IMPORTÂNCIA DO BA NO COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO INSTITUCIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR: ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPORTÂNCIA DO BA NO COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO INSTITUCIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR: ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN IMPORTÂNCIA DO BA NO COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO INSTITUCIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR: ESTUDO DE CASO Roberto Sarpa (Estácio de Sá) Marcelo Santos Golin (Estácio de Sá) O compartilhamento e a Gestão do Conhecimento são diretamente influenciados pelo Ba e são assuntos de interesse de muitas organizações, pois estas instituições requerem indivíduos que tenham expertise para a realização de suas atividadees-fim. Na pesquisa buscouse verificar como as Organizações Militares (OM) tratam o conhecimento e seu compartilhamento e a influencia do Ba. Assim, na investigação deste trabalho foram utilizados os conceitos básicos das teorias do conhecimento e seu compartilhamento, segundo Nonaka e Takeuchi (2008) e Davenport e Prusak (1998), os conhecimentos de Ba tratados por Nonaka, Toyama e Konno (2002). Os resultados dessa investigação evidenciaram que o Ba tem uma importância relevante em relação ao compartilhamento do conhecimento no Departamento ALFA. Demonstrou, também, resultados positivos quanto ao compartilhamento e a conversão de conhecimento, segundo o processo SECI de Nonaka e Takeuchi (1997), quando o ambiente era adequado e fraco após as mudanças organizacionais executadas no departamento estudado. A metodologia da pesquisa utilizada foi qualitativa e adotou enfoque bibliográfico, explanatório e descritivo, utilizando documentos, entrevistas e experiências dos pesquisadores. A pesquisa demonstra na conclusão, algumas deficiências de políticas e sugere algumas recomendações que poderão ser adotadas para manter e difundir o conhecimento e seu compartilhamento na organização. Palavras-chaves: Gestão do Conhecimento, Ba, Compartilhamento, Conversão SECI.

2 1 CONTEXTUALIZAÇÃO E SITUAÇÃO PROBLEMA O conhecimento possui uma verdade fundamental, o que, segundo o Center for Army Lessons Learned (CALL), do exército dos Estados Unidos, é a busca das verdades radicais experimentadas em situação real, diferente da teorização extrema e da generalização. As Organizações Militares (OM) devem, por sua natuerza, buscar permanentemente em suas decisões, criar condições para que o conhecimento tácito perpetue e se transforme em conhecimento institucional, merecendo destaque dentre os muitos enfoques dados pela gestão do conhecimento, aquele relacionado à criação de um contexto ( Ba ) que viabilize essa condição. Segundo Davenport e Prosak (1998), não adianta dispor de conhecimento importante se não se promove o seu compartilhamento entre os indivíduos, de modo que a organização somente se beneficiará quando o conhecimento for compartilhado, difundido, transferido e aplicado, pois assim estará, segundo Nonaka e Takeuchi (1997), em constante crescimento, na forma de uma espiral. Para esses mesmos autores, a criação do conhecimento nas organizações é conseguida quando há interação entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito dentro de um contexto chamado de Ba, da organização. Assim, para Nonaka e Konno (1998), o Ba pode ser considerado um espaço compartilhado que serve como base para a criação do conhecimento, sendo que esse espaço pode ser físico (por exemplo: escritórios), virtuais (por exemplo: e mails, teleconferência, video chat, etc.), mentais (por exemplo: experiências compartilhadas, idéias e ideais) ou qualquer combinação dos mesmos. Questão Problema e Objetivo: O objetivo deste artigo foi identificar como o contexto ( Ba ), do departamento técnico da organização militar estudada, influencia o processo de criação e retenção do conhecimento naquela organização e a relevância de decisões relacionadas a mudanças organizacionais, considerando os princípios da Gestão do Conhecimento. 2

3 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Gestão do Conhecimento Segundo Nokata e Takeuchi (1997), para que as organizações obtenham êxito, o conhecimento, por se tratar de um ativo, precisa ser tratado e compartilhado entre as pessoas e deve ser capaz de crescer em forma espiralada dentro de contextos. Segundo Davenport (1998, p.7), o conhecimento pode proporcionar eficiência mensurável pois conhecimento valioso é aquele que está próximo mais do que dados e as informações da ação. O conhecimento pode e deve ser avaliado pelas decisões ou tomada de ação às quais ele leva. Turban, McLean e Wetherbe (2004, p.331), então, concluem que a gestão do conhecimento é basicamente um processo de extrair, transformar e difundir o conhecimento por toda a empresa, de forma que possa ser compartilhado e, portanto, reutilizado ; ou seja, a função da gestão de conhecimento é tornar útil a informação compartilhada (BUSCHKO e RAINOR, 1998) Definição de Conhecimento Segundo Turban et al (2004, p.327), há diferenças entre dados, informação e conhecimento: Dados coleção de fatos, parâmetros e estatísticas. Informação dados organizados ou processados, precisos e fornecidos no momento oportuno, ou seja, conclusões tiradas a partir de dados dentro do prazo de validade, e precisos com relação aos dados originais. Conhecimento - tem fortes elementos experimentais e reflexivos que o distinguem da informação. Ter conhecimento implica a aplicação efetiva e econômica da informação, dependendo, portanto, da capacidade humana de agregar valor a uma determinada situação existente. É a informação que possui contexto, relevante e acionável. Davenport e Prusak (2001) fazem uma definição mais funcional de conhecimento organizacional: Conhecimento é uma mistura fluída de experiência condensada, valores, informação contextual e insight experimentado, a qual proporciona uma estrutura para a avaliação e incorporação de novas experiências e informações. Ele tem origem e é aplicado na mente dos conhecedores. Nas organizações, ele costuma estar embutido não só em documentos ou 3

