Lições aprendidas e desafios para 2013/2014 PROGRAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lições aprendidas e desafios para 2013/2014 PROGRAMA"

Transcrição

1 Programa Municípios Verdes: Lições aprendidas e desafios para 2013/2014 PROGRAMA

2 Programa Municípios Verdes: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

3 PROGRAMA O Programa Municípios Verdes (PMV) é um programa do Governo do Pará desenvolvido em parceria com municípios, sociedade civil, iniciativa privada, Ibama e Ministério Público Federal, com o objetivo de combater o desmatamento e fortalecer a produção rural sustentável por meio de ações estratégicas de ordenamento ambiental e fundiário e gestão ambiental, com foco em pactos locais, monitoramento do desmatamento, implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e estruturação da gestão municipal. O Programa Municípios Verdes foi lançado em março de 2011, por meio do Decreto Estadual nº 54/2011, sob a coordenação da Casa Civil, especificamente na figura do Secretário Extraordinário de Estado para a Coordenação do Programa Municípios Verdes (SEPMV). O PMV conta com um Comitê Gestor responsável pelas decisões estratégicas e plano de ação do programa, composto por 21 integrantes, sendo dez representantes do governo e onze representantes da sociedade civil, além do Ministério Público Federal, Ibama e do Ministério Púbico do Estado do Pará. A execução das ações é feita por um conjunto de instituições governamentais e não governamentais que compõem o Conselho Executivo do PMV. Equipe SEPMV Alessandra Zagallo (SEPMV/Assessora de Gabinete), Ana Lucia Vilhena Muniz (SEPMV/ Assessora de Ordenamento Ambiental e Territorial), Bruno Marianno de Oliveira (Consultor Imazon/ apoio ao PMV), Camilla Miranda (SEPMV/ Coordenadora de Articulação Institucional), Denys Pereira (SEPMV/Coordenador de Produção Sustentável), Diego Andrade de Araújo (SEPMV/ Assessor de Comunicação), Felipe de Azevedo Nunes Lopes (SEPMV/Coordenador Jurídico), Igor Corrêa Pinto (SEPMV/Coordenador de Produção Sustentável), Julianne Marta Moutinho (SEPMV/ Coordenadora de Gestão Ambiental), Justiniano de Queiroz Netto (SEPMV/Secretário Extraordinário), Karlla Julianna Marruás Almeida (SEPMV/Chefe de Gabinete), Marussia Whately (Consultora Imazon/ apoio ao PMV), Raphael Pacheco Silva Neto (SEPMV/Assessor de Comunicação), Wandreia Baitz (Coordenadora Ordenamento Ambiental e Territorial), Wendell Andrade (Sema/PA).

4 Organização Marussia Whately Maura Campanili Programa Municípios Verdes: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014 Belém, abril de PROGRAMA

5 Programa Municípios Verdes: Lições aprendidas e desafios para 2013/2014 Coordenação Marussia Whately e Maura Campanili Colaboradores Adalberto Veríssimo, Ana Lucia Muniz, Bruno Marianno, Daniel Santos, Denys Pereira, Diego Andrade de Araujo, Felipe de Azevedo Nunes Lopes, Igor Corrêa Pinto, Julianne Marta Moutinho, Justiniano de Queiroz Netto, Raphael Pacheco Silva Neto, Wandreia Baitz Edição e revisão de textos: Maura Campanili Mapas: Imazon CGI Design editorial Ana Cristina Silveira / AnaCê Design Dados Internacionais para Catalogação na Publicação (CIP) do Departamento Nacional do Livro W555r Whately, Marussia, coord. Programa Municípios Verdes: lições aprendidas e desafios para 2013/2014 / Coordenação de Marussia Whately; Maura Campanili. Belém, PA: Pará. Governo do Estado. Programa Municípios Verdes, p. ISBN DESMATAMENTO 2. POLÍTICAS PÚBLICAS 3. PRO- GRAMA MUNICÍPIOS VERDES 4. CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR) 5. AMAZÔNIA I. Campanili, Maura, coord. II. Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (IMAZON). III. Título. CDD: Os dados e opiniões expressas neste trabalho são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião dos financiadores deste estudo.

6 Agradecimentos e entrevistados Adnan Demachki (ex-prefeito de Paragominas), Adorisvaldo Pereira (secretário municipal de Meio Ambiente de Santana do Araguaia), Antonio Correa Pinto de Oliveira (gerente executivo do Pará Rural), Bruno Oliveira, Carlos Fernandes Xavier (presidente da Faepa), Carlos Guedes de Guedes (presidente do Incra), Carlos Souza Jr. (pesquisador sênior do Imazon), Cassio Pereira (pesquisador do Ipam), Cristiane Fontes (coordenadora CLUA/Climate Works), Daniel César Azeredo Avelino (procurador da República/MPF Pará), Edilberto Poggi (secretário municipal de Meio Ambiente de Dom Eliseu), Felipe Zagalo (secretário municipal de Meio Ambiente de Paragominas), Gilberto Miguel Sufredini (ex-prefeito de Tailândia), Gizele Luciana Cabral Ramos (secretária municipal de Meio Ambiente de Novo Repartimento), Hidelgardo Nunes (secretário de Estado de Agricultura do Pará Sagri), Hugo Américo Rubert Schaedler (superintendente do Ibama no Pará), José Alberto da Silva Colares (secretário de Estado de Meio Ambiente do Pará), José Conrado Santos (presidente da Fiepa), Mauro Lúcio de Castro Costa (presidente do Sindicato do Produtores Rurais de Paragominas), Orly Bezerra, Paulo Amaral (pesquisador sênior do Imazon), Paulo Barreto (pesquisador sênior do Imazon), Paulo Tocantins (prefeito de Paragominas), Simão Jatene (governador do Estado do Pará), Sidney Rosa (presidente do Comitê Gestor do PMV/secretário Especial de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção do Estado do Pará), Teresa Moreira (especialista em Governança Ambiental da TNC), Thays Borges, Verônica Oki, Zelma Luiza da Silva Costa (ex-secretária de Meio Ambiente de Altamira) Agradecimentos às Instituições Associação Vale para o Desenvolvimento Sustentável - Fundo Vale; Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Crea/PA); Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará; Federação da Agricultura e Pecuária do Pará; Federação das Associações de Municípios do Estado do Pará; Federação das Indústrias do Estado do Pará; Fundação Skoll; Fundação Avina; Ibama/Superintendência do Estado do Pará; Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará; Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis; Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará; Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia; Instituto de Terras do Pará; Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia; Instituto Internacional de Educação do Brasil; Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária; Instituto Socioambiental; Ministério Público Federal; Prefeitura Municipal de Paragominas; Programa Pará Rural; Secretaria de Estado da Fazenda; Secretaria de Estado de Agricultura; Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação; Secretaria de Estado de Integração Regional, Desenvolvimento Urbano e Metropolitano; Secretaria de Estado de Meio Ambiente; Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção; Secretaria Especial de Estado de Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento Sustentável; Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Paragominas; Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Dom Eliseu; Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Novo Repartimento; Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Santana do Araguaia; Sindicato do Produtores Rurais de Paragominas; The Nature Conservancy

7 Mensagem SIMÃO JATENE Governador do Estado do Pará A Amazônia é pródiga na geração de mitos e oscila entre a visão de santuário ecológico a celeiro do mundo, o que realimenta o ciclo vicioso do debate polarizado entre preservar e produzir, como se fosse possível, no século XXI, continuar expandindo a produção agropecuária na Amazônia com base na lógica do desmatamento e da degradação dos recursos naturais. Essa é uma tese claramente inaceitável pelos altos custos ambientais e sociais gerados por esse modelo. Não se justifica, portanto, transformar a Amazônia no intocável santuário ecológico onde as atividades econômicas sejam largamente proibidas, ignorando a necessidade de gerar desenvolvimento de qualidade para 24 milhões de habitantes da Amazônia Legal, dos quais mais de sete milhões ocupam o Estado do Pará. A resposta a esse dilema de preservar ou produzir é o uso racional e sustentável dos recursos naturais na Amazônia ao considerarmos que a região tem por vocação ser uma grande prestadora de serviços ambientais. A boa notícia é que saímos da formulação teórica de desenvolvimento sustentável para algo que começa a ser de fato experimentado no Pará através do Programa Municípios Verdes (PMV), uma iniciativa lançado pelo Governo do estado, em março de O programa é operado a partir de pactos que envolvem produtores rurais, organizações sociais e ambientais em parceria com os governos locais e estadual. A agenda de trabalho abrange o processo de regularização ambiental através do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do controle do desmatamento. E inova ao considerar que os produtores que não desmatam e estejam em processo de regularização ambiental gozam de incentivos como acesso ao crédito, mercado consumidor e possibilidade de desembargar suas propriedades. Além disso, as ações de regularização fundiária passam a ser consideradas prioritárias.

8 No âmbito estadual, o Programa Municípios Verdes inova significativamente na sua forma de atuação através de um comitê gestor integrado por produtores rurais e federação da agricultura, federação das indústrias, municípios, organizações sociais, ONGs, ministério público e participação de órgãos federais. É o reconhecimento de que a agenda do desenvolvimento sustentável é assunto de interesse de todos os setores e não apenas do governo. Os resultados e os desafios enfrentados pelo Programa Municípios Verdes em 2011 e 2012 foram sintetizados nesse relatório de atividades, onde é possível observar avanços importantes como a redução do desmatamento, o aumento expressivo do Cadastro Ambiental Rural, a melhoria da produtividade da agropecuária e a ampliação do reflorestamento. O relatório mostra ainda conquistas altamente positivas em relação aos pactos locais pela redução do desmatamento e promoção de uma economia rural mais sustentável. O Programa revelou, sobretudo, ação marcante das parcerias, do diálogo e do pacto político para encontrar soluções reais para os problemas complexos e multifacetados da Amazônia e, em particular, do Pará. Acreditamos que o Pará e a Amazônia representam uma grande oportunidade para mostrar ao mundo que é possível conciliar conservação dos recursos naturais e produção sustentável como demonstra o Programa Municípios Verdes. Mas reconhecemos também que os desafios de construir um Pará sustentável, mais justo socialmente, inclusivo e próspero são permanentes e por isso requerem esforços continuados de longo prazo e disposição verdadeira de diálogo e parceria entre os diferentes setores da sociedade. Isso nos anima a apostar no acerto de mudanças criativas e positivas, possíveis se a sociedade abraçar essa causa que é de cada um de nós. E de todos.

9 Vista aérea de região próxima ao município de Santarém. FOTO: MARUSSIA WHATELy. MARÇO DE 2013.

10 Sumário Apresentação Introdução PARTE 1 Origem do Programa Municípios Verdes CAPÍTULO 1 Combate ao desmatamento na Amazônia CAPÍTULO 2 Criação do Programa Municípios Verdes PARTE 2 O Programa Municípios Verdes do Governo do Pará CAPÍTULO 3 Como funciona o PMV CAPÍTULO 4 Eixos Estratégicos CAPÍTULO 5 Metas do Programa PARTE 3 Resultados alcançados e perspectivas CAPÍTULO 6 Resultados do PMV CAPÍTULO 7 Desafios e perspectivas para o biênio na visão dos parceiros Anexos Lista de siglas Lista de mapas, figuras e tabelas Bibliografia

11 Apresentação JUSTINIANO DE QUEIROZ NETTO Secretário Extraordinário de Estado para o Programa Municípios Verdes Não existe bala de prata capaz de derrotar o desmatamento ilegal na Amazônia. O problema é complexo e tem causas socioeconômicas e políticas das mais variadas, exigindo uma abordagem ampla e duradoura por parte do Estado e da sociedade. Primeiro, é preciso compreender que, via de regra, o pano de fundo do desmatamento é uma atividade que, em algum nível, movimenta a economia local. Desde o pequeno agricultor ou assentado, que desmata para fazer o seu roçado, até aqueles que desmatam em maior escala, todos almejam converter a floresta para o uso econômico, de modo legítimo ou ilegítimo. Nesse sentido, tratar a questão apenas pela ótica da repressão e fiscalização mostra-se insuficiente. Isso, por óbvio, não dispensa ou desmerece a aplicação dos mecanismos do chamado comando e controle. Mas indicam que, somente eles, não bastam. Um erro comum nas políticas oficiais foi, ao enfatizar o comando e controle, excluir ou hostilizar os atores locais onde o problema ocorre. Normalmente, prefeitos, vereadores, produtores e organizações locais eram ignorados, quando não, considerados cúmplices do desmatamento no seu município. Por outro lado, estes atores viam na questão ambiental uma tentativa de engessar o seu desenvolvimento. Assim, diante da falta de engajamento local e de uma economia sustentável, quando a fiscalização diminuía, o desmatamento sempre retornava, mesmo que em menor intensidade. Foi para mudar esse quadro que o Estado do Pará criou o Programa Municípios Verdes, cujos fundamentos residem, principalmente, nos pactos locais e nas parcerias. O pacto garante o envolvimento da sociedade local no tema, 10 PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

12 fortalecendo a compreensão de que o desmatamento não é mais sinônimo de desenvolvimento. Ao contrário, no Século XXI, a falta de regularidade ambiental importa em sérias limitações de acesso ao mercado e ao crédito. As parcerias, por sua vez, asseguram a continuidade e complementariedade do programa, que não depende de um único órgão ou ente governamental. Dessa forma, produtores rurais, prefeituras, ministério público, sindicatos e entidades de classe, ONGs, órgãos ambientais, fundiários e de apoio à produção devem se unir em torno de agendas locais para enfrentar problemas concretos. A proposta visa não apenas a reduzir o desmatamento, mas, sobretudo, desenvolver uma economia local mais sustentável, até porque uma coisa está inversamente relacionada à outra. Tal tarefa exige enorme fôlego e disposição ao diálogo, pois não se constrói de modo fácil e rápido o entendimento em torno de tema tão polêmico e complexo. O relatório a seguir mostra como surgiu esse programa no Estado do Pará e como tem funcionado nos dois anos desde a sua criação, em março de Mostra também os desafios e perspectivas para os próximos anos, de onde se destaca, na visão dos parceiros, a regularização fundiária, outro crônico problema da Amazônia, em geral, e do Pará, em particular. O Programa Municípios Verdes não tem a pretensão de ser a resposta pronta e acabada para vencer o desmatamento e fortalecer a economia sustentável da região, mas busca ser um dos espaços onde essas ideias e políticas são concebidas e implantadas, de forma cooperativa e transparente. PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/

13 Introdução Lançado em março de 2011, pelo Governo do Estado do Pará, em resposta ao desafio de combater o desmatamento no estado, o Programa Municípios Verdes (PMV) é uma iniciativa cujo princípio é o trabalho em parceria com todos os níveis de governo, sociedade civil, iniciativa privada e Ministério Público. Esta publicação traz um balanço do primeiro biênio do programa, mostrando como ele funciona na prática, o papel dos parceiros, os resultados já obtidos e as metas e os desafios para o futuro. Na primeira parte, Origem do Programa Municípios Verdes, é apresentado como o processo de ocupação e desenvolvimento da Amazônia, marcado pela construção de rodovias e implantação de grandes projetos de energia, mineração e agropecuária, resultou em pouca geração de qualidade de vida para os habitantes da região e graves impactos ambientais. Além disso, mostra como a grave situação de desmatamento na Amazônia levou o governo federal a adotar medidas de impacto a partir de 2004, levando a uma queda acentuada nos índices de destruição florestal. Neste contexto, sugiram também iniciativas locais e regionais para sustentar e aprofundar esses ganhos, como é o caso do PMV, no Pará. A segunda parte, O Programa Municípios Verdes do Governo do Pará, descreve o funcionamento do PMV, com seus eixos estratégicos e metas, das quais uma das principais é a redução em 80% do desmatamento no estado até 2020, comparado à média anual de Km 2 ( ), e obter, a partir dessa data, o desmatamento líquido zero. O programa também estabeleceu um crescimento de, no mínimo, 50% de inscrições no Cadastro Ambiental Rural em 2012, meta já alcançada. 12 PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

14 Para atingir estas metas, o PMV estruturou quatro eixos ou linhas de ação: controle e monitoramento do desmatamento; ordenamento territorial, ambiental e fundiário; produção sustentável; e gestão ambiental compartilhada. A publicação detalha cada um deles, mostrando suas ações e como interagem com outros programas governamentais em todos os níveis. Explica também como é feita a adesão e as vantagens competitivas para os municípios que fazem parte do programa. Na última parte, Resultados alcançados e perspectivas, são apresentados os resultados significativos obtidos até o momento pelo PMV, como a redução do desmatamento e o aumento de propriedades inseridas no Cadastro Ambiental Rural. Outra conquista foi a retirada de três municípios da lista de embargo do MMA. Finalizando, os parceiros mostram quais são os principais desafios do programa para o próximo biênio, com destaque para a questão fundiária, a ampliação da gestão ambiental descentralizada e a manutenção do diálogo com todos os setores. PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/

15

16 Parte 1 Origem do Programa Municípios Verdes

17 1 Capítulo 1 Combate ao desmatamento na Amazônia O processo de ocupação e desenvolvimento da Amazônia, concebido na segunda metade do século passado, marcado pela construção de rodovias e implantação de grandes projetos de energia, mineração e agropecuária, resultou, na verdade, em pouca geração de riqueza e qualidade de vida para os habitantes da região. Por outro lado, esse processo ocasionou graves impactos ambientais, cuja face mais visível é o desmatamento e a degradação da floresta Amazônica. Até 2012, o desmatamento havia atingido quase 19% da floresta original do território e estima-se que uma área similar tenha sido degradada pela extração de madeira e/ou fogo. Muitos cientistas temem que a floresta amazônica inicie um processo irreversível em direção a savanas se o desmatamento atingir 40% das florestas originais. As implicações dessa transformação para o aquecimento global, ciclos hidrológicos e biodiversidade seriam imprevisíveis. Reconhecendo a importância estratégica da Amazônica e em resposta às pressões da opinião pública brasileira e internacional, o governo do Brasil lançou em 2004 um ambicioso programa de combate ao desmatamento, chamado PPCDAM. Isso também foi motivado pelo fato do desmatamento ter contribuído com mais de 55% das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em 2004, o que levou o Brasil a ser quarto maior emissor no mundo. 1 Não inclui as áreas ocupadas pelas APAs Áreas de Proteção Ambiental. Na primeira fase ( ), esse programa resultou na criação de cerca de 480 mil Km 2 de unidades de conservação, o que elevou a proporção de áreas protegidas de 28% para 38% 1 da Amazônia Legal. Houve também avanços significativos na área de comando e controle, com destaque para aumento da fisca- 16 PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

18 Combate ao desmatamento na Amazônia Mapa 1. Cobertura florestal e desmatamento no Estado do Pará Programa Municípios Verdes: Lições aprendidas e desafios para 2013/

19 1 Capítulo 1 2 Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Deter/Inpe). 3 Sistema de Alerta de Desmatamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. 4 Nota Técnica do Comitê Técnico Fundo Amazônia usando valor conservador de 100 T C/hectare e o fator de correção de C para CO 2 equivalente de 3,6667. lização de campo, prisão de autoridades e produtores envolvidos com o desmatamento ilegal e o lançamento dos sistemas de monitoramento com imagens de satélite em tempo real Deter (Inpe) 2 e SAD (Imazon) 3. Esse conjunto de medidas reduziu o desmatamento de 19,6 mil Km 2 (média ) para algo em torno de 12,6 mil Km 2 (média agosto 2005 julho 2008). Porém, foi a versão 2.0 desse programa, lançada no início de 2008, que diminuiu drasticamente o desmatamento para algo em torno de 6,3 mil Km 2 (média ). Isso representou uma queda de cerca de 80% entre a taxa de desmatamento registrada em 2004 (início do PPCDAM) e a de Considerando o período , as emissões evitadas de CO 2 com essa brusca queda no desmatamento foram estimadas em 2,2 gigatons 4, até agora a maior contribuição para a redução de GEE em escala mundial. Ressalte-se que toda a redução provocada pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) do Protocolo de Kyoto não chega a 2 gigatons de CO 2, o que evidencia a importância da contribuição da Amazônia para combate ao aquecimento global. Mas o que possibilitou a queda expressiva do desmatamento, sobretudo a partir de 2008? A razão parece estar em algumas inovações na estratégia de enfrentamento do problema, dentre elas: 5 Procedimento previsto no Decreto Federal nº 6.321/2008, sendo a primeira lista publicada por meio da Portaria MMA nº 28, de 24 de janeiro de Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. 7 Artigo 18, 1º, do Decreto Federal nº 6.514/2008. A lista pode ser conferida no endereço ibama.gov.br/geo_sicafi/. Restrição do crédito rural Resolução do Conselho Monetário Nacional nº 3.545, de 29 de fevereiro de 2008, que passou a exigir regularidade ambiental e fundiária para o financiamento de projetos agropecuários no Bioma Amazônia; Lista de municípios que mais desmatam na Amazônia e imposição de diversas restrições administrativas a esses municípios 5 ; Lista de áreas embargadas Publicação pelo Ibama 6 da lista dos imóveis rurais e dos proprietários onde foram realizados embargos ambientais em decorrência do desmatamento 7 ; 18 PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

20 COMBATE AO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA Responsabilização da cadeia produtiva da carne Resultado da regulamentação da Lei de Crimes Ambientais, que responsabilizou todos os agentes da cadeia produtiva que adquirissem produtos de áreas embargadas 8 e da ação do Ministério Público Federal (MPF) que resultou na assinatura de um TAC com as empresas do setor 9 ; 8 Artigo 54 do Decreto Federal nº 6.514/ Ver box TAC da Pecuária, pág. 20. Fortalecimento das operações de fiscalização que ficaram mais efetivas e constantes, com a apreensão de máquinas, produtos (madeira, carvão, grãos) e animais em imóveis rurais com desmatamento ilegal (por exemplo, operação Arco de Fogo e Boi Pirata). Além disso, o Brasil assumiu um compromisso internacional durante a COP (Copenhague) de reduzir em 80% o desmatamento até , o que significa que o desmatamento total naquele ano deverá ficar em torno de 3,9 mil Km 2. Tal meta poderia ser atingida até mesmo antes de 2020, considerando as fortes reduções obtidas entre 2009 e De fato, a estimativa para o desmatamento em 2012 foi de cerca de 4,6 mil Km ª Conferência das Partes da Convenção do Clima. 11 Calculados sobre a média dos anos , que corresponde a 19,6 mil Km 2. A despeito desse cenário favorável, existia e ainda existe - grande preocupação quanto à suficiência dessas medidas para erradicar ou mesmo controlar o desmatamento ilegal no longo prazo. Isso porque a maioria das iniciativas aplicadas era de natureza regulatória ou meramente repressiva, incapaz de alterar a dinâmica das atividades produtivas vinculadas ao desmatamento e, ao mesmo tempo, fomentar uma nova base econômica sustentável na região. Além disso, a sociedade local, fortemente impactada com essas medidas, não percebia como vantajosa a questão ambiental e, por isso, não se engajava no processo de ordenamento. Foi nesse contexto que surgiram iniciativas locais ou regionais de combate ao desmatamento com potencial enorme de sustentar e aprofundar os ganhos até então obtidos, como é o caso do Programa Municípios Verdes no Estado do Pará. PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/

21 1 Capítulo 1 TAC da Pecuária no Pará Ações judiciais com bloqueio de bens e responsabilização da cadeia produtiva também passaram a fazer parte do cerco ao desmatamento no Pará e em Mato Grosso. Isso aconteceu devido à atuação do Ministério Público Federal (MPF), que começou, a partir de 2009, a investigar as cadeias produtivas vinculadas ao desmatamento ilegal da Amazônia. 12 Projeto produzido pela Embrapa e Inpe com objetivo de realizar a qualificação, a partir de imagens orbitais, das áreas já desflorestadas da Amazônia Legal. Esta nova leitura resultou na elaboração de um mapa digital que descreve a situação do uso e da cobertura da terra no ano de inpe.br/cra/projetos_pesquisas/ sumario_executivo_terraclass_ 2008.pdf, acesso em 25/02/2013. As informações mostravam que a atividade pecuária era uma das que mais pressionavam o desmatamento. Dados do TerraClass 12, do Inpe e Embrapa, informam que mais de 60% das áreas desmatadas na Amazônia até 2008 foram convertidas em pastagens. O MPF resolveu intervir e chamou o setor para se adequar através de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC). Através deles, os frigoríficos assumiram o compromisso de comprar gado apenas de fazendas legalizadas. O acordo previa várias etapas até se alcançar a legalidade e a sustentabilidade. Segundo o MPF, os TAC tinham objetivos de curto prazo, como cessar o desmatamento e o trabalho escravo. Os proprietários não poderiam desmatar novas áreas para criação de gado, promovendo a expansão da produção apenas em áreas já alteradas. A partir da assinatura do TAC, os produtores deveriam ingressar no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e obter o licenciamento ambiental, dando início à regularização das áreas de Reserva Legal (RL) e preservação permanente (APP). Segundo o procurador Daniel Azeredo, o governo estadual e os municípios também foram chamados a assinar termos de compromisso com o MPF para acelerar a adoção de políticas públicas visando a modernização da cadeia produtiva da agropecuária e redução do desmatamento, com compromissos diferenciados. 20 PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

22 COMBATE AO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA As principais obrigações do governo do estado são: (i) permitir acesso e repassar ao MPF informações sobre o CAR e o licenciamento de atividades rurais; (ii) concluir o Zoneamento Ecológico Econômico da Calha Norte e Zona Leste; (iii) implantar o CAR informatizado de propriedades rurais e a Guia de Transporte Animal (GTA) Eletrônica, e garantir que a nota fiscal de comercialização de gado só seja emitida para propriedades rurais cadastradas no CAR, entre outros. Além disso, o governo do Pará deveria financiar a contratação de uma auditoria para avaliar o cumprimento do disposto nos TAC assinados pelos frigoríficos. Os municípios, por sua vez, deveriam celebrar um pacto de controle do desmatamento com as organizações locais de produtores e sociedade civil, criar grupo de trabalho e estrutura mínima de monitoramento e verificação em campo do desmatamento, entre outros. Os municípios que não estivessem na lista dos que mais desmatavam ou os que se comprometessem a sair da lista em um ano poderiam beneficiar seus produtores com o prazo concedido para a adequação ambiental dos imóveis e atividades rurais. Atualmente, o prazo fixado conjuntamente pelo MPF e Sema para solicitação de LAR é: (i) Imóveis rurais acima de três mil hectares, até 30/11/2012; (ii) Imóveis rurais abaixo de três mil hectares e acima de quinhentos hectares, até, 31/07/2013; (iii) Imóveis rurais abaixo de quinhentos hectares, até 28/02/2014. Hoje, há cerca de 70 mil imóveis rurais no CAR do Pará, o maior registro de todo o Brasil. O principal objetivo dos Termos de Ajustamento de Conduta é a diminuição do desmatamento, o que tem acontecido no estado. DANIEL AZEREDO, procurador do Ministério Público Federal no Pará Os acordos celebrados com o governo estadual, municípios e o setor produtivo possibilitaram o surgimento de uma agenda positiva que também colaborou para a criação do Programa Municípios Verdes, cuja primeira condição de adesão é justamente a assinatura pelo município do Termo de Compromisso junto ao MPF. PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/

23 1 Capítulo 2 Criação do Programa Municípios Verdes 1 Altamira, Brasil Novo, Cumaru do Norte, Dom Eliseu, Novo Progresso, Novo Repartimento, Paragominas, Rondon do Pará, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, Ulianópolis (Portaria MMA n 28/2008); Itupiranga, Marabá, Pacajá, Tailândia (Portaria MMA n 102/2009); e Moju (Portaria MMA n 175/2011). Os municípios de Paragominas, Santana do Araguaia, Dom Eliseu e Ulianópolis saíram da lista de embargo alguns anos depois. Paragominas foi o primeiro, em 2010, seguido dos outros três em O PMV foi lançado através do Decreto Estadual nº 54/2011. Disponível em www. municipiosverdes.com.br. O Estado do Pará foi fortemente afetado pelas ações de combate ao desmatamento na Amazônia por parte do Governo Federal e do Ministério Público Federal durante a primeira década dos anos Essas medidas resultaram na inclusão de 17 municípios na lista crítica de desmatamento pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) 1 e na assinatura de Termos de Ajustamento de Condutas por parte de frigoríficos e produtores de gado. Além disso, milhares de imóveis rurais foram embargados e houve impactos sociais em função da paralisação das atividades econômicas irregulares. Em resposta a essa situação, o Governo do Estado lançou, em março de 2011, o Programa Municípios Verdes (PMV) 2, iniciativa desenvolvida em parceria com municípios, sociedade civil, iniciativa privada e Ministério Público. Os objetivos gerais do PMV são combater o desmatamento e fortalecer a produção rural sustentável por meio de ações estratégicas de ordenamento e gestão ambiental e fundiária. Isso é feito a partir de pactos locais nos municípios, monitoramento do desmatamento, implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e fortalecimento da gestão ambiental municipal. 17 municípios na lista dos maiores desmatadores da Amazônia. Paragominas é o primeiro a sair da lista. Criação do PMV. Decreto Estadual n o 54/2011. PMV: nomeação de secretário e estrutura própria março novembro PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES: LIÇÕES APRENDIDAS E DESAFIOS PARA 2013/2014

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

Avaliação do Desmatamento e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Pará: bases para o Programa Municípios Verdes Heron Martins* Carlos Souza Jr.

Avaliação do Desmatamento e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Pará: bases para o Programa Municípios Verdes Heron Martins* Carlos Souza Jr. Avaliação do Desmatamento e do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no Pará: bases para o Programa Municípios Verdes Heron Martins* Carlos Souza Jr. O governo do estado do Pará lançou o Programa Municípios Verdes

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

PANORAMA GERAL DO PROGRAMA NO ESTADO

PANORAMA GERAL DO PROGRAMA NO ESTADO GOVERNO DO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO À PRODUÇÃO-SEDIP PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO PARÁ Incentivo Apoio Técnico Fortalecimento

Leia mais

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Criado em 2011, inspirado na experiência de Paragominas, atualmente em 100 municípios Tem como base pactos

Leia mais

Nota: Mecanismos de controle e redução do desmatamento no Bioma Amazônia Brasileiro

Nota: Mecanismos de controle e redução do desmatamento no Bioma Amazônia Brasileiro Nota: Mecanismos de controle e redução do desmatamento no Bioma Amazônia Brasileiro Informamos, de uma forma sintética e resumida, os recentes avanços e novas ferramentas ligados ao setor agropecuário,

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÕES COM GADO E PRODUTOS BOVINOS EM ESCALA INDUSTRIAL NO BIOMA AMAZÔNIA

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÕES COM GADO E PRODUTOS BOVINOS EM ESCALA INDUSTRIAL NO BIOMA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO JBS CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÕES COM GADO E PRODUTOS BOVINOS EM ESCALA INDUSTRIAL NO BIOMA AMAZÔNIA Sistema de Monitoramento Socioambiental das Fazendas Fornecedoras de Gado da JBS

Leia mais

Moratória da Soja no. Bioma Amazônia. RELATÓRIO - 1º ANO 24 de julho de 2007. GTS - Grupo de Trabalho da Soja

Moratória da Soja no. Bioma Amazônia. RELATÓRIO - 1º ANO 24 de julho de 2007. GTS - Grupo de Trabalho da Soja Moratória da Soja no Bioma Amazônia RELATÓRIO - 1º ANO 24 de julho de 2007 GTS - Grupo de Trabalho da Soja 02 Moratória da Soja no PRODUÇÃO RESPONSÁVEL: MORATÓRIA DA SOJA NO ABIOVE (Associação Brasileira

Leia mais

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011 Caso: O desmatamento ilegal do bife Link: http://reporterbrasil.org.br/conexoes/?p=147 Íntegra do posicionamento das empresas JBS Friboi 1) Quais as ações realizadas pela empresa para evitar, em sua cadeia

Leia mais

MUNICÍPIOS VERDES: caminhos para a sustentabilidade. Jayne Guimarães Adalberto Veríssimo Paulo Amaral Adnan Demachki

MUNICÍPIOS VERDES: caminhos para a sustentabilidade. Jayne Guimarães Adalberto Veríssimo Paulo Amaral Adnan Demachki Jayne Guimarães Adalberto Veríssimo Paulo Amaral Adnan Demachki Jayne Guimarães, Adalberto Veríssimo, Paulo Amaral & Adnan Demachki Belém, 2011 Copyright 2011 by Imazon Realização Instituto do Homem e

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1

AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1 AMAZÔNIA: NOVOS MECANISMOS LEGAIS PARA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO 1 Carlos Felipe de Andrade Abirached², Lívia Marques Borges³ ² Advogado, especialista em Direito Ambiental. Mestrando em Política e Gestão

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países:

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: A Floresta Amazônica A maior floresta tropical do planeta São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: Bolivia Equador Venezuela Colombia Peru Suriname Guiana Guiana Francesa Brasil A Floresta

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Intercâmbio entre Secretarias Municipais de Meio Ambiente de Municípios do Nordeste e Sudeste do Pará

Intercâmbio entre Secretarias Municipais de Meio Ambiente de Municípios do Nordeste e Sudeste do Pará Intercâmbio entre Secretarias Municipais de Meio Ambiente de Municípios do Nordeste e Sudeste do Pará RESUMO DO EVENTO Organização: Imazon e Semma Paragominas. Apoio: Fundo Amazônia/BNDES. Local & data:

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas?

A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas? A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas? * Juliano Assunção, Clarissa Gandour e Rudi Rocha Primeira versão: Março, 2012 Esta versão: Março, 2015 Introdução O desmatamento e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES O COMITÉ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES, tendo em conta o Decreto Estadual nº 54 de 29 de março de 2011, posteriormente

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis construção de uma agenda de cooperação entre organizações da sociedade civil, autoridades públicas locais e órgãos públicos estaduais Contexto 24 municípios

Leia mais

Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor

Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Ações Estratégicas do Agronegócio Soja Responsabilidade Ambiental do Setor Carlo Lovatelli Presidente da São Paulo - SP 8 de novembro de 2011 1 A

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Intercâmbio: Conhecendo o Programa Municípios Verdes do Pará

Intercâmbio: Conhecendo o Programa Municípios Verdes do Pará Intercâmbio: Conhecendo o Programa Municípios Verdes do Pará RELATÓRIO Pará, 06 a 09 de Agosto de 2013 Organização: Instituto Centro de Vida (ICV), The Nature Conservancy (TNC) Instituto Socioambiental

Leia mais

COMISSÃO TEMPORÁRIA - RISCO AMBIENTAL EM MUNIcíPIOS RELACIONADOS PELO INPE PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO

COMISSÃO TEMPORÁRIA - RISCO AMBIENTAL EM MUNIcíPIOS RELACIONADOS PELO INPE PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO MlROVPOO E 1051 COMISSÃO TEMPORÁRIA - RISCO AMBIENTAL EM MUNIcíPIOS RELACIONADOS PELO INPE PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO Presidente: Vice-Presidente: Relator: SENADOR JAYME CAMPOS (DEM-MT) SENADOR JOÃO

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

Pendências fundiárias no Pará

Pendências fundiárias no Pará Pendências fundiárias no Pará Brenda Brito*, Sara Baima, Jamilye Salles No Estado do Pará, a situação fundiária é confusa e associada a conflitos no campo. Apesar de avanços nos últimos anos com a criação

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental)

TERMO DE REFERÊNCIA. Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental) TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico Ambiental e PRA (Projeto de Recuperação Ambiental) 1. Código: TDR_RRB_04 2. Título: Elaboração de diagnóstico ambiental consolidado em campo e PRA (Projeto de Recuperação

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013)

REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013) REDD+ EM MATO GROSSO: RUMO À IMPLEMENTAÇÃO (Lei 9.878/2013) Mato Grosso - Produção Soja 18,81 Milhões de toneladas Milho 2 Safra 8,41 Milhões de toneladas Algodão 1,44 Milhões de toneladas Rebanho 28,7

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Descrição de Posição

Descrição de Posição Descrição de Posição NOME DA POSIÇÃO: Economista Rural Coordenador de Projeto NOME DA FUNÇÃO: CONSERVATION INFORMATION MANAGER V GRUPO DA FUNÇÃO: Conservação NÚMERO DA FUNÇÃO: 200059 GRADE SALARIAL: 7

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Senado Federal. Senador. Brasília DF

Senado Federal. Senador. Brasília DF Senado Federal Senador Brasília DF Apresentação O Cadastro Ambiental Rural CAR é um instrumento de reconhecimento e regularização das propriedades rurais. Foi criado pelo novo Código Florestal Brasileiro,

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia. Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia

Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia. Projeto Assentamentos Sustentáveis na Amazônia INFORMATIVO DO PROJETO ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA (PAS) NÚMERO 1 ANO 1 Paiol rústio de secagem e armazenamento de arroz no lote do Sr. Paulo Ferreira dos Santos, PA Cristalino II, BR-163 (PA).

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES

PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES Consulta Prévia (atualizada em 30 de junho de 2014) PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Out 2012 ÍNDICE FICHA RESUMO DO PROJETO:... 3 1 - PRIMEIRO MÓDULO... 4 CARACTERÍSTICAS E INFORMAÇÕES

Leia mais

Municípios Verdes. Série Integração > Transformação > Desenvolvimento

Municípios Verdes. Série Integração > Transformação > Desenvolvimento Municípios Verdes Série Integração > Transformação > Desenvolvimento 2 FUNDO VALE Municípios Verdes Série Integração > Transformação > Desenvolvimento 1ª edição Rio de Janeiro Fundo Vale 2012 MUNICÍPIOS

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR Programa de Regularização Ambiental- PRA

Cadastro Ambiental Rural CAR Programa de Regularização Ambiental- PRA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Cadastro Ambiental Rural CAR Programa de Regularização Ambiental- PRA Belém- Pará Jun/2015 EVOLUÇÃO DO CAR NO PARÁ 2012-

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

PECUÁRIA DE CORTE EM BUSCA DO CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL

PECUÁRIA DE CORTE EM BUSCA DO CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO E INCENTIVO À PRODUÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES RELATÓRIO DA OFICINA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO

Leia mais

amazonas a força tarefa Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação

amazonas a força tarefa Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação a força tarefa amazonas Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação A Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas GCF é uma plataforma colaborativa

Leia mais

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros Sumário Executivo Maio de 2015 Este sumário executivo apresenta um panorama nacional

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Municípios Prioritários: Reputação ou Fiscalização?

Municípios Prioritários: Reputação ou Fiscalização? Municípios Prioritários: Reputação ou Fiscalização? Juliano Assunção Romero Rocha Agosto de 2014 Um Relatório do Agradecimentos Agradecemos o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e, particularmente Francisco

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Pará DE COMPROMISSO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Pará DE COMPROMISSO Belém-PA, 31 de Janeiro de 2011. TERMO DE COMPROMISSO o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, através dos Procuradores da República subscritos, no regular exercício de suas atribuições institucionais, com base nos

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

www.assentamentosustentavel.org.br

www.assentamentosustentavel.org.br INFORMATIVO DO PROJETO ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA (PAS) NÚMERO 2 SETEMBRO DE 2013 O QUE MUDOU PARA O PEQUENO PRODUTOR RURAL NA AMAZÔNIA? RESERVA LEGAL: são áreas de floresta que devem ser mantidas.

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009

DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009 DEMOCRACIA VIVA 41 JANEIRO 2009 ESPECIAL AMAZÔNIA Articulação nacional contra o desmatamento Adriana Ramos Advogada, pesquisadora do Instituto de Estudos Sociambientais (ISA) O desmatamento da Amazônia

Leia mais

Meio Ambiente propõe mutirão nacional para regularização ambiental de propriedades rurais brasileiras

Meio Ambiente propõe mutirão nacional para regularização ambiental de propriedades rurais brasileiras Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 39/2013 maio Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Meio Ambiente propõe mutirão nacional para regularização ambiental de

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 Projetos no Bioma Amazônia A Critérios Orientadores B C D E F Condicionantes Mínimos para Projetos Modalidades

Leia mais

Observatório de Políticas Públicas de Mudanças Climáticas

Observatório de Políticas Públicas de Mudanças Climáticas Observatório de Políticas Públicas de Mudanças Climáticas Avaliação da Legislação e das Políticas Brasileiras sobre Mudanças Climáticas, Senado Federal- Brasília 17/10/2013 FORUM CLIMA: Ação empresarial

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1

REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1 REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1 Carlos Eduardo Frickmann Young 2 Vivian Mac-Knight 3 Roberta Carvalho Muniz 4 Raphael Simas Zylberberg

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação. Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil

Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação. Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil Apresentação: Paulo Moutinho Diretor Executivo IPAM moutinho@ipam.org.br www.ipam.org.br

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

MARABÁ PARÁ. CONSIDERANDO que o município possui: Área total (Km 2 ): 15.092. Área de desmatada até 2008 (dados preliminares) (km 2 ):7.

MARABÁ PARÁ. CONSIDERANDO que o município possui: Área total (Km 2 ): 15.092. Área de desmatada até 2008 (dados preliminares) (km 2 ):7. AGENDA DE COMPROMISSOS PELA REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS, PELA VALORIZAÇÃO DA FLORESTA E DA ECONOMIA LOCAL E PELO FORTALECIMENTO DA CIDADANIA MARABÁ PARÁ CONSIDERANDO que o desmatamento da floresta

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CRIAÇÃO DE MATERIAL GRÁFICO DOS CONTEÚDOS TEXTUAIS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY,

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CRIAÇÃO DE MATERIAL GRÁFICO DOS CONTEÚDOS TEXTUAIS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, Termo de Referência CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CRIAÇÃO DE MATERIAL GRÁFICO DOS CONTEÚDOS TEXTUAIS DE CONSERVAÇÃO DA THE NATURE CONSERVANCY, NO ESTADO DO PARÁ. INTRODUÇÃO E CONTEXTO A The Nature Conservancy

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015

Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus. Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 Adequação Ambiental /CAR: Programa Soja Pus Cristiane Sassagima Neves Engenheira Florestal Analista de Projetos Aprosoja 2015 MISSÃO Garantir a competitividade e a sustentabilidade dos produtores de soja

Leia mais

Análise da Submissão Brasileira sobre os Níveis de Referência para REDD+ no Bioma Amazônico à UNFCCC 1

Análise da Submissão Brasileira sobre os Níveis de Referência para REDD+ no Bioma Amazônico à UNFCCC 1 Análise da Submissão Brasileira sobre os Níveis de Referência para REDD+ no Bioma Amazônico à UNFCCC 1 Documento de Trabalho DRAFT Versão 1.0-04 Dezembro de 2014 1. Introdução No dia 6 de junho de 2014,

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054

DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054 Nome do projeto Região País DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES DO PROJETO (DIP) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: PIDC1054 Desenvolvimento de sistemas para prevenir incêndios florestais e monitorar a cobertura da vegetação

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Documento de Projeto Projeto Número: 00061740 BRA/08/011 Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Este projeto tem como objetivo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

Monitoramento do Desmatamento em Áreas Protegidas no Pará Sanae Hayashi*, Carlos Souza Jr. & Kátia Pereira

Monitoramento do Desmatamento em Áreas Protegidas no Pará Sanae Hayashi*, Carlos Souza Jr. & Kátia Pereira Monitoramento do Desmatamento em Áreas Protegidas no Pará Sanae Hayashi*, Carlos Souza Jr. & Kátia Pereira O Pará possui 55% do seu território designado como Áreas Protegidas (Terras Indígenas e Unidades

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014. PUBLICADA NO DOE/PA Nº 32594, DE 28/02/2014, CADERNO 5 PÁGINAS 6-8 Data: 26 de fevereiro de 2014. Define procedimentos administrativos para a

Leia mais

Agricultura & Inovação:

Agricultura & Inovação: Agricultura & Inovação: Rota para o Desenvolvimento Sustentável Belém, 03 de setembro de 2012 TRANSFORMAÇÃO Macro-objetivos Macro - objetivos REDUÇÃO DA POBREZA E DAS DESIGUALDADES REGIONAIS PRODUÇÃO CONHECIMENTO

Leia mais

Palavras-chave: Amazônia; Sustentabilidade; Fundo Amazônia.

Palavras-chave: Amazônia; Sustentabilidade; Fundo Amazônia. 97 Projeto Virada Verde Cecília Seravalli Soares * Resumo A Floresta Amazônica é uma das maiores florestas tropicais do mundo, representando 61% do território brasileiro. Muita rica em biodiversidade,

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Propostas de Posição (MMA)

Propostas de Posição (MMA) Rio de Janeiro, 15 de Outubro de 2009 Aos membros do Fórum, Conforme estava previsto, foi realizada no dia 13 de outubro do corrente ano reunião do Presidente da República para tratar da posição da posição

Leia mais