UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 í i "ANALISE TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO ENRI QUECIMENTO ISOTOPICO DE NITROGÊNIO-15', NO SISTEMA MON0XIO0 OE NITROGÊNIO E ACIDO NlTRICO". CARLOS DUCATTI UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA E QUÍMICA DE SÀO CARLOS DEPARTAMENTO DE FÍSICA E CIÊNCIA DOS MATERIAIS CP SÀO CARLOS -SP - CEP BRASIL

2 "ANALISE TEÓRICA E EXPERIMENTAL DO ENFU QUECIMENTO ISOTOPICO DE NITROGÊNIO-15. NO SISTEMA MONOXIDO DE NITROGÊNIO E ÁCIDO NITRICO". CARLOS DUCATTI Tese apresentada ao Instituto de Física e Química de São Carlos, para a obtenção do titulo de Doutor em Ciências (Física Aplicada). Orientador: Dr. Eiichi Natsui INSTITUTO DE FlSICA E QUÍMICA DE SAO CARLOS SAO CARLOS/1985

3 MEMBROS DA COMISSÃO JULGADORA DA TESE DE DOUTORADO DE Carlos Ducatti APRESENTADA AO INSTITUTO DE FÍSICA E QUÍMICA DE SAO CARLOS, DA UNIVERSIDADE DE SAO PAULO, EM 20 DE dezenfcro DE COMISSÃO JULGADORA: Dr. Eli chi Matsui - Orientador D r. Antonio Aparecido Mozeto Robert Leaiinmerman Dr. tjohaan Matvienko

4 AGRADECIMENTOS Â minha famtlia t ã CLEIRE e â RHANI. Ao prof. Dr. Eiichi Matsui, IPEN/CNEN/São Paulo, pela orientação, ens^ namentos e dedicação. são. Ao prof. Or. Eneas Salati, CENA/USP, pelos ensinamentos e iniciação. Ao prof. Dr. AttTlio Dali'olio, DEN/UFPE, pelos ensinamentos e Ao Dr. Reynaldo Luiz Victoria, CENA/USP, pelo apoio e cooperação. discus Ao Dr. Paulo Cesar Ocheuse Trivelin, CENA/USP, pelo apoio e cooperação. Ao químico industrial José Aurélio Bonassi, pela cooperação. A prof? Roseli Borghesi Ducatti, pela revisão gramatical. Ao desenhista Antonio Aparecido Martins, pelas ilustrações. A secretária Neisa Jovencio Narcizo, pelo trabalho datilogrãfico. Ao Centro de Energia Nuclear na Agricultura/USP, pela infraestrutura oferecida. Em consignação ã Seção de IsÓtopos Estáveis e Hidrologia/CENA, pr fessores e funcionários, pela colaboração e discussão. Ao Departamento de Física, IFQSC/USP, professores e colaboradores, p Io ensino. Ao Departamento de Biofísica, IBBMA/UNESP, professores e funcionários, pelo apoio e estímulo. Ã CAPES/PICD e ao CNPq, pelo apoio financeiro. A todos aqueles que de uma forma direta ou indireta, auxiliaram trabalho. neste

5 ÍNDICE Pagina Lista das ilustrações, i Lista das tabelas >.... <1 Resumo e Sumary Vi CAPITULO I - INTRODUÇÃO, ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO, OBJETIVOS E DESCRI^ CÃO GERAL DOS CAPÍTULOS Introdução Organização do trabalho Objetivos e descrição geral dos capítulos 5 CAPITULO II - FUNDAMENTOS TEÓRICOS DA EQUIPARTIÇÃO IS'MSJM, NA ES TIMATIVA DA CONSTANTE DE EQUILÍBRIO E DO FATOR DE Fi? CIONAMENTO, EM REAÇÕES DE TROCA ISOTÔPICA Introdução e revisão bibliográfica, Razões das funções de partição Razões das funções de partição para as espécies isotópúrus,ie_r tendentes â molécula diatõmica da fase gasosa Razões das funções de partição para as espécies isotópicos p-r tencentes à molécula poliatõmica da fase gasosa Simplificação na razão das funções de partição Constante de equilíbrio isotópico, fator de fracionamento e fvn_ ções de partição Constante de equilíbrio isotópicoj envolvendo sistema hcter-ogê_ i * 7160 de fases gasosa e liquida?8 i i CAPITULO III *- ESTIMATIVA DAS CONSTANTES DE EQUILÍBRIO E Dõ.1 FATORES l l l ' DE FRACIONAMENTO PARA A EQUIPARTIÇÃO DE l i ENTRE O ÁCIDO NÍTRICO E OS ÔXIDOS DE NITROCStilO NlTROtôllIO-16, Y

