Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contexto. 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados."

Transcrição

1 Contexto 74,3% dos usuários de drogas ilícitas estão empregados. Empregados sob efeito de droga utilizam, em média, 67% da capacidade de trabalho, tem o triplo de probabilidade de chegar atrasado ou faltar ao serviço. (Organização Mundial de Saúde OMS). 10% utilizam drogas no ambiente de trabalho. A dependência química está presente em todas as Empresas. No Brasil, menos de 5% das empresas têm algum tipo de programa de prevenção. Em países como Estados Unidos, Canadá, França e Inglaterra, esse índice chega a 90%. Campanhas com esse objetivo têm apenas cerca de 20 anos. Ramo da mineração grau de risco elevado (quatro).

2 Cuidar de você é cuidar de quem você ama! ICMM Conference Safety & Health 2012 Santiago, Chile, 13 a 16 de novembro

3 Vale Maior empresa privada da América Latina Segunda maior mineradora do mundo Ferro, Carvão, Níquel, Cobre, Fertilizantes Cerca de 130 mil trabalhadores, mais de 60 mil terceiros 38 países

4 Estratégia de Saúde Integrada VALE Ambiente Físico de Trabalho Mobilizar Ambiente Psicossocial de Trabalho Melhorar Avaliar Compromisso dos líderes ÉTICA e VALORES Participação dos Trabalhadores Reunir Examinar Recursos pessoais de saúde Fazer Priorizar Planejar Participação da Empresa na Comunidade SAÚDE OCUPACIONAL Saúde Integrada Vale SAÚDE ASSISTENCIAL SAÚDE da COMUNIDADE Fonte: Ambiente de Trabalho Saudável, OMS. NOV2010

5 As drogas na humanidade O uso das drogas faz parte da cultura humana há milhares de anos; Representam na história da humanidade diversos papéis: analgésicos, os inimigos da dor, física e espiritual; aliados do sono tranquilo; estimulantes; provedores de energias para a caça e combate; Aliados cotidianos para os males e incômodos da vida. Viciadas em açúcar, em aguardente, em tabaco, em café, em chá, em chocolate, em ópio, assim as populações mundiais expandiram o comércio exterior, alimentaram os tributos estatais, foram estimuladas nas fábricas e nas grandes plantações. A revolução do álcool destilado e dos psicoativos em geral (século XVII), foi um dos mais importantes fatores da história econômica, social e cultura na época moderna. Pela primeira vez, vários dos produtos excitantes ou sedativos estavam disponíveis como mercadorias para quase toda a população. Fonte: Artigo: As Drogas e a História da Humanidade, autor: Henrique Soares Carneiro, historiador e doutor em História Social, Professor de História Moderna da USP.

6 O álcool e a evolução do conceito de tratamento O advento da destilação do álcool levou ao aumento do consumo; 0 beber excessivamente passou a ser considerado um comportamento pecador e fraco, sendo este conceito incorporado às regras morais de diversas culturas. Hipócrates (385 A.C) descreve o uso do álcool como um fator predisponente à várias doenças; Benjamin Rush, em 1789, considerou o uso disfuncional do álcool como uma doença ou transtorno da vontade ; Mais tarde nos Estados Unidos surge um movimento social chamado Temperança com o objetivo de controlar o uso do álcool. Inicia-se a discussão entre o modelo moral versus o modelo doença; Na primeira metade do século XIX o modelo de doença se consolidou; O alcoolismo foi incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico das doenças mentais (DSM-I) da Associação Psiquiátrica Americana, somente em 1959; A OMS adotou em 1977 a definição da dependência do álcool como uma síndrome com um contínuo de gravidade (abuso e dependência);

7 O papel do local de trabalho na prevenção e tratamento Fonte importante para a detecção do problema; Grande estímulo e apoio no alcance abstinência; A qualidade das relações no ambiente de trabalho exercem forte influência sobre o tema; As empresas possuem equipes multidisciplinares de saúde o que permite acesso imediato para abordagem dos casos; Os colegas de trabalho são fundamentais no tratamento da dependência química favorecendo a manutenção do tratamento (apoio) e a busca por ajuda (influência dos pares); A liderança, quando adequadamente treinada, desempenha um importante papel no encaminhamento do empregado para o programa de dependência química (52%); Nas empresas as taxas de recuperação são mais altas: chegam até a 80% dos casos UNIFESP

8 O que é droga? Qualquer substância química ou natural que altera a função cerebral e temporariamente muda a percepção, o humor, o comportamento e a consciência podendo gerar dependência. São conhecidas também como substâncias psicoativas. O que é dependência química? A Dependência Química é uma doença progressiva, incurável, porém, tratável. A pessoa que é usuária de drogas tem sua vida modificada aos poucos, e muitas, não percebem que pouco a pouco estão se tornando dependentes.

9 Uso, abuso e dependência Uso Nocivo / Abuso Consumo de substâncias. Os problemas sociais e/ou de saúde começaram a aparecer... Dependência de álcool = 17,1% (sexo masculino) Dependência de tabaco = 9,0% Dependência da maconha = 1,0%. Dependência Não consegue mais parar de usar a droga, existem muitos problemas sociais e de saúde Uso álcool= 68,7% Uso de tabaco = 41,1 % Uso de maconha = 6,9 % Uso de cocaína = 2,3% e Uso de Crack = 0,7% Uso de solventes = 5,8 Uso Qualquer consumo de substância psicoativa esporádico ou eventual Aparentemente não há problemas Dependência OMS Doença Biopsicossocial Fonte: CEBRID 2001

10 O Programa

11 Objetivos do Programa Informar, conscientizar e mobilizar os empregados e seus familiares sobre a Dependência Química; Garantir e uniformizar ações de prevenção, controle e tratamento da dependência química, diminuindo problemas decorrentes do uso nocivo de substâncias psicoativas; Facilitar os fatores de proteção e reverter ou reduzir os fatores de risco que levam ao uso da substância; Propiciar tratamento especializado aos empregados que apresentam uso nocivo ou dependência de substâncias psicoativas; Propiciar a reinserção do dependente na empresa, na família e na sociedade.

12 Pilares do Programa A rede referenciada O gerenciamento multidisciplinar de cada caso Formas de abordagem e tratamento Treinamentos: Lideranças Empregados Equipe de saúde da empresa Educação continuada e sensibilização

13 A rede referenciada Formação e o desenvolvimento de uma rede de profissionais especializados para o tratamento dos empregados e familiares dependentes químicos. Captação de profissionais de saúde na região. Desenvolvimento técnico. Capacitação continuada da rede de profissionais.

14 O gerenciamento multidisciplinar dos casos Família e Comunidade Equipe de Saúde Vale Profissionais de Saúde da rede referenciada Empregado Empresa de Assessoria Técnica Em Dependência Química e Saúde Mental Interfaces da Vale (liderança, recursos humanos, outros) Empresa

15 Formas de Abordagem e Tratamento Formas de Abordagem Auto-encaminhamento Lideranças Serviço de de Saúde Vale Rede referenciada Colegas Familiares Tabagismo Terapia em grupo Tratamento medicamentoso Outras drogas Ambulatorial: Atendimento individual Atendimento em grupo familiar Internação

16 Treinamentos Lideranças: Conceitos sobre dependência. Sinais de desempenho associados ao tema. Abordagem inicial. Formas de encaminhamento e acompanhamento. Equipe de saúde da Vale: Conceitos sobre dependência. Diretrizes técnicas para abordar e conduzir os casos na empresa. Protocolos de condução para vários tipos de droga incluindo tabagismo. Formas de encaminhamento para a rede referenciada. Acompanhamento multidisciplinar de cada caso. Empregados: Conceitos sobre dependência. Formas de buscar ajuda.

17 Educação continuada e sensibilização Cartilhas, folders, banners e outdoors Fóruns para lideranças, empregados e familiares

18 Resultados Idade dos empregados até 30 de 31 a 40 de 41 a 50 acima de 51 Estado civil do empregados % 8% 23% amasiado casado solteiro separado sem informação 12% 2% 5% 27% 54% 43% Início do contato com a droga menos de 11 anos de 11 até 18 anos de 19 a 41 anos sem informação 24% 2% 13% 61%

19 Resultados Empregados elegiveis para tratamento - Drogas exceto Tabaco Grupos de Tratamento para Tabagismo Total de empregados elegiveis para tratamento Numero de empregados Numero de grupos Tipo de Droga Utilizada Álcool Álcool e outras drogas 10 Outras drogas Co-dependencia

20 Resultados Evolução dos resultados alta acompanhamento abandono desligado da empresa desligado do programa sem informação Status na empresa - Ano 2012 desligado empregado 13% 87%

21 Resultados Origem da Abordagem auto encaminhamento colega familia liderança rede referenciada S saude sem informação Desempenho Quantidade % Quantidade % Quantidade % Positivo (bom desempenho + alta) 11 23, , ,4 Negativo 11 23,4 5 8,2 6 6,5 Sem informação 25 53, , ,1 Total

22 Conclusões Liberdade para tratar o assunto na empresa; Capacitação e tranqüilidade das lideranças ao se depararem com as diversas situações da rotina associadas ao tema Dependência Química; Existência de um fluxo claro para a abordagem e tratamento da Dependência Química como ponto fundamental para todos os envolvidos; Apoio das lideranças para os casos em tratamento através de ajustes nas demandas de trabalho, horários e atividades; Equipes de saúde da Vale capacitadas para a abordagem, encaminhamento e acompanhamento da evolução dos casos; Gratidão de vários empregados que participaram do programa e que hoje reestruturam suas vidas profissionais e pessoais (depoimentos); Participação e apoio ativo da liderança nos encontros e fóruns promovidos pelo Programa; Ampliação do número de empregados em acompanhamento com psicólogos e psiquiatras em vista da ampliação e melhoria da rede de atendimento referenciada; Redução da necessidade de internações ao longo dos 3 anos; Melhoria do desempenho dos empregados que buscaram ajuda no Programa (promoções, premiações, etc...).

23 Pontos importantes A equipe de saúde tem papel fundamental no programa. É importante que a mesma esteja adequadamente instrumentalizada para lidar com as situações que envolvem Dependência Química, Dependência não Química e Saúde Mental. A existência de uma rede credenciada de profissionais capacitados e supervisionados é parte essencial para os resultados positivos alcançados. É imprescindível o trabalho de gerenciamento de caso, o qual garante a qualidade do tratamento. O trabalho de educação continuada contribui de forma significativa para que todos os empregados adquiram confiança no Programa e para que as lideranças sejam bem preparadas para lidar com o problema. A implantação do Programa tem contribuído para redução dos estigmas e preconceitos associados ao tema.

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO

ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD Geraldo Mendes de Campos ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO no campo do álcool, tabaco e outras drogas - ATOD OBJETIVOS: - impedir ou retardar

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e CRACK DIMENSÃO 2 A política do MS é tímida e equivocada. Os CAPS AD são poucos e ineficientes. Os serviços comunitários, geralmente religiosos, são muitos, são precários, carecem de base científica e beneficiam

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NAS EMPRESAS O QUE É... SAÚDE? PREVENÇÃO DE DOENÇA STATUS DE SAÚDE?? PROMOÇÃO DE SAÚDE QUALIDADE DE VIDA? BEM-ESTAR? FELICIDADE Sâmia Simurro SAÚDE...Estado

Leia mais

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO IVANA MAGALY LIMA ALENCAR CARVALHEIRA Psicóloga Clínica Hospitalar Neuropsicóloga - CRP 02/8461 Setembro/2010

Leia mais

Ser essencial para continuidade do tratamento. Objetiva, acolhedora, empática, simples e breve. Foco sempre no indivíduo e substâncias utilizadas

Ser essencial para continuidade do tratamento. Objetiva, acolhedora, empática, simples e breve. Foco sempre no indivíduo e substâncias utilizadas Abordagem inicial Introdução O grande desafio da enfermagem no tratamento da dependência química é a abordagem inicial pois neste momento que avaliaremos no paciente: - estágios de prontidão de mudança,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA

ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL NO PROJETO VIVA A VIDA Este documento se propõe a estabelecer normas de inserção e execução de estágio em Serviço Social no Projeto Viva a Vida, de acordo com a Resolução 533/2008

Leia mais

Tratamento da dependência do uso de drogas

Tratamento da dependência do uso de drogas Tratamento da dependência do uso de drogas Daniela Bentes de Freitas 1 O consumo de substâncias psicoativas está relacionado a vários problemas sociais, de saúde e de segurança pública, sendo necessário

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-4

1. Documento: 20026-2015-4 1. Documento: 20026-2015-4 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD

TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA NO MUNICÍPIO DE BETIM: investigação e delimitação do perfil de usuários do CAPS-AD Renato Diniz Silveira 1 Allisson Vasconselos Oliveira 2 Cláudio Alves Taioba Júnior

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico?

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Seja bem vindo! Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro

Leia mais

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente)

ANEXO I. Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação. (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) SIGLAS: ANEXO I Roteiro para Inspeção Bimestral das Unidades de Internação (artigos 94, 95 e 124, do Estatuto da Criança e do Adolescente) ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente; Informações Iniciais

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO EMPREGADO

P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO EMPREGADO P.A.R.E PROGRAMA DE APOIO E RECUPERAÇÃO DO 1990 1989 HISTÓRICO EAP (Alcoa) Foco em Dependência Química (Alumar) Visita na Johnson Criação de Grupo Multidisciplinar de Coordenação Estágio na Clínica Vila

Leia mais

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino:

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino: Rua do Atendimento Protetivo Municipalino: Esta é a Rua do Atendimento Protetivo. Esta rua tem como missão fundamental resgatar os direitos das crianças e dos adolescentes que foram violados ou ameaçados

Leia mais

O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA

O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA QUIMICA Quase todos aqueles que sofrem com a drogadição de um parente ou amigo próximo perguntam se é possível tratar o uso de drogas de um jovem, e, caso este aceitar o tratamento

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL E ASSISTENCIAL

A INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL E ASSISTENCIAL A INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL E ASSISTENCIAL Fernando Coelho Neto São Paulo, 30/06/2011 Definição de Ambiente de Trabalho Saudável Ambiente de trabalho saudável é aquele em que os trabalhadores

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

O que podemos aplicar no Brasil para avançar com a prevenção?

O que podemos aplicar no Brasil para avançar com a prevenção? O que podemos aplicar no Brasil para avançar com a prevenção? Dr. Sérgio de Paula Ramos Psiquiatra e psicanalista Doutor em medicina pela UNIFESP Membro do Conselho Consultivo da ABEAD Diretor técnico

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS

Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS Estudo sobre o Uso de Drogas entre estudantes do Ensino Médio e EJA na Escola Estadual Silveira Martins/Bagé-RS *Elenilson F. Alves 1 (PQ), *Clarissa M. Sousa 2 (FM), *Juliana O. Ehlers 1 (IC), *Tais B.

Leia mais

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS

PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS PROJETO DE PREVENÇÃO AO USO INDEVIDO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS - VIVA MAIS Coordenação geral: Prof. Dr. Paulo Eduardo M. Rodrigues da Silva, Pro-Reitor de Desenvolvimento Universitário/UNICAMP Assessores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL

O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL O CONSUMO DE CRACK É UMA QUESTÃO PARA A REDE DE SAÚDE MENTAL Aline Godoy Terapeuta Ocupacional. Mestranda em Cuidados em Saúde (USP) Heitor Martins Pasquim Professor de Educação Física. Doutorando em Cuidados

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) Institui o Programa Nacional de Recuperação de Dependentes Químicos. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.1 Fica instituído o Programa Nacional de Recuperação

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Conceitos Básicos ObjeBvos DiscuBr os conceitos básicos de substâncias psicoabvas (SPA) Conhecer as

Leia mais

Data: 20/12/2013 NOTA TÉCNICA 259/2013. Medicamento Material Procedimento Cobertura X

Data: 20/12/2013 NOTA TÉCNICA 259/2013. Medicamento Material Procedimento Cobertura X NOTA TÉCNICA 259/2013 Solicitante Des. Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Data: 20/12/2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura X TEMA: INTERNAÇÕES PSIQUIATRICAS Sumário 1.

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

COMUNIDADE TERAPÊUTICA PARA ACOLHIMENTO DE DEPENDENTES QUÍMICOS

COMUNIDADE TERAPÊUTICA PARA ACOLHIMENTO DE DEPENDENTES QUÍMICOS COMUNIDADE TERAPÊUTICA PARA ACOLHIMENTO DE DEPENDENTES QUÍMICOS O que é uma Comunidade Terapêutica? São locais que têm por função a oferta de um ambiente protegido, técnica e eticamente orientados, que

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ADOLESCENTES

AMBULATÓRIO DE ADOLESCENTES AMBULATÓRIO DE ADOLESCENTES Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Coordenação Geral Maria de Fátima Rato Padin/Dirce Maria Bengel de Paula Gestão em Tratamento e Coordenação de Projetos Histórico O ambulatório

Leia mais

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal

SMES. Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011. Audiência Pública no Senado Federal SMES Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde Prevenção ao uso de álcool e outras drogas 07/07/2011 Audiência Pública no Senado Federal CASDEP Comissão de Assuntos Sociais Premissas Se aplica

Leia mais

Inspeção Bimestral das Unidades de Semiliberdade / Período: 6º bimestre (Novembro) / 2014

Inspeção Bimestral das Unidades de Semiliberdade / Período: 6º bimestre (Novembro) / 2014 CNMP - Conselho Nacional do Ministério Público Sistema de Resoluções Inspeção Bimestral das Unidades de Semiliberdade / Período: 6º bimestre (Novembro) / 2014 Dados da Entidade Nome: CENTRO EDUCACIONAL

Leia mais

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares.

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares. Dependência Química Informação é grande aliada dos amigos e familiares. O QUE É DROGA-DEPENDÊNCIA? Droga-dependência é um transtorno psiquiátrico que se caracteriza pelo uso impulsivo e descontrolado de

Leia mais

TEMA: Internação Compulsória de Dependentes Químicos

TEMA: Internação Compulsória de Dependentes Químicos NOTA TÉCNICA 86/2014 Dra Vanessa Verdolim Hudsom Andrade Desembargadora da 1ªCâmara Cível TJMG Data: 08/05/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X N processo 1.0338.14.003238-8/001 TEMA: Internação

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

PROJETO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COM CIDADANIA

PROJETO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COM CIDADANIA PROJETO GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA COM CIDADANIA APRESENTAÇÃO A Fundação de Amparo à Doença e à Pobreza Fundap, atua na recuperação de dependentes de álcool e drogas, atendendo a uma população que, independentemente

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010. Médico psiquiatra

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010. Médico psiquiatra SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PLS 111/2010 Salomão Rodrigues Filho Salomão Rodrigues Filho Médico psiquiatra DIMENSÃO do PROBLEMA A política do MS para a assistência

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA

RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA RELAÇÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Caro (a) Chesfiano (a), Você está recebendo uma série de publicações intitulada Para Viver Melhor, com informações atualizadas sobre temas diversos no campo da saúde física

Leia mais

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul Trabalho infantil e adolescente_ Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul A Convenção n o 182 da OIT de 1973 determina como idade mínima para iniciar

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA NA INSERÇÃO SOCIAL DOS PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL

A IMPORTANCIA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA NA INSERÇÃO SOCIAL DOS PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL A IMPORTANCIA DO CENTRO DE CONVIVÊNCIA E CULTURA NA INSERÇÃO SOCIAL DOS PACIENTES COM TRANSTORNO MENTAL 1 SANTOS, Kassila Conceição Ferreira; SOUZA, Ana Lúcia Rezende; NOGUEIRA, Douglas José. Palavras-chave:

Leia mais

7 A Entrevista Psiquiátrica

7 A Entrevista Psiquiátrica 1 A anamnese psicopatológica 2 3 4 Avaliação psicopatológica Entrevista Observação cuidadosa do paciente Principais aspectos da avaliação psicopatológica: Anamnese Exame psíquico Fazem parte da avaliação

Leia mais

Protocolo de Controle do Tabagismo e Outros Fatores de Risco de Câncer

Protocolo de Controle do Tabagismo e Outros Fatores de Risco de Câncer Protocolo de Controle do Tabagismo e Outros Fatores de Risco de Câncer Prefeitura Municipal de Rondonópolis Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Ações Programáticas Programa Controle do Tabagismo

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar

Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar Equipe de saúde e assistência social do Município de Cajamar CONCEITO CENTRO COMUNITÁRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL AOS PORTADORES DE ÁLCOOL E DROGAS, DE ACORDO COM A PROTARIA 336/GM EM 19/02/2002 DO MINISTÉRIO

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional.

Tratamento da Dependência Química: Um Olhar Institucional. A dependência química é uma síndrome de números superlativos e desconfortáveis; A OMS (Organização Mundial de Saúde) aponta que mais de 10% de qualquer segmento populacional apresenta predisposição à dependência

Leia mais

4. Mulheres, drogas e tratamento

4. Mulheres, drogas e tratamento 4. Mulheres, drogas e tratamento Apesar do consumo de drogas por mulheres vir aumentando nos últimos anos, dados do I Levantamento Domiciliar Sobre o Uso de Drogas Psicotrópicas no Brasil realizado por

Leia mais

Maria Regina Rocha Ramos

Maria Regina Rocha Ramos CONSIDERAÇÕES ACERCA DA SEMI- IMPUTABILIDADE E DA INIMPUTABILIDADE PENAIS RESULTANTES DE TRANSTORNOS MENTAIS E DE COMPORTAMENTO ASSOCIADOS AO USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS Maria Regina Rocha Ramos Sumário:

Leia mais

SAMPO-IPq HC-FMUSP. Qualidade de Vida no Trabalho Programa de Saúde Mental Ações em Saúde mental. Pra que implantar um programa de Saúde Mental?

SAMPO-IPq HC-FMUSP. Qualidade de Vida no Trabalho Programa de Saúde Mental Ações em Saúde mental. Pra que implantar um programa de Saúde Mental? Qualidade de Vida no Trabalho Programa de Saúde Mental Ações em Saúde mental Fátima Macedo Diretora Geral Mental Clean Pra que implantar um programa de Saúde Mental? As empresas não implantam programas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

ESTRATÉGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE MENTAL: PRODUÇÃO DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO SOBRE BULLYING

ESTRATÉGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE MENTAL: PRODUÇÃO DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO SOBRE BULLYING ESTRATÉGIA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE MENTAL: PRODUÇÃO DE VÍDEO DOCUMENTÁRIO SOBRE BULLYING Maria Cristina Soares Guimarães 1, Carlos Eduardo Estellita-Lins 1, Cícera Henrique da Silva 1, Rosane Abdala Lins

Leia mais

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro

Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro Não Há Saúde Sem Saúde Mental Dia Mundial da Saúde Mental - 10 de Outubro 1 a 17 de Outubro de 2010 Exposição promovida pelo Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental O QUE É A SAÚDE MENTAL? É sentir-nos

Leia mais

APADRINHAMENTO AFETIVO. PROJETO AFETO QUE AFETA

APADRINHAMENTO AFETIVO. PROJETO AFETO QUE AFETA APADRINHAMENTO AFETIVO. PROJETO AFETO QUE AFETA RESUMO A nossa principal proposta é sensibilizar a sociedade para o abandono de crianças e adolescentes que se encontram privados de uma relação afetiva

Leia mais

Histórico. O Projeto surgiu para atender à cláusula de um CCT (Implementação de programa de prevenção ao uso de drogas).

Histórico. O Projeto surgiu para atender à cláusula de um CCT (Implementação de programa de prevenção ao uso de drogas). Histórico O Projeto surgiu para atender à cláusula de um CCT (Implementação de programa de prevenção ao uso de drogas). Convênio com o SESI Programa PREVDROGAS, extensão para a Comunidade Portuária. Objetivo

Leia mais

Ementário de Disciplinas por Semestre. 1º Semestre

Ementário de Disciplinas por Semestre. 1º Semestre Ementário de Disciplinas por Semestre 1º Semestre Código: PS 010 Disciplina: História da Psicologia Ementa: Bases epistemológicas da Psicologia, gênese, desenvolvimento e aplicabilidade das teorias psicológicas.

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

Neste início de século observamos no mundo uma economia

Neste início de século observamos no mundo uma economia Nutrição, Prevenção e Qualidade de Vida DRA. CHRISTIANNE DE VASCONCELOS AFFONSO 1 INTRODUÇÃO Neste início de século observamos no mundo uma economia de interdependência, denominada globalização, caracterizada

Leia mais

Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE

Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE XVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEUROPSICOLOGIA (ANO 2015) Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE REALIZAÇÃO: Divisão de Psicologia do Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais

Programa de Palestras de Conscientização e Prevenção de Drogas da Comunidade Nascer de Novo

Programa de Palestras de Conscientização e Prevenção de Drogas da Comunidade Nascer de Novo Programa de Palestras de Conscientização e Prevenção de Drogas da Comunidade Nascer de Novo Programa de Palestras de Conscientização e Prevenção de Drogas da Comunidade Nascer de Novo Olá, você, com certeza,

Leia mais

Plano terapêutico e enfrentamento de situações problema

Plano terapêutico e enfrentamento de situações problema 133 Plano terapêutico e enfrentamento de situações problema Marluce Miguel de Siqueira; Ilza Carla Nascimento; Paula Aristeu Alves; Tiago Cardoso Gomes Fala Professor: Caro aluno, A proposta desta discussão

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CONSUMO DE ÁLCOOL E TABACO ENTRE ESTUDANTES DE ODONTOLOGIA E FISIOTERAPIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Pedro Henrique Marques Andreo 1 ; Thyemi

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM: POLÍTICAS E GESTÃO PRISIONAL DISCIPLINAS MÓDULOS CH 01 ÉTICA NA SEGURANÇA PÚBLICA E PRISIONAL Capacitar o aluno para assumir uma conduta ética e legal no relacionamento profissional e

Leia mais

[ o que é dependência química ]

[ o que é dependência química ] #1 Instituto Independa Capivari SP Brasil +55 19 2146-1672 independa@independa.com.br www.independa.com.br 1ª edição Setembro de 2014 ISBN 978-85-69203-00-1 Editor: Cristian Fernandes Revisão: Izabel

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas. Conteúdo: Atividade física e prevenção às drogas. Habilidades: Perceber a alienação das drogas e alcoolismo como destruidores da convivência e dignidade humana. Drogas O que são drogas? São substâncias,

Leia mais

Serviços, Programas e Projetos em execução no Município. Diretos e Indiretos

Serviços, Programas e Projetos em execução no Município. Diretos e Indiretos Serviços, Programas e Projetos em execução no Município Diretos e Indiretos Prevenção, Tratamento Reinserção Social Órgãos e Instituições com Atuação Direta Secretaria de Saúde Entidades Ambulatoriais

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

ANEXO II. Instituições parceiras envolvidas na implementação do programa

ANEXO II. Instituições parceiras envolvidas na implementação do programa ANEXO II Roteiro para Inspeção das Unidades de Semiliberdade (artigo 94 do Estatuto da Criança e do Adolescente) Data da visita: / / Horário: Dados da Entidade: Nome: Endereço: Capacidade total: Faixa

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE

APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE APOIO MATRICIAL EM SAÚDE MENTAL PARA REDE BÁSICA EM BELO HORIZONTE ALEXANDRE DE ARAÚJO PEREIRA Na última década, a Estratégia de Saúde da Família (ESF) - e a Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) têm trazido

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis.

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis. CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012 SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO Maria Helena Patrício Paes mhpaes@prosalis.pt Unidos por uma causa, por causa de quem precisa! Introdução

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL

CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL CENTRO DE APOIO FAMILIAR E ACONSELHAMENTO PARENTAL REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL DA PARÓQUIA DE MIRAGAIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I (Objeto) O Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental,

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

Valores, inovação e tecnologia. Saúde

Valores, inovação e tecnologia. Saúde Valores, inovação e tecnologia Saúde Novas Tecnologias para o cuidar: Incontinência Urinária Alessandra Cristiane da Silva Cuidados ao Cliente com Incontinência Urinária. Aspectos Etiopatogênicos e Fisiopatológicos.

Leia mais

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado

Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado No Ceará, as queixas de quem procura o sistema de saúde são atendidas, encaminhadas e respondidas, ajudando a melhorar os serviços SAÚDE Sistema de Ouvidoria em Saúde Pública do Estado (ESTADO DO CEARÁ)

Leia mais

LEI Nº 1.087, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013.

LEI Nº 1.087, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013. PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO ALEGRE MG Praça Nestor Daniel de Carvalho, 129 Centro São José do Alegre MG CEP: 37.510-000 Tel/Fax: (35) 3645-1222 CNPJ: 18.025.999/0001-99 LEI Nº 1.087, DE 10 DE DEZEMBRO

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais