REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA"

Transcrição

1 Açõs nfrmagm REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA Açõs nfrmagm para administração sgura mdicamntos: uma rvisão intgrativa Nursing actions for a saf mdications administration: an intgrativ rviw Las accions nfrmría para la administración sgura mdicamntos: una rvisión intgradora Flavia Giron Camrini 1, Lolita Dopico da Silva 2, Antônia Juliana Muniz Mira 3 ABSTRACT Objctiv: To prsnt th nursing actions publishd on th rrors prvntion during th mdications administration in th ICU. Mthod: This is a survy of intgrativ rviw, by including paprs on nursing actions to rduc rrors during th mdications administration, publishd in th priod from 2005 to 2011 and inxd in th following databass: LILACS, BDENF and. Rsults: w hav slctd and analyzd 13 paprs that mt th slction critria. Th discussion was signd from th typs of rrors. It bcam clar that th most citd actions to prvnt rrors during th mdications administration wr: to adopt protocols and guilins for th mdications administration; to intify th drug to b administrd in th patint through barcos; and to us incompatibl connctors in diffrnt routs. Conclusion: th nursing should know th typs of rrors and adopt actions aimd at rducing rrors th mdications administration. Dscriptors: Drug thrapy administration, Mdication rrors, Nursing. RESUMO Objtivo: Aprsntar as açõs nfrmagm publicadas sobr a prvnção rros na administração mdicamntos na UTI. Método: Trata-s uma psquisa rvisão intgrativa, incluindo artigos sobr açõs nfrmagm para rduzir rros na administração mdicamntos, publicados no príodo 2005 a 2011 inxados nas sguints bass dados: LILACS, BDENF. Rsultados: foram slcionados analisados 13 artigos qu atndiam aos critérios slção. A discussão foi laborada a partir dos tipos rros. Evinciou-s qu as açõs para a prvnção rros na administração mdicamntos mais citadas foram: adotar protocolos para a administração dos mdicamntos; intificar o mdicamnto a sr administrado por código barras; usar conctors incompatívis m vias difrnts. Conclusão: a nfrmagm v conhcr os tipos rros adotar açõs para rduzir rros na administração mdicamntos. Dscritors: Administração trapia mdicamntosa, Erros mdicação, Enfrmagm. RESUMEN Objtivo: Proporcionar cuidados nfrmría publicados n la prvnción rrors n la administración mdicamntos n la UCI. Método: S trata un studio rvisión intgradora qu incluy artículos sobr las accions nfrmría para rducir los rrors n la administración mdicamntos, publicados ntr 2005 a 2011 inxados n bass datos: LILACS, y BDENF. Rsultados: S slccionaron y analizaron 13 artículos qu cumpliron con los critrios slcción. La discusión s ha laborado a partir los tipos rrors. Qudó claro qu las accions para prvnir rrors n la administración mdicamntos furon más citados adoptar protocolos y dirctrics para la administración mdicamntos, intificar l fármaco a sr administrado por código barras, y utilizan conctors incompatibls difrnts manras. Conclusión: La nfrmría b conocr los tipos rrors y tomar mdidas para rducir los rrors n la administración mdicamntos. Dscriptors: Administración mdicación, Errors mdicación, Enfrmría. 1 Enfrmira. Doutoranda m nfrmagm pla Faculda Enfrmagm da UERJ. Enfrmira assistência da Unida Coronariana do Hospital Pró- Cardíaco. Rio Janiro, Brasil. 2 Enfrmira. Profssora Doutora Prmannt da faculda Enfrmagm da UERJ. Coornadora da pós graduação m Enfrmagm Intnsivista da UERJ. Rio Janiro, Brasil. 3 Enfrmira. Discnt do curso pós-graduação m nfrmagm intnsivista pla Univrsida Estadual do Rio Janiro. Rio Janiro, Brasil. J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

2 Açõs nfrmagm INTRODUÇÃO A administração mdicamntos é consirada uma das atividas maior rsponsabilida smpnhadas pla quip nfrmagm. ¹ O nfrmiro, possui conhcimntos spcíficos qu o capacitam lh impõ rsponsabilidas na administração mdicamntos aos pacints. Porém, msmo com todo prparo conhcimnto profissional, os rros na administração mdicamntos têm causado sérias consquências aos pacints. ² D acordo com a Amrican Socity of Halthy-Systm Pharmacists, rro mdicamnto é finido como: qualqur vnto vitávl qu, fato ou potncialmnt, po lvar ao uso inaquado mdicamnto. Ess concito implica qu o uso inaquado po ou não lsar o pacint, não importa s o mdicamnto s ncontra sob o control profissionais saú, do pacint ou do consumidor. O rro po star rlacionado à prática profissional, produtos usados na ára saú, procdimntos problmas comunicação, incluindo prscrição, rótulos, mbalagns, noms, prparação, dispnsação, distribuição, administração, ducação, monitoramnto uso mdicamntos. 3 Dntr as consquências sss rros, pomos stacar o aumnto da morbimortalida, prolongamnto do tmpo intrnação lvação significativa dos custos assistnciais. Dntr outros fators qu aumntam o potncial para rros mdicação, é possívl acrscntar a falta profissionais saú; xcsso trabalho; carga horária xcssiva maior númro pacints (xigindo cuidados alta complxida). Nssas condiçõs trabalho, afirma-s qu os profissionais saú, msmo altamnt capacitados xprints, quando xpostos a ambints trabalho com stas caractrísticas, pom comtr rros vidos às falhas latnts ntro do sistma mdicação.² O National Coordinating Council for Mdication Error Rporting and Prvntion (NCCMERP) fin Erro Mdicação (EM) como qualqur acontcimnto vitávl qu po causar ou conduzir ao uso inapropriado da mdicação ou causar danos no dont nquanto a mdicação stá sob controlo um profissional saú, do dont ou consumidor. Ests vntos pom star rlacionados com as práticas profissionais, com os produtos, com os procdimntos ou com os sistmas, incluindo as prscriçõs transmitidas oralmnt, os rótulos, a mbalagm, nomnclatura, prparação, dispnsação, distribuição, administração, ducação, monitorização/sguimnto utilização dos mdicamntos. 4 Nss contxto, torna-s imprscindívl abordar quais as mdidas qu pom sr ralizadas plo nfrmiro, com vistas a prvnir rduzir os inúmros rros scritos, qu gram aumnto dos custos médicos danos aos pacints intrnados m unida trapia intnsiva (UTI), os quais quas smpr s ncontram m stado grav rqurm, com mais frquência, um maior númro mdicamntos. J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

3 Açõs nfrmagm Dss modo, a qustão psquisa qu nortou o studo foi: Quais as açõs nfrmagm publicadas para minimização da ocorrência rros na administração mdicamntos na UTI? Est studo tm como objtivo aprsntar as açõs nfrmagm para a minimização rros na administração mdicamntos na Unida Trapia Intnsiva (UTI). Sndo assim, dando staqu a rlvância m qustão, um studo intificou qu um total 132 rros mdicação, 36% ocorrram na fas prscrição, 32% na administração, 28% na dispnsação 4% na transcrição dos mdicamntos prscritos. 5 Outro studo qu aborda taxas rros na administração mdicamntos rvla taxas alarmants rlacionadas aos rros mdicamntos, aprsntando taxas acima 70% m todos os stors studados. 6 Assim, vislumbrando uma assistência nfrmagm, sm ônus, sgura qualida no qu tang à administração mdicamntosa, v-s atuar forma a prvnir a ocorrência rros, intificando-os para auxiliar no snvolvimnto barriras qu minimizm a sua ocorrência durant o procsso administração mdicamntos, aumntando assim a sgurança do pacint. MÉTODO Para atnr ao objtivo proposto st studo, foi ralizada uma rvisão intgrativa nacional, sguindo as sguints tapas: finição da qustão nortadora, slção dos scritors, finição dos critérios slção xclusão; lvantamnto do matrial bibliográfico anális dos dados obtidos. A partir do objtivo, foram incluídos todos os artigos sobr as açõs nfrmagm para a minimização da ocorrência rros na administração mdicamntos, publicados no príodo 2005 a 2011 inxados nas bass dados LILACS, BDENF, visando atnr a rcomndação da litratura qu s busqum difrnts fonts para o lvantamnto publicaçõs. Os critérios slção foram: artigos m português, com txtos disponívis gratuitamnt na íntgra, sndo qu ls vriam star ntro do príodo stablcido; inxados plos trmos do MSH/DCS administração trapia mdicamntosa rros mdicação, além rfrir-s às mdidas para rduzir a ocorrência rro na administração mdicamntos. Foram xcluídos todos os artigos qu não atndiam aos critérios slção qu não abordavam açõs para a minimização da ocorrência rro na administração mdicamntos. Para colta dados, foi laborado um instrumnto basado m protocolos rvisão bibliográfica, sndo substituídos os itns do original - m inglês - citation intrvntion por título procdimntos mtodológicos. J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

4 Açõs nfrmagm Os rsultados foram scritos sguidos por intrprtação classificação do nívl vidência. A anális foi laborada a partir dos rros scritos na administração mdicamntos, propiciando uma discussão acrca das açõs nfrmagm para a prvnção rros na administração dos msmos. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram ncontrados 369 artigos slcionados 13 qu atndiam aos critérios slção. A sguir, irmos xpor no quadro 1 a abordagm dos principais achados ncontrados nas obras slcionadas. Quadro 1: Distribuição dos rsultados artigos rlacionados às açõs nfrmagm para a prvnção rros na administração mdicamntos na UTI, acordo com as obras publicadas no príodo 2005 a 2011 BASE/ AUTOR TÍTULO OBJETIVO MÉTODO RESULTADOS ANO/ NÍVEL LILACS 2011 Nívl 5 LILACS 2010 Nívl Nívl 3 Corblli Evntos advrsos Conhcr a Os fators mais comumnt ni VL, Schilling MCL, Frantz SF, Godinho TG, Urbant to JS. Franco JN, Ribiro G, D'Innoc nzo M. Tixira TCA, Cassiani SHB. rlacionados a prcpção mdicamntos: técnicos prcpção auxiliars carátr nvolvidos m rros mdicação qualitativo. são a sobrcarga trabalho, a intificação incorrta do pacint, técnicos nfrmagm sobr além outros fators associados. auxiliars vntos advrsos Há ncssida s nfrmagm. (7) rlacionados a snvolvrm açõs para favorcr mdicamntos. uma mudança cultura qu garanta a sgurança do pacint nas instituiçõs hospitalars. Prcpção da Intificar os tipos Psquisa A administração mdicamntosa é quip rros os quantitativa uma das atividas mais nfrmagm sobr fators risco, scritiva importants da nfrmagm, ntão fators causais qu ocorrm a conscintização toda a quip rros na durant o procsso xploratória nfrmagm qu não havrá administração mdicamntos. (8) Anális causa raiz: avaliação rros mdicação m um hospital univrsitário. (9) administração. punição na ocorrência do rro v mdicamntos. sr fita. Intificar analisar os tipos scritivo, rros utilizando o mdicação método obsrvados nas anális dos, horário mdicamntos doss causa raiz. mdicamntos qu foram prparadas administradas 74 rros mdicação foram intificados durant o prparo a administração mdicamntos pla quip nfrmagm. Erros não autorizados. Para a rdução rros, é prciso anális constant, cuidadosa atntiva, por part das instituiçõs saú, rros qu forma difrnt ftivamnt ocorrm. daqulas prscritas. J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

5 Açõs nfrmagm Rosa Erros na prscrição Analisar a prática 75% dos rros ncontrados nas 2009 MB, hospitalar da prscrição transvrsal prscriçõs pom sr classificados Nívl 4 Prini E, mdicamntos mdicamntos rtrospctiv como rros rdação, sndo os Anaclto potncialmnt alto risco sua o. mais prvalnts os problmas com TA, prigosos. (10) rlação com a a forma farmacêutica, a omissão da Niva prvalência dos a via administração. HM, rros Bogutchi mdicação m T. ambint hospitalar. Hinrichs Monitoramnto Analisar o uso Cuidadoso monitoramnto 2009 n SL, mdicamntos mdicamntos prospctivo pacints usando vários Nívl 3 Villla prscritos m UTI. prscritos para obsrvacion mdicamntos é ncssário para TAS, (11) pacints al. rduzir a incidência vntos Lira hospitalizados m advrsos rros mdicaçõs, MCC, uma UTI um spcialmnt m rlação às Moura hospital prscriçõs antibióticos m UTIs. LCRV. univrsitário m Rcif/PE. Silva BK, Erros Intificar, por Os srs humanos são falívis, 2007 Silva JS, mdicação: mio rlatos da transvrsal, portanto, rros são frquntmnt Nívl 4 Gobbo condutas quip scritivo ncontrados na assistência à saú. AFF, propostas nfrmagm, os xploratório Não s po liminá-los, mas po- Miasso prvnção na tipos condutas. s minimizá-los ou prvni-los por AI. prspctiva da do nfrmiro mio stratégias dircionadas ao quip frnt aos rros na sistma mdicação. nfrmagm. (12) administração mdicamntos as propostas para minimizar tais rros. Silvia Problmas na Intificar Os mios comunicação utilizados 2007 AEBC, comunicação: uma Analisar os pontos scritivo, vm sr rvistos, a fim qu s Nívl 5 Cassiani possívl causa frágis da colta cri um sistma mdicação SHB, rros comunicação dados, sguro para o pacint. Miasso mdicação. xistnts nos ntrvista AI, Opitz (13) procssos do smistrutu SP. sistma rada com mdicação. rotiro struturado Kawano Acints com os Aprsntar Rvisão Os srviços saú vm 2006 DF, mdicamntos: discutir os bibliográfic priorizar a sgurança do usuário, Nívl 5 Prira como minimizá- problmas a. visando à rdução dos acints LRL, los?. (14) rlacionados aos prvisívis com os mdicamntos, Uta acints com adoção sistmas JM, nvolvndo prscrição ltrônica Fritas mdicamntos mdicamntos. O. stratégias para minimizá-los. J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

6 Açõs nfrmagm Coimbra Prvnção Intificar os Psquisa Para a rdução dos rros 2006 JAH. tcção rros métodos bibliográfic mdicação, é ncssário qu Nívl 5 mdicação. (15) prvnção a. profissionais, a acamia formadora tcção dos rros rcursos humanos m saú, mdicação. psquisadors, instituiçõs saú o Estado, s conscintizm adotm uma abordagm sistêmica com stratégias prvntivas rro mdicação. Tixira O procsso Analisar o procsso A formação uma comissão 2006 Nívl 4 TCA, Silva AEBC, Cassiani prparo administração mdicamntos: intificação do prparo administração mdicamntos quatro hospitais multicêntric o do tipo scritivo/ xploratório. multidisciplinar para avaliar o sistma, grupos discussão ntr a nfrmagm, mlhorias do ambint, cursos trinamnto SHB, problmas para brasiliros, contínuos prsnça ftiva da Grou propor mlhorias intificando nfrmira no procsso são algumas CR, prvnir rros problmas sugstõs para maior qualida Olivira mdicação. (16) xistnts sgurança na assistência aos RC, propondo mdidas pacints no procsso prparo Fakih mlhorias. administração mdicamntos. FT. Miasso Erros Intificar A falta atnção, falhas 2006 AI, Grou mdicação: tipos, analisar, m multicêntric individuais problmas na Nívl 4 CR, fators causais quatro hospitais o, do tipo administração dos srviços Cassiani providências difrnts rgiõs survy constituíram importants atributos SHDB, tomadas m brasiliras, os xploratório das causas dos rros. Rlatórios Silva quatro hospitais tipos, causas,, qu utiliza foram as principais providências AEBC, brasiliros. (17) providências a tomadas ant os rros, mudanças Fakih administrativas abordagm nas atitus individuais foram as FT. sugstõs a quali- mais citadas como forma rspito rros quantitativa prvni-los. na mdicação, na prspctiva dos profissionais nvolvidos no sistma mdicação. LILACS Lops Administração Analisar a Rvisão Os artigos acrca rros 2006 CHAF, mdicamntos: produção cintífica bibliográfic mdicação s stacaram. Isso Nívl 5 Chavs anális da da nfrmagm a. mostra a procupação dos autors EMC, produção cintífica acrca da com o conhcimnto da trapia Jorg nfrmagm. administração mdicamntosa, pois a prvnção MSB. (18) mdicamntos, no dos rros é a única forma não príodo 1999 a colocar m risco a vida do clint Miasso Administração Avaliar a Trata-s O nfrmiro, por atuar 2005 AI, mdicamntos: orintação final um studo dirtamnt na administração Nívl 5 Cassiani orintação final nfrmagm para scritivo, mdicamntos ao pacint, tm Silvia nfrmagm para a alta hospitalar transvrsal papl primordial na orintação do HB. a alta hospitalar. no qu concrn à msmo, no qu s rfr à (19) trapêutica campo. trapêutica mdicamntosa. mdicamntosa, J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

7 Açõs nfrmagm m uma clínica intrnação um hospital univrsitário do intrior paulista. A maioria dos artigos slcionados constituiu-s m psquisas originais (6), atingindo um índic 46%, cujas intrvnçõs indicaram força vidência nívl 5. Outros 4 artigos (37%) focalizam intrvnçõs aprsntadas studos scritivos qualitativos, caractrizados com força vidência nívl 4, apnas 3 artigos (15%) aprsntaram nívl vidência 3, obtidas nsaios clínicos bm linados, mas sm randomização. Ao analisar os artigos slcionados, prcb-s qu os rros mdicação são intificados qu suas frquências variam um studo para outro, m virtu do procsso mdicação sr difrnt m cada instituição possuir caractrísticas pculiars qu prcisam sr intificadas. Nss sntido, a fim atnr o objtivo proposto aprsntar as açõs para rduzir a ocorrência rros na administração mdicamntos na UTI, acordo com os artigos slcionados, optou-s por citar os tipos rros mais frqunts na administração mdicamntos rlacioná-los com as principais açõs para a prvnção. A administração mdicamnto fora do prazo valida é um dos tipos rros na scritos na tapa da administração mdicamntos. Para vitar ss tipo rro, o profissional qu vai administrar o mdicamnto v vrificar o prazo valida, lr os rótulos cuidadosamnt, obsrvar o aspcto da mdicação sguir as instruçõs para o prparo ants sua administração. 7 Erros horário/aprazamnto são muito comuns, stima-s qu até 30% dos rros na administração sjam rfrnts ao horário ou a um aprazamnto inaquado. Uma das principais barriras para s prvnir ss tipo rro é aprazar os mdicamntos forma ltrônica. O aprazamnto ltrônico dos mdicamntos pla nfrmagm é consirado uma barrira para a prvnção rros, por vitar horários padronizados alguns sistmas intificarm potnciais intraçõs mdicamntosas favorcidas plo aprazamnto. Portanto, v-s vitar qu os aprazamntos padronizados sjam fixados para um msmo horário, fato qu sobrcarrga o prparo a administração mdicamntos. 8,9 As prscriçõs ltrônicas, qu tm por objtivo facilitar a comprnsão da prscrição, além do papl do farmacêutico na dispnsação dos mdicamntos a criação um rlatório rros, não com carátr punitivo, mas ducador constituindo-s m um srviço ducação continuada para capacitar os profissionais nfrmagm qu s ncontram no final do procsso administração mdicamntos. 10 Alguns studos citam - como ação para a prvnção rros - a importância s sguir rigorosamnt os intrvalos tmpo ntr as doss administradas, vido aos vntos farmacocinéticos farmacodinâmicos, qu provocam mudanças importants nas concntraçõs plasmáticas, altrando o fito do mdicamnto m su local ação, o qu fundamntam a ncssida da dosagm sguir uma squência no tmpo, para qu a concntração do mdicamnto sja mantida. 11,12 J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

8 Açõs nfrmagm Outro rro scrito é a administração mdicamntos não autorizados, no qual, rcomnda-s smpr a atualização por código barras, uma barrira qu vita rros na mdicação, sndo uma stratégia para intrcptar sss rros, tanto na tapa dispnsação quanto na administração dos mdicamntos. 9 O rro técnica é scrito como um rro pouco comum. Para s vitar a ocorrência st tipo rro, rcomnda-s o trinamnto orintação dos profissionais priodicamnt m rlação às técnicas prparo administração dos mdicamntos, a prsnça protocolos dirtrizs para a administração dos mdicamntos como stratégias para vitar tais rros, padronizar o procdimnto prvnir rros. 9 Para s vitar a ocorrência doss xtras ou rduzidas, rcomnda-s qu a prscrição médica sja consultada no momnto ants da administração dos mdicamntos, forma qu as altraçõs ralizadas na prscrição sjam vrificadas. Outra ação para minimizar a ocorrência st tipo rro é a administração por código barras, como uma stratégia, tanto na tapa dispnsação quanto na administração dos mdicamntos pla quip nfrmagm. 9 Erros via também são frquntmnt rlatados, tanto no mio acadêmico quanto pla mídia, vido a danos sastrosos qu ss tipo rro po sncaar. Para s vitar rros via, é rcomndado: intificar as vias dos cattrs rfrnts a cada mdicamnto rfrnciar com cors distintas para cada via, além usar conctors incompatívis quando as vias form difrnts (xmplo: uma sringa para administração mdicamnto ntral não v sr ncaixada na via administração vnosa). 7,9 Administrar o mdicamnto no pacint rrado também é consirado um rro com potncial dano grav. Nss sntido, v-s priorizar a intificação corrta do pacint no momnto da administração dos mdicamntos, confirmando a intida por plo mnos dois mios (xmplo: plo nom do pacint plo númro do prontuário), o uso pulsira intificação o uso códigos barras na administração dos mdicamntos. 9 Outra ação prvntiva sobr a intificação do pacint rfr-s à intificação alrgias mdicamntosas. Nsss casos, v-s incluir o uso pulsiras coloridas como uma forma comunicar sobr alrgias mdicamntosas já conhcidas, pois também é uma mdida ficaz na prvnção rros. 13 Nssa msma abordagm, mais do qu apnas intificar o pacint, v-s incluílo nas qustõs sgurança, garantindo uma participação ftiva ativa na tapa da administração, smpr qu possívl. 13 Os rros infusão/ vlocida rrada vm sr vitados, priorizando a administração mdicamntos vnosos por bombas infusão. As orintaçõs prscritas para a administração mdicamntos vm sr sguidas pla nfrmagm, visto qu isso po intrfrir no intrvalo dos infusão. Smpr qu houvr a ncssida cálculo, st v sr ralizado por, no mínimo, dois profissionais. Lmbrando qu a quip nfrmagm v tr trinamnto, smpr qu houvr algum dispositivo infusão novo no hospital. 14 Erros infusão quando ocorrm pom lvar à flbit. Nss sntido, ao s administrar um mdicamnto vnoso por via priférica, v-s avaliar a prmabilida do J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

9 Açõs nfrmagm acsso os sinais inflamatórios qu possam indicar uma possívl flbit. Nssas situaçõs, v-s provinciar um novo sítio intravnoso, obsrvar a data valida da solução a frquência da troca dos quipos acssos vnosos, acordo com a política da instituição. 7 Já os rros dos, pom s vitados com a dispnsação por dos unitária, qu é scrita como uma stratégia capaz vitar rros na administração mdicamntos qu po sr adotado nas instituiçõs. Também auxilia na rdução dos custos dos mdicamntos aumnto do control uso do mdicamnto pla farmácia. 9,12 Rssalta-s qu, para uma administração sgura, todo mdicamnto v sr mantido m su rcipint com o su vido rótulo, v-s protgê-lo da xposição ao calor luz, conform a particularida cada um, além rfrigrá-lo, forma aquada, quando o msmo xig. 7 A ausência confrência rgistro da mdicação é uma prática qu po lvar a ocorrência outros rros maior dano ao pacint, como, por xmplo, a administração duplicada um msmo mdicamnto. Nss sntido, v-s, imdiatamnt após a administração do mdicamnto, confrir, rgistrar ou anotar o rfrido procdimnto. 15,16 A não monitoração do pacint após a administração da mdicação também é consirado um rro, pois a monitoração após a administração mdicamntos minimiza as consquências clinicamnt manifstadas plo pacint, como a prsnça sintomas ou raçõs advrsas após algum tmpo m qu foi administrado o mdicamnto. 17,18 A administração mdicamntos é comptência do nfrmiro qu, por mio sua formação, foi capacitado a xcutar a tarfa administrar mdicamntos, portanto, l o rsponsávl por ssa ativida ntro do âmbito hospitalar. É rcomndado qu os profissionais valorizm a administração mdicamntos rconhçam qu uma administração sgura mdicamntos vai além da intificação dos cincos crtos. 9 Nss sntido, são inúmras as açõs nfrmagm para minimizar a ocorrência rros na administração mdicamntos na UTI. Açõs ssas qu vão além mdidas individuais qu comprnm a vrificação das causas, índics consquências dos rros, a fim tornar ss procdimnto mais sguro. 19 CONCLUSÃO Mdiant o objtivo proposto, foram vinciadas como principais açõs nfrmagm para minimizar a ocorrência rros na administração: vitar aprazamntos padronizados implmntação do aprazamnto ltrônico; adotar protocolos dirtrizs para a administração dos mdicamntos; intificar o mdicamnto a sr administrado no pacint por código barras; intificar os lumns dos cattrs rfrnts a cada mdicamnto; rfrnciar com cors distintas cada via administração; usar conctors incompatívis m vias difrnts; intificar o pacint por dois mios. J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

