Uso de salas limpas na reprodução humana assistida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso de salas limpas na reprodução humana assistida"

Transcrição

1 Clínicas de Fertilização Uso de salas limpas na reprodução humana assistida Apesar de normalmente serem ambientes pequenos, as áreas limpas das clínicas de reprodução humana impõem inúmeros desafios de projeto e de instalação Luciana Fleury 20 Em vigor desde agosto do ano passado, a RDC nº 23, de 27 de maio de 2011, instituída pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (AN- VISA), alterou as exigências para o funcionamento dos Bancos de Células e Tecidos Germinativos, implicando em mudanças nos processos e na estrutura dos laboratórios das clínicas de reprodução humana que trabalham com fertilização in vitro. A nova norma revogou a RDC nº 33, de 17 de fevereiro de 2006, o primeiro texto da agência a tratar do assunto e a indicar como deveria ser feito o controle da contaminação nestes ambientes. Preferimos adotar, desta vez, uma redação menos detalhada para o regulamento. Tudo sem abrir mão da segurança dos processos, afirma Renata Miranda Parca, especialista em regulação e vigilância sanitária da gerência de tecidos, células e órgãos da ANVISA. A versão de 2006 chegava a listar Fotos: Divulgação Clínica Fertility Vista parcial de laboratório para processo de fertilização da Clínica Fertility os tipos de equipamentos permitidos tempo, não deixava claro se havia uma para os processos de manipulação classificação determinada para o ambiente para a fertilização, visando garantir de entorno. Isso fez com que, a realização das atividades em um na época, algumas clínicas fizessem equipamento ISO classe 5. Ao mesmo uma leitura pouco crítica da legislação SBCC - Set/Out

2 e optassem por adotar a ISO classe 5 para todo o laboratório, diz Silvio Cesar da Costa, gerente de Operações da Neu Luft. A nova RDC também não determina que o ambiente seja classificado, mas, ao trazer um maior detalhamento das condições ideais, faz com que as soluções sejam equivalentes às usadas para se obter a ISO classe 8. O texto mantém a exigência de que a manipulação em si ocorra em áreas ISO classe 5. As principais novidades da RDC 23 estão relacionadas a um maior detalhamento acerca do controle, rastreabilidade e documentação de todo o processo, portanto, não representam uma grande alteração quanto à estrutura necessária para a realização do procedimento da fertilização. Ainda assim, são vários os desafios de projeto e instalação de um ambiente controlado para este fim. O primeiro ponto é com relação ao local. Diferentemente de plantas industriais, planejadas para facilitar a inclusão de maquinários, redes de energias, pisos técnicos etc., os laboratórios de fertilização in vitro geralmente estão localizados em imóveis comerciais, Regulagem da velocidade e uniformidade do fluxo de ar são essenciais para que não haja interferência no processo

3 Clínicas de Fertilização 22 Detalhe dos equipamentos usados no processo de fertilização como prédios de escritórios ou casas Tudo tem de ser pensado para adaptadas. Essa situação exige uma evitar a vibração, especialmente o local que irá abrigar a sala de máquinas equipe de engenharia muito criativa, afirma Luciano Figueiredo, gerente e, claro, utilizar fluxos unidirecionais Comercial da Veco, expressando uma que, ao contrário dos equipamentos opinião compartilhada pelo gerente da padrões, permitam que o motor fique Neu Luft. Ambos comentam a dificuldade trazida pela visível redução do Além disso, é preciso considerar a fora da área de trabalho, diz Costa. pé-direito nos prédios comerciais, o inclusão de sistemas de amortecimentos de acordo com cada situação. que dificulta a instalação do sistema de ar-condicionado, por exemplo. O gerente da Neu Luft comenta ainda Não há como levar até o 13º andar, que as soluções vão desde prever por exemplo, um equipamento como a que o micromanipulador esteja sobre máquina central comumente utilizada uma placa de borracha, passando em salas limpas de ambientes industriais, diz Figueiredo. A saída então é tecimento da bancada, onde ocorre pela inclusão de um sistema de amor- desenvolver equipamentos específicos a manipulação, até a própria sala para as condições de cada local. de máquinas possuir um sistema de Outra questão que exige atenção amortecimento apropriado. redobrada e, muitas vezes, a criação Já tivemos de reforçar todo o de soluções específicas é a vibração, sistema de amortecimento dos equipamentos, mesmo com uma sala de porque a precisão é crucial no momento da inclusão do espermatozóide no óvulo. Como o procedimento Neste caso, o local reservado para o máquinas distante 15 metros do local. é realizado com uma agulha de alta laboratório ficava no 19º andar, em sensibilidade, qualquer vibração pode uma cobertura feita de estrutura metálica, o que fazia com que a comprometer o procedimento. vibração de todo o conjunto fosse muito alta, mesmo utilizando sistemas de amortecimento usuais nas instalações de ar-condicionado, conta Costa. A Veco também se deparou com este problema em várias instalações e, ao identificar esta demanda, desenvolveu uma mesa redutora de vibração com pés dotados de vibrastop e pedra de granito apoiada em coxim. Até mesmo a velocidade e distribuição do ar, promovidas pelo sistema de condicionamento do ar demanda um olhar cuidadoso para não interferir no delicado processo realizado no laboratório de fertilização in vitro. Não basta atentar ao número de trocas de ar necessários, é preciso estudar o caminho que o ar vai fazer pela sala e por onde ele vai passar efetivamente para que a instalação não crie uma interferência, alerta Figueiredo. Ele explica que esse cuidado é necessário porque as incubadoras são mantidas em média a 37 0 C enquanto o ar que circula pela sala está em média a 23 0 C. É preciso evitar que o material, quando retirado da incubadora, receba de maneira direta o fluxo de temperatura menor. É possível trabalhar com um teto filtrante, que, por ter velocidade uniforme, gera menos interferência, mas também é viável estudar os melhores pontos para insuflamento e retorno e garantir a velocidade e distribuição ideal para o ar no ambiente, diz Figueiredo, que também ressalta a importância de um planejamento preciso para as manutenções necessárias. A fertilização é um procedimento que, uma vez iniciado, não pode ser parado. Se uma paciente iniciou seu processo de estimulação ovariana, é preciso garantir o pleno funcionamento do laboratório no momento da co- SBCC - Set/Out

4 Clínicas geralmente estão localizadas em imóveis comerciais exigindo soluções criativas e equipamentos específicos para as condições de cada local leta. Deve-se casar os momentos de forma bem precisa. Por isso, temos de planejar algo que tenha uma vida útil muito boa, que permita uma operação de alta qualidade, sem paradas de emergência, diz. Controle de contaminação Apesar das exigências determinadas pela ANVISA, não há ainda estudos que demonstrem o impacto do controle da contaminação nas taxas de sucesso dos procedimentos in vitro. No começo dos debates para a elaboração do regulamento, a preocupação inicial foi evitar a contaminação de sêmen, algo já praticado pelas clínicas. Percebemos que no trato com o óvulo e na formação do embrião não havia este controle. Então, para manter a coerência, definimos que toda célula deve ser manipulada em um ambiente ISO classe 5 ou sob um fluxo que dê esta condição, destaca Renata Miranda Parca, especialista em regulação e vigilância sanitária da gerência de tecidos, células e órgãos da ANVISA. A principal dificuldade para uma avaliação precisa da necessidade de controle é a ausência de parâmetros claros, já que o sucesso do tratamento de fertilização depende de inúmeros fatores, como os relacionados à própria condição física e emocional da mulher que recebe o embrião, por exemplo. Nos últimos anos, nota-se um aumento das taxas de sucesso, mas não há como relacioná-las ao controle de contaminação. Claro que, a partir do momento em que se criam procedimentos, a qualidade e a produtividade aumentam muito, pela própria ordem de fluxo de materiais e pessoal, normas de trabalho, procedimentos operacionais padrões. No entanto, há situações nas quais as taxas se

5 Clínicas de Fertilização 24 Ambiente com sistema de fluxo unidirecional e bancada com exaustão total do ar insuflado reduziram depois da adequação às normas, mas isso por problemas de má instalação e falta de manutenção dos sistemas, comenta Silvio Costa, reforçando a importância de um bom projeto e da sua correta execução. Para a especialista da ANVISA, o caminho para encontrar parâmetros adequados está sendo seguido, com a maior exigência de documentação dos processos e resultados que a RDC 23 traz. Pela própria necessidade de rastreabilidade é preciso um registro detalhado de todo o processo. Quantos óvulos foram retirados, meios de cultura utilizados, o que ocorreu com cada um dos óvulos, se houve contaminação e se ela foi causada pelo meio utilizado, pelo ambiente ou era inerente à própria amostra etc., explica Renata, argumentando que o melhor marcador, mesmo com seus múltiplos fatores, ainda é a taxa de sucesso. Até porque se ocorrer uma situação incomum, como uma contaminação bacteriana durante a cultura do embrião, o embriologista irá detectar a contaminação e descartará o embrião, o que reflete em taxa de sucesso. Para Renata, o foco na taxa de sucesso impacta o processo como um todo. Elevar este percentual significa reduzir o número de vezes em que a mulher terá de se submeter a processos de estimulação ovariana, por exemplo, diz. Área limpa Enquanto não existem estudos que determinem claramente as reais necessidades de controle dos ambientes em que os processos de fertilização são realizados, não resta alternativa aos profissionais que atuam neste mercado a não ser adaptar- -se às normas em vigor e acompanhar a evolução delas. O ginecologista Assumpto Iaconelli Júnior, da Clínica Fertility, localizada na cidade de São Paulo, conta que começou a trabalhar com fertilização in vitro há 20 anos. Sempre realizamos a manipulação sob fluxo unidirecional, garantindo o isolamento do material em relação ao ambiente, e no início não havia qualquer exigência neste sentido. Fomos a primeira clínica a pedir a certificação da ANVISA. Solicitamos a presença de fiscais, realizamos as melhorias solicitadas e conseguimos uma licença de funcionamento, diz. O crescimento da demanda levou à necessidade de mudar a clínica para um novo espaço, exatamente no momento da publicação da RDC 33, de A interpretação mais corrente Sistemas de amortecimento devem ser previstos para evitar vibração, ponto crítico no processo de fertilização da norma era que ela exigia ISO classe 5 em todo o ambiente, o que seguimos em nosso projeto e instalação, diz Iaconelli. Hoje contamos com um laboratório ISO classe 5 com 70 metros quadrados, um investimento alto, não justificado pela nova norma, critica. Para Iaconelli, o processo em si já garante um alto índice de controle de contaminação. O processo é muito limpo porque os cultivos são feitos com óleo mineral por cima. São gotas de meio de cultura muito pequenas, de 50 microlitros aproximadamente. Estas gotas são cobertas com 7 ou 8 ml de óleo e o próprio óleo, o que já cria uma barreira e isola o material do meio ambiente. Todo o cultivo é feito em incubadoras que, além do controle de temperatura e gás carbônico, estão sob fluxo unidirecional ISO classe 5, só saindo desse ambiente no momento de o biólogo olhar no microscópio. Só que a tampa não é retirada em momento algum então não há contato daquela superfície com o meio ambiente, descreve. O ginecologista explica que a única etapa em que não há a proteção descrita é durante a separação dos óvulos. Este procedimento dura entre cinco e dez minutos e é a maior exposição do material com o qual trabalhamos ao meio ambiente, pois SBCC - Set/Out

6 CONTROLE E CERTIFICAÇÃO logo depois os óvulos separados são colocados em meio de cultura com óleo. Lembrando que o processo é realizado sob um fluxo unidirecional, diz. Há, ainda, o momento da transferência, quando o embrião é retirado do meio com óleo para inserção no cateter de transferência, procedimento que leva cerca de 15 segundos. Para Iaconelli, o funcionamento das clínicas de reprodução humana deveria estar totalmente condicionado a seus resultados. Já existe a Rede Latino-Americana de Fertilização In Vitro que exige uma série de providências de seus associados, com critérios definidos por quem conhece a realidade dos processos e das clínicas. Preciso preencher um relatório caso a caso, no qual informo tudo o que acontece em termos de resultado, como a ocorrência de gravidez e o índice de gravidez múltipla, algo que não é desejado. Caso haja algum ponto fora da curva internacional, recebemos questionamentos sobre nossos processos e precisamos nos adequar, caso contrário, perdemos o credenciamento, diz. Controle de VOCs Apesar da falta de literatura sobre os impactos do controle da contaminação no processo de fertilização in vitro, um ponto, no entanto, é consenso: o cuidado com os compostos voláteis orgânicos (VOCs). Pesquisas mostraram que o controle dos voláteis é muito importante principalmente no prognóstico e no resultado final em termos de gestação. Então, as clínicas precisam ter cuidado para não estar ao lado de postos de gasolina ou locais que estejam sujeitos a uma maior concentração de voláteis, afirma Iaconelli. Levando em consideração a questão dos compostos voláteis, a RDC 23 exige o uso de filtros de carvão ativado. Ele é fundamental, pois mesmo se usássemos um filtro absoluto, item que não é demandado para este tipo de procedimento, não conseguiríamos reter gases e odores. O que será efetivo neste controle é o carvão ativado, tratado especialmente para aumentar a eficiência de absorção dos VOCs, diz Figueiredo, da Veco. Vale lembrar que, apesar da relevância dos VOCs, não há uma exigência de controle permanente do nível dessas substâncias nos ambientes onde as operações são realizadas, ao SISTEMA INOVADOR DE AR CONDICIONADO COM AR FILTRADO. A UFR é um sistema de ar condicionado com filtro HEPA. Perfeito para pequenas áreas limpas e salas cotroladas. 1 TR ( BTU/h) Vazão 830 m³/h 2 TR ( BTU/h) Vazão 1660 m³/h Controlador de temperatura Unidade de filtragem e refrigeração Duto de retorno Compacto e silencioso; Cria pequenas áreas limpas com baixo custo e simplicidade; Flexibilidade na instalação; Cria pressão positiva em ambientes controlados; Manutenção simples e econômica. DIFUSORES MOTORIZADOS (FAN FILTER UNIT) Instalações em que não foi prevista a utilização de um filtro HEPA; Projetos que resultam na eliminação de grande parte da rede de dutos; Como módulos independentes de insuflamento de ar ultra-limpo em salas limpas modulares; Recirculação de ar em áreas limpas, aumentando o número de troca de ar/hora. (19) PERFEITO PARA ELIMINAÇÃO DE VAZAMENTOS ATRAVÉS DE UNIÕES E SOLDAS. Farma

7 Clínicas de Fertilização contrário do que ocorre com temperatura, umidade e particulados. O processo passo a passo Foto: Divulgação / Clínica CEERH A fertilização in vitro ocorre em quatro etapas: captação dos óvulos, seleção dos espermatozóides, fertilização e transferência. Nada impede que os processos ocorram em locais distantes um dos outros, mas é preciso garantir as condições ideais do transporte deste material, afirma Renata Miranda Parca, da ANVISA. 26 Micromanipulador e lupa do laboratório do CEERH: mantidos sob fluxo unidirecional ISO classe 5, são utilizados em vários momentos do processo de fertilização in vitro Captação de óvulos A sala de coleta de óvulos deve ter, segundo a RCD 23, um sistema de climatização com pressão positiva em relação aos ambientes adjacentes; manutenção de temperatura entre 23ºC e 27ºC; umidade relativa de 40% a 70%; vazão mínima de ar exterior de 6 (m 3 /h)/m 2 ; vazão mínima de ar total de 18 (m 3 /h)/m 2 ; e filtragem mínima de insuflamento classe G4. A captação se dá após a ovulação estimulada por medicamentos. No dia da coleta, a mulher entra em um ambiente configurado como um centro cirúrgico e os óvulos são coletados e armazenados em tubos mantidos sob temperatura de 37ºC. O material é encaminhado ao laboratório, entra por meio de caixa de passagem em um ambiente ISO classe 7 e é levado para manipulação em um fluxo unidirecional ISO classe 5 onde haverá a separação do óvulo das demais células retiradas no processo. Os óvulos encontrados serão lavados várias vezes em meio de cultivo e colocados dentro de incubadora, esperando o momento da fertilização pela injeção intracitoplasmática com espermatozóide, o que deve ocorrer no máximo entre 3 e 6 horas, a menos que o objetivo seja congelá- -lo, detalha a embriologista da clínica paulistana CEERH (Centro Especializado em Reprodução Humana), Daniela Nicolosi Foltran. Seleção de espermatozóides O sêmen coletado é enviado para um laboratório de processamento, que deve, segundo a RDC 23, possuir sistema de climatização com condições de controle da temperatura entre 21ºC a 27ºC; umidade relativa do ar entre 40% e 70%; e filtragem mínima no insuflamento com filtros G3. A ANVISA não exige separação física para o processamento do sêmen, ou seja, este procedimento pode ser realizado no mesmo ambiente do laboratório de fertilização, mas a Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida determina a separação para conceder creditação. Por esta razão, aqui temos a separação, pois somos membros desta rede, diz Daniela. Após a lavagem e a seleção dos melhores espermatozóides por critérios clínicos realizadas sob fluxo unidirecional ISO classe 5, o material está pronto para ser utilizado e é levado ao laboratório. Aqui utilizamos um equipamento que aumenta em 8 mil vezes o tamanho dos espermatozóides, o que nos permite uma melhor seleção, diz Daniela. Fertilização Pela RDC 23, o laboratório de fertilização in vitro deve possuir sistema de climatização que mantenha pressão positiva em relação aos ambientes adjacentes; condições de controle da temperatura entre 23ºC a 27ºC; umidade relativa do ar de 40% a 70%; vazão mínima de ar total de 45(m 3 /h)/m 2 ; vazão mínima de ar exterior de 15(m 3 /h)/ m 2 ; e filtragem mínima no insuflamento com filtros G3+carvão ativado+f8. Nesta etapa do processo, óvulos e SBCC - Set/Out

8 espermatozóides já estão selecionados e entraram no laboratório devidamente identificados. Trabalhamos com sistemas de nomes e de cores. Caso tenhamos dois ciclos sendo cultivados, ou seja, o material de duas pacientes, um está identificado pela cor azul e o outro pela cor vermelha, por exemplo, além de controles por imagens, computador etc, diz Daniela. É realizada então, sob fluxo unidirecional ISO classe 5, a fertilização, com a injeção do espermatozóide no óvulo. Após isso, o material volta para a incubadora. Em um período que varia entre 16 e 18 horas depois da injeção, é avaliado se realmente houve a fertilização. Todas as verificações são feitas utilizando-se microscópio colocado dentro de fluxo unidirecional. A retirada da incubadora para a bancada sob o Processo ocorre em quatro etapas: captação dos óvulos, seleção dos espermatozóides, fertilização e transferência fluxo é feita de forma bastante rápida, para evitar ao máximo a exposição fora destes dois equipamentos, mesmo com todo o controle que temos, diz Daniela. Segue-se o controle das divisões celulares, feitos de 24 a 26 horas após a injeção, novamente entre 46 e 48 horas e finalmente de 68 a 72 horas, visando idealmente ter-se um embrião de oito células para que seja realizada a transferência. Transferência Geralmente, a transferência do embrião para a mulher se dá no terceiro dia após a injeção de fertilização. Mas pode ser que, por alguma indicação, isso ocorra no quinto dia, quando há a necessidade de se fazer um diagnostico genético, por exemplo. Apesar da transferência ser um procedimento simples, em nossa clínica ele é realizado na mesma sala em que é feita a captação dos óvulos, ou seja, em um ambiente com controles de temperatura e qualidade do ar, finaliza Daniela. O sucesso do procedimento é obtido quando há a implantação do embrião no útero da mulher e a gravidez se desenvolve como esperado.

Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade

Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade Simpósio Gestão da Qualidade em BCTG, ANVISA, São Paulo, Nov-2012 Fertilização in vitro: Aspectos Laboratoriais e Controle de Qualidade Sidney Verza Jr Biólogo, Responsável pelo Laboratório de FIV ANDROFERT-

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS Período da Inspeção: / / a / / BCTG Tipo 1 ( ) BCTG Tipo 2 ( ) Tipo de Inspeção: Licença inicial ( ) Renovação

Leia mais

Criado em abril de 1991, o Núcleo

Criado em abril de 1991, o Núcleo UFRN inicia produção de medicamentos Com capacidade de produção de 400 milhões de medicamentos sólidos orais e seis milhões de líquidos orais por ano, destinados exclusivamente aos programas governamentais

Leia mais

Mercado em expansão FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO

Mercado em expansão FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO FARMÁCIAS DE MANIPULAÇÃO Mercado em expansão Em vigor há cerca de cinco anos, a RDC 67 aprimorou os conceitos e ajustou as exigências das instalações e dos procedimentos realizados nas farmácias de manipulação,

Leia mais

Área limpa amplia controle. no processo de manipulação.

Área limpa amplia controle. no processo de manipulação. Case: Hospital São José Área limpa amplia controle no processo de manipulação Em sua busca para se tornar referência em tratamentos oncológicos, o Hospital São José investe na criação de uma área limpa

Leia mais

Cuidados extremos. Luciana Fleury. SBCC - Nov/Dez - 2012

Cuidados extremos. Luciana Fleury. SBCC - Nov/Dez - 2012 Case: Hospital SÃO CAMILO Cuidados extremos Nova área destinada a transplante de medula óssea do Hospital São Camilo Pompeia tem rígidos padrões de controle de pressão, temperatura e umidade, garantidos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Título: Resolução RDC n 23, 27 de maio de 2011 Ementa: Dispõe sobre o regulamento técnico para o funcionamento dos Bancos de Células e Tecidos Germinativos e dá outras providências. Publicação: D.O.U.

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG)

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) ROTERO DE NSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECDOS GERMNATVOS (BCTG) Período da inspeção: Equipe de inspeção. NFORMAÇÕES GERAS Tipo de nspeção: Licença inicial ( ) Renovação da licença ( ) Programada ( ) Denúncia

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG)

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) Guia de inspeção BCTG GETOR/GGSTO/ANVSA Versão 1 Nov 2012 ROTERO DE NSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECDOS GERMNATVOS (BCTG) Período da inspeção: Equipe de inspeção NFORMAÇÕES GERAS Tipo de nspeção: Licença

Leia mais

Conhecidas no Brasil por sua

Conhecidas no Brasil por sua Hospital e Maternidade São Luiz Unidade Anália Franco Segurança dos pacientes e dos profissionais da saúde Para minimizar as possibilidades de infecções hospitalares, e como benefício adicional ampliar

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Atlas Copco Brasil Ltda. Soluções em Ar Comprimido Medicinal

Atlas Copco Brasil Ltda. Soluções em Ar Comprimido Medicinal Atlas Copco Brasil Ltda Soluções em Ar Comprimido Medicinal Soluções Globais para Produtividade Sustentável Possuímos uma ampla gama de produtos e serviços para o setor medicinal, tais como: Sistemas completos

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Em termos de normas técnicas, Monitoramento de Partículas. capa

Em termos de normas técnicas, Monitoramento de Partículas. capa capa Monitoramento de Partículas A maior rigidez dos órgãos reguladores nacionais e internacionais é fator decisivo para a constante preocupação com o monitoramento das áreas limpas Alberto Sarmento Paz

Leia mais

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC.

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC. 1. Identificação do Equipamento: Cabine de segurança biológica (CSB). Capela de exaustão (CE). POP: L 23 Página 1 de 5 1.1 Setor Alocado: Setores: Microbiologia, Imunologia, Biologia molecular. 1.3 Assistência

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008 Aprova o Regulamento

Leia mais

Filtros de Ar TROX Máxima Eficiência e Performance.

Filtros de Ar TROX Máxima Eficiência e Performance. Filtros de Ar TROX Máxima Eficiência e Performance. Laboratório TROX Alemanha Referência em filtragem e controle de contaminação A TROX é referência em sistemas de tratamento de ar, sistemas de filtragem

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética A blindagem de ressonância magnética é um componente fundamental para o bom funcionamento do complexo sistema de ressonância magnética (MRI).

Leia mais

O hospital estará funcionando de forma integral em 2010 quando poderá fazer 1,6 mil cirurgias por mês. ICESP Hospital Octavio Frias.

O hospital estará funcionando de forma integral em 2010 quando poderá fazer 1,6 mil cirurgias por mês. ICESP Hospital Octavio Frias. Áreas limpas no tratamento do câncer ICESP é o primeiro hospital público especializado em oncologia de São Paulo e um dos maiores da área na América Latina. O Centro Cirúrgico conta com áreas controladas

Leia mais

PORTARIA Nº 2.932, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.932, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.932, DE 27 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Nacional de Transplantes - SNT, o Plano Nacional de Implantação de Bancos de Multitecidos - Plano-BMT. A MINISTRA DE ESTADO DA

Leia mais

PARECER COREN-SP 016/2013 CT. PRCI n. 103.098

PARECER COREN-SP 016/2013 CT. PRCI n. 103.098 PARECER COREN-SP 016/2013 CT PRCI n. 103.098 Assunto: Competência para o transporte de cilindros de gases medicinais e para troca de válvula reguladora dos mesmos. 1. Do fato Profissional de Enfermagem

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

SBCC presente no Congresso da SOBRAFO

SBCC presente no Congresso da SOBRAFO SBCC presente no Congresso da SOBRAFO Entidade leva o conhecimento técnico sobre áreas limpas aos farmacêuticos em oncologia Por Carlos Sbarai Fotos: SS Vídeo / Sergio Sampaio Conceição Vista parcial do

Leia mais

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 RESOLUÇÃO - RDC Nº 56, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Estabelece os requisitos essenciais de segurança e eficácia aplicáveis aos produtos para saúde, referidos no

Leia mais

Área limpa para o setor aeroespacial

Área limpa para o setor aeroespacial Área limpa para o setor aeroespacial Equatorial Sistemas inaugura 95 metros quadrados de área limpa, para desenvolver, fabricar, montar e integrar hardwares para aplicações aeroespaciais Alberto Sarmento

Leia mais

CONTAINER LABORATÓRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PARA COMBUSTÍVEIS

CONTAINER LABORATÓRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PARA COMBUSTÍVEIS LABORATÓRI O DE POLUI ÇÃO ATMOSFÉRI CA EXPERI MENTAL LPAE - LAB.DE POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA EXPERIMENTAL DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NEP - NÚCLEO DE EQUIPAMENOS

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

climatização refrigeração índice mercado Indústrias TOSI: Orgulho de ser brasileira 12 4 Climatização + Refrigeração Maio 2012

climatização refrigeração índice mercado Indústrias TOSI: Orgulho de ser brasileira 12 4 Climatização + Refrigeração Maio 2012 índice climatização refrigeração mercado 08 Indústrias TOSI: Orgulho de ser brasileira 12 4 Climatização + Refrigeração Maio 2012 Orgulho de ser brasileira Crédito NT Editorial Com produção fortemente

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida

Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Conceitos Básicos de Reprodução Assistida Mariana Antunes Ribeiro ribeiro.mantunes@gmail.com Tratamentos IIU - Inseminação intra-uterina FIV - Fertilização in vitro convencional ICSI - Intracytoplasmic

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

Proteção para os data centers

Proteção para os data centers MISSÃO CRÍTICA Proteção para os data centers Diferentes das áreas limpas comumente usadas na indústria farmacêutica, as chamadas salas-cofre ou salas de missão crítica são destinadas a proteger data centers,

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 Pais doam embrião congelado para engravidar mulher infértil...2 Adormecidos no nitrogênio líquido há até dez anos...3 À espera da chance de ser mãe...3

Leia mais

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce

www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce www.ivi.net.br IVI Brasil Press kit onde a vida nasce Instituto Valenciano de Infertilidade O Instituto Valenciano de Infertilidade nasceu em 1990 como a primeira instituição médica na Espanha especializada

Leia mais

NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE - SRAG

NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE - SRAG MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

Peça-chave em áreas limpas

Peça-chave em áreas limpas AHU Peça-chave em áreas limpas Equipamentos fundamentais para a obtenção e manutenção de ambientes classificados, as unidades de tratamento de ar (AHUs) enfrentam desafios para a sua evolução tecnológica,

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Turbocompressor modelo ABS HST 20

Turbocompressor modelo ABS HST 20 Turbocompressor modelo ABS HST 20 Principais Aplicações O turbocompressor modelo ABS HST 20 é altamente adequado para as seguintes áreas de aplicação: Aeração de água, efluentes ou outros líquidos Flotação

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS

L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE CATÁLOGO DE PRODUTOS L IE Linha de produtos fabricados em material de alta transparência, em sala limpa escala 100,000, de acordo com as normas ISO 9001 e ISO 13485:2003/AC:2007, certificados como

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE Resolução 9/2003 da ANVISA: tudo que o profissional de Segurança do Trabalho precisa

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 27 DE MAIO DE 2011(*)

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 27 DE MAIO DE 2011(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 27 DE MAIO DE 2011(*) Dispõe sobre o regulamento

Leia mais

Certa vez, durante um serviço

Certa vez, durante um serviço CONTROLE DO AR DIAGNOSE DE FILTROS DE MANGAS Métodos de diagnose de filtros de mangas identificam a causa primária do entupimento e/ou alta emissão, tanto em filtros de despoeiramento como os de processo

Leia mais

Controle da produção veterinária. Com espaço otimizado, empresa amplia capacidade de produção. À direita acesso à área de Cefalosporínicos

Controle da produção veterinária. Com espaço otimizado, empresa amplia capacidade de produção. À direita acesso à área de Cefalosporínicos case Vet&Cia Controle da produção veterinária Vet&Cia instala novas áreas limpas destinadas à produção de medicamentos veterinários. Diretriz segue tendência global para levar ao segmento veterinário os

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais

Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Glicemia Profissional para Hospitais Sistema Accu-Chek Inform II Controle em tempo real Leitor de código de barras integrado Leitura avançado do código de barras com confirmação

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas,

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas, Compromisso com o futuro Profissionais no fluxo de ar Instrumento de medição para análise de VAC testo 480 O testo 480 lhe oferece: > Sondas digitais de elevada qualidade e conceito inteligente de calibração

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br Estalo Thermal Design Conteúdo Apresentação...4 1.1 O QUE É O ESTALO THERMAL DESIGN?...4 1.2 ONDE ELE SE APLICA?...4 1.3 COMO SE REALIZA A ENTRADA DE DADOS?...4 Ajuda para utilização do programa...5 2.1

Leia mais

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz Atlas Copco Secadores de ar comprimido por refrigeração FX1-16 60 Hz Capacidade total, responsabilidade total A Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade para garantir uma excelente produtividade.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

A precisão que você precisa.

A precisão que você precisa. A precisão que você precisa. -30 Agronave 30 O Agronave 30 é um moderno sistema de navegação agrícola para auxiliar o produtor rural nos diversos processos de aplicação, plantio e colheita. Leia com cuidado

Leia mais

Informações e Alertas...1. Lista de Peças...2. Funções...3 Dados Técnicos...3

Informações e Alertas...1. Lista de Peças...2. Funções...3 Dados Técnicos...3 INTRODUÇÃO Parabéns Ao escolher a linha Built de produtos, você optou por um produto de qualidade. A coifa da Built agrega beleza, praticidade e economia. É prático e fácil de limpar. A Built se especializou

Leia mais

HumaPen SAVVIO CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO

HumaPen SAVVIO CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO CM28SET12 MASTER TRUTH COPY HumaPen SAVVIO INTRODUÇÃO CANETA PARA APLICAÇÃO DE INSULINA MANUAL DO USUÁRIO A caneta HumaPen SAVVIO está projetada para maior facilidade de uso. Você pode aplicar de 1 a 60

Leia mais

Desenvolvimento de projetos de sistemas de ar condicionado para salas limpas. qualidade do ar

Desenvolvimento de projetos de sistemas de ar condicionado para salas limpas. qualidade do ar Arquivo Nova Técnica Desenvolvimento de projetos de sistemas de ar condicionado para salas limpas 14 Para o desenvolvimento do projeto de climatização de salas limpas, o ponto de partida é a análise da

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

Tabela de Consumo e Rendimento

Tabela de Consumo e Rendimento Refrigerador de Ar Utilizando o princípio físico da troca de calor, o sistema de resfriamento CHP transforma o ar comprimido que o alimenta, em 2 fontes de saída, atingindo uma delas temperaturas de até

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Leia mais

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização

Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização Ar de Alta Qualidade, da Geração à Utilização A qualidade do ar em um sistema de ar comprimido tem variações e todas elas estão contempladas no leque de opções de produtos que a hb ar comprimido oferece.

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Avançada Publicações de Hoje Glossário título: Resolução RDC nº 161, de 23 de junho de 2004 ementa não oficial: Proíbe a partir de 1º de dezembro

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98.

PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98. PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98. O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição Federal e tendo em vista

Leia mais

SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK

SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK INSTALAÇÃO: Figura 1 Para instalação e montagem das conexões, siga os seguintes passos: 1) Os tubos que descem das calhas são conectados nas entradas

Leia mais

Gestação de Substituição ASPECTOS PSICOLÓGICOS II Simpósio de Direito Biomédico OAB Cássia Cançado Avelar Psicóloga Centro Pró-Criar Gestação de Substituição Esse tratamento é indicado para pacientes que

Leia mais

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO

2. DEFINIÇÃO E CONCEITO 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para controlar todos os equipamentos e instrumentos do Laboratório do Grupo Santa Helena garantindo suas inspeções, manutenções e calibrações de forma a mantê-los

Leia mais

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial 1 Introdução A Inseminação Artificial (IA) é hoje em dia o método utilizado pela generalidade dos suinicultores, pois, permite fazer

Leia mais

Sistemas de extracção de fumos DPX

Sistemas de extracção de fumos DPX Sistemas de extracção de fumos DPX Ar limpo máxima performance Extracção de fumos e partículas para equipamentos de codificação laser captação na origem Sistema de extracção de fumos DPX para codificadores

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

Purificador Separador água/óleo CPP. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você!

Purificador Separador água/óleo CPP. Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Purificador Separador água/óleo CPP 2011 Produtos de Alta Performance. Desenvolvidos para você! Purificador Separador Água/Óleo CPP Footer 2. Date Purificador Separador de Água-Óleo CONDENSADOS Os condensados

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado

Sistemas de Ar Condicionado Sistemas de Ar Condicionado Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos para: Resfriar ou Aquecer; Desumidificar

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº 161, de 23 de junho de 2004.

RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº 161, de 23 de junho de 2004. RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº 161, de 23 de junho de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVISA

Leia mais

CONTROLE DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO

CONTROLE DA EFICIÊNCIA DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO Ferramental EXXOTest Ferramental VALEO Exxoclim N OPR : 9776.EA Clim test 2 : 4372-T. Modo de utilização : Ver instruções da montadora Modo de utilização : Ver instruções da montadora E5AP2N4D E5AP2N5D

Leia mais

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ESPECIALIZAÇÃO em ENGENHARIA de SEGURANÇA do TRABALHO Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho (3ª Aula) Prof. Alex Maurício Araújo Recife - 2009 VGD

Leia mais