12. O não pagamento do crédito como conseqüência direta de guerras, declaradas ou não, entre quaisquer dos seguintes países: China, França, Reino Unido, Rússia e Estados Unidos da América. 13. As perdas devidas, direta ou indiretamente, a: a) Radiações ionizantes ou a contaminação por radioatividade, provenientes de combustível nuclear ou qualquer tipo de resíduo nuclear. b) Propriedades radioativas, tóxicas, explosivas ou outras perigosas de qualquer montagem nuclear explosiva ou de qualquer um de seus componentes. 14. Os riscos de caráter catastrófico ou extraordinário. 15. Atos ilícitos dolosos ou por culpa grave equiparável ao dolo praticados pelo Segurado, pelos sócios controladores da empresa segurada, seus dirigentes e administradores legais, beneficiários e pelos representantes legais de cada uma destas partes. ARTIGO 4 SUSPENSÃO DE COBERTURA POR LITÍGIO DO CRÉDITO SEGURADO 1. A cobertura do seguro ficará suspensa em relação a um determinado crédito quando o devedor ou o fiador, discuta ou impugne a existência ou legitimidade total ou parcial do crédito, alegando descumprimento das obrigações legais ou contratuais do Segurado ou a ocorrência de alguma causa modificadora ou extintiva da obrigação de pagar, até que o Segurado apresente à Seguradora o reconhecimento ao seu direito sobre o crédito por sentença judicial transitada em julgado e a respectiva ação executiva. 2. O Segurado, no caso de discussão, impugnação do crédito ou qualquer outro tipo de controvérsia, obriga-se a iniciar de imediato ou a prosseguir as oportunas ações legais correspondentes contra o devedor ou contra o fiador, se for o caso, a fim de obter o reconhecimento judicial ou arbitral do seu direito ao crédito. As devidas ações legais deverão exercer-se, se ainda não tiverem iniciado, no prazo máximo de 90 (noventa) dias depois da Seguradora ter comunicado ao Segurado a suspensão da cobertura do crédito discutido, impugnado ou em controvérsia. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

11 3. A Seguradora, face às provas apresentadas, poderá aceitar o Aviso de Falta de Pagamento de acordo com a Apólice. Neste caso, qualquer indenização que venha eventualmente a ser paga, terá caráter provisório, enquanto não existir sentença judicial transitada em julgado e ação executiva ou decisão arbitral definitiva que reconheça o crédito total do Segurado. 4. O Segurado deverá constituir uma garantia, a ser definida de acordo com o crédito em litígio, a favor da Seguradora, para o caso de haver necessidade de restituir total ou parcialmente, segundo decisão, a referida indenização provisória. ARTIGO 5 VIGÊNCIA DO SEGURO 1. O seguro torna-se efetivo pelo consentimento manifestado pelo Segurado e pela Seguradora, mediante a subscrição da Apólice a partir das 24 horas do dia referido nas Condições Particulares e no frontispício da Apólice, como início e término de vigência, respectivamente. 2. O presente contrato de seguro terá uma duração de 1 (um) ano, a contar da data de início da vigência da Apólice estabelecida no frontispício e nas suas Condições Particulares. Nas apólices coletivas e nas averbações, o início da cobertura do risco dar-se-á dentro do prazo de vigência da respectiva apólice. 3. Não haverá renovação automática neste seguro. O Segurado deverá preencher nova Proposta de Seguro antes do final de vigência da Apólice. 4. As coberturas do seguro referem-se às exportações realizadas e notificadas à Seguradora durante o período de vigência da apólice e que se originem, para cada operação que cumpra com os requisitos estabelecidos nas Condições Gerais, Especiais, Particulares ou nos Anexos de Classificação correspondentes, a partir da data exportação. a. Neste seguro não existirá cobertura enquanto não tiver sido emitido o Anexo de Classificação correspondente a cada devedor. 5. Será considerado nulo este contrato se, no momento da contratação do seguro, já houver ocorrido o sinistro. 6. Neste seguro não haverá pagamento de prêmio antecipado, com isso, o início de vigência coincidirá com a data de aceitação da proposta ou com data distinta, desde que expressamente acordado entre as partes. ARTIGO 6 - ACEITAÇÃO DO SEGURO 1. A Seguradora disporá de 15 (quinze) dias, contados a partir da data do recebimento da Proposta de Seguro, para análise e aceitação do seguro, sejam seguros novos, alterações ou renovações. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

12 1.1. A Seguradora comunicará ao proponente, por escrito, a aceitação ou não da Proposta de Seguro, especificando o motivo da recusa, quando for o caso A ausência de manifestação, por escrito, da Seguradora, quanto à recusa da Proposta de Seguro no prazo previsto neste item, caracterizará a aceitação implícita do seguro. 2. Sendo aceita a Proposta de Seguro, a Seguradora emitirá a Apólice com base nas declarações do Segurado, seu representante legal ou de seu corretor de seguros, caracterizando a aceitação do risco pela Seguradora e determinando o prêmio correspondente. 3. Se os dados da Apólice estiverem diferentes dos informados na Proposta de Seguro, o Segurado deverá solicitar à Seguradora, por escrito, dentro do prazo de 30 (trinta) dias a contar da data de emissão da mesma, a correção da divergência existente. Decorrido esse prazo, considerar-se-á o disposto na Apólice. 4. A emissão da Apólice, do certificado ou do endosso será feita em até 15 (quinze) dias, a partir da data de aceitação da Proposta. 5. Qualquer alteração do contrato de seguro somente poderá ser feita mediante Proposta assinada pelo proponente, seu representante ou por corretor de seguros habilitado. A Seguradora fornecerá ao proponente, obrigatoriamente, o protocolo que identifica a Proposta por ela recepcionada, com indicação da data e hora de seu recebimento. A Proposta escrita deverá conter os elementos essenciais ao exame e aceitação do risco. ARTIGO 7 ABRANGÊNCIA DA COBERTURA 1. O limite máximo da indenização a ser paga pela Seguradora em caso de sinistro será calculado aplicando a porcentagem de cobertura definida no Anexo de Classificação ou nas Condições Particulares ao valor da perda final segurada pela Apólice. 2. A parte do crédito não coberta pelo seguro ficará integralmente a cargo do Segurado, não podendo ser garantida de nenhuma maneira, sob pena de perda de cobertura. ARTIGO 8 BASES DO SEGURO 1. A Apólice e, em particular, os Anexos de Classificação, são emitidos com base nas declarações formuladas previamente pelo Segurado na solicitação de seguro do crédito e nas solicitações de cobertura para seus devedores. Estas solicitações são determinantes para a aceitação do risco e para o cálculo do prêmio correspondente pela Seguradora. 2. O Segurado tem a obrigação de declarar na solicitação de seguro e nas solicitações de cobertura de cada um de seus devedores todas as Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

13 circunstâncias conhecidas por ele que possam influenciar no cálculo do risco. ARTIGO 9 SOLICITAÇÃO DE COBERTURA E EMISSÃO DO ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO 1. O Segurado deverá solicitar à Seguradora a cobertura ou a classificação creditícia de todos os clientes com os quais opere a crédito no momento da subscrição da Apólice, assim como a de novos clientes quando estabelecer relações comerciais com os mesmos. Fica isento desta obrigação quando se tratar de riscos excluídos da cobertura do seguro conforme o ARTIGO 3 RISCOS EXCLUÍDOS ou de acordo com o estabelecido nas Condições Particulares. 2. O Segurado tem a obrigação de informar à Seguradora, nas solicitações de cobertura e de modificação da classificação, todas as circunstâncias por ele conhecidas que possam influenciar na valoração do risco, e em especial, das circunstâncias descritas nos itens a), b) e c) do item 2.3 abaixo Se o Segurado incidir em reserva, reticência ou inexatidão nesta informação, a Seguradora poderá declarar excluída da cobertura do seguro as operações realizadas ao amparo do Anexo de Classificação emitido mediante referida reserva, reticência ou inexatidão Se o Segurado não cumprir seu dever de informação mediante dolo ou culpa grave e ocorrer um sinistro, a Seguradora ficará isenta de sua responsabilidade indenizatória. Em outro caso, o limite de crédito, cujo amparo a operação tiver sido realizada, será reduzido ao valor que a Seguradora teria outorgado se o Segurado à tivesse informado previamente da real situação do risco Para todos os efeitos entender-se-á que a Seguradora não teria concedido nenhum limite de crédito se o Segurado a houvesse informado corretamente, no momento da solicitação de cobertura, a existência de alguma das seguintes situações: a) Se no momento de solicitar a emissão da Apólice ou a classificação de um devedor, este já tivesse com o Segurado créditos vencidos, atrasados ou não pagos. b) Se nas relações entre o Segurado e seu devedor, anteriores à solicitação de cobertura, tivessem ocorrido situações de falta de pagamento, renegociações de dívidas ou de descumprimentos contratuais de forma que, se tais operações estivessem seguradas, teriam dado lugar ao pagamento de indenização pela Seguradora, nos termos da Apólice. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

14 c) Se ficar provado que o Segurado tinha empreendido ações judiciais contra o devedor ou que este se encontrava em situação de insolvência de direito, antes de solicitar sua classificação. 3. A Seguradora emitirá e enviará ao Segurado um Anexo de Classificação para cada devedor, no qual estabelecerá o limite de crédito aceito e as condições necessárias para a validade da cobertura do crédito. Como conseqüência não existirá cobertura enquanto o Anexo de Classificação não for emitido, no qual constarão, neste caso, os seguintes dados: Razão social, país e domicílio do devedor e, quando for o caso, do fiador; Duração máxima do crédito ou prazo e demais condições em que o pagamento deverá ser exigível; Garantias de pagamento; Limite de Crédito; Percentuais de cobertura para riscos comerciais e políticos; Data de entrada em vigor ou validade do Anexo de Classificação. ARTIGO 10 EFEITO E DURAÇÃO DO ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO 1. A classificação creditícia do devedor entrará em vigor no dia indicado no Anexo de Classificação e terá validade até a data de vencimento da Apólice em vigor ou, quando for o caso, de seu cancelamento ou resolução. 2. Se a Seguradora condicionar a aceitação do limite de crédito à obtenção de garantias de pagamento pelo Segurado, a cobertura do crédito não terá validade até que a condição tenha sido cumprida efetivamente, ficando sob responsabilidade do Segurado a validade e eficácia jurídica das garantias obtidas. 3. Os Anexos de Classificação em vigor e, particularmente, os limites de crédito aceitos pela Seguradora, serão considerados renovados implicitamente e nas mesmas condições caso a Apólice seja renovada sem interrupção de cobertura, com exceção dos limites de crédito que o Segurado deseje eliminar por ter deixado de operar a crédito com os respectivos devedores. 4. A duração do crédito começará a ser contada a partir da data da exportação. Em caso de pagamento parcelado do crédito, entender-se-á que a duração do crédito se estende até a data da última parcela. ARTIGO 11 MODIFICAÇÃO DO ANEXO DE CLASSIFICAÇÃO 1. A Seguradora poderá, a qualquer momento, reduzir ou anular um limite de crédito e modificar os percentuais de cobertura, prazo e condições de pagamento e garantias de pagamento estabelecidas em qualquer Anexo de Classificação. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

15 2. A decisão da Seguradora será formalizada através de emissão de um novo Anexo de Classificação, que terá validade a partir da data de sua comunicação ao Segurado. Todo Anexo de Classificação anula e substitui qualquer outro anterior em relação ao mesmo devedor. 3. Os créditos resultantes de exportações realizadas antes da data de comunicação da redução, anulação ou modificação ao Segurado, estarão cobertos de acordo com as condições estabelecidas no Anexo de Classificação até então em vigor. ARTIGO 12 REQUISITOS PARA A COBERTURA DO CRÉDITO 1. A cobertura de cada um dos créditos somente entrará em vigor ou terá validade se forem cumpridos os seguintes requisitos: a) Que o país do devedor seja aceito expressamente pela Seguradora nas Condições Particulares da Apólice em se tratando de cobertura de riscos políticos. b) Que a Seguradora tenha emitido Anexo de Classificação no qual se estabeleçam um limite de crédito para o devedor, as condições de pagamento e, quando for o caso, as garantias de pagamento necessárias para a cobertura do crédito. c) Que o Segurado tenha realizado a exportação durante o período de vigência da Apólice e tenha notificado a referida exportação à Seguradora de acordo com o disposto no ARTIGO 14 NOTIFICAÇÃO DE EXPORTAÇÕES. d) Que o Segurado ostente e comprove perante a Seguradora um título de crédito legítimo, válido e eficaz juridicamente contra o devedor e, quando for o caso, contra o fiador, de acordo com as condições de pagamento e com as garantias de pagamento exigidas pela Seguradora no Anexo de Classificação. ARTIGO 13 GASTOS DE CLASSIFICAÇÃO E DE REVISÃO ANUAL DOS LIMITES DE CRÉDITO O Segurado contribuirá com os gastos de estudo e de revisão anual da classificação de cada devedor, de acordo com o previsto nas Condições Particulares da Apólice. ARTIGO 14 NOTIFICAÇÃO DE EXPORTAÇÕES 1. O Segurado deverá notificar à Seguradora de forma nominativa, nos 15 (quinze) primeiros dias de cada mês, na moeda da Apólice, o valor faturado, a data da exportação e de vencimento de todas as exportações realizadas a crédito durante o mês anterior, salvo as que estejam excluídas do seguro de acordo com o estabelecido no ARTIGO 3 RISCOS EXCLUÍDOS. 2. A notificação de exportações constitui uma das condições essenciais para a validade da cobertura do crédito, por meio da qual a Seguradora ficará isenta de sua responsabilidade indenizatória sobre exportações Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

16 realizadas e não notificadas e as notificadas fora do prazo máximo estabelecido. ARTIGO 15 ROTAÇÃO DO LIMITE DE CRÉDITO 1. Enquanto o Anexo de Classificação estiver em vigor, as exportações realizadas pelo Segurado a cada devedor serão atribuídas ao seu limite de crédito em ordem cronológica, sempre que o Segurado tenha cumprido sua obrigação de notificar as exportações conforme o ARTIGO 14 NOTIFICAÇÃO DE EXPORTAÇÕES. 2. A rotação do limite de crédito significa que este pode ser novamente utilizado para a inclusão, na cobertura de novos créditos, à medida que o devedor vá cancelando os valores incluídos nesse limite. 3. Os valores correspondentes a novos créditos que no momento da sua concessão excedam o limite de crédito não estarão inicialmente cobertos, mas serão considerados para efeitos do cálculo do prêmio, para que os mesmos possam estar incluídos na cobertura por ordem cronológica e de acordo com a rotação estipulada neste artigo. 4. A rotação do limite do crédito de um determinado cliente estará suspensa a partir do momento em que o Segurado notifique a Seguradora do Aviso de Falta de Pagamento deste mesmo cliente. ARTIGO 16 PRÊMIOS 1. O Segurado deverá efetuar o pagamento do prêmio nos termos e prazos estabelecidos na Apólice. 2. A Seguradora calculará na data de início de vigência da Apólice e, quando for o caso, em suas prorrogações sucessivas, um prêmio mínimo anual em função das vendas previstas a realizar a crédito pelo Segurado durante cada anualidade do seguro. 3. O prêmio devido será calculado aplicando as taxas estabelecidas nas Condições Particulares sobre o valor total das vendas notificadas pelo Segurado à Seguradora, de acordo com o disposto no ARTIGO 14 NOTIFICAÇÃO DE EXPORTAÇÕES. A Seguradora cobrará o prêmio devido com a periodicidade estipulada nas Condições Particulares, de tal forma que: a) Se o prêmio devido durante o período da liquidação for inferior ao prêmio mínimo anual, a diferença será aplicada à liquidação seguinte. b) Se o prêmio devido for superior ao prêmio mínimo anual, a Seguradora emitirá uma fatura de cobrança da diferença, incorporando esta diferença ao valor do prêmio nos períodos posteriores. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

17 Na data de vencimento anual da Apólice, a Seguradora praticará uma liquidação complementar do prêmio devido por vendas do Segurado durante a anualidade do seguro que, neste caso, não tenham sido incluídas em liquidações anteriores. 4. O prêmio devido por todo risco iniciado é único e é devido integramente pelo Segurado à Seguradora, ainda que o risco termine antes do vencimento previsto. 5. O prêmio mínimo pago pelo Segurado ficará a favor da Seguradora mesmo se durante a vigência do seguro não tenha sido integralmente consumido. 6. O recebimento de prêmio sobre um risco excluído pela Apólice não poderá ser interpretado, em nenhum caso, como aceitação de sua cobertura. Se este fato ocorrer, o Segurado terá direito à devolução do prêmio pago indevidamente. 7. O prêmio, assim como as formas e condições de pagamento, serão estabelecidos nas Condições Particulares da Apólice. 8. A Seguradora encaminhará o documento de cobrança diretamente ao Segurado ou seu representante, ou, ainda, por expressa solicitação de qualquer um destes, ao corretor de seguros, observada a antecedência mínima de 5 (cinco) dias úteis, em relação à data do respectivo vencimento. 9. Quando a data-limite cair em dia em que não haja expediente bancário, o pagamento do prêmio poderá ser efetuado no primeiro dia útil posterior em que houver expediente bancário. 10. Se ocorrer um sinistro dentro do prazo de pagamento do prêmio à vista ou de qualquer de suas parcelas, sem que tenha sido efetuado, o direito à indenização não ficará prejudicado. 11. Nos contratos de seguros cujo prêmio tenha sido pago à vista mediante financiamento obtido junto a instituições financeiras, a Seguradora não poderá cancelar o seguro, nos casos em que o Segurado deixar de pagar o financiamento. ARTIGO 17 EFEITOS DO NÃO PAGAMENTO DO PRÊMIO 1. Se o prêmio mínimo, ou a primeira parcela do mesmo, correspondente a vigência não for pago por culpa do Segurado, a Seguradora poderá cancelar a Apólice ou exigir seu pagamento. Se o prêmio mínimo anual não for pago antes da ocorrência de um sinistro, a Seguradora ficará isenta de sua obrigação indenizatória. 2. No caso de falta de pagamento de uma das parcelas seguintes do prêmio, a cobertura ficará suspensa 30 (trinta) dias após o dia de seu vencimento. Após este prazo, a suspensão da cobertura afetará, a título de indenização, todas as exportações incluídas na liquidação do prêmio não pago, na mesma Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

18 proporção existente entre o prêmio não recebido e do prêmio devido total A cobertura voltará a ter validade a partir das 24 (vinte e quatro) horas do dia em que o Segurado efetue o pagamento do prêmio. Não obstante, ficarão excluídos da cobertura do seguro os créditos correspondentes a exportações realizadas durante o período de suspensão da cobertura e que tenham vencido antes do restabelecimento desta, ou que não tenham sido pagos por falência, suspensão de pagamentos ou situação equivalente do devedor declarada antes da data em que a cobertura volte a ter efeito. 3. Nos contratos de seguros cujo pagamento do prêmio seja realizado através de averbação, o não pagamento de uma averbação poderá acarretar a proibição de novas averbações, porém os prêmios já pagos continuam com a cobertura correspondente, até o fim da vigência prevista na Apólice. ARTIGO 18 AGRAVAMENTO DE RISCO 1. O Segurado deverá comunicar à Seguradora, assim que possível, todas as circunstâncias que tenham chegado ao seu conhecimento que suponham o agravamento dos riscos cobertos e adotará, de imediato, as medidas necessárias para evitar o sinistro ou amenizar suas conseqüências. O Segurado deverá, em particular: a) Suspender a realização de novas exportações para o devedor. b) Reter, se for possível, as exportações à caminho do devedor. c) Suspender a prestação dos serviços. d) Exercer, quando for o caso, seus direitos de reivindicação e recuperação dos bens objeto do contrato. 2. O Segurado não poderá realizar novas exportações transcorrido o prazo de 60 (sessenta) dias a partir da data de vencimento do crédito sem que este tenha sido pago, ou uma vez que tenham transcorrido 30 (trinta) dias a partir da chegada das mercadorias ao seu lugar de destino sem que tenham sido retiradas A Seguradora ficará isenta de qualquer obrigação indenizatória se o Segurado continuar efetuando exportações depois dos referidos prazos e após conhecer quaisquer outras circunstâncias agravantes do risco. ARTIGO 19 PRORROGAÇÕES DE VENCIMENTO 1. Considera-se como prorrogação o diferimento do prazo concedido pelo Segurado ao seu cliente para pagamento de um crédito, desde que tenha ocorrido antes do seu vencimento original ou, no máximo, dentro dos 30 (trinta) dias seguintes. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

19 2. O Segurado tem a faculdade de prorrogar total ou parcialmente o vencimento de um crédito, sem encargos, por uma única vez e por um período de tempo não superior ao previsto inicialmente para o pagamento do mesmo, com um limite máximo de 90 (noventa) dias a contar da data em que foi concedida a prorrogação. 3. Qualquer prorrogação relativa a um crédito já antes prorrogado ou por período superior ao referido no item 2 deste artigo, assim como as prorrogações de créditos segurados dos clientes que tenham sido excluídos pela Seguradora da cobertura do seguro ou as que o Segurado pretenda formalizar após o vencimento da apólice, devem ser prévia e expressamente autorizadas pela Seguradora, por escrito. 4. Em nenhum caso o Segurado poderá conceder prorrogações de vencimento que suponham um prejuízo ou uma redução nas condições de pagamento do crédito prorrogado, nem das garantias adicionais existentes, tais como as que provenham de cheques, letras ou outros documentos emitidos para caucionar ou facilitar o pagamento do crédito. 5. O Segurado obriga-se a comunicar à Seguradora, junto com as notificações de exportações, todas as prorrogações de qualquer tipo concedidas durante o mês anterior com indicação nominativa dos devedores, vencimento inicial, novo vencimento e valor prorrogado, sempre que este seja maior que o valor fixado nas Condições Particulares. 6. O Segurado pagará à Seguradora um prêmio adicional por cada nova prorrogação concedida conforme indicado no item 3 deste artigo, de acordo com a taxa estabelecida nas Condições Particulares e que será aplicada sobre o total do crédito prorrogado. ARTIGO 20 AVISO DE FALTA DE PAGAMENTO 1. O Segurado deverá notificar à Seguradora sobre o não pagamento do crédito no prazo máximo de 60 (sessenta) dias seguintes à data do vencimento da obrigação de pagamento. 2. No caso de recusa ou não retirada dos bens objeto do contrato, pelo devedor ou pelo importador, a notificação à Seguradora deverá ser efetuada dentro dos 30 (trinta) dias seguintes à data de chegada dos bens ao lugar de destino. 3. O Segurado deverá remeter à Seguradora, em quaisquer dos casos anteriores, o formulário de Aviso de Falta de Pagamento juntamente com a documentação original comprobatória do crédito em dívida e o extrato da conta com o devedor, o qual deverá incluir os créditos vencidos e não pagos e os créditos cujos vencimentos se encontrem pendentes. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

20 3.1. A documentação comprobatória de que trata o item 3 acima conterá, obrigatoriamente: cópia da Fatura Comercial; cópia do Conhecimento de Transporte e cópia do Registro de Operações de Exportação (RE Averbado, contendo dos campos 1 ao 30) Caso existam, o Segurado deverá ainda encaminhar à Seguradora: cópia da Fatura Comercial Proforma vistada pelo importador ou do pedido de compra emitido pelo importador, cópia dos títulos de crédito, certificados (sanitários, de qualidade etc) e cópia das correspondências trocadas Em caso de caracterização do sinistro ou a qualquer momento, a pedido da Seguradora, o Segurado deverá encaminhar: via original da Fatura Comercial; via original da cópia não negociável do conhecimento de transporte e declaração atualizada do valor em aberto junto ao importador, firmada pelo representante legal do Segurado A Seguradora terá acesso a qualquer documentação original e informação relativa ao crédito e poderá exigir tradução pública feita por tradutor juramentado, dos documentos redigidos em língua estrangeira Eventuais encargos de tradução referentes ao reembolso de despesas efetuadas no exterior serão de responsabilidade da Seguradora. 4. Desde a data de vencimento do crédito até a entrega do Aviso de Falta de Pagamento, acompanhado de toda a documentação comprobatória do crédito em dívida e do extrato da conta com o devedor, o Segurado deverá realizar as gestões necessárias para a defesa do seu crédito e cuidará especialmente de atuar de forma diligente para que o crédito ou as ações de recuperação futuras não sejam prejudicadas, sob pena de incorrer em alguma das infrações previstas Código Civil Brasileiro, perdendo o direito à cobertura prevista na presente Apólice sobre todos os créditos, avisados ou por avisar, ficando a Seguradora isenta do pagamento de qualquer indenização. 5. Não é preciso que o Segurado esgote os prazos máximos indicados, podendo enviar com antecedência o Aviso de Falta de Pagamento se considerar inúteis novas gestões de cobrança ante o devedor. 6. Verificado qualquer dos fatos que motivem o Aviso de Falta de Pagamento, o devedor ficará a partir desse momento excluído do seguro para futuras operações, ainda que, posteriormente, o crédito não pago seja regularizado pelo mesmo. ARTIGO 21 GESTÕES DE RECUPERAÇÃO DO CRÉDITO 1. Uma vez produzido o Aviso de Falta de Pagamento, cabe à Seguradora a condução das gestões de cobrança do total do crédito ostentado Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

21 pelo Segurado, inclusive as judiciais, devendo o Segurado prestar a colaboração necessária, entregar todos os documentos básicos previstos, conforme disposto no ARTIGO 20 AVISO DE FALTA DE PAGAMENTO, que instrumentem seu direito à cobrança, outorgando poderes suficientes a favor da Seguradora ou das pessoas que ela designe. 2. O Segurado não poderá, sem autorização prévia e expressa da Seguradora, estabelecer acordos de pagamento com seus devedores, nem com os fiadores destes, sejam de caráter geral ou particular, judicial ou privado. 3. As recuperações que se obtenham de qualquer procedência ou classe, sejam através da Seguradora ou diretamente pelo Segurado, serão incluídas nas liquidações praticadas, assim como os gastos efetuados, que aumentarão a perda garantida e serão antecipados pela Seguradora ou autorizados prévia e expressamente por ela. 4. As recuperações serão valoradas na moeda da Apólice e serão atribuídas a título de seguro, seguindo a ordem cronológica dos vencimentos. Em primeiro lugar o principal, e uma vez coberto o principal, os juros de cada vencimento. 5. Se o crédito total não pago for superior ao garantido pela Apólice, as cobranças de qualquer natureza e por qualquer conceito, bem como os gastos que se originem, serão distribuídos entre o Segurado e a Seguradora, na mesma proporção existente entre a parte do crédito coberta e a não coberta pelo seguro. Todas as cobranças obtidas tanto pelo Segurado como pela Seguradora serão atribuídas a título de seguro ao pagamento do principal do crédito em primeiro lugar, e uma vez feito, se houver excesso, ao pagamento dos juros. 6. Os valores cobrados pelo Segurado ou pela Seguradora, após o pagamento de uma indenização, darão lugar, uma vez deduzidas as despesas efetuadas, ao reajustamento da mesma, aplicando a proporção correspondente à parte coberta e não coberta da apólice. ARTIGO 22 PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO 1. Uma vez verificada a insolvência do devedor de acordo com o disposto no ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS destas Condições Gerais, cumpridas todas as condições que a mesma estabelece, determinada a perda final experimentada pelo Segurado e entregue toda documentação exigida no ARTIGO 20 AVISO DE FALTA DE PAGAMENTO, a Seguradora praticará a liquidação definitiva do sinistro e providenciará o pagamento da indenização correspondente ao Segurado no prazo máximo de 30 (trinta) dias. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

22 1.1. Para todos os efeitos, em caso de dúvida fundada e justificável por parte da Seguradora, documentação complementar poderá ser solicitada, sendo, com isso, suspensa a contagem do prazo de que trata o item anterior, a partir do momento em que for solicitada, sendo reiniciada a contagem do prazo remanescente a partir do dia útil posterior àquele em que forem entregues os respectivos documentos. 2. Se transcorridos 6 (seis) meses a partir da recepção, na Seguradora, do Aviso de Falta de Pagamento e da documentação básica prevista, conforme disposto no ARTIGO 20 AVISO DE FALTA DE PAGAMENTO, e não puder ser determinada a quantia da perda final, a Seguradora antecipará ao Segurado 100% (cem por cento) de sua responsabilidade máxima indenizatória nesse momento, a título de indenização provisória, por conta da indenização definitiva que proceda. 3. A indenização dos gastos indicados no parágrafo 3 do ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS, será praticada aplicando o mesmo porcentual de garantia aplicável para a indenização dos sinistros causados pelo tipo de risco que originou o gasto. 4. As indenizações praticadas pela Seguradora incluirão todas as cobranças obtidas pela Seguradora e/ou pelo Segurado sobre o crédito não pago, qualquer que seja sua procedência, natureza ou classe, bem como os gastos de recuperação necessários ou autorizados pela Seguradora que se encontrem devidamente justificados. 5. Se após o pagamento de qualquer indenização, provisória ou definitiva, o direito de crédito do Segurado não for reconhecido ou somente o for parcialmente por resolução judicial ou arbitral que se determine, o Segurado se obriga a restituir à Seguradora o valor total ou parcial, segundo proceda, da indenização paga indevidamente, acrescidos dos juros legais correspondentes. ARTIGO 23 PERDA INDENIZÁVEL EM CASO DE CANCELAMENTO DE CONTRATO POR COMPRADOR PÚBLICO 1. No caso de cancelamento unilateral de contrato por comprador público (alínea b parágrafo 2 do ARTIGO 2 RISCOS COBERTOS), a perda indenizável será calculada deduzindo do valor do crédito não pago ou do valor a preço de custo incorrido durante o período de fabricação prévio à entrega, segundo proceda, as quantidades recuperadas de qualquer procedência ou classe, seja através da Seguradora ou diretamente pelo Segurado, bem como o valor dos materiais não incorporados ao processo de fabricação, dos que se encontrem em fase de elaboração e dos que sejam recuperados do devedor, obrigando-se o Segurado, a encarregar-se destes últimos, quando sejam postos à disposição. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

23 2. Para todos os efeitos, o preço de custo dos bens ou serviços objeto do contrato até o momento da entrega resultará da soma dos seguintes valores: a) Engenharia; b) Materiais; c) Mão-de-obra direta; d) Mão-de-obra indireta; e) Custos diretos, e f) Custos indiretos atribuídos, limitados a 15% (quinze por cento) do custo total. 3. O valor resultante, depois das deduções indicadas, será adicionado aos dos gastos originados pelas gestões de recuperação que tenham sido autorizados previamente pela Seguradora. ARTIGO 24 COMPENSAÇÃO A Seguradora poderá deduzir das indenizações a pagar, qualquer montante que lhe deva o Segurado, por qualquer motivo. ARTIGO 25 LIMITE MÁXIMO DE INDENIZAÇÃO O Limite Máximo de Indenização, a satisfazer pela Seguradora, correspondente aos riscos cobertos em cada vigência do seguro, fica limitado ao valor que resultar da multiplicação dos prêmios devidos e pagos na mesma vigência pelo número de vezes que figura nas Condições Particulares. ARTIGO 26 SUB-ROGAÇÃO E CESSÃO DO CRÉDITO 1. Com o pagamento da indenização a Seguradora fica sub-rogada nos direitos do Segurado até o limite do montante da indenização. 2. Sem prejuízo do parágrafo anterior, uma vez efetuado o pagamento da indenização, seja esta provisória ou definitiva, o Segurado obriga-se a ceder à Seguradora o crédito contra o importador ou devedor até o limite do valor indenizado, comprometendo-se a disponibilizar e subscrever à Seguradora todos os documentos necessários para a efetiva cessão de direitos. 3. A Seguradora terá direito a exigir o endosso de qualquer letra, documento ou qualquer título relacionado com o crédito indenizado. 4. A sub-rogação não desonerará o Segurado de suas obrigações de tomar medidas ao seu alcance para a recuperação dos créditos. ARTIGO 27 DIREITOS DO BENEFICIÁRIO DO SEGURO 1. O beneficiário do seguro não poderá fazer valer a seu favor mais direitos do que os que correspondam ao próprio Segurado. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

24 2. O beneficiário do seguro poderá cumprir com as obrigações a cargo do Segurado de acordo com a presente Apólice, com os mesmos efeitos perante a Seguradora. ARTIGO 28 CONFIDENCIALIDADE O Segurado não revelará a terceiros o conteúdo desta Apólice, nem a documentação ou correspondência relativa à mesma, em nenhum momento, nem durante a vigência, nem após o seu cancelamento ou vencimento, sem a prévia e expressa concordância da Seguradora, com exceção dos seus próprios empregados, assessores profissionais, financeiros ou jurídicos. ARTIGO 29 IMPOSTOS E GASTOS O Segurado e/ou beneficiário ficarão responsáveis por todos os gastos, encargos, impostos e tributos estabelecidos ou que se estabeleçam no futuro, que derive direta ou indiretamente desta apólice, bem como dos gastos e custas judiciais ou extrajudiciais que a Seguradora tenha que desembolsar para exigir o cumprimento do acordado na Apólice, incluso os honorários advocatícios e de procuração, ainda que sua intervenção não seja determinada. ARTIGO 30 - ARBITRAGEM Só com expressa concordância das partes, as divergências resultantes da interpretação e cumprimento deste contrato poderão submeter-se ao juízo de árbitros, de acordo com a legislação vigente, notadamente com a Lei n de 23 de setembro de Ao concordar com a aplicação da arbitragem, as partes se comprometem a resolver todos os seus litígios por meio do Juízo Arbitral, cujas sentenças tem o mesmo efeito que as sentenças proferidas pelo Poder Judiciário. ARTIGO 31 - CONCORRÊNCIA DE APÓLICE A Seguradora não terá qualquer obrigação de indenização caso o Segurado, na vigência da Apólice, obtenha novo seguro sobre os mesmos bens e contra os mesmos riscos. ARTIGO 32 - OBRIGAÇÕES DO SEGURADO 1. Além do descrito nestas Condições Gerais, Especiais e Particulares, o Segurado fica obrigado a: Tomar, imediatamente, todas as providências ao seu alcance, para evitar a agravação do risco. O não cumprimento desta obrigação dará direito à Seguradora de reduzir sua responsabilidade na mesma proporção. Se o Segurado agir com intenção de prejudicar ou enganar a Seguradora, esta estará liberada de qualquer responsabilidade derivada do Sinistro. Condições Gerais Seguro Crédito à Exportação V1.0 / Processo SUSEP N.º /

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS SEGURO-GARANTIA CONDIÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES... 2 2. APRESENTAÇÃO... 2 3. ESTRUTURA DO CONTRATO DE SEGURO... 2 4. OBJETIVO DO SEGURO... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. FORMA DE CONTRATAÇÃO... 4

Leia mais

BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Gerais. Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74. Apólice nº 13.606

BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Gerais. Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74. Apólice nº 13.606 BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO Condições Gerais Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74 Apólice nº 13.606 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL CNPJ: 28.196.889/0001-43 ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS 1 ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Conteúdo 1. Objetivo do seguro 2. Definições 3. Estipulante 4. Coberturas do seguro 5. Riscos excluídos 6. Âmbito geográfico de cobertura

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA SEGURADO SETOR PÚBLICO

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA SEGURADO SETOR PÚBLICO CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS 1. OBJETO 1.1 Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice e até o valor

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 030, de 04 de junho de 1976

CIRCULAR SUSEP Nº 030, de 04 de junho de 1976 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP Nº 030, de 04 de junho de 1976 Aprova Condições Especiais do Seguro de Garantia para Cobertura das Operações de Empréstimos Hipotecários. O SUPERINTENDENTE

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS

INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS PARA PARTICULARES RENTING GO EXPRESS Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 4ª Valor da retribuição a pagar pelo Cliente 1. Os serviços prestados pela LeasePlan em conformidade

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS

REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. A Bradesco Vida e Previdência S.A., doravante denominada EAPC, institui o Plano de Pecúlio por Morte, estruturado no Regime

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO 03RS

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO 03RS REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO 03RS DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º- O Plano de Pecúlio, instituído pelo presente regulamento, será regido pelas normas aqui estabelecidas, especialmente no que se refere à

Leia mais

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12

VIPMAIS. CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente VIP Mais Versão Out./12 VIPMAIS 2 VIP MAIS MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A que protege a sua família, caso algum

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE AÇÕES. (aprovado na Assembléia Geral Extraordinária da SER EDUCACIONAL S.A. realizada em 12 de agosto de 2013)

PLANO DE OPÇÃO DE AÇÕES. (aprovado na Assembléia Geral Extraordinária da SER EDUCACIONAL S.A. realizada em 12 de agosto de 2013) PLANO DE OPÇÃO DE AÇÕES (aprovado na Assembléia Geral Extraordinária da SER EDUCACIONAL S.A. realizada em 12 de agosto de 2013) 1. OBJETIVOS DO PLANO O Plano de Opção de Ações ( Plano ) tem por objeto

Leia mais

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A.

PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. PLANO DE OPÇÕES DE COMPRA DE AÇÕES DA WEG S.A. 1. OBJETIVO DO PLANO O Plano de Opções de Compra de Ações ( Plano ) tem por objetivo a outorga de Opções de compra de ações de emissão da WEG S.A. ( Companhia

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE PLANO PM 60/60

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE LICENÇA ONEROSA DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Martiniano de Carvalho, n.º

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA PLANO PM 30/30 - MODALIDADE:

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

Liberty Marine. Apólice

Liberty Marine. Apólice N Endosso N Contrato N Vigência do Seguro CONDIÇÕES PARTICULARES DADOS DO(A) SEGURADO(A) Nome do(a) Segurado(a) CNPJ/CPF TEMPO TRANSPORTES SERV COS E LOG ST CA LTDA M 002.715.637/0001-90 Endereço AVENIDA

Leia mais

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. OBJETIVOS DO PLANO BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1.1. Os objetivos do Plano de Opção de Compra de Ações da BR Malls Participações S.A. ( Companhia

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA Os Termos e Condições Gerais de Venda definidos abaixo e a Confirmação de Pedido enviada por SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA., sociedade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA PREÂMBULO 1 Nossos termos e condições de venda são aplicáveis de forma exclusiva; nós não admitimos termos e condições de clientes que sejam conflitantes nem termos e condições

Leia mais

DOTEC C002.12 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DEPÓSITO, TRANSPORTE E CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTRATANTE PARA PESSOA FÍSICA

DOTEC C002.12 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DEPÓSITO, TRANSPORTE E CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTRATANTE PARA PESSOA FÍSICA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DEPÓSITO, TRANSPORTE E CONTROLE DE DOCUMENTOS Este Contrato de Prestação de Serviços disciplina os termos e condições mediante as quais a DOTEC Logística de Guarda

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

Apolice 4251.2010.105.82.285217.38.3.000-0 Folha: 1 Continua na Folha: 2

Apolice 4251.2010.105.82.285217.38.3.000-0 Folha: 1 Continua na Folha: 2 1. Dados do Seguro Seguro: Acidentes Pessoais Coletivo Ramo: 82 Proposta: 32-000031781 Apólice Número: 4251.2010.105.82.285217.38.3.000-0 Data Registro: 30/08/2013 2. Dados do Estipulante Razão Social:

Leia mais

REGULAMENTO. (PROC. SUSEP Nº 10.004291/00-04) da APLUB.

REGULAMENTO. (PROC. SUSEP Nº 10.004291/00-04) da APLUB. REGULAMENTO BENEFÍCIO POR MORTE - PECÚLIO - PP 527 (PROC. SUSEP Nº 10.004291/00-04) da APLUB. DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º - A Associação dos Profissionais Liberais Universitários do Brasil (APLUB), doravante

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO

TERMO DE COMPROMISSO TERMO DE COMPROMISSO Pelo presente instrumento, de um lado Nicolai Coelho Consultoria em Comunicação LTDA, com sede na Rua Texas, 635, Brooklin, São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 10.825.469/0001-13,

Leia mais

CIRCULAR Nº 256, DE 16 DE JUNHO DE 2004

CIRCULAR Nº 256, DE 16 DE JUNHO DE 2004 SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR Nº 256, DE 16 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos de Seguros de Danos

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFRA ESTRUTRA E DE TELEFONIA.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFRA ESTRUTRA E DE TELEFONIA. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFRA ESTRUTRA E DE TELEFONIA. Pelo presente instrumento particular de Contrato de Prestação de Serviços de Telefonia (doravante designado simplesmente Contrato ) o

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco. Registro do Produto na SUSEP: 15414.002914/2006-14 AUXÍLIO FUNERAL CAPÍTULO I RISCO COBERTO

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco. Registro do Produto na SUSEP: 15414.002914/2006-14 AUXÍLIO FUNERAL CAPÍTULO I RISCO COBERTO Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002914/2006-14 AUXÍLIO FUNERAL CAPÍTULO I RISCO COBERTO Cláusula 1ª. A Cobertura de Auxílio Funeral tem por objetivo garantir ao

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A.

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A. Este Plano de Opção de Compra Ações da LINX S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembleia Geral Extraordinária da Companhia realizada em 27 de abril de 2016

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 CLÁUSULA 1. OBJETIVO DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 O objetivo do Plano de Opção

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ESCRITURA DA QUARTA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE SUBORDINADA, DA AUTOPISTA

INSTRUMENTO PARTICULAR DE ESCRITURA DA QUARTA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE SUBORDINADA, DA AUTOPISTA INSTRUMENTO PARTICULAR DE ESCRITURA DA QUARTA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE SUBORDINADA, DA AUTOPISTA FLUMINENSE S.A. 19 de outubro de 2015 INSTRUMENTO PARTICULAR

Leia mais

ANEXO IX MANUAL DE INSTRUÇÕES SOBRE APRESENTAÇÃO DE GARANTIAS DE MANUTENÇÃO DA(S) PROPOSTA(S) DE PREÇO E DE EXECUÇÃO DOS COMPROMISSOS

ANEXO IX MANUAL DE INSTRUÇÕES SOBRE APRESENTAÇÃO DE GARANTIAS DE MANUTENÇÃO DA(S) PROPOSTA(S) DE PREÇO E DE EXECUÇÃO DOS COMPROMISSOS ANEXO IX MANUAL DE INSTRUÇÕES SOBRE APRESENTAÇÃO DE GARANTIAS DE MANUTENÇÃO DA(S) PROPOSTA(S) DE PREÇO E DE EXECUÇÃO DOS COMPROMISSOS 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Prevalência do Edital... 2 1.2. Principais

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DE CARTÃO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DE CARTÃO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DE CARTÃO DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A aceitação de seguro estará sujeita à analise do risco. O registro deste plano na SUSEP não implica, por parte da

Leia mais

Contrato para prestação de serviços de arrecadação

Contrato para prestação de serviços de arrecadação CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARRECADAÇÃO BANCO: CNPJ: ENDEREÇO: ENTIDADE CONTRATANTE: CNPJ: ENDEREÇO: OBJETO DO CONTRATO: Recebimento de: ÁREA DE ABRANGÊNCIA: Entre as partes acima qualificadas,

Leia mais

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde A celebração dos contratos entre as operadoras e os prestadores de serviço, regulada pelas Resoluções Normativas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE BENS MÓVEIS, IMÓVEIS E DE SERVIÇOS

REGULAMENTO GERAL DE BENS MÓVEIS, IMÓVEIS E DE SERVIÇOS REGULAMENTO GERAL DE BENS MÓVEIS, IMÓVEIS E DE SERVIÇOS Registrado no 4º Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica de São Paulo SP, sob nº 5132069, em 10 de janeiro de 2011.

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES 1. DEFINIÇÕES

TERMOS E CONDIÇÕES 1. DEFINIÇÕES TERMOS E CONDIÇÕES A prestação de serviços de Promoção de Negócios Customizada submete-se às disposições da Proposta e a estes Termos e Condições, os quais estabelecem juntos, para todos os fins legais,

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES E CUSTÓDIA EM MERCADOS ADMINISTRADOS E OUTRAS AVENÇAS

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES E CUSTÓDIA EM MERCADOS ADMINISTRADOS E OUTRAS AVENÇAS CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES E CUSTÓDIA EM MERCADOS ADMINISTRADOS E OUTRAS AVENÇAS Nome (Cliente): RG: CPF/ CNPJ: Endereço: Cidade: UF: CEP: Profissão: Estado Civil: Nacionalidade: Classificação

Leia mais

CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS.

CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS. CONTRATO QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DE GRUPOS DE CONSÓRCIO REFERENCIADOS EM BENS IMÓVEIS. Cláusula 1ª - A Proposta de Adesão é o instrumento pelo qual o proponente, doravante denominado

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Pres. Juscelino Kubitschek,

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA.

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETO 3 2 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 3 3 PEDIDO DE COMPRA E AUTORIZAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ

MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ MUNICÍPIO DE REGUENGOS DE MONSARAZ AJUSTE DIRETO AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS DE CONTRATAÇÃO DE ARTISTAS PARA OS EVENTOS A REALIZAR NO ÂMBITO DA CIDADE EUROPEIA DO VINHO CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE DISPOSIÇÕES

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) 21102015 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR

Leia mais

Apresentamos as cláusulas contratuais que regem a APÓLICE DE SEGURO COMPREENSIVO HABITACIONAL, e estabelecem as suas normas de funcionamento.

Apresentamos as cláusulas contratuais que regem a APÓLICE DE SEGURO COMPREENSIVO HABITACIONAL, e estabelecem as suas normas de funcionamento. Cláusulas Contratuais Apresentamos as cláusulas contratuais que regem a APÓLICE DE SEGURO COMPREENSIVO HABITACIONAL, e estabelecem as suas normas de funcionamento. Para fins de garantia, serão consideradas

Leia mais

No Exterior: (55 11) 4689 5519 (Ligação a cobrar via telefonista local)

No Exterior: (55 11) 4689 5519 (Ligação a cobrar via telefonista local) Manual do Segurado A partir de agora, você contará com as coberturas do Seguro Decessos da MAPFRE Seguros. Aproveitamos a oportunidade para encaminhar-lhe o Cartão de Assistência 24 Horas. Com ele os

Leia mais

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES REGULAMENTO DO FUNDO O BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, regido pelas disposições do presente Regulamento, e regulado pelas Instruções CVM nº 302

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTRUÇÃO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTRUÇÃO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTRUÇÃO DE SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO Pelo presente instrumento particular de constituição de sociedade se constitui a "SOCIEDADE EM CONTA DE PARTICIPAÇÃO", formada

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO)

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GAR ANTIA DE ENTREGA DE OBRA CBIC (IMOBILIARIO) ESSOR Seguros S.A CNPJ 14.5 25.684/0001-50 Process o SUSEP Nº 1 54 14.002 72 3/2 01 2-09 O registro deste plano na SUSEP não im plica,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E PROMITENTES COMPRADORES DO EDIFÍCIO AMERICA OFFICE TOWER EDITAL Nº 001/2008

ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E PROMITENTES COMPRADORES DO EDIFÍCIO AMERICA OFFICE TOWER EDITAL Nº 001/2008 ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E PROMITENTES COMPRADORES DO EDIFÍCIO AMERICA OFFICE TOWER EDITAL Nº 001/2008 A ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E PROMITENTES COMPRADORES DO EDIFÍCIO AMERICA OFFICE TOWER, torna

Leia mais

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III

Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Norma do Empréstimo Pré-fixado Plano Prece III Sumário - Objetivo -1/6 - Conceitos Básicos -1/6 - Competências - 2/6 - Condições para o Financiamento - 2/6 - Disposições Gerais - 6/6 - Vigência - 6/6 Objetivo.

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL

Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais EMPRESARIAL Venda exclusiva para pessoa jurídica. Condições Gerais O IDEAL CAP Empresarial é um título de capitalização de pagamento mensal que ajuda você a guardar dinheiro para tirar os projetos do papel. Além disso,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do seu Cartão de Crédito Bradesco A seguir você encontrará um resumo dos seus direitos e deveres e das principais condições e informações a respeito

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES 1. Para efeitos do presente contrato entende-se por: Seguradora: a Real Vida Seguros, S.A., que subscreve com o Tomador de Seguro o presente contrato; Tomador de Seguro: A entidade

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado)

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) CONDIÇÕES GERAIS SOLUÇÕES CAPITALIZAÇÃO SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) 1 CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE CA Investimento 1ª Série (Não Normalizado) SEGURO INDIVIDUAL Cláusula

Leia mais

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE]

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Entre [ ].. representada pelas pessoas devidamente autorizadas nomeadas na página de assinatura do presente CONTRATO, doravante denominada

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO Pelo presente instrumento, de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 02.558.157/0001-62, com sede na Av. Engenheiro Luiz Carlos

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada.

CONTRATO DE MÚTUO. Assistido é o Participante ou seus beneficiários em gozo de Benefício de prestação continuada. Página 1 de 7 CONTRATO DE MÚTUO Cláusulas e Condições Gerais do Contrato de Mútuo que entre si fazem a Fundação Vale do Rio Doce de Seguridade Social - VALIA e seus Participantes. Fundação Vale do Rio

Leia mais

Tem entre si, certo e ajustado, o presente CONTRATO, que será regido pelas seguintes cláusulas e condições:

Tem entre si, certo e ajustado, o presente CONTRATO, que será regido pelas seguintes cláusulas e condições: ADMINISTRADORA DE CARTÕES LTDA. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FORNECIMENTO DE CARTÃO REFEIÇÃO Por este instrumento e na melhor forma de direito, de um lado, MAXXCARD ADMINISTRADORA

Leia mais

ACE E&O ADVANTAGE ATENÇÃO:

ACE E&O ADVANTAGE ATENÇÃO: ACE E&O ADVANTAGE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL EMPRESAS DE CONTABILIDADE ATENÇÃO: Por favor, leia sua Apólice cuidadosamente. Esta Apólice é à base de reclamações com notificação. Algumas cláusulas

Leia mais

Pan Seguros S.A. - CNPJ: 33.245.762/0001-07 Av. Paulista, 1374 10º andar - São Paulo-SP 01310-100 15414.900610/2014-24 v01_abr14

Pan Seguros S.A. - CNPJ: 33.245.762/0001-07 Av. Paulista, 1374 10º andar - São Paulo-SP 01310-100 15414.900610/2014-24 v01_abr14 CONDIÇÕES GERAIS PLANO DE SEGURO FIANÇA LOCATÍCIA 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1. A aceitação do seguro estará sujeita à análise do risco. 1.2. O registro deste plano na SUSEP não implica, por parte da

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇAO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Regiões I e II do Plano Geral de Outorgas PGO

CONTRATO DE PRESTAÇAO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Regiões I e II do Plano Geral de Outorgas PGO CONTRATO DE PRESTAÇAO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Regiões I e II do Plano Geral de Outorgas PGO Pelo presente instrumento, na melhor forma de direito, de um lado TELEFÔNICA BRASIL S.A., prestadora

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS [PREENCHER], empresa estabelecida em [preencher cidade, estado, logradouro], inscrita no CNPJ sob o número [preencher], neste ato representada na forma de seu contrato

Leia mais

PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº 13.720.522.0001-00

PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº 13.720.522.0001-00 PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ nº 13.720.522.0001-00 Código ISIN: BREURDCTF006 Nº [ ] CARACTERÍSTICAS DA OFERTA Pedido de reserva

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 24170-3 (FL. 1/4) SF 06/11 Via única CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Estas são as condições gerais do Empréstimo Pessoal, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições

Leia mais

2.1.4. Os preços constantes da Ordem de Compra não poderão ser reajustados, salvo mediante expresso consentimento por escrito do PNUD.

2.1.4. Os preços constantes da Ordem de Compra não poderão ser reajustados, salvo mediante expresso consentimento por escrito do PNUD. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE ORDEM DE COMPRA 1. ACEITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA Esta Ordem de Compra somente será aceita pelo PNUD mediante a assinatura por ambas as partes e fornecimento de acordo com as

Leia mais

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 32159 DE 19 DE ABRIL DE 2010 Altera o Decreto nº 28.002, de 30 de maio de 2007 e dá outras providencias. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETA: Art.

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA JURÍDICA)

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA JURÍDICA) 1 (PESSOA JURÍDICA) FDR CORRETORA DE MERCADORIAS LTDA., com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Rua São Bento, 470 11º andar, CEP: 01010-001, inscrita no CNPJ sob o nº: 03.249.263/0001-27,

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE EMISSÃO DE FIANÇA E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE EMISSÃO DE FIANÇA E OUTRAS AVENÇAS Pelo presente instrumento, as partes: A BANCO BRADESCO S.A., com sede na Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco SP, inscrito no CNPJ/MF sob nº 60.746.948/0001 12, doravante denominado FIADOR; B...,

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO TERMO DE CONTRATO DE CREDENCIAMENTO, ORIGINÁRIO DA LICITAÇÃO OBJETIVANDO O CREDENCIAMENTO SPAL Nº 03/2014, QUE ENTRE SI FAZEM A COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - COPASA

Leia mais

A u t o B r a s i l F r a n q u i a s

A u t o B r a s i l F r a n q u i a s CONTRATO DE COMODATO DE EQUIPAMENTO, MONITORAMENTO DE VEÍCULO E OUTRAS AVENÇAS. OBJETO: 1. O objeto deste contrato é o comodato de equipamentos e sistema de monitoramento e de bloqueio de veículo automotor

Leia mais