MECÂNICA APLICADA. FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS E MOTORES CICLO OTTO E DIESEL (2 e 4 TEMPOS) PROF Msc. Rui Casarin

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MECÂNICA APLICADA. FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS E MOTORES CICLO OTTO E DIESEL (2 e 4 TEMPOS) PROF Msc. Rui Casarin"

Transcrição

1 MECÂNICA APLICADA FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS E MOTORES CICLO OTTO E DIESEL (2 e 4 TEMPOS) PROF Msc. Rui Casarin

2 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO Máquinas Implementos Ferramentas Operações Agrícolas Florestais Zootécnicas Manejo do solo Colheita

3 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO MÁQUINAS E IMPLEMENTOS Tratorizados Autopropelidos Montado Arrasto Terminologia ( EIRA - ORA )

4 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO TRATORIZADOS

5 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO AUTOPROPELIDO

6 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO AUTOPROPELIDO

7 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO MONTADO

8 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO ARRASTO

9 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO TERMINOLOGIA EIRA EXEMPLO: CORTADEIRA

10 CONCEITOS BÁSICOS DE MECANIZAÇÃO TERMINOLOGIA ORA EXEMPLO: COLHEDORA

11 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA HUMANA: 10% DO PESO VIVO (0,1 CV)

12 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA HUMANA: 10% DO PESO VIVO (0,1 CV)

13 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA HUMANA: 10% DO PESO VIVO (0,1 CV)

14 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA POLÍTICOS...

15 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA ANIMAL ESPÉCIE CAPACIDADE DE CARGA EM % DO PESO VIVO DISTÂNCIA PERCORRIDA EM km/dia EQÜINOS 45 a a 30 MUARES 55 a a 35 ASININOS 60 a a 40

16 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA ANIMAL (EQÜINOS) POTÊNCIA APROXIMADA DE 1cv

17 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA ANIMAL (BOVINOS) POTÊNCIA APROXIMADA DE 1cv

18 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA ANIMAL (MUARES) POTÊNCIA APROXIMADA DE 1cv

19 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA ANIMAL (ASININOS) POTÊNCIA APROXIMADA DE 1cv

20 FONTES DE POTÊNCIA NA AGRICULTURA FORÇA ANIMAL (ASININOS) POTÊNCIA APROXIMADA DE 1cv

21 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA EÓLICA

22 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA EÓLICA

23 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA EÓLICA

24 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA SOLAR

25 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA SOLAR

26 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA SOLAR

27 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA HIDRAÚLICA

28 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA HIDRAÚLICA

29 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA HIDRAÚLICA

30 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA HIDRAÚLICA

31 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA DA BIOMASSA

32 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS ENERGIA GEOTÉRMICA

33 ENERGIA ELÉTRICA É uma das formas de energia que o homem mais utiliza na atualidade, graças a sua facilidade de transporte, baixo índice de perda energética durante conversões.

34 FONTES DE POTÊNCIA RENOVÁVEIS

35 TIPOS DE MOTORES O MOTOR É UM CONJUNTO DE MECANISMOS QUE TRANSFORMA A ENERGIA X EM ENERGIA MECÂNICA. Eólicos: fluxo de ar; Hidráulicos: pressão de óleo; Elétricos: corrente elétrica; Térmicos: calor.

36 MOTORES TÉRMICOS COMBUSTÃO EXTERNA: QUEIMA OCORRE FORA DO MOTOR (MOTOR A VAPOR) COMBUSTÃO INTERNA: QUEIMA OCORRE DENTRO DO MOTOR (MOTOR CICLO OTTO E DIESEL).

37 HISTÓRICO MOTORES TÉRMICOS De combustão externa: produção externa de calor; Motores das locomotivas a vapor. Atualmente o princípio é utilizado nas Usinas Termoelétricas, podendo utilizar combustível fóssil ou Nuclear.

38 HISTÓRICO MOTORES TÉRMICOS De combustão interna: produção de calor no interior do próprio motor. São os motores utilizados na propulsão de Tratores e Máquinas Agrícolas.

39 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) HISTÓRICO CONCEITOS SOBRE CALOR Até início de 1800 o calor era considerado um fluido chamado calórico; 1783: LAPLACE e LAVOISIER introduziram o conceito de calor especifico; 1842: MAYER e POISSON calcularam a equivalência do trabalho em calor e definiram a equação do gás ideal;

40 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) HISTÓRICO CONCEITOS SOBRE CALOR 1847: 1a. Lei da Termodinâmica Todas as formas de energia são mutuamente conversíveis e, a energia de um sistema fechado e isolado permanece constante ; 1865: 2a. Lei da Termodinâmica É impossível em uma máquina qualquer, sem auxílio externo, o transporte do calor de um corpo para um outro mais quente ;

41 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) HISTÓRICO DESENVOLVIMENTO DOS MOTORES 1652: Padre HAUTEFOILLE propõe a construção de um motor aproveitando a força expansiva dos gases provenientes da combustão da pólvora num cilindro fechado; 1821: W. CECIL desenvolveu um motor que funcionava com mistura de ar e hidrogênio, que foi realmente o primeiro motor a funcionar com sucesso.

42 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) HISTÓRICO DESENVOLVIMENTO DOS MOTORES 1878: NICOLAS OTTO, alemão, caxeiro viajante e sócio de uma fabrica de motores a gás, é o inventor do motor de combustão por centelha; 1893: RUDOLF DIESEL, alemão, engenheiro, é o inventor do motor de combustão por compressão.

43 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) HISTÓRICO DESENVOLVIMENTO DOS MOTORES

44 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) HISTÓRICO DESENVOLVIMENTO DOS MOTORES

45 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Motor de combustão interna: é uma máquina térmica, que transforma a energia proveniente de uma REAÇÃO QUÍMICA em ENERGIA MECÂNICA. O processo de conversão se dá através de CICLOS TERMODINÂMICOS que envolvem expansão, compressão e mudança de temperatura de gases.

46 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) ÓRGÃOS CONSTITUINTES (4 TEMPOS) A. ÓRGÃOS FUNDAMENTAIS - Bloco - Cabeçote - Cárter - Pistão - Biela - Girabrequim - Volante Válvulas

47 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) ÓRGÃOS CONSTITUINTES (4 TEMPOS) B. ÓRGÃOS COMPLEMENTARES - Sistema de válvula - Sistema de alimentação de ar - Sistema de lubrificação - Sistema de refrigeração

48 ÓRGÃOS FUNDAMENTAIS (4 TEMPOS) PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS BLOCO DO MOTOR CABEÇOTE CÁRTER CILINDRO (CAMISA) CÂMARA DE COMBUSTÃO

49 ÓRGÃOS FUNDAMENTAIS (4 TEMPOS) PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS VIRABREQUIM VOLANTE PISTÃO ANÉIS BIELA VÁLVULAS COMANDO DE VÁLVULAS

50 PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS BLOCO DO MOTOR FUNÇÃO: SUSTENTAR AS DEMAIS PARTES DO MOTOR

51 PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS CABEÇOTE FUNÇÃO: FECHA O BLOCO NA PARTE SUPERIOR E SUSTENTA AS VÁLVULAS.

52 PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS CÁRTER FUNÇÃO: FECHA O BLOCO NA PARTE INFERIOR E ARMAZENA O ÓLEO DO MOTOR.

53 PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS CILINDRO FUNÇÃO: ALOJA O PISTÃO E FAZ LUBRIFICAÇÃO E ARREFECIMENTO.

54 PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS CAMISA DO CILINDRO FUNÇÃO: AS LINHAS DE BRUNIMENTO SÃO RESERVATÓRIOS DE ÓLEO.

55 PRINCIPAIS COMPONENTES FIXOS CÂMARA DE COMBUSTÃO FUNÇÃO: É O ESPAÇO EM QUE OCORREM AS EXPLOSÕES DA MISTURA AR-COMBUSTÍVEL EM UM MOTOR.

56 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS VIRABREQUIM FUNÇÃO: TRANSFORMA O MOVIMENTO ALTERNATIVO DO PISTÃO EM CIRCULAR.

57 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS VIRABREQUIM FUNÇÃO: TRANSFORMA O MOVIMENTO ALTERNATIVO DO PISTÃO EM CIRCULAR. CONTRAPESOS MANCAIS EXTREMOS (MUNHÕES)

58 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS VOLANTE FUNÇÃO: O VOLANTE DO MOTOR AUXILIA O VIRABREQUIM A TRANSFORMA O MOVIMENTO LINEAR DOS PISTÕES EM MOVIMENTO CIRCULAR (ROTAÇÃO).

59 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS VOLANTE FUNÇÃO: TRATA-SE DE UMA PEÇA DE MATERIAL PESADO, UNIDO AO VIRABREQUIM DO MOTOR, AJUDANDO A MANTER O EQUILÍBRIO E REDUÇÃO DAS VIBRAÇÕES.

60 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS PISTÃO FUNÇÃO: RECEBE A PRESSÃO DA COMBUSTÃO, INICIANDO O MOVIMENTO ALTERNATIVO DE SUBIDA E DESCIDA.

61 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS ANÉIS FUNÇÃO: VEDAÇÃO (COMPRESSÃO) E LIMPEZA. COMPRESSÃO ANÉIS DE COMPRESSÃO ANÉIS DE LUBRIFICAÇÃO

62 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS ANÉIS TEMPERATURA DE COMBUSTÃO 800 C COROA DO PISTÃO ANÉIS DE COMPRESSÃO ANÉIS DE LUBRIFICAÇÃO CAMISA DO CILINDRO SAIA DO PISTÃO GASES

63 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS BIELA FUNÇÃO: LIGAR O PISTÃO AO VIRABREQUIM CORPO PÉ (PISTÃO) CABEÇA (VIRABREQUIM)

64 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS VÁLVULAS FUNÇÃO: A VÁLVULA PERMITIR OU BLOQUEAR A ENTRADA OU A SAÍDA DE GASES DOS CILINDROS DO MOTOR.

65 PRINCIPAIS COMPONENTES MÓVEIS COMANDO DE VÁLVULAS FUNÇÃO: COMANDO ABERTURA E FECHAMENTO DAS VÁLVULAS, TANTO DE ADMISSÃO COMO DE ESCAPE.

66

67 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) PONTOS MORTOS SÃO OS PONTOS MÁXIMOS QUE O PISTÃO ATINGE EM SEU DESLOCAMENTO DENTRO DA CÂMARA. PONTO MORTO SUPERIOR (PMS) PONTO MÁXIMO QUE O PISTÃO ATINGE NO SEU MOVIMENTO ASCENDENTE. PONTO MORTO INFERIOR (PMI) PONTO MÁXIMO QUE O PISTÃO ATINGE NO SEU MOVIMENTO DESCENDENTE.

68 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) PONTO MORTO SUPERIRO (PMS) PMS PMI

69 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) PONTO MORTO INFERIOR (PMI) PMS PMI

70 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) CICLOS TERMODINÂMICOS CICLO OTTO 4 TEMPOS (ADMISSÃO, COMPRESSÃO, EXPLOSÃO E ESCAPE).

71 CICLO OTTO ADMISSÃO O pistão começa no PMS, a válvula de admissão abre e o pistão desce ao PMI, permitindo que toda a câmara seja preenchida com ar misturado com uma quantia muito pequena de combustível (como por exemplo gasolina);

72 CICLO OTTO COMPRESSÃO A válvula de admissão fecha e o pistão então começa a ascender para o PMS, comprimindo o ar e o combustível dentro da câmara (aumentando a pressão e a temperatura da mistura);

73 CICLO OTTO EXPLOSÃO Quando o pistão alcança o PMS do seu curso, a vela de ignição libera uma pequena faísca que inflama a gasolina. O combustível então libera uma pequena explosão de gás em expansão empurrando o pistão para o PMI;

74 CICLO OTTO ESCAPE Assim que o pistão atinge o PMI a válvula de exaustão se abre, permitindo que o gás residual da combustão seja exaurido da câmara pelo movimento do pistão ao PMS. Assim que o pistão alcançar novamente sua posição mais alta o ciclo recomeça.

75 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) CICLOS TERMODINÂMICOS CICLO DIESEL 4 TEMPOS (ADMISSÃO, COMPRESSÃO, EXPLOSÃO E ESCAPE).

76 CICLO DIESEL ADMISSÃO De maneira similar ao motor a gasolina, o pistão vai para o PMI e o ar é admitido para dentro da câmara através da válvula admissão. Entretanto, o ar admitido é puro, sem mistura de combustível.

77 CICLO DIESEL COMPRESSÃO As válvulas se fecham, encerrando o ar dentro da câmara. O pistão sobe ao PMS, comprimindo o ar, à medida que o ar se comprime a temperatura aumenta

78 CICLO DIESEL EXPLOSÃO Quando o pistão alcança o PMS do seu curso e o ar comprimido encontra-se em alta temperatura, o bico injetor injeta o Diesel que inflama espontaneamente;

79 CICLO DIESEL EXPLOSÃO (FUN. BICO INJETOR) Uma linha pressurizada de combustível é fornecida ao bico injetor pela bomba injetora; Uma agulha com a atuação de uma mola mantém o bico fechado, quando a pressão do combustível é o suficiente para vencer a constante da mola, a agulha é empurrada para cima, permitindo a passagem do combustível, que é por sua vez, borrifado para dentro da câmara de combustão em forma de um leque cone; Há uma linha de retorno para que o combustível excedente possa retornar ao sistema.

80 CICLO DIESEL ESCAPE Assim que o pistão atinge o PMI a válvula de exaustão é aberta, permitindo que a gás residual da combustão seja exaurido da câmara de combustão e permitindo que o ciclo recomece.

81

82 CICLOS TERMODINÂMICOS (4 TEMPOS) ADMISSÃO COMPRESSÃO EXPLOSÃO ESCAPE

83 MOTORES MULTICILINDROS (4 CILINDROS) ORDEM DE IGNIÇÃO CIL EXPLOSÃO ADMISSÃO ESCAPE COMPRESSÃO 2 ESCAPE COMPRESSÃO ADMISSÃO EXPLOSÃO 3 ADMISSÃO EXPLOSÃO COMPRESSÃ ESCAPE 4 COMPRESSÃO ESCAPE EXPLOSÃO ADMISSÃO

84 COMPARATIVO ENTRE MOTORES DO CICLO OTTO E DIESEL VARIÁVEL OTTO DIESEL Pressão no fim da compressão Teor de mistura arcombustível Tempo de formação da mistura Formação da mistura Volatibilidade do combustível Temperatura dos gases de descarga 8 a 15 kgf/cm 2 40 a 50 kgf/cm 2 11/1 a 17/1 20/1 a 50/1 Antes da combustão No carburador/tubo coletor Alta Simultânea a combustão Na câmara ou précâmara Baixa 800ºC 600ºC Custo de fabricação Baixo Alto Rendimento Térmico Menor Maior Ignição Centelha elétrica Compressão Taxa de compressão 6/1 a 12/1 18/1 a 23/1 Relação Peso/Potência Menor Maior

85 MOTORES COMBUSTA INTERNA (M.C.I.) CICLOS TERMODINÂMICOS 2 TEMPOS [(COMPRESSÃO + ADMISSÃO NO CÁRTER) E (EXPLOSÃO + ADMISSÃO NO CILINDRO + ESCAPE)].

86 CICLOS TERMODINÂMICOS (2 TEMPOS ) Estes motores freqüentemente não possuem válvulas propriamente ditas, têm duas janelas na parede da câmara de combustão, para comunicá-la com o exterior e o cárter:

87 CICLOS TERMODINÂMICOS (2 TEMPOS ) À medida que ocorre o movimento ascendente do êmbolo, este obstrui as janelas, e em seguida comprime a mistura gasosa existente na parte superior do cilindro.

88 CICLOS TERMODINÂMICOS (2 TEMPOS ) Ao mesmo tempo cria-se um vácuo no cárter, que força a admissão de ar atmosférico no interior do mesmo.

89 CICLOS TERMODINÂMICOS (2 TEMPOS ) Quando o êmbolo atinge o PMS dá-se a ignição, devido à libertação da faísca na vela. Os gases pressionam o pistão em direcção ao PMI, produzindo assim trabalho, movimentando o virabrequim.

90 CICLOS TERMODINÂMICOS (2 TEMPOS ) Próximo ao PMI, o pistão abre a janela de transferência. Ao mesmo tempo, seu movimento descendente pressuriza o carter, forçando a nova mistura a penetrar na câmara o que também contribui na exaustão de gases de combustão.

91 CICLOS TERMODINÂMICOS (2 TEMPOS )

92 OBRIGADO!!!

Motores de Combustão Interna

Motores de Combustão Interna 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

Máquinas Térmicas Τ = Q Q 1 2 T

Máquinas Térmicas Τ = Q Q 1 2 T Máquinas Térmicas T Τ = Q Q 1 2 O Refrigerador Ciclo Otto Motor à combustão Ciclo Otto Motor à combustão Ciclo Otto Motor à combustão Ciclo Otto Motor à combustão 1- Admissão 2- Compressão 3- Explosão

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas.

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas. 1 3.0 Descrição do Funcionamento dos Motores O conjunto de processo sofrido pelo fluido ativo que se repete periodicamente é chamado de ciclo. Este ciclo pode acontecer em 2 ou 4 tempos. Figura 3: Nomenclatura

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Motor de combustão interna

Motor de combustão interna 38 4 Motor de combustão interna 4.1 Considerações gerais Os motores de combustão interna são máquinas térmicas alternativas, destinadas ao suprimento de energia mecânica ou força motriz de acionamento.

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA FRANCISCO LORENZO MAGALHÃES LIMA INÊS FERNANDES MOURA SOARES MARIANA MORAIS SANTOS GIL DA COSTA NUNO FILIPE PINTO MARTINS SILVA PEDRO JOSÉ DA SILVA CARVALHO PEREIRA DE SOUSA

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 MÁQUINAS TÉRMICAS MOTORES A PISTÃO Também conhecido como motor alternativo, por causa do tipo de movimento do pistão.

Leia mais

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1

Motores alternativos de combustão interna. Parte 1 Motores alternativos de combustão interna Parte 1 Introdução Sistemas de potência utilizando gás: Turbinas a gás Motores alternativos (ICE, ICO) Ciclos a gás modelam estes sist. Embora não trabalhem realmente

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993

TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993 TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993 2 ÍNDICE 1- Introdução... 3 2- Constituição dos motores de combustão interna de quatro tempos... 3 2.1- Cabeça motor... 4 2.2- Bloco motor... 4 2.3- O cárter de

Leia mais

Componente curricular: Mecanização Agrícola. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Mecanização Agrícola. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Mecanização Agrícola Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Mecanização agrícola. 1. Motores agrícola. Agricultura moderna: uso dos tratores agrícolas.

Leia mais

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Instituto de Tecnologia - Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Carlos Alberto Alves Varella [1] [1] Professor. Universidade

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

Operação: Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL).

Operação: Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL). Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL). Operação: Nos motores de ignição por compressão, apenas ar é induzido para dentro do cilindro no tempo de admissão.

Leia mais

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES 1. SISTEMA DE VÁLVULAS 2. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3. SISTEMA DE ARREFECIMENTO 4. SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO 5. SISTEMA ELÉTRICO SISTEMA DE VÁLVULAS Responsável pelo fechamento

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO COLHEITA NA AUSTRALIA Hoje nós temos que preocupar não só em aprimorar as MÁQUINAS, mas também os OPERADORES que com elas trabalham. PARTES CONSTITUINTES

Leia mais

História do Automóvel

História do Automóvel Tração elétrica em SP: poluição zero São Paulo estuda alternativas para um transporte coletivo ecológico. Perspectiva envolve projetos de ônibus com tração elétrica desenvolvida pela WEG para atender mais

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica 2014/2015 Relatório -Turma 1M06 Supervisor: Teresa Duarte Monitor: José Sarilho Trabalho realizado por: Eduardo Miranda Moreira da

Leia mais

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO Os motores de combustão podem ser classificados como do tipo de COMBUSTÃO EXTERNA, no qual o fluido de trabalho está completamente separado da mistura

Leia mais

Motores a combustão interna

Motores a combustão interna Motores a combustão interna 1 Sumário Página 1. Histórico... 3 2. Definição de motores... 3 3. Tipos de motores... 4 3.1 Motores a combustão externa... 4 3.2 Motores a combustão interna... 4 4. Motores

Leia mais

Sensores de detonação (KS ou Knock Sensor)

Sensores de detonação (KS ou Knock Sensor) Flavio Xavier www.flaviocursos.com.br Técnico em injeção eletronica Sensores de detonação Página Sensores de detonação (KS ou Knock Sensor) Flavio Xavier www.flaviocursos.com.br Técnico em injeção eletronica

Leia mais

Fontes de potência para acionamento de máquinas agrícolas

Fontes de potência para acionamento de máquinas agrícolas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Fontes de potência para acionamento de máquinas

Leia mais

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p Química Termodinâmica Exercícios de Fixação 06. Um gás ideal, com C p = (5/2)R e C v = (3/2)R, é levado de P 1 = 1 bar e V 1 t = 12 m³ para P 2 = 12 bar e V 2 t = 1m³ através dos seguintes processos mecanicamente

Leia mais

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Ciclos de operação Motores alternativos: O pistão move-se pra frente e pra trás no interior de um cilindro transmitindo força para girar um eixo (o virabrequim) por meio de um sistema de biela e manivela.

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA

ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA Aluno: Dayana Siqueira de Azevedo Orientador: Carlos Valois Maciel Braga Introdução Hoje em dia, muitas pesquisas estão

Leia mais

IT-154 MOTORES E TRATORES

IT-154 MOTORES E TRATORES IT-154 MOTORES E TRATORES Laboratório de Máquinas e Energia na Agricultura Professor: Carlos Alberto Alves Varella Engenheiro Agrônomo, UFRRJ, 1983 Modalidade Engenharia Agrícola Mestre em Fitotecnia,

Leia mais

Apostila Didática Nº 2. Motores de Combustão Interna. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva

Apostila Didática Nº 2. Motores de Combustão Interna. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Apostila Didática Nº 2 Motores de Combustão Interna Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Jaboticabal SP 2006 1 INDICE 1. Introdução..............................................................

Leia mais

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor.

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7.1. Torque Quando você faz força para desrosquear uma tampa de um vidro de conservas com a mão, se está aplicando torque. O torque é

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I LEB0332 Mecânica e Máquinas Motoras Prof. Leandro M. Gimenez 2017 TÓPICOS Motores de combustão interna I Aspectos teóricos,

Leia mais

COMPRESSOR DE AR COMPRIMIDO

COMPRESSOR DE AR COMPRIMIDO Definição: Os compressores podem ser definidos como estruturas mecânicas industriais destinadas a elevar a energia utilizável de ar pelo aumento de sua pressão. Necessita de cuidados para manter sua plena

Leia mais

Introdução ao estudo dos motores alternativos (Adaptação de : Giacosa, Dante, 1970. Motores Endotérmicos. 3ª Edicion.Barcelona.Hoepli - Ed.

Introdução ao estudo dos motores alternativos (Adaptação de : Giacosa, Dante, 1970. Motores Endotérmicos. 3ª Edicion.Barcelona.Hoepli - Ed. Introdução ao estudo dos motores alternativos (Adaptação de : Giacosa, Dante, 1970. Motores Endotérmicos. 3ª Edicion.Barcelona.Hoepli - Ed. Científico Médica) 1982 1 - Conceitos fundamentais 2 Os motores

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Propriedades Físicas do Ar Compressibilidade O ar permite reduzir o seu volume quando sujeito à ação de uma força exterior.

Propriedades Físicas do Ar Compressibilidade O ar permite reduzir o seu volume quando sujeito à ação de uma força exterior. COMPRESSORES DE AR AR COMPRIMIDO O ar comprimido necessita de uma boa preparação para realizar o trabalho proposto: remoção de impurezas, eliminação de umidade para evitar corrosão nos equipamentos, engates

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MOTORES ALTERNATIVOS DE COMBUSTÃO INTERNA Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 MACI Ciclo Otto Em 1862, Beau de Rochas enunciou o ciclo de quatro tempos que, primeiramente, o alemão

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

COMPRESSORES. Ruy Alexandre Generoso

COMPRESSORES. Ruy Alexandre Generoso COMPRESSORES Ruy Alexandre Generoso É o componente básico de qualquer sistema pneumático. O ar é comprimido em um sistema pneumático, de forma que possa ser usado para puxar, empurrar, realizar trabalho

Leia mais

Válvulas controladoras de vazão

Válvulas controladoras de vazão Generalidades Válvula controladora de vazão variável Válvula de controle de vazão variável com retenção integrada Métodos de controle de vazão Válvula de controle de vazão com pressão compensada temperatura

Leia mais

Atuadores e válvulas

Atuadores e válvulas A UU L AL A Atuadores e válvulas Você já viu nas aulas anteriores que é possível transformar energia elétrica em energia mecânica por meio de uma máquina: o motor elétrico. Na indústria atual, o motor

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

lubrificantes e combustíveis

lubrificantes e combustíveis lubrificantes e combustíveis Lubrificantes A lubrificação é um dos principais itens de manutenção de máquinas agrícolas e deve ser entendida e praticada para aumento da vida útil das mesmas,devido se tornarem

Leia mais

TERMODINÂMICA Exercícios

TERMODINÂMICA Exercícios Escola Superior de Tecnologia de Abrantes TERMODINÂMICA Exercícios Professor: Eng. Flávio Chaves Ano lectivo 2003/2004 ESCALAS DE PRESSÃO Problema 1 Um óleo com uma massa específica de 0,8 kg/dm 3 está

Leia mais

Ciclo de potência: ciclo durante o qual uma quantidade líquida de trabalho é produzida Ciclo a gás: ciclo no qual o fluido de trabalho permanece no

Ciclo de potência: ciclo durante o qual uma quantidade líquida de trabalho é produzida Ciclo a gás: ciclo no qual o fluido de trabalho permanece no Ciclo de potência a gás Ciclo de potência: ciclo durante o qual uma quantidade líquida de trabalho é produzida Ciclo a gás: ciclo no qual o fluido de trabalho permanece no estado gasoso Ciclos real e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Departamento de Tecnologia Agroindustrial Gestão de Produção do Setor Sucroalcooleiro

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Departamento de Tecnologia Agroindustrial Gestão de Produção do Setor Sucroalcooleiro UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Departamento de Tecnologia Agroindustrial Gestão de Produção do Setor Sucroalcooleiro SISTEMAS DE COGERAÇÃO Thiago Chiericato Ribeirão Preto 03/2010 2 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA

ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA 1680 Holandês Huygens propôs o motor movido à pólvora; 1688 Papin, físico e inventor francês, desenvolve motor à pólvora na Royal Society de Londres. O motor

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Caderno de Provas REFRIGERAÇÃO E CLIMATIZAÇÃO Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

MANUAL DE SERVIÇO MOTORES

MANUAL DE SERVIÇO MOTORES 1 Prefácio As descrições e instruções contidas neste manual são baseadas nos métodos de construção até Maio de 2010. Os equipamentos produzidos após esta data poderão ter valores e métodos de reparo diferentes.

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 21 Medição e Regulagem do Superaquecimento e Sub-resfriamento 03/05 Neste boletim vamos abordar os procedimentos de verificação e regulagem do Superaquecimento através da válvula

Leia mais

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna Sistemas auxiliares dos motores SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO O sistema de lubrificação tem como função distribuir o óleo lubrificante entre partes móveis

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Nome:...N o...turma:... Data: / / ESTUDO DOS GASES E TERMODINÂMICA

Nome:...N o...turma:... Data: / / ESTUDO DOS GASES E TERMODINÂMICA Ensino Médio Nome:...N o...turma:... Data: / / Disciplina: Física Dependência Prof. Marcelo Vettori ESTUDO DOS GASES E TERMODINÂMICA I- ESTUDO DOS GASES 1- Teoria Cinética dos Gases: as moléculas constituintes

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Definição de Motores de Combustão Interna São Máquinas Térmicas Motoras nas quais a energia química dos combustíveis se transforma em trabalho mecânico (o fluido de trabalho

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

Constituição dos motores de combustão interna

Constituição dos motores de combustão interna Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia Área de Máquinas e Energia na Agricultura Constituição dos motores de combustão interna IT154 Motores e Tratores Carlos Alberto Alves Varella varella.caa@gmail.com

Leia mais

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS

HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DAS USINAS Histórico da evolução das Usinas de Asfalto. USINAS VOLUMÉTRICAS. USINAS BATCH ou GRAVIMÉTRICAS. USINAS DRUM MIX FLUXO PARALELO. USINAS CONTRA FLUXO O processo volumétrico

Leia mais

MOTORESDE COMBUSTÃOINTERNA. RobsonGuedesdeSousaeGlaucoBuenodaSilva

MOTORESDE COMBUSTÃOINTERNA. RobsonGuedesdeSousaeGlaucoBuenodaSilva MOTORESDE COMBUSTÃOINTERNA RobsonGuedesdeSousaeGlaucoBuenodaSilva CONTROLEDEPROCESSOSINDUSTRIAIS Autor Robson Guedes de Sousa Mestrando em ciências mecânicas pela Universidade de Brasília (UnB), graduado

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105304 (51) Classificação Internacional: F24D 17/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.09.23 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Corte com jato de água

Corte com jato de água A U A UL LA Corte com jato de água Você certamente já ouviu o ditado água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Então, furar pedra usando água você já sabe que dá, não é mesmo? Basta um pouco de

Leia mais

Acumuladores de energia

Acumuladores de energia Acumuladores de energia Aula 4 Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura Definição: Acumuladores de Energia Componente mecânicos simples cuja função básica é armazenar energia hidráulica

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

CONHECIMENTOS ELEMENTARES DE MECÂNICA DE AUTOMÓVEIS

CONHECIMENTOS ELEMENTARES DE MECÂNICA DE AUTOMÓVEIS CONHECIMENTOS ELEMENTARES DE MECÂNICA DE AUTOMÓVEIS Para a perfeita condução de um veículo, é necessário conhecermos um pouco dos sistemas que o compõe. Deste procedimento, resulta a manutenção preventiva,

Leia mais

Curriculum de Mecânica dos Fluidos

Curriculum de Mecânica dos Fluidos Curriculum de Mecânica dos Fluidos A Nível I Introdução à Mecânica dos Fluidos (30 horas) A.1 - Princípios e grandezas físicas em Mecânica dos Fluidos A1.1 Conceitos físico-matemáticos elementares A.1.1.1

Leia mais

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR

DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR DIFERENÇA ENTRE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA E TÉRMICA DAVANTISOLAR.COM.BR ÍNDICE 01. Sol 02. Energia Solar 03. Térmica 04. Como funciona? 05. Fotovoltaica 06. Como Funciona? 07. Por que investir em Energia

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

SISTEMA HIDRÁULICO. Cilindros hidráulicos Válvulas direcionais Bombas Filtros Reservatórios Circuitos hidráulicos básicos CILINDROS HIDRÁULICOS

SISTEMA HIDRÁULICO. Cilindros hidráulicos Válvulas direcionais Bombas Filtros Reservatórios Circuitos hidráulicos básicos CILINDROS HIDRÁULICOS SISTEMA HIDRÁULICO A unidade hidráulica é destinada ao acionamento dos pistões de aperto do abafador à base, composta de duas bombas (sendo uma de reserva), e dos respectivos acessórios de supervisão,

Leia mais

CAPÍTULO 16 - Filtro de Particulado

CAPÍTULO 16 - Filtro de Particulado CAPÍTULO 16-16 Este dispositivo, utilizado no sistema de pós-tratamento diesel, tem por objetivo a eliminação ou redução do material particulado presente nos gases de escape. Em operação, as partículas

Leia mais

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA ESTUDO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO 1 TREM DE FORÇA SISTEMA MECÂNICO Diferencial Motor Câmbio Embreagem FUNCIONAMENTO DO MOTOR Motor

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O

SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O 1/7 1 2 SISTEMA CONJUGADO DE EXAUSTÃO E ADMISSÃO PARA OS MOTORES A COMBUSTÃO INTERNA DO CICLO DE DOIS TEMPOS O motor do ciclo de dois tempos remonta aos primórdios da utilização dos motores do tipo à combustão

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento inicial das turbinas, ocorreu

Leia mais

Segurança em Sistemas Pneumáticos

Segurança em Sistemas Pneumáticos Segurança em Sistemas Pneumáticos Celso Tadeu Carciofi LÍDER NA TECNOLOGIA DE VÁLVULAS DE SEGURANÇA PARA PRENSAS DESDE 1950 2005 2000 1995 1980 1976 1967 1962 1954 Segurança em Sistemas Pneumáticos Comando

Leia mais

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores.

Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Módulo VI - Processos Isentrópicos Eficiência Isentrópica em Turbinas, Bombas, Bocais e Compressores. Processos Isentrópicos O termo isentrópico significa entropia constante. Eficiência de Dispositivos

Leia mais

Combustão e Emissões. CAPÍTULO 3 - Combustão e Emissões PROCESSO DE COMBUSTÃO. 12 Humberto José Manavella - HM Autotrônica.

Combustão e Emissões. CAPÍTULO 3 - Combustão e Emissões PROCESSO DE COMBUSTÃO. 12 Humberto José Manavella - HM Autotrônica. Combustão e Emissões 3 través do processo de combustão, a energia contida no combustível é liberada e transformada em trabalho mecânico ou potência. Para que a energia disponível não seja desperdiçada,

Leia mais

Energia. Fontes e formas de energia

Energia. Fontes e formas de energia Energia Fontes e formas de energia Energia está em tudo que nos rodeia! Nestas situações associa-se energia à saúde ou à actividade. Energia está em tudo que nos rodeia! Diariamente, ouvimos ou lemos frases

Leia mais

PRINCÍPIOS DE LUBRIFICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE LUBRIFICAÇÃO PRINCÍPIOS DE LUBRIFICAÇÃO Baseado no principio de que qualquer movimento relativo entre dois corpos (sólidos, líquidos e mesmo gasosos) leva ao surgimento do chamado atrito. Fenômeno que se opõe ao movimento

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I ÁCIDO SULFÚRICO ENXOFRE É uma das matérias-primas básicas mais importantes da indústria química. Existe na natureza em forma livre e combinado em minérios, como a pirita

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS - 9 ANO

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS - 9 ANO EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS - 9 ANO 1- Com a finalidade de diminuir a dependência de energia elétrica fornecida pelas usinas hidroelétricas no Brasil, têm surgido experiências bem sucedidas no uso de

Leia mais

INSTRUMENTOS E DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE CALDEIRAS

INSTRUMENTOS E DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE CALDEIRAS INSTRUMENTOS E DISPOSITIVOS DE CONTROLE DE CALDEIRAS Tipos de caldeiras flamotubulares Caldeiras flamotubulares ou fogotubulares são aquelas em que os gases provenientes da combustão (gases quentes) circulam

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

NBR Títulos/Objetivos Pág

NBR Títulos/Objetivos Pág Coleção completa 0 009 Veículos rodoviários automotores Retífica de motores alternativos de combustão interna Esta Norma estabelece os princípios gerais para execução de retífica completa de motores alternativos

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ C) O calor contido em cada um deles é o mesmo. D) O corpo de maior massa tem mais calor que os outros dois.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ C) O calor contido em cada um deles é o mesmo. D) O corpo de maior massa tem mais calor que os outros dois. Exercícios de Termometria 1-Calor é: A) Energia que aumenta em um corpo quando ele se aquece. B) Energia que sempre pode ser convertida integralmente em trabalho. C) O agente físico responsável pelo aquecimento

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

POTENCIAL ENERGÉTICO A PARTIR DO BIOGÁS PROVENIENTE DE ATERROS SANITÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

POTENCIAL ENERGÉTICO A PARTIR DO BIOGÁS PROVENIENTE DE ATERROS SANITÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO POTENCIAL ENERGÉTICO A PARTIR DO BIOGÁS PROVENIENTE DE ATERROS SANITÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO CELESTE OLIVEIRA DE FREITAS (FCA UNICAMP) celeste.ge@gmail.com.br Ieda Kanashiro Makiya (FCA UNICAMP) iedakm@gmail.com

Leia mais

De acordo a Termodinâmica considere as seguintes afirmações.

De acordo a Termodinâmica considere as seguintes afirmações. Questão 01 - (UFPel RS/2009) De acordo a Termodinâmica considere as seguintes afirmações. I. A equação de estado de um gás ideal, pv = nrt, determina que a pressão, o volume, a massa e a temperatura podem

Leia mais

Introdução à pneumática

Introdução à pneumática Introdução à pneumática Introdução: A palavra pneumática tem origem grega Pneuma que significa respiração, sopro e é definido como a parte da física que se ocupa dos fenômenos relacionados com os gases

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO. Ilha de Calor

ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO. Ilha de Calor ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO Ilha de Calor Ilha de Calor Um projeto sustentável deve enfatizar 3 aspectos: Sombra protetora nos espaços abertos; Pavimentação que não contribua para o aumento da temperatura

Leia mais