MINICURSO MINISTRADO NO DINCON 2010 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS PRIMAL-DUAL DE PONTOS INTERIORES E APLICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINICURSO MINISTRADO NO DINCON 2010 INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS PRIMAL-DUAL DE PONTOS INTERIORES E APLICAÇÕES"

Transcrição

1 MINICURSO MINISRDO NO DINCON INRODUÇÃO OS MÉODOS PRIML-DUL DE PONOS INERIORES E PLICÇÕES UORES: Prof. Dr. too Robrto Balbo mal: Profa. Dra. Eméa Cáa Baptta mal: Dpartamto Matmátca FC Up Campu Bauru Márco uguto a Slva Soua mal: Mara Cláua Savo Maro Programa Pó-Grauação m Eghara Elétrca FEB UNESP Campu Bauru Up Bauru Março Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

2 . Itroução O problma rtrto O métoo Pala Barrra O métoo pala Dfcula computacoa lgortmo o Métoo Pala O métoo barrra Dfcula computacoa lgortmo o Métoo Barrra Métoo algortmo f Poto Itror lgortmo Prmal fm Iéa Báca o lgortmo Prmal fm lgortmo Prmal fm Implmtao o lgortmo Prmal fm Compla Computacoal O Métoo Dual-fm para o Problma Prmal O lgortmo Dual-fm para o PPL m Formato Prmal O lgortmo Prmal-Dual Poto Itror Iéa báca o lgortmo Prmal Dual Drção Comprmto o Pao Movmto lgortmo Prmal Dual érmo o lgortmo m mpo Polomal Icao o lgortmo Prmal Dual Implmtação Prátca Métoo Prmal Dual para Varáv Caalaa Drçõ Buca Comprmto o Pao Movmto Crtéro Paraa lgortmo Poto Itror Prmal Dual para Varáv Caalaa Varáv Lmtaa Ifrormt O lgortmo Prmal-Dual Poto Itror para Programação Quarátca Cova com varáv caalaa Problma Programação Quarátca Drçõ buca po Prvor Drçõ Buca -po Corrtor Comprmto o pao Crtéro Paraa tualação o parâmtro barrra lgortmo Prmal-Dual para Varáv Caalaa com Procmto Prvor- Corrtor Buca Umoal. PDPCBU O Molo Dpacho Ecoômco PDE plcação ao Molo Dpacho Ecoômco Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

3 7. - aptação o Problma Dpacho Ecoômco ao algortmo propoto PDE com 3 Graor Coraçõ Fa gracmto Bblografa Itroução Em matmátca o trmo otmação ou programação matmátca rfr- ao tuo problma m qu buca mmar ou mamar uma fução atravé a colha tmátca o valor varáv ra ou tra tro um cojuto vávl. m torar algo ótmo é bucar o qu é clt o mlhor poívl "o grau quata ou tao qu cora o ma favorávl m rlação a um trmao crtéro. Otmar é mlhorar até o purmo. No al mlhorar até o mámo. té aqula tuação al a qual como vulgarmt " mr ma pora". Mlhorar ó é poívl tmo colha. Ecolhr uma tr vára altratva. S uma altratva houvr capa trour alguma mlhora fcamo com la. Cao cotráro o qu tmo m mão já é a colha ótma. Otmar é lcoar algo mlhor. Ma qua mpr fcamo rtrto a colhê-lo tr um cojuto lmtao altratva. Obvamt o jo otmar ão bata. Sm crtéro colha por mplo m aata cohcr o uvro altratva. Por outro lao cohco- t ão aata tr crtéro. Iformação portato é fuamtal. Quato ma mlhor; ma pra chgamo à altratva ótma. aplcaçõ a Otmação cotram- prt m toa a moala Eghara a Ecooma a Bologa a grooma tr outra ára tta. Como mplo pomo ctar: Como cortar placa vro forma a atr ao po qu o chgam com um mímo príco poívl matral? Como trbur macat m uma trmaa praa moo qu l trmm ua va o ma prto poívl o poto rgat? Como cotrolar jção combutívl um motor a ploão moo a mamar rmto mmao vbraçõ? Como trbur rga létrca mmao a pra atfao o tma? Como trbur ga létrca mmao o cuto proução atfao o tma? Muto problma pom r molao como problma mamar ou mmar uma fução cuja varáv vm obcr crta rtrçõ:. M mar M amar f ujto a : g m h j j r m ma Ecotrar oluçõ ótma ou mmo apromaa para tpo problma é um afo m mpr fácl r vco. cotrução bo algortmo é a prcpal vocação a otmação. lgortmo gra cofáv qu poívl rolvam cla problma otmação ptmt a mão o parâmtro volvo. t 94 rlatvamt muto pouco tha o volvo obr métoo para otmação umérca muta varáv. maora o métoo otmação foram volvo apó o urgmto o computaor. Durat a Sgua Gra Gurra Mual écaa 4 com o objtvo alocar rcuro cao volvu- o métoo Smpl Datg para problma 3 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

4 lar. O uco crbla gaho urat a gurra foram tão gra qu trmao o coflto grupo ctta a ua ova mtoologa aboragm o problma trafrram para a mpra qu com o "boom" coômco qu guu vram também cofrotaa com problma cão gra compla. aplcação um trmao métoo a um problma ral p bacamt a caractrítca o problma to é o problma r lar ão-lar covo tro âmco tr outra. Em Programação Não-Lar o prmro métoo ram batat rtrto. oraram- gfcatvo o fal a écaa 5 com a troução o métoo métrca varávl por Davo capa olucoar problma muta varáv. Uma cla métoo Otmação muto ploraa o a hoj é omaa métoo Poto tror. O métoo Poto Itror têm o amplamt vtgao utlao prcpalmt a rolução problma Programação Lar ma rctmt m problma Programação Quarátca Não-Lar com bom mpho m problma gra port. a qu ão fom cohco a ltratura com ta omação a tratéga Poto Itror fo troua calmt por FRISCH 955 por CRROL 96 popularaa por FICCO & McCORMICK 968 atravé a utlação a fução Barrra para problma ão-lar. Ralta- qu o tuamo o uo a fução Barrra muu vlmt a écaa 7 vo a algu problma aprtao por ta ta como o mal cocoamto a matr Haa quao u fator Barrra t a ro; a fcula a colha o fator Barrra a colha uma olução cal; a ão-têca a rvaa a olução o aumto lmtao a fução Barrra a vhaça a frotra. O tr pla utlação a mtoologa Poto Itror para a buca oluçõ ótma problma Otmação raparcu quao m 984 KRMRKR 984 publcou o u métoo Projtvo para Programação Lar. Et trabalho provocou uma agtação a atva pqua ta ára. pó a troução fta por Karmarar métoo varat u algortmo orgal foram aprtao. Etr l ctamo: o algortmo Prmal-fm utlao a rolução problma Programação Lar com rtrçõ guala o qual fo aprtao por BRNES 986 por VNDERBEI t al. 986; o algortmo Dual-fm propoto por DLER l al. 989 para rolvr problma Programação Lar a forma guala; a cotrbução MEGIDDO & SHUB 989 com a cação qu a trajtóra qu cou à olução ótma forca plo algortmo f pm a olução cal; a corporação a fução Barrra Logarítmca ao problma Programação Lar a rolução t atravé a mtoologa Poto Itror Prmal-fm Dual- fm o tacamo o trabalho MEGIDDO 987 RENEGR 988 VIDY 99 YE 986; o métoo trajtóra ctral propoto por GONG MONEIRO & DLER 989; o algortmo Prmal-Dual Poto Itror propoto por MONEIRO t al. 99 também por KOJIM t al. 989 o qua ploram uma fução potcal Prmal-Dual varat a fução Barrra Logarítmca o métoo a Barrra Logarítmca Prmal-Dual Prvor-Corrtor m qu a caa tração é ao um pao prvor um pao corrtor trmao rçõ buca mlhor qu a aprtaa por MONEIRO & DLER 989 o qual fo aprtao por MEHROR 99 tr outro. Sguo o avaço o métoo Poto Itror taca- a tora métoo a fução Barrra Mofcaa volva por POLYK 99. Et métoo combam a mlhor propra a fução Lagragaa Cláca a fução Barrra Cláca vtao o problma qu amba frtam. Sguo POLYK 99 a fala qu o métoo a fução Barrra Mofcaa tm para o métoo Poto Itror é a mma qu o métoo a fução Lagragaa umtaa tm para o métoo Pala: ajuá-lo a rblar ua fcula. O métoo a fução Barrra Mofcaa traforma o problma rtrto m um outro problma quvalt o qual é rrtrto rolv uma qüêca problma rrtrto até atgr a olução ótma. Em u trabalho POLYK 99 aprta trê tpo fução Barrra Mofcaa: uma para a fução Barrra CRROL 96 outra para a fução Barrra FRISCH 955 a trcra omaa fução Barrra Shft. Eta fuçõ ão fa atravé a rlaação o cojuto rtrçõ factív. Varat o métoo Barrra Mofcaa pom r cotrao m BREIFELD & SHNNO 996 VSSILIDIS & FLOUDS 997 CHEN & VSSILIDIS 3. 4 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

5 Etõ o métoo Poto Itror para problma ão-lar ão covo ão cotrao m CRPENER t al. 99 VNDERBEI & SHNNO 999 SHNNO & VNDERBEI LUKSN t al. 4 BPIS t al. 6 ab tr outro. É prco tacar qu o métoo Poto Itror têm o utlao para a rolução problma ra a ma vra ára. Nt mcuro aborarmo: o problma rtrto o métoo Pala Barrra o métoo Poto Itror af ro a mtoologa prmal-ual com uma aplcação t métoo ao problma Dpacho Ecoômco BLBO t al..8 tuao a ára Stma Erga m Eghara Elétrca.. O problma rtrto Um problma otmação po r omao rrtrto quao apa uma fução é mmaa ou mamaa tro um cojuto pré-trmao. Matmatcamt rprtamo por: Mmar Mamar f S R m qu R. Quao rtrçõ ão acoaa ao problma. t paa a r omao problma rtrto. Matmatcamt rprtamo por:. o Mmar Mamar f ujto a : g rtrçõ fucoa h S R rtrçõ o cojuto h h h hm R m g g g gp R. r. O problma.. rão clafcao como lar ão-lar quarátco tro covo tr outro acoro com a caractrítca a fuçõ volva. 5 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

6 3. O métoo Pala Barrra O métoo aprtao a gur têm por objtvo rolvr problma programação ãolar rtrto a forma: o: R g Mmar f ujto a: g h m r R h R a fuçõ ão cla C O métoo pala Sguo a éa aocar ao problma 3. uma qüêca problma rrtrto a tratéga o métoo a fução pala cot a utlação uma fução aular o a rtrçõ ão troua a fução objtvo atravé um fator pala o qual pala alguma volação ta. E métoo gra uma qüêca poto factív cujo lmt é a olução ótma o problma orgal. fução aular tm a forma f c P o c omao fator pala P fução pala aocaa a 3. aa por: m P r g hj Θ Λ j 3. o Θ Λ ão fuçõ cotíua uma varávl ta qu: Θ Θ > ; Λ Λ > > fuçõ pom aumr a gut forma: Θ p 3.5 Λ [ma {}] p 3.6 o p é um tro potvo. Para p m a fução P é omaa fução pala quarátca. O problma palao cot m: Mmar { R tal qu θ f c P Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

7 para c. mo qu à ma qu c P a olução o problma palao covrg para a olução o problma orgal. Emplo 3.: Cor o gut problma: M mar ujto a : Ecotrao a fução pala: P M a mar{ } mo qu : θ P c plcao a coçõ otmala: P c c c Fao c tr a fto tmo: Emplo 3.: Cor o gut problma lm c c M mar ujto a : R Rformulao para um problma rrtrto: M mar c.a. R plcao a coção cára ufct para a otmala: 7 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

8 P P c c c c c mo tão qu. Fao c tr a fto: c c c lm lm lm c c c μ c c c 3.. Dfcula computacoa Ecolho- c ufctmt gra a olução o problma palao rá próma à olução o problma 3.; porém para valor muto gra o fator pala trmo alguma problma mal cocoamto. Para valor gra c há uma maor êfa obr a factbla; a maora o métoo otmação rrtrta mov- rapamt a rção um poto factívl. E poto po tar log o ótmo cauao um térmo prmaturo o métoo. Um outro problma é o mal cocoamto a matr Haa vo à ua pêca c. m a aál covrgêca o métoo po fcar prjucaa. Raltamo qu a colha cal o fator pala o parâmtro pala afta a covrgêca o métoo lgortmo o Métoo Pala. Etablcr o rro covrgêca ξ > o poto cal c > o fator crmto a pala β >. o parâmtro pala. Rolvr o problma utlao um métoo mmação rrtrta para μ fo: Mmar f cp R obto tão. < ξ par a olução ótma fo cotraa. São vá para o pao 4 4. Far c βc 5. voltar para o pao. 3. S cp Emplo 3.3: Implmtamo o algortmo a fução utlao o oftar Matlab aplcamo a rolução o problma: M mar ujto a: R 4 8 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

9 So 5 c β a tolrâca o problma prcpal ξ a tolrâca o ub-problma olução por Nto ξ. Utlao o métoo Nto para cotrar o poto ótmo o ubproblma tm-: Itração BEL 3.: Covrgêca o métoo pala c c f θ 45545; ; ; ; ; ; ; ; ; Pomo obrvar qu a caa tração o valor a fução aproma- o valor a fução aular motrao qu o métoo tá covrgo qu a fução pala t a ro. 3. O métoo barrra Da mma forma qu o métoo pala o métoo barrra traformam o problma rtrto m um problma rrtrto. El troum a rtrçõ a fução objtvo atravé um fator barrra qu pala a apromação um poto factívl à frotra a rgão factívl. rabalhao o tror a rgão ta fator gram barrra qu mpm o poto ar la. Logo part- um poto factívl gram- ovo poto factív. Uma a vatag métoo é a obtção plo mo uma olução factívl cao ocorra uma paraa prmatura l. El trabalha omt com problma guala cujo tror é ão-vao. m aum- o problma 3. obco a a coção. Com o objtvo garatr a prmaêca o tror a rgão factívl pomo grar o gut problma barrra: Mmar { f δ B: h < } 3.8 o δ é omao fator barrra B é uma fução barrra ão-gatva cotíua o tror a rgão factívl {; h < } t ao fto à ma qu a olução aproma a frotra a partr o tror. Dfmo tão: r φ B [ h ] o φ é uma fução uma varávl cotíua obr {; < } atfa Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

10 φ < lm φ. 3. fução f δ B é omaa fução aular; a fução barrra po aumr vára forma como: r B ; h r. B l[ h ] fução 3. é omaa barrra cláca ou vra fo tuaa por CRROL 96; 3.6 é omaa fução barrra logarítmca fo tuaa por FRISCH 955. Quao δ B tmo qu δ B aproma a fução barrra al crta atrormt m 3.9 a olução o problma barrra covrg para a olução o problma 3.. Obrvamo qu 3.8 é um problma rtrto po r tão complo quato 3.. Como gmo uma olução cal tror à rgão factívl o métoo trabalha com poto tror a a rgão ao palar o poto qu apromam a frotra mpmo qu l aam a rgão a rtrção po r goraa. rmo ralmt um problma rrtrto para o qual porá r utlaa uma técca otmação rrtrta. Emplo 3.: Rolvr : M mar ujto a: * Obrvamo qu o poto ótmo é ao por f *. Cor tão a fução barrra: B g para δb δ So a fução aular f δb δ tmo o gut problma barrra: Mmar δ < plcao a coçõ otmala: δ δ δ Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

11 δ ± δ Fao δ obtmo F por: δ lm δ δ Not qu à ma qu δ crc h < fto para h. F lm δ F f δ * * δ B aproma uma fução qu tm valor ro para o rolvrmo o problma 3.8 utlao a fução 3. camo o proco olução com um poto tror à rgão factívl. Para caa valor δ tmo uma olução qu rá o poto cal para o proco tratvo. À ma qu δ crc apromamo-o a olução o problma orgal ou ja δ * f δ B f *. 3.. Dfcula computacoa Uma a fcula cotraa o métoo barrra é a lção um poto cal factívl. Em muto problma o po r trabalhoo. Váro métoo pom r utlao para a trmação um poto cal factívl quao t ão é cohco. ambém m vrtu a trutura a fução barrra para valor pquo δ muta técca têm éro problma mal cocoamto rro arroamto quao o ótmo aproma. colha o fator barrra o parâmtro barrra pom compromtr o proco otmação lgortmo o Métoo Barrra. Etablcr o rro covrgêca ξ > o poto cal com g < o parâmtro pala δ > o fator crmto a barrra β.. Uao o métoo Nto rolvr o problma traformao para a forma rrtrta: M mar f δ B ujto a: g < obto tão. 3. S δ B ξ < par a olução ótma fo cotraa. São vá para o pao Far δ βδ 5. voltar para o pao. Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

12 Emplo 3.3: Rolvr o problma abao: ξ a tolrâca o ub- M mar ujto a: So problma olução por Nto ξ. B Itração 4 5 δ β a tolrâca o problma prcpal Nt problma E o problma é rolvo utlao a fução barrra:. Utlao o métoo Nto para cotrar o poto ótmo o ubproblma tm-: δ BEL 3.: Covrgêca o métoo barrra μ f θ B δ 777; ; ; ; ; ; ; ; ; ; ; Pomo obrvar qu a caa tração o valor a fução aproma- o valor a fução aular motrao qu o métoo tá covrgo qu a fução barrra tá to a fto. Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

13 4. Métoo algortmo f Poto Itror 4. - lgortmo Prmal fm Cora- um problma programação lar m ua forma parão Mmar ujto a : b m m qu m R b R R c R o é uma matr poto m. c 4.a 4.b O u problma programação ual é fo por: ma b ujto a: c R m ; c R ; b R m. o 4.ac é chamao Problma Prmal PP 4.c é chamao Problma Dual PD. Obrv qu o omío vávl o problma 4.ab é fo por P { R / b } Df- ma aat o tror rlatvo P com rpto ao paço fm como: P { R / b > } 4. R é chamao um poto tror vávl ou olução tror o problma Um vtor programação lar P. Durat o volvmto t trabalho para garatr a têca poto tror farmo mpr uma upoção fuamtal: P / Há vra mara cotrar uma olução tror um problma programação lar. O talh rão cuto ma tar. Por quato upoha- mplmt qu uma olução tror cal tá poívl aala- a éa báca o algortmo Prmal fm. 4.. Iéa Báca o lgortmo Prmal fm Cora- o prcípo fuamta obrvao por Karmaar a fção u algortmo para a aál o algortmo af ao por: a olução tror atual tvr prto o ctro o poltopo tão fa to movr- uma rção ca rlacoaa ao grat a fução objtvo para cogur um valor mímo; m gra altraçõ o problma orgal uma traformação apropraa po r aplcaa ao paço olução tal qu a olução tror atual ja lvaa para prto o ctro fo o paço traformao. Ø qu: Na formulação Karmarar a trutura pcal mpl fr o poto { R / } ; Δ ta 3 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

14 / / /... / como o poto ctral Δ ta coção fo trmava o poto troua propotaamt obco o prcípo upractao. Quao trabalha rtamt o problma a forma parão a trutura mpl aotaa por Karmarar tá log r cogua o omío vávl pora traformar- um cojuto polral lmtao. oa a trutura a r obca pla formatação parão cot a trção o paço{ R / b} formao pla rtrçõ plícta com o cojuto fo plo octat potvo{ R / } rquro pla rtrçõ ão-gatva. É óbvo qu o octat ão-gatvo ão tm um poto "ctral" ral. Etrtato atravé alguma traformação fta cogur pocoar o ctro o poto... ao mo cogurá matr- a uma tâca gual caa fac o octat ão-gatvo. Ito ocorr qu a tâca movmto qualqur poto qu mov o poto ctral é mpr mor qu prmac o tror o octat ão gatvo. Coqütmt purmo cotrar uma traformação apropraa qu trac uma olução tror atual ao poto tão aalogamt ao algortmo traformação projtva Karmarar pomo car uma tratéga mofcaa como gu: "umo uma olução tror aplqu uma traformação apropraa ao paço oluçõ tal forma a colocar a olução corrt m o paço traformao tão camh a rção ca máma o paço ulo úclo a matr a rtrçõ plícta traformaa ma cotrolao o tamaho o pao rlatvo à rtrçõ ão-gatva a fm prmacr m uma olução tror o paço traformao. Etão ama- a traformação vra para traçar potrormt a olução cotraa ao paço olução orgal como uma ova olução tror. Rpt- t proco até a otmala ou quao a coçõ paraa form atfta." Uma traformação apropraa t cao fo aqula omaa traformação fm. partr ta o pquaor omaram o algortmo varat ta traformação com algortmo af. Quao a traformação é aplcaa rtamt ao problma prmal a forma parão oma- algortmo Prmal fm. E para o problma o formato ual algortmo Dual fm. raformação afm o octat ão gatvo. Sja R um poto tror o octat ão gatvo R to é > para... Dfrmo uma matr agoal R por: 4.3 ag Not qu a matr é ão gular amt uma matr vra qu é também uma matr agoal ma com / como u -émo lmto agoal para.... traformação afm é fa o octat ão gatvo 4 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN R por R R : tal qu: 4.4 traformação 4.4 mplmt rcala a -éma compot por um úmro potvo. Gomtrcamt la traforma poto gmto rta o paço orgal para poto gmto rta o paço traformao. Daí a omação traformação fm. Fgura 4. lutra o boço gométrco a traformação o paço bmoal. Not qu para o cao a rtrçõ bmoa guala rprtaa a fgura 4. a varáv calaa clum a

15 varáv folga também. D fato caa bora o polígoo corrpo a uma varávl folga qu tá o ajutaa m ro. Etrtato é fícl rprtar o boço complto uma mma fgura. FIGUR 4. - Eboço gométrco a traformação fm o paço bmoal gut propra K po- faclmt rm vrfcaa: é uma aplcação bm fa é um poto tror o tão 3 é um vértc R. 4 tá a frotra o octat 5 é um poto tror 6 qu: R a R for um vértc. R R for um poto a frotra. R for um poto tror. é uma traformação buívoca a qual amt uma traformação for um poto tror vra R tal para caa R 4.5 Supoha qu uma olução tror o problma programação lar 4.ab é aa. Po aplcar a traformação afm para "ctrar" ua magm m. Pla rlação motraa m 4.5 o paço olução traformao tm- um problma programação lar corrpot a: Mmar c 4.6a ujto a : b 4.6b o c c. No problma 4.6 a magm to é tora- qu matêm a tâca utára a frotra fa o octat ão-gatvo. S movrmo ao logo uma rção qu cotr o paço ulo a matr com um comprmto pao aproprao α > tão o ovo poto α prmac tror vávl para o problma 4.6. lém 5 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

16 o ua magm vra tora- uma ova olução tror para o problma 4.ab. D qu oo objtvoo é mmar o valor a fução objtvo a tratéga aotar o procmto máma ca é caa. Ou ja qur- projtar o grat gatvo c o paço ulo a matr crar uma rção factívl qu mlhora ou mu a fução objtvo o paço traformao. Para t fm f- prmramt a matr ula a projção o paço por: P I I 4.7 Etão a rção movmto é aa por: P c [ I ] c Not qu a matr projção P é bm fa ao logo mpr qu complto m >. É tambémm fácl vrfcar qu. Fgura. motra projção. 4.8 u tm poto a o boço a FIGUR 4. Eboço a projçãoo o vtor rção o Métoo Prmal fm o paço bmoal gora tm- a coção muar o paço olução traformao a olução tror atual ao logo a rção para uma ova olução tror > garato o crécmo o valor a fução objtvo. Fao am tm- qu colhr um comprmto o pao α > aproprao tal qu: α Obrv qu tão α porá r colho como qualqur úmro potvo prmaco o tror a rgão.. Not qu < para algum tão α v r colho calmt corao a raõ: > Dta forma po- colhr < α < aplcar o tt rao mímo α m α < ; 6 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

17 para trmar um comprmto o pao aproprao qu garata a potva. Quao α tá prto a olução atual é mova qua mpr para a frotra ma próma o octat potvo para fr uma ova olução tror o paço traformao. Eta muaça olução é lutraa também a fgura 4.. Noa próma tarfa é traformar a ova olução para o paço olução orgal para obtr uma olução mlhoraa para o problma 4.ab. Ito porá r fto aplcao a traformação vra a. Em outra palavra tm-: o α α P c α I 7 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN [ ] c [ c c] [ c ] α α 4. c 4. Ito gfca qu a rção movmto o paço olução orgal é [ c ] α quao [ c ] o paço traformao. Dvra o comprmto o pao é obrvaçõ mportat pom r fta aqu: Obrvação. Not qu PK c vta m 4.7. O crécmo a fução objtvo é motrao a partr : c c o α c c α c α α c P é uma matr projção c 4. Ito mplca qu é crtamt uma olução crécmo a fução objtvo a rção movmto. lém o têm- o gut lma qu pom r cotrao m [FNG PUHENPUR 993]: Lma 4.. S tr um 4.ab é lmtao. Prova. D qu α P com > tá o paço ulo a matr rtrção α tão o problma programação lar > ab- qu é vávl ao problma 4.6 para too >. Coqutmt po- colhr α o ftamt potvo tão a Equação 4. mplca qu o lmt c aproma t caopara α P. Lma 4.. S t um P com tão toa olução vávl o problma programação lar 4.ab é ótma.

18 ab qu Prova. Rcor qu P é uma matr projção o paço ulo. Para P c c tá o complmto ortogoal o paço ulo a matr ortogoal t cao é o paço fo plo úmro lha a matr qu. D qu o complmto t um vtor u c ou u c D qu t gu qu u c. gora para toa a olução vávl c u u b D qu u b ão p o valor c prmac cotat m P. u tal Lma 4.3. S o problma programação lar 4.ab for frormt lmtao ua fução objtvo ão for cotat tão a qüêca { c...} é bm fa trtamt crct. Prova. Eta é uma coqüêca rta o Lma Equação 4.. Obrvação. S for ralmt um poto o vértc tão a prão 4. po r rua a B cb o qual é fo como o " vtor Dual" para o Métoo Dual Smpl. m oma- como tmaor ual corrpot à olução prmal o algortmo Prmal fm. lém o t cao o vtor: r c 4.3 ru- a c B cb qu é o cohco vtor cuto ruo ou cuto rlatvo o Métoo Smpl. Daí chama- r vtor cuto ruo ou rlatvo aocao a o algortmo afm. Obrv qu quao r a tmatva ual traforma uma olução vávl ual r r traforma a folga complmtar o par olução vávl to é c b r 4.4 No cao r com r tm- coguo tão a factbla prmal a factbla ual a coçõ folga complmtar. Ou ja é ótmo prmal é ótmo ual. Baao a cuão acma boça- aqu um procmto tratvo o algortmo Prmal fm. 4.. lgortmo Prmal fm. Pao calação: Etablcmo > tal qu b cuto ma tar. Dtalh a r Pao Cálculo o vtor tmatva ual: Calcular o vtor tmatva Dual. c o é a matr agoal vto m 4.3 cujo lmto ão a compot. Pao 3 Cálculo o vtor cuto rlatvo: Calcular o vtor cuto ruo. r c 8 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

19 Pao 4 t para otmala: S r r ε um úmro potvo pquo fo tão PRE gut. é ótmo prmal Pao 5 Drção tralação: Calcul a rção r 9 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN é ótmo ual. Cao cotráro vá para o pao Pao 6 t para lmtara valor objtvo cotat: S > tão PRE o problma é lmtao. S tão também PRE para o Pao 7. é ótmo prmal. Cao cotráro vá Pao 7 Cálculo o comprmto o pao: Calcul o comprmto o pao α α m tal qu < Pao 8 Dtrmação uma ova olução: tual Faça vá para o pao α o < α < O lgortmo Prmal fm vto ta ção mplmtao m Lguagm Pacal 7. é utlao o mplo umérco 4. ao a gur para lutrar t algortmo Emplo 4. Cora- o Problma Programação Lar: Mmar - ujto a : 5 5 Et a forma caôca é pro por: Mmar - ujto a : O métoo Prmal fm rá ttao para o problma ao a forma caôca ou ja o problma 4.. a qual tá fo com rtrçõ guala. Nt cao - B [ 5 5] c [- ] um- [ 7 3] a qual é uma olução tror factívl. Daí: 7 lém o 3 c [ ]

20 [ ] r c 77 D qu alguma compot r ão gatva r. 87 olução atual é ão ótma. Coqütmt progu- para ttar a rção buca com r [ ] Supoha qu é colho α. 99 tão o comprmto o pao.99 α Coqütmt a ova olução é: o α [ ] Obrv qu o valor a fução objtvo fo mlhoraa 8 ab- qu a para Fao- ma traçõ vrfca- qu o proco tratvo covrg à olução ótma [ ] com o valor a fução objtvo 45. O rultao obto a trprtação gométrca o problma ao a oluçõ cotraa plo algortmo ão vta rpctvamt a abla 4. a Fgura 4.3. BEL 4. Rultao Obto plo lgortmo Prmal fm para o 4.. Itração Fução Objtvo Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

21 olução ótma cotraa computacoalmt fo o valor a fução objtvo é Na mplmtação fta o algortmo Prmal fm ão fo utlao como crtéro paraa o crtéro a folga complmtar. Nta optou- por utlar o crtéro mpl m compot trm a ro o qu trma um vértc o problma para uma prcão ε 3. FIGUR 4.3 Itrprtação gométrca para o problma.4.a a oluçõ obta plo algortmo Prmal fm covrgêca o algortmo Prmal fm. Noo objtvo é motrar qu a qüêca { } graa plo algortmo Prmal fm m parar a tapa 6 covrg a uma olução ótma o problma programação lar 4.ab. fm mplfcar a prova fa- a gut upoçõ:. O problma programação lar m coração tm um omío vávl lmtao com tror ão-vao;. O problma programação lar é ão-grao prmal ão grao ual. prmra upoção rtra a pobla trmar o algortmo Prmal fm com lmtara po r potrormt motrao qu ta ua upoçõ mplcam qu: ' a matr é poto complto m colua L.I. para caa P ; m o vtor tmaor ual r têm o mámo m ro para caa R. gur rão rvto algu Lma mpl ma mportat para oa aál covrgêca. Lma Quao aplca- o algortmo Prmal fm tm- qu lm r. Prova. D qu a qüêca { c K } é mootocamt crct é lmtaa frormt pla prmra upoção tão a mma é covrgt. Daí a quaçõ mplcam qu Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

22 lm c c lmα lm α Obrv qu α > logo tm-: lm lm r E a prova o rultao é mata. Not qu o rultao acma é atamt a coção a folga complmtar. Dfo C P como o o cojuto m qu vrfcam a folga complmtar ou ja: C { P / r } ; 4.5 além o trouo D P como o o cojuto m qu a coção vávl ual vrfca to é D { P / r } ; 4.6 corao- a coçõ otmala o problma programação lar é fácl provar o gut rultao: C D Lma Para too é uma olução ótma o problma programação lar 4.ab. gora tá- proto para provar qu a qüêca { } graa plo algortmo Prmal fm covrg para uma olução ótma o problma 4.. Prmramt motra- qu: 4.ab orma 4. - S { } covrgr tão lm é uma olução ótma para problma Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN Prova Prova- t rultao pla cotração. Prmramt ot qu quao { K } covrgr para ão é ótmo prmal. D qu. lém o o Lma 4.4 mplca qu: v r vávl prmal. Etrtato para provar t rultao aum- qu r é uma fução cotíua a r lm r ab- qu r lm r é bm fo. Daí tm- C. Por upoção Lma 4.5 ab- qu D. Coqutmt t ao mo um íc j tal qu r j <. Rcorao qu C tm- j. Dvo à cotua r t um tro K tal qu para too K { } <. Etrtato cor qu: j j D qu r < j j j j j r j α j r j tmo > > K. Daí chga- a uma cotração oa hpót. Portato O trabalho rtat v motrar qu a qüêca { } crtamt covrg. j o qu cotra o fato qu é ótmo prmal.

23 orma 4. - qüêca { } graa plo algortmo Prmal fm é covrgt. Prova. D qu o omío vávl é ão-vao fchao lmtao vo a compaca o cojuto P a qüêca { } tm ao mo um poto acumulação m P to. Noo objtvo é motrar qu { }. é também o úco poto acumulação { } Obrvao- qu r. é uma fução cotíua m aí t é o lmt a qüêca graa aplcao- o Lma 4.4 po- coclur qu C. lém o a upoção ão-gração mplca qu caa lmto m C cluo v r uma olução vávl báca vértc P. Daí pomo otar ua varáv ão báca por f- Ñ como o íc para ajutar ta varáv ão báca. lém o j para too δ > f- uma bola rao δ > ao ror Bδ { P / < δ N } aa por : um- qu r ja o vtor cuto ruo corrpot a ual agura-o cotrar um ε > tal qu m r ~ j N j > ε. ão gração prmal Rcor qu a upoção ão-gração mplca m caa mmbro C r um vértc P há omt um úmro fto o vértc m P. Daí C tm um úmro fto lmto po- colhr um aproprao δ > tal qu B δ C 4.7a m > 4.7b Rcorao qu tm- ~ j N lm K r j ε B δ lm lm[ r ] K j j Dvo à coção P r lmtao ab- qu o comprmto o pao α m caa tração é um úmro potvo lmtao. Coqütmt para ε δ apropraamt colho B δ qu é ufctmt prómo vê- qu α [ j rj ] < ε δ. Daí po- fr um cojuto ~ Sε δ { B α [ j rj ] < ε δ j N} 4.8 gora para too Sε δ 4.8 mplca qu ~ α [ j ] rj < δ j N qu além o ~ j j α [ j rj ] < δ j N Ito motra qu B S j δ ε r 3 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

24 gora po- motrar qu é o úco poto acumulação { K } upõ- qu a qüêca { } tm ma um poto acumulação. D qu. Por cotração é um poto acumulação a qüêca { } prtc a S ε δ mpr qu 4.7b tá atfta. Ma como ão é o úco poto acumulação a qüêca é altraa mpr qu aproma um ovo poto atfa 4.7b. Etrtato caa v qu a qüêca é altraa S ε δ la prmac m B δ / Sε δ. Coqütmt fto lmto { } prmacm m B δ / Sε δ. Not qu t frt cojuto tm um fcho compacto a ubqüêca { } qu prtc a B δ / Sε δ v tr um poto acumulação o fcho compacto. Dvo à fção C ab- qu caa poto acumulação { } v prtcr-lh. Etrtato C é juto o fcho B δ / Sε δ. Et fato juto com a Equação 4.7 caua uma cotração. m crtamt é o lmt a qüêca { }. Ma rultao a rpto a covrgêca o algortmo fm ob a coção gração tm aparco rctmt Implmtao o lgortmo Prmal fm mplmtaçõ fta ctam um poto tror cal para rm aplcaa. Nta ção rá fo um procmto para trmação uma olução factívl cal bm como a vrfcação a ocorrêca otmala a buca uma olução báca vávl báca ótma. Icao o algortmo Prmal fm. D mara aáloga aqula tablca para o Métoo Smpl Rvao [LUENBERGER 984] rá trouo aqu o mcamo a abr o Métoo Bg-M o Métoo Dua-Fa para cotrar uma olução vávl tror cal. O prmro métoo é cutao ma faclmt aproprao para a maora a aplcaçõ. Etrtato uma cução comrcal ma éra cora frqütmt o guo métoo vo a ua tabla. a Métoo Bg-M. Nt métoo acoa- uma varávl artfcal aocao com um úmro potvo gra M ao programa lar orgal para far qu... R traform uma olução vávl tror cal para o gut problma: a Mmar c M 4.9a a ujto a : [ b ] b 4.9b a o... R. Comparao o Métoo Bg-M com o Métoo Smpl Rvao tm- aqu omt varáv m v m. Quao o algortmo Prmal fm é aplcao ao problma Bg-M 4.9ab com M ufctmt gra qu o problma ja vávl chga- m uma olução ótma ao problma Bg-M ou coclu- qu o problma é lmtao. S a varávl artfcal prmacr potva a a olução fal o problma Bg-M tão o problma programação lar orgal é factívl. Cao cotráro ou o problma orgal é frormt lmtao ou é a olução ótma o problma programação lar orgal. pó a coraçõ o mcamo ca vê- o crtéro paraa para a mplmtação o algortmo Prmal fm. orma.3.: Coçõ Otmala Karuh-Kuh-ucr - KK * é uma olução Cor o problma 4.ab o problma o formato ual 4.c. O vtor é olução ótma para o Problma Dual 4.c omt : b factbla prmal ótma o problma 4.ab * * 4 Procg of th 9th Brala Cofrc o Damc Cotrol a thr pplcato Srra Ngra SP - ISSN

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas

CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO. capítulo ver-se-á como obter um sistema digital controlado através de técnicas 3 CAPÍTULO 3 TÉCNICAS USADAS NA DISCRETIZAÇÃO A técnca uada para obtr um tma dgtal controlado nctam, bacamnt, da aplcação d algum método d dcrtação. Matmatcamnt falando, pod- obrvar qu o método d dcrtação

Leia mais

C. Almeida (1987) Determinação da transmissividade e coeficiente de armazenamento por ensaios de recuperação

C. Almeida (1987) Determinação da transmissividade e coeficiente de armazenamento por ensaios de recuperação C. Almda (1987 Dtrmação da tramvdad cofct d armazamto or ao d rcuração Hdrogologa y Rcuro Hdráulco, t. XII,. 689-694. IV IMPOIO DE HIDROGEOLOGÍA ALMEIDA, Carlo DEERMINAÇÃO DE RANMIIVIDADE E COEFICIENE

Leia mais

Capitulo 5 Resolução de Exercícios

Capitulo 5 Resolução de Exercícios Captulo 5 Rsolução Exrcícos FORMULÁRIO Dscoto Racoal Smpls D ; D ; ; D R R R R R R Dscoto Comrcal Smpls D ; ; D C C C C Dscoto Bacáro Smpls D s ; s ; D b b b b s Db ; b Rlaçõs tr o Dscoto Racoal Smpls

Leia mais

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados

Exercícios de Cálculo Numérico Interpolação Polinomial e Método dos Mínimos Quadrados Eercícos e Cálculo Numérco Iterpolação Polomal e Métoo os Mímos Quaraos Para a ução aa, seja,, 6 e, 9 Costrua polômos e grau, para apromar, 5, e ecotre o valor o erro veraero a cos b c l Use o Teorema

Leia mais

Sistema de Detecção, Localização e Isolamento de Ramos com Vazamento em Redes de Gás Natural

Sistema de Detecção, Localização e Isolamento de Ramos com Vazamento em Redes de Gás Natural Stma Dtcção, ocalzação Iolamnto Ramo com Vazamnto m R Gá Natural Joé Wanrly Scucugla lo orra Souza rtan Mara M. M. Patríco Núclo Enrga, Automação ontrol NEA, UNIDERP, Rua rará, 900-00, ampo Gran, MS E-mal:

Leia mais

Um Modelo de Compressão de Imagens Digitais Baseado em Codificação Fractal e Quantização Vetorial (VQ)

Um Modelo de Compressão de Imagens Digitais Baseado em Codificação Fractal e Quantização Vetorial (VQ) Um Molo Comprssão Imags Dgtas Basao m Cofcação Fractal Quatzação Vtoral (VQ) João Paulo I. F. Rbas Uvrsa Fral Ubrlâa Dpartamto Eghara Elétrca Ubrlâa-MG, Brasl joaorbas@gmal.com Glbrto A. Carrjo Uvrsa Fral

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Métodos Matemáticos Aplicados / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Univridad Salvador UNIFACS Curo d Engnharia Método Matmático Alicado / Cálculo Avançado / Cálculo IV Profa: Ilka Rbouça Frir A Tranformada d Lalac Txto 3: Dlocamnto obr o ixo t. A Função Dgrau Unitário.

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE

1. A TRANSFORMADA DE LAPLACE Equaçõ Difrciai - Traformada d Laplac A TRANSFORMADA DE LAPLACE Dfiição: Sja f() uma fução ral dfiida para > Eão a raformada d Laplac d f(), doada por L [ ( ) ] f é dfiida por: L [ f ( ) ] F( ) f( )d,

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores gaização Aquiua compuao oução Pipliigéuma écica implmação m qu váia iuçõ ão obpoa a xcução Exmplo: lavagm oupa Mlhoao o mpho com pipliig Pof. D. Luciao Joé Sg Pipliig abalho é iviio m apa ou ágio Técica

Leia mais

Curso: Engenharia Industrial Elétrica. Análise de variáveis Complexas MAT 216 Turma: 01

Curso: Engenharia Industrial Elétrica. Análise de variáveis Complexas MAT 216 Turma: 01 urso: Egharia Idustrial Elétrica Aális d variávis omplas MAT 6 Profssora: Edmary S B Araújo Turma: Lista d Provas Rspodu Jsus: Em vrdad, m vrdad t digo: qum ão ascr da água do Espírito ão pod trar o rio

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 3º Ciclo Crtéro d Avalação do Enno Báo - 3º Clo Língua Portugua ATITUDES Formação para a dadana. DOMÍNIOS DO CONHECIMENTO E PERCENTAGENS COMPETÊNCIAS Comprnão oral ACTIVIDADES/ /INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Ralzação

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini - Novembro 2013 Txto para Coluna do NRE-POLI na Rvita Contrução Mrcado Pini - Novmbro 2013 Rico do Tomador do Agnt Financiro no Uo do Sitma Pric m rlação ao Sitma SAC no Financiamnto d Imóvi Ridnciai Prof. Dr. Claudio

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para:

SC101. Decibelímetro integrador classe 1 com protocolos de medição FOI TÃO FÁC. Aplicações Dispõe de protocolos de medição para: Dciblímtro intgrador cla 1 com protocolo d mdição Aplicaçõ Dipõ d protocolo d mdição para: Ruído grado por vículo a motor Nívi onoro mitido produzido por atividad vizinhança UÍDO NUNA MEDIR O R IL FOI

Leia mais

CONTROLADOR ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA E ESTRUTURA VARIÁVEL APLICADO AO CONTROLE DE UM GERADOR SÍNCRONO

CONTROLADOR ADAPTATIVO POR MODELO DE REFERÊNCIA E ESTRUTURA VARIÁVEL APLICADO AO CONTROLE DE UM GERADOR SÍNCRONO OROLAOR AAAIVO OR MOELO E REFERÊIA E ESRUURA VARIÁVEL ALIAO AO OROLE E UM GERAOR SÍROO MARUS V A FERAES ARE LIMA E ALAYR ARAÚJO Lboóo Acoo ool Ição o Eh Eléc Uv Fl o Ro G o o 9-9 - l R Bl E-l: cv@lco @yhooco

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS APROXIMADOS EM ENGENHARIA: Álgebra Linear, Geometria Analítica, Cálculo e Equações Diferenciais,

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS APROXIMADOS EM ENGENHARIA: Álgebra Linear, Geometria Analítica, Cálculo e Equações Diferenciais, UVERSDADE FEDERAL DO PARAÁ SETOR DE TECOLOGA/SETOR DE CÊCAS EXATAS DEPARTAMETO DE EGEHARA CVL/ DEPARTAMETO DE MATEMÁTCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÉTODOS UMÉRCOS EM EGEHARA TRODUÇÃO AOS MÉTODOS APROXMADOS

Leia mais

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre

Uma Calculadora Financeira usando métodos numéricos e software livre Uma Calculadora Facera usado métos umércos e software lvre Jorge edraza Arpas, Julao Sott, Depto de Cêcas e Egeharas, Uversdade Regoal ItegradaI, URI 98400-000-, Frederco Westphale, RS Resumo.- Neste trabalho

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações

Algoritmos de Interseções de Curvas de Bézier com Uma Aplicação à Localização de Raízes de Equações Algortmos de Iterseções de Curvas de Bézer com Uma Aplcação à Localzação de Raízes de Equações Rodrgo L.R. Madurera Programa de Pós-Graduação em Iformátca, PPGI, UFRJ 21941-59, Cdade Uverstára, Ilha do

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

GALERKIN, PETROV-GALERKIN E MÍNIMOS QUADRADOS PARA A SOLUÇÃO DA CONVECÇÃO-DIFUSÃO TRANSIENTE

GALERKIN, PETROV-GALERKIN E MÍNIMOS QUADRADOS PARA A SOLUÇÃO DA CONVECÇÃO-DIFUSÃO TRANSIENTE va Ibroamrcana d Ingnría Mcánca. Vol. 6.º pp. 6-74 0 GALEKI PEOV-GALEKI E MÍIMOS QUADADOS PAA A SOLUÇÃO DA COVECÇÃO-DIFUSÃO ASIEE ESAE CLAO OMÃO JAIO APAECIDO MAIS JOÃO BAISA CAMPOS SILVA 3 JOÃO BAISA

Leia mais

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão

LCE2112 Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais 2010/02. Exemplos de revisão LCE Etatítca Aplcada à Cêca Soca e Ambeta 00/0 Eemplo de revão Varável Aleatóra Cotíua Eemplo: Para e etudar o comportameto de uma plata típca de dua, a Hydrocotlle p., quato ao eu deevolvmeto, medu-e

Leia mais

CAPÍTULO 9 CORRELAÇÃO E REGRESSÃO

CAPÍTULO 9 CORRELAÇÃO E REGRESSÃO CAPÍTULO 9 CORRELAÇÃO E REGRESSÃO Exst um cojuto d métodos statístcos qu vsam studar a assocação tr duas ou mas varávs alatóras. Dtr tas métodos, a tora da rgrssão corrlação ocupa um lugar d dstaqu por

Leia mais

A solução mais geral da equação anterior tem a forma: α 2 2. Aplicando estes resultados na equação do MHS, temos que:

A solução mais geral da equação anterior tem a forma: α 2 2. Aplicando estes resultados na equação do MHS, temos que: . qação para o MHS Qano o oino corpo cr a rajória, a parir cro inan coça a rpir a rajória, izo q oino é prióico. O po q o corpo gaa para olar a prcorrr o o pono a rajória é chaao príoo. No noo coiiano

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico

Capítulo 1: Erros em cálculo numérico Capítulo : Erros em cálculo umérco. Itrodução Um método umérco é um método ão aalítco, que tem como objectvo determar um ou mas valores umércos, que são soluções de um certo problema. Ao cotráro das metodologas

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes

UERJ CTC IME Departamento de Informática e Ciência da Computação 2 Cálculo Numérico Professora Mariluci Ferreira Portes UERJ CTC IE Departameto de Iormátca e Cêca da Computação Udade I - Erros as apromações umércas. I. - Cosderações geras. Há váras stuações em dversos campos da cêca em que operações umércas são utlzadas

Leia mais

A Origem do Potencial de Membrana e a Equação de Nernst

A Origem do Potencial de Membrana e a Equação de Nernst 5915756 Itrodução à Nuroêa Computaoal Atoo Roqu Complmto à aula Equaçõs d Nrst d GHK A Orgm do Potal d Mmbraa a Equação d Nrst A razão pla qual xst uma dfrça d potal létro através da mmbraa uroal é porqu

Leia mais

(1) Raízes n-ésimas. r cos. nϕ = θ + 2kπ; k = 0, 1, 2, 3, 4,... ρ n cos nϕ = r cos θ ρ n = r ρ= (r) 1/n. Portanto:

(1) Raízes n-ésimas. r cos. nϕ = θ + 2kπ; k = 0, 1, 2, 3, 4,... ρ n cos nϕ = r cos θ ρ n = r ρ= (r) 1/n. Portanto: Raís -ésmas A ra -ésma d um úmro complxo s é o complxo s Vamos vr qu os complxos possum raís dfrts!!! Em coordadas polars: s r cos θ s θ ρ cos ϕ s ϕ Aplcado Movr trmos: r cos θ s θ ρ cos ϕ s ϕ Portato:

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o

v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o v a p r a f e i r a (. c o m ) u m p r o j e t o d e i n c e n t i v o a o u s o d o e s p a ç o p ú b l i c o vaprafeira.com M a r i n a B r i z a M o re l l i O r i e nta d o ra : I s a b e l A b a

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 MEDIDA DE INDUTÂNCIA POR ONDA RETANGULAR

EXPERIÊNCIA 7 MEDIDA DE INDUTÂNCIA POR ONDA RETANGULAR UMCCE Eng. Elérca m - ab. Crco Elérco Prof. Wlon Yamag EXPEÊNC 7 MEDD DE NDUÂNC PO OND ENGU NODUÇÃO O objvo báco da xprênca é mdr a ndânca a rênca d ma bobna zando ma onda ranglar. O prncípo da mdção é

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados Sisma para vrificação Lógica do Corolo Dzmro 3 4. ális d Sismas d Corol por Espaço d Esados No capiulo arior, vimos qu a formulação d um Prolma Básico d Corolo Ópimo Liar, ra cosidrado um sisma diâmico

Leia mais

Capitulo 4 Resolução de Exercícios

Capitulo 4 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO i Taxa Proporcioal ou quivalt (juros simpls) i k Taxas Equivalts (juros compostos) 3 i i i i i i i 4 6 360 a s q t b m d Taxa Eftiva Nomial k i i p ao príodo d capitalização ; i k Taxa Ral Taxa

Leia mais

r R a) Aplicando a lei das malhas ao circuito, temos: ( 1 ) b) A tensão útil na bateria é: = 5. ( 2 ) c) A potência fornecida pela fonte é: .

r R a) Aplicando a lei das malhas ao circuito, temos: ( 1 ) b) A tensão útil na bateria é: = 5. ( 2 ) c) A potência fornecida pela fonte é: . Aula xploraóra 07. Qusão 0: Um rssor d Ω é lgado aos rmnas d uma bara com fm d 6V rssênca nrna d Ω. Drmn: (a) a corrn; (b) a nsão úl da bara (so é, V V ); a b (c) a poênca forncda pla fon da fm ; (d) a

Leia mais

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

Automotive Service Center Soluções completas para empresas e profissionais do setor automotivo

Automotive Service Center Soluções completas para empresas e profissionais do setor automotivo A Boch traz para você a oficina do futuro Oficina autopça d todo o mundo têm a Boch como um grand técnico mprariai criado pcialmnt para difrnciar ua mpra no mrcado. té A gama mai complta d pça d rpoição.

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Itrodução Aálie o domíio do tempo Repota ao degrau Repota à rampa Repota à parábola Aálie o domíio da freqüêcia Diagrama de Bode Diagrama de Nyquit Diagrama de Nichol Eta aula EM

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística

Matemática. Resolução das atividades complementares. M18 Noções de Estatística Resolução das atvdades complemetares Matemátca M8 Noções de Estatístca p. 3 (UFRJ) Dos estados do país, um certo ao, produzem os mesmos tpos de grãos. Os grácos de setores lustram a relação etre a produção

Leia mais

Placas Circulares 5.1. Capítulo 5

Placas Circulares 5.1. Capítulo 5 lacas culas 5. aítulo 5 lacas culas 5. Itoução O cálculo aalítco as lacas cculas é ossívl, o caso xst smta as coçõs cotoo as coçõs solctação m lação ao xo omal à sufíc méa assao lo cto a laca, xo smta.

Leia mais

Introdução aos Conversores CC-CC

Introdução aos Conversores CC-CC INIUO E ELERÔNICA E POÊNCIA epartamento de Engenhara Elétrca Centro ecnológco UNIERIAE FEERAL E ANA CAARINA Introdução ao Converore CCCC Reponável pelo Etudo: Clóv Antôno Petry (INEP/EEL UFC) Orentador:

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores

GERADORES E RECEPTORES. Setor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Calil. Geradores GERADORES E RECEPTORES Stor 1202 Aulas 58, 59, 60 Prof. Call Gradors São sstmas qu convrtm um dtrmnado tpo d nrga, m nrga létrca. Cram mantém nos sus trmnas, uma dfrnça d potncal. São xmplos d gradors

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Faculdade de Ecooma, Admstração e Cotabldade de Rberão Preto Ecooma Moetára Curso de Ecooma / º. Semestre de 014 Profa. Dra. Rosel da Slva Nota de aula CAPM Itrodução Há dos modelos bastate utlzados para

Leia mais

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida.

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida. . EQUAÇÕES DIFERENCIAIS.. Coceito e Classificação Equação iferecial é uma equação que apreseta erivaas ou ifereciais e uma fução escohecia. Seja uma fução e e um iteiro positivo, etão uma relação e igualae

Leia mais

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL

13 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL 3 ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS E DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL Como vto em amotragem o prmero bmetre, etem fatore que fazem com que a obervação de toda uma população em uma pequa eja mpratcável, muta veze em vrtude

Leia mais

Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt

Departamento de Física, Universidade de Aveiro, 3810-193, Aveiro, Portugal Contacto: mart@fis.ua.pt A EVAPORAÇÃO DA ÁGUA NUMA PERSPECTIVA DE CICLO HIDROLÓGICO Mário Talaia Aa Colho Dpartamto d Fíica, Uivridad d Aviro, 3810-193, Aviro, Portugal Cotacto: mart@fi.ua.pt RESUMO A Educação m Ciêcia cotitui

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Levantamento de características referentes à análise de redes sociais nas comunidades virtuais brasileiras de jogos on-line

Levantamento de características referentes à análise de redes sociais nas comunidades virtuais brasileiras de jogos on-line Lvatamto d caractrítica rfrt à aáli d rd ociai a comuidad virtuai brailira d joo o-li Lia C. Rodriu Pollyaa N. Mutaro Uivridad Prbitriaa Mackzi, Dpt. of Computr Scic, Brazil CEP: 01302-907 Abtract Oli

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CALOR II Prof. Eduardo C. M. Lourro, DSc. ANÁLISE TÉRMICA Dtrmnação da ára rqurda para transfrr o calor, numa dtrmnada quantdad por undad d tmpo, dadas as vlocdads d scoamnto as tmpraturas

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de.

MEEC Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. MCSDI Modelação e Controlo de Sistemas Dinâmicos. Exercícios de. EEC rado Engnharia Elroénia d Copuador CDI odlação Conrolo d ia Dinâio Exríio d Função Driiva Conuno d xríio laborado plo don Joé Tnriro ahado JT, anul ano ilva, Víor Rodrigu da Cunha VRC Jorg Erla da

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Formatação de fonte. Teorema da amostragem

Formatação de fonte. Teorema da amostragem Formatação de ote 1 Teorema da amotragem Do aalógico para o digital A amotragem (itatâea) de um ial ou orma de oda aalógica é o proceo pelo qual o ial paa a er repreetado por um cojuto dicreto de úmero.

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Cocetos Báscos de Matemátca Facera Uversdade do Porto Faculdade de Egehara Mestrado Itegrado em Egehara Electrotécca e de Computadores Ecooma e Gestão Na prátca As decsões faceras evolvem frequetemete

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS

FACULDADES UNIFICADAS DA. Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE B ARRETOS FACULDADES UNIFICADAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Curso de Direito Escritório de Assistência Jurídica Registro OAB 6614 REGULAMENTO DO NÚ CLEO DE PRÁ TICA JURÍ DICA DA F UNDAÇ Ã O EDUCACIONAL DE

Leia mais

O EMPREITEIRO. Copatrocínio

O EMPREITEIRO. Copatrocínio KH T M W TÃ G A N F NAL UC Lp D CA -A 1200 ÁT X A JT - / A ã 5 1 0 2 D m 26 A A ç p 27 MW c áb fz h C J F g c h Lb 290/ -116 6 1 0 y 2 w h çã f pc G pc m D x f L ª 4 G c M A Jg q A b é C gh H V V g ã M

Leia mais

Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador

Inspeção Industrial Através de Visão Computacional. Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Inspeção Industrial Através de Visão Computacional Maurício Edgar Stivanello Paulo César Rodacki Gomes - Orientador Roteiro da apresentação 1 Introdução 2 Fundamentação teórica 3 Desenvolvimento do Trabalho

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEIC) Resposta em Frequência

Sistemas e Sinais (LEIC) Resposta em Frequência Sismas Siais (LEIC Rsposa m Frquêcia Carlos Cardira Diaposiivos para acompahamo da bibliografia d bas (Srucur ad Irpraio of Sigals ad Sysms, Edward A. L ad Pravi Varaiya Sumário Dfiiçõs Sismas sm mmória

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial

Econometria: 4 - Regressão Múltipla em Notação Matricial Ecoometra: 4 - Regressão últpla em Notação atrcal Prof. arcelo C. ederos mcm@eco.puc-ro.br Prof. arco A.F.H. Cavalcat cavalcat@pea.gov.br Potfíca Uversdade Católca do Ro de Jaero PUC-Ro Sumáro O modelo

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

CONTRATO Nº 229/ 2014

CONTRATO Nº 229/ 2014 CONTRATO Nº 229/ 2014 Prestação de Serviços de Consultoria especializada em gestão na área de planejamento estratégico e mapeamento de processos. Que fazem entre si de um lado a Prefeitura Municipal de

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A.

MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS. M. Z. Nascimento, A. F. Frère e L. A. MÉTODO COMPUTACIONAL AUTOMÁTICO TICO PARA PRÉ-PROCESSAMENTO PROCESSAMENTO DE IMAGENS RADIOGRÁFICAS M. Z. Nascmeto, A. F. Frère e L. A. Neves INTRODUÇÃO O cotraste as radografas vara ao logo do campo de

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Alcindo do Prado Junior. Controle de Processos Industriais

Alcindo do Prado Junior. Controle de Processos Industriais Alcdo do Prado Juor Cotrole de Proceo Idutra 00 Cotrole de Proceo Idutra Ídce. INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE SISTEMAS DINÂMICOS..... Clafcação do Cotrole Quato à Etrutura..... Clafcação do Cotrole Quato à

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GVIÇÃO UNIVESL z- u ci féric u fr chubo rio, l qu u uprfíci ngnci uprfíci xrn fr chubo p plo cnro priii fr chubo r D coro co Li Grição Unirl, qul rá forç co qu fr chubo rirá u pqun fr locliz à iânci, o

Leia mais