Resumo. Abstract. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo. Abstract. Introdução"

Transcrição

1 volume 2 número 1 janeiro/ 2011 páginas 1-11 Análise do Algorimo sem Ponderação para Redes de Acesso GPON A. F. Sanos e E. D. S. Souza Depo de Química e Exaas, DQE - UES Jequié, A Resumo Nese arigo propomos e analisamos um algorimo de alocação dinâmica de banda para rede de acesso GPON (gigabi passive opical nework). O algorimo aloca banda mínima para as ONUs e disribui a banda não uilizada de acordo com criério baseado em rês prioridades. A axa de bi upsream é 1,25 Gbps e o desempenho do algorimo é analisado com base na variação do araso de pacoes em função do ráfego gerado nas ONUs. Os resulados obidos por meio de simulações compuacionais mosram a versailidade do algorimo. Palavras-chave: Passive Opical Nework (PON), Gigabi PON (GPON), alocação dinâmica de banda. Absrac In his paper we propose and analyze an algorihm for dynamic bandwidh allocaion for nework access GPON (Gigabi Passive Opical Nework). The algorihm allocaes bandwidh o he ONUs and disribues unused bandwidh according o crieria based on hree prioriies. The bi rae is 1.25 Gbps upsream and performance of he algorihm is analyzed based on he variaion of packe delay as a funcion of raffic generaed in he ONUs. The resuls obained by compuer simulaion show he versailiy of he algorihm. Keywords: Passive Opical Nework (PON), Gigabi PON (GPON), dynamic bandwidh assignmen. Inrodução As redes de acesso êm se ornado objeo de inensa expansão e ofera de ecnologias. Esima-se que em um fuuro não muio disane, os assinanes necessiarão de acesso com banda de 70 a 100 Mbps na direção downsream e 20 a 30 Mbps na direção upsream em suas residências. Esa banda downsream é capaz de acomodar canais HDTV (high-definiion elevision) e SDTV (sandard-definiion elevision), navegação na Inerne, VoIP (voice over Inerne proocol), jogos on line e ouros serviços banda larga. Com a migração dos serviços de elevisão para as redes de dados (IPTV inerne proocol elevision), a capacidade de downsream (2.488 Mbps) pode ser esgoada em pouco empo, pois um canal SDTV requer aproximadamene 3 Mbps e um canal HDTV, 18 Mbps, se for uilizada codificação MPEG-2. No senido upsream o perfil do ráfego pelo uso de aplicações P2P e de sies que operam com upload (como Youube e Flick) irá alerar as caracerísicas das redes de acesso de assimérica para quase simérica em um fuuro próximo. Para suprir a grande demanda de banda, uma solução eficiene é a rede ópica de acesso padrão GPON. Uma das premissas do padrão GPON é o oferecimeno de banda larga e qualidade de serviço (QoS qualiy of service). Com o passar dos anos o ráfego na Inerne e ouros serviços coninuarão aumenando, e um mecanismo de gerenciameno eficiene de largura de banda é cada vez mais imporane. Assim, é 1

2 necessário que as operadoras de elecomunicações uilizem, em suas OLTs (opical line erminal), algorimos eficienes de alocação de banda que gerenciem oda a rede, com inuio de minimizar o araso e eviar o desperdício de banda. No GPON, a ransmissão no senido downsream, da OLT para as ONUs (opical nework uni), é realizada por meio de difusão (broadcas). Cada ONU idenifica seu ráfego por meio de endereçameno. No senido upsream, das ONUs para a OLT, o meio de ransmissão é comparilhado uilizando a écnica de acesso múliplo por divisão de empo (TDMA ime division muliple access), que, aravés da alocação de ime slos, permie conrolar quando cada ONU pode ransmiir a sua rajada de dados. Nese arigo propomos e analisamos um algorimo de alocação dinâmica de banda para rede de acesso por fibra padrão GPON, operando com axa de bi upsream 1,25 Gbps, e rês ipos de SLAs. Rede GPON A rede GPON é composa por fibras ópicas e diversos disposiivos ópicos e sisemas, como ONUs, OLTs, filros, divisores passivos e lasers. Os principais componenes ópicos e sisemas são descrios a seguir. OLT: Terminal de linha ópica. Esá localizada na cenral da operadora de serviços, conecando a rede de acesso à rede meropoliana. A OLT ransmie sinal ópico, que é disribuído para os diversos usuários aravés dos divisores ópicos passivos. Uma OLT é formada por diversos servidores que fornecem serviços, como VoiP, HDTV e Inerne. Toda a ransmissão da rede é gerenciada pela OLT. ONU: Unidade de rede ópica. Esá localizada próxima do assinane. A ONU concenra o ráfego aé que possa ser ransmiido para a OLT. Além disso, quando a OLT envia as mensagens em broadcas, as ONUs reconhecem apenas as mensagens desinadas à ela e ignoram as demais. Oura funcionalidade imporane é a conversão do sinal ópico em elérico para os disposiivos padrões, como elefones, compuadores, TV e ouros equipamenos de aplicação do usuário final. Divisor Passivo (Splier): Ese disposiivo esá localizado enre a OLT e a ONU, sendo responsável por dividir ou combinar o sinal ópico da fibra. No senido downsream, o sinal de enrada é dividido e enviado para odas as poras de saída. No senido upsream, o sinal de odas as ONUs é combinado e ransmiido à OLT. A Figura 1 ilusra uma rede GPON composa de uma OLT, um divisor ópico passivo e quaro ONUs. Figura 1. Rede GPON. 2

3 Alocação de anda Um algorimo de alocação de banda aua com base em um conjuno de criérios a fim de alocar ime slos para que as ONUs ransmiam seus respecivos quadros de ráfego, gerenciando o meio comparilhado e eviando colisões. A alocação de banda pode ser classificada em esáica ou dinâmica e o seu desempenho é avaliado pelo araso de pacoe (laência), variação do araso de pacoe (packe delay variaion PDV) e pela probabilidade de perda de pacoe. A implemenação mais simples é a que aloca ime slos fixos para as ONUs. Enreano, se os ime slos aribuídos são insuficienes para cobrir os requisios de largura de banda da ONU (que devem aguardar para serem ransmiidos) haverá aumeno do araso de pacoes. Por ouro lado, se os ime slos forem subuilizados haverá desperdício de banda. Esa implemenação é conhecida como alocação esáica de banda. Na alocação dinâmica de banda (DA dynamic bandwidh allocaion) o princípio é alocar banda aos elemenos da rede que esejam aivos e reduzir ime slos quando não há dados a ransmiir, disponibilizando-os para as ONUs que necessiam. O desafio para o DA é saber a quanidade de byes que aguardam ransmissão nas ONUs. No caso de esquema esáico, o conrole (operadora) dispõe de visibilidade limiada sobre ráfego no canal upsream, resulando em laência elevada e perda excessiva de pacoes, reduzindo a eficiência e provocando perda de receia. Se o uso da banda for ineficiene, não será possível ampliar o número de ONUs aendidas. Esas limiações são superadas por algorimos que auam de forma dinâmica, alocando banda de acordo com a necessidade de cada ONU. Com isso, a laência e a perda de pacoes podem ser reduzidos. A Figura 2 e a Figura 3 mosram simplificadamene as alocações esáica e dinâmica de banda, respecivamene. OLT Slo Vazio ONU C Slo Vazio ONU A ONU A ONU ONU C Slo Vazio ONU C Figura 2. Alocação esáica de banda. Se as ONUs não possuem dados a ransmiir (quadrado branco na figura) os ime slos alocados a elas ficam indisponíveis para serem uilizados por ouras ONUs. A operadora de serviços não pode ampliar o número de ONUs porque a banda uilizada de forma ineficiene não permie. 3

4 OLT Slo Exra Alocado para ONU A Slo Exra Alocado para ONU ONU A ONU Slo Exra Alocado para ONU ONU C Figura 3. Alocação dinâmica de banda. Em sequência, o primeiro (da esquerda para a direia) ime slo não uilizado pela ONU C é alocado para a ONU A; o segundo ime slo não uilizado pela ONU C é alocado para a ONU ; O ime slo não uilizado pela ONU A é alocado para a ONU. Desa forma, a ransmissão upsream não exibe ime slo desocupado, aumenando a eficiência da rede. Porano, um dos desafios para a implemenação do DA é saber a quanidade de byes que aguardam ransmissão nas ONUs. Alguns algorimos são apresenados na lieraura [5], [6]. Enreano, o mais uilizado é o DM (dynamic minimum bandwidh). Ese algorimo é baseado em SLAs (service level agreemen), que é um conjuno de especificações de serviços e prioridades negociados enre provedor e usuário. O DM aloca uma banda mínima para cada SLA, cuja disribuição é realizada de acordo com faores de ponderação. Assim, ese algorimo diferencia a alocação de banda para os SLAs e disribui a banda mínima igual para odos os usuários. A banda não uilizada é realocada para as ONUs, independenemene dos SLAs. Esa alocação é dinâmica e depende da banda excedene e do esado das filas de ráfego das ONUs. O algorimo DM é implemenado em duas eapas. A banda mínima para cada SLA é esipulada no primeiro eságio e a banda não uilizada, no segundo. A seguir será apresenada a formulação maemáica do algorimo de alocação dinâmica de banda sem ponderação, que propomos, similar ao DM. Todas as simulações foram realizadas uilizando um simulador desenvolvido em linguagem de programação C++. Algorimo Sem Ponderação Ese algorimo aloca banda (CIR commied informaion rae) igual para odas as ONUs e em seguida realoca dinamicamene a banda não uilizada (EIR excess informaion rae) com base nas prioridades dos SLAs. A sequência de ransmissão é sempre esabelecida de acordo com o padrão GPON. Os resulados foram baseados em opologia GPON formada por uma OLT e 16 ONUs. A disância enre OLT e ONUs é escolhida por soreio, com base em variável aleaória, não excedendo 20 km, conforme esabelece a norma. Assim, o empo de ida-e-vola (RTT round rip ime) do sinal é diferene para cada ONU. As 16 ONUs esão disribuídas em rês ipos de SLAs, conforme mosra a Tabela 1. O gerenciameno de banda é realizado pelo DA, que aloca banda (CIR) para odas as ONU. Em nossa abordagem, a banda excedene é uilizada sem limiação pelos SLAs. O SLA 1 (prioridade ala) pode uilizar oda banda excedene em caso de necessidade. Depois de aendidas as soliciações do SLA 1, a banda que resa pode ser uilizada pelo SLA 2 (prioridade média), ambém sem resrição. O SLA 3 (prioridade baixa) uiliza a úlima porção de banda que resar. A seguir será apresenada a formulação maemáica do primeiro algorimo proposo. 4

5 Tabela 1. Prioridades dos SLAs e disribuição das ONUs. SLA Prioridade ONUs 1 Ala 1 a 4 2 Média 5 a 8 3 aixa 9 a 16 Formulação Maemáica Em nossa implemenação, a banda que será alocada ( banda ( ) e banda exra ( exra ), conforme alocada ) para cada ONU é composa pela = +, (1) alocada exra na qual represena o número da prioridade (SLA), sendo, = 1 prioridade ala, = 2 prioridade média e = 3 prioridade baixa. A banda represena a banda mínima (CIR) disponível que será alocada para odas as ONUs independenemene da prioridade. Nesa alocação, será aribuída uma banda básica ( ) para as ONUs verificando o amanho da fila ( Q ). Se o amanho da fila for menor ou igual à banda básica, a ONU receberá a quanidade de banda soliciada ao OLT, ou seja, Q. Iso é realizado para eviar desperdício de banda. Se o amanho da fila for maior, será alocada a banda básica e a excedene será dispuada seguindo os criérios de alocação da banda exra ( exra ). A banda é alocada de acordo com básica básica ; Q > = Q; Q básica básica (2) A quanidade de banda exra que será alocada dinamicamene para as ONUs é composa pela diferença enre a banda oal da rede ( ) e a soma da banda alocada para odas as ONUs, conforme oal k não _ uilizada = oal, (3) i = 1 na qual k represena o número de ONUs. A banda exra é alocada para as ONUs que necessiarem de mais banda que a banda. Se iso ocorrer e exisir mais banda que a requerida, ( Q ), a ONU receberá a não _ uilizada quanidade de banda que soliciou (Q). Se exisir menos, ( Q ) > nãouiliza da, oda banda disponível será alocada. Caso a banda seja suficiene para suprir a quanidade de banda soliciada pela ONU, não será necessário alocar banda exra. Toda alocação de banda exra é realizada de acordo com as prioridades de alocação (SLAs), conforme 5

6 exra = ( Q não _ 0; uilizada ); Q > ;( Q > Q e ) > não _ uilizada não _ uilizada ( Q ) (4) Resulados Numéricos A Tabela 2 lisa os parâmeros uilizados nas simulações do algorimo proposo e a Tabela 1 suas prioridades. A Figura 4 mosra o araso médio de pacoe em função da carga oferecida para os rês SLAs e apenas um conêiner de ráfego. Uilizamos apenas um conêiner para evidenciar o efeio da dispua de banda excedene pelas ONUs. Ese gráfico é uilizado nas simulações como padrão de resulado do efeio de alocação de banda não uilizada de acordo com os SLAs. A diferença enre os valores de araso médio de pacoe dos SLAs 1 e 3 é acenuada porque a banda não uilizada, a que excede a banda alocada (3) para odas as ONUs, é realocada em sequência para os SLAs 1, 2 e 3. Quando a rede esá com carga máxima, os SLAs 1 e 2 praicamene consomem oda banda excedene. Assim, a adoção de criério de uilização livre, sem resrição da quanidade máxima, da banda excedene de acordo com os SLAs acarrea grande diferença enre os valores de araso médio. Nese caso, a rede se compora com parcialidade (unfairness), pois os SLAs de prioridade mais ala consomem as maiores porções de banda. Ese efeio pode ser viso de oura forma nas Figuras 4 e 5, que relacionam a quanidade de banda soliciada e aendida por número de soliciações por ONU e por SLA. Tabela 2. Parâmeros de simulação do algorimo proposo no padrão GPON. Descrição GPON Taxa de bi oal (Gbps) 1,25 Taxa de bi ONU (Mbps) 100 Número Toal de ONUs 16 Tamanho do buffer nas ONUs (M) 10 Disância máxima enre OLT e ONUs (km) 20 Tamanho máximo do ime slo () 1215 Tempo (bi) de guarda enre ransmissões 96 bi Tempo máximo do ciclo de inerrogação (µs) 125 6

7 1 0,1 SLA 3 (Prioridade aixa) SLA 2 (Prioridade Média) SLA 1 (Prioridade Ala) Araso Médio (s) 0,01 1E-3 1E Carga Oferecida Pela ONU (%) Figura 4. Araso médio de pacoes em função da carga oferecida por ONU para os 3 SLAs e um conêiner de ráfego. A sequência de prioridade de SLA é mosrada na Tabela 1 e os parâmeros da simulação na Tabela 2. A Figura 5 mosra o volume de ráfego da rede em Terabye relacionado com as bandas soliciadas e aendidas por ONU em função dos SLAs para 100% de carga oferecida por ONU. O ráfego é gerado de forma similar para odas as ONUs. Se a quanidade de banda soliciada por ONU for aendida pela OLT, o volume de ráfego conido nos conêineres diminui, pois o ráfego é enviado ao OLT. No enano, à medida que o volume de ráfego aumena nos conêineres, a banda soliciada orna-se maior que a banda aendida e as ONUs precisarão soliciar uma quanidade maior de banda. Os valores mosrados se referem à média de 5 simulações realizadas. A banda média por ONU associada ao SLA é calculada por s, a, oal s, a, média = N (5) SLA na qual s a, média, é a banda média (por SLA), em bps; s, a oal é a banda oal (por SLA), em bps; N SLA é o número de ONUs associados aos SLAs, especificados na Tabela 1; s e a significam soliciada e aendida, respecivamene., 7

8 Volume de Tráfego da Rede em Terabye 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 Revisa Cienífica do Deparameno de Química e Exaas anda Soliciada anda Aendida 0,05 0, Tipo de SLA Figura 5. Volume de ráfego da rede em Terabye relacionado com as bandas soliciadas e aendidas por ONU em função dos SLAs para 100% de carga oferecida por ONU. A linha horizonal delimia a quanidade de banda e a quanidade de banda exra alocado para cada SLA. Abaixo desa linha emos a quanidade de banda e acima a quanidade de banda exra. Na Figura 5, para 100% de carga oferecida por ONU as soliciações do SLA 3 são aendidas para o volume de ráfego de aé 0,05 Terabye. Iso represena que o SLA 3 receberá apenas a banda de 40 Mbps (observar na Figura 6 as bandas soliciadas e aendidas para o SLA 3 ). Iso ocorre porque a banda não uilizada (banda exra) é realocada sequencialmene para os SLAs 1, 2 e 3, sendo o SLA 3 o mais prejudicado não dispondo de banda exra para aendimeno de suas soliciações. Os valores de bandas mosradas na Figura 5, embora calculados por ONU associada à prioridade, são ainda valores essencialmene absoluos quando comparados com o oal de soliciações de odas as ONUs da rede. Há várias opções para calcular a média por soliciação e uma delas considera as bandas soliciadas e aendidas pelas 16 ONUs da rede. Nese caso, as soliciações das ONUs associadas aos SLAs ficam mascaradas. Uma forma de eviar ese mascarameno é calcular o número médio de soliciações feias pelas 16 ONUs da rede. Ese número é S médio = Soal / NONU, oal, na qual S médio é o número médio de soliciações; Soal é o número oal de soliciações das 16 ONUs; N ONU, oal é o número oal de ONUs, no caso, 16. Ese valor médio de soliciações é e foi deerminado em 5 simulações. Assim, a Figura 6 mosra a banda média por SLA em relação à quanidade média de soliciações da rede, s, a, média / Smédio em bps. Somando as bandas aendidas e muliplicando pela quanidade de ONUs associadas às prioridades, vamos ober a banda oal da rede (1,25 Gbps). Como podemos observar na Figura 6, o SLA 3 não recebe banda exra, apenas a banda, 40 Mbps. Desa forma, percebemos que o volume de ráfego da rede aendido pela banda alocada é 0,05 Terabye (Figura 5). A Tabela 3 apresena os valores de banda aendida mosrada na Figura 6 e o oal de banda aendida em 100% de carga. 8

9 1,25G 1,20G 1,10G 1,00G anda Soliciada anda Aendida 900,00M anda (bps) 800,00M 700,00M 600,00M 500,00M 400,00M 300,00M 200,00M 100,00M 40,00 M 0, Tipo de SLA Figura 6. andas soliciadas e aendidas por SLA pela quanidade média de soliciações da rede. Calculada para 100% de carga oferecida por ONU, um conêiner de ráfego e média de cinco simulações. A linha horizonal delimia a quanidade de banda e a quanidade de banda exra. Abaixo desa linha emos a banda e acima a banda exra. Tabela 3. Prioridades dos SLAs, araso médio para 100% de carga por ONU (ms), número de ONUs por SLA, banda e exra em 100 % de carga (Mbps). SLA Araso Médio para 100% de carga por ONU (ms) Número de ONUs por SLA anda Garanida (Mbps) anda Exra (Mbps) anda em 100 % de carga (Mbps) anda Toal em 100 % de carga (Mbps) 1 0, ,1 121,1 484,4 2 32, ,4 111,4 445, , Toal 1250 A Figura 7 ilusra as bandas soliciadas e aendidas pelas ONUs de SLA 3 para alguns valores de carga oferecida pela ONU. O resulado mosrado na Figura 6 (100% de carga) esá incluído. O SLA 3 represena a siuação mais críica porque é o de prioridade mais baixa. Para cargas baixas e médias de carga (aé 60%) o aendimeno às soliciações é adequado (araso pequeno; ver Figura 4). 9

10 anda (bps) 1,25G 1,20G 1,10G 1,00G 900,00M 800,00M 700,00M 600,00M 500,00M 400,00M 300,00M 200,00M 100,00M 40 M 0,00 Revisa Cienífica do Deparameno de Química e Exaas anda Soliciada anda Aendida Carga Oferecida Pela ONU (%) Figura 7. andas soliciadas e aendidas pelo SLA 3 pela quanidade média de soliciações da rede. Calculada para várias condições de carga oferecida por ONU, um conêiner de ráfego e média de cinco simulações. A linha horizonal delimia a quanidade de banda e a quanidade de banda exra. Abaixo desa linha emos a banda e acima a banda exra. Conclusões Nese rabalho propomos um algorimo de alocação dinâmica de banda para rede de acesso via fibra ópica padrão GPON e axa máxima 1,25 Gbps. Analisamos o araso médio de pacoes e a quanidade de banda soliciada e aendida para rês SLAs. Os resulados numéricos mosram a eficiência e versailidade do algorimo proposo. Pesquisa fuura inclui avaliação de axas para o esabelecimeno de diversos SLAs e ampliação de requisios de QoS. Referências [1] R. W. Heron e al., Technology Innovaions and Archiecure Soluions for he Nex-Generaion Opical Access Nework, ell Labs Technical Journal, vol. 13, pp , março [2] GPON is more han jus a faser PON, roadligh, pp hp://www.broadligh.com/docs/pdfs/wp-gpon-more-han-faser-pon.pdf (daa de acesso, abril de 2010). [3] ITU-T Recommendaion G.984.3, "Gigabi-capable passive opical neworks (GPON): ransmission convergence layer specificaion", [4]Cisco, Approaching he Zeabye Era, hp://www.cisco.com/en/us/soluions/collaeral/ns341/ns525/ns537/ns705/ns827/whie_paper_c _ns827_Neworking_Soluions_Whie_Paper.hml (daa de acesso, abril de 2010). [5] A. F. Sanos, S. M. Rossi, A. C. César, Algorimo de Alocação Dinâmica de anda para Rede Ópica de Acesso GPON. XXVII Simpósio rasileiro de Telecomunicações (SrT), lumenau, SC,

11 [6] A. Walid e A. Chen, Self-Adapive Dynamic bandwidh Allocaion for GPON (Gigabi Passive Opical Nework), Acceped for publicaion in ell Labs Technical Journal, [7] C.-H. Chang, P. Kouressis, and J. M. Senior, "GPON service level agreemen based dynamic bandwidh assignmen proocol," Journal of Elecronics Leers,vol. 42, pp ,

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - UF FRGS Redes de Compuadores Conrole de fluxo Revisão 6.03.015 ula 07 Comunicação em um enlace envolve a coordenação enre dois disposiivos: emissor e recepor Conrole

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Inrodução Ins iuo de Info ormáic ca - F FRGS Redes de Compuadores uliplexação Aula 05 Transmissão é possível sempre que a banda passane do meio for maior ou igual que a banda passane do sinal Banda analógica

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE

1 TRANSMISSÃO EM BANDA BASE Página 1 1 TRNSMISSÃO EM BND BSE ransmissão de um sinal em banda base consise em enviar o sinal de forma digial aravés da linha, ou seja, enviar os bis conforme a necessidade, de acordo com um padrão digial,

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso

Telefonia Digital: Modulação por código de Pulso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Unidade de São José Telefonia Digial: Modulação por código de Pulso Curso écnico em Telecomunicações Marcos Moecke São José - SC, 2004 SUMÁRIO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO....

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância

Experimento. Guia do professor. O método de Monte Carlo. Governo Federal. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância Análise de dados e probabilidade Guia do professor Experimeno O méodo de Mone Carlo Objeivos da unidade 1. Apresenar um méodo ineressane e simples que permie esimar a área de uma figura plana qualquer;.

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

Ampliador com estágio de saída classe AB

Ampliador com estágio de saída classe AB Ampliador com eságio de saída classe AB - Inrodução Nese laboraório será esudado um ampliador com rês eságios empregando ransisores bipolares, com aplicação na faixa de áudio freqüência. O eságio de enrada

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é:

Estando o capacitor inicialmente descarregado, o gráfico que representa a corrente i no circuito após o fechamento da chave S é: PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. Considere o circuio mosrado na figura abaixo: S V R C Esando o capacior inicialmene descarregado, o gráfico que represena a correne

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

MODELAGEM DE SÓLIDOS, Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR

MODELAGEM DE SÓLIDOS, Adair Santa Catarina Curso de Ciência da Computação Unioeste Campus de Cascavel PR MODELAGEM DE SÓLIDOS, CURVAS E SUPERFÍCIES Adair Sana Caarina Curso de Ciência da Compuação Unioese Campus de Cascavel PR Mar/24 O que é Modelagem? Modelagem é o uso de écnicas para criar represenações

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1

INTRODUÇÃO. 1. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM 1.1 ETFSC UNED/SJ CURSO DE TELEFONIA DIGITAL CAPÍTULO. MODULAÇÃO POR CÓDIGO DE PULSO - PCM. INTRODUÇÃO. Uma grande pare dos sinais de inormações que são processados em uma rede de elecomunicações são sinais

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

Manoel Leandro de Lima Júnior 1, Jorge Dantas de Melo 2, Adrião Duarte Dória Neto 3

Manoel Leandro de Lima Júnior 1, Jorge Dantas de Melo 2, Adrião Duarte Dória Neto 3 Copyrigh 2004, Insiuo Brasileiro de Peróleo e Gás - IBP Ese Trabalho Técnico Cienífico foi preparado para apresenação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Peróleo e Gá a ser realizado no período de 2 a

Leia mais

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro.

A) inevitável. B) cérebro. C) comanda. D) socorro. E) cachorro. CONHECIMENTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1 CÉREBRO ELETRÔNICO O cérebro elerônico faz udo Faz quase udo Faz quase udo Mas ele é mudo. O cérebro elerônico comanda Manda e desmanda Ele é quem manda Mas ele

Leia mais

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS

ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS 2 ANÁLISE DE ESTRUTURAS VIA ANSYS A Análise de esruuras provavelmene é a aplicação mais comum do méodo dos elemenos finios. O ermo esruura não só diz respeio as esruuras de engenharia civil como pones

Leia mais

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO XXII Enconro Nacional de Engenharia de rodução Curiiba R, 23 a 25 de ouubro de 2002 CUSTOS OTENCIAIS DA RODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO LANEJAMENTO E CONTROLE DA RODUÇÃO Valério Anonio amplona Salomon José

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO

DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO versão impressa ISSN 00-7438 / versão online ISSN 678-542 DIMENSIONAMENTO DE LOTES E PROGRAMAÇÃO DO FORNO NUMA FUNDIÇÃO AUTOMATIZADA DE PORTE MÉDIO Silvio Alexandre de Araujo Deparameno de Informáica Universidade

Leia mais

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores

Diodos. Símbolo. Função (ideal) Conduzir corrente elétrica somente em um sentido. Tópico : Revisão dos modelos Diodos e Transistores 1 Tópico : evisão dos modelos Diodos e Transisores Diodos Símbolo O mais simples dos disposiivos semiconduores. Função (ideal) Conduzir correne elérica somene em um senido. Circuio abero Polarização 2

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA. Amanda Zani Dutra Silva UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno de Manuenção de Equipamenos de um Hospial São Paulo 006 Amanda Zani Dura Silva Gerenciameno

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira

DMX Light Control. Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira DMX Ligh Conrol Daniel Ribeiro, Pedro Torres, Paula Pereira Resumo DMX-Ligh Conrol efecua o conrolo de sisemas de luzes que funcionam segundo o proocolo DMX, aravés de rádio frequência. Ese sisema foi

Leia mais

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas

Uso da Simulação de Monte Carlo e da Curva de Gatilho na Avaliação de Opções de Venda Americanas J.G. Casro e al. / Invesigação Operacional, 27 (2007) 67-83 67 Uso da imulação de Mone Carlo e da Curva de Gailho na Avaliação de Opções de Venda Americanas Javier Guiérrez Casro Tara K. Nanda Baidya Fernando

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE

DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE OPERAÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO Pág.: 1/88 ÍNDICE Professor: Waldemir Loureiro Inrodução ao Conrole Auomáico de Processos... 4 Conrole Manual... 5 Conrole Auomáico... 5 Conrole Auo-operado... 6 Sisema

Leia mais

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL

FUNÇÕES CONVEXAS EM TEORIA DE APREÇAMENTO DE OPÇÕES POR ARBITRAGEM UTILIZANDO O MODELO BINOMIAL FUNÇÕES CONVEAS EM EORIA DE APREÇAMENO DE OPÇÕES POR ARBIRAGEM UILIZANDO O MODELO BINOMIAL Devanil Jaques de SOUZA Lucas Moneiro CHAVES RESUMO: Nese rabalho uilizam-se écnicas maemáicas elemenares, baseadas

Leia mais

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1

ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 ANÁLISE DE TRANSIENTES COM ALTOS PERCENTUAIS DE TAMPONAMENTO DOS TUBOS DOS GERADORES DE VAPOR DE ANGRA 1 Márcio Poubel Lima *, Laercio Lucena Marins Jr *, Enio Anonio Vanni *, Márcio Dornellas Machado

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ANALISADOR PARA CABOS DE REDE DO TIPO PAR TRANÇADO (UTP) GUILHERME ELIDIO FERRI

DESENVOLVIMENTO DE UM ANALISADOR PARA CABOS DE REDE DO TIPO PAR TRANÇADO (UTP) GUILHERME ELIDIO FERRI DESENVOLVIMENTO DE UM ANALISADOR PARA CABOS DE REDE DO TIPO PAR TRANÇADO UTP GUILHERME ELIDIO FERRI CAMPO GRANDE MS 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS

CONVERSOR BUCK UTILIZANDO CÉLULA DE COMUTAÇÃO DE TRÊS ESTADOS UNIVERSIDADE ESADUA PAUISA FACUDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE IHA SOEIRA PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA EÉRICA CONVERSOR BUCK UIIZANDO CÉUA DE COMUAÇÃO DE RÊS ESADOS JUAN PAUO ROBES BAESERO Orienador: Prof.

Leia mais

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR

MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR MÁRCIO YOSHIKAZU EMATSU ANÁLISE ESPECTRAL DA CORRENTE DE PARTIDA DE MOTORES DE INDUÇÃO PARA DETECÇÃO DE FALHAS NAS BARRAS DO ROTOR FLORIANÓPOLIS 8 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará.

Previsão de demanda e monitoramento por sinal de rastreamento do modelo para produto classe A de uma empresa varejista de Belém do Pará. Previsão de demanda e moniorameno por sinal de rasreameno do modelo para produo classe A de uma empresa varejisa de Belém do Pará. avi Filipe Vianna Moreira (UEPA) davifilipe@globo.com Jesse Ramon de Azevedo

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 01 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 1 DEFINIÇÕES E PARÂMETROS DE CIRCUITOS Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES 1.1 INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FENG Desinase o primeiro capíulo

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

ESTIMAÇÃO DE ESTADO EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: PROGRAMA PARA ANÁLISE E ATUALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DE CONJUNTO DE MEDIDAS

ESTIMAÇÃO DE ESTADO EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: PROGRAMA PARA ANÁLISE E ATUALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DE CONJUNTO DE MEDIDAS ESTIMAÇÃO DE ESTADO EM SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA: PROGRAMA PARA ANÁLISE E ATUALIZAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS DE CONJUNTO DE MEDIDAS EDUARDO MARMO MOREIRA Disseração de Mesrado apresenada

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

3 Formação do Preço da Energia Elétrica

3 Formação do Preço da Energia Elétrica 3 Formação do Preço da Energia Elérica 3.. Inrodução A formação de preços é inerene a oda aividade indusrial, sendo desejável por pare dos consumidores que esses preços refliam os cusos de produção (Silva,

Leia mais

Um Modelo para o Problema de Dimensionamento de Lotes com Aquisição de Matérias-Primas

Um Modelo para o Problema de Dimensionamento de Lotes com Aquisição de Matérias-Primas Um Modelo para o Problema de Dimensionameno de Loes com Aquisição de Maérias-Primas Arur Lovao Cunha Universidade de São Paulo - Insiuo de Ciências Maemáicas e de Compuação Av. Trabalhador São-carlense,

Leia mais

Uma Medida Coerente de Risco como Métrica para o Planejamento Anual da Operação Energética

Uma Medida Coerente de Risco como Métrica para o Planejamento Anual da Operação Energética Uma Medida Coerene de Risco como Mérica para o Planejameno Anual da Operação Energéica Vior L. de Maos, Erlon C. Finardi e Paulo V. Larroyd Resumo Em sisemas de energia com predominância de geração hidrelérica,

Leia mais

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da produividade das disribuidoras de energia elérica uilizando Índice Malmquis e o méodo de boosrap Fernando Elias

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES...

SÉRIE: Estatística Básica Texto: Percentagens, Relativos e Índices SUMÁRIO 1. PERCENTAGENS...4 2. 2. RELATIVOS...9 3. 3. NÚMEROS ÍNDICES... SUMÁRO 1. PERCENTAGENS...4 1.1. NTRODUÇÃO...4 1.2. 1.2.. EQUVALÊNCAS...5 1.3. 1.3. ASSMETRA...5 1.4. 1.4. AUMENTOS E BAXAS SUCESSVAS...7 2. 2. RELATVOS...9 2.1. 2.1. TPOS DE RELATVOS...9 2.1.1. 2.1.1.

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

ALEXANDRE NUNES ZUCARATO MECANISMOS DE CAPACIDADE EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA COM PREDOMINÂNCIA DE GERAÇÃO HIDRELÉTRICA

ALEXANDRE NUNES ZUCARATO MECANISMOS DE CAPACIDADE EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA COM PREDOMINÂNCIA DE GERAÇÃO HIDRELÉTRICA ALEXANDRE NUNES ZUCARATO MECANISMOS DE CAPACIDADE EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA COM PREDOMINÂNCIA DE GERAÇÃO HIDRELÉTRICA FLORIANÓPOLIS SC 009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º ou 12.º Ano de Escolaridade (Decreo-Lei n.º 74/24, de 26 de Março) PROVA 715/16 Págs. Duração da prova: 12 minuos 27 1.ª FASE PROVA ESCRITA DE FÍSICA E QUÍMICA

Leia mais

Comportamento Assintótico de Convoluções e Aplicações em EDP

Comportamento Assintótico de Convoluções e Aplicações em EDP Comporameno Assinóico de Convoluções e Aplicações em EDP José A. Barrionuevo Paulo Sérgio Cosa Lino Deparameno de Maemáica UFRGS Av. Beno Gonçalves 9500, 9509-900 Poro Alegre, RS, Brasil. 2008 Resumo Nese

Leia mais

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA No iem 3.1, apresena-se uma visão geral dos rabalhos esudados sobre a programação de horários de rens. No iem 3.2, em-se uma análise dos rabalhos que serviram como base e conribuíram

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS

TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS 1 TÍTULO DO TRABALHO: APLICANDO O MOSFET DE FORMA A REDUZIR INDUTÂNCIAS E CAPACITÂNCIAS PARASITAS EM DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Applying Mosfe To Reduce The Inducance And Capaciance Parasies in Elecronic

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO 2006/2 UNIFAL 2 O DIA GABARITO 1 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 OCEO EEIVO 006/ UNIF O DI GIO 1 13 FÍIC QUEÕE DE 31 45 31. Uma parícula é sola com elocidade inicial nula a uma alura de 500 cm em relação ao solo. No mesmo insane de empo uma oura parícula é lançada do

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

Cartilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Carilha MERCADO SECUNDÁRIO DE TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Capíulo I Aspecos Insiucionais O Governo anunciou em novembro de 1999 um conjuno de 21 medidas desinadas a incremenar a liquidez do mercado secundário

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011 Vesibular UFU ª Fase 17 de Janeiro de 011 PRIMEIRA QUESTÃO A realidade mosra que as favelas já fazem pare do cenário urbano de muias cidades brasileiras. Suponha que se deseja realizar uma esimaiva quano

Leia mais

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS

SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO HIDRÁULICA DE RESERVATÓRIOS Anasácio Sebasian Arce Encina 1, João Eduardo Gonçalves Lopes 2, Marcelo Auguso Cicogna 2, Secundino Soares Filho 2 e Thyago Carvalho Marques 2 RESUMO

Leia mais

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 01 Eliana S. de Souza raga Índice Cinemáica...1 Exercícios... Gabario...6 Cinemáica (Não se esqueça de adoar uma origem dos espaços, uma origem dos empos e orienar a rajeória) M.R.U. =

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capíulo 1 Inrodução Índice Índice...1 1. Inrodução...2 1.1. Das Ondas Sonoras aos Sinais Elécricos...2 1.2. Frequência...4 1.3. Fase...6 1.4. Descrição de sinais nos domínios do empo e da frequência...7

Leia mais

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão

Transistor de Efeito de Campo de Porta Isolada MOSFET - Revisão Transisor de Efeio de Campo de Pora Isolada MOSFET - Revisão 1 NMOS: esruura física NMOS subsrao ipo P isposiivo simérico isposiivo de 4 erminais Pora, reno, Fone e Subsrao (gae, drain, source e Bulk)

Leia mais

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO

A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO A PERSISTÊNCIA INTERGERACIONAL DO TRABALHO INFANTIL: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O BRASIL RURAL E O BRASIL URBANO MAURÍCIO MACHADO FERNANDES; JULIANA MARIA AQUINO; ELAINE TOLDO PAZELLO; LUIZ GUILHERME SCORZAFAVE.

Leia mais

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa

GFI00157 - Física por Atividades. Caderno de Trabalhos de Casa GFI00157 - Física por Aiidades Caderno de Trabalhos de Casa Coneúdo 1 Cinemáica 3 1.1 Velocidade.............................. 3 1.2 Represenações do moimeno................... 7 1.3 Aceleração em uma

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

Um Modelo Formal para Verificação da Consistência de Documentos Hipermídia NCM. Resumo. Abstract

Um Modelo Formal para Verificação da Consistência de Documentos Hipermídia NCM. Resumo. Abstract Um Modelo Formal para Verificação da Consisência de Documenos Hipermídia NCM C.A.S. Sanos 1 J-P. Couria 1 G.L. de Souza 2 L.F.G. Soares 3 saibel@laas.fr couria@laas.fr guido@dimap.ufrn.br lfgs@inf.puc-rio.br

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais