Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio. Guião para Stellarium

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio. Guião para Stellarium"

Transcrição

1 Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio Guião para Stellarium Carlos Brás

2 Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio Esta é uma actividade com recurso ao Stellarium. Deve ler primeiro cada um dos pontos até ao fim e só depois proceder como é indicado. Introdução Iniciemos esta viagem com a imagem que os antigos tinham do Universo. Debaxo deste grande Firmamento, Vês o céu de Saturno, Deus antigo; Júpiter logo faz o movimento, E Marte abaxo, bélico inimigo; O claro Olho do céu, no quarto assento, E Vénus, que os amores traz consigo; Mercúrio, de eloquência soberana; Com três rostos, debaxo vai Diana Os Lusíadas, Canto Décimo, 89, Camões (c. de ). A deusa Tétis mostra o universo a Vasco da Gama. O modelo descrito é o de Ptolomeu, visto de fora para dentro. No modelo geocêntrico de Ptolomeu(140AC), a Terra estava situada no centro do Universo e os astros giravam em torno dela, em movimento circular, presos a esferas transparentes de centro na Terra. Estas esferas etéreas de Ptolomeu, que na Idade Média se julgava serem feitas de cristal, são a razão por que ainda falamos na música das esferas e no sétimo céu. Existiam uma esfera ou céu para a Lua, outras para Mercúrio, para Vénus, para o Sol, para Marte, para Júpiter e para Saturno. A esfera mais excêntrica era a das estrelas, chamada Primum Mobile (a primeira que se move) porque, impelida pelo amor divino, era ela a origem do movimento de todas as outras esferas. O modelo geocêntrico tornou-se muito popular. Foi adoptado pela religião cristã e publicitado Ilustração 1Michelangelo Cactani, La Materia della Divina Comedia di Dante Aliguieri, Na Divina Comédia de Dante ( ), o Inferno encontra-se no interior da Terra. A alma, no seu caminho para Deus, deve subir através do Purgatório, das nove esferas dos planetas, das estrelas e da esfera de cristal, até chegar ao Paraíso. Página 2 de 7

3 por teólogos, filósofos, escritores e muitas foram as fantasias criadas a partir dele. Apoiado pela Igreja durante toda a Idade Média, o modelo de Ptolomeu impediu o progresso da astronomia durante mais de um milénio. Somente em 1543, 1800 anos depois de Aristarco de Samos (300AC), o primeiro a colocar a o Sol no centro, Copérnico apresentou esta teoria na sua obra De Revolutionibus Orbium Coelestium. Anos mais tarde, Galileu e Bruno viriam a ter graves problemas com a Inquisição precisamente por também adoptarem este modelo heliocêntrico. Galileu, com a sua luneta, observou o que até então permanecia inobservável. Com as suas observações e conclusões abalou de forma irreversível a concepção que existia do Universo. Abra e configure o programa de acordo com as instruções. Acerte a hora para cerca das 5h00 da manhã (Janela de configuração do menu do lado esquerdo do ecrã ver instruções) Movimento retrógrado dos planetas Os planetas eram para os antigos estrelas errantes, pois eram pontos luminosos que não acompanhavam o movimento da esfera celeste como todas as outras estrelas. Os seus movimentos eram por vezes retrógrados o que era interpretado como mau presságio. Este movimento era explicado através de epiciclos no modelo geocêntrico. Ilustração 2Para que o modelo estivesse de acordo com o que era observado considerava-se que cada planeta se movia, não directamente sobre uma circunferência, mas antes sobre uma circunferência menor cujo centro se movia uniformemente sobre uma circunferência maior (deferente) Página 3 de 7

4 1. Para a observação deste movimento vamos escolher o planeta Vénus. É um planeta com um tamanho semelhante ao da Terra, mas com temperaturas à sua superfície superiores às encontradas em Mercúrio, que está mais próximo do Sol. A espessa atmosfera é composta por ácido sulfúrico e dióxido de carbono. Esta atmosfera é responsável pelo efeito de estufa e consequentemente pelas elevadas temperaturas. É um planeta já cartografado pelas sondas espaciais e revela uma superfície relativamente plana. Apresenta a orbita mais circular entre todos os planetas e é conhecido desde a antiguidade. É o mais brilhante astro depois do Sol e da Lua. Vire-se a ESTE (E) usando as setas do teclado e assegure-se que pode ver uma linha vermelha (Eclíptica) use a Tecla 4; assim como o equador celeste representado por uma linha vermelha use a Tecla 5. Acelere o tempo (carregue na Tecla L 3 vezes) e espere que o Sol nasça. Perto dele aparecerá Vénus também conhecido por a estrela da manhã. Logo que surja carregue na Tecla K. 2. Seleccione o planeta com o rato e carregue na barra de espaços para o centrar no ecrã e volte a acelerar o tempo -Tecla L 3X. Verá o ponteiro que indica a posição do planeta seguir o Sol de perto até este começar desaparecer no horizonte. Nessa altura poderá observar o brilho do planeta aumentar, ficando assim visível. O planeta apenas é visível pela manhã ou pela tarde, quando a luz do Sol já é fraca. 3. Vamos agora simplificar a observação: elimine a perturbação causada pela luz do Sol Tecla A; carregue na Tecla Enter para passar a observar o céu no modo equatorial. A linha azul deverá ficar horizontal; elimine o horizonte Tecla G ; carregue na Tecla K 4. Irá agora observar o movimento do planeta e os períodos em que este é retrógrado. Observe o movimento do planeta em função do Sol. Deverão estar activas as constelações para melhor observar o movimento Tecla C Acelere o tempo com a Tecla L (6 vezes). O planeta deve estar seleccionado e centrado no ecrã. 5. Carregue agora na Tecla P- esta tecla controla os indicadores dos planetas. Carregue nela até visualizar as trajectórias dos planetas. Página 4 de 7

5 Percorra a eclíptica (linha vermelha) e repare nas diferentes trajectórias dos planetas quando observadas da Terra (use as setas do teclado). Irá verificar que todos os planetas, assim como a Lua se encontram próximos desta. Depois de terminar a observação, carregue novamente na Tecla P de modo a apenas aparecer um círculo indicador da posição dos planetas e na Tecla K. As fases de Vénus Esta actividade é a continuação da anterior. Pressupõe que o planetário se encontra no modo equatorial (linha azul horizontal - use a Tecla Enter); sem horizonte (Tecla G); sem que a luz do Sol perturbe a observação (Tecla A) 1. Procure agora o planeta Vénus e seleccione-o com o botão esquerdo do rato seguidamente carregue na barra de espaços. Amplie o planeta até o campo de visão se situar perto dos 0,07º: Use PgUp e PgDn para controlar a ampliação (Zoom +/-) respectivamente Na parte superior direita do ecrã aparece uma indicação do valor do campo de visão (field of view fov, que deverá apresentar um valor aproximado de fov=0,06º 2. Agora pode apreciar de perto o Planeta. Observe com atenção as fases do planeta e o seu movimento de rotação. Vamos acelerar o tempo, desta forma não teremos de esperar cerca de 224 dias, que é o tempo que leva a orbitar o Sol. Acelere o tempo (Tecla L, 6 vezes) Repare no Tamanho do planeta e nas fases que apresenta. Interprete o que vê. Procure fazer um esquema da posição de Vénus relativamente à Terra. Quando está mais próximo da Terra? Pode incluir o Sol no seu esquema, posicionando a Terra e Vénus de modo a explicar as fases do planeta. Repare que Vénus apresenta sempre a mesma face para a Terra. Página 5 de 7

6 3. Galileu, ao observar as fases de Vénus e respectivo tamanho, concluiu que esta era uma evidência de que o Sol estava no centro do sistema solar. Se fosse a Terra o que estava a observar não era possível. Ilustração 3 Na figura da esquerda está representado o sistema geocêntrico com a Terra no centro e Vénus em várias posições do epiciclo. Na figura da direita pode-se observar o sistema heliocêntrico, com a Terra a ocupar a sua posição logo a seguir a Vénus. Em ambas podemos ver como o sol iluminaria Vénus nas suas diferentes posições. Apenas na figura da direita se compreende que Vénus esteja em fase cheia quando está mais afastado da Terra ( e portanto mais pequeno) e que apresente fase nova quando está mais perto ( e portanto maior). 4. Esta era uma forte machadada no Geocentrismo e em muitas outras ideias dos seus defensores. Galileu demonstrou pelo uso sistemático do telescópio, que os braços da Via Láctea se resolviam em milhões de estrelas; Demonstrou que os planetas não eram esferas perfeitas. Ao descobrir quatro satélites de Júpiter, Galileu demonstrou que o Geocentrismo não era válido, já que não existia um único centro do Universo. 5. Uma dessas polémicas observações foi da Lua, das suas crateras, vales, mares (marias) e montanhas. Galileu chegou mesmo a determinar, em alguns casos, a sua altura que chegavam aos 12 Km. Afinal a Lua não era uma esfera perfeita. Carregue na Tecla K tempo passa a decorrer normalmente. Seleccione a Lua (com o rato+ barra de espaços) Amplie a imagem (PgUP/PgDn) e observe os pormenores da Lua tal como Galileu o fez. Para ter uma ideia da ampliação usada por Galileu pode ampliar até obter um valor de fov=5º. Pode ler o fov (field of view) no canto superior direito Página 6 de 7

7 6. Pode agora aproveitar e apreciar as fases da Lua de uma forma única e só possível com um planetário. Coloque o campo de visão perto dos 70º (use PgDn/PgUp) Acelere o tempo (Tecla L cerca de 6x) e poderá ver como as fases da Lua evoluem relativamente ao Sol. Amplie a imagem e coloque o fov=5º. Poderá verificar que a Lua apresenta sempre a mesma face voltada para a Terra. Isto acontece por o período de rotação coincidir com o de orbita. 7. Observe agora os satélites de Júpiter, tal como o fez Galileu. Procure o planeta, seleccione-o e centre-o no ecrã. Amplie a imagem até obter um fov de 1º Carregue na Tecla K (tempo decorre normalmente) Para seleccionar e centrar (botão esquerdo do rato+barra de espaços) Amplie com a Tecla PgUP até obter um valor aproximado de fov= 1º Caso os círculos indicadores de planetas estejam a perturbar, carregue na Tecla P várias vezes até desaparecerem. Deverá poder observar os satélites de Júpiter a orbitar à sua volta. Amplie mais um pouco até obter uma imagem nítida do planeta e poderá observar o seu movimento de rotação. Fim A observação de outros planetas é igualmente interessante, nomeadamente de Júpiter com os seus anéis, cuja inclinação vista da Terra varia. Experimente. Informações e imagens provenientes de: Página 7 de 7

Conhecer a Esfera Celeste. Atividades com Planetário -Guião para Stellarium

Conhecer a Esfera Celeste. Atividades com Planetário -Guião para Stellarium Conhecer a Esfera Celeste Atividades com Planetário -Guião para Stellarium Carlos Brás 14-11-2011 Atividades com Planetário Introdução Depois de aberto o programa e devidamente configurado para a latitude

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) GABARITO NÍVEL 1 (Cada questão vale 1 ponto sendo que cada

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

4 π. Analisemos com atenção o sistema solar: Dado que todos os planetas já ocuparam posições diferentes em relação ao Sol, valerá a pena fazer uma

4 π. Analisemos com atenção o sistema solar: Dado que todos os planetas já ocuparam posições diferentes em relação ao Sol, valerá a pena fazer uma Analisemos com atenção o sistema solar: Dado que todos os planetas já ocuparam posições diferentes em relação ao Sol, valerá a pena fazer uma leitura do passado e do futuro. Todos os planetas do sistema

Leia mais

Aula Inaugural. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com)

Aula Inaugural. Introdução à Astrofísica. Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) Aula Inaugural Introdução à Astrofísica Reinaldo R. de Carvalho (rrdecarvalho2008@gmail.com) Livros recomendados:!! 1 - An Introduction to Modern Astrophysics, Bradley W. Carroll & Dale A. Ostlie, Second

Leia mais

07 e 08 06/10/2011 Sumário

07 e 08 06/10/2011 Sumário Sumário Correção do TPC. Conclusões da atividade experimental da lição anterior. Como se tornou possível o conhecimento do Universo? Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica.

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Abril Educação Astronomia Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Astronomia Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Astronomia Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Complete as lacunas: Os astros não estão fixos, mas realizam vários movimentos no espaço. Sua trajetória é chamada.

Leia mais

CIÊNCIAS. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões.

CIÊNCIAS. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões. Capítulo 1 Astronomia (Os cientistas e suas teorias sobre o Universo

Leia mais

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.:

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== De acordo com as dicas, responda: 01- Foi

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 7 ÓRBITA DOS PLANETAS. LEIS DE KEPLER E DE NEWTON. Movimento dos Planetas. O Modelo Geocêntrico. O Modelo Heliocêntrico. Leis de Kepler. Isaac Newton e Suas Leis. Recapitulando as aulas anteriores:

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010 Prof. Tibério B. Vale Como se calcula o comprimento da sombra?

Leia mais

Manual para Stellarium

Manual para Stellarium Manual para Stellarium Conteúdo 1. Início do Stellarium e breves notas de interesse; 2. Criar pontos de interesse; 3. Como medir um objeto a definir; 4 Relacionar magnitude com poluição luminosa 1 Primeiro

Leia mais

As fases da Lua. Depois do Sol, o astro que sempre despertou. Desenhe as fases da Lua que você conhece.

As fases da Lua. Depois do Sol, o astro que sempre despertou. Desenhe as fases da Lua que você conhece. A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ As fases da Lua Atenção Depois do Sol, o astro que sempre despertou mais o interesse das pessoas foi a Lua. Percorrendo a escuridão celeste, a Lua vem iluminando

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 6 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Marque V nas alternativas verdadeiras e F nas falsas. Em relação ao Universo, ao Sistema Solar e à Terra, podemos afirmar

Leia mais

Física B Extensivo V. 1

Física B Extensivo V. 1 Física B Extensivo V. 1 Exercícios 01) 38 01. Falsa. f Luz > f Rádio 02. Verdadeira. Todas as ondas eletromagnéticas são transversais. 04. Verdadeira. Do tipo secundária. 08. Falsa. Do tipo secundária.

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco

Alguns truques do Excel. 1- Títulos com inclinação. 2- Preencha automaticamente células em branco Alguns truques do Excel 1- Títulos com inclinação No Excel é possível colocar o conteúdo das células na vertical. Para além disto, pode-se escolher o grau de inclinação. Para isto, seleccione as células

Leia mais

A teoria dos movimentos celestes contara, antes de Copérnico,

A teoria dos movimentos celestes contara, antes de Copérnico, MioloBertrand-FIM (abril de 2008) 4/9/08 2:06 PM Page 7 PREFÁCIO A teoria dos movimentos celestes contara, antes de Copérnico, com mais de um representante de primeira ordem, e o imortal Newton, revelando

Leia mais

1º PASSO: CRIE NO SEU COMPUTADOR UMA PASTA PARA O SEU PROJETO 2º PASSO: CONHEÇA O MOVIE MAKER

1º PASSO: CRIE NO SEU COMPUTADOR UMA PASTA PARA O SEU PROJETO 2º PASSO: CONHEÇA O MOVIE MAKER 1º PASSO: CRIE NO SEU COMPUTADOR UMA PASTA PARA O SEU PROJETO Vá até a pasta MEUS VÍDEOS; Clique com o botão direito e escolha a opção NOVO / PASTA; Escreva como nome da pasta o nome do seu Projeto; Abra

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015. Nome: n o :

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015. Nome: n o : Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015 Nome: n o : Créditos distribuídos: 8,0 Créditos obtidos: 1) A personagem Gabriela, que conta a história do planetário,

Leia mais

Como fazer uma pesquisa de Imagens

Como fazer uma pesquisa de Imagens Como fazer uma pesquisa de Imagens Nesta etapa irá aprender como fazer uma pesquisa de imagens no motor de pesquisa Google e ficará a saber como: Reconhecer as diferentes opções do menu de pesquisa Pesquisar

Leia mais

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium

Curso de Astronomia Geral CCD. Texto Complementar 1. Aprenda a usar o Stellarium Curso de Astronomia Geral CCD Texto Complementar 1 Aprenda a usar o Stellarium Gosta de usar o Stellarium para contar as estrelas no céu, mas se sente perdido com a quantidade de funções do programa? Ainda

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { }

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { } CURSO: ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO PROFESSOR: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE MÓDULO 1: MATEMÁTICA APLICADA NA ASTRONOMIA NÁUTICA Apostila 1: Sistema de Unidades utilizadas na Navegação e na Astronomia,

Leia mais

A Escola e o Relógio de Sol Resumo

A Escola e o Relógio de Sol Resumo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática A Escola e o Relógio de Sol Resumo Autora: Raquel Duarte de Souza Orientador: Prof. Dr. José Antônio

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos...

Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos... 1 Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos... Duas partículas A e B movem-se rectilineamente, de acordo com as equações: x A = 4,0-2,0 t (SI) x B = -2,0 + 4,0 t (SI). a) Esboce as trajectórias das partículas

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse

Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica. Mecanismos do Eclipse Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Fabrízio Gentil Série: 3 o ano Disciplina: Física Óptica Geométrica 01 - (PUC RJ) A uma certa hora da manhã, a inclinação dos

Leia mais

NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO

NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO SANJAY VASHIIST ALUNO DO CURSO DE FILOSOFIA DA UFJF. W.W.W.SANJAYMX@YAHOO.COM.MX O esforço de compreender o cosmo tem sido uma das inquietações inerentes

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I 1. Veja o conteúdo do disco rígido abrindo O meu computador, mude de vistas e comente. 2. Se lhe for possível, mude a hora e a data do sistema através do Painel de Controlo para a meia noite do dia 1

Leia mais

+ Do que xxx e escadas

+ Do que xxx e escadas Reforço escolar M ate mática + Do que xxx e escadas Dinâmica 6 1º Série 2º Bimestre DISCIPLINA Série CAMPO CONCEITO Matemática Ensino Médio 1ª Campo Geométrico DINÂMICA + Do que xxx e escadas Razões trigonométricas

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

Introdução à Astrofísica. As Leis de Kepler. eclipse.txt. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. As Leis de Kepler. eclipse.txt. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica As Leis de Kepler Rogemar A. Riffel Teoria heliocêntrica A Teoria Heliocêntrica conseguiu dar explicações mais simples e naturais para os fenômenos observados Movimento retrógrado

Leia mais

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar A Lua (do latim Luna) é o único satélite natural da Terra, situando-se a uma distância de cerca de 384.405 km do nosso planeta. O feixe de luz, representado pela linha amarela, mostra o período que a luz

Leia mais

Unidade IX: Gravitação Universal

Unidade IX: Gravitação Universal Página 1 de 5 Unidade IX: Gravitação Universal 9.1 Introdução: Até o século XV, o homem concebia o Universo como um conjunto de esferas de cristal, com a Terra no centro. Essa concepção do Universo, denominada

Leia mais

Como enviar e receber correio eletrónico utilizando o Gmail

Como enviar e receber correio eletrónico utilizando o Gmail Como enviar e receber correio eletrónico utilizando o Gmail Este módulo pressupõe que que já tenha criado uma conta de correio eletrónico no Gmail (caso já não se recorde como deve fazer, consulte o nosso

Leia mais

Propriedades Planetas Sol Mercúrio Vênus Terra. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar

Propriedades Planetas Sol Mercúrio Vênus Terra. O Sistema Solar. Introdução à Astronomia Fundamental. O Sistema Solar Introdução à Astronomia Fundamental Distribuição de Massa Sol: 99.85% Planetas: 0.135% Cometas: 0.01%? Satélites: 0.00005% Asteroides e Planetas Menores: 0.0000002%? Meteoróides: 0.0000001%? Meio Interplanetário:

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

Unidade IX: Gravitação Universal

Unidade IX: Gravitação Universal Colégio Santa Catarina Unidade IX: Gravitação Universal 143 Unidade IX: Gravitação Universal 9.1 Introdução: Até o século XV, o homem concebia o Universo como um conjunto de esferas de cristal, com a Terra

Leia mais

1.3 O nosso conhecimento do Universo. 1.3 Evolução do nosso conhecimento sobre o Universo

1.3 O nosso conhecimento do Universo. 1.3 Evolução do nosso conhecimento sobre o Universo 1.3 Evolução do nosso conhecimento sobre o Universo Luz visível e luz não visível Luz Visível Aquela a que os nossos olhos são sensíveis. Não visível Luz à qual os nossos olhos não são sensíveis. Exemplos:

Leia mais

Ano 1 - Número 2 - Ao leitor Um dos espetáculos mais belos que a natureza oferece é o de um céu escuro, todo polvilhado de estrelas. Impossível avaliar quantos corpos cintilantes, com seu brilho prateado

Leia mais

Johannes Kepler (1571 1630)

Johannes Kepler (1571 1630) Johannes Kepler (1571 1630) Prometi a Deus que tornaria público este maravilhoso exemplo da Sua sabedoria. Johannes Kepler Misterium Cosmographicum (1597) ASTRÓNOMO ALEMÃO JOHANNES KEPLER FOI A PRIMEIRA

Leia mais

Criar um formulário do tipo Diálogo modal ; Alterar a cor de fundo de um formulário; Inserir botões de comando e caixas de texto;

Criar um formulário do tipo Diálogo modal ; Alterar a cor de fundo de um formulário; Inserir botões de comando e caixas de texto; FICHA OBJECTIVO Construir Construir formulários na base de dados Diplomas em Diário da República Um formulário é utilizado, em primeiro lugar, para introduzir, eliminar ou apresentar dados numa base de

Leia mais

II. O universo aristotélico

II. O universo aristotélico II. O universo aristotélico Aristóteles (384-322 a.c.), de Estagira, é apontado por historiadores da ciência como uma das mentes mais brilhantes de todos os tempos. Contribuiu com trabalhos em várias áreas

Leia mais

STELLARIUM MANUAL DE UTILIZAÇÃO

STELLARIUM MANUAL DE UTILIZAÇÃO Requisitos de sistema: Windows (XP, Vista, 7) com DirectX 9.x e última ServicePack ou MacOS X 10.3.x (ou superior), cartão gráfi co 3D que suporte OpenGL, min. 512 MB RAM, 1 GB espaço livre no disco. INSTALAÇÃO

Leia mais

Guia da Internet. Página 1

Guia da Internet. Página 1 Guia da Internet Utilização da Internet Introdução... 2 Alguns conceitos básicos... 2 Endereços (URL)... 2 Páginas Web... 3 Abrir o Internet Explorer... 3 O ecrã do Internet Explorer... 4 A Barra de Ferramentas

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

MANUAL DO XTRA CONTROLLER PRO

MANUAL DO XTRA CONTROLLER PRO MANUAL DO XTRA CONTROLLER PRO Manual do Xtra Controller Pro 1/10 ÍNDICE Clique em qualquer título deste índice para avançar até à secção correspondente 1. INTRODUÇÃO...3 2. FUNÇÃO TRAVELLING ZOOM...5 3.

Leia mais

Saturno: O planeta dos anéis

Saturno: O planeta dos anéis Saturno: O planeta dos anéis Antiguidade Saturno era o correspondente Romano a Cronos, o titã da mitologia Grega e pai de deuses como Júpiter (Zeus). Era também o deus da agricultura. O antigo símbolo

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

B2S SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, LDA. RUA ARTILHARIA UM, Nº 67 3º FRT. 1250-038 LISBOA TEL: 21 385 01 09 - FAX: 21 012 52 25 E-MAIL B2S@B2S.

B2S SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, LDA. RUA ARTILHARIA UM, Nº 67 3º FRT. 1250-038 LISBOA TEL: 21 385 01 09 - FAX: 21 012 52 25 E-MAIL B2S@B2S. Procedimentos Abertura/Fecho Ano Primavera V750 B2S SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, LDA. RUA ARTILHARIA UM, Nº 67 3º FRT. 1250-038 LISBOA TEL: 21 385 01 09 - FAX: 21 012 52 25 E-MAIL B2S@B2S.PT MCRC LISBOA 11492

Leia mais

DETECÇÃO DO EXOPLANETA HD 189733B PELO MÉTODO DE TRÂNSITO

DETECÇÃO DO EXOPLANETA HD 189733B PELO MÉTODO DE TRÂNSITO DETECÇÃO DO EXOPLANETA HD 1897B PELO MÉTODO DE TRÂNSITO Autores: Suzanne Faye (Lycée Chaptal, Paris, France) e Michel Faye (Licée Louis Le Grand, Paris, France) Traduzido e adaptado por: Cássio Murilo

Leia mais

Professora Bruna. Caderno 13 Aula 28. Quem atinge o solo primeiro? Página 291

Professora Bruna. Caderno 13 Aula 28. Quem atinge o solo primeiro? Página 291 Caderno 13 Aula 28 Quem atinge o solo primeiro? Página 291 Quem atinge o solo primeiro? Vimos na aula anterior, que o tempo de queda para um corpo lançado horizontalmente não depende da sua velocidade

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

As Fases da Lua iluminado pela luz do Sol A fase da lua representa o quanto dessa face iluminada pelo Sol está voltada também para a Terra

As Fases da Lua iluminado pela luz do Sol A fase da lua representa o quanto dessa face iluminada pelo Sol está voltada também para a Terra As Fases da Lua À medida que a Lua viaja ao redor da Terra ao longo do mês, ela passa por um ciclo de fases, durante o qual sua forma parece variar gradualmente. O ciclo completo dura aproximadamente 29,5

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Diana Vicente nº 9-7ºB No âmbito da disciplina de Ciências Naturais

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Diana Vicente nº 9-7ºB No âmbito da disciplina de Ciências Naturais Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Diana Vicente nº 9-7ºB No âmbito da disciplina de Ciências Naturais Introdução Formação do sistema solar Constituição * Sol * Os planetas * Os

Leia mais

Apresentar o sistema heliocêntrico de Copérnico e, como a partir dele Kepler e Isaac Newton formularam as leis do movimento dos corpos celestes.

Apresentar o sistema heliocêntrico de Copérnico e, como a partir dele Kepler e Isaac Newton formularam as leis do movimento dos corpos celestes. Aula 3 GRAVITAÇÃO META Apresentar o sistema heliocêntrico de Copérnico e, como a partir dele Kepler e Isaac Newton formularam as leis do movimento dos corpos celestes. OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento

Leia mais

Manual para criar actividades com o Jclic. Versão 1.0. Manual de Luís Vives Traduzido e adaptado por. Milena Jorge

Manual para criar actividades com o Jclic. Versão 1.0. Manual de Luís Vives Traduzido e adaptado por. Milena Jorge Versão 1.0 Manual de Luís Vives Traduzido e adaptado por milena_jorge@cap-alda-guerreiro.rcts.pt 1 PROJECTO N.º 2 Criação de uma sopa de letras com conteúdo associado........ 4 Actividade proposta n.º

Leia mais

Nota: Lê com atenção as questões que te são propostas e responde de forma clara e precisa. Indique todos os cálculos que efectuar. Bom trabalho!

Nota: Lê com atenção as questões que te são propostas e responde de forma clara e precisa. Indique todos os cálculos que efectuar. Bom trabalho! Escola Secundária de Mirandela Avaliação Sumativa de Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nome:_ N: Turma: Data: Classificação: Ass. da prof.: Ass. do Enc. Educ.:_ Nota: Lê com atenção as questões que te são

Leia mais

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico

Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico SISEL Sistemas Electromecânicos Guião do Trabalho Laboratorial Nº 11 Controlo de um Elevador Hidráulico GRIS Group of Robotics and Intelligent Systems Homepage: http://www.dee.isep.ipp.pt/~gris Email:

Leia mais

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador Visão Artificial Para a Indústria Manual do Utilizador Luis Fonseca Carvalho de Matos ( luis.matos@ua.pt ) Julho de 2007 Índice de conteúdos 1. Apresentação......1 1.Conceito de Funcionamento......1 2.

Leia mais

Lista 13: Gravitação. Lista 13: Gravitação

Lista 13: Gravitação. Lista 13: Gravitação Lista 13: Gravitação NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a questão

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Manual do KGeography. Anne-Marie Mahfouf Kushal Das Tradução: Luiz Fernando Ranghetti

Manual do KGeography. Anne-Marie Mahfouf Kushal Das Tradução: Luiz Fernando Ranghetti Anne-Marie Mahfouf Kushal Das Tradução: Luiz Fernando Ranghetti 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Início rápido do KGeography 6 3 Usando o KGeography 12 3.1 Mais recursos do KGeography..............................

Leia mais

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER*

TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* TUTORIAL COMO CRIAR E EDITAR UM VÍDEO NO WINDOWS MOVIE MAKER* * Microsoft Windows MovieMakeré um programa da Microsoft Corporation. A versão utilizada é a 5.1 que já vem instalada no Microsoft Windows

Leia mais

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA Hindemburg Melão Jr. Introdução Quando Newton formulou a Teoria da Gravitação Universal, ele estabeleceu uma relação entre gravidade e massa e também postulou

Leia mais

Formador: Carlos Maia

Formador: Carlos Maia Formador: Carlos Maia Iniciar o MS Excel MS Excel - Introdução 1 Ajuda Se ainda não estiver visível a ajuda do Excel do lado direito do ecrã, basta clicar sobre Ajuda do Microsoft Excel no menu Ajuda,

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

O Guia Introdutório Rápido do Kdenlive

O Guia Introdutório Rápido do Kdenlive O Guia Introdutório Rápido do Kdenlive Esta documentação foi convertida a partir da página da Base de Utilizadores do KDE Kdenlive/Manual/QuickStart. Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Criar um novo projecto

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

Criar um convite. Michaela Maginot. Sobre o autor

Criar um convite. Michaela Maginot. Sobre o autor Criar um convite Michaela Maginot Sobre o autor Michaela Maginot mora em Unterhaching, na Alemanha, perto de Munique. Ela formou-se em moda e design gráfico na Deutschen Meisterschule für Mode (Escola

Leia mais

Nota: Lê com atenção as questões que te são propostas e responde de forma clara e precisa. Indique todos os cálculos que efectuar. Bom trabalho!

Nota: Lê com atenção as questões que te são propostas e responde de forma clara e precisa. Indique todos os cálculos que efectuar. Bom trabalho! Escola Secundária de Mirandela Avaliação Sumativa de Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nome: N: Turma: A Data: Classificação: Ass. da prof.: Ass. do Enc. Educ.: Nota: Lê com atenção as questões que te são

Leia mais

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi)

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Este módulo irá ensinar-lhe como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica usando o programa Prezi. A produção de uma apresentação

Leia mais

Aula 2 Órbitas e Gravidade. Alex C. Carciofi

Aula 2 Órbitas e Gravidade. Alex C. Carciofi Aula 2 Órbitas e Gravidade. Alex C. Carciofi Geocentrismo: um modelo amplamente aceito A Terra parece firme e estável. As estrelas parecem descrever circunferências no céu, em torno dos pólos celestes.

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una.

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. Os povos primitivos já utilizavam símbolos representando os corpos celestes

Leia mais

Competição observacional prova do céu. Instruções. 1. Há 2 questões, cada uma valendo 25 pontos. Você tem 80 minutos para resolvê-las, dos quais :

Competição observacional prova do céu. Instruções. 1. Há 2 questões, cada uma valendo 25 pontos. Você tem 80 minutos para resolvê-las, dos quais : Competição observacional prova do céu Instruções 1. Há 2 questões, cada uma valendo 25 pontos. Você tem 80 minutos para resolvê-las, dos quais : (a) 25 minutos para ler as questões e se preparar para as

Leia mais

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá LibreOffice Impress Editor de Apresentação Iniciando o Impress no Linux Educacional 4 1. Clique no botão 'LE' no

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões do dia através do movimento da sombra de um objecto, o gnómon, sobre o qual incidem os raios solares e que

Leia mais

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E PLENILÚNIO DE TOURO (Lua Cheia 14/5/2014 às 16h16 hora local de Argentina e Brasil) T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E Desenvolvimento e revelação ou (se preferirem) uma revelação

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO SCANNER

MANUAL DO UTILIZADOR DO SCANNER MANUAL DO UTILIZADOR DO SCANNER Capítulo 1: Iniciação da digitalização Capítulo 2: A caixa de diálogo TWAIN Apêndices Índice 2 Iniciação da digitalização Get (Acquire) and Use the Scan Dialog Box... 3

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Prática 1 - Microsoft Excel

Prática 1 - Microsoft Excel Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba, Campus Sousa Disciplina: Informática Básica Prática 1 - Microsoft Excel Assunto: Tópicos abordados: Prática Utilização dos recursos

Leia mais

Vinte dicas para o Word 2007

Vinte dicas para o Word 2007 Vinte dicas para o Word 2007 Introdução O Microsoft Word é um dos editores de textos mais utilizados do mundo. Trata-se de uma ferramenta repleta de recursos e funcionalidades, o que a torna apta à elaboração

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 TELA DE APRESENTAÇÃO 3 DESENHANDO E TRANSFORMANDO 29 FERRAMENTA FORMA 29 PREENCHIMENTOS E CONTORNOS 36

Sumário INTRODUÇÃO 3 TELA DE APRESENTAÇÃO 3 DESENHANDO E TRANSFORMANDO 29 FERRAMENTA FORMA 29 PREENCHIMENTOS E CONTORNOS 36 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Transporte Resumo O episódio Matemática no Transporte, da série Matemática em Toda Parte II, vai mostrar como alguns conceitos matemáticos estão presentes

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE STELLARIUM PARA O ENSINO DE TÓPICOS DE ASTRONOMIA DO CURRÍCULO MÍNIMO ESTADUAL DE FÍSICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE STELLARIUM PARA O ENSINO DE TÓPICOS DE ASTRONOMIA DO CURRÍCULO MÍNIMO ESTADUAL DE FÍSICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE STELLARIUM PARA O ENSINO DE TÓPICOS DE ASTRONOMIA DO CURRÍCULO MÍNIMO ESTADUAL DE FÍSICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Ferreira de Souza 1 Adriana Oliveira Bernardes 2 CEFET-RJ/CAMPUS

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL

1 o º ciclo. Índice TUTORIAL 1 o º ciclo Índice ABRIR O WORD..2 E AGORA VAMOS À ESCRITA....4 TIPO DE LETRA.. 5 IMAGENS E GRAFISMOS...5 GUARDAR UM DOCUMENTO...6 IMPRIMIR UM DOCUMENTO...7 SAIR DO DOCUMENTO E DO WORD. 8 TUTORIAL O que

Leia mais

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação.

Usando o Excel ESTATÍSTICA. A Janela do Excel 2007. Barra de título. Barra de menus. Barra de ferramentas padrão e de formatação. Barra de deslocamento ESTATÍSTICA Barra de menus Barra de título Barra de ferramentas padrão e de formatação Barra de fórmulas Conjuntos e Células (Intervalos) Área de trabalho Separador de folhas Barra

Leia mais