Banco de Dados I. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 20/09/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de Dados I. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 20/09/2011"

Transcrição

1 Banco de Dados I Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 20/09/2011

2 Operações Binárias União (UNION) Interseção (INTERSECTION) Subtração (MINUS) Produto Cartesiano Junção (JOIN) Divisão (DIVISION) Aula passada! REVISÃO Aula de Hoje 14:40

3 Banco de Dados I REVISÃO 14:40

4 Álgebra Relacional Provê um fundamento formal para operações do modelo relacional É usada como uma base para implementar e otimizar consultas em SGBDRs Operações Unárias Seleção e projeção Binárias União, interseção, diferença de conjuntos, produto cartesiano 14:40

5 Operação de SELEÇÃO Símbolo para SELEÇÃO σ (sigma) Operação indicada por ς <condição de seleção> (R) O resultado da SELEÇÃO produz uma relação com os mesmos atributos de R Expressão booleana Expressão da Álgebra Relacional O resultado é uma relação 14:40 ς DNO=4 (EMPREGADO) ς SALARIO>30000 (EMPREGADO)

6 Operação de SELEÇÃO ς(dno = 4 AND SALARIO > 25000) OR (DNO = 5 AND SALARIO > 30000) (EMPREGADO) EMPREGADO PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , José Ribeiro 3 M , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , Pedro Falcão 8 M ,00 null 1 14:40

7 Operação de SELEÇÃO ς(dno = 4 AND SALARIO > 25000) OR (DNO = 5 AND SALARIO > 30000) (EMPREGADO) EMPREGADO PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , José Ribeiro 3 M , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , Pedro Falcão 8 M ,00 null 1 14:40

8 Operação de SELEÇÃO ς(dno = 4 AND SALARIO > 25000) OR (DNO = 5 AND SALARIO > 30000) (EMPREGADO) EMPREGADO PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , José Ribeiro 3 M , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , Pedro Falcão 8 M ,00 null 1 14:40

9 Operação de SELEÇÃO ς(dno = 4 AND SALARIO > 25000) OR (DNO = 5 AND SALARIO > 30000) (EMPREGADO) EMPREGADO PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO Maria Souza 2 F , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , :40

10 Operação de PROJEÇÃO Seleciona colunas de uma relação Seleção: particionamento horizontal de uma relação em duas relações Projeção: particionamento vertical de uma relação em duas relações Símbolo Lista de atributos de EMPREGADO π PNOME, SALARIO (EMPREGADO) 14:40

11 Operação de PROJEÇÃO Listar primeiro nome e salário de cada EMPREGADO PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , José Ribeiro 3 M , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , Pedro Falcão 8 M ,00 null 1 14:40 π PNOME, SALARIO (EMPREGADO)

12 Operação de PROJEÇÃO Listar primeiro nome e salário de cada EMPREGADO π PNOME, SALARIO (EMPREGADO) 14:40 PNOME SALÁRIO (R$) João ,00 Maria ,00 José ,00 Manoel ,00 Joana ,00 Julia ,00 Tiago ,00 Pedro ,00

13 Operações seqüenciadas Operações de SELEÇÃO e PROJEÇÃO podem ser seqüenciadas πpnome, SALÁRIO (ςdno=5 (EMPREGADO)) Qual a relação resultante da expressão acima? PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , :40

14 Operações seqüenciadas πpnome, SALÁRIO (ςdno=5 (EMPREGADO)) PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , :40

15 Operações seqüenciadas πpnome, SALÁRIO (σdno=5 (EMPREGADO)) PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , :40

16 Operações seqüenciadas πpnome, SALÁRIO (σdno=5 (EMPREGADO)) PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , :40

17 Operações seqüenciadas πpnome, SALÁRIO (σdno=5 (EMPREGADO)) PNOME UNOME CPF SEXO SALÁRIO (R$) CPF_GERENTE DNO João Silva 1 M , Maria Souza 2 F , Manoel Cabral 4 M , Joana Alvares 5 F , Julia Assunção 6 F , Tiago Medeiros 7 M , :40

18 Operações seqüenciadas πpnome, SALÁRIO (σdno=5 (EMPREGADO)) PNOME SALÁRIO (R$) João ,00 Maria ,00 Joana ,00 Julia ,00 14:40

19 Operação REBATIZAR/RENAME A relação resultante recebe um nome intermediário π PNOME, SALÁRIO (ς DNO=5 (EMPREGADO)) DEP5_EMPS ςdno=5 (EMPREGADO) RESULTADO πpnome, SALÁRIO (DEP5_EMPS) Uma expressão pode ser simplificada utilizando RENAME 14:40

20 Banco de Dados I EXERCÍCIOS DE SELEÇÃO E PROJEÇÃO 14:40

21 Exercícios de Seleção e Projeção codemp Nome Salario idade coddep 200 Pedro 3.000, Paulo 2.200, Maria 2.500, Ana 1.800, codproj Nome coddep A AATOM 1 B DW espaço-temporal 2 14:40 Empregado Projeto ProjetoEmpregado codproj codemp datain datafi A /01/2007 atual A /01/2007 atual A /02/ /02/2010 B /02/ /02/2010 Departamento coddep descricao 1 Pesquisa 2 Desenvolvimento 1) Liste todos os empregados com menos de 30 anos 2) Liste o código dos empregados que trabalham no projeto A 3) Selecione nome e salário dos empregados que trabalham no departamento 1 4) Busque o código do projeto e o código de cada empregado de projetos em andamento em 2009

22 Operação de UNIÃO Requer que as duas relações fornecidas como argumento tenham o mesmo esquema. Resulta em uma nova relação, com o mesmo esquema, cujo conjunto de linhas é a união dos conjuntos de linhas das relações dadas como argumento. Retorna a união das tuplas de duas relações R e S R U S Eliminação automática de duplicatas Notação: R S R S 14:40 X Y Z X Y Z X Y Z

23 Operação de INTERSEÇÃO Indicado por R S e resulta todas tuplas que estão em ambas relações, R e S R X Y Z S X Y Z R S X Y Z :40

24 Operação de SUBTRAÇÃO Indicado por R S Requer que as duas relações fornecidas como argumento tenham o mesmo esquema. R X Y Z S X Y Z R - S X Y Z :40

25 Operação de PRODUTO CARTESIANO Conhecida como CROSS PRODUCT (produto cruzado) ou CROSS JOIN (junção cruzada) Indicado por X As relações envolvidas não precisam ser compatíveis O resultado de R(A 1, A 2,..., A n ) X S(B 1, B 2,..., B m ) é uma relação Q de grau n + m: Q(A 1, A 2,..., A n, B 1, B 2,..., B m ), nessa ordem 14:40

26 Operação de PRODUTO CARTESIANO 14:40 R A B C R X S X S Y A B C X Y Total de atributos do produto cartesiano Atributos de R + Atributos de S Número de tuplas do produto cartesiano Tuplas de R x Tuplas de R

27 Exercícios Empregado codemp Nome Salario idade coddep 200 Pedro 3.000, Paulo 2.200, Maria 2.500, Ana 1.800, Projeto codproj Nome coddep A AATOM 1 B DW espaço-temporal 2 ProjetoEmpregado codproj codemp datain datafi A /01/2007 atual A /01/2007 atual A /02/ /02/2010 B /02/ /02/2010 Departamento coddep descricao 1 Pesquisa 2 Desenvolvimento 1) Selecione o nome dos empregados que trabalham no departamento de Pesquisa 2) Selecione o nome e o salário dos empregados que trabalham no projeto AATOM 3) Selecione o nome dos empregados e o nome dos projetos em andamento em :40

28 Banco de Dados I JUNÇÕES 14:40

29 Junção (JOIN) É um produto cartesiano com condição Combina tuplas relacionadas em duas relações dentro de uma tupla única Símbolo: 14:40

30 Junção (JOIN) Exemplo: Dada as seguintes relações EMPREGADO(PNOME, CPF, SEXO, DNO) DEPARTAMENTO(DNOME, DNUMERO, GERCPF) EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa 1 5 Recupere o nome do gerente de cada departamento 14:40

31 Junção (JOIN) Exemplo: Dada as seguintes relações EMPREGADO(PNOME, CPF, SEXO, DNO) DEPARTAMENTO(DNOME, DNUMERO, GERCPF) Recupere o nome do gerente de cada departamento Para isso, precisamos primeiro combinar EMPREGADO e DEPARTAMENTO onde EMPREGADO.CPF seja igual a DEPARTAMENTO.GERCPF 14:40

32 Junção (JOIN) Exemplo EMPREGADO(PNOME, CPF, SEXO, DNO) DEPARTAMENTO(DNOME, DNUMERO, GERCPF, GERDATAINICIO) 1) Empregado.CPF = Departamento.GERCPF 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO 14:40

33 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

34 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

35 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

36 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

37 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

38 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

39 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

40 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 1 DEP_E_GER DEPARTAMENTO GERCPF=CPF EMPREGADO EMPREGADO PNOME CPF SEXO DNO João 1 M 5 Maria 2 F 5 José 3 M 4 Manoel 4 M 4 Joana 5 F 5 DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Pesquisa 5 1 Administração 4 3 Sede Administrativa :40

41 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 2) Projete os atributos necessários para obter o resultado desejado 2 RESULTADO π PNOME (DEP_E_GER) DEP_E_GER PNOME CPF SEXO DNO DNOME DNUMERO GERCPF João 1 M 5 Pesquisa 5 1 José 3 M 4 Administração 4 3 Joana 5 F 5 Sede Administrativa :41

42 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 2) Projete os atributos necessários para obter o resultado desejado 2 RESULTADO π PNOME (DEP_E_GER) DEP_E_GER PNOME CPF SEXO DNO DNOME DNUMERO GERCPF João 1 M 5 Pesquisa 5 1 José 3 M 4 Administração 4 3 Joana 5 F 5 Sede Administrativa :41

43 Junção (JOIN) Exemplo: Recupere o nome do gerente de cada departamento 2) Projete os atributos necessários para obter o resultado desejado 2 RESULTADO π PNOME (DEP_E_GER) RESULTADO PNOME João José Joana 14:41

44 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Uma junção é um produto cartesiano seguido por uma seleção Exemplo: dependentes de empregados EMPREGADO(Nome, CPF, Sexo, DNO) DEPENDENTE(CPF_Emp, Nome_dep) 14:41

45 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Uma junção é um produto cartesiano seguido por uma seleção Exemplo: Recupere o nome dos dependentes de cada empregado EMPREGADO(Nome, CPF, Sexo, DNO) DEPENDENTE(CPF_Emp, Nome_dep) 14:41

46 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Exemplo EMPREGADO(Nome, CPF, Sexo, DNO) DEPENDENTE(CPF_Emp, Nome_dep) Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO NOMESEMP π NOME, CPF (EMPREGADO) EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO João 1 M 7 José 2 M 8 NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 14:42

47 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO TODOS_DEP_EMP NOMESEMP X DEPENDENTE NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 X DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F 14:42

48 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO TODOS_DEP_EMP NOMESEMP X DEPENDENTE NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F TODOS_DEP_EMP Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F João 1 2 Júlia F João 1 2 Marta F José 2 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F

49 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO DEPENDENTES_REAIS ς CPF = CPF_EMP (TODOS_DEP_EMP) TODOS_DEP_EMP Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F João 1 2 Júlia F João 1 2 Marta F José 2 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F

50 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO DEPENDENTES_REAIS ς CPF = CPF_EMP (TODOS_DEP_EMP) TODOS_DEP_EMP Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F João 1 2 Júlia F João 1 2 Marta F José 2 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F

51 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO DEPENDENTES_REAIS ς CPF = CPF_EMP (TODOS_DEP_EMP) DEPENDENTES_REAIS Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F 14:42

52 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO RESULTADO π NOME, NOME_DEP (DEPENDENTES_REAIS) DEPENDENTES_REAIS Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F 14:42

53 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO RESULTADO π NOME, NOME_DEP (DEPENDENTES_REAIS) DEPENDENTES_REAIS Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F 14:42

54 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano Exemplo: Resolvendo por PRODUTO CARTESIANO RESULTADO π NOME, NOME_DEP (DEPENDENTES_REAIS) RESULTADO Nome Nome_Dep João Maria José Júlia José Marta 14:42

55 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por JUNÇÃO NOMESEMP π NOME, CPF (EMPREGADO) EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO Nome CPF João 1 M 7 João 1 José 2 M 8 José 2 DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F NOMESEMP CPF = CPF_EMP DEPENDENTE

56 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por JUNÇÃO NOMESEMP π NOME, CPF (EMPREGADO) EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO Nome CPF João 1 M 7 João 1 José 2 M 8 José 2 DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F NOMESEMP CPF = CPF_EMP DEPENDENTE

57 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por JUNÇÃO NOMESEMP π NOME, CPF (EMPREGADO) EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO Nome CPF João 1 M 7 João 1 José 2 M 8 José 2 DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F NOMESEMP CPF = CPF_EMP DEPENDENTE

58 Junção (JOIN) Junção e Produto Cartesiano 14:42 Exemplo: Resolvendo por JUNÇÃO NOMESEMP π NOME, CPF (EMPREGADO) EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO Nome CPF João 1 M 7 João 1 José 2 M 8 José 2 DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP DEPENDENTE DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP CPF = CPF_EMP DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F João 1 1 Maria F 2 Júlia F José 2 2 Júlia F 2 Marta F José 2 2 Marta F

59 Variações de Junção Observem que o resultado de uma junção sempre terá ao menos um atributo igual Consequência do uso do comparador de igualdade Equijunção DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP CPF = CPF_EMP DEPENDENTE DEPENDENTES_REAIS Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F 14:42

60 Variações de Junção Observem que o resultado de uma junção sempre terá ao menos um atributo igual Consequência do uso do comparador de igualdade Equijunção DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP CPF = CPF_EMP DEPENDENTE DEPENDENTES_REAIS Nome CPF CPF_EMP Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F 14:42

61 Variações de Junção Uma EQUIJUNÇÃO sempre terá um ou mais pares de atributos com valores idênticos em cada tupla A JUNÇÃO NATURAL exclui esses valores supérfluos Símbolo: * Livra o segundo atributo da condição de EQUIJUNÇÃO 14:42

62 Variações de Junção A JUNÇÃO NATURAL exige que os dois atributos da condição tenham o mesmo nome em ambas relações O que deve ser feito quando este não for o caso? 14:42

63 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F 14:42 Para realizar a junção natural os atributos utilizados na condição devem conter o mesmo nome

64 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 DEPENDENTE CPF_EMP Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F DEP_RENOMEADO ρ CPF, NOME_DEP, SEXO (DEPENDENTE) 14:42 Símbolo (rho)

65 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 DEP_RENOMEADO CPF Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F DEP_RENOMEADO ρ CPF, NOME_DEP, SEXO (DEPENDENTE) 14:42

66 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 DEPENDENTE CPF Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F Depois de renomeado o atributo a ser utilizado na condição, a relação pode ser utilizada na junção natural 14:42

67 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME NOMESEMP Nome CPF João 1 José 2 Os atributos de nomes iguais são utilizados implicitamente. Esses atributos são denominados atributos de junção. DEPENDENTE CPF Nome_Dep Sexo 1 Maria F 2 Júlia F 2 Marta F DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP * DEPENDENTE 14:42 Símbolo de junção natural

68 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME DEPENDENTES_REAIS Nome CPF CPF Nome_Dep Sexo João 1 1 Maria F José 2 2 Júlia F José 2 2 Marta F Os atributos de nomes iguais são utilizados. São os atributos de junção. DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP * DEPENDENTE 14:42 Símbolo de junção natural

69 Variações de Junção Exemplo de uso de RENAME e JUNÇÃO NATURAL Operador de RENAME DEPENDENTES_REAIS Nome CPF Nome_Dep Sexo João 1 Maria F José 2 Júlia F José 2 Marta F Os atributos de nomes iguais são utilizados. São os atributos de junção. DEPENDENTES_REAIS NOMESEMP * DEPENDENTE 14:42 Símbolo de junção natural

70 Variações de Junção Junção Natural Se os atributos já têm os mesmos nomes em ambas relações é desnecessário rebatizá-las A junção natural ocorre para todos os atributos com mesmo nome nas relações envolvidas 14:42

71 Variações de Junção A JUNÇÃO é utilizada para combinar múltiplas relações e apresentá-las em uma única relação Cross JOIN Combina relações sem qualquer condição Produto Cartesiano JOIN Equijunção Junção Natural Definição do atributo de junção Em uma junção entre duas relações R e S apenas as tuplas de R que correspondem às tuplas de S aparecem no resultado Combina relações com condição de igualdade Relações com condição de igualdade e que exclui atributo supérfluo 14:42

72 Variações de Junção E para aparecer tuplas de R ou S? Junções Externas (outer joins) Utilizadas quando queremos manter todas as tuplas de R ou todas as tuplas de S ou todas aquelas em ambas as relações no resultado da JUNÇÃO Operações de JUNÇÃO na qual apenas as tuplas casadas são mantidas são conhecidas como JUNÇÕES INTERNAS (inner joins) 14:42

73 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN Símbolo Mantém todas as tuplas da primeira relação a esquerda 14:42

74 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN 14:42 EMPREGADO EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO João 1 M 7 José 2 M 8 Maria 3 F 8 CPF = GERCPF DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Vendas 7 1 Financeiro 8 2

75 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN 14:42 EMPREGADO EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO João 1 M 7 José 2 M 8 Maria 3 F 8 CPF = GERCPF DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Vendas 7 1 Financeiro 8 2

76 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN 14:42 EMPREGADO EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO João 1 M 7 José 2 M 8 Maria 3 F 8 CPF = GERCPF DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Vendas 7 1 Financeiro 8 2

77 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN 14:42 EMPREGADO EMPREGADO Nome CPF Sexo DNO João 1 M 7 José 2 M 8 Maria 3 F 8 CPF = GERCPF DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DNOME DNUMERO GERCPF Vendas 7 1 Financeiro 8 2 NULL!

78 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN TEMP TEMP EMPREGADO CPF = GERCPF DEPARTAMENTO Nome CPF Sexo DNO DNOME DNUMERO GERCPF João 1 M 7 Vendas 7 1 José 2 M 8 Financeiro :42 Maria 3 F 8 NULL NULL NULL

79 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN TEMP RESULTADO π NOME, DNOME (TEMP) Nome CPF Sexo DNO DNOME DNUMERO GERCPF João 1 M 7 Vendas 7 1 José 2 M 8 Financeiro :42 Maria 3 F 8 NULL NULL NULL

80 Variações de Junção Junção externa a esquerda Exemplo: Recupere uma lista de nomes de todos os empregados e também o nome dos departamentos que eles gerenciam, se gerenciarem algum departamento; Se não gerenciarem nenhum, indique como null. LEFT OUTER JOIN RESULTADO RESULTADO π NOME, DNOME (TEMP) 14:42 Nome João José Maria DNOME Vendas Financeiro NULL

81 Variações de Junção Junção externa a direita RIGHT OUTER JOIN Símbolo: Mantém todas as tuplas na segunda relação Junção externa total Junção Externa Completa FULL OUTER JOIN Mantém todas as tuplas em ambas as relações quando não são encontradas tuplas com valores casados Símbolo: 14:42

82 Exercício 27/09 Ambulatório (númeroa, andar, capacidade) Médico (CRM, nome, idade, cidade, especialidade, #númeroa) Paciente (RG, nome, idade, cidade, doença) Consulta (#CRM, #RG, data, hora) Funcionário (RG, nome, idade, cidade, salário) 14:42

83 Exercício 27/09 1) Liste os dados dos pacientes que estão com sarampo 2) Liste os dados dos médicos ortopedistas com mais de 40 anos 3) Liste os dados das consultas, exceto aquelas marcadas para os médicos com CRM 46 e 79 4) Liste os dados dos ambulatórios do quarto andar que ou tenham capacidade igual a 50 ou tenham número superior a 10 14:42

84 Exercício 27/09 5) Liste o nome e a especialidade de todos os médicos 6) Liste o número dos ambulatórios do terceiro andar 7) Liste o CRM dos médicos e as datas das consultas para os pacientes com RG 122 e 725 8) Liste os números dos ambulatórios, exceto aqueles do segundo e quarto andares, que suportam mais de 50 pacientes 14:42

85 Exercício 27/09 9) Liste o nome dos médicos que têm consulta marcada e as datas das suas consultas 10) Liste o número e a capacidade dos ambulatórios do quinto andar e o nome dos médicos que atendem neles 11) Liste o nome dos médicos e o nome dos seus pacientes com consulta marcada, assim como a data destas consultas 12) Liste os nomes dos médicos ortopedistas com consultas marcadas para o período da manhã (7hs-12hs) do dia 15/04/03 13) Liste os nomes dos pacientes, com consultas marcadas para os médicos João Carlos Santos ou Maria Souza, que estão com pneumonia 14:42

86 Exercício 27/09 14) Buscar os nomes dos médicos e pacientes cadastrados no hospital 15) Buscar os nomes e idade dos médicos, pacientes e funcionários que residem em Florianópolis 16) Buscar os nomes e RGs dos funcionários que recebem salários abaixo de R$ 300,00 e que não estão internados como pacientes 17) Buscar os números dos ambulatórios onde nenhum médico dá atendimento 18) Buscar os nomes e RGs dos funcionários que estão internados como pacientes 14:42

87 Freqüência! Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 20/09/2011

Álgebra Relacional. OBS: as operações Seleção e Projeção são operações unárias porque atuam em relações únicas.

Álgebra Relacional. OBS: as operações Seleção e Projeção são operações unárias porque atuam em relações únicas. Álgebra Relacional Álgebra Relacional é o conjunto básico de operações para o Modelo Relacional. Essas operações permitem a um usuário especificar as solicitações básicas de recuperação. O resultado de

Leia mais

Modelo Relacional - Manipulação

Modelo Relacional - Manipulação Modelo Relacional - Manipulação Duas categorias de linguagens formais álgebra relacional e cálculo relacional comerciais (baseadas nas linguagens formais) SQL Linguagens formais - Características orientadas

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 6.2 Álgebra Relacional - 1 PACIENTE cod-pac nome-pac

Leia mais

07/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

07/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade IED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade Álgebra Relacional 2 Leitura Obrigatória ELMASRI, R.;

Leia mais

BDII SQL Junção Revisão 8

BDII SQL Junção Revisão 8 exatasfepi.com.br BDII SQL Junção Revisão 8 André Luís Duarte Leais são as feridas feitas pelo amigo, mas os beijos do inimigo são enganosos. Provérbios 27:6 SQL Introdução Produto cartesiano Nomes alternativos

Leia mais

Principais Conceitos. Modelo Relacional representa o banco de dados como uma coleção de relações Tupla Atributos Relação Domínio

Principais Conceitos. Modelo Relacional representa o banco de dados como uma coleção de relações Tupla Atributos Relação Domínio MODELO RELACIONAL Principais Conceitos Modelo Relacional representa o banco de dados como uma coleção de relações Tupla Atributos Relação Domínio Conceitos Básicos - Relações A Álgebra Relacional fundamenta-se

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 Coleção de operações usadas para manipular relações Grupos de operações Operações relacionais Seleção; projeção; junção Operações de conjunto

Leia mais

Memória de aula Semanas 15 e 16

Memória de aula Semanas 15 e 16 FMU Curso: Ciência da Computação Disciplina: Banco de Dados I Professor: Ecivaldo Matos Memória de aula Semanas 15 e 16 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando

Leia mais

Cálculo Relacional. Cálculo Relacional de Tupla

Cálculo Relacional. Cálculo Relacional de Tupla Cálculo Relacional Linguagem formal para consulta a relações Mesmo poder de expressão da álgebra relacional Linguagem não-procedural uma consulta é um predicado lógico um dado é buscado do BD se o predicado

Leia mais

Cálculo Relacional. Duas categorias de linguagens cálculo relacional de tupla cálculo relacional de domínio

Cálculo Relacional. Duas categorias de linguagens cálculo relacional de tupla cálculo relacional de domínio Cálculo Relacional Linguagem formal para consulta a relações Mesmo poder de expressão da álgebra relacional Linguagem não-procedural uma consulta é um predicado lógico um dado é buscado do BD se o predicado

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional. Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br

Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional. Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br 2.1 Histórico Modelo Relacional Foi introduzido por Codd (1970) Tornou-se

Leia mais

Consultas SQL com mais de uma 01 tabela

Consultas SQL com mais de uma 01 tabela Consultas SQL com mais de uma 01 tabela Mostrar a marca, modelo, cor e valor de todos os carros com valores entre 20.000 e 30.000 SELECT MARCAS.marca, MARCAS.modelo, CARROS.cor, CARROS.valor FROM MARCAS,

Leia mais

BANCO DE DADOS aula 6 álgebra relacional -

BANCO DE DADOS aula 6 álgebra relacional - INSTITUTO DE EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso de Ciência da Computação BANCO DE DADOS aula 6 álgebra relacional - professor: Juliano Varella de Carvalho 5.1. Álgebra Relacional relações de exemplo conta agencia

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Fundamentos de SQL Structured Query Language Aula2 Apresentado por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685

Leia mais

07/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

07/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade IED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade Álgebra Relacional 2 Leitura Obrigatória ELMASRI, R.;

Leia mais

Banco de Dados. Álgebra Relacional. Prof. Enzo Seraphim

Banco de Dados. Álgebra Relacional. Prof. Enzo Seraphim Banco de Dados Álgebra Relacional Prof. Enzo Seraphim Introdução A álgebra relacional é composta por um conjunto de operações utilizadas para manipular Relações como um todo Toda Operação Relacional é

Leia mais

select nome from Médicos where codm in (select codm from Consultas where data = 06/06/13 )

select nome from Médicos where codm in (select codm from Consultas where data = 06/06/13 ) Subconsultas * subconsulta: forma alternativa de expressar consultas envolvendo relacionamentos entre tabelas * cláusulas para tratamento de subconsultas: IN, ANY, ALL, EXISTS 3.1) Cláusula [NOT] IN *

Leia mais

Faculdade Pitágoras 24/10/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 24/10/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 6.1 Álgebra Relacional -Conceitos - Seleção - Projeção

Leia mais

SQL Consultas Básicas

SQL Consultas Básicas SQL Consultas Básicas Consulta a dados de uma tabela select lista_atributos from tabela [where condição] Mapeamento para a álgebra relacional select a 1,..., a n from t where c π a1,..., an (σ c (t)) Exemplos

Leia mais

1. Introdução 2. Conceitos 3. Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) 3.1. Arquitetura ANSI/SPARC 32 3.2. Regras básicas 3.3.

1. Introdução 2. Conceitos 3. Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) 3.1. Arquitetura ANSI/SPARC 32 3.2. Regras básicas 3.3. UNIDADE I - AMBIENTE DE BANCO DE DADOS 1. Introdução 2. Conceitos 3. Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) 3.1. Arquitetura ANSI/SPARC 32 3.2. Regras básicas 3.3. Usuários 3.4. Linguagem de Banco de Dados

Leia mais

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DML. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DML Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br SQL - DML Os exemplos da aula serão elaborados para o esquema de dados a seguir: Empregado(matricula, nome, endereco, salario, supervisor,

Leia mais

11/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

11/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade IED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade Álgebra Relacional 2 Leitura Obrigatória ELMASRI, R.;

Leia mais

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5

Bases de Dados 2005/2006. Aula 5 Bases de Dados 2005/2006 Aula 5 Sumário -1. (T.P.C.) Indique diferenças entre uma tabela e uma relação. 0. A base de dados Projecto 1. SQL Join (variantes) a. Cross Join b. Equi-Join c. Natural Join d.

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Bancos de Dados Distribuídos Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Conceitos Sistema distribuído. Banco de dados distribuído (BDD). Coleção de multiplos

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

Junções e Índices em Tabelas

Junções e Índices em Tabelas Junções e Índices em Tabelas Prof. Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.com.br SGBD Considerados MySQL (http://www.mysql.org) SGBD gratuito e simples, sem muitos recursos avançados Fácil de instalar

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

Bases de Dados. Álgebra Relacional ou Como manipular uma BD SQL. P. Serendero, 2011-13

Bases de Dados. Álgebra Relacional ou Como manipular uma BD SQL. P. Serendero, 2011-13 Bases de Dados Álgebra Relacional ou Como manipular uma BD SQL P. Serendero, 2011-13 1 Álgebra Relacional Conjunto básico de operadores que tomam as relações como os seus operandos e devolvem uma relação

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados

SQL. Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes. Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados SQL Profa. Msc. Fernanda Lígia Rodrigues Lopes Disciplina: Fundamentos de Banco de Dados Roteiro O que é SQL? Breve Histórico da SQL Usos da SQL Comandos SQL DDL Comandos SQL DML Comandos para consultas

Leia mais

Subconsultas ou Consultas Aninhadas

Subconsultas ou Consultas Aninhadas Subconsultas ou Consultas Aninhadas Forma alternativa de especificar consultas envolvendo relacionamentos entre tabelas Otimização filtragens prévias de dados na subconsulta apenas tuplas/atributos de

Leia mais

Introdução às Bases de Dados

Introdução às Bases de Dados Introdução às Bases de Dados Chave primária Domínios Relação F# F Nome Estado Cidade F1 José 20 Braga F2 João 10 Faro F3 Luís 30 Lisboa F4 Rui 30 Setúbal Atributos Tuplas Introdução às Bases de Dados Modelo

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem DML SQL Select Avançado. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem DML SQL Select Avançado. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem DML SQL Select Avançado Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: -União de tabelas em consultas; -Joins. 2 Até este momento, vimos as capacidades da SQL de completa manipulação

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina

SQL S Q L. Introdução. Enfoques de SQL. SQL - Origem/Histórico. Usos de SQL. SQL - Vantagens. Banco de Dados. Fernando Fonseca Ana Carolina Introdução Banco de Dados SQL Fernando Fonseca Ana Carolina SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta, permitindo definição (DDL)

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

Processamento e Otimização de Consultas

Processamento e Otimização de Consultas Introdução Processamento e Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM 1 Processamento

Leia mais

INNER, CROSS, LEFT, RIGHT E FULL JOINS SIMPLES ASSIM! Wellyngton Luiz Cruz Moreira wlcmoreira@hotmail.com

INNER, CROSS, LEFT, RIGHT E FULL JOINS SIMPLES ASSIM! Wellyngton Luiz Cruz Moreira wlcmoreira@hotmail.com INNER, CROSS, LEFT, RIGHT E FULL JOINS SIMPLES ASSIM! Wellyngton Luiz Cruz Moreira wlcmoreira@hotmail.com PALAVRAS CHAVES: inner join, left outer join, cross join, right outer join, full outer join, junções,

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados SQL-Consultas Comando SELECT Prof. Luiz Antônio Vivacqua C. Meyer (la.vivacqua@gmail.com) Sintaxe Geral SELECT [ALL/DISTINCT] coluna1, coluna2,..., colunan FROM nome_tabela1,

Leia mais

f. Vocês podem selecionar todos os campos indicando-os, ou seja, sem usar * (boa prática) g. Muito relevante na manutenção de BD e de aplicações.

f. Vocês podem selecionar todos os campos indicando-os, ou seja, sem usar * (boa prática) g. Muito relevante na manutenção de BD e de aplicações. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aula 11 1) Cláusulas SELECT e FROM a. Apesar de ser a primeira, ela é a

Leia mais

Dicas de Projeto Lógico Relacional

Dicas de Projeto Lógico Relacional Dicas de Projeto Lógico Relacional O que deve ser especificado? mapeamento do esquema conceitual definição das tabelas e chaves justificativas de mapeamento (se necessário) restrições de integridade (RIs)

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: B1SGB - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados Memória de aula Aula 10 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas

Leia mais

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL

SQL. Banco de Dados I. Componentes de SQL Banco de Dados I Adrovane Marques Kade 1 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia adrovane.kade@bento.ifrs.edu.br 2011/1 ( Structured Query Language

Leia mais

Projeto de Distribuição de Banco de Dados

Projeto de Distribuição de Banco de Dados Bancos de Dados Distribuídos e Móveis Aula 01 Bernade.e Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br de Distribuição de Banco de Dados Como os dados serão distribuídos ao longo da rede? Que unidades lógicas do banco

Leia mais

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2 Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Introdução Como vimos, um SGBD possui duas linguagens: DDL: Linguagem de Definição de Dados. Usada

Leia mais

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where.

Uma expressão básica em SQL consiste em três cláusulas: select, from e where. Introdução a Banco de Dados O.K. Takai; I.C.Italiano; J.E. Ferreira. 67 8 A Linguagem SQL A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial que usa uma combinação de construtores em Álgebra

Leia mais

Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php)

Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. Exemplo Clínica. (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php) Clínica Todos os exemplos apresentados utilizam o SGBD Postgre - open source Documentação: http://www.postgresql.org/docs (http://bidu.lab.ic.unicamp.br/~celio/metasql.php) Ambulatorios(numero, andar,

Leia mais

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo )

Ex.: INSERT INTO tmpautor (CDAUTOR, NMAUTOR) VALUES (1, Renato Araújo ) PRONATEC - Programador de Sistemas Banco de Dados 1) Incluindo linhas nas tabelas a. Para incluir linhas em tabelas utilize o comando INSERT INTO INSERT INTO tabela [ ( coluna [, coluna,...] ) ] VALUES

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Álgebra relacional. Fernando Lobo. Conjunto de operadores que permitem manipular relações: produtos cartesianos e joins.

Álgebra relacional. Fernando Lobo. Conjunto de operadores que permitem manipular relações: produtos cartesianos e joins. Álgebra Relacional Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 50 Álgebra relacional Conjunto de operadores que permitem manipular relações: 1 operações sobre conjuntos:,, 2 remover linhas

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 Ao nível das linguagens de manipulação de dados (Data Manipulation Language - DML) o SQL

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Modelo Relacional. Banco de Dados. Modelo Relacional. Modelo Relacional

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Modelo Relacional. Banco de Dados. Modelo Relacional. Modelo Relacional Banco de Dados Definido por E F Codd em 1970, teve sua grande aceitação comercial a partir de meados da década de 1980 Razões da grande aceitação Simplicidade dos conceitos básicos Poder dos operadores

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

Banco de Dados I SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados I SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas. Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert

Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas. Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL-1 (86); SQL-2 (92); SQL-3 (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I Efetivação Lógica de Normalização Prof. Gilberto Braga de Oliveira Expressão do Relacionamento Necessidade de incluir campos nas tabelas para que os relacionamentos

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

ProgramAR - Ferramenta para auxiliar o ensino em Álgebra Relacional

ProgramAR - Ferramenta para auxiliar o ensino em Álgebra Relacional ProgramAR - Ferramenta para auxiliar o ensino em Álgebra Relacional Arley Prates, Daniela Barreiro Claro, Edlane Proencia, João Queiroz 1 Instituto de Matemática (IM) Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Leia mais

Banco de Dados. Otimização de consultas. Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai. Última atualização: 15 de maio de 2006

Banco de Dados. Otimização de consultas. Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai. Última atualização: 15 de maio de 2006 Banco de Dados Otimização de consultas Última atualização: 15 de maio de 2006 Prof. Joao Eduardo Ferreira Prof. Osvaldo Kotaro Takai Introdução Consulta em linguagem de alto nível Análise e validação Forma

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

GBC043 - Sistemas de Banco de Dados SQL/DML no PostgreSQL. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM/BCC

GBC043 - Sistemas de Banco de Dados SQL/DML no PostgreSQL. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM/BCC GBC043 - Sistemas de Banco de Dados SQL/DML no PostgreSQL Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM/BCC Página 2 Prgrama Teórico/Prático - SQL Linguagem SQL Comandos

Leia mais

Bancos de Dados não Convencionais

Bancos de Dados não Convencionais Bancos de Dados não Convencionais Profa. Valéria Gonçalves Soares DI/UFPB Conteúdo 1. Introdução Integração de BDs com outras áreas Visão dos sistemas Visão das aplicações Limitações dos BDs Relacionais

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados

Banco de Dados. Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados Banco de Dados Banco de Dados (aulas 7 e 8) 1 Wedson Quintanilha da Silva - Banco de Dados Generalizaçao/Especialização: Definição de atributos e/ou relacionamentos particulares a um subconjunto de ocorrências

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL (86); SQL-2 (92); SQL-3 (99) e SQL:2003 não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere...

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS PROFESSORA LUCÉLIA. Normalização

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS PROFESSORA LUCÉLIA. Normalização LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS PROFESSORA LUCÉLIA Normalização 1 NORMALIZAÇÃO DESCRIÇÃO DE DOCUMENTO, ARQUIVO OU DE SGBD NÃO RELACIONAL ESQUEMA DE TABELA RELACIONAL NÃO NORMALIZADA 1ª FORMA NORMAL 2ª FORMA

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Estrutura Básica de consultas SQL: A cláusula SELECT; A cláusula FROM; A cláusula WHERE. Operação com cadeias

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL-1 (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

SQL. Introdução. Por que SQL? Setenças Select-From-Where

SQL. Introdução. Por que SQL? Setenças Select-From-Where Introdução SQL Bancos de Dados I Altigran Soares da Silva IComp/UFAM 2013/02 Adaptado do Material do Professor Jeffrey Ullman Originalmente proposta para o System R desenvolvido nos laboratórios da IBM

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas MODELO RELACIONAL Banco de Dados Relacional = consiste em uma coleção de tabelas ou relações, cada uma das quais com um nome único. 2 1 Tabelas Conjunto não ordenado de linhas (tuplas); Cada linha é composta

Leia mais

Unidade III - BD Relacional

Unidade III - BD Relacional Structured Query Language (SQL) Conceitos Iniciais Álgebra Relacional - muito formal Cálculo Relacional de Tupla SEQUEL (Structured English QUEry Language) IBM - Sistema R SQL-86 SQL-92 SQL-3 102 Structured

Leia mais

Álgebra relacional. Fernando Lobo. Base de Dados, aula 12

Álgebra relacional. Fernando Lobo. Base de Dados, aula 12 Álgebra Relacional Fernando Lobo Base de Dados, aula 12 1 / 28 Álgebra relacional Conjunto de operadores que permitem manipular relações: 1. operações sobre conjuntos:,, 2. remover linhas (selecção), remover

Leia mais

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte

Programação SQL. INTRODUÇÃO II parte Programação SQL INTRODUÇÃO II parte Programação SQL SELECT; INSERT; UPDATE; DELETE. Este conjunto de comandos faz parte da sublinguagem denominada por DML Data Manipulation Language (Linguagem de manipulação

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 2 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Novembro de 2006 Prova com consulta duas horas de duração 1 Base de dados para as questões (Esta é a mesma base de dados que foi

Leia mais

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

Banco de Dados Modelo Entidade-Relacionamento. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados Modelo Entidade- Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Modelo Entidade- Proposto por Peter Chen, em 1976 Baseado na percepção do mundo real Consiste de um conjunto de objetos básicos

Leia mais

Banco de Dados. Aula 5 - Prof. Bruno Moreno 06/09/2011

Banco de Dados. Aula 5 - Prof. Bruno Moreno 06/09/2011 Banco de Dados Aula 5 - Prof. Bruno Moreno 06/09/2011 Diagrama ER - Limitação Conceitos são suficientes para representar dados de aplicações de BD tradicionais Para aplicações mais complexas, a notação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO INF1383 - BANCO DE DADOS. Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados para o CCCI

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO INF1383 - BANCO DE DADOS. Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados para o CCCI PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO INF1383 - BANCO DE DADOS Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados para o CCCI Grupo 4: Diego Silva Guido Paes Leme Ingrid Coda Matheus de Mello Paulo

Leia mais

Principais Instruções em SQL

Principais Instruções em SQL Instrução Principais Instruções em SQL Instrui o programa principal do banco de dados para retornar a informação como um conjunto de registros. Sintaxe [predicado { * tabela.* [tabela.]campo1 [AS alias1]

Leia mais

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br

Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional. Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Banco de Dados Transformação Modelo Conceitual para Lógico Relacional Prof. Juliano Lucas Gonçalves juliano.gonçalves@ifsc.edu.br Implementação inicial de entidades Cada entidade é traduzida para uma tabela.

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL- (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Setembro de 2008 Nome do aluno: Prova sem consulta duas horas de duração 1. (Peso 2 Deseja-se projetar uma base de dados para uma

Leia mais

1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All...

1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All... SQL 1. SQL Instrumental...2 1.1 Select...3 1.2 Delete...13 1.3 Update... 1.4 Insert... 1.5 Group by... 1.6 Having... 1.7 Unnion All... 2. Servidor... 2.1 Ativando log no Broker... 2.2 Leitura do log no

Leia mais

António Rocha Nuno Melo e Castro

António Rocha Nuno Melo e Castro António Rocha Nuno Melo e Castro SQL- Strutured Query Language é a linguagem mais usada nas bases dados relacionais. Originalmente desenvolvida pela IBM Actualmente é um standard, o mais recente é o SQL:2003

Leia mais

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Engenharia de Computação / Engenharia de Produção. Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 3 SQL Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto na Disciplina

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Tarefa Orientada 11 Junção Interna

Tarefa Orientada 11 Junção Interna Tarefa Orientada 11 Junção Interna Objectivos: Junção Interna (INNER JOIN) Junção Interna A operação de junção interna (INNER JOIN) é utilizada para combinar colunas de duas ou mais tabelas. O resultado

Leia mais