6 3.1. Estimativa da constante de equilíbrio K, entre as fases homoge^ neas gasosas. Resultados, discussão e conclusões Estimativa da constante de equilíbrio K., entre as fases ftete royêieas gás-liquido. Resultados, discussão e conclusões 51 CAPITULO IV - FUNDAt-JENTOS TEÓRICOS DA SEPARAÇÃO ISOTÓPICA EM COLUNA DE CONTRACORRENTE Introdução e revisão bibliográfica A equação de transporte isotópico Coluna de troca isotópica em contracorrente Número total de placas teóricas, fração molar do isótopo pesa_ do na alimentação e produto e enriquecimento isotópico relativo Determinação simultânea do número total de placas teóricas, f<± tor de fraaionamento e altura equivalente de uma placa teórica 79 CAPITULO V - COLUNA DE ENRIQUECIMENTO DE NITROGÊMO-15 NO ÁCIDO itf TRICÔ DA FASE LÍQUIDA, EM CONTRACORRENTE, COM OS ÕXIDOS DE NITROGÊNIO DA FASE GASOSA Introdução e revisão bibliográfica Construção e descrição da coluna de contracorrente, para enri^ quecimento de nitrogênio-lè no sistema NO/üNO, em escala de lo^ boratório Resultados parciais, discussão e conclusões 92 CAPITULO VI - MÉTODO DE PREPARO DE AMOSTRA, PARA ANÁLISE DE NITRO_ GÊNIO-U, POR ESPECTROMETRIA DE MASSA Introdução e revisão bibliográfica Método de determinação da concentração em átomo % da N... 98

7 6.3. Método de redução do ácido nttrioo a nitrogênio molecular, para a análise de nitrogsnio-ls Resultados e conclusões 102 CAPITULO VII - DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO FATOR IE FRACIONAMENTO DO SISTEMA NO/HNO. E DO NÚMERO TOTAL DE PLACAS TEÔRI o CAS DA COLUNA DE CONTRACORRENTE Introdução Modelo do balanço âe massa para o nitrogênio, na zona do produ_ to coletado, durante o equilíbrio dinâmico isotópico Resultados Primeiro experimento Segundo experimento Expressões de s versus o,do primeiro v segundo experimer^ tos Terceiro experimento Expressões de s versus a, do terceiro experimento Discussão e conclusões Balanço de massa de nitrogênio-lè Fator de fradonamento experimental do sietema NO/HNO, Produção de H NO- na coluna de troca isotópica Estimativas para altas concentrações em átomo % N t na nova coluna de troca isotópica NO/HNO- 152 CAPÍTULO VIII - MODELO PARA 0 PROCESSO DE TROCA ISOTÓPICA DE NITRO^ CÊNIO-U, NO SISTEMA NO/HNO Introdução Modelo fator âe fracionamonto independente ãe fane

8 8.4. Resultados, discussão z conclusões 168 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 183

9 1 LISTA DAS ILUSTRAÇÕES Página Figura 1 - Célula de contvacorrente 61 Figura?. - Simbolismo adotado na célula de conbvacorrente 63 Fi gura 3 - Difusão através da interface Ixquido-gás 64 Figura 4 - Célula de ccntracorrente, alimentada por uma vazão L.. 68 Fi gura 5 - Co luna em cascata 70 Figura 6 - Determinação gráfica do número total de placas teõri cas e do fator de fracionamento t nas condições de equi^ líbrio dinâmico isotópico 81 Figura 7 - Diagrama das principais unidades operacionais, e as principais reações no sistema NO / HNO? 83 Figura 8 - Coluna em contracorrente, para enriquecimento de nitro^ gênio-15, em escala de laboratório 85 Figura 9 - Detalhe do arranjo experimental com bomba peristaltica. 89 Figura 10 - Detalhe do arranjo experimental do refluxador secunda rio 90 Figura 11 - Diagrama geral em blocos, do espectrômetro de massa Figura 12 - Diagrama geral em blocos t do método de redução do ácido nítriao a nitrogênio molecular 101 Figura 13 - Entrada modificada do sistema de admissão do eepectrõme^ tro de massa 101 Figura 14 - Diagrama da zona de produto coletado 106 Figura 15 - Curvas de s versus a do primeiro e segundo experimentos 128 Figura 16 - Curvas de s versus a do terceiro experimento 142 Figura 17 - Curvas de produção de H ls lfo s 151

10 ii LISTA DAS TABELAS Página Tabela Ieótopos de nitrogênio 2 Tabela Métodos utilizados para a produção de nitrogênio-ls 4 Tabela II.1 - Smário das funções d» partição 12 Tabela II.2 - Valores da função G(y*) e das variações relativas de AG/Apj, para os diferentes valores de \i* 34 Tabela III.l - Freqüências fundamentais vibracionais, teóricas e ób_ servaãas, de 8 N0 3 e H NO, na fase gasosa e as nz mães dos principais momentos de inércia 40 Tabela II1.2 - Freqüências fundamentais vibracionais, mervadas, de U NO, ls NO, l4 N0 9 e ÍS N0 9 na fase teóricas e ob_ gaso ma e as razões dos principais momentos de inércia.. 41 Tabela II Sumário das razões de funções de partição, para molé\ cuias di e poliatõmicas, 43 Tabela II1.4 - Constantes para as espécies isotópicas de HNOy NO e HO 2 44 Tabela II1.5 - Razões das funções de partição, utilizando as fre^ quências fundamentais teóricas.. 45 Tabela II1.6 - Razões das funções de partição, utilizando as fre^ quênaias fundamentais observadas 46 Tabela II1.7 - Regra produto de Teller-Redlick 48 Tabela II1.8 - Estimativa da constante de equilíbrio entre as esp cies isotópicae de ácido nitrico e óxidos de nitrogê_ nio, para as fases gác-gàs 50 Tabela II1.9 - Freqüências fundamentais vibraaionais (freqüências 7 A 1 K internas), de H NO, e H NO, nas fases gasosa e li quiãa 54 Tabela III Razão das pressões de vapor entre II NO., e U^NO. 56

11 iii Tabela Estimativa da constante de equilíbrio, entire as espé_ cies isotópicas de ácido nltricô e óxidos de nitrogê^ nioj para as fases gás-liquido 57 Tabela V.l - Pai'ametros de colunas em contraaorr^nte 93 Tabela V.2 - Parâmetros obtidos do refluxador secundário, nos quilibrios dinâmicos isotópicos do terceiro expjri_ mento 95 Tabela VI. 1 - Amostras de ácido nitrico de concentrações distintas em átomo % de tf 102 Tabela VII.l - Dados referentes ao primeiro experimento. Controle de ácido nitrico produto coletado 110 Tabela VI1.2 - Dados referentes ao primeiro experimento. Controle de ácido nitrico da alimentação 111 Tabela VI1.3 - Amostras de ácido nitrico produto, retiradas durante o equilíbrio dinâmico isotópico, do primeiro expert^ mento 112 Tabela VI1.4 - Dados referentes ao segundo experimento. Controle de ácido nitrico produto 114 Tabela VI1.5 - Dados referentes ao segundo experimento. Controle de ácido nitrico da alimentação 117 Tabela VI1.6 - Amostras de ácido nitrico produto, retiradas durante os equilibrios dinâmicos isotópicos, do segundo expe^ rimento 118 Tabela VII.7 - Vazões médias nos equilibrios dinâmicos isotópicos, do primeiro e segundo experimentos e os respectivos desvios padrões 123 Tabela VI1.8 - Concentrações médias da mistura isotopica, nos equi^ librios dinâmicos isotópicos, do primeiro 8 segundo experimentos e os respectivos desvios padrões 124

12 Tabela VII.9 - Produto de razões no primeiro e segundo experimentos 125 Tabela VI Expressões de o versus a para o primeiro e segundo ' experimentos 126 J Tabela VII.11 - Retas de 8 versus a do primeiro e segundo experimen_ tos 127 ( Tabela VII.12 - Parâmetros experimentais da coluna de troca isotópi^ I. ca, do primeiro e segundo experimentos 127 I I Tabela VII.13 - Dados referentes ao terceiro experimento. Controle ( de ácido nitrico da alimentação 130 Tabela VII.14 - Dados referentes ao terceiro experimento. Controle 4 de ácido nitrico sub-produto, coletado no refluxador secundário 131 i Tabela VI Amostras de ácido nitrico produto, retiradas durante ( os equilibriob dinâmicos isotópico8 do terceiro expe_ i rimento 134 Tabela VII.16 - Vazões médias nos eq-iilibrios dinâmicob ÍBotópico8 do terceiro experimento e OB respectivos desvios pa_ ( ãrões 138 I Tabela VII Concentrações médias da mistura isotópica, nos equi_, libriob dinâmicos ÍBOtópico8 do terceiro experimento e OB reepecti)ob desvios padrões 139 Tabela VII.18 - Produto de razões do terceiro experimento 140 Tabela VII.19 - Expressões de B versus a para o terceiro experimento 141 Tabela VI Retas de e versus a do terceiro experimento 141 Tabela VI Parâmetros experimentais da coluna de troca ieotópi^ ca, do terceiro experimento 143 Tabela VI Balanço de maesa de nitrogênio-l5 f referente aos quilibrioe dinâmicos isotópiaos do terceiro expert^ mento.,.,,..,,...'..., ( I i I i i

13 V Tabela VII.23 - Parâmetros experimentais da coluna de troca isotópi^ ca,referentes ao primeiro^segundo e terceiro expert^ merios 147 Tabela VII.24 - Parâmetros experimentais para a produção de H NO Tabela VIII. 1 - Fator de fracionamento experimental e a concentração de ácido nttrico à temperatura de 25 C 157 Tabela VIII.2 - Composição da fase gasosa em equilíbrio com a fase liquida de ácido nítrico, â temperatura de 2S C e à pressão atmosférica 159 Tabela VIII.3 - Fator de fracionamento resultante õ, versus concen_ tração de ácido nítrico, á temperatura de 25 C 169 Tabela VIII.4 - Fator de fracionamento resultante 3, versus concern tração de ácido nitrico t â temperatura de 25 C 172

14 VI RESUMO O enriquecimento isotõpico de nitrogênio-15 por troca química r.o sistíí ma NO/HNO^ foi estudado através de duas teorias distintas. Os fatores de fracionamento isotopicos, obtidos pela teoria de contra_ corrente e os estimados pela teoria da equipartição isotopica, foram confronta^ dos através de um modelo. Construiu-se uma coluna de contracorrente, em escala de laboratório, e parâmetros tais como: número de placas teóricas, altura equivalente de uma pla^ ca teórica, tipo de enchimento, altura total da coluna, produção de H N0 3 /sji mana, obtidos em condições de equilíbrio dinâmico isotõpico, foram estudados comparativamente aos da literatura. SIM4ARY Nitrogen-15 isotope enrichment by chemical exchange in N0/HN0 3 system was studied using two different theories. The isotope fractionation factors obtained by the ccuntercurrent theory was compared to those estimated by the isotope equipartition theory were confronted through a model. It was built a column in countercurrent at laboratory scale and parameters such as: number of theoretical plates, height equivalent to a theoretical plate, type of packing, total height of column, production of H NO-j/week, N0 3 obtained under isotope dynamic equilibrium equiv conditions, were studied in comparison to those in the literature.

15 1 CAPITULO I INTRODUÇÃO, ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO, OBJETIVOS B DESCRIÇÃO GERAL DOS CAPÍTULOS 1.1. Introdução De uma forma geral, os isõtopos de um dado elemento químico, apresen tam um comportamento ftsico-qutmico similar, principalmente entre os isõtopos estáveis. Entretanto, as eventuais diferenças nas moléculas que diferem na sua composição isotõpica, são muito menores que as observáveis entre elementos dú tintos, mesmo se pertencentes a um grupo qutmico. Estas pequenas diferenças de comportamento podem conduzir ao fraciona_ mento isotõpico, o qual, pode ser interpretado como a variação das concentra^ ções das várias espécies isotopicas participantes, em diferentes regiões de um sistema físico, sujeito a um determinado processo. As diferenças de comportamento podem, inclusive, influenciar o conjun_ to dos níveis energéticos a ntvel vibracional, rotacional e translacional, quando as espécies isotopicas de um mesmo elemento são comparadas ei.tre si. Percebe-se que o fator de fracionamento, o fator mensurável, pode ser estudado a nível:- das variações de concentrações das espécies Isotopicas, ob_ jeto de estudo da Teoria çeral da separação isotõpica; - das variações dos m_ veis energéticos, através da Termodinâmica estatística, especificamente, no am bito da Termodinâmica das reações de troca isotõpica. A determiiiaçao do fator de fracionamento, apresente ainda dois aspec tos cornplementares: o uso propriamente do valor e suas correlações, como utun técnica de pesquisa e, conseqüentemente, a análise c a interpretação do probljí ma, ou, a estimativa deste efeito isotõpico no problema considerado. Percebe-se entretanto, da literatura, que ambos os aspectos são utivi. zados de forma distinta, em separado e raramente são abordados cm conjunto. De uniy forma ou de outra, a determinação desse efeito isotõpico, como

16 fcnte de informações, ê utilizada em vários campos da pesquisa, como instrumen to de elevada potencialidade. EspecTficamente neste trabalho, os isótopos de interesse são os de n trogênio, como ilustn a Tabela 1.1, e dentre eles, os estáveis de.iúmeros de massa 14 e 15. TABELA 1.1 ISOTOPOS DE NITROGÊNIO Isótopos Concentração Natural em Átomo % Tipo de. Desintegração Meia Vida ,011 s 9,97 min 14», 99,63 estável r 0.37 estável 7N 0" 7.2 s 17» f. in) 4,16 s 0" 0.63 s FONTE: HEATH (1977) Segundo TRIVELIN et al11 (1973). TRIVELIN et al11 (1979). o emprego de Isõtopos estáveis de nitrogênio como traçadores. tanto em estudos com an va riações da razão Isotõpica natural N/ N, como no uso de compostos químicos de concentrações em átomo % N t diferentes das encontradas naturalmente, le

17 vam vantagem em relação ao uso dos radioativos, uma vez que, a meia vida destes e da ordem de minutos, tomando pouco viável, o emprego dos radioisõtopos, prin eipaintente em pesquisas biológicas. Segundo estes mesmos autores, muito embora o nitrogênio-15 venha sendo empregado como traçador por mais de quarenta anos, o alto preço aquisitivo de compostos químicos enriquecidos ou empobrecidos em N, tem-se constituido como um fator limitante, em função dos custos dos processos de separação isotõpica, podendo variar conforme o grau de enriquecimento, e também, com o tipo de com posto químico desejado. 0 nitrogênio-15 tem sido separado e concentrado por uma variedade de métodos, e segundo KRELL (1976), os mais utilizados na produção de altas concert trações em átomo % N, são sumarizados na Tabela 1.2. Segundo TAYLOR e SPINDEL (1957), outros métodos, e entre eles, a desti. lação, difusão gasosa, centrifugação gasosa, eletrõlise, eletromagnético, etc, tem sido propostos na separação Isotõpica de nitrogênio-15. Normalmente, os sistemas de troca química entre duas fases, líquido e gás, sãu os mais utilizados em relação aos demais métodos, particularmente devj[ do ã rápida troca entre as formas químicas utilizadas. Especificamente, o sistema de troca isotõpica entre solução de ácido nttrico e monõxido de nitrogênio, torna-se o mais atrativo, devido ao seu alto fator de fracionamento, como ilustra a Tabela 1.2.

18 TABELA 1.2 MÉTODOS UTILIZADOS PARA A PRODUÇÃO DE NITROGÊNIO-15 Sis ternas Métodos Fator de Fracionamento Autores N 2 Termodifusão - CLUSIUS (1950) N 2 Distilação a baixa temperatura (-209 C) 1,006 CLUSIUS e KEYER (1953) NO Destilação a baixa temperatura (-156,1 C 1,030 CLUSIUS e SCKLEICH (1953) NH 3 - NH 4 R Troca iõnica 1,026 SPEDDING et alii (1955) NH 3 - NH* Troca química 1,023 THODE e UREY (1939) NO - HNO 3 Troca química 1,055 SPINDEL e TAYLOR (1956) NC-NOC1 Troca química 1,026 YEATIS (1953) M0-N0(HS0 4 ) Troca química 1,033 STIEHL (1961) NH 3 FotoquTmica - AMSARTSUMJAN et alii (1973) N 2 Absorção conttnua(-195,l C) 1,016 ZELVENKIJ et alii (1974) FONTE: KRELL (1976) STASCHEWSKI (1975), citado por KRELL e JONAS (1977), faz uma análise comparativa entre o sistema de troca qutmica (NO, N0 2 )/HN0 3 ã temperatura 25 C, e o de desti laçao a baixa temperatura (~121 C), do monoxido de nitrogênio no sistema NO liq./no gas. Estes autores, relatam que o sistema desenvolvido portaylor e SPINDEL (1957), torna-se ornais atraente, em função do alto fator de fracionamento, 1,055 contra 1,027, e também devido ao baixo custo de ácido nttrico produto, por átomo grama de isótopo N puro, obtido na concentração de 95 a 99 átomo % 15, N. Paralelamente, esses autores, comentam que, com o apoio de uma indus de

19 tria química de alta infraestrutura no sistema NQ/HNO,, toma-se possível majr car com N, mais de duzentos e cincoenta compostos químicos diferentes. Como uma citação adicional e atrativa, ABRUDEM et alii (1981), dese volveram uma unidade experimental a nível de laboratório, consistindo de duas colunas de troca isotõpica para a separação simultânea de N e 0, baseando -se no sistema (N0,N0 2 )/HN0 3 detaylor e SPINDEL (1957) Organização do trabalho Visando a organização, ordenaram-se os diferentes assuntos em capítju los, numerando-os com algarismos romanos. As equações oriundas dos capítulos, levam ã mesma numeração e na sje qüincia destas, utilizou-se da numeração progressiva, com algarismos arábicos. A mesma disposição foi utilizada nas tabelas. Para a seqüência destas, utilizou-se da numeração progressiva, com algarismos arábicos. As ilustrações foram numeradas em seqüência com algarismos arábicos, independentemente dos capítulos. Para os diferentes assuntos, dispostos em capítulos, citaram-se as re ferências específicas. Quando possível, apôs o desenvolvimento dos assuntos, extrairam-se re sultados e conclusões Objetivos e descrição geral dos capítulos A motivação geral e o Interesse maior neste trabalho, residem na im plantação de uma unidade experimental do sistema NO/HNOj, em coluna de contra_ corrente, entre o monóxido de nitrogênio gasoso e a solução de ácido nítrico, para a produção de nitrogênio-15, no Centro de Energia Nuclear na Agricultura/ USP/Piracicaba. Paralelamente i objetivo também, iniciar-se nos estudos da determina^ ção teórica e experimental, do fator de fracionamento do sistema NO/HNO3, vez que da literatura, vários valores, tanto teóricos como experimentais, uma são

20 atribuídos a este processo. Procurar-se-ã desenvolver um modelo, para contribuir na compreensão do processo de troca isotõpica de nitrogenio-le no sistema Nü/HNO.*. Os objetivos específicos, estão correlacicnadcs cem a descrição geral de cada capitulo. Assim, no Capitulo I I, o qual se refere aos fundamentos teóricos da quipartição isotõpica, procura-se cano objetivo, evidenciar os conceitos equações necessárias, para a estimativa da constante de equilíbrio e do de fracionamento, entre espécies isotõpicas, pertencentes a moléculas di e as fator e po liatênricas, nas fases horaogineas gãs-gãs. Posteriormente, as equações complementares na correção para as fases heterogêneas, gas-líquido, explicitando-as era termos de parâmetros moleculares, principalmente em função das freqüências fundamentais vibracionais. Como aplicação e objetivo destes fundamentos, procura-se estimar no Ca_ pítulo III, a constante de equilíbrio e o fator de fracionamento das principais reações de troca isotõpica de nitrogênio-15 no sistema NO/HNO3, ã temperatura de 25 C. Utilizando-se das constantes moleculares e das freqüências vibraciç> na is, teóricas e experimentais, obtidas por diversos autores, foram analisados os valores, através das expressões utilizadas nas razões das funções de partly ção para HNO 3 ( ) /NO(g) ; HN0 3 ( ) /N0 2 (g)e HNO 3 (í)/hno 3 (g), nas quais (*) e (g) significam fase líquida e gasosa, respectivamente. No Capítulo IV, referente aos fundamentos teóricos da separação isoto pica em coluna de contracorrente, procura-se como objetivo, dar ênfase aos prini cipais conceitos e definições utilizados, e ã principal equação necessária calculo simultâneo, do fator de fracionamento e do número total de placas no teó cas, a partir de parâmetros de alimentação e produto, em condições de equih brios isotõpicos dinâmicos. Tendo-se por referência, o sistema original N0/HN0 3, de TAYLOR e SPIN DEL (1957), foi construída com modificações, uma coluna de contracorrente, para a produção em escala de laboratório, de ácido nítrico enriquecido em N. A descrição das principais unidades operacionais dessa coluna, são a

21 presents das no Capitulo V. Neste capitulo, constam também, análises compara ti^ vas de alguns parâmetros da coluna de troca isotopica, aos da literatura. 0 mitodo de redução do ácido nttricô a nitroginio molecular, para a analise da concentração em átomo % N, com precisão da ordem de 1%., por e pectrometria de massa, descreve-se no Capitulo VI. No referido capitulo relata-se também, as modificações efetuadas no método de preparo de amostra, método de Dumas, bem como a alteração introduzida no sistema de entrada de amostra do espectrômetro de massa. Como aplicação e objetivo dos fundamentos teóricos da separação pira em coluna de contracorrente, determina-se no Capitulo VII, o fator de isotô fra cionamento do sistema NO/HNO-, e o núrcero total de placas teóricas da coluna em pregada, atravis de três experimentos. Neste capitulo, obtiveram-se expressões de número total de placas teõ ricas versus fator de ^racionamento. Através de determinação grafica, pode-se explicitar simultaneamente, o fator de fracionamento do sistema NO/HNO3, e oní mero xotai de placas teóricas da coluna, nas condições de trabalho empregadas. No capitulo VII, focaliza-se também a atenção para o balanço de massa de nitrogênio-15, jênio-15, no sentido de localizar a provável fonte de perdas de N no sistema NO/HNO Analisa-se também, neste capitulo, a produção de N, sob um mesmo in tervaio de tempo, através da análise de compromisso, entre a quantidade de pro duto retirado, e a concentração de N obtida. Através dos parâmetros experimentais da coluna de troca isotopica, e dos fundamentos teóricos da separação isotopica, procura-se estimar a altura de uma nova coluna de contracorrente, para a produção de ácido nftrico, com alta concentração de nitrogênio-15. Utilizando-se dos princípios fundamentais de ambas as teorias, nas principais reações de troca isotõpica de nitrogênio-15 no sistema NO/HNO3, e dos fatores de fracionamento, teóricos e experimentais, obtidos por diversos a tores, e também neste trabalho, sugere-se como objetivo final, um modelo, para o processo de troca de nitroginio-15 no sistema utilizado. Este modelo, descre ve-se no CapUuio VIII.

22 CAPITULO II FUXDAVHüTOS TEÓRICOS DA EQIJ1PARTIÇÃO ISOTÔPICA, NA EST11-1ATIVA DA CONSTANTE DE EQUILÍBRIO E DO FATOR DE FRACIONAMEtno, EM REAÇÕES DE TROCA ISOTÔPICA 2.1. Introdução e revisão bibliográfica A teoria do fracionamento dos isõtopos estáveis, segundo RICHET et alii (1977), provavelmente inicioi- se cora LINDEMANN (1919) e LINDEMAHN e ASTCW (1919), os quais, aplicaram a termodinâmica estatística, para calcular a dif rença da pressão de vapor entre os isótopos de chumbo. Sagundo RICHET et alii (1977), apôs LINDEKANN (1919), os autores UREY e RITTENBERG (1933), calcularam as constantes de equilíbrio para as reações de troca, envolvendo hidrogênio e deutério, hidrogênio e compostos de halogêneos deuterados. Segundo RICHET et alii (1977), FARKAS e FARKAS (1934), fizeram o mesmo para a troca de hidrogênio e deutério na água. UREY e GREIFF (1935), realiza_ ram cálculos, envolvendo hidrogênio, lttio, carbono, nitrogênio, oxigênio e ha_ logêneos, admitindo moléculas di e polia tônicas na constante de equilíbrio is tópico. Destes autores, segundo RICHET et alii (1977), WALDMANN (1943), desen, volveu provavelmente as principais equações convenientes para os cálculos de troca isotõpica. BIGELEISEN e MAYER (1947), desenvolveram independentemente as mesmas expressões que WALDMANN, assim como UREY (1947). Desde então, segundo RICHET et alii (1977), autores de diversas áreas, tem usado as expressões de UREY (1947), ou as de WALDMANN (1943), ou as de BIGE LEISEN e MAYER (1947), na estimativa da constante de equilíbrio. Subentende-se, neste capitulo, que a estimativa da constante de equilt brio e do fator de fracionamento, em reações de troca isotõpica, refere-se ã re_ visão bibliográfica da teoria desenvolvida por UREY e RITTENBERG (1933), UREY e GREIFF (1935), e de uma forma mais simplificada, por BIGELEISEN e MAYER (1947).

23 Procurar-se-a, como objetivo, conduzir o desenvolvimento das KSHS, para a estimativa da constante de equilíbrio, entre fases honogineas gãs-gãs, e posteriormente corrigi-ia para fases heterogêneas g?s-liquido. Devido ã numerosa sinboiogia e conceitos empregados na teoria e na sim plificação da mesma, abordar-se-ão os tópicos necessários a perfeita compreen são, a fim de evitar a necessidade de recorrer ãs literaturas originais. A reação química de troca isotopica i aquela na qual, esquematicamente pode ser representada por uma reação do tipo: Ax + Bx* ^=± Ax* Bx (II.1) onde x* e x, são os isõtopos pesado e leve do par isotópico tomado em considera^ ção. A concentração isotopica das espécies Bx* e Ax* ou Bx e Ax, segundo JOHNS (1961), difere levemente uma da outra nas condições experimentais de equi^ ltbrio. Métodos de troca química para a separação isotopica, fazem uso destas pequenas diferenças de concentração no equilíbrio. Estes métodos, tem mostrado serem os mais satisfatórios na separação dos isõtopos para a maioria dos elemen tos leves. A constante de equilíbrio da reação II.1, obtida experimentalmente, s gundo JOHNS (1961), difere da obtida pela teoria da equipartição isotopica e, quanto mais as espécies isotópicas se aproximarem de um gás ideal, mais próxj^ mas as constantes, teórica e experimental, estarão entre s1. SegundoUREY e GREIFF (1935), BIGELEISEN e MAYER (1947), a estimativa do calculo da constante de equilíbrio entre fases homogêneas gãs-gãs, utilizaji do-se da equipartição de energia nas espécies isotópicas <ta reação 11,1, expres_ sa-se por: K. n q produtos (II 2) * n Q reagentes

24 10 Na expressão II.2, n i o produto das funções de partição Q's. as quais serão detalhadas oportunamente, e K i a constante de equilíbrio entre as espécies isotópicas envolvidas, pertencentes as fases gasosas. 0 cálculo das funções de partição dos produtos e dos reagentes, perai_ te então o cálculo da constante de equilíbrio. Tera-se para a reação II.1, que: Q(Ax*)Q(Bx) - Q(Ax*)/ QfAx) (,, 3) Q(Ax) Q(Bx*J Q(3x*)/ Q(Bx) 0 fator^' de fracionamento a da expressão II.1, o qual está intimaraen te correlacionado com a constante da equilíbrio, será detalhado oportunamente. De una forma geral, segundo PIERCE (1968), a energia total e^ adquiri^ da por uma molécula no equilíbrio térmico, reflete a contribuição: da energia translacional et; da energia rotacional er; da energia vibracionai e/; da ene gia de excitação eletrônica ce; e da energia do spin nuclear en. A energia total e.- era primeira aproximação, pode ser representada como uma simples soma de todas estas formas de energia. e- = et + er + e/ + ee + en. Desde que uma espécie molecular apresente um conjunto particular de es_ tados de energia e^, a função da distribuição destes estados de energia na mole cuia, pede ser expressa pela função de partição total Q = z i g i exp (-e^/kt), na qual g^, i a degenerescência de e^ ou o fator estatístico, que indica a coa lescência de dois ou mais níveis de energia era um; k é a constante de Boltanann e T a temperatura absoluta. Assim sendo, pode-se escrever que: Q = E 1 g i exp (-et í /kt)exp(-er i /kt)exp(-e/ i /kt)exp(-ee i /kt)exp(en i /kt) (II.5) ( ) As definições de fator de fradonamento o, e do enriquecimento relativo e, estão explícitas no Capítulo IV e em 2.6.

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Física II 2012 UNICAMP Quadro de Joseph Wrigth of Derby (1768) representando experimento de Robert Boyle Equação de estado dos gases ideais Qualquer objeto macroscópico

Leia mais

Escola Básica da Gafanha da Encarnação Físico-Química 8º ano Ficha de trabalho 2014/2015 Nome N.º Turma Data: Enc. Educação Professora

Escola Básica da Gafanha da Encarnação Físico-Química 8º ano Ficha de trabalho 2014/2015 Nome N.º Turma Data: Enc. Educação Professora Escola Básica da Gafanha da Encarnação Físico-Química 8º ano Ficha de trabalho 2014/2015 Nome N.º Turma Data: Enc. Educação Professora 1. A Maria adicionou uma colher de chocolate em pó a um copo com Leite

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

James Clerk Maxwell (1831-1879)

James Clerk Maxwell (1831-1879) 4 Introdução à Teoria Cinética James Clerk Maxwell (1831-1879) Físico britânico nascido em Dumfrieshire na Escócia, que desde muito jovem demonstrou possuir dotes excepcionais para a matemática. Em 1857

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR Teoria do Orbital Molecular - Prof. J. D. Ayala - 1 - TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR ORBITAIS NAS MOLÉCULAS A teoria dos orbitais moleculares (MO) constitui uma alternativa para se ter uma visão da ligação.

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Estequiometria Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira -A palavra estequiometria deriva das palavras

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003)

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) - Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de Lorena Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) 1º semestre de 2014 Prof. Dr. João Paulo Alves Silva jpalves80@usp.br Aula anterior Equação de Velocidade

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Teoria do Orbital Molecular A Teoria do Orbital Molecular usa os métodos da teoria de grupos para descrever a ligação química em moléculas. A simetria e

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida.

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida. TEXTO PARA A QUESTÃO 1. Sonda espacial detecta sal de cozinha em lua de Saturno A análise da composição química do anel mais externo de Saturno revelou a presença de 98% de água, 1% de cloreto de sódio,

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL CROMATOGRAFIA 2 1 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 Pg.756-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 3 Separação Química Princípios de uma separação. Uma mistura

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA Hibridização Revisão - Química Orgânica Básica 1 Tabela Periódica 2 Moléculas Diatômicas 3 Moléculas Poliatômicas 4 Eletronegatividade 5 A interação da luz e a matéria 6 Hibridização

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

DEPENDÊNCIA DA VELOCIDADE COM A TEMPERATURA Camilo Andrea Angelucci

DEPENDÊNCIA DA VELOCIDADE COM A TEMPERATURA Camilo Andrea Angelucci DPNDÊNCIA DA VLOCIDAD COM A TMPRATURA Camilo Andrea Angelucci MTA Apresentar os conceitos da infl uência da temperatura na velocidade das reações químicas. OBJTIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

Transições de Fase de Substâncias Simples

Transições de Fase de Substâncias Simples Transições de Fase de Substâncias Simples Como exemplo de transição de fase, vamos discutir a liquefação de uma amostra de gás por um processo de redução de volume a temperatura constante. Consideremos,

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

QUÍMICA TECNOLÓGICA I

QUÍMICA TECNOLÓGICA I Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG QUÍMICA TECNOLÓGICA I Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira flaviana.tavares@ufvjm.edu.br Alquimia

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Física e Química A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 715/1.ª Fase Critérios de Classificação 1 Páginas 201

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Correção da ficha de trabalho N.º3

Correção da ficha de trabalho N.º3 Correção da ficha de trabalho N.º3 1- Classifique as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas, corrigindo estas últimas: A. A passagem de um átomo de um estado excitado ao estado fundamental é acompanhada

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx

Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Soluções das Questões de Física do Processo Seletivo de dmissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército EsPCEx Questão Concurso 009 Uma partícula O descreve um movimento retilíneo uniforme e está

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades FUVEST 2 a Fase 10/janeiro/2011 conhecimentos gerais 01. a) Quantos são os números inteiros positivos de quatro algarismos, escolhidos sem repetição, entre 1, 3,

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio:

Em um sistema de numeração de base b qualquer, um número positivo é representado pelo polinômio: ELETRÔNICA DIGITAl I 1 SISTEMAS DE NUMERAÇÃO INTRODUÇÃO A base dos sistemas digitais são os circuitos de chaveamento (switching) nos quais o componente principal é o transistor que, sob o ponto de vista

Leia mais

Movimento Harmônico Simples: Exemplos (continuação)

Movimento Harmônico Simples: Exemplos (continuação) Movimento Harmônico Simples: Exemplos (continuação) O Pêndulo Físico O chamado pêndulo físico é qualquer pêndulo real. Ele consiste de um corpo rígido (com qualquer forma) suspenso por um ponto O e que

Leia mais

Qualidade Ambiental Química

Qualidade Ambiental Química Qualidade Ambiental Química Programa Revisão dos Conceitos Básicos de Química e Estatística Poluição o Ar e a Química da Troposfera Reações Químicas ligadas à Emissão de Poluentes da Atmosfera Bibliografia

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução Astroquímica Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Víctor de Souza Bonfim Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. 1. Introdução Nossas discussões desta aula procuram

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Propriedades volumétricas de fluidos puros

Propriedades volumétricas de fluidos puros Propriedades volumétricas de fluidos puros Objetivos Compreender o comportamento PVT de fluidos puros Estudar equações de estado para descrever o comportamento PVT de fluidos reais Equações do tipo virial

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Um pequeno refrigerador para estocar vacinas está inicialmente desconectado da rede elétrica e o ar em seu interior encontra-se

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS Foz do Iguaçu - 2014 Elaboração: Francielle Amaral da Silva Nilson Carlos Vieira Júnior Coordenação: Mara Lucia Magalhães Capa: Alexandre

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li.

B) (até três pontos) Para os pares de espécies apresentados em i, ii e iii, tem-se, respectivamente, Al +, F - e Li. Química 1. O raio atômico (ou iônico) é uma propriedade periódica que exerce grande influência na reatividade dos átomos (ou dos íons). A) Explique, em termos de carga nuclear efetiva, a variação apresentada

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas.

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Composição de uma Mistura de Gases A especificação do estado de uma

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Juntando os pressupostos necessários à inferência, Modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Seja A o Factor dominante e B o Factor subordinado. Existem

Leia mais

Fase Identifica um estado uniforme de

Fase Identifica um estado uniforme de DIAGRAMAS DE FASES Definições Fase Identifica um estado uniforme de matéria, não só no que se refere à composição química, mas também no que se refere ao estado físico. Número de fases numa mistura P 1

Leia mais

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais.

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7aula Janeiro de 2012 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS I: Papel Milimetrado Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7.1

Leia mais

Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes.

Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes. GASES NOBRES GRUPO 18 OU VIIIA Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes. Gases raros não é apropriado porque o argônio (Ar) não é raro (é mais abundante que o CO 2 no ar). Gases Inertes

Leia mais