Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho"

Transcrição

1 Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

2 Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Giovanni Moraes, M.Sc Eng. Químico Eng Segurança e Meio Ambiente Mestre em Sistemas de Gestão

3 Disciplina: Gestão de Riscos I Aula 38: Técnicas de Análise de Riscos

4 RECORDANDO CONCEITOS DE AULAS PASSADAS...

5 Por que o gerenciamento de risco? Permite responder as seguintes perguntas: O que pode acontecer? Identificação dos riscos e perigos Com que freqüência? Análise de freqüência dos acidentes Qual a expectativa dos danos? Modelagem de conseqüências. Onde ocorreram eventos parecidos? Análise histórica e plano de contingência. O que pode ser feito para minimizar os efeitos? Analise preliminar de perigos. É viável economicamente e tecnicamente? Análise de custo e benefício Os riscos são aceitáveis? Critérios de aceitabilidade

6 Acidentes Industriais x Impacto Ambiental Impactos Ambientais Acidentes Industriais Liberação com duração de anos, meses ou décadas Escala de Tempo Foco da Análise Liberação com duração de minutos ou horas Degradação do meio ambiente Lesões morte ou danos materiais

7 Vícios da Engenharia O que aprendemos na escola! Como funciona? O que não aprendemos na escola! O que pode dar errado? O que pode acontecer? O que fazer para controlar?

8 Gerenciamento dos Riscos Aplicações diferenciadas Técnica Reativa ADC - Árvore de Causas Investigação de Acidentes M Técnica Pró-Ativa APP - HAZOP Identificação de possíveis eventos e falhas do sistema M T MT MT T M T T M I T

9 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE RISCOS 2.1 Análise Preliminar de Riscos (APR/APP) 2.2 Técnica What if Técnica de Incidentes Críticos (TIC) Análise de Modos de Falhas e Efeitos (AMFE)

10 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE RISCOS HAZard and OPerability Studies (HAZOP) Análise da Árvore de Eventos (AAE) 2.7 Análise de Causas e Consequências (ACC) Análise da Árvore de Falhas (AAF)

11 Vamos falar de algumas Técnicas, com destaque na APR e HAZOP.

12 ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS APR ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APR

13 A Análise Preliminar de Riscos (APR), também conhecida como Análise Preliminar de Perigos (APP), é uma técnica que tem por objetivo identificar os perigos de uma instalação, durante a concepção das etapas de projeto ou das alterações ou mudanças de processo, bem como durante seu funcionamento operacional.

14 CARACTERÍSTICAS DA APR Técnica qualitativa e comumente usava Identificação dos cenários dos acidentes cenários em categorias de frequência de ocorrência e severidade. Medidas para redução dos riscos da instalação. Aplicada no projeto e/ou durante a fase da obra

15 CARACTERÍSTICAS DA APR Falhas humanas Falhas de equipamentos Falhas organizacionais Equipe multidisciplinar Metodologia de aplicação Utilização de planilhas Matriz de risco (frequência x severidade)

16 APP - Análise Preliminar de Perigos A APP teve origem no programa militar americano visando identificar previamente os perigos, pois os acidentes e modificações na fase de pré-operação estavam consumindo muito tempo e dinheiro

17 Definição da APP Avaliação sistemática e indutiva, cujo objetivo é identificar possíveis cenários indesejáveis, inerentes combinando freqüência e conseqüência, visando propor ações de melhoria e/ou medidas mitigadoras. A APP deve ser conduzida em grupo composto por pessoas experientes e conhecedoras do processo em estudo A APP garante respaldo jurídico em caso de acidente

18 Pense no inimaginável, ele realmente pode acontecer! Quase 200 bombeiros e policiais morreram! Os rádios não funcionaram, impedindo o alerta para o abandono; Não considerar estudos de risco sobre a probabilidade da ocorrência.

19 Etapas para Elaborar a Análise Preliminar de Perigos (APP) As metodologias para elaboração de APR/APP não são padronizadas. Vamos apresentar um tipo de metodologia, deixando os alunos livres para concordaram ou procederem a suas convenientes adaptações.

20 Etapas para Elaborar a Análise Preliminar de Perigos (APP) 1 ª Etapa Estudar / apresentar o descritivo do processo 2 a Etapa Entender o comportamento físico-químico das substâncias e identificar equipamentos e atividades críticas 3ª Etapa Divisão dos sub-sistemas 4 ª Etapa Identificação dos eventos indesejáveis Perigos (Preenchimento da planilha) 5 a Etapa Elaborar a Matriz de Risco 6 a Caracterização de Cenários 7 ª Etapa Elaborar plano de ação para implementar as ações corretivas

21 Detalhe das Etapas da APP 1 a Etapa O trabalho da APP deve preceder de uma apresentação sucinta do processo pelo coordenador da equipe ou outra pessoa indicada por ele. Nesta ocasião a equipe deve ser orientada para a forma de condução dos trabalhos, modelos, revisão da técnica horários a serem cumpridos entre outras.

22 Entender o processo como um todo!

23 Identificar e conhecer o processo! Inertização de tanques de petróleo e combustíveis

24 2 a Etapa Detalhe das Etapas da APP A equipe deve considerar a lista de equipamentos críticos, propriedades físico-químicas das substâncias e os impactos ao meio ambiente, trabalhadores e comunidade. É importante consultar o Manual de Procedimento e Operação, FISPQ e bibliografia técnica. 3 a Etapa A divisão em sub-sistemas é importante para organizar os trabalhos e direcionar a equipe evitando dispersar os assuntos a serem discutidos.

25 APP - sub sistemas em estudo

26 Identificar substâncias químicas envolvidas Identificar propriedades físico-químicas, incompatibilidades, efeitos a saúde e ações de controle.

27 Entender o comportamento da matéria!

28 Entender as propriedades físico-químicas Saber a densidade do gás ou vapor permite entender o comportamento em caso de vazamento

29 Informações sobre as substâncias químicas! Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Identificar a classe de risco e propriedades físico-químicas e efeitos sobre a saúde e o meio ambiente

30 Entender os fenômenos físico-químicos Corrosão Transmissão de calor

31 Entender os fenômenos físico-químicos Vácuo

32 Temperatura de auto-ignição de gases e vapores C 2 H 2 305ºC H 2 572ºC CH 4 537ºC C 3 H 6 455ºC

33 Temperatura crítica

34 Pressão de Vapor e Ebulição

35 Comportamento das substâncias químicas Fluxo de calor Taxa de evaporação

36 Identificação das Tarefas

37 BLEVE Boiling Liquid Expanding Vapour Explosion Explosão de Vapor proveniente Líquido em Ebulição 1 Tanque contendo gás liqüefeito fica exposto ao calor ou chama direta. Ao se aquecer, o líquido atinge o ponto de ebulição e começa a passar para a fase gasosa aumentando a pressão. Com o aumento da pressão, a válvula de segurança abre e o gás escapa. O nível do líquido cai e o aquecimento se torna perigoso pois atinge a parte gasosa. 2

38 Entender os Eventos - BLEVE (cont 1.) 3 O calor acelera a vaporização e o recipiente se rompe devido ao enfraquecimento do aço e aumento da pressão. É o início do BLEVE. 4 O tanque se rompe e o gás liqüefeito começa a vazar e vaporizar imediatamente, criando uma grande nuvem de gás inflamável no local.

39 5 Entender os Eventos - BLEVE (cont 2.) Como existe chama e calor no local a nuvem de gás entra em ignição criando uma força capaz de projetar fragmentos a mais de m. 6 A área atingida pelo fogo se alastra na direção da nuvem de gás alcançando um raio de 250 à 400m. A onda de calor queima tudo que estiver próximo instantaneamente.

40 Entender os Eventos - BLEVE (cont 3) O choque de pressão quebra janelas a quilômetros de distância. As chamas formam um cogumelo em torno de o C, causando turbulência no ar e projeção de líquido em ebulição. 7 8 O líquido vaporizado que escapa, queima em menos de um minuto. O líquido remanescente no tanque continua a queimar até que seja totalmente consumido.

41 FILME BHOPAL

42 TIPOS DE PLANILHAS APR/APP

43 Planilha da APP PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7) Coluna 1 - Perigo Coluna 2 - Causas Coluna 3 - Efeitos Coluna 4 - Categoria de Severidade Coluna 5 - Categoria de Freqüência Coluna 6 - Valor do Risco Coluna 7 - Medidas Preventivas / Mitigadoras

44 Planilha da APP - Coluna 1 (Perigo) PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7) Coluna 1: PERIGO Esta coluna deverá conter os perigos identificados para o sistema em estudo e que podem causar dano às instalações, afetar a saúde e impactos ao meio ambiente. Como exemplo temos: vazamento, incêndio, explosões, contaminação, decomposição,etc

45 APP Identificação de Perigos Explosão por sobre pressão Explosão por incidência direta de chama ou reação química

46 APP Identificação de Perigos Afundamento Instabilidade

47 APP Identificação de Perigos Vazamento de gás inflamável Vazamento de gás tóxico não inflamável

48 APP - Eventos Causais Transporte de gases em veículos fechados Manuseio inadequado de materiais

49 APP Identificação de Perigos Vazamento líquido tóxico e inflamável Compressão adiabática

50 APP Identificação de Perigos Decomposição, polimerização e/ou reação em cadeia

51 APP Identificação de Perigos Impacto mecânicos

52 APP Identificação de Perigos Vazamento de gás ou vapor inflamável confinado Vazamento de gás ou vapor inflamável em área aberta

53 PODE-SE PREVER TODOS EVENTOS?

54 APP Identificação de Perigos Liberação Indevida ou Inadequada de Energia Descarte Indevido ou Inadequado de Material Formação Inesperada de Nuvem Inflamável de Pó Ação Indesejável e Inesperada de Animais Ocorrência Ambiental Indesejável e Inesperada Ocorrência Sísmica Indesejável e Inesperada Ocorrência de Processo Indesejável e Descontrolada Ocorrência Pessoal Descontrolada - Pânico

55 APP Identificação de Perigos Bater Contra... ou Atingir a... Ser Atingido por... Trasbordamento Desabamento Contato com Superfície Aquecida ou Criogênica Contato com Superfície Energizada Atmosfera Local Inadequada e Inesperada Perda do Controle sobre Fontes Radioativas Nível Excessivo e Descontrolado de Ruído

56 APP Identificação de Perigos!

57 Planilha da APP - Coluna 2 (Causa) PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7) Coluna 2: CAUSA(S) As causas de cada perigo devem ser listadas nesta coluna. Estas causas podem envolver tanto falhas intrínsecas de equipamentos como erros de operação e problemas de manutenção.

58 APP - Causa dos Acidentes O acidente é o resultado da ocorrência de diversos eventos que se sucedem no tempo!

59 APP - Eventos Causais Colisão (terra) (Instabilidade de carga líquida)

60 APP - Eventos Causais Descarrilamento com vazamento e contaminação

61 APP - Eventos Causais Naufrágio com perda de carga no rio ou mar Trabalho em espaço confinado sem proteção e monitoramento

62 Planilha da APP Coluna 3 (Modo de Detecção e Efeitos) PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7) Coluna 3: EFEITO(S) Possíveis efeitos danosos de cada perigo identificado.

63 APP Efeitos Eventos Conseqüênciais

64 APP Efeitos Eventos Conseqüênciais Projeção de fragmentos Contaminação de solo, ar e água (ação seqüencial)

65 APP Efeitos Eventos Conseqüênciais Explosão de tanques e afundamento da P-36

66 APP Efeitos Eventos Conseqüênciais Possíveis no acionamento das válvulas automáticas dos tanques de petróleo resulta na inclinação na P-34

67 APP Efeitos Eventos Conseqüênciais Asfixia e intoxicação Lesões diversas

68 APP Efeitos Eventos Conseqüênciais Queimadura a quente Queimadura a frio

69 Possíveis problemas durante APP Importante visitar local e conhecer instalações O desenho está diferente no local O procedimento existente não é a revisão mais nova As instalações apresentam problemas de manutenção; Existem contratados sem qualificação na tarefa; Os sistemas de segurança previstos não estão instalados; Se estiver na fase de projeto, visitar instalações similares

70 Planilha APP-Coluna 4 (Categoria Severidade) PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7)

71 Planilha APP-Coluna 4 (SEVERIDADE) CATEGORIA I Desprezível: A falha não irá resultar em uma degradação maior do sistema, nenhuma lesão é esperada, não contribuindo para um aumento do risco ao sistema CATEGORIA II - Marginal ou Limítrofe: A falha irá degradar o sistema em uma certa extensão, porém sem comprometê-lo seriamente, nem causar lesões graves (danos controláveis). CATEGORIA III - Crítica: A falha causará danos substanciais ao sistema, provocando lesões e resultando em risco inaceitável (ações preventivas e corretivas imediatas são requeridas). CATEGORIA IV - Catastrófica: A falha irá produzir severa degradação ao sistema e ao meio ambiente, resultando em perda total, lesões graves e mortes (ações preventivas e corretivas imediatas).

72 Planilha APP-Coluna 4 (SEVERIDADE) CATEGORIA I Desprezível: Sem danos ou danos insignificantes aos equipamentos, à propriedade e/ou ao meio ambiente; não ocorrem lesões/mortes de funcionários e de terceiros; o máximo que pode ocorrer são casos de primeiros socorros. CATEGORIA II - Marginal - Danos leves aos equipamentos, à propriedade e/ou ao meio ambiente (os danos materiais são controláveis e/ou de baixo custo de reparo); Lesões leves em empregados, prestadores de serviço ou em membros da comunidade.

73 Planilha APP-Coluna 4 (SEVERIDADE) CATEGORIA III Crítica Danos severos aos equipamentos, à propriedade e/ou ao meio ambiente; lesões de gravidade moderada em empregados, prestadores de serviço ou em membros da comunidade (probabilidade remota de morte); exige ações corretivas imediatas para evitar seu desdobramento em catástrofe. CATEGORIA IV - Catastrófica Danos irreparáveis aos equipamentos, à propriedade e/ou ao meio ambiente (reparação lenta ou impossível); provoca mortes ou lesões graves em várias pessoas (empregados, prestadores de serviço ou em membros da comunidade).

74 Planilha APP-Coluna 5 (CF =Frequência) PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7)

75 CATEGORIA DE FREQUÊNCIA CAT FREQ DENOMINAÇÃO DESCRIÇÃO A EXTREMAMENTE REMOTA Conceitualmente possível, mas extremamente improvável de ocorrer durante a vida útil do processo / instalação. B REMOTA Não esperado ocorrer durante a vida útil do processo / Instalação C IMPROVÁVEL Pouco provável de ocorrer durante a vida útil do processo / Instalação D PROVÁVEL Esperado ocorrer até uma vez durante a vida útil do processo / instalação. E FREQUENTE Esperado ocorrer várias vezes durante a vida útil do processo / instalação.

76 Esta avaliação de frequência poderá ser determinada pela experiência dos componentes do grupo ou por banco de dados de acidentes (próprio ou de outras empresas similares).

77 Planilha APP - Coluna 6 - Valor do Risco PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7) Coluna 6: VALOR DO RISCO (VR) Determinação qualitativa, via conseqüência e probabilidade de ocorrência, resultando em combinação de pares ordenados de uma matriz de risco. CONFIRA A SEGUIR A MATRIZ DE RISCO

78 MATRIZ DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS

79 Legenda da Classificação de riscos SEVERIDADE FREQUÊNCIA RISCO I Desprezível A Extremamente Remota 1 Desprezível II III IV Marginal B Remota 2 Menor Crítica C Improvável 3 Moderado Catastrófica D Provável 4 Sério

80 S e v e r i d a d e MATRIZ DE RISCOS F r e q u ê n c i a A B C D E IV III II I

81 OUTRA FORMA DE ELABORAR A MATRIZ DE RISCOS

82 Risco - Combinação de Probabilidade e Conseqüência Avaliação de riscos: processo sistemático de estimar a magnitude e se o mesmo pode ser considerado aceitável pela Organização e/ou órgãos ambientais. Efeitos imediatos - Lesões, morte ou perda material Exposição continuada - Efeitos a longo prazo Emissões prolongadas - Degradação gradual ambiental

83 CATEGORIA DE CONSEQÜÊNCIA IV III II I D C B A CATEGORIA DE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA

84 CATEGORIA DE CONSEQÜÊNCIA IV VRM VRS VRC VRC III VRB VRM VRS VRC II VRD VRB VRM VRS I VRD VRD VRB VRM D C B A CATEGORIA DE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA

85 QUAL A LINHA DE CORTE? Valor de Risco Crítico (VRC)? Valor de Risco Sério (VRS)? Valor de Risco Moderado (VRM)? Valor de Risco Baixo (VRB)? Valor de Risco Desprezível (VRD)?

86 Planilha APP - Coluna 6 - Valor do Risco Coluna 6: VALOR DO RISCO (VR) Valor de Risco Crítico (VRC): pares ordenados: IVA; IVB; IIIA; Valor de Risco Sério (VRS): pares ordenados: IIA; IIIB; IVC; Valor de Risco Moderado (VRM): pares ordenados: IA; IIB; IIIC; IVD; Valor de Risco Baixo (VRB): pares ordenados: IB; IIC; IIID; Valor de Risco Desprezível (VRD): pares ordenados: IC; ID; IID. Confira os pares ordenados na planilha a seguir

87 Risco e Probabilidade Acreditem! O raio pode cair duas vezes no mesmo lugar

88 Planilha da APP - Coluna 7 (Medidas Preventivas / Corretivas) PERIGO CAUSA(S) EFEITO(S) CATEGORIA DE SEVERIDADE C.F VR MEDIDAS PREVENTIVAS/ CORRETIVAS (coluna 1) (coluna 2) (coluna 3) (col. 4) (col. 5) (col. 6) (col. 7) Coluna 7: MEDIDAS PREVENTIVAS/CORRETIVAS São medidas utilizadas para evitar/minimizar o evento e suas conseqüências, sugeridas pela equipe que participou da APR.

89 APP - Medidas Preventivas Plano de emergência e treinamento interno Estudo de compatibilidade e segurança de embalagem

90 APP - Medidas Mitigadoras Uso de proteção individual e coletiva

91 APP - Medidas Preventivas Sinalização, ventilação, proteção contra incêndio, disposição de resíduos, limpeza e organização

92 APP - Medidas Mitigadoras Inspeção periódica, ensaios não destrutivos Monitoramento contínuo

93 APP - Medidas Mitigadoras Programa de manutenção preventiva e preditiva

94 APP - Medidas Mitigadoras Qualificação e treinamento

95 APP - Medidas Preventivas Controle de processo e redundâncias de segurança

96 APP - Medidas Preventivas Instalação e inspeção dos dispositivos de segurança.

97 APP - Medidas Mitigadoras Elaborar procedimentos Identificar e minimizar os impactos ambientais

98 APP - Medidas Preventivas Qualificação e disponibilidade de recursos humanos e materiais

99 APP - Medidas Preventivas Substituição de produtos impactantes

100 APP - Medidas Preventivas Sinalizar o local de trabalho

101 APP - Medidas Preventivas Etiquetagem e bloqueio

102 PODEMOS TAMBÉM REALIZAR APR/APP AMBIENTAL CONFIRA!

103 APP Ambiental Pode também ser utilizada para a identificação de eventos com potencial de impacto ambiental. Sugerimos que seja elaborado de forma específica. - Fluxo de Carga Poluidora (FCP) - Intervalo de Tempo (IT) - Intensidade de Impacto (II) - Capacidade de Suporte do Meio (CSM) - Tempo de Limpeza e Recuperação do Meio Ambiente - Matriz de Risco Ambiental

104 APP Ambiental Fluxo de Carga Poluidora (FCP) Baixo Liberação de pequenas vazões de substâncias poluentes (rompimento de pequenos reservatórios, tubulações de pequeno diâmetro). Alto Liberação de grandes vazões de substâncias poluentes (rompimentos de tanques, tubulações de grande diâmetro entre outras) ou pequenas vazões de substâncias altamente poluentes (Ex.: askarel).

105 APP Ambiental Intervalo de Tempo (IT): Intervalo de tempo pode ser classificado conforme tabela abaixo. Intervalo de Tempo (minutos) Ar Água Fluxo de carga poluidora Fluxo de carga poluidora Baixo Alto Baixo Alto Pequeno < 30 < 5 < 60 < 30 Grande >30 > 5 > 60 > 30

106 APP Ambiental Intensidade do Impacto (II) Cruzamento das situações de fluxo de carga poluidora (FCP) com Intervalo de tempo (IT) resultando em impacto: Alto, Médio e Baixo.

107 APP Ambiental Capacidade de Suporte do Meio (CSM) Alta Elevada resistência do meio à contaminação ou elevada capacidade de dispersão (ex: solos pavimentados, no caso de liberação de poluentes para o solo, de lançamento de efluentes em grandes corpos d água como rios ou mar, chaminés com altura maior que 100 metros, no caso de emissões atmosféricas).

108 APP Ambiental Capacidade de Suporte do Meio (CSM) Média Moderada resistência do meio à comunicação ou moderada capacidade de dispersão (ex.: solos argilosos, no caso de liberação de poluentes para o solo; chaminés com altura entre 20 a 100 metros, no caso de emissões atmosféricas).

109 APP Ambiental Capacidade de Suporte do Meio (CSM) Baixa Reduzida resistência do meio à contaminação ou reduzida capacidade de dispersão (ex.: solos arenosos, no caso de liberação de poluentes para o solo, lançamento de efluentes em corpos d água; emissões a altura menor que 20 metros, no caso de emissões atmosféricas).

110 Tempo de limpeza e recuperação APP Ambiental Tempo de Limpeza e Recuperação do Meio Ambiente Tabela 2 Categorias de severidade considerando o tempo de limpeza e recuperação Categoria de Severidade (C.F) Denominação Menor que 1 dia I Baixa Maior que 1 dia e menor que 1 mês II Moderada Maior que 1 dia e menor que 6 meses III Séria Maior que 6 meses IV Crítica

111 HAZOP - HAZARD and OPERABILITY SIGNIFICADO / HISTÓRICO IMPORTÂNCIA TÉCNICAS AUXILIARES

112 HAZOP - HAZARD and OPERABILITY A técnica denominada HAZOP Estudo de Perigos e Operabilidade visa identificar os perigos e os problemas de operabilidade de uma instalação de processo. Esta metodologia é baseada em um procedimento que gera perguntas de maneira estruturada e sistemática através do uso apropriado de um conjunto de palavras-guias.

113 HAZOP - HAZARD and OPERABILITY Os principais objetivos da técnica ou metodologia HAZOP são: Identificação de perigos e desvios operacionais; Causas geradoras de cada desvio; Meios de detecção; Consequências de cada desvio; Recomendações.

114 HAZOP - HAZARD and OPERABILITY O principal objetivo de um Estudo de Perigos e Operabilidade (HAZOP) é investigar de forma minuciosa e metódica cada segmento de um processo, visando descobrir todos os possíveis desvios das condições normais de operação, identificando as causas responsáveis por tais desvios e as respectivas consequências.

115 OBJETIVOS HAZOP Método recomendado para identificar os perigos inerentes a plantas de processo, assim como problemas operacionais que podem prejudicar a eficiência operacional e a qualidade do produto. O HAZOP possui a vantagem de ser feito de modo sistemático, reduzindo assim as chances de que algo seja esquecido.

116 OBJETIVOS HAZOP Se, durante o processo de identificação dos problemas, uma solução se tornar aparente, ela deve ser registrada como parte dos resultados do HAZOP. Porém, deve-se ter o cuidado de não se procurar soluções, porque o objetivo básico do HAZOP é a identificação de problemas.

117 Objetos do HAZOP IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS E DESVIOS OPERACIONAIS; CAUSAS GERADORAS DE CADA DESVIO; MEIOS DE DETECÇÃO; CONSEQUÊNCIAS DE CADA DESVIO; RECOMENDAÇÕES.

118 FILME PIPER ALPHA

119 TIPOS DE HAZOP RELAÇÃO DE INSPEÇÃO RISCO-OPERAÇÃO; HAZOP BASEADO NO CONHECIMENTO; HAZOP FATOR HUMANO; HAZOP PALAVRAS GUIAS ( + UTILIZADO ).

120 ENFOQUE IDENTIFICAR, ATRAVÉS DE EXAMES DE CADA SEGMENTO, POSSÍVEIS DESVIOS DE CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO, SUAS CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS.

121 TIPOS DE PALAVRAS GUIA GERAIS: REAÇÃO, TRANSPARÊNCIA, MAIS, MENOS... ESPECÍFICAS: PRESSÃO, TEMPERATURA... )

122 PALAVRAS-GUIA Palavra-Guia NENHUM MENOS MAIS EM PARTE TAMBÉM REVERSO OUTRO Significado Inexistência (quantitativa) do parâmetro Decréscimo quantitativo Acréscimo quantitativo Decréscimo qualitativo Acréscimo qualitativo Parâmetro em sentido oposto ao normal Substituição completa

123 PALAVRAS GUIAS PARA IDENTIFICAR TAREFAS CRÍTICAS PARÂMETRO Quão rápido? Quão freqüente? Quem deve fazer? OBJETIVO Por que esta rapidez? Por que esta freqüência? Por que este alguém? DESVIO E se for feito mais rápido? E se for feito mais lento? E se for feito com mais freqüência? E se for feito com muito mais freqüência? E se não for feito? E se outra pessoa fizer?

124 DESVIO PADRÃO: NENHUM FLUXO É possível ocorrer ausência de fluxo? Como isto poderia ocorrer? Quais são as conseqüências de uma ausência de fluxo? Elas são perigosas ou representam um estado operacional anormal?

125 DESVIO PADRÃO: NENHUM FLUXO Se perigosas, é possível prevenir a ausência de fluxo ou se proteger em relação às conseqüências por meio de modificação do projeto ou do modo operacional? Se possível, a freqüência de ocorrência dessa falha e suas conseqüências justificam a despesa adicional em que se vai incorrer?

126 PERIGOS EM OUTRO ESTÁGIO Vale a pena lembrar que o desvio em um estágio ou etapa da seqüência de um processo em batelada, ou num momento particular pode não necessariamente resultar em um perigo naquele momento ou etapa, mas pode se manifestar em outro estágio ou mais tarde.

127 PERIGOS EM OUTRO ESTÁGIO Uma carga incorreta de um reator num processo em batelada pode ser realizada com completa segurança durante a seqüência de carregamento, porém pode gerar problemas numa etapa subseqüente da reação.

128 PERIGOS EM OUTRO ESTÁGIO Vale a pena lembrar que o desvio em um estágio ou etapa da seqüência de um processo em batelada, ou num momento particular pode não necessariamente resultar em um perigo naquele momento ou etapa, mas pode se manifestar em outro estágio ou mais tarde.

129 QUESTIONÁRIO ABERTO O HAZOP possui natureza de questionário aberto onde todos precisam participar efetivamente. Para isto, um clima de abertura necessita ser criado e incentivado para que todos se sintam à vontade para expor o que pensam. A ausência deste clima torna o processo inútil.

130 CONCLUSÃO E ANÁLISE CRÍTICA A implantação do HAZOP necessita basicamente de informações e de pessoal ligados diretamente ao processo produtivo. Ponto positivo: para um sistema simples, o baixo custo, já que não é necessário equipamento sofisticado, mão-de-obra altamente especializada ou softwares onerosos.

131 CONCLUSÃO E ANÁLISE CRÍTICA É importante lembrar que o sucesso do HAZOP depende diretamente da competência do pessoal envolvido, visão apurada do processo, implantação e aplicação criteriosa.

132 PARA SE TER ÊXITO NA ANÁLISE POR HAZOP DEVE-SE TER... ORGANIZAÇÃO; PRECISÃO E PERFEIÇÃO DOS DESENHOS E DADOS; VISÃO E INTERAÇÃO DO GRUPO; HABILIDADE DO GRUPO.

133 DEFINIÇÃO DOS PROPÓSITOS, OBJETIVOS E ESCOPO DE ESTUDO SEMPRE DEVEM SER O MAIS EXPLÍCITO POSSÍVEL

134 RAZÕES QUE JUSTIFICAM O HAZOP CHECAGEM E VERIFICAÇÃO DA SEGURANÇA DO PROJETO; DECISÃO DE SE CONSTRUIR E EM QUE LOCAL SERÁ FEITO; DECISÃO DE COMPRA DE EQUIPAMENTOS; CHECAGEM DE PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO / SEGURANÇA; MELHORIA CONTÍNUA DO SISTEMA EXISTENTE.

135 PLANILHA DE HAZOP SISTEMA: NÓ DE ESTUDO: PARÂMETRO PALAVRA- GUIA DESVIO CAUSAS CONSEQUÊNCIAS DETECÇÃO RECOMENDAÇÕES

136 DIVIDIR O SISTEMA EM NODOS DE ESTUDO SELECIONAR UM NODO DEFINIR O PARÂMETRO DO PROCESSO FLUXOGRA MA DE PALAVRAS - GUIA APLICAR TODAS AS PALAVRAS-GUIAS, SEQUENCIALMENTE, PARA O PARÂMETRO EM ESTUDO, REGISTRANDO OS DESVIOS REGISTRAR CAUSAS, CONSEQUÊNCIAS E SOLUÇÕES SUGERIDAS SIM ALGUM RISCO OU PROBLEMA OPERACIONAL? DÚVIDA OBTER MAIS INFORMAÇÃO NÃO

137 EXEMPLO DE RELATÓRIO HAZOP Folha: 01/01 Data: Palavra- Guia Relatório HAZOP Sistema: Mistura Ácido fosfórico e amônia Nodo 1: Linha de Ác. fosfórico Parâmetro de processo: Fluxo Desvio Causas Conseqüências Providências sugeridas Nenhum Nenhuma vazão Válvula A falha fechada. Estoque de Ác. fosfórico esgotado. Entupimento ou rutura da tubulação Menos Menos vazão Válvula A parcialmente fechada. Entupimento parcial ou vazamento na tubulação. Excesso de amônia no reator. Liberação de amônia para área de trabalho. Excesso de amônia no reator. Liberação de amônia para área de trabalho. Mais Mais vazão Válvula A falha aberta. Excesso de Ác. fosfórico (degradação do produto final). Nenhum perigo para área de trabalho. Em parte Menor concentração de Ác. fosfórico (vazão normal) Fornecedor entrega produto de concentração inferior. Erro no enchimento do tanque de Ác. fosfórico. Excesso de amônia no reator. Liberação de amônia para área de trabalho. Intertravamento automático entre as válvulas A e B de forma que seja mantida a proporção adequada de cada produto (Ác. fosfórico e amônia) no reator. Idem anterior Controle automático do sistema de intertravamento das válvulas A e B. Interligação a painel de controle com presença do operador. Controle da concentração de Ác. fosfórico no tanque. Análise do produto no recebimento.

138 Caso (1) - Enchimento de Tanque de LOX

139 Caso 2 - Enchimento de Carreta de GLP

140 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

141 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

142 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

143 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

144 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

145 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

146 APP e Hazop Organização e Comportamento da Equipe

147 APP E HAZOP Formação de equipe Estabelecer um coordenador; Homogeneizar o conhecimento sobre a técnica; Formar uma equipe multi disciplinar; Evitar discussões paralelas; Respeitar o ponto de vista dos colegas; Propor ações mitigadoras factíveis; Cuidar dos prazos sem comprometer a análise; Ajudar o grupo a manter a análise centrada no assunto

148 APP E HAZOP Formação de equipe Equipe - 5 a 8 participantes Líder - Conhecedor das técnicas, deve orientar os demais participantes, coordenar as reuniões, cobrar as pendências de reuniões e trabalhos anteriores. Especialistas - Gerente, engenheiros ou supervisores

149 APP E HAZOP - Aplicação da Técnica Reuniões com no máximo 3 h de duração Divisão do processo em unidades de análise (sub-sistemas) Preenchimento das planilhas Levantamento das estatísticas dos cenários Análise dos resultados e elaboração de relatório

150 APP e HAZOP - Documentação Desenho da instalação; Descritivo do processo; Ficha de informação de segurança produtos químicos Fluxograma de engenharia (P&I - Piping and Instrumentation Diagrams); Fluxograma de processo e diagrama de bloco; Descrição dos equipamentos e instrumentação.

151 APP e HAZOP - Atribuições do Coordenador Conhecer o processo e dispor de documentação; Motivar a participação da equipe; Consultar outros técnicos, quando necessário; Planejar e preparar as reuniões; Distribuir e cobrar tarefas; Negociar adequadamente a formação da equipe Conhecer outras técnicas de gerenciamento de risco; Ser objetivo e claro, otimizando as reuniões e o relatório Buscar um nível adequado de análise.

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR. Francisco J. M. Chaves ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR ANÁLISE DE RISCOS No início da década de 60, a indústria de processamento apresentou um grande avanço tecnológico, com a utilização de condições de pressão e temperaturas

Leia mais

Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP

Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP Módulo 4 Metodologias de análise de risco: APP, What if, AAF e HAZOP Metodologias para análise de riscos/perigos APP ou APR Análise Preliminar de Perigo/Risco What if O que aconteceria se? AAF Análise

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98

BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98 BOLETIM TÉCNICO Ano III / N o 01 Janeiro-Fevereiro/98 ANÁLISE DE RISCO 1. INTRODUÇÃO A utilização da Análise de Riscos, em atividades industriais ou não, tem como objetivo minimizar o potencial de ocorrência

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

CURSO MULTIPLICADORES NR-20

CURSO MULTIPLICADORES NR-20 CURSO MULTIPLICADORES NR-20 MÉTODOS DE ANÁLISE DE RISCO Data: 29 de maio de 2014 Local: Uberlândia CREA-MG Realização: Prevenir/Fundacentro Apoio: Crea-MG/ Asseng José Possebon ANÁLISE DE RISCOS APR AMFE

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis MÉTODOS DE ANÁLISE DE RISCOS

Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis MÉTODOS DE ANÁLISE DE RISCOS Treinamento Multiplicadores NR 20 Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis MÉTODOS DE ANÁLISE DE RISCOS ANÁLISE DE RISCOS APR AMFE (FMEA) HAZOP WHAT IF SÉRIE DE RISCOS ÍNDICE DOW ANÁLISE

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D4 DISCIPLINA: GERÊNCIA DE RISCOS I

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D4 DISCIPLINA: GERÊNCIA DE RISCOS I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M3 D4 DISCIPLINA: GERÊNCIA DE RISCOS I GUIA DE ESTUDO PARTE III TÉCNICAS DE ANÁLISE DE RISCOS AULA 38 PROFESSOR AUTOR: ENG. JOSEVAN URSINE

Leia mais

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001

Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Metodologia para classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001 Alexsandro da Silva Cardoso (UERJ) asc@csn.com.br Doninzeti Ferreira de Oliveira (UERJ) doninzeti@csn.com.br Edson

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA.

Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Treinamento e-learning Gerenciamento de Riscos e Técnicas para Análise de Riscos: APP, What if, AAF, HAZOP, FMEA. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica

Leia mais

O ESTUDO DE PERIGO E OPERABILIDADE (HAZOP)

O ESTUDO DE PERIGO E OPERABILIDADE (HAZOP) O ESTUDO DE PERIGO E OPERABILIDADE (HAZOP) P.E.Pascon Auditorias ou inspeções podem identificar perigos numa planta existente, mas outros métodos são necessários durante um projeto. As vezes, utilizam-se

Leia mais

Análise e Gerenciamento de Risco

Análise e Gerenciamento de Risco Análise e Gerenciamento de Risco Introdução APR HAZOP Árvores Versão: Setembro de 2015 Risco Risco Risco Risco f (frequência, severidade) Risco f (frequência, severidade) Frequência Seguros Probabilidade

Leia mais

GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2

GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2 Blumenau, v.4, n.1, p.43-56, Sem I 2010. GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2 RESUMO Gestão do

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

NORMA EM REVISÃO NORMA TÉCNICA P4.261. Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos. Mai/2003 122 PÁGINAS

NORMA EM REVISÃO NORMA TÉCNICA P4.261. Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos. Mai/2003 122 PÁGINAS NORMA TÉCNICA P4.261 Mai/2003 122 PÁGINAS Manual de orientação para a elaboração de estudos de análise de riscos Companhia Ambiental do Estado de São Paulo Avenida Professor Frederico Hermann Jr., 345

Leia mais

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO

TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO TRANSPORTE E MANUSEIO DE PRODUTO QUÍMICO ÍCARO LOGÍSTICA AMBIENTAL QUÍMICO ORION DE VARGAS FLORES TELEFONE COMERCIAL: 51-3051-7544 TELEFONE DE EMERGÊNCIA: 51-9918-9135 icaroamb@cpovo.net orion.phoenix@terra.com.br

Leia mais

METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCOS APP & HAZOP

METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCOS APP & HAZOP METODOLOGIAS DE ANÁLISE DE RISCOS APP & HAZOP Prof a. Laís Alencar de Aguiar Rio de Janeiro - RJ SUMÁRIO 1 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP 2 1.1 Objetivo 2 1.2 Aplicação 2 1.3 Dados Necessários 2 1.4

Leia mais

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico José Possebon 20/10/2010 Características do GLP O GLP normalmente é uma mistura de propano e butano e sua composição é

Leia mais

Módulo 3: Técnicas de Identificação de Perigos: HAZOP e APP

Módulo 3: Técnicas de Identificação de Perigos: HAZOP e APP APOSTILA DO CURSO SOBRE ESTUDO DE ANÁLISE DE RISCOS E PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Relatório Nº: Apostila Análise Risco/2006 Revisão Nº: 2 Módulo 3: Técnicas de Identificação de Perigos: HAZOP e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: CLASSIFICAÇÃO DE RISCOS DA ONU, PAINEL DE SEGURANÇA E RÓTULO DE RISCOS 1. Introdução Por Edson Haddad, Ricardo Serpa e Rodolfo Arias As atividades que

Leia mais

Prevenção e Combate a Incêndios

Prevenção e Combate a Incêndios Prevenção e Combate a Incêndios Fogo É uma forma de combustão Combustão É uma forma de oxidação Incêndio É um acidente provocado pelo fogo Analogias Geométricas do Fogo Triângulo do Fogo Tetraedro do Fogo

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA EM VASOS DE PRESSÃO ESFÉRICOS CONTENDO GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA EM VASOS DE PRESSÃO ESFÉRICOS CONTENDO GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA EM VASOS DE PRESSÃO ESFÉRICOS CONTENDO GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO Luciano de Oliveira Castro Lara Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ castrolara@hotmail.com

Leia mais

Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno.

Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno. Riscos na armazenagem e manuseio de produtos inflamáveis em contentores metálicos e de polietileno. Oscar D. F. Abreu Gerente de Fábrica 11 45479952 oscar@bbquimica.com.br Agosto 2012 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D

Parte III Classes de temperatura, documentação, exemplos em CAD 2D e CAD 3D 32 Capítulo VIII Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas (com atmosferas explosivas de gases inflamáveis e de poeiras combustíveis em maquetes eletrônicas utilizando

Leia mais

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos

Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA Tipos de Embalagens Usadas para o Transporte de Materiais Radioativos Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES NOME DO PRODUTO: BRANCOL 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome da Empresa: Petra Química Matriz: Estrada do Barreiro, 136 Gleba Nova Ukrânia - CEP: 86.800-970 - Apucarana/PR Fone: (43) 4104-0224

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS (FISPQ) 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: PDC Polymer Dust Cover Uso: Antipó, melhorador de resistência e impermeabilizante.

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 (1) Rogério Pereira da Silva Resumo Este trabalho tem como objetivo geral apresentar uma forma de Adequação a NR-10 e a elaboração do Prontuário. Descrevendo

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu São Paulo, 01 de Outubro de 2010 Nomes: Cícero Marcelino RA: 200509458 Daniele Teixeira RA: 200605045 Edson Pereira RA: 200607727 Matheus Monteiro RA: 200709765 Rodrigo Pavin

Leia mais

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos

01 Identificação do produto e da Empresa. 02 Composição e informações sobre os ingredientes. 03 Identificação de perigos Página: 01/05 01 Identificação do produto e da Empresa Natureza Química : Limpador de Uso Geral Autorização de Funcionamento / MS : nº 3.02.599-9 Registro no Ministério da Saúde : 3.2599.0103.001-4 Aceita

Leia mais

Incêndio em Veículos com GNV

Incêndio em Veículos com GNV 1/4 1. FINALIDADE Padronizar e minimizar a ocorrência de desvios na execução de tarefas fundamentais para o funcionamento correto do processo de atendimento de ocorrências emergenciais do tipo EM VEÍCULOS

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

05.0501 Amaciante Ypê Aconchego

05.0501 Amaciante Ypê Aconchego Página 1 de 7 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1. Nome do 1.2. Código do Produto: 1.3. Aplicação Produto para tratamento de roupas.

Leia mais

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos

Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos F-MEA Análise do Modo de Falhas e Seus Efeitos ADPO ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1 F-MEA Failure Mode and Effects Analisys Conceito É uma metodologia analítica utilizada para garantir que problemas

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT. Utilizado como antioxidante.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT ANTIOXIDANTE BHT. Utilizado como antioxidante. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Utilizado como antioxidante. Cas number: 128-37-0 Empresa: Endereço: Basile Química

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO - APP UNIDADE DE REGASEIFICAÇÃO Sub-subsistema: Navio de Transporte de GNL ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO APP Vazamentos Danos aos tanques de Formação de Visual Seguir rigorosamente

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO

METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO METODOLOGIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCOS DE UM NAVIO DE TRANSPORTE DE GÁS NATURAL COMPRIMIDO Marcelo Ramos Martins Professor Doutor do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Universidade de

Leia mais

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP

Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP Avaliação e Gestão de Riscos Industriais Refinaria Gabriel Passos REGAP - João Eustáquio Beraldo Teixeira Engenheiro de Segurança do Trabalho - Marcos José Jeber Jardim Gerente de Segurança. Meio Ambiente

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO. Pág. 1 de 107

ANÁLISE DE RISCO. Pág. 1 de 107 Pág. 1 de 107 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...4 1.2 RESULTADOS E CONCLUSÕES...6 Risco Individual...6 Risco Social...7 1.3 RESULTADOS E CONCLUSÕES COM AS MEDIDAS MITIGADORAS...8 1.3 INTRODUÇÃO...10

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Acelerador de vulcanização Cas number: 102-77-2 Empresa: Endereço: Basile Química Ind.

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais

Referências - Item 32.3.8 / Subitem 32.3.8.1.1 - Dos Gases Medicinais 1801 a) Preto: Líquidos inflamáveis e combustíveis; b) Amarelo: Gás não liquefeito (ex: gás natural); c) Azul: Ar comprimido; d) Verde: Mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) e água industrial;

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 ACELERADOR DE VULCANIZAÇÃO MBTS-80 Folha: 1 / 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Master de acelerador de vulcanização de borracha MBTS-80. Acelerador de vulcanização;

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS, ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE RISCOS

TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS, ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE RISCOS TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS, ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE RISCOS 1 TÉCNICAS DE IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS, ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE RISCOS TÉCNICA SÉRIE DE RISCO (SR) Determina qual foi o agente diretamente

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104

Sistema de Gestão da Qualidade: NBR ISO 9001 Ficha de Segurança de Produto: LAB TIN 3104 Código: FSP-261 Revisão: 1 Página: 1/5 1 Informação do produto e da empresa Nome do produto: LAB TIN 3104 Nome da empresa: Lab Analítica e Ambiental Ltda. Endereço: Rodovia Geraldo Scavone, 2300 Condomínio

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos FORTEX Ficha de Segurança Nome do Produto: MASSA PVA FORTEX Data de Revisão: 15/08/2013 Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS DE ACIDENTES EM ÁREAS DE CALDEIRAS

GERENCIAMENTO DE RISCOS DE ACIDENTES EM ÁREAS DE CALDEIRAS GERENCIAMENTO DE RISCOS DE ACIDENTES EM ÁREAS DE CALDEIRAS Ricardo Luis Alves da Silva (IFPE) ricardoalves@recife.ifpe.edu.br FABIOLA ARRUDA DOS SANTOS (IFPE) fabiolaarrudaf@hotmail.com DAIANNY DOS SANTOS

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 21/10/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão 1. Introdução 2. Tipos a. Aquotubular b. Flamotubular c. Mistas 3. Partes internas a. Economizadores b. Paredes dágua c. Superaquecedores d. Feixes tubulares e. Válvulas 4. Partes Externas a. Desaeradores

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPA INOX MALTEX Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) 01/05 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa inox Maltex. Aplicação: O remove manchas e amarelados de utensílios de

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação

Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação Nuvem de Vapor Inflamável: Prevenção, Detecção e Mitigação INTRODUÇÃO A nuvem de vapor é um dos maiores perigos nas áreas produtivas onde ocorrem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios

Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Módulo 3 Conceitos: identificação, registros, avaliação de significância de aspectos e impactos ambientais, analise de risco e controles / Exercícios Registros de aspectos ambientais Três fases podem ser

Leia mais

Paraformaldeido Página 1 de 5 FISPQ nº: 002.067 Ultima Revisão: 07/07/2005

Paraformaldeido Página 1 de 5 FISPQ nº: 002.067 Ultima Revisão: 07/07/2005 Paraformaldeido Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Paraformaldeido Código do produto : 002.067 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190 : Metalloys &

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: COLA PVA EXTRA FORMICA Nome da empresa: Formiline Indústria de Laminados Ltda. Endereço: Estrada Portão do Honda, 120 Rio Abaixo

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

Toner Cartridge -Black/Cyan/Magenta/Yellow

Toner Cartridge -Black/Cyan/Magenta/Yellow Página 1 / 6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS de acordo com o Sistema Global Harmonizado SDS # : A-1057 Data de edição: 2008-10-13 Data de revisão: 2015-05-04 Versão 1 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer

Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Tema DoE Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia da Produção Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE DoE Dr. Egon Walter Wildauer Introdução O DoE Design of Experiments é uma ferramenta

Leia mais

Argônio Altamente Refrigerado

Argônio Altamente Refrigerado 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Argônio Gás Altamente Refrigerado Registrante: AGA S/A Alameda Mamoré, 989-12 o andar - Alphaville 06454-040 Barueri - SP Tel: 11-4197-3456 Telefone

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PÁGINA: 1/5 SEÇÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: BIOCLEANER CÓDIGO DE IDENTIFICAÇÃO: 0120/5521 NOME DO FABRICANTE: BIOCHEMICAL PRODUTOS QUIMICOS LTDA ENDEREÇO: RUA: PAPA SÃO

Leia mais

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br

TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA. Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS ANALISE DE RISCO ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA Mauro Gomes de Moura maurogm@fepam.rs.gov.br PERFIL DOS ACIDENTES ATENDIDOS PELA FEPAM Emergências Ambientais no RS - Geral TIPO

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PLASTNAF N-220. Extensor (Plastificante para massa de borracha)

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico PLASTNAF N-220. Extensor (Plastificante para massa de borracha) Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Extensor (Plastificante para massa de borracha) Cas number: 64741-96-4 Empresa: Endereço:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: BENZOATO DE SÓDIO Page: (1 de 5) ATENÇÃO: Leia atentamente esta Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ) antes

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais