ESQUADRIAS PARA EDIFICAÇÕES. Construção Civil II. Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESQUADRIAS PARA EDIFICAÇÕES. Construção Civil II. Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 1"

Transcrição

1 ESQUADRIAS Construção Civil II PARA EDIFICAÇÕES Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 1

2 Referências normativas NBR 10821/11 Esquadrias externas para edificações Outras relacionadas Outras relacionadas NBR /11 - Esquadrias externas para edificações - Terminologia NBR /11 - Esquadrias externas para edificações Requisitos e Classificação NBR /11 - Esquadrias internas para edificações - Mét. de ensaio NBR 15873/10 - Coordenação modular para edificações NBR 10821/11 Caixilhos para edificações - Janelas NBR 7199/89 - Projeto, execução e aplicações de vidro na constr. civil NBR 6123/90 - Forças devidas ao vento em edificações Procedimento NBR 8037/83 - Porta de madeira de edificação Terminologia Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 2

3 O que éuma ESQUADRIA? Elemento de vedação vertical utilizado no fechamento de aberturas(vãos). Função: Controle de passagem de agentes (umidade, poeira, insetos, calor, visão, chuva, vento, intrusos, etc). Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 3

4 - Janelas; - Portas; - Outros: - Telas, brises, grades, - cobogós, portões, - alçapões, gradis, etc. Tipos de aberturas Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 4

5 Janelas Portas Gradis Prof. 15:04 Dr. Dr. Leonardo F. F. R. R. Miranda 5

6 Cobogós Brises Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 6

7 Telas Alçapões Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 7

8 ESQUADRIA: Função bem definida. O conjunto de todas as esquadrias do edifício é considerado um subsistema do edifício. Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 8

9 Exigências de qualidade - Segurança: a: no uso, limpeza, comportamento mecânico e ao fogo; - Habitabilidade: estanqueidade, acústica; - Durabilidade: conservação das propriedades, manutenção e reparos; - Qualidade dos dispositivos complementares de estanqueidade e dos acessórios; - Estética: tica: importância no "visual" da obra - Facilidade no uso - Manutenibilidade Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 9

10 Classificação das ESQUADRIAS: FUNÇÃO Quanto: TIPO DE MATERIAL MANOBRA DE ABERTURA DAS FOLHAS TÉCNICA DE EXECUÇÃO Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 10

11 Quanto àfunção: PORTAS: De abrir/pivotante De correr (externa/interna) Pivotante (eixo central) Sanfonada Pantográfica /camarão Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 11

12 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 1.Janela de Formada por uma ou Ventilação de fácil Na abertura, libera correr várias folhas que regulagem; as folhas apenas 50% do vão; podem ser não se mexem sob a em vedações mal movimentadas por ação do vento; não dimensionadas, deslizamento ocupa áreas podem ocorrer horizontal no plano externas ou internas, problemas com da janela. favorecendo o uso drenos do trilho de telas, grades ou inferior, acarretando persianas; infiltração de água simplicidade de para o interior; manobra; baixa dificuldade de manutenção; limpeza do lado possibilidade de externo. realizar folhas de Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda grandes dimensões. 12

13 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 2. Janela guilhotina Formada por uma ou várias folhas, que podem ser movimentadas por deslizamento vertical, no plano da janela. Ventilação razoavelmente regulável; posição não incômoda na área interna ou externa, mesmo sob ação do vento; em manobra, pode-se aplicar grades, telas ou persianas. Assim como a janela de correr, libera apenas 50% do vão; manutenção mais freqüente para regular tensão dos cabos e nível das folhas; possibilidade de quebre dos cabos. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 13

14 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 3. Janela de folha fixa Não possui movimento, vidro fixo. Adequada para iluminação. 4. Janela de Formada por uma ou Abertura completa Em chuva oblíqua, a abrir de eixo mais folhas, que podem do vão, o que folha deverá ser vertical, com ser movimentadas facilita a limpeza fechada; ocorrência de folha dupla ou mediante rotação em externa; não cedimento diagonal simples torno de eixos verticais incomoda nas em grandes áreas fixos, coincidentes com operações de envidraçadas; uso de as laterais da folha. manobra; boa grade só pelo lado Pode ser classificada em estanqueidade ao interno, o que pode janelas de abrir para ar e à água. dificultar a manobra; Prof. 15:04Dr. Leonardo dentro F. R. ou Miranda para fora da não se pode regular a 14 edificação. ventilação.

15 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 5. Janela projetante e de tombar Formada por uma ou mais folhas que podem ser movimentadas por rotação em torno de um eixo horizontal fixo, situado na extremidade superior (projetante) ou inferior (de tombar) da folha. O movimento de abertura da folha pode ser para dentro ou para fora da edificação. No caso da projetante, possibilita boa ventilação nas áreas interiores, permite debruçar-se no vão aberto; boa estanqueidade ao ar e à água. Na de tombar, ocorre boa ventilação, boa estanqueidade ao ar e a água; facilidade de limpeza. Na projetante, a limpeza externa é difícil; libera parcialmente o vão; não permite uso de fechamentos como persianas ou grades na parte externa. A de tombar é de difícil limpeza externa; necessidade de grande rigidez no quadro da folha para evitar deformações. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 15

16 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 6. Janela projetante deslizante ou maxim-ar Formada por uma ou mais folhas, que podem ser movimentadas em torno de um eixo horizontal, com translação simultânea desse eixo. As mesmas da janela projetante; com braço de articulação adequado, pode abrir em um ângulo de até 90 graus, melhorando a ventilação e as condições de limpeza. Se não houver articulação de 90 graus, dificuldade de limpeza; não permite o uso de grades, persianas ou telas; libera parcialmente o vão. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 16

17 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 7. Janela pivotante vertical Constituída por uma ou várias folhas, que podem ser movimentadas mediante rotação em torno de um eixo vertical e não coincidente com as laterais das folhas. Permite abertura de grandes dimensões com um único vidro; facilidade de limpeza; graduação da ventilação; possibilidade de se debruçar no vão. Limitação do uso de grades, persianas ou telas; projeção incômoda no interior do ambiente. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 17

18 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 8. Janela basculante Possui eixo de rotação horizontal, centrado ou excêntrico e não coincide com as extremidades superior ou inferior da janela. Largamente empregada em cozinhas, banheiros, áreas de serviço; armazéns, escolas; regulagem da ventilação; mesmo com chuvas fracas; fácil limpeza; recomendada para paredes internas, divisórias ou corredores porque tem pequena projeção para ambos os lados, sem prejuízo das áreas próximas. Reduzida estanqueidade; não libera o vão; exige modulação de altura do vão. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 18

19 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 9. Janela sanfona ou camarão Formada por duas ou mais folhas articuladas entre si que, ao se abrirem dobramse uma sobre as outras, por deslizamento horizontal ou vertical de seus eixos de rotação. No caso da janela sanfona de eixo vertical, as vantagens podem ser semelhantes às da janela de abrir. Já a de eixo horizontal, pode apresentar vantagens parecidas com as da projetante. A de eixo vertical, em certas condições, pode apresentar as desvantagens da janela de abrir. E a de eixo horizontal, as da projetante, Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 19

20 Quanto àfunção: JANELAS: Tipos Definições Vantagens Desvantagens 10.Janelas especiais Constituídas de dois ou mais tipos de janelas citadas. São especiais aquelas que por características de forma, uso e funcionamento, não se enquadram nas tipologias anteriores. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 20

21 Quanto àfunção: Telas Gradis Grades Portões Alçapões Brises Telas Portões Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 21 Gradis

22 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: MADEIRA: pintada ou natural ALUMÍNIO: anodizado ou pintado AÇO: chapa dobrada ou de perfilados SINTÉTICAS: TICAS: PVC DE VIDRO: auto-portantes DE CONCRETO: partes da esquadria COMPOSTAS: alumínio-pvc, madeira-pvc, madeira-alumínio, etc. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 22 22

23 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: MADEIRA Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 23

24 Esquadrias de MADEIRA Tipos de madeira utilizadas - Freijó, Cedro, Cedro Rosa, Lourovermelho, consideradas madeiras macias (ou leves); - Soleiras e Marcos (uso externo); -Ipê, Cumaru e Grápiaque são consideradas madeiras duras (mais pesadas e resistentes). Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 24

25 Esquadrias de MADEIRA Critérios de escolha -Resistência àumidade; -Maleabilidade Condições de entrega em obra: -A madeira éentregue sem qualquer proteção superficial; - Pintura ou envernizamento definitivo é feito após s a instalação. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 25

26 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: ALUMÍNIO Anodizado ou Pintura Eletrostática Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 26

27 ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO -Os perfis de alumínio deverão ser protegidos por anodização ou pintura, conforme especificado na ABNT NBR e ABNT NBR (anodiza( anodização) ) e ABNT NBR (pintura). ANODIZAÇÃO - Formação de camada uniforme de óxido de alumínio na superfície do alumínio; - Benefícios: protege contra corrosão ou outro ataque do meio ambiente, tipo ar salino, fumaça industrial, etc. PINTURA ELETROSTÁTICA TICA - Tinta em pó; - Pintura resistente; - Princípio eletrostático: cargas elétricas de sinais contrários se atraem; -A tinta é carregada com carga elétrica contrária ao perfil; - Cobertura uniforme e de qualidade. Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 27

28 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: AÇO O : chapa dobrada ou de perfilados Chapa dobrada ou de perfilados: Corrimão tubo coifa aço inox Prof. 15:04 Dr. Dr. Leonardo F. F. R. R. Miranda 28

29 ESQUADRIAS DE AÇO: De acordo com a NBR 10821/20011: -Das esquadrias de aço a o carbono ou Liga aço-cobrea Se não for galvanizado, o perfil deve receber pintura ou tratamento que assegure a proteção contra corrosão durante sua vida útil, prevendo-se manutenção. - Das esquadrias de aço a o inoxidável Aço inoxidável não necessita de proteção adicional de superfície Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 29

30 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: PVC: Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 30

31 Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 31

32 ESQUADRIAS EM PVC: -PVC: plástico + utilizado em perfis para esquadrias -Aditivos: garantem maior estabilidade térmica e resistência ao intemperismo. A alta concentração de pigmentos brancos acentua a resistência a UV -O PVC édiferente do usado em tubos e forros -Os perfis de PVC são obtidos por extrusão - Qualidade depende da mistura de materiais básicos - Disponibilizada em poucas cores: branco, marfim, bege e cinza -Boa resistência às oscilações de temperatura e UR Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 32

33 1 Ideais para aplicações em ambientes agressivos, como em regiões litorâneas ESQUADRIAS EM PVC: Não precisam ser pintadas, não mancham e nem perdem o brilho Facilidade de limpeza e manutenção: sabão, detergente neutro ou álcool etílico hidratado. Fornecidas prontas para colocação na obra, com os vidros e as ferragens, reduzindo os custos com a mão-de-obra Prof. 15:04Dr. Leonardo F. R. Miranda 33

34 ESQUADRIAS EM PVC: São auto-extinguíveis: não propagam chamas Têm baixo coef. de transmissão de calor: capacidade de manutenção da temperatura interna dos ambientes superior às proporcionadas pelas esquadrias de aço e alumínio; Permitem a utilização de vidros duplos intercalados por espaçador metálico, para um melhor desempenho termo-acústico; São resistentes aos agentes biológicos, não sendo atacadas por fungos, bactérias, brocas ou cupins 9 Não enferrujam e nem apodrecem Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 34

35 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: VIDRO Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 35

36 Quanto ao TIPO DE MATERIAL: CONCRETO: Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 36

37 Quanto à manobra de abertura das folhas: FIXAS: SEM ventilação Janela com vidro inteiro COM ventilação permanente Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 37

38 Quanto à manobra de abertura: - Movimento de rotação: Dos eixos horizontais Pivotantes, projetantes, basculantes, de enrolar (persianas) portas de garagens e persianas Dos eixos verticais Pivotante, giratória e de abrir Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 38

39 Quanto à manobra de abertura: - Movimento de rotação: -Bascular: rotação de um caixilho sobre um eixo horizontal; -Nas basculantes, o eixo é centralizado - rotação da parte superior para dentro e a inferior para fora; -Nas pivotantes horizontais eixo (pivô) está em uma extremidade da folha. Projeta-se para fora (projetante). -Em ambas, a folha (ou caixilho) é presa a um eixo horizontal Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 39

40 Quanto à manobra de abertura: - Movimento de rotação: Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 40

41 Quanto à manobra de abertura: - Movimento de translação: De correr: gilhotinada(horizontal e vertical) Pantográfica: porta de elevador antigo Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 41

42 Quanto à manobra de abertura: - Movimentos Combinados: De translação e rotação ao mesmo tempo -Basculante de garagem; -Sanfonadas -(janela e portas tipo camarão) Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 42

43 Quanto àtécnica de fixação em vãos: Por chumbamento: Com contramarco Sem contramarco Chumbamento do batente de madeira na alvenaria Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda Chumbamentodo contramarcode 43 alumínio na alvenaria

44 Quanto àtécnica de fixação em vãos: Por parafusamento: Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 44

45 Quanto àtécnica de fixação em vãos: Por colagem: -Com silicone -Com espuma de poliuretano Espuma de Poliuretano Silicone Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 45

46 Como escolher uma esquadria: - Ocupação do espaço interno - Invasão do espaço externo - Eficiência da ventilação - Proteção contra penetração de água - Facilidade de limpeza - Facilidade na manutenção - Facilidade de graduação na abertura - Facilidade de utilização - Custo: inicial e de manutenção Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 46

47 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas Esquadrias externas devem atender as especificações constantes da NBR DESEMPENHO ACÚSTICO PENETRAÇÃO DE AR ESTANQUEIDADE À ÁGUA RESISTÊNCIA À CARGAS UNIFORMEMENTE DISTRIBUÍDAS RESISTÊNCIA ÀS OPERAÇÕES DE MANUSEIO Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 47

48 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas DESEMPENHO ACÚSTICO DE ESQUADRIAS Ensaio para determinação do ruído incidente em fachadas de edifícios e do ruído resultante no interior da edificação Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 48 Eng. Ivanor Fantin Júnior SINDUSCON PR Eng. Carlos Alberto Moraes Borges

49 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas Tabela 17 Valores mínimos da diferença padronizada de nível ponderada, D 2m,nT,w, da vedação externa de dormitório Classe de ruído I II III* Localização da habitação Habitação localizada distante de fontes de ruído intenso de quaisquer naturezas. Habitação localizada em áreas sujeitas a situações de ruído não enquadráveis nas classes I e III Habitação sujeita a ruído intenso de meios de transporte e de outras naturezas, desde que conforme a legislação. D 2m,nT,w [db] Nota 1)Para vedação externa de salas, cozinhas, lavanderias e banheiros, não há exigências específicas. 2)Em regiões de aeroportos, estádios, locais de eventos esportivos, rodovias e ferrovias há necessidade de estudos específicos Eng. Ivanor Fantin Júnior SINDUSCON PR Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 49

50 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas Avaliação do desempenho acústico de esquadrias de alumínio Características técnicas dos produtos pesquisados: Bitola de 25mm (profundidade média dos perfis das folhas) Dimensões: 1,20m x 1,20m Produtos que atendem a NBR nos requisitos de deformação, estanqueidade ao ar e à água e esforços de manuseio Homologados pelo PBQP-H Eng. Maria Angelica Covelo Silva Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 50

51 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas RESULTADOS DOS ENSAIOS LABORATÓRIO IPT PRODUTOS PRODUTO 1 PRODUTO 2 PRODUTO 3 ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA - Rw (C,Ctr) db JANELA DE CORRER 2 FOLHAS VIDRO 4mm 20 (0;-1) 19 (0; 0) 19 (0;-1) VIDRO 6mm 19 (0; 0) 20 (-1;-1) 20 (0;-0) JANELA VENEZIANA VIDRO 4mm 15 (0;-1) 19 (0;-2) 19 (-1;-2) JANELA DE CORRER INTEGRADA VIDRO 4mm 26 (-1;-4) 26 (-1;-4) 26 (-1;-3) VIDRO 6mm 26 (-1;-4) 27 (-1;-5) 26 (-1;-3) Eng. Maria Angelica Covelo Silva Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 51

52 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas RESULTADOS DOS ENSAIOS LABORATÓRIO IPT ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA - Rw (C; Ctr) db PAREDE DE BLOCO CERÂMICO Janela de correr 2 folhas vidro de 4 mm (L=1200, H=1200) Janela de correr 2 folhas vidro de 6 mm (L=1200, H=1200) Janela de correr integrada 2 folhas vidro de 4 mm (L=1200, H=1200) Janela de correr integrada 2 folhas vidro de 6 mm (L=1200, H=1200) Janela de correr 1 folha vidro de 4 mm e 2 folhas venezianas (L=1200, H=1200) Janela de correr 2 folhas vidro de 4 mm (L=1600, H=1400) Janela de correr 2 folhas vidro de 6 mm (L=1600, H=1400) 42 (-1; -4) 30 (0; -1) 31 (0; -1) 35 (-1; -3) 35 (-1; -3) 29 (0; -2) 27 (0; 0) 28 (0; -1) Eng. Maria Angelica Covelo Silva Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 52

53 NBR /2013 Parte 4 Sistema de vedações verticais externas RESULTADOS DOS ENSAIOS IPT ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA - Rw (C; Ctr) db Porta lisa com núcleo oco, massa de 9kg/m2, com tratamento cústico nos encontros com o batente. Porta maciça com massa de 60kg/m2, com tratamento acústico nos encontros com o batente. Janela de aço de correr, quatro folhas de vidro de 4mm, linha comercial Janela de aço Maxim-ar, linha comercial, 800 x 800mm, vidro espessura 4mm Janela de alumínio Maxim-ar, linha comercial, 800 x 800mm, vidro espes. 4mm (*) valores indicados pela Universidade de Coimbra 18 * 28 * Eng. Maria Angelica Covelo Silva Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 53

54 NBR Esquadrias Externas para Edificações Verificação do comportamento à cargas uniformemente distribuídas Verificação da penetração de ar Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 54 Eng. Fabiola Rago Beltrame

55 NBR Esquadrias Externas para Edificações Eng. Fabiola Rago Beltrame Verificação da penetração de ar Verificação da estanqueidade à água Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 55

56 NBR Esquadrias Externas para Edificações Diversos ensaios de resistência às operações de manuseio Eng. Fabiola Rago Beltrame Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 56

57 AGRADECIMENTOS: -PCC 2436 aula base deste material 20aulas/esquadrias/PCC aula esquadrias.pdf Acesso em 04/11 NGI Núcleo de Gestão e Inovação Metodologia de desempenho e NBR na concepção e desenvolvimento de empreendimentos residenciais. Eng. Maria Angélica Covelo Silva, 2011 Associação Brasileira para a Qualidade Acústica As expectativas da nova norma no mercado imobiliário, Eng. Carlos Alberto Moraes Borges, 2013 Prof. Dr. Leonardo F. R. Miranda 57

ESQUADRIAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESQUADRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESQUADRIA Elemento da Vedação Vertical utilizado no fechamento de aberturas

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias Aspectos técnicos e jurídicos Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Associação Nacional de Fabricantes de Esquadria de Alumínio Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora

Leia mais

Construção Civil Linha PVC

Construção Civil Linha PVC Construção Civil Linha PVC Correr Abertura de 2 a 6 folhas que se movimentam mediante deslizamento horizontal. De fácil manuseio, podendo ser utilizada com persiana e tela mosquiteira. Permite ventilação

Leia mais

Esquadrias Externas para Edificações ABNT NBR 10821, sua revisão e a Norma de desempenho

Esquadrias Externas para Edificações ABNT NBR 10821, sua revisão e a Norma de desempenho Esquadrias Externas para Edificações ABNT NBR 10821, sua revisão e a Norma de desempenho Eng a. Fabiola Rago Beltrame ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821:2011 Parte 1 Terminologia Parte 2 Classificação

Leia mais

Esquadrias para Edificações. Como atender a norma de desempenho das edificações ABNT NBR 15575-4

Esquadrias para Edificações. Como atender a norma de desempenho das edificações ABNT NBR 15575-4 Esquadrias para Edificações Como atender a norma de desempenho das edificações ABNT NBR 15575-4 Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio ABNT NBR

Leia mais

A madeira é um material bastante utilizado para a confecção das esquadrias como as portas, janelas venezianas, caixilhos etc.

A madeira é um material bastante utilizado para a confecção das esquadrias como as portas, janelas venezianas, caixilhos etc. 7 - ESQUADRIAS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo ideal de esquadrias verificando as suas vantagens e desvantagens; Nivelar e colocar no prumo os batentes; Especificar

Leia mais

Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4?

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527 O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? Luciana Alves de Oliveira Slides da Palestra apresentada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Elementos de Circulação o conjunto de elementos de um edifício destinado ao movimento de pessoas:

Leia mais

C ATÁ L O G O D E P R O D U T O S

C ATÁ L O G O D E P R O D U T O S CATÁLOGO DE PRODUTOS ADMIRÁVEL MUNDO NOVO PREPARE-SE. Você vai entrar em um mundo surpreendente. Que alia tecnologia de ponta, beleza, sofisticação e segurança. Sucesso nos EUA e Europa, as portas e janelas

Leia mais

Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios

Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios Esquadrias anti-ruídos Para melhorar o conforto acústico das edificações é essencial realizar estudos de avaliação prévia e utilizar produtos submetidos a ensaios Laboratório de acústica da Divisão de

Leia mais

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO

PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO PORTAS E JANELAS: A LIGAÇÃO DA CASA COM O MUNDO É dito no ditado popular que os olhos de uma pessoa são as janelas de sua alma, trazendo este pensamento para uma residência, podemos entender que as janelas

Leia mais

Placostil - Wall Paredes

Placostil - Wall Paredes 0 0 Placostil - Wall Paredes Conceitos Sistema Placostil Wall Paredes É um sistema de paredes de vedações internas constituídas por uma estrutura metálica de chapa de aço galvanizado, sobre a qual se aparafusam,

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI

MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI ÍNDICE 03 - Apresentação do Sistema REIKI de Envidraçamento Panorâmico 04 - O alumínio e suas aplicações 05 - O vidro e suas aplicações 06

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

POLICARBONATO COMPACTO

POLICARBONATO COMPACTO POLICARBONATO COMPACTO Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque dos raios ultravioleta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por sua alta transparência, a chapa

Leia mais

soluções do futuro para o seu presente

soluções do futuro para o seu presente soluções do futuro para o seu presente PORTFÓLIO conheça a solução com excelência para seu lar EMPRESA A JR ALUMINIUM é uma empresa especializada na criação, fabricação e instalação de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

Esta seção será publicada em duas partes. Veja na próxima edição os procedimentos e normas para instalação (serviço).

Esta seção será publicada em duas partes. Veja na próxima edição os procedimentos e normas para instalação (serviço). > ALTERNATIVAS TECNOLÓGICAS Esta seção será publicada em duas partes. Veja na próxima edição os procedimentos e normas para instalação (serviço). MATERIAL OPÇÕES Como a NBR 10820, de junho de 1989, não

Leia mais

WWW.AISVIDROS.COM.BR MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA A.I.S

WWW.AISVIDROS.COM.BR MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA A.I.S MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA A.I.S ÍNDICE 02 - Apresentação do Sistema A.I.S 03 - O alumínio e suas aplicações 04 - O vidro e suas aplicações 05 - Funções do sistema A.I.S 06

Leia mais

Marca registrada.todos os direitos reservados.

Marca registrada.todos os direitos reservados. Marca registrada.todos os direitos reservados. ESTUDO DAS ESQUADRIAS PVC E ALUMÍNIO BENEFÍCIOS PVC - Conforto térmico, menor gasto de energia conseqüentemente - Conforto acústico excelente com vidro duplo

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

BENEFÍCIOS PARA OS MORADOES DO IMÓVEL:

BENEFÍCIOS PARA OS MORADOES DO IMÓVEL: APRESENTAÇÃO O sistema A.I.S foi desenvolvido para atender as necessidades dos nossos clientes, seguindo a tendência da arquitetura moderna que valoriza os imóveis. Nossa tecnologia também pode ser utilizada

Leia mais

A.100 A.175 SISTEMA DE BATENTE. Módulo. Otimização dos recursos energéticos e contribuição para uma construção sustentável.

A.100 A.175 SISTEMA DE BATENTE. Módulo. Otimização dos recursos energéticos e contribuição para uma construção sustentável. A.175 Módulo A.100 SISTEMA DE BATENTE Solução composta por três versões, A.175, A.165 e A.155, todas concebidas dentro da mesma filosofia: Otimização dos recursos energéticos e contribuição para uma construção

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

Alcoa. Soluções completas, do produto ao serviço

Alcoa. Soluções completas, do produto ao serviço Alcoa. Soluções completas, do produto ao serviço Nossa Visão Alcoa. Avançando cada geração. Nossos Valores Vivenciamos diariamente nossos valores, em todos os lugares, colaborando em benefício de nossos

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS COMPACTAS Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

BRISA20 C a t á l o g o Té c n i c o 2 Conceito: Linha BRISA 20 BRISA20 As esquadrias de Alumínio são muito mais do que apenas uma designação genérica para portas e janelas, são verdadeiras molduras por

Leia mais

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Descrição Técnica do Sistema Secção lateral janela Secção central janela Secção lateral porta Secção central porta O sistema de perfis EKOSOL

Leia mais

Programa Setorial da Qualidade Esquadrias de Aço. PSQ EA TR 05/15 Pág. 1 / 21

Programa Setorial da Qualidade Esquadrias de Aço. PSQ EA TR 05/15 Pág. 1 / 21 PSQ EA TR 05/15 Pág. 1 / 21 Entidade Setorial Nacional Mantenedora Rua Tupi, 318 São José do Rio Preto/SP CEP.: 15.090-020 Fone: (17) 3222-1790 Fax: (17) 3364-5700 www.afeaco.com.br afeaco@afeaco.com.br

Leia mais

Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 / Copa das Confederações FIFA Brasil 2013

Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 / Copa das Confederações FIFA Brasil 2013 Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 / Copa das Confederações FIFA Brasil 2013 MATERIAL CÓDIGO CONTAINER MODULO REFRIGERADO 10, 20 e 40 PÉS CONT 04/09 CONTAINER MÓDULO REFRIGERADO 10, 20 e 40 PÉS CONT 04/09

Leia mais

Qualidade Aprovada. Centro Tecnológico de Controle de Qualidade Falcão Bauer ABNT NBR 16259

Qualidade Aprovada. Centro Tecnológico de Controle de Qualidade Falcão Bauer ABNT NBR 16259 Qualidade Aprovada Centro Tecnológico de Controle de Qualidade Falcão Bauer ABNT NBR 16259 Lançamento da BBa, único e inovador, o Reiki UP chega ao mercado com força total, oferecendo um produto diferenciado,

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013

Norma de Desempenho. Conceitos e Histórico NBR 15575:2013 NBR 15575:2013 Eng Roberto Gonçalves Dias Conceitos e Histórico Conceito de : Origem na exigências de segurança estrutural na Segunda Guerra Mundial Evolução nos Congressos da Construção Civil em 1962

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

Catálogo de Produtos 2009

Catálogo de Produtos 2009 Showroom Al. Gabriel Monteiro da Silva, 2.118 Jardim Paulistano - São Paulo - SP Tel.: 11 3082 0322 Catálogo de Produtos 2009 1 índice Institucional...03 Esquadrias Feal 40...04 Feal 55...05 Feal 75...06

Leia mais

Descritivo Portas (Kit)

Descritivo Portas (Kit) Descritivo Portas (Kit) Portas hospitalares com aplicação de chapa possuem em termos de estrutura: duas lâminas de HDF densidade 800 kg/m3 e espessura de 6mm (espessura de folha 35mm) ou 9mm MDF Ultra

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE Professora ROSELI VALLE MARINGÁ 2015 Denomina-se CONCRETO ARMADO à associação do aço ao concreto para que haja melhor resistência em determinados tipos de esforços. Fatores

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

DISTRIBUIDOR AUTORIZADO: TÉCNICO SISTEMA TOP GLASS

DISTRIBUIDOR AUTORIZADO: TÉCNICO SISTEMA TOP GLASS DISTRIBUIDOR AUTORIZADO: C AT Á L O G O TÉCNICO SISTEMA TOP GLASS GRUPO REY DO VIDRO O GRUPO O Grupo Rey do Vidro nasceu em 2007 com a criação da Espaço Inteligente que por sua vez nasceu da necessidade

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Metodologia de desempenho e NBR 15575 na concepção e desenvolvimento de empreendimentos residenciais. Eng. Maria Angelica Covelo Silva

Metodologia de desempenho e NBR 15575 na concepção e desenvolvimento de empreendimentos residenciais. Eng. Maria Angelica Covelo Silva Metodologia de desempenho e NBR 15575 na concepção e desenvolvimento de empreendimentos residenciais Eng. Maria Angelica Covelo Silva O conceito e metodologia de desempenho Exigências de uso e operação

Leia mais

Sistema A.080. A modelação dos vidros é enfatizada pela aba exterior do perfil. A aba em alumínio que serve de moldura tem 15 mm de vista.

Sistema A.080. A modelação dos vidros é enfatizada pela aba exterior do perfil. A aba em alumínio que serve de moldura tem 15 mm de vista. A.080 SISTEMA A.080 A.080 CLÁSSICA - SOLUÇÃO BASE Fixação dos vidros por capa de aperto em alumínio. As capas de aperto são parafusadas à estrutura montante travessa recorrendo a vedantes em EPDM. O corte

Leia mais

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br C.GlassR Ficha técnica Avenida Neyde Modesto de Camargo, 151 Sistema de Envidraçamento- C.Glass (Channel Glass) by T2G Descrição: O Sistema C.Glass é composto por per s de vidros autoportantes, e ao contrário

Leia mais

Cores. Cristal Opal Bronze Cinza. 0,98 Opal. 0,66 Bronze Cinza. 2100 x 5800 Não Consta. Azul. Reflexivo Hot Climate. Reflexivo.

Cores. Cristal Opal Bronze Cinza. 0,98 Opal. 0,66 Bronze Cinza. 2100 x 5800 Não Consta. Azul. Reflexivo Hot Climate. Reflexivo. POLICARBONATO AVEOLAR Chapas em policarbonato alveolar, com tratamento em um dos lados contra ataque dos raios ultra violeta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por possuir cavidades internas (alvéolos),

Leia mais

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL 01 Sumário 04 Esquadrias Master Inova Extrema Gold IV Única 08 Fachadas Soluta Citta Due ACM 12 Proteção & Estilo Brises Guarda-corpo Grades e Gradis Portão Vidro Temperado

Leia mais

qualidade é o nosso perfil

qualidade é o nosso perfil Alumínio qualidade é o nosso perfil Fachada Unitizada - Thera Corporate / São Paulo Extrusão Jateamento Para atender a demanda do segmento da construção civil e da indústria, a Olga Color possui equipamentos

Leia mais

Internacional SOLUTIONS

Internacional SOLUTIONS Internacional SOLUTIONS SILICONE NEUTRO Silicone neutro Impermeabilizante de uso profissional. Inodoro e com fungicida. ADERE EM: Madeira, concreto, tijolo, vidro, PVC, plástico, alumínio, etc. APLICAÇÃO:

Leia mais

Divisórias APRESENTAÇÃO

Divisórias APRESENTAÇÃO DIVDESIGN As divisórias Div Design oferecem classe e beleza preservando o bem estar e o conforto térmico e acústico. Especialista em soluções inteligentes para divisão de espaços corporativos. APRESENTAÇÃO

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Sistema A.045 - Caracterização

Sistema A.045 - Caracterização Sistema A.045 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia as ferragens. Permite a construção de caixilhos de abrir com uma ou mais folhas móveis,

Leia mais

BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1

BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1 BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1 9/18/14 3:16 PM Vidro duplo termoacústico É uma solução formada por duas placas de vidro plano paralelas, separadas por um espaçador, com as bordas hermeticamente

Leia mais

Catálogo Geral de Produtos 2012 2013

Catálogo Geral de Produtos 2012 2013 Catálogo Geral de Produtos 2012 2013 01 C 100 M 00 Y 100 K 00 C 100 M 60 Y 00 K 00 Em atividade desde 2004, a Prima Ferragens, empresa especializada na fabricação de peças especiais e vedações acústicas

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

Conforto termoacústico Segurança Resistência Vedação. E s t i l o, d e s i g n e i n o v a ç ã o.

Conforto termoacústico Segurança Resistência Vedação. E s t i l o, d e s i g n e i n o v a ç ã o. Conforto termoacústico Segurança Resistência Vedação E s t i l o, d e s i g n e i n o v a ç ã o. GAZEBOS EM PVC GAZEBOS

Leia mais

CATÁLOGO PAINÉIS PAINÉIS ISOTÉRMICOS CÂMARA FRIGORÍFICA SALA LIMPA PORTAS E ACESSÓRIOS

CATÁLOGO PAINÉIS PAINÉIS ISOTÉRMICOS CÂMARA FRIGORÍFICA SALA LIMPA PORTAS E ACESSÓRIOS CATÁLOGO PAINÉIS PAINÉIS ISOTÉRMICOS CÂMARA FRIGORÍFICA SALA LIMPA LDR Em lã de rocha ecologicamente correta, alta resistência ao fogo, densidade entre 80 e 165 kg/m³. Resistência térmica da LDR em até

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Catálogo de Especificação

Catálogo de Especificação Catálogo de Especificação Portas especiais Linha Hospitalar Pág. 3 Introdução Pág. 4,5 Modelo Revestium Pág. 6,7 Modelo Clean Pág. 8 Modelo Steel Pág. 9 Barras Anti-Pânico Pág. 10,11 Especificações Técnicas

Leia mais

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70 Sistemas de ventanas de PVC SL/DJ-70 Secção Lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente ou oscilobatentes

Leia mais

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a)

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a) Desempenho Acústico DESEMPENHO ACÚSTICO O ruído gerado pela circulação de veículos, crianças brincando no playground e música alta no apartamento vizinho são causas de desentendimentos e de estresse. Por

Leia mais

Dados Cadastrais. Razão Social: Kw Glass vidros Ltda Me CNPJ: 11.404.874/0001-20. Inscrição Estadual: 148.928.705.113

Dados Cadastrais. Razão Social: Kw Glass vidros Ltda Me CNPJ: 11.404.874/0001-20. Inscrição Estadual: 148.928.705.113 A Empresa A KW Glass Vidro e Alumínio é uma empresa baseada na experiência de gerações, que há mais de 10 anos, tem por objetivo oferecer serviços de qualidade e preço competitivo. Prezamos sempre, pelo

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70 Perfil de Calidad Sl/DJ-R 70 Secção lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente

Leia mais

Kit Porta Interna em PVC. Catálogo de Produtos

Kit Porta Interna em PVC. Catálogo de Produtos Kit Porta Interna em PVC Catálogo de Produtos Um mundo novo está de portas abertas para você. Entre e conheça a mais alta tecnologia. A Claris é a marca líder em esquadrias de PVC no mercado brasileiro,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó

Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó Sistema A.062 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia para as ferragens. Permite a construção

Leia mais

LANÇAMENTO. ualitysol O R T A S E J A N E L A S D E A Ç O

LANÇAMENTO. ualitysol O R T A S E J A N E L A S D E A Ç O LANÇAMENTO RÊMIOS Os prêmios recebidos confirmam o reconhecimento e a preferência dos construtores, lojistas e consumidores pelos produtos Ramassol. Entre as premiações recebidas estão: TO of MIND, Ranking

Leia mais

VEJA AS ESQUADRIAS COM OUTROS OLHOS

VEJA AS ESQUADRIAS COM OUTROS OLHOS VEJA AS ESQUADRIAS COM OUTROS OLHOS PORTFÓLIO DE SOLUÇÕES COMPONENTES PORTFÓLIO DE SOLUÇÕES Para muitos, o componente em uma esquadria não é percebido, porque só se pensa nele quando uma porta ou janela

Leia mais

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom 20 GABINETES Linha EF São diversas opções de gabinetes tanto para ambientes limpos quanto para o chão de fábrica, que comportam de a 1.000 de equipamentos. GABINETES

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas Eng. Luiz Barbosa Objetivo Mostrar, de forma conceitual, a aplicabilidade do vidro em fachadas, tendo ele, não somente excelente desempenho acústico, mas sendo,

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação NBR 15575 Requisitos b) Habitabilidade 1. Estanqueidade 2. Desempenho térmico 3. Desempenho acústico 4. Desempenho lumínico 5. Saúde, higiene e qualidade do ar 6. Funcionalidade e acessibilidade 7. Conforto

Leia mais

ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO HAIALA A melhor solução para seu lar. Manual de Instalação Características das esquadrias de alumínio:

ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO HAIALA A melhor solução para seu lar. Manual de Instalação Características das esquadrias de alumínio: ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO HAIALA A melhor solução para seu lar. Manual de Instalação Características das esquadrias de alumínio: Instruções de Instalação Embalagem reforçada para proteção da esquadria durante

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO MANUAL DE USO E CONSERVAÇÃO ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO As informações contidas neste manual foram elaboradas com base em nosso conhecimento e em conteúdo fornecido por nossos parceiros comerciais, os quais

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios Artigo Desempenho acústico de divisórias para escritórios Raros escritórios comerciais não possuem divisórias para definir ambientes. Trata-se de um elemento arquitetônico versátil, com boas opções de

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

CONSTRUÇÃO METÁLICA MODULAR BENEFÍCIOS

CONSTRUÇÃO METÁLICA MODULAR BENEFÍCIOS 0 CONSTRUÇÃO METÁLICA MODULAR BENEFÍCIOS 1 Redução significativa do tempo de construção: módulos chegam montados prontos para instalação Módulos são fabricados enquanto o local é preparado, minimizando

Leia mais