Revista Brasileira de Oncologia Clínica Vol. 8, n o 29 julho / agosto / setembro 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revista Brasileira de Oncologia Clínica Vol. 8, n o 29 julho / agosto / setembro 2012"

Transcrição

1 130 Artigo de Revisão Receptores tirosina-quinase: implicações terapêuticas no câncer Receptor tyrosine kinases: therapeutic implications in cancer Caio Abner V G Leite 1 ; José Victor G Costa 1 ; Rodrigo B Callado 1 ; João Nathanael L Torres 1 ; Roberto César P Lima Júnior 2 ; Ronaldo A Ribeiro 3 1 Acadêmicos de Medicina, Ex-Monitores de Farmacologia, atuais Bolsistas de Iniciação Científica (CNPq), Faculdade Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. 2 Professor Adjunto de Farmacologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. 3 Professor Titular de Oncologia e Farmacologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará; Oncologista Clínico do Hospital Haroldo Juaçaba do Instituto do Câncer do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil. Pesquisador 1A do CNPq. Palavra-Chave câncer, receptor tirosina quinasetirosinaquinase, inibidor de tirosina quinasetirosinaquinase, anticorpo monoclonal Resumo Nas últimas duas décadas, a melhor compreensão da biologia do câncer permitiu um progresso notável no manejo clínico dessa doença. Isso é resultado do crescente conhecimento sobre as estruturas moleculares e vias de sinalização de receptores tirosina-quinase, o que levou ao desenvolvimento de diversas terapias alvo, incluindo os inibidores de tirosina-quinase (TKIs) e os anticorpos monoclonais (Mabs). Alguns dos TKIs disponíveis são relativamente específicos para o receptor de fator de crescimento epidérmico (EGFR), como o Erlotinibe e o Gefitinibe, enquanto outros, por exemplo, Sunitinibe e Sorafenibe, agem em vários alvos, incluindo receptor do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGFR) e receptor do fator de crescimento do endotélio vascular (VEGFR). Além disso, um número de Mabs, como o Trastuzumabe (anti-her2), Cetuximabe (anti-egfr) e Bevacizumabe (anti-vegf), vem sendo utilizados na terapêutica do câncer, como no câncer de mama, câncer colorretal e câncer de pulmão não pequenas células. Um grande número de outros TKIs e Mabs está sob investigação em ensaios clínicos. Dessa forma, esta revisão fornece uma visão geral das terapias alvo, com ênfase sobre os mecanismos, aplicabilidade clínica e perspectivas futuras. Keywords cancer, tyrosine kinase receptor, tyrosine kinase inhibitor, monoclonal antibody Abstract In the last two decades, the improved understanding of the cancer biology allowed a remarkable progress in the management of such disease. This is a result of the growing knowledge regarding the structures and signaling pathways of tyrosine kinase receptors, which led to the development of several target therapies, including the tyrosine kinase inhibitors (TKIs) and monoclonal antibodies (Mab). Some of the available TKIs are relatively specific for epidermal growth factor receptor (EGFR), such as erlotinib and gefitinib, while others, for instance sunitinib and sorafenib, act on multiple targets, including platelet-derived growth factor receptor (PDGFR) and vascular endothelial growth factor receptor (VEGFR). In addition to that, a number of Mabs, such as trastuzumab (anti-her2), cetuximab (anti-egfr) and bevacizumab (anti-vegf) have been used in cancer therapy, for example breast cancer, colorectal cancer and non-small cell lung cancer. A great number of other TKIs and Mabs are under investigation in clinical trials. Then, this review provides an overview of target therapies, with an emphasis on the pharmacological mechanisms, clinical applicability and future perspectives. Recebido: 23/02/2012 Aceito: 04/10/2012

2 Receptores tirosina quinasetirosina-quinase: implicações farmacológicas e terapêuticas no câncer 131 Introdução O tratamento farmacológico do câncer recebeu significativos avanços nas últimas décadas. A descoberta de vias envolvidas na transdução de sinais desencadeados pela ativação de receptores por seus ligantes nas células tumorais tornou possível a identificação e posterior validação de novos alvos terapêuticos do câncer, levando ao desenvolvimento de novas classes de drogas, comumente conhecidas como terapias alvo. Essas drogas representam uma grande promessa para o aperfeiçoamento dos tratamentos convencionais, que se baseiam na ressecção cirúrgica tumoral, na radioterapia, hormonioterapia, e quimioterapia. A terapia-alvo está frequentemente dirigida aos ligantes (fatores de crescimento), aos seus receptores ou ainda às moléculas envolvidas nas suas vias de sinalização intracelular. Os fatores de crescimento (FC) desempenham um papel importante no controle da maioria dos processos celulares fundamentais, incluindo proliferação, diferenciação, metabolismo e sobrevivência celular, bem como migração celular e controle do ciclo celular 1. Os receptores dos FC podem sofrer desregulação em uma variedade de processos patológicos, incluindo câncer, diabetes, inflamação, doenças ósseas graves, arteriosclerose, e angiogênese 1. No câncer, alterações nesses FC e/ou em seus receptores ou ainda nas vias de transdução de sinais, por eles desencadeadas, podem estar presentes em várias características associadas ao fenótipo maligno, entre as quais pode-se citar: aquisição de auto-suficiência na produção de FC, de insensibilidade aos supressores do crescimento, de resistência à morte celular, de escape à destruição imune, de indução de angiogênese, de ativação da invasão e metastatização, de um potencial replicativo ilimitado, de instabilidade genômica e mutação, de inflamação promovida pelo tumor, e de desregulação energética celular 2. Este trabalho foi realizado através de uma revisão bibliográfica, de fontes de revistas indexadas em bases de dados (PubMed, Scielo, Medline), com objetivo de discutir os mecanismos farmacológicos e moleculares envolvidos na ativação de receptores tirosina-quinase por ligantes, na transdução de sinais intracelulares desencadeados, assim como nas implicações relacionadas ao fenótipo maligno. Finalmente, realizamos a descrição do impacto da utilização dessas terapias na prática clínica do tratamento oncológico. Consideraram-se os artigos publicados até janeiro de 2012 e descritores padronizados: cancer, solid tumors, tyrosine kinase receptors, target therapy, tyrosine kinase inhibitors, monoclonal antibodies, clinical trials. Para cada um desses, foram selecionados os descritores padronizados que se relacionavam a cada tema. Foram utilizados os operadores booleanos or/ and entre os descritores padronizados. Classificação dos Receptores Celulares Baseados na estrutura molecular e na natureza dos mecanismos de transdução de sinal com ativação de cascatas intracelulares, classicamente pode-se distinguir quatro tipos de receptores: Receptores Tipo I (Canais iônicos controlados por ligantes ou ionotrópicos). São proteínas de membrana com estrutura similar a outros canais iônicos, incorporando um sítio de ligação ao ligante (receptor), geralmente no domínio extracelular. Tipicamente, estes são os receptores nos quais os neurotransmissores rápidos agem. Exemplos incluem o receptor nicotínico da acetilcolina e o receptor de glutamato. Os canais iônicos geralmente se abrem quando o receptor estiver ocupado por um agonista. Entretanto, também podem ser modulados de diversas maneiras. O tipo mais simples de modulação envolve um bloqueio físico do canal pela molécula da droga, como ocorre com a ação bloqueadora dos anestésicos locais sobre o canal de sódio. Uma ativação ou inibição também pode ocorrer pela interação indireta envolvendo uma proteína G e outros intermediários 3 ; Receptores Tipo II (Receptores acoplados à proteína G ou metabotrópicos). São receptores que atravessam sete vezes a membrana celular (heptaelicoidais). São receptores de membrana que estão acoplados a sistemas efetores intracelulares via uma proteína G. Esses receptores tem sua regulação feita por proteínas G triméricas, em contraposição às proteínas G monoméricas, como RAS ou rac, por exemplo, também chamadas pequenas proteínas G. A proteína G tem esse nome devido a sua interação com os nucleotídios de guanina guanosina difosfato (GDP) e guanosina trifosfato (GTP) e c. As proteínas G triméricas consistem em três subunidades (alfa, beta e gama) que são difusíveis no plano da membrana celular. Estas atuam ativando ou inibindo a formação de segundos mensageiros intracelulares (Trifosfato de inositol, Diacilglicerol, 3,5 -adenosina-monofosfato cíclico), culminando com a fosforilação de proteínas e canais iônicos, por exemplo. Nessa classe de receptores estão incluídos os receptores para hormônios e transmissores lentos, como o muscarínico da acetilcolina e os receptores adrenérgicos 3. Receptores Tipo III (Receptores ligados à quinase e correlatos). Esse é um grande e heterogêneo grupo de receptores de membrana respondendo principalmente a mediadores protéicos. Apresentam um domínio Revista Brasileira de Oncologia Clínica Vol. 8, n o 29 julho / agosto / setembro 2012

3 132 extracelular de ligação ao ligante conectado a um domínio intracelular por uma hélice única transmembrana. Em muitos casos, o domínio intracelular é de natureza enzimática (com atividade proteína quinase). Essa família inclui receptores para insulina, citocinas e fatores de crescimento (EGF e VEGF, por exemplo) 3 ; Receptores Tipo IV (Receptores nucleares). São receptores que regulam a transcrição gênica. O termo receptor nuclear é um tanto falho, pois alguns estão na realidade localizados no citoplasma e migram para o compartimento nuclear, quando um ligante está presente. Compreende receptores para hormônios esteróides, hormônio da tireóide e outros agentes como o ácido retinóico e vitamina D3. Em função dos objetivos dessa revisão, iremos nos deter aos mecanismos envolvidos na sinalização dos receptores com atividade proteína quinase, devido à importância que estes possuem na biologia do câncer e como alvos terapêuticos. Figura 1. Estrutura dos principais receptores tirosina quinasetirosina-quinase. Os receptores tirosina quinasetirosina-quinase humanos contêm 20 subfamílias, das quais seis estão esquematicamente mostradas na figura com os nomes listados abaixo de cada receptor. Domínios estruturais nas regiões extracelulares, identificados por determinação da estrutura ou análise da seqüência, e são marcados de acordo com a estrutura. Os domínios intracelulares são mostrados como retângulos vermelhos (Adaptado de Lemmon et al., 2010). EGF VEGF PDGF IGF1 Ret ALK Receptores Tirosina-Quinase Atualmente, foram descritos 58 Receptores tirosina-quinase (RTK) humanos, divididos em 20 subfamílias, dos quais cada um é caracterizado por três segmentos: um domínio extracelular que funciona como um local obrigatório para um ligante específico, um domínio transmembranar e um domínio tirosina-quinase citoplasmático, além de sequências enzimáticas adicionais que promovem a transdução do sinal intracelular 1. A figura 1 mostra exemplos de alguns desses receptores. Quando ocorre o contato entre o ligante (FC) e seu receptor na forma monomérica, ocorre um processo de dimerização, resultando na fosforilação do domínio intracelular, através da reação entre ATP e resíduos de tirosina. Em seguida, ocorre a fosforilação de proteínas-alvo que possuem o domínio SH2, o qual representa um sítio de reconhecimento para as fosfotirosinas. A fosforilação intracelular inicia uma cascata de reações citoplasmáticas que culmina em diversas respostas celulares 3. As reações citoplasmáticas ocorrem através de complexas interações enzimáticas seqüenciais, que constituem as vias de sinalização. As principais vias de sinalização dos fatores de crescimento envolvem a via PI3K/Akt (Fosfatidilinositol 3-quinase/ proteína quinase b) e a via Ras/Raf/MEK/MAPK, as quais têm funções importantes no crescimento, metabolismo, sobrevivência e divisão celular 4 (Figura 2). As vias Ras/Raf/MEK/MAPK e PI3K/Akt desempenham papéis críticos na transmissão de sinais provenientes dos receptores de FC para regular a expressão gênica EGRF HER2 HER3 HER4 Tisosina quinase VEGFR1 VEGFR2 VEGFR3 L PDGRFα PDGRFβ CSF1R Fms/KIT FLT3/FLK2 Rico em Cisteína Fibronectina Tipo III IR IGF1R IRR Ret Caderina Ig Ldla Domínio Mam ALK LTK e evitar a apoptose. Estas vias interagem entre si para regular o crescimento e, em alguns casos a carcinogênese. Componentes dessas vias podem estar mutados ou superexpressos em diversos cânceres humanos (por exemplo, Ras, B-Raf, PI3K, PTEN, Akt) 5. Os principais FC envolvidos com o câncer, os quais representam alvos terapêuticos importantes são: fator de crescimento epidérmico (EGF), fator de crescimento do endotélio vascular (VEGF), fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF), fator de células tronco (SCF), fator de crescimento semelhante à insulina (IGF), entre outros. As principais abordagens terapêuticas envolvidas com os receptores tirosina-quinase são baseadas no uso de (a) Anticorpos monoclonais (Monoclonal Antibodies

4 Receptores tirosina quinasetirosina-quinase: implicações farmacológicas e terapêuticas no câncer 133 Figura 2. Vias de transdução de sinais dos fatores de crescimento. Os receptores ativados estimulam as cascatas de fosforilação, incluindo aquelas envolvendo Raf/Ras/MEK/MAPK e PI3K/Akt, culminando na proliferação, sobrevivência celular, e angiogênese. (Adaptado de Murer, 2008) Estímulo Inibição PTEN mtor Síntese protéica AKT Ciclina D1 Ciclo Celular P53 PI3K Apoptose P BcIXL P Grb2 Ras Raf MEK MAPK PROLIFERAÇÃO,SOBREVIVÊNCIA E ANGIOGÊNESE ou MAbs), e (b) pequenas moléculas inibidoras da tirosina-quinase (Tyrosine Kinase Inhibitors ou TKIs), que podem se ligar de forma reversível ou irreversível, e atuarem especificamente num receptor ou em vários. Apesar de atuarem com o mesmo objetivo final, essas duas classes de fármacos possuem mecanismos moleculares e perfil clínico diferentes. MAbs são geralmente direcionados ao domínio externo dos receptores ou ao ligante, bloqueando a ligação ligante-receptor. TKIs impedem a fosforilação do domínio intracelular irosina-quinase, uma vez que competem pelo sítio de ligação do ATP 6. Fator de Crescimento Epidérmico O receptor do fator de crescimento epidérmico (EGF), conhecido por HER-1 (Human Epidermal growth factor Receptor-1) medeia numerosos processos essenciais nas células epiteliais normais, incluindo proliferação, sobrevivência diferenciação, adesão e migração 7. Nos seres humanos, existem quatro membros da família HER: EGFR/ErbB-1, HER2/ErbB-2/neu-2, HER3/ErbB-3, e HER4/ErbB-4 8. Quando esses receptores são estimulados por ligantes, ocorre a dimerização na forma de homodímeros ou heterodímeros. A capacidade da família HER heterodimerizar permite uma maior diversificação de vias de sinalização 9. Embora todos os membros dessa família de receptores sejam importantes mediadores das células normais do epitélio normal, não surpreendentemente, eles podem encontrar-se desregulados no câncer. De fato, anormalidades da via têm sido identificadas em câncer da mama, ovário, pulmão e cólon, para citar alguns. A desregulação dos receptores HER ocorre por uma variedade de mecanismos, entre eles: (a) superexpressão do receptor 10. (b) superprodução de ligantes 11. (c) superexpressão do receptor acrescido de superprodução de ligantes, o que resulta numa alça autócrina 12. (d) mutações que provocam a ativação constitutiva do domínio tirosina-quinase 13. (e) defeito na internalização com consequente não desativação dos receptores, mecanismo conhecido como downregulation 14. Além dos mecanismos de desregulação, os receptores tirosina-quinase podem ser estimulados por outras vias de sinalização, processo conhecido como transativação ou cross-talk. Essas vias marginais podem advir da ativação de receptores acoplados a proteína G, de receptores de citocinas/proteínas de adesão, de receptores ativados por canais de cálcio voltagem dependentes, várias formas de estresse celular (radiação ultravioleta, radiação gama, além de vários compostos oxidantes) 15. Com os processos de desregulação, as células tornam- -se propensas à perpetuação tumoral, dando margem para que algumas estratégias terapêuticas possam bloquear esses processos. Os principais fármacos utilizados são Mabs e TKIs, como mostrado na figura 3. Figura 3. Terapia alvo direcionada à família do receptor do fator de crescimento epidérmico. Cetuximabe Gefitinite Erlotinibi Inibição Trastuzumabe HER1 Lapatinibe Pertuzumabe HER2 HER3 HER4 Canertinibe Revista Brasileira de Oncologia Clínica Vol. 8, n o 29 julho / agosto / setembro 2012

5 134 Inibidores de Tirosina-Quinasedo EGFR/HER1 Gefitinibe Gefitinibe (Iressa, AstraZeneca) é uma pequena molécula que inibe reversivelmente a autofosforilação da tirosina-quinase do EGFR/HER1, inibindo a sua via de sinalização 16. Os efeitos antitumorais atribuídos ao Gefitinibe foram mostrados inicialmente em estudos pré-clínicos in vivo com xenoenxertos utilizando células tumorais de câncer de pulmão e próstata em animais atímicos 17. Em seguida, foram desenvolvidos estudos clínicos com Gefitinibe em pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células (CPNPC). No estudo fase I, foi mostrada resposta objetiva encorajadora de aproximadamente 8,5%1 8, evidenciada também em dois estudos fase II (IDEAL 1 e 2), com respostas objetivas de 12% 19 e 18% 20. Entretanto, em grandes estudos fase III (IN- TACT 1 e 2) em que pacientes com CPNPC avançado, foram randomizados para receber quimioterapia à base de platina versus quimioterapia à base de platina em combinação com Gefitinibe, não foi evidenciado diferença significativa em termos de sobrevida geral (SG) e sobrevida livre de progressão (SLP) entre os grupos analisados 21,22. A observação de que subgrupos de pacientes do sexo feminino, com tipo histológico de adenocarcinoma 19,20, e de etnia japonesa 19 apresentavam maiores taxas de resposta e maior sobrevida média, estimulou estudos posteriores na tentativa de identificar possíveis preditores de resposta ao Gefitinibe. Além disso, nunca ter fumado estava associado com sensibilidade aumentada ao Gefitinibe No entanto, não estava claro se resultados semelhantes seriam vistos em estudos controlados utilizando outras terapias ou se estes seriam fatores preditivos específicos para o Gefitinibe. Em uma análise retrospectiva, 81% dos pacientes que tiveram respostas parciais ou melhora clínica acentuada com uso de Gefitinibe ou Erlotinibe (outro inibidor do EGFR) apresentavam mutações no domínio tirosina-quinase EGFR (nos éxons 19 ou 21) 26. As mutações do EGFR foram mais prevalentes em mulheres, nunca-fumantes, com histologia de adenocarcinoma e de origem étnica asiática 26-29, ou seja, aqueles grupos que já se mostravam com melhor resposta ao uso do Gefitinibe. Com isso, foram desenvolvidos diversos estudos com finalidade de mostrar o benefício clínico do Gefitinibe em pacientes com CPNPC selecionados de acordo com as características clínicas ou da genética dos tumores. Dessa forma, o Gefitinibe foi associado a uma melhora significativa na sobrevida SG (9,5 vs 5,5 meses, p = 0.010, n=235) em pacientes de origem asiática com CPNPC previamente tratados com quimioterapia 30. Finalmente, um estudo fase III, utilizando pacientes asiáticos com CPNPC, tipo histológico adenocarcinoma, não fumantes ou ex-fumantes leves, sem quimioterapia prévia, evidenciou superioridade na SLP do grupo tratado com Gefitinibe em comparação ao grupo tratado com carboplatina e paclitaxel (24,9% vs 6,7% de SLP em 12 meses) 31. Os resultados desse estudo evidenciaram também que a presença das mutações do EGFR seria forte preditor de melhor resposta objetiva ao Gefitinibe 31. Outro estudo fase III randomizou 230 pacientes com CPNPC metastático e mutação do EGFR para receberem Gefitinibe ou quimioterapia, e evidenciou um aumento na SLP (10,8 vs 5,4 meses, p<0,001) nos pacientes submetidos ao Gefitinibe, bem como um aumento na SG (30,5 vs 23,6 meses p=0,31) 32. Erlotinibe O Erlotinibe (Tarceva, Genentech Roche) é uma pequena molécula que inibe reversível e seletivamente a atividade tirosina-quinase do EGFR, competindo com o ATP pelo sítio de ligação no domínio intracelular do EGFR 33. O Erlotinibe apresentou atividade antitumoral em modelos animais de câncer de cabeça e pescoço, carcinoma vulvar 34, câncer de mama e colorretal 35. O estudo de fase III (BR21) em pacientes com CPNPC avançado que falharam a uma ou duas linhas de quimioterapia padrão, e que foram randomizados (2:1) para receber Erlotinibe mais melhores cuidados de suporte versus placebo mais melhores cuidados de suporte, evidenciou um aumento nas taxas de SLP (2,2 vs 1,8 meses, p<0,001, n=731) e SG (6,7 vs 4,7 meses, p<0,001) no grupo tratado com Erlotinibe 35. As taxas de resposta foram ainda maiores em pacientes que apresentaram rash, mulheres, nunca-fumantes, de etnia asiática, e com histologia de adenocarcinoma 35. A avaliação da qualidade de vida dos pacientes desse estudo, definido como o tempo de piora clinicamente significativa em três sintomas (tosse, dispnéia e dor), mostrou que pacientes que receberam Erlotinibe tiveram um maior tempo até a piora clínica 36. O BR21 foi o primeiro estudo a mostrar aumento de sobrevida em tumores sólidos tratados com inibidor de tirosina- -quinase do EGFR. O Erlotinibe também mostrou eficácia no tratamento de primeira linha em pacientes de etnia asiática com CPNPC e mutação do EGFR, com aumento de SLP (13,1 vs 4,6 meses, p<0,0001, n=165)37 e também em pacientes de etnia caucasiana, com aumento de SLP (9,4 vs 5,2 meses,p<0,0001, n=1227) e SG (22,9 vs 18,8, p=0,42) 38. Além disso, um estudo fase II demonstrou que o acréscimo de Erlotinibe ao tratamento com gencitabina aumentou a SG (6,24 vs 5,91 meses, p=0,023, n=569)

6 Receptores tirosina quinasetirosina-quinase: implicações farmacológicas e terapêuticas no câncer 135 e SLP (3,75 vs 3,55 meses, p=0,004) de pacientes com carcinoma de pâncreas localmente avançado, inoperável ou metastático 39. Inibidores Duais de HER1 e HER2 Lapatinibe Lapatinibe (Tykerb, GlaxoSmithKline) é um inibidor reversível da autofosforilação de ambos os receptores tirosina-quinase HER1 e HER2 40. O Lapatinibe inibe também uma forma de receptor HER2, conhecida por p95her2 ou HER2 truncado, cujo domínio extracelular de ligação ao Trastuzumabe está ausente, o que confere resistência ao uso deste fármaco 41. Depois de demonstrada a atividade antitumoral do Lapatinibe em xenoenxertos, e em estudos fase I/ II, foi avaliada, em estudo clínico fase III, a eficácia da associação de Lapatinibe com Capecitabina em mulheres com câncer de mama HER2-positivo metastático ou localmente avançado que progrediu após tratamento com regimes que incluiam antraciclinas, taxanes e Trastuzumabe (anticorpo anti-her2). O estudo concluiu que a terapia combinada proporciona maior SLP (8,4 s 4,4 meses, p<0,001, n=324) e maior taxa de resposta quando comparado à monoterapia com capecitabina, contudo a SG foi semelhante em ambos os braços do estudo 42. Anticorpos Anti-Her Anticorpos Anti-EGFR/HER1 Cetuximabe Cetuximabe (Erbitux, Merck) é um anticorpo quimérico (recombinante, com características humanas e murinas) que se liga especificamente ao domínio extracelular do EGFR humano em células normais e tumorais, e inibe competitivamente a ligação do EGF ao seu receptor 43. A inibição do EGFR através da ligação ao Cetuximabe promove uma vasta gama de propriedades biológicas antitumorais, exploradas em modelos experimentais in vitro e in vivo 43. Estimulados pelos resultados pré-clínicos, diversos ensaios clínicos utilizando combinações de quimioterapia com Cetuximabe foram estudados em vários tipos de tumores. No câncer colorretal metastático, um ensaio clínico fase III mostrou que o acréscimo do Cetuximabe ao tratamento de primeira linha, com irinotecano, 5-fluorouracil e leucovorin (FOLFIRI) possibilitou um aumento na resposta objetiva (46,9 vs 38,7%, p=0,004) e na SLP (8,9 vs 8,0, p=0,048, n=599), sem aumento significativo na SG (estudo CRYSTAL) 44. Quando estudado apenas os pacientes sem mutação do KRAS (a mutação do KRAS confere ativação constitutiva e consequente resistência ao Cetuximabe), o acréscimo de Cetuximabe ao FOLFIRI mostrou um impacto ainda maior na resposta objetiva (57,3 vs 39,7%, p<0,0001), assim como na SLP (9,9 vs 8,4 meses, p=0,0012, n=1217), e na SG (23,5 vs 20,0 meses, p=0,0093) 45. Por outro lado, quando associado ao regime com oxaliplatina, 5-fluorouracil e leucovorin (FOLFOX-4), o braço com Cetuximabe mostrou aumento na taxa de resposta (61% vs 37%, p=0,011, estudo OPUS) 46. Em outro estudo fase III, 1630 pacientes foram randomizados para receberem Cetuximabe combinado ou não ao esquema XELOX (Capecitabina mais Oxaliplatina), ou OxMdG (variação de Oxaliplatina mais 5-FU/Leucovorin). Embora se tenha observado um aumento na taxa de resposta, favorecendo a combinação com o anticorpo nos indivíduos com KRAS selvagem (64 vs 57%, p=0,049), não se observou diferença na SLP e na SG nesses casos (estudo MRC COIN) 47. Importante mencionar o estudo de Jonker e cols. que mostrou que Cetuximabe mais melhores cuidados de suporte quando comparado com melhores cuidados de suporte, era capaz de aumentar a SG (6,1 vs 4,6 meses, p=0,005, n=572) e a SLP e ainda preservar a qualidade de vida em pacientes com câncer colorretal metastático e imunoexpressão de EGFR, e que tinham sido previamente tratados sem resposta com regimes clássicos de quimioterapia. 48 No carcinoma recorrente ou metastático de células escamosas da cabeça e pescoço, quando comparado o acréscimo do Cetuximabe à terapia baseada em platina e fluorouracil, com a terapia sem o anticorpo, houve uma melhora na SG (10,1 vs 7,4 meses, p<0,001, n=442) 49. Panitumumabe Panitumumabe (Vectibix, Amgen) é outro anticorpo monoclonal do tipo IgG2 que tem como diferencial o fato de ser totalmente humano. Une-se ao domínio extracelular de EGFR/HER1, inibindo a sua fosforilação 50. A eficácia do Panitumumabe foi testada em estudo clínico fase III, em pacientes com câncer colorretal metastático, que superexpressaram EGFR, e não responderam à terapia a base de 5-fluorouracil, CPT-11, e oxaliplatina. Quando comparado com apenas melhores cuidados de suporte o Panitumumabe foi capaz de prolongar a SLP (8,0 vs 7,3 semanas, p< 0,0001, n=463), contudo sem diferença na SG 51. Em seguida, outro estudo clínico fase III avaliou o acréscimo do Panitumumabe na segunda linha do tratamento de pacientes com câncer colorretal metastático (CCRm) e sem mutação do KRAS em associação com o esquema Revista Brasileira de Oncologia Clínica Vol. 8, n o 29 julho / agosto / setembro 2012

7 136 FOLFIRI, mostrando um aumento na SLP (5,9 vs 3,9 meses, p = 0,004, n = 1186) quando comparado ao FOLFIRI apenas, contudo sem aumento de SG 52. Na primeira linha do CCRm, a adição de Panitumumabe ao esquema FOLFOX aumentou a SLP (9,6 vs 8,0 meses, p = 0,02, n = 1183), contudo não aumentou a SG em pacientes com tumores KRAS selvagem 53. Anticorpos Anti-Her2 Trastuzumabe Trastuzumabe (Herceptin, Genentech) é um anticorpo IgG1 humanizado que se liga com alta afinidade ao HER2, impedindo sua fosforilação, levando ao bloqueio da transdução de sinal intracelular 54. O Trastuzumabe, tanto em ensaios in vitro como em animais, é capaz de inibir a proliferação de células tumorais humanas que superexpressam HER2 54. A eficácia do Trastuzumabe foi estudada em vários ensaios clínicos, dos quais estudo fase III evidenciou que a adição de Trastuzumabe à quimioterapia padrão para o câncer de mama metastático em pacientes com tumores superexpressando HER2 aumentava a SLP (4,6 vs 7,4 meses, p<0,001, n= 469) e de SG (25,1 vs. 20,3 meses, p=0,046) 55. Na terapia adjuvante do câncer de mama, o Trastuzumabe foi testado em 04 diferentes estudos fase III em pacientes com tumor positivo para HER Em um deles, 3351 pacientes foram randomizadas para receber quimioterapia com doxorrubicina e ciclofosfamida, seguido de paclitaxel e Trastuzumabe e depois apenas Trastuzumabe, ou receber apenas o regime quimioterápico sem o anticorpo. O grupo tratado com Trastuzumabe mostrou aumento na SLP (85% vs 67%, p<0,001, n=3351) e na SG (91% vs 87%, p=0,02) 56. Em outro estudo, 3222 pacientes com câncer de mama HER2 positivo, em estágio inicial, foram randomizadas em três grupos, para receber doxorrubicina e ciclofosfamida seguido por docetaxel a cada 3 semanas (AC-T), ou o mesmo regime, mais 52 semanas de Trastuzumabe, ou ainda docetaxel e carboplatina com 52 semanas de Trastuzumabe, as taxas de SLP em cinco anos foram 75% vs 84% vs 81%, respectivamente, e as taxas de SG foram 87%, 92% e 91%, respectivamente, sem diferença significativa na eficácia entre os dois regimes que utilizaram Trastuzumabe, enquanto ambos eram superiores a AC-T. Além disso, o risco- -benefício favoreceu o regime sem antraciclina, dado a sua eficácia semelhante, e menos efeitos tóxicos agudos, além de menores riscos de cardiotoxicidade e leucemia 58. O Trastuzumabe também foi ensaiado em estudos pré-clínicos em câncer gástrico 60, e com os bons resultados no câncer de mama, um ensaio clínico fase III, em pacientes com adenocarcinoma gástrico e da junção gastroesofágica localmente avançados ou metastáticos com superexpressão de HER2, foi desenhado. Nesse estudo Trastuzumabe foi adicionado ou não à quimioterapia padrão. Os resultados mostraram um aumento na SG (13,8 vs 11,0 meses, p=0,0046, n=594) 61, favorecendo o grupo com o anticorpo. Fator de Crescimento do Endotélio Vascular Inicialmente, o crescimento de um tumor é alimentado por vasos sanguíneos próximos. Quando o tumor atinge um determinado tamanho, esses vasos sanguíneos não são mais suficientes e novos vasos sanguíneos são necessários para continuar o crescimento. O tumor adquire a capacidade de formar novos vasos, processo denominado angiogênese. A aquisição do fenótipo angiogênico pelo tumor pode ocorrer através de alterações genéticas ou do ambiente tumoral que levam à ativação das células endoteliais. Uma forma de ativação das células endoteliais é através da secreção de FC pró-angiogênicos, que então se ligam aos receptores de outras células endoteliais e estimulam a angiogênese 62. Assim, as células tumorais são capazes de realizar um aumento na expressão de fatores pró-angiogênicos, como o fator de crescimento do endotélio vascular (VEGF), e down-regulation de fatores inibidores da angiogênese. Embora existam pelo menos 5 isoformas (VEGF-A, VEGF-B, VEGF-C, VEGF-D e VEGF- -E), o termo VEGF tipicamente refere-se ao VEGF-A, o principal mediador da angiogênese tumoral, com importante papel na migração celular, proliferação e sobrevivência. Esses ligantes ligam-se a 3 tipos de receptores: VEGFR-1, VEGFR-2, VEGFR-3. VEGFR-2 é responsável por mediar a maioria dos efeitos angiogênicos do VEGF-A, contudo, também há evidências indicando que VEGFR-1 desempenha um papel importante na angiogênese, já o VEGFR-3 está mais ligado à linfangiogênese 62. Neste sentido, foram desenvolvidos alguns fármacos promissores para o uso clínico, como o Bevacizumabe. A figura 4 mostra o mecanismo de ação do Bevacizumabe e das terapias multi-alvo.além disso, drogas multi-alvo incluem em seu espectro de ação os receptores VEGFR, como o pazopanibe, sorafenibe e sunitinibe. Fator de Crescimento Derivado de Plaquetas A família do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF) consiste de quatro proteínas (PDGF-A,

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI gefitinib N.º Registo Nome Comercial Apresentação/Forma Farmacêutica/Dosagem PVH PVH com IVA Titular de AIM 30 comprimidos

Leia mais

Processo número: 0040.14.000.969-3 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) OU TARCEVA (ERLOTINIBE) NO TRATAMENTO DO ADENOCARCINOMA DE PULMÃO

Processo número: 0040.14.000.969-3 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) OU TARCEVA (ERLOTINIBE) NO TRATAMENTO DO ADENOCARCINOMA DE PULMÃO NOTA TÉCNICA 18/2014 Solicitante Ilmo Dr. José Aparecido Fausto de Oliveira Juiz de Direito Data: 31/01/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0040.14.000.969-3 TEMA: IRESSA

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

SUNITINIBE PARA CARCINOMA RENAL DE CÉLULAS CLARAS

SUNITINIBE PARA CARCINOMA RENAL DE CÉLULAS CLARAS Nota Técnica NATS 59/2012 Número do processo: 1311922-91.2012.8.13.0000 Data: 08/12/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X SUNITINIBE PARA CARCINOMA RENAL DE CÉLULAS CLARAS Sumário 1. RESUMO

Leia mais

Processo número: 0013603-80.2014 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS METASTÁTICO

Processo número: 0013603-80.2014 TEMA: IRESSA (GEFITININIBE) NO TRATAMENTO DO CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS METASTÁTICO NOTA TÉCNICA 81/2014 Solicitante Ilma Dra. Marcela Maria Amaral Novais Juíza de Direito Comarca de Caeté Minas Gerais Data: 03/05/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0013603-80.2014

Leia mais

TEMA: Tratamento com Sunitinibe (Sutent ) do Carcinoma de Células Renais metastático (do tipo carcinoma de células claras).

TEMA: Tratamento com Sunitinibe (Sutent ) do Carcinoma de Células Renais metastático (do tipo carcinoma de células claras). Nota Técnica 37/2012 Data: 04/12/2012 Solicitante: Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Desembargadora 1ª Câmara Cível - TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 1.0035.12.013771-2/001

Leia mais

Introdução ao Tratamento Oncológico

Introdução ao Tratamento Oncológico Introdução ao Tratamento Oncológico Diogo Rodrigues Médico oncologista da COI - Clínicas Oncológicas Integradas Gerente Médico do Instituto COI de Pesquisa, Educação e Gestão TÓPICOS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

TEMA: GEFITINIBE (IRESSA ) NO TRATAMENTO DE SEGUNDA LINHA PARA PACIENTE COM CÂNCER METASTÁTICO DE PULMÃO, COM MUTAÇÃO DE EGFR.

TEMA: GEFITINIBE (IRESSA ) NO TRATAMENTO DE SEGUNDA LINHA PARA PACIENTE COM CÂNCER METASTÁTICO DE PULMÃO, COM MUTAÇÃO DE EGFR. NT 24/2012 Solicitante: Juiz Geraldo Claret de Arantes Número do processo: Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: GEFITINIBE (IRESSA ) NO TRATAMENTO DE SEGUNDA LINHA PARA

Leia mais

Sinalização Celular. Por que sinalizar?

Sinalização Celular. Por que sinalizar? Comunicação Celular Sinalização Celular Por que sinalizar? Sinalização Celular Quando sinalizar? Sinalização Celular Como sinalizar? Sinalização Celular Onde sinalizar? Relevância Biológica Alteração no

Leia mais

TEMA: GEFITINIBE (IRESSA ) NO TRATAMENTO DE SEGUNDA LINHA PARA PACIENTE COM CÂNCER METASTÁTICO DE PULMÃO.

TEMA: GEFITINIBE (IRESSA ) NO TRATAMENTO DE SEGUNDA LINHA PARA PACIENTE COM CÂNCER METASTÁTICO DE PULMÃO. NT 213/2013 Data: 05/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante Dr. Jayme de Oliveira Maia Número do processo: 0058335-95.2013.8.13.0720 TEMA: GEFITINIBE (IRESSA ) NO TRATAMENTO

Leia mais

Papel da Quimioterapia Paliativa: até onde ir?

Papel da Quimioterapia Paliativa: até onde ir? Papel da Quimioterapia Paliativa: até onde ir? Rodrigo Ughini Villarroel CITO/HCPF Sem conflito de interesse para essa apresentação Tratamento sistêmico paliativo em câncer gástrico Existe vantagem na

Leia mais

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide

doença Sem especificação de fase da doença Sem especificação de fase da doença Estágios avançados Linfomas Mama Micose Fungóide SUBSTÂNCIA LOCALIZAÇÃO INDICAÇÃO Acetato de Abiraterona Anastrozol Bicalutamida Bussulfano Metastático resistente à castração em homens que receberam quimioterapia prévia com docetaxel Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

Lapatinibe para câncer de mama

Lapatinibe para câncer de mama Data: 05/11/2013 NTRR 212/2013 Solicitante: Desembargador Geraldo Augusto de Almeida Mandado de Segurança: nº1.0000.13.083981-4/000 Impetrado: Secretário de Estado da Saúde de Minas Gerais. Medicamento

Leia mais

Biomarcadores para avaliação de efectividade terapêutica no carcinoma colorectal

Biomarcadores para avaliação de efectividade terapêutica no carcinoma colorectal Biomarcadores para avaliação de efectividade terapêutica no carcinoma colorectal Objectivos do projecto Avaliar o valor predictivo de um conjunto de biomarcadores, relativamente à resposta à terapia em

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático Lucio Crinò, MD: Olá, bem vindo a este programa! Sou Lucio Crinò, Médico Oncologista de Perugia, Itália. Hoje, estou aqui para discutir o paradigma de tratamento atual para câncer de pulmão de células

Leia mais

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE COM PROGRESSÃO DO TUMOR APÓS USO DE SORAFENIBE

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE COM PROGRESSÃO DO TUMOR APÓS USO DE SORAFENIBE NT 14/2013 Solicitante: Ilmo Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP da Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 09/02/2013 Medicamento X Material

Leia mais

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Princípios de Oncologia Clínica Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Histórico 1900 Termo Quimioterapia Dr. Paul Ehrlich (1854-1915) Anos 40 Segunda Guerra Mundial Ilha de Bali 1943

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI sunitinib N.º Registo Nome Comercial Apresentação/Forma Farmacêutica/Dosagem PVH PVH com IVA Titular de AIM 5072103 Sutent

Leia mais

Gencitabina em câncer de pulmão: avaliação retrospectiva de resposta clínica, sobrevida livre de progressão e sobrevida global

Gencitabina em câncer de pulmão: avaliação retrospectiva de resposta clínica, sobrevida livre de progressão e sobrevida global 12 Artigo Original Gencitabina em câncer de pulmão: avaliação retrospectiva de resposta clínica, sobrevida livre de progressão e sobrevida global Ana Lucia Coradazzi CRM SP 87.242 Gustavo Fernando Veraldi

Leia mais

PAINEL LUNG SCAN NGS

PAINEL LUNG SCAN NGS PAINEL LUNG SCAN NGS Dr. Carlos Gil Moreira Ferreira CRM 52-57198-8 O Laboratório Progenética desenvolveu, de forma pioneira no Brasil, o Painel Lung Scan NGS, utilizando a técnica de sequenciamento de

Leia mais

Antineoplásicos de uso oral

Antineoplásicos de uso oral Antineoplásicos de uso oral ABIRATERONA, ACETATO DE Metastático resistente à castraçăo em homens que receberam quimioterapia prévia ANASTROZOL Principais indicações por medicamento Adjuvante na pós-menopausa

Leia mais

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR NT 34/2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0000.13.021277-2/000 Reu: Secretaria de Saúde de Minas Gerais Data: 28/03/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Cetuximabe para Carcinoma de Laringe recidivado

Cetuximabe para Carcinoma de Laringe recidivado NOTA TÉCNICA 152/2014 Solicitante: Juiz Fernando de Moraes Mourão Número do processo: 0042.14.002900-2 Réu: MUNICÍPIO DE ARCOS e ESTADO DE MINAS GERAIS Data: 23/07/2013 Medicamento x Material Procedimento

Leia mais

Sarcomas de Partes Moles

Sarcomas de Partes Moles Sarcomas de Partes Moles AIM- Doxorrubicina, Ifosfamida e Mesna Doxorrubicina: 75 mg/m 2 /ciclo IV em pulso divididos entre D1 a D3 Ifosfamida: IV 6 9g/m 2 /ciclo, divididos entre D1 a D3 Mesna a cada

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

Pesquisa Clínica: Estudos em Câncer de Pulmão, Brasil

Pesquisa Clínica: Estudos em Câncer de Pulmão, Brasil Porto Alegre, October 2014 Pesquisa Clínica: Estudos em Câncer de Pulmão, Brasil Carlos H. Barrios, M.D. PUCRS School of Medicine Porto Alegre, Brazil II Congresso Multidisciplinar ICMD Potential Conflicts

Leia mais

Recife, Junho de 2011

Recife, Junho de 2011 Recife, Junho de 2011 Mário Reis Álvares-da-Silva Professor Adjunto-Doutor de Hepatologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre mras@terra.com.br Declaração de

Leia mais

CÂNCER COLORRETAL METASTÁTICO: PAPEL ATUAL DOS ANTICORPOS MONOCLONAIS E A INDIVIDUALIZAÇÃO DE SEU USO

CÂNCER COLORRETAL METASTÁTICO: PAPEL ATUAL DOS ANTICORPOS MONOCLONAIS E A INDIVIDUALIZAÇÃO DE SEU USO 45 ABCD Arq Bras Cir Dig 2009;22(1):45-9 Artigo de Revisão CÂNCER COLORRETAL METASTÁTICO: PAPEL ATUAL DOS ANTICORPOS MONOCLONAIS E A INDIVIDUALIZAÇÃO DE SEU USO Monoclonal therapy in metastatic colorectal

Leia mais

Incorporação, na tabela Unimed-BH de materiais e medicamentos: Gemcitabina (Gemzar ) para tratamento do câncer avançado de bexiga, mama e pâncreas.

Incorporação, na tabela Unimed-BH de materiais e medicamentos: Gemcitabina (Gemzar ) para tratamento do câncer avançado de bexiga, mama e pâncreas. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 038/05 Tema: Gemcitabina I Data: 01/11/2005 II Grupo de Estudo: Dr. Lucas Barbosa da Silva Dra. Lélia Maria de Almeida Carvalho Dra. Silvana Márcia Bruschi

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

HIGHLIGHTS OF THE ASCO MEETING

HIGHLIGHTS OF THE ASCO MEETING 20/09/2012 09:00-10:30 h Palestra HIGHLIGHTS OF THE ASCO MEETING 2012 09:00-09:10 PRACTICE-CHANGING ABSTRACTS 09:10-09:20 Brain Cancer. Long-term follow-up results of EORTC 26951: A randomized phase III

Leia mais

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM 30/2013 Belo Horizonte Junho/2013 Declaração de possíveis conflitos de interesse. Nenhum

Leia mais

Quimioterapia de Conversão no Câncer Colorretal: Qual a melhor estratégia?

Quimioterapia de Conversão no Câncer Colorretal: Qual a melhor estratégia? Quimioterapia de Conversão no Câncer Colorretal: Qual a melhor estratégia? Marcelo R. S. Cruz Oncologia Clínica Hospital São José Beneficência Protuguesa de São Paulo Invetigador Principal: Lilly, Roche

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

Avanços na Patologia cirúrgica. Renée Zon Filippi Laboratório de Anatomia Patológica do Hospital Israelita Albert Einstein reneezon@einstein.

Avanços na Patologia cirúrgica. Renée Zon Filippi Laboratório de Anatomia Patológica do Hospital Israelita Albert Einstein reneezon@einstein. Avanços na Patologia cirúrgica Renée Zon Filippi Laboratório de Anatomia Patológica do Hospital Israelita Albert Einstein reneezon@einstein.br Avanços Neoplasias de pulmão Câncer colorretal Carcinoma

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

TEMA: Trastuzumabe (Herceptin ) para tratamento câncer de mama localmente avançado

TEMA: Trastuzumabe (Herceptin ) para tratamento câncer de mama localmente avançado NTRR 09/2013 Solicitante: Desembargador Alyrio Ramos Número do processo: 1.0134.12.010459-8/001 Impetrato: Secretaria de Caratinga Data: 02/02/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Trastuzumabe

Leia mais

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

Sinalização celular. Profa. Dra. Monica Akemi Sato Sinalização celular Profa. Dra. Monica Akemi Sato Mensageiros Químicos Número de células Corpo Humano ~75 trilhões As células são especializadas na execução da função específica Ex: secreção ou contração.

Leia mais

V Encontro Pós ASCO - 2011. Tratamento: mama metastático. Leandro Alves Gomes Ramos 02/07/2011

V Encontro Pós ASCO - 2011. Tratamento: mama metastático. Leandro Alves Gomes Ramos 02/07/2011 V Encontro Pós ASCO - 2011 Tratamento: mama metastático Leandro Alves Gomes Ramos 02/07/2011 Não tenho conflitos de interesse Câncer de mama metastático Triplo negativo Inibição PARP: Iniparibe Metastático:

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Câncer de Vias Biliares Versão eletrônica atualizada em Julho 2009 Os colangiocarcinomas e carcinomas de vesícula biliar são tumores originários do epitélio dos ductos biliares

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER 40 CONGRESSO BRASILEIRO DE ANÁLISES CLÍNICAS FLORIANÓPOLIS, 16 DE JUNHO DE 2013 (11:00 11:45H) BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO

Leia mais

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro:

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro: EMA/175824/2015 EMEA/H/C/000582 Resumo do EPAR destinado ao público bevacizumab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Câncer de Pâncreas (CP) Versão eletrônica atualizada em Maio 2009 O CP é uma doença relativamente infreqüente, mas associada a uma alta taxa de mortalidade. Costuma acometer pessoas

Leia mais

AREUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE AMERICANA DE

AREUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE AMERICANA DE ASCO 2013 Highlights em câncer de pulmão Divulgação Mauro Zukin *ASCO Program Committee 2013, diretor técnico do grupo COI, médico do Instituto Nacional de Câncer - Inca, presidente do GBOT. Contato: maurozukin@coinet.com.br

Leia mais

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas:

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas: GENÉTICA E CÂNCER O câncer é uma doença genética, independentemente de ocorrer de forma esporádica ou hereditária, pois a carcinogênese sempre inicia com danos no DNA. Geralmente, esses danos são potencializados

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

Recentes Avanços no Tratamento do Câncer de Mama HER2 positivo. Ricardo Marques Centro de Oncologia/Hospital Sírio Libanês São Paulo - SP

Recentes Avanços no Tratamento do Câncer de Mama HER2 positivo. Ricardo Marques Centro de Oncologia/Hospital Sírio Libanês São Paulo - SP Recentes Avanços no Tratamento do Câncer de Mama HER2 positivo Ricardo Marques Centro de Oncologia/Hospital Sírio Libanês São Paulo - SP 1. Tratamento Adjuvante Duração da Adjuvância 2. Tratamento NeoAdjuvante

Leia mais

Nefrectomia citorredutora

Nefrectomia citorredutora Nefrectomia citorredutora no câncer de rim metastático Gustavo Lemos Junho 2012 Carcinoma de células renais 1/3 metastáticos no diagnóstico 20 a 30% dos Ptscom tumor localizado irão desenvolver metástases.

Leia mais

Tratamento do Câncer Gástrico Avançado. Rui Weschenfelder Oncologia Clínica

Tratamento do Câncer Gástrico Avançado. Rui Weschenfelder Oncologia Clínica Tratamento do Câncer Gástrico Avançado U d Update 2014 2014 Rui Weschenfelder Oncologia Clínica Declaração de conflitos de interesse De acordo com a resolução do Conselho Federal de Medicina n o 1595/2000

Leia mais

Resumo O trastuzumab, anticorpo monoclonal contra o sítio extracelular do receptor

Resumo O trastuzumab, anticorpo monoclonal contra o sítio extracelular do receptor REVISÃO SISTEMATIZADA Trastuzumab no câncer de mama Trastuzumab in breast cancer Palavras-chave Neoplasias da mama Fator de crescimento epidérmico Quimioterapia Key words Breast neoplasms Epidermal growth

Leia mais

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER Gyzelly Gondim de Oliveira 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2 1 Graduanda do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

Leia mais

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE UNESP, São José do Rio Preto Câncer : Doença Genética?

Leia mais

PROTOCOLOS DE PRÉ-MEDICAÇÃO EM QUIMIOTERAPIA

PROTOCOLOS DE PRÉ-MEDICAÇÃO EM QUIMIOTERAPIA PROTOCOLOS DE PRÉ-MEDICAÇÃO EM QUIMIOTERAPIA Marta Ferreira, Bebiana Conde, Ana Fernandes, António Araújo I. PROTOCOLO DE HIDRATAÇÃO: a) Cisplatina: - Se dose < 50 mg/m 2 : Pré-Hidratação: 250 ml, PO,

Leia mais

DROGAS ANTI-CÂNCER E SUAS AÇÕES ESPECÍFICAS CONTRA AS CÉLULAS TUMORAIS

DROGAS ANTI-CÂNCER E SUAS AÇÕES ESPECÍFICAS CONTRA AS CÉLULAS TUMORAIS ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO,SP DROGAS ANTI-CÂNCER E SUAS AÇÕES ESPECÍFICAS CONTRA AS CÉLULAS TUMORAIS PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM Biomédico, Professor Titular pela Universidade

Leia mais

BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE

BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE 6 BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE INTRODUÇÃO A história natural da maioria dos tumores malignos pode ser dividida em 4 fases: (1) transformação maligna, (2) crescimento da célula transformada, (3) invasão

Leia mais

ACESSO E IMPACTO ECONÔMICO DAS TERAPIAS-ALVO BEVACIZUMABE E CETUXIMABE NO TRATAMENTO DO CÂNCER CÓLON-RETAL METASTÁTICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

ACESSO E IMPACTO ECONÔMICO DAS TERAPIAS-ALVO BEVACIZUMABE E CETUXIMABE NO TRATAMENTO DO CÂNCER CÓLON-RETAL METASTÁTICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ACESSO E IMPACTO ECONÔMICO DAS TERAPIAS-ALVO BEVACIZUMABE E CETUXIMABE NO TRATAMENTO DO CÂNCER CÓLON-RETAL METASTÁTICO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Andrea Queiróz Ungari 1, Leonardo Régis Leira Pereira

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

BEVACIZUMABE PARA GLIOBLASTOMA MULTIFORME SOLICITANTE : Des. Estevão Lucchesi. NÚMERO DO PROCESSO: 1.0145.15.003244-2/001

BEVACIZUMABE PARA GLIOBLASTOMA MULTIFORME SOLICITANTE : Des. Estevão Lucchesi. NÚMERO DO PROCESSO: 1.0145.15.003244-2/001 13/03/2015 NT 06/2015 BEVACIZUMABE PARA GLIOBLASTOMA MULTIFORME SOLICITANTE : Des. Estevão Lucchesi. NÚMERO DO PROCESSO: 1.0145.15.003244-2/001 SOLICITAÇÃO/ CASO CLÍNICO De: Gabinete Desembargador Estêvão

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008

UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008 Belo Horizonte

Leia mais

Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático. Antonio C. Buzaid

Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático. Antonio C. Buzaid Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático Antonio C. Buzaid Índice TDM4450g: Trastuzumab Emtansine (T-DM1) Versus Trastuzumab + Docetaxel em Pacientes com CMM Her-2 + sem Tratamento:

Leia mais

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto COMUNICAÇÃO CELULAR Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto O que é comunicação celular? As células possuem um sistema responsável por: Geração Transmissão Recepção Resposta. Uma

Leia mais

CÂNCER DE MAMA HER2+ E TRATAMENTO COM TRASTUZUMABE

CÂNCER DE MAMA HER2+ E TRATAMENTO COM TRASTUZUMABE CÂNCER DE MAMA HER2+ E TRATAMENTO COM TRASTUZUMABE Loureiro, Bethânia Rodrigues 1 Bastos, Bruna de Oliveira 2 Silva, Layana Brito 3 Silva, Marcela Almeida 4 Meireles, Sarah Hilario 5 Morato, Maria José

Leia mais

Imunoterapia hoje e amanhã. Stephen Stefani, MD

Imunoterapia hoje e amanhã. Stephen Stefani, MD Imunoterapia hoje e amanhã Stephen Stefani, MD Imunoterapia hoje e amanhã Nao tenho conflitos de interesse a declarar em relação aos temas abordados nesta palestra R1931/2090 Conselho Federal de Medicina

Leia mais

INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER

INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO JOSÉ DO RIO PRETO,SP REVISÃO ATÉ 2013 *TODOS OS TIPOS DE CÂNCER TÊM ORIGEM

Leia mais

Entender as alterações moleculares que ocorrem nos tumores malignos tem tido particular interesse por parte dos pesquisadores nos dias de hoje.

Entender as alterações moleculares que ocorrem nos tumores malignos tem tido particular interesse por parte dos pesquisadores nos dias de hoje. AVANÇOS DA TERAIA TARGET MOLECULAR EM CÂNCER YARA CARNEVALLI BAXTER, DAN LINETZKY WAITZBERG Introdução Entender as alterações moleculares que ocorrem nos tumores malignos tem tido particular interesse

Leia mais

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Disciplina de Genética Humana. Curso de Medicina. Estudo Dirigido: Ciclo Celular

Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre. Disciplina de Genética Humana. Curso de Medicina. Estudo Dirigido: Ciclo Celular Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre Disciplina de Genética Humana Curso de Medicina Estudo Dirigido: Ciclo Celular 1. Qual o papel de G0 no ciclo celular? Células ativas em divisão

Leia mais

Antineoplásico. monobásico, monoidratado), fosfato dissódico anidro (fosfato de sódio, dibásico), polissorbato 20 e água para injetável.

Antineoplásico. monobásico, monoidratado), fosfato dissódico anidro (fosfato de sódio, dibásico), polissorbato 20 e água para injetável. Avastin bevacizumabe Roche Antineoplásico IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome do produto: Avastin Nome genérico: bevacizumabe Forma farmacêutica, via de administração e apresentações Solução injetável concentrada

Leia mais

Parte III: Manipulação da informação

Parte III: Manipulação da informação Parte III: Manipulação da informação Novos alvos terapêuticos É possível fazer uma classificação molecular dos tumores e correlacionar com prognóstico. E agora? Leucémias agudas : LMA (L. Mieloblástica

Leia mais

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Módulo: Doença Metastática para Sistema Nervoso central Bloco: Manejo das Lesões Múltiplas Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Aknar Calabrich Oncologia Clínica Em 1 ano... Pubmed 67 artigos (nenhum

Leia mais

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia)

1.Introdução Educação e Atualização em Cancerologia) 1 SILVA, M.B..; FONSECA, C.A.; RODRIGUES, A.J.L.; Terapia medicamentosa do câncer. In III SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E I JORNADA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UEG. 2005, Anápolis. Anápolis: UEG,

Leia mais

Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas.

Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas. Quimioterapia Metronômica novos usos para drogas antigas. A gama de opções de drogas quimioterápicas disponíveis para uso veterinário continua a se expandir bem como o aprendizado com a oncologia humana

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DE MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI RALTITREXEDO Medicamento PVH PVH com IVA Titular de AIM TOMUDEX Embalagem contendo 1 frasco com pó para solução injectável

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Avaliação genética e tratamentos preventivos Simône Noronha Hospital São José São Paulo - Brasil Índice: Radioterapia no câncer de mama hereditário (Revisão) Perfil

Leia mais

Resposta Imune contra o Câncer

Resposta Imune contra o Câncer Câncer é um termo genérico, que compreende em torno de 200 doenças, cujas células causadoras partilham algumas características em comum: Mutações genéticas; Crescimento descontrolado; Capacidade de migração

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 07 /2014 - CESAU. OBJETO: Parecer. Centro de Apoio Operacional

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 07 /2014 - CESAU. OBJETO: Parecer. Centro de Apoio Operacional ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 07 /2014 - CESAU Salvador, 20 de janeiro de 2014 OBJETO: Parecer. Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU. REFERÊNCIA: xxxx Promotoria da Justiça de Salvador / Dispensação

Leia mais

OncoScreen. Novos painéis. confiabilidade em diagnósticos. Lançamento do SalomãoZoppi amplifica a análise de genes associados a tumores. Págs.

OncoScreen. Novos painéis. confiabilidade em diagnósticos. Lançamento do SalomãoZoppi amplifica a análise de genes associados a tumores. Págs. 2013 Edição 39 Fique em dia com o boletim médico SALOMÃOZOPPI DIAGNÓSTICOS em dia confiabilidade em diagnósticos Novos painéis OncoScreen Lançamento do SalomãoZoppi amplifica a análise de genes associados

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4.

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. BASES CELULARES DO CANCER. Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. 1 Graduanda Curso de Ciências Biológicas UEG/UNuCET 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Bases Moleculares do Câncer e Ação A

Leia mais

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do. Câncer de Cabeça e Pescoço. Contexto da Medicina Baseada em Evidências CONGRESSO DE AUDITORIA - NATAL - 2015 Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT) no Tratamento do Câncer de Cabeça e Pescoço Contexto da Medicina Baseada em Evidências Tratamento do Câncer de Cabeça e

Leia mais

Pacientes em tratamento com medicamentos cedidos por Liminar Judicial. Novembro de 2011

Pacientes em tratamento com medicamentos cedidos por Liminar Judicial. Novembro de 2011 Pacientes em tratamento com medicamentos cedidos por Liminar Judicial Novembro de 2011 Todos pacientes são encaminhados pela SMS mediante emissão de Código de Transação Se o caso for oncológico o médico

Leia mais

KRAS Mutation Detection: A New Look at an Old Gene Detecção da Mutação do KRAS: Uma Nova Olhada em um Velho Gene

KRAS Mutation Detection: A New Look at an Old Gene Detecção da Mutação do KRAS: Uma Nova Olhada em um Velho Gene KRAS Mutation Detection: A New Look at an Old Gene Detecção da Mutação do KRAS: Uma Nova Olhada em um Velho Gene A introdução de drogas de moléculas pequenas e de anticorpos monoclonais humanos como novas

Leia mais

Os fatores que promovem o crescimento de um órgão ou organismo podem ser funcionalmente divididos em três classes principais:

Os fatores que promovem o crescimento de um órgão ou organismo podem ser funcionalmente divididos em três classes principais: 1 Os fatores que promovem o crescimento de um órgão ou organismo podem ser funcionalmente divididos em três classes principais: 1. Mitógenos, que estimulam a divisão celular, principalmente por aliviar

Leia mais

VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS (uso pediátrico apenas para tratamento de SEGA associado ao TSC)

VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS (uso pediátrico apenas para tratamento de SEGA associado ao TSC) AFINITOR TM everolimo APRESENTAÇÕES Afinitor TM de 2,5 mg, 5 mg ou 10 mg - embalagens contendo 30 comprimidos. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS (uso pediátrico apenas para tratamento de

Leia mais

Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante. O que ha de novo?

Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante. O que ha de novo? Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante O que ha de novo? Carlos H. Barrios Professor, PUCRS School of Medicine Director, Oncology Research Center, Hospital São Lucas Director, Instituto

Leia mais

Nova Classificação Patológica do Adenocarcinoma de Pulmão IASLC: Implicações Práticas

Nova Classificação Patológica do Adenocarcinoma de Pulmão IASLC: Implicações Práticas Nova Classificação Patológica do Adenocarcinoma de Pulmão IASLC: Implicações Práticas Vera Luiza Capelozzi Profa. Associada do Departamento de Patologia da FMUSP Consultora em Patologia Pulmonar vcapelozzi@lim05.fm.usp.br

Leia mais

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino

TEMA: Octreotida LAR no tratamento de tumor neuroendócrino NTRR 31/2013 Solicitante: Juiz Juarez Raniero Número do processo:0479.13.003726-6 Reu: Secretaria de Saúde de Passos Data: 25/03/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Octreotida LAR

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

CÂNCER RENAL AVANÇADO

CÂNCER RENAL AVANÇADO CÂNCER RENAL AVANÇADO Daniel F. Saragiotto Médico Titular do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês Médico Assistente do ICESP Coordenador da Residência Médica em Cancerologia Clínica HSL e ICESP

Leia mais

Erlotinibe para câncer de pulmão de células não pequenas

Erlotinibe para câncer de pulmão de células não pequenas Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde Erlotinibe para câncer de pulmão de células não pequenas Novembro

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CANCEROLOGIA 21. O melhor esquema terapêutico para pacientes com neoplasia maligna de bexiga, os quais são clinicamente inelegíveis para cirurgia radical, é: a) Ressecção

Leia mais