4 repositórios, mas também em rotinas, processos, práticas e normas organizacionais (DAVENPORT & PRUSAK, 2001, p.6). Para Takeuchi e Nonaka (2008) e Polanyi (1983) existem dois tipos de conhecimento: o tácito e o explicito Conhecimento Explícito Para Takeuchi e Nonaka (2008) e Polanyi (1983), o conhecimento explícito é aquele que pode ser verbalizado ou escrito podendo ser transmitido facilmente entre os indivíduos. O conhecimento explícito é traduzido na forma de políticas, diretrizes, normas, manuais, relatórios, estratégias, metas, competências básicas das empresas ou organizações, e a infraestrutura da tecnologia da informação. É o conhecimento que foi codificado e documentado em uma forma expressa para ser difundida e distribuída internamente na organização Conhecimento Tácito Segundo Takeuchi e Nonaka (2008), conhecimento tácito é o acúmulo de: experiências, mapas mentais, insights, conhecimento especializado, know-how, segredos de negócios, conjunto de capacidades, a compreensão e o aprendizado de uma empresa, bem como a cultura organizada que nela embutiu as experiências passadas e presentes das pessoas, dos processos e de seus valores. O conhecimento tácito é intangível e difícil de ser codificado e, segundo Polanyi (1983), é muito difícil de descrever de forma explícita. Já Nonaka e Takeuchi (1997) alegam que este conhecimento provém de ativos intangíveis do tipo insights, intuições, palpites, pré-sentimentos, vivências, valores, imagens, analogias, das pessoas que compõem a organização Compartilhamento de Conhecimento Transferência do conhecimento Para Davenport e Prosak (1998), o ato de transferir conhecimento exige duas ações necessárias, ou seja, a transmissão do conhecimento e a sua recepção. Segundo os mesmos autores, a comunicação é fundamental para a transmissão do conhecimento, e uma maneira eficaz seria colocar pessoas expertise - em contato direto com outros indivíduos, de diversas áreas, por meio de conversas e participação em projetos. Para Choo (2003), as histórias vivenciadas e as experiências contadas são formas de compartilhar conhecimento tácito entre os indivíduos. 4

5 DAVENPORT e PRUSAK (1998, p.123) argumentam ainda que a cultura organizacional e o processo de transferência de conhecimento se tornam importantes pelo fato que: "Se o conhecimento não for absorvido, ele não terá sido transferido. A mera disponibilização do conhecimento não é transferência. O acesso é necessário, mas de forma alguma é suficiente para garantir que o conhecimento será usado. O objetivo da transferência do conhecimento é melhorar a capacidade da organização de fazer as coisas e, portanto, aumentar seu valor." (DAVENPORT e PRUSAK, 1998, p.123) Cultura Organizacional e Conhecimento. A cultura, segundo Terra (2005), é compreendida pelas normas e valores empregados na organização e que ajudam a determinar o que é apropriado e inapropriado. Segundo ele, as normas e valores podem ser considerados sistemas de controle que têm condições para se chegar à eficácia. Ressalta ainda que a mudança cultural não ocorre por meio de decreto ou palavras, mas por crenças e valores das pessoas que firmam a identidade organizacional. Para pensar em conhecimento, a alta administração deve apoiar a busca do aprendizado para que o conhecimento possa fluir dentro da organização e transformar o aprendizado individual em organizacional. Para Schein (1985), cultura organizacional do conhecimento é a capacidade de uma organização aprender, desenvolver memória e compartilhar conhecimento entre seus funcionários,. Segundo Von Kroch et al (2001), os indivíduos não gostam de compartilhar conhecimento pelos seguintes motivos: falta de tempo; falta de recursos tecnológicos; falta de comprometimento da alta administração; falta de verbas para a gestão do conhecimento e falta de cultura organizacional em estimular o compartilhamento de conhecimento. A cultura organizacional do conhecimento torna-se necessária para criar repositórios de conhecimento na organização com intuito de administrar o conhecimento como um ativo. Davenport e Prusak (1998) chamam a atenção para fatores culturais que inibem a transferência do conhecimento. Esses atritos "retardam ou impedem a transferência e tendem a erodir parte do conhecimento à medida que ele tenta se movimentar pela organização" (Davenport e Prusak, 1998: p.117). Os autores apresentam os atritos e as possíveis soluções mais comuns dentro da organização e as formas de superá-los, conforme quadro 1. Quadro 1: Atritos mais comuns e possíveis soluções 5

6 Atritos Soluções possíveis Falta de confiança mútua Construir relacionamentos e confiança mútua através de reuniões face a face Diferentes culturas, vocabulários e quadros de Estabelecer um consenso através de educação, discussão, referência publicações, trabalho em equipe e rodízio de funções Falta de tempo e de locais de encontro; idéia estreita Criar tempo e locais para transferências do conhecimento: de trabalho produtivo feiras, salas de bate-papo, relatos de conferências Status e recompensa vão para os possuidores do Avaliar o desempenho e oferecer incentivos baseados no conhecimento compartilhamento Falta de capacidade de absorção pelos recipientes Educar funcionários para a flexibilidade; propiciar tempo para aprendizado; basear as contratações na abertura de idéias Crença de que o conhecimento à prerrogativa de Estimular a aproximação não hierárquica do conhecimento; a determinados grupos, síndrome do "não inventado qualidade das idéias é mais importante que o cargo da fonte aqui" Intolerância com erros ou necessidade de ajuda Aceitar e recompensar erros criativos e colaboração; não há perda de status por não se saber tudo Fonte: Davenport e Prusak. Conhecimento Empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998: p Memória Organizacional e Processo de Criação SECI A organização deve criar condições para que possa; guardar, representar e compartilhar o conhecimento da empresa. Normalmente as empresas recorrem à memória das pessoas e do conhecimento explícito, como relatórios para resolver problemas similares. Assim o sistema de gestão do conhecimento pode capturar esse novo conhecimento e torná-lo disponível em sua forma aprimorada. Para Takeuchi e Nonaka (2008, p.169), as organizações podem criar conhecimento por meio da interação entre o explícito e o tácito. Este processo é chamado de processo SECI de conversão do conhecimento e podem ser de 4 modos, visualizadas conforme figura 2: socialização: é a conversão do conhecimento tácito em tácito, ou seja, é a troca de conhecimento entre os indivíduos, doando-lhes valor. Segundo Nonaka e Takeuchi (1997), a socialização é um método de compartilhamento por meio de experiências, imitação, observação e troca de informações por meio de reuniões (tipo sessões 6

7 de brainstorm) entre os indivíduos na busca da construção do conhecimento tácito. Para que ocorra este tipo de compartilhamento o ambiente torna-se fundamental para o sucesso. externalização: é a conversão do conhecimento tácito em explicito, por modo da articulação para que outros possam compartilhar o conhecimento. combinação: transformação de conhecimento explícito em explícito, quando são criados conjuntos sistemáticos de conhecimentos explícitos e são disseminados entre os membros de uma organização. As bases de dados podem ajudar nesse processo. internalização: é o processo de incorporação do conhecimento explícito ao tácito e está intimamente relacionada com aprender fazendo. Os conceitos de produtos e os procedimentos de fabricação (conhecimento explícito) são atualizados através da ação e da prática. O conhecimento desses procedimentos torna-se know-how técnico quando é internalizado como Conhecimento tácito individual. Figura 2 Processo SECI de Conversão do Conhecimento Fonte: Nonaka e Takeuchi, The Knowledge Creating Company (1997). Segundo Takeuchi e Nonaka (2008), o conhecimento se expande de forma espiral por meio do processo de conversão qualitativo e quantitativo. Takeuchi e Nonaka (2008, p.170), citam a importância de proporcionar um ba (campo de interação, contexto) espaço físico, virtual e mental para encorajar a conversão do 7

8 conhecimento. O ba é definido como um contexto em que o conhecimento é criado, compartilhado e utilizado. O conhecimento técnico e estratégico da organização é focado no centro de excelência de suas atividades (atividade-fim) e são espalhadas para outros departamentos. A comunicação e outros mecanismos para favorecer a difusão e a sua disseminação são de suma importância para compartilhar o conhecimento e desenvolvê-lo. Na disseminação do conhecimento tácito, torna-se indispensável o compromisso individual das pessoas perante a missão organizacional, pois assim haverá a internalização desses conhecimentos em prol da organização. Para Nonaka e Konno (1998) é relevante a interação entre os indivíduos e grupos no processo SECI dentro da organização, conforme figura 3, para o compartilhamento e geração de novos conhecimentos. Para eles os indivíduos se socializam individualmente, depois passam para grupo, esse passa para outros grupos, de forma espiralada citada por Nonaka e Takeuchi (1997), e sua internalização na organização. Na figura - 3 o processo SECI do conhecimento. TÁCITO EXPLÍCITO i: indivíduo, g: grupo; o: organização Fonte: Nonaka, e Konno (1998), adaptada. 8

9 2. 4 Conceito de Ba para a criação do conhecimento Segundo Nonaka, Toyama e Konno (2002), Ba são os espaços compartilhados chamados de contextos, que podem ser físico, virtual e mental ou a combinações destes. Servem de base para a criação do conhecimento e interação entre os conhecimentos tácitos e explícitos, seja este individual ou coletivo. O Ba fornece uma plataforma para o avanço do conhecimento individual e coletivo possibilitando que sejam elaborados processos sociais capazes de criar novos conhecimentos por meio de conversão do conhecimento e combinação entre o tácito em explícito, que são abordados pelos modos de conversão do conhecimento denominado processo SECI, ou seja, socialização, externalização, combinação e internalização (NONAKA; TAKEUCHI, 2008, p ). Na criação do conhecimento, segundo Takeuchi e Nonaka (2008) a geração (e regeneração) do ba é a chave, pois o ba proporciona energia, qualidade e local para o desempenhar as conversões individuais e percorrer a espiral do conhecimento. O ba é onde a informação é interceptada para tornar-se conhecimento. Sendo Ba o local da organização para a criação do conhecimento, os autores acima descrevem que dentro do processo de interação entre o conhecimento tácito e o explícito existem quatro tipos de Ba, conforme mostra a figura 4 a seguir: Figura 4 Os quatros tipos de Ba. Fonte Nonaka, Toyama e Konno (2002), adaptada. 9

10 Originating Ba (Ba da criação ) É o campo em que a criação do conhecimento se dá por meio da interação entre os indivíduos, trocando experiências, emoções e modelos mentais. Este Ba se caracteriza como o início do processo de transformação do conhecimento e equivale ao processo de socialização, que é a interação entre o conhecimento tácito x tácito. Segundo Nonaka, Toyama e Konno (2002), este Ba é responsável pelo surgimento de ativos de conhecimento como habilidades individuais e know-how. Dialoguing Ba (Ba da interação) É o campo onde se dá à interação entre o conhecimento tácito e o explícito conhecido como externalização em que, segundo Takeuchi e Nokata (2008), os indivíduos compartilham com grupos suas experiências e convertem a criação por meio de documentos ou forma expressa, para propiciar que outros indivíduos e grupos possam ter acesso. Os exemplos mais rotineiros são os relatórios e manuais técnicos criados pelas empresas de engenharia, por exemplo. Systemizing Ba (Ba virtual - sistemático) Este campo é conhecido por utilizar ferramenta mais recente, pois utiliza as facilidades modernas da tecnologia da informática, como o uso de chats, vídeos conferências, redes on-line, bancos de dados, documentos, especificações, etc. Este campo é onde há a conversão do processo SECI, criado por Nonaka e Takeuchi (1997), chamado de combinação, que é a conversão do conhecimento explícito para o explícito. Na organização, ela é relevante, pois trata da criação de uma cultura organizacional do conhecimento, para que o conhecimento coletivo e individual permaneça na empresa, pois é onde o conhecimento explícito da organização é transformado para grupos e indivíduos da organização. Exercising Ba (Ba do treinamento) Este campo é o resultado das integrações dos conhecimentos organizacionais criados anteriormente, na socialização, externalização, combinação, dando origem à conversão do conhecimento explícito em tácito, chamados de internalização do conhecimento. O ativo oriundo neste Ba é conhecido como Know-how onde se criam novos procedimentos comportamentais na organização, pela prática Ambiente Organizacional 10

11 Segundo Nonaka e Takeuchi (1997 e 2008), o conhecimento se expande de forma espiral por meio do processo de conversão denominado SECI e deve estar influenciado por ambiente propício para geração desse conhecimento, que eles contextualizam como sendo campo de interação Ba. Nonaka e Takeuchi (2008, p.170), citam a importância de proporcionar um Ba (campo de interação) para encorajar a conversão do conhecimento. O Ba é o ambiente onde a informação é interceptada para tornar-se conhecimento. A figura 5 a seguir mostra o ambiente organizacional e o campo Ba de conversão do conhecimento tácito e explícito criado por Nonaka e Konno (1998). Figura 5: Ba e a conversão do conhecimento Fonte: Nonaka e Konno (1998), adaptada. O conhecimento técnico e estratégico da organização é focado no centro de excelência de suas atividades (atividade-fim) e são compartilhadas para outros departamentos. A comunicação e outros mecanismos são ferramentas de gestão do conhecimento para favorecer a difusão e a disseminação do conhecimento dentro do ambiente organizacional, de forma que a organização do ba é de suma importância para compartilhar o conhecimento e desenvolvê-lo. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Trata-se de um estudo de caso, com um tipo de pesquisa qualitativa que adota um enfoque, bibliográfico, explanatório e descritivo. Os dados obtidos e analisados foram observações e 11

12 vivência do pesquisador e entrevistas semi-estruturadas, direcionadas à atividade-fim da organização. A pesquisa, por apresentar características peculiares, apresenta-se como sendo um estudo de caso. Para Yin (2005), o pesquisador de estudo de caso deve estar ciente das questões abordadas e ter habilidades de ouvir as respostas tendo o cuidado de não emitir juízo de valor ou carregar opinião pré-formada, que possa deturpar ou comprometer as investigações que a pesquisa se propõe. O estudo de caso se caracteriza como sendo uma pesquisa onde o pesquisador possui um profundo conhecimento dos objetos pesquisados. Segundo Cooper & Schindler (2004), a pesquisa explanatória fundamenta-se pelo pressuposto de fornecer maior conhecimento a respeito do tema abordado e dos problemas de pesquisa sob análise, proporcionando aprofundamento sobre o assunto estudado. 4 ESTUDO DE CASO 4.1 Contextualização A OM estudada possui uma unidade denominada genericamente como Superintendência de Sistemas, cuja atividade está diretamente ligada à atividade-fim da OM e na qual a maioria dos colaboradores (civis e militares) tem formação técnica, principalmente na área de engenharia. A pesquisa foi realizada em um dos departamentos daquela unidade, focalizando como são realizadas as conversões do conhecimento segundo o processo SECI de Takeuchi e Nonaka (2008) e como são configurados os contextos Ba para o compartilhamento do conhecimento. O trabalho buscou caracterizar os contextos ( Ba ) do departamento estudado e o impacto de decisões relacionados a alterações desses contextos, bem como o levantamento recomendações para a melhoria da Gestão de Conhecimento daquela OM, baseada nos princípios do Processo SECI de Conversão do Conhecimento Breve Descrição do Departamento Pesquisado Estrutura da Superintendência de Sistemas: Atualmente são quatro departamentos técnicos para atender a atividade-fim da OM. Neles trabalham civis e militares. O Departamento da OM estudado contém 68% de engenheiros e 18 % técnicos e 14% administrativos, e está vinculada na superintendência de sistemas, Por ser uma área confidencial 12

13 será mantido em sigilo por questão de segurança. Assim será chamado neste estudo de caso de Departamento ALFA Histórico O Departamento técnico ALFA era constituído até os meados de 2006 por 4 divisões: ALFA 1, ALFA 2, ALFA 3 e ALFA 4. O departamento com suas divisões era fisicamente instalado em um único andar e sem anteparas nas divisões, o que facilitava a comunicação direta entre seus indivíduos. Cada divisão do departamento tratava de um assunto específico, de área sensível, mas trocava e compartilhava muitas informações entre eles, o que permitia agregar conhecimentos comuns e experiências uns dos outros. A cada incidente ocorrido em um equipamento ou sistema, uma investigação passava a ser feita pelo pessoal envolvido diretamente e de outros por socialização. Os procedimentos, normas, especificações e manuais técnicos eram revistos de forma sistemática no departamento a cada incidente novo ou antigo, ou quando tinha uma atualização nos manuais dos fabricantes. Havia também uma biblioteca instalada na OM que dava o suporte técnico para os departamentos, principalmente para as divisões técnicas ALFA1, 2, 3 e 4, onde se buscava o apoio para a investigação e a produção de novas publicações por meio dos manuais dos fabricantes existentes. Meados dos anos 90 houve uma reestruturação na OM, e a biblioteca técnica foi retirada da mesma e instalada em outra unidade a 1,5 km de distância desta Organização. Com isso, houve uma dificuldade no trabalho do departamento ALFA da OM. Sem os manuais técnicos nas mãos, os funcionários são obrigados aguardar o tempo necessário até a vinda dos manuais para consultá-los, dificultando o trabalho de pesquisa e investigação e comprometendo o compartilhamento do contexto correspondente. Após reestruturação administrativa em 2006, o departamento foi dividido em vários departamentos, divisões e seções, ou seja, as quatro divisões anteriores se transformaram em departamentos, divisões e seções. Além disso, esses setores foram separados por divisórias e anteparas de vidro. Sendo que o departamento ALFA 4 foi movimentado para outro andar, carregando consigo uma vasta experiência do setor importante do departamento antigo. 13

14 4.2 Evidências levantadas Para coleta das evidências foi elaborado os quadros 2, 3, 4 e 5, abaixo, para identificar e levantar os Ba nos quatros processos de conversão criados por Nonaka e Takeuchi (1997), dentro do departamento ALFA, antes da reestruturação e após a sua reestruturação administrativa. Quadro 2 Contextos ( Ba ) da Socialização do Departamento ALFA da OM estudada. Após Antes da reestruturação sem Tipos de Contextos ( Ba ) em cada Processo de reestruturação c/ a Conversão (Tácito x Tácito) a biblioteca biblioteca Observação Originating Ba Visitas técnicas nas fábricas em áreas afins Sim Sim Não há variação dos participantes. São realizadas na sua maioria das vezes por militares. Visitas técnicas em outras áreas (diversa da função) Sim Não Antes era realizada por grupos diferentes, hoje somente em sua área e individual. Reuniões com grupos técnicos Sim Não Somente quando os assuntos são de suas áreas. Acompanhamento de Testes e Exercícios de áreas diversas Sim Não Antes da nova estrutura isso ocorria frequentemente. Socialização entre os funcionários Sim Não Não se utiliza entre os departamentos e divisões. Somente entre os funcionários da mesma seção. Dar palestras para disseminar conhecimento Sim Não Participação em Palestras de diversas áreas Sim Não Somente em suas áreas Fonte: Elaboração própria. 14

15 Quadro 3 Contextos ( Ba ) da Externalização do Departamento ALFA da OM estudada. Antes da Após Tipos de Contextos ( Ba ) em cada Processo de reestruturação c/ a ção sem a reestrutura- Conversão (Tácito x Explícito) Observação biblioteca biblioteca Dialoguing Ba Treinamento e cursos Sim Não Os cursos de mestrado/ doutorado não são aprovados pela alta administração. Verificação e atualização de manual do Sim Não Sem acesso aos manuais e suas equipamento e do sistema atualizações. Relatórios de viagem, testes e acidentes com conhecimento aos grupos Sim Não O conhecimento fica restrito a área. Atualização de apostilas de cursos de treinamento Sim Não Fonte: Elaboração própria. Quadro 4 Contextos ( Ba ) da Combinação do Departamento ALFA da OM estudada. Após Antes da reestruturação sem Tipos de Contextos ( Ba ) em cada Processo de reestruturação c/ a Conversão (Explícito x Explicito) a biblioteca biblioteca Observação Systemizing Ba Elaboração de Boletim técnico Sim Sim Especificação de equipamentos e sistemas Sim Sim Projeto Básico Sim Sim Notas técnicas Sim Sim Uso de manuais técnicos da biblioteca Sim Não Acesso da biblioteca ruim (usado somente em caso extremo). Fonte: Elaboração própria. 15

16 Quadro 5 Contextos ( Ba ) da Internalização do Departamento ALFA da OM estudada. Após Antes da reestruturação sem Tipos de Contextos ( Ba ) em cada Processo de reestruturação c/ a Conversão (Explícito x Tácito) a biblioteca biblioteca Observação Exercising Ba Transferência de conhecimento para empresas nacionais Sim Sim Em projetos de nacionalização de produtos. Nacionalização de produtos Sim Sim Acompanhamento de testes de recebimento de Sim Não Há uma repetição dos atores produtos adquiridos (diferentes áreas de envolvidos. Os militares conhecimento) acompanham os testes no exterior e não repassam seus conhecimentos para outras áreas. Consulta aos manuais para a conversão do conhecimento explícito em tácito Sim Sim Os manuais não se encontram em poder dos departamentos e a biblioteca fica distante. (com pouca freqüência) Fonte: Elaboração própria. 4.3 Resultados da Pesquisa Análise dos Processos de Conversão do Conhecimento SECI identificados na OM pesquisada, segundo Takeuchi e Nonaka (2008) dentro seus respectivos Ba : Socialização Havia um compartilhamento entre os indivíduos quando as divisões; ALFA1, ALFA2, ALFA 3 e ALFA4 eram estruturadas no mesmo departamento em único local, sem divisões ou anteparas, e no mesmo andar, pois praticavam a socialização, ou seja, trocavam informações e experiências 16

17 técnicas sobre assuntos diversos (mecânica, elétrica, eletrônica, mecatrônica, e em áreas distintas de conhecimento com alta especialização). Havia uma integração sobre os assuntos onde se notou que os conhecimentos tácitos dos indivíduos eram trocados e compartilhados de forma habitual, gradativa e espiralada. Na atual estruturação, após 2006, houve uma departamentalização, em que o organograma da superintendência foi modificado, criando divisões e seções, tendo seu layout físico modificado por meio de anteparas e divisórias, colocando o Departamento ALFA 4 em outro andar. A pesquisa demonstrou que esta nova configuração tornou os novos departamentos (antigas divisões) estanques e sem a possibilidade de integração, troca de conhecimento e experiências, prejudicando a socialização do conhecimento. Nonaka et Takeuchi (2008), citam a importância de proporcionar um Ba (campo de interação, contexto) e afirmam que a criação do conhecimento exige um contexto adequado. Alia-se a isso, o fato de que o pessoal técnico se tornou especialista e tem entre vinte a trinta anos de média de serviço público, o que poderá comprometer a atividade-fim em futuro próximo, se não houver uma política de contenção desse conhecimento. Externalização Este tipo de conversão é realizado de forma não habitual, pois requer muito conhecimento implícito e pessoal dos indivíduos. Transformar conhecimento tácito em explícito é, segundo Nonaka e Takeuchi (2008), o mais difícil, pois é necessário ter habilidade de expressar não só tecnicamente, mas o sentimento, o filling o know-how, dos indivíduos sobre cada assunto. Alguns relatórios são elaborados nos departamentos da superintendência estudada, por exemplo, quando realizam testes em equipamentos e materiais. Neles, são relatados alguns procedimentos quando há falhas e apuração para identificar as causas dos insucessos. Antes da reestruturação organizacional do departamento, foi notado que havia um compartilhamento e troca de conhecimento tácito, que era transformado de forma expressa quando emitiam relatórios. Outros departamentos tinham acesso aos relatórios de forma a compartilhar com outros indivíduos e grupos dentro da organização. Atualmente, nas observações percebidas por estes pesquisadores, isto não está ocorrendo com frequência devido à departamentalização e a nova estrutura organizacional em que mexeu também com os novos lay-outs do departamento. As informações e 17

18 conhecimento se tornaram estanques na nova estrutura e não há um Ba comum a todos, para que os grupos e indivíduos troquem conhecimentos. Combinação Esta conversão é realizada durante a elaboração de documentos técnicos pelos departamentos por meio de consulta aos manuais técnicos de equipamentos, materiais e contatos com os fabricantes, formando uma base de dados para consulta, mas só poderão ajudar aos departamentos se forem disponibilizados em rede. Entretanto, foi observado um fator que contribui com a perda de conhecimento, ou seja, o distanciamento da biblioteca técnica da Organização. A biblioteca era utilizada pelo pessoal da atividade-fim da OM no mesmo andar e foi deslocada para outro local distante, prejudicando tanto o fluxo do trabalho quanto a pesquisa, especialmente no tocante ao aprofundamento do conhecimento técnico. Neste contexto não há uma rede de informação integrada em que todos possam acessar os relatórios de outros grupos (departamentos, divisões e seções). Como algumas informações são confidenciais no departamento ALFA, e por ter sido dividida em seções e divisões, houve a restrição ao acesso do conhecimento técnico de cada um deles. Com o acesso a documentação restrita a cada seção, e a biblioteca distante, a criação do conhecimento neste contexto ( Ba ) ficou prejudicado. Internalização. A internalização do conhecimento na organização é dada pela ação e pela prática dos indivíduos. É a aplicação dos conhecimentos adquiridos durante a leitura dos manuais técnicos dos fabricantes de equipamentos adquiridos pela OM, ou durante os cursos desses equipamentos e materiais adquiridos. Estes conhecimentos são internalizados, então, quando são levados na prática durante testes, reparos ou procedimentos de segurança, pelo pessoal da Organização Militar. O conhecimento desses procedimentos torna-se know-how técnico, quando é internalizado como conhecimento tácito individual. Outro fator observado neste contexto foi a internalização dos conhecimentos do departamento com os fabricantes nacionais durante os projetos e programas de nacionalização de produtos que a organização promove em suas atividades-fim. Foi observado que há uma interação entre a OM e os fabricantes nacionais durante os projetos de nacionalização 18

19 de produtos de interesse daquela organização, onde há uma transferência de conhecimento (tácito) da OM para as empresas contratadas Sugestões Seguindo as teorias de Nonaka e Takeuchi (2008) foram elaborados quadro 6, 7, 8 e 9 com sugestões de ações, pelos autores da pesquisa. Quadros de ações ou estratégias organizacionais para a criação e gestão do conhecimento e cada Ba para sua disseminação, segundo processo SECI, na organização estudada : Quadro 6 Ações para a Socialização Socialização Conversão de Conhecimento Tácito em Tácito Estratégia ou Ações Troca de experiências entre os indivíduos promover a participação de indivíduos como ouvintes em cursos fora de sua área de atuação, testes, trabalhos, etc. motivar e incentivar a prática de dar palestras após testes em equipamentos e materiais, ensaios, no intuito de absorver experiências bem sucedida e mal sucedida promover a realização de visitas técnicas à fábricas de equipamentos e materiais, no país e no exterior, fim absorver conhecimento. promover e motivar debates (entre departamentos) e palestras do pessoal técnico, mais antigo. motivar os mais experientes a ensinar seus conhecimentos para os mais novos com o acompanhamento em visitas técnicas, testes, ensaios. Quadro 7 Ações para Externalização Externalização Conversão de Conhecimento Tácito em Explícito Estratégia ou Ações Transformar o conhecimento tácito individual em conhecimento organizacional 19

20 elaborar documentos técnicos após participação de cursos no exterior ou no país. transformar os conhecimentos e experiências obtidas em testes realizados nos equipamentos e materiais, em relatórios detalhados, enfatizando os procedimentos que levaram ao sucesso ou insucesso encontrado durante à realização e prováveis causas do insucesso. disponibilizar em rede os relatórios destas experiências para o acesso das pessoas autorizadas e permitir a troca de opiniões entre os departamentos. elaborar salas de reuniões virtuais (chats) para discussão de assuntos da superintendência, tipo braimstorm. Quadro 8 Ações para Combinação Combinação Conversão de Conhecimento Explícito em Explícito Estratégia ou Ações disponibilizar em rede todos os documentos técnicos elaborados pelos departamentos elaborar documentos técnicos (resumos) de funcionamento de equipamentos e materiais após cursos realizados no exterior ou no país. colocar a biblioteca próxima ao departamento técnico. Quadro 9 Ações para Internalização Internalização Conversão de Conhecimento Explícito em Tácito Estratégia ou Ações promover a realização de cursos extras e a divulgação de documentos elaborados pelos departamentos dos cursos realizados no exterior ou no país. incentivar o pessoal participar de cursos externos para absorção de conhecimento em instituição dentro e fora da organização, no exterior e no país. criar uma biblioteca técnica para superintendência, visando suprir esta deficiência e com intuito de promover a conversão do conhecimento explícito em tácito, por meio de manuais técnicos dos equipamentos e materiais que encontra- se -distantes dos técnicos. Fonte: Elaboração Própria Recomendação Embora a pesquisa tenha como objetivo de responder a questão problema foi identificado algumas ações de mudanças nos contextos que influenciaram no processo de interação e o 20

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Universidade de Brasília Faculdade d de Ciência i da Informação Prof a Lillian Alvares ESPIRAL DO CONHECIMENTO: NONAKA E TAKEUCHI, 1997 Obra referencial cujos objetivos são: Construir

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

Figura: O modelo de estudo: quadro referencial de suporte. Fonte: http://www.serpro.gov.br

Figura: O modelo de estudo: quadro referencial de suporte. Fonte: http://www.serpro.gov.br Bem Vindos Figura: O modelo de estudo: quadro referencial de suporte. Fonte: http://www.serpro.gov.br O ambiente das organizações e dos negócios começou lentamente a perceber que investir em conhecimento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi

Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi Cristiane Souto Frota (TBG/PETROBRAS) cristiane@tbg.com.br Engenheira mecânica, Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos(SEGRAC/UFRJ)

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Jackson Pollock Obs. : Os pontos de vista aqui apresentados são exclusivamente do autor e não representam necessariamente

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO EM PROJETOS DE INOVAÇÃO COM FOCO NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NA FERROVIA Cristiane Budziak

A GESTÃO DO CONHECIMENTO NA FERROVIA Cristiane Budziak A GESTÃO DO CONHECIMENTO NA FERROVIA Cristiane Budziak AGENDA 1. Introdução 2. Problema 3. Objetivos 4. Fundamentação Teórica 5. Metodologia e Plano de Trabalho 6. Resultados 7. Considerações finais 1.

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais

Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais Sylvia Helena Resende Simão sylviasimao@yahoo.com.br Centro Universitário UNA Belo Horizinte - MG Abstract: This article presents a methodology Make

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software Maria Angela Coser (CEFETES) macoser@cefetes.br Helio Gomes de Carvalho (UTFPr) helio@cefetpr.br João Luiz Kovaleski (UTFPr) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual 24º Congresso Brasileiro de Manutenção Olinda PE Eixos para Reflexão Estratégia Cenário atual Oportunidades Eixos para Reflexão Cenário atual Mundo

Leia mais

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão Organização de Gerenciamento de Processos Palestrante: Samyra Salomão Contextualização O foco do gerenciamento de processos de negócio pode também modificar a forma como os executivos pensam e estruturam

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 8

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 8 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 8 Índice 1. Identificação, Criação e Socialização do Conhecimento...3 1.1 Objetivo:... 3 1.2 Síntese:... 3 2. Identificação e criação do conhecimento...3 2 1. IDENTIFICAÇÃO,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede Caroline Brito de Oliveira Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2012 Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento Gestão da

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Da Gestão da Informação à Criação do Conhecimento Organizacional

Da Gestão da Informação à Criação do Conhecimento Organizacional Da Gestão da Informação à Criação do Conhecimento Organizacional Jackson Pollock Obs. : Os pontos de vista aqui apresentados são exclusivamente do autor e não representam necessariamente os do edoc, nem

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Hirotaka Takeuchi: professor e reitor da Universidade de Hitotsubashi. Já lecionou em Harvard. Ikujiro Nonaka: professor na Universidade de Hitotsubashi. Autor

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO DANIEL MEDEIROS Associação Educacional Leonardo da Vinci - ASSELVI Gestão Estratégica em Recursos Humanos RESUMO Nos

Leia mais

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br O QUE SÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? Dado Informação Conhecimento Sistemas de Informação DADO O DADO consiste

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim Ambientes e fluxos de informação: transversalidades Profa. Dra. Marta Valentim Brasília / Brasil 2013 Introdução As transformações políticas, econômicas, tecnológicas, sociais e culturais, tem impactado

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Luciana Rodrigues Fernandes

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Luciana Rodrigues Fernandes 1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Luciana Rodrigues Fernandes GESTÃO DO CONHECIMENTO: O GRANDE DESAFIO EMPRESARIAL CURITIBA 2010 2 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Luciana Rodrigues Fernandes GESTÃO DO CONHECIMENTO:

Leia mais

Gestão do Conhecimento Aula 1 Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual

Gestão do Conhecimento Aula 1 Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Gestão do Conhecimento Aula 1 Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Apresentação Parecer Técnico: Yaeko Ozaki Revisão Gramatical: Alexandre Rocha Prof.ª MSC. NATÉRCIA GOMIDE Sumário 1) Introdução

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Cultura Organizacional Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez

Gestão do Conhecimento e Cultura Organizacional Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez e Cultura Organizacional Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez Adriane Rangel Daniel Cossetti Gabriela Zarur Rosane Carvalho Vinícius Nunes Conteúdo Identificação das Práticas de GCI Apresentação do Perfil

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte

Pesquisa Clima Organizacional 2009. Relatório Embrapa Gado de Corte Pesquisa Clima Organizacional 2009 Relatório Embrapa Gado de Corte 1. Fundamentação Teórica A Pesquisa de Cultura e Clima Organizacional é um instrumento de levantamento de informações, utilizado para

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

Ferramenta para Gestão de Conteúdo e Apoio à Gestão do Conhecimento e ao Sistema da Qualidade na Embrapa

Ferramenta para Gestão de Conteúdo e Apoio à Gestão do Conhecimento e ao Sistema da Qualidade na Embrapa Ferramenta para Gestão de Conteúdo e Apoio à Gestão do Conhecimento e ao Sistema da Qualidade na Embrapa Ana Mirtes Maciel Fouro 1 Resumo A ISO 9000 exige, dentre outras atividades, que uma empresa prepare

Leia mais

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos

Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Identificando necessidades e estabelecendo requisitos Resumo A importância de requisitos Diferentes tipos de requisitos Coleta de dados para requisitos Descrição de tarefas: Cenários Casos de uso Casos

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento.

A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento. A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento. Carolina de Fátima Marques Maia Jaime Pires Galvão Neto Resumo A tecnologia apresenta uma alta velocidade em suas mudanças e

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL HEITOR J PEREIRA. Professor da FIA Fundação Instituto de Administração. Ex-Presidente da SBGC Soc. Bras. Gestão do Conhecimento Revolução Agrícola

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DIRETRIZES PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Ceratto (DEP/UEM) renan@ceratto.com.br Gislaine Camila Lapasini Leal (DEP/UEM) cammyleal@gmail.com Francielle

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval Brasília (DF), 26 de novembro de 2010 1 Propósito e Natureza Discussão dos grandes temas nacionais pertinentes ao conhecimento Papel de natureza social, desde 04/07/2008 está qualificada pelo Ministério

Leia mais

Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva

Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva Autor Icléia Silva y Rejane Spitz Introdução Uma das ações mais relevantes da administração estratégica é a visão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com

Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com Gestão do Conhecimento na Subsea 7 Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com 1 Um Novo Começo A combinação entre Acergy e Subsea 7, duas empresas multinacionais da área offshore, uniram-se para criar uma

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Retenção do Conhecimento Vantagem Competitiva nos SI Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente demanda por informações

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PROCESSO ORGANIZACIONAL: O CONTEXTO DA GESTÃO PÚBLICA PROF. HEITOR JOSÉ PEREIRA ( Doutor em Administração EAESP/ FGV - Presidente da SBGC Gestão 2005-2007 ) Revolução

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Sistemas de Workflow e Groupware na Gestão do Conhecimento como Diferencial Competitivo

Sistemas de Workflow e Groupware na Gestão do Conhecimento como Diferencial Competitivo Sistemas de Workflow e Groupware na Gestão do Conhecimento como Diferencial Competitivo AUTORES: MÁVIA FERREIRA LIMA ABRAHAM BENZAQUEN SICSÚ ANA PAULA CABRAL 1. Introdução A gestão do conhecimento é reconhecidamente

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira?

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? 1 Objetivos do Módulo Situar a GC no contexto das iniciativas de Eficiência, Qualidade e Efetividade Social na Administração Pública Brasileira

Leia mais