10 Açõs nfrmagm A partir dos rsultados da discussão aprsntada, conclui-s qu o objtivo foi alcançado, pois foram scritas as açõs nfrmagm para rduzir a ocorrência rros na administração mdicamntos na UTI a partir dos msmos. Rcomnda-s pnsar m mais studos sobr a influência da tcnologia na prvnção do rro na tapa da administração mdicamntos. A tcnologia po tornar algumas coisas mlhors outras nm tanto, mas é fundamntal qu s stu o su impacto, principalmnt quando st stá associado ao trabalho da nfrmagm. É ncssária uma anális da complxida sta tmática nas instituiçõs saú, a partir ssas açõs, rforçar o papl da nfrmagm na sgurança m todo o procsso administração mdicamntosa ao pacint, incluindo ducação continuada rciclagm dircionada as quips. REFERÊNCIAS 1. Fritas DF, Oda JY. Avaliação dos fators risco rlacionados às falhas durant a administração mdicamntos. Arq. Ciênc. Saú Unipar st-z; 12(3): Marqus TC, Ris AMM, Silva AEBC, Gimns FRE, Opitz SP, Tixira TCA, Lima REF, Cassiani SHB. Erros administração antimicrobianos intificados m studo multicêntrico brasiliro. Rv. Bras. Cinc. Farm. 2008;44(2): Amrican Socity of Halthy-Systm Pharmacists. Suggstd finitions and rlationships among mdication misadvnturs, mdication rrors, advrs drug vnts, and advrs drug ractions 1998 [on lin]. Availabl from: mrror. 4. National Coordinating Council for Mdication Error Rporting Prvntion[Página da intrnt]. NCCMERP; 1998 [acsso m 2011 agos 18]. Disponívl m: 5. Koop BJ, Erstad BL, Alln ME, Thodoro AA, Pristly G. Mdication rrors and advrs drug vnts in an intnsiv car unit: dirct obsrvation approach for tction. Crit. Car Md. 2006; 34(2): Camrini FG, Silva LD. Sgurança do pacint: anális do prparo mdicação intravnosa m hospital da r sntinla. Txto contxto - nfrm. 2011; 20(1): Corbllini VL, Schilling MCL, Frantz SF, Godinho TG, Urbantto JS. Evntos advrsos rlacionados a mdicamntos: prcpção técnicos auxiliars nfrmagm. Rv Bras Enfrm. 2011; 64(2): Franco JN, Ribiro G, D'Innocnzo M, Barros BPA. Prcpção da quip nfrmagm sobr fators causais rros na administração mdicamntos. Rv. bras. Enfrm.2010; 6(63): Tixira TCA, Cassiani SHB. Anális causa raiz: avaliação rros mdicação m um hospital univrsitário. Rv. sc. nfrm. USP. 2010;1(44): Lops CHAF, Chavs EMC, Jorg MSB. Administração mdicamntos: anális da produção cintífica nfrmagm. Rv. bras. nfrm. 2006; 59(5): Kawano DF, Prira LRL, Uta JM, Fritas O. Acints com os mdicamntos: como minimizá-los? Rv. Bras. Cinc. Farm. 2006; 42(4): J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

11 Açõs nfrmagm 12 - Miasso AI, Grou CR, Cassiani SHDB, Silva AEBC, Fakih FT. Erros mdicação: tipos, fators causais providências tomadas m quatro hospitais brasiliros. Rv Esc Enfrm USP. 2006;40(4): Silvia AEBC, Cassiani SHB, Miasso AI, Opitz SP. Problmas na comunicação: uma possívl causa rros mdicação. Acta Paul Enfrm. 2007;20(3): Rosa MB, Prini E, Anaclto TA, Niva HM, Bogutchi T. Erros na prscrição hospitalar mdicamntos potncialmnt prigosos. Rv. Saú Pública. 2009; 43(3): Tixira TCA, Silva AEBC, Cassiani SHB, Grou CR, Olivira RC, Fakih FT. O procsso prparo administração mdicamntos: intificação problmas para propor mlhorias prvnir rros mdicação. Rv. Latino-Am. Enfrmagm. 2006; 14(3): Coimbra JAH. Prvnção tcção rros mdicação. Ciência, Cuidado Saú. 2006; 5 Suppl: Hinrichsn SL, Villla TAS, Lira MCC, Moura LCRV. Monitoramnto mdicamntos prscritos m UTI. Rv. nfrm. UERJ. 2009;17(2): Miasso AI, Cassiani SHB. Administração mdicamntos: orintação final nfrmagm para a alta hospitalar. Rv. sc. nfrm. USP. 2005;39(2): Silva BK, Silva JS, Gobbo AFF, Miasso AI. Erros mdicação: condutas propostas prvnção na prspctiva da quip nfrmagm. Rvista Eltrônica Enfrmagm [Intrnt] [acsso m 2011 jul 12]; 9(3):Disponívl m: URL:http://www.fn.ufg.br/rvista/v9/n3/v9n3a11htm. Rcbido m: 04/07/2012 Rvisõs rquridas: 02/03/2013 Aprovado m: 01/04/2013 Publicado m: 01/10/2014 Enrço contato dos autors: Rua Mal. Raul Albuqurqu n.122/305 - Charitas, Nitroi, RJ, Brasil. CEP: J. rs.: fundam. car. onlin out./z. 6(4):

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 Ano 12º Ano DISCIPLINA: Docnt HISTÓRIA A Carlos Eduardo da Cruz Luna Contúdos Comptências Espcíficas Estratégias RECURSOS Módulo 7 Criss, Embats Iológicos Mutaçõs Culturais

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PROJETO CONFECÇÃO DE SACOLAS E CAIXAS ARTESANAIS. Rua Hibiscos nº 86 Bairro Regina Belo Horizonte MG (031)33853893 85214283 valeriamelo@pop.com.

PROJETO CONFECÇÃO DE SACOLAS E CAIXAS ARTESANAIS. Rua Hibiscos nº 86 Bairro Regina Belo Horizonte MG (031)33853893 85214283 valeriamelo@pop.com. PROJETO CONFECÇÃO DE SACOLAS E CAIAS ARTESANAIS Valéria Ribiro Salgado Mlo E.E.Dr. Amaro Nvs Barrto Rua Hibiscos nº 86 Bairro Rgina Blo Horizont MG (031)33853893 85214283 valriamlo@pop.com.br A E.E. Dr.

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano d Trabalho Docnt 2014 Ensino Técnico Etc Etc: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Ára d conhcimnto: INFRAESTRUTURA Componnt Curricular: PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL - PCC

Leia mais

A abordagem do Aspecto verbal no material produzido para o ensino a distância. Valdecy de Oliveira Pontes - UFC. Introdução

A abordagem do Aspecto verbal no material produzido para o ensino a distância. Valdecy de Oliveira Pontes - UFC. Introdução A abordagm do Aspcto vrbal no matrial produzido para o nsino a distância Valdcy d Olivira Ponts - UFC Introdução No prsnt trabalho, assumimos os prssupostos tóricos do Funcionalismo m Linguística, por

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

ODONTO E MAIS: BIOLOGIA MOLECULAR Você já ouviu falar? UFU. Tecnologias 3D aplicadas às áreas de saúde CIÊNCIA E SAÚDE

ODONTO E MAIS: BIOLOGIA MOLECULAR Você já ouviu falar? UFU. Tecnologias 3D aplicadas às áreas de saúde CIÊNCIA E SAÚDE REVISTA PET ISSN 2316-5073 ODONTO CIÊNCIA E SAÚDE Ano 1 - Vol. I - Outubro/2012 Tcnologias 3D aplicadas às áras saú E MAIS: BIOLOGIA MOLECULAR Você já ouviu falar? EXTENSÃO FOUFU Novos Projtos para 2012!

Leia mais

I CIPLOM O USO DO TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

I CIPLOM O USO DO TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA O USO DO TEXTO LITERÁRIO NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Maria Francisca da Silva UFRJ 1. Uma xpriência didática do uso do txto litrário A qustão qu m proponho a discutir nst trabalho é sobr

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica Abordagm funcional da gramática na Escola Básica Vania Lúcia Rodrigus Dutra UERJ UFF 1- Introdução Os rsultados d avaliaçõs oficiais vêm apontando o fracasso da scola brasilira, d uma forma gral, no qu

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

UMA REDE TEMÁTICA NO CONTEXTO DA ELABORAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO DE CIÊNCIAS

UMA REDE TEMÁTICA NO CONTEXTO DA ELABORAÇÃO DE UMA PROPOSTA DE ENSINO DE CIÊNCIAS UM RD TMÁTC NO CONTXTO D LBORÇÃO D UM PROPOST D NSNO D CÊNCS Yassuko Hosoum 1, Júlio César Foschini Lisboa 2, Maria ugusta Qurubim Rodrigus Prira 3 1 FUSP/PUCMinas, yhosoum@if.usp.br 2 FFCLFundação S.

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

Gestão de melhoria e mudança: um estudo de caso do setor automotivo

Gestão de melhoria e mudança: um estudo de caso do setor automotivo Gstão mlhoria mudança: um studo caso do stor automotivo Olívia Toshi Oiko (EESC-USP) olivia@sc.usp.br Matus Ccílio Grolamo (EESC-USP) grolamo@sc.usp.br Luiz C. R. Carpintti (EESC-USP) carpint@tigr.prod.sc.sc.usp.br

Leia mais

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2

Cleide Ane Barbosa da Cruz 1, Lângesson Lopes da Silva 2 MARKETING DIGITAL: MARKETING PARA O NOVO MILÊNIO Cli An Barbosa da Cruz 1, Lângsson Lops da Silva 2 O prsnt artigo busca analisar o markting digital, como um lmnto difusor da intração ntr clints organizaçõs,

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno Pág. 1 Caractrização Curso: PROEJA-FIC ( Curso d Formação Inicial Continuada m Alimntação Intgrado ao Ensino Fundamntal na Modalidad d EJA) Ano/Smstr ltivo: 2011 Príodo/Séri: 5ª a 8ª séri Turno: ( ) Matutino

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ Pdro Valdcir Ribiro UNICENTRO/Irati Ms. Marcla d Fritas Ribiro Lops UNICENTRO/Irati 1.Introdução A língua spanhola

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Encontro Intrnacional d Produção Cintífica Csumar 23 a 26 d outubro d 2007 OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Adriana Carla d Souza Maldonado 1 ; Ludhiana

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 06 ISSN 677-7042 Nº 22, quarta-fira, 3 d novmbro d 203 PORTARIA Nº 2.72, DE 2 DE NOVEMBRO DE 203 Rdfin o rgulamnto técnico d procdimntos hmotrápicos. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: EMRC ANO: 5º 1º PERÍODO ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Vivr juntos AULAS PREVISTAS: 12 COMPETÊNCIAS (O aluno dvrá sr capaz d:) CONTEÚDOS

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM UM CONTEXTO MULTILÍNGUE

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM UM CONTEXTO MULTILÍNGUE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM UM CONTEXTO MULTILÍNGUE KASTELIC, Eloá Soars Dutra* DINTER- Univrsidad Estadual do Ost do Paraná Univrsidad Fdral da Bahia Ess artigo é uma proposta d doutoramnto a sr

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006 A Coordnação do MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA torna

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

I CIPLOM. 1. Introdução

I CIPLOM. 1. Introdução Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL A construção das idntidads d alunos m uma scola pública d Pacaraima m contxto d mobilidad gográfica lingüística na frontira Brasil/Vnzula

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas Planificação d Ciências Naturais 9.ºAno Altraçõs climáticas Inês Hnriqus Sandra Mnds Tma: Biosfra Aula n.º: 1 Duração: 90 minutos Introdução à unid Altraçõs climáticas. Biosfra, concito importância. Dgração

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS Sistma d Numração - Litura scrita sistma d numração indo-arábico

Leia mais

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE.

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL Plano d Estudo 5º ano - ANUAL Disciplina: Ciências Naturais Unidad Tmática Contúdos 1 Importância das rochas do solo na manutnção dvida. Por qu razão xist vida na Trra? Qu ambint xistm na Trra? Ond xist

Leia mais

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica

Terminologia em agropecuária: elaboração de glossários no par linguístico português-espanhol, voltados para o ensino da tradução técnica Trminologia m agropcuária: laboração d glossários no par linguístico português-spanhol, voltados para o nsino da tradução técnica Introdução Francisca Prira da Silva - IFRR A psquisa intitulada Trminologia

Leia mais

República Federativa do Brasil. Câmara dos Deputados ( DO SENHOR INOCÊNCIO OLIVEIRA.. )

República Federativa do Brasil. Câmara dos Deputados ( DO SENHOR INOCÊNCIO OLIVEIRA.. ) . 0 - -. _. 0 0.0-0. 0 _- -, 0.0 0.0 Rpública Fdrativa do Brasil Câmara dos Dputados ( DO SENHOR INOCÊNCIO OLIVEIRA.. ) ASSUNTO: PROTOCOLO N.o... ~.~.~~!'~... ().~... ~. ~. E3rl.~... ~!... ~... ~!!...

Leia mais

Palavras-chave: zona costeira, sensores remotos ópticos, SRTM. 1. Introdução

Palavras-chave: zona costeira, sensores remotos ópticos, SRTM. 1. Introdução SENSORES REMOTOS ÓPTICOS E MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO SRTM PARA RECONHECIMENTO DE AMBIENTES COSTEIROS DOMINADOS POR MARCROMARÉ NA REGIÃO DE SÃO LUÍS (MA) Shila Gatinho Tixira1; Pdro Walfir Martins Souza

Leia mais

Protocolos de Prevenção:

Protocolos de Prevenção: Santa Casa PROTOCOLOS INSTITUCIONAL Protocolos Clínicos: Protocolo: Dor Torácica Protocolo d Triagm Diagnós ca Cardiopa a Congênita Cri ca Protocolos d Prvnção: Protocolo d Prvnção d Quda Protocolo d Prvnção

Leia mais

Elaboração de atividades para a educação continuada a distância

Elaboração de atividades para a educação continuada a distância Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Elaboração d atividads para a ducação continuada a distância O Projto FOCOELE Elzimar Gottnaur d Marins Costa - UFMG Buscando atndr a ncssidad

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa

Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Análise das publicações sobre administração de medicamentos na assistência de enfermagem: revisão integrativa Rafael Pires Silva 1, Bruna Maiara Ferreira Barreto 2, Danielle Moura Tenório 3, Alessandra

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO FLH NÃO É UM OPÇÃO José Wagnr Braidotti Junior (1) Rsumo prssão por mlhors indicadors d produtividad, disponibilidad confiabilidad nas organizaçõs tm aumntado a cada ano, tornando os divrsos procssos d

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

Anta. Qualidade da água de aquários. Cuidando do Bem-Estar! Responsabilidade com animais de estimação. Seu bichinho está com fome?

Anta. Qualidade da água de aquários. Cuidando do Bem-Estar! Responsabilidade com animais de estimação. Seu bichinho está com fome? Distribuição Gratuita Jornal Informativo Alcon Rsponsabilida com animais stimação Cuidando do Bm-Estar! Su bichinho stá com fom? Março 2011 - nº 19 Qualida da água aquários A importância conhcr monitorar

Leia mais

Proposições sobre a psicanálise { TC "6.1 Uma releitura da microscopia relacional de W. Bion" \l 2 }relacional de W. Bion Olga Perazzolo

Proposições sobre a psicanálise { TC 6.1 Uma releitura da microscopia relacional de W. Bion \l 2 }relacional de W. Bion Olga Perazzolo Proposiçõs sobr a psicanális { TC "6.1 Uma rlitura da microscopia rlacional d W. Bion" \l 2 }rlacional d W. Bion Olga Prazzolo Considraçõs Introdutórias O trabalho s insr na proposta tmatizada plo binômio

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais