URGENTE: há pedido liminar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "URGENTE: há pedido liminar"

Transcrição

1 EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE CAMPINAS/SP URGENTE: há pedido liminar Referência: Inquérito Civil nº 09/2011 ( / ) O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, abalizado no Inquérito Civil nº 09/2011 ( / ) e amparado no artigos 129, III, da Constituição Federal, e artigos 798, 799, 804, 844 e 845, todos do Código de Processo Civil, vem perante Vossa Excelência propor AÇÃO CAUTELAR INOMINADA DE BLOQUEIO DE MATRÍCULA E INDISPONIBILIDADE DE BENS IMÓVEIS, COM PEDIDO LIMINAR, contra UNIÃO FEDERAL, tendo por seu representante legal, na forma do art. 12, I, do CPC, dos arts. 9, 3, 35, IV, e 37 da Lei Complementar n 73/93, e disposições da Lei n /02, o Procurador Seccional da União de Campinas, com endereço na Rua Jorge Harrat - nº 95 - Ponte Preta Cep , Campinas/SP, em decorrência dos atos praticados pelo EXÉRCITO BRASILEIRO; e FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO FHE, com personalidade jurídica de direito privado, nos termos da Lei 6.885/80 e do Decreto /86, inscrita no CNPJ sob o nº / , com sede em Brasília/DF, à Avenida Duque de Caxias, s/n, Setor Militar Urbano (SMU), CEP e com Posto de Atendimento na Avenida Papa Pio XII, 350, Jardim Chapadão, CEP , Campinas, SP, na pessoa de seu representante legal; com base nas razões de fato e de direito a seguir expostas. 1/18

2 1. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL E LEGITIMIDADE DO MPF Não há dúvidas quanto a competência da Justiça Federal para examinar e julgar a presente ação, visto que o Exército Brasileiro é órgão integrante do Ministério da Defesa. Assim sendo, aludido Ministério e seus agentes representam a própria União, e seus atos, portanto, devem ser controlados pelo juízo federal de primeiro grau. O inciso I, do artigo 109, da Constituição Federal, assevera ser da competência dos Juízes Federais as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falências, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho. No presente caso, cristalina é a existência do interesse da União na solução da demanda. A resposta a tal questionamento pode ser obtida através da verificação do interesse imediato lesado. Insta salientar que o interesse federal ficará plenamente delineado e evidenciado quando da análise da fundamentação fática e jurídica infra consignada, suprimindo qualquer dúvida por ventura existente acerca da competência jurisdicional em questão. Já a legitimidade do Ministério Público Federal decorre diretamente das atribuições constitucionais de tutela do patrimônio público e social e do meio ambiente, nos termos do artigo 129, incisos III e IX da Constituição Federal. 2. OS FATOS O Ministério Público Federal instaurou o Inquérito Civil nº 09/2011 com o escopo de acompanhar a destinação da Fazenda Remonta, também conhecida como Coudelaria de Campinas, localizada nos municípios de Campinas e Valinhos, tendo em vista o grande valor ambiental da área, que pertence à União Federal. A Fazenda Remonda foi doada ao Exército Brasileiro pelo Estado de São Paulo na década de Trata-se de área de grande valor ambiental com a presença de significativa vegetação e grande variedade de fauna que foi utilizada pelo 2/18

3 Exército inicialmente para a criação de cavalos. 1 Juntamente com a área denominada Fazenda Serra d Água, pertencente ao Estado de São Paulo, constituem o último espaço territorial que vem impedindo a completa conurbação das cidades de Campinas e Valinhos. A área da Fazenda Remonta está cadastrada como patrimônio da União Federal, sob responsabilidade do Comando da 2ª Região Militar, em São Paulo. Seu registro imobiliário consta do Livro nº 3-AO, folhas nº 276, sob o nº , de 12 de setembro de 1969, do 3º Cartório de Registro de Imóveis e Anexos de Campinas e do Livro nº 2 do Cartório de Registro de Imóveis e Anexos de Valinhos. 2 Noticiou-se na imprensa, em junho de 2010, que o Exército estaria tentando alienar a Fazenda Remonta. Contudo, em reunião realizada na Procuradoria da República em Campinas, no dia 24 de setembro de 2010, com a presença de diversos agentes públicos, o Exército Brasileiro informou que havia o interesse do Ministério da Defesa em manter e utilizar a área da Fazenda Remonta para se estruturar e para capacitação profissional. O Exército esclareceu também que existe um Contrato de Promessa de Permuta, em favor da Fundação Habitacional do Exército, assinado com a Gerência Regional de Patrimônio da União, mas que a FHE havia manifestado interesse em restituir a área ao Exército. Veja-se o que constou expressamente da ata da citada reunião: 3 O representante do Exército Coronel Gigolotti esclareceu que não trouxe o documento solicitado à fl. 30 dos autos (levantamento planialtimétrico) porque não houve tempo hábil para a sua realização. Informou que possui somente os limites lineares da área. Informou, também, que o Ministério da Defesa tem interesse de utilizar a área da Coudelaria para não só se estruturar mas também para fazer a parte de capacitação profissional do Exército. Atualmente existe um Contrato de Promessa de Permuta, em favor da Fundação Habitacional do Exército, assinado com a GRPU, mas a FHE manifestou interesse em restituir a área e o Exército manifestou a intenção em receber essa área. (destacou-se) Na referida reunião, o Exército Brasileiro tomou conhecimento do estudo ambiental da área da Fazenda Serra D Água, que vem sendo realizado pelo grupo 1 Conforme notícia publicada no Correio Popular em 02/06/2010, acostada à f. 18 do inquérito civil. 2 Ofício nº 106 Asse Jur, de 26 de julho de 2010, subscrito pelo Coronel Edson Bellini Chiavegatto: f. 21 do inquérito civil e certidões acostadas às f. 138/ F. 33 do inquérito civil. 3/18

