» CÓDIGO 99 «SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "» CÓDIGO 99 «SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA"

Transcrição

1 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 CADERNO DE QUESTÕES» CÓDIGO 99 «SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA OBSERVAÇÕES IMPORTANTES Este caderno tem um total de 50 (cinquenta) questões, distribuídas da seguinte forma: Questões de 01 a 20: Língua Portuguesa; Questões de 21 a 50: Conhecimentos Específicos. Verifique se este caderno está completo. Para cada questão são apresentadas cinco alternativas de resposta (a, b, c, d, e), sendo que o candidato deverá escolher apenas uma e, utilizando caneta esferográfica azul ou preta, preencher o círculo (bolha) correspondente no cartão-resposta. As respostas das questões deverão, obrigatoriamente, ser transcritas para o cartãoresposta, que será o único documento válido utilizado na correção eletrônica. Verifique se os dados constantes no cartão-resposta estão corretos e, se contiver algum erro, comunique o fato imediatamente ao aplicador/fiscal. O candidato terá o tempo máximo de 04 (quatro) horas para responder a todas as questões deste caderno e preencher o cartão-resposta. NÃO HAVERÁ SUBSTITUIÇÃO, sob qualquer hipótese, deste caderno, nem do cartãoresposta. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova. BOA PROVA! COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

2 Leia o Texto I e responda às questões de 01 a 15. LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO I Sobre técnicas de torrar café e outras técnicas Ronaldo Correia de Brito Já não existe a profissão de torradeira de café. Ninguém mais escuta falar nessas mulheres que trabalhavam nas casas de família, em dias agendados com bastante antecedência. As profissionais famosas pela qualidade do serviço nunca tinham hora livre. Cobravam caro e só atendiam freguesas antigas. Não era qualquer uma que sabia dar o ponto certo da torrefação, reconhecer o instante exato em que os grãos precisavam ser retirados do fogo. Um minuto a mais e o café ficava queimado e amargo. Um minuto a menos e ficava cru, com sabor travoso. Pra tudo na vida existe um ponto certo, diziam orgulhosas do ofício, mexendo as sementes no caco de barro escuro, a colher de pau dançando na mão bem treinada, o fogo aceso na temperatura exata. Muitos profissionais se especializavam na ciência de pôr um fim: os que mexiam a cocada no tacho de cobre, os que fabricavam o sabão caseiro de gorduras e vísceras animais, os que escaldavam a coalhada para o queijo prensado, os que assavam as castanhas. Nos terreiros de candomblé, onde se tocam para os orixás e caboclos, os iniciados sentem o instante em que a toada e o batuque alcançam o ponto de atuação, o transe que faz o santo descer e encarnar no seu cavalo. Nenhum movimento é mais complexo que o de finalizar. Nele, estão contidos o desapego e a separação, o sentimento de perda e morte. Sherazade contou suas histórias durante mil e uma noites, barganhando com o esposo e algoz Sheriar o direito de continuar vivendo e narrando. Mil noites é um número finito. O acréscimo de uma unidade ao numeral mil tornou-o infinito. Mil e uma noites se estendem pela eternidade. Sobrepondo narrativas, entremeando-as com novos contos, abrindo veredas de histórias que se bifurcam noutras, mantendo os enredos num contínuo com pausas diurnas, porém sem o ponto final, Sherazade adiou o término e a morte. De maneira análoga, Penélope tecia um manto sem nunca acabá-lo, acrescentando pontos durante o dia e desfazendo-os à noite. Também postergava o momento. [...] Uma artesã do barro de Juazeiro do Norte chora quando proponho comprar a cerâmica representando uma mulher com muletas, uma criança no peito, o feixe de lenha na cabeça. Conta a história que representou naquela peça simples, sente pena de separar-se de sua criatura. O xilogravador Gilvan Samico me apresenta os mais de cem estudos e as provas de autor até chegar à gravura definitiva. Olha para os lados e me confessa que se pudesse não venderia nenhuma das impressões. Confessa os dias de horror vividos até chegar ao instante em que se decide pela prova definitiva, quando o trabalho é considerado concluído e o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. Que valor possui o esposo de Sherazade, comparado à narrativa que a liberta da morte? Talvez apenas o de ser o pretexto para o mar de histórias que a jovem narra ao longo de mil e uma noites. E o que se segue a esse imaginário fim? O que ocupa a milésima segunda noite, supostamente sem narrativas? Eis a pergunta que todos os criadores se fazem. O que se seguirá ao grande vazio? Deus descansou no sétimo dia após sua criação. O artista descansa, ou apenas se angustia pensando se a criatura que pôs no mundo está verdadeiramente pronta, no ponto exato de um grão de café torrado por uma mestra exímia? Afirmam que a flecha disparada pelo arqueiro zen busca sozinha o alvo. Num estado de absoluta concentração, arqueiro, arco, flecha e alvo se desprendem da energia do movimento e partem em busca do ponto exato. Anos de exercício levam ao disparo perfeito. O escritor trabalha com personagens que o obsedam, alguns chegando a cavalgá-lo como os santos do candomblé. Sonha os sonhos do outro, numa entrega do próprio inconsciente à criação. Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manterse na superfície e salvar-se; com a mão esquerda anota frases sobre ruínas. Nunca possui a técnica exata de um arqueiro zen, nem a perícia de uma torradeira de café. Dialoga com a morte como Sherazade, mantém a respiração suspensa, negocia adiamentos e escreve. Num dia qualquer, sem que nada espere e sem compreender o que acontece à sua volta, um editor arranca papéis inacabados de sua mão. Disponível em: /sobre-tecnicas-de-torrar-cafe-e-outras-tecnicas.shtml Acesso em 12 jun (Texto adaptado). Língua Portuguesa 1

3 1. No TEXTO I, o autor a) apresenta a atual situação dos artesãos no Brasil. b) contesta a desigual valoração para as obras de arte. c) argumenta em prol da necessidade de se fomentar o fazer artístico. d) faz analogia entre o trabalho do artesão e o processo criativo do escritor. e) defende o processo de construção literária como o único capaz de ser concluído. 2. Ao afirmar que Sobrepondo narrativas, entremeando-as com novos contos, abrindo veredas de histórias que se bifurcam noutras, mantendo os enredos num contínuo com pausas diurnas, porém sem o ponto final, Sherazade adiou o término e a morte. (parágrafo 3), o autor do texto retrata a) o poder de sedução dos contos de fada. b) a capacidade de inventividade narrativa como possibilidade de salvação. c) a impossibilidade de se concluir uma produção literária em tempos modernos. d) a indispensável interrelação entre ficção e realidade na concepção da obra literária. e) a necessidade de se conhecer os clássicos da literatura, a exemplo de Mil e uma noites e a Odisseia. 3. Todas as passagens a seguir se reportam à dificuldade do artista em separar-se de sua obra, EXCETO: a) Uma artesã do barro de Juazeiro do Norte chora quando proponho comprar a cerâmica representando uma mulher com muletas, uma criança no peito, o feixe de lenha na cabeça. (parágrafo 4) b) Olha para os lados e me confessa que se pudesse não venderia nenhuma das impressões. (parágrafo 4) c) Confessa os dias de horror vividos até chegar ao instante em que se decide pela prova definitiva, quando o trabalho é considerado concluído e o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. (parágrafo 4) d) Conta a história que representou naquela peça simples, sente pena de separar-se de sua criatura." (parágrafo 4) e) O escritor trabalha com personagens que o obsedam, alguns chegando a cavalgá-lo como os santos do candomblé. (parágrafo 6) 4. A referência à técnica desenvolvida pelas torradeiras de café, apresentada no início do texto, a) denota a predileção do autor por técnicas artesanais, em detrimento das industriais. b) é uma forma de registrar o reconhecimento, por parte das novas gerações, à cultura popular. c) surge como uma homenagem do autor aos trabalhadores que conseguiram manter viva uma tradição popular. d) representa um exemplo da capacidade de certas técnicas rudimentares se perpetuarem ao longo das gerações. e) constitui-se ponto de partida para a discussão acerca da difícil arte de finalizar uma tarefa, tema retratado no decorrer do texto. 2 Língua Portuguesa

4 5. A finalização do processo de produção artística é retratada no texto como algo a) impessoal, em função das demandas comerciais. b) definitivo, já que registra o momento tão desejado pelo artista. c) angustiante e doloroso, por se tratar de uma separação entre criador e criatura. d) complexo, pelo fato de ser toda obra de arte o resultado de um trabalho coletivo. e) libertador, pois a conclusão de uma obra de arte instiga o artista a produzir sempre mais. 6. Considerando o texto, aponte, dentre as alternativas a seguir, aquela em que as expressões apresentam relação sinonímica. a) "fabricavam" "escaldavam" (parágrafo 2) b) "adiou" "postergava" (parágrafo 3) c) "estendem" "bifurcam" (parágrafo 3) d) "impressões" "estranheza" (parágrafo 4) e) "descansa" "angustia" (parágrafo 5) 7. No final do texto, ao comparar o arqueiro zen ao escritor, o autor observa que a) o arqueiro zen, diferentemente do escritor, dificilmente atinge seu objetivo. b) o arqueiro zen, diferentemente do escritor, consegue, com exatidão, finalizar seu trabalho. c) as ações do escritor e do arqueiro zen atingem, simultaneamente, o ponto exato de finalização. d) o escritor, ao contrário do arqueiro zen, dedica-se com esmero ao processo de produção, antes de finalizar seu trabalho. e) o escritor e o arqueiro zen não conseguem finalizar seus trabalhos com êxito, por mais que se esforcem. 8. A coesão de um texto se dá através da conexão entre vários enunciados e da relação de sentido existente entre eles. Em relação à coesão presente no texto, o termo destacado encontra-se devidamente justificado em: a) Ninguém mais escuta falar nessas mulheres que trabalhavam nas casas de família, [...] (parágrafo 1). O termo em destaque indica uma referência à expressão freguesas antigas (parágrafo 1). b) Nele, estão contidos o desapego e a separação *...+ (parágrafo 3). O termo em destaque faz referência a nenhum movimento (parágrafo 3). c) *...+ quando o trabalho é concluído e o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. (parágrafo 4). O conectivo e indica uma progressão semântica que acrescenta um dado novo. d) *...+ a jovem narra ao longo de mil e uma noites. (parágrafo 5). O vocábulo em destaque caracteriza uma referência mais específica em relação ao termo a que se refere: Sherazade. e) *...+ alguns chegando a cavalgá-lo *...+ (parágrafo 6). O termo destacado substitui a expressão santos do candomblé. Língua Portuguesa 3

5 9. Em Nos terreiros de candomblé, onde se tocam para os orixás e caboclos, os iniciados sentem o instante em que a toada e o batuque alcançam o ponto *...+ (parágrafo 2), as vírgulas utilizadas a) evidenciam a expressão vocativa. b) indicam uma oração de valor comparativo. c) demarcam uma explicação acerca do espaço. d) determinam a introdução de expressão da fala do autor. e) marcam a opinião do autor em relação à informação anterior. 10. Analise as proposições a seguir: I. As palavras desapego e separação pertencem ao mesmo campo semântico. II. O prefixo na palavra infinito exprime sentido de negação. III. O termo sublinhado em O escritor trabalha com personagens que o obsedam tem como referente a expressão escritor. É CORRETO o que se afirma apenas em a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) I e III. 11. O termo destacado em Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manter-se na superfície e salvar-se [...] (parágrafo 6), pode ser substituído, sem alteração de sentido, por: a) Porque b) Para que c) Porquanto d) Contanto que e) Ao mesmo tempo que 12. Os conectivos ou partículas linguísticas de ligação, além de exercer funções coesivas, manifestam ainda diferentes relações de sentido entre os enunciados. Aponte, dentre as alternativas a seguir, aquela em que a relação estabelecida pelo conectivo em destaque está CORRETAMENTE indicada entre parênteses. a) Uma artesã do barro de Juazeiro do Norte chora quando proponho comprar a cerâmica. (Proporção). b) Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manter-se na superfície e salvar-se; (Consequência). c) Dialoga com a morte como Sherazade, [...] (Comparação). d) Olha para os lados e me confessa que se pudesse não venderia nenhuma das impressões. (Finalidade). e) Num dia qualquer, sem que nada espere e sem compreender o que acontece à sua volta [...] (Adversidade). 4 Língua Portuguesa

6 13. Por vezes, a omissão de palavras ou expressões não acarreta alteração no sentido de orações ou períodos, já que tal omissão pode ser depreendida do contexto. Há, dentre as alternativas a seguir, uma ocorrência assim caracterizada. Aponte-a. a) "Mil e uma noites se estendem pela eternidade". (parágrafo 3) b) "O que se seguirá ao grande vazio?" (parágrafo 5) c) "Deus descansou no sétimo dia após sua criação". (parágrafo 5) d) "Nunca possui a técnica exata de um arqueiro zen, [...] (parágrafo 6) e) "[...] a flecha disparada pelo arqueiro zen busca sozinha o alvo". (parágrafo 6) 14. Analise as proposições a seguir, acerca da pontuação, e assinale (V), para o que for verdadeiro, e (F), para o que for falso. ( ) No trecho De maneira análoga, Penélope tecia um manto [...]", a vírgula é utilizada para separar uma expressão adverbial disposta no início do período. ( ) Em Dialoga com a morte como Sherazade, mantém a respiração suspensa, negocia adiamentos e escreve., as vírgulas são utilizadas para separar orações coordenadas. ( ) Em Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manter-se na superfície e salvarse; [...], não há razão linguístico-gramatical que justifique a presença da vírgula na sentença. Assim, seu uso é facultativo. A sequência que completa CORRETAMENTE os parênteses é a) V V F b) V F F c) F V F d) V V V e) F F V 15. A regência verbal em destaque na frase mulheres que trabalhavam nas casas de família é a mesma do verbo destacado em a) Anos de exercício levam ao disparo perfeito. b) Deus descansou no sétimo dia após sua criação. c) Muitos profissionais se especializavam na ciência de pôr um fim: [...] d) O xilogravador Gilvan Samico me apresenta os mais de cem estudos: [...]. e) *...+ o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. Língua Portuguesa 5

7 As questões de 16 a 18 referem-se ao TEXTO II, a seguir: TEXTO II Capítulo I Muito trabalho, mestre Zé? Está vasqueiro. Tenho umas encomendas de Gurinhém. Um tangerino passou por aqui e me encomendou esta sela e uns arreios. Estou perdendo o gosto pelo ofício. Já se foi o tempo em que dava gosto trabalhar numa sela. Hoje estão comprando tudo feito. E que porcarias se vendem por aí! Não é para me gabar. Não troco uma peça minha por muita preciosidade que vejo. Basta lhe dizer que seu Augusto do Oiteiro adquiriu na cidade uma sela inglesa, coisa cheia de arrebiques. Pois bem, aqui esteve ela para conserto. Eu fiquei me rindo quando o portador do Oiteiro me chegou com a sela. E disse, lá isto disse: por que seu Augusto não manda consertar esta bicha na cidade? E deu pela sela um preção. Se eu fosse pedir o que pagam na cidade, me chamavam de ladrão. É, mestre José Amaro sabe trabalhar, não rouba a ninguém, não faz coisa de carregação. Eles não querem mais os trabalhos dele. Que se danem. Aqui nesta tenda só faço o que quero. REGO, José Lins do. Fogo Morto. Record: Rio de Janeiro, Pelo disposto acima, é CORRETO afirmar sobre o Mestre José Amaro: a) Mostra-se insatisfeito com os resultados de seus últimos trabalhos. b) Prefere trabalhar para clientes de fora, pois estes valorizam seu trabalho. c) Orgulha-se do esmero com que desenvolve seu trabalho e da qualidade que lhe imprime. d) Embora se envaideça de seu ofício, preocupa-se com o fato de não poder mais executá-lo da melhor forma. e) Questiona a qualidade do trabalho de outros seleiros, mas reconhece o valor dos novos materiais industrializados. 17. É, mestre José Amaro sabe trabalhar, não rouba a ninguém, não faz coisa de carregação. Eles não querem mais os trabalhos dele. Que se danem. Aqui nesta tenda só faço o que quero. A fala final de Mestre José Amaro revela a) certa resignação diante das novas demandas do mercado. b) revolta por desenvolver seu ofício numa região de parcas condições. c) a decisão de não mais confeccionar produtos para o senhor Augusto do Oiteiro. d) a sua disposição em manter-se fiel ao trabalho de qualidade que sempre desenvolveu. e) a determinação por continuar tentando convencer os vaqueiros da qualidade de suas selas. 6 Língua Portuguesa

8 18. Atente para a seguinte passagem: Eles não querem mais os trabalhos dele. Agora, considere as seguintes afirmações acerca da expressão em destaque: I. Retoma um termo expresso anteriormente. II. Refere-se diretamente aos moradores e comerciantes da cidade. III. Embora não se refira a nenhum elemento textual anterior, o contexto possibilita a recuperação do termo referente. Está(ão) CORRETA(S): a) III apenas b) I e II apenas. c) I e III apenas. d) II e III apenas. e) I, II e III. 19. Leia a seguir: I. Declaração fundamentada em ponto de vista a respeito de um fato ou negócio. II. É o instrumento pelo qual Ministros ou outras autoridades expedem instruções sobre a organização e funcionamento de serviço e praticam outros atos de sua competência. III. Modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna. As descrições dizem respeito, respectivamente, a a) Parecer Portaria Memorando. b) Ofício Relatório Parecer. c) Parecer Ofício Portaria. d) Memorando Ofício Declaração. e) Portaria Requerimento Relatório. 20. Pela própria natureza, a redação oficial deve apresentar uma linguagem que obedeça a critérios específicos. Todas as características a seguir devem compor a redação oficial, EXCETO: a) Impessoalidade e clareza. b) Uso da linguagem padrão. c) Tratamento linguístico formal. d) Concisão e transparência de sentido. e) Presença de conotação e da criatividade do emissor. Língua Portuguesa 7

9 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CÓDIGO 99 «21. Para Marx, a dominação do capitalismo sobre o operário e, por conseguinte, a da coisa sobre o homem, do trabalho morto sobre o trabalho vivo, do produto sobre o produtor, pois que, na realidade, as mercadorias, que se convertem em seus meios de dominação sobre os operários (...) não são nada mais que meros resultados do processo de produção, os produtos do mesmo. (...) dá-se exatamente a mesma relação que, no terreno ideológico, apresenta-se na religião: a conversão do sujeito no objeto e vice-versa. (IANNI, 1987, p. 20). De acordo com o texto, analise os itens: I. Por meio do movimento descrito, entende-se que, ao produzir determinadas relações, que se impõem necessárias ao processo de produção, origina-se a verdadeira condição de classe operária, e consequentemente, a condição de classe capitalista. II. O reconhecimento da condição de classe enquanto operariado, diante do capitalismo, constitui o principal meio para elevação e posição social. III. A conversão do sujeito em objeto aparece, na linguagem do autor, como um fator de carisma do operário diante da natureza do processo de produção. IV. A racionalização do mundo moderno e o desenvolvimento tecnológico reprimiram os meios promotores da dominação da mercadoria sobre os operários. Está CORRETO o que se afirma apenas em a) IV. b) I e II. c) I, II e III. d) I e IV. e) II. 22. Na teoria de O Capital a pauperização não é um mecanismo estritamente econômico, uma vez que salários tendem a se elevar, a taxa de natalidade aumenta, criando assim um excesso de mão-deobra. O mecanismo propriamente econômico é o desemprego tecnológico. (ARON, 1987). Diante do que se afirma acima, analise os itens a seguir. I. O exercito de reserva constitui a própria expressão do mecanismo de realização do progresso técnico-econômico do capitalismo; II. O exercito de reserva se torna uma estratégia de impedimento ao avanço do modo de produção capitalista; III. A redução da taxa da natalidade poderia se constituir num meio de meio de melhoria da condição de vida do operariado; IV. A elevação da produtividade corresponde ao nível de necessidade do operário no capitalismo. Está(ão) CORRETO(S) apenas o(s) item(ns): a) IV. b) I e II. c) I, II e III. d) I. e) II 8 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

10 23. As forças religiosas são portanto forças humanas, forças morais. Sem dúvida, posto que os sentimentos coletivos só podem ter consciência de si mesmos fixando-se em objetos exteriores (...) (FERNANDES, 1984, p. 169). Baseado no pensamento acima, analise os itens a seguir: I. A vida religiosa seja a forma mais elevada e como que uma expressão abreviada de toda vida coletiva. II. As forças religiosas confundem a vida do mundo material e é por esse intermédio dele que se acredita poder explicar o que se passa. III. As forças religiosas adquirem assim uma espécie de natureza física. IV. A religião pressupõe o sagrado, entretanto, cabe ao individuo a construção simbólica de sua crença. Está(ão) CORRETO(S) apenas o(s) item(ns): a) I e II. b) IV. c) I, II e III. d) I e IV. e) II. 24. De acordo com Aron (1987), em Durkheim a sociologia se baseia em teoria do fato social. Com isso, ele pretende demonstrar que pode e deve existir uma sociologia objetiva e científica, conforme o modelo de outras ciências. Ao fazer tal afirmação, Durkheim pretende enfatizar que: I. O Objeto de estudo da sociologia é específico e se diferencia do objeto de outras ciências; II. O objeto da sociologia pode ser observado e explicado de modo semelhante ao que acontece com os fatos observados e explicados por outras ciências; III. Os fatos sociais devem ser considerados como coisas, podendo ser analisados separadamente, isolados com o mesmo rigor que os fatos da ciência da natureza; IV. Os fatos sociais exercem um poder de coerção sobre os indivíduos. Esse poder de coerção impede que o indivíduo perceba sua própria capacidade de transgressão à norma. Está(ão) CORRETO(S) apenas o(s) item(ns): a) I e II. b) IV. c) II e IV. d) I e III. e) I, II e IV. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 9

11 25. Durkheim entende que, a vida em sociedade corresponde a processos de inserção que põem os indivíduos em relações de solidariedades e, estas estão classificadas em solidariedade mecânica e solidariedade orgânica. (ARON, 1987). Dentre as afirmativas abaixo, identifique aquelas que explicam o pensamento de Durkheim. I. Na prática social onde reina a solidariedade orgânica há um fortalecimento da consciência coletiva; II. Em sociedades em que os indivíduos estão submetidos a sentimentos e práticas definidas pela coletividade predomina a solidariedade orgânica; III. Nas sociedades onde operam as formas de solidariedade orgânica prevalecem os direitos individuais frente aos imperativos sociais; IV. Em sociedades dominadas pela solidariedade mecânica, predomina a consciência coletiva que abrange a maior parte das consciências individuais. Está(ão) CORRETA(S) apenas a(s) afirmativa(s): a) III e IV. b) I e II. c) I, II e III. d) I. e) II. 26. O conceito de tipo ideal constitui o centro da doutrina epistemológica weberiana. Ele está ligado à noção de compreensão de um conjunto histórico de uma sequência ou a sequência de acontecimentos. Por outro lado, o tipo ideal está associado ao que é característico da sociedade e da ciência moderna, ou seja, do processo de racionalização. (ARON, 1987). De acordo com o texto, analise os itens a seguir. I. A construção de tipos ideais se refere a um mecanismo de autonomia dos indivíduos diante dos seus processos organizativos. II. A construção de tipos ideais refere-se a uma expressão do esforço em todas as disciplinas científicas, nos processos de construção e racionalização das ações em que estejam envolvidos; III. O tipo ideal vincula-se à concepção analítica e parcial da causalidade, permitindo perceber indivíduos históricos e/ou conjuntos históricos. O tipo ideal é uma percepção parcial de um conjunto global; IV. Quando a análise do tipo ideal é, aparentemente, direcionada para abranger toda uma sociedade ele perde o seu caráter e parcialidade. Está CORRETO apenas o que se afirma em: a) III e IV. b) I e II. c) II e III. d) I e IV. e) II. 10 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

12 27. Weber procurou refutar o materialismo histórico e explicar o comportamento econômico pelas religiões, em vez de postular que essas são apenas superestruturas de uma sociedade, cuja infraestrutura seria constituída pelas relações de produção. (ARON, 1987). Com essa postura, Weber quis demonstrar que: I. A conduta dos homens, nas diversas sociedades, só pode ser compreendida dentro do quadro de concepção geral que eles têm de suas existências. II. Os dogmas religiosos e suas interpretações não constituem partes integrantes das visões de mundo dos indivíduos. III. As concepções religiosas são, efetivamente, um determinante de conduta econômica e, em consequência, uma das causas das transformações econômicas de uma sociedade. IV. No universo religioso as formas de representação coletivas são dominadas pelo poder econômico. Está(ão) CORRETA(S) apenas a(s) afirmativa(s): a) I e III. b) I e IV. c) III e IV. d) I. e) II. 28. A Cidadania no Brasil foi construída por um tortuoso caminho, marcado por avanços e recuos. Sobre a Cidadania no Brasil, analise as afirmativas a seguir. I. Com o fim do regime escravista, ocorreu uma ampliação dos direitos políticos para os segmentos populares; II. Os direitos civis e políticos no Brasil, praticamente deixaram de existir no período de 1937 a 1945; III. No regime monárquico brasileiro, o voto tinha um caráter censitário; IV. O voto do analfabeto só foi reconhecido com a promulgação da Constituição de Está CORRETO o que se afirma apenas em: a) I e II. b) III e IV. c) II e III. d) I e IV. e) II e IV. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 11

13 29. Touraine (1998, p. 263), ao refletir sobre a sociedade na atualidade, enfatiza que: O mundo não vive hoje somente a ruína dos modos de desenvolvimento voluntarista, o fim do socialismo e o triunfo da economia de mercado. Nesse contexto, o mundo incorpora I. o internacionalismo de Movimentos Sociais e Lutas Sociais; II. o afastamento do sujeito mediante o avanço tecnológico; III. a superação de uma sociedade meramente industrial a uma sociedade programada; IV. o surgimento e movimentos Sociais com estratégias de lutas, semelhantes aos movimentos tradicionais. Está(ão) CORRETO(S) o(s) item(ns): a) I e III apenas. b) IV apenas. c) I e IV apenas. d) III e IV apenas. e) I, II, III e IV. 30. Leia a citação a seguir: A globalização é, de certa forma, o ápice da internacionalização do mundo capitalista. Para entendê-la, como, de resto, a qualquer fase da história, há dois elementos fundamentais a levar em conta. (SANTOS, 2008, p. 23). Assinale a alternativa que apresenta elementos fundamentais a serem considerados para a compreensão da globalização. a) Uma nova condição na relação trabalho, trabalhador e lucro, no paradigma de igualdade e solidariedade. b) Um aprimoramento e estreitamento entre o mundo das técnicas com o mundo da política. c) Uma dissociação entre tecnologia, desenvolvimento e indivíduo. d) Um deslocamento entre técnicas, trabalho, lugares, momentos e usos. e) Uma dissociação entre o local e o global. 31. A sindicalização rural em alguns estados do Nordeste brasileiro representou um comando político e religioso sobre os camponeses, firmados entre três frentes: o Estado, através de suas instituições; a Igreja Católica, por meio de suas paróquias e vigários e os senhores de engenhos por intermédio do poder local, constituído por eles, seus capangas e capatazes, dentre outros. Assinale a alternativa que corresponde ao contexto histórico e/ou político em que surgiu a sindicalização dos trabalhadores rurais na Paraíba. a) Com o processo de redemocratização do Brasil. b) Na conjuntura do Estado Novo. c) Como resposta ao avanço das Ligas Camponesas. d) Com o surgimento dos novos Movimentos Sociais no campo. e) Com o surgimento dos novos Movimentos Sociais na cidade. 12 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

14 32. Na Paraíba, após 1975, o incentivo governamental para a modernização da agricultura e a expansão da pecuária juntam-se em prol da expansão da indústria canavieira e a criação do PROÁLCOOL. Acelera-se, nesse sentido, o processo de expulsão dos trabalhadores rurais que, na condição de posseiros, arrendatários, moradores e foreiros, tinham o acesso à terra, através do cultivo do trabalho familiar. (NOVAES, 1985). Com base no texto acima, escolha a alternativa CORRETA. a) A modernização agrícola possibilitou a democratização das propriedades rurais; b) A modernização contribuiu com o fortalecimento das relações sociais camponesas; c) Setores da Igreja Católica se destacaram com a criação de organismos especiais visando defender os trabalhadores rurais situação que enfrentavam conflitos em torno da terra; d) A modernização rural resultou de um projeto político que articulava Estado, empresariado rural, poder local e a Igreja Católica; e) A modernização implementou uma política de expansão da agricultura familiar. 33. Com o avanço das políticas neoliberais e as reformas estatais, no contexto dos anos 1990, no Brasil, surgiram, no cenário político-social, novas organizações e movimentos sociais, com demandas específicas, apresentando uma nova perspectiva e participação democrática (GOHN, 2007). A respeito dos movimentos sociais e/ou manifestações e ações sociais que podem ser identificados como específicos dessa conjuntura, analise as proposições abaixo: I. Ações contra a fome, o desemprego e o sistema previdenciário; II. Movimento do setor de transporte, incluindo-se aí os transportes alternativos e caminhoneiros; III. Manifestações pela paz e contrários à violência urbana, como também movimento de mulheres pela atuação na política, de homossexuais e movimentos a favor da igualdade racial. IV. Campanhas pela sindicalização dos trabalhadores rurais e urbanos. Está(ão) CORRETO(S) apenas o(s) item(ns): a) I. b) I, II e III. c) II. d) I e III e) III e IV. 34. O privilégio cultural torna-se patente quando se trata da familiaridade com obras de arte, a qual só pode advir da frequência regular ao teatro, ao museu ou a concertos (frequência que não é organizada pela escola, ou o é somente de maneira esporádica) (NOGUEIRA; CATANI, p. 45). O autor refere à concepção a) crítica-progressista. b) humanística. c) reprodutivista. d) construtivista. e) cognitivista. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 13

15 35. Considere a citação: O Brasil realizou a sua transição para democracia sem alterar regras básicas do seu sistema político. A organização partidária, o sistema eleitoral, o financiamento dos partidos e a relação entre o Executivo e Legislativo permaneceram fortemente inalterados desde (AVRITZER, 2011 p. 57). Identifique outras estruturas que foram modificadas e ganharam novas representatividades no cenário político brasileiro. I. Mudanças transparentes na relação público/privado que geram obrigações recíprocas. II. O combate a corrupção liderada pelas CPIs e a Polícia Federal. III. As novas prerrogativas do judiciário. IV. Financiamento público de Campanha Eleitoral, como forma de frear a corrupção e renovar o Congresso. Estão CORRETAS apenas as afirmativas: a) I e II. b) I e III. c) III e IV. d) II e III. e) I e IV. 36. Questionando sobre o papel social da escola, Derval (2006, p. 130) sinaliza que ela deve atuar além das ideias que são transmitidas e deve afetar todas as relações sociais. Nesse sentido, identifique as mudanças que devem ocorrer na instituição escolar para corresponder às expectativas do autor. I. Uma concepção de escola como se fosse uma espécie de clausura temporal e/ou uma espécie de fábrica, na qual se preparam os indivíduos para o exercício de certos atos; II. Uma concepção de escola que manipula e centraliza o saber e é fechada em si mesmo ; III. Uma concepção de escola como instituição que mantém uma relação estreitíssima com a sociedade; IV. Uma concepção de escola que pensa o aluno como sujeito capaz de entender e pensar o mundo com suas próprias ideias. Está CORRETO o que se afirma apenas em: a) I e III. b) III e IV. c) I e II. d) II. e) IV. 14 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

16 37. A educação autêntica, repetimos, não se faz de A para B ou e A sobre B, mas de A com B, mediatizados pelo mundo. Mundo que impressiona e desafia a uns e outros, originando visões e pontos de vista sobre ele (FREIRE, 1987, p. 84). A citação está refletindo sobre: I. Uma concepção de educação bancária e antidialógica; II. Uma concepção de educação dialógica que prima pela problematização dos conteúdos e contextualização dos sujeitos; III. Uma concepção de educação auto-suficiente e competente; IV. Uma concepção de educação que percebe a realidade como possibilidade de ser transformada pelos sujeitos. Está(ão) CORRETO(S) apenas o(s) item(ns): a) I. b) I e II. c) II e III. d) II e IV. e) IV. 38. Nas últimas décadas, com o avanço do projeto neoliberal, emergiram Movimentos Sociais com um repertório de lutas que eles constroem, demarcam interesses, identidades, subjetividades e projetos de grupos sociais (GOHN, 2007, p. 47). Dentre suas críticas, esses movimentos questionam a cultura do lucro em detrimento da cultura do ser humano pleno. A partir do texto acima, identifique a que movimento social a autora se refere. a) Movimento dos camponeses familiares, por uma política de desenvolvimento sustentável; b) Movimento pela construção de uma sociedade civil organizada e participativa; c) Movimento antiglobalização que questionam o modelo civilizatório em curso; d) Movimentos dos setores agroindustriais por manutenção dos seus territórios e políticas agrícolas; e) Movimentos em defesa do agronegócio. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 15

17 39. O declínio dos partidos de massa organizados com base em classe, ou ideológicos, ou as duas coisas juntas, eliminou a grande máquina social para transformar homens e mulheres em cidadãos politicamente ativos. (HOBSBAWM, 1995, p. 508). Das afirmações abaixo, escolha a(s) que se associa(m) ao pensamento citado. I. A aparente despolitização da Sociedade Civil fortalecia as autoridades políticas. II. As minorias se organizavam em campanhas por interesses públicos, interferindo nos processos de governabilidade de forma mais efetiva que os partidos políticos. III. Os grupos e pessoas podiam concentrar suas energias e interesses em demandas sociais específicas. IV. As organizações partidárias se fortalecem diante do controle dos meios de comunicação e passam a controlar o processo eleitoral e as esferas públicas da sociedade. É CORRETO o que se afirma apenas em: a) II, III e IV. b) I, II e III. c) II e III. d) III e IV. e) II e IV. 40. O campo científico, apesar de sua normalidade, é permeado por conflitos e contradições. A cientificidade das ciências sociais, em comparação com as ciências da natureza, é uma das controvérsias importantes nesse processo. Há aqueles que buscam a uniformidade dos procedimentos para compreender o natural e o social como condição para atribuir um estatuto à ciência ao campo social. Há os que reivindicam a total diferença e especificidade do campo humano. (MINAYO, p. 10). Dentre as afirmações abaixo, escolha aquela(s) que corresponde(m) à definição de campo científico. a) A cientificidade na pesquisa social exige a escolha por uma forma determinada e exclusiva forma de se conhecer a realidade. b) A objetivação nas ciências sociais exclui a possibilidade de tratarmos de uma realidade da qual nós próprios, enquanto seres humanos, somos agentes. c) A Idéia de cientificidade comporta, ao mesmo tempo, um pólo de unidade e um pólo de diversidade. d) A cientificidade deve ser pensada como uma idéia reguladora de alta abstração e não como sinônimo de modelos e normas a serem seguidos. e) A cientificidade desvincula o processo de teorização da empiria. 16 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

18 41. Em relação às Ciências Sociais, considere a citação: O objeto das Ciências Sociais é histórico. Isto significa que a sociedade humana existe e se constrói num determinado espaços e se organiza de forma particular e diferente de outras. Por sua vez, todas as que vivenciam a mesma época histórica têm alguns traços comuns, dado o fato de que vivemos num mundo marcado pelo influxo das comunicações. (MINAYO, p. 12). Sobre as Ciências Sociais, marque V, para o que for Verdadeiro, e F, para o que for Falso. ( ) A provisoriedade, o dinamismo e a especificidade são características de qualquer questão social. ( ) O objeto de estudo das ciências sociais possui consciência histórica de forma parcializada. ( ) Observar uma dada realidade é descrever e situar os fatos únicos e os cotidianos, construindo cadeias de significação. Essa é uma condição que exige uma rígida domesticação do olhar do pesquisador. ( ) Na investigação social, a relação entre pesquisador e campo de estudo se estabelece definitivamente. A sequência CORRETA é: a) V F V F b) F F V V c) F F F V d) V V V F e) F V F V 42. Os métodos qualitativos enfatizam as especificidades de um fenômeno em termos de suas origens e de sua razão de ser (HAGUETTE, 2005, p. 63). São características principais de uma pesquisa qualitativa. I. Trabalhar com um universo de significados, motivações, ações, crenças, valores e atitudes, dentre outros; II. Não há um continuum entre abordagens qualitativas e quantitativas; III. A diferença entre a abordagem qualitativa e quantitativa da realidade social é, sobretudo, de natureza e não de escala hierárquica; IV. Não ocorre um aprofundamento do universo dos significados. Estão CORRETAS apenas as proposições: a) I, II e III. b) II e III. c) I e II. d) III e IV. e) II e IV. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 17

19 43. A antropologia, tradicionalmente, identificou-se com os métodos qualitativos. Nesse sentido, para se conhecer as realidades sociais torna-se necessário um contato e uma vivencia, por um tempo prolongado, para se apreender, em profundidade, as especificidades da realidade em estudo. Colocar-se no lugar do outro, o pesquisado, é uma condição essencial para se desenvolver tal concepção de pesquisa. Nesse sentido, exige-se do pesquisador a escolha de técnicas e metodologias apropriadas (VELHO, 1978). Dentre as afirmações abaixo, escolha a(s) que exemplifica(m) o procedimento relevante da pesquisa qualitativa: I. A observação participante, a entrevista aberta e o contato parcial com o universo investigado constituem marca registrada de uma pesquisa qualitativa. II. Numa pesquisa qualitativa, é fundamental que ocorra uma distância social e uma distância psicológica/emocional entre o sujeito e o objeto. III. A técnica da entrevista aberta possibilita que não ocorra a interferência do pensamento do pesquisador na fala do informante. IV. Numa pesquisa qualitativa, há uma relação de troca entre sujeito e objeto. Essa relação é razoavelmente marcada por situações em que o pesquisador interfere na informação do pesquisado. Está CORRETO o que se afirma apenas em a) III. b) II e III. c) I e II. d) III e IV. e) II. 44. Os textos abaixo retratam três procedimentos de pesquisa utilizados na entrevista. Texto 1 (...) O melhor é pensar (...) como uma série de conversas cordiais nas quais o pesquisador lentamente introduz novos elementos para auxiliar informantes a responder como informantes. O uso exclusivo desses elementos (...) e a introdução de formas muitos rápida transformará as entrevistas em interrogatório formal. A harmonia será dissipada, e os informantes podem acabar suspendendo sua cooperação. (SPRADLEY, 1979 apud FLICK, 2009, p. 159). Texto 2 (...) solicita-se ao informante que apresente, de forma improvisada, a história de uma área de interesse da qual o entrevistado tenha participado (...). A tarefa do entrevistador é fazer com que o informante conte a história da área de interesse em questão (...) como uma história consistente de todos os eventos relevantes, do início ao fim (...) (HERMANNS, 1995 apud FLICK, 2009, p. 165). Texto 3 (...) trata de um tópico específico (...). O entrevistador deve ser flexível, objetivo, empático, persuasivo, um bom ouvinte. A objetividade, aqui, significa, sobretudo, a mediação entre os diversos participantes. (FONTANA; FREY, 2000 apud FLICK, p. 181). 18 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

20 Considerando os tipos de entrevistas abordados nos textos apresentados, assinale V, para o que for Verdadeiro, e F, para o que for Falso. ( ) O Texto 1 trata de uma entrevista narrativa. ( ) O Texto 2 trata de uma entrevista etnográfica. ( ) O Texto 3 trata de uma entrevista grupal. ( ) Os Textos 1 e 3 tratam de entrevistas etnográficas. A sequência CORRETA é: a) V F F V b) V F V F c) F F V V d) F V V F e) F F F V 45. Observe a sequência abaixo, que apresenta passos de pesquisa: a.inicie a escolha dos dados; b. Procure situações-chave, acontecimentos recorrentes (...) c. recolha dados que proporcionam muitos incidentes das categorias em estudo(...); d. escreva sobre as categorias que está a explorar, tentando descrever e justificar todos os incidentes(...)procure novos incidentes; e. trabalhe com os dados e com o modelo emergente para descobrir processos sociais e relações básicas; f. ocupe-se da amostragem, codificação e escrita, à medida que a análise se concentra nas categorias principais. Os passos de pesquisa elencados acima pertencem ao método a) etnográfico. b) dedutivo. c) fenomenológico. d) comparativo. e) dialético. 46. Segundo Gil (2007), não há regras fixas acerca da elaboração de um projeto. Sua estrutura é determinada pelo tipo de problema a ser investigado. É necessário que o projeto esclareça como se processará a pesquisa. Considerando os elementos que são indispensáveis em um projeto de pesquisa, na esfera acadêmica, independente da área de conhecimento a qual esteja relacionado, analise os itens abaixo: I. Formulação do problema, fundamentação teórico-metodológica e objetivos; II. Identificação do tipo de pesquisa e delimitação do objeto e cronograma a ser seguido; III. Elaboração das hipóteses e definição de recursos; IV. Cronograma de execução e apresentação de resultados ao público pesquisado. Está(ão) CORRETO(S) apenas o(s) item(ns): a) I. b) I e II. c) IV. d) II e III. e) II e IV. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 19

21 47. Um dos elementos básicos numa pesquisa é a clareza na identificação do problema de pesquisa, considerando sua finalidade e demanda. Entretanto, nem todo problema é passível de tratamento científico. Com base nisso, analise as seguintes situações de pesquisa. I. Como fazer para melhorar os transportes coletivos. II. Em que medida a escolaridade determina a preferência político-partidária. III. Como fazer para reduzir a violência urbana. IV. Em que medida a violência urbana entre jovens e adolescentes está relacionada à ausência de políticas públicas sociais. Dentre as situações apresentadas, qual(is) NÃO corresponde(m) a um problema de pesquisa científico? a) I, II, III e IV. b) I e II apenas. c) III e IV apenas. d) II e III apenas. e) I e III apenas. 48. Considere o trecho a seguir: As identidades dos sujeitos devem ser protegidas, para que a informação que o investigador recorre não possa causar-lhe qualquer tipo de transtorno ou prejuízo. O anonimato deve contemplar não só o material escrito, mas também os relatos verbais da informação recolhida durante as observações. O investigador não deve revelar a terceiros informações sobre os seus sujeitos e deve ter particular cuidado para que a informação que partilha no local da investigação não venha a ser utilizada de forma política ou pessoal. (BOGDAN; BIKLEN, 1994, p. 77). A respeito dos outros cuidados éticos que o pesquisador deve adotar no processo de investigação social, marque V, para o que for Verdadeiro, e F, para o que for Falso. ( ) Tratar respeitosamente os sujeitos e de modo a obter a sua cooperação na investigação. ( ) Não será preciso negociar autorização para efetuar o estudo. ( ) No processo de escrita dos resultados, o investigador deve devoção e fidelidade aos dados colhidos, incluindo ai a publicação final do estudo. ( ) O investigador tema liberdade, pelo papel que ocupa, em usar outros recursos audiovisuais sem a autorização do grupo ou indivíduos. A sequência CORRETA é: a) V V F V b) V V F F c) F F V V d) F F V F e) V F V F 20 Código 99 «Sociologia e Metodologia da Pesquisa «Conhecimentos Específicos

22 49. A hipótese se constitui de uma proposição testável que poderá vir a ser a solução de um problema. Com base nisso, considere as seguintes classificações de hipóteses na pesquisa quantitativa: I. Casuísticas, frequência de acontecimentos, associação entre amostragem, dependência entre variáveis. II. Casuísticas, decodificação, frequência de acontecimentos, associação de variáveis. III. Casuísticas, frequência de acontecimentos, associação entre variáveis, dependência entre variáveis. IV. Casuísticas, frequência de acontecimento, associação de variáveis e mensuração. Está(ão) CORRETO(S) o(s) item(ns): a) II. b) I e IV. c) II e III. d) III. e) II e IV. 50. Segundo Palmeira (1985), no período que antecedeu o golpe militar a questão agrária estava na ordem do dia. As mobilizações camponesas, através das Ligas Camponesas, tinham colocado os trabalhadores do campo, até aquele momento, rigorosamente marginalizados da vida política, no centro dos acontecimentos. De acordo essa afirmação, analise as afirmações a seguir: I. A agitação camponesa foi um dos pretextos mais fortemente utilizados pelos organizadores do golpe, em nome da ameaça ao princípio de propriedade, para buscar apoio ao seu projeto. II. A conjuntura política em que surgem as organizações camponesas no Brasil (as Ligas Camponesas) teve um peso decisivo na configuração do Sindicalismo rural. III. O projeto de Reforma Agrária, conforme os interesses dos camponeses, alcançou sua plenitude, após o golpe de IV. A repressão às Ligas Camponesas pelo Estado e pelo poder local representou um avanço do projeto de socialismo que, de alguma forma, tentava se implantar no Brasil. Está CORRETO o que se afirma apenas em a) I. b) III e IV. c) II. d) I e III. e) I e II. Conhecimentos Específicos» Sociologia e Metodologia da Pesquisa» Código 99 21

» CÓDIGO 94 «SECRETARIADO

» CÓDIGO 94 «SECRETARIADO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 100 «TECNOLOGIA AUTOMOTIVA

» CÓDIGO 100 «TECNOLOGIA AUTOMOTIVA PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 45 «GESTÃO RURAL

» CÓDIGO 45 «GESTÃO RURAL PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 60 «LEGISLAÇÃO

» CÓDIGO 60 «LEGISLAÇÃO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

» CÓDIGO 72 «MATEMÁTICA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS

» CÓDIGO 72 «MATEMÁTICA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

» CÓDIGO 21 «CONTABILIDADE

» CÓDIGO 21 «CONTABILIDADE PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES NÍVEL: FUNDAMENTAL TURNO: MANHÃ GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO APOLÔNIO SALLES SUPLETIVO 2013 QUADRO DE PROVAS PORTUGUÊS PRÉDIO: SALA: NOME COMPLETO: RG: Nº DE INSCRIÇÃO:

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Educação para os Media e Cidadania

Educação para os Media e Cidadania Educação para os Media e Cidadania Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Com este artigo procura-se reflectir sobre a educação para os media como uma forma e uma via de educar

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

Políticas Públicas de Fomento ao Cooperativismo *

Políticas Públicas de Fomento ao Cooperativismo * Políticas Públicas de Fomento ao Cooperativismo * Introdução Euclides André Mance México, DF, 19/10/2007 No desenvolvimento do tema desta mesa, trataremos de três aspectos, a saber: a) de que cooperativismo

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UFMG / 2015

CONCURSO PÚBLICO UFMG / 2015 CONCURSO PÚBLICO UFMG / 2015 MÚSICO / CORREPETIDOR-CANTO LÍNGUA PORTUGUESA / LEGISLAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO Antes de começar a fazer as provas: Verifique se este caderno contém provas de: Língua

Leia mais

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1

Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 RESUMO Agricultura Familiar: merenda saudável para as crianças 1 Ailanda Ferreira Tavares 2 Alciane Ayres da Mota 3 Raimunda Monteiro 4 Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, Pará O livro-reportagem

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO. Santos, D. C.

E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO. Santos, D. C. 1 E GE HARIA SOCIAL: UMA OVA DIME SÃO PARA A FORMAÇÃO DO E GE HEIRO Santos, D. C. I APRESE TAÇÃO DA DISCIPLI A E GE HARIA SOCIAL 1 Introdução Em 1997, o MEC, por intermédio da Secretaria de Educação Superior,

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Conhecimentos Gerais 01) A Política

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTICAS DAS CULTURAS INFANTIS DAS COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO PARANÁ Luisa de Oliveira Demarchi Costa 1 ; Verônica Regina Müller 2 RESUMO: Este

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Questão 1. Ano: 2015 Banca: FGV

Questão 1. Ano: 2015 Banca: FGV Questão 1 Ano: 2015 Banca: FGV Texto A Lua Cheia entra em sua fase crescente no signo de gêmeos e vai movimentar tudo o que diz respeito à sua vida profissional e projetos de carreira. Os próximos dias

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 DE MARÇO DE 1977. IMPROVISO NO

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

Conhecimentos Específicos

Conhecimentos Específicos PROCESSO SELETIVO 2014 02/12/2013 INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local indicado. 2. Aguarde autorização para abrir o caderno de prova. Antes de iniciar

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL, A 'SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ÉTICA E CIDADANIA', E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO ESPECIAL: uma experiência de inclusão

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO ESPECIAL: uma experiência de inclusão EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E EDUCAÇÃO ESPECIAL: uma experiência de inclusão TEIXEIRA, Carolina Terribile; CASTRO, Maira Marchi de; SILVA, Ivete Souza da Universidade Federal de Santa Maria Departamento

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS

POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS POR UMA ESCOLA DE QUALIDADE: O DESFAZER DOS MITOS Ramiro Marques Portugal tem conhecido, nos últimos 25 anos, um conjunto de inovações educativas de carácter contraditório mas que têm em comum, além de

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência FILOSOFIA PARA CRIANÇAS 1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência O Prof. Dr. Matthew Lipman, filósofo e educador norte-americano, criou o Programa Filosofia para Crianças no final

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA

FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA POSTER FORMAÇÃO DE MONITORES RELACIONANDO EDUCAÇÃO FORMAL E NÃO FORMAL EM MUSEUS DE CIÊNCIA Nome do Grupo de Trabalho: Educação Popular Número do Grupo de Trabalho: 06 Autora: ISABEL APARECIDA MENDES Co-autora

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais A realização deste trabalho nos possibilitou algumas conclusões. Assim apontamos que as Assistentes Sociais entrevistadas para nossa pesquisa demonstraram em suas reflexões que

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um 1. Introdução Tomo consciência de mim, originalmente, através do outro: deles recebo a palavra, a forma e o tom que servirão à formação original da representação que terei de mim mesmo. (BAKHTIN, 1992,

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 » CÓDIGO 12 «ARTE. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova.

Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 » CÓDIGO 12 «ARTE. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova. PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM.

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM. Questões Comentadas E aqui estamos nós de novo. Recebi vários emails sobre questões específicas que poderiam trazer dúvidas a respeito de seu entendimento. A gente vai ver tudo agora! A prova no geral

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO

PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO PÓS-GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (EDUCAÇÃO) DO CAMPO Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo

LÍNGUA PORTUGUESA INTERATIVIDADE FINAL DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES AULA. AULA: 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo : 23.1 Conteúdo: Texto dissertativo-argumentativo Habilidades: Perceber como se organizam os parágrafos de um texto dissertativo-argumentativo. Texto dissertativo O texto dissertativo é um tipo de texto

Leia mais

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004

II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 II Conferência Nacional Por Uma Educação do Campo Luziânia, GO, 2 a 6 de agosto de 2004 DECLARAÇÃO FINAL (VERSÃO PLENÁRIA) Por Uma Política Pública de Educação do Campo QUEM SOMOS Somos 1.100 participantes

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

» CÓDIGO 58 «INFRAESTRUTURA (DESIGN E CONSTRUÇÃO CIVIL)

» CÓDIGO 58 «INFRAESTRUTURA (DESIGN E CONSTRUÇÃO CIVIL) PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

DEMOCRACIA. O desafio democrático e a integração econômica. Síntese das conferências e discussões da sexta-feira, 19 de setembro de 1997

DEMOCRACIA. O desafio democrático e a integração econômica. Síntese das conferências e discussões da sexta-feira, 19 de setembro de 1997 DEMOCRACIA O desafio democrático e a integração econômica Síntese das conferências e discussões da sexta-feira, 19 de setembro de 1997 Presidente: Sr. Isidro Muñoz Rivera Presidente do Congresso do Estado

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

O que é protagonismo juvenil?

O que é protagonismo juvenil? O que é protagonismo juvenil? Branca Sylvia Brener * Índice Protagonismo Juvenil Por que a participação social dos jovens? O papel do educador Bibliografia Protagonismo Juvenil A palavra protagonismo vem

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO

NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE REGULAMENTO TAQUARITINGA / 2015 1 Sumário NÚCLEO DE APOIO AO DISCENTE...3 1- Formas de acesso...3 2- Estímulos à permanência...4 3- Apoio Psicopedagógico, Orientação Pedagógica

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: PROFESSOR CLASSE SL (MATEMÁTICA) DATA: 20/01/2013 HORÁRIO: 9h às 12h (horário do Piauí)

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: PROFESSOR CLASSE SL (MATEMÁTICA) DATA: 20/01/2013 HORÁRIO: 9h às 12h (horário do Piauí) NÚCLEO DE CONCURSOS E PROMOÇÃO DE EVENTOS NUCEPE PROCESSO SELETIVO SEDUC/PI - 2012 FOLHA DE ANOTAÇÃO DO GABARITO - ATENÇÃO: Esta parte somente deverá ser destacada pelo fiscal da sala, após o término da

Leia mais

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE BARREIRO, Cristhianny Bento 1 IFSUL AFONSO, Marcela da Silva 2 IFSUL CASTRO, Beatriz Helena Viana 3 IFSUL Grupo de Trabalho

Leia mais

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil

PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO. Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil PERFIL INVESTIGADOR DO LICENCIANDO EM MATEMÁTICA DO ESTADO DO MARANHÃO Celina Amélia da Silva celina_amelia@yahoo.com.br CESC/UEMA/MA, Brasil Carmen Teresa Kaiber kaiber@ulbra.br ULBRA/RS, Brasil Modalidade:

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES

CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES 1 CONCEPÇÃO E PRÁTICA DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UM OLHAR SOBRE O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A discussão que vem sendo proposta por variados atores sociais na contemporaneidade

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais