INFLUÊNCIA DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE NA PROLIFERAÇÃO IN VITRO DE CÉLULAS-TRONCO DA POLPA DE DENTES DECÍDUOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.001 - INFLUÊNCIA DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE NA PROLIFERAÇÃO IN VITRO DE CÉLULAS-TRONCO DA POLPA DE DENTES DECÍDUOS"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE NA PROLIFERAÇÃO IN VITRO DE CÉLULAS-TRONCO DA POLPA DE DENTES DECÍDUOS Santos, J. L. S., Ginani, F., Barboza, C. A. G., Departamento de Morfologia - UFRN Introdução: O laser de baixa intensidade (LBI) tem sido utilizado em protocolos clínicos com a finalidade de promover cicatrização e regeneração dos tecidos. A literatura mostra um efeito positivo do LBI na proliferação de diversos tipos celulares, porém pouco se sabe sobre o seu efeito bioestimulatório em célulastronco dentais. Objetivos: O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito da irradiação do LBI na taxa proliferativa de células-tronco da polpa de dentes decíduos (SHED). Métodos: 232/2011 O trabalho foi aprovado pelo CEP/UFRN (parecer n 232/2011). Extratos de polpa de três dentes decíduos humanos em estágio final de esfoliação ou com exodontia indicada foram submetidos à digestão enzimática e as células obtidas foram cultivadas em meio de cultura α-mem e 15% de soro fetal bovino e posteriormente caracterizadas como células-tronco mesenquimais. No terceiro subcultivo, as células foram irradiadas com um laser diodo InGaAlP, utilizando-se duas diferentes densidades de energia (0,5J/cm2-16 segundos e 1,0J/cm² - 33 segundos), comprimento de onda de 660nm e potência de 30mW. Uma nova irradiação, utilizando os mesmos parâmetros, foi realizada 48h após a primeira. Um grupo controle (não irradiado) foi mantido nas mesmas condições experimentais de cultivo. O método exclusão por azul de Trypan e a atividade mitocondrial das células medida através do ensaio de MTT foram utilizados para avaliar a viabilidade e a proliferação celular nos intervalos de 0, 24, 48 e 72 h pós-irradiação. Os dados das contagens celulares foram submetidos a testes estatísticos não paramétricos de Kruskal-Wallis e Mann-Whitney, considerando um intervalo de confiança de 95%. Com o objetivo de verificar possíveis alterações morfológicas nucleares induzidas pelo laser, as células foram submetidas à marcação com DAPI no intervalo de 72 h. Resultados: Os resultados do presente estudo mostraram que a densidade de energia de 1,0 J/cm² promoveu maior proliferação das células (x104) (10,5 ± 2,9; 17,6 ± 1,7)

2 em comparação com os outros grupos (controle: 7,3 ± 2,7; 12,3 ± 3,3; e laser 0,5 J/cm²: 8,8 ± 3,2; 16,3 ± 1,1) nos intervalos de 48 e 72h, respectivamente (p<0,05). A atividade mitocondrial, medida pelo ensaio de MTT, apresentou resultados semelhantes às contagem celulares com azul de Trypan, com o grupo irradiado com 1,0 J/cm² exibindo uma atividade significativamente maior do MTT nos intervalos de 48 e 72h (0,747 ± 0,034; 1,094 ± 0,073), quando comparado com o grupo irradiado com 0,5 J/cm² (0,630 ± 0,015; 0,865 ± 0,005) (p<0,05). Nenhuma alteração morfológica nuclear foi observada, tanto das células do grupo controle quanto nas células irradiadas. Conclusão: Conclui-se que o LBI apresenta efeitos estimulantes sobre a proliferação de células-tronco da polpa de dentes decíduos. Portanto, a aplicação da laserterapia neste tipo celular pode ser importante para futuros avanços na regeneração tecidual. Apoio Financeiro: CNPq Gerado em: :51:03

3 Inibição da indoleamina 2,3 dioxigenase (IDO) com TGF-beta1 induz a transição epitelial-mesenquimal (EMT) em células de carcinoma de bexiga humana Brito, R. B. O., Ferreira, J. M., Silva, C. S., França, C. M., Souza, M. J. L., DellÊ, H., Pós-graduação em Medicina, São Paulo, Brasil - UNINOVE Programa de Pós-Graduação em Biofotônica Aplicada - UNINOVE Introdução: O TGF-beta1 promove a invasão tumoral e metástase através da indução de EMT em células de câncer de bexiga. Os mecanismos pelos quais o TGFbeta1 induz a EMT não estão totalmente elucidados. A IDO é uma enzima envolvida no catabolismo do triptofano e tem propriedades imunomoduladoras, propriedades que foram descobertas a partir de seu papel em proteger o embrião contra o sistema imune materno durante a gravidez. Devido ao fato da expressão de IDO ter sido encontrada em alguns tumores, esta molécula tem sido apontada como indutora de tolerância tumoral. No entanto, efeitos não imunológicos da IDO têm sido descritos, levando à hipótese de que a IDO participe de mecanismos neoplásicos independentes dos efeitos imunomoduladores. Pelo fato do TGF-beta1 modular a expressão de IDO em vários tipos de células e ter um papel essencial na EMT, é provável que o TGF-beta1 possa influenciar a expressão da IDO em células de carcinoma da bexiga (T24), induzindo a EMT. Objetivos: O objetivo deste estudo foi analisar a expressão da IDO e dos marcadores da EMT em células T24 estimuladas com TGF-beta1 e analisar a viabilidade celular após incubação com TGF-beta1 e metil triptofano (MT, um inibidor químico da IDO). Métodos: Células de carcinoma de bexiga (T24) foram incubadas com três concentrações diferentes de TGF-beta1 (1, 5 e 10 ng / ml) durante 48 horas e, em seguida, o RNA total foi extraído para analisar a expressão de IDO por qrt-pcr. Para os experimentos subsequentes, foi utilizada a concentração de TGF-beta1 de 5ng/ml. Para avaliar a EMT, células T24 foram incubadas com TGF-beta 1 e/ou com MT durante 48h. A expressão de Twist (fator de transcrição EMT), N-caderina (ncad, um marcador de células mesenquimais) e E-caderina (ecad, um marcador de células epiteliais) foi analisada por qrt-pcr. A viabilidade celular foi também analisada, utilizando o método de MTT. Os resultados são apresentados como média ±

4 EPM, considerando expressão relativa (ER) por qrt-pcr e percentagem do controle para a viabilidade celular. Resultados: Células T24 estimuladas com TGF-beta1 apresentaram redução significativa da expressão de IDO (ER 1,00 ± 0,24 no controle vs 0,02 ± 0,11 em TGF-beta 1 (1ng/ml), 0,08 ± 0,19 em TGF-beta 1 (5ng/ml) e 0,07 ± 0,17 em TGF-beta 1 (10ng/ml), P <0,05). A expressão de Twist foi significativamente aumentada pelo tratamento com TGF-beta1 (ER 3,05 ± 0,54 em TGF-beta1 vs 1,00 ± 0,32 no controle, P <0,001). O tratamento com MT atuou sinergicamente aumentando a expressão de Twist (ER 10,50 ± 0,58, P <0,001 vs controle). TGF-beta1 regula a expressão do gene ncad (ER 2,22 ± 0,55 em TGF-beta 1 vs 1,00 ± 0,32 no controle, NS) e este efeito foi exacerbado por tratamento com MT (ER 17,17 ± 0,49, P <0,0001 vs controle e TGF-beta1). TGF-beta1 não influenciou a expressão de ecad (ER 0,23 ± 0,15 vs 1,00 ± 0,07 no controle, P <0,05). Não foi encontrada diferença na expressão da ecad com a adição de MT (ER 0,42 ± 0,17 vs 1,00 ± 0,07 no controle, P <0,05). A incubação com TGF-beta1 aumentou a viabilidade celular (125 ± 6% vs 100 ± 7% no controle, NS), e a adição de MT potencializou este efeito (202 ± 16%, P <0,001 vs controlo e TGF-beta1). O tratamento apenas com MT teve efeito aumentando a viabilidade celular (158 ± 7% vs controle, P <0,001). Conclusão: Estes resultados preliminares demonstram que a inibição de IDO induz a EMT em células T24, apontando um mecanismo para deflagrar a invasão de células e metástase. Apoio Financeiro: Fomento 2012/ , Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado São Paulo (FAPESP). Gerado em: :51:03

5 DERIVADOS 2-AMINO-TIOFÊNICOS REVERTEM O FENÓTIPO DE RESISTÊNCIA A MÚLTIPLAS DROGAS EM CÉLULAS EMBRIONÁRIAS DE OURIÇO-DO-MAR ¹Fernandes- Santos, T., 2Moura, R.O., 2Mendonça-Junior, F.J.B., 3Lima, M.C.A., 1Marques-Santos, L.F. ¹Departamento de Biologia Molecular, Centro de Ciências Exatas e da Natureza, UFPB, João Pessoa, PB. 2Laboratório de Síntese e Vetorização Molecular, Universidade Estadual da Paraíba, João Pessoa, PB. 3Laboratório de Síntese e Planejamento de Fármacos, Universidade Federal de Pernambuco, PE. Fernandes-Santos, T., Mendonca-Junior, F.J.B., Lima, M. C. A., Moura, R. O., Marques-Santos, L.F., Departamento de Biologia Molecular - UFPB Departamento de Ciências Biológicas - UEPB Departamento de Antibióticos - UFPE Introdução: O fenótipo de resistência a múltiplas drogas (MDR, do inglês multidrug resistance) é um fenômeno conhecido por promover a resistência a compostos não correlacionados estruturalmente e farmacologicamente, sendo o maior responsável pela falência do tratamento quimioterápico de diversos tipos de tumores, estando associado à superexpressão de transportadores ABC. Desta forma, a prospecção de agentes reversores da MDR tornou-se imperativa para a terapêutica antitumoral. O desenvolvimento embrionário de ouriço-do-mar é um excelente modelo para estudar a reversão da MDR, uma vez que as células embrionárias expressam transportadores da família ABC. Objetivos: O objetivo do presente trabalho foi investigar a ação de quatro compostos inéditos, derivados do 2-amino-tiofêno(DAT) SB4, SB44, SB52 e SB200, como agentes reversores da MDR emcélulas embrionárias de ouriço-do-mar. Métodos: Não é necessária a submissão do presente projeto ao Comitê de Ética em Pesquisa, uma vez que a LEI Nº , de 8 de outubro de 2008, que regulamenta o inciso VII do 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo procedimentos para o uso científico de animais, aplica-se somente aos animais das espécies classificadas como filo Chordata, subfilo Vertebrata ( 3o, art. 2). Os animais da espécie Echinometra lucunter foram coletados na costa de João Pessoa (Paraíba/Brasil - código deautorização do ICMBio: ) e os gametas obtidos por meio de injeção intracelômica de KCl (0,5 M). Para investigar o efeito reversor dos DAT na resistência à colchicina e vimblastina, os embriões foram incubados na presença ou ausência de cada DAT (100 microm) e colchicina (10 ou 60 microm) ou

6 vimblastina (100 e 400 nm). Os estágios embrionários foram monitorados sob microscopia óptica comum. Resultados: A menor concentração de vimblastina (100 nm) não inibiu a progressão da mitose nos embriões; entretanto, 400 nm de vimblastina bloqueou o desenvolvimento embrionário em 47,55 ± 8.93% (primeira clivagem), 41,51 ± 12,97% (segunda clivagem) e 48,52 ± 7.03% (mórula), quando comparados com o grupo controle. O composto SB52 associado com vimblastina (100 nm) inibiu em 28,62 ± 9,14% (primeira clivagem); 41,51 ± 12,43% (segunda clivagem) e 65,88 ± 6,53% (mórula), comparado com o grupo não tratado. A associação do SB52 e vimblastina 400 nm inibiu o desenvolvimento embrionário apenas para segunda clivagem e estágio de mórula, com percentual inibitório de 75,00 ± 8,44% e 99,76 ± 0,16%, respectivamente. A colchicina na menor concentração (10 microm) não inibiu odesenvolvimento embrionário de E. lucunter, porém, na concentração de 60 microm, bloqueou o desenvolvimento em 65,17 ± 6,77% (primeira clivagem), 85,34 ± 3,56% (segunda clivagem) e 96,23 ± 2.00% (mórula) quando comparados com o grupo controle. O SB52 reverteu o fenótipo de MDR naprimeira clivagem quando associado à colchicina 10 microm, com inibição de 93,08 ± 2,61%. Os derivados SB4, SB44 e SB52 inibiram a progressão para o estágio de 2-células quando associados com colchicina 60 microm: 99,77 ± 0,15%, 99,20 ± 0,68%, e 100% de inibição, respectivamente. A associação entre SB4, SB44 e SB52 com colchicina 10 microm inibiu o desenvolvimento embrionário na segunda clivagem em 40,86 ± 6,69%, 26,21 ± 7,28% e 99,64 ± 0,25%, respectivamente. A associação entre SB4, SB44, SB52 e SB200 com colchicina 10 microm reverteu a MDR nos embriões, com inibições para mórula de 90,63 ± 2,97%, 83,09 ± 7,00%, 100%, e 30,64 ± 11,61%, respectivamente. Conclusão: A associação da vimblastina e colchicina com os DAT reverteu o fenótipo de resistência, com destaque para o derivado SB52, que bloqueou o desenvolvimento embrionário em todos os estágios estudados. Estudos adicionais serão conduzidos para investigar o mecanismo de ação da reversão do fenótipo de MDR promovido pelos DAT. Apoio Financeiro: A associação da vimblastina e colchicina com os DAT reverteu o fenótipo de resistência, com destaque para o derivado SB52, que bloqueou o desenvolvimento embrionário em todos os

7 estágios estudados. Estudos adicionais serão conduzidos para investigar o mecanismo de ação da reversão do fenótipo de MDR promovido pelos DAT. Gerado em: :51:03

8 PRODUÇÃO DE ESPÉCIES REATIVAS DE OXIGÊNIO EM CELOMÓCITOS DE OURIÇO-DO-MAR EXPOSTOS À RADIAÇÃO UVB. Boni, R., Siqueira-Junior, J. P., da Silva, P. M., Marques-Santos, L. F., Departamento de Biologia Molecular - UFPB Introdução: Os níveis de radiação ultravioleta (UV) incidentes na superfície terrestre têm aumentado nas últimas décadas. A UVB representa 5% de toda a radiação solar e pode causar danos severos no DNA, bem como um aumento na produção de espécies reativas de oxigênio (ROS, do inglês reactive oxygen species). Evidências sugerem que o aumento na incidência da radiação UVB na superfície dos oceanos tem um impacto negativo nos organismos marinhos. Os equinodermos, especialmente o ouriço-do-mar, têm sido amplamente utilizados como organismos modelo em diversos estudos, com destaque nas áreas de biologia celular e do desenvolvimento. Os celomócitos são células presentes na cavidade celômica dos equinodermos e são responsáveis pela imunidade inata nestes organismos. Tais células têm sido utilizadas como biomarcadores para estudos sobre mudanças ambientais em diversos ecossistemas, como aumento nos níveis de radiação UV. Objetivos: O objetivo do presente estudo foi investigar a produção de espécies reativas de oxigênio em celomócitos de ouriço-do-mar expostos à radiação UVB. Métodos: Segundo a LEI Nº , de 8 de outubro de 2008, que regulamenta o inciso VII do 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece que os procedimentos para o uso científico de animais, aplica-se somente aos animais das espécies classificadas como filo Chordata, subfilo Vertebrata ( 3o, art. 2), portanto, não é necessária a aprovação do presente projeto pelo Comitê de Ética em Pesquisa. Ouriços-do-mar Echinometra lucunter foram coletados na praia do Cabo Branco, João Pessoa, Paraíba Brasil (código de autorização do ICMBio: ), e os celomócitos foram obtidos por meio de punção na membrana peristomial com seringa contendo a solução anticoagulante ISO- EDTA. As células foram irradiadas (3.600, e J/m² UVB), ou não, e mantidas a ºC em fluido celômico por diferentes tempos (10 minutos, 4, 8 e 24 horas). Posteriormente, os celomócitos foram incubados com as sondas H2DCFDA e iodeto de propídeo, indicador do nível de ROS e da viabilidade celular, respectivamente, e a intensidade de fluorescência das sondas analisadas em citometria de fluxo.

9 Resultados: Os níveis intracelulares de ROS das células não irradiadas (grupo controle) diminuíram significativamente com o tempo de cultura, apresentando as seguintes médias de intensidade de fluorescência (u.a.): 136,5 + 10,42; 97,04 + 8,41; 76,57 + 7,52; e 54, ,63 (10 minutos, 4, 8 e 24 horas após irradiação, respectivamente). Não houve diferença significativa na produção de ROS entre as células irradiadas 10 minutos e 24 horas após a irradiação. Porém, houve uma diminuição nos níveis intracelulares de ROS de % (4 horas após a radiação) e % (8 horas após a radiação) nas células que receberam a maior dose de radiação ( J/m²). Conclusão: Os nossos dados demonstraram que a radiação UVB não aumentou a produção de espécies reativas de oxigênio em celomócitos de Echinometra lucunter. Ao contrário, na maior dose investigada, e somente 4 e 8 horas após a irradiação, houve uma diminuição nos níveis intracelulares de ROS. Celomócitos de Lytechinus variegatus, Strongylocentrotus franciscanus e Strongylocentrotus purpuratus apresentam uma elevada capacidade antioxidante quando comparados com outros tipos celulares dos mesmos organismos, o que pode ser importante na prevenção de efeitos deletérios do ROS produzido durante a resposta imunológica (Du et al., 2013). Tal fato pode explicar a razão da exposição à UVB não ter aumentado os níveis de ROS nos celomócitos. Estudos adicionais são necessários para elucidar a relação entre a radiação UVB e os níveis intracelulares de ROS em celomócitos de ouriços-do-mar. Apoio Financeiro: CNPq Gerado em: :51:03

10 INVESTIGAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMITÓTICA DE UM DERIVADO DE PIRIMIDINONA NO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO DE OURIÇOS-DO-MAR Oliveira, D. M. L., Moura, R. O., Mendonca-Junior, F. J. B., Marques- Santos, L. F., Departamento de Biologia Molecular - UFPB Departamento de Ciências Biológicas - UEPB Introdução: A quimioterapia é o principal tratamento contra o câncer, consistindo na administração de drogas que atuam por interferência direta no metabolismo celular, quer seja na duplicação ou síntese do DNA e RNA, na síntese proteica ou no ciclo celular, comprometendo diversos processos celulares e, consequentemente, ocasionando a morte celular. O estudo de novos compostos sintéticos com atividade antimitótica tem mostrado resultados promissores e relevantes na identificação de novas drogas antitumorais. Pelo fato de apresentar divisões celulares rápidas e sincrônicas, assim como uma fertilização in vitro bastante eficiente, o desenvolvimento embrionário de ouriços-do-mar vem sendo utilizado como modelo para a prospecção de compostos com atividade antimitótica. Objetivos: O objetivo do presente estudo foi investigar a atividade antimitótica de um composto sintético derivado da pirimidinona (Py-09) no desenvolvimento embrionário de ouriços-do-mar Echinometra lucunter. Métodos: Autorização do ICMBio: Os animais foram coletados na praia do Cabo Branco, João Pessoa, Paraíba-Brasil (ICMBio - Autorização ) e os gametas foram obtidos por injeção intracelômica de KCl (0,5 M). Após a fertilização, os embriões foram tratados com diferentes concentrações do Py- 09 (3,12 a 50 µm). O desenvolvimento embrionário foi monitorado por microscopia óptica comum. Resultados: O Py-09 inibiu, de maneira concentração dependente, o desenvolvimento embrionário inicial. Na menor concentração do Py-09 (3,12 µm), a progressão para o estágio de 2 células foi de 66,83 ± 1,90%, enquanto que na maior concentração (50 µm), o desenvolvimento foi de apenas 2,00 ± 0,56%, quando comparado ao grupo controle. Alterações morfológicas relevantes foram observadas em estágios mais tardios do desenvolvimento dos embriões

11 tratados com o composto. No estágio de gástrula, foi observada a ausência da formação do arquêntero; enquanto que no estágio de prisma, as espículas apresentaram distribuição irregular, acarretando, assim, na má formação do esqueleto. As larvas tratadas com o Py-09 apresentaram um desenvolvimento retardado dos braços pré-orais, além da presença de fissuras no esqueleto e extravasamento de células pigmentares, comprometendo a sobrevivência da larva. Conclusão: O presente estudo demonstra que o composto Py-09 apresenta um grande potencial antimitótico, sendo necessários estudos adicionais para investigar o mecanismo de ação envolvido na atividade antimitótica. Apoio Financeiro: CAPES Gerado em: :51:03

12 INIBIÇÃO DO PORO DE TRANSIÇÃO DE PERMEABILIDADE MITOCONDRIAL (PTPM) EM ESPERMATOZOIDE DE OURIÇOS-DO-MAR AUMENTA A TAXA DE FERTILIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Torrezan, E., Marques-Santos, L. F., Departamento de Biologia Molecular - UFPB Introdução: O poro de transição de permeabilidade mitocondrial (PTPM) é um complexo proteico cuja abertura aumenta abruptamente a permeabilidade da membrana mitocondrial interna a solutos de até 500 Da. A formação e abertura do PTPM é um processo dependente de voltagem e de íons cálcio, sensível à ciclosporina A (CsA), e pode contribuir para a fisiologia celular por atuar como um rápido mecanismo de liberação de íons cálcio pela mitocôndria. Diversos processos celulares e moleculares, dependentes de cálcio, são necessários para tornarem os espermatozoides competentes a fertilizar o óvulo. O envolvimento do PTPM nos processos de morte celular por necrose ou apoptose vem sendo estudado como alvo terapêutico, principalmente por sua associação a condições patológicas; no entanto, estudos acerca do papel fisiológico do PTPM na fertilização e no desenvolvimento embrionário permanecem incipientes. Objetivos: O presente trabalho teve como objetivo investigar a abertura do PTPM em espermatozoides de ouriços-do-mar e a sua consequência para a fertilização e o desenvolvimento embrionário. Métodos: Segundo a LEI Nº , de 8 de outubro de 2008, que regulamenta o inciso VII do 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece que os procedimentos para o uso científico de animais, aplica-se somente aos animais das espécies classificadas como filo Chordata, subfilo Vertebrata ( 3o, art. 2), portanto, não é necessária a aprovação do presente trabalho pelo Comitê de Ética em Pesquisa. Ouriços-do-mar Echinometra lucunter adultos foram coletados na costa de João Pessoa, Paraíba, Brasil (7 7 S, W) e mantidos em aquários com água do mar filtrada (Autorização ICMBio: ). Os gametas foram coletados por meio de injeção celômica de KCl (0,5 M) e mantidos refrigerados até o uso. Os espermatozoides foram tratados ou não com CsA e utilizados para fertilização em diferentes diluições espermáticas (1:5.000, 1:10.000, 1:15.000, 1:20.000, 1: e 1:50.000). Adicionalmente, investigamos o efeito da inibição da abertura do PTPM na concentração intracelular de íons cálcio. Os espermatozoides foram tratados ou não com

13 CsA e incubados com a sonda para cálcio fluo3-am; o ionóforo de cálcio ionomicina (IONO) foi utilizado como controle positivo. Resultados: Como esperado, a taxa de fertilização diminuiu de acordo com o aumento da diluição espermática, variando entre 98,44 + 0,41% (1:5.000) e 14,00 + 0,74% (1:50.000). O tratamento com CsA aumentou a taxa de fertilização quando comparada ao grupo controle sob o mesmo protocolo de diluição: O aumento na taxa de fertilização foram de 19,05 + 1,02% (1:10.000), 82,42 + 1,60% (1:15.000), 152,26 + 4,05% (1:20.000) e 159,45 + 4,96% (1:25.000). Esse efeito foi ainda mais pronunciado sobre a progressão para o estágio embrionário de duas células, no qual o aumento do desenvolvimento embrionário foi de 35,81 + 1,32% (1:10.000), 129,35 + 1,31 % (1:15.000), 200,80 + 1,52% (1:20.000) e 143,44 + 3,58% (1:25.000). A média de intensidade de fluorescência (MIF) de espermatozoides tratados com CsA foi de 60,00 + 6,33, correspondendo a uma diminuição de 40% quando comparado ao grupo controle. Resultados similares foram observados em espermatozoides pré-tratados com CsA e tratados com IONO; sob esse protocolo, a MIF foi de 94, ,52, a qual corresponde a uma diminuição de 54,91% quando comparada ao grupo de espermatozoides tratados apenas com IONO (172,80 + 7,62). Conclusão: Os nossos dados sugerem que a inibição do PTPM, em espermatozoides ativados, possa atenuar o aumento da concentração intracelular de íons cálcio - o qual promove desestabilização celular e diminuição da viabilidade celular - prolongando o tempo de vida espermática e aumentando, consequentemente, as taxas de fertilização e o desenvolvimento embrionário. Apoio Financeiro: Os nossos dados sugerem que a inibição do PTPM, em espermatozoides ativados, possa atenuar o aumento da concentração intracelular de íons cálcio - o qual promove desestabilização celular e diminuição da viabilidade celular - prolongando o tempo de vida espermática e aumentando, consequentemente, as taxas de fertilização e o desenvolvimento embrionário. Gerado em: :51:03

14 Efeito protetor de transportadores ABCB1 e ABCC1 sobre o desenvolvimento larval de ouriços-do-mar expostos à UVB Leite, J. C. A., Siqueira-junior, J. P., Marques-santos, L. F., DBM - UFPB PgPNSB - UFPB Introdução: Nos últimos 30 anos, foi relatado um aumento nos níveis de intensidade da radiação UVB em todo o planeta, sendo o ecossistema marinho um dos mais susceptíveis a esse estresse ambiental. A radiação UVB pode ser prejudicial aos organismos marinhos cujos desenvolvimentos embrionário e larval ocorrem na zona entre marés. A primeira linha de defesa desses animais contra estresses químicos ou físicos é a atividade de bombas de efluxo, conhecidas como transportadores ABC. Essas proteínas estão envolvidas no transporte de várias moléculas, tais como: fosfolipídios, peptídeos, xenobióticos e íons. Recentemente, nosso grupo demonstrou a atividade protetora de transportadores ABC contra os efeitos danosos das radiações UVA e UVB em gametas e zigotos de Echinometra lucunter (Mol Reprod Dev. 81:66, 2014). Objetivos: O objetivo do presente trabalho foi investigar o efeito protetor dos transportadores ABCB1 e ABCC1 no desenvolvimento larval de E. lucunter de gametas e embriões expostos à UVB. Métodos: Não é necessária a submissão do presente projeto ao Comitê de Ética em Pesquisa, uma vez que a LEI Nº , de 8 de outubro de 2008, que regulamenta o inciso VII do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo procedimentos para o uso científico de animais, aplica-se somente aos animais das espécies classificadas como filo Chordata, subfilo Vertebrata ( 3 o, art. 2). Os animais foram coletados no litoral de João Pessoa, Paraíba Brasil (código de autorização do ICMBio: ) e os gametas obtidos por injeção intracelomática de KCl. Os gametas (óvulos ou espermatozoides) ou os embriões (recém-fertilizados ou no estágio de prisma) foram submetidos a diversas doses de UVB (0.112 a 14,4 kj m -2 ), na presença ou ausência de bloqueadores de transportadores ABC: Reversina205 (REV µm bloqueador do transportador ABCB1) e MK571 (10 µm bloqueador do transportador ABCC1). Os embriões foram mantidos à ºC e fotoperíodo 12h:12h. Resultados:

15 A irradiação de espermatozoides com UVB, na presença de bloqueadores de proteínas ABC, induziu um efeito inibitório de ,0% sobre o desenvolvimento larval quando os espermatozoides foram expostos a uma dose de 0,45 kj m -2 na presença de REV205 ou MK571. Na ausência dos bloqueadores, a exposição dos gametas masculinos à dose supracitada não inibiu o desenvolvimento larval (inibição de 0,0 + 0,0%). De forma semelhante, a irradiação de óvulos com UVB, na presença de bloqueadores de proteínas ABC, induziu um efeito inibitório de ,0% sobre o desenvolvimento larval quando os óvulos foram expostos a uma dose de 0,9 kj m -2 na presença de REV205 ou MK571. Na ausência dos bloqueadores, a exposição dos gametas femininos à dose supracitada não inibiu o desenvolvimento larval (inibição de 0,0 + 0,0%). Em contraste, a irradiação de zigotos ou embriões no estágio de prisma, na presença de bloqueadores de transportadores ABC, não inibiu o desenvolvimento larval, apresentando um percentual de desenvolvimento de ,0% semelhante ao grupo controle (ausência de bloqueadores de transportadores ABC). Conclusão: Trabalhos anteriores do nosso grupo mostraram uma maior atividade dos transportadores ABC em embriões em comparação com óvulos e espermatozoides (Biosci Rep. 30:257, 2010). Esse fato pode explicar a ausência de inibição do desenvolvimento larval nos zigotos e embriões irradiados na presença de bloqueadores de transportadores ABC. Estudos posteriores com concentrações mais elevadas dos bloqueadores serão conduzidos para avaliar essa hipótese. Os resultados da irradiação dos gametas na presença dos bloqueadores de proteínas ABC corroboram com os nossos dados anteriores, demonstrando um relevante papel protetor de proteínas ABC contra os efeitos deletérios da UVB em óvulos e espermatozoides de ouriços-do-mar, durante o desenvolvimento embrionário inicial (clivagens). Apoio Financeiro: CNPq/CAPES Gerado em: :51:03

16 Estudo molecular da alveolite dentária em ratos submetidos a desnutrição neonatal. Vasconcelos, A. C. I., Silva, K. M. P., Ribeiro, M. H. M. L., Castro, C. M. M. B., Martins, D. B. G., Araújo, F. R. G., PROSPECMOL - UFPE Laboratório de Prospecção Molecular - UFPE Laboratório de Microbiologia - UFPE Introdução: A alveolite é considerada uma das complicações pós-operatórias mais comum após a extração de um dente, principalmente quando a mesma está associada a pacientes com carências nutricionais, ou aqueles que não cumprem às noções básicas de higiene oral, ou ainda aqueles que fazem parte de uma classe sócioeconômica menos favorecida.it was described for the first time by Crawford 5. Por outro lado, sabe-se que algumas espécies bacterianas são portadoras de elevado potencial patogênico, sendo capazes de estimular células do hospedeiro a produzirem e liberarem citocinas pró-inflamatórias. Objetivos: Estudar o processo de alveolite dentária e sua relação com os genes IL-1a, IL- 1b, TNFa e NF-κβ e osteocalcina, em ratos adultos desnutridos no período neonatal. Métodos: / Este estudo foi aprovado pela CEEA-UFPE sob número / Foram utilizados 20 ratos, machos, Wistar, amamentados por mães que receberam dieta durante a lactação contendo 17% de proteína, grupo nutrido (N) ou 8% de proteína, grupo desnutrido (DN). Posteriormente ao desmame, os animais foram mantidos com dieta padrão do biotério, Labina. Após 90 dias de vida, todos os animais foram anestesiados com cloridrato de Ketamina + cloridrato de Xilazina. Em seguida, realizou-se a extração do incisivo superior direito e a indução da alveolite. Após 21 dias de comprovação clínica da alveolite, os animais sofreram eutanásia e seus alvéolos foram coletados. Para realizar a extração do RNA, os alvéolos dentários foram pulverizados e processados através do RNeasy Mini Kit (Qiagen, MD, USA). O cdna foi obtido através do Quantitect Reverse Transcription (Qiagen, MD, USA). Em seguida, realizou-se a amplificação dos genes através da RT-PCR utilizando o Rotor-GeneTM SYBR Green kit. Os valores de??ct foram apresentados através da média ± desvio padrão e o valor da expressão gênica através da fórmula aritmética 2-??CT.

17 Resultados: Aos 90 dias de vida, os animais nutridos tiveram peso médio de 357,85g ± 18,19g e os desnutridos apresentaram peso médio de 298,37g ± 22,91g (p <0,05). As citocinas pró-inflamatórias tiveram uma expressão maior nos ratos desnutridos: IL-1α (??CT=1,3475 (±0,13)/ 2-ΔΔCT=0,39); IL-1β (??CT=1,21 (±0,02)/ 2-ΔΔCT=0,43); TNFα (??CT=1,205 (±0,04)/ 2-ΔΔCT=0,43) e NF-κβ (??CT=1,285 (±0,06)/ 2-ΔΔCT=0,41), visto que nestes animais a inflamação apresentava-se mais exacerbada do que nos nutridos. A osteocalcina apresentou-se mais expressa nos animais desnutridos (??CT=1,29 (±0,1)/ 2- ΔΔCT=0,4), devido a uma maior tentativa de recuperação da atividade osteogênica nestes animais. Conclusão: Este modelo de alveolite dentária induzida em ratos estabeleceu uma relação entre as diferentes áreas de Odontologia e Biologia Molecular. A utilização desta última, por sua vez, proporcionou um maior conhecimento desta infecção, podendo contribuir futuramente para o desenvolvimento de novos fármacos com finalidade preventiva e/ou terapêutica. Apoio Financeiro: CNPq, PROPESQ. Gerado em: :51:03

18 POLIMORFISMOS NO GENE ABCB1 ASSOCIADOS À TERAPIA ANTI-HIV: UMA ABORDAGEM FARMACOGENÉTICA Rodrigues, U. A., Coelho, A. V. C., Guimarães, R. L., Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami - UFPE Departamento de Genética da Universidade Federal d - UFPE Introdução: A infecção por HIV em seres humanos é atualmente uma pandemia. Cerca de 33 milhões de pessoas no mundo estão infetadas com o vírus, que se encontra presente nos fluídos corporais e pode ser transmitido através de relações sexuais, partilha se seringas contaminadas ou até amamentação. A infecção pode progredir para o quadro de AIDS que é invariavelmente fatal se não tratada com antirretrovirais. Fatores genéticos individuais podem contribuir para a falha terapêutica, sendo os polimorfismos de único nucleotídeo (SNPs) os principais responsáveis por isso, que podem resultar em consequências funcionais importantes para a atividade gênica, alterando níveis de expressão ou modificando aminoácidos na sequência proteica. Essa influência da variabilidade genética na resposta medicamentosa é estudada pela farmacogenética. O gene ABCB1 é localizado no cromossomo 7 (7q21) e codifica para uma proteína que se dimeriza para constituir a forma nativa de transporte transmembranas. É expresso em diversos tecidos de importância na farmacocinética dos antirretrovirais, visto que a expressão nesses órgãos limita a absorção, presença dos antirretrovirais em reservatórios do HIV-1 (sistema nervoso central, testículos) e contribuem para sua excreção na bile ou urina. Assim, polimorfismos em genes envolvidos em vias de farmacocinética de antirretrovirais, como o ABCB1, podem estar presentes na população e poderiam influenciar no resultado final da terapia anti-hiv, causando falha virológica. Objetivos: O presente projeto teve como objetivo principal o de analisar se polimorfismos de base única (SNPs) localizados no gene ABCB1 apresentam associação com a falha virológica e a chance de sucesso do tratamento. Métodos: Registro No / 11 Este trabalho foi realizado após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira IMIP (Registro No / 11). O tipo do estudo foi o de caso-controle, onde foram analisadas amostras de DNA extraídas de sangue periférico de 187 pacientes portadores do HIV-1 em atendimento, com idade entre 18 e 50 anos. A extração do DNA genômico foi realizada utilizando-se o Genomic Prep Blood DNA isolation kit (método salting out),

19 de acordo com as instruções do fabricante (Promega) e todos os SNPs foram genotipados com a tecnologia de sondas TaqMan na plataforma de PCR em tempo real ABI 7500 (Applied Biosystems). Todas as análises estatísticas foram realizadas com o programa R, versão (R Development Core Team 2010, 2010). Resultados: O alelo T do polimorfismo 3435C>T (rs ) presente no gene ABCB1, esteve marginalmente associado com a falha virológica, apresentando frequência de 53,6% nos casos e 32,2% entre os controles (OR=2,42, IC de 95%= ; p=0,05). Conclusão: O estudo sugere que o genótipo do polimorfismo rs do gene ABCB1 pode ser importante para a predição da falha virológica na terapia anti-hiv. Tal resultado poderá contribuir para o entendimento da variabilidade na resposta ao tratamento anti-hiv e ajudar a identificar pacientes em risco de falha, auxiliando na orientação da escolha do esquema terapêutico. Apoio Financeiro: PIBIC/CNPq UFPE Gerado em: :51:03

20 EFEITO DA IRRADIAÇÃO GAMA NA CONSERVAÇÃO DO HIDROLISADO PROTEICO DE PEIXE PRODUZIDO A PARTIR DO RESÍDUO DE TILÁPIA (Oreochromis niloticus) Ferreira, A. C. M., Silva, J. F. X., Andrade, D. H. H., Silva, M. M., Nascimento, R. M., Souza, K. S., Monte, F. T. D., Silva, R. P. F., Bezerra, R. S., Departamento de Bioquímica - UFPE Introdução: Com a intensificação da piscicultura no Brasil, o cultivo de tilápia tem sido apresentado de forma expressiva. O filé é o principal produto na comercialização deste peixe, correspondente entre 30 e 40%, sendo o resto considerado resíduo (restos de carne, cabeça, pele, ossos, escamas e vísceras) e quando descartados sem tratamento, representam um grave problema ambiental. No entanto, a carcaça é uma rica fonte de proteína que pode ser utilizada na produção do hidrolisado proteico de peixe (HPP), uma alternativa a que se destinam estes resíduos. Objetivos: Este estudo tem como objetivo avaliar a conservação dos hidrolisados proteicos de peixe (HPP), quando submetidos a diferentes doses de irradiação e armazenados sob refrigeração. Métodos: O material utilizado para o experimento foi apenas subproduto do processamento da tilápia. Esses resíduos, sem valor comercial, seriam descartados. Dessa forma procedeu o aproveitamento desses resíduos. Não foi necessário a coleta do peixe. O material utilizado no trabalho foi oriundo de estabelecimento comercial no município de Recife PE. Assim, HPP foram preparados a partir dos subprodutos do processamento de tilápia Oreochromis niloticus utilizando uma enzima comercial no processo de hidrólise. O HPP foi submetido à temperatura ambiente de 30 ºC (controle) e a irradiação gama com fonte de cobalto-60 nas doses 2,5 kgy, 5 kgy e 7 kgy, em seguida estocado a 4 ºC. Análises microbiológicas foram realizadas através da contagem total de microorganismos mesófilos e psicrotróficos de acordo com a norma NP Português 4405 (2002). Resultados: Os resultados indicaram que os HPP tratados por irradiação permaneceram livres de contaminação microbiológica durante 60 dias. Os HPP armazenados a 30 ºC (controle) não permaneceram aceitáveis, apresentando 3,0 X 107

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128

RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 123 RESUMOS DE PROJETOS... 124 ARTIGOS COMPLETOS(RESUMOS)... 128 RESUMOS DE PROJETOS 124 A GENÉTICA E NEUROFISIOLOGIA DO AUTISMO... 125 PAPEL DO POLIMORFISMO IL17A (RS7747909) NA TUBERCULOSE.... 126 PAPEL

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão 1 Questão 2 O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. a) O câncer é uma doença genética, mas na grande maioria dos

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

Técnicas de manipulação cromossomica

Técnicas de manipulação cromossomica Técnicas de manipulação cromossomica Introdução Genética Contribuição Aquacultura Moderna Utilização de técnicas usadas em biotecnologia e engenharia genética Facilmente aplicadas nos peixes: Geralmente,

Leia mais

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar:

QUESTÃO 40 PROVA DE BIOLOGIA II. A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: 22 PROVA DE BIOLOGIA II QUESTÃO 40 A charge abaixo se refere às conseqüências ou características da inflamação. A esse respeito, é INCORRETO afirmar: a) Se não existisse o processo inflamatório, os microorganismos

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Alexandre Bella Cruz Rilton Alves de Freitas Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Objetivo Conhecer Métodos para Avaliação de Genotoxicidade

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2006 2ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2006 2ª fase www.planetabio.com 1-O esquema abaixo representa as principais relações alimentares entre espécies que vivem num lago de uma região equatorial. Com relação a esse ambiente: a) Indique os consumidores primários. b) Dentre

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva.

A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Parasitologia PET A importância hematofágica e parasitológica da saliva dos insetos hematófagos. Francinaldo S.Silva. Maria

Leia mais

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos

I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos I Curso de Verão em Oncologia Experimental Cursos Práticos 1. Técnicas Experimentais para o Estudo da Expressão Gênica O curso terá como base o estudo da expressão gênica utilizando um fator de transcrição.

Leia mais

Instituto de Biologia Molecular e Celular Instituto de Engenharia Biomédica

Instituto de Biologia Molecular e Celular Instituto de Engenharia Biomédica Instituto de Biologia Molecular e Celular Instituto de Engenharia Biomédica IBMC INEB> O que é? O IBMC INEB é um Laboratório Associado, ou seja, um centro de investigação científica multidisciplinar que

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012

Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 Entendendo a herança genética (capítulo 5) Ana Paula Souto 2012 CÂNCER 1) O que é? 2) Como surge? CÂNCER 1) O que é? É o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado

Leia mais

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR

Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz Instituto Carlos Chagas - ICC- Fiocruz - PR Itamar Crispim Simpósio Temático - 01/07 e 02/07 Local: Auditório do TECPAR das 8:00 às 18:00 horas 01 de Julho Abertura e Apresentação Institucional Dr. Samuel Goldenberg Doença de Chagas: realidade e

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese

HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese HIV como modelo de estudo de retrovírus e patogênese Retrovírus e oncogênese. Um pouco de história: 1904: Ellerman and Bang, procurando por bactérias como agentes infecciosos para leucemia em galinhas,

Leia mais

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa

Pesquisa. 40 INCA Relatório Anual 2005 Pesquisa Pesquisa A pesquisa no INCA compreende atividades de produção do conhecimento científico, melhoria dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos do câncer e formação de recursos humanos em pesquisa oncológica.

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

CURSO APOIO BIOLOGIA RESOLUÇÃO

CURSO APOIO BIOLOGIA RESOLUÇÃO BIOLOGIA CURSO APOIO 01. As florestas vêm retardando o processo de aquecimento global, pelo fato de utilizarem uma das substâncias responsáveis por esse fenômeno. As árvores absorvem parte dos gases liberados

Leia mais

Resposta: No terço externo das tubas uterinas (=trompas, ovidutos, trompas de Falópio) Tubas uterinas útero endométrio

Resposta: No terço externo das tubas uterinas (=trompas, ovidutos, trompas de Falópio) Tubas uterinas útero endométrio 1 a Questão: (15 pontos) Uma mulher de 30 anos tem um ciclo padrão de 28 dias e deseja engravidar. A data da última menstruação foi no dia 1 o do mês passado. Suas dosagens hormonais estão normais. a)

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro.

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. Thalitan é um complexo formado por um oligossacarídeo marinho quelado a moléculas de magnésio e manganês. Esse oligossacarídeo é obtido a partir da despolimerização

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão.

45 3 OP - Aspectos elementares dos processos de neurotransmissão. Código Disciplina CH CR Nat Ementa BIQ808 BIOQUÍMICA CELULAR (DOMÍNIO CONEXO) BIQ826 TÓPICOS DE BIOQUÍMICA AVANÇADA EFI804 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO FAE914 DIDÁTICA ENSINO SUPERIOR FAR815 IMUNOFARMACOLOGIA

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Patologia Geral Código: FAR 314 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.1 Professor:

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

1 a Questão: (1,0 ponto)

1 a Questão: (1,0 ponto) 1 a Questão: (1,0 ponto) O quadro informa a percentagem de oxi-hemoglobina presente no sangue de dois diferentes animais X e Y segundo a pressão parcial de oxigênio. Pressão parcial de oxigênio (mmhg)

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil

Grupo de Protecção e Segurança Radiológica Octávia Monteiro Gil Grupo de Protecção e Segurança Radiológica 1st Workshop for Stakeholders - 6 de Dezembro de 2013 Radioactividade A radioactividade existe desde a formação do Universo, e os seres humanos viveram sempre

Leia mais

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição

Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Padrões hematológicos de vacas leiteiras no período de transição João Paulo Meirelles Graduando em Medicina Veterinária Samanta

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

1ª Série. 5EST222 ESTÁGIO INTEGRATIVO DE BIOMEDICINA I Atividades práticas e de pesquisa nas várias disciplinas da área de biomedicina.

1ª Série. 5EST222 ESTÁGIO INTEGRATIVO DE BIOMEDICINA I Atividades práticas e de pesquisa nas várias disciplinas da área de biomedicina. 1ª Série 5MOR018 ANATOMIA DOS ANIMAIS DE LABORATÓRIO Estudo da anatomia de alguns animais utilizados em laboratório e considerados de grande importância para o futuro profissional biomédico, utilizando-se,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

UPGRADE BIOLOGIA 2. Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco. Prof. Diego Ceolin

UPGRADE BIOLOGIA 2. Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco. Prof. Diego Ceolin UPGRADE BIOLOGIA 2 Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco Prof. Diego Ceolin Desenvolvimento Embrionário Animal Divisões Divisões Cavidade (blastocele) celulares celulares Ovo Gastrulação Mórula

Leia mais

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior

Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos. Antonio Luiz Gomes Júnior Métodos de investigação em genotoxicidade em ensaios pré-clínicos de novos fitomedicamentos Antonio Luiz Gomes Júnior Genotoxicidade Definição: é o setor da genética que estuda os processos que alteram

Leia mais

Conceito InflammAging

Conceito InflammAging Conceito InflammAging Em cosméticos, inflamação e envelhecimento normalmente são tratados separadamente. Pesquisas recentes tem mostrado que o envelhecer está acompanhado por um pequeno grau de inflamação

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

MAPAS DE RISCO como ferramentas de prevenção de acidentes e minimização de riscos

MAPAS DE RISCO como ferramentas de prevenção de acidentes e minimização de riscos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia e Parasitologia MAPAS DE RISCO como ferramentas de prevenção de acidentes e minimização de riscos Edmundo C. Grisard & Carlos J. C.

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

ORGANISMOS CARACTERÍSTICAS

ORGANISMOS CARACTERÍSTICAS 13 c BIOLOGIA Os algarismos romanos, de I a V, representam grupos de organismos fotossintetizantes, e os algarismos arábicos, de 1 a 5, indicam algumas características desses grupos. ORGANISMOS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades PUC 29/11/2009

Seu pé direito nas melhores Faculdades PUC 29/11/2009 Seu pé direito nas melhores Faculdades PUC 29//2009 5 Biologia 26. Malária (I), febre amarela (II), mal de Chagas (III) e síndrome da imunodeficiência adquirida (IV) são algumas das doenças que ocorrem

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas

ARBORICULTURA I. Propagação de Plantas ARBORICULTURA I Propagação de Plantas O que é a propagação de plantas? É a multiplicação de indivíduos do reino vegetal, por métodos sexuados ou assexuados, por forma a obter na descendência um determinado

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS TRANSGÊNICOS Os alimentos transgênicos são geneticamente modificados com o objetivo de melhorar a qualidade e aumentar a produção e a resistência às pragas. Pontos positivos - Aumento da produção - Maior

Leia mais

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS EOSINOFILIA RELACIONADA COM A ENTAMOEBA COLI Dayane Santos de Oliveira. 1 ; Flavia Alves da Conceição¹ Henrique de Oliveira Medeiros¹ Eliana Alvarenga de Brito 2 1; Acadêmicos AEMS/ Biomedicina; 2 Docente

Leia mais

Aplicações da biotecnologia na área animal

Aplicações da biotecnologia na área animal Aplicações da biotecnologia na área animal As aplicações da biotecnologia moderna na área animal são múltiplas e têm um mercado potencial de bilhões de dólares por ano. A competição por tal mercado exige

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA Nesta edição do vestibular da UFPR, a prova de Biologia da segunda fase apresentou questões com diferentes níveis de dificuldade. Mas, de forma geral, podemos afirmar que a criatividade,o

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE BIOMEDICINA Introdução à Biomedicina Apresentação ao aluno das diversas áreas de atuação do profissional Biomédico analisando a estrutura curricular oferecida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse

Declaração de Conflitos de Interesse Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Elias Fernando Miziara - DF MR A biologia viral na indução do câncer por HPV Epidemiologia no Brasil Dr. Elias Fernando Miziara Lesâo provocada por

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 26.09.06 BIOLOGIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO

2a. prova Simulado 5 Dissertativo 26.09.06 BIOLOGIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO Simulado 5 Padrão FUVEST Aluno: N o do Cursinho: Sala: BIOLOGIA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DO SIMULADO 1. Aguarde a autorização do fiscal para abrir o caderno de questões e iniciar a prova. 2. Duração

Leia mais