Plano de Gestão Administrativa e Acadêmica da Chapa Há Quem Sambe Diferente Instituto Multidisciplinar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Gestão Administrativa e Acadêmica da Chapa Há Quem Sambe Diferente Instituto Multidisciplinar 2013-2017"

Transcrição

1 Plano de Gestão Administrativa e Acadêmica da Chapa Há Quem Sambe Diferente Instituto Multidisciplinar Ao apresentarmos a chapa Há Quem Sambe Diferente, mostramos a motivação principal que nos une ao nos propormos à imensa responsabilidade e honra de dirigir o Instituto Multidisciplinar e garantir ambiente com qualidade no fazer acadêmico público, gratuito e socialmente referenciado e na busca de realização de cada docente, técnico-administrativo e estudante. 1

2 Quem Somos Diretora: Mônica Martins Professora do Programa de Pós-Graduação em História da UFRRJ, Professora de História Econômica do Departamento de História e Economia do Instituto Multidisciplinar desde 2008; Pós-doutora em História da Ciência pelo Observatório Nacional, Doutora em História Social pela UFRJ, Mestre, Bacharel e Licenciada em História pela UFF. Na UFRRJ exerceu a função administrativa de sub-chefe de departamento e as funções de representação em comissões: Plano de Desenvolvimento Institucional do IM, representante do Campus Nova Iguaçu na Comissão de Sistematização do Regimento Geral da UFRRJ, Representante docente no CONSUNI, Representação docente no CONSU. Vice-diretora: Elis Regina Ângelo Doutora em História pela PUCSP, Graduada em Turismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Mestre em Turismo Ambiental e Cultural Planejamento e Gestão pelo Centro Universitário Ibero Americano; Mestre em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Experiência na área de Turismo, ênfase em Patrimônio e História, atuando nos seguintes temas: formação superior, coordenação e direção; pesquisa e extensão nas áreas de Turismo, Eventos, Hotelaria, História Social, Gênero e Patrimônio Cultural. Pesquisadora das áreas de História, Cultura, Sociedade e Turismo. Professora Adjunta nos cursos de Bacharelado em Turismo da UFRRJ e na Licenciatura em Turismo no Consórcio CEDERJ/ EAD desde

3 Organização do Plano de Gestão Administrativa e Acadêmica Instituto Multidisciplinar Gestão I. Princípios norteadores do Plano de Gestão... 4 II. Planejamento Político-Acadêmico e Administrativo do Instituto Multidisciplinar... 6 III. Compromissos gerais da chapa Há Quem Sambe Diferente

4 Apenas quando somos instruídos pela realidade é que podemos mudá-la. Bertolt Brecht I. Princípios Norteadores do Plano de Gestão A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro se constitui no espaço fundamental da articulação entre ensino, pesquisa e extensão e as unidades acadêmicas devem trabalhar no fomento à integração entre essas três esferas. A gestão administrativa e acadêmica do Instituto Multidisciplinar deve atuar para promover e difundir o conhecimento produzido no Campus Nova Iguaçu, alcançando a missão da universidade multicampi, contribuindo para o desenvolvimento regional, sem perder de vista sua abrangência nacional. A igualdade de condições de acesso e permanência de todos ao ensino superior é a meta da gestão, resguardando o direito à liberdade de aprendizagem e ensino; à pluralidade científica e pedagógica; à valorização dos docentes e técnico-administrativos; à garantia das condições de permanência e bom desempenho estudantil no Instituto; a uma gestão democrática, ética, transparente, impessoal e que garanta padrão de qualidade ao ensino e à produção científica no Instituto. O Instituto Multidisciplinar possui características diferenciadas em relação aos demais institutos da universidade, especialmente por sua condição de um grande instituto localizado em um campus fora de sede e pelo seu potencial de crescimento acadêmico e físico. O distanciamento em relação à administração central da universidade cria a necessidade de melhoria nas estratégias de comunicação, integração entre setores e articulação com a reitoria, de forma que possamos atender de forma rápida e eficiente as demandas do Instituto. Assim, propomos como ação gestora no IM a adoção de três etapas: comunicação, integração e articulação entre o Instituto e a Administração Central. A indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão é nossa meta acadêmica, com o objetivo de formar cidadãos qualificados para o exercício profissional, para a prática democrática e capazes de exercer criticamente seu papel na vida profissional e social. Nosso Instituto tem uma convivência multidisciplinar e abriga várias áreas de conhecimento, portanto deve ser capaz de garantir a integração e difusão dessa diversidade e promover a interdisciplinaridade. 4

5 A instituição pública não pode prescindir de uma atuação eficaz diante das transformações que se colocam, relacionadas à vida institucional e também ao ambiente que nos circunda. Neste sentido, a direção do Instituto estará empenhada em fomentar ações de caráter acadêmico-administrativo que permitam a articulação da instituição com a sociedade civil, órgãos governamentais e com a região na qual está inserida, garantindo o respeito às diferentes etnias, religiões ou credos, orientações sexuais e perspectivas político-ideológicas. A concentração de poderes decisórios se opõe às transformações necessárias na instituição, uma vez que impede a participação coletiva e condiciona as ações a critérios predominantemente políticos. Tal concentração cria facilidades para a manutenção de práticas personalistas, para uma excessiva burocratização e para a falta de transparência da gestão. A direção estará empenhada em promover ações planejadas coletivamente e direcionadas à organização administrativa e acadêmica do Instituto. De acordo com esses princípios, nossas ações serão implementadas no sentido de buscar: a) O compartilhamento do aprendizado institucional, estimulando a contribuição dos diversos setores; b) A disseminação das experiências como forma de aprendizado coletivo; c) Aprofundar a integração entre a direção do Instituto e as coordenações de cursos, as chefias de departamentos, a representação estudantil, dos técnico-administrativos e docentes; d) Desenvolver e orientar ações que contribuam para o funcionamento das atividades institucionais, promovendo constantemente a integração acadêmica entre os cursos e entre os três segmentos do instituto; e) Ampliar os mecanismos de diálogo entre o instituto e a administração central; f) Garantir a autonomia, o respeito e a valorização dos docentes, técnico-administrativos e estudantes do Instituto, apoiando o pleno exercício de suas competências e habilidades e construindo relações humanas solidárias como condição essencial para o bom desempenho de todos na instituição; g) Apoiar e viabilizar a qualificação dos servidores docentes e técnico-administrativos nas suas diversas demandas; h) Criar mecanismos de diálogo permanente com a direção do Campus Nova Iguaçu; i) Atuar no sentido de garantir a segurança e o bem-estar de todas as pessoas que frequentam o instituto. 5

6 II. Planejamento Político-Acadêmico e Administrativo do Instituto Multidisciplinar O Instituto Multidisciplinar é uma Unidade Acadêmica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, composta da seguinte forma: Seis subunidades acadêmicas: Departamento de Administração e Turismo (DAT), Departamento de Ciências Jurídicas (DCJur), Departamento de Educação e Sociedade (DES), Departamento de História e Economia (DHE), Departamento de Letras (DL), Departamento de Tecnologias e Linguagens (DTL). Dez cursos de graduação na modalidade presencial: Administração, Ciência da Computação, Ciências Econômicas, Direito, Geografia, História, Letras, Matemática, Pedagogia e Turismo. Um curso de graduação na modalidade semi-presencial (EAD): Turismo. Três cursos de pós-graduação stricto sensu intercampi: Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares; Desenvolvimento Territorial e Políticas Públicas; e História. Um curso de Pós Graduação lato sensu em Diversidade Étnica e Educação Superior Brasileira. A multiplicidade de cursos oferecidos hoje pelo Instituto Multidisciplinar e a diversidade das áreas de conhecimento nos coloca o desafio de uma integração permanente entre os departamentos e os cursos. No primeiro ano de gestão vamos organizar o Instituto, regularizando a situação dos colegiados de curso e departamentos, em conformidade com a nova normatização da UFRRJ. A reunião periódica com coordenações dos cursos, chefias de departamentos e centros acadêmicos terá como meta impulsionar as atividades acadêmicas; estabelecer um diálogo entre os objetivos traçados pela direção do Instituto e as metas acadêmicas orientadas nos departamentos; fomentar, estimular e viabilizar condições para a participação de todos em eventos científicos; organizar o planejamento acadêmico anual com os departamentos e as coordenações de cursos; organizar demandas das áreas de conhecimento junto aos CEPEAs; direcionar as demandas de departamentos e cursos que devem ser decididas no CONSUNI; orientar os departamentos quanto às questões administrativas e acadêmicas e estabelecer a articulação entre estes e a Administração Central. Propomos a organização de um calendário de aulas inaugurais e atividades de integração acadêmico-cultural e social, com planejamento integrado entre as coordenações de cursos e os diretórios acadêmicos. A recepção aos novos estudantes é um momento fundamental de 6

7 acolhida e apresentação da universidade aos recém-ingressos. Para os estudantes antigos e para os servidores é o momento de retomada do semestre letivo. Portanto, esta é uma janela de oportunidade para que o Instituto se apresente à comunidade acadêmica e à sociedade. Organizar e divulgar o calendário de aulas inaugurais do curso de Turismo nos polos de EAD. Plano de integração entre as Licenciaturas Propomos o fomento de seminários e feiras de atividades entre os cursos de licenciatura do Instituto, com o objetivo de divulgar as experiências adquiridas pelos estudantes na prática de estágio; estimular a discussão de temas e experiências relacionadas ao magistério; e estabelecer o diálogo entre as áreas do conhecimento. Essa integração entre as licenciaturas terá um caráter ainda mais abrangente, ao se destinar também a promover a interação entre as áreas do conhecimento, a produção científica do Instituto, sua articulação com a sala de aula e a sociedade. Atualmente formamos no IM licenciados nas áreas de Geografia, História, Letras, Matemática e Turismo; Estabelecer o diálogo com prefeituras, especialmente de Nova Iguaçu, viabilizando convênios com órgãos municipais para a realização dos estágios. Plano de integração entre os cursos de bacharelado Propomos o fomento de seminários, encontros, congressos e feiras de atividades entre os cursos do Instituto e da Universidade como um todo, favorecendo a transdisciplinaridade, com o objetivo de divulgar as experiências adquiridas pelos estudantes na prática de estágio; nas discussões de temas e experiências relacionadas à vida acadêmica e profissional; e estabelecer o diálogo entre as áreas do conhecimento. Atualmente o IM possui bacharelados nas áreas de Administração, Ciências da Computação, Ciências Econômicas, Direito, Matemática, Pedagogia e Turismo. 7

8 Plano de desenvolvimento e integração da Produção Científica Realização de atividades de fomento e divulgação das pesquisas desenvolvidas por estudantes de graduação e de pós-graduação. Essa iniciativa tem como objetivo promover um espaço de integração entre estudantes das diversas áreas na divulgação do conhecimento, estimulando o ingresso em novas pesquisas e possibilitando publicações de IC. Fomentar o encontro de laboratórios e grupos de pesquisas, através de eventos que possibilitem a integração e a divulgação do conhecimento. Trazer a Jornada de Iniciação Científica (JIC), promovida pela PROPPG, para ser realizada também no Campus Nova Iguaçu. Atualmente só participam das JIC aqueles estudantes que apresentam trabalhos, devido à dificuldade de deslocamento para Seropédica. É necessário que as pesquisas realizadas sejam divulgadas em Nova Iguaçu, a fim de que toda a comunidade possa ter contato com a produção acadêmica do Instituto. Diretrizes para divulgação acadêmica e para a comunicação do Instituto Multidisciplinar Criação de um NÚCLEO DE COMUNICAÇÃO (NC): é fundamental a divulgação das atividades acadêmicas, pesquisas e premiações realizadas por servidores e discentes do Instituto. O NC será responsável pela divulgação de eventos acadêmicos e publicidade de atividades diversas promovidas pelo Instituto Multidisciplinar. O núcleo buscará ainda a divulgação de eventos acadêmicos promovidos por outras universidades, editais e oportunidades diversas disponíveis para a comunidade. Criação de um NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO ACADÊMICA E PEDAGÓGICA (NIAP), que terá como atribuições a promoção e a integração acadêmica e pedagógica; a criação de mecanismos para estimular ações que promovam o diálogo entre as diferentes áreas de conhecimento. Tornar o site do Instituto Multidisciplinar um Portal de Informações, devendo ser a referência para a comunicação do Instituto com a comunidade acadêmica e com a sociedade. 8

9 Criação de uma Revista Multidisciplinar, com selo da EDUR, com publicações periódicas das pesquisas desenvolvidas nas diversas áreas de conhecimento. Criação de um Informativo periódico de divulgação das atividades do Campus. Diálogo com a sociedade Criação do FÓRUM DE CIÊNCIA E CULTURA: temos no IM a mais importante riqueza de uma instituição na era do conhecimento, a que faz a diferença: pessoas com boa e diversificada formação. Potencializando essa capacidade, a direção apoiará incentivando grupos de extensão, artístico-culturais e outros. Para isso a instituição manterá, em caráter permanente, o Fórum de Ciência e Cultura, de modo a transformar o Instituto em espaço privilegiado de interlocução com o mundo acadêmico e com a sociedade em geral. Instalação do FÓRUM DO MEIO AMBIENTE: criado por membros da comunidade acadêmica do IM, necessita do empenho da direção do Instituto para institucionalizá-lo. Seu objetivo é tornar o IM um polo difusor de conhecimento e de discussão de políticas para o meio ambiente, criando canais de diálogo com governos, entidades, organizações não-governamentais e movimentos sociais. Garantir a representação da universidade em espaços de discussão de políticas públicas na região da Baixada Fluminense. 9

10 III. Compromissos Gerais da Chapa Há Quem Sambe Diferente 1) Qualidade de Vivência no IM A Diretora e a Vice-Diretora estarão empenhadas de forma permanente em construir, com os professores, técnicoadministrativos e estudantes, a condução dos trabalhos com respeito às diferenças e busca de soluções no diálogo simples, aberto e democrático. Respeito pleno à diversidade de pensamento, à diversidade sexual, às opções políticas e religiosas. Combate permanente a toda forma de preconceito e discriminação no ambiente acadêmico. Respeito pleno e apoio ao exercício democrático dos Diretórios Acadêmicos, do Colegiado dos Técnico-Administrativos, dos Colegiados de Departamentos e de Cursos, grupos de ensino, pesquisa, extensão, artístico-culturais, religiosos e outros. Lutar pela construção do Centro de Convivência dos estudantes do IM, incluindo espaços para os Diretórios Acadêmicos. Lutar pela viabilização de espaços que favoreçam o diálogo e convívio harmonioso entre docentes e técnico-administrativos. Atuação permanente em busca de harmonizar o convívio de todos os membros da comunidade do IM. 2) Qualidade Acadêmica Entendemos que o papel da Direção do IM é a busca em tornar realidade a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, na luta intransigente pela excelência dos cursos de graduação e de pós-graduação e pela qualificação de todos os servidores. a) Ensino, Pesquisa e Extensão Garantir as condições adequadas para o ensino de graduação e de pós-graduação espaços acadêmicos e equipamentos, compreendendo salas de aula, gabinetes de professores e laboratórios. 10

11 Manutenção de um Fórum Permanente Interdisciplinar, promovendo o diálogo entre os cursos de graduação do IM, de modo a formar profissionais que sejam cidadãos mais ativos, participativos, solidários e responsáveis. Incentivo à articulação de projetos de infraestrutura e apoio técnico e acadêmico para a consolidação e melhoria dos programas de pós-graduação do IM. Luta pelo aumento expressivo do acervo da Biblioteca do IM, garantindo atendimento adequado à graduação e à pós-graduação. Incentivo à formação de novos cursos de pós-graduação nas diversas áreas do conhecimento. Priorizar, em parceria com a direção do Campus Nova Iguaçu, a luta pela construção do prédio da pós-graduação. Incentivo à constituição de projetos de pesquisa e extensão interdisciplinares. Apoio ao aumento de publicações acadêmicas do IM. Apoio e luta pela garantia de infraestrutura para Núcleos de Pesquisa no IM. Promover os eventos acadêmicos no IM após sua realização em Seropédica: Semana de Pesquisa do IM após a Semana do Pibic; a Semana de Extensão do IM e o Fórum de Pós-Graduação do IM, com o intuito de dar mais visibilidade e promover o diálogo entre os projetos desenvolvidos a partir do IM. Apoiar e incentivar projetos de extensão com participação de professores, técnico-administrativos e estudantes do IM. Apoiar projetos de cursos de extensão de Espanhol e Inglês, para atender a comunidade do IM e abertura de vagas também para a comunidade externa. Priorizar a luta pela implantação dos laboratórios de pesquisa no IM. Garantir a realização de um evento de EAD por semestre no Instituto Multidisciplinar, possibilitando a integração entre estudantes do ensino a distância e presencial. Garantir a divulgação para os estudantes de EAD dos eventos acadêmicos promovidos pelo Instituto Multidisciplinar. Apoio à participação dos estudantes de ensino presencial e a distância em eventos técnico-científicos. Viabilizar as condições para as atividades de extensão universitária e de iniciação científica dos estudantes presenciais e a distância. Ampliar o acesso dos estudantes do IM à informática. Garantir ambientes de ensino-aprendizagem adequados, com ênfase na constituição de laboratórios. Incentivo aos programas de formação, como o PET. 11

12 b) Formação Permanente dos Servidores: Apoio e incentivo à titulação e à formação permanente dos docentes e dos técnico-administrativos e participação em eventos técnicocientíficos. Incentivar e apoiar a formação continuada dos técnico-administrativos, no ensino médio, superior e na pós-graduação, com o objetivo de qualificação para as atividades que hoje realizam e para os novos desafios que se colocam com a ampliação das áreas de conhecimento do IM. Lutar para que os cursos de qualificação para técnico-administrativos sejam oferecidos no IM e não apenas em Seropédica. Lutar para que os técnico-administrativos do IM tenham condições adequadas para a realização das suas funções no Campus Nova Iguaçu e não precisem se deslocar com frequência para Seropédica. Valorizar a formação e qualificação de cada técnico-administrativo. 3) Gestão Eficaz do Instituto Multidisciplinar Criar um Núcleo de Apoio a Projetos e Parcerias Interinstitucionais, no estabelecimento de parcerias com outros setores da Rural, universidades, instâncias governamentais, empresas públicas, sindicatos e ONGs, buscando ampliar as oportunidades de estágio e inserção profissional dos nossos jovens, levar professores e técnico-administrativos à riqueza da diversidade de ambientes profissionais e trazer recursos para responder às inúmeras necessidades de infraestrutura do Instituto. Transparência na alocação e execução financeira. As necessidades setoriais serão encaminhadas pelos departamentos, coordenações de cursos, colegiado dos técnico-administrativos, diretórios acadêmicos, grupos de ensino, pesquisa, extensão, artístico-culturais, religiosos e outros. A decisão será dada pelo CONSUNI do IM. Fortalecimento do CONSUNI do IM como órgão consultivo e deliberativo, para tornar o Instituto verdadeira unidade acadêmica que reflita o conjunto de esforços em ensino, pesquisa e extensão. Promover ampla discussão na comunidade do IM quanto à possibilidade de criação da nova unidade acadêmica no Campus Nova Iguaçu. 12

13 Lutar pela melhoria das condições de infraestrutura do IM, em diálogo permanente com a direção do Campus Nova Iguaçu, com a Administração Central e com a prefeitura de Nova Iguaçu, a exemplo de: a) Ampliação do espaço a ser utilizado pela comunidade do IM no entorno do Campus; b) Lutar pela restauração do projeto original do Campus (que permita o acesso direto à Via Dutra); c) Melhoria do atendimento do serviço de vigilância, restringindo o uso de armas à entrada do Campus; d) Avaliação das condições estruturais das edificações; e) Melhoria da qualidade da alimentação do restaurante universitário; f) Lutar pela continuidade das obras na biblioteca, tais como a instalação de elevador; g) Implantação imediata de um sistema eletrônico de segurança em todo o IM; h) Melhoria da rede de comunicação e pela implantação de redes sem fio para toda a comunidade do IM; i) Viabilizar junto à Administração Central da UFRRJ e a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro a segurança nas áreas próximas ao Campus; j) Ampliação das linhas de transporte coletivo que atendam o Campus; k) Ter um transporte da universidade integrando os campi de Nova Iguaçu e Seropédica; l) Construção e instalação de creche para atender servidores e estudantes; m) Construção de alojamento estudantil; n) Implantação de posto médico com atendimento ambulatorial. 13

14 Acompanhe nossa chapa e nossas propostas: Pelo site: Pelo facebook: https://www.facebook.com/pages/h%c3%a1-quem-sambe-diferente/

Chapa Campus para Todos

Chapa Campus para Todos 1 Carta Programa aos alunos, funcionários e professores do Campus Sorocaba da UFSCar para apresentação das candidaturas dos Professores Doutores André Cordeiro Alves dos Santos e Laércio José dos Santos

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

PLANO DE GESTÃO PARTICIPATIVA DA UFRPE NO QUADRIÊNIO 2012/2016 COMPROMISSO E AÇÃO!

PLANO DE GESTÃO PARTICIPATIVA DA UFRPE NO QUADRIÊNIO 2012/2016 COMPROMISSO E AÇÃO! PLANO DE GESTÃO PARTICIPATIVA DA UFRPE NO QUADRIÊNIO 2012/2016 COMPROMISSO E AÇÃO! 1 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO................................................ PRINCÍPIOS E COMPROMISSOS QUE NORTEIAM O PLANO

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO

MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO MINUTA REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DO SERVIDOR EM CARGOS TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO IFFLUMINENSE APRESENTAÇÃO O Servidor em Cargos Técnico-Administrativos em Educação possui peculiaridades

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2016

PLANO DE GESTÃO 2015-2016 PLANO DE GESTÃO 2015-2016 FAUSTO DE MARTTINS NETTO Candidato a Diretor Geral Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Muriaé Construção coletiva do caminho

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ASSESSORIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE LINHA TEMÁTICA (PROBLEMAS)

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CHAPA

PLANO DE TRABALHO CHAPA PLANO DE TRABALHO CHAPA EXCELÊNCIA ACADÊMICA E COMPROMISSO SOCIAL A dimensão social é inerente à educação e à função das Instituições de Ensino Superior Públicas. A Universidade Pública brasileira é o

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

ADILSON PASINI PLANO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO

ADILSON PASINI PLANO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO ADILSON PASINI Unioeste Direção Geral do Campus de Foz do Iguaçu PLANO DE TRABALHO 2016 / 2019 APRESENTAÇÃO O Campus de Foz do Iguaçu é uma unidade que precisa se fortalecer no âmbito da Unioeste e da

Leia mais

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS

A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS REMI SCHORN PLANO DE TRABALHO DO CANDIDATO A DIRETOR DO CAMPUS DA UNIOESTE TOLEDO Docentes, Agentes Universitários e Acadêmicos Unidos Por Um Campus Melhor A UNIOESTE E O CAMPUS QUE QUEREMOS Reunimos e

Leia mais

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO

PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense PROJETO DO CURSO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Pró-reitoria de Desenvolvimento Humano e Social - PRODHS

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Resultados da Oficina de Planejamento e das Reuniões Setoriais Escopo O IFMG Campus Ouro Preto atua, de forma integrada, nas áreas do ensino, pesquisa

Leia mais

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR

Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Redes de Formação Docente: desafios no contexto da UTFPR Prof. Dr. Oséias Santos de Oliveira oseiass@utfpr.edu.br Departamento de Educação DEPED UTFPR/Curitiba 17/11/15 É preciso entender o conceito de

Leia mais

GRUPO V ENSINO MÉDIO, TECNOLÓGICO E SUPERIOR

GRUPO V ENSINO MÉDIO, TECNOLÓGICO E SUPERIOR GRUPO V ENSINO MÉDIO, TECNOLÓGICO E SUPERIOR Tendo em vista a construção do Plano Municipal de Educação- PME 2015-2024 apresentamos proposições e estratégias para o Ensino Superior e Técnico nas modalidades

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Regimento dos Campi da. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Regimento dos Campi da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Deliberação nº 10/2009

Leia mais

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA)

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA) ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA) ... ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando,

Leia mais

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1

Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Programa de Gestão Estratégica da chapa 1 Apresentamos a primeira versão do programa de gestão estratégica da chapa Construindo Juntos um ICT de Excelência. Esse documento é fruto de uma construção coletiva,

Leia mais

Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019

Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019 Plano de Gestão Pró-IFSC Jaraguá 2016-2019 Candidato: Diretor-Geral: Jaison Vieira da Maia Indicações: Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão: Catia Regina Barp Machado. Chefe do Departamento de Administração:

Leia mais

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015

CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL. Isabel Cristina Adão. Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 CANDIDATURA A DIRETORA-GERAL Isabel Cristina Adão Plano de Trabalho para a Gestão 2013-2015 APRESENTAÇÃO A comunicação triunfa, o planeta é atravessado por redes, fax, telefones celulares, modems, Internet.

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

!!!!!!!! AVANÇAR!E!INOVAR!MAIS! Anísio!Brasileiro!e!Florisbela!Campos!

!!!!!!!! AVANÇAR!E!INOVAR!MAIS! Anísio!Brasileiro!e!Florisbela!Campos! AVANÇAREINOVARMAIS AnísioBrasileiroeFlorisbelaCampos ProgramadeGestão201522019 UFPE abril2015 SUMÁRIO( SUMÁRIO( 2 DEFENDENDO(PRINCÍPIOS(E(CUMPRINDO(COMPROMISSOS( 4 POR(QUÊ(AVANÇAR(E(INOVAR(MAIS( 6 1(EXCELÊNCIA(NA(FORMAÇÃO(ACADÊMICA(

Leia mais

Planejamento Estratégico da Coordenação do Curso de Graduação em Psicologia

Planejamento Estratégico da Coordenação do Curso de Graduação em Psicologia Planejamento Estratégico da Coordenação do Curso de Graduação em Psicologia Apresentação: O curso de Psicologia da UFPR foi criado em 1976. Até hoje se apresenta como o único curso público e gratuito de

Leia mais

EdUECE- Livro 1 03430

EdUECE- Livro 1 03430 OS SABERES E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Maria Irene Miranda Universidade Federal de Uberlândia RESUMO O trabalho aborda o Curso de Pedagogia

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

UECE: PLANO DE GESTÃO 2012-2016 OUSADIA E TRANSFORMAÇÃO

UECE: PLANO DE GESTÃO 2012-2016 OUSADIA E TRANSFORMAÇÃO 1 UECE: PLANO DE GESTÃO 2012-2016 OUSADIA E TRANSFORMAÇÃO REITOR Prof. Jackson Sampaio VICE-REITOR Prof. Hidelbrando Soares Jackson Sampaio e Hidelbrando Soares, candidatos a Reitor e Vice-Reitor da UECE,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO

PLANO DE AÇÃO GESTÃO 2016 2020 APRESENTAÇÃO Eu queria uma escola que lhes ensinasse a pensar, a raciocinar, a procurar soluções (...) Eu também queria uma escola que ensinasse a conviver, cooperar, a respeitar, a esperar, saber viver em comunidade,

Leia mais

Carta Programa Gestão de Políticas Públicas

Carta Programa Gestão de Políticas Públicas Carta Programa Gestão de Políticas Públicas Prof. José Renato de Campos Araújo (coordenador) Prof. José Carlos Vaz (suplente) 1. CONTEXTO A chapa formada pelos professores José Renato de Campos Araújo

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

INSTITUCIONALIZAÇÃO DA EAD NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO BRASILEIRO FLORIANÓPOLIS, 26 DE MARÇO DE 2013.

INSTITUCIONALIZAÇÃO DA EAD NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO BRASILEIRO FLORIANÓPOLIS, 26 DE MARÇO DE 2013. INSTITUCIONALIZAÇÃO DA EAD NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO BRASILEIRO FLORIANÓPOLIS, 26 DE MARÇO DE 2013. Sistema Universidade Aberta do Brasil Decreto n. 5.800, de 8/6/2006 Art. 1º Fica instituído o Sistema

Leia mais

Plano de Gestão para a Direção Geral do Câmpus Florianópolis Quadriênio 2016-2019

Plano de Gestão para a Direção Geral do Câmpus Florianópolis Quadriênio 2016-2019 Plano de Gestão para a Direção Geral do Câmpus Florianópolis Quadriênio 2016-2019 Avançar e Aprimorar Para a nossa equipe é imprescindível fortalecer a condição do IFSC como instituição pública, gratuita,

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

Breve Histórico da Instituição

Breve Histórico da Instituição Breve Histórico da Instituição Universidade Federal de Santa Maria, idealizada e fundada pelo Prof. Dr. José Mariano da Rocha Filho, foi criada pela Lei n. 3.834- C, de 14 de dezembro de 1960, com a denominação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO: EQUIPE SUPERAÇÃO MARLON VITO FONTANIVE ALDO ZANELLA JUNIOR JULIANA KONS MISSÃO: COMPROMISSO COM AS PESSOAS E COM A QUALIDADE

PLANO DE GESTÃO: EQUIPE SUPERAÇÃO MARLON VITO FONTANIVE ALDO ZANELLA JUNIOR JULIANA KONS MISSÃO: COMPROMISSO COM AS PESSOAS E COM A QUALIDADE PLANO DE GESTÃO: EQUIPE SUPERAÇÃO MARLON VITO FONTANIVE ALDO ZANELLA JUNIOR JULIANA KONS MISSÃO: COMPROMISSO COM AS PESSOAS E COM A QUALIDADE VISÃO: SERMOS ATENTOS ÀS PESSOAS ENVOLVIDAS PARA JUNTOS CONSTRUIRMOS

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO POLÍTICA

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20 Orgão Programa 0008 - EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Objetivo 0307 - Fortalecer a política de ensino superior de graduação e pós-graduação, por meio da sua interiorização, do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO (2011-2015) Cruz das Almas-BA 2011 Sumário Apresentação Justificativa Diretrizes Objetivos Metas e Estratégias Metodologia

Leia mais

PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2014-2018

PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2014-2018 PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2014-2018 Prof. ALEX AGUIAR LÉDO O bom gestor, gerencia a equipe pela afetividade a compreensão e a sabedoria das palavras; nunca usa palavra de desmotivação e jamais impõe sua

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2012

RESOLUÇÃO Nº 02/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova o Regulamento de Extensão Universitária da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da criação do Centro de Referência

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR Campus Nova Iguaçu

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR Campus Nova Iguaçu UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR Campus Nova Iguaçu Projeto de Implementação do Campus da UFRRJ em Nova Iguaçu política de interiorização da UFRRJ através de convênios

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP A formulação de um PDI deve partir de metas definidas pela parceria entre a comunidade e a administração central da

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

Caros Servidores Docentes, Técnicos Administrativos e queridos Discentes.

Caros Servidores Docentes, Técnicos Administrativos e queridos Discentes. Caros Servidores Docentes, Técnicos Administrativos e queridos Discentes. Neste momento, vivemos mais uma vez um processo democrático de escolha de dirigentes em nossa Instituição. Devemos valorizar a

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público

Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público 1 Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público São Carlos Dezembro, 2014 1 Contexto O tema da segurança das pessoas e do patrimônio

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional 2006-2010

Plano de Desenvolvimento Institucional 2006-2010 Plano de Desenvolvimento Institucional 2006-2010 1 Reitor Gilberto Cezar Pavanelli Vice-Reitor Ângelo Aparecido Priori Comissão Central de Elaboração do PDI José Roberto Pinheiro de Melo Bruno Luiz Domingos

Leia mais

COGRAD: propostas para o EaD no Ensino Superior Público no Brasil Prof. Marcelo P. de Andrade

COGRAD: propostas para o EaD no Ensino Superior Público no Brasil Prof. Marcelo P. de Andrade SEMINÁRIO EAD: virtudes e desafios COGRAD: propostas para o EaD no Ensino Superior Público no Brasil Prof. Marcelo P. de Andrade Em 2015, o GTEaD apresentou a síntese da produção do grupo ao COGRAD. O

Leia mais

Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ. A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados

Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ. A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados Encontro de alunos EaD e presencial da UFRRJ A educação a distancia no Consórcio CEDERJ: Alguns dados Masako Oya Masuda Vice-Presidente de Educação a Distância O que é o Consórcio CEDERJ? Consórcio das

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão

2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão 2.1 Dimensão 2 - A política para o ensino, a pesquisa e a extensão As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO

GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO Vera Ruth de Carvalho Fidalgo Luiz Frederico Franco Pacheco Ruy Martini Santos Filho Rosirayna Maria Rodrigues Remor 2

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DR.SOLON TAVARES PLANO DE AÇÃO PARA DIREÇÃO DA ESCOLA TRIÊNIO 2016/2018 LÚCIO RENATO DE OLIVEIRA GUAIBA 2015 APRESENTAÇÃO Lúcio Renato de Oliveira Licenciatura

Leia mais

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o

Incentivar a comunidade escolar a construir o Projeto político Pedagógico das escolas em todos os níveis e modalidades de ensino, adequando o SELO DE EDUCAÇÃO PARA IGUALDADE RACIAL ANEXO 1: METAS NORTEADORAS DO PLANO NACIONAL DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA

Leia mais

MATRIZ ESTRATÉGICA DO IFAM

MATRIZ ESTRATÉGICA DO IFAM PERSPECTIVA EFICIÊNCIA GERENCIAL (PROCESSOS INTERNOS) RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS APERFEIÇOAMENTO E GESTÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DO IFAM MODELO DE GESTÃO DE TI AVALIAÇÃO

Leia mais

Estudo de Caso: Indicadores: A experiência da Universidade Federal do Pará UFPA

Estudo de Caso: Indicadores: A experiência da Universidade Federal do Pará UFPA Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento e de Administração das Instituições Federais de Ensino Superior (Forplad) Fórum: 2º Fórum 2015. Estudo de Caso: Indicadores: A experiência da Universidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE CURSOS A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ EM RELAÇÃO À DISCIPLINA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE CURSOS A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ EM RELAÇÃO À DISCIPLINA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE CURSOS A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ EM RELAÇÃO À DISCIPLINA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Taubaté SP 05/2015 Márcia Regina de Oliveira Universidade de Taubaté oliveira.marcia@unitau.com.br

Leia mais

Instrumento de Avaliação Institucional. (Instrumento de Avaliação Institucional aplicado em dezembro de 2015 para o Discente)

Instrumento de Avaliação Institucional. (Instrumento de Avaliação Institucional aplicado em dezembro de 2015 para o Discente) Instrumento de Avaliação Institucional (Instrumento de Avaliação Institucional aplicado em dezembro de 2015 para o Discente) 2015 2015 ESTUDANTES_AVALIACAO_INSTITUCIONAL 2015_E_DE_CURSO (PRE-TESTE) AVALIAÇÃO

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

U N I V E R S I D A D E P A R A N A E N S E U N I P A R Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC

U N I V E R S I D A D E P A R A N A E N S E U N I P A R Mantenedora Associação Paranaense de Ensino e Cultura - APEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2011/2015 Relatório do Plano de Trabalho 2014 I - ENSINO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA: a) Promover a revisão dos projetos pedagógicos dos cursos com CPC

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente

Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente Propostas por Segmentos: Docente, TAEs e Discente A ELEIÇÃO OCORRERÁ DIAS 14 E 15 DE ABRIL Para votar é necessário apresentar o crachá ou documento oficial com foto. Neste caso, é preciso saber o número

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO DIREITO 1. APRESENTAÇÃO O Curso de Direito completa 30 anos em 2015. Nestas três décadas, o Curso tem passado por constantes modificações, todas na busca do aperfeiçoamento

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº02/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROJETO PRONERA/INCRA/UECE

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº02/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROJETO PRONERA/INCRA/UECE CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº02/2012 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROJETO PRONERA/INCRA/UECE 1. PROJETO PRONERA/INCRA/UECE SELECIONA CANDIDATOS PARA DIVERSOS PERFIS O projeto PRONERA/INCRA/UECE convênio

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 03 Fragilidades; 04 Sugestões de Superação de Fragilidade; 03 Potencialidades. A CPA identificou

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplic...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplic... 1 de 6 02/09/2011 18:54 Metas para o PDI 2011-2020 UNIRIO Imprimir Dados Institucionais Unidade Organizacional: COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Nome do responsável pelo preenchimento: Giane Moliari

Leia mais

CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica

CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO Coordenadoria de Gestão da Educação Básica CGEB Coordenadoria de Gestão da Educação Básica 1 DEGEB Departamento de Desenvolvimento Curricular de Gestão da Educação Básica 2 CEFAF Centro de Ensino dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação Profissional

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO INFANTIL

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO INFANTIL SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 1 (PNE): Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil

Leia mais

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro)

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Amambai 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para proposta

Leia mais

Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços. Vitória ES - 05/2012

Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços. Vitória ES - 05/2012 1 Processo de Descentralização da Educação a Distância no Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes: desafios e avanços Vitória ES - 05/2012 Categoria: Estratégias e Políticas Setor Educacional: Educação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Coordenadoria Geral de Estágios

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Coordenadoria Geral de Estágios DIRETRIZES E NORMAS PARA A ATIVIDADE DE ESTÁGIO NA PUC-SP Aprovadas pelo CEPE, em 11 de fevereiro de 2009 I INTRODUÇÃO A LDB trouxe à discussão a flexibilização curricular, a valorização da experiência

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de INFORMÁTICA II - FERRAMENTAS PARA ESCRITÓRIO. Parte 1 (Solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de INFORMÁTICA II - FERRAMENTAS PARA ESCRITÓRIO. Parte 1 (Solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso

O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso O Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico do Curso Introdução * Sonia Pires Simoes O projeto pedagógico Institucional representa a linha pedagógica que a Instituição norteia para gerenciamento

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO/UFPI - CSHNB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO/UFPI - CSHNB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE NUTRIÇÃO/UFPI - CSHNB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - As atividades complementares serão implementadas durante o curso de Nutrição,

Leia mais

12. POLÍTICA DE EaD A Educação a Distância do IFPE EaD, ao longo dos anos, vem desenvolvendo ações que propiciam mediação didático-pedagógica nos

12. POLÍTICA DE EaD A Educação a Distância do IFPE EaD, ao longo dos anos, vem desenvolvendo ações que propiciam mediação didático-pedagógica nos 12. POLÍTICA DE EaD 12. POLÍTICA DE EaD A Educação a Distância do IFPE EaD, ao longo dos anos, vem desenvolvendo ações que propiciam mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem,

Leia mais