ENTENDENDO E ATENDENDO O MEI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENTENDENDO E ATENDENDO O MEI"

Transcrição

1 ÍNDICE Conteúdo Página APRESENTAÇÃO 2 PARTE 1 ENTENDENDO O MEI Capítulos: 1. Objetivos da Criação 3 2. Definição Econômica e Jurídica 4 3. Condições para Enquadramento 5 4. Desenquadramento: formas e efeitos 9 5. Trâmite Especial para Registro e Legalização Licenciamento de Atividades Autorizações Especiais Obrigações Tributárias Impostos e Taxas Obrigações Tributárias Acessórias Outras Obrigações Cessão ou Locação de Mão-de- Obra Aposentadoria por Tempo de Contribuição 63 PARTE 2 ATENDENDO O MEI Capítulos: 1. Objetivos do Atendendo o MEI Etapas e Limites do Atendimento Gratuito Guia Básico do MEI Análise de Admissibilidade no Regime e de exigências 79 para o Registro 5. Guia Básico do MEI 2 84 Anexos: 1 - Lista de Ocupações e Atividades permitidas ao MEI 2 - Relatório Mensal das Receitas Brutas Atualizado Mês 10/2011 Página 1

2 APRESENTAÇÃO Entre 1996 e 2006 as empresas contábeis lutaram pelo direito de optar pela tributação simplificada criada pelo Simples, seja por meio de ações judiciais, seja por inúmeros projetos de lei patrocinados ou reivindicados pelo SESCON-SP. Ao ser editada a Lei Complementar 123, no final de 2006, o chamado Estatuto da Micro e Pequena Empresa, as empresas contábeis conseguiram ao menos o direito de opção ao novo regime do Simples Nacional. Ainda que sob a mais onerosa das formas de tributação previstas, o desastroso Anexo V, que mantinha integralmente a pesada tributação previdenciária da folha de pagamento. Ao final de quase dois anos de mais trabalho e insistência, foi editada a Lei Complementar 128, de 19 de dezembro de 2008, que, finalmente, permitiu uma opção de tributação simplificada menos onerosa e mais adequada aos anseios da categoria: a do Anexo III. Como condição, entretanto, as empresas contábeis optantes do Simples Nacional e suas entidades representativas passaram a desempenhar a missão de promover atendimento gratuito relativo à formalização e à primeira declaração anual do MEI. Aliás, o SESCON-SP participou desde o início da formulação da proposta de criação do MEI no ano de 2007 e defende que não somente as empresas contábeis optantes pelo Simples Nacional devam contribuir com o registro e legalização do MEI. Todas as empresas contábeis paulistas devem estar integradas nessa grande rede de inclusão social, de cidadania e de apoio ao crescimento econômico do país. Para apoiar os seus representados, o SESCON-SP vem promovendo o atendimento ao MEI em sua sede, em benefício de seus associados, assim como tem promovido eventos educativos e produzido material informativo e de orientação disponibilizado em seu Portal, a que se soma o Entendendo e Atendendo o MEI. Produzido para orientar o trabalho de atendimento ao MEI pelos seus associados e por todos aqueles que se engajarem nessa missão, esperamos que o Manual seja recebido como mais um esforço do SESCON-SP dentro do compromisso de valorizar ainda mais as empresas contábeis paulistas na sociedade. José Maria Chapina Alcazar Presidente Atualizado Mês 10/2011 Página 2

3 PARTE 1 - ENTENDENDO O MEI CAPÍTULO 1: OBJETIVOS DA CRIAÇÃO O MEI representa um segmento da economia brasileira composto principalmente pelos chamados trabalhadores por conta própria : expressiva fatia da população economicamente ativa do país com grande dificuldade para encaixe no mercado formal de trabalho. Esse segmento apresenta um alto grau de informalidade no exercício de suas atividades, em função de um sistema burocrático intransponível, voltado para o controle de empresas mais complexas, e da ausência de políticas públicas consistentes de incentivo à formalização. Com o intuito de iniciar um processo de reversão desse quadro, a Lei Complementar 128/08, que alterou a Lei Complementar 123/06, criou o regime especial do MEI, na prática uma subcategoria da microempresa, com a finalidade de conferir ao MEI um tratamento ainda mais diferenciado, simplificado e favorecido. O objetivo maior desse tratamento é garantir que o custo da formalização seja menor que o da permanência na informalidade. A base desse tratamento está prevista nos seguintes dispositivos da Lei Complementar 123/06: a. caput do artigo 18-A: institui o recolhimento dos impostos e contribuições em valores fixos mensais, independentemente da receita bruta auferida no mês pelo MEI; b. 1º e 3º do artigo 4º: define um trâmite especial de registro e legalização, com redução a zero dos valores referentes a taxas e emolumentos; c. 1º e 6º do artigo 26: institui um único registro de vendas e de prestação de serviços simplificado como comprovação de receita bruta e dispensa a emissão de documentos fiscais nas operações com pessoas físicas. Na prática, o MEI está dispensado da emissão de notas fiscais, escrituração contábil e apuração dos impostos (paga um valor fixo mensal); obrigações que as microempresas e empresas de pequeno porte têm que cumprir por determinação do inciso I do artigo 1º, incisos I e II combinado com 2º do artigo 26, todos da Lei Complementar 123/06. Além disso, os procedimentos para registro e legalização do MEI e o cumprimento das obrigações acessórias tem regras bem mais simples, se comparado às exigências feitas às microempresas e empresas de pequeno porte, além do que não há custos decorrentes. Aliás, o artigo 68 da Lei Complementar 123/06 cumpre a função de lei específica que o artigo 970 do Código Civil, Lei de 10 de janeiro de 2002, determina para a criação do tratamento favorecido e simplificado ao pequeno empresário. A partir da Lei Complementar 128/08, portanto, esse pequeno empresário do Código Civil é o MEI. Atualizado Mês 10/2011 Página 3

4 CAPÍTULO 2: DEFINIÇÃO ECONÔMICA E JURÍDICA A melhor definição econômica do MEI pode ser encontrada no estudo Economia Informal Urbana 2003, ECINF 2003, realizado pelo IBGE em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE. Conforme esse estudo, no Brasil existe 10 milhões de pequenos empreendimentos urbanos (não agrícolas) informais, 3,2 milhões só no estado de São Paulo. As características econômicas principais desses empreendimentos são: a. Têm como proprietários, na sua maioria, trabalhadores por conta própria (situação de auto-emprego); b. Têm atividades econômicas preponderantemente na área do comércio, reparação e construção civil, que são exercidas em grande parte no domicílio dos clientes e em vias públicas; c. Não têm constituição jurídica, na sua maioria; d. Alcançam faturamento bruto médio abaixo dos R$ 2 mil/mês e lucro médio abaixo dos R$ 1 mil/mês; e. Não se utilizam de registros contábeis ou auxílio de profissionais da contabilidade; f. Têm os preços de seus serviços e mercadorias formados basicamente em função da negociação direta com seus clientes; g. Têm clientela variada, composta basicamente de pessoas físicas dentro do próprio município, e que paga à vista; h. Compram mercadorias, insumos e matéria-prima, na maioria das vezes, à vista; i. Não usam, na sua maioria, serviços de crédito para financiar suas atividades e investimentos; j. Têm como proprietários, na grande maioria, pessoas com ensino básico incompleto; e, k. Não têm empregados, na sua maioria. Quanto à definição jurídica do MEI, ela decorre do 1º do artigo 18-A, combinado com o caput do artigo 3º, com os parágrafos 1º e 3º do artigo 4º, com os parágrafos 1º e 6º do artigo 26 e com o artigo 68, todos da Lei Complementar 123/06, com a redação dada pela Lei Complementar 128/08. Isso quer dizer que o MEI é um empresário individual que precisa cumprir algumas exigências e atender algumas restrições para enquadramento no regime favorecido. Esse regime permite ao MEI a fruição da tributação em valores fixos mensais, das dispensas de escrituração contábil e de emissão de notas fiscais, e do processo de registro e legalização mais simplificado. Traduzindo, para ser considerado MEI o empreendedor deve: Atualizado Mês 10/2011 Página 4

5 a. Ser pessoa física que assume a responsabilidade pelo exercício de atividade econômica em seu próprio nome, sem sócios e de forma continuada; b. Ter um limite de receita bruta menor que o conferido às microempresas; c. Ser constituído na Junta Comercial sob a natureza jurídica de empresário Individual; d. Produzir ou promover a circulação de mercadorias, bens e serviços. O MEI não pode exercer atividades de natureza intelectual, artística e cultural. O produto não deve decorrer, portanto, de processos de criação, estudo ou pesquisa do empreendedor (não pode ser MEI um escritor, advogado, médico, ator, artista plástico, pesquisador entre outros); e. Não estar impedido para optar formalmente pelo Simples Nacional. Isso significa atender as condições para enquadramento detalhadas no Capítulo 3 deste Manual. CAPÍTULO 3 - CONDIÇÕES PARA ENQUADRAMENTO Para ter direito ao enquadramento no regime simplificado e favorecido descrito no Capítulo 2 deste Manual, o empreendedor deve cumprir exigências e observar restrições impostas pela Lei Complementar 123/06, com a redação dada pela Lei Complementar 128/08. O cumprimento dessas exigências, verificado pelos órgãos e entidades públicas, e o compromisso de observância das restrições, assumido pelo empreendedor, são ações realizadas durante o processo de registro e legalização, tratado no Capítulo 5 deste Manual. As exigências e restrições para enquadramento no regime são: 1. FAZER A OPÇÃO PELO SIMPLES NACIONAL, conforme disciplina do Comitê Gestor do Simples Nacional (ver Dica Importante deste Capítulo). No caso de opção inicial decorrente de processo de registro mercantil e inscrição no CNPJ realizados pelo Portal do Empreendedor a partir de 1º de julho de 2009, a opção do MEI produzirá efeitos a partir da data desse registro e inscrição. No caso de empresário individual já constituído em 1º de julho de 2009 e que pretenda apenas passar a recolher os impostos e contribuições pelo sistema de valores fixos mensais, a opção somente poderá ser feita até o último dia útil do mês de janeiro, e seus efeitos produzir-se-ão a partir do primeiro dia do ano. Produzir efeito significa que a partir desse momento o MEI deve recolher os impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, previstos no inciso V do 3º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06, e deve cumprir as obrigações acessórias decorrentes. O MEI não poderá se retratar da opção dentro do ano em que a fizer. Por retratação entende-se a preferência do empresário individual pela sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições comum às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional (porcentagem sobre o faturamento). A retratação só Atualizado Mês 10/2011 Página 5

6 produzirá efeitos a partir do ano seguinte. Explicando melhor: não ocorrendo qualquer das hipóteses de comunicação obrigatória de desenquadramento à Receita Federal do Brasil, previstas no Capítulo 4 deste Manual, ou seja, se permanecer em atividade e não tiver alteradas as condições iniciais de enquadramento, o MEI não poderá deixar de recolher os tributos abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos e mensais até o mês de dezembro. A retratação, portanto, só passará a produzir efeitos a partir de janeiro do ano seguinte à retratação ( 1º e 5º do artigo 18-A combinado com 2º e 3º do artigo 16, todos da Lei Complementar 123/06). 2. TER AUFERIDO RECEITA BRUTA DE ATÉ R$ ,00 no ano-calendário anterior, obviamente se for um empresário individual já constituído e que pretenda apenas passar a recolher os impostos e contribuições pelo sistema de valores fixos mensais. No caso de início de atividades, o empresário deve declarar que a receita bruta, no ano-calendário do registro mercantil e inscrição no CNPJ, não excederá o limite resultante da multiplicação de R$ 3.000,00 pelo número de meses compreendidos entre o mês do início das atividades e o mês de dezembro, considerando sempre as frações como mês inteiro. Considera-se receita bruta o produto da venda de bens e serviços nas operações de conta própria, o preço dos serviços prestados e o resultado nas operações em conta alheia, não incluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos ( 1º 2º do artigo 18-A combinado com 1º e 2º do artigo 3º da Lei Complementar 123/06). 3. NÃO PARTICIPAR de outra empresa como titular, sócio ou administrador ( 1º do artigo 18-A combinado com o inciso III do 4º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); 4. NÃO TER MAIS DE UM ESTABELECIMENTO ( 1º do artigo 18-A combinado com o inciso II do 4º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); 5. NÃO CONTRATAR MAIS DE UM EMPREGADO ( 1º do artigo 18-A combinado com o inciso IV do 4º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); 6. NÃO TER DÉBITO com o Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, ou com as Fazendas Públicas Federal, Estadual ou Municipal, cuja exigibilidade não esteja suspensa ( 1º do artigo 18-A combinado com o inciso V do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 7. NÃO TER DOMICÍLIO NO EXTERIOR ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso II do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). O exercício das atividades descritas nos itens seguintes (8 a 18) impede o empreendedor de fazer a opção pelo enquadramento no Simples Nacional, ou seja, impede o empreendedor de se enquadrar no regime do MEI, uma vez que este está incluído no regime geral do Simples Nacional. 8. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE CRÉDITO: prestação 9. de serviços de assessoria creditícia, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, gerenciamento de ativos - asset management, compra Atualizado Mês 10/2011 Página 6

7 de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços - factoring ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 10. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE TRANSPORTE: transporte intermunicipal e interestadual de passageiros ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso VI do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 11. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE ENERGIA ELÉTRICA: geradora, transmissora, distribuidora ou comercializadora de energia elétrica ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso VII do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 12. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE AUTOMÓVEIS E MOTOCICLETAS: importação ou fabricação de automóveis e motocicletas ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso VIII do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 13. NÃO EXPLORAR A ATIVIDADE DE IMPORTAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso IX do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 14. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE CIGARROS, ARMAS E EXPLOSIVOS: produção ou venda no atacado de cigarros, cigarrilhas, charutos, filtros para cigarros, armas de fogo, munições e pólvoras, explosivos e detonantes ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso X alínea a do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 15. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE BEBIDAS: produção ou venda no atacado de bebidas alcoólicas, refrigerantes, inclusive águas saborizadas gaseificadas, preparações compostas, não alcoólicas e cervejas sem álcool ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso X alínea b itens 1 a 4 do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 16. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES PERSONALÍSTICAS OU INTERMEDIÁTICAS: atividades de natureza intelectual, técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, bem como que preste serviços de instrutor, corretor, despachante ou de qualquer tipo de intermediação de negócios ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso XI do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). 17. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES NO RAMO DE MÃO-DE-OBRA: cessão ou locação de mão-de-obra ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso XII do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). Ver Capítulo 11 deste Manual para conhecer as exceções. 18. NÃO EXPLORAR AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DE IMÓVEIS: loteamento e incorporação de imóveis, locação de imóveis próprios, exceto quando se referir à prestação de serviços tributados pelo ISS ( 1º do artigo 18-A combinado com incisos XIV e XV do artigo 17 da Lei Complementar 123/06). O exercício das atividades descritas nos itens seguintes (19 a 27) não impede o empreendedor de fazer a opção pelo enquadramento no Simples Nacional, mas o impede o Atualizado Mês 10/2011 Página 7

8 empreendedor de optar pelo regime de tributação em valores fixos mensais. Ou seja, a maior vantagem do regime especial para o MEI não poderá ser usufruída, caso o empreendedor exerça as atividades descritas nos itens 19 a 27. Entretanto, o Comitê Gestor do Simples Nacional poderá autorizar o exercício de atividade contida entre elas, mediante resolução, não sendo necessária nova Lei Complementar (ver Dica Importante deste Capítulo). 19. NÃO EXERCER AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DA CONSTRUÇÃO: construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores ( 1º do artigo 18-A combinado com o inciso I do 4º do artigo 18-A e inciso I do 5 o -C artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 20. NÃO EXERCER AS ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA, LIMPEZA OU CONSERVAÇÃO ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e inciso VI do 5 o -C do artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 21. NÃO PRESTAR CUMULATIVAMENTE SERVIÇOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOCAÇÃO DE IMÓVEIS DE TERCEIROS ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e inciso I do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 22. NÃO EXERCER AS SEGUINTES ATIVIDADES NO RAMO DE EXPLORAÇÃO DE ATIVIDADES FÍSICAS: academias de dança, capoeira, ioga, artes marciais, atividades físicas, desportivas, natação e escolas de esportes ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e incisos II e III do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 23. NÃO EXERCER AS SEGUINTES ATIVIDADES LIGADAS AO RAMO DA INFORMÁTICA: elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação, planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e incisos IV, VI e VI do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 24. NÃO EXERCER ATIVIDADES DE MONTAGEM DE ESTANDES PARA FEIRAS ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e inciso IX do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 25. NÃO EXERCER AS SEGUINTES ATIVIDADES NO RAMO DA CULTURA: produção cultural, artística, cinematográfica e de artes cênicas ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e incisos X e XI do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 26. NÃO EXERCER AS SEGUINTES ATIVIDADES NO RAMO LABORATORIAL: laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica, serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, bem como ressonância magnética ( Atualizado Mês 10/2011 Página 8

9 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e incisos XII e XIII do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). 27. NÃO PRESTAR SERVIÇOS DE PRÓTESE EM GERAL ( 1º do artigo 18-A combinado com inciso I do 4º do artigo 18-A e inciso XIV do 5 o -D artigo 18 da Lei Complementar 123/06). Dica Importante Tendo em vista o grande número de atividades cujo exercício é vedado ao MEI, o Comitê Gestor do Simples Nacional, ao regulamentar essa matéria, inverteu a lógica, definindo exaustivamente no anexo único da Resolução CGSN 58/09 as atividades que o MEI pode exercer. Esse anexo único foi alterado pela Resolução CGSN 67/09, que incluiu e excluiu atividades permitidas ao MEI, sendo que, a partir de 1º de dezembro de 2010, entrará em vigor anexo com nova lista de atividades (incluída na Parte 2 deste Manual Atendendo o MEI), por força da Resolução CGSN 78/10. As atividades econômicas são identificadas pela Codificação Nacional de Atividades Econômicas, a CNAE. A identificação de uma CNAE a partir da descrição de uma atividade não é tarefa trivial e exige conhecimento da lógica da codificação. Por esse motivo, para facilitar essa tarefa dos empreendedores candidatos a MEI, e dos agentes de apoio ao registro e legalização, o CNAE é identificado a partir da descrição das ocupações extraídas do Código Brasileiro de Ocupações, o CBO. Em linguagem mais simples e imediatamente compreensível, uma vez selecionada a ocupação permitida, automaticamente é selecionada a respectiva CNAE, mediante a indexação prévia feita entre as duas codificações. Portanto, na prática, o empreendedor deve apenas selecionar a ocupação. Automaticamente é selecionada a CNAE. Por fim, recomenda-se a leitura da Resolução CGSN 57/09 e suas alterações. Ela também disciplina as regras de enquadramento e desenquadramento (ver Capítulo 4 deste Manual), do documento de arrecadação dos valores fixos mensais (DAS-MEI), de contratação de empregado, de cessão ou locação de mão-de-obra (ver Capítulos 10 e 11 deste Manual) e da declaração anual simplificada de ajuste. CAPÍTULO 4 - DESENQUADRAMENTO: FORMAS E EFEITOS Segundo os 6º, 7º e 8º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06, o desenquadramento do regime simplificado e favorecido descrito no Capítulo 2 deste Manual se opera: a. Por ação do MEI, mediante comunicação à RFB baseada na opção do MEI em se retirar do regime (forma voluntária), ou na ocorrência de qualquer das hipóteses de exclusão definidas na Lei Complementar 123/06 (forma obrigatória); e, b. Por ação da RFB (forma de ofício ). Atualizado Mês 10/2011 Página 9

10 Cada uma dessas formas produz efeitos próprios em relação ao regime de apuração e recolhimento de impostos resultante, ou seja, o novo enquadramento. Cada uma dessas formas também tem o momento próprio em que a alteração de regime se opera (ver item 4.4 do Capítulo 4 deste Manual). Em outras palavras, para cada uma das formas de desenquadramento está definido um momento diferente em que o MEI deixa de estar enquadrado da sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições em valores fixos mensais e, portanto, passa a recolher os impostos e contribuições dentro de outra sistemática Desenquadramento por ação do MEI na forma voluntária Exercer a opção de desenquadramento da sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições em valores fixos mensais significa o enquadramento automático do MEI na sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições comum às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional (porcentagem sobre o faturamento), conforme o inciso I do 7º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06. A opção de desenquadramento deve ser feita no início do ano-calendário, em conformidade com disciplina do Comitê Gestor do Simples Nacional. Feita em qualquer outro momento não poderá produzir o efeito pretendido. Isso porque, em função do que já foi dito no Capítulo 3 deste Manual, a comunicação dessa opção de desenquadramento feita antes do início do anocalendário equivaleria a uma retratação, a qual produz efeitos somente a partir do exercício seguinte (ver também item 5 deste Capítulo 4) Desenquadramento por ação do MEI na forma obrigatória O desenquadramento pela comunicação obrigatória à RFB também significa o enquadramento automático do MEI na sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições comum às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional (porcentagem sobre o faturamento). A diferença para a forma voluntária é que, nos casos dos incisos II, III e IV do 7º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06, se o MEI não faz a comunicação será desenquadrado de ofício pela RFB (ver item 4.3 deste Capítulo 4), podendo ainda sofrer a aplicação de multa. A comunicação obrigatória deve ser feita sempre até o último dia útil do mês subseqüente à data da respectiva ocorrência. Em resumo, o MEI deve fazer a comunicação obrigatória de exclusão da sistemática quando: Exceder, no ano-calendário, o limite de receita bruta de R$ ,00 ou fração, conforme 8º combinado com o inciso III do 7º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06 (ver Capítulo 3 deste Manual); e, Ocorrer alguma das situações previstas no 4 o do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06, ou seja, nas seguintes situações: Passar a exercer atividades tributadas pelos anexos IV e V da Lei Complementar 123/06 ou passar a exercer as atividades vedadas aos optantes pelo Simples Nacional, todas indicadas nos itens 8 a 28 do Atualizado Mês 10/2011 Página 10

11 Capítulo 3 deste Manual. Visto de forma mais prática, nos casos em que o MEI passar a exercer atividades que não estejam relacionadas na Resolução CGSN 58/09 (ver Dica Importante do Capítulo 3 deste Manual) que disciplina as atividades permitidas ao MEI ( 8º combinado com o inciso I do 4º, com o 5º-C, com o 5º-D todos do artigo 18-A e com o artigo 17 da Lei Complementar 123/06); Abrir um segundo estabelecimento ( 8º combinado com o inciso II do 4º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); Passar a participar de outra empresa como titular, sócio ou administrador ( 8º combinado com o inciso III do 4º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); Contratar um segundo empregado ( 8º combinado com o inciso IV do 4º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); 4.3. Desenquadramento por ação da RFB na forma de ofício A Secretaria da Receita Federal do Brasil desenquadrará o MEI quando constatar: A falta da comunicação de desenquadramento obrigatório pelo MEI, nos casos previstos nos itens e do Capítulo 4 deste Manual ( 8º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06); Fatos que legitimem a exclusão de ofício do Simples Nacional (incisos II a VII e XII do artigo 29 da Lei Complementar 123/06, sendo que os incisos VIII a XI não se aplicam ao MEI), ou seja: Oferecer embaraço ou resistência à fiscalização (incisos II e III do artigo 29 da Lei Complementar 123/06); Constituir-se por meio de interposta pessoa (inciso IV do artigo 29 da Lei Complementar 123/06), que no caso do MEI pode ser traduzido como exercer a atividade econômica em nome de outra pessoa Praticar reiteradamente infrações à Lei Complementar 123/06 (inciso V do artigo 29 da Lei Complementar 123/06) Tiver a empresa declarada inapta na forma dos artigos 81 e 82 da Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de 1996, e alterações posteriores (inciso VI do artigo 29 da Lei Complementar 123/06) Comercializar mercadorias objeto de contrabando ou descaminho (inciso VII do artigo 29 da Lei Complementar 123/06). Atualizado Mês 10/2011 Página 11

12 Omitir informações sobre o único empregado em documentos previstos na legislação previdenciária, trabalhista ou tributária, (inciso XII do artigo 29 da Lei Complementar 123/06). A diferença entre as duas formas de desenquadramento de ofício está na sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições resultante. O desenquadramento por ação da RFB em função do item (falta de comunicação obrigatória) deverá resultar no enquadramento automático do MEI na sistemática de recolhimento dos impostos e contribuições comum às microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional (porcentagem sobre o faturamento). Por outro lado, o desenquadramento por ação da RFB em função do item (exclusão do Simples Nacional) deverá resultar na apuração e recolhimento individual de cada imposto e contribuição na forma definida em cada uma das respectivas legislações Efeitos de cada forma de desenquadramento Como já foi dito, o principal efeito do desenquadramento, é aquele que determina ao empresário individual (desenquadrado da sistemática de recolhimento em valores fixos mensais) o recolhimento dos impostos e contribuições pela regra geral do Simples Nacional (porcentagem sobre o faturamento) e o cumprimento das obrigações acessórias até então dispensadas, a partir da data de início dos efeitos do desenquadramento. É o que diz o 9º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06. Existem, entretanto, regras específicas para cada forma de desenquadramento, em relação ao respectivo momento e aos efeitos decorrentes Efeitos do desenquadramento por excesso de receita bruta A lógica é clara. O tratamento ainda mais favorecido e diferenciado dispensado ao MEI está baseado principalmente no pressuposto do limite de faturamento. Caso esse limite venha a ser superado, o pressuposto básico deixa de existir. Portanto, a obrigação de recolher a respectiva diferença se impõe. Mas presume-se que o estouro de limite de receita bruta em até 20% é razoavelmente imprevisível no momento da opção pelo regime do MEI. Daí merecer uma regra mais benigna. Por outro lado, caso o limite seja estourado em mais de 20%, essa presunção se desfaz. Portanto, considera-se que o MEI não deveria ter optado pelo regime. Os efeitos do desenquadramento, neste caso, são mais rigorosos. Se a lógica é clara, a regra, entretanto, exige uma explicação mais detalhada. Ao constatar que excedeu o limite de receita bruta, o MEI deve fazer a comunicação obrigatória à RFB, até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que ocorrido o excesso, conforme já foi dito no item 4.2 do Capítulo 4 deste Manual. Ver também o Capítulo 3 deste Manual, sobre os limites de receita bruta para o MEI. Se o valor do excesso for de até 20% do limite de receita bruta, o MEI passará a recolher os impostos e contribuições dentro da regra geral do Simples Nacional Atualizado Mês 10/2011 Página 12

13 somente a partir de 1º de janeiro do ano subseqüente ao da ocorrência do excesso. Até dezembro o MEI deve continuar a recolhê-los em valores fixos mensais. Essa é a regra mais branda. O valor dos impostos e contribuições correspondentes ao excesso deve ser recolhido em janeiro, sem acréscimos e em parcela única, juntamente com o valor da apuração do primeiro mês, já dentro da regra geral do Simples Nacional. É o que está determinado nas alíneas a dos incisos III e IV do 7º combinado com o 10, ambos do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06. Se o valor do excesso for de mais de 20% do limite de receita bruta, o MEI considerarse-á desenquadrado desde o início do exercício ou desde o início da atividade. Isto é, os efeitos retroagem à data da opção pela sistemática. Essa é regra mais rigorosa. Isso quer dizer que o MEI, além de passar a recolher imediatamente os impostos e contribuições dentro da regra geral do Simples Nacional, deverá apurar mês a mês, desde a data da opção, o valor dos impostos e contribuições que deveriam ter sido recolhidos pelo regime do Simples Nacional. Obviamente podendo deduzir os valores fixos mensais recolhidos pelo regime do MEI e calculando inclusive os acréscimos legais (multas e juros). É o que está determinado nas alíneas b dos incisos III e IV do 7º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06, com a redação dada pela Lei Complementar 128/ Efeitos do desenquadramento por opção No caso de opção em se desenquadrar da sistemática de recolhimento em valores fixos mensais, o efeito só é produzido se for feita a respectiva comunicação à Receita Federal do Brasil até o último dia útil do mesmo mês de janeiro de cada ano. Feita a opção nesse prazo, o efeito do desenquadramento é produzido a partir de 1º de janeiro. Essa regra vem do inciso I do 7º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/06. Sobre esse assunto ver o item 4.1 do Capítulo 4 deste Manual Efeitos do desenquadramento por comunicação obrigatória Apesar do prazo para fazer a comunicação obrigatória à Receita Federal do Brasil estender-se até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que ocorreu a situação de desenquadramento, os respectivos efeitos se produzem a partir do mês subseqüente à mesma ocorrência. Por hipótese, mesmo que o MEI deixe para fazer a comunicação obrigatória à Receita Federal no último dia do mês seguinte ao mês em que ocorreu a situação que enseja o desenquadramento, ele tem que começar a cumprir a partir do primeiro dia útil desse mesmo mês as regras gerais do Simples Nacional. É o que está determinado pelo inciso II do 7º do artigo 18-A da Lei Complementar 123/ Efeitos do desenquadramento de ofício No caso de desenquadramento de ofício, o efeito é definido em função da data em que a Receita Federal do Brasil constatar a ocorrência da situação geradora. Caso a respectiva notificação de desenquadramento faça referência à situação ocorrida em data anterior, o empresário individual deverá apurar mês a mês, desde a data Atualizado Mês 10/2011 Página 13

14 apontada nessa notificação, o valor dos impostos e contribuições que deveriam ter sido recolhidos pelas regras gerais do Simples Nacional, calculando inclusive os acréscimos legais (multas e juros). Obviamente, poderá, neste caso, deduzir os valores fixos mensais recolhidos pelo regime do MEI Efeitos do desenquadramento em relação às obrigações principal e acessórias A partir do desenquadramento, seja qual for o motivo e o momento dos efeitos, o empresário individual será obrigado a emitir notas fiscais em todas as operações de venda e prestação de serviços, a fazer a escrituração contábil, a fazer a apuração dos impostos e contribuições, nos termos da legislação do regime no qual ele for reenquadrado. Poderá também ser obrigado a cumprir os procedimentos de licenciamento eventualmente dispensados. Isso no caso de ter utilizado, no ato do registro, a declaração conhecida como Termo de Ciência e Responsabilidade com Efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório e a Prefeitura não ter se manifestado no prazo de 180 dias (ver Capítulo 6 deste Manual). CAPÍTULO 5 TRÂMITE ESPECIAL PARA REGISTRO E LEGALIZAÇÃO 5.1. Visão Geral do Trâmite Especial Conforme foi dito no Capítulo 1 deste Manual, a criação de um regime para o MEI teve como principal objetivo tornar o custo de formalização menor que o da permanência na informalidade. Daí a razão do 1º do artigo 4º da Lei Complementar 123/06, incluído pela Lei Complementar 128/08, determinar a criação de um trâmite especial para registro e legalização do MEI. Para ser especial, isto é, ser diferente e mais simples do que o trâmite burocrático tradicional, o processo de registro e legalização do MEI foi criado seguindo quatro premissas definidas na própria Lei Complementar 123/06: a. Unicidade do processo: conforme o caput do artigo 4º, o processo de registro e legalização deve ser único na perspectiva do empreendedor, isto é, com procedimentos integrados entre os órgãos públicos envolvidos e compatíveis com a condição do MEI. Em outras palavras, sem duplicidade de exigências e com garantia de um processo linear. b. Centralização normativa e executiva: conforme o 1º do artigo 4º, o regramento e a instrumentalização do trâmite especial de registro e legalização do MEI estão sob a responsabilidade do Comitê para Gestão da REDESIM (ver item 5.1 do Capítulo 5 deste Manual). É uma garantia que se pretendeu dar ao MEI contra a burocracia imposta pelos órgãos públicos nos processos de abertura e legalização de empresas. c. Processo sem custos: conforme o 3º do artigo 4º, estão reduzidos a 0 (zero) os valores referentes a taxas, emolumentos e demais custos relativos à abertura, à Atualizado Mês 10/2011 Página 14

15 inscrição, ao registro, ao alvará, à licença, ao cadastro e aos demais itens relativos à legalização do MEI. d. Atendimento Gratuito: conforme o 22-B do artigo 18-A, os escritórios de serviços contábeis, optantes pelo Simples Nacional, deverão dar atendimento gratuito para o registro, legalização e a primeira declaração anual do MEI. Para regulamentação dessas quatro premissas definidas na Lei Complementar 123/06, o Comitê para Gestão da REDESIM editou a Resolução CGSIM 02/09, depois alterada pela Resolução CGSIM 16/09. O artigo 1º da Resolução CGSIM 16/09 determina a observância obrigatória de suas regras por todos os órgãos e entidades federais, estaduais e municipais responsáveis pelo registro, inscrições tributárias, alvarás e licenças de funcionamento. Isso confirma a prevalência das normas do Comitê para Gestão da REDESIM sobre todos os órgãos públicos e entidades envolvidos, de qualquer das esferas de governo. O artigo 3º da Resolução CGSIM 16/09, por sua vez, define as diretrizes que deverão ser observadas na concepção e desenvolvimento do trâmite especial para o registro e legalização do MEI. Isso quer dizer que os atos, processos, procedimentos e instrumentos de todos os órgãos envolvidos no registro e legalização do MEI não poderão ser executados sem que as diretrizes previstas no artigo 3º da Resolução CGSIM 16/09 estejam presentes: Prevalência da Lei Federal /07 (caput c/c inciso I): na interpretação das normas e implementação dos instrumentos para registro e legalização do MEI aplicam-se as disposições da Lei Federal /07. Isso quer dizer, o registro e legalização do MEI é a primeira etapa de implantação da chamada REDESIM (ver Dica Importante do item 5.1 do Capítulo 5 deste Manual); Garantia de Atendimento Único e sem Custo (incisos V e VI c/c parágrafo único): o registro e legalização do MEI devem ser executados mediante um único atendimento por parte dos agentes de apoio, obviamente quando o processo estiver totalmente informatizado e racionalizado; e sem qualquer custo, de qualquer natureza Procedimentos com Entrada Única de Dados e Resposta Integrada (incisos II, III, VII): todo o processo de registro e legalização deve ser executado no Portal do Empreendedor. O registro mercantil e a inscrição no CNPJ devem ser feitos sem o uso de formulários em papel e aposição de assinaturas, mediante a integração do Departamento Nacional de Registro do Comércio, das Juntas Comerciais e da Receita Federal do Brasil. Ao final de todo processo, deve ser disponibilizado, para impressão e verificação de autenticidade, o Certificado da Condição de MEI, documento hábil para comprovar o registro, inscrições, alvarás, licenças e situação de enquadramento do MEI Garantia de funcionamento independente da integração completa (incisos IV, VIII e IX): gradualmente, de alguma forma, deverão ser integrados ao Portal do Atualizado Mês 10/2011 Página 15

16 Empreendedor processos, procedimentos e instrumentos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), dos órgãos e entidades estaduais e municipais, responsáveis pelas respectivas inscrições tributárias, alvarás e licenças para funcionamento. Entretanto, até que a informatização e integração total ocorram, deverá ser garantida ao MEI a possibilidade de funcionamento, imediatamente após o registro mercantil e inscrição no CNPJ, mediante o licenciamento provisório por declaração eletrônica no Portal do Empreendedor (ver Capítulo 6 deste Manual). Dica Importante O trâmite especial para registro e legalização do MEI é a primeira etapa de implantação da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios REDESIM. Criada pela Lei /07, a REDESIM está sendo desenvolvida a partir de um modelo de integração entre órgãos federais, estaduais e municipais, com o objetivo de viabilizar a inscrição, cadastro, abertura, alvará, arquivamento, licenças, permissão, autorização, registros e demais itens relativos à abertura, legalização e funcionamento de empresários e de pessoas jurídicas de qualquer porte, atividade econômica ou composição societária Para conseguir este objetivo, o processo de abertura de empresas é segmentado em três etapas distintas: pesquisa prévia (viabilidade de uso do nome empresarial e de exercício das atividades em local específico), constituição (registro mercantil e inscrições tributárias) e licenciamento. O Comitê para Gestão da REDESIM - CGSIM, criado pelo Decreto Federal nº /09, tem a atribuição de administrar e gerir a implantação e o funcionamento da REDESIM. Para isso, cabe ao CGSIM regulamentar o registro, inscrição, cadastro, alvará, licenças, permissão, autorização e arquivamento, em relação a empresários e pessoas jurídicas de qualquer porte, atividade ou composição societária. Diagrama do Macro Modelo da REDESIM Atualizado Mês 10/2011 Página 16

17 5.2. Portal do Empreendedor: principal instrumento do processo de registro e legalização Por definição do artigo 21 da Resolução CGSIM 16/09 a execução do processo de registro e legalização do MEI deve ser feita por meio eletrônico, isto é, os atos, procedimentos e instrumentos dos órgãos e entidades responsáveis pelo registro, inscrições tributárias, licenças e alvarás de funcionamento e demais autorizações devem estar informatizados. Ainda por definição do caput do artigo 7º da Resolução CGSIM 16/09, os instrumentos informatizados necessários à execução integrada desses atos e procedimentos deverão constar no Portal do Empreendedor. Em outras palavras, os procedimentos informatizados para registro e legalização devem estar acessíveis no site conforme inciso I do artigo 22 da mesma Resolução. Entretanto, o caput do artigo 7º da Resolução não define a forma pela qual esses instrumentos deverão estar disponíveis no Portal do Empreendedor. O que é fundamental, segundo esse dispositivo, é que os atos e procedimentos informatizados tenham execução integrada. Está descartado, portanto, o desenvolvimento de um novo sistema. Independente da forma de execução integrada, o Portal do Empreendedor obrigatoriamente deve disponibilizar funcionalidades de entrada única de dados e resposta única do resultado do processamento integrado entre os sistemas dos órgãos e entidades públicas envolvidos. Conclusão: se o ato, procedimento e instrumento, informatizado ou não, não estiver disponível no Portal do Empreendedor, isto é, não permitir que o registro e legalização do MEI sejam executados mediante um único atendimento, portanto, de forma integrada, não faz parte do processo de registro e legalização do MEI. Atualizado Mês 10/2011 Página 17

18 Essa conclusão será fundamental para análise do que poderá ser exigido dos empreendedores e dos agentes de apoio em todas as etapas do processo de registro e legalização do MEI, principalmente no licenciamento de atividades (ver Capítulo 6 deste Manual). Dica Importante Conforme se conclui das próprias diretrizes de concepção e desenvolvimento do processo de registro e legalização do MEI, comentadas no item 5.1, os instrumentos informatizados estão em fase de construção e evolução. No atual estágio, apenas parte das informações e serviços necessários ao completo registro e legalização do MEI constam ou estão disponíveis no Portal do Empreendedor. Neste momento constam ou estão disponíveis no Portal do Empreendedor os instrumentos informatizados necessários à execução integrada dos seguintes atos e procedimentos: registro mercantil (Departamento Nacional do Registro de Comércio e Junta Comercial), inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica - CNPJ (Receita Federal do Brasil) e licenciamento provisório (adesão ao Termo de Ciência e Responsabilidade com Efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório). Por outro lado, dois serviços fundamentais ainda não constam ou estão disponíveis no Portal do Empreendedor: a pesquisa prévia de viabilidade municipal e o licenciamento definitivo, estadual e municipal, para as atividades consideradas de alto risco. Isso significa que não há como se completar a legalização do MEI dentro dos instrumentos informatizados neste momento oferecidos no Portal do Empreendedor. E o que significa a ausência desses instrumentos informatizados no Portal do Empreendedor? Para explicar isso devem ser consideradas duas situações possíveis. Primeira, a existência de dúvida sobre a possibilidade do exercício das atividades no local indicado. Segunda, a atividade ser considerada como de alto risco pelos órgãos e entidades de licenciamento, municipais e estaduais. Ocorrendo uma dessas situações, o licenciamento provisório, disponível no Portal do Empreendedor, não dá direito ao MEI iniciar sua atividade. Em outras palavras, ocorrendo a primeira situação o MEI deverá obter o parecer de viabilidade junto à prefeitura municipal (com base na lei municipal, a chamada lei de zoneamento ou lei de uso e ocupação de solo). Ocorrendo a segunda situação, o MEI deverá, antes de iniciar sua atividade, obter as licenças, alvarás e autorizações (licenciamento) junto aos órgãos estaduais e municipais pertinentes. Essas providências se impõem, nas situações apresentadas, mesmo que o MEI tenha assinalado a declaração eletrônica referente ao Termo de Ciência e Responsabilidade com Efeito de Alvará de Licença e Funcionamento Provisório. Portanto, o atendimento ao MEI no momento do registro exige grande cuidado, principalmente por parte dos agentes de apoio. Este assunto será tratado com detalhes no Capítulo 6 deste Manual. Atualizado Mês 10/2011 Página 18

19 De uma maneira resumida, o quadro atual dos instrumentos informatizados disponíveis no Portal do Empreendedor para o registro e legalização do MEI no Estado de São Paulo é o seguinte: INSTRUMENTOS PARA Pesquisa Prévia de Viabilidade SERVIÇO RESULTANTE Parecer sobre a possibilidade do exercício de atividade em local específico RESPONSÁVEL Município PORTAL / EFEITO Disponível/Provisória Termo de Ciência com Efeito de Alvará Provisório (ver Capítulo 6) Registro Mercantil União e Estado (DNRC e Junta Comercial) Disponível/Definitivo Inscrição no CNPJ União (RFB) Disponível/Definitiva Registro e Inscrições Inscrição no Cadastro de Contribuintes ICMS Estado (Secretaria da Fazenda) Não Disponível (ver Dica Importante do Capítulo 10) Inscrição no Cadastro de Contribuintes Municipais (ISS e taxas) Município (Secretaria de Finanças) Não disponível Licenciamento Alvarás, Licenças e Autorizações Estado e Município Para atividades de BAIXO RISCO (Comitê Gestor da REDESIM) Disponível/Provisório Termo de Ciência com Efeito de Alvará Provisório (ver Capítulo 6) Alvarás, Licenças e Autorizações Estado e Município Para atividades de ALTO RISCO (Órgãos Municipais, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e Meio Ambiente) Não Disponível (Sistema existente SIL, mas não integrado ao Portal: ver Capítulo 6) Atualizado Mês 10/2011 Página 19

20 5.3. Processo de Registro Mercantil, Inscrição no CNPJ e Licenciamento Provisório São os artigos 22, 23, 24, 25 e os anexos I e II da Resolução CGSIM 16/09 que disciplinam os passos do processo de registro e legalização do MEI º Passo: Decisão Apoiada (alínea a do inciso I do artigo 22 combinado com os parágrafos 1º a 3º do artigo 7º) O peso da burocracia e o custo dos impostos são as principais causas do tamanho da informalidade no país. Isso é um fato. É natural que os pequenos empreendedores tenham muita dúvida neste momento em que são oferecidas facilidades para a formalização. Dúvidas do que terão que fazer para atender exigências e obrigações junto aos órgãos e entidades públicas para o registro e, principalmente, após o registro, durante a operação do seu negócio. Por outro lado, é obrigação do poder público apoiar esse pequeno empreendedor, afinal, conforme já foi dito no Capítulo 1 deste Manual, a grande maioria dos informais são empreendedores por necessidade, além do que não apresentam um nível de formação adequada. A decisão de registro e legalização do MEI, portanto, precisa estar apoiada em informações suficientes, no momento certo e em linguagem acessível. O Portal do Empreendedor tem como função a centralização de todas as orientações e informações necessárias à decisão de formalização do empreendedor. Isso é o que determina o artigo 7º da Resolução CGSIM 16/09. Dessa centralização deriva a alínea a do inciso I do artigo 22, que dirige o empreendedor ao Portal do Empreendedor, antes do registro e legalização, para obter orientações e informações sobre: a. O planejamento do empreendimento: as condições para enquadramento no regime, benefícios e a elaboração do plano de negócios. b. O exercício das atividades: os tributos e as obrigações que o MEI deve cumprir perante cada órgão e entidade pública durante o exercício das suas atividades, portanto, já como empreendedor formalizado. c. O processo de registro e legalização: os atos, procedimentos, instrumentos informatizados, e as exigências de todos os órgãos e entidades públicas envolvidos em cada etapa do processo. Para que essas informações estejam disponíveis no Portal do Empreendedor com o nível de qualidade suficiente para a decisão, são necessárias duas ações óbvias e seqüenciais. A primeira por parte do Comitê para Gestão da REDESIM (CGSIM): a disponibilização da funcionalidade no Portal do Empreendedor que permita aos órgãos e entidades públicas inserirem e atualizarem o conteúdo Atualizado Mês 10/2011 Página 20

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional.

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional. SIMPLES NACIONAL Visando um esclarecimento a todos os nossos clientes, elaboramos a presente cartilha com o máximo de informações para auxiliar no entendimento do novo sistema de recolhimento de impostos.

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010)

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) Dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do Microempreendedor Individual.

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: FÁBIO ZAMBITE

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: FÁBIO ZAMBITE NOVAS MUDANÇAS COM A LC N 128/08 Dentro da avalanche de modificações na legislação previdenciária no final de 2008, temos verdadeira chave de ouro com a edição da LC nº 128/08. As alterações, na maior

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA

*Lei Complementar 374/2009: CAPÍTULO I DA INSCRIÇÃO, LEGALIZAÇÃO E BAIXA *Lei Complementar 374/2009: LEI COMPLEMENTAR Nº 374, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. REGULAMENTA O TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS, ÀS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE E AOS MICROEMPRESÁRIOS

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário;

I Compatibilização e integração de procedimentos; III Garantir a linearidade do processo, sob a perspectiva do usuário; RESOLUÇÃO Nº 25, DE 18 OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre parâmetros e padrões para desenvolvimento do modelo de integração da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO

SIMPLES NACIONAL: INGRESSO E DESENQUADRAMENTO Introdução. A) Sujeitos, Modos, Condições e Efeitos. B) Exclusões ou Impedimentos. C) Vedações. II) Desenquadramento. A) Modos. B) Causas. C) Efeitos. Conclusão. Introdução questionamentos. Quem pode ingressar?

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Divergência nº 21 - Data 17 de setembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. JORNAL. FORMA DE TRIBUTAÇÃO.

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS

SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS 1 Lei Complementar nº 147/2014 SUPERSIMPLES ABRE NOVOS HORIZONTES PARA O CORRETOR DE IMÓVEIS Redução drástica dos impostos e burocracia com inclusão no CNPJ 3 APRESENTAÇÃO Simples é uma lei viva, ela

Leia mais

Sumário. Alerta às empresas de serviços contábeis... 3

Sumário. Alerta às empresas de serviços contábeis... 3 Sumário Atualizada em 19.08.2009 Alerta às empresas de serviços contábeis... 3 Das disposições preliminares... 4 1. Quem deve observar a resolução?... 4 2. Como se caracteriza o MEI?... 4 Diretrizes...

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL

AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL AULA 11 MICROEMPRESA - CARACTERÍSTICAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE NO BRASIL A Lei Complementar 123/2006 estabelece normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado

Leia mais

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte DRF/Cuiabá/MT Características principais do Regime do Simples Nacional: 1. Abrange a participação

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Lei Complementar 123/2006

Lei Complementar 123/2006 Lei Complementar 123/2006 Art. 18-A. O Microempreendedor Individual - MEI poderá optar pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais, independentemente

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 14 DE AGOSTO DE 2007 Mensagem de veto Altera a Lei Complementar n o 123, de 14 de dezembro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI Seminário tripartite - OIT Políticas para superar a informalidade Maio/09 - Brasília - DF 12/08 07/09

Leia mais

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI.

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012 Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. Senhor Inspetor, Em reunião da qual participei hoje e onde estavam

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº, de 2014. (do Sr. Guilherme Campos e outros) Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 para reorganizar e simplificar a metodologia de apuração do imposto

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A:

DECRETO Nº 11.560 D E C R E T A: DECRETO Nº 11.560 Estabelece normas para o tratamento diferenciado e favorecido às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedor Individual nos termos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Agosto/2011 Fiscalização - Legislação Resoluções CGSN 30,15,10,6, 5 e 51 LC 123/2006 e Alterações Fiscalização Fiscalização

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica. LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI GERAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CARTILHA EM PERGUNTAS E RESPOSTAS PARTE III Orlando Spinetti Advogado O escopo deste Trabalho Técnico é trazer, de forma didática,

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL A pessoa jurídica, optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas

Leia mais

Palavras Chave: Simples Nacional, Simples Federal, Tributação.

Palavras Chave: Simples Nacional, Simples Federal, Tributação. SIMPLES FEDERAL x SIMPLES NACIONAL: Um estudo sobre as mudanças ocorridas no regime especial de tributação das microempresas e as empresas de pequeno porte. Adriano Sellis Márcio Fernando da Silveira Andrade

Leia mais

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3

SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO. atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 SIMPLES NACIONAL - PROCEDIMENTOS PÓS-EXCLUSÃO atualizado em 27/05/2016 alterados os itens 1.1, 2.2.2, 3.1 e 3.2, 3.3 HISTÓRICO DE ATUALIZAÇÕES DATA ATUALIZAÇÃO ITENS ALTERADOS 01/04/2016 alterado: 3.1

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1. NOÇÕES GERAIS MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1.1. O que é Micro Empreendedor Individual? É o contribuinte que tenha auferido receita bruta no ano calendário

Leia mais

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1. NOÇÕES GERAIS MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1.1. O que é Micro Empreendedor Individual? É o contribuinte que tenha auferido receita bruta no ano calendário

Leia mais

Tributação. Cartilha

Tributação. Cartilha Tributação Cartilha Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial CARTILHA TRIBUTAÇÃO Brasília DF 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI

GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI 2009 APRESENTAÇÃO O Guia Prático do Microempreendedor Individual MEI - é uma publicação da FENACON e dos sindicatos que fazem parte do Sistema SESCAP/SESCON.

Leia mais

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte

SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte Definição 1. O SIMPLES está em vigor desde 1.º de janeiro de 1997. Consiste no pagamento

Leia mais

I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia

I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia O Microempreendedor Individual Receita Federal do Brasil - Vitória da Conquista - Bahia 05/06/2009 1. É novidade no Direito brasileiro. 2. Vigência: 01/07/2009.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN-MPU Nº 0819/2014 Referência : Correio eletrônico de 13/3/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 453/2014.

Leia mais

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A

DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE TUPANDI, no uso de suas atribuições legais, D E C R E T A DECRETO Nº 659 DE 26 DE MAIO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL N.º 1.209, DE 02 DE MAIO DE 2014, QUE INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, A DECLARAÇÃO ELETRÔNICA DE SERVIÇOS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010 SIMPLES NACIONAL Panorama para 2010 SILAS SANTIAGO Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 2010. Fundamentação legal Histórico: Fundamentação legal Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Paraguaçu Paulista Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Paraguaçu Paulista Estado de São Paulo LEI COMPLEMENTAR Nº. 105, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Autoria do Projeto: Sr. Prefeito Municipal Dispõe sobre as normas gerais conferindo tratamento jurídico diferenciado, simplificado e favorecido ao Microempreendedor

Leia mais

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES)

LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LC 123/2006 SIMPLES NACIONAL (SUPER SIMPLES) A s s e s s o r i a C o n t á b i l Av. Maruípe, 2.260, 2º andar - Itararé - Vitória/ES. Cep: 29.047-475 Em frente ao Supermercado Pontes Telefax: (27) 3315-1599 - e-mail: adrianofigueiredo@terra.com.br

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

Direito Previdenciário. rio. Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4)

Direito Previdenciário. rio. Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4) Direito Previdenciário rio Prof. Gláucio Diniz de Souza (Aula 3 e 4) Financiamento da Previdência Social Empregado, Trabalhador Avulso e Empregado Doméstico Contribuição Progressiva Salário rio-de-contribuição

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO

CURSO ON-LINE PROFESSOR: EDVALDO NILO Aula 10 Tributos de Competência dos Estados. Tributos de Competência dos Municípios. Simples Nacional. Repartição das Receitas Tributárias. Olá, prezados (as), Ressalto que ainda teremos mais duas aulas

Leia mais

Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94, de 29 de novembro de 2011 DOU de 1º.12.2011

Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94, de 29 de novembro de 2011 DOU de 1º.12.2011 Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94, de 29 de novembro de 2011 DOU de 1º.12.2011 Dispõe sobre o Simples Nacional e dá outras providências. O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN), no uso

Leia mais

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012.

DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. DECRETO Nº. 531 DE 01 DE JULHO DE 2012. Regulamenta o uso da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica no ISSQN, a forma e o prazo de recolhimento dos tributos municipais e respectivos acréscimos perante o Código

Leia mais

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Aprovada modificação na Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Lei Complementar n o 139, sancionada em 10 de novembro de 2011 (PLC 77/2011, do Poder Executivo) Entre os principais avanços do projeto está

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

SIMPLES NACIONAL SEBRAE FENACON. Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008.

SIMPLES NACIONAL SEBRAE FENACON. Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008. SIMPLES NACIONAL Atualizado até a Resolução CGSN 29, de 21 de janeiro de 2008. SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas FENACON Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis

Leia mais

Prefeitura do Município de Lages Secretaria Municipal da Fazenda Diretoria de Fiscalização

Prefeitura do Município de Lages Secretaria Municipal da Fazenda Diretoria de Fiscalização INSTRUÇÃO NORMATIVA 015/2015 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE INSCRIÇÃO NO CADASTRO MUNICIPAL DE CONTRIBUINTES DE EMPRESAS ENQUADRADAS COMO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI; SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE EXCLUSÃO

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil

Presidência da República Casa Civil Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicação em atendimento ao disposto no art. 6 o da Lei Complementar n o 128,

Leia mais

Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009

Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009 EDIÇÃO EXTRA ISSN 1677-7042 Ano CXLVI N o - 21-B Brasília - DF, sábado, 31 de janeiro de 2009. Sumário PÁGINA Atos do Poder Legislativo... 1 Atos do Poder Executivo... 13. Atos do Poder Legislativo LEI

Leia mais

e CNPJ Benefícios do e-cnpj

e CNPJ Benefícios do e-cnpj São Paulo, Julho de 2009 e CNPJ O e-cnpj é um documento eletrônico em forma de certificado digital, que garante a autenticidade e a integridade na comunicação entre pessoas jurídicas e a Receita Federal

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 1.01-05.02.2010

Leia mais

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012

SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 IMPOSTO DE RENDA CADERNO nº 1 SIMPLES NACIONAL: DISPOSIÇÕES DO COMITÊ GESTOR APLICÁVEIS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2012 RESOLUÇÃO CGSN Nº 94, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2011 O COMITÊ GESTOR DO SIMPLES NACIONAL

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito PROJETO DE LEI Nº 15 DE 22 DE JANEIRO DE 2010. Altera a Lei nº 1.943, de 10 de dezembro de 1979, para conceder isenção da Taxa de Fiscalização de Atividades (TFA); a Lei nº 5.252, de 20 de dezembro de

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES PROJETO DE LEI Estabelece diretrizes para a simplificação e integração do processo de registro e legalização de empresários e de pessoas jurídicas, cria a Rede Nacional para a Simplificação do Registro

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

Art. 1º O art. 1º da Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º O art. 1º da Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO CGSN Nº 115, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 DOU de 08/09/2014 Publicação: 08/09/2014 Altera a Resolução CGSN nº 3, de 28 de maio de 2007, que dispõe sobre a composição da Secretaria Executiva do Comitê

Leia mais

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS

Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Conselho Temático Permanente da Micro e Pequena Empresa O Simples Nacional e o ICMS Unidade de Pesquisa, Avaliação e Desenvolvimento Unidade de Política Econômica O Simples Nacional e o ICMS* Adesão ao

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE

COMISSÃO MISTA PARA DISCUSSÃO DA LEGISLAÇÃO DA MICRO EMPRESA E EMPRESA DE PEQUUENO PORTE PROPOSTAS PARA TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE EM MATO GROSSO Comissão criada pela Portaria nº 030/SUGP/SEFAZ de 04/05/04 LEGENDA ATENDIDO PTA RP 2004 1. MINUTA DE LEI

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Lei nº 9.317/1996 () X Lei Complementar nº 123/2006 ( Nacional): quadro Comparativo Fabiana Gragnani Barbosa * I - Considerações Iniciais Através do presente estudo, pretendemos

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS

SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS SIMPLES NACIONAL PARA CORRETORES DE IMÓVEIS APRESENTAÇÃO: SESCON BLUMENAU Leila P. Franke SESCON BLUMENAU Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

CARTILHA DO PROJETO DA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ÍNDICE

CARTILHA DO PROJETO DA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ÍNDICE CARTILHA DO PROJETO DA LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ÍNDICE 1) O QUE É O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE? 2) QUEM SERÁ CONSIDERADO MICROEMPRESÁRIO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica CENTRAL FÁCIL DE REGISTRO DE EMPRESAS: REDE NACIONAL PARA SIMPLIFICAÇÃO DO REGISTRO E DA LEGALIZAÇÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS (REDESIM) ANTIGA REIVINDICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/leiscomplementares/2006/leicp123.htm

http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/leiscomplementares/2006/leicp123.htm Página 1 de 31 Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006 DOU de 15.12.2006 Republicada no DOU de 31/01/2009 (Edição Extra) Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais