A RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - é a rede nacional de investigação e ensino (National Research and Education Network, NREN) e é

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - é a rede nacional de investigação e ensino (National Research and Education Network, NREN) e é"

Transcrição

1

2

3

4 A RCTS Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - é a rede nacional de investigação e ensino (National Research and Education Network, NREN) e é planeada, gerida e operada pela FCCN unidade da FCT (Fundação para Ciência e a Tecnologia, I.P.) responsável pela computação científica nacional. A RCTS dedica a sua atividade a toda a comunidade científica e académica de Portugal. Instituições de ensino superior, organizações de investigação e pesquisa científica, observatórios, laboratórios, institutos de pesquisa científica e investigação médica, conservatórios e academias de arte, bibliotecas, museus e outras entidades ligadas à ciência e à educação.

5 conectividade 4 colaboração 13 conhecimento 22 computação 26 segurança 29

6 conectividade O RCTS IP é o principal e mais antigo serviço de conectividade da Rede Ciência, Tecnologia e Sociedade - RCTS. Este serviço assegura a comunicação direta entre todas as entidades ligadas à rede e a ligação à Internet global assegurada via ligação ao GigaPix, plataforma de troca de tráfego IP também operada pela FCCN, à rede académica europeia GÉANT e à rede académica espanhola RedIRIS. O serviço abrange uma gama de débitos de acesso entre os 100Mbit/s e os 10Gbit/s, suportando as versões v4 e v6 do protocolo IP, em Unicast e Multicast e vários níveis de redundância. Às entidades utilizadoras do RCTS IP é garantido o acesso a todos os outros serviços disponibilizados no âmbito da RCTS, sejam eles serviços de conectividade, de colaboração, de conhecimento, de computação ou de segurança. Trata-se da plataforma base, comum e universal de comunicação entre todas as entidades e destas com a Internet. As entidades elegíveis para aderir ao RCTS IP são todas as instituições de ensino superior, laboratórios e organismos de I&D do Estado, instituições sem fins lucrativos que tenham como objetivo principal as atividades de I&D. 4

7 conectividade O RCTS Plus disponibiliza um conjunto de funcionalidades avançadas, assegurada através da criação de Redes Virtuais Privativas (VPN) Ethernet. Este serviço destina-se a servir projetos ou aplicações que necessitem de um serviço de conectividade comutada de elevado desempenho, mas que não requeiram ligação à Internet. O serviço permite topologias ponto a ponto ou multiponto, com diversas larguras de banda de acesso e opção de redundância. O RCTS Plus garante isolamento de tráfego, sendo entregue numa porta física distinta do serviço RCTS IP. O RCTS Plus poderá ser estendido a outras redes académicas europeias ligadas à rede GÉANT através do equivalente serviço GÉANT Plus. Os destinatários do RCTS PLUS são as instituições elegíveis para adesão ao serviço RCTS IP. 5

8 conectividade O RCTS Lambda constitui a oferta mais avançada em termos de capacidade de comunicação entre duas entidades ligadas à RCTS. Este serviço baseia-se em ligações ponto-a-ponto com 1 ou 10Gbit/s de capacidade assegurada e compatível com diversos protocolos de rede como Ethernet ou Fibre channel. Este serviço pode garantir redundância, sendo que as ligações são completamente isoladas das restantes comunicações da RCTS. Este serviço destina-se a aplicações que precisem de transferir elevados volumes de dados entre locais pré-definidos, com muito baixa latência e jitter constante. Os destinatários do RCTS Lambda são as instituições elegíveis para adesão ao serviço RCTS IP. 6

9 conectividade O RCTS Fibra oferece o serviço mais simples dos serviços de conectividade da RCTS. Neste serviço é fornecido um par de fibra ótica, sem qualquer equipamento ativo de permeio. Trata-se de um serviço de infraestrutura base, dando poder aos utilizadores de criarem a sua própria rede, modelada às suas necessidades, ainda que com o mesmo nível de suporte e qualidade dos serviços da RCTS. Este serviço resulta da aposta estratégica feita pela FCCN na construção de uma rede de fibra ótica própria, que criou possibilidades até aí inexistentes na rede de investigação e ensino nacional. Os destinatários do RCTS Fibra são as instituições elegíveis para adesão ao serviço RCTS IP. 7

10 conectividade Federação de Identidade RCTS A Federação de Identidade RCTS tem como objetivo facilitar e simplificar a oferta de serviços partilhados a toda a comunidade RCTS. A Federação disponibiliza os serviços eduroam e RCTSaai, que estendem a validade de uma identidade eletrónica a todos os participantes na federação. A federação de Identidade RCTS está disponível para as entidades ligadas à RCTS. 8

11 conectividade O serviço eduroam (Education Roaming) tem como objetivo garantir à comunidade de ensino e investigação o acesso à rede sem fios de qualquer instituição do ensino superior e investigação que se encontre ligada à rede eduroam. Aos utilizadores das entidades participantes é garantido o acesso à rede através da utilização da sua conta institucional. Atualmente a rede mobilidade eduroam está disponível em 76 países. Em Portugal são 61 as instituições aderentes a este serviço. acesso ao serviço e outras informações 9

12 conectividade O serviço RCTSaai disponibiliza uma infraestrutura de autenticação e autorização que tem como objetivo simplificar o acesso da comunidade de ensino e investigação a serviços web. O RCTSaai permite que os fornecedores de serviços disponibilizem aos utilizadores de outras entidades federadas o acesso a serviços de forma simplificada e segura: não é necessária a gestão local das credenciais dos utilizadores e a autenticação é realizada na instituição de origem, em ambiente protegido e cifrado. Exemplo de alguns serviços que garantem autenticação federada são o educast, colibri, filesender e as editoras da B-On. Neste o acesso do utilizador é garantido via credencias da sua instituição de origem. 10 acesso ao serviço e outras informações

13 conectividade O Speedmeter é uma funcionalidade que permite aos utilizadores da Internet verificarem a largura de banda disponível num determinado momento entre um computador e o servidor do Speedmeter instalado na sala técnica da FCCN, num ponto estratégico de rede, com alta disponibilidade e largura de banda. Assim que o teste é iniciado o Speedmeter efetua um procedimento de estabilização das ligações ao servidor evitando picos de tráfego, para de seguida poder realizar os testes de download, Ping e upload. 11

14 conectividade Ao abrigo do serviço TCS (Trusted Certificate Service), disponibilizado pela Associação GÉANT (www.geant.org), o serviço RCTS Certificados assegura o fornecimento de vários tipos de certificados às entidades pertencentes à RCTS. Garante-se que a entidade certificadora tem reconhecimento mundial como CA - Certification Authority. Este serviço oferece segurança, autenticidade, confidencialidade e integridade à informação enviada através da Internet. Alunos, docentes e investigadores têm acesso, aos seguintes tipos de certificados digitais: 12 Certificados de Servidor Um servidor dotado de um certificado reconhecido garante que o site é seguro e confiável através da criação de um canal criptográfico entre um servidor web e um navegador (browser). Certificados Pessoais Certificados que permitem a identificação do utilizador como sendo elemento de uma instituição, podendo ser usados para assinar e cifrar mensagens de ou assinar documentos. Certificados GRID (Pessoais e Servidor) São utilizados para permitir o acesso às infraestruturas de GRID. Assinatura de código Certificados que permitem a assinatura de código e aplicações, garantindo a sua origem, integridade e segurança.

15 colaboração O serviço VoIP (Voice Over Internet Protocol) da FCCN consiste na existência de uma rede privativa de voz sobre IP da RCTS. Um dos objetivos do RCTS VoIP é permitir a redução de custos nas comunicações de voz. Esta redução é conseguida, não só pelo encaminhamento de chamadas para diferentes operadores através da rota de menor custo, mas também porque são criadas ligações IP, virtualmente dedicadas, entre as instituições aderentes ao serviço, possibilitando a realização de chamadas entre estas sem qualquer custo associado. 13

16 colaboração O Educast é um serviço de gestão de vídeo para registo e distribuição de conteúdos educativos. Os conteúdos são apresentados aos utilizadores finais combinando de forma síncrona fontes de áudio, vídeo e slideshow. O Educast permite a gravação de aulas, upload para um servidor central, edição e sua posterior publicação. É também possível a integração das aulas gravadas em sistemas de E-learning, portais e sites das instituições de ensino superior. O sistema central garante o pós-processamento necessário para que as gravações fiquem disponíveis aos alunos através da Internet em múltiplos formatos: Flash, Quicktime e Mobile. educast portal O Portal Educast permite pesquisar conteúdos educativos multimédia em várias áreas do conhecimento, facilitando assim o acesso ao conhecimento criado pelas instituições ligadas à RCTS. Através do portal Educast, os utilizadores têm a capacidade de pesquisar por conteúdos do seu interesse nas seguintes áreas: Artes e Cultura, Negócios, Educação, Saúde, Humanidades, Interdisciplinar, Matemática e Ciências Naturais, Ciências Sociais e Tecnologias, Direito e Ciências Aplicadas. 14

17 colaboração site de ajuda O Site de Ajuda inclui informação genérica acerca do serviço Educast. Através do site de ajuda, os utilizadores têm acesso a documentação e boas práticas, condições de uso e adesão, novidades acerca do serviço, informações técnicas, destaques nos media, publicações científicas e contactos das equipas técnicas de suporte ao serviço à escala nacional. recorders educast A plataforma Educast disponibiliza dois recorders distintos que permitem gravar de forma síncrona fontes de áudio, vídeo e slideshow, provenientes de eventos institucionais, aulas e outros conteúdos educativos de teor pedagógico. O Switchcast Recorder suporta a gravação de conteúdos em sistemas operativos Mac OS, enquanto que o Easy2rec permite a gravação em sistemas operativos Windows. https://portal.educast.fccn.pt/ 15

18 colaboração O Estúdio de Vídeo é o espaço onde concretizamos ideias num produto Audiovisual. 80m 2 de área útil, paredes e chão Verde Chroma, cenários virtuais, três câmaras de vídeo, teleponto, iluminação e microfones sem fios, são algumas das tecnologias disponíveis para a gravação de vídeos para E-learning, transmissão de Webinars em direto ou diferido, sessões de fotografia, demonstração de produtos, gravação de programas de rádio, Podcasts ou e-papers, entre outros tipos de produtos audiovisuais. É possível ver alguns exemplos de conteúdos gravados e editados no Estúdio aqui: https://educast.fccn.pt/channels/3536/clips banco de vídeo Para realizar a partilha e arquivo de vídeo, áudio e fotografia, a FCT FCCN disponibiliza o Banco de Vídeo. Este sistema é um portal Web, onde a comunidade produtora de vídeo pode arquivar o seu espólio de imagens, vídeo e fotografia em bruto, para partilha-lo com a comunidade produtora de vídeo. Com a colaboração de todos, estamos a criar um rico Banco de Imagens para a utilização de toda esta a comunidade. 16

19 colaboração empréstimo de equipamentos de vídeo A produção de vídeo e realização de uma videodifusão necessita, por vezes, de ferramentas bastante específicas. Um exemplo típico deste tipo de equipamentos são os encoders de streaming. Assim, a FCT FCCN dispõe de um parque de encoders disponível para empréstimo, assim como de outros equipamentos de vídeo necessários para a realização de um vídeo ou apoio a eventos. apoio a eventos Para a realização de um VideoCast ou tornar possível a participação de um orador remoto num evento através de videoconferência, a equipa do Estúdio de Vídeo tem a capacidade de prestar suporte a equipas de eventos. Este apoio poderá ser dado através da deslocação de técnicos, cedência de equipamentos e formação especializada a equipas técnicas. tel

20 colaboração O serviço COLIBRI traduz-se como um ambiente de colaboração web sofisticado, o qual disponibiliza ferramentas para a realização de reuniões, aulas ou trabalhos de grupo para professores e alunos, através da Internet. Permite a realização de sessões síncronas ou visionamento posterior das mesmas, integrado com ferramentas de elearning, utilizadas nas Instituições ligadas à RCTS. Este serviço tem como destinatários todos os utilizadores individuais associados a instituições RCTS: professores, alunos e funcionários. O acesso ao serviço é feito através de autenticação integrada com o RCTSaai. 18

21 colaboração salas de videoconferência Tejo e Douro HD A salas Tejo e Douro, são infraestruturas de vídeo em alta definição com visionamento panorâmico, som envolvente de alta fidelidade e meios de partilha de documentos num ambiente intuitivo e imersivo. Este serviço tem como destinatários: professores, investigadores, alunos, funcionários e gestores de equipamento de videoconferência. Salas disponíveis LISBOA Sala Tejo - FCCN - Campus do LNEC, Edifício Manuel Rocha Av. do Brasil Lisboa PORTO Sala Douro - Reitoria da Universidade do Porto Praça Gomes Teixeira Porto Este serviço tem como destinatários: professores, investigadores, alunos, funcionários e gestores de equipamento de videoconferência. Lisboa Porto 19

22 colaboração rede de videoconferência A rede de videoconferência é uma infraestrutura técnica e humana que disponibiliza serviços de videoconferência aos utilizadores das entidades ligadas à RCTS. A FCCN põe à disposição um conjunto de infraestruturas e suportes, os quais permitem uma utilização integrada dos sistemas de videoconferência presentes nas instituições. O sistema permite integração com o serviço COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia. 20

23 colaboração O VideoCast permite a transmissão de áudio e vídeo em direto do seu evento, aula ou qualquer outro acontecimento para o mundo, via Internet. A FCT FCCN disponibiliza uma página Web onde será apresentado o vídeo que nos chega do seu evento, página esta que pode ser complementada com chat e twitter. Esta página Web é compatível com os principais browsers de Internet, sistemas operativos e dispositivos móveis. 21

24 conhecimento A Biblioteca do Conhecimento Online (b-on) disponibiliza o acesso online ilimitado e permanente pelas instituições de investigação e do ensino superior aos textos integrais de milhares periódicos científicos e ebooks de alguns dos mais importantes fornecedores de conteúdos. A b-on entrou em funcionamento em Março de 2004 e é hoje uma referência no acesso à informação científica internacional. Para além de disponibilizar o acesso online a conteúdos científicos a b-on tem por objetivos: desempenhar um papel ativo e participativo na construção da Sociedade do Conhecimento, dinamizar e estimular a comunidade para o consumo e produção de conteúdos científicos, estimular a cooperação entre as entidades do sistema académico e científico nacional, desenvolver competências-chave na gestão da informação e conhecimento e racionalizar custos através de uma negociação centralizada com as editoras e demais fornecedores de conteúdos. 22

25 conhecimento O portal RCAAP tem como objectivo a recolha, agregação e indexação dos conteúdos científicos em acesso aberto (ou acesso livre) existentes nos repositórios institucionais das entidades nacionais de ensino superior, e outras organizações de I&D e constitui-se como um ponto único de pesquisa, descoberta, localização e acesso a milhares de documentos de carácter científico e académico, nomeadamente artigos de revistas científicas, comunicações a conferências, teses e dissertações, distribuídos por inúmeros repositórios portugueses. O Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal tem por missão promover, apoiar e facilitar a adoção do movimento de acesso aberto ao conhecimento científico em Portugal bem como aumentar a visibilidade, acessibilidade e difusão dos resultados da atividade académica e de investigação científica portuguesa, o que é importante para a própria comunidade académica mas também, a nível informativo, para a sociedade em geral. O RCAAP está aberto à participação de todas as instituições do sistema científico e do ensino superior português. 23

26 conhecimento O projeto PTCRIS visa facilitar os processos de gestão, produção e acesso a informação fidedigna, completa e atualizada sobre a atividade científica nacional. Trata-se de um programa estruturante para a gestão de ciência e tecnologia que pretede promover a integração de vários sistemas de informação de suporte à atividade científica utilizados pelos investigadores, pelos gestores de ciência ou pelo público em geral. O PTCRIS irá criar um ecossistema aberto, do qual todos os agentes podem facilmente beneficiar e contribuir, com vantagens para todos. Este ecossistema promoverá a excelência da ciência em Portugal, dando-lhe uma maior visibilidade para todos os intervenientes nacionais e internacionais, facilitando os processos de gestão e produção de ciência e inovação, através de acesso facilitado a informação autoritativa, completa e fidedigna. 24

27 conhecimento O Arquivo.pt tem como objetivo principal a criação de um serviço que permita preservar informação publicada na Web de interesse para a comunidade portuguesa. O Arquivo da Web Portuguesa distingue-se por permitir realizar pesquisas sobre informação publicada no passado que já não se encontra disponível online. 25

28 computação A Infraestrutura Nacional de Computação Distribuída (INCD) é uma infraestrutura digital aprovada no âmbito do roteiro de infraestruturas estratégicas de investigação da Fundação de Ciência e a Tecnologia (FCT) e satisfaz as principais necessidades da investigação de ponta, no que toca ao processamento de grandes volumes de dados e capacidades de computação não possíveis de ser fornecidos pelos próprios centros de investigação. A infraestrutura está especialmente vocacionada para prestar serviços no domínio do cálculo científico suportando os investigadores e a sua participação em projetos nacionais e internacionais. Engloba um sistema integrado e uma abordagem de prestação de serviços de tecnologia de informação em múltiplas localizações, por sua vez interligadas entre si por uma infraestrutura de redes de última geração. Encontra-se ainda integrada em infraestruturas internacionais congéneres com as quais partilha recursos computacionais e de suporte em benefício de projetos de relevância nacional e internacional. 26

29 computação O serviço Housing destina-se a alojar servidores informáticos em condições controladas de segurança, energia e climatização. Podem usar o serviço as entidades de ciência, tecnologia e ensino superior, instituições ligadas à RCTS e atividades de unidades orgânicas ministeriais. O serviço é prestado de várias formas alternativas, procurando-se assim melhor satisfazer as necessidades dos utilizadores, de forma a garantir uma resposta rápida e de qualidade a todas as solicitações. As componentes de serviço são: Serviço Housing em datacenter gerido pela FCT FCCN; Serviço Housing em datacenter da rsptic - Rede Operacional de Serviços Partilhados de Tecnologias de Informação e Comunicação da Administração Pública, com extensão da rede da RCTS; e Serviço Housing em datacenter de operador comercial, com extensão da rede da RCTS. Os serviços prestados em datacenter de terceiros garantem a extensão da rede da RCTS. Neste caso, o housing é prestado via serviços RCTS Plus ou RCTS IP, com endereços da rede académica nacional. 27

30 computação O Filesender é uma aplicação web federada na RCTSaai que permite a utilizadores autenticados enviar e armazenar temporariamente ficheiros de elevada dimensão. O Filesender é um software suportado pelas seguintes organizações: AARNet, HEAnet, SURFnet e UNINETT. Este serviço destina-se à comunidade servida pelas instituições ligadas à RCTS. 28 filesender.org filesender.fccn.pt

31 segurança O RCTS CERT é um serviço de resposta a incidentes de segurança informática no contexto da comunidade utilizadora da RCTS, ou seja, incidentes onde a origem ou o alvo dos ataques se encontram dentro desta rede. Numa componente mais preventiva, o RCTS CERT disponibiliza um serviço de alertas de segurança e produz recomendações referentes a potenciais riscos de segurança e atividades maliciosas, no sentido de desenvolver uma cultura de segurança na Internet. 29

32 segurança O serviço Linha Alerta consiste no bloqueio de conteúdos ilegais na Internet e na perseguição e acusação criminal de quem publica este tipo de conteúdos. Esta missão é cumprida mediante o fornecimento às autoridades policiais portuguesas de informação reunida de denúncias recebidas e da colaboração com os ISPs (Internet Service Providers) nacionais para a rápida remoção desses conteúdos. Para levar a cabo esta atividade, o serviço Linha Alerta disponibiliza ao público em geral um conjunto de meios através dos quais, e de forma totalmente anónima, é possível apresentar denúncias de conteúdos eventualmente ilegais. As denúncias recebidas são triadas e analisadas por operadores dedicados que lhes dão o devido seguimento: autoridade policial nacional ou congénere internacional. De momento, no serviço Linha Alerta é possível denunciar os seguintes conteúdos ilegais: Pornografia infantil Apologia da violência Apologia do racismo O âmbito do serviço Linha Alerta pode sofrer alterações mediante a experiência adquirida nesta primeira fase e o desenvolvimento do quadro legal em Portugal. https://linhaalerta.internetsegura.pt/ 30

33 segurança A Linha Ajuda tem por base um serviço de atendimento telefónico e online ao público em geral, sobre questões relacionadas com o uso de tecnologias em linha. Garante apoio, anónimo e confidencial, ao uso das tecnologias online cobrindo assuntos relativos à utilização das mesmas, incluindo problemas relacionais no seio das famílias ou entre pares, bullying, assim como exploração imprópria e indigna de crianças e jovens. A Linha Ajuda é coordenada pela FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia) no âmbito do consórcio Internet Segura e do programa Safer Internet e é co-financiada pela Comissão Europeia. O apoio prestado pela Linha Ajuda funciona sobre qualquer um dos três canais: , telefone e chat. tel

34 FCT FCCN Av. do Brasil LISBOA Portugal tel fax

SEMINÁRIO DIPLOMÁTICO 5-6.01.2016

SEMINÁRIO DIPLOMÁTICO 5-6.01.2016 SEMINÁRIO DIPLOMÁTICO 5-6.01.2016 1.Estrutura Orgânica Face às necessidades atuais existentes no MNE, a DSCI levou a cabo uma restruturação interna, em 2015, resultando na nova estrutura orgânica da DSCI

Leia mais

FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt. Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt

FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt. Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt FCCN - Fundação para a Computação Científica Nacional fccn.pt Nelson Ribeiro - nelson.ribeiro@fccn.pt Agenda FCCN RCTS serviços e projectos internacionais Projecto SIG@Fibra Network Engineer Futuro Q&A

Leia mais

HÁ JÁ ALGUM TEMPO QUE A INTERNET TRANSFORMOU A FORMA COMO VIVEMOS.

HÁ JÁ ALGUM TEMPO QUE A INTERNET TRANSFORMOU A FORMA COMO VIVEMOS. Lay_FCCN-Broch_A5.indd 1 HÁ JÁ ALGUM TEMPO QUE A INTERNET TRANSFORMOU A FORMA COMO VIVEMOS. // No trabalho ou nos tempo livres, individualmente ou em comunidade, o mundo mudou no dia em que alguém teve

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO. 1. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SITE www.viaverde.pt.

CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO. 1. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SITE www.viaverde.pt. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO 1. CONDIÇÕES GERAIS DE UTILIZAÇÃO DO SITE www.viaverde.pt. 1.1. As presentes Condições Gerais de Utilização (doravante Condições Gerais ), regulam a utilização da página

Leia mais

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO ÍNDICE Introdução e enquadramento...3 Participantes no processo de mobilidade... 4 Instituição de origem...5 Instituição visitada...6 Utilizador em mobilidade...7 NREN... 8 ANEXO 1 Modelo de accounting...9

Leia mais

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA

SOLUÇÕES DE INFRAESTRUTURA DE INFRAESTRUTURA www.alidata.pt geral@alidata.pt +351 244 850 030 A Alidata conta com uma equipa experiente e especializada nas mais diversas áreas, desde a configuração de um simples terminal de trabalho

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

Política de uso do eduroam

Política de uso do eduroam Política de uso do eduroam DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Versão 1.0 Julho de 2012 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Público alvo... 4 4. Credenciamento... 4 5. Requisitos...

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

Declaração de Práticas

Declaração de Práticas Declaração de Práticas anogov Plataforma de Compras Públicas Data 28 abril 2015 Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 1. REVISÕES DO DOCUMENTO Código Data Responsável Comentário QS-C-0176-V0-IMP 28-04-2015

Leia mais

Declaração de Práticas. Plataforma Compras Públicas: ComprasPT

Declaração de Práticas. Plataforma Compras Públicas: ComprasPT Declaração de Práticas Plataforma Compras Públicas: ComprasPT 1. Revisões do Documento Código Data Responsável Comentário QS-C-0177-V0-IMP 28-04-2015 Mário Lourenço Criação do documento 2. Introdução Este

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens

Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens Sistema digital de chamada e som de emergência Praesideo Faz passar sempre todas as mensagens 2 Sistemas de chamada e som de emergência Praesideo da Bosch Manter o público informado e protegido Com mais

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

Ensino Básico. Regulamento da Competição

Ensino Básico. Regulamento da Competição ESCOLA + Promoção de Eficiência Energética entre Escolas do 1º Ciclo de O Projeto Escola + Ensino Básico Regulamento da Competição Ano Letivo 2014-2015 O Projeto «Escola +» é uma iniciativa da Lisboa E-Nova

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

Reunião TCS. Esmeralda Câmara FCCN Luís Valente Universidade do Porto. Patrocínio: Apoio técnico e logístico:

Reunião TCS. Esmeralda Câmara FCCN Luís Valente Universidade do Porto. Patrocínio: Apoio técnico e logístico: Reunião TCS Patrocínio: Esmeralda Câmara FCCN Luís Valente Universidade do Porto Apoio técnico e logístico: Sumário 1. DCV Domain Control Validation O que é? Adaptações no sistema tcs.fccn.pt 2. Serviço

Leia mais

1.1 Desafios da administração de redes

1.1 Desafios da administração de redes 1 - Introdução As redes informáticas fazem já parte do nosso dia-a-dia, mesmo quando não nos apercebemos de que elas estão lá. Tentemos imaginar um mundo sem redes de comunicação de dados e sem Internet,

Leia mais

A Segurança Informática na FEUP. Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010

A Segurança Informática na FEUP. Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010 A Segurança Informática na FEUP Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010 Agenda I Introdução II O trabalho na área da Segurança Informática O ponto de partida As medidas O CSIRT.FEUP III - Resultados

Leia mais

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Eleve a experiência : como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Introdução Soluções da CA Por que é necessário melhorar a experiência dos usuários com os serviços de TI? A consumerização

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access

E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access E-Ciência em Portugal 4ª Conferência Open Access U. do Minho, Braga, 26 Nov 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Estratégia

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 1000/3000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 1000/3000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 1000/3000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Manual de Funções. Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV

Manual de Funções. Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV Centro de Documentação e Informação CEDOC-ESEV ÍNDICE Pág. Apresentação 3 Equipa do centro de Documentação e Informação 4 Serviços 6 Serviço de Aquisições 6 Serviço de Tratamento Técnico documental 7 Catalogação

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP)

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE MINISTROS DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Lisboa, 29 de Agosto de 2009 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros responsáveis

Leia mais

Política de uso: serviço fone@rnp. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços

Política de uso: serviço fone@rnp. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Política de uso: serviço fone@rnp DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Sumário 1. Apresentação... 3 2. Glossário... 3 3. Público alvo... 3 4. Agendamento... 4 5. Requisitos... 4 6. Termo de uso...

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo.

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo. 1. DATACENTER 1.1. Hospedagem simples de servidor (colocation) Fornecimento de alocação de espaço e infraestrutura de alta disponibilidade no Datacenter da PRODEPA para hospedagem de equipamentos de propriedade

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Kaspersky Fraud Prevention for Endpoints

Kaspersky Fraud Prevention for Endpoints Kaspersky Fraud Prevention for Endpoints www.kaspersky.pt KASPERSKY FRAUD PREVENTION 1. Formas de atacar serviços bancários online O principal motivo por trás do cibercrime é fazer dinheiro e os conhecimentos

Leia mais

5. Ler cuidadosamente as mensagens de correio electrónico;

5. Ler cuidadosamente as mensagens de correio electrónico; Segundo o Guia para ambientes de aprendizagem digitais quer alunos, quer professores, precisam de novas competências ao nível da literacia digital à medida que cada vez mais recursos estão presentes na

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

Primeira Sessão Pública de Apresentação 30 de Janeiro de 2015, Lisboa

Primeira Sessão Pública de Apresentação 30 de Janeiro de 2015, Lisboa Primeira Sessão Pública de Apresentação 30 de Janeiro de 2015, Lisboa Artur Pimenta Alves Comissão Fundadora, Diretor Executivo NEM Portugal Diretor INESC TEC palves@inesctec.pt Agenda e Agradecimentos

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Portugal em Mudança Comissão de Acompanhamento do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Sociedade da Informação e do Conhecimento Portugal em Mudança Comissão de Acompanhamento do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Sociedade da Informação e do Conhecimento Portugal em Mudança Comissão de Acompanhamento do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Lisboa, 25 Jan 2010 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade

Leia mais

Política de privacidade

Política de privacidade Política de privacidade Em cumprimento do estabelecido na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro, relativa à proteção de dados pessoais (doravante Lei 67/98 ), a Cinema International Corporation (adiante designa

Leia mais

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação

A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados, entre si, através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros serviços de telecomunicação. Hardware

Leia mais

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser.

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. 02 O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. As soluções tecnológicas que encontra para melhorar a colaboração na sua empresa são muito caras e complexas? Pretende tornar as suas equipas mais ágeis

Leia mais

Simplificamos e aceleramos sua transformação digital.

Simplificamos e aceleramos sua transformação digital. Simplificamos e aceleramos sua transformação digital. Sobre a Plataforma Texidium, da Kivuto Todos os alunos. Todos os recursos. Durante todo o tempo. A visão da Kivuto com a Texidium é facilitar a transição

Leia mais

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL

PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL MANUAL OPERACIONAL 2015 PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2015 MANUAL OPERACIONAL Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2015 2/13 ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO... 3 1.1. Um prémio que reconhece a excelência

Leia mais

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET

É uma rede mundial de computadores ligados entre si. INTERNET INTERNET O QUE É A INTERNET? O QUE É NECESSÁRIO PARA ACEDER À INTERNET? QUAL A DIFERENÇA ENTRE WEB E INTERNET? HISTÓRIA DA INTERNET SERVIÇOS BÁSICOS DA INTERNET 2 1 INTERCONNECTED NETWORK INTERNET A Internet

Leia mais

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA Promoção e divulgação dos Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian - Centro Interpretativo Gonçalo

Leia mais

Fraud Prevention for Endpoints. www.kaspersky.com

Fraud Prevention for Endpoints. www.kaspersky.com Fraud Prevention for Endpoints www.kaspersky.com 2 Fraud Prevention for Endpoints KASPERSKY FRAUD PREVENTION 1. Formas de atacar o Banco O principal motivo por trás do crime virtual é fazer dinheiro, e

Leia mais

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet.

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. Mindset Webcasting Mindset Comunicação e Marketing Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. O que é webcast? Webcast é a captura e transmissão via internet

Leia mais

TELEFONIA E SOLUÇÕES CLOUD

TELEFONIA E SOLUÇÕES CLOUD PROPOSTA: TELEFONIA E SOLUÇÕES CLOUD EMPRESA: SCRIBE INFORMÁTICA LTDA DATA: 21 de Janeiro de 2014 A/C SRº JEAN 1 / 10 SOLUÇÃO DE TELEFONIA INTEGRADA O objetivo dessa proposta é apresentar os diferenciais

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Relatório de Investigação da Escola julho 2015

Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Microsoft Partners in Learning Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Elaborado para julho 2015 Relatório do Estudo de Este relatório apresenta os resultados dos inquéritos à equipa diretiva e

Leia mais

Aviso de Privacidade da Johnson Controls

Aviso de Privacidade da Johnson Controls Aviso de Privacidade da Johnson Controls A Johnson Controls, Inc. e as empresas afiliadas (doravante designadas coletivamente como Johnson Controls, nós e nosso) preocupam-se com a sua privacidade e estão

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao sábado. E-repositórios. 26 de Maio de 2007

VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao sábado. E-repositórios. 26 de Maio de 2007 VIII Oficinas de Formação A Escola na Sociedade da Informação e do Conhecimento praticar ao sábado E-repositórios 26 de Maio de 2007 Intervenção de Maria João Gomes da Universidade do Minho Repositórios

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

Comunicação através das novas tecnologias

Comunicação através das novas tecnologias Comunicação através das novas tecnologias d o ss i e r 1 A INTERNET COMO FORMA DE REDUZIR CUSTOS DE COMUNICAÇÃO http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 INTRODUÇÃO 2 E-MAIL 3 SMS 4 SKYPE 5 MSN 6 VOIP 7

Leia mais

O SERVIÇO DE VIDEOCONFERÊNCIA NO LNEC CIC - DIEI

O SERVIÇO DE VIDEOCONFERÊNCIA NO LNEC CIC - DIEI O SERVIÇO DE VIDEOCONFERÊNCIA NO LNEC Um pouco de História Videoconferência Na RCTS 1999 - A FCCN adquire o primeiro conjunto de terminais videoconferência H.323 eaprimeiramcu.aredetinhaentão apenas 3

Leia mais

Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia)

Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia) Cartilha Explicativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão (Serviço de Comunicação Multimídia) Cartilha disponibilizada em atendimento ao disposto na Resolução Anatel n.º 574/2011 Página

Leia mais

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA

DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17 DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 207 17. DOMÓTICA, VIDEOPORTEIRO E SISTEMAS DE SEGURANÇA 17.1 INTRODUÇÃO Para que os investidores, operadores e ocupantes possam usufruir dos edifícios

Leia mais

Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam. Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010

Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam. Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010 Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam Serviço Utilizador RCTS Fevereiro de 2010 5 de Fevereiro de 2010 Recomendação relativa a vulnerabilidade no modo WPA na rede e-u/eduroam

Leia mais

FATURAÇÃO ELETRÓNICA Ação Necessária: Registo no OB10

FATURAÇÃO ELETRÓNICA Ação Necessária: Registo no OB10 FATURAÇÃO ELETRÓNICA Ação Necessária: Registo no OB10 Junho de 2013 Exmo(a). Senhor(a), A Unilever tomou uma decisão estratégica de forma a encorajar todos os fornecedores a mudarem para a faturação eletrónica.

Leia mais

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ

Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas de Informação do MJ itsmf Conferência Anual 2012 22 de Maio de 2012 Estratégias de racionalização e sustentabilidade das TIC (setores público e privado) Racionalização de infraestruturas e plataformas no âmbito dos Sistemas

Leia mais

Requisitos para a Federação de um serviço web. Serviço Utilizador RCTS Janeiro de 2010

Requisitos para a Federação de um serviço web. Serviço Utilizador RCTS Janeiro de 2010 Requisitos para a Federação de um serviço web Serviço Utilizador RCTS Janeiro de 2010 15 de Janeiro de 2010 Requisitos para a Federação de um serviço web Serviço Utilizador RCTS Janeiro de 2010 EXT/2010/Serviço

Leia mais

Bona: Chamada para a Ação

Bona: Chamada para a Ação Bona: Chamada para a Ação Texto da posição conjunta da AIEA e da OMS A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) realizou em dezembro de 2012, em Bona (Alemanha), a "Conferência Internacional de

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 PLASAC - POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 Tecnologia da Informação. Índice: 1. Introdução 2. Objetivos da política 3. Princípios da política 4.

Leia mais

Breve Historial do Portal CienciaPT

Breve Historial do Portal CienciaPT Breve Historial do Portal CienciaPT O Portal CienciaPT, lançado oficialmente em Novembro de 2003, durante a semana da Ciência & Tecnologia da U. de Aveiro, está presente em mais de 50 Universidades e Institutos

Leia mais

PT Web Conference. DGO Gestão de Oferta Empresarial Setembro de 2009

PT Web Conference. DGO Gestão de Oferta Empresarial Setembro de 2009 PT Web Conference Versão 1.0 DGO Gestão de Oferta Empresarial Setembro de 2009 Este documento é propriedade intelectual da PT e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita.

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br

Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Prof. Paulo Barbosa duvidas@paulobarbosa.com.br Esse material pode ser denominado Notas de Aulas. Ele não é autodidático, não o utilize como fonte única de consulta para estudos para préconcurso. Use-o

Leia mais

Índice. 1. Introdução... 2 2. Portal de Periódicos CAPES... 2 3. Vídeo Digital da RNP... 5 4. Vídeo Aula RNP... 7 5. File Sender RNP...

Índice. 1. Introdução... 2 2. Portal de Periódicos CAPES... 2 3. Vídeo Digital da RNP... 5 4. Vídeo Aula RNP... 7 5. File Sender RNP... Autores: Adelcival de Sousa Cunha / Endy de Almeida Costa / João Marcelo Rondina / Rildo Delpino Data de criação do documento: 14/10/2015 Última atualização: 20/10/2015 Índice 1. Introdução... 2 2. Portal

Leia mais

Canal Direto. O banco no sistema da sua empresa!

Canal Direto. O banco no sistema da sua empresa! Canal Direto O banco no sistema da sua empresa! ÍNDICE 1. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO PÁG. 3 2. FUNCIONALIDADES ATUALMENTE DISPONÍVEIS PÁG. 4 3. VANTAGENS PÁG. 5 4. CUSTOS PÁG. 6 5. ADESÃO PÁG. 7 6. SUBSCRIÇÃO

Leia mais

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS

PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS PROVERE PROGRAMAS DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS VALORIZAÇÃO DOS RECURSOS SILVESTRES DO MEDITERRÂNEO - UMA ESTRATÉGIA PARA AS ÁREAS DE BAIXA DENSIDADE DO SUL DE PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Certificados. Domain SSL. Certificado de elevada segurança. 150.0 ano. Rápida Ativação Rápida Ativação Rápida Ativação Rápida Ativação Rápida Ativação

Certificados. Domain SSL. Certificado de elevada segurança. 150.0 ano. Rápida Ativação Rápida Ativação Rápida Ativação Rápida Ativação Rápida Ativação CERTIFICADOS SSL & Aumente a segurança, privacidade e ranking do seu site ou loja online. 2015 PTisp - Planos SSL v2.6-10.2015 01 05 Alpha SSL Alpha SSL Wildcard Domain SSL Organization SSL Extended SLL

Leia mais

Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu. 1. Quadro 1 instituições que gerem o património cinematográfico

Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu. 1. Quadro 1 instituições que gerem o património cinematográfico Ref. Ares(2014)21497-08/01/2014 Questionário sobre a aplicação da Recomendação do Parlamento Europeu Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema, I.P. (CP-MC) 1. Quadro 1 instituições que gerem o património

Leia mais

Relatório de projecto

Relatório de projecto Relatório de projecto 9ºB 2005/2006 Página 1 de 12 1) Projecto inicial O projecto proposto é fruto de uma proposta independente que se integrou num dos projectos a integrar e desenvolver na disciplina

Leia mais

1) Termos e Condições

1) Termos e Condições 1) Termos e Condições Termos e Condições Plataforma Compras Públicas A informação contida nesta área regula o uso da presente página de Internet www.compraspublicas.com e de todo o seu conteúdo. Recomenda-se

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

CONSELHO EMPRESARIAL DO TÂMEGA E SOUSA (CETS) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS

CONSELHO EMPRESARIAL DO TÂMEGA E SOUSA (CETS) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS CONSELHO EMPRESARIAL DO TÂMEGA E SOUSA (CETS) CONDIÇÕES EXCLUSIVAS PARA ASSOCIADOS Fevereiro 2014 Para aderir ou obter mais informações: Consulte o seu gestor PT Empresas Envie email para protocoloseparceriasptempresas@telecom.pt

Leia mais

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa

PHC dintranet. A gestão eficiente dos colaboradores da empresa PHC dintranet A gestão eficiente dos colaboradores da empresa A solução ideal para a empresa do futuro, que necessita de comunicar de modo eficaz com os seus colaboradores, por forma a aumentar a sua produtividade.

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA CÂMARA MUNICIPAL DE ARIQUEMES SECRETARIA GERAL PROJETO BÁSICO

ESTADO DE RONDÔNIA CÂMARA MUNICIPAL DE ARIQUEMES SECRETARIA GERAL PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO Em cumprimento ao que dispõe os incisos I e II do artigo 7º da LEI FEDERAL 8.666/93, alterada pelas leis nº 8.883/94, bem como as leis federais 131/2009, 12.527/2011, 9.755/98

Leia mais

Guia de Estudo. Redes e Internet

Guia de Estudo. Redes e Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Redes e Internet Aspectos Genéricos Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING AMETSIS CONSULTORES, UNIPESSOAL LDA Elaborado: Aprovado: Pg. 1 de 9 ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 3 2.UTILIZAÇÃO ÚNICA E INDIVIDUAL... 3 3.PUBLICITAÇÃO DOS CURSOS... 3 4.INSCRIÇÕES...

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

INSTALAÇAO DA CERTIFICADORA ICP- BRASIL NOS PRINCIPAIS NAVEGADORES

INSTALAÇAO DA CERTIFICADORA ICP- BRASIL NOS PRINCIPAIS NAVEGADORES PRESIDÊNCIA PRE COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CGTI COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COINF DIVISÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DE RISCOS - DISEG INSTALAÇAO

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR.

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DO PORTAL E AQUISIÇÃO DE SOFTWARE DE GESTÃO DE

Leia mais

SUMÁRIO. White Paper - NETGLOBE 2

SUMÁRIO. White Paper - NETGLOBE 2 SUMÁRIO Conhecendo a Telepresença... 3 A nova era da Videoconferência: Telepresença... 3 Como viabilizar um projeto de Telepresença... 4 Telepresença oferece excelente qualidade em uma fantástica experiência,

Leia mais

Central Inteligente. Solução integrada de comunicações fixas e móveis

Central Inteligente. Solução integrada de comunicações fixas e móveis Inteligente Solução integrada de comunicações fixas e móveis Suponhamos que a minha empresa tem comerciais sempre fora do escritório... Inteligente A central telefónica que integra as comunicações entre

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

RevelarLx O Espaço e O Tempo

RevelarLx O Espaço e O Tempo RevelarLx O Espaço e O Tempo Mónica Queiroz E-mail: monica.marques.cm-lisboa.pt Marta Marques E-mail: marta.marques.cm-lisboa.pt Departamento de Bibliotecas e Arquivos Câmara Municipal de Lisboa Palácio

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

Manual Teamwork. Manual de instalação, configuração e utilização

Manual Teamwork. Manual de instalação, configuração e utilização Manual Teamwork Manual de instalação, configuração e utilização Manual Teamwork_15Abril2016 Índice 1. Introdução... 3 1.1. Credenciais de acesso... 3 1.2. Requisitos... 4 1.3. Sistemas operativos suportados...

Leia mais

INTERNET FIXA VELOCIDADES CONDIÇÕES GERAIS

INTERNET FIXA VELOCIDADES CONDIÇÕES GERAIS INTERNET FIXA VELOCIDADES CONDIÇÕES GERAIS ÍNDICE 1. FATORES QUE INFLUENCIAM O DÉBITO DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS IP 2. LARGURA DE BANDA E DÉBITO DE TRANSFERÊNCIA IP 3. RECOMENDAÇÕES E VERIFICAÇÕES A EFETUAR

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

Informática Documental 2. Documental 2

Informática Documental 2. Documental 2 1 Informática Documental 2 Ano Lectivo 2006 / 2007 2 Conceitos e tecnologias associadas à Internet. Serviços básicos disponibilizados pela Internet. Conceitos e ferramentas para a criação de sites. Fundamentos

Leia mais