FuturaGene Visão Geral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FuturaGene Visão Geral"

Transcrição

1 FuturaGene Visão Geral

2 Agenda Apresentação Institucional Introdução Porque a Biotecnologia Nosso negócio Resumo 2

3 Introdução Líder brasileiro em biotecnologia florestal Setor atraente; expectativas da indústria bastante positivas Implantação de culturas GM tem demonstrado alta penetração no mercado e um crescimento consistente nos últimos 15 anos; Aumento da demanda por alimentos e biocombustíveis, e diminuição da disponibilidade de terras aráveis; Liderança tecnológica Tecnologia game changer completamente desenvolvida: maior aumento de produtividade em clones comerciais de eucalipto; Tecnologia aplicável a outras culturas agrícolas (álamo, cana-de-açúcar, entre outras) e regiões. Posição comercial diferenciada Mercado cativo significativo: Florestas da Suzano (~ 10% das florestas plantadas de eucalipto no Brasil) Patrocinador forte Suporte financeiro da Suzano, líder brasileira no setor de papel e celulose; Acesso à melhor base genética de eucalipto do mundo, permitindo amplo alcance comercial; 3

4 Introdução Liderança em biotecnologia florestal Ser líder mundial em desenvolvimento e fornecimento de soluções sustentáveis em biotecnologia para os mercados globais de florestas plantadas, bioenergia e biocombustíveis. A FuturaGene está apta a atender as necessidades em biotecnologia de todos os players nos segmentos estratégicos em que atua: Setores chave:florestas plantadas, geração de energia a partir da biomassa, produção de biocombustíveis e bioquímicos de 2a geração Plataformas chave:aumento da produtividade e capacidade de processamento, proteção à produção Principais países: Brasil, China e EUA 4

5 Introdução Biotecnologia agrícola um clube fechado 5

6 Agenda Apresentação Institucional Introdução Porque a Biotecnologia Nosso negócio Resumo 6

7 Porque a Biotecnologia Enfrentando os desafios da agricultura moderna Produzir duas vezes mais alimentos (comparado ao produzido atualmente) em 2050 com demanda adicional por fibras e biocombustíveis. Reduzir o impacto ambiental por meio da produção otimizada de cada unidade de terra, água e energia investida na agricultura. Adaptar os sistemas de cultivo às mudanças climáticas que ameaçam a produtividade e segurança alimentar. Adaptar os sistemas de cultivo às ameaças de pragas e doenças, que se desenvolvem rapidamente, resultantes da intensificação agrícola e das mudanças climáticas. Desenvolver novas tecnologias que proporcionam retornos econômicos significativos para todos os agricultores. 7

8 Porque a Biotecnologia Evolução tecnológica e da produtividade Evolução da produtividade florestal (m³/ha/ano) 21 Clones Plantios de monoprogênies Solos e nutrição Melhoramento convencional Aumento da produtividade Manutenção da produtividade BIOTECNOLOGIA Fonte: Suzano Evolução tecnológica Próxima Geração Chave para o Sucesso: 1ª Geração Características de um único gene tolerância a herbicidas e resistência a insetos Curto Prazo 1,5 Geração Características stackeadas tolerância a herbicidas e resistência a insetos na mesma planta Adequação da produção e suas principais vias -produtividade, uso de nitrogênio e estresse abiótico Longo Prazo Regulamentação da segurança alimentar, alimentação animal e do meio ambiente. Aceitação pública 8

9 Agenda Apresentação Institucional Introdução Porque a Biotecnologia Nosso negócio Resumo 9

10 História e Evolução 2001 FuturaGene Plc. listada na AIM da Bolsa de Valores de Londres Aquisição pela Suzano Desregulamentação do 1º Produto Fusão da CBD com a FuturaGene Plc. listada em Londres Mudança estratégica para biotecnologia agrícola 2001 Suzano adquiriu 3,6% da empresa CBD Technologies 2009 Suzano aumentou sua participação para 9% da FGN 10

11 Estrutura do Grupo FuturaGene Unidades de Negócios (Celulose, Papel e Florestal) FuturaGene Israel Ltd. Rehovot, Israel FuturaGene Brasil Ltda. Itapetininga, Brasil FuturaGene Biotechnology China Xangai, China FuturaGene USA Inc. Indiana, EUA 11

12 Presença Global instalações e equipe # Equipe FuturaGene Ltd. UK FuturaGene USA Inc. FuturaGene Israel 46 FuturaGene Biotechnology (Xangai) 18 FuturaGene Barcelona 1 FuturaGene Agridev (Xinjiang) FuturaGene Brasil 32 Atualizado em Maio

13 Sinergia exclusiva ao longo da cadeia de valor Busca por características / genes Transformação Genética Germoplasma (melhoramento convencional) Regulamentação Produção Comercial Distribuição Consumidor Final Tecnologia comprovada para aumento da produtividade; Habilidade e eficiência em transformação de eucalipto; Acesso a um portfólio de tecnologia valioso (interno e externo). Clones comerciais de primeira linha: Experiência em gestão florestal; germoplasma de alto desempenho para Viveiros de propagação clonal com diversas condições ambientais; alta capacidade produtiva; Experiente equipe para assuntos Amplo mercado cativo ~10% das regulatórios. florestas plantadas de eucalipto no Brasil. O modelo de negócios da FuturaGene permite envolver parceiros em todos os estágios da cadeia de valor de biotecnologia 13

14 Tecnologia exclusiva e comprovada Busca por características / genes Transformação Genética Germoplasma (melhoramento convencional) Regulamentação Produção Comercial Distribuição Consumidor Final Fase 0 Descoberta de genes Fase I Prova de conceito Fase II Estágio inicial Fase III Estágio final Fase IV Pré-lançamento Média de duração 24 a 48 meses 12 a 24 meses 12 a 24 meses 12 a 24 meses 12 a 36 meses Investimento $ 2 5M $ 5 10M $ 10 15M $ 10 30M $ 20 40M Genes em testes Probabilidade de sucesso Dezenas de milhares Milhares Dezenas <5 1 5% 25% 50% 75% 90% Fonte: Monsanto 14

15 Processo regulatório brasileiro de OGMs Busca por características / genes Transformação Genética Germoplasma (melhoramento convencional) Regulamentação Produção Comercial Distribuição Consumidor Final Aprovação da CTNBio¹ Aprovação da CTNBio¹ Eventos produzidos em laboratório 1º experimento de campo / Seleção de eventos Experimento regulatório Submissão do dossiê Aprovação ou rejeição da CTNBio¹ 2 anos² 3 anos² 3 anos² 1 ano² Nota 1. CTNBio: Comissão Técnica Nacional de Biossegurança 15 Nota 2. Estimativas da Equipe

16 Criando valor para nosso cliente 442 mil ha Área plantada em 2013 Biotecnologia impulsiona a sustentabilidade. Game changer : cada 1% de ganho diminui a necessidade de terras em 4,4 mil hectares; Menos terras: - Reduz o custo de formação florestal; - Diminui os custos com insumos. Reduz o raio médio até a fábrica Reduz a pressão por recursos naturais 16

17 Presença nos principais mercados de eucalipto EUA Índia 3,9 Mi ha China 3,0 Mi ha RdM 39% Índia 22% Fonte: RISI 2010 e estimativas da Equipe RdM: Resto do Mundo Brasil 4,5 Mi ha África do Sul 0,6 Mi ha Tailândia 0,5 Mi ha Tailândia 3% África do Sul 3% China 14% Brasil 20% Presença em países que representam 60% do mercado global de eucalipto (~20 milhões ha) Três laboratórios de biotecnologia de nível internacional (Brasil, China e Israel) Presença na região sudeste dos EUA potencial mercado de energia a partir de biomassa Acesso a uma rede global de P&D e diversas alianças comerciais 17

18 Fornecimento das tecnologias do futuro The University of British Columbia Purdue University The Hebrew University of Jerusalem Beijing Forestry University China Academy of Forestry Oregon State University The University of Mississippi Guangxi Academy of Sciences The University of Arizona USP UNESP UFV Embrapa Observação. Somente relações Contratuais 18

19 Portfólio da FuturaGene Fornecimento de Genes / Viabilidade Fase I Prova de conceito Fase II Estágio inicial Fase III Estágio final Fase IV Prélançamento Acúmulo de Biomassa 1 4 anos 2 4 anos 2 3 anos 3 anos 3 anos Uso eficiente de nutrientes Processabilidade Qualid. madeira Poliplóide Proteção à produção 19

20 FuturaGene no Brasil FuturaGene Brasil Área em Itapetininga com 3,8 ha laboratórios, estufas e bancos de clonagem; Operação dedicada à Suzano e parcerias brasileiras; Centro de inovação para culturas bioenergéticas; Atividades regulatórias globais e de melhoria florestal administradas a partir do Brasil; 20

21 FuturaGene na China FuturaGene China Centro de P&D em Xangai; Fazendas para experimentos em campo em diferentes regiões para culturas arbóreas específicas; Licença comercial exclusiva na China permite modificação genética de espécies florestais, exportação/ importação e venda de árvores; Foco em eucalipto, álamo e espécies desérticas chinesas. 21

22 FuturaGene em Israel FuturaGene Israel Foco em inovação tecnológica, prototipagem, parcerias e treinamentos globais; Centro global de desenvolvimento de negócios; Gestão de propriedade intelectual; Repositório de germoplasma internacional. *FGN Barcelona - Ph.D/Dout., 1 22

23 Agenda Apresentação Institucional Introdução Porque a Biotecnologia Nosso negócio Resumo 23

24 Resumo Uma empresa inovadora da economia verde FuturaGene é a líder mundial em biotecnologia florestal capacidade de desenvolvimento integrada desde o laboratório até o campo. A biotecnologia é um "game changer". Primeiro eucalipto de alto valor (entre 15%-20% de aumento de produtividade) em fases avançadas do processo regulatório no Brasil. Pioneirismo em biotecnologia criou uma vantagem competitiva de tempo para a Suzano. Valor: cada 1 % de ganho em produtividade representa uma diminuição da necessidade de terras em 4 mil ha. -diminui o custo de formação florestal, diminui o custo com químicos e reduz o raio médio até a fábrica. Pipeline aborda questões vitais do eucalipto: produtividade, qualidade da madeira, pragas, doenças e adaptações aos climas e solos. As tecnologias são aplicáveis a várias culturas, proporcionando oportunidades adicionais de monetização. FuturaGenetrabalha em outras plataformas tecnológicas e integra técnicas do melhoramento convencional e biotecnologia para desenvolver características de interesse para a Suzano, melhorando sua base florestal. 24

25 Sustentabilidade é melhorar a produtividade, preservando os recursos de hoje para o amanhã.

O DESENVOLVIMENTO Do EUCALIPTO GENETICAMENTE MODIFICADO DE ALTO DESEMPENHO FLORESTAL: O

O DESENVOLVIMENTO Do EUCALIPTO GENETICAMENTE MODIFICADO DE ALTO DESEMPENHO FLORESTAL: O FuturaGene 8 INOVAR É FAZER. 22 CASOS EMPRESARIAIS DE INOVAÇÃO DE PEQUENAS, MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS 130 FuturaGene Yielding the Future TM O DESENVOLVIMENTO Do EUCALIPTO GENETICAMENTE MODIFICADO DE ALTO

Leia mais

Missão. Visão. Quem Somos

Missão. Visão. Quem Somos Quem Somos A Monsanto foi fundada em 1901 em Saint Louis, Missouri, nos Estados Unidos, e hoje possui 404 unidades em 67 países do mundo. Estamos no Brasil desde 1963 e contamos com o trabalho e a colaboração

Leia mais

Local: Mogi Guaçu São Paulo Brasil. Evento Oficial:

Local: Mogi Guaçu São Paulo Brasil. Evento Oficial: Local: Mogi Guaçu São Paulo Brasil Evento Oficial: 3 BRASIL HISTÓRICO O Brasil é referência mundial quando o assunto é floresta plantada. Por isso, é o lugar certo para a maior feira florestal dinâmica

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

Agricultura fortalecida: futuro sustentável do planeta.

Agricultura fortalecida: futuro sustentável do planeta. ANDEF Sustentabilidade Agricultura fortalecida: futuro sustentável do planeta. Na visão da ANDEF e suas indústrias associadas, a capacidade humana de inovar e desenvolver tecnologias é condição essencial

Leia mais

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.

Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman. Para obter mais informações, entre em contato com: Colleen Parr, pelo telefone (214) 665-1334, ou pelo e-mail colleen.parr@fleishman.com Começa a segunda onda prevista de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL

A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL A MAIOR EMPRESA DE BIODIESEL DO BRASIL BIODIESEL O que é? O biodiesel pode ser produzido a partir de qualquer óleo vegetal - tal como soja, girassol, canola, palma ou mamona -, assim como a partir de gordura

Leia mais

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO

NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO NOVIDADES NA IRRIGAÇÃO E FERTIRRIGAÇÃO Fredy Moreinos Netafim Brasil Sist. Equips. Irrigação Ltda Rua Salvador Scaglione, 135 14066-446 Ribeirão Preto SP 55 16 2111.8000 netafim@netafim.com.br O Brasil

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID SOBRE O BID CONTATE-NOS Vice-Presidência para o Setor Privado e Operações sem Garantia Soberana Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS, especializada

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA

Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Suzano: atualização e mais qualidade de informações com SAP Business Suite powered by HANA Geral Executiva Nome da Suzano Papel e Celulose Indústria Papel e celulose Produtos e Serviços Celulose de eucalipto,

Leia mais

Julia Paletta Mestre em Economia Internacional pela Universidade de Xangai

Julia Paletta Mestre em Economia Internacional pela Universidade de Xangai Investimentos EstrangeirosDiretos China -Brasil Julia Paletta Mestre em Economia Internacional pela Universidade de Xangai / p Tópicos abordados 1.Evolução do IED Chinês no Brasil e mudança de perfil ao

Leia mais

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 CENÁRIO MUNDIAL SETOR FLORESTAL PRESSÃO PARA PRESERVAÇÃO DAS FLORESTAS PRESSÃO PARA ABERTURA DE NOVAS FRONTEIRAS FLORESTA RISCO DE ESCASSEZ VALORIZAÇÃO 2 O BRASIL FLORESTAL

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa

Procedimento IFC. Antonio José de Sousa Procedimento IFC PROJETO FLORESTAL BRASIL Antonio José de Sousa Junho 2010 LOCALIZAÇÃO PLANO DE NEGOCIO A Florestal foi constituída em julho de 2007, tendo como acionistas a J&F Participações S.A e a MCL

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

O PAPEL DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AGRONEGÓCIO

O PAPEL DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AGRONEGÓCIO O PAPEL DO ENGENHEIRO AGRÔNOMO NA FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O AGRONEGÓCIO O que caracteriza as sociedades modernas e prósperas? CONHECIMENTO que determina... Produtos que sabemos produzir Produtos

Leia mais

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil Samir Lotfi Silvia Pela Objetivos Como eventos presentes e/ou futuros irão influenciar a taxa de

Leia mais

Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA

Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária-SNPA Embrapa Sede 08 Centros Nacionais de Temas Básicos 13 Centros Nacionais de Produtos 15 Centros Ecorregionais de Pesquisa Agroflorestal ou Agropecuária 03

Leia mais

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão 11 GEOGRAFIA Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. NÚMERO DE INVERSÕES

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

EUCALIPTO - OPORTUNIDADES PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

EUCALIPTO - OPORTUNIDADES PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SILVICULTURA O mundo se curva diante da competitividade do setor florestal brasileiro, fruto de nossas condições climáticas e da tecnologia desenvolvida pelas empresas e instituições de pesquisa do País.

Leia mais

Competitividade Chinesa e Impactos Ambientais

Competitividade Chinesa e Impactos Ambientais Seminário FIESP A competitividade industrial chinesa no século XXI Competitividade Chinesa e Impactos Ambientais Prof. Moacir de Miranda Oliveira Junior mirandaoliveira@usp.br São Paulo, 04 de setembro

Leia mais

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015 MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS Seminário PDFS/MT 2015 É referência em questões e atividades que interferem na cadeia de florestas plantadas, sugerindo e opinando em políticas públicas de pesquisa,

Leia mais

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA

UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: H

Leia mais

EU EXIJO MAIS DOS MEUS AÇOS PARA A AGRICULTURA AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA RUUKKI. A NOVA DEFINIÇÃO PARA PREMIUM. SOLUÇÕES PARA A AGRICULTURA

EU EXIJO MAIS DOS MEUS AÇOS PARA A AGRICULTURA AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA RUUKKI. A NOVA DEFINIÇÃO PARA PREMIUM. SOLUÇÕES PARA A AGRICULTURA www.ruukki.com.br SOLUÇÕES PARA A AGRICULTURA EU EXIJO MAIS DOS MEUS AÇOS PARA A AGRICULTURA AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA AO DESGASTE AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÂNICA AÇOS DE ALTA RESISTÊNCIA RUUKKI. A NOVA

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. Avanços da Agricultura Brasileira. Passou de importador

Leia mais

Rio+20 Significado e Mensagens

Rio+20 Significado e Mensagens Rio+20 Significado e Mensagens Rio 92 Desenvolvimento Sustentável Rio + 20 Economia Verde Rio+20 Significado e Mensagens Cinco maiores problemas da humanidade nos próximos 50 anos 1 Energia 2 Água 3 Alimento

Leia mais

Índice 2 EUCALIPTO OPORTUNIDADES PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Índice 2 EUCALIPTO OPORTUNIDADES PARA UM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Índice Um pouco de história Origem 4 Linha do tempo 4 Cenário brasileiro 5 Importância do setor florestal para o Brasil 5 Genética Melhoramento convencional 6 e 7 Como produzir um híbrido de eucalipto

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 15 AGROPECUÁRIA E MEIO AMBIENTE

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 15 AGROPECUÁRIA E MEIO AMBIENTE GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 15 AGROPECUÁRIA E MEIO AMBIENTE Fixação 1) (ENEM) Calcula-se que 78% do desmatamento na Amazônia tenha sido motivado pela pecuária - cerca de 35% do rebanho nacional está na

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Planos de Ação para a Proteção de Florestas da Cargill

Planos de Ação para a Proteção de Florestas da Cargill Planos de Ação para a Proteção de Florestas da Cargill ESTAMOS AGINDO Ao endossar a Declaração de Nova York sobre Florestas em 2014, a Cargill comprometeu-se a fazer a sua parte e promover medidas práticas

Leia mais

A EXPANSÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS O

A EXPANSÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS O No 16, Fevereiro 2014 A EXPANSÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS O informativo Tropical Forest Update da Organização Internacional de Madeiras Tropicais (ITTO, sigla em inglês), publicou recentemente o artigo

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

Cedro Australiano (Toona ciliata)

Cedro Australiano (Toona ciliata) TECNOLOGIA E VIDA Cedro Australiano (Toona ciliata) Características gerais e botânicas: Planta da família Meliaceae; Altura varia entre 20 a 35 m; Tronco ereto e cilíndrico; Folhas compostas paripinadas

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Wal-Mart Brasil Informações sobre

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO DO SETOR BIOMASSA SÓLIDA - MESA REDONDA - Joésio Siqueira joesio@stcp.com.br Florianópolis, SC 12 / Novembro / 2015 1 2 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO FSC DA DURATEX Seminário Internacional sobre Tendências Florestais. 10 a 12 de maio de 2000. Curitiba - Paraná

A CERTIFICAÇÃO FSC DA DURATEX Seminário Internacional sobre Tendências Florestais. 10 a 12 de maio de 2000. Curitiba - Paraná A CERTIFICAÇÃO FSC DA DURATEX Seminário Internacional sobre Tendências Florestais 10 a 12 de maio de 2000 Curitiba - Paraná INFORMAÇÕES GERAIS ÁREA FLORESTAL INFORMAÇÕES GERAIS ÁREA FLORESTAL BAHIA (ESPLANADA)

Leia mais

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO 13º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO José Eloir Denardin Embrapa Trigo AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO DENARDIN, 2012 CONFERÊNCIA DE ABERTURA OBJETIVOS

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil

A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil A produção de energia devora alimentos? Oportunidades e riscos da produção de etanol derivado de cana-de-açúcar no Brasil Uma posição conjunta do CAPA (Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor, Brasil) e

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Innovation turns global. www.inocrowd.com

Innovation turns global. www.inocrowd.com Innovation turns global www.inocrowd.com Porque inovar? Desindustrialização Inovar para agregar valor à produção O que é Inovação Aberta? Inovação aberta é a utilização de entradas e saídas de conhecimentos

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Como incentivar o empreendedorismo na química? Painel Venture Capital. Seminário Tecnologia e Inovação ABIQUIM Setembro 2014

Como incentivar o empreendedorismo na química? Painel Venture Capital. Seminário Tecnologia e Inovação ABIQUIM Setembro 2014 Como incentivar o empreendedorismo na química? Painel Venture Capital Seminário Tecnologia e Inovação ABIQUIM Setembro 2014 O setor químico vive uma onda de projetos de P&D no sentido de substituir produtos

Leia mais

É o nosso principal atributo para fazer com que os desafios tornem-se conquistas.

É o nosso principal atributo para fazer com que os desafios tornem-se conquistas. TRANSPARÊNCIA É o nosso principal atributo para fazer com que os desafios tornem-se conquistas. TRANSPARÊNCIA 13 03 Visão Setorial Na cadeia produtiva da construção civil, cimento e concreto estão entre

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

Congresso Internacional do Leite. Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira

Congresso Internacional do Leite. Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira Congresso Internacional do Leite Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira Pedro B. ARCURI Pesquisador, Embrapa Gado de Leite Alexandre Berndt Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento,

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

PLUG-IN CASE FRILUX. Dezembro 2013

PLUG-IN CASE FRILUX. Dezembro 2013 PLUG-IN CASE FRILUX Dezembro 2013 MERCADO EM CRESCIMENTO O crescimento nas vendas dos segmentos de ar-condicionado, refrigeração, ventilação e aquecimento solar (mercado de refrigeração) está sendo impulsionado

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis

UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis UE EMBRAPA AGROENERGIA Bioquímica de Renováveis A Embrapa Agroenergia Fundada em 2006; Missão Viabilizar soluções tecnológicas inovadoras para o desenvolvimento sustentável e equitativo do negócio da agroenergia

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM!

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! ESPECIAL DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS SÃO SEGUROS E COM BOA RENTABILIDADE, MAS É PRECISO SABER O QUE ESTÁ FAZENDO 58 www.referenciaflorestal.com.br C olocar dinheiro

Leia mais

O profissional da química no século XXI

O profissional da química no século XXI 16 de maio de 2013 O profissional da química no século XXI Fernando Figueiredo Associação Brasileira da Indústria Química ABIQUIM Sonhar o sonho impossível, Pisar onde os bravos não ousam, Amar um amor

Leia mais

Dell Computadores do Brasil. Impactos da Lei de Informática no estímulo à realização de pesquisa e desenvolvimento na empresa

Dell Computadores do Brasil. Impactos da Lei de Informática no estímulo à realização de pesquisa e desenvolvimento na empresa Dell Computadores do Brasil Impactos da Lei de Informática no estímulo à realização de pesquisa e desenvolvimento na empresa Agenda A Dell no Brasil O que diferencia a Dell Os fatores de inovação na Dell

Leia mais

Brasil - China: 40 anos de parceria estratégica

Brasil - China: 40 anos de parceria estratégica Brasil - China: 40 anos de parceria estratégica ENAEX 2014 7 e 8 de agosto Rio de Janeiro José Carlos Martins Diretor-Executivo de Ferrosos e Estratégia Disclaimer Esse comunicado pode incluir declarações

Leia mais

Programa da Palestras

Programa da Palestras Programa da Palestras Camila Braga Temas da Palestra: Programa Mais Árvores da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Resumo da palestra: A palestra irá apresentar o Programa Mais Árvores, abordando

Leia mais

Apresentação. Institucional

Apresentação. Institucional Apresentação Institucional Fundamentos Estratégicos VISÃO Fazer bem, bem feito! Ser a mais sustentável e a mais admirada empresa do agronegócio do coco do Brasil. MISSÃO Oferecer de maneira inovadora,

Leia mais

RELATÓRIO 1.º Energy Lab de Torres Vedras

RELATÓRIO 1.º Energy Lab de Torres Vedras RELATÓRIO 1.º Energy Lab de Torres Vedras Data de Realização: 23 de Janeiro de 2013 Local: Auditório da Câmara Municipal de Torres Vedras Hora: 9-13h N.º Participantes: 23 INTRODUÇÃO O Energy Lab de Torres

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação Convocatória 2014

Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017. Sessão Divulgação Convocatória 2014 Subprograma Ação Climática Programa LIFE 2014-2017 Sessão Divulgação Convocatória 2014 DRE-Norte, 19-09-2014 LIFE Clima 2014 Clima no LIFE Tipos de projetos tradicionais elegíveis Financiamento Áreas prioritárias

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA FACE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS

GOVERNANÇA CORPORATIVA FACE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS GOVERNANÇA CORPORATIVA FACE A MUDANÇAS CLIMÁTICAS Thiago Roque Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Global Environment Department Junho 2010 1 CONTEÚDO Mercado Global de carbono Drivers de mercado Governança

Leia mais

Leonardo Melgarejo - GEA/NEAD-MDA - melgarejo.leonardo@gmail.com

Leonardo Melgarejo - GEA/NEAD-MDA - melgarejo.leonardo@gmail.com Pressupostos incorretos Métodos/amostras inadequados Descaso à evidências Fragilização de normativas Excesso de confiança DEBATE SOBRE AS Reflexões e Propostas da MESA DE CONTROVÉRSIAS SOBRE TRANSGÊNICOS

Leia mais

Florestas de Eucalipto e Outras Biomassas como Fontes Alternativas de Energia

Florestas de Eucalipto e Outras Biomassas como Fontes Alternativas de Energia Florestas de Eucalipto e Outras Biomassas como Fontes Alternativas de Energia Roberto Pinto Superintendente Agroflorestal ERB - Energias Renováveis do Brasil Alagoas Mar/2014 ERB Energias Renováveis do

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Reunião pública Dezembro, 2010

Reunião pública Dezembro, 2010 Reunião pública Dezembro, 2010 Agenda Conhecendo a Mills Divisões da Mills Plano de crescimento Mills Visão geral Liderança de mercado incontestável no fornecimento de formas para concretagem e estruturas

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

GEduc 2012: NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO EDUCACIONAL. A sua instituição está preparada para os desafios do futuro? São Paulo-SP

GEduc 2012: NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO EDUCACIONAL. A sua instituição está preparada para os desafios do futuro? São Paulo-SP GEduc 2012: NOVOS RUMOS PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A sua instituição está preparada para os desafios do futuro? São Paulo-SP Painel: Inovações na gestão de pessoas - respondendo as demandas do presente

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

PÖYRY POINT OF VIEW - NOVEMBRO 2014. Reinventando a Produção Florestal

PÖYRY POINT OF VIEW - NOVEMBRO 2014. Reinventando a Produção Florestal PÖYRY POINT OF VIEW - NOVEMBRO 2014 Reinventando a Produção Florestal Superando os Limites da Produtividade As vantagens competitivas da madeira plantada teriam se esgotado? O PAPEL DAS FLORESTAS PLANTADAS

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

No último dia de 2009 o governo do estado de

No último dia de 2009 o governo do estado de > política científica e tecnológica cooperação Esforço multiplicado Com investimentos conjuntos do governo paulista, das universidades estaduais e da FAPESP, será criado o Centro Paulista de Pesquisa em

Leia mais

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.

12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO. Realização. 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com. 12 de maio de 2015 - Belo Horizonte (MG) PROJETO PREMIADO Realização 11 3895-8590 eventos@revistaminerios.com.br www.revistaminerios.com.br Detalhamento do Projeto Título: Viveiro Florestal de Presidente

Leia mais

CONSUMO MUNDIAL DE PAPEL E CARTÃO A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL EM EXPANSÃO (E SEUS LIMITES)

CONSUMO MUNDIAL DE PAPEL E CARTÃO A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL EM EXPANSÃO (E SEUS LIMITES) A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL EM EXPANSÃO (E SEUS LIMITES) Gosto de forçar os limites / I like pushing boundaries Lady Gaga, cantora considerada uma das mais arrojadas dos últimos tempos.

Leia mais

Desafios das EPDI s privadas.

Desafios das EPDI s privadas. BIOCLONE Produção de Mudas S/A Roberto Caracas de Araujo Lima Sócio Diretor Executivo www.bioclone.com.br Desafios das EPDI s privadas. 14 a 16 de agosto de 2012 http://www.abipti.org.br/ A EMPRESA Setor

Leia mais

A Inca Digital leva os recursos de flexibilidade e desempenho garantidos para um nível mais alto com a série Onset X

A Inca Digital leva os recursos de flexibilidade e desempenho garantidos para um nível mais alto com a série Onset X A Inca Digital leva os recursos de flexibilidade e desempenho garantidos para um nível mais alto com a série Onset X A nova plataforma revolucionária tem potencial para 14 canais, mesa de vácuo com 25

Leia mais

Patentes de Genes Humanos e a Tutela dos Interesses Difusos

Patentes de Genes Humanos e a Tutela dos Interesses Difusos Patentes de Genes Humanos e a Tutela dos Interesses Difusos Profa. Adriana Diaféria Novas Tecnologias da Genética Humana: Avanços e Impatos para a Saúde Rio de Janeiro RJ 23.03.2007 O papel das ciências

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

Propriedade Intelectual e Aspectos Regulatórios em Biotecnologia IPEA

Propriedade Intelectual e Aspectos Regulatórios em Biotecnologia IPEA Propriedade Intelectual e Aspectos Regulatórios em Biotecnologia Graziela Zucoloto Rogério Freitas André Souza Denis Barbosa Patricia Porto IPEA 18 de Outubro de 2013 Motivações recentes Debate nas legislações

Leia mais

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica!

ELOBiomass.com. Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ELOBiomass.com Como Comprar a Energia da Biomassa Lignocelulósica! ÍNDICE Introdução... I Biomassa Lignocelulósica Energética... 1 Energia de Fonte Renovável... 2 Nova Matriz Energética Mundial... 3 Geração

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM BIOSINTÉTICOS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM BIOSINTÉTICOS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM BIOSINTÉTICOS Inovação Soluções em Tecnologia Sustentabilidade Prover Soluções de Tecnologia e Inovação para aumentar a competitividade da indústria. 300 projetos de inovação

Leia mais

Certificação para Parceiros de Canais Axis

Certificação para Parceiros de Canais Axis Axis Communications' Academy Certificação para Parceiros de Canais Axis O mais novo requisito para Parceiros de Soluções também é um dos seus melhores benefícios. Axis Certification Program o padrão mundial

Leia mais

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais.

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. Parceria PúblicoP blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. João Cancio de Andrade Araújo Superintendente Florestal ASIFLOR BRASÍLIA MARÇO/2010 ASSOCIAÇÃO DAS SIDERÚRGICAS

Leia mais