FUNDAMENTOS DE LÓGICA FUZZY E CONTROLE FUZZY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAMENTOS DE LÓGICA FUZZY E CONTROLE FUZZY"

Transcrição

1 FUNDMENTOS DE LÓGIC FUZZY E CONTOLE FUZZY crdo Tnscht DEE-PUC-o CONTEÚDO. INTODUÇÃO. CONJUNTOS FUZZY.. FUNDMENTOS.. OPEÇÕES COM CONJUNTOS FUZZY... OPEDOES MX E MIN... DEFINIÇÕES E OPEÇÕES..3. POPIEDDES LGÉICS.3. VIÁVEIS LINGUÍS TICS.4. FUNÇÕES DE IMPLICÇÃO.5. EG DE INFEÊNCI COMPOSICIONL.6. SISTEM DE INFEÊNCI FUZZY 3. CONTOLDOES FUZZY 3.. INTODUÇÃO 3.. INTEFCE COM O POCESSO 3... VIÁVEIS DE CONTOLE 3... ESCLONMENTO E QUNTIZÇÃO MÉTODOS DE DEFUZZIFICÇÃO 3.3. EXPESSÃO DE EGS DE CONTOLE EM TEMOS MTEMÁTICOS 3.4. LGOITMO DE CONTOLE MZENMENTO DE EGS CONTIUIÇÃO DE CD EG INFLUÊNCI DS FUNÇÕES DE PETINÊNCI INFLUÊNCI DS FUNÇÕES DE IMPLICÇÃO E DOS MÉTODOS DE DEFUZZIFICÇÃO 3.5. CONCLUSÕES 4. COMENTÁIOS FINIS frêncs

2 . INTODUÇÃO Oprdors humnos são cpzs d controlr procssos stnt complos, dos m nformçõs mprcss ou promds rspto dss procssos. strtég dotd plos oprdors humnos é tmém d nturz mprcs grlmnt possívl d r prss m trmos lnguístcos. Tor d Conjuntos Fuzzy [] os Conctos d Lógc Fuzzy [] podm r utlzdos pr trduzr m trmos mtmátcos nformção mprcs prss por um conjunto d rgrs lnguístcs. S um oprdor humno for cpz d rtculr su strtég d ção como um conjunto d rgrs d form SE ENTÃO, um lgortmo pssívl d r mplmntdo m computdor pod r construído, conform dmonstrdo já nos nos 70 [3,4,5]. 0 rsultdo é um sstm d nfrênc do m rgrs, no qul Tor d Conjuntos Fuzzy fornc o frrmntl mtmátco pr ldr com s ts rgrs lngustcs. É mportnt notr qu, ns tpo d sstm, não é ncssáro conhcr- o modlo mtmátco do procsso, o qu consttu m um vntgm sor outros procdmntos m qu é fundmntl dscrção mtmátc do sstm controlr.. CONJUNTOS FUZZY Nst ção são prntdos os fundmntos d Tor d Conjuntos Fuzzy, m como dfnçõs, proprdds spctos d Lógc Fuzzy... FUNDMENTOS Qundo rcocn com n tor clássc dos conjuntos, o concto d prtnênc d um lmnto um conjunto fc m dfndo. Os lmntos d um conjunto m um dtrmndo unvrso X smplsmnt prtncm ou não prtncm àqul conjunto. Isto pod r prsso pl função crctrístc f : f 0 somnt somnt O concto d nulosdd fuzznss é ntroduzdo gnrlzndo- função crctrístc d modo qu l poss ssumr um númro nfnto d vlors dfrnts no ntrvlo [0,]. ssm, um conjunto fuzzy m X é um conjunto d prs ordndos { /} X ond é função d prtnênc d m é dfnd como o mpmnto d X no ntrvlo fchdo [0,]: : X [0], função d prtnênc ndc o qunto um lmnto prtnc um ddo conjunto. 0 conjunto suport d um conjunto fuzzy é o conjunto d lmntos no unvrso X pr os qus > 0. ssm, um conjunto fuzzy tmém pod r vsto como o mpmnto do conjunto suport no ntrvlo [0,], o qu mplc m prssr o conjunto fuzzy por su função d

3 prtnênc. Por mplo, pr o conjunto fuzzy {o}, no unvrso dos númros postvos mnors ou gus 00, lguns vlors d função d prtnênc podrm r: 0 5 0,9 30 0,8 45 0, Um vrávl fuzzy é um vrávl cujos vlors são rótulos lls d conjuntos fuzzy. Por mplo, tmprtur d um ddo procsso podr r um vrávl fuzzy ssumndo vlors pqun, méd, lt, tc. Ests vlors são dscrtos por ntrmédo d conjuntos fuzzy. Gnrlzndo, os vlors d um vrávl podm r ntnçs m um lngugm spcfcd. Nst cso, vrávl é um vrávl lnguístc. Pr lustrr, os vlors d vrávl fuzzy tmprtur podrm r prssos como lt, não lt, muto lt, stnt lt, não muto lt, lt ms não muto lt. Nst cso, os vlors fuzzy são ntnçs formds prtr do rótulo lt, d ngção não, dos conctvos ms, dos modfcdors muto stnt. Ns contto, vrávl tmprtur é um vrávl lnguístc. prncpl função ds vrávs lnguístcs é forncr um mnr sstmátc pr um crctrzção promd d fnômnos complos ou ml dfndos. Em ssênc, utlzção do tpo d dscrção lnguístc mprgd por rs humnos, não d vrávs quntfcds, prmt o trtmnto d sstms qu são muto complos pr rm nlsdos trvés d trmos mtmátcos convncons. dpndênc d um vrávl lnguístc m rlção outr ndpndnt é dscrt trvés d um dclrção condconl fuzzy fuzzy condtonl sttmnt, d form: : SE Π ENTO Π ond Π Π são frs fuzzy d form Π é é um suconjunto fuzzy d um unvrso X. Pod r truído um sgnfcdo lnguístco qu dfn o vlor d X. Por mplo: SE z é pquno ENTÃO w é muto grnd SE rro é grnd ngtvo ENTÃO síd é grnd postv. Dus ou ms dclrçõs condcons podm r comnds, como, por mplo: : SE Π ENTO SE Π ENTO Π 3 Várs dclrçõs podm r comnds trvés do conctvo ou, formndo ssm um lgortmo fuzzy N d form: N : ou ou 3... ou n

4 .. OPEÇÕES COM CONJUNTOS FUZZY Com o ntuto d prntr lgums proprdds oprçõs mportnts com conjuntos fuzzy [6,7], ntroduz- gor os dos oprdors ms utlzdos,, num stágo gunt, s oprçõs proprmnt dts.... OPEDOES m E mn Os oprdors m mn podm r usdos tnto dádc como moncmnt, dpndndo do contto. Els podm oprr sor conjuntos ou mtrzs, lmnto lmnto, ssm como sor lmntos sngulrs. Por mplo, o mínmo ou o mámo d dos lmntos,, é dfndo por: m mn < >,, O mínmo ou mámo d dos conjuntos rsult num conjunto C ddo por: { } { } m C mn C,,,, Qundo usdos moncmnt, os oprdors mplcm no mínmo nfmum ou mámo suprmum sor todos os lmntos d um dtrmndo conjunto, como, por mplo: Sup Inf Os oprdors podm tmém r usdos m um ntdo funconl, com lmntos ou conjuntos: k m k m m k m k m m...,...,,...,...,, Qundo os lmntos são funçõs d outr vrávl, s oprçõs podm r prsss como: X Fnlmnt, n mnpulção d prssõs nvolvndo os oprdors mn m, s ls são s msms qu s ls lgércs d multplcção som, rspctvmnt.

5 ... DEFINIÇÕES E OPEÇÕES Um conjunto fuzzy m X é vzo somnt su função d prtnênc é gul zro sor todo X: X 0 somnt O complmnto d um conjunto fuzzy é dfndo por: X Dos conjuntos fuzzy m X são gus sus funçõs d prtnênc form gus sor todo X: X somnt Um conjunto fuzzy é um suconjunto d su função d prtnênc for mnor ou gul à d sor todo X: X O produto d, mos m X, é dfndo como X unão d dos conjuntos fuzzy m X é dfnd como: X ntrcção d dos conjuntos fuzzy m X é dfnd como: X..3. POPIEDDES LGÉICS Utlzndo s dfnçõs d unão, ntrcção complmnto, é possvl vrfcr qu s gunts proprdds lgércs d conjuntos ordnáros tmém vlm pr conjuntos fuzzy: Involução: Idmpotênc: Comuttvdd: ssoctvdd: C C C C Dstrutvdd: C C C C sorção: L Trnstv: C C Ls d D Morgn:

6 Orvndo qu s funçõs d prtnênc dos conjuntos vzo unvrso são dfnds como ndo 0, rspctvmnt, são válds tmém s gunts proprdds: X X X X : unvrso s proprdds d conjuntos clásscos X não vrfcm pr conjuntos fuzzy: 0 X.3. VIÁVEIS LINGUÍS TICS Grlmnt, o vlor d um vrávl lngustc é um trmo composto, rsultdo d conctnção d outros trmos, os qus podm r dvddos m 4 ctgors: trmos prmáros: rótulos d conjuntos fuzzy spcfcdos m um dtrmndo unvrso por mplo: lto, o, pquno, médo, grnd, zro ngção não os conctvos ou modfcdors, como muto, pouco, lvmnt, postvo, ngtvo mrcdors, como prênts. Trmos prmáros podm prntr funçõs d prtnênc contínus, dscontínus ou dscrtzds. Funçõs d prtnênc contínus são dfnds por ntrmédo d funçõs nlítcs. Por mplo, gunt função grl pod r usd pr df nr os trmos prmáros pquno, médo grnd: + c form d pod r modfcd trvés d mnpulção dos três prâmtros, c. Por mplo: + 9 pquno médo grnd + 9 0,5 + 9 Funçõs d prtnênc dscontínus são composts d gmntos contínuos lnrs, rsultndo m forms trngulrs ou trpzods. Funçõs d prtnênc dscrtzds consstm d conjuntos d vlors dscrtos corrspondndo lmntos dscrtos do unvrso. Por mplo, X 0,,,3, 4, 5, 6 podr-- tr: { } pquno médo grnd { 0,3; 0,7; ; 0,7; 0,3; 0; 0} { 0; 0; 0,3; 0,7; ; 0,7; 0,3} { 0; 0; 0; 0 0,3; 0,7; }

7 ngção não os conctvos ou podm r dfndos m trmos ds oprçõs d complmntção, ntrcção unão, rspctvmnt. Em grl, o conctvo é usdo com vrávs m dfrnts unvrsos: { /} { y /y} X y Y { y /, y } {, y /, y } Por mplo: vpor é molhdo qunt. S os vlors d prtncrm o msmo unvrso, ntrprtção mântc nvld prmss por mplo, vpor é qunt fro não fz ntdo. Vrávs no msmo unvrso podm r conctds por qundo ls são ngds vpor é não qunt não fro, por mplo. O conctvo ou conct vlors lnguístcos d um msm vrávl, os qus stão no msmo unvrso: { /} X ou { / } { ou / } { /} Por mplo: vpor é qunt ou fro; prssão é lt ou. S dos vlors lnguístcos conctdos por ou prtncm vrávs dfrnts, dclrção prc r mntcmnt ncorrt por mplo, vpor é qunt ou molhdo. Entrtnto, ou é usdo pr conctr vrávs m um ntnç do tpo SE... ENTÃO..., l pod r usdo com dus vrávs dfrnts. Por mplo: SE prssão é lt ou vlocdd é rápd ENTÃO o control é zro oprção não é consdrd como mntcmnt snônm d ngção m lngugm nturl: / não Emplo: prssão é não lt. { } { } / Modfcdors rvm pr grr um conjunto mor d vlors pr um vrávl lnguístc prtr d um colção d trmos prmáros. Por mplo, usndo muto m conjunto com não, o trmo prmáro grnd, podm r grdos os conjuntos fuzzy muto grnd, muto muto grnd, não muto grnd, grnd não muto grnd. Modfcdors são dfndos como um oprdor mônco, h, qu g sor um conjunto fuzzy, pr produzr um novo conjunto, ou j h, ond stão no msmo unvrso. Modfcdors ngtvo postvo são utlzdos, grlmnt m conjunto, qundo pod ssumr tnto vlors ngtvos como postvos.

8 .4. FUNÇÕES DE IMPLICÇÃO Um dclrção d mplcção fuzzy ou dclrção condconl fuzzy dscrv um rlção ntr vrávs lnguístcs. Consdrmos dos conjuntos fuzzy, rprntndo vlors lnguístcos nos unvrsos X Y, rspctvmnt. Um dclrção condconl fuzzy d form SE ENTÃO é dfnd mtmtcmnt como: : SE ENTÃO rlção fuzzy dnot, nst cso, mplcção no produto crtsno dos dos unvrsos X Y {, y } X, y Y. função d prtnênc, y qu dfn mplcção pod r otd trvés ds funçõs d prtnênc ndvdus y d númrs mnrs [8,9,0,,]. ssm, dnotndo o oprdor d mplcção por f : {, y /, }, y f, y X, y Y y Gnrlzndo,,,..., n são conjuntos fuzzy m X,,,..., n são conjuntos fuzzy m Y, um lgortmo fuzzy é: N : SE ENTÃO ou SE ENTÃO... ou SE n ENTÃO n Nst cso, o conctvo ou l rv pr conctr ntnçs lnguístcs. Su mplmntção, dnotd por f, dpnd d função d mplcção f mprgd. ssm, pr o lgortmo fuzzy tm-: N, y f f, y,, y,...,, y [ f, y, f, y,..., f n, n y ] n s quçõs cm form dnvolvds pr vrávs smpls, ms podm r stndds pr csos d ms vrávs. Normlmnt s vrávs ntcdnts são comnds trvés do conctvo, mplmntdo plos oprdors mn ou produto. s funçõs d mplcção ms utlzds m plcçõs d ngnhr são mn produto. Pr ntnçs com um ntcdnt pns do tpo tpo SE ENTÃO, tm-:

9 mn:, y mn, y y produto:, y y Em mos os csos cm, comnção d n dclrçõs condcons fuzzy é ftud trvés do conctvo ou, mplmntdo por m. Pr mplcção mn, por mplo, tm-: n N, y j j j y Muts outrs funçõs d mplcção têm sdo proposts n ltrtur, conform pod r vrfcdo ns rfrêncs..5. EG DE INFEÊNCI COMPOSICIONL Dus rlçõs fuzzy : SE ENTÃO : SE ENTÃO C podm r composts d form rsultr m : SE ENTÃO C composção pod r dfnd ou por um rgr do tpo m-mn:, z, y y, z y ou por um do tpo m-produto:, z, y y, z y Qundo conjuntos fuzzy dscrtos são mprgdos, s oprçõs cm são quvlnts o produto ntrno d dus mtrzs, com multplcção som susttuíds pls oprçõs mn no prmro cso m, rspctvmnt. É rzoávl qu u um ds dus dfnçõs cm m corrspondênc com função d mplcção dotd. ssm, com s funçõs d mplcção nvolvndo somnt oprdors m mn, mprg- rgr compostonl m-mn. No cso d mplcçõs qu nvolvm oprdors rtmétcos, pod- usr rgr m-produto. qustão qu coloc gor é: dd um rlção ntr vrávs fuzzy, qul o conqunt pr um ddo ntcdnt? Consdrm- s dus vrávs { /} X { y /y} y Y rlção ntr ls {, y /, y } X y Y, S o ntcdnt for ddo por { /} X rgr d nfrênc m-mn, rá []:, o conqunt, nfrdo trvés d, y / y X y Y,

10 Emplo: { } { 0; 0,; 0,7;; 0,4; 0} { y } { 0,3; 0,8; ; 0,5; 0} lção ntr, usndo mplcção mn:, y \ y 0 0, 0,3 0,3 0, , 0,7 0,8 0, , 0,7 0, , 0,5 0,5 0, S for ddo por { } { 0; 0,3; 0,8;; 0,7; 0,}, o conqunt rá: 0 0; 0,3 0,; 0,8 0,3; 0,3; 0,7 0,3; 0, 0, y 0 0; 0,3 0,; 0,8 0,7 ; 0,8; 0,7 0,4;0, 0, SISTEM DE INFEÊNCI FUZZY { 0,3; 0,8;... } Com ns nformçõs prntds, é possívl construr o Sstm d Infrênc Fuzzy mostrdo n fgur o, ond stão dntfcds s funçõs d cd loco. forncds por spclsts ou tríds d ddos numércos pr tvr s rgrs EGS pr forncr síd prcs Entrds prcss FUZZIFICDO conjuntos fuzzy d ntrd INFEÊNCI DEFUZZIFICDO conjunto fuzzy d síd Síd prcs mp conjuntos fuzzy m conjuntos fuzzy dtrmn como s rgrs são tvds comnds

11 Como grlmnt os ddos d ntrd são vlors prcsos, rsultdos d mdçõs ou orvçõs conjuntos d ddos, por mplo, é ncssáro ftur- um mpmnto dsts ddos prcsos pr os conjuntos fuzzy d ntrd rlvnts, o qu é rlzdo no stágo d fuzzfcção. Nst stágo ocorr tmém tvção ds rgrs rlvnts pr um dd stução. Um vz otdo o conjunto fuzzy d síd trvés do procsso d nfrênc, no stágo d dfuzzfcção é ftud um ntrprtção dss nformção. No stágo d nfrênc ocorrm s oprçõs com conjuntos fuzzy proprmnt dts: comnção dos ntcdnts ds rgrs, mplcção rgr d nfrênc composconl. Os conjuntos fuzzy d ntrd, rltvos os ntcdnts ds rgrs, o d síd, rfrnt o conqunt, podm r dfndos prvmnt ou, ltrntvmnt, grdos utomtcmnt prtr dos ddos. 3. CONTOLDOES FUZZY D pos ds nformçõs prntds nos ítns ntrors, rão orddos gur os controldors fuzzy, no qu concrn su strutur, mplmntção nál. 3.. INTODUÇÃO Em um controldor fuzzy do m rgrs strtég d control é dscrt por ntrmédo d rgrs lnguístcs qu conctm, d modo mprcso, várs stuçõs com s çõs rm tomds. s rgrs são prsss por dclrçõs condcons do tpo SE... ENTÃO mplmntds como mplcçõs lógcs trvés d utlzção ds proprdds técncs ordds nos ítns ntrors. strutur ásc d um controldor dst tpo é: EGS dfnção dos conjuntos fuzzy LGOITMO DE CONTOLE INTEFCE DE ENTD POCESSO INTEFCE DE SÍD ntrfc d síd dqur nformçõs dtrmnístcs rspto do procsso s trduz pr lngugm d conjuntos fuzzy. í podm str ncluídos convrsors /D D/, ftors d scl, procdmntos d quntzção, tc., conform rá dscrto ms dnt. ntrfc d ntrd convrt síd fuzzy do controldor pr um vlor dtrmnístco r forncdo o procsso. í nclum métodos d dfuzzfcção, ftors d scl, ntgrdors, convrsors, tc. Tmém fz prt d strutur dfnção dos conjuntos fuzzy usdos pr rprntr s rgrs, nclundo- í tmém s dfnçõs dos unvrsos usdos pr s vrávs d ntrd síd do controldor. O lgortmo d control us s rgrs dsponívs produz, pr um dtrmndo stdo do procsso, dcsão sor próm ntrd do procsso. strutur prntd é d crátr grl plcávl qulqur procsso controlávl por sss técncs. O

12 qu fornc o controldor um dntdd é o conjunto d rgrs qu lh são forncds; sts consttum quntdd d nformção ncssár pr cutr um dtrmnd trf d control com o procsso m qustão. Isto é mportnt d r nftzdo pos ssênc do controldor rsd ns rgrs d control; tor d conjuntos fuzzy pns fornc os mos pr trduzr s rgrs m trmos mtmátcos pr nfrr um dcsão prtr dls. 3.. INTEFCE COM O POCESSO Nst ção consdrm- dfnção ds vrávs d control ítns como sclonmnto, quntzção métodos d dfuzzfcção, ncssáros pr stlcr conão do controldor fuzzy com um procsso não-fuzzy VIÁVEIS DE CONTOLE Em controldors fuzzy d crátr grl como o prntdo qu,. s vrávs d ntrd são o rro, grdo prtr d dfrnç ntr o snl d rfrênc síd do procsso, vrção do rro, normlmnt grd prtr do rro. vrávl d síd do controldor é vrção no control. opção por um síd ncrmntl, o nvés d solut, é ms condznt com o rcocíno mprgdo por oprdors humnos, lém dsso, proporcon um conom m trmos do unvrso d síd. Estlcndo um lgção com s çõs ntrors, s vrávs fuzzy rro vrção do rro são suconjuntos fuzzy m us rspctvos unvrsos. Els podrm r dfnds, por mplo, como corrspondnts os vlors rs mddos ds ntrds. Entrtnto, um procdmnto ms grl fz uso d unvrsos dscrtos normlzdos, dfndos como, por mplo: {-6,-5,-4,-3,-,-l, 0,,, 3, 4, 5, 6} Nos controldors fuzzy do tpo do qu consdrdo, os conjuntos fuzzy corrspondnts às vrávs fuzzy são dfndos por conjuntos suport d form trngulr, smétrcos, com vlors d prtnênc {0,3 0,7,0 0,7 0,3. N tl gur stão rprntdos 7 conjuntos fuzzy dnomndos P postv g, PM postv mdum, PS postv smll, ZO zro, N ngtv g, NM ngtv mdum, NS ngtv smll os vlors d prtnênc ssocdos cd um dss conjuntos, consdrndo um unvrso dscrto fnto d 3 lmntos conform dfndo cm. UNIVESO P ,3 0,7 PM ,3 0,7 0,7 0,3 PS ,3 0,7 0,7 0,3 0 0 ZO ,3 0,7 0,7 0, NS 0 0 0,3 0,7 0,7 0, NM 0,3 0,7 0,7 0, N 0,7 0,

13 ltrntvmnt pod r mprgd um rprntção gráfc, conform fgur gur: N NM NS ZO PS PM P 0,7 0, ESCLONMENTO E QUNTIZÇÃO Conform mncondo n ção ntror, os unvrsos qu consdrdos pr s vrávs fuzzy são dscrtos, fntos normlzdos. ssm, torn- ncssáro utlzr ftors d scl pr fzr corrspondr, os vlors rs mddos do rro vrção do rro, vlors normlzdos. lém dsto, dv r ftud um quntzção, rsultndo ns gunts ntrds pr o controldor m um nstnt, por mplo: c GE rro quntzdo GCE vr ção do rro quntzdo ond GE GCE são ftors d scl. O procdmnto d sclonmnto quntzção stá rprntdo n fgur o, ond, como um mplo, GE GCE 0,5: c /GE /GCE - m m rro rl vrção do rro Os ftors d scl GE GCE dtrmnm form d crctrístc mostrd n fgur. Um umnto m GE, por mplo, sgnfc qu um númro mnor d vlors rs podrá r mpdo pr o unvrso scolhdo. tolrânc do rro é dd por /GE. ém dsso, vlors qu círm for d rgão ntr m - m rão mpdos pr +6-6, rspctvmnt. Isto sgnfc qu o control rá ms prcso n jnl dlmtd por quls vlors. scolh dos ftors d scl é prt do procdmnto d snton do controldor sts podm r prssos por constnts ou por funçõs do rro, por mplo. S o unvrso d síd do controldor tmém for normlzdo, mplo ds vrávs d ntrd, um ftor d scl GO

14 é usdo, pós dfuzzfcção cf. ção gunt, pr mpr vlors quntzdos pr vlors rs comptívs com ntrd do procsso. Es ftor d scl tmém dv r justdo d cordo com o comportmnto d rspost MÉTODOS DE DEFUZZIFICÇÃO síd do controldor fuzzy é um suconjunto fuzzy U do unvrso d síd. Como o procsso rqur um snl não-fuzzy m su ntrd, dv- fzr um ntrprtção dqul conjunto fuzzy. Est ntrprtção, dnomnd dfuzzfccão, pod r ft trvés d város métodos, ms os ms consgrdos são Méd dos Mámos Cntro d Grvdd. No prmro, síd dtrmnístc não fuzzy, dnomnd u MOM é otd tomndo- méd ntr os dos lmntos trmos no unvrso qu corrspondm os mors vlors d função d prtnênc. Com o Cntro d Grvdd, síd u COG é o vlor no unvrso qu dvd ár so curv d função d prtnênc m dus prts gus. Qundo os unvrsos utlzdos são dscrtos, o rsultdo d dfuzzfcção tm d r rrdonddo pr o vlor ntro ms prómo no unvrso. O rrdondmnto pr o vlor ntro mdtmnt o mpossltrá qu otnh o vlor ms lto do unvrso qundo o conjunto suport stá loclzdo no trmo do unvrso {0,3; 0,7; }, por mplo. N rldd, com o Cntro d Grvdd nunc congu otr os vlors trmos do unvrso, dvdo própr nturz do método. Isto pod dr orgm um rspost ms lnt do qu otd com Méd dos Mámos EXPESSÃO DE EGS DE CONTOLE EM TEMOS MTEMÁTICOS Emor trmnolog gur j voltd pr sstms d control, o dnvolvmnto prntdo é totlmnt váldo pr qulqur sstm d nfrênc fuzzy com ntrds dtrmnístcs. strtég d control é dscrt por um conjunto d dclrçõs condcons ou rgrs lnguístcs. Conform mncondo m çõs ntrors, dus ntrds são consdrds pr cd síd: o rro E, vrção do rro CE. síd é vrção n síd do controldor U. O conjunto d rgrs é, ntão, d form: N : SE E E CE CE ENTÃO U U ou SE E E CE CE ENTÃO U U ou... ou SE E E n CE CE n ENTÃO U U n ond E j, CE j U j são suconjuntos fuzzy dos unvrsos E {}, CE {c} U {u}.

15 Cd rgr j pod r prss, trvés d su função d prtnênc, como: [ j j c, ] j j E CE U, c, u f u comnção d tods s n rgrs é prss mtmtcmnt por: N, c, u f [ f E..., f n E CE c, U n CE u, f c, n U E u] CE c, U u,... Dst form, strtég d control é rprntd por um mtrz N.O controldor é ntão solctdo forncr, prtr do vlors do rro d vrção do rro, utlzndo- d rgr d nfrênc composconl, um síd proprd. ssm, m um nstnt, qundo s ntrds dtrmnístcs são c, o conjunto fuzzy d síd rá ddo por: U E CE N ond E CE são os suconjuntos fuzzy ds ntrds U é o suconjunto fuzzy d síd. Usndo rgr d nfrênc m-mn, tm-: U c [ c N, c, ] u u E Os cálculos podm r smplfcdos consdrrmos qu os suconjuntos fuzzy ds ntrds consstm d vlors rs não-fuzzy sngltons, sto é: CE E CE c c c E CE 0 c 0 c c Com sto, U u [ N, c, u ] pr c c c [ 0 0 N, c, u ] pr c c Ou j: c U u N, c, u pr 0 nos outros csos Portnto, o conjunto fuzzy qu rprnt síd do controldor é ddo por:

16 N, c, u f [ f E..., f n E CE c, n CE U u, f c, n U E u] CE c, U u,... Emplo: controldor fuzzy com dus ntrds rro vrção do rro um síd. Ddos: 3 conjuntos fuzzy pr cd vrávl, todos ls "trngulrs", smétrcos, dfndos m unvrsos dscrtos fntos [-6,+6] gundo s funçõs d prtnênc gur: 0,7 0,3 NV N NHM NM NS NVS ZO PVS PS PM PHM P PV conctnção dos ntcdnts conctvo : mn mplcção oprdor f : mn conctvo ou oprdor f : m rgrs: SE E NS CE PS ENTÃO U NS SE E ZO CE NVS ENTÃO U ZO ntrds pós sclonmnto quntzção: - c 0 NS PS ZO NVS 0,7 c 0,3 0,7 c 0,7 NS ZO PS c 0,3 c 0,7 NVS [ 0,3 u;0,7 ] u u U NS ZO Ou j, fz- unão d: NS ZO 0,7 0,7 0,3 0,

17 Conjunto fuzzy d síd do controldor: 0,7 0, dfuzzfcção pl Méd dos Mámos, por mplo, proporcon um síd dtrmnístc Orvção: Como, nst mplo, há 3 conjuntos fuzzy pr o rro 3 pr vrção do rro, o mámo númro possívl d rgrs r Consdrou-, pr fns do mplo, stênc d pns rgrs. ltrntvmnt, podr-- consdrr qu, ds n 69 rgrs stnts, somnt s dus plctds são s tvds plo rro vrção do rro no nstnt consdrdo SPECTOS DE IMPLEMENTÇÃO Nst ção é prntd um mnr smpls d trtr s rgrs, com vsts à mplmntção do lgortmo d control. São tmém comntdos spctos d ordm prátc qu dvm r lvdos m consdrção qundo d mplmntção utlzção do lgortmo MZENMENTO DE EGS MOM u 0 O mplo vsto n ção ntror pod r rsolvdo d um mnr ms fcnt o spço d stdo E CE for rprntdo por um grd for dfndo o cntro d rgr, c ns spço como o ponto ond j j c. Com os unvrsos vlors d E CE prtnênc usdos no mplo cm, rgão d nfluênc d cd rgr é dtrmnd por um qudrdo d 5 undds d ldo u gru d nfluênc dntro dst qudrdo é rprntdo por: c 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,7 0,7 0,7 0,3 0,3 0,7 0,7 0,3 0,3 0,7 0,7 0,7 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 0,3 Com sto, é possívl utlzr um smpls númro pr rprntr o conjunto fuzzy ssocdo o vlor lnguístco d um vrávl m um rgr. ção do controldor pod tmém r rprntd d msm form; os vlors numércos n grd rprntm posção no unvrso m qu o vlor d prtnênc é. ssm, o rmznmnto d rgrs torn- stnt smpls;

18 conhcdos o conjunto suport o cntro d rgr, torn- fácl rcuprr os conjuntos fuzzy corrspondnts. prssão j j c, qu dtrmn rgão d nfluênc d um rgr, dscrv o E CE qunto s ntrds do controldor são comptívs com os ntcdnts d um rgr j. Est prssão é normlmnt chmd d dgr of fulflmnt d rgr j no nstnt, ou DOF. S o oprdor produto fos usdo pr DOF m outrs plvrs, o conctvo d conctnção dos ntcdnts, dstrução m torno d, c r: j c 0,09 0, 0,3 0, 0,09 0, 0,49 0,7 0,49 0, 0,3 0,7 0,7 0,3 0, 0,49 0,7 0,49 0, 0,09 0, 0,3 0, 0,09 Como vlors pqunos d DOF são otdos com st oprdor, um procdmnto rzoávl consst d stlcr um lmr o do qul contrução d rgr é dsconsdrd. Pr um lmr d 0,3, por mplo, rgão d nfluênc d cd rgr clur os pontos ond DOF 0,09 DOF 0,. Voltndo o mplo, posção no spço d stdo no nstnt, dd por, c, s dus rgrs, spcfcds plos us cntros, c, c, stão rprntds n fgur o: vrção do rro r o X c c c

19 rgr cntrd m -, contru mnos do qu cntrd m 0,-l pr o cálculo d ção r tomd plo controldor qundo o stdo prnt é -,0. Isto fo ndcdo plos vlors 0,3 u 0,7 u otdos n prssão pr u. NS ZO U CONTIUIÇÃO DE CD EG Com no qu fo vsto, vrfc- qu, pr um ponto,c no spço d stdo, s rgrs qu contrum pr o cálculo d ção do controldor são quls cujos cntros stão um crt dstânc d,c. S conjuntos suport d tmnhos dfrnts form mprgdos, os qudrdos tornm- prllogrmos dstânc d um rgr do ponto,c não rá unform m tods s drçõs, tornndo mplmntção mnos smpls. Dpndndo do método d dfuzzfcção mprgdo, mnos rgrs podm contrur pr o cálculo d ção do controldor. S COG for utlzdo, tods s rgrs dntro d um crt dstnc contrum dvm r ncluíds nos cálculos. s rgrs ms próms d,c trão um contrução mor do qu s ms dstnts, vdntmnt. No ntnto, MOM for mprgdo, somnt s rgrs ms próms d,c contrurão, pns ls prcsm r ncluíds nos cálculos. Isto dv o fto d qu, no método MOM, somnt os pcos no conjunto fuzzy d síd são rlvnts. Es método ftvmnt lcon s rgrs com mor DOF, ou j, quls ms próms d,c. Em vrtud dst crctrístc, é possívl crr lgortmos muto smpls m qu conjuntos fuzzy não são usdos plctmnt no cálculo d ção do controldor INFLUÊNCI DS FUNÇÕES DE PETINÊNCI rgão d nfluênc d um rgr dpndrá d rngênc, m trmos do unvrso consdrdo, dos conjuntos fuzzy ds ntrds. Portnto, o tmnho do conjunto suport crtmnt nflu no cálculo d ção d control. No cso d conjuntos com msm rngênc ms com funçõs d prtnênc d dfrnts forms, form dos conjuntos dos ntcdnts d cd rgr ft dtrmnção d DOF, o qu trá um fto no conqunt ou síd d cd rgr, no rsultdo fnl. form do conjunto do conqunt d cd rgr ft o conjunto fuzzy d síd drtmnt. No ntnto, síd dtrmnístc do controldor dpndrá do método d fuzzfcção Com MOM, form dos conjuntos dos ntcdnts não tm mportânc, dsd qu jm smétrcos d form promdmnt trngulr. Só é ncssáro r trvés d DOF dstânc d rgr d,c ; s mgntuds soluts dos vlors d função d prtnênc não são mportnts; pns s mgntuds m rlção às d outr rgr ntrssm. Smlrmnt, form dos conjuntos do conqunt tmém não é mportnt. No cso do método COG, form dos conjuntos suport é mportnt msmo qundo há smtr. ár so curv é ftd drtmnt plo conqunt d cd rgr ndrtmnt por DOF INFLUÊNCI DS FUNÇÕES DE IMPLICÇÃO Dvrss funçõs d mplcção têm sdo proposts n ltrtur, n mor dos csos lvndo m consdrção spctos d lógc [8,9,0,]. Dscussõs sor o uso d dfrnts funçõs d mplcção su vntul vnculção com métodos d dfuzzfcção podm r ncontrds m [3]. Do ponto d vst prátco ou d ngnhr, s funçõs ms dquds são s já ctds

20 mn produto. Est spcto é ustvmnt plordo m [4], cuj ltur é fortmnt rcomndd CONCLUSÕES O comportmnto o dmpnho d sstms d nfrênc fuzzy m grl, d controldors fuzzy m prtculr, dpndm d város spctos rlcondos su strutur mplmntção, ts como: númro d conjuntos fuzzy ssocdos cd vrávl, forms ds funçõs d prtnênc, funçõs d mplcção, oprdors pr ou, método d dfuzzfcção, for o cso, técncs d quntzção, ftors d scl. 4. COMENTÁIOS FINIS pós o trlho ncl d Mmdn ssln, surgrm númrs outrs plcçõs d lógc fuzzy m control, nclusv m scl ndustrl. Um ds ms m sucdds vm ndo utlzd té hoj m plnts d produção d cmnto [5,6]. Nst tpo d plcção, controldors fuzzy são usdos pr forncr sns d rfrênc pr controldors do tpo PID, ou j, quls não tum drtmnt sor plnt, ms m um nívl hrárquco supror. O sucsso dst plcção dvu- m muto o fto d os oprdors humnos spclsts trm sdo cpzs d trduzr consstntmnt, m trmos d rgrs lnguístcs, s ttuds qu tomvm no just dos sns d rfrênc pr os controldors PID. Emor grnd prt ds plcçõs consdr unvrsos dscrtos, smlrmnt o qu fo orddo nst tto, tmém fz uso d unvrsos contínuos d conjuntos fuzzy dfndos por funçõs d prtnênc contínus [7]. Um control fuzzy dstnto do mostrdo no mplo, ms mntndo os msmos prncípos o msmo procsso d nfrênc, fo mprgdo m control d tráfgo [8]. Em vrtud d procupção com qusção d rgrs, já mncond ntrormnt, controldors com cpcdd d prndzdo form dnvolvdos plcdos dvrss plnts [9, 0,,, 3, 4, 5, 6]. Um controldor fuzzy d strutur dstnt consdr síd do controldor como um comnção lnr ds ntrds [7,8] é conhcdo n ltrtur como controldor d Tkg-Sugno. D mdos dos nos 80 m dnt, o uso d controldors fuzzy m scl comrcl mostrou um crscmnto stnt sgnfctvo, com plcçõs m máquns d lvr roup, máquns fotográfcs n ndústr utomolístc. Emprss jponss mrcns têm produzdo controldors fuzzy m chps ou crtõs pr uso m mcrocomputdors, possltndo su ntrlgção os ms dvrsos procssos. Estm m scl comrcl dvrsos plctvos pr projto mplmntção d sstms d nfrênc fuzzy, como por mplo, Fuzzy Toolo do Mtl. Tm hvdo tmém um fort ntrção ntr Lógc Fuzzy ds Nurs, dndo orgm às struturs Nuro-Fuzzy, dquds pr grção utomátc d s d rgrs d funçõs d prtnênc. frêncs. Zdh, L.., 965. "Fuzzy Sts". Informton nd Control, V. 8: Zdh, L.., 973. "Outln of Nw pproch to th nlyss of Compl Systms nd Dcson Procss". IEEE Trnsnctons on Systms Mn & Cyrntcs, Vol.3: Mmdn, E.H., 974. "pplcton of Fuzzy lgorthms for Control of Smpl Dynmc Plnt". Procdngs of th IEE Control nd Scnc, V. :

21 4. Mmdn, E.H. & sslln, S., 975. "n Eprmnt n Lngustc Synthss wth Fuzzy Logc Controllr". Intrntonl Journl of Mn-Mchn Studs, Vol. 7: Mmdn, E.H., 977. "pplctons of Fuzzy Logc to ppromt sonng usng Lngustc Synthss", IEEE Trns. Computrs, V. 6: Kufmnn,., 975. Introducton to th Thory of Fuzzy Suts. cdmc Prss. 7. Klr, G.J. & Folgr, T.., 988. Fuzzy Sts, Uncrtnty, nd Informton. Prntc Hll.. 8. Gns,.., 976. "Foundtons of Fuzzy sonng". Int. Journl of Mn-Mchn Studs, V. 8: ldwn, J.F. & Plsworth,.W "omtc pproch to Implcton for ppromt sonng wth Fuzzy Logc". Fuzzy Sts nd Systms, Vol. 3: Ygr,., 980. "n pproch to Infrnc n ppromt sonng" Int. Journl of Mn-Mchn Studs, Vol. 3: Mzumoto, M., 98. "Fuzzy Infrnc usng m-mn composton n th Compostonl ul of Infrnc". In: ppromt sonng n Dcson nlyss, M.M. Gupt, E. Snchz Ed., North-Hollnd: Whln, T. & Schott,., 983. "Issus n Fuzzy Producton Systms", Int. Journl of Mn-Mchn Studs, Vol. 9: Lmsss, E. & Tnscht,., 99. "Th Influnc of Implcton Oprtors nd Dfuzzfcton Mthods on th Dtrmnstc Output of Fuzzy ul d Controllr". Procdngs of th 4th IFS Congrss, PP Engnrng, ruls, égc. 4. Mndl, J.M., 995. "Fuzzy logc systms for ngnrng: tutorl", Proc. IEEE, vol. 833: Holmld, I.P. & Ostrgrd, J.J., 98. "Fuzzy Logc Control: Oprtor Eprnc ppld n utomtc Procss Control". FLS vw, F.L.Smdth & Co., Copnhgn, Dnmrk, n. 45: Umrs, I.G. & Kng, P.J., "n nlyss of Humn Dcson-Mng In Cmnt Kln Control nd th Implctons for utomton". In: Fuzzy sonng nd ts pplctons, E.H. Mmdn &.. Gns Ed., cdmc Prss: Kckrt, W.J.M. & Vn Nut Lmk, H.., 976. "Th pplcton of Fuzzy Controllr In Wrm Wtr Plnt". utomtcs. Vol. : Ppps, C.P. & Mmdn, E.H., 977. " Fuzzy Logc Controllr for Trffc Juncton". IEEE Trnsctons on Systms, Mn nd Cyrntcs, V. 7: Lmsss, E., 984. "Dynmc Lrnng hvour of ul-d Slf Orgnsng Controllr". Ph. D. Thss, Unvrsty of London. 0. Procyk, T. J. & Mmdn, E. H., 979. " Lngustc Slf-Orgnsng Procss Controllr"., utomtc, V. 5: Ymzk, T. 98. "n Improvd lgorthm for Slf-Orgnsng Controllr". Ph. D. Thss, Unv. London.. Schrf, E.M. & Mndc, N.J., 985. "Th pplcton of Fuzzy Controllr to th Control of Mult-dgr of Frdom oot-rm". In: Industrl pplctons of Fuzzy Control, M. Sugno Ed., North-Hollnd: Tnscht,. & Schrf, E.M., 988. "Eprmnts wth th u -of ul d Slf-Orgnsng Controllr for ootcs pplctons". Fuzzy Sts & Systms, V. 6 : Schrf, E.M. & Mmdn, E.H., 988. "Control of oots usng Fuzzy sonng". In: Intrntonl Encyclo pd of ootcs pplctons & utomton,. Dorf Ed., John Wly, pp Tnscht,. & Schrf, E.M., 990. "Control d um rço Mcânco trvés d um Controldor Fuzzy Slf- Orgnsng". ns do 8 o. C, pp , lém, P. 6. Tnscht,. & Lmsss, E., 99. "On th hvour nd Tunng of Fuzzy ul-d Slf-Orgnsng Controllr". 3th IMCS World Congrss on Computton nd ppld Mthmtcs, Duln, Irlnd. 7. Tkg, T. & Sugno, M., 985. "Fuzzy Idntfcton of Systms nd ts pplctons to Modllng nd Control". IEEE Trns. on Systms, Mn & Cyrntcs, Vol. IS: Sugno, M. & Kng, G.T., 986. "Fuzzy Modllng nd Control of Multlyr Incnrtor". Fuzzy Sts nd Systms, Vol. 8:

Associação de Resistores e Resistência Equivalente

Associação de Resistores e Resistência Equivalente Associção d sistors sistêci Equivlt. Itrodução A ális projto d circuitos rqurm m muitos csos dtrmição d rsistêci quivlt prtir d dois trmiis quisqur do circuito. Além disso, pod-s um séri d csos práticos

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Boletim de Ciências Geodésicas ISSN: 1413-4853 bcg_editor@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Boletim de Ciências Geodésicas ISSN: 1413-4853 bcg_editor@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil Boltm d Cêncs Godéscs ISSN: 43-4853 bcg_dtor@ufpr.br Unvrsdd Fdrl do Prná Brsl RIBEIRO DA SILVA, CLAUDIONOR; SIMÕES SILVA, ANTÔNIO AJUSTAMENTO DE ALTITUDES USANDO OBSERVAÇÕES DE ÂNGULOS ENITAIS COM LEITURAS

Leia mais

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy

Implementação de um sistema de controle inteligente utilizando a lógica fuzzy Implmntção d um sistm d control intlignt utilizndo lógic fuzzy Rsumo Mrclo Bilobrovc (UEPG - CEFET - PR) mbilo@upg.br Rui Frncisco Mrtins Mrçl (CEFET - PR) mrcl@pg.cftpr.br João Luis Kovlski (CEFET - PR)

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N*

MATRIZES. Matriz é uma tabela de números formada por m linhas e n colunas. Dizemos que essa matriz tem ordem m x n (lê-se: m por n), com m, n N* MTRIZES DEFINIÇÃO: Mtriz é um tl d númros formd por m linhs n coluns. Dizmos qu ss mtriz tm ordm m n (lê-s: m por n), com m, n N* Grlmnt dispomos os lmntos d um mtriz ntr prêntss ou ntr colchts. m m m

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES eléctricos

GERADORES E RECEPTORES eléctricos GADOS CPTOS léctrcos No momnto d lgarmos a chav d gnção, a batra fornc nrga léctrca ao motor d arranqu, pondo st m funconamnto. nrga químca nrga léctrca Quando um lmnto do crcuto é capaz d transformar

Leia mais

ASSIMETRIA DE INFORMAÇÃO E INCENTIVOS NA FORMAÇÃO DO CAPITAL HUMANO: UMA ANÁLISE TEÓRICA SOBRE O CASO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

ASSIMETRIA DE INFORMAÇÃO E INCENTIVOS NA FORMAÇÃO DO CAPITAL HUMANO: UMA ANÁLISE TEÓRICA SOBRE O CASO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA ASSIMETRIA DE INFORMAÇÃO E INCENTIVOS NA FORMAÇÃO DO CAPITAL HUMANO: UMA ANÁLISE TEÓRICA SOBRE O CASO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Cssndro

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1

ELETROPNEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 ELETRONEUMÁTICA E SEGURANÇA DAS MÁQUINAS NOVA DIRETIVA 2006/42/CE NORMAS NF EN/CEI 62061 - EN ISO 13849-1 SEGURANÇA DAS MÁQUINAS rincípio d sgurnç ds máquins: Grntir sgurnç súd ds pssos xposts durnt instlção,

Leia mais

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas 3 CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO A técnca uada para obtr um tma dgtal controlado nctam, bacamnt, da aplcação d algum método d dcrtação. Matmatcamnt falando, pod- obrvar qu o método d dcrtação

Leia mais

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa

1 Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT-UL) 2 Instituto Superior de Agronomia Universidade de Lisboa MODELOS ESPACIALMENTE EXPLÍCITOS DE ANÁLISE DE DINÂMICAS LOCAIS: O CASO DA VEGETAÇÃO NATURAL POTENCIAL NO APOIO AO PLANEAMENTO E ORDENAMENTO TERRITORIAL Frncsco Gutrrs1, Eusébo Rs1, Crlos Nto1 José Crlos

Leia mais

Teoria dos Grafos Aula 11

Teoria dos Grafos Aula 11 Tori dos Gros Aul Aul pssd Gros om psos Dijkstr Implmntção Fil d prioridds Hp Aul d hoj MST Algoritmos d Prim Kruskl Propridds d MST Dijkstr (o próprio) Projtndo um Rd $ $ $ $ $ Conjunto d lolidds (x.

Leia mais

unesp ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE

unesp ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE usp CAMUS DE GUARATINGUETÁ Computção Cálculo Numérco rof. G.J. d S - Dpto. d Mtmátc Ed.. CAÍTULO ARITMÉTICA DE ONTO LUTUANTE.. Rprstção d Númros um Sstm d Artmétc d oto lutut O Sstm Computcol d Artmétc

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Teoria de Resposta ao Item: Curva Característica do Item

Teoria de Resposta ao Item: Curva Característica do Item Tor d Rspost o It: Curv Crctrístc do It Dr. Rcrdo Pr Progr d Mstrdo Doutordo Avlção Pscológc Uvrsdd São Frcsco Curv Crctrístc do It CCI Idés portts Trço ltt Métrc clt rtrár Curv dscrv rlção tr Proldd d

Leia mais

Redes Bayesianas. » Microsoft: em 1993 contratam Eric Horvitz, David Heckerman e Jack Breese

Redes Bayesianas. » Microsoft: em 1993 contratam Eric Horvitz, David Heckerman e Jack Breese Rds Bss Rds Bss São dgrms qu orgzm o cohcmto um dd ár trvés d um mpmto tr cuss ftos Os sstms sdos m rds Bss são cpzs d grr utomtcmt prdçõs ou dcsõs msmo stução d stêc d lgums pçs d formção Mrcos mportts:»

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Soluções E-Procurement

Soluções E-Procurement Soluçõs -Procurm Móulos Vgs Aprsção Dspss Tomé A. Gl Jro/2003 Sumáro: Soluçõs - Procurm 2 Soluçõs - Procurm m xrp 3 Prcps Vgs 4 Solução 5 Móulo vgs 7 Móulo Rlóros Aprsção spss 8 Cls 9 Cocos Ús 10 www.scrgl.com

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CALOR II Prof. Eduardo C. M. Lourro, DSc. ANÁLISE TÉRMICA Dtrmnação da ára rqurda para transfrr o calor, numa dtrmnada quantdad por undad d tmpo, dadas as vlocdads d scoamnto as tmpraturas

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Fabiano Gontijo. fgontijo@hotmail.com. Graduada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UZIEL, Ann Pul. Rio Homossxulid Jniro: Grmond, ção. 2007. Fbino Gontijo Doutor m Antropologi m pl Scincs Écol s Socils Huts Frnç. Étus Profssor Adjunto Bolsist Antropologi Produtivid d m Univrsid Psquis

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ELETROMAGNETISMO I

LISTA DE EXERCÍCIOS #5 - ELETROMAGNETISMO I STA DE EXERCÍCOS #5 - EETROMAGNETSMO 1. Dds s confgurções de corrente o, otenh o cmpo mgnétco correspondente. () Fo reto e longo, percorrdo por corrente. () Solenode de seção trnsversl constnte, com n

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM

9. MODELAGEM DE CONVERSORES: MODELO DA CHAVE PWM Fns Chs C. 9 Mlgm nrsrs: ml h PWM J. A. Pml 9. MOEAGEM E CONERSORES: MOEO A CHAE PWM As lgs báss nrsrs CCCC ssum um h nrl ur nãnrl sss lmns lnrs nrns n m. A njun ss us hs r nm h PWM [9.]. O bj ns íul é

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais

O Uso da Álgebra Linear nas Equações Diferenciais Uso d Álgr ir s Equçõs ifriis íi Gri ol úi Rsd rir Bofim Fuldd d mái FT Uivrsidd Fdrl d Urlâdi UFU 88 - Urlâdi ril d 8 Rsumo Álgr ir é um supor mmáio pr muis árs d iêi Vrmos omo lgus d sus rsuldos podm

Leia mais

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor)

Uniforme Exponencial Normal Gama Weibull Lognormal. t (Student) χ 2 (Qui-quadrado) F (Snedekor) Prof. Lorí Vili, Dr. vili@pucrs.br vili@m.ufrgs.br hp://www.pucrs.br/fm/vili/ hp://www.m.ufrgs.br/~vili/ Uniform Exponncil Norml Gm Wibull Lognorml (Sudn) χ (Qui-qudrdo) F (Sndkor) Um VAC X é uniform no

Leia mais

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares.

II L ATA N. 19/XIV. Conselheiro Fernando da Costa Soares. jf II L Comissão Ncionl Eliçõs ATA N. 19/XIV Tv lugr no di vint qutro jniro dois mil doz, sssão númro znov d Comissão Ncionl Eliçõs, n sl runiõs sit n Av. D. Crlos 1, n. 128 7. ndr, m Lisbo, sob prsidênci

Leia mais

Capítulo V INTEGRAIS DE SUPERFÍCIE

Capítulo V INTEGRAIS DE SUPERFÍCIE Cpítulo V INTEAIS DE SUPEFÍCIE Cpítulo V Iters de Superfíce Cpítulo V Vmos flr sobre ters sobre superfíces o espço tr-dmesol Estes ters ocorrem em problems evolvedo fluídos e clor electrcdde metsmo mss

Leia mais

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO

ERROS ESTACIONÁRIOS. Controle em malha aberta. Controle em malha fechada. Diagrama completo. Análise de Erro Estacionário CONSTANTES DE ERRO ERROS ESTACIONÁRIOS Control Mlh Abrt Fhd Constnts d rro Tios d sistms Erros unitários Exmlo Control m mlh brt Ação bási, sm rlimntção A ntrd do ontroldor é um sinl d rrêni A síd do ontroldor é o sinl d

Leia mais

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como

Integrais. A integral indefinida de uma função f(t) é representada como. Por outro lado, a integral definida, representada como J. A. M. Flipp d Soz Igris (rsmo l) Igris A igrl idfiid d m fção f() é rprsd como f ( τ) Por oro ldo, igrl dfiid, rprsd como f ( τ), f ( τ) τ o f ( τ) dτ 3 d fz Som d Rim q clcl ár so crv m m irvlo m dfiido

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ )

[ η. lim. RECAPITULANDO: Soluções diluídas de polímeros. Equação de Mark-Houwink-Sakurada: a = 0.5 (solvente θ ) RECPITULNDO: Soluções dluíds de polímeros Vsosdde tríse do polímero: 5 N V 5 (4 / 3) R 3 v h π h N v [ η ] v 5 Pode ser obtd prtr de: [ η ] lm η 0 sp / V Equção de rk-houwk-skurd: [η] K ode K e são osttes

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte Vi vijr pr? Situ-s com nosss dics roportos trns mtrôs Chgd m Avião: Aroporto Hthrow: Situdo crc 20 km ost um dos mis movim ntdos d Europ possui cinco trminis Dpois pssr pls formlids imigrção pgr su bggm

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

TÓPICOS EM MATEMÁTICA AVANÇADA PARA A ENGENHARIA: Álgebra Linear, Geometria Analítica, Cálculo e Equações Diferenciais,

TÓPICOS EM MATEMÁTICA AVANÇADA PARA A ENGENHARIA: Álgebra Linear, Geometria Analítica, Cálculo e Equações Diferenciais, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA/SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL/ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÉTODOS NUMÉRICOS EM ENGENHARIA TÓPICOS

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA CONVERSÃO EETROMECÂNICA DE ENERGIA Ivn Cmrgo Rvisão 1 (mio d 007) Pr nális d um convrsor, é fundmntl o conhcimnto d forç ltromgnétic dsnvolvid plo convrsor. Existm divrss forms d cálculo dst forç (ou conjugdo),

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: CE000313/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR011016/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46205.003892/2013-28

Leia mais

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada

P a. e s. q u i. Gestão de Recursos. I n. s s a d a s. Entrada SO TS 16949:2002 A uu d pcfcçã écnc E g pná cnc d m d gã d quldd, uu d pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 bdgm d m d quldd umv. A pcfcçã écnc SO TS 16949:2002 é bd n pncíp d gã d quldd pnd n nm NBR SO 9001:2000:

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Modelagem e Análise de Sistemas Contínuos e Discretos 8

Modelagem e Análise de Sistemas Contínuos e Discretos 8 Modgm nás d Ssms Conínuos Dscros 8 Modgm nás d Ssms Conínuos Dscros Modgm sgnc o procsso d orgnzção do conhcmno sobr um ddo ssm rnrd Zgr. Um smução é um prmno rzdo m um modo Grmno orn & John W. Espcro

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR

CAPÍTULO 6: UMIDADE DO AR LCE2 Físic do mbint grícol CPÍTULO 6: UMIDDE DO R 6.1 PRESSÃO PRCIL E LEI DE DLTON O r é um mistur d gss, como foi visto m uls ntriors, o r s comport como um gás idl. Lmbrndo do concito d um gás idl (sus

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A Eam Final Nacional do Ensino Scundáio Pova Escita d Matmática A 1.º Ano d Escolaidad Dcto-Li n.º 139/01, d 5 d julho Pova 635/1.ª Fas Citéios d Classificação 1 Páginas 014 Pova 635/1.ª F. CC Página 1/

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00%

TABELA V-A. 0,10=< (r) 0,15=< (r) (r) < 0,20. Até 120.000,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% Anxo V 1) Srá purd rlção conform bixo: = Folh d Slários incluídos ncrgos (m 12 mss) Rcit Brut (m 12 mss) 2) Ns hipótss m qu corrspond os intrvlos cntsimis d Tbl V-A, ond < signific mnor qu, > signific

Leia mais

M : CAMOCIM LAUDO PERICIAL DE VISTORIA E AVALIAQÅ0. A inspeção realizou-se em 28 e 29 novembro de 1995. LAUDO Nß: 021/97 - ENG.

M : CAMOCIM LAUDO PERICIAL DE VISTORIA E AVALIAQÅ0. A inspeção realizou-se em 28 e 29 novembro de 1995. LAUDO Nß: 021/97 - ENG. ` d #4 44 M : o ESTAD0 DO CEARÁ TRIBUAL DE COTAS DOS MUICIPIOS PROCESSO: zí) ITERESSADO: PREFEITURA MUICIPAL DE CAMOCIM d LAUDO ß: 02/97 - EG LAUDO PERICIAL DE VISTORIA E AVALIAQÅ0 0 OBETIV0 DO LAUDO:

Leia mais

Funções de Transferência

Funções de Transferência Funções de Trnsferênc Em teor de controle, funções chmd funções de trnsferênc são comumente usds r crcterzr s relções de entrd-síd de comonentes ou sstems que odem ser descrtos or equções dferencs. FUNÇÃO

Leia mais

Capítulo 3: Limite de uma Função e Continuidade

Capítulo 3: Limite de uma Função e Continuidade Cpítulo : mt d um Fução Cotudd - Noção d mt d um Fução Noção Itutv Isttuto d Cêcs Ets - Dprtmto d Mtmátc Cálculo I Proª Mr Jult Vtur Crvlho d Arujo Emplo : Cosdr ução dd pr todo rl Obsrv os vlors d ução

Leia mais

UFPR - DELT Medidas Elétricas Prof. Marlio Bonfim

UFPR - DELT Medidas Elétricas Prof. Marlio Bonfim UFPR - DELT Medds Elétrcs Prof. Mrlo Bonfm Oscloscópo Instrumento que permte vsulzção e/ou medd do vlor nstntâneo de um tensão em função do tempo. A letur do snl é fet num tel sob form de um gráfco tensão

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Avaliação de momentos fletores em lajes cogumelo de concreto armado

Avaliação de momentos fletores em lajes cogumelo de concreto armado Avalação d momntos fltors m lajs cogumlo d concrto armado Rosângla Mara d Olvra(1); Lus Gonçalvs Clmnt(2); Ibrê Martns da Slva(3) (1) Engnhra Cvl, Unvrsdad Santa Ccíla, rosa.dlta@bst.com.br (2) Engnhro

Leia mais

Análises de sistemas no domínio da frequência

Análises de sistemas no domínio da frequência prmno d Engnhri Químic d Prólo UFF iciplin: TEQ0- COTROLE E PROCESSOS náli d im no domínio d frquênci Prof inok Boorg Rpo d Frquênci Cliqu pr dir o ilo do xo mr COCEITO: Coni d um méodo gráfico-nlíico

Leia mais

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL

COMPENSAÇÃO ANGULAR E REMOÇÃO DA COMPONENTE DE SEQÜÊNCIA ZERO NA PROTEÇÃO DIFERENCIAL SHWETZER ENGNEERNG LORTORES, OMERL LTD OMPENSÇÃO NGULR E REMOÇÃO D OMPONENTE DE SEQÜÊN ZERO N PROTEÇÃO DFERENL RFEL RDOSO ntrodução O prinípio d proteção diferenil é de que som ds orrentes que entrm n

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema de Avaliação da Capacidade de Transferência de Sistemas de Transmissão

Desenvolvimento de Sistema de Avaliação da Capacidade de Transferência de Sistemas de Transmissão 1 Dsnvolvmnto d stma d Avalação da Capacdad d Transfrênca d stmas d Transmssão F. C. Gano, A. Padlha-Fltrn, UEP L. F.. Dlbon, CTEEP Rsumo- Algortmos fcnts para calcular a capacdad d transfrênca m uma rd

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. MÉTODOS PARA ANÁLISE SIMPLIFICADA

1. INTRODUÇÃO 2. MÉTODOS PARA ANÁLISE SIMPLIFICADA MÉTODOS DE ANÁLISE ESTRUTURAL DE TABULEIROS DE PONTES EM VIGAS MÚLTIPLAS DE CONCRETO PROTENDIDO Eduardo Valrano Alvs 1 Sérgo Marqus Frrra d Almda 1 Fláva Moll d Souza Judc 1 Rsumo: Est trabalho vsa aprsntar

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

7 - RUÍDO EM RECEPTORES

7 - RUÍDO EM RECEPTORES 7 - UÍDO EM ECEPTOE Em um rptor, qundo não s rb nnhum stção d rádio, ouvimos no lto flnt um ruído. Est ruído pod tr sido rbido pl ntn ou pod tr sido grdo no próprio rptor. Qundo o som dst ruído tm nturz

Leia mais

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES

CARGA E DESCARGA DE CAPACITORES ARGA E DESARGA DE APAITORES O assuno dscudo ns argo, a carga a dscarga d capacors, aparcu dos anos conscuvos m vsbulars do Insuo Mlar d Engnhara ( 3). Ns sudo, srão mosradas as dduçõs das uaçõs d carga

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO. Prof. Dr. Roberto Valdés Puentes ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO: O PLANEJAMENTO Prf. Dr. Rbr Vdés Pus PPGED/FACED/UFU rbrpus@fcd.ufu.br MOMENTOS DO PROCESSO DE ENSINO, APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnr 6 de junho de ots de ul de Físc. OMTO, TOQU MOMTO GU... OMTO... O rolmento descrto como um combnção de rotção e trnslção... O rolmento sto como um rotção pur... 3 ener cnétc... 3 TOQU...

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Análise de Componentes Principais

Análise de Componentes Principais PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CPGA-CS Aálse Multvd Alcd s Cêcs Agás Aálse de Comoetes Pcs Clos Albeto Alves Vell Seoédc - RJ //008 Coteúdo Itodução... Mt de ddos X... 4 Mt de covâc S... 4 Pdoção com méd eo

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa

UTL Faculdade de Motricidade Humana. Mestrado em Reabilitação Psicomotora. Estágio CERCI Lisboa UTL Fculd Motricid Humn Mstrdo m Rbilitção Psicomotor Estágio CERCI Lisbo Sssão Activid no Mio Aquático 16/11/2011 Clint: C.M., L.V., A.E., F.C. S.C. domínio Nom Dscrição Obj. Esp. Mtriis Estrtégis Critério

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais