15/10/2014. Os 10 Pilares da Segurança

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "15/10/2014. Os 10 Pilares da Segurança"

Transcrição

1 Os 10 pilares da segurança no trabalho: Uma visão prática para gestores e supervisores de primeira linha Hudson de Araújo Couto BH Médico do Trabalho-Ergo Consultoria Vice-Presidente da AMIMT A B O livro COMPORTAMENTO SEGURO 70 LIÇÕES PARA O SUPERVISOR DE PRIMEIRA LINHA Alguns modelos de Análise de Risco APP Análise Preliminar de Perigos AZOP Hazard and Operability MEA FailureModeandEfectAnalysis Árvore das Causas ART-POP -Divisão em Passos, Definição do Potencial de Risco de cada Passo e Definição das Medidas de Controle escrevendo o Procedimento Operacional Padrão A A B A B 1

2 B As 6 principais Falhas Administrativas do Nível de Supervisão e Coordenação Permissividade Não inspecionar regularmente a área e os equipamentos Não planejar as tarefas Não fazer regras de trabalho Não desenvolver práticas operacionais padrão Ordem de má qualidade FALHAS ADMINISTRATIVAS CONDIÇÕES INADEQUADAS ATOS INADEQUADOS Esse mecanismo explica 97% dos ACIDENTES E PERDAS As 5 principais Falhas Administrativas do Nível de Gerência Não conseguir a regularidade do processo (a melhor regularidade possível) Trabalhar com sistemas no fio da navalha enxutos demais Não alocar os recursos financeiros corretos no orçamento; Cortes orçamentários sem critério; Passividade em relação aos cortes orçamentários Sistemas de compra lentos, não repondo peças fundamentais para a manutenção Objetivos muito desafiadores sem considerar condições para tal Principais Falhas Administrativas B 2

3 Inibidores do Ato Inadequado Quebra-molas Radares âmeras de vigilância constante Tacógrafos Sistemas de rastreamento de velocidade e outros parâmetros entre motoristas de equipamentos Controle Administrativo Barreiras A forma de transformar RISCOS em IMPROVÁVEL, MAS POSSÍVEL Procedimento Operacional Padrão POP uidado na operação de risco necessariamente com PPTE Treinamento e capacitação abilitação formal heck-list xortações à atenção Atitude correta das pessoas- Vigilância humana (alguém vigiar o bloqueio) Manutenção adequada Atitude de desconfiança (suspeitosa) quipamento individual de proteção Bloqueios ngenharia melhor eliminando o risco ngenharia melhor, reduzindo o risco erramentas adequadas Sistema à prova de deslize xpert systems Redundância adeados de segurança 3

4 Cultura Insegura Permissividade Conivência com a insegurança Mau exemplo - Espelho O problema não é meu Formação de más alianças Não ter a SEGURANÇA como VALOR O HEXÁGONO DAS CAUSAS DO COMPORTAMENTO INADEQUADO NO TRABALHO O comportamento inadequado de um trabalhador é consequência de um ou mais dos seguintes fatores Cultura de Comportamento Seguro Não à permissividade Não fazer pacto com o diabo Bom exemplo - Espelho Comportamento seguro- é problema de todos Elo para todas as alianças-segurança SEGURANÇA como VALOR Erro Humano por - Exemplos Motivação deformada (intencional) Valores diferentes mprudências em geral Brincadeiras, pressa, distração e perda de foco Negligências em geral A prática errada é comum na área Situações conflitantes ecisões deliberadas de níveis superiores Quebra de procedimento Atalhos operacionais (quando a chance de conseqüências sérias é pouco importante) atores no ambiente induzindo para ação errada Arrogância e vaidade Permissividade ultura insegura 4

5 Fases da CULTURA DO COMPORTAMENTO SEGURO Reativo (choque) Dependente (conflito) Independente (consciência) Interdependente (cuidado ativo) ngenharia e Ergonomia 5

6 O HEXÁGONO DAS CAUSAS DO COMPORTAMENTO INADEQUADO NO TRABALHO O comportamento inadequado de um trabalhador é consequência de um ou mais dos seguintes fatores APTIDÃO FÍSICA e/ou MENTAL DESLIZE CONDIÇÃO ERGONÔMICA Engenharia e Segurança ngenharia do Processo ngenharia de Novos Projetos e Novas Instalações ngenharia dos Sistemas Próprios da Segurança ngenharia para Eliminar o Risco ngenharia para Questões Ergonômicas Engenharia na Prevenção do Deslize O HEXÁGONO DAS CAUSAS DO COMPORTAMENTO INADEQUADO NO TRABALHO O comportamento inadequado de um trabalhador é consequência de um ou mais dos seguintes fatores APTIDÃO FÍSICA e/ou MENTAL DESLIZE CONDIÇÃO ERGONÔMICA O HEXÁGONO DAS CAUSAS DO COMPORTAMENTO INADEQUADO NO TRABALHO O comportamento inadequado de um trabalhador é consequência de um ou mais dos seguintes fatores O ERRO HUMANO POR DESLIZE O ser humano não tem memória tem é esqueçória, que é ainda mais acentuada em tarefas automatizadas 6

7 Características do Erro Humano por DESLIZE nerentes à natureza humana Típicos de atividades passadas para o piloto automático A influência de problemas momentâneos Não prevenidos por exortações à atenção, por treinamentos ou punições Formas de Prevenir o DESLIZE O QUE NÃO FUNCIONA - Exortações à atenção - Punições - Treinamentos de reciclagem - Check-list COMO PREVENIR - Partir do princípio que um dia alguém fará errado - Bloquear a ação errada ou a consequência Erro Humano por DESLIZE: Exemplos no Trabalho azer uma etapa do trabalho, esquecendose de cumprir um passo anterior, de cumprimento obrigatório Abrir duas válvulas que nunca poderiam estar abertas simultaneamente Acionamento acidental de um botão quando o desejado estava próximo do botão acionado Os 5 Princípios de Ergonomia para Evitar o Deslize 1. Bloquear a ação errada mecanicamente, por meio de barreiras duras 2. Redundância (nas situações mais críticas) 3. Bloquear a ação errada por meio de barreiras brandas 4. Bloquear a consequência das ações erradas 5. Aplicar check-lists, adotando mecanismos de redução da possibilidade de vícios comuns nessa técnica Erro Humano por DESLIZE: Exemplos no Trabalho Bloqueio da Ação Errada - EXEMPLOS Não perceber uma mensagem que teria que ser percebida rros em cálculos que são feitos de forma automática squecer-se de gravar o trabalho em computador Ações reflexas impróprias para o momento Só ser possível a ação crítica se a anterior (pré-requisito de segurança) tiver sido feita; Quando duas válvulas não puderem estar abertas simultaneamente, interbloqueálas; Se o acionamento acidental de um botão implicar em conseqüências importantes, ele deverá estar isolado 7

8 Bloqueio da Ação Errada - EXEMPLOS No caso de comandos mais complexos ou de cálculos, o sistema deve checar a intenção do operador e pedir para ele confirmar determinado comando; Se houver algum cálculo importante e que não possa ser checado, colocar o computador para fazê-lo ravação automática do trabalho Bloqueio mecânico para evitar aproximação das mãos Exemplos de Bloqueio do Deslize fora do trabalho Máquina fotográfica ravador (microfone builtin e externo) Medicamentos-uso contínuo Trancar a chave dentro do carro Bloqueio da Ação Errada - EXEMPLOS Só ser possível a ação crítica se a anterior (pré-requisito de segurança) tiver sido feita; Quando duas válvulas não puderem estar abertas simultaneamente, interbloqueálas; Se o acionamento acidental de um botão implicar em conseqüências importantes, ele deverá estar isolado Não ser possível ligar o equipamento com O HEXÁGONO DAS CAUSAS DO COMPORTAMENTO INADEQUADO NO TRABALHO O comportamento inadequado de um trabalhador é consequência de um ou mais dos seguintes fatores APTIDÃO FÍSICA e/ou MENTAL DESLIZE CONDIÇÃO ERGONÔMICA 8

9 Erro Humano por Condições Ergonômicas Desfavoráveis Ato inadequado (inseguro) decorrente de má condição ergonômica Acionamento errado de uma tecla ou botão porque existe um outro semelhante, mas com alguma diferença omandos confusos Acionamento errado porque os botões ou comandos não estão em ordem Não percepção de informação importante por deficiência na interface Acidentes do Trabalho comuns decorrentes de Más Condições Ergonômicas Layout inadequado erramenta imprópria alta de meio de movimentação de materiais/ inadequado Posição forçada do corpo ao fazer o trabalho Plataforma inadequada/inexistente Falha Humana por Condições Ergonômicas Desfavoráveis omandos fora do estereótipo universal Alavanca sem diferenciação de forma Posição do corpo ergonomicamente ruim Processos lentos-comandos errados Painéis com imagem especular Pequenas diferenças de painéis rro do operador x erro do especialista Sobrecarga de informações ou tarefas- (trabalho de alta densidade) Acidentes do Trabalho comuns decorrentes de Más Condições Ergonômicas Layout inadequado erramenta imprópria alta de meio de movimentação de materiais/ inadequado Posição forçada do corpo ao fazer o trabalho Plataforma inadequada/inexistente scada/rampa/condição de acesso inadequado Piso inadequado Falha Humana por Condições Ergonômicas Desfavoráveis Tarefas difíceis ou mesmo impossíveis etecção de eventos raros Monotonia xigência de avaliação de dimensões Acidentes do Trabalho comuns decorrentes de Más Condições Ergonômicas Layout inadequado erramenta imprópria alta de meio de movimentação de materiais/ inadequado Posição forçada do corpo ao fazer o trabalho Plataforma inadequada/inexistente scada/rampa/condição de acesso inadequado Piso inadequado Válvulas de acionamento difícil 9

10 Acidentes do Trabalho comuns decorrentes de Más Condições Ergonômicas sforços intensos decorrentes de problemas de lubrificação/manutenção Sobrecarga de trabalho ligada à tarefa Sobrecarga de trabalho ligada à duração da jornada Altura excessiva de armários ou suportes nexistência de ferramenta para a execução das tarefas quipamento ou máquina inadequado Padrão de trabalho inadequado (porque não considera o aspecto ergonômico) azer a operação sem ver o ponto de trabalho Erro Humano por FALTA DE APTIDÃO - Exemplos rros grosseiros de seleção rros sutis de adequação psicológica Sistemas muito enxutos Não estar no nível correto de tensão para o momento Problemas temporários (físicos e mentais) feitos do ruído, calor, baixa iluminação e vibração feitos de drogas/intoxicações Pressão de tempo feitos da fadiga Sonolência O HEXÁGONO DAS CAUSAS DO COMPORTAMENTO INADEQUADO NO TRABALHO O comportamento inadequado de um trabalhador é consequência de um ou mais dos seguintes fatores APTIDÃO FÍSICA e/ou MENTAL DESLIZE CONDIÇÃO ERGONÔMICA MEDIDAS DE PREVENÇÃO DO COMPORTAMENTO INADEQUADO INSTRUMENTOS DE QUALIFICAÇÃO INSTRUMENTOS DE ADEQUAÇÃO APTIDÃO FÍSICA e/ou MENTAL INSTRUMENTOS DE COMUNICAÇÃO DESLIZE INSTRUMENTOS FORMADORES DA ATITUDE CONDIÇÃO ERGONÔMICA MELHORIA ERGONÔ- MICA BLOQUEIO ERRO HUMANO POR FALTA DE/PERDA DA APTIDÃO FÍSICO- MENTAL ngenharia e Ergonomia 10

11 ngenharia e Ergonomia iscalização ngenharia e Ergonomia iscalização estão do Sistema de Segurança Fiscalização nspeções periódicas Auditoria interna iscalização externa o papel do controle social Gestão do Sistema de Segurança-Alta Gerência Planilha de Riscos e Perigos acompanhamento permanente xistência de planos de ação para os riscos substanciais e intoleráveis -de forma a se constituírem em barreiras Planos de ação são seguidos e acompanhados ACOMPANHAMENTO TRIMESTRAL PELA DIRETORIA stabelecermetassobreo processo, e nãosobreos resultados ngenharia e Ergonomia iscalização Gestão do Sistema de Segurança Média Gerência e Supervisão Áreas a serem inspecionadas obrigatoriamente e periodicidade das inspeções, Acompanhamento das ações sobre os riscos prioritários detectados, Procedimentos operacionais padrão (práticas-padrão) a serem desenvolvidos, Procedimentos operacionais a serem reciclados, Orientação a novos e novos na função, eedback periódico aos trabalhadores sobre seu desempenho, Reuniões periódicas das equipes, Reuniões periódicas da CIPA, de boa qualidade, com participação da gerência e dos trabalhadores. 11

12 ngenharia e Ergonomia iscalização estão do Sistema de Segurança ngenharia e Ergonomia iscalização estão do Sistema de Segurança ierarquia nterdependência ngenharia e Ergonomia iscalização estão do Sistema de Segurança ierarquia ngenharia e Ergonomia iscalização estão do Sistema de Segurança ierarquia nterdependência ngenharia e Ergonomia iscalização estão do Sistema de Segurança ierarquia Algumas práticas visando desenvolver a INTERDEPENDÊNCIA (AUTOCUIDADO ATIVO) quipes investigam acidentes/incidentes Trabalhador participa da inspeção periódica mensal, inclusive definindo itens no check-list No desenvolvimento de práticas-padrão, os trabalhadores de melhor performance são envolvidos iálogos Diários de Segurança trabalhadores conduzem, segurança ajuda com o material de pesquisa Trabalhadores apresentam trabalhos de melhoria de segurança e ergonomia nos simpósios internos efinição dos treinamentos necessários junto com os trabalhadores ritérios de reconhecimento por esforços individuais e coletivos na política de consequências 12

13 Hudson de Araújo Couto Tel: (31)

15 Introdução. Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I

15 Introdução. Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I 15 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I 16 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança de AA a I PREVENIR ACIDENTES DO TRABALHO É FÁCIL? Não. É uma das atividades

Leia mais

Barreiras. Lição 1.5. A palavra mais importante para transformar situações de risco potencial em IMPROVÁVEL.

Barreiras. Lição 1.5. A palavra mais importante para transformar situações de risco potencial em IMPROVÁVEL. 40 Lição 1.5 A palavra mais importante para transformar situações de risco potencial em IMPROVÁVEL. Barreiras Conforme você deduziu da lição anterior, a gestão de risco é inerente à nossa vida no planeta

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50 www.giovenzana.com A nova EN 81-20 substitui o EN 81-2 & EN 81-1. EN 81-20: Passageiros e Mercadorias / Elevadores de Passageiros Contém requisitos para a instalação completa

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Gerenciando erros humanos em operações químicas Ministrante: Fábio Rubens Soares Engenheiro Químico - Professor FAAP Contatos: frsoares@faap.br Apoio Campinas,

Leia mais

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1 2 3 4 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1,9 4,8 de A. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil*

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho.

Perturbação funcional - entende-se que não só um acidente típico, mas também uma doença pode se enquadrar na definição de acidente do trabalho. ACIDENTE DO TRABALHO Conceito Legal: Lei 8.213/9 Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, ou pelo exercício do trabalho do segurado especial (autônomos, qual

Leia mais

Controle de Acesso CA-60. Manual de Referência e Instalação. Introdução. Características

Controle de Acesso CA-60. Manual de Referência e Instalação. Introdução. Características Controle de Acesso CA-60 Manual de Referência e Instalação Introdução O Controle de Acesso CA-60 oferece um sistema fácil de controle e restrição de acesso a salas e outros ambientes controlados. Com um

Leia mais

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR

OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR 225 Pratique os 10 instrumentos; e você verá os resultados! OS 10 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS ADMINISTRATIVOS DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES PARA O SUPERVISOR/ FACILITADOR Lição 4.3 Uma vez definido e assimilado

Leia mais

08/08/2013 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Deuteronômios 22.8

08/08/2013 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Deuteronômios 22.8 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Deuteronômios 22.8 09/08/2013 Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado (terraço), para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum

Leia mais

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Portaria n.º 197, de 17 de dezembro de 2010 17 de outubro 2011 Eng João Baptista Beck Pinto REVISÃO NR-12 Art. 2º Criar a Comissão Nacional Tripartite

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Engenheiro Mecânico Leandro Botega de Sousa leandro.botega@ig.com.br 33071613 / 81761612 21:50:00 1 FLUXO - GESTÃO

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 São considerados equipamentos de elevação de materiais os equipamentos que levantam e movimentam para outros locais, materiais diversos. Assinale a alternativa que

Leia mais

NR 12 e os Anexos VI e VII:

NR 12 e os Anexos VI e VII: TREINAMENTO FIEMG - 28/02/2013 NR 12 e os Anexos VI e VII: Diagnóstico em Fev/2013 Marcos Ribeiro Botelho Auditor-Fiscal do Trabalho SRTE/MG 31-32706151 Paralelo entre as duas NR-12 Antiga NR-12 NR-12

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 02 1( 5 ) Generalidades Inspeção Final VM BRA49905 89028788 Portuguese/Brazil Printed in Brazil

Leia mais

RSS Reflexão Semanal de Segurança. Autor: Fábio de Oliveira Lana Data: 03-09-13

RSS Reflexão Semanal de Segurança. Autor: Fábio de Oliveira Lana Data: 03-09-13 RSS Reflexão Semanal de Segurança Autor: Fábio de Oliveira Lana Data: 03-09-13 BUSCA DE SOLUÇÕES BUSCA DE SOLUÇÕES Alinhamento das Lideranças Valorização dos Compromissos da Força de Trabalho com a Segurança

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Introdução PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCO Por Edson Haddad Os estudos de análise de risco são considerados como importantes ferramentas de gerenciamento, tanto sob o ponto de vista ambiental, como

Leia mais

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA

SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA SOlUçõES PARA O CAPItAl HUMANO de SUA EMPRESA fundada em 1986 É precursora na implementação de serviços especializados em mapeamentos de competências humanas. Empresa de pesquisa aplicada especializada

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

sistema para gerenciamento inteligente de infraestrutura e serviços urbanos

sistema para gerenciamento inteligente de infraestrutura e serviços urbanos V2.3 DATA SHEET GERENCIAMENTO AUTOMATIZADO DE ORDENS DE SERVIÇO GERENCIAMENTO MÓVEL DE INCIDENTES CONTROLE MÓVEL E REMOTO DE PROCESSOS DE MANUTENÇÃO INSPEÇÕES E LEVANTAMENTOS VIA SMARTPHONE CADASTRAMENTO

Leia mais

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355.

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia www.rumoengenharia.com.br Telefone: (15) 3331-2300 Celular: (15) 9 9742-9819 Diretor da Área de Engenharia

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS DEFINIÇÃO DE GRUA: GUINDASTE UNIVERSAL DE TORRE PARA TRANSPORTE DE CARGAS, TANTO NA HORIZONTAL COMO NA VERTICAL SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO

Leia mais

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias

rimetal casa de vácuo Manual do Usuário Máquinas para Baterias casa de vácuo Manual do Usuário ÍNDICE INTRODUÇÃO Apresentação Dados Técnicos Cuidados Segurança Limpeza 2 3 4 5 6 MANUTENÇÃO Instruções Manutenção Preventiva INSTALAÇÃO 8 9 10 GARANTIA Garantia 12 Contato

Leia mais

Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis. Caso Vale S.A Carajás - PA

Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis. Caso Vale S.A Carajás - PA Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis Caso Vale S.A Carajás - PA Organograma Vale Diretor Presidente Murilo Ferreira Fertilizantes e Carvão Eduardo

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane

Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Segurança e Produtividade Marcelo Massaharu Yamane Plataformas Tesoura Elétrica Características operacionais - Ideal para serviços que demandam maior espaço no deck de trabalho ou baixos níveis de ruído,

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

MS-Excel 2010 Essencial (I)

MS-Excel 2010 Essencial (I) MS-Excel 2010 Essencial (I) Carga Horária: 20 horas Objetivos: Este curso destina-se a todos os profissionais que atuam nas áreas financeiras e administrativas, e que necessitem agilizar os seus cálculos,

Leia mais

A Segurança do Trabalho e da População no Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Agosto 2014

A Segurança do Trabalho e da População no Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Agosto 2014 A Segurança do Trabalho e da População no Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Agosto 2014 Coelce Coelce em números Área de Concessão 148.826 km 2 Empregados próprios Empregados Empresa Parceiras

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Marcio Ruiz Maia AULA 02 Conceitos na Gerencia de Riscos 2.1) Revisão de conceitos de Segurança 2.2) Conceitos Básicos de SST 2.3) As

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Robson Guilherme Ferreira (II) Jackson Duarte Coelho (III) Julio César Agrícola Costa da Silveira (I) Resumo O trabalho a ser apresentado tem como objetivo

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos

Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Fatores humanos na identificação de perigos e avaliação de riscos Marcello Guimarães Couto, M.Sc. HGB Consultoria e Gestão Ltda. marcello@hgb.com.br mgcouto@gmail.com Resumo Este artigo aborda os novos

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE FEMEA Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 1 Análise do Modo e Efeito das Falhas Desenvolvido pela Professora Patrícia Roggero 2 -

Leia mais

ManualdeInstruções. www.odontomega.com.br

ManualdeInstruções. www.odontomega.com.br ManualdeInstruções MotorOzBlack www.odontomega.com.br Índice 1. Introdução... 2 2. Especificações do produto... 2 3. Nomes das Partes... 3 4. Montando e utilizando o Motor OZ Black... 4 5. Sugestões de

Leia mais

Incorporar o Controle de Riscos Críticos à Gestão de Saúde e

Incorporar o Controle de Riscos Críticos à Gestão de Saúde e Incorporar o Controle de Riscos Críticos à Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho Carlos Augusto Failace Cardoso Gerente Corporativo de Segurança do Trabalho 24/04/2013 A Gerdau no mundo Nossa empresa

Leia mais

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA

INSPEÇÃO DE SEGURANÇA INSPEÇÃO DE SEGURANÇA Grupo 01 Riscos Físicos 01. Existe ruído constante no setor? 02. Existe ruído intermitente no setor? 03. Indique os equipamentos mais ruidosos: 04. Os funcionários utilizam Proteção

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

SISTEMAS DE SPRINKLERS DE COMBATE A INCÊNDIOS

SISTEMAS DE SPRINKLERS DE COMBATE A INCÊNDIOS SISTEMAS DE SPRINKLERS DE COMBATE A INCÊNDIOS CBSpk 2014 CUIDADOS, ENG. CLAUDIO RAMALHO Sócio Diretor Técnico 11 3868 1000 11 99601 2490 MOTIVAÇÃO PARA ESCOLHA DO TEMA - CONSCIÊNCIA PROFISSIONAL E INDIGNAÇÃO

Leia mais

RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA

RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA RSS REFLEXÃO SEMANAL DE SEGURANÇA Autores Fábio de Oliveira Lana Luiz Cláudio Soares Costa Paulo Gonçalves Vanelli CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. RESUMO O programa RSS- Reflexão Semanal de Segurança, é uma ferramenta

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO

O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO CONCEITO LEGAL DE ACIDENTE DO TRABALHO (ART.131 DECRETO LEI 2171 DE 05/03/97) ACIDENTE DE TRABALHO É O QUE OCORRE PELO EXERCÍCIO DO TRABALHO A SERVIÇO DA EMPRESA (...),

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Contato: (041) 3365-9406 (041) 9910-3494/8467-2429 www.edtrab.com.br

Contato: (041) 3365-9406 (041) 9910-3494/8467-2429 www.edtrab.com.br Contato: (041) 3365-9406 (041) 9910-3494/8467-2429 A Empresa Profissionalismo, Credibilidade e Qualidade são sinônimos do trabalho realizado pela empresa EDTRAB Serviços e Segurança do Trabalho. Pioneira

Leia mais

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras SEMINÁRIO GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRA Implantação da NR 35 nos canteiros de obras BH 17/08/2012 Atividades dos Trabalhos em Altura Construção civil Taludes e Telhados Telecomunicações

Leia mais

Ficha Técnica Designação Especificação Especialidade

Ficha Técnica Designação Especificação Especialidade Nº Definir os criterios de aceitação /rejeição das instalações de Eléctricos. Lista de Deficiências - Orgão - Quadro de Serviços omuns A alimentação do Quadro da asa das Máquinas não possui protecção contra

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

SGi. SOLUÇÃO GESTÃO INTELIGENTE

SGi. SOLUÇÃO GESTÃO INTELIGENTE RELAÇÃO DE TREINAMENTOS 2015 www.sginteligente.com.br TREINAMENTOS PARA SUA EMPRESA - 2º SEMESTRE DE 2015 1 QUALIDADE Empresas e Profissionais interessados na ISO 9001 1.1 Interpretação da Norma ISO 9001:2008

Leia mais

MILLS E PLATAFORMAS. Modelos com Altura de Trabalho até 13,99 m.

MILLS E PLATAFORMAS. Modelos com Altura de Trabalho até 13,99 m. MILLS E PLATAFORMAS Modelos com Altura de Trabalho até 13,99 m. MILLS E PLATAFORMAS Modelos com Altura de Trabalho até 18,00 m. MILLS E PLATAFORMAS Modelos com Altura de Trabalho até 47,52 m. MILLS E PLATAFORMAS

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO 1. Identificação: ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER 1.1. Elevador nº 1 Uso privativo dos juízes 1.2. Elevador nº 2 Uso de Serviço (Cargas)

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas White Paper Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas Válvulas avulsas ou terminal de válvulas para controle de equipamentos automatizados pneumáticos?

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança ENIO VITERBO JUNIOR Diretor Corporativo SSMA 18/04/2012 Título da Apresentação 1 Objetivos Apresentar uma maneira

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação

Ricardo Schäffer. (Palavras-chave: EEMUA, HCI, SCADA) HCI. Apresentação EEMUA 201 GUIA DE DESIGN PARA INTERFACES HUMANAS OPERACIONAIS Versão adaptada do guia original publicado pela Associação de Usuários de Equipamentos e Materiais de Engenharia. Ricardo Schäffer Resumo -

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Viewpoint: perspectives on modern mining. 2007 Caterpillar Inc. www.cat.com/viewpoint. A publication of Caterpillar Global Mining

Viewpoint: perspectives on modern mining. 2007 Caterpillar Inc. www.cat.com/viewpoint. A publication of Caterpillar Global Mining 2007: issue 1 A publication of Caterpillar Global Mining Vendo claramente: melhorar a visibilidade significa locais de mineração mais seguros Quando você está operando algumas das maiores máquinas do mundo

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea

Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea PLANO DE CURSO MSOBRFDPTA08 PAG1 Plano de curso Tecnologia em Plataforma Aérea Justificativa do Curso A plataforma aérea de trabalho se tornou um dos equipamentos mais comuns em obras e sites de trabalho

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Jaime Junior dos Santos Aes Sul Distribuidora Gaúcha de Energia jaime.santos@aes.com

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

RÁDIO RELÓGIO SY-1045 MANUAL DE INSTRUÇÕES

RÁDIO RELÓGIO SY-1045 MANUAL DE INSTRUÇÕES RÁDIO RELÓGIO SY-1045 MANUAL DE INSTRUÇÕES ATENÇÃO Esta sinal de exclamação adverte o utilizador da presença de instruções importantes de operatividade. O raio adverte o utilizador da presença de voltajem

Leia mais

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO 4.1 - Estudo do posto de trabalho: abordagem tradicional e ergonômica Posto é uma palavra oriunda da linguagem militar; Indica um local onde alguém é colocado para realizar uma determinada tarefa ou função;

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais