Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)"

Transcrição

1 Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Março de 2012 Versão 1.5

2 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma DeGóis no processo de criação e preenchimento de informação básica do Curriculum Degóis, fornecendo lhe ao mesmo tempo os conhecimentos necessários para a utilização de todas as funcionalidades da plataforma. A aplicação de introdução de dados da Plataforma Degóis assenta numa interface Web avançada e consistente entre os vários módulos que a compõem, pelo que após um tempo relativamente curto a introduzir os dados mais básicos, o utilizador deverá estar apto a introduzir qualquer tipo de informação seguindo processos idênticos aos que já terá assimilado. O presente Guia é complementado, sempre que necessário, por ajudas técnicas ou de utilização, prestadas pela equipa DeGóis através do telefone (2ª a 6ª feira, das 10:00h às 12:00h e das 14:00h às 16:00h) ou do endereço de e mail:

3 2 Índice remissivo Introdução... 1 Índice remissivo... 2 Criação do curriculum DeGóis... 3 Actualização de um curriculum previamente registado... 8 Preenchimento de dados gerais... 9 Descrição da Identificação... 9 Detalhes do Endereço Descrição da Formação Actividade Profissional Domínio Científico de Actuação Linhas de investigação Preenchimento de dados de Produção Artigo científico em revista Introdução sem recurso ao código DOI Introdução com recurso ao código DOI Preenchimento de dados de Projecto Detalhes de Projecto Ferramentas Associar Produção Enviar para Repositório Importador de Produção Alterar palavra chave Impressão de Curriculum... 38

4 3 Criação do curriculum DeGóis Para dar início ao processo de criação do curriculum, o utilizador deverá dirigir se ao portal Web da plataforma, localizado em /. Deverá então observar o ilustrado na figura 1. Figura 1 Portal da Plataforma DeGóis De modo a iniciar a aplicação de preenchimento do curriculum, deve de seguida, clicar em Curriculum DeGóis, assinalado com. A aplicação será iniciada numa nova janela do browser, tal como ilustrado na figura 2.

5 4 Figura 2 Página de login da aplicação Figura 3 Página de erro de certificado (nesta nova versão já não deverá aparecer)

6 5 A partir desta página inicial o utilizador pode criar um novo curriculum ou abrir um curriculum já existente para edição. Para continuar o processo de criação, clique de seguida em Curriculum DeGóis, assinalado na figura com, por baixo de Criar novo. É lhe então aberta a janela de diálogo observada na figura 4, onde deverão introduzir se os dados de identificação do investigador. É possível utilizar o número de bilhete de identidade ou o número de cartão do cidadão. Figura 4 Diálogo de inserção de dados de identificação utilizando o número de B.I. Como se pode observar na figura, todos os títulos dos campos a preencher estão assinalados com um *. Em todos os diálogos de introdução de dados da aplicação, sempre que um campo está assinalado dessa forma o seu preenchimento é obrigatório. Relativamente a este diálogo específico, salienta se um pormenor relativo ao preenchimento do número do bilhete de identidade. No caso da nacionalidade do utilizador ser Portuguesa (com Bilhete de Identidade), ao preencher o campo Número do Bilhete de Identidade, assinalado por, deverá ser incluído o número do B.I. bem como o dígito verificador localizado imediatamente à sua direita no cartão, tal como ilustrado na figura 5, onde o dígito se encontra assinalado pelo círculo vermelho. Deverão ser utilizados apenas algarismos sem qualquer espaço ou delimitador entre o número do B.I. e o dígito verificador. Figura 5 Exemplo de número de B.I. com dígito verificador

7 6 Pode também optar pela utilização do número de cartão de cidadão. Figura 6 Diálogo de inserção de dados de identificação utilizando o número de C.C. No caso da nacionalidade do utilizador ser Portuguesa (com Cartão de Cidadão), ao preencher o campo Número de Identificação de Cidadão, assinalado por, deverá ser incluído o número de C.C., tal como ilustrado na figura 7. Este número é constituído por 12 dígitos que deverão ser introduzidos sem qualquer espaço ou delimitador. Figura 7 Exemplo de número de C.C. Após o preenchimento dos dados, clica se no símbolo do visto de confirmação, assinalado com obtém se acesso à página inicial de introdução de dados da aplicação, ilustrada na figura 6. e Caso lhe surja uma mensagem de erro, prima a opção ver detalhes e verifique se a descrição se refere ao facto do utilizador já existir. Caso seja esse o erro deverá alterar o utilizador (login) nos dados de autenticação (Figura 4/6) uma vez que o sistema não deixa que existam dois investigadores com o mesmo login.

8 7 Figura 8 Página inicial da aplicação de introdução de dados após login Como se pode observar no topo da página, o utilizador tem agora acesso a um menu que lhe permitirá executar várias acções. Imediatamente por baixo encontra se um conjunto de abas, correspondentes aos vários módulos da aplicação que dão acesso à introdução de várias categorias de dados no curriculum. Inicialmente a aba seleccionada é a de Dados Gerais. Por baixo da aba seleccionada encontram se vários ícones, representando cada um dos tipos de dados que podem ser introduzidos nesta categoria. Ao colocar o apontador do rato por cima de cada ícone por um breve momento, será dada uma descrição do tipo de dados correspondente ao ícone.

9 8 Actualização de um curriculum previamente registado Após a execução dos passos descritos anteriormente, o utilizador terá registado o seu curriculum na Plataforma DeGóis e estará agora pronto a introduzir informação. Caso o curriculum já tivesse sido previamente registado na Plataforma, o processo de abertura do Curriculum para actualização é mais simples e é descrito de forma breve de seguida. Dirigindo se a /, o utilizador deverá clicar em Curriculum DeGóis, como assinalado na figura seguinte com. Início de Actualização De seguida, deverá clicar em Abrir Curriculum, assinalado na figura seguinte com. Abertura de Curriculum previamente registado na Plataforma Observará então o diálogo de introdução de dados de autenticação, ilustrado na figura seguinte, onde deverá introduzir o nome de utilizador e a palavra chave escolhidos aquando da criação do curriculum, clicando de seguida no símbolo do visto de confirmação. Diálogo de introdução de dados de autenticação Após uma autenticação com sucesso o utilizador encontrar se á na página inicial da aplicação de introdução de dados da Plataforma DeGóis, como ilustrado anteriormente na Figura 6.

10 9 Preenchimento de dados gerais De seguida, exemplifica se a introdução de alguns dados gerais do utilizador. Para introduzir cada tipo de dados do módulo de Dados Gerais, o utilizador terá de clicar no ícone correspondente, tal como referido anteriormente. Cada uma das secções seguintes assinalará o ícone a clicar para introduzir o tipo de dados referido imediatamente a seguir ao título da secção. De referir que um curriculum minimamente prenchido deverá ter nesta secção a seguinte informação mínima: a identificação (ícone 1), o endereço (ícone 2), a formação mais elevada (ícone 3), uma actividade profissional que seja actual (ícone 4) e nesta pelo menos uma actividade de Invest. e desenv. não envolvida em projectos, o domínio científico de actuação (ícone 5), e uma linha de investigação (ícone 9). Descrição da Identificação No diálogo de Descrição da Identificação (figura 9) podem visualizar se alguns dos dados introduzidos durante a criação do curriculum, e deverão ser introduzidos alguns dados adicionais. É possível também anexar uma foto do utilizador ao curriculum. Figura 9 Diálogo de descrição detalhada da identificação do utilizador

11 10 Detalhes do Endereço O diálogo de introdução de Detalhes do Endereço, ilustrado na figura 10, é algo mais complexo que os diálogos até agora encontrados. Figura 10 Diálogo de descrição dos endereços do investigador Pode observar se na zona assinalada com uma lista de etapas que deverão ser seguidas durante a introdução dos detalhes do endereço. Sempre que determinado tipo de informação envolve a introdução de um elevado número de dados, o processo encontra se dividido em várias etapas, que serão sempre ilustradas de forma semelhante. É possível avançar para qualquer das etapas clicando na etapa pretendida nesta lista. Deve se salientar que, neste tipo de diálogos, a introdução dos dados pedidos só poderá ser confirmada após estarem preenchidos todos os campos obrigatórios em cada uma das etapas. Os dados obrigatórios do CV resultam da sua necessidade para garantir a descrição mínima de um evento curricular ou por necessidades estatísticas.

12 11 Neste caso, a primeira etapa é o preenchimento do endereço profissional. O primeiro passo que o utilizador deve efectuar é a selecção da instituição a que pertence, clicando no símbolo assinalado com, que irá provocar a abertura do seguinte sub diálogo (figura 11). Figura 11 Selecção da instituição Neste diálogo de Selecção de Instituição, o utilizador deve começar por escolher o país em que a instituição se encontra. No caso de o país ser Portugal, deverá seleccionar de seguida a região do país, no campo Região NUT II. Após a escolha do país e, se necessário, da região, deve se procurar a sigla da instituição no campo Sigla. O nome da instituição será então automaticamente preenchido e será dada ao utilizador a oportunidade de preencher, de modo similar, os restantes níveis orgânicos da instituição em que este se encontra. Caso a instituição, ou nível orgânico, não exista na lista da aplicação, poderá introduzir se a informação da instituição ou nível orgânico. Para tal, deve clicar se no símbolo de adição situado à direita do campo correspondente. De notar que nestes casos nunca deve escrever directamente no campo uma vez que ele corresponde a um elemento de uma lista. Ilustra se de seguida (figura 12) o diálogo de introdução de uma nova instituição, iniciada clicando no símbolo mais, previamente assinalado com.

13 12 Figura 12 Inserção de uma nova instituição É então aberto um novo sub diálogo de Inclusão de uma nova Instituição, com os campos País e, se necessário, Região já preenchidos, tendo o utilizador que indicar a sigla da instituição, bem como o seu nome e sector institucional, clicando de seguida, como habitualmente, no visto de confirmação. Após a introdução destes dados, a janela de selecção deverá ter um aspecto similar ao ilustrado na figura 13. Figura 13 Selecção dos níveis orgânicos de uma instituição Confirmando de novo, o utilizador voltará ao diálogo de Detalhes do Endereço, onde deverá introduzir os restantes dados do endereço, como ilustrado na figura 14.

14 13 Figura 14 Endereço profissional A seguir à introdução do endereço profissional, deve avançar se para a etapa seguinte clicando na lista de etapas, na entrada correspondente, que neste caso é Endereço pessoal. O preenchimento deste endereço não é totalmente obrigatório, sendo o apenas dois dos seus atributos para fins estatísticos. A seguir à introdução do endereço pessoal, deve se escolher qual o endereço a ser utilizado preferencialmente no envio de correspondência, como se vê na figura 15. Figura 15 Endereço preferencial

15 14 Avançando para a quarta etapa deverá observar se o ilustrado na figura 15 e, clicando no visto de confirmação, estará concluída a introdução dos detalhes de endereço do investigador (figura 16). Figura 16 Confirmação dos detalhes do Endereço Descrição da Formação De seguida, o utilizador deverá introduzir os dados relativos à sua formação. Clicando no ícone acima referido, por baixo da aba de Dados Gerais, observa se o ilustrado na figura 17. Figura 17 Formação

16 15 Clicando em Incluir um novo Item, indicado com, é mostrada uma pequena caixa de diálogo onde o utilizador deve escolher o Nível da Formação como, por exemplo, Licenciatura ou Doutoramento. Para efeitos ilustrativos, os exemplos seguintes assumem que se trata de uma Licenciatura. Após esta escolha, é aberto o diálogo de Detalhes da Formação, ilustrado na figura 18. De notar que nesta secção poderá colocar os Graus académicos (formação com atribuição de grau académico ) e a formação complementar (formação que não dá origem a graus académico como é o caso dos cursos de especialização e cursos de valorização profissional). Os dois tipos de formação podem ser seleccionados na coluna da esquerda na figura 17. Figura 18 Dados básicos da formação Visto ser uma Licenciatura, o utilizador deverá começar por seleccionar a instituição e o curso. Clicando no símbolo indicado com, será aberto o diálogo de selecção a seguir ilustrado (figura 19).

17 16 Figura 19 Selecção de Instituição e Curso ou Área Científica A selecção da instituição é efectuada de modo análogo ao previamente descrito. Tal como anteriormente, caso não exista, poderá ser adicionada à lista de instituições pelo utilizador. Após este passo, deve ser seleccionado o curso. Caso não exista na lista deve se adicionar um clicando no símbolo de adição assinalado por. Será então aberto o sub diálogo de Inclusão de um novo Curso (figura 20). De notar que a lista de cursos é uma lista de cada investigador e resulta dos diversos cursos que este vai criando no seu curriculum não sendo partilhada pelos restantes investigadores. O nome dos cursos deve ser precedido do grau académico, por exemplo se queremos adicionar o curso de Química que corresponde a uma licenciatura então o Curso ou Área Científica é Licenciatura em Química o mesmo para os mestrados Mestrado em..., doutoramentos Doutoramento em..., etc. Figura 20 Diálogo de inclusão de novo Curso ou Área Científica Neste diálogo (Figura 20), o utilizador deve inserir o nível, duração e nome do curso ou área científica. Deverá também ser escolhida a área científica de formação (ISCED/CITE), clicando no campo assinalado com, o que abrirá o sub diálogo exemplificado de seguida na Figura 21.

18 17 Figura 21 Diálogo de selecção de Área Científica Clicando no visto de confirmação nos vários sub diálogos, volta se ao diálogo de Detalhes da Formação, onde se devem introduzir os restantes dados, tais como a classificação obtida e ano de conclusão da formação. Passando à segunda etapa, denominada Dados do Curso, deverão ser introduzidos o título do trabalho de conclusão do curso e nome do orientador. Caso este tenha sido realizado no âmbito de uma bolsa, deverá também ser especificada a instituição financiadora. Na terceira etapa devem ser introduzidas quaisquer instituições relacionadas com a formação ou com o trabalho de conclusão, especificando o tipo de relacionamento (esta informação é facultativa). De seguida, na quarta e última etapa, como é habitual clica se no visto de confirmação e, assumindo que os dados obrigatórios foram todos correctamente introduzidos, está concluída a introdução da formação, como ilustrado na figura 22. Figura 22 Lista de Graus Académicos

19 18 Actividade Profissional No contexto da Plataforma DeGóis, designa se por Actividade Profissional uma ligação entre o investigador e uma instituição específica, como por exemplo a relação entre um investigador e uma universidade. Nesta lista, uma ligação entre um investigador e determinada entidade deverá aparecer uma única vez. Associado a cada Actividade Profissional, existirão Vínculos. Os vínculos representam um papel que o investigador desempenhou perante a instituição, como por exemplo, Docente ou Bolseiro, e não se podem sobrepôr no tempo. Cada vínculo terá ainda associada uma percentagem de tempo que o investigador lhe dedicou. Associado também a cada Actividade Profissional e a vínculos, existirão também Actividades que o utilizador terá exercido na instituição, possivelmente em simultâneo, como por exemplo a regência ou leccionamento de uma disciplina numa universidade. Cada Actividade Exercida terá especificado o período em que foi exercida, tendo que existir um ou mais Vínculos do investigador à instituição que abranjam esse período. A percentagem de tempo acumulada de várias actividades simultâneas não poderá ultrapassar a percentagem de tempo dedicada à instituição que o utilizador especificou para cada vínculo associado. Só as actividades de Inv. e Desenv. não Associada a Projectos, Ensino e Participação em Projectos têm percentagens de tempo associadas. A actividade de Inv. e Desenv. não Associada a Projectos deve ser sempre introduzida uma vez que é nesta actividade que se define o Centro de Investigação onde se desenvolve a actividade de investigação. Exemplifica se de seguida o processo de inserção de uma Actividade Profissional, bem como de um Vínculo e dois tipos de Actividade Exercida associadas. Clicando no símbolo referido no início desta secção, o utilizador observa então uma lista, inicialmente vazia, de Actividades Profissionais. É lhe também dada a oportunidade de inserir uma nova Actividade Profissional. Ao clicar em Incluir um novo Item, o utilizador verá então o diálogo Detalhes da Actividade Profissional. Como não existem ainda vínculos associados, será aberta também uma secção de introdução de novo vínculo na lista de vínculos, como ilustrado na figura 23.

20 19 Figura 23 Diálogo de detalhes de Actividade Profissional, ilustrando a inserção de informação de um vínculo Para iniciar a inserção da Actividade Profissional, o utilizador deverá clicar no símbolo assinalado com e indicar a instituição na qual foi desenvolvida, seguindo o processo descrito anteriormente. De seguida, deverá introduzir os dados relativos ao primeiro vínculo, tendo em atenção que, os campos Tipo de Vínculo, Carreira Profissional e Categoria Profissional permitem a inserção de texto livre, caso a opção desejada não se encontre na lista existente. Deve se também salientar que, obviamente, caso se trate de um vínculo actual, o diálogo apenas pedirá a data de início e, caso se trate de um vínculo anterior, o utilizador terá que introduzir ambas as datas de início e de fim do vínculo. Para confirmar e terminar a inserção dos dados do vínculo, clica se então no visto de confirmação assinalado com. Encontram se também assinalados na figura com e, respectivamente, os ícones onde o utilizador deverá clicar para alternar entre a lista de Vínculos e de Actividades Exercidas. Caso o utilizador queira inserir vínculos adicionais, deverá clicar em Adicionar vínculo, assinalado com. Na actividade profissional o investigador poderá descrever todos os vinculos numa instituição seguindo os passos descritos anteriormente. O investigador poderá definir os vinculos associados às diversas etapas da carreira, por exemplo, Assistente, Professor Auxiliar, Professor Associado e Professor Catedrático. Todos estes vínculos, se desenvolvidos numa mesma instituição, devem ser inseridos numa única Actividade Profissional.

21 20 Passando de seguida à inserção de Actividades Exercidas, clica se no ícone de acesso à lista correspondente, que inicialmente estará vazia, podendo o utilizador adicionar actividades, clicando em Incluir um novo item. É então mostrada uma pequena janela de diálogo onde o investigador deverá escolher a natureza da actividade exercida. Assume se de seguida a selecção de uma actividade de Investigação e Desenvolvimento não envolvida em projectos. Esta actividade permite associar a actividade de investigação a um centro de investigação e definir as linhas de investigação as quais poderão ser detalhadas posteriormente nos dados gerais (Figura 24). A percentagem de tempo associada a esta actividade refere se a actividades não desenvolvidas no âmbito de projectos, por exemplo, orientações, preparação de candidaturas, etc. Por exemplo se um docente dedicar 50% do seu tempo a investigação, deverá escolher uma percentagem de 10% para esta actividade e os restantes 40% para dedicação a projectos de investigação em curso. Após a escolha da natureza da actividade é mostrado o diálogo Descrição da Actividade, ilustrado na figura seguinte, onde o utilizador pode introduzir os dados da actividade, como o período no qual foi exercida e a percentagem de tempo dedicada. Figura 24 Descrição de actividade exercida São indicados também neste diálogo, do lado direito, assinalados com, os vínculos aos quais a actividade está associada, sendo esta associação efectuada com base nos períodos da actividade exercida e de cada vínculo. É também indicada a percentagem de tempo dedicada a cada vínculo

22 21 associado. O utilizador deve ainda indicar as Linhas de Investigação associadas à actividade, clicando em Incluir um novo item. Salienta se que, para cada Actividade Exercida é possível especificar um nível orgânico específico da instituição onde a actividade foi exercida. Por exemplo se pretender inserir uma actividade de direcção de departamento, deverá definir o nível orgânico da instiução em que foi exercida essa actividade, clicando no símbolo de instituição. A instiuição indicada é por defeito a instituição do vínculo. Para colocar o departamento deverá clicar na instituição e escolher a faculdade e o respectivo departamento onde essa actividade foi exercida. Exemplifica se agora, de igual modo, a inserção de uma actividade de natureza diferente, neste caso de Participação em projectos de investigação e desenvolvimento. Após a escolha da natureza da actividade referida, o utilizador verá o formulário ilustrado na figura 25. Figura 25 Participação em projectos de investigação e desenvolvimento O formulário existente neste diálogo é similar ao anterior com a excepção de, neste caso, ser pedida uma lista de nomes e referências de projectos associados a esta actividade. Haverá certamente mais informação referente a cada projecto a ser introduzida, porém, toda a informação adicional de cada projecto será inserida não no módulo de Actividade Profissional, mas no módulo de Projectos, seleccionado a partir da aba correspondente. No módulo de inserção de informação de Projectos aparecerão apenas os projectos cujo nome tenha sido introduzido neste diálogo da Actividade Exercida,

23 22 pelo que a sua introdução é essencial. A referência do projecto deverá ser a referência atribuida pela entidade financiadora sempre que possível.

24 23 Domínio Científico de Actuação Para inserir a informação do Domínio Científico de Actuação, após clicar no ícone respectivo o utilizador deverá clicar em Incluir um novo item na lista de Áreas de Conhecimento apresentada. Tal como indicado, o utilizador poderá inserir até um máximo de 6 Área s de Conhecimento (Figura 26). O domínio científico de actuação é uma informação importante do CV pelo que cada investigador deverá colocar pelo menos um. No caso de incluir vários o primeiro deverá ser o mais relevante. Figura 26 Lista de Áreas de Conhecimento Será então mostrado ao utilizador um diálogo através do qual poderá seleccionar a Área de Conhecimento pretendida, o que poderá efectuar de duas formas. O primeiro método é a simples selecção do Domínio Científico e Área Científica nas áreas designadas para o efeito, conforme ilustrado na Figura 27. Após esta selecção, o utilizador deverá clicar no visto de confirmação e a Área de Conhecimento estará inserida. Figura 27 Área de Conhecimento preenchida manualmente Alternativamente, poderá efectuar uma pesquisa por palavra chave, conforme ilustrado na figura 28, inserindo a palavra através da qual pretende efectuar a pesquisa no campo Procura por palavra chave, clicando de seguida na seta localizada imediatamente à direita do campo. Será mostrada então ao utilizador uma lista de descrições de Áreas de Conhecimento que incluem a palavra chave inserida. Deverá então clicar na Área de Conhecimento pretendida, se esta se encontrar na lista obtida, e o processo de inserção desta Área de Conhecimento estará então concluído.

25 24 Figura 28 Inserção de Área de Conhecimento através de pesquisa Após esta inserção a aplicação volta à lista de Áreas de conhecimento, onde o utilizador poderá repetir o processo para inserir Áreas adicionais. Linhas de investigação Aquando da introdução de uma actividade de Investigação e Desenvolvimento não envolvida em projectos, no módulo de inserção de Actividade Profissional, o utilizador pode inserir o nome das linhas de investigação associadas à actividade. As linhas de investigação assim inseridas encontram se disponíveis para inserção de dados adicionais no módulo de Linhas de Investigação, a que se pode aceder clicando no ícone correspondente, após o qual o utilizador verá a lista ilustrada na Figura 29. Figura 29 Lista de Linhas de Investigação De modo a editar os detalhes das Linhas de Pesquisa previamente inseridas, deverá clicar em cima da Linha pretendida ou no ícone do lápis localizado imediatamente à direita, após o qual observará o diálogo da Figura 30.

26 25 Neste diálogo, o utilizador deverá seguir o processo de etapas para a introdução dos detalhes. Todos estes passos são simples, sendo similares a outros que o utilizador já efectuou na introdução de dados anteriores, com a excepção da inserção de palavras chave, na segunda etapa. A segunda etapa consiste na introdução das palavras chave da produção, até um máximo de 6. Para adicionar uma palavra chave deve se clicar em Incluir um novo item na lista de palavras chave, preencher o campo com uma nova palavra chave ou seleccioná la da lista de palavras previamente inseridas e de seguida clicar no visto de confirmação à direita do campo. Para editar uma palavrachave basta clicar na própria, editar o texto e clicar de novo no visto de confirmação. Após a introdução dos dados, o utilizador chega à quinta etapa onde deverá clicar no visto de confirmação que o devolverá à lista de Linhas de Investigação, assumindo que todos os dados obrigatórios foram correctamente introduzidos. Figura 30 Diálogo de inserção de detalhes da Linha de Pesquisa

27 26 Preenchimento de dados de Produção A seguir à introdução de dados gerais, o utilizador deverá utilizar os módulos de Produção Científica, Técnica, e Artística/Cultural para introduzir todos os dados relativos à sua produção. Para aceder às funcionalidades dos módulos referidos, deve se clicar na aba correspondente à categoria de produção a introduzir. A imagem seguinte ilustra a aba de Produção Científica e os ícones relativos aos diferentes tipos de produção incluídos nesta categoria (Figura 31). Figura 31 Aba do módulo de introdução de Produção Científica O processo de introdução de dados de produção é praticamente igual para todos os tipos de produção reconhecidos pela aplicação, havendo apenas algumas diferenças na informação que a aplicação pede ao utilizador, no que respeita a alguns dados inerentes à natureza de cada tipo de produção. Este processo consiste numa sequência de 8 etapas de inserção de dados, 4 das quais obrigatórias, seguidas da etapa de confirmação. Conforme o tipo de produção pode ainda ter uma primeira etapa opcional que lhe permite inserir os dados da produção através do código DOI da mesma. Apenas a segunda e terceira ou terceira e quarta conforme o tipo de produção etapas são específicas para cada tipo de produção, sendo as restantes etapas sempre idênticas. Para exemplificar a introdução de uma Produção, ilustra se de seguida a introdução de um Artigo Científico em Revista. Artigo científico em revista A primeira etapa, que é opcional, deve ser utilizada no caso de o artigo científico ter código DOI associado, caso contrário deverá seleccionar a segunda etapa. A utilização da primeira etapa será descrita mais à frente. Introdução sem recurso ao código DOI Observa se o seguinte diálogo (Figura 32), mostrando a sequência previamente referida de oito etapas de introdução de dados e uma primeira etapa opcional, seguida pela etapa de confirmação.

28 27 Figura 32 Diálogo de descrição de Produção A segunda etapa envolve a introdução dos vários autores da produção. O nome de citação do utilizador é inserido automaticamente, como se pode observar na figura. O nome dos autores deve ser inserido exactamente como está escrito no artigo publicado. Caso não seja necessário poderá alterá lo. A ordem também deverá respeitar a ordem pela qual fui publicado no artigo. Caso seja necessário poderá trocar a ordem da lista usando as setas. Para inserir co autores, deve se clicar em Incluir um novo item, surgindo diálogo da figura 33. Figura 33 Diálogo de inserção de co autor

29 28 A Plataforma DeGóis guarda uma lista de co autores do utilizador, actualizada sempre que é inserido um novo co autor numa produção. No caso de se estar a inserir um co autor que já se encontra nos dados de outra produção, basta seleccioná lo na lista do campo Nome do co autor neste diálogo e os dados da instituição do co autor serão automaticamente preenchidos. Para efeitos ilustrativos da inserção da primeira produção, caso no qual não foi previamente introduzido nenhum co autor, deve se começar por seleccionar ou inserir a instituição correspondente, de forma análoga à utilizada anteriormente, e de seguida adicionar o nome do co autor clicando no símbolo de adição à direita do campo Nome do Coautor. A figura 34 ilustra o diálogo de inserção de co autor completamente preenchido. Figura 34 Diálogo de inserção de co autor preenchido Após clicar no visto de confirmação, a aplicação retorna à lista de autores, onde poderão ser vistos os co autores da produção introduzidos até ao momento, conforme ilustra a figura 35. Figura 35 Lista de autores após a inserção de um co autor A terceira e quarta etapa consistem no preenchimento de campos simples, com dados específicos do tipo de produção, e contêm campos de preenchimento obrigatório. Na terceira etapa existe um campo onde pode inserir o Identificador de Objectos Digitais (DOI), correspondendo ao código DOI do artigo. Quando este campo está preenchido, na visualização do Curriculum aparecem o número de citações ISI e/ou Scopus do artigo.

30 29 De seguida, na quinta etapa, deverão ser seleccionadas e/ou introduzidas quaisquer instituições relacionadas com a produção, bem como especificado o tipo de relacionamento. A sexta etapa consiste na introdução das palavras chave da produção, até um máximo de 6. Tal como visto anteriormente, para adicionar uma palavra chave deve se clicar em Incluir um novo item na lista de palavras chave, preencher o campo com uma nova palavra chave ou seleccioná la da lista de palavras previamente inseridas, e de seguida clicar no visto de confirmação à direita do campo. Para editar uma palavra chave basta clicar na própria, editar o texto e clicar de novo no visto de confirmação. Na sétima etapa devem ser inseridas as Áreas de Conhecimento associadas, escolhidas a partir de uma lista. É obrigatória a especificação de pelo menos uma Área de Conhecimento para cada produção. Na etapa seguinte são especificados os Objectivos Socio Económicos, também escolhidos a partir de uma lista já existente. A nona etapa consiste no preenchimento de um campo de texto livre com qualquer informação adicional da produção que o utilizador deseje associar. Por fim, na décima e última etapa, clica se no visto de confirmação e está concluída a introdução da produção. Introdução com recurso ao código DOI No caso de o artigo ter código DOI poderá utilizar a primeira etapa. O código DOI poderá apresentar algumas variações na sua especificação, sendo as mais comuns: Y006 4; doi: /S Y Para carregar a informação deverá utilizar apenas o código, ou seja, recorrendo ao exemplo será /S Y Clicando em Carregar informação será espoletado o processo de carregamento, que no caso de ser bem sucedido o enviará para a segunda etapa automaticamente. Após o carregamento deverá passar por todas as etapas verificando se a informação se encontra correctamente inserida, alterando a e complementando a se necessário.

31 30 Preenchimento de dados de Projecto Aquando da inserção de actividades de Participação em projectos de investigação e desenvolvimento, o utilizador deverá ter inserido o nome e referência de um ou mais projectos por actividade. De modo a poder introduzir a informação detalhada de cada projecto, deverá dirigir se ao módulo de Projectos, clicando em Projectos na aba de selecção de módulo, conforme ilustrado na figura 36. Figura 36 Aba do módulo de inserção de dados de Projecto O clicar na imagem acederá à lista de projectos inserida nas actividades Projectos de Investigação na Actividade profissional. Detalhes de Projecto Após clicar no ícone correspondente, o utilizador verá a lista de projectos cujo nome foi previamente inserido no módulo de Actividade Profissional, ilustrada na figura 37. Figura 37 Módulo de inserção de detalhes de Projectos De modo a editar a informação de um projecto deverá clicar de seguida no projecto pretendido ou no ícone do lápis localizado imediatamente à sua direita. Será então mostrado o diálogo de edição de Detalhes de Projecto, ilustrado na Figura 38, onde o utilizador deverá seguir um processo de 10 etapas. As duas primeiras etapas consistem em simples introdução de dados. Na terceira etapa deverão ser introduzidos os nomes dos responsáveis do projecto, seguindo um processo idêntico ao da inserção de

32 31 palavras chave. Na quarta e quinta etapas, deverão ser introduzidas as instituições que de algum modo participaram no projecto e o financiaram, respectivamente, seguindo o processo usual de inserção de instituições. Figura 38 Diálogo de inserção de Detalhes do Projecto Na sexta etapa, pode se especificar que produções científicas e tecnológicas ou orientações, previamente inseridas, foram efectuadas no âmbito do projecto. Ao clicar em Inserir novo item, será mostrado o diálogo da figura 39. Figura 39 Diálogo de selecção de produções C&T ou orientações associadas ao projecto

33 32 Neste diálogo serão mostradas por defeito todas as produções. O utilizador poderá aplicar um filtro simples a esta lista, por tipo ou ano de produção, clicando em Tipo de Produção ou Ano de Produção do lado esquerdo do diálogo e especificando o critério pretendido. Poderá ainda efectuar uma pesquisa avançada, clicando em Pesquisa Avançada, seleccionando de seguida o critério de pesquisa e preenchendo os dados pedidos. Assim que visualizar a produção pretendida, deverá colocar um visto à esquerda do título da produção, por baixo de Selecção. De seguida deverá clicar no visto de confirmação na parte inferior do diálogo e a produção será associada ao projecto. As 3 etapas seguintes, inserção de Palavras Chave, Áreas de Conhecimento e Objectivos Socioeconómicos são idênticas às já efectuadas anteriormente durante o processo de introdução de Produção. Por fim, na décima e última etapa, deve se clicar no visto de confirmação e a inserção de detalhes do Projecto estará concluída.

34 33 Ferramentas No menu apresentado no topo da aplicação de introdução e edição de curricula, encontra se a opção Ferramentas, conforme ilustrado na figura 40. Figura 40 Menu com opção Ferramentas seleccionada Através da opção Ferramentas, a Plataforma DeGóis proporciona ao utilizador funcionalidades tais como importação de produção previamente introduzida por outros utilizadores (Associar produção), adicionar produção em formatos BibTeX, RIS ou EndNote (Importador de produção) e a alteração de login e palavra chave de acesso à Plataforma, entre outras. Descreve se de seguida, a utilização das ferramentas acima mencionadas. Associar Produção Ao seleccionar a opção Associar Produção, o utilizador poderá efectuar a importação de dados de produções previamente inseridas por outros utilizadores da Plataforma DeGóis. Inicialmente, será mostrado o diálogo ilustrado na Figura 41, com o nome e apelido do utilizador preenchidos por defeito. O utilizador poderá modificar estes dados, bem como modificar os critérios de filtragem de produções seleccionando o tipo de produção pretendido, especificando o ano da produção, ou clicando em pesquisa avançada. Assim que estiverem indicados os critérios pretendidos, o utilizador deverá clicar no botão Pesquisar. Será mostrada uma janela de progresso da pesquisa, finda a qual serão mostrados os resultados, conforme ilustrado na Figura 42.

35 34 Figura 41 Diálogo de Importação de Produção Figura 42 Pesquisa de produção a importar concluída

36 35 O utilizador deve então colocar um visto à esquerda do título das produções que pretende importar, colocando um visto à esquerda do título de cada produção. Por fim, deverá clicar no visto de confirmação na parte inferior do diálogo, após o qual as produções serão importadas para o seu curriculum. De seguida, poderá ser efectuada uma nova pesquisa, ou sair do diálogo de importação de produção, clicando no ícone de saída, colocado imediatamente à direita do visto de confirmação. Esta ferramenta é muito útil para importar produções que já tenham sido introduzidas por outros co autores ou para artigos do ISI, os quais já se encontram em grande número na base de dados. Para estes o investigador não necessita de os voltar a introduzir. Após a importação, as novas produções poderão ser visualizadas no módulo correspondente ao tipo de produção. A figura 43 ilustra a visualização da produção inserida, do tipo Trabalho em Evento(publicado), no módulo de Produção Científica. Figura 43 Visualização de produção importada no módulo de Produção Científica Enviar para Repositório Através desta opção, a Plataforma DeGóis possibilita a cada utilizador enviar as suas produções para Repositórios de publicações onde esteja registado. Após clicar na opção Enviar para Repositório no menu Ferramentas será apresentada uma nova janela com toda a produção científica do utilizador. Clicando sobre a produção científica que pretende enviar para um repositório, será mostrado um novo diálogo de selecção do repositório e respectiva colecção e ainda a possibilidade de enviar um documento com o texto integral (Figura 44). Todos os campos são de preenchimento obrigatório e depois de seleccionar o Repositório pretendido, aparecerá um diálogo de autenticação nesse respectivo Repositório.

37 36 Figura 44 Diálogo de selecção e autenticação de repositório. Importador de Produção A Plataforma DeGóis permite ainda a importação de informação de produção que o utilizador possua em formato BibTeX, EndNote ou RefMan (RIS). Após clicar na opção Importador de Produção no menu Ferramentas, será mostrado o diálogo ilustrado na figura 45. Este diálogo possui uma caixa na qual o utilizador deverá escolher um ficheiro do tipo BibTeX, EndNote ou RefMan (RIS) e respectivo estilo. De seguida deverá clicar em Carregar informação, após o qual as publicações serão inseridas no Curriculum (tenha em atenção os tipos de produções aceites para cada estilo). Figura 45 Diálogo de importação de produções em formato BibTeX

38 37 Alterar palavra chave Clicando na opção Alterar palavra chave o utilizador pode modificar a sua palavra chave de autenticação na plataforma DeGóis. Após clicar na opção referida, observará o diálogo da figura seguinte. Figura 46 Diálogo de alteração da palavra chave de autenticação na Plataforma DeGóis Neste diálogo deverão ser preenchidos os dois campos com a nova palavra chave.

39 38 Impressão de Curriculum Na barra de menu da aplicação, por baixo de Ficheiro, encontra se a opção Imprimir Curriculum, tal como ilustrado na figura 47. Esta opção permite ao utilizador efectuar a geração de um curriculum num formato pronto a imprimir. De momento, a plataforma permite a geração do curriculum nos formatos PDF e RTF. Figura 47 Menu com opção Ficheiro seleccionada Após clicar em Imprimir Curriculum será observado o diálogo ilustrado na figura 48, onde o utilizador poderá definir qual a informação a ser incluída na impressão, do lado esquerdo do diálogo, por baixo de relatório. Deverão ser colocados vistos à esquerda do título de cada secção desejada. Figura 48 Diálogo de configuração da impressão do Curriculum Do lado direito, encontram se algumas opções de configuração da impressão, incluindo o formato a ser gerado pelo processo, por baixo de Tipo de Relatório. A seguir a especificar a informação pretendida e configurar todas as opções desejadas, deve se clicar no símbolo da lupa na parte inferior do diálogo. Será então mostrada uma janela de progresso na geração do curriculum no formato pretendido. Após este processo, o web browser dará ao utilizador a opção de guardar o curriculum no formato gerado ou abri lo na aplicação correspondente, de onde poderá ser imprimido. No caso de se ter

40 39 seleccionado o formato PDF, caso se possua a aplicação Adobe Reader instalada no sistema e integrada com o web browser, o curriculum gerado será visualizado directamente no browser, como ilustrado na figura 49. Figura 49 Exemplo de visualização do Curriculum em formato PDF

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC www.estagiostic.gov.pt 1 Índice 1 Introdução 3 1.1 Programa de Estágios TIC 3 1.2 Objectivo da plataforma 3 1.3 Perfis 4 1.3.1 Escola 4 1.3.2 Empresa 4 1.3.3

Leia mais

Manual do Fénix. Gestão de Curriculum. SI 11-10-2010 (Versão 1.0)

Manual do Fénix. Gestão de Curriculum. SI 11-10-2010 (Versão 1.0) Manual do Fénix Gestão de Curriculum SI 11-10-2010 (Versão 1.0) Este manual tem como objectivo auxiliar a tarefa de gestão do portal curriculum por parte dos docentes. Índice Abreviaturas... 3 1. Entrar

Leia mais

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1 Após uma experiência formativa de mais de 20 anos em formação presencial, e tendo sempre como princípios a inovação e a satisfação do cliente, é com grande satisfação que a Get Training implementa este

Leia mais

DotNetNuke. Gestão de Conteúdos. Módulos - II. Inserção de conteúdos nos módulos. Módulo de Text/HTML. Módulo de Sre-Notícias. Módulo de Sre-Formação

DotNetNuke. Gestão de Conteúdos. Módulos - II. Inserção de conteúdos nos módulos. Módulo de Text/HTML. Módulo de Sre-Notícias. Módulo de Sre-Formação Gestão de Conteúdos DotNetNuke Módulos - II Inserção de conteúdos nos módulos Módulo de Text/HTML Módulo de Sre-Notícias Módulo de Sre-Formação Conteúdos dos módulos Na lição: Módulos-I já foi dito que

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador ESCOLAS / DRE

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador ESCOLAS / DRE MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ESCOLAS / DRE ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através

Leia mais

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Manual de utilização - Docentes DSI Outubro 2014 V2.6 ÍNDICE 1 OBJETIVO DESTE

Leia mais

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi)

Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica (Prezi) Este módulo irá ensinar-lhe como produzir e publicar uma apresentação online dinâmica usando o programa Prezi. A produção de uma apresentação

Leia mais

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores 10 de Julho de 2009 Índice 1. Introdução... 3 1.1. Objectivo... 3 2. Fornecedor... 4 2.1. AQs/CPAs... 4 2.2. Contratos... 4 2.3. Grupos AQ/CPA... 5 3. Carregamento e Actualização do Catálogo... 7 3.1.

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

Manual do Utilizador GESTFOR Gestão da Formação

Manual do Utilizador GESTFOR Gestão da Formação Manual do Utilizador GESTFOR Gestão da Formação 1. INTRODUÇÃO...1 2. MÓDULO DE GESTÃO...2 2.1. ENTIDADES...3 2.1.1. TERCEIROS...4 2.1.1.1. CONSULTAR OS TERCEIROS...4 2.1.1.2. CRIAR UM TERCEIRO...5 2.1.1.3.

Leia mais

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA wgig GIGrecibos Sistema de Emissão de Recibos de Donativos Para Igrejas Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA tel: 266403273 www.vibis.com 1 Conteúdo wgig... 1 Avisos legais...

Leia mais

Manual do Fénix. Portal Secretaria da Escola Portal Conselho Científico Portal Direcção de Curso. Candidatura Online para o 2.

Manual do Fénix. Portal Secretaria da Escola Portal Conselho Científico Portal Direcção de Curso. Candidatura Online para o 2. Manual do Fénix Portal Secretaria da Escola Portal Conselho Científico Portal Direcção de Curso Candidatura Online para o 2. º Ciclo SI (Versão 1.0) Maio 2011 Este manual tem como objectivo auxiliar na

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Manual do Gestor da Informação do Sistema

Manual do Gestor da Informação do Sistema Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura Informática e Computação Laboratório de Informática Avançada Automatização de Horários Manual do Gestor da Informação do Sistema João Braga

Leia mais

PROSPECT. Manual do Utilizador

PROSPECT. Manual do Utilizador PROSPECT Manual do Utilizador 1 Tabela de Conteúdos 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 O QUE É O PROSPECT?... 3 2. ANTES DE COMEÇAR: DICAS PARA AJUDÁ-LO COM A SUA CANDIDATURA...4 3. ACESSO E SUBMISSÃO DE UMA CANDIDATURA

Leia mais

Facturação Guia do Utilizador

Facturação Guia do Utilizador Facturação Guia do Utilizador Facturação Como se utiliza 2 1 Como se utiliza Todas as opções do sistema estão acessíveis através do menu: ou do menu: O Menu caracteriza-se pelas seguintes funcionalidades:

Leia mais

Manual do Utilizador. Manual do Utilizador Modelo10 no sisgep. Data última versão: 16.02.2007 Versão : 1.2. Data criação: 26.02.

Manual do Utilizador. Manual do Utilizador Modelo10 no sisgep. Data última versão: 16.02.2007 Versão : 1.2. Data criação: 26.02. Manual do Utilizador Modelo10 no sisgep Manual do Utilizador Modelo10 no sisgep Data última versão: 16.02.2007 Versão : 1.2 Data criação: 26.02.2004 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf.

Leia mais

Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus

Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus Guia rápido de criação e gestão de um espaço no SAPO Campus O SAPO Campus é uma plataforma online, disponível em http://campus.sapo.pt, que permite a comunicação e a colaboração entre membros de uma Instituição

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo Índice 1. Acesso à Plataforma... 2 2. Consulta dos Programas de Beneficios Públicos em Curso... 3 3. Entrar na Plataforma... 4 4. Consultar/Entregar Documentos... 5 5. Consultar... 7 6. Entregar Comprovativos

Leia mais

Guia da Internet. Página 1

Guia da Internet. Página 1 Guia da Internet Utilização da Internet Introdução... 2 Alguns conceitos básicos... 2 Endereços (URL)... 2 Páginas Web... 3 Abrir o Internet Explorer... 3 O ecrã do Internet Explorer... 4 A Barra de Ferramentas

Leia mais

PLATAFORMA MOODLE DTIM

PLATAFORMA MOODLE DTIM PLATAFORMA MOODLE DTIM Projectos que utilizem a plataforma Moodle Índice 1. MANUAL DE INICIAÇÃO DO MOODLE... 3 1.1. Entrar na Plataforma... 3 2. INSCRIÇÃO NA DISCIPLINA... 4 2.1. Chaves de Inscrição...

Leia mais

GESTÃO DE INFORMAÇÃO PESSOAL OUTLOOK (1)

GESTÃO DE INFORMAÇÃO PESSOAL OUTLOOK (1) GESTÃO DE INFORMAÇÃO PESSOAL OUTLOOK (1) MICROSOFT OUTLOOK 2003 - OBJECTIVOS OBJECTIVOS: Enumerar as principais funcionalidades do Outlook; Demonstrar a utilização das ferramentas do correio electrónico;

Leia mais

Manual de Utilizador. Caderno. Recursos da Unidade Curricular. Gabinete de Ensino à Distância do IPP. http://eweb.ipportalegre.pt. ged@ipportalegre.

Manual de Utilizador. Caderno. Recursos da Unidade Curricular. Gabinete de Ensino à Distância do IPP. http://eweb.ipportalegre.pt. ged@ipportalegre. Manual de Utilizador Caderno Recursos da Unidade Curricular Gabinete de Ensino à Distância do IPP http://eweb.ipportalegre.pt ged@ipportalegre.pt Índice RECURSOS... 1 ADICIONAR E CONFIGURAR RECURSOS...

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

1 Contextualização 3 2 Administração do Joomla 5 3 Painel de controlo 6 3.1 Menu sítio 6 3.2 Menu utilizadores 7 3.3 Outras funcionalidades 8 4

1 Contextualização 3 2 Administração do Joomla 5 3 Painel de controlo 6 3.1 Menu sítio 6 3.2 Menu utilizadores 7 3.3 Outras funcionalidades 8 4 1 Contextualização 3 2 Administração do Joomla 5 3 Painel de controlo 6 3.1 Menu sítio 6 3.2 Menu utilizadores 7 3.3 Outras funcionalidades 8 4 Sistema de armazenamento e criação de conteúdos 9 4.1 Criar

Leia mais

Utilização das Ferramentas e Recursos da Comunidade @rcacomum

Utilização das Ferramentas e Recursos da Comunidade @rcacomum Utilização das Ferramentas e Recursos da Comunidade @rcacomum Investigadores Responsáveis: Maribel Santos Miranda e Professor Doutor António Osório Instituto Estudos da Criança Universidade do Minho http://www.nonio.uminho.pt/arcacomum

Leia mais

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE GestProcessos Online Manual do Utilizador GestProcessos Online GABINETE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EAmb Esposende Ambiente, EEM Rua da Ribeira 4740-245 - Esposende

Leia mais

Manual de candidatura por via electrónica

Manual de candidatura por via electrónica 2 Concursos de Pessoal Docente regulados pelo Decreto Legislativo Regional n.º /2009/M de de Junho. Ano Escolar 2009/2010 Manual de candidatura por via electrónica É essencial que leia este manual antes

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina da Internet Utilização Educativa da Internet Guião de iniciação à consulta e pesquisa de informação na Web Índice Introdução... 2 Alguns conceitos básicos...2

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL Manual de Utilização - Gestão de Utilizador Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL

Leia mais

Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura

Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura Centro de Informática e Técnico 1 passo 1: abrir candidatura O primeiro passo consiste em efetuar a abertura do processo

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Índice 1 Apresentação... 3 2 Registo no ClinicBase... 3 3 Login... 3 4 Área Privada... 3 4.1 Os meus pacientes... 3 4.1.1 Criar novo Paciente... 3 4.1.2 Procura Paciente... 4 4.1.3

Leia mais

1. Criar uma nova apresentação

1. Criar uma nova apresentação MANUAL DO Baixa da Banheira, 2006 1. Criar uma nova apresentação Para iniciar uma sessão de trabalho no PowerPoint é necessário criar uma nova apresentação para depois trabalhar a mesma. Ao iniciar uma

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora)

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) ACÇÃO 4.2.2 REDES TEMÁTICAS DE INFORMAÇÃO E DIVULGAÇÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) União Europeia FEADER PRODER 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA

Leia mais

EFECTUAR FILIAÇÃO DE AGENTES DESPORTIVOS (pela 1º vez)

EFECTUAR FILIAÇÃO DE AGENTES DESPORTIVOS (pela 1º vez) 1 EFECTUAR FILIAÇÃO DE AGENTES DESPORTIVOS (pela 1º vez) Para aceder á aplicação de filiação de agentes desportivos digitar no browser www.fpnsystem.com introduzir Nome Utilizador e Password que lhe foram

Leia mais

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Universidade Católica Portuguesa Direção de Sistemas de Informação Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Manual de utilização - Alunos DSI Outubro 2014 V2.6 ÍNDICE 1 OBJETIVO DESTE

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO NOVO SITE DO CETAC.MEDIA (CENTRO DE ESTUDOS DAS TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO) http:// blogs.ua.pt/cetacmedia (URL temporário) MANUAL DE UTILIZAÇÃO ÍNDICE Apresentação geral do site 3 Menus 3 Post:

Leia mais

Manual de Utilizador. //Internet Banking. BNI Online. www.bni.ao

Manual de Utilizador. //Internet Banking. BNI Online. www.bni.ao ÍNDICE Introdução Informações Gerais Acesso ao Serviço Fazer Login Documentos Electrónicos Posição Integrada Agenda Vencimentos Contas à Ordem Transferências Personalizar Financiamentos Moeda Estrangeira

Leia mais

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL

SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual de Utilização Direcção dos Serviços de Economia do Governo da RAEM Novembro de 2014 SERVIÇ OS DO PEDIDO ONLINE DA PROPRIEDADE INTELECTUAL Manual

Leia mais

Como criar, editar e finalizar um vídeo (Animoto)

Como criar, editar e finalizar um vídeo (Animoto) Como criar, editar e finalizar um vídeo (Animoto) Este módulo irá ensinar-lhe como criar, editar e partilhar um vídeo usando o programa Animoto. A produção, edição e partilha de um vídeo constitui uma

Leia mais

PAINEL DE ADMINISTRADOR

PAINEL DE ADMINISTRADOR PAINEL DE ADMINISTRADOR IMPORTANTE: O Painel de administrador APENAS deverá ser utilizado pelo responsável do sistema. são: Nesta aplicação, poderá configurar todo o sistema de facturação. As opções do

Leia mais

Manual de Utilização MU001-2.0/2015. Secretaria Virtual/e-SCA(Perfil utilizador - Estudante)

Manual de Utilização MU001-2.0/2015. Secretaria Virtual/e-SCA(Perfil utilizador - Estudante) Manual de Utilização MU001-2.0/2015 Secretaria Virtual/e-SCA(Perfil utilizador - Estudante) 1. Introdução I 2. Primeiros passos I 3. Unidade Curricular I 4. Recursos e actividades I 5. Atualizações e Serviços

Leia mais

1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link e instalar:

1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link e instalar: SigmaDoc INSTALAÇÃO/ACTUALIZAÇÃO Para efectuar a actualização, proceder do seguinte modo: 1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link

Leia mais

MANUAL do UTILIZADOR

MANUAL do UTILIZADOR Software OFICIAR Gestão de Expediente Versão 2 para Windows MANUAL do UTILIZADOR Janeiro de 2014 J.P.M. & ABREU, Lda. Apartado 2927 2410-902 LEIRIA Telef: 244800570 Fax: 244 824576 Linha Verde: 800 225

Leia mais

Abra o ficheiro «Formulário de Candidatura» e guarde-o no seu computador

Abra o ficheiro «Formulário de Candidatura» e guarde-o no seu computador NOTA PRÉVIA As candidaturas ao Programa de Financiamento a projectos pelo INR, I.P. implicam 2 momentos distintos e complementares: Efetuar a candidatura on-line, através da plataforma web disponível no

Leia mais

MANTENHA-SE INFORMADO

MANTENHA-SE INFORMADO MANTENHA-SE INFORMADO * O leitor consente, de forma expressa, a incorporação e o tratamento dos seus dados nos ficheiros automatizados da responsabilidade do Centro Atlântico, para os fins comerciais e

Leia mais

Acessos Convergentes. Manual de Configuração e Utilização

Acessos Convergentes. Manual de Configuração e Utilização Índice 1 Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Acesso... 5 1.3 Autenticação... 5 2 Cliente... 6 2.1 Reencaminhamentos ou redireccionamentos... 6 2.1.1 Novo Plano de Redireccionamento... Error!

Leia mais

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade)

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade) Escola Básica e Secundária de Velas Linhas de Exploração do Quadro de da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Oferta de Escola 2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Instruções para o participante no Curso de e-learning. Esquizofrenia Questões Aprofundadas

Instruções para o participante no Curso de e-learning. Esquizofrenia Questões Aprofundadas Instruções para o participante no Curso de e-learning CONTEÚDO Pág. 1 Introdução 3 2 - Aceder ao site 2.1 Entrar em www.saude-mental.net 3 2.2 Aceder ao e-learning Saúde Mental 4 2.3 Introdução do seu

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

I. COMO FAZER O REGISTO NA PLATAFORMA MOODLE 3 II. COMO ACEDER (ENTRAR) NO MOODLE DA ESCOLA 1

I. COMO FAZER O REGISTO NA PLATAFORMA MOODLE 3 II. COMO ACEDER (ENTRAR) NO MOODLE DA ESCOLA 1 Novembro.2010 Índice I. COMO FAZER O REGISTO NA PLATAFORMA MOODLE 3 II. COMO ACEDER (ENTRAR) NO MOODLE DA ESCOLA 1 III. COMO INSERIR MATERIAL PEDAGÓGICO (ANEXAR FICHEIROS) 1 IV. CRIAR UM GLOSSÁRIO 5 V.

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO DO SCANSNAP S300

GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO DO SCANSNAP S300 GUIA RÁPIDO DE INSTALAÇÃO DO SCANSNAP S300 Pag 1 Leia este guia antes de ligar o scanner ao PC Este documento descreve a instalação e a configuração do scanner ScanSnap S300 da Fujitsu. Este guia disponibiliza-lhe

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Documentos de Transporte Manual de Utilizador Página - 2 Índice Criação de um documento de transporte... 4 Definições de empresa- Criação de moradas adicionais... 9 Comunicação

Leia mais

Guia de Candidatura. Av. Duque D Ávila, 137 1069-016 Lisboa PORTUGAL Tel: 213 126 000 Fax: 213 126 001 www.dges.mctes.pt

Guia de Candidatura. Av. Duque D Ávila, 137 1069-016 Lisboa PORTUGAL Tel: 213 126 000 Fax: 213 126 001 www.dges.mctes.pt Av. Duque D Ávila, 137 1069-016 Lisboa PORTUGAL Tel: 213 126 000 Fax: 213 126 001 www.dges.mctes.pt Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: Reunir informação: Para o correcto

Leia mais

Guia do Signatário SAP DocuSign

Guia do Signatário SAP DocuSign Guia do Signatário SAP DocuSign Índice 1. Guia do Signatário SAP DocuSign... 2 2. Receber uma notificação por e-mail... 2 3. Assinar o documento... 3 4. Outras opções... 4 4.1 Terminar mais tarde... 4

Leia mais

Controlo de acessos em rede

Controlo de acessos em rede Manual do software Controlo de acessos em rede Access (Versão do software: 1.0.2) (Versão do documento: 1.0.9) Para mais informação, visite o nosso website: www.simonalert.com Página - 1 - Para mais informação,

Leia mais

Sistema de Inscrições Automáticas na Internet. Manual do Utilizador

Sistema de Inscrições Automáticas na Internet. Manual do Utilizador Sistema de Inscrições Automáticas na Internet Manual do Utilizador Versão 1.6 Agosto de 2005 O Sistema de Inscrições Automáticas está disponível nos seguintes anos: 1ºano (repetentes), 2ºano, 3ºano e 4ºano

Leia mais

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo)

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) Manual de GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

Introdução... 1 Principais objectivos... 1 Que vantagens? Que futuro?... 2 Declaração geral de privacidade... 2

Introdução... 1 Principais objectivos... 1 Que vantagens? Que futuro?... 2 Declaração geral de privacidade... 2 ÍNDICE Introdução... 1 Principais objectivos... 1 Que vantagens? Que futuro?... 2 Declaração geral de privacidade... 2 Modo geral de utilização... 3 Inicio e fim de sessão... 3 Tempo de utilização... 3

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. EcclesiaSoft 2012. v.01

MANUAL DE UTILIZAÇÃO. EcclesiaSoft 2012. v.01 MANUAL DE UTILIZAÇÃO EcclesiaSoft 2012 v.01 1 CONTEÚDO 1. Apresentação:... 4 2. Instalação... 5 3. Configurações iniciais... 5 4. Secretaria... 6 4.1. Criação de uma nova ficha... 8 4.2. Listagem de Pessoas...

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

RENT versão web. Manual de Utilizador para empresa Versão 2.0.0

RENT versão web. Manual de Utilizador para empresa Versão 2.0.0 RENT versão web Manual de Utilizador para empresa Versão 2.0.0 @ Copyright 2015 Desenvolvido pela Dória Software versão manual 2.0.0 Última actualização 16.03.2016 @Copyright 2015 Sobre o RENT I. O que

Leia mais

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P Características da Câmara de Look 312P 1 2 3 Objectiva Focagem manual através do ajuste da objectiva Bolsa Pode colocar o cabo na bolsa. Corpo dobrável Pode ajustar a Look 312P em diferentes posições.

Leia mais

ANEXO. Manual do utilizador

ANEXO. Manual do utilizador ANEXO Manual do utilizador A PARTE 1 Menu Principal A janela principal da aplicação é composta por uma zona destinada a mostrar a informação analítica (rodapé) e pelo Menu Principal, o qual contém opções

Leia mais

Manual do utilizador. Animal RFID Integrator. Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia

Manual do utilizador. Animal RFID Integrator. Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia Manual do utilizador Animal RFID Integrator Universidade de Évora Escola de Ciências e Tecnologia RESUMO Aplicação para recolha de informação no campo. O Animal RFID Integrator é um interface que permite

Leia mais

Como Alterar os dados da sua empresa, PT

Como Alterar os dados da sua empresa, PT 1 / 6 Como Alterar os dados da sua empresa 1. Vá para o Portal OB10 - Aceda a www.ob10.com - Clique no botão de "Início de Sessão". - Introduza as suas credenciais de início de sessão - Se necessitar de

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO CENTRALIZADO (SIC) UTILIZADOR CONSUMIDOR

MANUAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO CENTRALIZADO (SIC) UTILIZADOR CONSUMIDOR MANUAL DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO CENTRALIZADO (SIC) UTILIZADOR CONSUMIDOR ÍNDICE Introdução e Objetivos... 7 Acesso ao SIC... 8 2.1. Página Inicial Consulta de informação... 10 2.1.1. Ícones relevantes

Leia mais

Relatório SHST - 2003

Relatório SHST - 2003 Relatório da Actividade dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Relatório SHST - 2003 Programa de Recolha da Informação Manual de Operação Versão 1.0 DEEP Departamento de Estudos, Estatística

Leia mais

VERTENTE GESTÃO GLOBAL DE FICHEIROS E ADC S

VERTENTE GESTÃO GLOBAL DE FICHEIROS E ADC S VERTENTE GESTÃO GLOBAL DE FICHEIROS E ADC S PROCEDIMENTOS INICIAIS Opção Utilitários/Selecção de Empresas Em primeiro lugar deverá seleccionar e parametrizar quais as Empresas que irão utilizar o aplicativo.

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Requerimentos e Especificações de Software

Requerimentos e Especificações de Software 1 Requerimentos e Especificações de Software ConfiKeeper Version 2.0, 16-11-2014 by SyncMasters: Carlos Paiva, 2009108909, cpaiva@student.dei.uc.pt Inês Parente, 2012152484, iparente@student.dei.uc.pt

Leia mais

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de 1. Alguns conceitos sobre Tabelas Dinâmicas Com tabelas dinâmicas podemos criar dinâmica e imediatamente resumos de uma lista Excel ou de uma base de dados

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007

Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007 Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2009/10 Access 2007 TI2009/2010_1 Índice Iniciar a Aplicação e Abrir/Criar um Novo Ficheiro Comando Base de Dados Vazia Descrição do ambiente de trabalho

Leia mais

Como criar uma APP (Mobincube)

Como criar uma APP (Mobincube) Como criar uma APP (Mobincube) Este módulo irá ensinar-lhe como criar e disponibilizar uma APP (Aplicação) usando o programa Mobincube. A produção de uma APP constitui uma competência informática avançada.

Leia mais

www.tacas-software.com Guia de Instalação e Manual do Utilizador TACAS-SOFTWARE - Guia de Instalação e Manual do Utilizador

www.tacas-software.com Guia de Instalação e Manual do Utilizador TACAS-SOFTWARE - Guia de Instalação e Manual do Utilizador www.tacas-software.com Guia de Instalação e Manual do Página 1 de 37 Software de Gestão Comercial Portátil NOTA IMPORTANTE: O SEU SOFTWARE DE GESTÃO É FORNECIDO COM UM NUMERO DE IDENTIFICAÇÃO QUE SE ENCONTRA

Leia mais

Deverá utilizar este procedimento, na qualidade de primeiro avaliador de avaliado(s) pertencente(s) à carreira especial de enfermagem.

Deverá utilizar este procedimento, na qualidade de primeiro avaliador de avaliado(s) pertencente(s) à carreira especial de enfermagem. Carreira Enfermagem Objetivo Deverá utilizar este procedimento, na qualidade de primeiro avaliador de avaliado(s) pertencente(s) à carreira especial de enfermagem. Pré-requisitos Aceder ao Sistema com

Leia mais

M a n u a l d o U s u á r i o F i n a l

M a n u a l d o U s u á r i o F i n a l M a n u a l d o U s u á r i o F i n a l I T I L A D V A N C E D Todos os direitos reservados ao Qualitor. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Manual do Comunicador 1.0 (Externo)

Manual do Comunicador 1.0 (Externo) Manual do Comunicador 1.0 (Externo) Copyright 2013 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita

Leia mais

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007 Manual do Utilizador SAFT para siscom Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01 Data criação: 21.12.2007 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620 Fax. +351 289 899 629

Leia mais

Ajuda do software OBELISK top2 V3.0

Ajuda do software OBELISK top2 V3.0 Ajuda do software OBELISK top2 V3.0 Índice Índice 1 Introdução 2 2 Ajuda da ajuda 3 3 Iniciar o programa 3 4 Interface do utilizador 4 5 Configurações do programa 6 6 Programar comutações 8 7 Programar

Leia mais

DOMINE O EXCEL 2007. 16-09-2008 Fascículo 1

DOMINE O EXCEL 2007. 16-09-2008 Fascículo 1 DOMINE O EXCEL 2007 16-09-2008 Introdução ao Microsoft Excel 2007 O ambiente de trabalho O Friso e os Tabuladores do Excel 2007 O Excel possui várias versões sendo que, para a plataforma Windows, a mais

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Roomle M a n

Leia mais

Alteração do POC (Decreto de Lei nº. 35/2005) no sispoc

Alteração do POC (Decreto de Lei nº. 35/2005) no sispoc DOSPrinter Manual do Utilizador Alteração do POC (Decreto de Lei nº. 35/2005) no sispoc Data última versão: 20.03.2006 Versão : 1.1 Data criação: 01.03.2006 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO E-MAIL 12-2008 EQUIPA TIC

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO E-MAIL 12-2008 EQUIPA TIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO E-MAIL 12-2008 EQUIPA TIC OPÇÕES DE ACESSO Passo 1 Abrir o browser (Internet Explorer, Firefox ou outro) e escrever na barra de endereços mail.esmcastilho.pt ou email.esmcastilho.pt.

Leia mais

Bem vindo à vídeo-vigilância profissional da Segurança 24

Bem vindo à vídeo-vigilância profissional da Segurança 24 Bem vindo à vídeo-vigilância profissional da Segurança 24 O software que tem instalado no seu computador permite-lhe visualizar em directo as imagens das suas câmaras assim como rever as gravações,efectuar

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PLATAFORMA DE INSCRIÇÕES ONLINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PLATAFORMA DE INSCRIÇÕES ONLINE A época de 2012/2013 terá um novo recurso para a Filiação e Inscrições em Provas para os Clubes, Equipas e Agentes Desportivos, tendo sido criada para o efeito uma nova Plataforma de Inscrições Online.

Leia mais

Bem-vindo! Mustek Systems, Inc.

Bem-vindo! Mustek Systems, Inc. Bem-vindo! Mustek Systems, Inc. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. As empresas, nomes e dados utilizados nestes exemplos são fictícios, a menos que o

Leia mais