Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011)"

Transcrição

1 Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço ( )

2 Sobre o estudo Objetivo: trazer mais elementos para o debate sobre letalidade policial na cidade de São Paulo; dialogar com a Polícia e a sociedade sobre estas informações Metodologia: análise descritiva das informações sobre pessoas mortas por policiais no exercício de sua atividade entre 2002 e 2011 Fonte: ProAim (Secretaria Municipal de Saúde) casos em que a causa de morte foi classificada como Intervenção legal Traumatismos infligidos pela polícia ou outros agentes da lei, incluindo militares em serviço, durante a prisão ou tentativa de prisão de transgressores da lei, ao reprimir tumultos, ao manter a ordem, e outra ação legal (Classificação Internacional de Doenças, CID-10)

3 Dados sobre mortalidade na cidade de São Paulo (Saúde) DECLARAÇÃO DE ÓBITO Circunstância (dia, mês, ano), causa da morte e perfil da pessoa: sexo, cor, idade, endereço, escolaridade Classificação internacional de doenças (CID 10) Grupos: agressão, lesão autoprovocada intencionalmente, acidente, evento de intenção não determinada, intervenção legal, operação de guerra PROAIM (Programa de Aprimoramento das Informações sobre Mortalidade) Checagem das informações para inserir no sistema do DATASUS. Nas mortes causadas por eventos de intenção não determinada, equipe vai ao IML e se for o caso, reclassifica algumas mortes como decorrentes de intervenção legal. Dados são então disponibilizados no site da Prefeitura de São Paulo

4 Dados sobre mortalidade na cidade de São Paulo (Saúde)

5 Letalidade policial na cidade de São Paulo ( ) Duas fontes de informação para acompanhar o fenômeno: SSP/SP: pessoas mortas em confronto com policiais civis e militares em serviço Saúde: pessoas mortas em decorrência de intervenção legal Fonte: SSP/SP e ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

6 Perfil dos mortos: sexo A imensa maioria era do sexo masculino; somente 5 eram mulheres Distribuição dos mortos pelas Polícias na cidade de São Paulo segundo sexo, 2002 a 2011 Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

7 Para problematizar o dado A mortalidade de mulheres por armas de fogo na cidade é menor que a de homens: nesses 10 anos, 6% das pessoas mortas eram do sexo feminino Também é menor a proporção de mulheres cumprindo pena no Estado de São Paulo (dezembro 2011) Fonte: INFOPEN e ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

8 Perfil dos mortos: cor Mais da metade (55%) dos mortos na década eram negros (soma de negros e pardos) Distribuição dos mortos pelas Polícias na cidade de São Paulo segundo cor, 2002 a 2011 Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

9 Para problematizar o dado Há uma desproporcional vitimização de negros. Segundo o último censo do IBGE, em 2010 os negros representavam 38% da população da cidade de São Paulo. Naquele ano, 55% dos mortos pelas Polícias eram negros. Fonte: IBGE e ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

10 Perfil dos mortos: faixa etária A grande maioria (80%) era jovem, com idades entre 15 e 29 anos. A faixa com o maior número de mortos a década é a de 20 a 24 anos. Distribuição dos mortos pela Polícia na cidade de São Paulo por faixa etária, 2002 a 2011 Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

11 Para problematizar o dado O perfil de quem morreu por agressões cometidas com armas de fogo também revela uma alta vitimização dos jovens entre 15 e 29 anos (58%) porém menor do que nos casos de intervenção legal. Comparação da distribuição dos mortos por agressão com arma de fogo e mortos por intervenção legal na cidade de São Paulo segundo faixa etária, 2002 a 2011 Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

12 Para problematizar o dado Comparando a distribuição dos jovens mortos por intervenção legal com o de jovens mortos por agressões com armas de fogo, no caso destas mortes as idades mais vitimadas são 21, 20 e 22 anos. No caso das intervenções legais, percebe-se uma concentração de pessoas com 18, 20 e 19 anos. Comparação da distribuição etária dos mortos por agressão com arma de fogo e mortos por intervenção legal na cidade de São Paulo, 2002 a 2011 Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

13 Para problematizar o dado O grupo de 18 a 29 anos corresponde a pouco mais de 50% dos presos cumprindo pena no Estado de São Paulo (dezembro 2011), mas representa 65% dos mortos pelas Polícias em Fonte: INFOPEN e ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

14 Evolução das mortes de jovens na cidade de São Paulo Entre 2002 e 2011, houve um significativo decréscimo das mortes de jovens por agressões com armas de fogo; essa tendência não se verificou em relação às mortes de jovens pelas Polícias. Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

15 Perfil dos mortos: residência A maioria das pessoas mortas pelas Polícias (87%) residia em São Paulo; o restante morava em cidades vizinhas, como Guarulhos, Osasco e Diadema. Dentre os habitantes de São Paulo que morreram por intervenção legal, a maioria residia em distritos na periferia da cidade. Metade das pessoas mortas vivia em apenas 22 distritos de São Paulo sendo a maioria (à exceção do Jabaquara) localizados na periferia.

16 Perfil dos mortos: residência Os 10 distritos administrativos com o maior número de residentes mortos por intervenção legal entre 2002 e 2011: Sapopemba 54 Brasilândia 53 Cidade Tiradentes 39 Capão Redondo 36 Jaraguá 33 Cachoeirinha 31 Itaquera 31 Lajeado 30 Cidade Ademar 29 Cangaíba 28 Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

17 Para problematizar o dado Fonte: ProAim, Elaboração: Instituto Sou da Paz

18

Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas

Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011: panorama das causas e perfil das vítimas Mortes violentas na cidade de São Paulo em 2011 Fabiana Bento e Ligia Rechenberg Organização: Instituto Sou da

Leia mais

REDUÇÃO DE ROUBOS: DESAFIO PARA A SEGURANÇA PÚBLICA

REDUÇÃO DE ROUBOS: DESAFIO PARA A SEGURANÇA PÚBLICA REDUÇÃO DE ROUBOS: DESAFIO PARA A SEGURANÇA PÚBLICA Definição do crime de roubo Art. 157 Código Penal - ROUBO: Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência à

Leia mais

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015

A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil. 02 de Dezembro de 2015 A Incidência de Homicídios entre a População Jovem Negra no Brasil 02 de Dezembro de 2015 Adolescentes são assassinados na Baixada Fluminense Rio de Janeiro Diário da Manhã 02/10/2015 Estudo mostra que

Leia mais

Mortalidade por agressão e uso de drogas ilícitas em Belo Horizonte, 2002 a 2006

Mortalidade por agressão e uso de drogas ilícitas em Belo Horizonte, 2002 a 2006 Mortalidade por agressão e uso de drogas ilícitas em Belo Horizonte, 2002 a 2006 Silva FCD*, Silva VA*, Silva ML**, Barbosa RF*, Drumond EF** *Estagiários e ** Técnicos da GEEPI/SMSA/PBH O número de homicídios

Leia mais

Mortes violentas intencionais na Grande São Luís (2015) Nota Técnica da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH)

Mortes violentas intencionais na Grande São Luís (2015) Nota Técnica da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) Mortes violentas intencionais na Grande São Luís (2015) Nota Técnica da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) São Luís / MA dezembro de 2015 2015: UM ANO DE EXPECTATIVA E FRUSTRAÇÃO NA ÁREA DA

Leia mais

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas Origem dos dados Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Outras formas de obtenção de informações Origem dos

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas 5 Temas especiais: análise de séries temporais de causas de morte selecionadas SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE TENDÊNCIA DO RISCO DE MORTE POR ALGUMAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NAS

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Daniel Cerqueira Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Mais de 60 mil pessoas são assassinadas a cada ano no Brasil; Há um forte viés de cor/raça nessas

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

Morte brasileira: a trajetória de um país

Morte brasileira: a trajetória de um país Retratos da violência Morte brasileira: a trajetória de um país A morte é um grande personagem. De capuz e foice na mão, comove plateias no mundo todo. Mas será esse mesmo o perfil da morte brasileira?

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Declinam as taxas de mortalidade por homicídio em Campinas

Declinam as taxas de mortalidade por homicídio em Campinas Declinam as taxas de mortalidade por homicídio em Campinas Depois de 15 anos de crescimento intenso, as taxas de homicídio do município de Campinas começaram a declinar. Tendo atingido o valor máximo em

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Vitimização e Armas de fogo no Brasil. Claudio Beato CRISP Centro de Estudos em Criminalidade e Segurança Pública

Vitimização e Armas de fogo no Brasil. Claudio Beato CRISP Centro de Estudos em Criminalidade e Segurança Pública Vitimização e Armas de fogo no Brasil Claudio Beato CRISP Centro de Estudos em Criminalidade e Segurança Pública Questões relacionadas ao controle de armas As armas protegem as pessoas? A sociedade está

Leia mais

Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005

Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005 Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005 Luiz Augusto Marcondes Fonseca e José Eluf Neto Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Vítimas fatais da violência e mercado de drogas na Região Metropolitana de São Paulo *

Vítimas fatais da violência e mercado de drogas na Região Metropolitana de São Paulo * Vítimas fatais da violência e mercado de drogas na Região Metropolitana de São Paulo * Samuel Kilsztajn, Anacláudia Rossbach, Manuela Santos Nunes do Carmo, Gustavo Toshiaki Lopes Sugahara, Leandro Bessa

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES COORDENADORIA DE ESTATÍSTICA E EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES COORDENADORIA DE ESTATÍSTICA E EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ SECRETARIA MUNICIPAL DOS TRANSPORTES COORDENADORIA DE ESTATÍSTICA E EDUCAÇÃO NO TRÂNSITO COMPARATIVO DOS ACIDENTES COM ÓBITOS EM ALGUMAS CIDADES PARANAENSES COM TRÂNSITO

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Senhor Presidente: JUSTIFICAÇÃO

Senhor Presidente: JUSTIFICAÇÃO Senhor Presidente: REQUERIMENTO Nº, 2015 Requeremos a Vossa Excelência, nos termos do 3o do art. 58 da Constituição Federal e na forma dos artigos 35 e seguintes do Regimento Interno da Câmara dos Deputados,

Leia mais

o que é muito pouco. E o empoderamento das mulheres só se dará com a inserção delas no mercado de trabalho, comentou a coordenadora do Dandara no

o que é muito pouco. E o empoderamento das mulheres só se dará com a inserção delas no mercado de trabalho, comentou a coordenadora do Dandara no NIQUELÂNDIA O Grupo de Mulheres Negras Dandara no Cerrado, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social de Niquelândia, promoveu na cidade, entre a manhã e a tarde de sexta-feira (23),

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

Curso Formação de Governantes

Curso Formação de Governantes São Paulo, 28 de outubro de 2014 Curso Formação de Governantes Aula: Segurança Pública Pedro Aguerre¹ Premissas para uma visão crítica (1): Concepção multicausal do crime e da violência; História brasileira,

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Análise do relatório ÍNDICE DE VULNERABILIDADE JUVENIL À VIOLENCIA E DESIGUALDADE 2014

Análise do relatório ÍNDICE DE VULNERABILIDADE JUVENIL À VIOLENCIA E DESIGUALDADE 2014 1 Análise do relatório ÍNDICE DE VULNERABILIDADE JUVENIL À VIOLENCIA E DESIGUALDADE 2014 ANALISTA: Dr. Vladimir Luís de Oliveira CURITIBA JANEIRO/2015 TR: VLO 2 ESTADO DO PARANÁ SESP-PR - SECRETARIA DE

Leia mais

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011)

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011) Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (0) Sobre o estudo Objetivo: sistematizar conhecimento sobre vitimização por causas violentas na cidade de São Paulo identificando

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso

Gangues, Criminalidade Violenta e Contexto Urbano: Um Estudo de Caso Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP) Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Sus Determinantes y Politicas

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8

Memorias Convención Internacional de Salud Pública. Cuba Salud 2012. La Habana 3-7 de diciembre de 2012 ISBN 978-959-212-811-8 RISCOS PERCEBIDOS E VIVIDOS POR POLICIAIS CIVIS: ESTUDO COMPARATIVO EM DOIS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Autores: Patricia Constantino Centro Latino Americano de Estudos de Violência e Saúde/CLAVES/FIOCRUZ

Leia mais

Homicídios na cidade de São Paulo: diagnóstico das ocorrências registradas entre janeiro de 2012 e junho de 2013

Homicídios na cidade de São Paulo: diagnóstico das ocorrências registradas entre janeiro de 2012 e junho de 2013 Homicídios na cidade de São Paulo: diagnóstico das ocorrências registradas entre janeiro de 2012 e junho de 2013 Homicídios na cidade de São Paulo: diagnóstico Fabiana Bento e Ligia Rechenberg Organização:

Leia mais

RA Copacabana. Indicadores Rio Como Vamos

RA Copacabana. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Copacabana Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) da Copacabana faz parte da Área de Planejamento 2. A Região Administrativa engloba os bairros Leme

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 2 Maio 2012 Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo As estatísticas de mortalidade produzidas pela Fundação Seade,

Leia mais

Região Metropolitana Oeste de São Paulo

Região Metropolitana Oeste de São Paulo Região Metropolitana Oeste de São Paulo Sub-Região Oeste Fonte: Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo No Estado de São Paulo, 14,5% da população vive com renda familiar menor que ½ salário

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Resultados 2005. Leitura e escrita

Resultados 2005. Leitura e escrita Resultados 2005 Leitura e escrita A evolução do conceito Analfabetismo absoluto X analfabetismo funcional. Alfabetismo capacidade de utilizar a linguagem escrita para diversos fins, para o próprio desenvolvimento

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3 Os Acidentes de Trânsito foram responsáveis por um total de 799 internações nos hospitais SARAH-Brasília, SARAH-Salvador, SARAH-Belo Horizonte e SARAH-São Luís no período de 01/01/2009 a 30/06/2009, correspondendo

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

Este número. A quem serve reduzir a maioridade penal?

Este número. A quem serve reduzir a maioridade penal? CONT A-COENTE A análise da conjuntura econômica na visão e linguagem do sindicalismo classista e dos movimentos sociais Boletim mensal de conjuntura econômica do ILAESE Ano 05, N 57 - Julho de 2015 A quem

Leia mais

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Abril DE 2014 EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Em 2013, cresceu o número de diaristas e diminuiu o de mensalistas com e sem carteira de trabalho. Elevou-se o rendimento médio

Leia mais

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios

Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Fernando Haddad Prefeito Antonio da Silva Pinto Secretário da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial Maurício

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Indicadores técnicos e de percepção

Indicadores técnicos e de percepção Indicadores técnicos e de percepção Observatório Cidadão Nossa São Paulo Banco virtual que disponibiliza um conjunto de indicadores sociais, ambientais, econômicos, políticos e culturais sobre a cidade

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES)

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) As famílias entrevistadas foram selecionadas entre a população cadastrada do PSF em processo composto por três etapas que considerou os seguintes procedimentos:

Leia mais

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012

Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM. Frei David Santos, OFM - out de 2012 Centro de Altos Estudos de Segurança (CAES) da Polícia Militar do Estado de São Paulo DOUTORADO DA PM Frei David Santos, OFM - out de 2012 Dados disponibilizados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

Sexo. Faixa etária. Questionário Sociocultural Campus Campo Grande - RJ 2011. Geral 1 - Sexo: % MASCULINO 44,4% FEMININO 55,6% Total 1204

Sexo. Faixa etária. Questionário Sociocultural Campus Campo Grande - RJ 2011. Geral 1 - Sexo: % MASCULINO 44,4% FEMININO 55,6% Total 1204 1 - Sexo: MASCULINO 44,4 FEMININO 55,6 Sexo FEMININO; 55,6 MASCULINO; 44,4 2 - Qual a sua faixa etária? ATÉ 17 ANOS 0,7 DE 18 A 24 ANOS 36,3 DE 25 A 35 ANOS 42,8 DE 36 A 50 ANOS 17,4 A PARTIR DE 51 ANOS

Leia mais

Análise da violência contra a mulher no estado de Sergipe

Análise da violência contra a mulher no estado de Sergipe Análise da violência contra a mulher no estado de Sergipe Hérica Santos da Silva 1 Alessandro Henrique 1 Tatijana Stosic 1 Roseane de Souza Passos 2 1 Introdução Atualmente a violência contra a mulher

Leia mais

4. População de estudo

4. População de estudo 4. População de estudo A população de estudo é representada por 23.457 indivíduos, residentes em 10.172 domicílios, conforme figura 4.1 abaixo. No Anexo C encontram-se as informações referentes à distribuição

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

Sou da Paz comenta dados da Secretaria da Segurança Pública sobre o 4º trimestre de 2013

Sou da Paz comenta dados da Secretaria da Segurança Pública sobre o 4º trimestre de 2013 Sou da Paz comenta dados da Secretaria da Segurança Pública sobre o 4º trimestre de 2013 Desde o início de 2012 o Instituto Sou da Paz tem se voltado a análise sistemática das estatísticas divulgadas pela

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr

Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr Presente em 20 estados Unidades próprias em Curitiba Sede Administrativa em Curitiba Parque Gráfico em Pinhais - Pr A violência na escola e o mundo onde fica? EMENTA Causa da Violência e Relacionamento

Leia mais

JUVENTUDE VIVA: Plano de enfrentamento à violência contra a juventude negra AGENDA DIREITOS E CIDADANIA

JUVENTUDE VIVA: Plano de enfrentamento à violência contra a juventude negra AGENDA DIREITOS E CIDADANIA JUVENTUDE VIVA: Plano de enfrentamento à violência contra a juventude negra AGENDA DIREITOS E CIDADANIA Sumário Diagnóstico Plano Juventude Viva Desconstrução da Cultura de Violência Inclusão, Emancipação

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

O retrato do comportamento sexual do brasileiro

O retrato do comportamento sexual do brasileiro O retrato do comportamento sexual do brasileiro O Ministério da Saúde acaba de concluir a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. Entre os meses de setembro e novembro de

Leia mais

AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO Violência legalizada Categories : Reportagens Date : 18 de dezembro de 2014 Pública Enquanto manifestações contra a violência policial que atinge os negros ocorrem há meses nos Estados Unidos, o Brasil

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

Cinco mitos que precisam ser quebrados

Cinco mitos que precisam ser quebrados Cinco mitos que precisam ser quebrados Há muitos avanços na luta contra a violência no Brasil. Contudo, ainda vivemos um triste círculo vicioso. Com base em alguns mitos sobre como vencer a violência,

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

Febem apura se maus tratos a internos provocaram rebeliões

Febem apura se maus tratos a internos provocaram rebeliões Clipping produzido pelo Instituto de Políticas Públicas de Segurança da Fundação Santo André INSEFUSA 07/04/2006 Febem apura se maus tratos a internos provocaram rebeliões Diário de São Paulo/Agora São

Leia mais

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Situação epidemiológica da AIDS em Alagoas 1 Registro de caso Total de casos Nº de óbitos Até 06.2010 1986 3842 949 (fonte MS/SVS/Departamento de DST/Aids e

Leia mais

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013

DataSenado. Secretaria de Transparência DataSenado. Março de 2013 Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher DataSenado Março de 2013 Mulheres conhecem a Lei Maria da Penha, mas 700 mil ainda sofrem agressões no Brasil Passados quase 7 desde sua sanção, a Lei 11.340

Leia mais

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Ricardo de Lima Santos Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Queda dos homicídios em São Paulo, Brasil: uma análise descritiva

Queda dos homicídios em São Paulo, Brasil: uma análise descritiva Investigación original / Original research Queda dos homicídios em São Paulo, Brasil: uma análise descritiva Maria Fernanda Tourinho Peres, 1,2 Diego Vicentin, 2 Marcelo Batista Nery, 2 Renato Sérgio de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

LEI Nº 2.525, DE 18 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 2.525, DE 18 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 2.525, DE 18 DE JUNHO DE 2009. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre autorização

Leia mais

Agentes da TransformAção O Censo da Juventude das Áreas Pacificadas

Agentes da TransformAção O Censo da Juventude das Áreas Pacificadas Instituto Pereira Passos O RIO A GENTE CONHECE Agentes da TransformAção O Censo da Juventude das Áreas Pacificadas Censo da Juventude Universo: 5,4 mil jovens de 14 a 24 anos ouvidos Respostas sobre a

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Turismo AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Turismo AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Turismo AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 Sexo MASCULINO; 23,2% DE 36 A 50 ANOS; 7,9% A PARTIR DE 51 ANOS; Faixa etária ATÉ 17 ANOS;

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Redes de Computadores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Redes de Computadores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Redes de Computadores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 FEMININO; 1 Sexo MASCULINO; 89,3% MASCULINO FEMININO A PARTIR DE 51 ANOS;

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Marketing AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Marketing AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Marketing AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 Sexo MASCULINO; 35,6% DE 36 A 50 ANOS; 8,0% A PARTIR DE 51 ANOS; 1,8% Faixa etária ATÉ

Leia mais

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Nutrição AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Nutrição AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NÚCLEO FORTALEZA Questionário Sóciocultural Curso Nutrição AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FORTALEZA, 21 DE JULHO DE 2011 FEMININO; 90,4% Sexo MASCULINO; 9,6% MASCULINO FEMININO DE 36 A 50 ANOS; 7,1% A PARTIR

Leia mais

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA

SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA SÃO PAULO SOB O OLHAR DAS CONSULTORAS NATURA Metodologia e Amostra Pesquisa junto às consultoras Natura da cidade de São Paulo. Metodologia quantitativa, questionário auto-preenchido COLETA DOS DADOS Setembro

Leia mais

Violência Doméstica no Brasil

Violência Doméstica no Brasil Violência Doméstica no Brasil Breve perfil das agressões domésticas no Brasil com base nos registros da Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 e dados obtidos junto às s Secretarias de Segurança Pública

Leia mais