CPFL RENOVÁVEIS Janeiro, 2014

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CPFL RENOVÁVEIS Janeiro, 2014"

Transcrição

1 CPFL RENOVÁVEIS Janeiro, 2014

2 Agenda 1. Energias renováveis no Brasil 2

3 Energia renovável mercado com alto potencial de crescimento no Brasil Previsão de crescimento de renováveis no Brasil ao CAGR de 9,5%, partindo de 15 GW em 2012 para 38 GW em 2022 Evolução da capacidade instalada por fonte (GW) 13% 8% 8% % 9% 8% 71% CAGR = 4,4% 6% 8% % 65% 10% 7% CAGR 9,5% 2,3% 3,5% 3,4% Potencial a ser explorado no Brasil (1) Eólico PCH Potencial: 143GW Capacidade instalada: 2,1GW Potencial: 17,5GW Capacidade instalada: 5,0GW Biomassa Potencial: 17,2GW (1) Capacidade instalada: 9,2 GW Potencial Explorado 2% 29% 54% 2012 Renováveis Outras 2022 Gas Natural Hidro (2) Fonte: ANEEL; PDE 2022 (consulta pública) (1) Potencial: PDE2022 (consulta pública); Capacidade instalada: BIG - ANEEL dez/ Leilão A-5 (2) Inclui a estimativa de importação da UHE Itaipu não consumida pelo sistema elétrico Paraguaio 3

4 O segmento de energias renováveis ainda representa uma parcela pequena (~13%) do parque gerador nacional Distribuição por fonte da capacidade instalada no Brasil, 2012 (%) Hidro (1) 71% 84,8 (GW) Gás natural 8% 9,9 (GW) Outras (2) 8% 9,5 (GW) Renováveis 12% Renováveis 13,7 (GW) 13% 15,3(GW) Eólica 12% 1,8 (GW) Biomassa (3) 56% 8,6 (GW) PCH 32% 4,9 (GW) 4 Fonte: Plano Decenal de Expansão de Energia, PDE 2022 (consulta publica) (1) Hidro considera importação de Itaipu (2) Outras: urânio, carvão, óleo combustível, óleo diesel e gás de processo (3) Considera total de biomassa Apesar da fonte eólica representar apenas 12% da capacidade instalada das renováveis, esta fonte alcançará a biomassa em considerando os projetos contratados

5 Energia renovável Oportunidades de M&A devido a um mercado altamente fragmentado Market share de energia renovável no Brasil com base na energia contratada (26,0 GW) 7% 7% Renova 4% Energimp Outros 69% 3% 2% 2% QGER Brooksfield Cosan (3) 2% Eletrosul 2% Elecnor 2% Bioenergy 5 (1) Considera a exportação de 2/3 da energia produzida pela Companhia

6 Ambiente regulatório sólido: Benefícios para energia renovável O segmento de energia renovável no Brasil possui benefícios que maximizam os retornos do investimento e são sustentáveis no longo prazo Processos ambiental e de implementação simplificados Acesso a múltiplos canais de comercialização Condições de financiamento apoiadas pelo governo Descontos de encargos de transmissão Regime tributário favorável e incentivos fiscais Descrição Processo ambiental mais simples e rápido Ciclo de construção mais rápido Leilões de energia e mercado livre PPAs de longo prazo protegidos/indexados à inflação (prazo de anos) Nicho diferenciado no mercado livre para clientes especiais (clientes com demanda entre 0,5-3,0MW) Mercado livre atual de 3,2% (1,9GW) e potencial de 8,3% (5,0GW) Financiamento do BNDES Custo atrativo taxa de juros média de 7,0% Financiamento de longo prazo - prazo de 16 anos Estrutura de capital eficiente Descontos de pelo menos 50% (TUST e TUSD) Regime de Lucro Presumido com redução na carga tributária efetiva de 34% para 5% - 15% REIDI (programa especial de incentivo para desenvolvimento de infraestrutura) - isenção do PIS/COFINS, Isenção do ICMS (imposto de movimento) e IPI (imposto de produção) Sustentabilidade Consequência natural de projetos com menores impactos ambientais Leilões anuais para suprir o crescimento projetado da demanda de energia Preço da energia no mercado cativo estruturalmente maior que no mercado livre, devido a encargos regulatórios Não consiste em um benefício específico do setor BNDES vem suportando o setor há vários anos Políticas em vigor desde 1996 Nenhum desembolso governamental Não aplicável a leilões Regime tributário para pequenas empresas (receita anual abaixo de R$78mm), que não é específico do setor REIDI é aplicável a todos os projetos de infraestrutura ICMS/IPI: discussões sobre expansão de incentivos fiscais para PCHs 6 Fonte: Companhia

7 Agenda 2. CPFL Renováveis 7

8 Visão geral da CPFL Renováveis # 1 em energia renovável no Brasil com 1,283.1 MW de capacidade contratada em operação totalizando 1.786,6 MW de PPAs Portfólio diversificado regionalmente (presença em 8 Estados brasileiros) e com presença em 4 fontes PPAs e autorizações/concessões de longo prazo 3,8 GW de pipeline de alta qualidade Capacidade contratada (MW) 198,2 (2) ,3 304,0 197, , ,6 651,5 Criação da CPFL Renováveis Desenvolvimento Aquisição Nov/2013 (1) 4T Ativos com PPA (3) 8 (1) Considera a conclusão dos 7 (sete) parques eólicos do Complexo Santa Clara, no total de 188 MW e Parque Campo dos Ventos II que já estão aptos a gerar energia e tem direito a receita correspondente ao faturamento contratado no Leilão de Energia de Reserva (LER) 2009 e Pendente ainda o término da construção da ICG (Instalação de Transmissão de Interesse Exclusivo de Centrais de Geração para Conexão Compartilhada); (2) Considera a entrada em operação do primeiro parque dos Complexos Macacos e Atlântica; (3) Não considera os projetos adquiridos de Rosa dos Ventos em operação, cuja incorporação ainda está em processo de conclusão.

9 Capacidade instalada em operação: 13% de crescimento em 2013 (1) Pequena Central Hidrelétrica (MW) 307,6 326,6 Eólica (MW) 555,5 585,5 Biomassa (MW) 270,0 370,0 Solar (MWp) 0,0 1,1 Set/12 Nov/13 Set/12 Nov/13 Set/12 Nov/13 Set/12 Nov/13 EOL- Icaraizinho/CE (55 MW) PCH - Plano Alto/SC (16MW) UTE- Bio Buriti/SP (50 MW) Solar - Tanquinho/SP (1,1 MWp) 9 (1) Considera projetos adicionados ao portfólio desde outubro/12

10 Líder no mercado de renováveis com portfólio de alta qualidade e diversificado Maior player do setor de energia renovável (1) Diversificação geográfica e por fonte Em contrução Capacidade Instalada (1) Biomassa Solar 21% 0% PCH Eólica 19% Portfólio Eólico Localização atrativa devido a quantidade de vento % Total: 1,787 MW Fontes Hidro Eólica Biomassa Solar 90 Região MW NE CO/SE 506 SUL SHPP PCH Wind Eólico Biomassa Solar Fonte: Companhia - ANEEL (1) Capacidade instalada em operação (2) Capacidade icontratada Portfólio de Biomassa Próximos a centros produtores de cana de açúcar Portfólio PCH Abundantes recursos hidricos Potencial PCH (Regiões Sudeste e Centro-Oeste) Potencial Eólico (Regiões Nordeste e Sul)

11 Track record de execução 223,5 MW em PCHs 45,0 MW em Biomassas Até ,5MW Fusão ,5MW ,1MW Bons Ventos 157,5MW Eólica Anúncio: Fevereiro/ (3) 1.481,3MW Coopcana 50,0MW Biomassa Em operação: Ago/13 Alvorada 50,0MW Biomassa Em operação: Nov/13 Usina Ester 40,0MW Biomassa Anúncio: Março/2012 Atlântica (3) 120,0MW Eólica Em operação: 4T13 Ipê 25,0MW Biomassa Anúncio: Maio/2012 Macacos I (3) 78,2MW Eólica Em operação: 1Q14 SIIF 210,0MW Eólica Anúncio: Abril/2011 Corrente Grande 14,0MW PCH Em operação: Fev/2011 Pedra 70,0MW Biomassa Anúncio: Maio/2012 Campo dos Ventos II 30,0MW Eólica Em operação: Set/13 Santa Luzia 28,5MW PCH Anúncio: Agosto/2011 Ninho da Águia 10,0MW PCH Em operação: Jan/2011 Santa Clara 188,0MW Eólica Anúncio: Junho/2012 Legenda: Barra da Paciência 23,0MW PCH Em operação: Março/2011 Buriti 50,0MW Biomassa Em oper.: Out/2011 Tanquinho 1,1MW Solar Em operação: Nov/2012 Aquisições de ativos em operação (436,0MW) (1) (2) Várzea Alegre 7,5MW PCH Em operação: Abril/2011 Formosa 40,0MW Biomassa Em oper.: Set/2011 Salto Góes 20,0MW PCH Em operação: Dez/2012 Construção própria (1045,3MW) (1) 11 (1) Diferença entre a capacidade contratada total de MW e MW (em construção + aquisição) refere-se a ativos que deverão entrar em operação até (2) Não inclui Rosa dos Ventos adquiridos em operação e ainda aguarda o cumprimento das disposições contratuais antes da conclusão. (3) Considera a entrada em operação do primeiro parque dos Complexos Macacos e Atlântica

12 Projetos em 2013 Campo dos Ventos II Bio Coopcana UTE Alvorada Complexo Atlântica Complexo Macacos I Concluído 83% concluída 64% concluída Entrada em operação Capacidade instalada (MW) Garantia física (MWmédios) 3T13 ¹ 3T13 4T13 4 4T13 5 1T ,0 50, ,2 15,0 18,0 18,0 52,7 37,5 Financiamento BNDES (financiamento aprovado, em fase de contratação) BNDES (contratado e parcialmente desembolsado) BNDES (contratado e parcialmente desembolsado) BNDES (ponte contratado e desembolsado, longo prazo em análise) BNDES (financiamento aprovado, em fase de contratação) PPA LER 2 / anos ACL 3-21 anos ACL - 20 anos LFA anos LFA anos 12 1) Campo dos Ventos II já está apto a gerar energia e tem direito a receita correspondente ao faturamento contratado no Leilão de Energia de Reserva (LER) 2010 a partir de 27 de setembro de 2013 pendente término da construção da ICG 2) Leilão de reserva 3) Mercado Livre 4) Despacho publicado no dia 11 de novembro de 2013, autorizando a operação comercial 5) Considera entrada do primeiro Parque do Complexo (10 aerogeradores em fase de testes e 5 aerogeradores em fase final de montagem) 6) Considera entrada do primeiro Parque do Complexo (Iniciada a fase de montagem dos aerogeradores)

13 Projetos em andamento Complexo Campo dos Ventos 1 3 Complexo São Benedito 2 3 Entrada em operação 1T16 3T16 Capacidade instalada (MW) Garantia física (MW médio) 82,0 172,0 40,2 89,0 Financiamento BNDES (estruturação) BNDES (estruturação) PPA ACL - 20 years ACL - 20 years 13 1) Campo dos Ventos I, III, V 2) Ventos de São Benedito, Ventos de Santo Dimas, Santa Mônica, Santa Úrsula São Domingos e Ventos de São Martinho; 3) Projetos com energia vendida no mercado livre a longo prazo, suprimento de turbinas eólicas contratado e projeto executivo sendo preparado.

14 Aquisição de Rosa dos Ventos Em 18 de junho de 2013 firmamos um contrato de compra de 100% das Ações do Projeto Rosa dos Ventos com 13,7 MW de capacidade instalada em dois ativos em operação no estado do Ceará (1) Potência instalada Fator de capacidade (média) Garantia física (média) 13,7 MW 39,0% 5,36 MWm Aracati Aracati CE Canoa Quebrada Lagoa do Mato Potência instalada 10,5 MW 3,23 MW Garantia física 4,10 MWm 1,26 MWm PPA (PROINFA) ( 2 ) R$ 350,81 R$ 309,32 Início da operação comercial DEZ/2008 JUN/2009 Energia contratada 3,31 MW 1,43 MW Prazo do PPA (1) Aquisição aguarda cumprimento de condicionantes contratuais para a conclusão; (2) Jun/

15 Mercado de capitais A Companhia concluiu sua oferta inicial de ações (IPO) em julho de 2013 Montante total de R$ 915 milhões: - R$ 365 milhões de oferta primária - R$ 550 milhões de oferta secundária Segmento de Listagem: Novo Mercado da BM&FBovespa Ticker: CPRE3 Lock-up: 8 meses para 100% da participação para acionistas vendedores, FIP Brasil Energia e Previ 6 meses para 100% da participação para Companhia, acionista controlador e administradores Lock-up adicional de 6 meses para 60% da participação para acionistas vendedores, FIP Brasil Energia, Previ, acionista controlador e administradores 15

16 Posição acionária Mercado Antes da Oferta Após a Oferta FIP Pátria + Pátria Energia Secor LLC FIP Brasil Energia FIP Multisseto rial Plus 63,0% 9,4% 9,2% 7,6% 5,0% 3,2% 2,5% n.a. n.a. 58,8% 5,6% 5,5% 7,1% 3,0% 1,9% 1,5% 7,3% 9,3% 16

17 Mercado de capitais Período de estabilização concluído no dia 22 de agosto de 2013, captação total de R$ 915 MM Contratação do Formador de Mercado Valorização das ações de 11,5% desde o início das negociações Valor de mercado equivalente à R$ 5,9 bilhões Performance das ações 11,5% 8,7% 2,8% IEE IBOV CPRE3 17 1) Base 100 em 19/07/2013

18 Agenda 4. Resultado do 3º trimestre de

19 Geração de energia e Receita líquida Geração de energia por fonte (GWh) 780,6 15,2% 899,1 0,4 178,8 276,7 416,8 359,6 185,0 262,8 15,8% 1.902,9 365,4 760, ,4 1,0 459,1 777,2 906,8 3T12 3Q13 9M12 9M13 Receita líquida Receita líquida por fonte 29,5% (Set/13) 837,5 34,5% PCH SOL BIO EOL PCH 10,6% 242,9 268,8 528,7 684,5 48,5% Eólica 17,0% Bio 19 3T12 3T13 9M12 9M13

20 EBITDA R$ Milhões 167,5 25,9 46,3-11,3% 1,4 148,5 194,8 Margem EBITDA 68,9% 55,3% 72,5% EBITDA 3T12 Receita Líquida Itens Extraordinários PMSO e outros EBITDA 3T13 Ebitda Ajustado 3T13 Aumento do portfolio em operação (101MW) 338,9 155,8 14,4% 101,5 5,7 387,5 489,1 Itens extraordinários 3T13: R$46,3 MM 9M13: R$101,5 MM 71,4% 64,1% Margem EBITDA 56,6% 20 EBITDA 9M12 Receita Líquida Itens PMSO e outros EBITDA Extraordinários 9M13 Ebitda EBITDA Ajustado Ajustado 1S139M13

21 Resultado líquido R$ Milhões Custos e despesas alinhados com o plano de expansão da Companhia Excluindo-se os itens extraordinários: resultado liquido positivo de R$ 30,3 milhões no 3T13 e R$ 18,7 milhões no 9M13-16,0 46,3 30,3-82,8 101,5 18,7 Prejuízo Líquido 3T13 Itens Extraordinários Lucro Líquido Ajustado 3T13 Prejuízo Líquido 9M13 Itens Extraordinários Lucro Líquido Ajustado 9M13 21

22 Perfil da dívida Dívida Líquida/Ebitda (R$ mm) 7,0x 7,2x 7,1x 6,7x 3.555, , , ,1 504,3 565,3 572,1 553,4 4T12 1T13 2T13 3T13² Alavancagem Divida Líquida EBITDA UDM³ Amortização da dívida (R$ mm) Dívida por indexador (%) IGPM 2% TJ6 3% CDI 29% Fixo 13% TJLP 53% Perfil da dívida Prazo médio: 6,6 anos Custo médio nominal: 7,8% (89,5% do CDI de set/13) 923,2 131,0 792, ,5 173,3 751,6 36,2 137,1 271,9 324,9 325,7 329, ,9 Caixa 4T Conta Reserva Caixa Empréstimos Ponte (1) Empréstimos e Debêntures 22 1) Refere-se a captações realizadas para projetos em construção que ainda não obtiveram os desembolsos de suas dívidas de longo prazo 2) Considerando o saldo em Contas Reservas de R$ 131 milhões, o caixa totalizaria R$923 MM e a Alavancagem seria de 6,8x 3) Últimos 12 meses

23

24 Anexos

25 A empresa possui MW de projetos em operação 25 TOTAL 1.283,1 Biomass (Sugarcane) Projeto Estado Cap. Instalada (MW) BAIA FORMOSA RN 40,0 BALDIN SP 45,0 BURITI SP 50,0 ESTER SP 40,0 BIO IPÊ SP 25,0 BIO PEDRA SP 70,0 BIO ALVORADA MG 50,0 BIO COOPCANA PR 50,0 SUB-TOTAL 370,0 PCH AMERICANA SP 30,0 ANDORINHAS RS 0,5 BURITIS SP 0,8 CAPÃO PRETO SP 4,3 CHIBARRO SP 2,6 DIAMANTE MS 4,2 DOURADOS SP 10,8 ELOY CHAVES SP 19,0 ESMERIL SP 5,0 GAVIÃO PEIXOTO SP 4,8 GUAPORÉ RS 0,7 JAGUARI SP 11,8 LENÇÓIS SP 1,7 MONJOLINHO SP 0,6 PINHAL SP 6,8 PIRAPÓ RS 0,8 SALTINHO RS 0,8 SALTO GRANDE SP 4,5 SANTA LUZIA (1) SC 28,5 SANTANA SP 4,3 SÃO JOAQUIM SP 8,1 SOCORRO SP 1,0 TRÊS SALTOS SP 0,6 SUB-TOTAL 152,1 Projeto PCH Estado Cap. Instalada (MW) ALTO IRANI SC 21,0 ARVOREDO SC 13,0 BARRA DA PACIÊNCIA MG 23,0 COCAIS GRANDE MG 10,0 CORRENTE GRANDE MG 14,0 NINHO DA ÁGUIA MG 10,0 PAIOL MG 20,0 PLANO ALTO SC 16,0 SÃO GONÇALO MG 11,0 VARGINHA MG 9,0 VÁRZEA ALEGRE MG 7,5 SALTO GÓES SC 20,0 SUB-TOTAL 174,5 SOLAR TANQUINHO SP 1,1 SUB-TOTAL 1,1 Eólico Complexo SIIF Complexo Bons Ventos Complexo Santa Clara PARACURU CE 25,2 FOZ DO RIO CHORÓ CE 25,2 ICARAIZINHO CE 54,6 PRAIA FORMOSA CE 105,0 TAÍBA CE 16,8 BONS VENTOS CE 50,4 CANOA QUEBRADA CE 58,8 ENACEL CE 31,5 SANTA CLARA I RN 30,0 SANTA CLARA II RN 30,0 SANTA CLARA III RN 30,0 SANTA CLARA IV RN 30,0 SANTA CLARA V RN 30,0 SANTA CLARA VI RN 30,0 EURUS VI RN 8,0 Campo dos Ventos II RN 30,0

26 Modelo do negócio eólico Leilões de Energia de Reserva (LER 2009/2010) e Mercado Livre CPFL Renováveis Leilão de Fontes Alternativas (LFA A-3 e A-5) PROINFA Energia Contratada Energia Contratada Energia Contratada Mecanismo de Contabilidade Penalidade 115% do Contrato 90% 100% 130% Premium 70% of the Contract Penalidade 90% 90% of Renda Fixa 100% Livre ACL 70% Energia Contratda Revisão 100% Histórico Projetado em 2009 e replicado em 2010 Adaptação parcial da regra de leilões de 2009 Projetado em 2002 e regulamentado em 2004 Receita Variável Geração anual maior que 30% ou acima do volume contratado em quatro anos Não há definição relativa à renda variável Geração anual acima de 100% da energia assegurada Operações com início adiantado De acordo com o preço definido em contrato Vendas no Ambiente de Comercialização Livre - ACL ou Preço de Liquidação de Diferenças - PLD Não aplicável Excesso de energia Não pode ser vendida no mercado livre Pode ser vendida no mercado livre Não pode ser vendida no mercado livre Escassez de energia Mecanismo de compensação entre projetos eólicos no mesmo leilão ou penalidades Através de contratos bilaterais Os ajustes occorrem dentro do contrato sem recuperação Mitigação de Riscos(Durante o Ano) Redução de variabilidade durante o ano e previsibilidade de fluxos de caixa 26 Mitigação de Riscos(Acumulada) Acumulado de variabilidade de ciclos de 4 anos assegurando 100% das receitas contratadas Mecanismo de equilíbrio das receitas por aumento no preço da energia em caso de revisão para baixo da energia contratada, limitado a 70% do contrato original

27 Parques Bons Ventos Parques SiiF Histórico da CPFL Renováveis em geração eólica O histórico da CPFL Renováveis mostra que a geração tem superado o fator de capacidade certificado Paracuru 110% Foz do Rio Choró 117% Icaraizinho 106% Praia Formosa FC Médio: 38,3% 107% 46,4% 50,9% 32,7% 38,3% 45,6% 48,5% 103% 30,3% 31,3% FC Médio: 39,8% 105% ENACEL Bons Ventos Taiba / Albatroz Canoa Quebrada 102% 97% 113% 104% 102% FC Médio: 41,3% 38,3% 39,1% 41,1% 39,8% 41,2% 46,4% 41,2% 42,7% Certified Load Factor LTM Actual Load Factor Efficiency Ratio Consolidated LTM Actual Load Factor CPFL Renováveis já apresenta um histórico com alta taxa de eficiência A produção real dos último 12 meses esteve acima do fator de capacidade certificado Note: LTM ended period in November 30, Nota: Últimos 12 meses findos em novembro/2013

28 Altura (m) Freqüência Freqüência Freqüência Condições privilegiadas de vento aliadas à evolução tecnológica Características dos Ventos do Brasil são as Mais Adequadas para Geração de Energia Faixa de Velocidade Ideal Faixa de Velocidade Ideal Faixa de Velocidade Ideal Europa Estados Unidos Brasil (NE) Área 89% Área 95% Área 99% Velocidade do vento (m/s) Velocidade do vento (m/s) Velocidade do vendo (m/s) Os ventos no Brasil (Nordeste) possuem intensidades similares e menor variação, com concentração na região mais eficiente para geração de energia Significativas Melhorias Tecnológicas nos Últimos Anos Tecnologia Predominante Europa e EUA Brasil 100m 3.000kW Rotor Diameter (m) Rating (kw) 50m 750kW 70m 1.500kW 80m 1.800kW Maior eficiência Ganho de Disponibilidade + + Redução das perdas na geração m 75kW 30m 300kW Tecnologia desenvolvida recentemente para usinas eólicas permite maiores fatores de capacidade

CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016

CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016 CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016 1 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

Resultados 3T13. 12 de Novembro de 2013

Resultados 3T13. 12 de Novembro de 2013 12 de Novembro de 2013 Índice Mensagem do Presidente... 3 Destaques... 4 Eventos Recentes... 5 Portfólio em Operação... 5 Portfólio em Construção... 6 Parques Eólicos... 6 Usina Termelétrica movida a Biomassa...

Leia mais

CPFL Renováveis. Apresentação Institucional

CPFL Renováveis. Apresentação Institucional CPFL Renováveis Apresentação Institucional Agenda 1. Energias Renováveis no Brasil 2 Energia Renovável com alto potencial de crescimento Previsão de crescimento de renováveis no Brasil ao CAGR de 9,5%,

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Fevereiro, 2014

CPFL RENOVÁVEIS Fevereiro, 2014 CPFL RENOVÁVEIS Fevereiro, 2014 Agenda 1. Energias renováveis no Brasil 2 Energia renovável mercado com alto potencial de crescimento no Brasil Previsão de crescimento de renováveis no Brasil ao CAGR de

Leia mais

,7% ,2% ¹ 2T15 2T Total Contratado 2020

,7% ,2% ¹ 2T15 2T Total Contratado 2020 1.799 +2,7% 1.848 206 +15,2% 48 27 2.129 652 2011¹ 2T15 2T16 2016 2018 2020 Total Contratado 2020 1.232,6 0,3 288,8 296,0 +24,4% 1.533,5 0,3 357,3 399,9 2.362,5 0,7 335,5 682,0 1.344,3 +14,0%

Leia mais

Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011

Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011 Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011 A Renova Energia Histórico comprovado na prospecção, estruturação, execução e operação de projetos de geração de energia renovável. Fundação RENOVA Enerbras

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

CPFL Renováveis. Apresentação Institucional

CPFL Renováveis. Apresentação Institucional CPFL Renováveis Apresentação Institucional Agenda 1. Energias Renováveis no Brasil 2 Energia Renovável com alto potencial de crescimento Previsão de crescimento de renováveis no Brasil ao CAGR de 9,5%,

Leia mais

PROJETO EÓLICA FAISA S.A.

PROJETO EÓLICA FAISA S.A. PROJETO EÓLICA FAISA S.A. ESTRITAMENTE CONFIDENCIAL São Paulo, junho de 2013 Confidencial 1. Sumário Executivo 2. Estrutura Societária e da Operação 3. O Projeto 4. Premissa Financeira 5. Riscos e Mitigantes

Leia mais

Seminário Valor Econômico. Os Desafios e Oportunidades da Matriz Energética Brasileira Miguel Normando A. Saad Diretor Presidente Outubro/ 2011

Seminário Valor Econômico. Os Desafios e Oportunidades da Matriz Energética Brasileira Miguel Normando A. Saad Diretor Presidente Outubro/ 2011 Seminário Valor Econômico Os Desafios e Oportunidades da Matriz Energética Brasileira Miguel Normando A. Saad Diretor Presidente Outubro/ 2011 Agenda A CPFL Renováveis Desafios e Oportunidades para as

Leia mais

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados Agenda Visão do Setor de Energia CPFL Energia Destaques e Resultados O mercado brasileiro é atendido por 64 concessionárias de distribuição de energia Distribuição de Energia 2008 Market Share 1 (%) Distribuidoras

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Dezembro, 2014

CPFL RENOVÁVEIS Dezembro, 2014 CPFL RENOVÁVEIS Dezembro, 2014 Agenda 1. Energias renováveis no Brasil 2 Energia renovável Mercado com alto potencial de crescimento no Brasil Previsão de crescimento de renováveis no Brasil ao CAGR de

Leia mais

CPFL Energias Renováveis

CPFL Energias Renováveis CPFL Energias Renováveis Miguel Abdalla Saad Presidente da CPFL Renováveis Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL Tema central Investimento, risco e regulação Seção B. A Indústria Investimento em energias renováveis no Brasil. A oportunidade da energia eólica Amilcar

Leia mais

Divulgação de resultados 1T14 CPFL Renováveis

Divulgação de resultados 1T14 CPFL Renováveis Divulgação de resultados 1T14 CPFL Renováveis Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011 AES TIETÊ DAY 17 de junho de 2011 Manutenção e Modernização Manutenção e modernização do parque gerador Objetivos Assegurar a capacidade de geração de energia e a continuidade das operações Cumprir as

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

A experiência da CPFL com treinamento interno para reduzir riscos de vazamento. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

A experiência da CPFL com treinamento interno para reduzir riscos de vazamento. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores A experiência da CPFL com treinamento interno para reduzir riscos de vazamento Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Desde 1997, a CPFL Energia tem desenvolvido uma estratégia de crescimento

Leia mais

O BNB como agente financiador de energias limpas

O BNB como agente financiador de energias limpas Seminário de Propostas de Políticas Públicas para Energias Renováveis no Brasil O BNB como agente financiador de energias limpas Roberto Smith, Presidente do Banco do Nordeste do Brasil S.A. (BNB) Fortaleza-CE

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS - REUNIÃO APIMEC. Dezembro, 2013

CPFL RENOVÁVEIS - REUNIÃO APIMEC. Dezembro, 2013 CPFL RENOVÁVEIS - REUNIÃO APIMEC Dezembro, 2013 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

Divulgação de resultados 4T13 CPFL Renováveis

Divulgação de resultados 4T13 CPFL Renováveis Divulgação de resultados 4T13 CPFL Renováveis Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013

CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade. Dezembro, 2013 CPFL RENOVÁVEIS Relatório de Sustentabilidade Dezembro, 2013 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

Sustentabilidade na gestão da CPFL

Sustentabilidade na gestão da CPFL Sustentabilidade na gestão da CPFL 30 de setembro de 2014 Agenda 1 Histórico CPFL 2 Práticas de Gestão na CPFL Energia 2 Atualmente, o Grupo CPFL é o maior player privado do setor elétrico brasileiro Maior

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Julho, 2015

CPFL RENOVÁVEIS Julho, 2015 CPFL RENOVÁVEIS Julho, 2015 Agenda 1. Energias renováveis no Brasil 2 Energia renovável Mercado com alto potencial de crescimento no Brasil Previsão de crescimento de renováveis no Brasil ao CAGR de 10,5%,

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Apresentação Institucional. Novembro 2015

Apresentação Institucional. Novembro 2015 Apresentação Institucional Novembro 2015 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 3ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008

Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Teleconferência de Resultados 3º trimestre de 2008 Destaques 3T08 MERCADO Crescimento do consumo na área de concessão de 3,3% no trimestre Redução de 0,30 p.p nas perdas não-técnicas de energia no ano

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com

Leia mais

Cenário mundial de energia eólica e as projeções em longo prazo. Canal Executivo São Paulo 25/11/2008

Cenário mundial de energia eólica e as projeções em longo prazo. Canal Executivo São Paulo 25/11/2008 Cenário mundial de energia eólica e as projeções em longo prazo Canal Executivo São Paulo 25/11/2008 Institucional Energia Eólica no Mundo Previsão de Instalação até 2020 Investimentos no Potencial Eólico

Leia mais

Resultados 4T15 / 2015

Resultados 4T15 / 2015 Resultados / 2015 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Apresentação Unidas. Maio 2014

Apresentação Unidas. Maio 2014 Apresentação Unidas Maio 2014 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 2ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - Desenvix Energias Renováveis S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - Desenvix Energias Renováveis S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Estratégia Financeira. Arthur Piotto

Estratégia Financeira. Arthur Piotto Estratégia Financeira Arthur Piotto Estratégia Financeira Estrutura financeira adequada e balanço forte 1 2 3 4 5 6 7 Sucesso no aumento de capital. Alocação diversificada Maior flexibilidade financeira

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2015

Energia Eólica Setembro de 2015 Energia Eólica Setembro de 2015 Quem somos? Fundada em 2002, a ABEEólica é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa o setor de energia eólica no País. A ABEEólica contribui, desde

Leia mais

III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III

III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III Aprovação de contas - 2013 [PUBLICO] Agenda Aprovação de Contas Estrutura do Fundo Mercado de Energia (2012-2014) Status - FIP-IE

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013 Resultados 4T12 Fevereiro, 2013 Principais destaques de 2012 Operacional Geração de energia 27% superior à garantia física e 3% acima da registrada em 2011 - Exposição ao mercado spot de 4,4% de setembro

Leia mais

Renova Energia. Investimento da Light na Renova Energia

Renova Energia. Investimento da Light na Renova Energia Renova Energia Investimento da Light na Renova Energia Descrição da Operação Acordo estratégico resultará em investimento na Renova para transformá-la no veículo de crescimento da Light no segmento de

Leia mais

Resultados. 2T14 Junho, 2014

Resultados. 2T14 Junho, 2014 Resultados Junho, 2014 Destaques Operacional & Comercial Rebaixamento da garantia física de 6,2%, em linha com as projeções da Companhia Comercialização de ~100 MWm com prazo e preço médios de 4,5 anos

Leia mais

Histórico. 900 AC Moinho persa.

Histórico. 900 AC Moinho persa. Histórico 900 AC Moinho persa. Histórico Moinho Europeu Sistema de giro; Posição do rotor; Número de pás; Altura em relação ao solo; Pás com perfil aerodinâmico; Histórico Moinhos de vento portugueses

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Fevereiro, 2016

CPFL RENOVÁVEIS Fevereiro, 2016 CPFL RENOVÁVEIS Fevereiro, 2016 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ)

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Energia eólica no Brasil: potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Introdução As mudanças climáticas

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

AES Brasil investe R$ 164 milhões no primeiro trimestre do ano

AES Brasil investe R$ 164 milhões no primeiro trimestre do ano São Paulo, 17 de maio de 2010. AES Brasil investe R$ 164 milhões no primeiro trimestre do ano Valor dos investimentos é 6,6% superior ao registrado no mesmo período de 2009 A AES Brasil investiu R$ 164

Leia mais

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Jurandir Picanço Novembro/2015 Cenários de Longo Prazo União Européia 2050 100% Renovável para eletricidade Consumo em TWh Fonte: WEC Word Energy Council

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

RELEASE DE RESULTADO 3T12

RELEASE DE RESULTADO 3T12 RELEASE DE RESULTADO 3T12 São Paulo, 08 de novembro de 2012. DESTAQUES DO PERÍODO E EVENTOS SUBSEQUENTES LER 2009: Emissão dos despachos pela ANEEL atestando que os quatorze parques eólicos do complexo

Leia mais

Destaques do trimestre

Destaques do trimestre Resultados 1T16 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira e

Leia mais

RENOVA ENERGIA. CNPJ 08.534.605/0001-74 - Companhia Aberta RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RENOVA ENERGIA. CNPJ 08.534.605/0001-74 - Companhia Aberta RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO CNPJ 0..60/000- - Aberta RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO O ano de 0 foi muito importante para a história da Renova. Após o sucesso na comercialização de energia eólica que a obteve

Leia mais

Renova Energia. Overview

Renova Energia. Overview Renova Energia Overview A Renova Energia Histórico comprovado na prospecção, estruturação, execução e operação de projetos de geração de energia renovável. Fundação RENOVA Enerbras é fundada por Ricardo

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2015 está demonstrando ser muito desafiador, apresentando um cenário macroeconômico incerto, onde as expectativas do mercado preveem redução do PIB, aumento da inflação e da taxa

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007

Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia. Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Energia Alternativa - Uma Opção Viável para Equilíbrio da Oferta de Energia Ricardo Pigatto Presidente São Paulo, 12 de setembro de 2007 Resumo Leilões de Fontes Alternativas de Energia: avaliação de resultados

Leia mais

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Prof. Nivalde J. de Castro Pesquisador

Leia mais

Apresentação 7º Congresso de Fundos de Investimento

Apresentação 7º Congresso de Fundos de Investimento Apresentação 7º Congresso de Fundos de Investimento Maio 2013 Mantiq Investimentos Gestora de Private Equity focada nos setores de Infraestrutura e cadeia de Petróleo e Gás. Atuando no mercado desde 2004,

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Destaques do trimestre Portfólio em operação Portfólio contratado: projetos em andamento... 5

Destaques do trimestre Portfólio em operação Portfólio contratado: projetos em andamento... 5 Resultados 2T14 Índice Destaques do trimestre... 3 Portfólio em operação... 4 Portfólio contratado: projetos em andamento... 5 Parques eólicos... 5 Condições gerais de geração... 6 Fonte hídrica... 6 Fonte

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011

Abril Educação S.A. Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 Informações Pro Forma em 31 de dezembro de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 31 de dezembro de

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Geração Distribuída Nov/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 Constituída em 05 de Setembro de 2003 99 empresas associadas que atuam

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1

Apresentação de Resultados 2T10. Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Apresentação de Resultados 2T10 Tractebel Energia GDF SUEZ - Todos os Direitos Reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Release de Resultados 3T14. 22 de outubro de 2014

Release de Resultados 3T14. 22 de outubro de 2014 Release de Resultados 3T14 22 de outubro de 2014 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA CONGRESSO BRASILEIRO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Geração Distribuída de Energia Elétrica Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais NELSON

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - EDP ENERGIAS DO BRASIL S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Perspectivas da Energia Eólica no Mundo e no Brasil

Perspectivas da Energia Eólica no Mundo e no Brasil Perspectivas da Energia Eólica no Mundo e no Brasil Questões técnicas, econômicas e políticas Jens Peter Molly DEWI, Instituto Alemão de Energia Eólica Ltda. Seminário Internacional de Energias Renováveis,

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Seminário sobre Recuperação de Empresas. 10 de Outubro de 2007

Seminário sobre Recuperação de Empresas. 10 de Outubro de 2007 Seminário sobre Recuperação de Empresas 10 de Outubro de 2007 1 Aviso Importante Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Brasil Ecodiesel Movendo o Brasil com Biodiesel Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Macro Tendências do Setor de Biodiesel Pressão mundial por combustíveis renováveis Mundo Em 2008, os biocombustíveis representaram

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Release de Resultados 2T14. 30 de julho de 2014

Release de Resultados 2T14. 30 de julho de 2014 Release de Resultados 2T14 30 de julho de 2014 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas Ricardo J. Fujii Programa de Mudanças Climáticas e Energia WWF-Brasil Natal, 03 de Outubro de 2015 Contexto atual Produção nacional de eletricidade

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/99 N 37

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/99 N 37 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/99 N 37 A OFERTA DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Ao longo dos últimos 28 anos a eletricidade conquistou marcante preponderância na matriz

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar?

A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar? A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar? Profa. Marta Dalbem Unigranrio - PPGA Prof. Luiz Eduardo Teixeira Brandão PUC-Rio IAG/Nupei Prof. Leonardo

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Fundação Instituto de Administração, como requisito parcial para a conclusão do curso MBA Executivo

Leia mais

RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015

RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015 RESULTADOS 1T15 Teleconferência 8 de maio de 2015 Aviso Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Apresentação para Investidores 1S10

Apresentação para Investidores 1S10 Apresentação para Investidores 1S10 1 Agenda 1. Visão Geral e Desempenho Consolidado 2. Livraria Saraiva 3. Editora Saraiva 2 Governança Corporativa Nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa Primeira

Leia mais