4 de trabalho formado por agentes públicos do Instituto Florestal e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral CATI para o elaboração do Plano de Manejo da Floresta Estadual Serra D Água. Os participantes da reunião demonstraram ao Exército que é fundamental a realização conjunta de estudo ambiental da área da Fazenda Serra D Água e da Fazenda Remonta, para conhecer melhor o potencial ecológico das propriedades, com a finalidade de realizar um panorama ambiental integral da região. A área que compõe a Fazenda Serra D Água, de propriedade da Fazenda Pública do Estado de São Paulo, foi transformada recentemente em unidade de conservação: a Floresta Estadual Serra D Água. É o que dispõe o Decreto Estadual nº , de 28 de dezembro de Devido à proximidade da Fazenda Serra D Água e da Fazenda Remonta, é imprescindível o estabelecimento de corredores ecológicos entre ambas as áreas, para o trânsito e preservação fauna e da flora local. Ainda durante a referida reunião, o Exército Brasileiro manifestou preocupação com eventuais restrições a atividades militares ou interferência no domínio da área em questão, ao que foi-lhe esclarecido que a intenção inicial era somente fazer adequações de práticas ambientais nas áreas das Fazenda Serra D Água e Remonta. Como ficou registrado na ata, nunca houve intenção de criar nada que impeça as atividades do Exército na Fazenda Remonta, ou mesmo que interfira no domínio da área, que deverá continuar de propriedade da União Federal e manter sua inequívoca e natural vocação de preservação ambiental. 5 Ao final da reunião, o Exército concordou com a realização de estudos ambientais em campo na Fazenda Remonta, que vem sendo realizados pelo mesmo grupo de trabalho composto de agentes públicos do Instituto Florestal e da CATI. Além disso, o Exército Brasileiro se comprometeu a encaminhar ao Ministério Público Federal os documentos dominiais da área processo de retificação do registro e levantamentos técnicos que embasaram o pedido de retificação informando sobre a situação atual do processo de alineação de parte da área para a FHE, conforme registrado expressamente na ata. O MPF solicitou ao Exército Brasileiro, novamente e por ofício, os documentos referentes ao processo de retificação do registro da Fazenda Remonta, 4 F. 127/130 do Anexo I do inquérito civil. 5 F. 34 do inquérito civil. 4/18

5 inclusive do Contrato de Promessa de Permuta. No entanto, o Exército Brasileiro ainda não encaminhou esse documentos ao MPF. Na época, o Exército Brasileiro alegou que tal documentação estaria em poder da Diretoria de Patrimônio do Exército. 6 Posteriormente, o Exército Brasileiro, por meio de documento firmado em 25 de novembro de 2010 pelo General de Brigada Wagner Oliveira Gonçalves, Diretor de Patrimônio, informou que a União/Comando do Exército se manifestou favorável à rescisão do Contrato de Promessa de Permuta que havia sido celebrado com a FHE. Informou também que a própria FHE se posicionou favorável à rescisão do Contrato de Promessa de Permuta que havia sido firmado em 20 de dezembro de 2004, tendo em vista a impossibilidade de comercializar, de acordo com seus interesses, a parcela objeto da permuta. 7 Com efeito, a própria FHE propôs tornar sem efeito o Termo de Ajuste nº EME para que a área em questão fosse revertida ao patrimônio da União. A FHE expôs claramente os motivos que ensejaram seu posicionamento no sentido de rescisão do Contrato de Promessa de Permuta: exigências cartorárias decorrentes do não desmembramento prévio do terreno original (Coudelaria de Campinas) e restrições impostas pela Prefeitura Municipal de Valinhos para utilização da área, o que tornou o imóvel inviável para comercialização. 8 Os trabalhos de análise a campo da Fazenda Remonta prosseguiram normalmente. Foi proposta a realização de grupo de trabalho específico para elaboração de termo de referência e visita ao local, que foi autorizada pelo Exército. O grupo de trabalho realizou uma visita à Fazenda Remonta no dia 3 de maio de Em setembro de 2011, o Comando do Exército solicitou ao 3º Cartório de Registro de Imóveis de Campinas a abertura e desmembramento de matrícula da Fazenda Remonta. O ofício foi assinado pelo Coronel Luiz Carlos de Carvalho e Silva, Chefe do Estado-Maior da 2 a Região Militar Conforme Ofício nº 207 Div Adm, de 12 de novembro de 2010, subscrito pelo Coronel Oady Aredes Junior. F. 1 e 2 do Anexo I do inquérito civil. 7 F. 51 do inquérito civil. 8 Ofício FHE/PRESI nº 153/2010, de 14 de setembro de 2010, subscrito pelo Gen. Ex. Clovis Jacy Burmann, então Presidente da FHE: f. 52 do inquérito civil. 9 Conforme reunião realizada na sede da CATI em Campinas, em 21/03/2011 e autorização concedida pelo Exército em 20 de abril de 2011: f. 59/61 e 80 do inquérito civil. 10 F. 97 do inquérito civil. 5/18

6 No ano de 2012, o Exército Brasileiro, inexplicavelmente, passou a seguir postura diametralmente oposta à que vinha adotando nas tratativas então realizadas com o Ministério Público Federal. Na reunião realizada na Procuradoria da República em 26 de março de 2012, com a presença do Ministério Público Federal e do Ministério Público do Estado de São Paulo, bem como representantes do Instituto Florestal, da CATI e do DER, o Exército Brasileiro não compareceu e nem justificou tempestivamente sua ausência ao evento. O encontro ocorreu sem a presença de representantes do Exército, ocasião em que o MPF destacou o reconhecimento, pelo próprio Exército Brasileiro, da importância de preservação ambiental das áreas militares, por meio da edição da Instrução Reguladora IR Durante a reunião, o Instituto Florestal apresentou cópia da autorização concedida pelo Exército em 2 de março de 2012, da lavra do Comandante Interino da 11 a Brigada de Infantaria Leve, Coronel Edson Bellini Chiavegatto, para realização de estudos pelo grupo de trabalho na área da Fazenda Remonta. 11 Em 29 de março de 2012, o Coronel Edson Bellini Chiavegatto encaminhou ao MPF o Ofício 17 Assessoria/Cmdo 11 a Bda Inf L, no qual noticia que a questão do desmembramento da área e a noticiada rescisão da permuta de parte dela estão sendo decididas no Comando do Exército em Brasília, motivo pelo qual a 2 a RM solicitou que aquele órgão informe a atual situação da destinação do imóvel. 12 Foi realizada nova reunião na Procuradoria da República em Campinas, desta vez com a presença do General Roberto Peternelli Júnior, Comandante da 2ª Região Militar em São Paulo, no dia 9 de abril de Durante a reunião, o MPF e o MPE foram completamente surpreendidos com a mudança repentina, sem qualquer fundamentação plausível, da orientação que até então vinha sendo adotada pelo Exército Brasileiro. Com efeito, nos dois anos iniciais de tramitação do inquérito civil, o Exército sempre havia sustentado o firme propósito de rescindir o Contrato de Promessa de Permuta celebrado com a FHE e manter a área da Fazenda Remonta para realização de atividades militares. De repente, sem qualquer fundamentação ou explicação convincente, o Exército Brasileiro voltou atrás e se posicionou no sentido de que o Contrato de 11 A ata da reunião consta de f. 115/117 do inquérito civil. O ofício que autorizou a realização de diligências está na f F. 129 do inquérito civil. 6/18

7 Promessa de Permuta deverá ser efetivado e não mais rescindido. Essa nova orientação foi comunicada oralmente na reunião realizada e, posteriormente, confirmada por meio do Ofício 035-OB-Patr 2, subscrito pelo General de Divisão Roberto Sebastião Peternelli Júnior, Comandante da 2 a Região Militar. 13 Assim, o Exército Brasileiro procedeu ao desmembramento da área da Fazenda Remonta em 3 matrículas registrada em Campinas e outras 3 matrículas registradas em Valinhos, cuja situação dominial atual é a seguinte: 14 Terceiro Oficial de Registro de Imóveis de Campinas: Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA C; Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA B; Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA A. Cartório de Registro de Imóveis e Anexos de Valinhos: Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA C; Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA B; e Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA A. No dia 11 de junho de 2012, chegou ao conhecimento do Ministério Público Federal que o Exército Brasileiro está na iminência de prenotar contrato de permuta baseado em promessa anterior (celebrada há quase oito anos) cujo conteúdo padece de análise quanto à legalidade e cujo desfazimento fora dado como certo e motivado pelas partes interessadas perante o Ministério Público Federal e Estadual, para transferir parte da Fazenda Remonta para a FHE. 15 Recentemente, o MPF requisitou do Exército Brasileiro, da FHE e da SPU os documentos referentes ao processo de alienação da Fazenda Remonta. 16 Há consistentes indícios da ilegalidade do referido negócio jurídico, cuja concretização açodada certamente será lesiva ao interesse público, pois poderá causar danos irreversíveis ao meio ambiente e ao patrimônio público, conforme se demonstrará a seguir. 13 Conforme documentos de f. 133/ F. 138/190 do inquérito civil. 15 F. 219 do inquérito civil. 16 F. 256/266 do inquérito civil. 7/18

8 3. O DIREITO: REQUISITOS DA PERMUTA DE BENS DA UNIÃO A alienação de imóveis da União deve obedecer às disposições contidas na Lei 8.666/93 e na Lei 9.636/98, e esta última em seu art. 23, 1º e 2º expressa verbis: Art. 23. A alienação de bens imóveis da União dependerá de autorização, mediante ato do Presidente da República, e será sempre precedida de parecer da SPU quanto à sua oportunidade e conveniência. 1º A alienação ocorrerá quando não houver interesse público, econômico ou social em manter o imóvel no domínio da União, nem inconveniência quanto à preservação ambiental e à defesa nacional, no desaparecimento do vínculo de propriedade. 2º A competência para autorizar a alienação poderá ser delegada ao Ministro de Estado da Fazenda, permitida a sub-delegação. (grifo nosso). (destacou-se): Em relação à permuta, a Lei 9.636/98 expressamente dispõe Art. 30. Poderá ser autorizada, na forma do art. 23, a permuta de imóveis de qualquer natureza, de propriedade da União, por imóveis edificados ou não, ou por edificações a construir. 1º Os imóveis permutados com base neste artigo não poderão ser utilizados para fins residenciais funcionais, exceto nos casos de residências de caráter obrigatório, de que tratam os arts. 80 a 85 do Decreto-Lei no 9.760, de º Na permuta, sempre que houver condições de competitividade, deverão ser observados os procedimentos licitatórios previstos em lei. Tendo como fundamento de validade os dispositivos acima transcritos, vê-se que um dos requisitos legais básicos para a alienação é a autorização da alienação por ato do Presidente da República ou de Ministro de Estado. O que se visualiza, na prática, é que muitas vezes o Exército Brasileiro está se valendo da Lei 5.651/70 e da Lei 9.636/98 nos dispositivos que lhe são convenientes e atribuindo uma competência equivocada aos Comandos Militares para proceder a alienações. Ora, as duas legislações são claras ao estabelecer que a competência é conferida à figura do Presidente da República ou de Ministro de Estado. 8/18

9 No art. 1º da Lei 5.651/70, a autorização cabe ao Ministério do Exército, atualmente incorporado ao Ministério da Defesa, enquanto no já citado art. 23 da Lei 9636/98, a competência pode ser delegada ao Ministro da Fazenda: Art. 1º - É autorizado o Ministério do Exército a proceder à venda ou permuta de bens imóveis da União, de qualquer natureza, sob sua jurisdição, cuja utilização ou exploração não atenda mais as necessidades do Exército. (grifo nosso). Com efeito, não se pode admitir que os Comandos Militares continuem exercendo a competência atribuída ao Ministro da Defesa sem que haja legislação adequada delegando a dita competência a órgãos hierarquicamente inferiores. O artigo 30, 3º, da Lei 6.855/80, na redação dada pela Lei 7.059/82, dispõe que na venda ou permuta de imóveis da União, das Entidades da Administração Indireta, e de Fundações criadas por lei, a serem adquiridos pela Fundação Habitacional do Exército, inclusive com recursos orçamentários, é dispensada a licitação. Não obstante, os demais requisitos previstos na Lei 9.636/98, em especial a autorização do Presidente da República ou de Ministro de Estado, devem ser respeitados. Há, ainda, outro óbice legal: o artigo 30 da Lei 9.636/98 especifica duas possibilidades distintas de permuta: a) a permuta por imóveis (edificados ou não); ou b) a permuta por edificações (a construir). No caso, a permuta que está sendo celebrada é da área por edificações ("b") que já foram construídas pela Fundação Habitacional do Exército. Portanto, essa permuta não se enquadra no conceito "a construir": essas edificações foram erigidas em imóveis do Exército e continuarão de propriedade do Exército. Por outro lado, também não são permutas por imóveis edificados. É clara a impossibilidade legal de se permutar imóvel por construções já realizadas, hipótese que, juridicamente, se qualifica como dação em pagamento e não permuta. No caso vertente, o Ministério Público Federal não obteve até então acesso ao processo administrativo e aos documentos que fundamentaram a celebração do Contrato de Promessa de Permuta com a FHE. Esses documentos foram recentemente requisitados dos órgãos competentes, para que o parquet possa verificar se os atos 9/18

10 praticados até o momento pelo Exército Brasileiro se adequam integralmente à legislação de regência. 17 Provavelmente, há falta de identidade entre o imóvel objeto da promessa de permuta anterior, celebrada em 2004, quando a Fazenda Remonta/Coudelaria compunha uma única transcrição imobiliária e o imóvel objeto da permuta atual, referente a uma das três matrículas resultantes do recém desmembramento da área realizado pelo Exército. Se o imóvel não é o mesmo, é necessário verificar se os requisitos estabelecidos na lei de regência em especial a autorização do Presidente da República ou de Ministro de Estado foram novamente praticados ou ratificados pelas autoridades competentes. Por isso, as diligências prosseguem no inquérito civil que embasa esta ação. Por outro lado, se o parquet ainda não obteve acesso aos motivos e fundamentos que ensejaram a celebração do Contrato de Promessa de Permuta em 20 de dezembro de 2004 e lavrado às f. 122/128 do Livro de Notas 14, da Gerência do Patrimônio da União do Estado de São Paulo, certo é que os motivos que ensejaram o Exército Brasileiro a propor a rescisão desse ato foram manifestados formalmente nos autos. Com efeito, a rescisão do Contrato de Promessa de Permuta se daria pelos seguintes motivos, alegados tanto pela FHE quanto pelo próprio Exército Brasileiro, respectivamente, em setembro e novembro de 2010: exigências cartorárias decorrentes do não desmembramento prévio do terreno original (Coudelaria de Campinas) e restrições impostas pela Prefeitura Municipal de Valinhos para utilização da área, o que tornou o imóvel, segundo a própria FHE, inviável para comercialização. 18 Ora, os motivos determinantes 19 para a rescisão do Contrato de Promessa de Permuta foram explicitados pela FHE e pelo Exército Brasileiro e, por tal, razão, vinculam os agentes que os alegaram aos fundamentos por eles mesmos expostos. Somente se demonstrarem que esses motivos não mais subsistem e ainda, comprovarem 17 F. 262 a 266 do inquérito civil. 18 F. 51 e 52 do inquérito civil. 19 De acordo com Celso Antônio Bandeira de Mello, pela teoria dos motivos determinantes, os motivos que determinaram a vontade do agente, isto é, os fatos que serviram de suporte à sua decisão, integram a validade do ato. ( ). Uma vez enunciados pelo agente os motivos em que se calçou, ainda quando a lei não haja expressamente imposto a obrigação de enunciá-los, o ato só será válido se estes realmente ocorreram e o justificavam. Curso de Direito Administrativo. 29 edição. Editora Malheiros: São Paulo, 2012, p /18

11 o preenchimento dos demais requisitos legais da permuta é que o Contrato de Promessa de Permuta poderá ser considerado juridicamente válido. Após a explicitação dos fundamentos que ensejariam a rescisão do Contrato de Promessa de Permuta, não houve fatos novos alegados pelo Exército Brasileiro ou pela FHE que demonstrassem que referida área antes tida como inviável para comercialização teria recentemente adquirido interesse comercial. Do ponto de vista da tutela do patrimônio público, é importante observar que o valor da parcela do imóvel objeto do Contrato de Promessa de Permuta foi indicado pelo Exército em R$ 16 milhões no ano de Contudo, o documento encaminhado recentemente pelo Ministério Público do Estado de São Paulo menciona o valor de R$ 12,4 milhões. 21 Como sabido a tendência do mercado imobiliário da região, nos últimos anos, é de alta de preços. Logo, seria comum a valorização da propriedade, não a redução de seu valor. Diante de tamanha divergência nos valores indicados (de R$ 16 milhões para R$ 12 milhões), é necessário verificar os laudos de avaliação do imóvel que se pretende permutar, como medida de tutela do patrimônio público federal. Para comparação, divulgou-se recentemente que a UNICAMP pretende desapropriar uma fazenda de aproximadamente m 2 menor, portanto, que a gleba de aproximadamente m 2, objeto da permuta pelo valor de R$ 150 milhões. 22 Ou seja: por uma área menor, pretende-se pagar um valor muitas vezes maior do que os R$ 12,4 milhões atribuídos à permuta iminente da Fazenda Remonta. Além disso, o artigo 23, 1 O da Lei 9.636/98 diz que a alienação de imóveis da União somente deverá ocorrer quando não houver inconveniência quanto à preservação ambiental da área. Desde a celebração do Contrato de Promessa de Permuta, em 2004, até a presente data, a conjuntura fática e jurídica envolvendo a tutela ambiental da Fazenda Remonta modificou-se consideravelmente. Se, naquela época, a celebração do ajuste considerou que não haveria inconvenientes para a preservação do meio ambiente (o que só poderá ser verificado com o término da instrução do inquérito civil em curso), hoje a análise quanto à preservação ambiental da Fazenda Remonta certamente chegaria a resultado diametralmente oposto. 20 F. 50 do inquérito civil. 21 F. 219 do inquérito civil. 22 Conforme notícia publicada no Correio Popular em , acostada à f. 260 do inquérito civil. 11/18

12 Atualmente, é inegável a necessidade de preservação ambiental da propriedade da Fazenda Remonta, localizada estrategicamente de forma a impedir a completa conurbação entre os Municípios de Valinhos e Campinas, e fundamental para conectividade de sua fauna e flora, por meio de corredores ecológicos, à Floresta Estadual Serra D Água. O reconhecimento do valor ambiental daquela área, hoje, é inconteste e foi destacado por estudiosos e órgãos públicos. Nesse sentido, cumpre transcrever parte do Termo de Referência dos estudos a serem realizados na Fazenda Remonta, que evidencia a importância ambiental da área em questão (destaques do parquet): 23 Os estudos já realizados na Região Metropolitana de Campinas, que envolve 19 municípios, apontam a redução acelerada dos ínfimos recursos naturais, impondo ao Poder Público, a premente necessidade de ações com vista a elaboração de Planos de Manejo Integrado das áreas protegidas já efetivadas. Dentre as várias unidades de conservação, destacam-se a Estação Ecológica de Valinhos, o Parque Estadual do ARA (Área de Reforma Agrária) e a Floresta Estadual da Serra D Água, todas ligadas à Fazenda Remonta, constituindo um Ecótone: Mata Atlântica/Cerrado. De acordo com a Lei Federal n /2000, que criou o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, uma das premissas estabelecidas para elaboração do Plano de Manejo, define os conceitos de zona de amortecimento e conectividade, situação esta que se aplica às unidades citadas anteriormente em relação à Fazenda Remonta. A Fazenda Remonta é uma área sob domínio do Ministério da Defesa, hoje considerada de grande importância para a conservação da biodiversidade regional, pois reúne dois grandes biomas brasileiros supracitados. Soma-se o fato dessa estar situada entre dois municípios densamente povoados, condição que promove grande pressão imobiliária resultando em uma conurbação, com grandes impactos ambientais, sociais e econômicos. O Município de Valinhos também reconhece a importância ecológica da Fazenda Remonta, tanto é que solicitou ao Exército Brasileiro e à FHE a doação de parte da área da Fazenda Remonta para a criação do Parque Ecológico Municipal. A importância ambiental da Fazenda Remonta foi atestada pelo Município de Valinhos nos seguintes termos (destacou-se): F. 77 e 78 do inquérito civil. 24 F. 213 a 216 do inquérito civil. 12/18

13 Essa área se encontra, em parte, em Área de Proteção Permanente (APP), próxima ao Córrego Invernada e a de um lago existente, e, a outra parte, também dentro de uma APP, visto que é formada totalmente por mata nativa, portanto de preservação, não podendo ser utilizada para nenhuma outra atividade, senão a sua preservação e manutenção. Esclareço, ainda, que ao lado da área pretendida por esta Municipalidade, já existe uma Unidade de Preservação Ambiental Estadual. O nosso objetivo, portanto, é a unificação dessa áreas, formando assim um Parque Ecológico, destinado à visitação pública e de educação ambiental. Ademais, o próprio Exército Brasileiro editou recentemente a Instrução Reguladora IR , que estabelece os procedimentos administrativos que devem ser seguidos pelo Exército para assegurar o cumprimento do dever de defender, preservar, melhorar e recuperar o meio ambiente para as presentes e futuras gerações. De acordo com o artigo 12 da IR 50-20, o principal instrumento para o planejamento das ações ambientais do Exército é o diagnóstico ambiental. Não se tem notícia de que a Fazenda Remonta tenha sido avaliada ambientalmente pelo Exército para o pleno atendimento dessa normativa. De acordo com a própria IR 50-20, o prazo para consolidação do diagnóstico ambiental das áreas militares encerra-se em 15 de abril de cada ano. Não há notícias de que tenha sido realizado, pelo Exército Brasileiro, o diagnóstico ambiental da Fazenda Remonda. Aliás, as normas da IR nada mais fazem do que concretizar os fundamentos constitucionais de preservação do meio ambiente (artigo 225 da Constituição Federal), em especial os princípios da prevenção e da precaução. Ao impor a realização prévia de estudos e diagnósticos ambientais, a normativa simplesmente destaca a importância de se conhecer e gerir os recursos naturais sob administração militar, previamente à realização de quaisquer obras e empreendimentos. Somente após a efetivação desses estudos e o conhecimento real das potencialidades ecológicas da Fazenda Remonta é que a destinação da área poderá ser definida com a devida segurança jurídica, para que o meio ambiente seja devidamente preservado. Nesse sentido, o trabalho de levantamento de dados da Fazenda Remonta que vem sendo realizado pelo grupo de trabalho formado pelo Instituto Florestal e pela CATI, autorizado pelo Exército, poderá fornecer subsídios para a elaboração do diagnóstico ambiental e dos demais instrumentos de gestão ecológica previstos na IR F. 68/94 do Anexo I do inquérito civil. 13/18

14 20. Esse trabalho, contudo, possui previsão de conclusão em setembro de 2012, e encontra-se em fase incipiente de levantamento de dados. 26 Por isso, é completamente prematura e despropositada a celebração do referido Contrato de Permuta entre a União e a FHE antes da consolidação do relatório técnico dos estudos que estão sendo realizados na Fazenda Remonta. 4. QUESTÕES PROCESSUAIS: CABIMENTO DA AÇÃO CAUTELAR AJUIZADA As grandes dificuldades de instrução do inquérito civil em trâmite e a iminência do registro do contrato de permuta com sérios indícios de ilegalidades justificam e embasam o interesse processual do MPF no ajuizamento da presente demanda cautelar. Com efeito, o Exército Brasileiro apresentou, ao longo da instrução do inquérito civil que embasa esta demanda, informações contraditórias sobre os responsáveis pelo processo de alienação do imóvel e pela documentação dos atos administrativos referentes a tal processo. Essa lamentável confusão e dubiedade na prestação das informações solicitadas no inquérito civil não deveria jamais ter ocorrido, uma vez que o Exército Brasileiro é um instituição nacional permanente e regular, organizada com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República e dentro dos limites da lei, conforme artigo 1º do Decreto /96. Há informação de que a responsabilidade pela documentação e execução de manobras patrimoniais em relação à área é da Seção de Patrimônio da 2ª Região Militar, em São Paulo (ofício assinado pelo Coronel Edson Bellini Chiaveggato em 26 de julho de 2010). Mas o Exército também informou que a documentação relativa ao processo de alienação de parte da área da Coudelaria de Campinas para FHE foi solicitada à Diretoria de Patrimônio do Exército (ofício assinado pelo Coronel Oady Aredes Junior em 12 de novembro de 2010). Consta também a informação de que a questão do desmembramento da área e a noticiada rescisão da permuta de parte dela estão sendo decididas no Comando do Exército, em Brasília (ofício assinado pelo Coronel Edson Bellini Chiavegatto em 29 de março de 2012) F. 206 do inquérito civil. 27 F. 20 e 129 do inquérito civil e 1 do anexo I do inquérito civil. 14/18

15 As contradições e desencontros de informações não pararam por aí. O Exército mencionou que o Ministério da Defesa tem interesse de utilizar a área da Coudelaria (manifestação oral do Coronel Jorge Luiz Gigolotti em reunião realizada em 24 de setembro de 2010), que a área objeto da permuta continuará afetada ao Comando do Exército para compor a Coudelaria de Campinas, que será elaborado o Termo de Rescisão ao Termo de Ajuste (ofício assinado pelo General de Brigada Wagner Oliveira Gonçalves em 25 de novembro de 2010) e que é inviável a comercialização da mesma pela FHE (ofício assinado pelo General Ex Clovis Jacy Burmann, Presidente da FHE, em 14 de setembro de 2010). 28 Recentemente, foi informado que o órgão adequado para prestar as informações referentes a alienação da área é o próprio comando do Exército (manifestação oral do General Roberto Sebastião Peternelli Júnior em reunião realizada em 9 de abril de 2012) e que o Comando do Exército Brasileiro mantém a intenção de efetivar o supracitado Contrato de Promessa de Permuta (ofício assinado pelo General de Divisão Roberto Sebastião Peternelli Júnior em 18 de abril de 2012). 29 Além disso, o MPF solicitou ao Exército Brasileiro os documentos referentes ao processo de retificação em 4 (quatro) oportunidades diferentes, quais sejam: por meio do ofício de 15 de setembro de 2010, na reunião realizada em 24 de setembro de 2010 e por meio dos ofícios expedidos em 27 de setembro de 2010 e 8 de novembro de Apesar da reiteração e insistência do MPF, o Exército Brasileiro não apresentou os documentos requeridos, razão pela qual o MPF requisitou recentemente tais documentos do Comando da 2ª Região Militar, da Diretoria de Patrimônio do Exército, da FHE e da Secretaria de Patrimônio de União. 31 No âmbito administrativo ainda não foi possível obter posicionamento sério e coerente do Exército em relação ao procedimento em curso de alienação da Fazenda Remonta para a FHE. Se não bastasse, a alteração repentina do entendimento que vinha sendo seguido pelo Exército Brasileiro sem explicação de novos motivos e dos fundamentos jurídicos causou desnecessária situação de insegurança 28 F. 33, 51 e 52 do inquérito civil. 29 Conforme f. 134 e 138 do inquérito civil. 30 F. 30, 34, 35, 38 e 41 do inquérito civil. 31 F. 262/266 do inquérito civil. Devido à postura recentemente adotada pelo Exército Brasileiro, este parquet vislumbra até mesmo a necessidade de, posteriormente, ter que ingressar com outra ação cautelar, de exibição de documentos, caso as requisições ministeriais não sejam atendidas. 15/18

16 jurídica e quebra da necessária confiança e lealdade que devem guardar os órgãos públicos em suas relações jurídicas. Ora, em declaração unilateral de vontade perante o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Estado de São Paulo, o Exército Brasileiro externou, de forma fundamentada, sua intenção de rescindir o Contrato de Promessa de Permuta celebrado com a FHE em Essa declaração, devidamente motivada, vincula o agente que a expediu a seus fundamentos e não depende de forma especial, nos termos do artigo 107 do Código Civil. Por isso, seria necessário, pois, que os motivos da mudança de posicionamento institucional do Exército fossem também levados ao conhecimento do parquet, que atua no caso para tutela do patrimônio público e social e do meio ambiente. Mas o Exército Brasileiro, simplesmente e sem qualquer fundamentação, preferiu mudar de entendimento e prosseguir com o Contrato de Promessa de Permuta. Todos esses fatos, devidamente comprovados nos autos, demonstram o interesse processual inequívoco do Ministério Público Federal em obter, em juízo, a medida cautelar ora pleiteada. Somente com o deferimento da medida pleiteada é que os bens jurídicos em questão a integridade ambiental da Fazenda Remonta e o patrimônio público federal permanecerão resguardados enquanto o parquet prossegue com as investigações necessárias no inquérito civil que se encontra em curso. 5. O PEDIDO DE LIMINAR As informações recentemente juntadas ao inquérito civil revelam que o Exército Brasileiro encontra-se na iminência de prenotar contrato de permuta baseado em promessa anterior (celebrada há quase oito anos) cujo conteúdo padece de análise quanto à legalidade e cujo desfazimento fora dado como certo e motivado pelas partes interessadas perante o Ministério Público Federal e Estadual, e com isso, efetivar a transferência de parcela da Fazenda Remonta à FHE, que certamente utilizará a área para comercialização e construção de imóveis. Os novos documentos 32 demonstram que o Sr. Oficial de Registro de Imóveis de Valinhos, Dr. Antonio Ilson da Silva Mota, recebeu informalmente uma minuta de contrato de permuta cujos termos manifestam a intenção de trocar a área de ,34 m 2 da Fazenda Remonta, ali matriculada sob o nº , como pagamento 32 F. 219 e seguintes do inquérito civil. 16/18

17 por construções já realizadas avaliadas em R$ ,000,00 (doze milhões e quatrocentos mil reais), tendo recebido, ainda, telefonemas de uma Procuradora da Fundação Habitacional do Exército para tratar do caso. Como já exposto nesta ação, há indícios consistentes em relação à ilegalidade dessa permuta, em face principalmente da inobservância da Lei 9.636/98 nos seguintes pontos: possível falta de legitimidade para a prática da permuta; provável falta de identidade entre o imóvel objeto da promessa de permuta anterior e o imóvel objeto do contrato de permuta atual; descumprimento de normas de proteção ambiental; e possível subavaliação do imóvel a ser permutado. Demonstrou-se, também, o descumprimento, pelo Exército Brasileiro, da IR e de normas de preservação do meio ambiente. Logo, o prosseguimento do processo de alienação, com o registro em cartório, poderá gerar, em face de terceiros, efeitos administrativos a partir de atos e condutas ilegais. Por outro lado, a ilegalidade de tais atos somente poderá ser devidamente apurada pelo parquet após a análise e conclusão do inquérito civil em curso. Pelo exposto, presentes os requisitos legais do fumus boni iuris e do periculum in mora, para evitar danos ao patrimônio público e ao meio ambiente por meio do registro público de atos ilegais e impedir a criação de expectativas ilegítimas a terceiros, com fundamento nos artigos 797, 798 e 799 do Código de Processo Civil e no artigo 247 da Lei 6.015/73, o MPF requer a Vossa Excelência seja determinado, inaudita altera pars, o bloqueio das matrículas e a indisponibilidade dos imóveis a seguir indicados: Cartório de Registro de Imóveis e Anexos de Valinhos: Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA C; Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA B; e Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA A; Terceiro Oficial de Registro de Imóveis de Campinas: Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA C; Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA B; Matrícula , Gleba de Terras designada por ÁREA A. Requer-se que a medida liminar ora requerida, caso deferida, seja mantida até a conclusão da investigação objeto do inquérito civil em curso, seja pelo seu arquivamento, seja pela propositura da ação civil pública que venha a se revelar necessária. 17/18

18 5. CONCLUSÃO Diante de todo o exposto, o MPF requer a Vossa Excelência seja a presente demanda julgada totalmente procedente, para: 5.1 Com a máxima urgência, deferir, inaudita altera pars, o pedido liminar formulado, decretando-se o bloqueio das matrículas e a indisponibilidade dos imóveis mencionados e expedindo-se os ofícios devidos aos cartórios de registro de imóveis indicados; 5.2 Citar os requeridos para, no prazo de 5 dias, contestarem esta ação, na forma do artigo 802 do CPC; 5.3 Julgar procedente esta ação, determinado-se o bloqueio das matrículas e a indisponibilidade dos imóveis indicados no item 4 supra, até a conclusão da investigação objeto do inquérito civil em curso, seja pelo seu arquivamento, seja pela propositura da ação civil pública que venha a se revelar necessária. 5.4 Por fim, sejam os demandados condenados nos ônus da sucumbência. Para provar o alegado, o Ministério Público Federal manifesta o propósito de produzir todos os meios de provas em direito admitidos em nosso ordenamento jurídico, inclusive a juntada de documentos novos. Dá-se à causa o valor de 16 milhões de reais, valor equivalente à parcela do imóvel objeto do Contrato de Promessa de Permuta. 33 Campinas, 13 de junho de PAULO GOMES FERREIRA FILHO Procurador da República 33 Conforme f. 50 do inquérito civil. 18/18

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 14ª VARA DA JUSTIÇA FEDERAL EM SÃO PAULO - SP PROCESSO nº DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AO PROCESSO nº 90.0042414-3 MARÍTIMA SEGUROS S/A, pessoa jurídica de

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015.

Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Portaria IEF nº 30, de 03 de fevereiro de 2015. Estabelece diretrizes e procedimentos para o cumprimento da compensação ambiental decorrente do corte e da supressão de vegetação nativa pertencente ao bioma

Leia mais

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE 2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE Foi noticiado em jornal de grande circulação que O secretário de transportes de determinado estado, e certa empresa de transportes coletivos, pessoa jurídica

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 180 SENTENÇA Processo Digital nº: 1021633-14.2014.8.26.0405 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Promessa de Compra e Venda Requerente: RAFAEL RODRIGUES e outro Requerido: IBÉRIA INCORPORADORA

Leia mais

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS:

I DOS PRESSUPOSTOS FÁTICOS: EXMO. SR.DR. JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE. VARA CÍVEL E COMERCIAL DA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA, por intermédio do seu representante legal infraassinado, no exercício de uma de suas atribuições

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

Sra. Procuradora-Geral:

Sra. Procuradora-Geral: PARECER Nº 13.746 DOAÇÃO DE BEM IMÓVEL, ONDE IMPLANTADA ESCOLA MUNICIPAL, AO MUNICÍPIO DE CAPIVARI. VIABILIDADE, DESDE QUE PRESENTE INTERESSE PÚBLICO DEVIDAMENTE JUSTIFICADO, FEITA PRÉVIA AVALIAÇÃO DO

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015

PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Inquérito Civil Público nº 1.26.000.000548/2011-59 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO Nº 570/2015 Trata-se de inquérito civil público instaurado a partir do Ofício nº 069/2011 2ª PJDC, do Ministério Público do Estado

Leia mais

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal.

ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS, contra o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS em possível descumprimento de norma federal. Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS 0001505 65.2014.2.00.0000 Requerente: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO MINAS GERAIS e outros Requerido: CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATÓRIO

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor FICHA R Nº 920/00- CENACON - ASSUNTO: serviço público água constantes interrupções no fornecimento de água em diversos bairros da cidade - manutenção precária do sistema de abastecimento - prestação de

Leia mais

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS.

DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. DOAÇÃO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELAS ASSOCIAÇÕES DE PAIS E MESTRES - APMS, ATRAVÉS DE CONVÊNIOS. Capa: Francisco Mesquita DA/CEPAT JUL/2012 Página 1 ÍNDICE Apresentação Pág. 03 Encaminhamento de ofício

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Parte requerente: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN (Advª. Sandra Mary Tenório Godoi) E ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Parte requerente: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN (Advª. Sandra Mary Tenório Godoi) E ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Processo Judicial Eletrônico: 1 CAUTELAR INOMINADA Autos de nº 0800490-42.2014.4.05.8400 Parte requerente: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN (Advª. Sandra Mary Tenório Godoi)

Leia mais

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS (AL) SENTENÇA DE CONHECIMENTO - PROCESSO N. 0001520-04.2010.5.19.0062. RELATÓRIO. MANOEL BENEDITO FERREIRA DA SILVA,

Leia mais

CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL

CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL 1/5 CONTRATO DE COMODATO DE IMÓVEL Pelo presente instrumento particular de contrato, que tem de um lado FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA, pessoa jurídica de direito privado, de fins não lucrativos, reconhecida

Leia mais

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 1 TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 Termo Doacao 0003 IDM Pelo presente termo de doação de imóvel com encargos, de um lado o Município de Xanxerê, com sede na cidade de Xanxerê, Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

Autos nr. 2155-48.2013.8.16.0147

Autos nr. 2155-48.2013.8.16.0147 Autos nr. 2155-48.2013.8.16.0147 Vistos. 1. Trata-se de Ação Civil Pública com Pedido de Condenação em Obrigação de Não Fazer c/c Pedido de Tutela Antecipada que o Ministério Público do Estado do Paraná

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO. 29ª Vara Federal do Rio de Janeiro

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO. 29ª Vara Federal do Rio de Janeiro PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO 29ª Vara Federal do Rio de Janeiro JRJJIA 29ª Vara JUSTIÇA FEDERAL Fls. Seção Judiciária do Rio de Janeiro 681 Processo AÇÃO CIVIL PÚBLICA

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão no Estado de São Paulo EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO O Ministério Público Federal, pelo Procurador Regional

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TIPO A PODER JUDICIÁRIO 22ª VARA CÍVEL FEDERAL DE SÃO PAULO AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROCESSO N.º 0004415-54.2011.403.6100 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉ: AGÊNCIA NACIONAL DE SÁUDE SUPLEMENTAR - ANS REG.

Leia mais

Bélico do Brasil - IMBEL, e dá outras providencias.

Bélico do Brasil - IMBEL, e dá outras providencias. Autoriza o Poder Executivo a constituir uma empresa pública denominada Indústria de Material Bélico do Brasil - IMBEL, e dá outras providencias. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA CNJ A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotada de personalidade jurídica e

Leia mais

DECISÃO. VISTOS EM INSPEÇÃO (PROVIMENTO/COGER nº 38/2009, art. 122, 1º, I)

DECISÃO. VISTOS EM INSPEÇÃO (PROVIMENTO/COGER nº 38/2009, art. 122, 1º, I) G12 PROCESSO N : 0005420-60.2015.4.01.3600 CLASSE : 7200 AÇÃO POPULAR AUTOR : DILEMARIO DO VALE ALENCAR RÉUS : MAURO MENDES FERREIRA, MUNICIPIO DE CUIABA-MT, THIAGO FRANCA CABRAL DECISÃO VISTOS EM INSPEÇÃO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP).

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA EM MARÍLIA (SP). O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA Fabiano Samartin Fernandes * BREVE HISTÓRICO Os Juizados Especiais foram criados pela Lei n. 9.099, de 26 de setembro de 1995, inspirados diretamente

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel;

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel; PROJETO DE LEI Altera o Decreto-Lei n o 3.365, de 21 de junho de 1941, que dispõe sobre desapropriações por utilidade pública. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 15, 26 e 32 do Decreto-Lei

Leia mais

PORTARIA Nº 293, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. Art. 4º - Fica revogada a Orientação Normativa GEARP 001, de 28 de setembro de 2000.

PORTARIA Nº 293, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. Art. 4º - Fica revogada a Orientação Normativa GEARP 001, de 28 de setembro de 2000. PORTARIA Nº 293, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007 O SECRETÁRIO-ADJUNTO DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Art. 32 do Regimento Interno da Secretaria do Patrimônio da

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 31 - Data 30 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA - IRPF Ementa: ALIENAÇÃO DE

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006 DECRETO Nº 23581 De 09 de janeiro de 2006 Cria a Comissão de Locação de Imóveis e estabelece procedimentos para celebração, prorrogação e rescisão de contratos de locação. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 12505/2011 (1 vol.) 2. Classe/Assunto: 3. Consulta / 5. Consulta acerca da legalidade do pagamento de despesas com internação de urgência do senhor João

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA No Estado de São Paulo, a Lei Estadual n 2.574 de 4 de dezembro de 1980 estabelece normas para a declaração de utilidade pública. Cabe à Secreta a

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PEÇA PROFISSIONAL A administração pública local desencadeou procedimento licitatório, na modalidade de tomada de preços, tendo por objeto a construção de uma ponte de 28 metros.

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO Pregão Presencial nº: 003/2009-UNEMAT. Processo Administrativo Unemat nº 007/2009-CPL. Processo Administrativo SAD Nº 340.148/2009/SAD. Referência: Pregão Presencial para a Locação

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O fls. 1931 EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUÍZA DE DIREITO DA 2ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE SÃO PAULO- SP. PROCESSO Nº 1011905-69.2013.8.26.0053 Ação Civil Pública Poluição UNIVERSIDADE DE SÃO

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCESSO Nº: 0801806-81.2014.4.05.8500 - AÇÃO CIVIL PÚBLICA AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS 3ª VARA FEDERAL - JUIZ FEDERAL TITULAR SEGURIDADE SOCIAL. PREVIDENCIÁRIO.

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004 -1- EMENTA: ANULATÓRIA ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO NÃO INTEGRAÇÃO AO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ENCARGOS LIMITAÇÃO CLÁUSULA MANDATO VALIDADE APORTE FINANCEIRO OBTIDO NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO.

Leia mais

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Veículo: Minas Gerais Data: 28/11/2014 Editoria: Diário do Executivo Página: 18 Clipping Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de

Leia mais

c Publicada no DOU de 16-12-2004.

c Publicada no DOU de 16-12-2004. LEI N o 10.999, de 15 DE DEZEMBRO DE 2004 Autoriza a revisão dos benefícios previdenciários concedidos com data de início posterior a fevereiro de 1994 e o pagamento dos valores atrasados nas condições

Leia mais

REGULAMENTO DE PREMIAÇÃO

REGULAMENTO DE PREMIAÇÃO A Odebrecht Realizações Imobiliárias e Participações S/A, estabelecida na Avenida A, número 4165, sala 101 Torre 4, no bairro da Praia do Paiva, Cabo de Santo Agostinho-PE, CEP 54.522-005, inscrita no

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

1035597-82.2015.8.26.0100 - lauda 1

1035597-82.2015.8.26.0100 - lauda 1 fls. 294 SENTENÇA Processo Digital nº: 1035597-82.2015.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Pagamento Indevido Requerente: Debora Andrea de Cássia Carneiro da Cunha Requerido: Acapulco Investimentos

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO PROCESSO N 2004.QXD.TCE.03953/07 ENTIDADE: PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ INTERESSADO: ANA KARINE SERRA LEOPÉRCIO PROMOTORA DE JUSTIÇA DA COMARCA DE QUIXADÁ RESPONSÁVEIS: ANTÔNIO ALMEIDA VIANA PRESIDENTE

Leia mais

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e,

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e, Publicação: 22/09/99 PORTARIA Nº 1145/1999 Dispõe sobre aquisição, controles e formas de desfazimento de bens móveis permanentes no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e Comarcas do Estado de Minas

Leia mais

Luiz Affonso Trevisan Prefeito Municipal

Luiz Affonso Trevisan Prefeito Municipal Projeto de Lei nº 124, de 24 de novembro de 2015. Autoriza o Executivo Municipal a realizar a concessão gratuita de direito real de uso, de 01 (um) lote no Distrito Industrial a Empresa ALDAIR GALLON,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 470/93 - Plenário - Ata 53/93 Processo nº TC 014.861/93-3 Entidade: Ministério da Justiça Relator: Ministra Élvia L. Castello Branco Redator da Decisão

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - -

Relação de Documentos OBRIGATÓRIOS a ser encaminhada pela UTE para o Agente Financeiro UTE CÓDIGO DA PROPOSTA - - UTE INFORMAÇÕES PARA CONTATO: NOME: TELEFONES: ( ) EMAIL: AGENTE FINANCEIRO DE ENCAMINHAMENTO DA PROPOSTA: ( ) BANCO DO BRASIL ( ) BANCO DO NORDESTE ( ) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL LINHA DE FINANCIAMENTO:

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº 02/2012

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº 02/2012 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA nº 02/2012 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (MPF), representado pelo procurador da República DARLAN AIRTON DIAS, titular do 1º Ofício da Procuradoria da República

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara

Tribunal de Contas da União. Número do documento: AC-0337-31/99-1. Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0337-31/99-1 Identidade do documento: Acórdão 337/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas Especial. Convênio. FAE. Prefeitura Municipal de Magé

Leia mais

D E C I S Ã O. Vistos.

D E C I S Ã O. Vistos. D E C I S Ã O Vistos Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT pretendendo a concessão de liminar nas modalidades initio litis e inaudita altera pars

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais