Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br"

Transcrição

1 Biotecnologias Reprodutivas em Felinos Profa.Dra. Maria Denise Lopes.

2 INTRODUÇÃO Cães e gatos além de considerados animais de estimação são também modelos comparativos importantes para estudos visando espécies não domésticas. As TRA são importantes não somente para a preservação da biodiversidade mas também para a pesquisa básica e aumento da performance reprodutiva. O sucesso das técnicas in vitro depende da possibilidade de se imitar condições in vivo.

3 INTRODUÇÃO O gato doméstico é considerado um pequeno felídeo (< 6,5Kg). A fêmea atinge a puberdade com idade entre 4 a 12 meses. Raças de pelagem curta tendem a apresentar o primeiro estro mais cedo do que raças de pelagem longa. Gestação dura de 58 a 65 dias. Fase lútea de fêmeas não prenhes dura de 35 a 40 dias. Gatas domésticas são poliestricas sazonais, ciclando a cada 14/18 dias. Classificadas como espécies de ovulação induzida. Período de estro dura de 3 a 16 dias. Filhotes são desmamados aproximadamente com 8 semanas, permitindo que a fêmea produza 3 ninhadas/ano.

4 INTRODUÇÃO O gato doméstico tem sido tradicionalmente descrito como uma espécie de ovulação induzida. Estimulação neuronal do hipotálamo medial basal, induzida pela cobertura causa liberação reflexa de GnRH, e subsequente onda de LH da adenohipófise.. Baseada na flutuação de E2, o gato doméstico apresenta ciclo estral de 14/15 dias, estro de 3 a 7 dias. No 3º dia do estro os sinais comportamentais são bem evidentes em associação com o pico de E2 coberturas frequentes estimulam LH suficiente para causar maturação oocitária final e ovulação, que ocorre cerca de 24 a 48 horas após a cobertura.

5 OBJETIVO Gatos domésticos Possibilidade de utilização das TRA em felinos domésticos dentro da rotina clínica.

6 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado 1. Vagina artificial Coleta de sêmen 2. Eletroejaculação 3. Lavagem vaginal após a cobertura 4. Cauda do epidídimo após a castração Ana Izabel S. B. Villaverde, 2005

7 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado Coleta de sêmen Eletroejaculação Tebet,2003 Protocolo de estímulos para coleta de sêmen Séries Estímulos Voltagem (V) HOWARD, J.G., BARONE, M.A., DONOGHUE, A.M., WILDT, D.E., 1992

8 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado Análise de sêmen volume (µl) concentração (sptz/ml) motilidade (%) osmolaridade (mosm/kg) ph morfologia espermática (%) PLATZ & SEAGER, 1978; DOOLEY & PINEDA, 1986

9 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado Sêmen fresco.diluir 1:1.Não exceder 100µl.Solução Fisiológico, Ringer sem Lactato

10 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado Sêmen resfriado: Curva de resfriamento. Meio diluidor. A refrigeração pode ser feita colocando-se o eppendorf com o sêmen dentro de um recipiente com 400 ml de água em temperatura ambiente, e após acondicioná-lo num refrigerador a 5 o C 0,3 C/minuto

11 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado Valores médios e desvio padrão de motilidade, vigor, integridade de membrana e morfologia espermática de sêmen obtido da cauda do epidídimo de gato doméstico, analisados nos momentos pós-colheita, pós-refrigeração e pós-descongelação dos dois grupos estudados. Botucatu, Mot (%) Vigor ( 5) Íntegros (%) Normais(%) 0h 24h 0h 24h 0h 24h 0h 24h Pós-refrigeração Média 87,33 77,67 4,60 4,07 81,07 74,73 73,33 68,60 Desvio Padrão 5,63 15,68 0,51 0,80 7,15 8,84 6,99 10,08 Pós-descongelação Média ,90 2,77 42,13 49,40 66,2 61,8 Desvio Padrão 24,55 21,13 0,76 0,73 14,44 16,07 8,74 8,82

12 1. Sêmen resfriado e congelado O processo de congelação reduz a qualidade do sêmen diminui o número de espermatozóides vivos. a congelação produz modificações celulares que alteram a motilidade, a longevidade, a integridade das membranas e a capacidade fertilizante dos espermatozóides.

13 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado 8 MAE 1 MAE MP N MP MAI MAI a b 2 MAE MAE VES e MP MAI MAI c MP d MP

14 1. Sêmen fresco, resfriado e congelado Valores médios e desvio padrão de motilidade, vigor, integridade de membrana e morfologia espermática de sêmen obtido da cauda do epidídimo de gato doméstico, analisados nos momentos pós-colheita, pós-refrigeração e pós-descongelação dos dois grupos estudados. Botucatu, Mot (%) Vigor ( 5) Íntegros (%) Normais(%) 0h 24h 0h 24h 0h 24h 0h 24h Pós-refrigeração Média 87,33 77,67 4,60 4,07 81,07 74,73 73,33 68,60 Desvio Padrão 5,63 15,68 0,51 0,80 7,15 8,84 6,99 10,08 Pós-descongelação Média 42,00 2,90 42,13 66,2 Desvio Padrão 24,55 0,76 14,44 8,74

15 2. Inseminação Artificial Intrauterina Intra-vaginal X Indicações: Problemas comportamentais// físicos que impossibilitem a cópula; distância entre os reprodutores; evitar a transmissão de doenças infecciosas.

16 2. Inseminação Artificial Villaverde & Lopes, Intra-vaginal 2. Intrauterina

17 3. Indução de Estro e Ovulação Estimulação ovariana Indução das ovulacões 150 UI de ecg 82h 100 UI de hcg. Estimulo vaginal / hcg. Protocolo de IA hcg + IA hcg + 1 IA / horas após, 2 IA Wildt et al., 1978

18 2. Inseminação Artificial Sêmen fresco (13 x 106) IVI hcg x 28 após hcg 33% (5/15). Sêmen congelado (20 x 106; 70% motilidade pós descongelação) IVI X IUI 0% X 41.7% Chatdarong et al, 2007

19 2. Inseminação Artificial Nasceu no dia 24 de julho do ano de 2006, no Departamento de Reprodução Animal e Radiologia Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, UNESP, Campus de Botucatu, dois filhotes de gato doméstico, resultado de uma inseminação artificial com sêmen congelado. A fêmea foi submetida a um protocolo hormonal para indução do estro e ovulação e inseminada, por via intrauterina, utilizando sêmen congelado. O sêmen foi coletado através de vagina artificial e congelado nas dependências do laboratório do REPAS (Reprodução de Pequenos Animais e Silvestres). Esse evento faz parte do trabalho de mestrado em Reprodução Animal do programa de Pós- Graduação da FMVZ, Unesp, Botucatu da aluna Ana Izabel Silva Balbin Villaverde, Bolsa FAPESP, processo número 04/ ,

20 4. Produção de embriões in vitro - PIV 1. Recuperação de oócitos. 2. Maturação oocitária - MIV 3. Fertilização in vitro - FIV 4. Cultura embrionária CIV 5. Criopreservação/T.E.

21 4. Produção de embriões in vitro - PIV Recuperação oocitária Martins, 2003 Lopes, 2000

22 4. Produção de embriões in vitro - PIV Martins, 2004 Maturação oocitária - é definida como a sequência de eventos que ocorrem desde o estágio de vesícula germinativa até o término da segunda divisão meiótica, com formação do segundo corpúsculo polar.

23 3. Maturação oocitária e fertilização in vitro A eficiência da MIV e FIV em oócitos de gatos domésticos é inferior a de outras espécies. Somente 50 a 60% dos oócitos cultivados atingem a maturação - MII e geralmente menos de 50% dos oócitos maturados são fertilizados. Mesmo sob condições ideais transforma em blastocistos. < de 30% dos oócitos fertilizados se Karja et al., 2002.

24 3. Maturação oocitária e fertilização in vitro Pope et al., 2006 relataram que a sazonalidade reprodutiva das gatas influencia PIV. OÓCITOS de ovários funcionais x OÓCITOS de ovários quiescentes.

25 Influência da sazonalidade e da condição ovariana sobre a PIV em gatos domésticos. o número médio de COCs obtido em ovário de fêmeas nos meses de janeiro, fevereiro e março fotoperíodo I - foi de 23,65. fotoperíodo II (agosto, setembro e outubro) este valor foi de 48,2 COCs/gata. Gatas que apresentavam ovários na condição folicular forneceram um número menor de oócito/ovário,entretanto, a maioria dos oócitos foi classificado em Grau I. a taxa de maturação oocitária nesse estudo foi de 75% em ambos os períodos. a taxa de clivagem foi de 64,26%. de mórula foi de 40, Maturação oocitária e fertilização in vitro de blastocisto 23,89%, independente da condição ovariana. Martins (2008)

26 3. Maturação oocitária e fertilização in vitro * Embrião com 28 células corado com Hoechst Blastocisto após 192 horas de cultivo in vitro (D8). Embrioblasto (asterisco) Embrião de 8 células corado com acridina orange e iodeto de propídeo. Células VN (viáveis e normais, com núcleos corados em verde e morfologia normal) e células NVF (não viáveis com núcleo alaranjado e cromatina fragmentada). Martins et al. (2009)

27 4. Criopreservação de oócitos, embriões e tecidos ovarianos. Estocar material genético de espécies em extinsão ou de animais geneticamente superiores.

28 4. Criopreservação de oócitos e embriões felino. Impacto do Tempo de Refrigeração Sobre o Tecido Ovariano de Gatas Domésticas Refrigeração (5ºC) sobre o tecido ovariano em períodos de 0 (controle), 12, 24, 96 e 120 horas por meio de avaliações histopatológicas e imunoistoquímicas. A refrigeração não mostrou resultados satisfatórios ao longo do tempo, o que foi demonstrado tanto pela degeneração do tecido ovariano quanto pelo aumento da apoptose observada, contudo, para períodos mais curtos (até 24 horas) o tecido mostrou conservação adequada.

29 4. Criopreservação de oócitos, embriões e tecido ovariano felino. A criopreservação de oócitos apresenta resultados inferiores aos embriões. A FIV de oócitos maturos criopreservados tem taxa de clivagem de 38,7% e FIV de oócitos criopreservados imaturos tem taxa de 6.8%.

30 4. Considerações Finais. Ainda existe muito a ser pesquisado. Barreira para a aplicação destas biotécnicas na clínica veterinária. Lembrar que a prática desses métodos permitirá adaptações para cada local e profissional, e que a disseminação das técnicas existentes incentivará os proprietários, uma vez que, muitos destes desconhecem estas possibilidades.

31 2. Inseminação Artificial Estratégias na prevenção de doenças antes do acasalamento. Recomendação Apenas cruzar gatos negativos Apenas cruzar gatos com mesmo status sorológico (+/-) Vacinação geralmente recomendada Agente infeccioso FeLV FIV Vírus da panleucopenia felina Herpesvírus felino Calicivirose felina Coronavírus felino (PIV) Clamidiose

32 2. Inseminação Artificial Histórico reprodutivo completo. Preparo dos reprodutores: Exame físico geral e específico de aparelho genital. Sorologia para doenças infecciosas. Vacinação e vermifugação.

33 2. Inseminação Artificial Coleta de sêmen Protocolo anestésicos: associações de tiletamina-zolazepan ou quetamina- xilazina. Não utilizar: fenotiazínicos, diazepan e os utilizados em anestesias inalatórias.

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco 23/07/12 Produção e Manipulação de Pré-embriões Inseminação artificial Fertilização in vitro Biotecnologia da Reprodução Produção de animais transgênicos Biopsia de embrião Determinação genética pré-implante

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICAL EM CÃES REVISÃO ARTIFICAL INSEMINATION IN DOGS - REVIEW

INSEMINAÇÃO ARTIFICAL EM CÃES REVISÃO ARTIFICAL INSEMINATION IN DOGS - REVIEW INSEMINAÇÃO ARTIFICAL EM CÃES REVISÃO ARTIFICAL INSEMINATION IN DOGS - REVIEW MONTANHA, Francisco Pizzolato Docente do curso de Medicina Veterinária da FAMED/ACEG Garça/SP. E-mail: faef.estagio@gmail.com

Leia mais

Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade

Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade Simpósio Gestão da Qualidade em BCTG, ANVISA, São Paulo, Nov-2012 Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade Sidney Verza Jr Biólogo, Responsável pelo Laboratório de FIV ANDROFERT-

Leia mais

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária PUNÇÃO FOLICULAR Inicialmente, os oócitos eram obtidos, individualmente, por via laparoscópica, porém este tipo de procedimento exige anestesia geral

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Mariana Antunes Ribeiro ribeiro.mantunes@gmail.com Tratamentos IIU - Inseminação intra-uterina FIV - Fertilização in vitro convencional ICSI - Intracytoplasmic

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS Bicudo, S.D.*; Azevedo, H.C.; Silva Maia, M.S.; Sousa, D.B.; Rodello, L. DRARV - FMVZ UNESP Botucatu - *sony@fmvz.unesp.br Características reprodutivas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PLANO DE AULA 01. DADOS PROFESSOR: EVELYN RABELO ANDRADE ÁREA / DISCIPLINA: BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO (VET30066) UNIDADE: ROLIM DE MOURA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80 HORAS CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 HORAS

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL UTILIZANDO SÊMEN CONGELADO EM GATOS DOMÉSTICOS (Felis catus)

COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL UTILIZANDO SÊMEN CONGELADO EM GATOS DOMÉSTICOS (Felis catus) UNIVERSIDADE ESTADULA PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA CAMPUS DE BOTUCATU COMPARAÇÃO ENTRE DOIS MÉTODOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL UTILIZANDO SÊMEN CONGELADO

Leia mais

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3.1. Introdução Simone Cristina Méo Niciura I A aplicação de biotécnicas da reprodução animal, como a IA, requer o conhecimento da anatomia e da

Leia mais

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br Os Felinos domésticos no geral tem sua domesticação recente quando comparada ao cão; Os gatos de raça pura para

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Ilustração Olaff Behrend

Ilustração Olaff Behrend Autora José Luiz Jivago de Paula Rôlo Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade de Brasília (2009). Atualmente é médico veterinário da Universidade de Brasília. Tem experiência na área

Leia mais

EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 0 EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPO GRANDE - MS 2011 1 I EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA REPRODUÇÃO DE BOVINOS Trabalho apresentado para cumprimento de Avaliação do curso de especialização

Leia mais

BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA. Biotecnologia

BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA. Biotecnologia BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA Biotecnologia O que é isso??? É qualquer técnica que utilize organismos vivos ou suas partes, para fazer ou modificar produtos, melhorar plantas ou animais

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ANÁLISE DE PROTOCOLOS DE INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO COM SÊMEN DESCONGELADO DILUÍDO E NÃO DILUÍDO EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR PAULA GOMES RODRIGUES 1, MARINA BOTTREL REIS NOGUEIRA 2, RENATO CAMPOS ANDRADE

Leia mais

Prof. José Antonio Ribas

Prof. José Antonio Ribas 1 CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM EQUINOS Prof. José Antonio Ribas 2 INTRODUÇÃO Viabilidade da criação de cavalos = sucesso na reprodução Industria do cavalo - movimenta cerca de R$

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013

Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Inseminação artificial Gestação Luís Montenegro Hospital Veterinário Montenegro Lisboa 2013 Fisiologia Reprodutiva Canina Cadela Monoéstrica Intervalo interéstrico 4 a 12 meses (média de 7 meses) Variavilidade

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

O que é gametogênese?

O que é gametogênese? O que é gametogênese? É o processo pelo qual os gametas são produzidos nos organismos dotados de reprodução sexuada. Nos animais, a gametogênese acontece nas gônadas, órgãos que também produzem os hormônios

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA. capacitação. Vaca: 6 a 7 horas Porca: 1 a 2 horas

CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA. capacitação. Vaca: 6 a 7 horas Porca: 1 a 2 horas CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA Ejaculação sptz fêmea aptos a fertilização capacitação Vaca: 6 a 7 horas Porca: 1 a 2 horas CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA Processo mediado por proteínas das glândulas sexuais acessórias

Leia mais

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana - Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Histologia e Embriologia Animal II Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Daniela dos Santos

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

Quatro grupos de pesquisadores paulistas. Marcadores da fertilização. tecnologia Pecuária y

Quatro grupos de pesquisadores paulistas. Marcadores da fertilização. tecnologia Pecuária y tecnologia Pecuária y Marcadores da fertilização Novas técnicas mapeiam a função de proteínas, carboidratos e lipídeos para obtenção de embriões bovinos de melhor qualidade Dinorah Ereno Quatro grupos

Leia mais

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Embriologia GAMETOGÊNESE É o processo de formação e desenvolvimento de células especializadas chamadas de GAMETAS As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Espermatogônias

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha

MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS. David R. Rocha MANEJO REPRODUTIVO NOVILHAS David R. Rocha Manejo reprodutivode de novilhas NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE:??? venda, engorda, reprodutor, rufião, etc. CRIA E RECRIA Manejo reprodutivode de novilhas

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Diagnóstico do cio e manejo da cobertura: Tarefas importantes na criação Isabel R. Scheid 1 Ivo

Leia mais

KAREN MARTINS LEÃO TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

KAREN MARTINS LEÃO TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL KAREN MARTINS LEÃO TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL BOTUCATU 2003 KAREN MARTINS LEÃO TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Monografia realizada durante a disciplina Seminários II do Programa de Pósgraduação

Leia mais

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE

GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE ESPERMATOGÊNESE GAMETOGÊNESE MASCULINA: ESPERMATOGÊNESE Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano 1 ESPERMATOGÊNESE Definição Processo pelo qual se formam os gametas masculinos, os espermatozóides, a partir de células germinativas

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce Instituto Valenciano de Infertilidade O Instituto Valenciano de Infertilidade nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Acasalamento 3,0 3,5. Terço final da gestação 2,5 4,0. Parição (parto simples) 3,0 4,0. Parição (parto gemelar) 3,5 4,0

Acasalamento 3,0 3,5. Terço final da gestação 2,5 4,0. Parição (parto simples) 3,0 4,0. Parição (parto gemelar) 3,5 4,0 Manejo reprodutivo de ovinos Fêmeas Estacionalidade reprodutiva Fertilidade aumenta com os dias curtos Temperatura Calor acentuado: inibe cio, diminui a fertilidade e aumenta a mortalidade embrionária

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Um dos diferenciais da Tecnopec é desenvolver e apoiar pesquisas visando obter protocolos

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL Caroline

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISCIPLINA: ZOO 003U - TÓPICOS ESPECIAIS EM ZOOTECNIA - Avanços em reprodução de bovinos de corte

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110

V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110 Reconcentração do sêmen congelado de carneiros por centrifugação: efeito sobre a ocorrência de refluxo da dose inseminante

Leia mais

Classificação: valores

Classificação: valores ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 1º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turma A TEMA : Reprodução Humana 20 de Outubro de 2011 90 minutos Nome: Nº Classificação: valores A professora:

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS

PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS PROGRAMA DE CONTROLE POPULACIONAL DE CÃES E GATOS O crescimento populacional de cães e gatos tem representado um problema de saúde pública, devido à possibilidade de transmissão de doenças entre animais

Leia mais

Inseminação artificial em caprinos de raças autóctones

Inseminação artificial em caprinos de raças autóctones Inseminação artificial em caprinos de raças autóctones Ramiro Mascarenhas (1) e João Simões (2) (1) Investigador Principal. Estação Zootécnica Nacional (INIAP) Vale de Santarém. (2) Docente e Investigador.

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Diferentes aspectos da fecundidade do sêmen de jumentos e da gestação de éguas submetidas à cruzamentos inter-espécie

Diferentes aspectos da fecundidade do sêmen de jumentos e da gestação de éguas submetidas à cruzamentos inter-espécie UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Colegiado de Pós Graduação em Ciência Animal Diferentes aspectos da fecundidade do sêmen de jumentos e da gestação de éguas submetidas à cruzamentos inter-espécie ALICE

Leia mais

Monitorização do ciclo éstrico da cadela para inseminação artificial ou cruzamento 1

Monitorização do ciclo éstrico da cadela para inseminação artificial ou cruzamento 1 Animais de Companhia Monitorização do ciclo éstrico da cadela para inseminação artificial ou cruzamento 1 Alves, I., Mateus, M., Lopes da Costa, L. Serviço de Reprodução, CIISA/Faculdade de Medicina Veterinária,

Leia mais

Estratégias para melhorar o desempenho reprodutivo

Estratégias para melhorar o desempenho reprodutivo Estratégias para melhorar o desempenho reprodutivo Dr.a. Juliana Lopes Almeida Médica veterinária Mestrado em ciências agrárias, reprodução equina (Universidade de Brasília - UNB) Doutorado em patologia

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Câncer de mama e fertilidade Por que? Como o tratamento

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

1. (Ufg 2014) Analise a figura a seguir que representa a gástrula, uma estrutura embrionária.

1. (Ufg 2014) Analise a figura a seguir que representa a gástrula, uma estrutura embrionária. 1. (Ufg 2014) Analise a figura a seguir que representa a gástrula, uma estrutura embrionária. Considerando a figura: a) denomine os folhetos embrionários primordiais X, Y e Z, respectivamente, e identifique

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior.

CICLO OVARIANO. Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. CICLO OVARIANO Formado por várias alterações em um ovário, os quais se repetem a intervalos mensais Estas alterações estão sob influencia dos hormônios gonadotrópicos da hipófise anterior. Principais fases

Leia mais

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1

EMBRIOLOGIA HUMANA. -Disciplina: Genética e Embriologia. -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 EMBRIOLOGIA HUMANA -Disciplina: Genética e Embriologia -Profª: Ana Cristina Confortin -2014/1 ÚTERO * Compreender a estrutura do tero é base para compreensão dos ciclos reprodutivos e da implantação do

Leia mais

Dr.a. Juliana Lopes Almeida Médica veterinária Mestrado em ciências agrárias, reprodução equina (Universidade de Brasília - UNB) Doutorado em

Dr.a. Juliana Lopes Almeida Médica veterinária Mestrado em ciências agrárias, reprodução equina (Universidade de Brasília - UNB) Doutorado em Dr.a. Juliana Lopes Almeida Médica veterinária Mestrado em ciências agrárias, reprodução equina (Universidade de Brasília - UNB) Doutorado em patologia comparativa, reprodução equina (University of California,

Leia mais

NO BRASIL A CLONAGEM DE BOVINOS ENTREVISTA. Os segredos da Vitória

NO BRASIL A CLONAGEM DE BOVINOS ENTREVISTA. Os segredos da Vitória A CLONAGEM DE BOVINOS ENTREVISTA NO BRASIL Entrevista concedida a Lucas Tadeu Ferreira E-mail do Dr. Rodolfo Rumpf: rodolfo@cenargen.embrapa.br Fotos: Cláudio Bezerra Os segredos da Vitória A EMBRAPA surpreende

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA

INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA INCREMENTO DA DUPLA OVULAÇÃO SOBRE A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA NA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM ÉGUAS DA RAÇA QUARTO DE MILHA Myrian Megumy Tsunokawa Hidalgo (PIBIC/Fundação Araucária), Tamires Korchovei Sanches

Leia mais

Escolha de Reprodutrizes

Escolha de Reprodutrizes UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Escolha de Reprodutrizes Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis.

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO. É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. REPRODUÇÃO HUMANA APARELHO REPRODUTOR MASCULINO É constituído pelos testículos, dutos genitais, glândulas acessórias e pênis. TESTÍCULO O testículo produz espermatozóides e hormônio masculino e localiza-se

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário

Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Embriologia humana: primeira semana de desenvolvimento embrionário Prof. Dr. Daniel F. P. Vasconcelos (Professor Adjunto de Histologia e Embriologia Colegiado de Biomedicina Campus de Parnaíba - UFPI )

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO EM EQUÍDEOS. Prof. José Antonio Ribas

MANEJO REPRODUTIVO EM EQUÍDEOS. Prof. José Antonio Ribas MANEJO REPRODUTIVO EM EQUÍDEOS Prof. José Antonio Ribas Introdução Viabilidade da criação de cavalos = bem sucedida reprodução Maior dificuldade = manejo reprodutivo adequado Maior produção de potros Maximização

Leia mais

Módulo de Embriologia Geral

Módulo de Embriologia Geral Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Módulo de Embriologia Geral Responsável: Prof. Ricardo G. P. Ramos -Introdução à Embriologia Humana -Gametogênese e Fertilização Bibliografia recomendada Aspectos

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Exame Andrológico em Cães

Exame Andrológico em Cães Exame Andrológico em Cães ProfªIsabel Candia Nunes da Cunha UENF Indicações Compra ou venda de reprodutores Seleção de doadores para o uso em IA Diagnóstico de patologias do sistema genital masculino Histórico

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu CLÍNICA MÉDICA E SANIDADE DE GRANDES ANIMAIS PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS IN VITRO

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu CLÍNICA MÉDICA E SANIDADE DE GRANDES ANIMAIS PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS IN VITRO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO latu sensu CLÍNICA MÉDICA E SANIDADE DE GRANDES ANIMAIS PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS IN VITRO Giovani Zanetti Pessôa Candiotto Limeira, novembro de 2008 GIOVANI

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida RMA

Reprodução Medicamente Assistida RMA Reprodução Medicamente Assistida RMA Reprodução Medicamente Assistida Trabalho realizado por: Daniel Lopes, nº10 Simão Serrano, nº21 Sofia Mendes, nº27 Marta Mendes, nº 29 RMA Escola Secundária Maria Amália

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária

REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária REPRODUÇÃO GERAL NOS MAMÍFEROS DOMÉSTICOS Ismar Araújo de Moraes Fisiologia Veterinária INTRODUÇÃO REVISÃO DOS ASPECTOS ANATÔMICOS http://www.fao.org/wairdocs/ilri/x5442e/x5442e05.gif 1- corno uterino

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA. João Edson Ourique Balbé

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA. João Edson Ourique Balbé UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA João Edson Ourique Balbé TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURITIBA 2010 EXAME ANDROLÓGICO EM BOVINOS

Leia mais