TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO COM USO DA TÉCNICA DE REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO 1 RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO COM USO DA TÉCNICA DE REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO 1 RESUMO"

Transcrição

1 Irriga, Botucatu, v. 1, n. 4, p , novembro-dezembro, 5 ISSN TEOR DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO COM USO DA TÉCNICA DE REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO Tibério Santos Martins da Silva 1 ; Eugênio Ferreira Coelho 2 ; Vital Pedro da Silva Paz 3 ; Lucas Melo Vellame 1 ; Gessionei da Silva Santana 4 1 Universidade Federal da Bahia, Cruz das Almas, BA 2 Embrapa Mandioca e Fruticultura, Cruz das Almas, BA 3 Departamento de Engenharia Agrícola, Universidade Federal da Bahia, Cruz das Almas, BA 4 Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG 1 RESUMO A avaliação do teor de íons no solo no manejo da fertirrigação é complexa devido a dificuldade de obtenção em tempo real e com o mínimo de alterações na estrutura do solo. Este trabalho teve como objetivo estimar o teor de potássio na solução do solo, a partir de modelos matemáticos ajustados, em função da condutividade elétrica da solução do solo (CEw) coletada por extrator de solução, da umidade (θ) e da condutividade elétrica aparente do solo (CEa) obtidas por um equipamento de reflectometria no domínio do tempo (TDR). Os modelos estimaram razoavelmente a Cew e a reflectometria no domínio do tempo mostrou-se adequada para o monitoramento da concentração de potássio na solução do volume de solo molhado. UNITERMOS: TDR. SILVA, T. S. M. da.; COELHO, E. F.; PAZ, V. P. da. S.; VELLAME, L. M.; SANTANA, G. da. S.; POTASSIUM CONCENTRATION IN SOIL SOLUTION USING TIME DOMAIN REFLECTOMETRY TECHNIQUE 2 ABSTRACT The evaluation of ion concentration in the soil under fertirrigation is complex due to the difficulty of obtaining it in real time, with a minimum of soil disturbance. This work aimed to estimate potassium concentration in soil solution as a function of soil solution electrical conductivity (CEw) collected by using water sampler, soil water content (θ) and bulk electrical conductivity (CEa) obtained using a time domain reflectometry equipment (TDR). The models estimated reasonably CEw and time domain reflectometry was suitable for potassium concentration monitoring of wet soil volume solution. KEYWORDS: TDR. 3 INTRODUÇÃO A fertirrigação está se estabelecendo, principalmente, devido a sua praticidade, redução de mão de obra e potencialização do uso de fertilizantes. No entanto, são importantes os estudos relacionados ao monitoramento dos íons no solo, para orientar o manejo da fertirrigação, que deverão permitir correções no processo de adubação via água de irrigação e contribuir na avaliação dos impactos ambientais decorrentes do uso indiscriminado de produtos químicos. O monitoramento dos íons a partir de análise do solo tem o inconveniente da necessidade de amostras destrutivas e demora dos resultados. A metodologia de obtenção do extrato de saturação a Recebido em 2/12/4 e aprovado para publicação em 4/8/5

2 394 Teor de potássio na solução do solo com uso da técnica de reflectometria no domínio do tempo partir de amostras não representa o estado iônico do solo em tempo real. O monitoramento de íons com o extrator de solução permite a repetição de leituras no mesmo local de amostragem, mas contempla apenas as regiões com a água retida a potenciais mais altos. A solução coletada num extrator corresponde àquela que entra na cápsula durante o tempo suficiente para se obter uma quantidade para análise química, cujo resultado representa a solução em um dado período de tempo e não do momento da coleta. A Reflectometria no Domínio do Tempo (TDR) tem se mostrado como uma ferramenta eficiente para realizar a medida simultânea da umidade (θ) e da condutividade elétrica aparente do solo (CEa) em tempo real e com o mínimo de perturbações na estrutura do solo. A condutividade elétrica aparente do solo (CEa) varia com a condutividade elétrica da superfície das partículas do solo (CEs) e com o teor de umidade (θ), que, por sua vez interfere na condutividade elétrica da solução do solo (CEw) e no volume de poros ocupado com ar. É necessário, no entanto, viabilizar o uso desta técnica para possibilitar estudos de monitoramento de íons no solo, o que pode ser obtido relacionando-se CEa com CEw, θ e a concentração do íons na solução. Existem modelos que estimam CEa com boa margem de segurança a partir dos valores de θ e CEw como visto nas equações de Rhoades et al (1976), Nadler et al. (1984), Vogeler et al. (1996), revistas por Muñoz-Carpena et al. (1) e Wraith et al. (1998). A literatura tem apresentado poucos trabalhos com uso da solução coletada em extratores para determinação de níveis de nutrientes no solo (SILVA et al., 3). A complexidade do solo, quanto à dinâmica do estado iônico é o maior limitante no uso dessa metodologia, entretanto, tem sido mostrado que com uma calibração adequada ela pode ser usada, facilitando o monitoramento da fertirrigação. Relação entre a condutividade elétrica da solução do solo e teores de alguns nutrientes foram avaliados por Muñoz-Carpena et al. (1), trabalhando com aplicação de KBr e Mmolawa et al () com o KNO 3. Estes autores obtiveram elevados coeficientes de determinação dos modelos que relacionaram CEw com Br (MUÑOZ-CARPENA et al., 1) e com NO 3 (MMOLAWA et al, ). Este trabalho teve como objetivo a estimativa da concentração de potássio na solução do solo, a partir de modelos matemáticos, em função da condutividade elétrica da solução (CEw) e da umidade do solo (θ) determinadas por reflectometria no domínio do tempo. 4 MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi realizado no Laboratório de Irrigação da Embrapa Mandioca e Fruticultura em Cruz das Almas-BA, no período de março de 3 a maio de 4. Esta metodologia considera o estado químico inicial do solo e não assume que o mesmo é inerte. Desta forma, ela deve ser repetida para solos de características diferentes. O trabalho foi desenvolvido utilizando-se amostras de solo deformadas retiradas de um Latossolo Amarelo Distrófico, com as seguintes características físicas: areia total 444 g kg -1, silte 131 g kg -1, argila 425 g kg -1, densidade do solo de 1,34 kg dm -3, densidade de partículas 2,55 kg dm -3 e porosidade total,38 m 3 m -3. A umidade referente ao potencial de -1 kpa foi de,2157 kg kg -1 e a umidade referente a -15 kpa foi de,1276 kg kg -1. O solo destorroado e secado ao ar foi passado em peneira de dois milímetros e colocado em tubos de PVC com,1 m de diâmetro e,19 m de altura, sendo compactado até alcançar a densidade aparente de 1,34 kg dm -3. As colunas de solo depois de preparadas foram regadas com soluções de cloreto de potássio, de forma a se conseguir seis níveis de umidade, correspondentes a 15, 3, 45,, 75 e 9% da água disponível e seis níveis de condutividade elétrica:,2;,8; 1,4; 2,; 2,6; 3,2 ds m -1. Após 24 horas da aplicação das soluções, foram realizadas leituras simultâneas de θ e CEa utilizando-se uma sonda de TDR com três hastes de,1 m de comprimento, construída conforme Vellame et al. (3), conectada a um analisador de umidade TDR (CAMPBELL Co.). Após as leituras, um extrator de solução foi introduzido no mesmo local de inserção da sonda, sendo aplicada uma tensão de -7 kpa ao mesmo com uso de uma bomba de vácuo manual. Esperou-se o tempo

3 Silva et al 395 necessário para se extrair uma quantidade de solução de 15 ml para a determinação da CEw e concentração de potássio no laboratório de química do solo. Durante o procedimento de leitura, a temperatura do solo foi medida com um termopar de cobre-constantan ligado a um datalogger. Os dados de CEa e θ lidos pela TDR e os dados de CEw medidos no laboratório foram agrupados para os ajustes dos modelos por otimização com uso de planilha eletrônica. Os valores de CEa foram corrigidos para a temperatura de 25 o C, conforme metodologia do U. S. Salinity Laboratory Staff (1954). A estimativa de CEa seguiu os modelos de Rhoades et al. (1976), Vogeler e Clothier (1996) e Nadler et al. (1984), recomendados por Silva et al. (3), para as condições do solo em estudo, de acordo com o Quadro 1. Quadro 1. Equações que relacionam CEw, CEa e θ. Modelo Equação 2 CEa = aθ + b CEw + CEa= cθ d CEw + aθ b Rhoades et al. (1976) ( ) CEs Vogeler e Clothier (1996) ( ) ( ) Nadler et al. (1984) CEw = FT ( CEa CEs) F( θ ) Em que: CEa = Condutividade elétrica aparente do solo (ds m -1 ); CEs = Condutividade elétrica das partículas do solo (ds m -1 ); Cew = Condutividade elétrica da solução do solo (ds m -1 ); θ = Conteúdo volumétrico de água no solo (m -3 m -3 ); Ft = Correção da temperatura para 25 o C; F(θ) = Tortuosidade do fluxo de corrente elétrica; a, b, c,. d = Parâmetros empíricos. Para relacionar a condutividade elétrica da solução (CEw) com a concentração de potássio (K), foram ajustados os modelos matemáticos na forma direta e inversa apresentados a seguir, tomados a partir de trabalhos de Muñoz-Carpena et al. (1) e Mmolawa et al () para posterior análise daquele com melhor adequação no estudo: Modelo 1: CEw = ak + b Modelo 2: K = 1/a(CEw-b) Modelo 3: CEw = ak b Modelo 4: K = (CEw/a) 1/b Os modelos propostos neste trabalho para estimativa do teor de K a partir de dados de CEa e θ fornecidos pela TDR, são resultantes das equações apresentadas no Quadro 1 e do modelo que melhor estima CEw em função de K, acima representados. No Quadro 2 têm-se os modelos para estimativa de K, obtidos pela substituição dos modelos linear e potencial que estimam CEw (Modelo 1, Modelo 3) nos modelos de Rhoades et al (1976), Vogeler et al. (1996) e Nadler et al. (1984). Quadro 2. Estimativa de K a partir da substituição dos modelos linear e potencial de estimativa de CEw, nos modelos de Rhoades et al. (1976), Vogeler et al. (1996) e Nadler et al. (1984). Modelo Substituição Rhoades et al. (1976) + (CEw = ak + b) K = [ c( CEa CEs) aθ bθ ] 2 d K = e CEa aθ b cθ d Vogeler et al. (1996) + (CEw = ak + b) { [ ( )] ( )} f Vogeler et al. (1996) + (CEw = ak b ) K = { e[ CEa ( aθ b) ] ( cθ d) } f Nadler et al. (1984) + (CEw = ak + b) K = c[ Ft( CEa Ft CEs) θ ( aθ + b) ] d Nadler et al. (1984) + (CEw = ak b ) K = { c[ Ft( CEa Ft CEs) θ ( aθ + b) ]}

4 396 Teor de potássio na solução do solo com uso da técnica de reflectometria no domínio do tempo Os dados de teor de K das soluções retiradas das colunas de solo e os valores de CEa e θ obtidos pela TDR, foram agrupados para ajuste de modelos, com uso da planilha eletrônica Excel. Os valores de CEw e K das colunas de solo obtidos em laboratório e estimados pelos modelos foram avaliados qualitativamente quanto à precisão, pelo coeficiente de determinação do modelo e pelos desvios percentuais entre os dados obtidos e os estimados. Quanto à exatidão, verificou-se o coeficiente angular do gráfico Y = AX, onde quanto mais próximo de 1, ou a função ajustada estiver da reta 1:1, maior é a exatidão do modelo. 5 RESULTADOS E DISCUSSÕES A Tabela 1 mostra os modelos para estimativa de CEw como função de K, da solução do solo, e os modelos inversos, isto é, para determinação de K como função de CEw, seus respectivos coeficientes de determinação e os desvios percentuais dos valores da variável dependente estimada e observada. Nesta tabela, tanto os modelos lineares como os potenciais para estimativa de CEw e K não diferenciaram entre si quanto aos coeficientes de determinação e aos desvios percentuais. Tabela 1. Modelos ajustados para estimativa da concentração de potássio (K) e da condutividade elétrica da solução do solo (CEw) e seus respectivos coeficientes e desvios percentuais. Modelo Coeficientes a 1/a b 1/b r 2 Desv. (%) CEw = ak + b,17,114,856 15,8 ± 12,2 K = 1/a(CEw-b) 5,24 -,4,856 16,7 ± 9,1 CEw = ak b,33,868,856 15,8 ± 11,3 K = (CEw/a) 1/b,21 1,12,856 16,7 ± 8,8 A Figura 1 apresenta gráficos do tipo Y = AX que relacionam a CEw estimada pelo modelo com o valor medido com o condutivímetro, indicando qualitativamente a exatidão dos modelos pelo coeficiente angular. Nesta figura, pode-se ver que os modelos linear e potencial apresentaram coeficientes angulares iguais a,9764 e,9765, respectivamente. Esses valores indicam que estes dois modelos apresentam quase a mesma exatidão em estimar a CEw. 2, 1, y =,9764x r2 =,834 CEw modelo (ds m -1 ) 1,,, (a),,,, 1, 1, 2, CEw (ds m -1 )

5 Silva et al 397 2, 1, y =,9765x r2 =,832 CEw modelo (ds m -1 ) 1,,, (b),,,, 1, 1, 2, CEw (ds m -1 ) Figura 1. Valores de CEw estimados pelo modelo (a) linear e (b) potencial, em função dos valores medidos com o condutivímetro. Seguiu-se com a mesma análise com os modelos que estimam a concentração de K (Tabela 1 e Figura 2). Estes também não apresentaram diferença entre si quanto à precisão e a exatidão das estimativas. Isso demonstra que os modelos podem ser usados na determinação do teor de potássio na solução do solo, abrindo caminho para estudos que irão determinar as faixas ideais de concentração de K com base na CEw, para as diversas culturas em todas as suas fases fenológicas e tipos de solo. 1 y =,9733x r2 =,839 (a) 1

6 398 Teor de potássio na solução do solo com uso da técnica de reflectometria no domínio do tempo 1 y =,9733x r2 =,8376 (b) 1 Figura 2. Valores de K estimados pelo modelo (a) linear e (b) potencial, em função dos valores medidos com o condutivímetro. A Tabela 2 mostra os coeficientes de determinação e os desvios percentuais entre os valores medidos e as estimativas pelos modelos que estimam a concentração de K a partir dos dados de CEa e θ. Verifica-se que os modelos de Rhoades et al. (1976), Vogeler et al. (1996) e Nadler et al. (1984) apresentados no Quadro 2, praticamente não diferiram em precisão quanto aos valores de coeficiente de determinação e desvios percentuais. Tabela 2. Coeficientes e os desvios percentuais dos modelos ajustados em laboratório para estimativa da concentração de K. Modelo Coeficientes a b c d e F CEs r 2 Desv. (%) Rhoades et al (1976) + -5,52-1,2-23,69-26,79,26,839 ± 14 linear Vogeler et al. (1996) + -,13-56,54 -,28-1,85 332,2 25, 64,48 756,8 4878, 6-2,45,838,923 19,7 ± 14 linear -17,72 3, ,79 81,81 22,9,26,837 12,4 ± 9 Vogeler et al. (1996) + pot.,15,15-75,99 1,81,4,851,4 ± Nadler et al (1984) + linear 1,27 14 Nadler (1984) + pot. 16,4 ± 12 Nas Figuras 3, 4 e 5 os coeficientes de determinação e coeficiente angular do gráfico tipo Y = AX também apresentaram pequenas diferenças indicando semelhança entre a precisão e a exatidão, respectivamente. O modelo de Rhoades et al. (1976) combinado com o modelo potencial de estimativa de CEw, não alcançou ajuste satisfatório, porém, o modelo de Vogeler et al. (1996) e Nadler et al. (1984) combinados com o mesmo modelo apresentaram resultados superiores àqueles obtidos com o modelo linear (Tabela 2, Figuras 3 e 4).

7 Silva et al y =,9649x r2 =,57 (a) 1 1 y =,9789x r2 =,9113 (b) 1 Figura 3. Ajuste da função Y=AX aos dados de concentração de K estimado e medido com os modelos de (a) Vogeler et al. (1996) em junção com o modelo linear e (b) Vogeler et al. (1996) em junção com o modelo potencial. De todos os modelos estudados, o de Vogeler et al. (1996) combinado com o modelo potencial de estimativa de CEw, apresentou melhor ajuste entre os dados obtidos e estimados de concentração de K, ou seja, maior coeficiente de determinação e coeficiente angular mais próximo da unidade no gráfico do tipo Y = AX (Figura 3, 4 e 5), e menor desvio percentual (Tabela 2).

8 Teor de potássio na solução do solo com uso da técnica de reflectometria no domínio do tempo A exceção do modelo de Rhoades et al. (1976) combinado com o modelo potencial, todos os demais podem ser utilizados para o solo em estudo, com uma boa margem de segurança 1 y =,9829x r2 =,7993 (a) 1 1 y = 1,317x r2 =,8562 (b) 1 Figura 4. Ajuste da função Y=AX aos dados de concentração de K estimado e medido com os modelos de (a) Nadler et al. (1984) em junção com o modelo linear e (b) Nadler et al. (1984) em junção com o modelo potencial.

9 Silva et al 1 1 y =,965x r2 =,63 1 Figura 5. Ajuste da função Y=AX aos dados de concentração de K estimado e medido com o modelo de Rhoades et al (1976) em junção com o modelo linear Os resultados do presente trabalho demonstram a viabilidade de uso da TDR em estimar o teor de potássio na solução do solo em tempo real. A sucção das soluções com os extratores foi feita com o solo na faixa de umidade entre o ponto de murcha e a capacidade de campo e um pouco acima deste, que é a faixa de umidade requerida para a maioria das culturas cultivadas, o que aumenta a confiabilidade dessa metodologia. 6 CONCLUSÕES 1. 1.Os modelos linear e potencial podem estimar a CEw em função do K, com uso da TDR; 2. Não houve diferença entre os modelos linear e potencial na estimativa de CEw em função de K ; 3. A exceção do modelo de Rhoades et al. (1976), combinado com o modelo potencial, todos os demais podem ser utilizados para o solo em estudo, para estimar a concentração do potássio na solução do solo, com uso da TDR. 4. O monitoramento do K no volume molhado de solo sob fertirrigação pode ser feito com uso da TDR desde que sejam definidos os modelos de estimativa do K em função da CEa e da umidade. 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MMOLAWA K., OR D. Root zone solute dynamics under drip irigation: a review. Plant and Soil, Dordrecht, v. 222, n. 1, p ,.

10 2 Teor de potássio na solução do solo com uso da técnica de reflectometria no domínio do tempo MUÑOZ-CARPENA, R. et al. Determinación simultánea mediante tdr del transporte de agua y un soluto salino en el suelo. In: JORNADAS SOBRE INVESTIGACION EN ZONA NO SATURADA, 5., 1, Anais Pamplona: Universidade Pública de Navarra, 1, P. 1-7,. NADLER, A.; FRENKEL, H.; MANTELL, A. Applicability of the four-probe technique under extremely variable water contents and salinity distribution. Soil Science Society America Journal, Madison, v.48, n. 6, p , RHOADES, J.D.; RAATS, P.A.; PRATHER, R.J. Effects of liquid phase electrical conductivity, water content, and surface conductivity on bulk soil electrical conductivity. Soil Science Society America Journal, Madison, v., n. 5, p , SILVA, T. S. M., et al. Parâmetros para monitoramento da distribuição de ions no solo com uso de reflectometria no domínio do tempo. In: I CONGRESSO BRASILEIRO DE FERTIRRIGAÇÃO - COMBRAFERTI, 1., 3, João Pessoa. U. S. SALINITY LABORATORY STAFF. Diagnosis and improvement of saline and alkali soils: Washington, p. (United State Depatartment of Agriculture Handbook, ) VELLAME, L. M.; et al. Guias de ondas para estimativa da umidade do solo pela TDR com uso de multiplexadores. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA, 33, 3, Goiânia. Anais... Goiânia: SBEA, 3. 1 CD ROON. VOGELER, I. et al. Characterizing water and solute movement by time domain reflectometry and disk permeametry. Soil Science Society America Journal, Madison, v., n. 1, p. 5-12, WRAITH, J.; DAS, B.S. Monitoring soil water and ionic solute distributions using time domain reflectometry. Soil and Tillage Research, Amsterdan, v. 47, n. 1, p

Uso da reflectometria no domínio do tempo para avaliar a distribuição de fósforo em colunas de solos fertirrigados

Uso da reflectometria no domínio do tempo para avaliar a distribuição de fósforo em colunas de solos fertirrigados Volumen 30, Nº 1. Páginas 45-53 IDESIA (Chile) Enero-Abril, 2012 Uso da reflectometria no domínio do tempo para avaliar a distribuição de fósforo em colunas de solos fertirrigados Using of the time domain

Leia mais

GESSIONEI DA SILVA SANTANA

GESSIONEI DA SILVA SANTANA GESSIONEI DA SILVA SANTANA AVALIAÇÃO DE MODELOS PARA ESTIMAR A CONDUTIVIDADE ELÉTRICA E A CONCENTRAÇÃO DE POTÁSSIO NA SOLUÇÃO DO SOLO USANDO REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO (TDR) Tese apresentada à

Leia mais

René Porfirio Camponez do Brasil

René Porfirio Camponez do Brasil René Porfirio Camponez do Brasil 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL SOLUÇÃO DO SOLO = H 2 + ÍONS (NUTRIENTES) 2. MÉTODOS UTILIZADOS O PROCESSO NUTRICIONAL

Leia mais

USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL USO DA TDR NO MONITORAMENTO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA POR ASPERSÃO CONVENCIONAL D. R. C. Feitosa 1 ; E. A. A. Barbosa 2 ; F. P. de Deus 3 ; M. D. Ribeiro 4 ; N. F. Tuta 4 ; E. E. Matsura 5 RESUMO:

Leia mais

Redalyc. Disponible en: http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/artpdfred.jsp?icve=92812346005

Redalyc. Disponible en: http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/artpdfred.jsp?icve=92812346005 Redalyc Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Rocha dos Santos, Marcelo;Aparecido Martinez, Mauro;Teixeira de Matos, Antonio;Alves

Leia mais

MARCELO ROCHA DOS SANTOS USO DA REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO PARA AVALIAR A DISTRIBUIÇÃO DE NITRATO E FÓSFORO EM COLUNAS DE SOLOS FERTIRRIGADOS

MARCELO ROCHA DOS SANTOS USO DA REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO PARA AVALIAR A DISTRIBUIÇÃO DE NITRATO E FÓSFORO EM COLUNAS DE SOLOS FERTIRRIGADOS MARCELO ROCHA DOS SANTOS USO DA REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO PARA AVALIAR A DISTRIBUIÇÃO DE NITRATO E FÓSFORO EM COLUNAS DE SOLOS FERTIRRIGADOS Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO EM UM CULTIVO DE BANANEIRA SUBMETIDA À SECAMENTO PARCIAL DO SISTEMA RADICULAR

DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO EM UM CULTIVO DE BANANEIRA SUBMETIDA À SECAMENTO PARCIAL DO SISTEMA RADICULAR DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO EM UM CULTIVO DE BANANEIRA SUBMETIDA À SECAMENTO PARCIAL DO SISTEMA RADICULAR Gessionei da Silva Santana 1, Eugênio Ferreira Coelho 2, Darlan Teles da Silva 3 1 Engenheiro

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: capacidade de campo; densidade crítica; ponto de murcha permanente; porosidade de aeração; qualidade física do solo.

PALAVRAS-CHAVE: capacidade de campo; densidade crítica; ponto de murcha permanente; porosidade de aeração; qualidade física do solo. EFEITO DE DIFERENTES VALORES CRÍTICOS DE RESISTÊNCIA DO SOLO À PENETRAÇÃO SOBRE A DENSIDADE CRÍTICA DO INTERVALO HÍDRICO ÓTIMO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO Edner Betioli Junior 1 ; Wagner Henrique Moreira

Leia mais

Onde Posicionar Sensores de Umidade e de Tensão de Água do Solo Próximo da Planta para um Manejo mais Eficiente da Água de Irrigação

Onde Posicionar Sensores de Umidade e de Tensão de Água do Solo Próximo da Planta para um Manejo mais Eficiente da Água de Irrigação ISSN 1809-5011 09 Onde Posicionar Sensores de Umidade e de Tensão de Água do Solo Próximo da Planta para um Manejo mais Eficiente da Água de Irrigação Introdução Cruz das Almas, BA Janeiro, 2015 Autores

Leia mais

PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS

PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS PRODUÇÃO DA BANANEIRA CULTIVAR GRANDE NAINE FERTIRRIGADA COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS E POTÁSSICAS N. F. de Azevedo 1 ; D. L. Barros 1 ; E. F. Coelho 2 ; T. P. de Andrade 3 ; T. M. de Andrade Neto

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO NA CAPACIDADE DE CAMPO E NO PONTO DE MURCHA PERMANENTE COM BASE EM ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO CAMILA CRISTINA ALVARENGA 1, CARLOS ROGÉRIO DE MELLO 2 ; LÉO FERNANDES ÁVILA

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

Palavras-Chave: (solo arenoso, retenção, analisador granulométrico)

Palavras-Chave: (solo arenoso, retenção, analisador granulométrico) XXXII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo Estudo comparativo de métodos para a determinação da curva de retenção de água em um Neossolo Quartzarênico 1 PATRICIA DOS SANTOS NASCIMENTO (1), LUÍS HENRIQUE

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEADO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO

CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEADO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO CONTEÚDO DE ÁGUA NO SOLO EM CULTIVO DE MILHO BASEO EM REFLECTOMETRIA NO DOMÍNIO DO TEMPO - TDR E NO BALANÇO HÍDRICO DO SOLO A. E. Q. Rocha 1 ; P. L. V. S. Sarmento 1 ; G. Bastos Lyra 2 ; G. B. Lyra 3 ;

Leia mais

Hidrogel como alternativa no aumento da capacidade de armazenamento de água no solo

Hidrogel como alternativa no aumento da capacidade de armazenamento de água no solo Water Resources and Irrigation Management Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Cruz das Almas, BA Instituto Nacional do Semiárido, Campina Grande, PB v.2, n.2, p.87-92, May-Aug., 2013 ISSN 2316-6886

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO.

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. Fábio Vinicius de Freitas Damiati (Universidade Estadual de

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

A COMPACTAÇÃO DO SOLO NA PRODUÇÃO DE GRAMAS

A COMPACTAÇÃO DO SOLO NA PRODUÇÃO DE GRAMAS A COMPACTAÇÃO DO SOLO NA PRODUÇÃO DE GRAMAS 1. Introdução Álvaro Pires da Silva Professor Associado Departamento de Solos e Nutrição de Plantas ESALQ/USP Piracicaba - SP A compactação do solo é um processo

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

SONDAS DE TDR PARA A ESTIMATIVA DA UMIDADE E DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DO SOLO 1 RESUMO

SONDAS DE TDR PARA A ESTIMATIVA DA UMIDADE E DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DO SOLO 1 RESUMO 12 Irriga, Botucatu, v. 11, n. 1, p. 12-25, janeiro-março, 2006 ISSN 1808-3765 SONDAS DE TDR PARA A ESTIMATIVA DA UMIDADE E DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DO SOLO Claudinei Fonseca Souza 1 ; Edson Eiji Matsura

Leia mais

Revista Agrarian ISSN: 1984-2538. Calibração de TDR: desempenho de alguns métodos e equações de calibração

Revista Agrarian ISSN: 1984-2538. Calibração de TDR: desempenho de alguns métodos e equações de calibração ISSN: 984-58 Calibração de TDR: desempenho de alguns métodos e equações de calibração Calibration of TDR: performance of some methods and calibration equations Delfran Batista dos Santos, Roberto Avelino

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE SENSOR PARA ESTIMATIVA VOLUMÉTRICA DO TEOR DE ÁGUA EM UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO

CALIBRAÇÃO DE SENSOR PARA ESTIMATIVA VOLUMÉTRICA DO TEOR DE ÁGUA EM UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO XLIII Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 CALIBRAÇÃO DE SENSOR PARA ESTIMATIVA VOLUMÉTRICA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FÍSICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO DISTROFÉRRICO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO Edner Betioli Junior 1, Wagner Henrique Moreira 1, Marco

Leia mais

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil

Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil Revista Brasileira de Ciência do Solo ISSN: 0100-0683 revista@sbcs.org.br Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Brasil SILVEIRA, P. M.; STONE, L. F. PROFUNDIDADE DE AMOSTRAGEM DO SOLO SOB PLANTIO DIRETO

Leia mais

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo

IT-1101 - AGRICULTURA IRRIGADA. 1 Água e solo 1 Água e solo 1.1 - Solo Solo Camada externa e agricultável da superfície da terra, constituindo um sistema complexo e heterogêneo, cuja formação: Material de origem Tempo Clima Topografia 1.1 - Solo a)

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DINÂMICA DE SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Leia mais

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração

Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Identificação de camadas com diferentes estados de compactação pela análise fatorial da resistência do solo à penetração Gubiani, P. I. 1 ; Reinert, D. J. 1 ; Reichert, J. M. 1 ; Gelain, N. S. 1 ; Oliveira,

Leia mais

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA PARA AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE TERESINA-PI E. R. GOMES 1 ; A. F. ROCHA JÚNIOR 2 ; C. A. SOARES 3 ; F. E. P. MOUSINHO 4 ; A. A. C. SALVIANO

Leia mais

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG.

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG. VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Cássio Rodrigues Moreira 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução Agricultura de precisão voltada à melhoria da fertilidade do solo no sistema plantio direto R.B.C. DELLAMEA (1), T.J.C. AMADO (2), G. L. BELLÉ (), G.T.LONDERO (4), R.J. DONDÉ (4). RESUMO - O sistema de

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ - ITUIUTABA.

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO JOSÉ - ITUIUTABA. ANÁLISE GRANULOMÉTRICA E QUÍMICA DO SOLO NO CEMITÉRIO SÃO Pereira, L. 1 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Email:lucasbpgeo@yahoo.com.br; RESUMO: Este trabalho apresenta uma análise do solo do cemitério

Leia mais

PARÂMETROS DIRETO CONVENCIONAL DIRETO CONVENCIONAL. Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep6 Ep7 Ep8 Ep6 Ep7 Ep8

PARÂMETROS DIRETO CONVENCIONAL DIRETO CONVENCIONAL. Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep 6 Ep 7 Ep 8 Ep6 Ep7 Ep8 Ep6 Ep7 Ep8 EFEITO DO PISOTEIO ANIMAL, NO TERCEIRO ANO CONSECUTIVO, SOBRE ALGUMAS PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO E PRODUTIVIDADE DO MILHO EM SOLO SOB PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL. Carlos Alberto Scapini, Madalena Boeni,

Leia mais

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL cv. Embrapa 122 / V 2000 SUBMETIDO A ESTRESSE SALINO NA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO Magaly Morgana Lopes da COSTA 1 ; Guilherme de Freitas FURTADO 1 ; Elysson Marcks Gonçalves ANDRADE

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade.

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Rosane Saraiva Melo, Jéssica Silva de Aquino, Israel Bezerra Pereira, Adilson Luis Pereira Silva *. Universidade Federal do

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE V Seminário de Agricultura de Precisão Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 9

Leia mais

ESTUDO DE SOLOS COLAPSÍVEIS POR MÉTODO NÃO-INVASIVO 1

ESTUDO DE SOLOS COLAPSÍVEIS POR MÉTODO NÃO-INVASIVO 1 Nº, dez/96, p.- ESTUDO DE SOLOS COLAPSÍVEIS POR MÉTODO NÃO-INVASIVO João de Mendonça Naime 2 Wilson Conciani 3 Márcio Miranda Soares 4 Paulo Estevão Cruvinel Sílvio Crestana 6 O colapso do solo vem preocupando

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR EXPERIMENTAL EM CUPCAKE DE CHOCOLATE RESFRIADO A TEMPERATURA AMBIENTE

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR EXPERIMENTAL EM CUPCAKE DE CHOCOLATE RESFRIADO A TEMPERATURA AMBIENTE DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR EXPERIMENTAL EM CUPCAKE DE CHOCOLATE RESFRIADO A TEMPERATURA AMBIENTE DETERMINATION OF EXPERIMENTAL CONVECTIVE HEAT-TRANSFER COEFFICIENT

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

Reflectometria no domínio do tempo na determinação do conteúdo de água no solo

Reflectometria no domínio do tempo na determinação do conteúdo de água no solo Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.0, n.2, p.306 34, 2006 Campina Grande, PB, DEAg/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 044.04 02/04/2004 Aprovado em 06//2005 Reflectometria no

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE UM SOLO USANDO FUNÇÃO DE VÁRIAS VARIÁVEIS

MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE UM SOLO USANDO FUNÇÃO DE VÁRIAS VARIÁVEIS MODELAGEM MATEMÁTICA EM UM CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE UM SOLO USANDO FUNÇÃO DE VÁRIAS VARIÁVEIS Aracéli Ciotti de Marins, Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR aracelimarins@yahoo.com.br

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

AVALIAÇÃO E TESTE DE FUNÇÕES DE PEDOTRANSFERÊNCIA NA ESTIMATIVA DO TEOR DE ÁGUA NO SOLO E NO RENDIMENTO AGRÍCOLA DA CULTURA DO SORGO

AVALIAÇÃO E TESTE DE FUNÇÕES DE PEDOTRANSFERÊNCIA NA ESTIMATIVA DO TEOR DE ÁGUA NO SOLO E NO RENDIMENTO AGRÍCOLA DA CULTURA DO SORGO AVALIAÇÃO E TESTE DE FUNÇÕES DE PEDOTRANSFERÊNCIA NA ESTIMATIVA DO TEOR DE ÁGUA NO SOLO E NO RENDIMENTO AGRÍCOLA DA CULTURA DO SORGO ALEXANDRE HUGO CEZAR BARROS 1, QUIRIJN DE JONG VAN LIER 2, ROBERTO DA

Leia mais

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO Maria Harumi Yoshioka (Acadêmica do Curso de Engenharia Florestal/UFPR) Marcelo Ricardo de Lima (Prof. Doutorando do DSEA/UFPR) ATENÇÃO: Copyright 2005 - Departamento

Leia mais

ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO 1

ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 1 ASPECTOS GERAIS Adonai Gimenez Calbo & Washington L.C. Silva O sistema gasoso de controle de irrigação foi patenteado pela Embrapa e é usualmente denominado por sua marca registrada, Irrigas.

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução:

PRATICA EXPERIMENTAL. Introdução: PRATICA 2: Corpos em queda livre PRATICA EXPERIMENTAL Introdução: Ao deixar um corpo cair próximo da terra, este corpo será atraído verticalmente para baixo. Desprezando-se se a resistência do ar, todos

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*)

RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*) RESISTÊNCIA MECÂNICA DE UM SOLO CULTIVADO COM ALGODOEIRO EM SISTEMA DE PREPARO CONVENCIONAL EM IPAMERI, GO (*) Bruno Gonçalves dos Santos (UFG / bgssantos@yahoo.com.br), Vladia Correchel (UFG), Patrícia

Leia mais

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 5 - MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA 5.1 - SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO A irrigação por gotejamento compreende os sistemas de irrigação nos quais a água é aplicada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA - DEA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA - DEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE UFS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA - DEA ROTEIRO GERAL DE MEDIÇÕES DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-HÍDRICAS DE SOLOS ANTENOR

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO

DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO DISTRIBUIÇÃO DAS FORMAS DE FÓSFORO APÓS 15 ANOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS DE MANEJO Resumo Jefferson B. Venâncio 1, Josiléia Acordi Zanatta 2, Júlio Cesar Salton 2 Os sistemas de manejo de solo podem influenciar

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE SENSOR CAPACITIVO DE UMIDADE DO SOLO DESTINADO AO CULTIVO DE HORTALIÇAS

CALIBRAÇÃO DE SENSOR CAPACITIVO DE UMIDADE DO SOLO DESTINADO AO CULTIVO DE HORTALIÇAS CALIBRAÇÃO DE SENSOR CAPACITIVO DE UMIDADE DO SOLO DESTINADO AO CULTIVO DE HORTALIÇAS MANUELA DA SILVA MORAIS 1, TADEU MACRYNE LIMA CRUZ 2, ADUNIAS DOS SANTOS TEIXEIRA 3, LUANA A. DANTAS 4, DAYENIA CELLY

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

CONTROLADORES PONTUAIS DE IRRIGAÇÃO

CONTROLADORES PONTUAIS DE IRRIGAÇÃO CONTROLADORES PONTUAIS DE IRRIGAÇÃO Adonai Gimenez Calbo & Washington L.C. Silva CAPÍTULO 10 Controladores de irrigação Irrigas são dispositivos pneumáticos que usam ar comprimido para acionar a aplicação

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

Densidade relativa - um indicador da qualidade física de um latossolo vermelho. Relative density - an indicator the physical quality of an oxisol

Densidade relativa - um indicador da qualidade física de um latossolo vermelho. Relative density - an indicator the physical quality of an oxisol 26 Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v.5, n.1, p. 26-32, 2006 ISSN 1676-9732 Densidade relativa - um indicador da qualidade física de um latossolo vermelho Relative density - an indicator the

Leia mais

CURRICULUM VITAE TALES MILER SOARES

CURRICULUM VITAE TALES MILER SOARES CURRICULUM VITAE TALES MILER SOARES PIRACICABA - SP, FEVEREIRO DE 2005. 1. DADOS PESSOAIS NOME: Tales Miler Soares FILIAÇÃO: Antônio Geraldo Soares e Maria Lourdes Soares NASCIMENTO: 18/11/1976 NATURALIDADE:

Leia mais

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água

Patogenesia de Rhus toxicodendron na água V Fórum Regional de Agroecologia e VIII Semana do Meio Ambiente Pensar Globalmente, Agir localmente e utilizar ecologicamente 08 a 10 de novembro de 2012 Patogenesia de Rhus toxicodendron na água MARIANE

Leia mais

Amostragem do índice SPAD em plantas de feijão guandu

Amostragem do índice SPAD em plantas de feijão guandu Amostragem do índice SPAD em plantas de feijão guandu Giovani Facco 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Gustavo Oliveira dos Santos 1 Réges Bellé Stefanello 3 1 - Introdução O feijão guandu (Cajanus cajan (L.)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS RIO DO SUL

UTILIZAÇÃO DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS RIO DO SUL UTILIZAÇÃO DA AGRICULTURA DE PRECISÃO NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CÂMPUS RIO DO SUL Guilherme ANDRZEJEWSKI 1, Marlon GOEDE 2, Fabrício C. MASIERO 3, Ricardo K. VEIGA 4, Dionata HOTZ 5. 1: Bolsista

Leia mais

Introdução. Efluentes. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias.

Introdução. Efluentes. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias. Transmissor de nível por onda guiada Smar. Aplicação em Usinas e Destilarias. Introdução São comuns as aplicações industriais em que há presença de vapores, mudança de densidade e temperatura do processo,

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO

COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO André Maller 1, Roberto Rezende 2, André Ribeiro

Leia mais

ATIVIDADES EXTRA CLASSE

ATIVIDADES EXTRA CLASSE ATIVIDADES EXTRA CLASSE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA- UESB 1) Em que consiste o processamento de Sinais? 2) Em processamento digital de sinas, o que significa codificação da informação? 3)

Leia mais

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível

Determinação de Material Orgânica no Solo por Espectrometria no Visível REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO I EDIÇÃO NÚMERO 2 DEZEMBRO DE 2002 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1.

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. Mauto de Souza DINIZ 2 ; Arlene Maria Gomes OLIVEIRA 2 ; Nelson Luz PEREIRA 3 ; Jackson Lopes de OLIVEIRA 4 RESUMO:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE 1.1 A água no solo; 1.2 Monitorização da água no solo; 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Maria Isabel Valín Sanjiao Ponte de Lima 16 Maio- 2012 isabelvalin@esa.ipvc.pt

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE J. P. B. M. COSTA, 1, R. L. SILVA 1, R. A. A. GUEDES 1, F. M. S. BEZERRA 1, R. C. CUNHA, M. W. L. SOUZA 1, F. A. OLIVEIRA

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 5 Água subterrânea. Introdução a Hidrologia de Florestas Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 5 Água subterrânea Introdução a Hidrologia de Florestas A. Introdução. Água que entra no regolito divide-se em umidade do solo na zona

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DE PARTÍCULAS

DENSIDADE DO SOLO E DE PARTÍCULAS Universidade Estadual Paulista Campus de Dracena Curso de Zootecnia Disciplina : Solos DENSIDADE DO SOLO E DE PARTÍCULAS Prof. Dr. Reges Heinrichs 2010 Densidade de Partícula Dp (densidade real) É a relação

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo

Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Utilização de Software Livre no Controle Estatístico de Processo Wagner André dos Santos Conceição (UEM) wasconceicao@bol.com.br Paulo Roberto Paraíso (UEM) paulo@deq.uem.br Mônica Ronobo Coutinho (UNICENTRO)

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

EXEMPLO NUMÉRICO DA CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA MCT

EXEMPLO NUMÉRICO DA CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA MCT Exemplos Numéricos: Classificação Geotécnica MCT EXEMPLO NUMÉRICO DA CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA MCT Depois de selecionada a jazida e feita a coleta de solo devem ser realizados os ensaios de Compactação

Leia mais

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Motobomba ou reservatório elevado Central de controle: Dispositivos para medir vazão e pressão; registros; válvulas

Leia mais

PRODUÇÃO DE FEIJÃO EM ÁREA COM TOXIDEZ DE ALUMÍNIO NA BAIXADA CAMPISTA

PRODUÇÃO DE FEIJÃO EM ÁREA COM TOXIDEZ DE ALUMÍNIO NA BAIXADA CAMPISTA ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 57 - agosto/2015 - Niterói - RJ PRODUÇÃO DE FEIJÃO EM ÁREA COM TOXIDEZ DE ALUMÍNIO NA BAIXADA CAMPISTA 1 1 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; Benedito Fernandes de Souza

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais