Revisado em Agosto de 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revisado em Agosto de 2015"

Transcrição

1 Confidencial Este documento é propriedade intelectual da TWG/Virgínia, contém informações confidenciais e não deve ser lido por pessoas não autorizadas. Se você não está autorizado a lê-lo, devolva-o ao responsável ou destrua-o imediatamente. POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Agosto de 2015

2 1. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas Empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo consistente com os mais altos padrões profissionais e éticos. Para isso, a corporação mantém um Programa eficaz de conformidade, conhecido como Programa Global de Compliance, o qual tem os seguintes componentes-chave: Responsabilidade e Supervisão; Políticas e Procedimentos; Educação e Treinamento; Auditoria e Monitoramento; Comunicação Interna e Levantamento de Preocupações; Avaliação e Disciplina; Procedimentos de Ações Corretivas. O Programa Global de Compliance tem como finalidade ajudar a corporação a construir uma cultura de conformidade, bem como evitar ou detectar violações das Leis, das Normas Regulatórias e/ou das Políticas internas vigentes. Para a consolidação desse Programa, a corporação conta com um Diretor Global de Compliance (Global Compliance Officer) e com um Comitê de Compliance Global (Global Compliance Committee). Espera-se que todos os colaboradores, de todos os níveis hierárquicos, incluindo Diretores e Executivos, cumpram e façam cumprir o Código de Ética e Conduta (PL ), as Políticas e Procedimentos Contra Suborno (PL ), bem como todas as demais Políticas, Procedimentos, Orientações e Treinamentos, consagrados em toda a corporação. Suspeitas de violações serão investigadas e, quando aplicável, ações disciplinares e medidas corretivas poderão ser adotadas. 2. OBJETIVO E APLICABILIDADE DESTA POLÍTICA Alinhada ao Programa Global de Compliance, a EMPRESA (denominação apresentada nesta Política referente às Empresas do The Warranty Group Brasil: Virginia Surety Companhia de Seguros do Brasil e TWG Warranty Serviços do Brasil), adota a presente Política de Compliance, a qual reflete o comprometimento com a melhoria contínua da qualidade com base na análise, avaliação e desenvolvimento do Programa de conformidade e do ambiente normativo e de negócios, em constante transformação. Nesse sentido, a presente Política busca dar diretrizes para que a EMPRESA, através da área de Compliance Local e de todos os seus Gestores, desenvolva mecanismos para atender às necessidades do seu negócio e às

3 exigências das normas que regulam o Mercado Segurador, sempre alinhando os planos de ações aos objetivos estratégicos da EMPRESA, tendo como base os princípios e as boas práticas de Governança Corporativa. Esta Política aplica-se a todos os colaboradores da EMPRESA (internos, externos, estagiários e terceiros), bem como aos parceiros de negócios, fornecedores e todas as demais partes relacionadas. Em caso de dúvidas ou necessidade de aconselhamento, é importante que se busque auxílio imediato junto à área de Compliance Local (Brasil). Cabe ainda ressaltar que, atitudes não condizentes com esta Política estarão expostas às sanções previstas no Código de Ética e Conduta (PL ), bem como aquelas que venham a ser aplicadas por decisão do Comitê Local de Compliance e Controles Internos. A alegação de desconhecimento das regras não será aceita como justificativa no caso de quaisquer desconformidades com a presente Política. 3. CONCEITOS 3.1. Compliance O termo Compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa cumprir, executar, realizar o que foi imposto, de acordo com alguma diretriz, ou seja, estar em conformidade com Leis, Regulamentações, Políticas e Normas Internas, e com os princípios corporativos que garantem as melhores práticas de mercado e de Governança Corporativa. Principais aspectos de Compliance: Disseminação da cultura de riscos, controles internos e conformidade; Conduta Ética na condução dos negócios; Definição das funções e alçadas, com a adequada segregação para evitar conflitos de interesses; Treinamento periódico, informação e comunicação (leis, regulamentos e normas aplicáveis vigentes); Monitoramento (acompanhamento, testes e planos de ações). Pré-requisito para um funcionamento adequado: apoio da alta-administração da EMPRESA e atuação independente, dentro da Estrutura Organizacional Controles Internos Por Controle Interno entende-se todos os mecanismos (ferramentas de controles) da EMPRESA destinados a vigilância, fiscalização e verificação administrativa que permitam prever, observar, dirigir ou até mesmo governar os acontecimentos internos, visando proteger os ativos, verificar eficiência e eficácia operacional,

4 assegurar a obediência às diretrizes administrativas estabelecidas e, principalmente, mitigar os riscos inerentes às atividades desenvolvidas Gestão de Riscos Gestão de Riscos é um processo formal usado para identificar os riscos e oportunidades, estimar o impacto potencial desses eventos e fornecer um método para tratar esses impactos, para reduzir as incertezas e ameaças até um nível aceitável ou para alcançar as oportunidades. O objetivo da Gestão de Riscos é gerenciar os riscos envolvidos em todos os processos e negócios da EMPRESA para maximizar as oportunidades e minimizar os efeitos adversos, além de tentar evitar que os riscos negativos potenciais se materializem, ou seja, se transformem em perdas reais Governança Corporativa É um sistema que assegura a gestão estratégica da organização, a mitigação dos riscos e o efetivo monitoramento dos negócios. Os princípios da Governança Corporativa são: Integridade; Equidade; Transparência; Responsabilidade pelos resultados; Obediência às leis e regulamentações aplicáveis vigentes. As boas práticas de Governança Corporativa têm a finalidade de aumentar o valor da EMPRESA e contribuir para sua perenidade. A EMPRESA conduz seus negócios com base nesses princípios, com a finalidade de atingir os objetivos Estratégicos da Corporação. Cada colaborador tem um papel fundamental, para que a EMPRESA possa alcançar os resultados esperados. 4. AMBIENTE REGULATÓRIO Compliance, Controles Internos e Análise de Riscos tornaram-se obrigatórios no Mercado Segurador Brasileiro, após a publicação da Circular SUSEP nº 249, de 20 de fevereiro de 2004, a qual dispõe sobre a implantação de um Sistema de Controles Internos, sobre informações financeiras, operacionais e gerenciais, e sobre o cumprimento das normas legais e regulamentares aplicáveis. Tal Circular apresenta também uma preocupação com a segurança e com a lisura das operações e, por isso, tal sistema deve ser efetivo e consistente.

5 Seguindo o disposto na referida Circular, a Diretoria da EMPRESA tem como responsabilidade: A implantação e a manutenção de um Sistema de Controles Internos efetivo, alinhado às melhores práticas e aos princípios de Governança Corporativa, mediante a definição de atividades de controle para todos os níveis de negócios, em consonância com os objetivos estratégicos da organização. O estabelecimento dos objetivos dos mecanismos de controles e seus procedimentos, com verificação sistemática da adoção e do cumprimento dos mesmos; A avaliação contínua dos diversos tipos de riscos associados às atividades da EMPRESA; O acompanhamento e implementação da presente Política, com base na legislação aplicável vigente, revendo-a periodicamente; Promoção de elevados padrões éticos, de integridade e de cultura organizacional que demonstre e enfatize, a todos os colaboradores, a importância dos Controles Internos e o papel de cada um deles no processo. Além da Circular 249/2004, existem outras normas regulatórias que norteiam as atividades de Compliance dentro das Sociedades Seguradoras como, por exemplo, as normas referentes a Prevenção a Fraudes e a de Prevenção a Lavagem de Dinheiro. Na esfera legal, a Lei /2013, conhecida como Lei Anticorrupção Brasileira, enfatiza a necessidade e a função de Compliance nas Organizações. As funções de Compliance, Controles Internos, Gerenciamentos de Riscos e Auditoria Interna estão envolvidas no alinhamento das normas internas ao ambiente de controle necessário para prevenir e combater qualquer ato de natureza ilícita, bem como assegurar que os riscos envolvidos nas operações sejam conhecidos e monitorados continuamente. 5. COMPLIANCE NA EMPRESA A área de Compliance Local da EMPRESA tem como objetivo não só o atendimento às exigências regulamentares, mas também às necessidades de melhorias contínuas em seu Sistema de Controles Internos e à mitigação de riscos relacionados aos negócios da EMPRESA, principalmente, os Riscos de Imagem, Legal/Regulatório e Operacional, o qual inclui os Riscos de Fraude, de Lavagem de Dinheiro e de Corrupção, bem como o Risco de Desastre (mais conhecido como risco de interrupção ou descontinuidade dos negócios). Através das atividades desempenhadas pela área de Compliance Local e de sua atuação, junto com os Gestores das áreas, qualquer desvio em relação às Políticas e Normas da EMPRESA é evitado (quando se toma conhecimento prévio do risco inerente à determinada atividade) ou observado e minimizado (quando a divergência é identificada, através de ações corretivas).

6 5.1. Código de Ética e Conduta nos Negócios A Diretoria, as áreas de Compliance, Jurídico e de Recursos Humanos irão sempre reforçar a importância do Código de Ética e Conduta (PL ), bem como, eventualmente, questionar quanto ao seu conteúdo. Baseado nisto, é recomendável que todos se assegurem de sua perfeita compreensão. Como forma de facilitar o direcionamento de dúvidas, esclarecimentos ou aconselhamentos, às áreas, aqui mencionadas, bem como as mencionadas no Código de Ética e Conduta, são as únicas autorizadas a dar orientações, quanto ao conteúdo do Código Prevenção a Fraudes Uma das funções da área de Compliance é auxiliar a Diretoria responsável por Prevenção a Fraudes na implementação e manutenção de procedimentos e controles específicos, buscando atender às determinações regulatórias, discriminadas nas Circulares SUSEP nº 249/2004 e 344/2007, buscando mitigar os possíveis riscos operacionais relacionados. A EMPRESA também busca disseminar continuamente a cultura de análise de riscos e controles, principalmente, os relacionados a Prevenção Fraudes. Neste sentido, adota o disposto na Política de Prevenção a Fraudes (PL ) e os procedimentos a ela relacionados Prevenção a Lavagem de Dinheiro No escopo da EMPRESA, é de vital importância a conscientização de todos os colaboradores, quanto aos riscos legais e de imagem que a EMPRESA está exposta no caso de envolvimento, direto ou indireto, em atividades relacionadas aos crimes de Lavagem de Dinheiro. Neste sentido, a EMPRESA adota o disposto na Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro (PL ) e os procedimentos a ela relacionados, bem como possui um Diretor Responsável pelas Leis 9.613/1998 e /2012 (Crimes de Lavagem de Dinheiro). A área de Compliance Local aplica Treinamentos e orienta os colaboradores no sentido de disseminar os conceitos e as boas práticas, para evitar e controlar todas as atividades que possam, de alguma forma, ferir os princípios contidos no referido Programa. Vale ressaltar que os Controles Internos, Trabalhos de Auditorias (Interna e Externa) e Treinamentos (Integração e Reciclagem), também, fazem parte dos Programas de Prevenção a Fraudes e de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e os Estudos, as Políticas e os Manuais de Procedimentos de cada Programa estão disponíveis a todos os colaboradores da EMPRESA, no Diretório de Rede Normas, com o intuito de servir como base de consulta sobre a matéria.

7 5.4. Lei Brasileira Anticorrupção A Lei Anticorrupção Brasileira, /2013, de 1º de Agosto de 2013, dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira. Esta Lei permite ao Governo apurar denúncias e punir com multas empresas envolvidas com fraudes em contratos públicos. Com estas novas regras o Governo, em qualquer instância, poderá abrir processos contra empresas suspeitas de corromper a administração pública. A Lei Anticorrupção Brasileira, /2013, é mais abrangente que o FCPA (Foreign Corrupt Practices Act), Lei dos Estados Unidos Anticorrupção, uma vez que a Lei do Brasil prevê atos contra a administração pública nacional ou estrangeira, além do acordo de leniência, no qual a empresa infratora pode contatar a autoridade e entregar provas da existência de atos ilícitos, em contrapartida, a empresa leniente terá o valor da multa contra ela reduzido, enquanto a Lei dos Estados Unidos prevê atos somente contra a administração pública estrangeira. Vale ressaltar que, a EMPRESA também adota os princípios da Lei FCPA (Foreign Corrupt Practices Act), sob a qual a Matriz da TWG está sujeita, bem como os princípios da Lei Anticorrupção Brasileira. A EMPRESA está empenhada em aprimorar cada vez mais seu Programa de Compliance Local, o qual está alinhado ao Programa de Compliance Global, que tem como objetivo construir uma cultura de conformidade, bem como detectar violações das Leis, das Normas Regulatórias e/ou das Políticas Internas vigentes Processo de Due Diligence O Processo de Due Diligence, implementado em 2012, é realizado para toda nova contratação, aditivos aos contratos ou renovação de acordos vigentes. Atualmente é necessário o preenchimento e envio da Folha de Dados (Data Sheet) à Matriz e o Questionário de Due Diligence é preenchido e enviado à Matriz, somente quando solicitado. Localmente, a área responsável pelo processo de Due Diligence é a área Jurídica e Compliance acompanha todo processo de aprovação, uma vez que, somente após as devidas aprovações, o Jurídico Local prossegue com o processo de contratação.

8 5.6. Canal de Denúncias e Relatos A EMPRESA, através da matriz da Corporação, mantém disponível um canal de comunicação para denúncias ou relato de suspeitas de violações às normas internas, conhecido como TWG Ethics HotLine, o qual pode ser acessado, através do site acessando o link: https://secure.ethicspoint.com/domain/pt/default_reporter.asp ou entrando em contato pelo telefone Esse canal de comunicação (via telefone ou internet) assegura a confidencialidade e o anonimato, sendo que, se o colaborador desejar fornecer seu nome, o mesmo terá sua identidade protegida nos termos da lei aplicável vigente. Suspeitas e violações serão investigadas e, quando aplicável, ações disciplinares e medidas corretivas poderão ser adotadas Plano de Continuidade de Negócios O Plano de Continuidade dos Negócios tem como principal objetivo prever algumas situações de crise ou desastre que possam vir a interromper os negócios da EMPRESA, bem como traçar as estratégias e planejamento para retomada das atividades em um curto espaço de tempo, minimizando assim, o impacto negativo de uma possível situação de contingência. Esse Plano é composto pelas diretrizes gerais contidas no Plano consolidado pelos diferentes planos desenvolvidos pelas áreas de negócios, contendo os procedimentos para situações de contingências. A área de Compliance Local é responsável por acompanhar o desenvolvimento de tais planos, bem como suas revisões periódicas, e, em conjunto com os Gestores, garantir que sejam testados periodicamente. 6. ÁREA DE COMPLIANCE A área de Compliance Local da EMPRESA tem como função principal zelar pela conformidade dos processos e operações, em conjunto com os Gestores das áreas, bem como pela manutenção de um Sistema de Controles Internos adequado e efetivo. Nesse contexto, a área de Compliance necessita da efetiva participação das demais áreas da EMPRESA para a execução de um trabalho de monitoramento contínuo, com a finalidade de fiscalizar a adequação dos processos e de seus colaboradores às normas legais e regulamentares, evitando e/ou prevenindo eventuais pontos de atrito com as auditorias ou quaisquer Órgãos Reguladores, zelando assim, pela imagem da EMPRESA e pela efetividade e qualidade do seu Sistema de Controles Internos.

9 A área também tem como função contribuir, com as Diretorias responsáveis e a alta administração da EMPRESA, na implementação e manutenção dos Programas de Prevenção a Fraudes, de Prevenção a Lavagem de Dinheiro, e de medidas anticorrupção, bem como do Plano de Continuidade de Negócios, visando a segurança e sustentabilidade da EMPRESA, orientando e auxiliando os Gestores nas análises dos riscos relacionados aos seus processos e aos controles existentes, acompanhando a implementação dos planos de ações, quando necessários. Conforme disposto na Circular 249/2004, já mencionada nesta Política, a EMPRESA, através da área de Compliance Local, mantém disponível, para todos os colaboradores (de acordo com suas funções), os Manuais, Políticas e Regulamentos internos vigentes que devem ser sempre compreendidos e respeitados. Quaisquer dúvidas, esclarecimentos ou aconselhamento, sobre quais ações podem expor a EMPRESA a algum tipo de risco devem ser, imediatamente, direcionados à área de Compliance Local. Através do suporte técnico consultivo, a EMPRESA busca estar em conformidade com o exigido nas leis e regulamentações aplicáveis vigentes, atendendo a todos os pontos abaixo relacionados: Existência de atribuição de responsabilidades e de delegação de autoridade, observada a estrutura hierárquica da EMPRESA; Segregação de funções atribuídas de forma apropriada aos colaboradores, buscando evitar o acúmulo de responsabilidades conflitantes (ex.: quem solicita, não aprova); Meios de monitoramento, de forma a identificar potenciais áreas de conflito, a fim de minimizá-los; Meios de identificar e avaliar fatores internos e externos que possam afetar ou contribuir adversamente para a realização dos objetivos da EMPRESA; Existência de canais de comunicação que assegurem aos colaboradores, segundo o correspondente nível de atuação, o acesso a confiáveis, tempestivas e compreensíveis informações consideradas relevantes para o desempenho de suas tarefas e responsabilidades; Contínua avaliação dos diversos riscos associados aos negócios da EMPRESA, buscando alinhar o Sistema de Controles Internos aos objetivos estratégicos da EMPRESA; Acompanhamento sistemático das atividades desenvolvidas, de forma que se possa avaliar se os objetivos da EMPRESA estão sendo alcançados, se os limites estabelecidos e as leis e regulamentos aplicáveis vigentes estão sendo cumpridos, bem como assegurar que quaisquer desvios identificados possam ser prontamente corrigidos, de forma a garantir a efetividade do Sistema de Controles Internos; e

10 Existência de testes periódicos de segurança para os sistemas de informações, em especial para os mantidos em meio eletrônico RESPONSABILIDADES DE COMPLIANCE Responsabilidades da Área Assegurar a conformidade com a legislação, com as normas emitidas pelos órgãos reguladores e com as diretrizes e Políticas estabelecidas pela EMPRESA (locais e globais); Disseminar uma cultura de conformidade, Controles Internos e Gestão de Riscos, por todos os níveis da EMPRESA, estabelecendo procedimentos e diretrizes; Reportar necessidades de implantação, bem como oportunidades de melhorias, dúvidas e críticas, quanto aos elementos que compõem o Sistema de Controles Internos da EMPRESA. Auxiliar os gestores a avaliar e revisar os procedimentos das suas áreas, Oferecer suporte técnico e de pesquisa para as diversas áreas da EMPRESA (operacionais ou não), dentro de sua área de competência, atuando como consultoria, visando minimizar riscos operacionais com impactos regulatórios, entre outros; Adotar procedimento de controle preventivo e detectivo dos pontos potenciais ou efetivos levantados pelas Auditorias (Interna, Externa e SOX), Órgão Regulador (SUSEP), Receita Federal, Ministério Público e outros Órgãos Governamentais; Aplicar Treinamento anual (ou quando necessário) a todos os colaboradores da EMPRESA, referente às normas corporativas (EX.: Código de Ética e Conduta - PL , Políticas de Prevenção a Fraudes - PL e de Prevenção a Lavagem de Dinheiro - PL , Políticas de Compliance e de Controles Internos - PL ); Elaborar Relatório periódico abordando os componentes do Sistema de Controles Internos, bem como os pontos de atenção e os principais riscos envolvidos. O referido Relatório deverá ser submetido ao Comitê Local de Compliance e Controles Internos e, após aprovação, o Relatório deve ser encaminhado para a área de Compliance Global Responsabilidades Compartilhadas com os Gestores das Áreas Todos os colaboradores são responsáveis pelo correto funcionamento do Sistema de Controles Internos da EMPRESA. Para isso, os Gestores devem acompanhar continuamente todos os processos e atividades, relacionadas às áreas de sua responsabilidade, visando assegurar que as operações sejam desempenhadas de forma efetiva. Avaliar continuamente os processos, analisando os riscos envolvidos e garantindo a efetividade dos controles;

11 Assegurar a conformidade regulatória e adequação aos normativos internos, bem como o alinhamento às estratégias de negócios da EMPRESA. Definir os planos de ações para mitigação de riscos identificados e/ou adequação regulatória, se aplicáveis (inclusive sobre os pontos levantados pelas Auditorias e Fiscalizações) Função do Diretor de Compliance Ao Diretor responsável pela área de Compliance Local é atribuída a responsabilidade, perante os Órgãos Reguladores, quanto ao Sistema de Controles Internos da EMPRESA e eventuais desconformidades com a legislação aplicável vigente. No que se refere aos procedimentos preventivos contra o crime de Lavagem de Dinheiro, o Diretor de Compliance também tem a função de assegurar o cumprimento das Leis 9.613/1998 e /2012 (Crimes de Lavagem de Dinheiro). No escopo da área, este tem a responsabilidade de monitorar e definir as prioridades e estratégias, determinando as atualizações, implementações ou exclusões de mecanismos de Controles Internos (Manuais, Políticas, etc.) Função da Equipe de Compliance A equipe de Compliance Local tem como principais atribuições o suporte técnico consultivo a todas as áreas no que concerne a esclarecimentos, sobre os controles e regulamentos internos, bem como no acompanhamento de conformidade das operações e atividades da EMPRESA, tanto com as normas regulamentares, quanto as normas aplicáveis vigentes. Adicionalmente, cumpre-nos esclarecer que a equipe de Compliance Local se reporta, diretamente, ao Diretor de Compliance e Jurídico Local, executando atividades de monitoramento dos componentes do Sistema de Controles Internos e avaliando os riscos envolvidos nas operações da EMPRESA. Além disso, sempre que solicitado, a área de Compliance Local deverá reportar informações sobre o Sistema de Controles Internos para a área de Compliance Global da Matriz Comitê de Compliance e Controles Internos O Comitê Local de Compliance e Controles internos têm como objetivo auxiliar a EMPRESA (Gestores) no desempenho de suas atribuições, relacionadas à: adoção de estratégias, políticas, mitigação dos riscos identificados e a conformidade com as Normas Internas, Regulatórias e com as Leis aplicáveis vigentes, bem como às medidas voltadas a disseminação da cultura de Compliance, Controles Internos e Gestão de Riscos. Cumpre-nos esclarecer que, os participantes e a periodicidade do Comitê Local de Compliance e Controles Internos estão discriminados no respectivo Regulamento, o qual pode ser alterado, sempre que necessário

12 para atender as exigências Legais Regulatórias ou para melhor adequação às práticas de Governança Corporativa, sendo obrigatória a anuência dos membros permanentes do Comitê (conforme regulamento) de acordo com as necessidades da EMPRESA Compliance e Auditoria Interna Ainda que executem funções afins, Auditoria Interna e Compliance exercem papéis diferentes e suas funções não devem ser confundidas. As funções de Auditoria Interna e de Compliance se complementam, ambas agindo de forma independente para orientar a alta Administração, quanto aos eventos que possuem maior exposição a riscos, tendo papéis importantes no processo de Governança Corporativa. O que difere as duas funções é a fase em que cada uma atua: Compliance é contínuo, rotineiro e permanente, com foco na prevenção, enquanto a Auditoria Interna é pontual, aleatória e temporal, com foco na detecção e na correção. 7. TREINAMENTOS A EMPRESA adota um Programa de Treinamento e sensibilização dos colaboradores, quanto à importância do Sistema de Controles Internos, o papel de cada um nesse sistema e o compromisso com as Normas vigentes, disseminando seus princípios e valores, incluindo padrões éticos, de integridade e transparência. As realizações dos Treinamentos para os novos colaboradores no momento da integração e da reciclagem anual a todos os colaboradores da EMPRESA é uma prática contínua da área de Compliance Local. Tais Treinamentos têm como objetivo disseminar o conhecimento e buscar o comprometimento de todos os colaboradores em relação às Políticas e Normas Corporativas, principalmente, ao Código de Ética e Conduta (PL ), à esta Política, bem como às Políticas de Compliance (PL ), de Prevenção a Fraudes (PL ) e de Prevenção a Lavagem de Dinheiro (PL ). Após a participação no Treinamento de Compliance, cada colaborador deve evidenciar seu conhecimento e comprometimento em cumprir com os normativos apresentados, através da assinatura do termo CERTIFICAÇÃO DE COMPLIANCE, documento este que fica armazenado na área de Compliance (original) e na área de Recursos Humanos (cópia - prontuário do colaborador). Além disso, a área de Compliance acompanha os Treinamentos Globais (Antisuborno e Anticorrupção e a Certificação Anual com foco no Código de Ética), auxiliando a área de Compliance Global no monitoramento dos mesmos.

13 8. REFERÊNCIAS E POLÍTICAS RELACIONADAS LEIS E REGULAMENTAÇÕES Acordos de Basiléia II / Solvência II (Modelos Europeus) COSO 2013 (Metodologia de Controles Internos) Lei Sarbanes-Oxley/2002 (SOX) Lei Norte-Americana (EUA) Código Civil Brasileiro/2002 Lei de 03 de Março de Lei de Lavagem de Dinheiro Lei de 09 de Julho de Lei de Lavagem de Dinheiro Lei de 01 de Agosto de 2013 (Lei Anticorrupção Brasileira) FCPA (Lei Anticorrupção Norte-Americana) Manual de Compliance do Mercado Segurador (CNSeg) Circulares SUSEP 249/2004, 363/2008, 517/2015, 342/2007, 344/2007, 445/2012 Resolução CNSP 321/2015 Resoluções CNSP e Circulares SUSEP vigentes NORMAS INTERNAS As normas e diretrizes contidas neste documento foram desenvolvidas em conformidade com: Código de Ética e Conduta Política de Controles Internos Política de Prevenção a Fraudes Política de Prevenção a Lavagem de Dinheiro Política de Gestão de Riscos Programa Global de Compliance Política e Procedimentos Globais Contra Suborno e Contra Corrupção Regulamento do Comitê de Compliance e Controles Internos Quaisquer dúvidas ou para obter mais esclarecimentos sobre esta Política, entrar em contato com a área de Compliance Local (Brasil). Esta Política é de propriedade da EMPRESA e não deve ser copiada ou repassada a pessoas não autorizadas a fazerem uso da mesma para quaisquer fins.

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus

Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Revisado em Março de 2013 1. INTRODUÇÃO Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus produtos e serviços atendam

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA INSTITUCIONAL ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA INSTITUCIONAL ANTICORRUPÇÃO Belo Horizonte, Fevereiro de 2016. Diretoria Executiva de Controladoria, Compliance, PLD e Riscos Diretoria de Compliance, PLD e Riscos ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2.

Leia mais

Programa de Compliance

Programa de Compliance Programa de Compliance O que é compliance? Origem: to comply, tradução aproximada: conformidade Em poucas palavras significa observar determinadas normas ou comportar-se de forma a não perturbar a ordem

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE

POLÍTICA DE COMPLIANCE Informação Pública 13/05/2016 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES... 5 7 DISPOSIÇÕES FINAIS... 7 8 INFORMAÇÕES DE CONTROLE...

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de reforçar o compromisso da empresa Via Boleto de cooperar

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL POLÍTICA DE PREVENÇÃO À CORRUPÇÃO DO BANRISUL A Política de Prevenção à Corrupção tem como objetivo dar visibilidade e registrar os princípios e valores éticos que devem nortear a atuação dos empregados,

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL Definição de Risco Operacional Riscos Operacionais cobrem as instâncias onde a corretora pode sofrer perdas inerentes direta ou indiretamente a processos internos falhos ou

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Colgate-Palmolive Company. Código de Conduta do Fornecedor

Colgate-Palmolive Company. Código de Conduta do Fornecedor Colgate-Palmolive Company Código de Conduta do Fornecedor Prezado Fornecedor da Colgate, No decorrer do tempo, a Colgate-Palmolive Company construiu sua reputação como organização que emprega práticas

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos

I - Você e a DBA. II - Construir relacionamentos O código de ética DBA representa a necessidade de reforço aos valores e à cultura da empresa através da ética. Assim, é fundado nos valores essenciais da corporação e pode ser definido pelas normas padrões

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado e integral atendimento à regulamentação, implementou a sua Estrutura

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO, À LAVAGEM E À OCULTAÇÃO DE BENS, DIREITOS E VALORES Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ]

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIA... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Este Manual dispõe sobre os procedimentos e regras a serem observados pelos Agentes Autônomos de Investimentos ( AAIs ) vinculados à ICAP do Brasil CTVM ( ICAP

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1/8 1. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado

Leia mais

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS A Wilson Sons, por meio deste Guia Anticorrupção, pretende disseminar os valores morais e éticos que norteiam seus diversos negócios, reiterando seu princípio de combate

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA AGENTES AUTÔNOMOS DE INVESTIMENTO BANCO COOPERATIVO SICREDI S.A. Versão: Maio 2013 Página 1 Introdução Alinhado com o disposto na Instrução CVM nº 497/11 ( ICVM 497/11 ), o Banco

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA Título: Política de Controles Internos Riscos Corporativos SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. PRINCÍPIOS... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

BRASIL SALOMÃO E MATTHES ADVOCACIA

BRASIL SALOMÃO E MATTHES ADVOCACIA BRASIL SALOMÃO E MATTHES ADVOCACIA Fundação - 1.3.1969-46 anos Thiago Pena Advogado com atuação em contratos, societário e contencioso cível. 2º Panorama Econômico e Jurídico Painel Jurídico I Módulo:

Leia mais

Código de Ética - Ultra

Código de Ética - Ultra Código de Ética - Ultra Ética na gestão - Equidade, transparência e responsabilidade - Cumprimento das leis - Desenvolvimento sustentável Ética nos relacionamentos - Acionistas e investidores - Colaboradores

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Essas regras estão organizadas em torno das seguintes exigências:

CÓDIGO DE ÉTICA. Essas regras estão organizadas em torno das seguintes exigências: CÓDIGO DE ÉTICA O Grupo PSA Peugeot Citroën construiu seu desenvolvimento com base em valores implementados por seus dirigentes e funcionários, e reafirmados nos objetivos de desenvolvimento responsável

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE

CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE CARTILHA DE PREVENÇÃO À FRAUDE EMPRESA DO GRUPO 1. INTRODUÇÃO Mundialmente as fraudes ameaçam os governos, as corporações, os negócios e a sociedade, independentemente do grau de desenvolvimento de cada

Leia mais

de Ética Código de Ética Código de Ética Código de Ética Código de Ética ca Código de Ética Código de Ética Código de Ética Código de Ética Códig

de Ética Código de Ética Código de Ética Código de Ética Código de Ética ca Código de Ética Código de Ética Código de Ética Código de Ética Códig de Ética Código CÓDIGO de Ética Código de Ética Código DE de Ética Código de Ética de Ética Código de Ética Código ÉTICA de Ética Código de Ética Código de Ética Fazendo Negócios com Integridade Realizamos

Leia mais

BRUNO AUGUSTO VIGO MILANEZ FELIPE FOLTRAN CAMPANHOLI COMPLIANCE CRIMINAL

BRUNO AUGUSTO VIGO MILANEZ FELIPE FOLTRAN CAMPANHOLI COMPLIANCE CRIMINAL BRUNO AUGUSTO VIGO MILANEZ FELIPE FOLTRAN CAMPANHOLI COMPLIANCE CRIMINAL TÉCNICAS CORPORATIVAS DE PREVENÇÃO DA RESPONSABILIDADE PENAL Compliance Criminal técnicas corporativas de prevenção da responsabilidade

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

Data da última atualização. Prevenção à Lavagem de Dinheiro 04/02/2015

Data da última atualização. Prevenção à Lavagem de Dinheiro 04/02/2015 Política Prevenção à Lavagem de Dinheiro 04/02/2015 Data da última atualização 1. Objetivo: O Conselho de Administração e a Diretoria Executiva do Banco Indusval S/A e Guide Investimentos S/A Corretora

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Guia de Prevenção e Combate à Corrupção

Guia de Prevenção e Combate à Corrupção Guia de Prevenção e Combate à Corrupção Objetivo Estabelecer diretrizes e definir o que são práticas de corrupção, bem como reiterar qual é a conduta e a postura da Brasil Kirin frente a este tema, reafirmando

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 PRINCÍPIOS... 3 4 REFERÊNCIAS... 4 5 CONCEITOS...

Leia mais

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14

9.6. Política de segurança para Usuários(PSU)... 14 9.7. Questionários de Segurança da Informação... 14 10. CONCLUSÃO... 14 ANEXO I PSI Índice 1. FINALIDADE... 4 2. ABRANGÊNCIA... 4 3. FREQUÊNCIA DE REVISÃO... 4 4. PORTAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 4 5. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 5.1. Segurança da Informação... 4 5.2. Confidencialidade...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

Política Anticorrupção

Política Anticorrupção Soluções que impulsionam e valorizam sua empresa. Política Anticorrupção Ano fiscal 2016 Política Anticorrupção Objetivo Definir procedimentos para assegurar que todos os colaboradores, funcionários, sócios

Leia mais

COMPLIANCE NO BRASIL

COMPLIANCE NO BRASIL COMPLIANCE NO BRASIL C OMPLIANCE NO A existência de um programa de compliance demonstra comprometimento com a ética e integridade na prática de negócios O Que É Compliance Compliance, termo em inglês muito

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

Código de Conduta nos Negócios e Ética do UBS

Código de Conduta nos Negócios e Ética do UBS Código de Conduta nos Negócios e Ética do UBS Prefácio Este Código de Conduta nos Negócios e Ética do UBS (o Código) estabelece os princípios e práticas aos quais os funcionários e diretores do UBS estão

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research

Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research Missão Ser a referência no Brasil em soluções de pesquisa de mercado que utilizem tecnologia como uma plataforma para melhorar a decisão

Leia mais

Código de Conduta Ética e Compliance

Código de Conduta Ética e Compliance Construindo um programa de ética e conformidade Nalu Ribeiro Biasus Setembro 2015 Conceito e origens O QUE É COMPLIANCE? É estar em conformidade com leis e regulamentos internos e externos, aplicáveis

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 1 de 9 UL NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 2 de 9 ÍNDICE 1.0 OBJETIVO... 4 2.0 ESCOPO... 4 3.0 DEFINIÇÕES... 4 4.0 PRÁTICAS DE CONTRATAÇÃO... 5 4.1 TRABALHO FORÇADO... 5 4.2 TRABALHO

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 O Ministro da Previdência Social, no uso de sua competência estabelecida no art. 87 da Constituição Federal e considerando o disposto no art. 23 da Lei nº 8.159,

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS A quem se destina este Manual Este manual reúne o conjunto de normas e procedimentos a serem seguidos por TODOS aqueles que trabalham na S.C.C.V.M. S/A,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA 1. OBJETIVO Em atendimento à Resolução do Banco Central do Brasil nº 4.327 de 25 de abril de 2014, que dispõe sobre as diretrizes que devem ser observadas no estabelecimento e na implementação da Política

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Versão de 04/05/2016 Este documento foi construído com a compilação dos principais e mais recorrentes questionamentos das Unimeds referente ao Selo Unimed de Governança e Sustentabilidade

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. INTRODUÇÃO Em atendimento a Resolução do BACEN Nº 4.327 de 25 de abril de 2014, a EASYNVEST definiu sua Política de Responsabilidade Socioambiental que, considerando a natureza de suas operações e a

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Última atualização: Agosto/2014 EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pelas área de Risco Operacional Aprovado e revisado pela Diretoria Executiva A reprodução

Leia mais

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos

Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificações Deloitte Programa de Inteligência em Riscos Certificação Deloitte A Deloitte é referência mundial em soluções integradas em todas as indústrias e vem atendendo as demandas corporativas em

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12

POLÍTICAS. Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 Política de Gestão de Riscos Página 1 de 12 ÍNDICE 1. FINALIDADE...2 2. AMPLITUDE...2 3. CONCEITOS RELACIONADOS A RISCO...2 3.1. Risco... 2 3.1.1. Risco Residual... 2 3.2. Natureza do Risco... 3 3.3. Categoria

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007. *connectedthinking

Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007. *connectedthinking Auditoria da função de gestão de riscos operacionais* 1 de Agosto 2007 *connectedthinking Conteúdo Introdução Parte I - Auditoria específica (complementar) na área de risco operacional Parte II - Contexto

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA O SISTEMA DE QUEIXAS, CONTROLE E RESPONSABILIDADE PO-08/2013 Unidade Responsável: Assessoria Jurídica OBJETIVO Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação do

Leia mais

RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013

RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013 ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ Auditoria Administrativa de Controle Interno RELATÓRIO SINTÉTICO DAS ATIVIDADES DE AUDITORIA BIÊNIO: FEVEREIRO/2011 A JANEIRO/2013

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO I. Declaração da Diretriz. É a diretriz da Global Crossing Limited ( Global Crossing ou a Empresa ) conduzir todos os seus negócios de uma maneira honesta e ética. Ao fazer

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE CONDUTA E INTEGRIDADE DE FORNECEDORES SUMÁRIO 1. Introdução... 04 2. Abrangência... 04 3. Objetivo... 04 4. Princípios Éticos... 05 5. Preconceitos e Discriminação... 05 6. Respeito à Legislação e Integridade nos Negócios... 05 7. Documentos,

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência Código de Ética Conduzimos nossos negócios dentro de uma estrutura de padrões profissionais, legislações, regulamentações e políticas internas. Entretanto, temos consciência que essas normas não necessariamente

Leia mais

programa anticorrupção

programa anticorrupção A importância de um programa anticorrupção Corrupção no mundo - percepção Corrupção no mundo - realidade Marcos anticorrupção: leis e pactos 1977 EUA 2000 OCDE 2002 ONU 2006 Inst. Ethos 2010 Reino Unido

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

manual anticorrupção

manual anticorrupção manual anticorrupção ÍNDICE Introdução 4 Histórico 4 O Código de Conduta da Klabin 5 Por que um Manual Anticorrupção se já há um Código de Conduta? 5 Conceitos e Esclarecimentos 6 O que é corrupção? Práticas

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações:

A Global e todos os seus Colaboradores comprometem-se a seguir os princípios abaixo como diretrizes de conduta em todas as suas relações: POLÍTICAS CORPORATIVAS Assunto: Código de Ética e Conduta Objetivo O Código de Ética e Conduta objetiva estabelecer os princípios, conceitos e valores que orientam o padrão ético de todos os Colaboradores

Leia mais

Congratulações, estimado leitor! É muito bom poder estar aqui novamente. Este tópico tem como objetivo abordar, de forma clara e objetiva, o

Congratulações, estimado leitor! É muito bom poder estar aqui novamente. Este tópico tem como objetivo abordar, de forma clara e objetiva, o Congratulações, estimado leitor! É muito bom poder estar aqui novamente. Este tópico tem como objetivo abordar, de forma clara e objetiva, o gerenciamento de riscos corporativos e controles internos Modelo

Leia mais