PONTUAÇÃO GLOBAL DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DA BSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTUAÇÃO GLOBAL DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DA BSA"

Transcrição

1 PONTUAÇÃO GLOBAL DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DA BSA Um Guia para Oportunidades Econômicas BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE A

2 ÍNDICE RESUMO EXECUTIVO....1 Plano de políticas de nuvem da BSA....2 CONCLUSÕES PRINCIPAIS....3 Medição da Preparação para a Nuvem....4 Privacidade de Dados...4 Segurança....5 Crime Digital...5 Direitos de Propriedade Intelectual....6 Adesão a Padrões da Indústria & Harmonização Internacional de Regrass...6 Promoção do Livre Comércio....7 Base de Informática & Comunicação, Acesso à Banda Larga....7 PONTUAÇÃO GLOBAL DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM...8 METODOLOGIA DA PONTUAÇÃO UTILIZANDO A PONTUAÇÃO TABELA GLOBAL DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM POR PAÍS Sobre a BSA B BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

3 RESUMO EXECUTIVO Tanto para empreendimentos, grandes ou pequenos, quanto para entidades governamentais em todo o mundo, um fato é claro: a computação em nuvem representa a próxima grande contribuição do software e das tecnologias de computação para maior produtividade e maior crescimento econômico. A Pontuação Global de Computação em Nuvem, da BSA, oferece um roteiro para iniciativas e políticas que os países podem e devem adotar para que se materialize todo o potencial de crescimento econômico. É amplamente aceito que cada um dos elementos da pontuação é crucial para o crescimento econômico e para a criação de empregos. Esses elementos A Pontuação Global são especialmente cruciais de Computação em no contexto da computação Nuvem, da BSA, em nuvem, pois a nuvem oferece uma oportunidade oferece um roteiro multiplicadora. A adoção para iniciativas e destas políticas promove a políticas que os inovação, e a computação em países podem e nuvem garante que a inovação é aproveitada ao máximo. devem adotar para que se materialize A Pontuação aponta uma todo o potencial divisão marcante entre economias avançadas e países de crescimento em desenvolvimento no que se econômico. refere ao grau de preparação para a nuvem. O Japão, os Estados Unidos e os países membros da União Europeia, por exemplo, possuem bases sólidas, tanto legais quanto regulatórias, para o apoio ao crescimento da computação em nuvem. Essa preparação é significativa, pois o aproveitamento dos benefícios plenos de um ambiente global de computação em nuvem exige uma ampla rede efetiva de leis e regulamentações. Somente dessa forma é possível aproveitar todo o potencial da eficiência e da economia em larga escala oferecido pela computação em nuvem. Os ambientes legais e regulatórios dos países mais preparados para a nuvem oferecem modelos para aqueles na metade inferior da Pontuação incluindo Índia, China e Brasil. Esses modelos aumentam em importância quando se considera o crescimento esperado para os mercados com as menores Pontuações. À medida que milhões de novos consumidores e pequenos negócios ao redor do mundo passam a ter acesso a um ambiente integrado à Internet, a economia global se beneficia e cresce ao máximo quando todos têm todo o potencial da nuvem ao seu alcance. São necessárias, porém, significativas reformas legais e regulatórias. A computação em nuvem não é nada em específico. É uma combinação de recursos e serviços integrados por software, que são oferecidos ao usuário conforme a necessidade. Como definido pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST): A computação em nuvem é um modelo para a integração conveniente e onipresente por demanda do acesso on-line a um conjunto compartilhado de recursos computacionais configuráveis (por exemplo, redes, servidores, armazenamento, aplicações e serviços) que podem ser rapidamente oferecidos e disponibilizados, com um mínimo de esforço gerencial ou de interação com o provedor de serviços. Mais importantes e mais compreensíveis são os benefícios econômicos e sociais inerentes à computação BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 1

4 em nuvem. Para negócios, pequenos ou grandes, assim como para governos e consumidores, a nuvem iguala o acesso à tecnologia. Ela permite que indivíduos usufruam dos benefícios antes só disponíveis para grandes usuários, abrindo as portas para imensos avanços em eficiência, produtividade e competitividade para negócios no mercado global. Para governos, a computação em nuvem apresenta uma oportunidade dupla: do aumento da produtividade e do envolvimento dos cidadãos através de contratos de TI, bem como de um impulso para o crescimento econômico, com a criação sustentável de empregos, salários mais altos e um padrão de vida mais alto como resultado de uma economia de alta tecnologia. A computação em nuvem é o paradigma tecnológico que certamente será o novo motor da economia global. Para alcançar seus benefícios, os governos ao redor do mundo devem estabelecer uma plataforma legal e regulatória adequada para o apoio à computação em nuvem. PLANO DE POLÍTICAS DE NUVEM DA BSA A previsão do crescimento econômico decorrente da computação em nuvem e das transformações resultantes tanto para negócios quanto para economias nacionais pressupõe a adoção de políticas adequadas em cada uma das sete áreas usadas no índice da BSA: Garantia da privacidade: O sucesso da computação em nuvem depende da confiança dos usuários na utilização e proteção devida de seus dados. Por outro lado, para a maximização dos benefícios da nuvem, os provedores devem estar livres para movimentar dados de forma eficiente. Promoção da segurança: Os usuários devem ter a certeza de que os provedores de computação em nuvem compreendem e tratam devidamente os riscos inerentes ao armazenamento e execução de aplicações na nuvem. Provedores de nuvem devem poder implementar segurança de última geração sem exigências de uso de tecnologias específicas. Combate ao crime digital: No espaço digital, assim como no mundo real, as leis devem dissuadir visivelmente o crime e apresentar causas claras para ação legal. Sistemas legais devem oferecer mecanismos efetivos para o cumprimento da lei, e para que os próprios provedores possam combater o acesso indevido a dados armazenados na nuvem. Proteção da propriedade intelectual: A fim de promover o avanço tecnológico e a inovação continuada, as leis de propriedade intelectual devem oferecer proteção clara e vigorosa contra apropriação indevida e infração de recursos da estrutura da nuvem. Garantia da portabilidade de dados e harmonização de regras internacionais: A circulação desimpedida de dados ao redor do mundo assim como entre diferentes provedores de nuvem exige esforços para a promoção da abertura de padrões e da interoperabilidade. Governos devem trabalhar em conjunto com a indústria para desenvolver padrões e minimizar obrigações legais conflitantes impostas sobre provedores de nuvem. Promoção do livre comércio: Por sua natureza, tecnologias de nuvem operam atravessando fronteiras nacionais. A capacidade da nuvem de promover crescimento econômico depende de um mercado global que transcenda barreiras ao livre comércio, inclusive por preferências a produtos e provedores específicos. Estabelecimento da infraestrutura de TI necessária: A computação em nuvem exige banda larga robusta, acessível e universal. Isso pode ser alcançado através de políticas que ofereçam incentivos para investimentos do setor privado em estrutura de banda larga e de leis que promovam acesso universal à banda larga. A entrada no mercado de nuvem e a capitalização de seus benefícios plenos é longe de inevitável, e se apresenta aos governos como uma tarefa urgente. A fim de usufruir dos benefícios da nuvem, os responsáveis por políticas devem oferecer uma plataforma legal e regulatória que promova a inovação, ofereça incentivos para a construção da infraestrutura necessária, e promova a certeza de que o uso da nuvem trará os benefícios antecipados sem o sacrifício de expectativas de privacidade e segurança. 2 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

5 CONCLUSÕES PRINCIPAIS A Pontuação Global de Computação em Nuvem da BSA, primeira do tipo, classifica 24 países que, juntos, representam 80 por cento do mercado global de informática e comunicação. A classificação é realizada com base em sete categorias de políticas, que medem o grau de preparação dos países para o apoio ao crescimento da computação em nuvem. Esta perspectiva inédita das leis e regulamentações nos mercados ao redor do mundo oferece uma vista para quais países estão melhor posicionados para a capitalização dos benefícios econômicos e tecnológicos da computação em nuvem. Entre outras conclusões: A Pontuação revela que, enquanto países desenvolvidos estão melhor preparados para a nuvem que países em desenvolvimento, obstáculos preocupantes emergem quando se examina a falta de harmonia em ambientes legais e regulatórios em vários Todos os países, dos países avançados. Um independentemente mercado nacional consistente do nível de para a computação em desenvolvimento nuvem não necessariamente se traduz em um mercado econômico, podem em harmonia com as leis de se beneficiar da outros países de maneira coordenação de que se permita a circulação políticas, para desimpedida de dados por fronteiras. É esse tipo de benefício tanto dos harmonia que é necessária governos quanto da para o avanço do crescimento população utilizando da computação em nuvem a computação em em um nível que permita o usufruto da sua eficiência nuvem.. global plena. Assim como em medidas mais amplas, a Pontuação, primeiro evidencia a existência de dois mundos no que se refere à preparação para a nuvem. Economias avançadas como a do Japão líder na classificação têm leis e regulamentações que oferecem apoio ao desenvolvimento da computação em nuvem. Economias menos desenvolvidas, como a do Brasil último colocado na classificação enfrentam uma série de desafios quando se trata de capitalizar os benefícios potenciais plenos da nuvem. Além disso, países em ambos os lados devem permanecer vigilantes para não retroceder em suas chances de crescimento pelo mercado em nuvem. Vários países já planejam novas leis para o maior avanço na economia digital. Alguns como o México, com sua nova lei de privacidade demonstram potencial para avançar na Pontuação. Outros como a União Europeia, com sua proposta de Regulamentação de Proteção de Dados, que pode minar benefícios potenciais com novas regras exageradamente prescritivas ameaçam minar os avanços econômicos que uma nuvem verdadeiramente global pode oferecer. Os interessados no avanço da computação em nuvem podem tomar o Japão como modelo. O país é o líder em preparação para a nuvem e assumiu com facilidade a dianteira na Pontuação. O Japão tem um amplo conjunto de leis de privacidade que evitam peso desnecessário sobre a transferência de dados, além de controle de BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 3

6 dados para uma gama completa de proteções criminais e de propriedade intelectual. Além disso, é também um dos líderes no desenvolvimento de padrões internacionais relativos à computação em nuvem, e está trabalhando para fornecer conexão por fibra óptica a todas as residências, dentro dos próximos três anos. Talvez sem surpresa, os países com a maior margem para melhoria são aqueles onde o crescimento do setor de informática e comunicação será mais dramático nos próximos anos. Considere, por exemplo, a China. De acordo com a agência de pesquisas IDC, o tamanho do setor de informática e comunicação da China deve quase dobrar entre 2010 e Os países devem 2015, indo de 221 bilhões tomar cuidado de dólares para 389 bilhões. Empresas estrangeiras, no para não adotar entanto, enfrentam diversos novas políticas obstáculos para o crescimento que desacelerem o na China, inclusive por conta desenvolvimento de extensivas restrições ao conteúdo e da promoção da economia de políticas que discriminam global em nuvem. empresas estrangeiras de Alguns países estão tecnologia. adotando restrições A Pontuação captura os geográficas sobre regimes legais e regulatórios dados e considerando atuais nos países examinados. a adoção de mais Países ao redor do mundo já estão avançando na adaptação limitações sobre a de suas leis e regulamentações contratação remota para o impulso da computação de trabalho ou dados. em nuvem. Algumas delas são capturadas aqui, incluindo, por exemplo, novas leis de privacidade na Índia, na Coreia e no México, sendo que mais reformas são esperadas nos próximos meses e anos. Finalmente, os países devem tomar cuidado para não adotar novas políticas que desacelerem o desenvolvimento da economia global em nuvem. Alguns países estão adotando restrições geográficas sobre dados e considerando a adoção de mais limitações sobre a contratação remota de trabalho ou dados. A Alemanha, por exemplo, atinge uma alta posição na Pontuação inicial, mas ameaça minar seu sucesso com a campanha Nuvem Produzida na Alemanha. Também está claro que na maior parte das categorias há ainda numerosos problemas a solucionar, e que todos os países, independentemente do nível de desenvolvimento econômico, podem se beneficiar da coordenação de políticas, para benefício tanto dos governos quanto da população utilizando a computação em nuvem. MEDIÇÃO DA PREPARAÇÃO PARA A NUVEM A Pontuação examina as principais leis e regulamentações relevantes para a computação em nuvem em sete categorias de políticas, assim como a infraestrutura de informática e comunicação de cada país. Essas categorias de políticas se alinham com os Princípios Aconselhados para Computação em Nuvem da BSA, que dão base à plataforma analítica de Pontuação e às sugestões para a formação de uma plataforma viável para o crescimento da computação em nuvem. Privacidade de Dados Esta seção da Pontuação examina a regulamentação da privacidade de dados e a presença e a estrutura de reguladores de privacidade em cada jurisdição. A seção examina também requisitos de inscrição para controladores de dados e requisitos de notificação de violação de dados. A Pontuação revela que a maioria dos países tem leis de proteção de dados em aplicação, e tem agências de privacidade independentes já estabelecidas. Muitas dessas leis são baseadas numa mistura entre as Diretivas da OCDE, as Diretivas da UE e os Princípios de Privacidade da APEC. Infelizmente, requisitos de inscrição para controladores de dados ou para transferências de dados podem ser uma barreira para o estabelecimento de serviços em nuvem. Tais requisitos são comuns em alguns países, incluindo requisitos para o registro de transferências por fronteiras em alguns países da UE. A Coreia, que substituiu seu labirinto de proteções de privacidade por uma ampla e moderna em 2011, alcançou 9.3 de 10 pontos e se colocou na liderança da seção de Pontuação de privacidade. No outro extremo se encontra a África do Sul, com apenas 2.8 pontos. 4 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

7 A Pontuação também aponta reformas substanciais pendentes relativas à proteção de dados, com revisões e propostas importantes na China, na União Europeia, na Índia, em Singapura, na África do Sul e nos Estados Unidos. Esta é uma área que passa por rápido desenvolvimento legal. Infelizmente, algumas jurisdições centrais, incluindo a China, a Índia, a Indonésia e Singapura, ainda não têm em aplicação quaisquer leis significativas para a proteção de dados. Desenvolvimentos nessa área são importantes porque usuários da nuvem apenas aceitarão e adotarão definitivamente a computação em nuvem se tiverem a certeza de que seus dados particulares armazenados na nuvem, em qualquer lugar do mundo, não serão utilizados ou revelados pelo provedor de nuvem de forma inesperada. Regimes nacionais de privacidade devem ser previsíveis e transparentes e evitar restrições desnecessárias sobre os provedores de serviços de nuvem, como requisitos de inscrição para controladores de dados e para transferências de dados por fronteiras. Provedores de nuvem devem ser encorajados a estabelecer políticas de privacidade apropriadas ao serviço específico que oferecem e ao modelo de negócios que utilizam. Segurança Consumidores de computação em nuvem e de outros serviços digitais (incluindo usuários tanto do setor privado quanto do setor público) necessitam de garantias de que os provedores de serviços de nuvem compreendem e tratam devidamente dos riscos de segurança associados ao armazenamento de dados e à execução de aplicações em sistemas em nuvem. Esta seção da Pontuação examina se os critérios de segurança e se os testes de segurança vigentes estão sujeitos à regulação em cada jurisdição. A seção de segurança examina também leis de assinatura eletrônica e de censura da Internet ou de requisitos de filtragem. O Japão lidera a seção de Segurança da Pontuação, com 8.4 de 10 pontos. O regime tailandês, no outro extremo, alcançou apenas 1.6 pontos. A Pontuação revela que a maioria dos países tem leis de assinatura eletrônica claras e neutras com relação à tecnologia utilizada. Requisitos de segurança são aplicados na maioria das jurisdições, e em geral não existem requisitos de auditoria de segurança. Alguns países desde mercados avançados como a Coreia (6.0 pontos em segurança) a países em desenvolvimentos como a Índia (4.4) têm implementação de filtragem ou censura da Internet, que pode representar barreira à expansão da economia digital e da computação em nuvem. Alguns desses regimes regulam conduta criminal, incluindo distribuição de material ilegal, particularmente pornografia infantil. No entanto, vários dos esquemas de filtragem ou censura parecem incluir um forte elemento político, regularmente bloqueando sites que expressam divergência política. A China, por exemplo, restringe o acesso a conteúdo on-line por meio de um vasto e complexo regime técnico e legal que invoca a proteção da segurança nacional e da ordem social. Esse fator pesou significativamente para a Pontuação da China, com apenas 2.0 pontos na seção de segurança. Crime Digital Como a computação em nuvem envolve a agregação de massas de dados em grandes centros de dados, ela cria também novos e tentadores alvos. À medida que criminosos voltam a atenção para esses pontos de concentração de informações, torna-se cada vez mais desafiador proteger esses As cloud computing centros de dados, tanto de ataques físicos quanto de involves the ataques digitais. Governos aggregation of devem garantir que leis massive amounts of domésticas ofereçam um data in large data mecanismo efetivo para o cumprimento da lei e para que centers, it creates os próprios provedores possam new and highly combater acesso indevido a tempting targets. dados armazenados na nuvem. Esta seção examina esses problemas, assim como regras relacionadas à investigação e à fiscalização, incluindo acesso a dados encriptados e infrações extraterritoriais. A Pontuação demonstra que a maioria dos países tem contra crime digital, e que muitas leis estão em conformidade com a Convenção sobre Crime Digital. Muitos países no estudo (membros da UE, Japão e BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 5

8 Estados Unidos) assinaram a Convenção, e vários outros países estão considerando a adesão (Austrália e México estão próximos). Infelizmente, algumas jurisdições centrais ainda têm brechas e inconsistências em suas leis contra crime digital. O Canadá, por exemplo, assinou a Convenção sobre Crime Digital do Conselho Europeu em 2001, mas não chegou a ratificar a convenção em mais de uma década. O país tem em aplicação uma ampla contra crimes digitais, mas não dispõe de ferramentas essenciais para investigação e fiscalização online. Enquanto o Japão, a Alemanha e a França obtiveram a pontuação perfeita de 10.0 na seção de crime digital, o Canadá obteve apenas 6.2. Serviços em nuvem operam através de fronteiras, e seu sucesso depende do acesso a mercados regionais e globais. Políticas restritivas que criam Esta seção examina também regras para investigação e fiscalização, incluindo acesso a dados encriptados e infrações extraterritoriais. Há uma maior divergência de resultados nesses quesitos. Direitos de Propriedade Intelectual barreiras efetivas Provedores de computação ou potenciais em nuvem e de serviços e tecnologias da economia ao comércio digital, assim como de desaceleram outros produtos de alta a evolução da inovação, dependem de uma computação em combinação de patentes, direitos autorais, segredos nuvem. comerciais e outras formas de proteção à propriedade intelectual. Para encorajar investimentos em pesquisa e infraestrutura para a nuvem, leis de propriedade intelectual devem oferecer fortes incentivos para esses investimentos, além de proteção clara e vigorosa conta apropriação indevida e infração. Intermediários on-line devem ter incentivos para o bom comportamento, e devem ser isentados de responsabilidade quando cumprem seu papel. A Pontuação revela que em geral os países estão seguindo em direção a uma abordagem consistente em direitos e em proteções mais importantes. Mesmo assim, existem brechas nas leis de propriedade intelectual de jurisdições centrais, incluindo Canadá, Índia e Tailândia. A Rússia, que terminou em 16o lugar na classificação geral, e bem abaixo na seção de propriedade intelectual com apenas 8.4 de 20 pontos, é o exemplo mais claro. O país tem arrastado por vários anos sua proposta de adesão ao Acordo Relativo aos Aspectos do Direito da Propriedade Intelectual Relacionados com o Comércio (TRIPs). Esta e outras falhas no regime de propriedade intelectual do país poderiam expor a riscos os serviços de computação em nuvem. Esta seção examina também abordagens de investigação e fiscalização, nas quais há uma ampla diversidade e significativa inconsistência. Preocupações também existem com relação à cultura de cumprimento e fiscalização e recursos disponíveis em algumas jurisdições. Mesmo países com leis atualizadas de propriedade intelectual falham na aplicação dessas leis, e os níveis de pirataria permanecem altos em muitas jurisdições. Adesão a Padrões da Indústria & Harmonização Internacional de Regras A portabilidade de dados e o uso integrado de aplicações interoperáveis são considerações centrais para a computação em nuvem e para aplicações na economia digital. Consumidores exigem interoperabilidade no espaço de serviços de computação em nuvem, e a indústria está se empenhando através de organizações de desenvolvimento de padrões e de outros meios internacionais para responder à demanda. É importante o apoio governamental para esforços nesse sentido. Esta seção da Pontuação examina se os governos encorajam ou não o desenvolvimento de padrões por processos voluntários da própria indústria. Esta seção examina também a harmonização internacional de regras de comércio eletrônico, tarifas e outras regras de comércio relevantes. A Pontuação revela que os governos adotam abordagens inconsistentes para o desenvolvimento de padrões e que muitas decisões improvisadas são tomadas sem a presença de plataformas de políticas nacionais. Muitos 6 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

9 países têm plataformas bem estabelecidas para a definição de padrões, e o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos Estados Unidos (NIST) acompanha de perto a computação em nuvem. Os Estados Unidos pontuaram próximo ao topo nesta seção, com 9.4 de 10 pontos. No outro extremo da escala, países como a Argentina (4.6) e o Brasil (3.4) não dispõem de qualquer plataforma relevante para padrões de informática e comunicação. Agências governamentais devem operar em conjunto com a indústria para acelerar o desenvolvimento de padrões, quando apropriado, e compartilhar requisitos de usuários por meio de organizações de definição de padrões abertos. Com relação a regras de comércio eletrônico, tarifas e outras regras de comércio relevantes, a Pontuação revela uma consistência geral das leis de comércio eletrônico, com a maioria dos países implementando leis baseadas no modelo da Comissão das Nações Unidas para Leis Internacionais de Comércio (UNCITRAL) e/ou na Convenção da ONU sobre Contratação Eletrônica. Vários países, incluindo Singapura, Rússia e Malásia, assinaram / ratificaram a Convenção, permitindo uma harmonia ainda maior. Tarifas e barreiras de comércio para software e aplicações on-line são raras, apesar de algumas jurisdições ainda manterem tarifas sobre novos produtos tecnológicos utilizados para acessar serviços em nuvem. Promoção do Livre Comércio Serviços em nuvem operam através de fronteiras, e seu sucesso depende do acesso a mercados regionais e globais. Políticas restritivas que criam barreiras efetivas ou potenciais ao comércio desaceleram a evolução da computação em nuvem. Esta seção da Pontuação examina e compara regimes de licitação pública e esforços para remoção de barreiras ao livre comércio, incluindo requisitos nacionais e preferências por produtos específicos. A Pontuação revela que várias das jurisdições ainda oferecem tratamento diferenciado para fornecedores nacionais em licitações públicas, incluindo Brasil (2.2 de 10 pontos), China (4.8) e Malásia (3.8). Em compensação, o Japão (com 9.2 pontos) e um crescente grupo de outros países tem aderido ao Acordo sobre Licitação Pública da OMC, que liberaliza políticas relacionadas. Base de Informática & Comunicação, Acesso à Banda Larga A computação em nuvem só pode alcançar seu potencial se houver banda larga acessível e universal. Isto pode ser alcançado por meio de políticas que ofereçam incentivos para investimentos do setor privado em infraestrutura de banda larga e de leis que promovam acesso universal a banda larga. Esta seção da Pontuação examina e compara a infraestrutura disponível em cada economia para o apoio à economia digital e à computação em nuvem, utilizando estatísticas sobre o número de assinantes para produtos diversos, que refletem a A computação importância (e o crescimento) em nuvem só do acesso a banda larga. pode alcançar Vários países têm seu potencial se implementado uma estrutura houver banda impressionante de banda larga, incluindo Japão (20.9 larga acessível e de 30 pontos), Singapura universal. (21.8) e Coreia (21.7). Grandes melhorias estão em implantação na Austrália (21.3) e em diversos países da UE. Mesmo assim a penetração de banda larga permanece altamente inconsistente, e há o risco que alguns países não tenham ainda a infraestrutura suficiente para a integração plena na economia digital e na computação em nuvem. O progresso é lento em países como Índia (8.5) e África do Sul (9.4). BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 7

10 Pontuação Global de Computação em Nuvem da BSA A pioneira Pontuação Global de Computação em Nuvem da BSA classifica 24 países com base em sete categorias de políticas, medindo o nível de preparação dos países para o apoio ao crescimento da computação em nuvem. Juntos, esses países representam 80 por cento do mercado global de informática e comunicação Japão Austrália Alemanha Estados Unidos França Itália Reino Unido Coreia Espanha Singapura Polônia Canadá 8 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

11 Privacidade de Dados Segurança Crime Digital Propriedade Intelectual Apoio a Padrões da Indústria, Harmonia Internacional de Regras Promoção de Livre Comércio Preparação Tecnológica, Implantação de Banda Larga Malásia México Argentina Rússia Turquia África do Sul Índia Indonésia China Tailândia Vietnã Brasil BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 9

12 METODOLOGIA DA PONTUAÇÃO A Pontuação Global de Computação em Nuvem da BSA examina a plataforma legal e regulatória de 24 países ao redor do globo, identificando 66 questões relevantes para determinar o nível de preparação para a computação em nuvem. As questões são categorizadas sob as categorias acima citadas, e são de forma geral respondidas com um sim ou um não. As respostas são também identificadas por cor: 4 6 Indica uma avaliação positiva, geralmente considerada como um passo adiante no estabelecimento de um ambiente legal e regulatório favorável para a computação em nuvem. Indica uma avaliação negativa e a presença de uma barreira potencial para o estabelecimento de um ambiente legal e regulatório favorável. Indica uma avaliação parcialmente favorável, com possíveis falhas ou inconsistências a serem remediadas. Indica uma questão factual de assuntos relacionados. A Pontuação visa oferecer uma plataforma para discussão entre responsáveis por políticas e provedores de serviços de nuvem, com uma visão voltada para o desenvolvimento de um regime harmonioso de leis e regulamentações relevantes para computação em nuvem. É uma ferramenta com o potencial de auxiliar responsáveis por políticas a conduzir auto-avaliação construtiva e determinar os passos seguintes a serem realizados para o avanço no crescimento de uma computação em nuvem global. Respostas para a seção de infraestrutura da Pontuação são identificadas por cor, com base na escala abaixo. Ou seja, a mais alta resposta a uma questão em particular (por exemplo, a maior população ou o maior número de usuários de internet) é indicada em verde, enquanto a cor para as outras respostas gradualmente tende até o vermelho na resposta mais baixa. Grau de Preparação (colocação entre os 24 países) Mais alto Mais baixo USANDO A PONTUAÇÃO A Pontuação deriva dos Registros de Países uma pontuação ponderada foi definida para uma seleção de questões centrais. Algumas questões básicas de investigação foram excluídas do sistema de pontuação. Cada grupo de questões é ponderado para refletir sua importância na computação em nuvem. Cada questão individual é também ponderada para refletir sua importância dentro de cada grupo. Os pesos são exibidos na tabela abaixo: # TEMA / QUESTÕES Peso Valor (de 100) PRIVACIDADE DE DADOS 10% Existem leis ou regulamentações governando a coleta, o uso ou outro processamento de dados pessoais? 30% 3 6. Existe uma agência (ou regulador) efetivo encarregado de fiscalizar o cumprimento de leis de privacidade? 25% Existem controladores de dados livres de exigências de registro? 20% 2 9. As transferências através de fronteiras são livres de exigências de registro? 15% Existe uma lei de notificação de violação de dados? 10% 1 SEGURANÇA 10% Existe uma lei ou regulamentação que garanta validade legal para assinaturas eletrônicas? 20% 2 2. Provedores de acesso e de conteúdo são livres de filtragem e/ou censura obrigatória? 20% 2 3. Existem leis ou códigos viáveis contendo exigências gerais de segurança para hospedagem de dados digitais e 20% 2 provedores de serviços de nuvem? 4. Existem leis ou códigos viáveis contendo requisitos de auditoria específicos para hospedagem de dados 20% 2 digitais e provedores de serviços de nuvem? 5. Existem leis e regulamentações de segurança exigindo certificações específicas para produtos tecnológicos? 20% 2 10 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

13 # TEMA / QUESTÕES Peso CRIME DIGITAL 10% Existem leis de crime digital em aplicação? 50% 5 Valor (de 100) 2. As leis de crime digital são consistentes com a Convenção de Budapeste sobre crimes digitais? 30% 3 3. Que acesso as autoridades de fiscalização têm os dados encriptados mantidos ou transmitidos por provedores 10% 1 de hospedagem de dados, operadoras ou outros provedores de serviços? 4. Como a lei trata infrações extraterritoriais? 10% 1 PROPRIEDADE INTELECTUAL 20% O país é membro do Acordo TRIPS? 10% 2 2. Existem leis de propriedade intelectual implementando o TRIPS? 10% 2 3. O país é membro do Tratado de Direitos Autorais da OMPI? 10% 2 4. Existem leis implementando o Tratado de Direitos Autorais da OMPI? 10% 2 5. Existem sanções civis aplicáveis por publicação não autorizada na internet de trabalhos protegidos por direitos 10% 2 autorais? 6. Existem sanções criminais aplicáveis por publicação não autorizada na internet de trabalhos protegidos por 10% 2 direitos autorais? 7. Existem leis governando a responsabilidade de ISPs para conteúdo infringindo direitos autorais? 5% 1 8. Existe base para responsabilizar ISPs por conteúdo infringindo copyright em seus sites ou sistemas? 5% ISPs têm obrigação de remover conteúdo infringindo copyright após notificação pelo titular? 5% ISPs são obrigados a informar assinantes ao receber notificações de que o assinante está utilizando os serviços 5% 1 do ISP para distribuir conteúdo que infringe copyright? 12. Existe alguma proteção legal clara contra apropriação indevida de serviços de computação em nuvem? Se sim, 20% 4 conta com fiscalização efetiva? APOIO A PADRÕES DA INDÚSTRIA & HARMONIA INTERNACIONAL DE REGRAS 10% Existem leis, regulamentações ou políticas que estabeleçam uma plataforma de definição de padrões para 30% 3 interoperabilidade e portabilidade de dados? 2. Existe uma agência regulatória responsável pelo desenvolvimento de padrões no país? 10% 1 3. Existem leis de comércio eletrônico em aplicação? 30% 3 4. A obtenção de aplicações ou dados digitais a partir de provedores de serviços de nuvem no exterior é livre de 10% 1 taxas ou outras barreiras de comércio? 5. Padrões internacionais têm prioridade sobre padrões nacionais? 10% 1 6. O governo participa em processos de definição de padrões internacionais? 10% 1 PROMOÇÃO DE LIVRE COMÉRCIO 10% Existem leis ou políticas em aplicação que implementem neutralidade tecnológica no governo? 20% 2 2. Serviços de computação em nuvem operam livres de exigências legais de uso de determinados produtos 20% 2 (incluindo, mas não limitado a, tipos de software), serviços, padrões ou tecnologias? 3. Serviços de computação em nuvem operam livres de preferências legais de uso de determinados produtos 10% 1 (incluindo, mas não limitado a, tipos de software), serviços, padrões ou tecnologias? 4. Serviços de computação em nuvem operam livres de discriminação por nacionalidade do fornecedor, 50% 5 desenvolvedor ou provedor de serviços? PREPARAÇÃO TECNOLÓGICA, IMPLANTAÇÃO DE BANDA LARGA 30% Existe um Plano Nacional de Banda Larga? 13% Computadores Pessoais (% de residências) (2010) 3% Índice de Desenvolvimento ITU ICT (IDI) (2010) (Pontuação até 10, incluindo 152 países) 20% Índice de Preparação para Rede do Fórum Econômico Mundial ( ) 20% 6 (Pontuação até 7, incluindo 138 países) 4.3. Pontuação de Conectividade Internacional (2011) 15% 4.5 (Pontuação até 10, incluindo 50 países) 4.4. Índice de Competitividade da Indústria de TI (2011) 10% 3 (Pontuação até 100, incluindo 66 países) 5.2. Usuários de Internet como Porcentagem da População (2010) 5% Banda de Internet Internacional (bits por segundo por usuário de internet) (2010) 3% Banda de Internet Internacional (2010) (total de gigabits por segundo (Gbps) por país) 3% Assinaturas Fixas de Banda Larga como % dos usuários de internet (2010) 5% Assinaturas ativas de banda larga móvel por 100 habitantes (2010) 5% 1.5 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 11

14 Tabela Global de Computação em Nuvem por País 4 Sim 6 Não Parcial # QUESTÃO Argentina Austrália Brasil PRIVACIDADE DE DADOS 1. Existem leis ou regulamentações governando a coleta, o uso ou outro processamento de informações pessoais? Qual é a abrangência e a cobertura da lei de privacidade? Abrangente Abrangente Não se aplica 3. A lei de privacidade é compatível com os Princípios de Privacidade da Diretiva da UE de Proteção de Dados? A lei de privacidade é compatível com os Princípios de Privacidade da Plataforma de Privacidade da APEC? Há a disponibilidade de direito privado de ação contra violações de privacidade de dados? Disponível Não disponível Disponível 6. Existe uma agência (ou regulador) efetivo encarregado de fiscalizar o cumprimento de leis de privacidade? Regulador nacional Regulador nacional Nenhum 7. Qual é a natureza do regulador de privacidade? Nomeado único Nomeado único Não se aplica 8. Controladores de dados são livres de exigências de registro? As transferências por fronteira são livres de exigências de registro? Existe uma lei de notificação de violação de dados? SEGURANÇA 1. Existe uma lei ou regulamentação que garanta validade legal para assinaturas eletrônicas? Provedores de acesso e de conteúdo são livres de filtragem e/ou censura obrigatória? Existem leis ou códigos viáveis contendo exigências gerais de segurança para Cobertura limitada na Cobertura limitada na hospedagem de dados digitais e provedores de serviços de nuvem? Nenhuma 4. Existem leis ou códigos viáveis contendo requisitos de auditoria específicos para Cobertura limitada na hospedagem de dados digitais e provedores de serviços de nuvem? Nenhuma Nenhuma 5. Existem leis e regulamentações de segurança exigindo certificações específicas para produtos tecnológicos? Sem exigências Exigências limitadas Sem exigências CRIME DIGITAL 1. Existem leis de crime digital em aplicação? As leis de crime digital são consistentes com a Convenção de Budapeste sobre crimes digitais? Que acesso as autoridades de fiscalização têm os dados encriptados mantidos ou transmitidos por provedores de hospedagem de dados, operadoras ou outros Acesso com mandado Acesso com mandado Acesso com mandado provedores de serviços? 4. Como a lei trata ofensas extraterritoriais? Cobertura limitada Cobertura abrangente Cobertura abrangente DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1. O país é membro do Acordo TRIPS? Existem leis de propriedade intelectual implementando o TRIPS? O país é membro do Tratado de Direitos Autorais da OMPI? Existem leis implementando o Tratado de Direitos Autorais da OMPI? 4 5. Existem sanções civis aplicáveis por publicação não autorizada na internet de trabalhos protegidos por direitos autorais? 4 6. Existem sanções criminais aplicáveis por publicação não autorizada na internet de trabalhos protegidos por direitos autorais? 4 7. Existem leis governando a responsabilidade de ISPs para conteúdo infringindo direitos autorais? 6 Indeciso 6 8. Existe base para responsabilizar ISPs por conteúdo infringindo copyright em seus sites ou sistemas? Que sanções estão disponíveis para responsabilização de ISPs por conteúdo infringindo copyright encontrado em seus sites ou sistemas? Não se aplica Civis e criminais Não se aplica 10. ISPs têm obrigação de remover conteúdo infringindo copyright após notificação pelo titular? ISPs são obrigados a informar assinantes ao receber notificações de que o assinante está utilizando os serviços do ISP para distribuir conteúdo que infringe copyright? Existe alguma proteção legal clara contra apropriação indevida de serviços de Proteção limitada computação em nuvem? Se sim, conta com fiscalização efetiva? (só atividade criminal) Proteção abrangente Sem proteção APOIO A PADRÕES DA INDÚSTRIA & HARMONIA INTERNACIONAL DE REGRAS 1. Existem leis, regulamentações ou políticas que estabeleçam uma plataforma de definição de padrões para interoperabilidade e portabilidade de dados? Existe uma agência regulatória responsável pelo desenvolvimento de padrões no país? Existem leis de comércio eletrônico em aplicação? Em que instrumentos internacionais são baseadas as leis de comércio eletrônico? Modelo UNCITRAL de Lei Não se aplica de Comércio Eletrônico Não se aplica 5. A obtenção de aplicações ou dados digitais a partir de provedores de serviços de nuvem no exterior é livre de taxas ou outras barreiras de comércio? Padrões internacionais têm prioridade sobre padrões nacionais? O governo participa em processos de definição de padrões internacionais? BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

15 Canadá China França Alemanha Índia Indonésia Itália Abrangente Não se aplica Abrangente Abrangente Setorial Abrangente Abrangente Disponível Disponível Disponível Disponível Disponível Não disponível Disponível Regulador nacional Nenhum Regulador nacional Regulador setorial Nenhum Nenhum Regulador nacional Reg Nomeado único Não se aplica Nomeado único Nomeado único Não se aplica Não se aplica Órgão colegiado Nenhum Nenhum Cobertura limitada na Cobertura limitada na Legislação detalhada Nenhum Legislação detalhada Cobe Cobertura limitada na Cobertura limitada na Cobertura limitada na Cobe Nenhum Nenhum Código de conduta Nenhum Exigências abrangentes Exigências abrangen- Exigências abrangen- Exigências abrangen- Exigê (incluindo critérios Exigências limitadas tes (incluindo critérios tes (incluindo critérios Exigências limitadas Sem exigências tes (incluindo critérios tes (in comuns) comuns) comuns) comuns) Acesso com mandado Não declarado Acesso com mandado Acesso com mandado Acesso ilimitado Não declarado Acesso com mandado Acess Outr Cobertura limitada Cobertura limitada Cobertura abrangente Cobertura abrangente Cobertura abrangente Cobertura limitada Cobertura limitada Indeciso Indeciso 4 Não se aplica Civis e criminais Civis e criminais Civis Não se aplica Não se aplica Civis e criminais Proteção limitada (só atividade criminal) Proteção abrangente Proteção abrangente Proteção abrangente Sem proteção Proteção abrangente Proteção abrangente Prote Convenção da ONU de Modelo UNCITRAL de Lei Modelo UNCITRAL de Lei Modelo UNCITRAL de Lei Convenção da ONU de Contratação Eletrônica de Comércio Eletrônico de Comércio Eletrônico de Comércio Eletrônico Contratação Eletrônica Modelo UNCITRAL de Lei de Comércio Eletrônico Modelo UNCITRAL de Lei de Comércio Eletrônico N BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 13

16 Japão Coreia Malásia México Polônia Rússia Singapura Áfric Abrangente Abrangente Setorial Abrangente Abrangente Abrangente Não se aplica Não Disponível Disponível Não disponível Disponível Disponível Disponível Não disponível Dis ulador setorial Regulador nacional Regulador nacional Regulador nacional Regulador nacional Regulador nacional Nenhum Ne o representante do governo Outro representante do governo Nomeado único Órgão colegiado Nomeado único Outro representante do governo Não se aplica rtura limitada na Cobertura limitada na Cobertura limitada na Cobertura limitada na Cobertura limitada na Legislação detalhada Nenhum Ne rtura limitada na Cobertura limitada na Nenhum Nenhum Nenhum Nenhum Nenhum Ne ncias abrangencluindo critérios Exigências limitadas Exigências limitadas Sem exigências Exigências limitadas Exigências abrangentes comuns) Exigências limitadas Sem e o com mandado Não declarado Indeciso Não declarado Não declarado Acesso ilimitado Acesso com mandado Acesso c Não Cobertura abrangente Cobertura abrangente Cobertura abrangente Cobertura limitada Cobertura limitada Cobertura limitada Cobertura abrangente Co abra Indeciso Civil Civil Não se aplica Civil e criminal Civil e criminal Não se aplica Civil Undecided 6 4 ção abrangente Proteção abrangente Proteção abrangente Proteção limitada (só atividade criminal) Proteção abrangente Proteção limitada (só atividade criminal) Proteção abrangente Proteção ão se aplica Modelo UNCITRAL de Lei Convenção da ONU de Modelo UNCITRAL de Lei Modelo UNCITRAL de Lei Convenção da ONU de Convenção da ONU de de Comércio Eletrônico Contratação Eletrônica de Comércio Eletrônico de Comércio Eletrônico Contratação Eletrônica Contratação Eletrônica Modelo UN de Comé BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 14

17 a do Sul Espanha Tailândia Turquia Reino Unido Estados Unidos Vietnã se aplica Abrangente Não se aplica Não se aplica Abrangente Setorial Não se aplica ponível Disponível Disponível Disponível Disponível Disponível Indeciso nhum Regulador nacional Nenhum Nenhum Regulador nacional Regulador setorial Nenhum se aplica Nomeado único Não se aplica Não se aplica Nomeado único Outro representante do governo Não se aplica nhum Cobertura limitada na Cobertura limitada na Cobertura limitada na Cobertura limitada na Nenhum Nenhum nhum Nenhum Nenhum Nenhum Cobertura limitada na Cobertura limitada na Nenhum Exigências abrangentes Exigências abrangen- Exigências abrangen- Exigências abrangen- xigências (incluindo critérios Sem exigências tes (incluindo critérios tes (incluindo critérios tes (incluindo critérios Sem exigências comuns) comuns) comuns) comuns) om mandado Sem acesso Acesso ilimitado Não declarado Acesso ilimitado Não declarado Acesso ilimitado bertura ngente Cobertura abrangente Cobertura abrangente Cobertura limitada Cobertura abrangente Cobertura limitada Cobertura limitada Indeciso Indeciso 4 Indeciso Civil Civil Não se aplica Civil e criminal Civil e criminal Civil e criminal Não se aplica abrangente Proteção abrangente Sem proteção Proteção abrangente Proteção abrangente Proteção abrangente Sem proteção CITRAL de Lei Modelo UNCITRAL de Lei Modelo UNCITRAL de Lei Modelo UNCITRAL de Lei Outro Outro Outro rcio Eletrônico de Comércio Eletrônico de Comércio Eletrônico de Comércio Eletrônico BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE 15

18 # QUESTÃO Argentina Austrália Brasil PROMOÇÃO DE LIVRE COMÉRCIO 1. Existem leis ou políticas em aplicação que implementem neutralidade tecnológica no governo? Serviços de computação em nuvem operam livres de exigências legais de uso de determinados produtos (incluindo, mas não limitado a, tipos de software), serviços, padrões ou tecnologias? 3. Serviços de computação em nuvem operam livres de preferências legais de uso de determinados produtos (incluindo, mas não limitado a, tipos de software), serviços, 4 4 padrões ou tecnologias? 4. Serviços de computação em nuvem operam livres de discriminação por nacionalidade do fornecedor, desenvolvedor ou provedor de serviços? 6 PREPARAÇÃO TECNOLÓGICA, IMPLANTAÇÃO DE BANDA LARGA 1. Existe um Plano Nacional de Banda Larga? Ate 2015, mais de 10 milhões de residências com acesso de banda larga Até 2021, a Rede Nacional de Banda Larga (NBN) cobrirá 100% das instalações, 93% das casas, escolas e negócios com até 100 Mbps por fibra óptica, o restante com até 12 Mbps por wireless e satélite de próxima geração. Até 2014, 30 milhões de conexões fix de banda lar (com velocid mínima de 1Mbps), incl casas, negóc e cooperativ além de 100 telecentros. 2. Existem leis ou políticas que regulam o estabelecimento de diferentes níveis de serviço para transmissão de dados com base na natureza dos dados transmitidos? Regulação limitada e debate público limitado Sem regulação e amplo debate público Regulação s considerada governo e a debate pú 3. Indicadores básicos 3.1. População (2010) 40,412,376 22,268, ,946, População urbana (%) (2010) 92% 89% 87% 3.3. Número de residências (2009) 10,960,000 8,408,000 57,650, Densidade populacional (pessoas por km2) (2010) PIB Per Capita (USD, 2010) $9,138 $55,590 $10, Gastos com ICT como % do PIB (2008) 5% 5% 5% 3.7. Computadores Pessoais (% de residências) (2010) 40% 81% 35% 4. Indicadores de Preparação Tecnológica e de Rede 4.1. Índice de Desenvolvimento ITU ICT (IDI) (2010) (Pontuação até 10, incluindo 152 países) Índice de Preparação para Rede do Fórum Econômico Mundial ( ) (Pontuação até 7, incluindo 138 países) Pontuação de Conectividade Internacional (2011) (Pontuação até 10, incluindo 50 países) Índice de Competitividade da Indústria de TI (2011) (Pontuação até 100, incluindo 66 países) Usuários de Internet e Banda Internacional 5.1. Usuários de Internet (2010) 14,548,455 16,923,972 79,343, Usuários de Internet como Porcentagem da População (2010) 36% 76% 41% 5.3. Banda de Internet Internacional (bits por segundo por usuário de internet) (2010) 27,494 41,361 12, Banda de Internet Internacional (2010) (total de gigabits por segundo (Gbps) por país) , Banda Larga Fixa 6.1. Assinaturas de Banda Larga Fixa (2010) 3,862,354 5,165,000 14,086, Assinaturas de Banda Larga Fixa como % das residências (2010) 35% 61% 24% 6.3. Assinaturas de Banda Larga Fixa como % da população (2010) 10% 23% 7% 6.4. Assinaturas Fixas de Banda Larga como % dos usuários de internet (2010) 27% 31% 18% 7. Banda Larga Móvel 7.1. Assinaturas de Planos de Celular (2010) 57,300,000 22,500, ,944, Assinaturas Ativas de Banda Larga Móvel por 100 Habitantes (2010) 13% 83% 11% 7.3. Número de Assinaturas Ativas de Banda Larga Móvel (2010) 7,334,400 18,607,500 21,512,0 Preparação ICT (Posição do País dentre os 24) Mais alta Mais baixa 16 BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

19 Canadá China França Alemanha Índia Indonésia Itália as ga ade uindo ios as,.000 endo pelo mplo blico Até 2016, todos os canadenses terão acesso de banda larga de velocidades de no mínimo 5 Mbps para download e 1 Mbps para upload Múltiplas regulações e amplo debate público Até 2014, o acesso à banda larga deve alcançar 45% da população Nenhuma regulação e debate público limitado Até 2012, 100% da população terá acesso a banda larga Até 2025, 100% das residências terão acesso à banda larga de altíssima velocidade Regulação sendo considerada pelo governo e amplo debate público Até 2014, 75% das residências terão velocidade de download de 50Mbps Regulação sendo considerada pelo governo e amplo debate público Em 2010, 20 milhões de conexões de banda larga Até 2012, 75 milhões de conexões de banda larga (17 milhões DSL, 30 milhões cabo e 28 milhões sem fio) Até 2014, 160 milhões de conexões de banda larga (22 milhões DSL, 78 milhões cabo e 60 milhões sem fio) Nenhuma regulação e debate público limitado Até 2014, expansão das conexões de banda larga para 8% das residências e 30% da população Nenhuma regulação e debate público limitado Até 2012, 100% da população te acesso a interne entre 2 e 20 Mb Até 2013, expan da banda larga a milhões de pess excluídas dos serviços de inter de alta velocida Até 2020, oferecimento de acesso para pelo menos 50% da população a velocidades mai que 100 Mbps e redes fixas (FttH Regulação send considerada pe governo e amp debate público 70 34,016,593 1,341,335,152 62,787,427 82,302,465 1,224,614, ,870,937 60,550,848 81% 45% 78% 74% 30% 54% 68% 00 12,877, ,990,016 25,938,000 39,255, ,584,000 59,261,000 23,219, $46,215 $4,382 $41,019 $40,631 $1,265 $3,015 $34,059 7% 6% 5% 5% 5% 3% 5% 84% 35% 76% 86% 6% 11% 65% ,757, ,077,957 50,292,729 67,405,719 91,846,075 21,828,255 32,515,805 82% 34% 80% 82% 8% 9% 54% 54,039 2,389 69,596 74,223 5,825 3,207 61,535 1,500 1,099 3,500 5, , ,138, ,337,000 21,300,000 26,000,000 10,990,000 1,900,300 13,400,000 79% 33% 82% 66% 5% 3% 58% 30% 9% 34% 32% 1% 1% 22% 37% 27% 42% 39% 12% 9% 41% 33 24,037, ,003,000 62,600, ,560, ,190, ,000,000 82,000,000 15% 2% 36% 36% 1% 10% 59% 67 3,557,531 17,180,060 22,410,800 38,059,840 6,769,710 22,660,000 48,708, BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

20 Japão Coreia Malásia México Polônia Rússia Singapura rá t de ps são 5 oas net de ores m ) o lo lo Ate 2015, todas as residências terão conexões de fibra óptica de altíssima velocidade (FttH) Regulação limitada e amplo debate público Em 2010, oferecimento de serviços multimídia a 12 milhões de residências e 23 milhões de assinantes wireless Até 2012, serviços de banda larga sem fio atualizados para 10 Mbps Até 2012, serviços de Internet alta velocidade atualizados de 100 Mbps para 1 Gbps Em 2011, 50% das residências com acesso a banda larga de alta velocidade Até 2015, 75% das residências com acesso a banda larga de alta velocidade Regulação limitada e Nenhuma regulação e amplo debate público amplo debate público Até 2012, 22% de penetração de banda larga Nenhuma regulação e debate público limitado Até 2013, 23% da população com acesso a banda larga Regulação limitada e debate público limitado Até 2015, 35% da população com acesso a banda larga Até 2015, 75% das residências conectadas à internet Regulação sendo considerada pelo governo e amplo debate público Até 2015, a Rede Nacional de Banda Larga de Próxima Geração (Next-Gen NBN) oferecerá 1 Gbps para download e 500 Mbps para upload em acesso de banda larga a todas as residências, escritórios e escolas Regulação limitada e debate público limitado 126,535,920 48,183,584 28,401, ,423,047 38,276, ,958,164 5,086,418 67% 82% 72% 78% 61% 73% 100% 47,334,000 18,821,000 5,848,000 25,915,000 13,715,000 52,363,000 1,124, ,252 $42,820 $20,591 $8,423 $9,566 $12,300 $10,437 $43,117 7% 9% 10% 5% 6% 4% 7% 89% 82% 41% 30% 69% 50% 84% ,228,736 40,329,660 15,705,762 35,161,145 23,846,359 61,472,011 3,560,493 80% 84% 55% 31% 62% 43% 70% 15,477 11,878 11,652 7,328 37,732 30, ,583 1, , ,055,343 17,649,538 2,078,500 11,325,022 5,044,000 15,700,000 1,257,400 72% 94% 36% 44% 37% 30% 112% 27% 37% 7% 10% 13% 11% 25% 34% 44% 13% 32% 21% 26% 35% 120,708,670 50,767,241 34,456,000 91,362,753 46,000, ,689,224 7,307,300 88% 91% 27% 8% 31% 17% 70% 105,982,212 46,198,189 9,372,032 7,583,108 14,260,000 41,357,925 5,093, BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE

CLASSIFICAÇÃO GLOBAL BSA 2013 DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CLASSIFICAÇÃO GLOBAL BSA 2013 DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM CLASSIFICAÇÃO GLOBAL BSA 2013 DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM O Caminho Certo Para o Progresso BUSINESS SOFTWARE ALLIANCE A CONTEÚDO RESUMO EXECUTIVO.......................................... 1 Plano de Políticas

Leia mais

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX Privacidade versus Conveniência Resumo executivo As manchetes sobre privacidade na Internet estão fomentando um debate sobre quanto de acesso governos e empresas devem ter a atividades, comunicações e

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

Tarifas de banda larga na América Latina e Caribe: Avaliação comparativa e tendências. Hernan Galperin, Universidade de San Andrés (Argentina).

Tarifas de banda larga na América Latina e Caribe: Avaliação comparativa e tendências. Hernan Galperin, Universidade de San Andrés (Argentina). Tarifas de banda larga na América Latina e Caribe: Avaliação comparativa e tendências. Hernan Galperin, Universidade de San Andrés (Argentina). As características de oferta são um indicador chave no desempenho

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho. A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008

Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho. A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008 Seul Declaração da Sociedade Civil e do Trabalho A Conferência Ministerial da OCDE Sobre o futuro da economia da Internet Seul, Coréia 16 junho 2008 Esta reunião de organizações da sociedade civil e do

Leia mais

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Comissão dos Assuntos Jurídicos PROJETO DE PARECER. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 25.6.2013 2013/2063(INI) PROJETO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Jurídicos dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010

Barômetro de Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Barômetro Banda Larga no Brasil, 2005-2010 Resultados 2006 Preparado para Preparado para Meta Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhão conexões www.idc.com Agenda

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Wi-Fi, Saúde e Segurança

Wi-Fi, Saúde e Segurança Wi-Fi, Saúde e Segurança O Wi-Fi está no centro da experiência conectada de hoje. Utilizado em 25% dos lares em todo o mundo 1, o Wi-Fi continua se expandindo como a tecnologia escolhida para redes tradicionais

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Setembro/2007 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhões de conexões Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Copyright

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal.

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Brasília, 07 de abril de 2010. Espectro para telefonia móvel:

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores: 12,167 mil EMPRESA

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA IT Asset Manager como gerenciar o ciclo de vida de ativos, maximizar o valor dos investimentos em TI e obter uma exibição do portfólio de todos os meus ativos? agility made possible

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

Soluções de Output LRS

Soluções de Output LRS Soluções de Output LRS Enormes economias de custo estão aguardando L O G O A B A I X O D A S U P E R F Í C I E Organizações de todos os tamanhos enfrentam um desafio singular: reduzir dramaticamente os

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Alavancando a segurança a partir da nuvem

Alavancando a segurança a partir da nuvem Serviços Globais de Tecnologia IBM White Paper de Liderança em Pensamento Serviços de Segurança IBM Alavancando a segurança a partir da nuvem O quem, o que, quando, por que e como dos serviços de segurança

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resultados de Junho 2009 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2009 IDC. Reproduction

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Painel III - Alternativas para Universalização da Banda Larga

Painel III - Alternativas para Universalização da Banda Larga Painel III - Alternativas para Universalização da Banda Larga Secretaria de Telecomunicações Roberto Pinto Martins 29-09-2009 i Banda Larga no Cenário Internacional Contexto da Banda Larga Banda Larga

Leia mais

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput Cloud Conf 2012 Agosto de 2012 Sobre a Frost & Sullivan - Consultoria Global com presença nos 4 continentes, em mais de 25 países, totalizando 40 escritórios.

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores:

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Communications Outlook 2005 Summary in Portuguese Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE Sumário em Português Sumário Executivo Após a explosão da "bolha dot-com", a indústria de telecomunicações

Leia mais

ITU Regional Human Capacity Development Forum. TIC e Desenvolvimento Econômico e Social

ITU Regional Human Capacity Development Forum. TIC e Desenvolvimento Econômico e Social ITU Regional Human Capacity Development Forum TIC e Desenvolvimento Econômico e Social O mundo passa por um momento de profundas transformações...... as comunicações são parte dessas transformações. Políticas

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade?

Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? RESUMO DA SOLUÇÃO CA SERVICE MANAGEMENT - GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Como posso gerenciar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? O CA Service Management

Leia mais

Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático. ~ Japão, China e ASEAN ~

Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático. ~ Japão, China e ASEAN ~ Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático ~ Japão, China e ASEAN ~ Palavras-chaves Leste Asiático o Centro de Crescimento do Mundo Integraçã ção o Progressiva das

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson

Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Código de conduta de parceiros de negócios da Pearson Finalidade e escopo Na Pearson (incluindo suas subsidiárias e empresas com controle acionário), acreditamos fortemente que agir de forma ética e responsável

Leia mais

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions Rumo à Integração de IDC FutureScape IT Security Products and Services 0 Predictions ª Plataforma Processo de Decisão Evolução da ª Plataforma focalizada no risco do acesso a servidores centralizados e

Leia mais

Custos Ocultos Da Nuvem. Resultados Da América Latina

Custos Ocultos Da Nuvem. Resultados Da América Latina Custos Ocultos Da Nuvem Resultados Da América Latina 2013 SUMÁRIO 4 5 6 7 8 9 10 INTRODUÇÃO IMPLEMENTAÇÕES DE NUVENS NÃO AUTORIZADAS BACKUP E RECUPERAÇÃO NA NUVEM ARMAZENAMENTO INEFICIENTE NA NUVEM CONFORMIDADE

Leia mais

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS

CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS CONTEÚDOS PARA TREINAMENTOS, CURSOS DE CAPACITAÇÃO, PALESTRAS Os conteúdos listados abaixo são uma prévia dos temas e podem ser adequados ao cliente de acordo com o perfil e demanda da empresa/instituição.

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor.

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor. Código de Conduta COERÊNCI Transformando Visão em Valor. Índice Prefácio... 3 Ética empresarial da HOCHTIEF: Princípios... 5 Conflitos de interesse... 7 Confidencialidade... 8 Regras sobre controle de

Leia mais

A Proteção da Propriedade Intelectual no Ambiente Digital: o Impacto de SOPA, PIPA e/ou CISPA Laura Fragomeni

A Proteção da Propriedade Intelectual no Ambiente Digital: o Impacto de SOPA, PIPA e/ou CISPA Laura Fragomeni A Proteção da Propriedade Intelectual no Ambiente Digital: o Impacto de SOPA, PIPA e/ou CISPA Laura Fragomeni Roteiro Crescimento da Internet Desafio: ineficácia legislativa Panorama Internacional: SOPA,PIPA

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS

transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS WHITE PAPER Setembro de 2012 transferência da gestão de atendimento para o modelo SaaS Principais problemas e como o CA Nimsoft Service Desk ajuda a solucioná-los agility made possible Índice resumo executivo

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO:

FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: FICHA DE CADASTRO DE USUÁRIO: www.condominio-on-line.com Email: * CPF / CNPJ: * Nome: * Apelido: Morador: Proprietário [ ] Inquilino [ ] * Complemento: * Tel. Celular: (Visão - Síndico) Tel. Residencial:

Leia mais

Explorar plenamente o potencial da computação em nuvem na Europa - O que é e o que significa para mim?

Explorar plenamente o potencial da computação em nuvem na Europa - O que é e o que significa para mim? COMISSÃO EUROPEIA MEMO Bruxelas, 27 de setembro de 2012 Explorar plenamente o potencial da computação em nuvem na Europa - O que é e o que significa para mim? Ver também IP/12/1025 O que é a computação

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

IMPLEMENTANDO UMA ARQUITETURA DO SECURITY ANALYTICS

IMPLEMENTANDO UMA ARQUITETURA DO SECURITY ANALYTICS IMPLEMENTANDO UMA ARQUITETURA DO SECURITY ANALYTICS Resumo da solução RESUMO As novas ameaças de segurança exigem uma nova abordagem ao gerenciamento de segurança. As equipes de segurança precisam de uma

Leia mais

Software para Saúde Conectada

Software para Saúde Conectada TrakCare LAB Inovação na evolução dos pacientes, performance de laboratórios e comunicação entre os profissionais de saúde. Software para Saúde Conectada Mais poder para seu laboratório, mais benefícios

Leia mais

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

Comissão dos Assuntos Jurídicos. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia

Comissão dos Assuntos Jurídicos. dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 23.9.2013 2013/2063(INI) PARECER da Comissão dos Assuntos Jurídicos dirigido à Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia sobre a exploração

Leia mais

Mobile Device Management MDM. SAP Forum, Fev2014.

Mobile Device Management MDM. SAP Forum, Fev2014. Mobile Device Management MDM SAP Forum, Fev2014. A EMBRATEL ENTREGA Porque é a mais completa operadora de Telecomunicações e TI Referência e líder na oferta de serviços de telecomunicações em toda a América

Leia mais

Segurança, ética e outras questões atuais em TI. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas 2012

Segurança, ética e outras questões atuais em TI. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas 2012 Segurança, ética e outras questões atuais em TI Prof. José Carlos Vaz EACH-USP Curso de Gestão de Políticas Públicas 2012 Aumento das capacidades de armazenamento de dados Queda rápida dos custos de armazenamento

Leia mais

Microsoft é uma marca registrada ou comercial da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países.

Microsoft é uma marca registrada ou comercial da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. Este documento serve apenas para fins informativos. A MICROSOFT NÃO CONCEDE GARANTIAS EXPRESSAS, IMPLÍCITAS OU LEGAIS NO QUE DIZ RESPEITO ÀS INFORMAÇÕES NESTE DOCUMENTO. Este documento é fornecido no estado

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

II 02 Calçados de Couro

II 02 Calçados de Couro II 02 Calçados de Couro [Artigos de Vestuário e de Moda] 1. Definição da Categoria Esta categoria abrange os calçados de couro, incluindo botas, excluindo os sapatos esportivos e chinelos. Todos os calçados

Leia mais

Contrato de Licença de Software de Aplicativos Fon

Contrato de Licença de Software de Aplicativos Fon Contrato de Licença de Software de Aplicativos Fon Sua utilização do Aplicativo Móvel Bem-vindo ao Contrato de Licença ( o Contrato ) de Software de Aplicativos Fon ( o Software ) Este Contrato é entre

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Brasoftware Executive Meeting Setembro/2015 DJALMA ANDRADE CTO MICROSOFT BRASIL

Brasoftware Executive Meeting Setembro/2015 DJALMA ANDRADE CTO MICROSOFT BRASIL Brasoftware Executive Meeting Setembro/2015 DJALMA ANDRADE CTO MICROSOFT BRASIL Prioridades chave do Brasil para aumentar a competitividade 1. Expandir a estabilidade econômica e política 2. Promover o

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Inovação em Banda Larga. Marco Antonio Folegatti Gerente Geral da América do Sul Telecom Networks

Inovação em Banda Larga. Marco Antonio Folegatti Gerente Geral da América do Sul Telecom Networks Inovação em Banda Larga Marco Antonio Folegatti Gerente Geral da América do Sul Telecom Networks A banda larga beneficia a todos Melhoria na qualidade de vida com FTTH Exemplos em países em desenvolvimento

Leia mais

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas Diretoria de Programas - CAPES Como deveria ser a infra-estrutura de TI das nossas bibliotecas? A infra-estrutura de TI de uma

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho/2008 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Mauro Peres, Country Manager IDC Brasil Copyright 2008

Leia mais

Impacto da nuvem sobre os modelos de consumo de TI 10 principais percepções

Impacto da nuvem sobre os modelos de consumo de TI 10 principais percepções Impacto da nuvem sobre os modelos de consumo de TI 10 principais percepções Joseph Bradley James Macaulay Andy Noronha Hiten Sethi Produzido em parceria com a Intel Introdução Em apenas alguns anos, a

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais