Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto. Escola Chinesa Escola Japonesa. Professora Tânia Mara Flores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto. Escola Chinesa Escola Japonesa. Professora Tânia Mara Flores Email: taniamaraflores@gmail."

Transcrição

1 Acupuntura Escalpeana Craniopuntura de Yamamoto Escola Chinesa Escola Japonesa Professora Tânia Mara Flores

2 A craniopuntura divide-se em duas escolas: Chinesa e Japonesa ou de Yamamoto É uma terapia que consiste em puncionar determinadas áreas específicas do couro cabeludo, que tratam no caso da Chinesa, patologias principalmente neurológicas e a Japonesa patologias com áreas correspondentes aos Zang Fu e áreas anatômicas do corpo. Esta técnica desenvolveu-se com o conhecimento das áreas representativas do córtex cerebral.

3 Definição Craniopuntura ou Escalpuntura é a Acupuntura realizada em pontos sobre o crânio. O crânio é um micro-sistema, ou seja, temos uma representação de todo o corpo na cabeça e seus pontos podem ser estimulados como se estivéssemos estimulando os pontos de Acupuntura no corpo. O estímulo pode ser feito com agulhas ou com outras formas como cores, sons, pressão com os dedos ou instrumentos, moxabustão. Estando diretamente acima do cérebro recomenda-se não usar estímulos elétricos ou estímulos magnéticos muito fortes.

4 Histórico A Craniopuntura chinesa desenvolveu-se por volta de 1960, baseada no conhecimento da neurologia, pelo neurocirurgião Chiao Shu Fa. As áreas para inserção das agulhas correspondem, no couro cabeludo e na fronte, aos sulcos do cérebro que recebem informações ou controlam determinadas partes do corpo. Em 1973 o Dr. Toshikatsu Yamamoto apresentou num encontro da Sociedade Japonesa de Ryodoraku a Nova Craniopuntura de Yamamoto, ou Yamamoto New Scalp Acupuncture, conhecida como YNSA, que apresenta um conceito diferente da chinesa, estando os pontos localizados na região da linha de inserção dos cabelos e das têmporas, que podem ser classificados como uma representação somática do corpo.

5 Como um micro-sistema, com representação do corpo, não há pontos que possam causar danos a estruturas mais internas como pode ocorrer na Acupuntura sistêmica. Na Craniopuntura original há uma maior atuação sobre paralisias, no entanto as agulhas são introduzidas em maior extensão o que pode ser desconfortável. Na YNSA as agulhas são introduzidas em menor profundidade, ao estilo japonês, com menos desconforto.

6 Técnica de Diagnóstico Paciente deitado em decúbito dorsal ou sentado. Explicar o que vai fazer para não impressiona-lo. O terapeuta deve estar numa posição confortável. Pressionar os pontos com o cabo da agulha dentro das determinadas áreas e patologias correspondentes para localizar os pontos sensíveis, que apresentem dor, rubor ou edema. Elege-se o ponto mais dolorido da área palpada para a inserção. As áreas ficam em geral, próximas a linha do cabelo.

7 Sensibilidade Grau 1- uma sensibilidade local, não necessariamente dor. Grau 2- sensibilidade aumentada e com dor, que podem levar a pensar em excesso, quadro agudo ou crônico agudisado. Edemas Quando demora a voltar a sua forma, após pressionado, indica deficiência. Quando volta rápido a sua forma original, indica excesso.

8 Técnica de inserção Utiliza-se em geral agulhas de 0,25/15mm. São menores mais difíceis de quebrar e dão mais segurança. Fazer assepsia com álcool 70 Utiliza-se o lado oposto para patologias unilaterais Puncionar subcutâneo mais ou menos 5º e depois tangencialmente a pele para não causar dor, e introduzir de 1 a 2 cm.

9 Período de tratamento 1 vez ao dia ou alternar durante 10 a 15 dias, dependendo da gravidade pode reiniciar após 5 ou 7 dias nova série

10 Cuidados e contra indicações Fazer assepsia local Observar a artéria cranial próxima a raiz mediana do cabelo. A inserção deve ser firme e rápida Não aplicar em : Não aplicar em : casos de hemorragia cerebral( espera-se estabilizar o quadro e a pressão sanguínea) pacientes debilitados, fracos, sem se alimentar casos agudos de febre ou agudos cardíacos ( exige muito Qi do paciente) em pressão sanguínea muito baixa

11 A técnica japonesa

12 DENOMINAÇÃO LOCALIZAÇÃO ZONA DE ATUAÇÃO INDICAÇÕES PONTO A NA IMPLANTAÇÃO FRONTAL DOS CABELOS, APROXIMADAMENTE ½ EM LATERALMENTE À LINHA MEDIANA COM APROXIMADAMENTE 2 cm DE COMPRIMENTO CABEÇA E COLUNA CERVICAL CEFALÉIAS, ENXAQUECAS, NEURLAGIA DO TRIGÊMEO, ATM, PARALISIAS FACIAIS, CERVICALGIA, DOR DE DENTE, HERPES FACIAL, TONTURAS, LABIRINTITE E PÓS OPERATÓRIO DA EXTRAÇÃO DE AMÍGDALAS PONTO B NA IMPLANTAÇÃO DOS CABELOS EM LINHA RETA INICIANDO- SE EM YINTANG, ENTRE AS SOMBRANCELHAS, A ½ cm LATERALMENTE AO PONTO ANTERIOR E COM 2 cm APROXIMADAMENTE COLUNA CERVICAL E OMBRO BURSITES, TENDINITES DE OMBRO, LUXAÇÕES PONTO C NO ÂNGULO ENTRE A IMPLANTAÇÃO FRONTAL E TEMPORAL DOS CABELOS, INICIANDO-SE NO YINTANG, EM ANGULAÇÃO OBLÍQUA DE 30º E COM EXTENSÃO DE 2 cm NA ALTURA DO E8 (TOWEI) OMOPLATA E MEMBRO SUPERIOR EPICONDILITE, SÍNDROME DO CARPO, DOENÇA DE RAYNAUD (FALTA DE CIRCULAÇÃO PERIFÉRICA NAS MÃOS), OMBRO-MÃO

13 PONTO D NA ÁREA TEMPORAL DE IMPLANTAÇÃO DOS CVABELOS, TIRANDO UMA LINHA RETA HORIZONTAL DO CANTO DO OLHO AO ÂNGULO INICIAL SUPERIOR DA ORELHA DO D1 AO D6 CONFORME O ESQUEMA COLUNA LOMBAR, BACIA E MEMBROS INFERIORES LOMBALGIAS, LOMBOCIALTAGIAS, COXARTROSE, GONARTROSE, LUXAÇÃO HABITUAL DA PATELA, AQUILODÍNIAS, CALCANEODÍNIAS, HEMORRAGIAS, PARALISIA DOS MEMBROS INFERIORES, PROBLEMAS UROGENITAIS,IMPOTÊNCI A SEXUAL. PONTO E NO MEIO DA LINHA RETA ENTRE O YINTANG E O COMEÇO DA IMPLANTAÇÃO DOS CABELOS, A 45º NA ALTURA DO VB14 (YANGBAI) AGULHAS APROFUNDADAS ATÉ 1cm A 30º CAIXA TORÁCICA E COLUNA DORSAL INTERCOSTONEURALGIAS, HERPES ZOSTER (TIPO ABRAÇADORA), ASMA BRONQUICA, ALERGIAS RESPIRATÓRIAS, PATOLOGIAS NASAIS E LARINGE

14 PONTO DO OLHO 0,5 cm AO LADO DA LINHA MEDIANA, ABAIXO DO PONTO A OLHOS PATOLOGIAS OCULARES, COMO POR EXEMPLO, CONJUNTIVITE INFECCIOSA OU ALÉRGICA PONTO DO NARIZ NA VERTICAL, ABAIXO DO PONTO DO OLHO NARIZ RINITES, SINUSITES, EPISTAXES OCASIONAIS OU RECIDIVANTES PONTO DA BOCA NA VERTICAL, ABAIXO DO PONTO DO NARIZ BOCA ESTOMATITES, AFTOSES PARADONTOSES, GENGIVITES, QUEIMAÇÃO DA LÍNGUA, DISTÚRBIOS DE PALADAR E DA FALA, ODONTALGIAS, COMPLICAÇÕES PÓS OPERATÓRIAS DE EXTRAÇÃO DENTÁRIA PONTO DO OUVIDO NO PROLONGAMENTO CAUDAL QUE VAI DO PONTO C AO YINTANG ORELHAS E OUVIDOS SEQUELAS PÓS OPERATÓRIAS, DISTÚRBIOS AUDITIVOS, OTITE MÉDIA, AGUDA OU RECIDIVANTE

15 A técnica Chinesa

16 Localização das áreas de estímulos: Marcar 2 linhas básicas 1ªLinha de referencia da glabela ate a protuberancia occipital 2ªLinha de referencia do ponto médio das sobrancelhas por cima das orelhas até a protuberancia occipital

17

18 Linha motora meio cm atrás do ponto médio passando pelo ponto de cruzamento com a 2ª linha de referencia. Divide-se em 5 partes

19

20 Linha sensitiva ou área sensorial- 1,5 cm atrás da motora Divide-se em 5 partes Linha de Parkinson ou Coréia ou de tremor- 1,5 cm a frente da motora

21

22 Zona de dilatação das artérias ou vascular- 3 cm na frente da linha motora.

23

24 Zona de vertigem ou audição- 1,5cm acima da orelha 2 cm para trás e para frente perda da audição linha completa Zona da Fala ll paralela a 1ª linha de referencia 2 cm atrás da eminência parietal, 3 cm para baixo Zona da Fala lll- 4 cm atrás do cetro da zona de audição- afasia sensorial-dificil compreesão

25

26 Zona de movimentos finos Traçar uma vertical pelo VG 20 até alcançar a 2ª linha de referencia dividir em 5 partes, a partir do 2ª quinto superior traçar a vertical de 3 cm e da ponta superior traçar 2 linhas de 3 cm uma para frente, uma para trás fazendo ângulo de 45º

27

28 Zona sensitiva e motora do pé- paralela 1 cm da 1ª linha de referencia(lr)do ponto médio desta linha Zona da visão- 2 linhas de 4 cm a 1 cm laterais da 1ª LR a partir do ponto médio da protuberância occipital direcionada para cima.

29

30 Zona do Equilíbrio- 2 linhas de 4 cm a 3,5 cm laterais da 1ª LR a partir do ponto médio da protuberância occipital direcionada para baixo.

31

32 Zona do Estômago- na linha da raiz do cabelo, 2 linhas verticais para cima na direção da pupila Zona da cavidade torácica- 4 cm da linha média, 2 cm para baixo e 2 para cima Zona genital- 2 linhas verticais de 2 cm para cima no ângulo do osso temporal

33 Fim

34

35

36

37

38

39

40

41

42 Localizador Escalpiano

43

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA

dr-cesar TERAPIAS ENERGÉTICAS CURSOS AMBULATÓRIO E CONSULTORIA CRANIOPUNTURA DE YAMAMOTO - YNSA Dr. Wu Tou Kwang www.ceata.com.br Na YNSA, como em qualquer outro microssistema, não existem pontos, nem regiões delimitadas, mas apenas áreas com limites dinâmicos, variando

Leia mais

AULACRÂNIO-ACUPUNTURA CHINESA

AULACRÂNIO-ACUPUNTURA CHINESA AULACRÂNIO-ACUPUNTURA CHINESA NEUROANATOMIA CRÂNIO-ACUPUNTURA É UM MICROSSISTEMA DA ACUPUNTURA QUE TRATA DISTÚRBIOS NEUROLÓGICOS E/OU DISTÚRBIOS ASSOCIADOS À ELES, ATRAVÉS DO ESTÍMULO DE DETERMINADAS ZONAS

Leia mais

Aula de Craniopuntura. Prof. André Jaña Rosa

Aula de Craniopuntura. Prof. André Jaña Rosa Aula de Craniopuntura Prof. André Jaña Rosa Arículoterapia Pontos de Alarme Sooji Chim MICROSSISTEMAS: CRANIOPUNTURA: Chinesa - Chiao Shu Fa (década de 60) Japonesa - YNSA = Yamamoto s New Scalp Acupuncture

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012. Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira

CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012. Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA EBRAMEC- SP julho/2012 Palestra: ACUPUNTURA DO BALANCEAMENTO Prof. Silvia Ferreira Método desenvolvido pelo prof Wang Wen Yuan, da província de Shandong China.

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura

Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura Algumas das Doenças Tratáveis com Acupuntura REGIÃO CERVICAL, OMBROS E MEMBROS SUPERIORES Dor muscular dor decorrente de traumatismo esportivo, por erro de postura e/ou tensão emocional. Exemplo: dor no

Leia mais

Centro de Acupunctura do Funchal

Centro de Acupunctura do Funchal Centro de Acupunctura do Funchal Medicina Tradicional Chinesa Dr António Franco Medicina Tradicional Chinesa Centro de Acupunctura do Funchal CAF Medicina Tradicional Chinesa Existe há pelo menos 5 mil

Leia mais

PONTOS DE ACUPUNTURA CONCEITO LOCALIZAÇÃO INSERÇÃO e MANIPULAÇÃO DAS AGULHAS MÉTODOS DE TONIFICAÇÃO E SEDAÇÃO CLASSIFICAÇÃO TE Qi

PONTOS DE ACUPUNTURA CONCEITO LOCALIZAÇÃO INSERÇÃO e MANIPULAÇÃO DAS AGULHAS MÉTODOS DE TONIFICAÇÃO E SEDAÇÃO CLASSIFICAÇÃO TE Qi PONTOS DE ACUPUNTURA CONCEITO LOCALIZAÇÃO INSERÇÃO e MANIPULAÇÃO DAS AGULHAS MÉTODOS DE TONIFICAÇÃO E SEDAÇÃO CLASSIFICAÇÃO TE Qi Dr. Henrique Sidi CONCEITO ENERGÉTICO - representação mais exterior dos

Leia mais

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012

Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC. Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Tratamento das patologias vestibulares segundo a MVTC Carolina C. T. Haddad Congresso da ABRAVET Março de 2012 Sistema Vestibular Introdução Função: transmitir a informação do ouvido interno até o cérebro

Leia mais

MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DO APARELHO TERAPÊUTICO ELETROMAGNÉTICO KENKOBIO

MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DO APARELHO TERAPÊUTICO ELETROMAGNÉTICO KENKOBIO MÉTODOS PARA APLICAÇÃO DO APARELHO TERAPÊUTICO ELETROMAGNÉTICO KENKOBIO ALGUMAS REGRAS PARA A TERAPIA: 1) Horas de terapia - Criança de até 10 anos de idade, utilizá-lo por metade do tempo. - Para o adulto,

Leia mais

LOMBALGIA. Segundo Bernard Auteroche. instituto de acupuntura tradicional 1

LOMBALGIA. Segundo Bernard Auteroche. instituto de acupuntura tradicional 1 LOMBALGIA Segundo Bernard Auteroche instituto de acupuntura tradicional 1 instituto de acupuntura tradicional 2 Fisiologia Energética n A MTC, através da acupuntura, nos ensina que o corpo humano é recoberto

Leia mais

SISTEMA LEVITAR DE CABEÇA

SISTEMA LEVITAR DE CABEÇA SISTEMA LEVITAR DE CABEÇA O equipamento deve estar completamente desmontado com os seguintes componentes e quantidades: Quantidades 1 INICIAR A REGULAGEM: o usuário a seguir serve apenas como referência

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson.

** Pessoas jovens com má alimentação e estresse emocional que também geram vento no Fígado também estão propícios a ter Parkinson. Doença de Parkinson A Doença de Parkinson é uma síndrome caracterizada por lentidão de movimento, rigidez e tremor resultante de disfunção nos glânglios da base, com diminuição da dopamina e aumento da

Leia mais

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose?

HIPNOSE. Como funciona a Hipnose? REIKI O Reiki é uma técnica japonesa de canalização de energia, passada através do toque das mãos para a harmonização dos corpos físico, emocional, mental e energético e baseia-se na ideia de que uma "energia

Leia mais

ACUPUNTURA PARA ENFERMEIROS: CURSO INTENSIVO (JAN 2015) - PORTO

ACUPUNTURA PARA ENFERMEIROS: CURSO INTENSIVO (JAN 2015) - PORTO ACUPUNTURA PARA ENFERMEIROS: CURSO INTENSIVO (JAN 2015) - PORTO A acupuntura é a área da Medicina Chinesa (MC) com maior visibilidade e popularidade no mundo ocidental, sendo cada vez mais procurada pelos

Leia mais

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI;

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; Pós-Graduado em Educação Física Escolar-UFPI Mestre em Ciências e Saúde -UFPI EXPERIÊNCIA PROFISSICIONAL

Leia mais

ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO SUSILAINE MORAES AQUINO 35 - B

ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO SUSILAINE MORAES AQUINO 35 - B 1 ESCOLA DE TERAPIAS ORIENTAIS DE SÃO PAULO SUSILAINE MORAES AQUINO 35 - B PRINCÍPIOS DA MAGNETOTERAPIA APLICADA À ACUPUNTURA São Paulo 2011 2 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO... 3 2. TEORIA GERAL... 4 3. INDICAÇÕES...

Leia mais

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2

MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 MERIDIANO DO PULMÃO 11 PONTOS PONTO LOCALIZAÇÃO FUNÇÃO P1 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCIA ANTERIOR, 1 CUN ABAIXO DE P2 P2 P3 NA PARTE SUPERIOR LATERAL DA PAREDE TORÁCICA ANTERIOR, ACIMA DA

Leia mais

Acupuntura do. Acupuntura do 2 Metacarpo

Acupuntura do. Acupuntura do 2 Metacarpo Acupuntura do Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho Silva Filho Introdução Apresentação

Leia mais

PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL

PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI 77 06/04/1998 Padrão Oficial da Raça PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL EPAGNEUL NAIN CONTINENTAL PAPILLON / PHALÈNE

Leia mais

Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques

Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Paralisia Facial M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do

Leia mais

APROVADO EM 04-03-2013 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Ottoflox 3 mg/ml Gotas auriculares, solução Ofloxacina

APROVADO EM 04-03-2013 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Ottoflox 3 mg/ml Gotas auriculares, solução Ofloxacina FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Ottoflox 3 mg/ml Gotas auriculares, solução Ofloxacina Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto. Pode

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso

Administração de medicamentos via parenteral. Profª Leticia Pedroso Administração de medicamentos via parenteral Profª Leticia Pedroso INJETÁVEIS- VIA PARENTERAL É a administração de medicamentos através das vias: Endovenosa (EV), intramuscular (IM, subcutânea (SC) e Intradérmica

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

C u r s o d e Dr. Alex da Silva Santos

C u r s o d e Dr. Alex da Silva Santos C u r s o d e Dr. Alex da Silva Santos 1 Dr Alex da Silva Santos Diretor do Centro Brasileiro de Acupuntura Clínica e Medicina Chinesa www.centrobrasileiro.com.br Dr Alex da Silva Santos O Dr. Alex da

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Microssistemas da Acupuntura: Teorias, Relações e Aplicações

Microssistemas da Acupuntura: Teorias, Relações e Aplicações CIEFATO - Centro Internacional de Estudos de Fisioterapia, e Terapias Orientais ssistemas da : Teorias, Relações e Aplicações Dr. Reginaldo de Carvalho Silva Filho, FT, Ac Fisioterapeuta, Doutorando da

Leia mais

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA FUNÇÃO DO CEREBELO. É a parte do encéfalo responsável pelo controle dos movimentos voluntários, aprendizagem motora, controle

Leia mais

Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto

Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto Elemento: Metal Horário: 05:00 às 07:00 hs. Estação: Outono Trajeto: Centrípeto O Meridiano do Intestino Grosso recebe energia do Meridiano do Pulmão, transmitindo-a ao Meridiano Estômago. Possui 20 pontos

Leia mais

1 O que é Urografina (Forma farmacêutica e Categoria farmacoterapêutica)

1 O que é Urografina (Forma farmacêutica e Categoria farmacoterapêutica) O nome do seu medicamento é: UROGRAFINA Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico

Leia mais

Neurofobia. O Exame Neurológico. O Monstro Neurológico... 17/08/15. Neurophobia, the Fear of Neurology Among Medical Students

Neurofobia. O Exame Neurológico. O Monstro Neurológico... 17/08/15. Neurophobia, the Fear of Neurology Among Medical Students O Exame Neurológico Neurologia - FEPAR Neurofepar Dr. Carlos Caron Jean Martin Charcot (1825-1893) Jean Martin Charcot (1825-1893) O Monstro Neurológico... Neurofobia Neurophobia, the Fear of Neurology

Leia mais

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16

DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA Sex, 28 de Agosto de 2009 19:57 - Última atualização Sáb, 21 de Agosto de 2010 19:16 DORES DE CABEÇA E ENXAQUECA A tensão do dia a dia é a causa mais freqüente das dores de cabeça mas, elas poderem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Fique sabendo, lendo este artigo,

Leia mais

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 10 cápsulas. USO ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém:

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques

Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Exame Neurológico dos Nervos Cranianos Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Chefe da Empresa FONOVIM Fonoaudiologia Neurológica Ltda Coordenadora da Pós-graduação

Leia mais

Noções básicas do Exame Neurológico

Noções básicas do Exame Neurológico Noções básicas do Exame Neurológico Prof Alexandre Alessi Semiologia Médica II - 2012 Componentes 1- Estado Mental 2- Pares Cranianos 3- Exame Motor 4- Exame Sensorial 5- Reflexos 6- Coordenação e Exame

Leia mais

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL 20 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO RILAN NASAL 2% SPRAY cromoglicato dissódico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO RILAN NASAL 2% SPRAY: cartucho com

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA

SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 FATORES PREDISPONENTES QUADRO CLÍNICO EXAMES PARA DIAGNÓSTICO ESTRUTURA COMPROMETIDA PATOLOGIA SÍNDROMES DOLOROSAS 1 de 5 Impacto Tendão do Manguito Rotador Tipos de Acrômio e Artrose Acrômio- Clavicular Dor periarticular e impotência funcional a partir de 30º de abdução, sendo clássico, o arco

Leia mais

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene

OS S ENTIDOS Profe f sso s ra: a Edilene OS SENTIDOS Professora: Edilene OS SENTIDOS DO CORPO HUMANO O Paladar identificamos os sabores; OOlfato sentimosodoroucheiro; O Tato sentimos o frio, o calor, a pressão atmosférica, etc; AAudição captamosossons;

Leia mais

Ficha de Observação Psicomotricidade

Ficha de Observação Psicomotricidade Observações Ficha de Observação Psicomotricidade Nome: Idade: Data: Nota: esta ficha consiste numa redução da bateria psicomotora, algumas tarefas foram retiradas de outros instrumentos de avaliação (ABC).

Leia mais

Ponto Adrenal. Tubérculo Inferior do bordo do

Ponto Adrenal. Tubérculo Inferior do bordo do Pontos de Comando Ponto Adrenal Tubérculo Inferior do bordo do tragus: Ação: neuro-humoral (corticóides), analgésica,coagulante, imunológica, antiinfecciosa,antiinflamatória ansiolíotica Adrenal SNV (Simpático)

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

de avaliação Paulo Minoru Minazaki Junior Palestra supervisionado pelos professores Edgar Cantelli e Helena Guimarães

de avaliação Paulo Minoru Minazaki Junior Palestra supervisionado pelos professores Edgar Cantelli e Helena Guimarães O Tui Na como método terapêutico e de avaliação Paulo Minoru Minazaki Junior Palestra supervisionado pelos professores Edgar Cantelli e Helena Guimarães Shiatsu Técnica japonesa; An Fa; Trabalha em uma

Leia mais

Curso de Formação dos chakras

Curso de Formação dos chakras Conceitos relacionais Curso de Formação dos chakras Akhenaton, Unipessoal Lda Formador: Valdemar Pedro 2012 Objetivos Gerais 2ª Sessão Modulo I No final Os formandos deverão estar dotados, com conhecimentos

Leia mais

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estrutura Funcional do Sistema Nervoso Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estágios inicias da formação do SN O sistema nervoso humano começa a ser formado logo após a fecundação. À medida que se desenvolve

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO

ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS. Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DE CEFALÉIAS Camille Elenne Egídio INSTITUTO LONG TAO Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça,

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2)

ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) Disciplina: Biologia Série: 6ª série - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Órgãos dos sentidos (2) ÓRGÃOS DOS SENTIDOS (2) A Audição O ouvido é o órgão coletor dos estímulos externos,

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a dor cervical O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia da dor cervical. Eles foram compilados para

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

As principais causas das perdas condutivas são:

As principais causas das perdas condutivas são: Perda auditiva: Existem três partes principais da orelha envolvidas no processo de audição: a orelha externa, a orelha média e a orelha interna. O processo auditivo começa quando as ondas sonoras entram

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

A dissociação termoalgésica sugere a seguinte patologia: O diagnóstico da neuralgia essencial do trigêmeo está relacionado basicamente com:

A dissociação termoalgésica sugere a seguinte patologia: O diagnóstico da neuralgia essencial do trigêmeo está relacionado basicamente com: Questão 01 As lesões dos tratos ópticos são traduzidas pela ocorrência do seguinte tipo de hemianopsia: A) nasal B) homônima C) bitemporal D) heterônima Questão 02 A primeira conduta no atendimento a um

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

*NE* Escala de AVC do National Institute of Health (NIHSS) Preencher quando não houver etiqueta. Data Data Data. Hora Hora Hora

*NE* Escala de AVC do National Institute of Health (NIHSS) Preencher quando não houver etiqueta. Data Data Data. Hora Hora Hora Preencher quando não houver etiqueta Paciente: Escala de AVC do National Institute of Health (NIHSS) Passagem: Prontuário: Leito: Orientação Definição Escala Data Data Data Hora Hora Hora 1a. Nível de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO

EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA 1 GINÁSTICA NO SOLO EDUCAÇÃO FÍSICA GINÁSTICA Para a realização dos exercícios de ginástica, foram usados alguns materiais e aparelhos, cuja manipulação e utilização, exigiram determinados cuidados específicos: Tapete de

Leia mais

Quem não tem está out.

Quem não tem está out. Quem não tem Yn está out. Liberte o espaço de banho Yn Yn é modernidade desenhada para viver momentos de prazer no dia-a-dia. Inspirada num estilo de vida activo e citadino, a sua beleza sobressai através

Leia mais

Órgãos dos Sentidos. web.educom.pt. Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental

Órgãos dos Sentidos. web.educom.pt. Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental Órgãos dos Sentidos web.educom.pt Prof. CRISTINO RÊGO 8º ANO Ensino Fundamental TATO dicas-enfermagem.blogspot.com br A pele é o órgão do tato. Nela encontram-se os receptores sensoriais contendo fibras

Leia mais

Métodos Diagnósticos na MTC. Prof. Thiago Resende

Métodos Diagnósticos na MTC. Prof. Thiago Resende Métodos Diagnósticos na MTC Prof. Thiago Resende Observações da Forma do Corpo Existem cinco diferentes maneiras de se classificar: Yin e Yang Cinco Elementos (Constitucional) Influências pré e pós natais

Leia mais

Fisioterapia Personalizada a Domicilio

Fisioterapia Personalizada a Domicilio Fisioterapia Personalizada a Domicilio O atendimento a domicilio da Fisio e Saúde Sul, privilegia o conforto e a saúde de seus pacientes, realizando atendimento que proporciona SAÚDE, BEM-ESTAR e MELHORA

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

Telencéfalo e Núcleos da Base Funções corticais superiores

Telencéfalo e Núcleos da Base Funções corticais superiores Telencéfalo e Núcleos da Base Funções corticais superiores Funções básicas que sustentam a vida são mediadas pela medula, tronco encefálico e diencéfalo No TELENCÉFALO ocorrem os processos psicológicos

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda.

cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. cloridrato de betaxolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução Oftálmica Estéril Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO cloridrato

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER Estrutura deste E-book SINAIS DE ALARME? REMOVA ESSA PREOCUPAÇÃO 2 SINAIS PERIGOSOS ATENÇÃO! 3 QUE TIPO DE SINAIS É PRECISO VIGIAR COM MAIS ATENÇÃO? 3 QUAIS

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

A PESQUISA DE PLASMÓDIO

A PESQUISA DE PLASMÓDIO Capítulo 3 A PESQUISA DE PLASMÓDIO PELA MICROSCOPIA A pesquisa de plasmódio pela microscopia pode ser feita tanto na gota espessa de sangue como em esfregaço delgado. Dependendo do objetivo do trabalho,

Leia mais

SIGLAS E ABREVIAÇÕES - TÉCNICAS DE PASSE - CHACRAS - ÓRGÃOS

SIGLAS E ABREVIAÇÕES - TÉCNICAS DE PASSE - CHACRAS - ÓRGÃOS SIGLAS E ABREVIAÇÕES - TÉCNICAS DE PASSE - CHACRAS - ÓRGÃOS TÉCNICAS DE PASSE AFA - AFLORAÇÃO ATIVANTE AFC - AFLORAÇÃO CALMANTE CIA - CIRCULAR ATIVANTE CIC - CIRCULAR CALMANTE COA - CONCENTRADO ATIVANTE

Leia mais

- CAPÍTULO 9 - SISTEMA SENSORIAL

- CAPÍTULO 9 - SISTEMA SENSORIAL - CAPÍTULO 9 - SISTEMA SENSORIAL VISÃO 1. Observe a figura esquemática de um olho humano logo abaixo e identifique as estruturas indicadas. LETRA ESTRUTURA LETRA ESTRUTURA A G B H C I D J E K F 2. O que

Leia mais

RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na

RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na RECOMENDAÇÕES: 1) - Mantenha a respiração fluida; 2) Relaxe em cada alongamento. Alongar-se é, em grande parte uma atividade passiva Coloque-se na posição e aguarde a musculatura soltar-se; 3) Não balance

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml

PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml PRESMIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril betaxolol (cloridrato) 5,6 mg/ml COLÍRIO PRESMIN betaxolol 0,5% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Alfredo Silva Fisioterapeuta Osteopata Lesão: é qualquer tipo de ocorrência, de origem traumática ou de sobre uso, da qual resulta incapacidade

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

Classificação e diagnóstico das LER/DORT

Classificação e diagnóstico das LER/DORT Aula 06 Classificação e diagnóstico das LER/DORT 5 - CLASSIFICAÇÕES DOS GRAUS DE ACOMETIMENTO PELAS LER/DORT Grau I - É caracterizado pela sensação de peso e desconforto no membro afetado, dor localizada

Leia mais

Craniopuntura aplicado em pacientes com sequelas por acidente vascular encefálico (AVE)

Craniopuntura aplicado em pacientes com sequelas por acidente vascular encefálico (AVE) 1 Craniopuntura aplicado em pacientes com sequelas por acidente vascular encefálico (AVE) Fravio yuji yano 1 fravioyyano@hotmail.com Orientadora Profa. Renata Mayumi Onogui 2 Pós-graduação em Acupuntura

Leia mais

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

ANEXO I - ENPI DEFINIÇÕES DE MCGEER PARA AS INFEÇÕES EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS ANXO I - NPI Nota: Dia 20 de Abril de 2012, após realização de todas as sessões de formação, foram introduzidas pequenas alterações neste protocolo que estão realçadas a sombreado. DFINIÇÕS D MCGR PARA

Leia mais

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA

Prof. Carolina C. T. Haddad. Instituto Bioethicus. Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA Instituto Bioethicus Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária PULSOLOGIA A arte da palpação é de extrema importância dentro do exame semiológico da Medicina Veterinária Tradicional Chinesa e a

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 195 09/06/1999 Padrão Ofi cial da Raça VOLPINO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Locomoção sobre rodas Professor: Pai Chi Nan 1 Biomecânica do assento Corpo humano não foi projetado para se manter sentado Corpo: estrutura dinâmica em constante

Leia mais

GRUPO 9 Padrão FCI N o 65 06/04/1998

GRUPO 9 Padrão FCI N o 65 06/04/1998 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI N o 65 06/04/1998 Padrão Oficial da Raça MALTÊS (MALTESE) 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à

Leia mais

REDUC - SIPAT. REDUC Refinaria Duque de Caxias. www.reduc.com.br Rodovia Washington Luiz, km 113,7 Campos Elíseos - Duque de Caxias RJ CEP: 25225-010

REDUC - SIPAT. REDUC Refinaria Duque de Caxias. www.reduc.com.br Rodovia Washington Luiz, km 113,7 Campos Elíseos - Duque de Caxias RJ CEP: 25225-010 REDUC - SIPAT Contribuição de Administrador 04/01/2011 REDUC Refinaria Duque de Caxias www.reduc.com.br Rodovia Washington Luiz, km 113,7 Campos Elíseos - Duque de Caxias RJ CEP: 25225-010 SIPAT 2006 De

Leia mais

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético

Neuropatia Diabética e o Pé Diabético UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Neuropatia Diabética e o Pé Diabético Instrutora:

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais